Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  O Menino Maluquinho  Voltar

O Menino Maluquinho

Era uma vez um menino maluquinho

Ele tinha o olho maior que a barriga

tinha fogo no rabo

tinha vento nos pés


umas pernas enormes
(que davam para abraçar o mundo)

e macaquinhos no sótão
(embora nem soubesse o que
significava macaquinhos no sótão).

Ele era um menino impossível!



A melhor coisa do mundo
na casa do menino maluquinho
era quando ele voltava da escola

A pasta e os livros
chegavam sempre primeiro
voando na frente

Um dia no fim de ano
o menino maluquinho
chegou em casa com uma bomba:

"Mamãe, tou aí com uma bomba!"

"Meu neto é um subversivo!"
gritou o avô.

"Ele vai matar o gato!"
gritou a avó.

"Tira esse negócio daí!"
falou - de novo - a babá.



Mas aí o menino explicou:
"A bomba já explodiu, gente.
Lá no colégio."

"Esse menino é maluquinho!"
falou o pai, aliviado."
E foi conferir o boletim

Esse susto não era nada
tinha outros que ele pregava.
Às vezes
sem qualquer ordem
do papai e da mamãe
se trancava lá no quarto
e estudava e estudava
e voltava do colégio
com as provas terminadas
tinha dez no boletim
que não acabava mais

E ele dizia aos pais
cheio de
contentamento:
"Só tem um zerinho aí.
Num tal de
comportamento!"

A pipa que
o menino maluquinho soltava
era a mais maluca de todas
rabeava lá no céu
rodopiava adoidado
caía de ponta cabeça
dava tranco e cabeçada
e sua linha cortava
mais que o afiado cerol.

E a pipa
quem fazia
era mesmo o menininho
pois ele havia aprendido
a amarrar linha e taquara
a colar papel de seda
e fazer com polvilho
o grude para colar
a pipa triangular
como o papai
lhe ensinara
do jeito que havia
aprendido
com o pai
e o pai do pai
do papai.



Era preciso ver
o menino maluquinho
na casa da vovó!

Ele deitava
e rolava
pintava e bordava
e se empanturrava
de bolo e cocada
E ria
com a boca cheia
e dormia
cansado
no colo da vovó
suspirando de
alegria
E a vovó dizia:
"Esse meu neto
é tão maluquinho"

O menino maluquinho
tinha
dez namoradas!

Ele era
um namorado
formidável

que desenhava
corações
nos troncos
das árvores

e fazia versinhos

e fazia canções.

E se escalavrava
nos paralelepípedos

e rasgava os fundilhos
no arame da cerca
e tinha tanto esparadrapo
nas canelas
e nos cotovelos
e tanta bandagem
na volta das férias
que todo ano ganhava
dos colegas
no colégio
o apelido de Múmia

E chorava escondido
se tinha tristezas



O menino maluquinho
tinha lá os seus segredos
e nunca ninguém sabia
os segredos que ele tinha
(pois segredo é justo assim).

Tinha uns mais segredáveis
E outros
que eram
menos.

O menino maluquinho
jogava futebol.

E toda a turma
ficava esperando
ele chegar
pra começar o jogo.

É que o time
era cheio de craques
e ninguém queria
ficar no gol.
Só o menino maluquinho
que dizia sempre:

"Deixa comigo!"

E ia rindo pro gol
para o jogo começar.

E o menino maluquinho
voava na bola

e caía de lado
e caía de frente

e caía de pernas pro ar

e caía de bunda no chão

E a torcida ria
e gostava de ver
a alegria daquele goleiro.

E todos diziam:
"Que goleiro maluquinho!"

E aí, o tempo passou.

E, como todo mundo,
o menino maluquinho cresceu.

Cresceu
e virou um cara legal!

Aliás,
virou o cara mais legal
do mundo!

Mas, um cara legal, mesmo!

E foi aí que
todo mundo descobriu
que ele
não tinha sido
um
menino
maluquinho

ele tinha sido era um menino feliz!

Fonte: www.ziraldo.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal