Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Canções E Elegias (Luís Vaz De Camões)  Voltar

Canções e Elegias

Luís Vaz de Camões

I
CanÇÃO

Fermosa e gentil Dama, quando vejo

a testa de ouro e neve, o lindo aspeito,

a boca graciosa, o riso honesto,

o colo de cristal, o branco peito,

de meu não quero mais que meu desejo,

nem mais de vós que ver tão lindo gesto.

Ali me manifesto

por vosso a Deus e ao mundo; ali me inflamo

nas lágrimas que choro,

e de mim, que vos amo,

em ver que soube amar-vos, me namoro;

e fico por mim só perdido, de arte

que hei ciúmes de mim por vossa parte.

Se porventura vivo descontente

por fraqueza d'esprito, padecendo

a doce pena que entender não sei,

fujo de mim e acolho-me, correndo,

à vossa vista; e fico tão contente

que zombo dos tormentos que passei.

De quem me queixarei

se vós me dais a vida deste jeito

nos males que padeço,

senão de meu sujeito,

que não cabe com bem de tanto preço?

Mas inda isso de mim cuidar não posso,

de estar muito soberbo com ser vosso.

Se, por algum acerto, Amor vos erra

por parte do desejo, cometendo

algum nefando e torpe desatino,

se ainda mais que ver, enfim, pretendo,

fraquezas são do corpo, que é de terra,

mas não do pensamento, que é divino.

Se tão alto imagino que de vista

me perco (peco nisto),

desculpa-me o que vejo;

que se, enfim, resisto

contra tão atrevido e vão desejo,

faço-me forte em vossa vista pura,

e armo-me de vossa fermosura.

Das delicadas sobrancelhas pretas

os arcos com que fere, Amor tomou,

e fez a linda corda dos cabelos;

e porque de vós tudo lhe quadrou,

dos raios desses olhos fez as setas

com que fere quem alça os seus, a vê-los.

Olhos que são tão belos

dão armas de vantagem ao Amor,

com que as almas destrui;

porém, se é grande a dor,

co a alteza do mal a restitui;

e as armas com que mata são de sorte

que ainda lhe ficais devendo a morte.

Lágrimas e suspiros, pensamentos,

quem deles se queixar, fermosa Dama,

mimoso está do mal que por vós sente.

Que maior bem deseja quem vos ama

que estar desabafando seus tormentos,

chorando, imaginando docomente?

Quem vive descontente,

não há-de dar alívio a seu desgosto,

porque se lhe agradeça;

mas com alegre rosto

sofra seus males, para que os mereça;

que quem do mal se queixa, que padece,

fá-lo porque esta glória não conhece.

De modo que, se cai o pensamento

em algüa fraqueza, de contente,

é porque este segredo não conheço;

assi que com razões, não tão somente

desculpo ao Amor do meu tormento,

mas ainda a culpa sua lhe agradeço.

Por esta fé mereço

a graça, que esses olhos acompanha,

o bem do doce riso;

mas, porém, não se ganha

cum paraíso outro paraíso.

E assi, de enleada, a esperança

se satisfaz co bem que não alcança.

Se com razões escuso meu remédio,

sabe, Canção, que porque não vejo,

engano com palavras o desejo.

II
CanÇÃo

A instabilidade da Fortuna,

os enganos suaves de Amor cego,

(suaves, se duraram longamente),

direi, por dar à vida algum sossego;

que, pois a grave pena me importuna,

importune meu canto a toda a gente.

E se o passado bem co mal presente

me endurece a voz no peito frio,

o grande desvario

dará de minha pena sinal certo,

que um erro em tantos erros é concerto.

E, pois nesta verdade me confio

(se verdade se achar no mal que digo),

aiba o mundo de Amor o desconcerto,

ue já co a Razão se fez amigo,

só por não deixar culpa sem castigo.

Já Amor fez leis, sem ter comigo algüa;

já se tornou, de cego, arrazoado,

só por usar comigo sem-razões.

E, se em algüa cousa o tenho errado,

com siso, grande dor não vi nenhüa,

nem ele deu sem erros afeições.

Mas, por usar de suas isenções,

buscou fingidas causas por matar-me;

que, para derrubar-me

no abismo infernal de meu tormento,

não foi soberbo nunca o pensamento,

nem pretende mais alto alevantar-me

daquilo que ele quis; e se ele ordena

que eu pague seu ousado atrevimento,

saiba que o mesmo Amor que me condena

me fez cair na culpa e mais na pena.

Os olhos que eu adoro, aquele dia

que desceram ao baixo pensamento,

n'alma os aposentei suavemente;

e pretendendo mais, como avarento,

o coração lhe dei por iguaria,

que a meu mandado tinha obediente.

Porém como ante si lhe foi presente

que entenderam o fim de meu desejo,

ou por outro despejo, que a língua

descobriu por desvario,

de sede morto estou posto num rio,

onde de meu serviço o fruto vejo;

mas logo se alça se a colhê-lo venho,

e foge-me a água, se beber porfio;

assi que em fome e sede me mantenho:

não tem Tântalo a pena que eu sustenho.

Despois que aquela em quem minh'alma vive

quis alcançar o baixo atrevimento,

debaixo deste engano a alcancei:

a nuvem do contino pensamento

ma afigurou nos braços, e assi a tive,

sonhando o que acordado desejei.

Porque a meu desejo me gabei

de alcançar um bem de tanto preço,

além do que padeço,

atado em üa roda estou penando,

que em mil mudanças me anda rodeando

onde, se a algum bem subo, logo deço,

e assi ganho e perco a confiança;

e assi me tem atado ua vingança,

como Ixião, tão firme na mudança.

Quando a vista suave e inumana

meu humano desejo, de atrevido,

cometeu, sem saber o que fazia

([que de sua beleza foi nacido}

o cego Moço, que, co a seta insana,

o pecado vingou desta ousadia),

e afora este mal que eu merecia,

me deu outra maneira de tormento:

que nunca o pensamento,

que sempre voa düa a outra parte,

destas entranhas tristes bem se farte,

imaginando sobre o famulento,

quanto mais come, mais está crecendo,

porque de atormentar-me não se aparte;

assi que para a pena estou vivendo,

sou outro novo Ticio, e não me entendo.

De vontades alheias, que roubava,

e que enganosamente recolhia

em meu fingido peito, me mantinha.

De maneira o engano lhe fingia,

que despois que a meu mando as sojugava,

com amor as matava, que eu não tinha.

Porém, logo o castigo que convinha

o vingativo Amor me fez sentir,

fazendo-me subir

ao monte da aspereza que em vós vejo,

co pesado penedo do desejo,

que do cume do bem me vai cair;

torno a subi-lo ao desejado assento,

torna a cair-me; embalde, enfim, pelejo.

Não te espantes, Sísifo, deste alento,

que as costas o subi do sofrimento.

Dest'arte o sumo bem se me oferece

ao faminto desejo, porque sinta

a perda de perdê-lo mais penosa.

Como o avaro a quem o sonho pinta

achar tesouro grande, onde enriquece

e farta sua sede cobiçosa.

e acordando com fúria pressurosa

vai cavar o lugar onde sonhava,

mas tudo o que buscava

lhe converte em carvão a desventura;

ali sua cobiça mais se apura,

por lhe faltar aquilo que esperava:

dest'arte Amor me faz perder o siso.

Porque aqueles que estão na noite escura,

nunca sentirão tanto o triste abiso,

se ignorarem o bem do Paraíso.

Canção, nô mais, que já não sei que digo;

mas porque a dor me seja menos forte,

diga o pregão a causa desta morte.

III
CanÇÃO

Já a roxa manhã clara

do Oriente as portas vem abrindo,

dos montes descobrindo

a negra escuridão da luz avara.

O Sol, que nunca pára,

de sua alegre vista saudoso,

trás ela, pressuroso,

nos cavalos cansados do trabalho, q

ue respiram nas ervas fresco orvalho,

se estende, claro, alegre e luminoso.

Os pássaros, voando

de raminho em raminho modulando,

com ua suave e doce melodia

o claro dia estão manifestando.

A manhã bela e amena,

seu rosto descobrindo, a espessura

se cobre de verdura,

branda, suave, angélica, serena.

Ó deleitosa pena,

ó efeito de Amor tão preeminente

que permite e consente

que onde quer que me ache, e onde esteja,

o seráfico gesto sempre veja,

por quem de viver triste sou contente!

Mas tu, Aurora pura,

de tanto bem dá graças à ventura,

pois as foi pôr em ti tão diferentes,

que representes tanta fermosura.

A luz suave e leda

a meus olhos me mostra por quem mouro,

e os cabelos de ouro

não igual' aos que vi, mas arremeda:

esta é a luz que arreda

a negra escuridão do sentimento

ao doce pensamento;

o orvalho das flores delicadas

são nos meus olhos lágrimas cansadas,

que eu choro co prazer de meu tormento;

os pássaros que cantam

os meus espritos são, que a voz levantam,

manifestando o gesto peregrino

com tão divino som que o mundo espantam.

Assi como acontece

a quem a cara vida está perdendo,

que, enquanto vai morrendo,

algüa visão santa lhe aparece;

a mim, em quem falece

a vida, que sois vós, minha Senhora, a

esta alma que em vós mora

(enquanto da prisão se está apartando)

vos estais juntamente apresentando

em forma da fermosa e roxa Aurora.

Ó ditosa partida!

Ó glória soberana, alta e subida!

Se mo não impedir o meu desejo;

porque o que vejo, enfim, me torna a vida.

Porém a Natureza,

que nesta vista pura se mantinha,

me falta tão asinha,

quão asinha o sol falta à redondeza.

Se houverdes que é fraqueza

morrer em tão penoso e triste estado,

Amor será culpado,

ou vós, onde ele vive tão isento,

que causastes tão longo apartamento,

porque perdesse a vida co cuidado.

Que se viver não posso

(um homem sou só, de carne e osso),

esta vida que perco, Amor ma deu;

que não sou meu: se mouro, o dano é vosso.

Canção de cisne, feita n'hora extrema:

na dura pedra fria

da memória te deixo, em companhia

do letreiro de minha sepultura;

que a sombra escura já me impede o dia.

IV
CanÇÃO

Vão as serenas águas
do Mondego descendo

mansamente, que até o mar não param;

por onde minhas mágoas

pouco a pouco crecendo,

para nunca acabar se começaram.

Ali se ajuntaram neste lugar ameno,

aonde agora mouro, testa de nove e ouro,

riso brando, suave, olhar sereno,

um gesto delicado,

que sempre n'alma m'estará pintado.

Nesta florida terra,

leda, fresca e serena,

ledo e contente para mim vivia,

em paz com minha guerra,

contente com a pena

que de tão belos olhos procedia.

Um dia noutro dia

o esperar m'enganava;

longo tempo passei,

co a vida folguei, só

porque em bem tamanho me empregava.

Mas que me presta já,

que tão fermosos olhos não os há?

Ó quem me ali dissera

que de amor tão profundo

o fim pudesse ver ind'algüa hora!

Ó quem cuidar pudera

que houvesse aí no mundo

apartar-m'eu de vós, minha Senhora,

para que desde agora

perdesse a esperança,

e o vão pensamento,

desfeito em um momento,

sem me poder ficar mais que a lembrança,

que sempre estará firme

até o derradeiro despedir-me.

Mas a mor alegria

que daqui levar posso,

com a qual defender-me triste espero,

é que nunca sentia

no tempo que fui vosso

quererdes-me vós quanto vos eu quero;

porque o tormento fero

de vosso apartamento

não vos dará tal pena

como a que me condena:

que mais sentirei vosso sentimento,

que o que minh'alma sente.

Moura eu, Senhora, e vós ficai contente!

Canção, tu estarás

aqui acompanhando

estes campos e estas claras águas,

e por mim ficarás chorando

e suspirando,

e ao mundo mostrando tantas mágoas,

que de tão larga história

minhas lágrimas fiquem por memória.

V

CanÇÃo

Se este meu pensamento,

como é doce e suave,

de alma pudesse vir gritando fora,

mostrando seu tormento

cruel, e grave,

diante de vós só, minha Senhora:

pudera ser que agora

o vosso peito duro

tornara manso e brando.

E eu que sempre ando

pássaro solitário, humilde, escuro,

tornado um cisne puro,

brando e sonoro pelo ar voando,

com canto manifesto

pintara meu tormento e vosso gesto.

Pintara os olhos belos

que trazem nas mininas

o Minino que os seus neles cegou;

e os dourados cabelos

em tranças d'ouro finas

a quem o Sol seus raios abaixou;

a testa que ordenou

atura tão formosa;

o bem proporcionado

nariz, lindo, afilado,

que a cada parte tem a fresca rosa;

a boca graciosa,

que querê-la louvar é escusado;

enfim, é um tesouro:

os dentes, perlas; as palavras, ouro.

Vira-se claramente,

ó Dama delicada,

que em vós se esmerou mais a Natureza;

e eu, de gente em gente,

trouxera trasladada

em meu tormento vossa gentileza.

Somente a aspereza

de vossa condição,

Senhora, não dissera,

porque se não soubera

que em vós podia haver algum senão.

E se alguém, com razão,

—Porque morres? dissera, respondera:

—Mouro porque é tão bela

que inda não sou para morrer por ela.

E se pola ventura,

Dama, vos ofendesse,

escrevendo de vós o que não sento,

e vossa fermosura

tão baixo não descesse

que a alcançasse um baixo entendimento,

seria o fundamento

daquilo que cantasse todo de puro amor,

porque vosso louvor

em figura de mágoas se mostrasse.

E onde se julgasse a causa pelo efeito,

minha dor diria ali sem medo:

quem me sentir, verá de quem procedo.

Então amostraria

os olhos saudosos,

o suspirar que a alma traz consigo;

a fingida alegria,

os passos vagarosos,

o falar, o esquecer-me do que digo;

um pelejar comigo,

e logo desculpar-me;

um recear, ousando;

andar meu bem buscando,

e de poder achá-lo acovardar-me;

enfim, averiguar-me

que o fim de tudo quanto estou falando

são lágrimas e amores;

são vossas isenções e minhas dores.

Mas quem terá, Senhora,

palavras com que iguale

com vossa fermosura minha pena;

que, em doce voz, de fora

aquela glória fale

que dentro na minh'alma Amor ordena?

Não pode tão pequena

força de engenho humano

com carga tão pesada,

se não for ajudada

dum piedoso olhar, dum doce engano;

que, fazendo-me o dano

tão deleitoso, e a dor tão moderada,

que, enfim, se convertesse

nos gostos dos louvores que escrevesse.

Canção, não digas mais; e se teus versos

à pena vêm pequenos,

não queiram de ti mais, que dirás menos.

VI

CanÇÃo

Com força desusada

aquenta o fogo eterno

üa ilha lá nas partes do Oriente,

de estranhos habitada,

aonde o duro Inverno

os campos reverdece alegremente.

A lusitana gente

por armas sanguinosas,

tem dela senhorio.

Cercada está dum rio

de marítimas águas saudosas;

das ervas que aqui nascem,

os gados juntamente e os olhos pascem.

Aqui minha ventura

quis que üa grã parte

da vida, que não tinha, se passasse,

para que a sepultura

nas mãos do fero Marte

de sangue e de lembranças matizasse.

Se Amor determinasse

que, a troco desta vida,

de mim qualquer memória

ficasse, como história

que de uns fermosos olhos fosse lida,

a vida e alegria

por tão doce memória trocaria.

Mas este fingimento,

por minha dura sorte,

com falsas esperanças me convida.

Não cuide o pensamento

que pode achar na morte

o que não pôde achar tão longa vida.

Está já tão perdida

a minha confiança

que, de desesperado

em ver meu triste estado,

também da morte perco a esperança.

Mas oh! que se algum dia

desesperar pudesse, viveria.

De quanto tenho visto

já 'gora não m'espanto,

que até desesperar se me defende.

Outrem foi causa disto,

que eu nunca pude tanto

que causasse este fogo que me encende.

Se cuidam que me ofende

temor de esquecimento,

oxalá meu perigo

me fora tão amigo

que algum temor deixara ao pensamento!

Quem viu tamanho enleio

que houvesse ai esperança sem receio?

Quem tem que perder possa

se pode recear.

Mas triste quem não pode já perder!

Senhora, a culpa é vossa,

que para me matar

bastará ü'hora só de vos não ver.

Puseste-me em poder

de falsas esperanças;

e, do que mais me espanto:

que nunca vali tanto

que vivesse também com esquivanças.

Valia tão pequena

não pode merecer tão doce pena.

Houve-se Amor comigo

tão brando e pouco irado,

quanto agora em meus males se conhece;

que não há mor castigo

para quem tem errado q

ue negar-lhe o castigo que merece.

E bem como acontece

que assi como ao doente

da cura despedido,

o médico sabido

tudo quanto deseja lhe consente,

assi me consentia

esperança, desejo e ousadia.

E agora venho a dar

conta do bem passado

a esta triste vida e longa ausência.

Quem pode imaginar

que pode haver pecado

que mereça tão grave penitência?

Olhai que é consciência,

por tão pequeno erro,

Senhora, tanta pena!

Não vedes que é onzena?

Mas se tão longo e mísero desterro

vos dá contentamento,

nunca se acabe nele meu tormento.

Rio fermoso e claro,

e vós, ó arvoredos,

que os justos vencedores coroais,

e ao cultor avaro,

continuamente ledos,

dum tronco só diversos frutos dais;

assi nunca sintais

do tempo injúria algüa,

que em vós achem abrigo

as mágoas que aqui digo,

enquanto der o Sol virtude à Lüa;

porque de gente em gente

saibam que já não mata a vida ausente.

Canção, neste desterro viverás,

Voz nua e descoberta,

até que o tempo em Eco te converta.

VII

CanÇÃo

Manda-me Amor que cante docemente

o que ele já em minh'alma tem impresso

com pressuposto de desabafar-me;

e porque com meu mal seja contente,

diz que ser de tão lindos olhos preso,

contá-lo bastaria a contentar-me.

Este excelente modo de enganar-me

tomara eu só de Amor por interesse,

se não se arrependesse

co a pena o engenho escurecendo.

Porém a mais me atrevo,

em virtude do gesto de qu'escrevo;

e se é mais o que canto que o qu'entendo,

invoco o lindo aspeito,

que pode mais que Amor em meu defeito.

Sem conhecer Amor viver soía,

seu arco e seus enganos desprezando,

quando vivendo deles me mantinha.

O Amor enganoso, que fingia

mil vontades alheias enganando,

me fazia zombar de quem o tinha.

No Touro entrava Febo, e Progne vinha;

o corno de Aquelôo Flora entornava,

quando o Amor soltava

oS fios d'ouro, as tranças enerespadas,

ao doce vento esquivas,

dos olhos rutilando chamas

vivas, e as rosas entre a nove semeadas,

co riso tão galante

que um peito desfizera de diamante.

Um não sei quê, suave, respirando,

causava um admirado e novo espanto,

que as cousas insensíveis o sentiam.

E as gárrulas aves levantando

vozes desordenadas em seu canto,

como em meu desejo se entendiam.

As fontes cristalinas não corriam,

inflamadas na linda vista pura;

florescia a verdura que, andando,

cos divinos pés tocava;

os ramos se abaixavam,

tendo enveja das ervas que pisavam

(ou porque tudo ante ela se abaixava).

Não houve coisa, enfim,

que não pasmasse dela, e eu de mim.

Porque quando vi dar entendimento

às cousas que o não tinham, o temor

me fez cuidar que efeito em mim faria.

Conheci-me não ter conhecimento;

e nisto só o tive, porque Amor

mo deixou, porque visse o que podia.

Tanta vingança Amor de mim queria

que mudava a humana natureza:

os montes e a dureza

deles, em mim, por troca, traspassava.

O que gentil partido!

Trocar o ser do monte sem sentido,

pelo que num juízo humano estava!

Olhai que doce engano:

tirar comum proveito de meu dano!

Assi que, indo perdendo o sentimento

a parte racional, me entristecia

vê-la a um apetite sometida;

mas dentro n'alma o fim do pensamento

por tão sublime causa me dezia

que era razão ser vencida.

Assi que, quando a via ser perdida,

a mesma perdição a restaurava;

e em mansa paz estava

cada um com seu contrário num sujeito.

Ó grão concerto este!

Quem será que não julgue por celeste

a causa donde vem tamanho efeito

que faz num coração

que venha o apetite a ser razão?

Aqui senti de Amor a mor fineza,

como foi ver sentir o insensível,

e o ver a mim de mim mesmo perder-me;

enfim, senti negar-se a natureza;

por onde cri que tudo era possível

aos lindos olhos seus, senão querer-me.

Despois que já senti desfalecer-me,

em lugar do sentido que perdia,

não sei que m'escrevia

dentro n'alma co as letras da memória,

o mais deste processo

co claro gesto juntamente impresso

que foi a causa de tão longa história.

Se bem a declarei,

eu não a escrevo, d'alma a trasladei.

Canção, se quem te ler

não crer dos olhos lindos o que dizes,

pelo que em si se esconde,

os sentidos humanos, lhe responde,

não podem dos divinos ser juízes,

[sendo um pensamento

que a falta supra a fé do entendimento].

VIII

CanÇÃo

Tomei a triste pena

já de desesperado

de vos lembrar as muitas que padeço,

com ver que me condena

a ficar eu culpado

o mal que me tratais e o que mereço.

Confesso que conheço

que, em parte, a causa dei

[a] o mal em que me vejo,

pois sempre meu desejo

a tão largas promessas entreguei;

mas não tive suspeita

que seguísseis tenção tão imperfeita.

Se em vosso esquecimento

tão envolto estou

como os sinais demonstram, que mostrais;

vivo neste tormento,

lembranças mais não dou

que as de razão tomar queirais:

olhai que me tratais

assi de dia em dia

com vossas esquivanças;

e as vossas esperanças,

de que, vãmente, eu me enriquecia,

renovam a memória;

pois com tê-la de vós, só tenho glória.

E se isto conhecêsseis

ser verdade pura

como ouro de Arábia reluzente,

inda que não quisésseis,

a condição tão dura

mudáreis noutra muito diferente.

E eu, como inocente

que estou neste caso,

isto em mãos pusera

de quem sentença dera

que ficasse o direito justo e raso,

se não arreceara

que a vós por mim, e a mim por vós matara.

Em vós escrita vi

vossa grande dureza,

e n'alma escrita está que de vós vive;

não que acabasse ali

sua grande firmeza

o triste desengano que então tive;

porque antes que a dor prive

de todos meus sentidos,

ao grande tormento

acode o entendimento

com dous fortes soldados, guarnecidos

de rica pedraria,

que ficam sendo minha luz e guia.

Destes acompanhado,

estou posto sem medo

a tudo o que o fatal destino ordene;

pode ser que, cansado,

ou seja tarde, ou cedo,

com pena de penar-me, me despene.

E quando me condene

(que isto é o que espero)

inda a maiores dores,

perdidos os temores,

por mais que venha, não direi: não quero.

Contudo estou tão forte

que nem me mudará a mesma morte.

Canção, se já não queres

ver tanta crueldade,

lá vás onde verás minha verdade.

IX

CanÇÃo

Junto de um seco, fero e estéril monte,

inútil e despido, calvo, informe,

da natureza em tudo aborrecido;

onde nem ave voa, ou fera dorme,

nem rio claro corre, ou ferve fonte,

nem verde ramo faz doce ruído;

cujo nome, do vulgo introduzido

é felix, por antífrase, infelice;

o qual a Natureza

situou junto à parte

onde um braço de mar alto reparte

Abássia, da arábica aspereza,

onde fundada já foi Berenice,

ficando a parte donde

o sol que nele ferve se lhe esconde;

nele aparece o Cabo com que a costa

africana, que vem do Austro correndo,

limite faz, Arómata chamado

(Arómata outro tempo, que, volvendo

os céus, a ruda língua mal composta,

dos próprios outro nome lhe tem dado).

Aqui, no mar, que quer apressurado

entrar pela garganta deste braço,

me trouxe um tempo e teve

minha fera ventura.

Aqui, nesta remota, áspera e dura

parte do mundo, quis que a vida breve

também de si deixasse um breve espaço,

porque ficasse a vida

pelo mundo em pedaços repartida.

Aqui me achei gastando uns tristes dias,

tristes, forçados, maus e solitários,

trabalhosos, de dor e d'ira cheios,

não tendo tão somente por contrários

a vida, o sol ardente e águas frias,

os ares grossos, férvidos e feios,

mas os meus pensamentos, que são meios

para enganar a própria natureza,

também vi contra mi

trazendo-me à memória

algüa já passada e breve glória,

que eu já no mundo vi, quando vivi,

por me dobrar dos males a aspereza,

por me mostrar que havia

no mundo muitas horas de alegria.

Aqui estiv'eu co estes pensamentos

gastando o tempo e a vida; os quais tão alto

me subiam nas asas, que cala

(e vede se seria leve o salto!)

de sonhados e vãos contentamentos

em desesperação de ver um dia.

Aqui o imaginar se convertia

num súbito chorar, e nuns suspiros

que rompiam os ares.

Aqui, a alma cativa,

chagada toda, estava em carne viva,

de dores rodeada e de pesares,

desamparada e descoberta aos tiros

da soberba Fortuna;

soberba, inexorável e importuna.

Não tinha parte donde se deitasse,

nem esperança algüa onde a cabeça

um pouco reclinasse, por descanso.

Todo lhe he dor e causa que padeça,

mas que pereça não, porque passasse

o que quis o Destino nunca manso.

Oh! que este irado mar, gritando, amanso!

Estes ventos da voz importunados,

parece que se enfreiam!

Somente o Céu severo,

as Estrelas e o Fado sempre fero,

com meu perpétuo dano se recreiam,

mostrando-se potentes e indignados

contra um corpo terreno,

bicho da terra vil e tão pequeno.

Se de tantos trabalhos só tirasse

saber inda por certo que algu'hora

lembrava a uns claros olhos que já vi;

e se esta triste voz, rompendo fora,

as orelhas angélicas tocasse

daquela em cujo riso já vivi;

a qual, tornada um pouco sobre si,

revolvendo na mente pressurosa

os tempos já passados

de meus doces errores,

de meus suaves males e furores,

por ela padecidos e buscados,

tornada (inda que tarde) piadosa,

um pouco lhe pesasse

e consigo por dura se julgasse;

isto só que soubesse, me seria

descanso para a vida que me fica;

co isto afagaria o sofrimento.

Ah! Senhora, Senhora, que tão rica

estais, que cá tão longe, de alegria,

me sustentais cum doce fingimento!

Em vos afigurando o pensamento,

foge todo o trabalho e toda a pena.

Só com vossas lembranças

me acho seguro e forte

contra o rosto feroz da fera Morte,

e logo se me ajuntam esperanças

com que a fronte, tornada mais serena,

torna os tormentos graves

em saudades brandas e suaves.

Aqui co elas fico, perguntando

aos ventos amorosos, que respiram

da parte donde estais, por vós, Senhora;

às aves que ali voam, se vos viram,

que fazíeis, que estáveis praticando,

onde, como, com quem, que dia e que hora.

Ali a vida cansada, que melhora,

toma novos espritos , com que vença

a Fortuna e Trabalho,

só por tornar a vervos ,

só por ir a servir-vos e querer-vos.

Diz-me o Tempo, que a tudo dará talho;

mas o Desejo ardente, que detença

nunca sofreu, sem tento

m'abre as chagas de novo ao sofrimento.

Assi vivo; e se alguém te perguntasse,

Canção, como não mouro,

podes-lhe responder que porque mouro.

X
CanÇÃo

Vinde cá, meu tão certo secretário

dos queixumes que sempre ando fazendo,

papel, com que a pena desafogo!

As sem-razões digamos que, vivendo,

me faz o inexorável e contrário

Destino, surdo a lágrimas e a rogo.

Deitemos água pouca em muito fogo;

acenda-se com gritos um tormento

que a todas as memórias seja estranho.

Digamos mal tamanho

a Deus, ao mundo, à gente e, enfim, ao vento,

a quem já muitas vezes o contei,

tanto debalde como o conto agora;

mas, já que para errores fui nascido,

vir este a ser um deles não duvido.

Que, pois já de acertar estou tão fora,

não me culpem também, se nisto errei.

Sequer este refúgio só terei:

falar e errar sem culpa, livremente.

Triste quem de tão pouco está contente!

Já me desenganei que de queixar-me

não se alcança remédio; mas, quem pena,

forçado lhe é gritar, se a dor é grande.

Gritarei; mas é débil e pequena

a voz para poder desabafar-me,

porque nem com gritar a dor se abrande.

Quem me dará sequer que fora mande

lágrimas e suspiros infinitos

iguais ao mal que dentro n'alma mora?

Mas quem pode algu'hora

medir o mal com lágrimas ou gritos?

Enfim, direi aquilo que me ensinam

a ira, a mágoa, e delas a lembrança,

que é outra dor por si, mais dura e firme.

Chegai, desesperados, para ouvir-me,

e fujam os que vivem de esperança

ou aqueles que nela se imaginam,

porque Amor e Fortuna determinam

de lhe darem poder para entenderem,

à medida dos males que tiverem.

{Quando vim da materna sepultura

de novo ao mundo, logo me fizeram

Estrelas infelices obrigado;

com ter livre alvedrio, mo não deram,

que eu conheci mil vezes na ventura

o milhor, e pior segui, forçado.

E, para que o tormento conformado

me dessem com a idade, quando abrisse

inda minino, os olhos, brandamente,

mandam que, diligente,

um Minino sem olhos me ferisse.

As lágrimas da infância já manavam

com üa saudade namorada;

o som dos gritos, que no berço dava,

já como de suspiros me soava.

Co a idade e Fado estava concertado;

porque quando, por caso, me embalavam,

se versos de Amor tristes me cantavam,

logo m'adormecia a natureza,

que tão conforme estava co a tristeza}

Foi minha ama ua fera, que o destino

não quis que mulher fosse a que tivesse

tal nome para mim; nem a haveria.

Assi criado fui, porque bebesse

o veneno amoroso, de minino,

que na maior idade beberia,

e, por costume, não me mataria.

Logo então vi a imagem e semelhança

daquela humana fera tão fermosa,

suave e venenosa,

que me criou aos peitos da esperança;

de que eu vi despois o original,

que de todos os grandes desatinos

faz a culpa soberba e soberana.

Parece-me que tinha forma humana,

mas cintilava espíritos divinos.

Um meneio e presença tinha tal

que se vangloriava todo o mal

na vista dela; a sombra, co a viveza,

excedia o poder da Natureza.

Que género tão novo de tormento

teve Amor, que não fosse, não somente

provado em mim, mas todo executado?

Implacáveis durezas, que o fervente

desejo, que dá força ao pensamento,

tinham de seu propósito abalado,

e de se ver, corrido e injuriado; a

qui, sombras fantásticas, trazidas

de algüas temerárias esperanças;

as bem-aventuranças

nelas também pintadas e fingidas;

mas a dor do desprezo recebido,

que a fantasia me desatinava,

estes enganos punha em desconcerto;

aqui, o adevinhar e o ter por certo

que era verdade quanto adevinhava,

e logo o desdizer-me, de corrido;

dar às cousas que via outro sentido,

e para tudo, enfim, buscar razões;

mas eram muitas mais as sem-razões.

Não sei como sabia estar roubando

cos raios as entranhas, que fugiam

por ela, pelos olhos sutilmente!

Pouco a pouco invencíveis me saiam,

bem como do véu húmido exalando

está o sutil humor o Sol ardente.

Enfim, o gesto puro e transparente,

para quem fica baixo e sem valia

este nome de belo e de fermoso;

o doce e piadoso

mover de olhos, que as almas suspendia

foram as ervas mágicas, que o Céu

me fez beber; as quais, por longos anos,

noutro ser me tiveram transformado,

e tão contente de me ver trocado

que as mágoas enganava cos enganos;

e diante dos olhos punha o véu

que me encobrisse o mal, que assi creceu,

como quem com afagos se criava

daquele para quem crecido estava].

Pois quem pode pintar a vida ausente, c

om um descontentar-me quanto via,

e aquele estar tão longe donde estava,

o falar, sem saber o que dezia,

andar, sem ver por onde, e juntamente

suspirar sem saber que suspirava?

Pois quando aquele mal me atormentava

e aquela dor que das tartáreas águas

saiu ao mundo, e mais que todas dói,

que tantas vezes sói

duas iras tornar em brandas mágoas;

agora, co furor da mágoa irado,

querer e não querer deixar de amar,

e mudar noutra parte por vingança

o desejo privado de esperança,

que tão mal se podia já mudar;

agora, a saudade do passado

tormento, puro, doce e magoado,

fazia converter estes furores

em magoadas lágrimas de amores.

Que desculpas comigo que buscava

quando o suave Amor me não sofria

culpa na cousa amada, e tão amada!

enfim, eram remédios que fingia

o medo do tormento que ensinava

a vida a sustentar-se, de enganada.

Nisto ua parte dela foi passada,

na qual se tive algum contentamento

breve, imperfeito, tímido, indecente,

não foi senão semente

de longo e amaríssimo tormento.

Este curso contino de tristeza,

estes passos tão vãmente espalhados,

me foram apagando o ardente gosto,

que tão de siso n'alma tinha posto,

daqueles pensamentos namorados

em que eu criei a tenta natureza,

que do longo costume da aspereza,

contra quem força humana não resiste,

se converteu no gosto de ser triste.

Dest'arte a vida noutra fui trocando;

eu não, mas o destino fero, irado,

que eu ainda assi por outra não trocara.

Fez-me deixar o pátrio ninho amado,

passando o longo mar, que ameaçando

tantas vezes me esteve a vida cara.

Agora, exprimentando a fúria rara

de Marte, que cos olhos quis que logo

visse e tocasse o acerbo fruto seu

(e neste escudo meu a pintura verão do infesto fogo);

agora, peregrino vago e errante,

vendo nações, linguages e costumes,

Céus vários, qualidades diferentes,

só por seguir com passos diligentes

a ti, Fortuna injusta, que consumes

as idades, levando-lhe diante

üa esperança em vista de diamante,

mas quando das mãos cai se conhece

que é frágil vidro aquilo que aparece.

A piadade humana me faltava,

a gente amiga já contrária via,

no primeiro perigo; e no segundo,

terra em que pôr os pés me falecia,

ar para respirar se me negava,

e faltavam-me, enfim, o tempo e o mundo.

Que segredo tão árduo e tão profundo:

nascer para viver, e para a vida

faltar-me quanto o mundo tem para ela!

E não poder perdê-la,

estando tantas vezes já perdida!

Enfim, não houve transe de fortuna,

nem perigos, nem casos duvidosos,

injustiças daqueles, que o confuso

regimento do mundo, antigo abuso,

faz sobre os outros homens poderosos,

que eu não passasse, atado à grã coluna

do sofrimento meu, que a importuna

perseguição de males em pedaços

mil vezes fez, à força de seus braços.

Não conto tantos males como aquele

que, despois da tormenta procelosa,

os casos dela conta em porto ledo;

que ainda agora a Fortuna flutuosa

a tamanhas misérias me compele,

que de dar um só passo tenho medo.

Já de mal que me venha não me arredo,

nem bem que me faleça já pretendo,

que para mim não val astúcia humana;

de força soberana,

la Providência, enfim, divina pendo.

Isto que cuido e vejo, às vezes tomo

para consolação de tantos danos.

voltar 123avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal