Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Gênero Dramático  Voltar

Gênero Dramático

 

Temas Relacionados
Análise Literária
Gênero Dramático
Gênero Épico
Gênero Literário
Gênero Narrativo
Poesia

Gênero Dramático - Texto

Ao gênero dramático, pertencem as obras que foram produzidas para serem encenadas sobre o palco de um teatro.

Portanto, para que um texto dramático se concretize, deve-se contar com a participação de atores (elenco), de diretores, de sonoplastas (arranjadores musicais), de iluminadores, de maquiadores, de figurinistas, de roteiristas, de cenógrafos e grande equipe técnica. É claro que um texto dramático pode ficar só “no papel”, ou seja, sem ser encenado. No entanto, ele foi feito para ser levado ao palco e, por isso, possui algumas peculiaridades inexistentes no gênero lírico e narrativo.

Vejamos quais são essas peculiaridades:

Um texto dramático traz as rubricas, que são observações importantíssimas aos atores e diretores para saberem como se portar e que rumo seguir no palco. Exemplos de possíveis rubricas: (a menina atravessa o palco e sai de cena) (o telefone toca e, quando João corre para atendê-lo, tropeça e cai no chão) (o médio dá uma risada discreta e envenena o paciente desacordado)

Um texto do gênero narrativo é dividido em capítulos; já um texto do gênero dramático é dividido em atos;

Num poema do gênero lírico, ouve-se a voz do eu-poético que desabafa; num texto do gênero narrativo, ouve-se a voz do narrador (que é quem conta a história); já textos do gênero dramático, NORMALMENTE, não contam com narrador, uma vez que são as rubricas que trazem aquilo que um narrador diria;

Textos dramáticos são compostos, quase que exclusivamente, por discurso direto – que ocorre quando a fala do personagem é exposta fielmente, e não reproduzida por um outro alguém.

Gênero Dramático - Modalidades

Drama, em grego, significa “ação”.

Ao gênero dramático pertencem os textos, em poesia ou prosa, feitos para serem representados.

Compreende as seguintes modalidades:

Tragédia: é a representação de um fato trágico, apto a suscitar compaixão e terror.
Comedia:
é a representação de um fato inspirado na vida e no sentimento comum, de riso fácil, em geral criticando os costumes.
Tragicomédia:
é a mistura do trágico com o cômico.

Originalmente, significava a mistura do real com o imaginário.

Farsa: pequena peça teatral, de caráter ridículo e caricatural, criticando a sociedade e seus costumes; baseia-se no lema latino Ridendo castigat mores (“Rindo, corrigem-se os costumes.”).

O Gênero Dramático - O que é

No poema dramático, a história é contada através das falas dos personagens. As peças de teatro escritas em verso constituem forma de poesia dramática. Em sentido amplo, também pode ser considerado um exemplo o Caso do Vestido, de Carlos Drummond de Andrade. Através de uma suposta conversa entre mãe e filhas, o leitor acompanha uma história de amor e traição e tem os elementos para reconstituir o caráter e os sentimentos dos personagens principais.

É composto de textos que foram escritos para serem encenados em forma de peça de teatro. Para o texto dramático se tornar uma peça, ele deve primeiro ser transformado em um roteiro, para depois poder ser transformado em um texto do gênero espetacular. É muito difícil ter definição de texto dramático que o diferencie dos demais gêneros textuais, já que existe uma tendência atual muito grande em teatralizar qualquer tipo de texto.

No entanto, a principal característica do texto dramático é a presença do chamado texto principal, composto pela parte do texto que deve ser dito pelos autores na peça e que, muitas vezes, é induzido pelas indicações cénicas, ou didátas, texto também chamado de secundário, que informa os atores e o leitor sobre a dinâmica do texto principal.

Por exemplo, antes da fala de um personagem é colocada a expressão: «com voz baixa», indicando como o texto deve ser falado. Já que não existe narrador nesse tipo de texto, o drama é dividido entre as duas personagens locutoras, que entram em cena pela citação de seus nomes. Drama atualmente "classifica-se de drama toda peça teatral caracterizada por seriedade, ou solenidade, em oposição à comédia propriamente dita".

Texto dramático

O texto dramático é entendido como aquele que se integra na forma literária do drama e implica uma comunicação direta das personagens entre si e com os recetores do enunciado. O texto dramático privilegia a dinâmica do conflito, tentando representar as ações e reações humanas, pela tragédia, pela comédia e pelo drama (propriamente dito), graças à presença das personagens.

Serve, com frequência, o teatro, que tem como objetivo específico a representação e o espetáculo. Por isso o texto teatral obriga à concentração dos elementos essenciais do texto dramático em linhas de força que garantam um ritmo vivo e uma progressão capaz de prender a atenção do espectador. O teatro permite uma comunicação específica entre autor, ator e público; entre as personagens da obra; entre o palco e a plateia. O conflito ou o drama oferece-se à contemplação do espectador O texto dramático, onde predomina a função apelativa da linguagem, ao exprimir o mundo exterior e objetivo, recorre, em geral, à enunciação na segunda pessoa. E utiliza um discurso múltiplo e complexo, com os respetivos signos linguísticos, mas também com signos paralinguísticos (entoação, voz...), expressão corporal, elementos de caracterização dos atores, ou mesmo elementos que se encontram fora do ator, como o espaço cénico e os efeitos sonoros.

Categorias do texto dramático

São categorias do texto dramático a ação, com a sucessão e encadeamento de acontecimentos que podem conduzir a um desenlace; as personagens, que são os agentes da ação; o espaço que corresponde ao lugar, ambiente, meio social ou cultural onde se desenrola a ação; e o tempo que dá conta do momento do desenrolar da ação. A estrutura da ação pode ser interna ou externa. A primeira dá-nos os momentos determinantes e divide-se em exposição (apresentação de personagens e dos antecedentes da ação), conflito (conjunto de peripécias, de acontecimentos que fazem impulsionar a ação, conduzindo ao seu ponto culminante, ao clímax) e desenlace (desfecho da ação dramática). A segunda apresenta a divisão em atos (divisão do texto dramático que corresponde à mudança de cenários) e cenas ou quadros (divisão do ato que corresponde à entrada ou saída de uma ou mais personagens).

As personagens, que na antiguidade grega usavam máscaras para permitir a diferenciação de papéis e distinguir a personagem da pessoa do ator, podem distinguir-se quanto ao relevo ou papel desempenhado como principais ou protagonistas (exercem uma função relevante, com a ação a decorrer à sua volta), secundárias (participam na ação sem um papel decisivo) e figurantes (não intervêm diretamente na ação, servindo apenas para funções decorativas); podem, também, ser individuais ou singulares e coletivas. Quanto à composição ou conceção e formulação, as personagens definem-se como modeladas ou redondas (com capacidade de alterarem o comportamento ao longo da ação), planas (sem alteração do comportamento ao longo da ação, nem evolução psicológica) e tipos (representantes de um grupo profissional ou social). Em relação aos processos de caracterização, esta pode ser direta por autocaracterização (através das palavras da própria personagem) e heterocaracterização (através dos elementos fornecidos por outras personagens ou pelo dramaturgo através das didascálias) ou indiretas (deduzida a partir das atitudes, dos gestos, dos comportamentos e dos sentimentos da personagem ou a partir dos símbolos que as acompanham).

Do espaço distingue-se o cénico (lugar onde se movem as personagens e que recria o ambiente possível do desenrolar da ação dramática, graças à luz, ao som, ao guarda-roupa, aos adereços, à encenação), o espaço de representação - o palco - (lugar onde decorre o espetáculo teatral), o espaço representado (ambiente recriado pelos atores, interligado à ação e ao espaço cénico) e o espaço aludido (lugares referenciados, diferentes dos representados). Sobre o tempo, convém separar o tempo de representação (curto e necessário para a apresentação do conflito, para o desenrolar dos acontecimentos e para o desenlace do tempo de representado (correspondente ao tempo da ação ou à época retratada, recriada pelos atores).

Os Gêneros Dramáticos

Convenções histórico de dramaturgia também pode ser expressa em termos de gênero. Em muitos pontos na história ocidental, as definições de gênero estão indissociavelmente ligados às avaliações da qualidade da escrita dramática.

Assim, dramaturgos escreveram peças que se encaixavam as convenções de seu tempo e lugar.

Os séculos XX e XXI são incomuns em que, apesar do rápido crescimento de muitas novas idéias artísticas sobre teatro, novos movimentos artísticos não têm suplantado os anteriores. Em vez disso, nós temos uma ampla gama de tipos de drama que se produziu em torno de nós.

A definição mais antiga do gênero dramático é Poética de Aristóteles, escrito por volta de 335 aC, na Grécia.

Existem as formas de tragédia e comédia que ele descreveu mais de 2000 anos atrás.

A Tragédia em suas mais antigas ofertas de sentido com os seres humanos, tendo em forças sobre-humanas, tais como deuses ou destino. No final, os seres humanos perdem, mas, por causa da magnitude de sua luta, o simples esforço é enobrecedor para o personagem e para as pessoas na platéia.

Os personagens trágicos antigos eram, invariavelmente, reis, heróis, ou semideuses.

A dicção das peças era poético e formal em grande estilo.

As peças eram intensivos em estrutura, com o clímax lógico da ação no palco.

O objetivo da tragédia, segundo Aristóteles, é a catarse, ou uma purgação de piedade e medo na platéia. Em outras palavras, o público deve ter empatia completamente com o protagonista, emocionalmente seguindo todas as voltas de fortunas do personagem, até que, quando o personagem é finalmente derrotado, estamos expurgado de todas as (negativos) emoções que foram vicariamente a partilhar.

No início dos anos 1700, quando a classe média começou a suplantar o artistocracy toda a Europa, comum homem a tragédia como um novo sub-gênero de tragédia começou.

No século 20, o americano Arthur Miller (ver foto) argumentou que a tragédia não precisa e não deve ser sobre personagens de posição social elevada; em vez disso, o que uma democracia como a América prova é que cada um de nós é capaz de assumir as forças sobre-humanas na vida e que um herói da classe simples, meio é mais representativo de nós hoje do que um deus ou rei.

Morte do Caixeiro Viajante de Miller é uma de suas peças mais famosas e seu melhor exemplo de homem comum tragédia: um vendedor acredita que toda a sua vida no "sonho americano", que o trabalho duro e ser bem quisto vai levar a prosperidade para si e sua as crianças, mas ele encontra como um homem velho que ele foi enganado e, finalmente, vale mais para sua família morto do que vivo.

A Comédia tem uma variedade de subgêneros que podem ser entendidos ao longo de um espectro de alta comédia para baixo comédia. Alta comédia, enquanto engraçado, compartilha a maioria com tragédia e tende a ser específico para a cultura que o criou. Por exemplo, comédia de costumes é uma forma de alta comédia que enfatiza uma "em grupo" maneiras, discurso, vestido, e os gostos. Muito humor é feita à custa daqueles que estão tentando, sem sucesso, entrar no "em grupo" ou aqueles que são completamente ignorantes do "no grupo" gostos. Este estilo de comédia foi particularmente popular no século 17 a França e a Inglaterra, entre a aristocracia.

A Comédia de caráter é comédia baseada em um ou mais personagens comicamente exagerados. O escritor francês Molière escreveu muitas peças em que uma figura de autoridade central, para quem o jogo é geralmente chamado, tem uma falha muito exagerados que por sua vez causa problemas em quadrinhos para sua família e amigos.

A Comédia de situação é familiar hoje como "seriados" na televisão e uma abreviação do termo mais antigo que significa comédia baseada em situações, ou parcelas. Os personagens podem ser engraçado, mas é principalmente as situações em que se encontram, que são a fonte de humor e a longevidade da série.

A A sátira é uma forma de comédia que usa eventos contemporâneos num contexto exagerada ou alterada como sua fonte primária de humor. Muitas vezes, a sátira é destinado a política.

A farsa é um exemplo de "comédia de baixo."

Porque ele confia mais na física de humor verbal, ele pode apelar para as pessoas de uma variedade de origens culturais e linguísticas: a comédia de um personagem escorregar numa casca de banana não precisa ser traduzido. Personagens em farsa são muitas vezes uma dimensão ou desenho animado.

O Melodrama não é comédia e nem tragédia, mas combina alguns elementos de cada um em sua própria forma única. Ele surgiu originalmente no final do século 18, e vários autores ganhou melodramas internacionais escrita fama de 1800. Os elementos definidores do melodrama são uma trama elaborada com muitas voltas e reviravoltas, personagens de herói e vilão claramente definidos, e parcelas selecionadas para espetáculo máximo palco.

Os Melodramas embalaram os teatros ao longo do século XIX. Neste momento na história ocidental, as cidades foram crescendo rapidamente e teatros foram o entretenimento mais popular para a crescente classe média e que trabalham nas novas áreas urbanas.

Os melodramas do século 19 marcaram o auge da popularidade do teatro ao vivo: mais pessoas foram ver o teatro do que em qualquer outro momento da história ocidental. A Tragicomédia é um nome do século XX dada a peças que combinam aspectos da comédia e da tragédia para fazer pontos essencialmente graves.Foi aplicado retroativamente a final dos jogos de Shakespeare e parecia para capturar o estado engraçado mas profundamente triste de personagens de Beckett em "Teatro do Absurdo" também.

Na década de 2000, estamos mais propensos a usar a palavra para descrever o drama peças de teatro, filmes e programas de televisão que são essencialmente séria, mas pode ter personagens engraçados ou episódios. Na verdade, escritores sérios hoje são susceptíveis de infundir um pouco de humor em suas peças, o que nos permite desarmar a nossa ansiedade enquanto assistia a eventos difíceis no palco.

Fonte: paraiso.etfto.gov.br/www.portalsaofrancisco.com.br/www.geneseo.edu

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal