Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Cadafalso - Vinícius de Moraes  Voltar

Cadafalso - Vinícius de Moraes

Vinícius de Moraes

Eu caí de joelhos diante do amor transtornado do teu rosto
Estavas alta e imóvel - mas teus seios vieram sobre mim e me feriram os olhos
E trouxeram sangue ao ar onde a tempestade agonizava.
Subitamente cresci e me multipliquei ao peso de tanta carne
Cresci sentindo que a pureza escorria de mim como a chuva dos galhos
E me deixava parado, vazio para a contemplação da tua face.
Longe do mistério do teu amor, curvado, eu fiquei ante tuas partes intocadas
Cheio de desejo e inquietação, com uma enorme vontade de chorar no teu vestido.
Para desvendar as tuas formas nas minhas lágrimas
Agoniado abracei-te e ocultei o meu sopro quente no teu ventre
E logo te senti como um cepo e em torno a mim eram monges brancos em ofício de mortos
E também - quem chorou? - Vozes como lamentações se repetindo.
No horror da treva cravou-se em meus olhos uma estranha máscara de dois gumes
E sobre o meu peito e sobre os meus braços, tenazes de fogo, e sob os meus pés piras ardendo.
Oh, tudo era martírio dentro daquelas vozes soluçando
Tudo era dor e escura angústia dentro da noite despertada!
"Me salvem - gritei - me salvem que não sou eu!" - e as ladainhas repetia - me salvem que não sou eu!
E veio então uma mulher como uma visão sangrenta de revolta
Que com mão de gigante colheu o que de sexo havia em mim e o espremeu amargamente
E que separou a minha cabeça violentameme do meu corpo.

Nesse momento eu tive de partir e todos fugiam aterrados
Porque misteriosamente meu corpo transportava minha cabeça para o inferno...

Rio de Janeiro, 1935

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal