Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Lichia - Página 7  Voltar

Lichia

Originária da China onde é considerada a fruta nacional, a Lichieira e uma árvore com até 12 metros de altura. Perfeitamente adaptada às condições de clima do Estado de São Paulo.

Lichia

Os frutos produzem em cachos, a casca é rugosa e de cor vermelha e fácil de ser descascada. A polpa é gelatinosa e de excelente sabor, lembrando ao de uva Itália e não é aderente ao caroço. Presta-se para consumo ao natural, para sucos, compotas e ainda para a passa. Em média medem de 3 a 4 centímetros.

Floresce em julho, frutifica a partir de setembro e a maturação ocorre em novembro e dezembro. É também considerada a "Rainha das Frutas".

No Brasil dispomos das variedades:

BENGAL

AMERICANA

BREWSTER

As mudas oriundas de sementes não são indicadas, porque as plantas não são uniformes e demoram acima de 12 anos para iniciar a produção. O sistema mais utilizado é o Alporquia, resultando em mudas de qualidade.

A Lichia inicia a produção a partir do 5º ano após o plantio das mudas.

Algumas plantas produzem antes, e depois de adulta, a produção anual é de 40 a 50 kg por planta, podendo produzir até mais. Necessita de um espaço de 50 a 100 m2 por planta, ou seja, no mínimo um espaço de 7m x 7m, sendo o ideal 10m x 10m. A planta necessita pouco ou nenhum tratamento. As doenças não são problemas, eventualmente pode ocorrer Abelha Arapuá nos frutos.

Praticamente não é usado agrotóxico e os frutos são colhidos isentos de produtos químicos.

Lichia

Fonte: www.umdoistres.com.br

Lichia

Lichia

A lichia (Litchi chinensis Sonn.), originária da China, é considerada como a rainha das frutas pelo seu sabor e aroma delicados, além do aspecto atraente.

Quanto à botânica, pertence à família Sapindaceae, que tem representantes importantes no Brasil, como o guaraná (Paulinia cupana) e a pitomba (Talisia esculenta).

Variedades

No sudeste asiático, quente e úmido, há muitas variedades, algumas quase desprovidas de sementes. No Brasil, principiamos e muito lentamente. Pouco, quase nada se sabe a respeito.

Há, porém, lichias com sementes grandes e outras quase sem sementes.

Climas

A lichieira encontra sua ecologia de predileção nos climas tropical e subtropical úmidos. Teme as geadas e os verões secos. Os verões secos e as geadas são fatores limitantes –informa W.B.Hayes em Fruit Growing in Índia.

Algumas variedades resistem a geadas não muito fortes. Se a pluviosidade é pequena e mal distribuída, a irrigação é indispensável.

O ideal é uma pluvisidade igual ou superior a 1.500 milímetros mais ou menos bem distribuída. Acomoda-se a uma pluviosidade igual a 1.500 milímetros.

Solos

Os solos sílico-argilosos e argilo-silicosos, férteis, profundos, são ótimos para a lichieira. Prefere os solos ácidos. Não lhe convêm os solos calcários.

Multiplicação

A multiplicação pode ser sexuada e assexuada ou agâmica. No Brasil, em regra a lichieira é multiplicada por meio de sementes, embora este processo, muito prático e barato, tenha dois defeitos: a) não transmite integralmente as qualidades da árvore mãe; b) as mudas custam a frutificar, cerca de 10 a 15 anos.

Na China e na Índia, só se usa uma multiplicação sexuada para produzir porta-enxertos. A lichieiras se multiplica por mergulhia, alporquia e enxertia. A mergulhia, embora lenta e custosa, é o processo mais usado na China e na Índia. A alporquia tem os mesmos defeitos, talvez agravados.

Ambos os métodos, porém, produzem plantas idênticas à árvore-mãe e que frutificam com uns três a seis anos. Tem, em compensação negativa, um sistema radicular relativamente pouco desenvolvido e vivem menos do que os pés-francos. Na enxertia, usam-se como cavalos pés-francos de lechieira. Enxerta-se por borbulhia e garfagem. A pega não é fácil.

Plantio

Se possível, ara-se e gradeia-se todo o terreno e faz-se uma adubação verde. Abrem-se covas de 50 centímetros de comprimento, largura e profundidade, com o espaçamento de 10 x 10 metros.

Convém adubar cada cova com 20 litros de estrume de curral ou composto, misturado com 200g de nitrocálcio-petrobrás ou sulfato de amônio, 300g de farinha de ossos, 200g de superfosforo e 150g de cloreto de potássio. Plantam-se as mudas em dias úmido, no início da estação chuvosa.

Tratos culturais

Fazem-se as carpas indispensáveis, de preferência com a grade de discos ou o cultivador.

Culturais consorciados

São possíveis e aconselháveis nos primeiros anos, desde que não abafem as fruteirinhas. Preferem-se as leguminosas de curto ciclo vegetativo.

Podas

Não há podas de formação. Podem fazer-se podas de limpeza, retirando-se galhos secos ou doentes, galhos maus colocados e ladrões.

Adubações

A lechieira precisa ser adubada para frutificar regular e fartamente. Reage muito as adubações.

Colheita

A colheita é fácil e pode ser farta se a ecologia for favorável e se as lechieiras, descendentes de árvores muito frutíferas, forem convenientemente tratadas.

Tendo florado em agosto-setembro, o que ocorre no planalto paulista, a colheita se realiza em dezembro-janeiro. A safra varia bastante de um ano para outro.

Fonte: querofrutas.wordpress.com

voltar 123456789avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal