Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Maracujá - Página 7  Voltar

Maracujá

Maracujá

Aspectos Gerais

Tem como origem a América Tropical; onze países do mundo (1993) são responsáveis por 80 a 90% da produção dentre eles Brasil, Peru, Venezuela, África do Sul, Sri Lanka, Austrália. Mais da metade da produção mundial é exportada sob a forma de suco concentrado. Quênia e outros países africanos exportam fruta "in natura" (fresca). Sulcos e polpas são produzidos pelo Brasil, Colômbia. Peru, Equador, Venezuela, Costa Rica, entre outros.

O Brasil destaca-se como maior produtor mundial ressaltando-se os estados do Pará (8.000 ha), São Paulo (4.300 ha) Minas Gerais (4.000), Bahia (3.500), Rio de Janeiro (2.500) como principais produtores nacionais. No período 1990 - 1993 produziu (média) 221.570 t, de área colhida (média) 30.323 ha e com rendimento (médio) de 7.312 Kg/ha. O Nordeste brasileiro contribuiu, em 1993, com 34% para a produção nacional e a Bahia com 12,86% da produção em área colhida de 18,76% (1993).

A participação do Brasil no mercado internacional vem caindo por concorrência forte dos países Colômbia, Peru e Equador na exportação de sucos.

- As principais regiões baianas produtoras de maracujá (média 1990-94 IBGE) amarelo foram: Nordeste (13.438 t), litoral Norte (10.863 t), Sudoeste (2.030 t), Extremo Sul (1.923 t ), Litoral Sul (1.056 t). Dentre delas destacam-se os municípios produtores de Nova Soure, Itapicuru, Rio Real, Satiro Dias e Inhambupe.

A Bahia exportou, em 1966, suco concentrado para diversos países como Países Baixos (73%), Estados Unidos (14%) seguindo-se Israel, Porto Rico, Canadá, Formosa, Argentina, Uruguai.

É fruteira predominante em pequenos pomares de 1 a 4 hectares.

Botânica/Descrição/Espécies Importantes

O maracujazeiro é planta dicotíledonea da família Passifloraceae onde destaca-se o gênero Passiflora com 3 espécies importantes economicamente: Passiflora edúlis Sims f. flavicarpa Deg - o maracujá amarelo ou azedo ou peroba -, P. edúlis Sims - a maracujá roxo e o P. alata Ait - o maracujá doce.

É uma planta trepadeira, sub lenhosa, de crescimento vigoroso continuo; sistema radicular é pouco profundo, caule trepador, folhas lobadas e verdes com gavinhas (órgão de sustentação) gema florífera e gema vegetativa (origina rama) na axila da folha.

Entra em floração com 4-5 meses de vida. A flor é hermafrodita com estigmas localizados acima das anteras (dificultando a polinização); o fruto - o maracujá - tem formato variado - globoso, ovóide oblongo, piríforme, peso 30 a 300g, 9cm de diâmetro - cor variada - amarela roxa, esverdeada, avermelhada - Quando maduro, o fruto desprende-se e cai ao chão. A polpa do fruto, de cor amarela à laranja, envolve sementes numerosas, ovais, pretas, em número de 200 por fruto; 1g de semente contém 45 sementes. O fruto murcha após 6 dias de caído. O suco do fruto tem acidez, elevada (maracujá amarelo), acidez, média (maracujá roxo e acidez baixa (maracujá doce), e sabor e aroma agradáveis. É rico em vitaminas e possui propriedades sedativas.

A composição química do suco é (por 100 gramas): Brix (13 a 15º), calorias (54 a 90), glicidios (92,2g), proteínas (2,2g), lipídios (0,7g), cálcio (13g), fósforo (17g), ferro (1,6g), potássio (360mg), vit. A (70mcg), vit. B1 (150mcg), vit. B2 (100mcg), vit. C (15,6mcg).

As espécies importantes possuem as seguintes características:

Maracujá Amarelo

É a espécie de maior interesse comercial, é a mais cultivada (95% da área) no Brasil, a mais vigorosa, mais adaptada aos dias quentes. Planta com caule circular, apresenta polinização cruzada, predominantemente (responsável por frutificação tamanho do fruto e % de suco).

Fruto completa desenvolvimento em 18 dias e amadurece em 80 dias (pós abertura da flor); tem formato ovóide (alguns oblongos), peso de 70-130g.. O fruto maduro possui casca fina, cor amarelo-canário, polpa ácida, suco amarelo a amarelo-alaranjado. A planta tem produção entre 12-15t./ha mas tem potencial para produções de 30-35t./ha. Fruto com 30% de rendimento em suco.

Maracujá Roxo

Espécie mais indicada para regiões de altitude maior e climas frios. Frutos ovóides ou globosos, coloração purpúrea quando maduros, peso de 60 a 100 gramas, com rendimento e qualidade do suco semelhantes aos do maracujá amarelo e suco com maior % de açúcar e maior teor em sólidos solúveis (brix), acidez menor (suco mais "doce"), potencialidade de produção 30-40t./ha.

Maracujá Doce

Planta trepadeira, vigorosa, com caule quadrangular, as flores permanecem abertas durante o dia (abrem-se pela manhã e fecham-se à noite). Frutos ovais ou periformes , peso 80 a 300g., polpa com sabor "doce acidulado" (enjoativo se tomado como refresco), próprio para consumo como fruto fresco. O rendimento em suco é menor que o do amarelo (14-20%), possui baixa acidez. É muito apreciado pelos consumidores europeus por boas características (tamanho, cor externa e aroma).

Existem cerca de 530 variedades tropicais e sub-tropicais de maracujazeiro sendo 150 nativas do Brasil e 60 delas produzem frutos que podem ser aproveitados na alimentação.

Floração/Polinização/Frutificação

A flor do maracujá tem 5 estames e três estigmas em plano superior aos estames o que dificulta a polinização; a autofecundação é rara (autoincompatibilidade) e produz frutos menores com poucas sementes, A polinização predominante é feita por insetos (mamangavas) com pólen de outra flor (polinização cruzada). A produção de flores sempre se da em ramos novos do ano que favorece podas). Em regiões quentes (Bahia) não há paralização de emissão de flores no inverno.

As flores (maracujá amarelo) abrem-se depois das 12 horas e fecham-se em torno das 18 horas e maracujá-doce entre 5 horas e 18 horas. O mais importante agente polinizador é a mamangava (abelha grande cor preta e amarela) insetos não sociais, com ninhos na madeira mole; a preservação da mamangava e incremento da sua população é feito pela construção de abrigos usando tocos secos de bambu e pelo plantio de plantas que produzem flores atrativas como hibriscus, corriola (Ipomoea) e cássia (Cássia sp).

Paralelamente os defensivos agrícolas só devem ser aplicados cedo, pela manhã. Em áreas acima de dez hectares recomenda-se a polinização artificial; o homem utiliza-se de dedeiras de flanela para a polinização nas épocas de maior floração em um dos lados da fileira de maracujazeiro (plantio orientado, sentido norte-sul) entre as 13 e 15 horas.

Irrigações via aspersão e pivot central devem ser feitas pela manhã ou final da tarde ou a noite; em períodos de chuvas intensa espera-se redução no índice da frutificação.

O rendimento da polinização artificial é de 50 flores por minuto, 2 a 3 pessoas polinizam 1 hectare por tarde. Obtêm-se valores de 60-80% de rendimento (frutificações). Deve-se efetuar a polinização cruzada desde o inicio da floração (e não concentra-la nos picos da florada) e saber que a flor do maracujá amarelo permanece disponível por 4 horas para a polinização. A safra dura 10 meses no Nordeste.

Após a abertura da flor o fruto alcança máximo desenvolvimento no 18º dia, maturação completa no 80º dia e ponto de colheita entre 50º e 60º dia (máximo de peso, maior índice em Brix). Plantas eleitas para colheita de frutos para sementes devem ter flores com alta percentagem de estiletes curvos (flores TC).

Usos do Maracujazeiro

Folhas e raízes contém uma substância semelhante à morfina - a passiflorina - muito usada como calmante. As folhas são usadas, também, para combater as febres intermitentes, as inflamações cutâneas e a erisipela.

Casca do fruto e sementes prestam-se à alimentação animal.

A polpa que envolve sementes presta-se ao preparo de refrescos, pudins, sucos, sorvetes, batidas, musse e molhos (para acompanhar carnes, aves e peixes); industrialmente produz-se sucos concentrados.

Com polpa branca (aderente a casca) e o suco prepara-se maracujada, geleia de maracujá, compota de maracujá.

A composição do suco do maracujá é a seguinte: calorias (51 a 53), proteínas (0,39 a 0,67g), carboidratos (13,6 a 13,7g), gordura (0,05g), cálcio (3,6-3,8mg), fósforo (12,4-24,6mg), Vit. A (717 a 2.410mg).

Clima e Solos

Clima

O maracujazeiro é planta de clima quente e úmido medrando bem em regiões de clima tropical e sub-tropical; a planta não resiste à geadas notadamente o maracujá amarelo e não frutifica sob temperaturas baixas.

Temperatura

Ideal para desenvolvimento frutificação em 25-26ºC, para frutificação a temperatura de 26ºC é ideal.

Chuvas

Precipitação pluviométrica ideal entre 1.200 mm a 1.400 mm bem distribuída ao longo do ano é adequada para o maracujazeiro (limites 800 mm a 1.700 mm / ano); precipitações intensas em picos de floração dificultam a polinização por romper-se o grão de pólen e por afastar os insetos polinizadores. De ordinário a água é fator importante para a frutificação.

A umidade relativa do ar deve ser baixa; a luminosidade deve ser alta (planta necessita de 11 horas de luz / dia para entrar em floração para produção de frutos com ótimo aspecto, sobor e aroma; ventos não devem ser fortes ou frios ou quentes e secos. Planta de dias longos.

Solos

A planta desenvolve-se em diferentes tipos de solos-preferencialmente os areno-argilosos com bom teor de matéria orgânica – desde que sejam profundos, férteis e com boa drenagem, com pH entre 5,0 e 6,5. Evitar solos arenosos e argilosos de baixa fertilidade e com pH abaixo de 5. Medra bem em regiões com altitude entre 100 e 900 m e em terrenos planos a ligeiramente ondulados.

Em locais sujeitos a ventos fortes estabelecer barreira quebra-ventos; ela proteger, a área de plantio equivalente a 15 a 20 vezes a altura da planta adulta. Bambu, eucaliptos, hibiscos, capim napier são algumas espécies que podem constituir barreiras quebra-ventos.

Propagação do Maracujazeiro/Formação de Mudas

Propagação: A propagação utilizando-se sementes (produção de pé de franco) é o método usual para atender ao estabelecimento de pomares comerciais. Os métodos de propagação vegetativa são: estaquia (estacas lenhosas maduras com 20-25 m de comprimento e diâmetro igual ao lápis, enraízam bem); mergulhia e enxertia, ainda não bem estudadas, não são utilizadas para plantios comerciais.

Obtenção de sementes

Frutos

Os frutos fornecedores de sementes devem ser grandes ovalados, casca fina, cor amarelo-intensa, bem conformados, sadios, maduros com grande quantidade de polpa alaranjada; esses frutos devem ser oriundos e plantas sadias (sem pragas / doenças), de alta produtividade, precoces, vigorosas. Deve-se colher poucos frutos em várias plantas selecionadas (nunca abaixo de 20 plantas).

Sementes

Coletados os frutos são cortados em duas metades donde retira-se a polpa (com sementes) que é depositada em recipiente de vidro ou louça e deixada a fermentar ( sem adição de água) por 2 a 4 dias à sombra. Fermentada a polpa é lavada em água corrente sobre uma peneira o que separa semente da mucilagem; coloca-se as sementes em recipiente com água mexendo-se para que fiquem em suspensão e elimina-se as que boiarem após 25 minutos. Escoa-se a água, coloca-se as sementes, em camadas finas sobre papel absorvente (jornal) ou tecido para secar á sombra por 2 a 3 dias.

Se não utilizadas após sua obtenção as sementes podem ser armazenadas em sacos plásticos (donde retira-se a maior parte do ar) por três meses em condições ambientais; para armazenamento por até 12 meses as sementes são colocadas em sacos de papel, estes colocados em sacos plásticos e mantidos na parte inferior de geladeira doméstica (5ºC-10ºC). Antes do armazenamento a semente pode ser tratada com mistura de 1 g de oxicloreto de cobre + 1 g de carbaryl por kg. de semente.

1 (um) quilo de sementes é suficiente para formar 15.000 mudas (colocando-se 3 sementes por recipiente). A germinação da semente pode dar-se entre 15 a 30 dias pós semeio (2 a 4 semanas).

Formação de mudas via sementes

Mudas em sacolas de plástico

O viveiro deve ser instalado em local de fácil acesso, em terreno com boa drenagem, arejado, exposto ao sol, próximo a fontes de água de boa qualidade, em terrenos planos a levemente ondulados livre de plantas adultas. A maior dimensão do viveiro deve acompanhar o sentido Norte-Sul; a altura mínima da cobertura do viveiro deve ser 1,5 m (ideal 2,0 m) e ela deve deixar passar 50% da insolação. O viveiro deve estar protegido de animais domésticos.

Os recipientes são sacolas de plástico de coloração preta com furos no terço inferior com dimensões 14 cm X 28 cm X 0,02 cm (espessura)ou próximas com capacidade para 8 a 12 litros. Essas sacolas são enchidas com mistura (substrato) de terra, esterco, areia, outros. As sacolas cheias são dispostas em canteiros (encanteiradas) com máximo de 1,2 m de largura; cada metro quadrado de canteiro deve comportar, em média, 120 sacolas. Entre os canteiros deve haver espaços (ruas com 0,5 m de largura) para facilitar tratos e retirar sacolas.

O substrato para enchimento das sacolas pode ser constituído por: terra de barranco (2 partes), esterco de curral bem curtido (2 partes) uma parte de material volumoso curtido (serragem, bagaço de cana ) ou três partes de terra (de mata), 1 parte de esterco de curral e 1 parte de areia; a cada metro cubico de substrato, adicionar 2 quilos de calcário dolomítico, 1,0 Kg de superfosfato simples e 0,5 Kg de cloreto de potássio . A mistura deve ser peneirada e disposta em camada, ser levemente umedecida e disposta em canteiro de 20cm. de altura sobre superfície cimentada para ser submetida ao tratamento de esterilização com brometo de metila, sob lona, com dose de 150cm3 do brometo para cada m3 de substrato em exposição por 72 horas, deixando-o o canteiro exposto ao ar por 24 horas pós tratamento.

OBS.: caso não haja possibilidade de tratamento com brometo pode-se preparar PCNB 75 PM 400g./100 litros de água) e regar as sacolas 48 horas antes do semeio com 2l. de calda/sacola.

Cada m3 de substrato é suficiente para encher 580 sacolas de plástico; o enchimento deve ser feito 30 dias antes do plantio.

O enchimento da sacola é feito manualmente; no ato deve se bater levemente com a sacola no chão para compactar o substrato e manter a sacola de pé. Deixar os sacos em repouso por 30 dias molhando-os regularmente, para assentamento natural do substrato.

A semeadura é feita colocando-se 3 sementes por sacola a 1cm. de profundidade cobrindo-as com o substrato. Dependendo da temperatura rega-se 2 vezes/dia até a emergência das plantinha; depois rega-se só uma vez por dia, passando a dias alternados ou mais segundo desenvolvimento da muda. Tenha-se o cuidado de não encharcar o substrato.

As regas devem ser efetuadas se necessárias em duas ocasiões, cedo pela manhã e no fim da tarde; a partir de 15 dias antes do plantio em campo espacejar a irrigação.

A cobertura deve ser retirada gradativamente, a partir do aparecimento da 1ª folha verdadeira; uma semana antes do plantio as mudas deverão estar em pleno sol. Efetuar desbaste cortando com tesoura, plantinhas mais fracas, quando as plantinhas tiverem 2 folhas verdadeiras, deixando a mais vigorosa.Capinas manuais devem ser feitas e as plantinhas devem ser conduzidas em haste única.

Controlar pragas (lagartas de folhas, besourinhos) com pulverizações preventivas com malatiom 50 E (25ml em 17 litros de água) aplicados a 10m2 de canteiro a cada 15 dias; caldas de mancozeb (20g./17l. água) podem ser pulverizadas em cada 10m2 a cada 15 dias. Caso haja tombamento de mudinhas reduzir irrigação e eliminar plantas doentes; em caso de verrugose eliminar todas as mudas.

Entre 60/80 dias (verão/inverno) pós-emergência, planta com 15/25 a 30cm. de altura, entre a formação da 7ª folha verdadeira e emissão da 1ª gavinha, a muda estará apta ao plantio em campo.

Exigências Nutricionais/Adubações

As raízes do maracujazeiro concentram-se num raio de 50cm. em torno do caule e até 30/40cm. de profundidade. A absorção de nutrientes intensifica-se a partir de 250º dia de vida (estádio de pré - frutificação).

Além de nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) a planta necessita de cálcio, fósforo e enxofre além dos micronutrientes manganês, ferro, boro, zinco e cobre (por ordem de importância).

Os requerimentos dos principais elementos para nutrição do maracujazeiro é:

Nitrogênio (N)

30 a 300g de N/planta/ano aplicados fracionados em 4 a 8 parcelas em cobertura segundo chuvas; a parcela maior deve ser aplicada aos 250 dias de vida.

Fósforo (P2O5)

40, 80 a 120g. de P2O5/planta/ano segundo diversos índices de fósforo no solo; aplica-se 2/3 na cova e restante 1/3 em cobertura na floração.

Potássio (K2O)

160, 320 a 480g. de K2O/planta/ano com aplicação de ¼ na cova e restante em 3 aplicações anuais em cobertura junto ao nitrogênio.

Cálcio (OCa) e Magnésio (MgO)

Geralmente fornecidos pelo calcário dolomítico aplicado à área total ou na cova.

Enxofre (S)

Fornecido no superfosfato simples ou através de gesso agrícola aplicado junto ao calcário.

Micronutrientes: pode aplicar 20g. de sulfato de zinco e 10g. de borax na cova junto à adubação de fundação (da cova) ou podem ser usadas formulações completas de micronutrientes (FTE) na dose de 50g./planta; em culturas em produção aplicar o FTE na primeira parcela anual de NPK (inicio das chuvas). Ainda pode usar a solução de 0,3% de sulfato de zinco, 0,1% de ácido bórico, 0,5% de uréia e se necessário, 0,01% de molibidato de amônio em pulverização foliar.

Implantação do Pomar

Escolha da área/trabalhos iniciais:

De preferência terrenos planos a levemente ondulados; em terrenos com declividade suave a moderada usar plantios em nível; para os acidentados usar banquetas individuais para as mudas.

Plantar em áreas protegidas de ventos ou alinhar plantio na direção do vento dominante para reduzir danos à planta. Usar, se possível, áreas já trabalhadas para outras lavouras.

Coletar amostras de solo a 0-20cm. e 20-40cm. de profundidade com antecedência hábil (150 dias antes plantio) e enviar a laboratório.

Preparo do Solo

Arações a 20-30cm. de profundidade em terrenos pesados seguida de 2 gradagens cruzadas; em terrenos leves basta operações com gradagens. Em caso de aplicação de cal calcário em área total aplicar metade da dose antes da aração e a outra metade antes da 1ª gradagem. Essas operações devem ser realizadas, 90-60 dias antes do plantio.

Solo úmido esfarelando (após comprimido) com toque do dedo indica ponto ideal para aração.

Espaçamento/Condução/Coveamento/Adubação

O espaçamento está condicionado ao plantio em grandes áreas - que indicam uso de mecanização e em pequenas áreas - uso de tratos manuais-.

Para grandes áreas usa-se espaçamento de 5 ou 3m. entre plantas por 3m. entre fileiras; para pequenas áreas 3m., entre plantas por 2,5 a 2,0m. entre fileiras. A densidade de plantas é, respectivamente, 666 plantas (5x3), 1.111 plantas (3x3), 1.333 plantas (3,0 x 2,5) e 1.666 plantas (3,0 x 2,0). Orientar plantio sentido Norte-Sul.

Condução: planta semi-lenhosa, o maracujazeiro precisa de suporte para vegetar e produzir satisfatoriamente. Para tal pode-se construir espaldadeira vertical (com 1 a 3 fios de arame), espaldadeira em T (com 2 a 3 fios de arame) e caramanchão ou latada. Fácil de construir, de custo mais baixo, e por propiciar boas condições para tratos na planta, a espaldadeira vertical é eleita.

Espaldadeira vertical: é uma cerca formada por postes (mourrões, estacas) com 2,5m. de comprimento, enterrados 50cm. no solo espaçados de 5 em 5m. (4a6), com 1,2,3 fios de arame liso nº 12 - superior deve ficar a 2,0m. de altura do solo e os outros 40cm. espaçados entre si -. Para regiões onde há ventos fortes usar 2 fios de arame em vez de um. As linhas de plantio devem ter 60m. de comprimento deixando espaço de 3-4m. para movimentação do pomar. Mourões devem ter a parte superior chanfrada (para escorrer água) e a parte a ser enterrada descascada e tratada com pixe.

Os mourões de calibre maior devem ser colocados no meio e nas extremidades da espaldadeira. O arame superior deve ser fixado 10cm. abaixo do topo do poste.

As covas devem ser abertas nas filas entre as estacas da espaldadeira, com dimensões 40cm. x 40cm. x 40cm.. Na sua abertura separa-se terra retirada dos primeiros 15cm. de profundidade. Essa terra é misturada ao esterco, calcário e adubos químicos, lançada no fundo da cova. Enche-se a cova; essa operação deve ser efetuada 30 dias antes do plantio.

Plantio

Deve ser feito no início da estação chuvosa em horas frescas do dia; retirar envoltório de plástico colocar torrão no centro da cova com sua superfície nivelada à superfície da cova.

Irrigar com 15 litros de água e colocar tutor - vara fina de bambu ou barbante - fixada para conduzir o ramo principal até o arame mais elevado da espaldadeira. Se possível colocar capim seco (sem sementes) ou palha em volta da muda.

Tratos culturais

Indica-se controle de ervas daninhas através de capinas à enxada ou química na linha e uso da roçadeira na entrelinhas; para evitar danos a planta fazer arraquio manual de ervas invasora num raio de 50cm. em volta da planta. Herbicidas podem ser pré ou pós emergentes (evitar contato com a planta); produtos à base de diuron e glifosato são indicados bem como paraquat, dalopon. Evitar uso da grade, enxada rotativa e carpideira. 15 dias pós plantio inicia-se poda de formação; a planta deve ser conduzida em haste única – deve-se eliminar periodicamente as brotações laterais.

Ao atingir altura de 10cm. acima do último fio de arame, deve ser eliminado o broto terminal para estimular o crescimento de brotos laterais. Esses brotos são conduzidos em sentido contrários na posição horizontal em direção aos fios sendo aí fixados. Na espaldadeira vertical tem-se 2 brotações opostas laterais por fio.

Posteriormente estes brotos deverão ser despontados para forçar o desenvolvimento de gemas laterais que formarão os ramos produtivos; as ramificações que surgem em direção ao solo devem ficar livres (elimine-se as gavinhas que aparecem na haste e ramos descendentes) para facilitar o arejamento e penetração de luz importantes na produção e redução do ataque de pragas/doenças.

No período da entressafra deve ser feita uma poda de limpeza quando retira-se todos os ramos secos e/ou doentes para melhor aração da folhagem e diminuição do risco de contaminação de novas brotações:

A poda de renovação tem sido recomendada com restrições pois não aumenta a produção mas facilita penetração de luz, ar e defensivos, melhores frutos, permitir renovação dos ramos (elimina ramos velhos e doentes); a planta deve estar bem adubada e com solo úmido. Poda-se os ramos produtivos próximo a haste horizontal; em seguida pulveriza-se com fungicida oxicloreto de cobre e mancozeb, alternadamente, a cada 10 dias.

A poda elimina a ramagem 40cm. abaixo do arame.

Irrigação

Na região Nordeste, sem limitações de luminosidade e temperatura, o déficit hidrico é fator limitante; a irrigação pode antecipar o início do período produtivo. A irrigação pode ser feita por métodos como gotejamento (4 gotejadores por planta espaçados de 50cm.), aspersão (por pivot existente para sementes/grãos), e em sulcos (por queda natural). Gotejamento e sulcos tem sido as melhores opções.

É importante que a lavoura não seja submetida a nenhum stress hídrico.

Pragas

Lagartas das folhas; Dione juno juno, Agraulis vanillae vanillae – Lepidoptera.

Dione

Adulto é borboleta amarelada com margens das asas pretas; a lagarta é escura, com 30 a 35mm. de comprimento e corpo coberto de espinho. Vive de forma gregaria (em grupos). O adulto coloca ovos agrupadamente (70-130) na face inferior da folha.

Agraulis

Adulto é borboleta cor alaranjada com manchas pretas nas asas; adulto põe ovos, isoladamente na face inferior das folhas e no caule. A lagarta madura (30mm.) tem cor amarelada com corpo coberto por espinhos.As lagartas alimentam-se das folhas, retardam o crescimento da planta o que afeta a produção; desfolhamento sucessivos causam morte da planta. As lagartas da Dione pode raspar a casca dos ramos, também.

Controle

Em áreas pequenas catar e destruir ovos e lagartas; em áreas extensas há recomendação de pulverizações de calda contendo Bacillus thuringiensis (Dipel PM, Thuricide) na dosagem de 100g. do produto comercial/100l. água – 300 a 600g. por hectare em aplicações semanais. A lagarta morre 3 a 5 dias depois.

Outros lagarticidas indicados são carbaryl 85 PM (Carvim, Sevin) Triclorfom 50 S (Dipterex).

Broca da haste (broca do maracujazeiro)

Philonis passiflorae, Cooleoptera.Adulto é besouro cerca de 5mm. de comprimento e coloração marrom com manchas amareladas no dorso; a fêmea ovipõe no ramo. A lagarta é branca, sem pernas, desenvolve-se no interior da planta formando galerias na haste e nos ramos. Externamente nota-se, na planta, aparecem dilatações nos ramos que podem partir-se longitudinalmente. Ataque à haste principal causa morte da planta.

Controle

A ocorrência mais freqüente dá-se em plantios novos localizados em áreas recém-desbravadas, na periferia da plantação.Vistorias periódicas podem identificar focos iniciais de infestação quando se recomenda poda e queima de ramos atacados. Em infestação da haste principal utilizar fosfeto de alumínio (Gastoxim pasta) ou injeção com paration metilico (2ml.). Pode-se, também, pincelar haste principal com inceticida (ação de contato ou de profundidade).

Percevejos

Diactor bilineatus, Holumenia clavigera, Leptoglossus gonagra, Hemiptera.

Diactor

Cor verde-escuro com manchas alaranjadas e pernas traseiras com expansão em forma de folha.

Holymenia

Bastante ágil, tem cor escura com manchas alaranjadas, antenas pretas com extremidade branca.

Leptoglossus

Percevejo do melão-de-S. Caetano, cor marrom, ultimo par de patas com expansões laterais. Percevejos sugam a seiva de todas as partes da planta ocasionando queda de botões florais e frutos novos além de murchamento dos frutos desenvolvidos.

Controle

Em áreas pequenas com catação de ovos, formas jovens e adultos, manutenção do mato roçado, eliminação de melão-de-S. Caetano.

Em áreas grandes pulverizações de caldas inseticidas, contendo fentiom 50 E a 0,1%, triclorfom 50 S a 0,24%, malathion 50 E a 0,25%, endolsulfam 35 E a 0,2%.

Mosca das frutas

Anastrepha spp.

Ceratitis capitata

Diptera

Tephridae

Adultos da Anastrepha são amarelos com 2 manchas amareladas nas asas, 6,5 a 8mm. de comprimento; adultos da Ceratitis são amarelados com asas de tonalidade rosada e medem 4-5mm. de comprimento.As fêmeas ovipõe em frutos ainda verdes causando seu murchamento antes da maturação ou com destruição da polpa e queda de frutos.

Controle

Catação e enterrio de frutos atacados, plantio em áreas distante de cafezais; aplicar de 15 em 15 dias 100 a 200ml./planta, uma calda contendo 5kg. de melaço, 250ml. de Malatol em 100l. de água pulverizando de um lado da planta 100 a 200ml. da calda em 1 m2.

Outras Pragas

Lagarta-da-teia, pulgões (Myzus, Aphis), abelhas (Irapuá e Apis mellifera), besouro de flores que podem ser controlados com carbaryl (lagarta, besouro) malatiom, diazinom (abelhas e pulgões). Além desses ácaros (plano, branco, vermelhos) atacam folhas e ramos tenros sugando a seiva; para seu controle indica-se enxofre molhável (Kumulus, Thiovit) triazofós (Hostathion 400) em pulverizações em ambas as faces da folha.Nematoides (Metoidogyne, Pratylenchus) atacam o sistema radicular.

Doenças

Tombamento (damping-aff) ou mela

Doença causada por fungos; caracteriza-se por lesão no colo da plantinha provocando seu tombamento e morte. Excesso de água e sombreamento na sementeira favorecem a doença.

Controle

Manejo adequado da sementeira e uso de calda da mistura dos fungicidas PCNB+benomil+fosetyl-Al.

Antracnose

Doença por fungo que ataca folhas causando manchas pequenas que juntam-se e tornam-se pardo-avermelhadas ; os ramos podem mostrar manchas alongadas que evoluem a cancros e morte dos ponteiros.

Controle

Aplicação em pulverização, de caldas contendo exicloreto de cobre + mancozeb ou benomyl.

Verrugose ou Cladosporiose

Doença por fungo com maior incidência em temperaturas amenas (15 – 22ºC) ataca frutos, brotações, ramos, gavinhas, pecíolo de folha geralmente em tecidos novos. Manchas circulares de 5mm. que se cobrem com tecido corticoso, áspero, de cor parda que podem deformar o fruto e enrugar a folha.

Controle

Doença não atinge a polpa do fruto; indica-se pulverizações com caldas fungicidas a base de cobre em aplicações semanais sob chuvas e quinzenais em épocas de chuvas esparsas.

Podridão do colo

Doença no solo causada por fungo, que afeta o colo da planta e lesionando a parte interna do caule, pode penetrar para cima e em direção das raízes. Folhas tornam-se murchas, amareladas e há morte da planta.

Controle

Não plantar em solos compactados, sem aeração, e em soslos contaminados pelo fungo. Evitar ferimento do caule nas capinas.Retirar lesões iniciais, raspar a área afetada e aplicar pasta bordaleza. No plantio mergulhar as raízes até 20cm. acima do colo em solução contendo o produto metalaxil (200g./100l. água).Ainda podem acontecer as doença; bacteriose, definhamento precoce, murcha (fusariose).

Colheita/rendimento

O período de colheita dos frutos varia de 6 a 9 meses após o plantio definitivo no primeiro ano (segundo a região e condições climáticas); no Nordeste o maracujazeiro produz durante dez meses. O ponto de colheita é caracterizado pela coleta dos frutos no chão; antes da coleta efetuar passagem entre as filas e derrubar frutos maduros que não caírem ou presos entre os ramos da planta. A coleta de frutos e feita 2-3 vezes por semana ou 1 vez por semana.Após colheita os frutos perdem peso rapidamente a medida que permanecem no chão ficam murchos dificultando a comercialização.O rendimento médio é de 8 a 10t. (1º ano), 15 a 20t.;ha (2ºano) e 12 a 14t./ha (3º ano).

A comercialização do fruto dá-se através da fruta fresca para CEASAS, mercados municipais, atacadistas, para indústria de sucos e para exportação.

OBS. Fruto caído no solo tem idade acima de 80 dias; ele está maduro com 75 a 80 dias de idade. Para mercado de frutas frescas colha frutos ainda presos à planta e com 50 a 70 dias pós abertura da flor; o fruto deve ter preso a ele 1 a 2cm. de pecíolo.Frutos coletados no solo devem ser destinados a indústria.

BIBLIOGRAFIA

MAARA – Ministério da Agricultura e reforma Agrária – FRUPEX Maracujá para exportação – Aspectos Técnicos da Produção - Brasília, 1996

MAARA/EMBRAPA/CNPMF
Instruções Práticas Para o Cultivo do Maracujazeiro
Circular Técnica nº 20, Maio 1994
Cruz das Almas, Ba. – 1994

IPA – Empresa Pernambucana de Pesquisa agropecuária
Cultivo de Maracujá no/Vale do Moxotó
Instruções Técnicas do IPA – 32
Recife – Setembro/1992

EPABA – Empresa de Pesquisa Agropecuária da Bahia
Instruções para o Cultivo do Maracujá
Circular Técnica nº 7 Jan/1984
Salvador, Ba – 1984

MAARA/EMBRAPA/CPATC
Instruções para Cultivo do Maracujá em Sergipe
Circular Técnica nº 5, Outubro/1995
Aracaju – 1995

EPABA – Empresa de Pesquisa Agropecuária da Bahia
Instruções práticas para Cultivo de Frutas Tropicais
Circular Técnica nº 9 Nov./98
Salvador - 1988

Fonte: www.seagri.ba.gov.br

Maracujá

Caloria & Nutrientes

Valores Nutricionais

Maracujá

Porção: 100 g
Kcal: 90
HC: 21.2
PTN: 2.2
LIP: 0.7
Colesterol: 0
Fibras: 10.40

O maracujá é o fruto de uma planta trepadeira, muito conhecida em todo o Brasil, tanto pela fruta como pela flor, também chamada de flor-da-paixão. Há muitas espécies de maracujá, que variam em tamanho e cor. A casca da fruta é grossa e pode ser amarela ou vermelha.

A polpa, a parte comestível do maracujá, é formada por sementes pretas cobertas de uma substância amarela e translúcida, ligeiramente ácida e de aroma acentuado.

Valor nutritivo: O maracujá é rico em vitaminas do Complexo B e sais minerais, como ferro e fósforo. Além disso, também contém uma substância chamada passiflorina ou maracujina, que tem propriedades sedativas, mas não é prejudicial pois não causa dependência.

Fonte: rgnutri.com.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal