Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Que Estranho Caso De Amor (Luíz Vaz De Camões)  Voltar

Que Estranho Caso de Amor

Luíz Vaz de Camões

Mote

A dor que minha alma sente
Não na sabe toda a gente.

Que estranho caso de amor!
Que desejado tormento!
Que venho a ser avarento
Das dores da minha dor.
Por se não tornar pior,
Se se sabe ou se se sente,
Não na digo a toda a gente.
Minha dor e causa dela
De ninguém ouso fiar,
Que seria aventurar
A perder-me ou a perdê-la.
E pois só com padecê-la
A minh'alma está contente,
Não quero que a saiba a gente.

Ande no peito escondida,
Dentro n'alma sepultada;
De mim só seja chorada,
De ninguém seja sentida.
Ou me mate ou me dê vida,
Ou vida triste ou contente,
Não na saiba toda a gente.

Fonte: Jornal da Poesia

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal