Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Martins Pena  Voltar

Martins Pena

 

Nascimento: 5 de novembro de 1815, Rio de Janeiro.

Falecimento: 7 de dezembro de 1848, Lisboa, Portugal.

LUÍS CARLOS MARTINS PENA

Nasceu em 5 novembro de 1815 no Rio de Janeiro e faleceu em 7 de dezembro de 1848 em Lisboa.

Estudou comércio e artes, seguindo os cursos de pintura e música para o que tinha revelado grande gosto. Dedicou-se depois às línguas européias, conseguindo grande facilidade no manejo delas.

Assim, entrou para a carreira diplomática, chegando a adido de Primeira classe na legação de Londres.

Viveu apenas 33 anos e tudo o que escreveu foi teatro.

Deixou de parte a literatura para ser mero observador dos costumes sociais do Rio de Janeiro.

As suas peças tratam dos assuntos caseiros, das pequeninas intrigas domésticas e por isto mesmo foi tão do agrado do público.

Ainda hoje algumas de suas comédias são representadas.

Martins Pena é considerado um dos maiores precursores do romantismo, no Brasil.

Suas obras mais importantes foram: "0 Juiz de paz na roça", "0 Judas em sábado de Aleluia"; "Os Irmãos das Almas"; "Os Dois ou 0 Inglês maquinista"; "O Diletante"; "Os Namorados ou a Noite de S. João"; "Os Três Médicos", "0 Cigano"; "0 Noviço"; "Witiza, ou o Nero de Espanha"; "Bolingroque e Cia" ou "As Casadas Solteiras"; "0 Caixeiro da Taverna"; "Quem casa, quer casa"; "Os Meirinhos"; "Os ciúmes de um pedestre"; "As desgraças de uma criancinha"; "0 terrível Capitão do Mato"; "0 Segredo d'Estado"; "A barriga do meu tio"; "D. Leonor Telles" e o romance histórico "Duguay Trouin".

Martins Pena foi o nosso, grande dramaturgo do Romantismo. Introduziu nas suas peças a realidade da vida cotidiana, sobretudo as intrigas e os costumes do meio carioca.

No seu teatro há um grande arejamento moderno: a tese desaparece para dar lugar à anedota de costumes, e os seus personagens sem doutrinarem à velha maneira clássica, com profundeza de reflexão, de crítica, ou com intenções reformatórias da sociedade, encarnam figuras vulgares, tiradas do meio que bem representam, sendo esta só a sua mais assinalada característica.

O JUIZ DE PAZ DA ROÇA

Comédia em um ato, a peça 0 juiz de Paz da Roça abre a obra de Martins Pena e foi levada a cena pela primeira vez a 4 de outubro de 1838, no Teatro São Pedro, Rio de janeiro.

De enredo bastante simples, tem sua ação inteiramente passada na roça e enfoca, de modo pitoresco, os quiproquós vividos por uma típica família rural brasileira dos meados do século passado.

Você pode acompanhar toda a ação da comédia no texto completo, reproduzido a seguir.

Os tipos criados pelo comediógrafo são hoje clássicos: atente para Manuel João, pequeno lavrador; Aninha, sua filha, e o namorado José, sujeito vadio e oportunista. Ou, então, a figura do juiz de paz - que dá título à peça -, responsável pelos momentos mais engraçados da comédia.

Repare, também, que o momento histórico da ação é o mesmo da Revolução Farroupilha, acontecida no Rio Grande do Sul, em 1834: é da convocação militar que José, noivo de Aninha, vem fugindo. 0 casamento seria justificativa legal para seu não recrutamento. Coincidentemente, é Manuel João o encarregado de conduzir o recruta ao serviço militar - o que não acaba acontecendo, naturalmente...

Os recursos ingênuos utilizados por Martins Pena mais a simplicidade do enredo emprestam à ação uma graça pueril, mas bem armada - que evolui, sem dúvida, ao longo de sua trajetória teatral.

O NOVIÇO

Comédia em três atos, representada pela primeira vez a 10 de agosto de 1845, 0 Noviço é talvez uma das melhores que o talentoso e galhofeiro Martins Pena produziu.

Ambientada no Rio de janeiro, a peça enfoca uma situação de bigamia protagonizada por Ambrósio, finório aproveitador da fortuna de Florência, a segunda esposa, já que não se sabe - de início - da existência da primeira, a provinciana Rosa.

Quem descobre tudo é Carlos, noviço da Ordem de São Bento e sobrinho de Florência, responsável, enfim, pela denúncia de toda a situação.

Mais elaborada que as anteriores, esta peça não deixa, entretanto, de conter também recursos teatrais ingênuos, tais como o disfarce, o esconderijo, pequenas ambigüidades etc. Mesmo assim, o comediógrafo tem o senso da oportunidade bem desenvolvido, de modo que a trama cresce e provoca o riso - afinal, objetivo deste teatro.

Martins Pena - Vida

Martins Pena
Martins Pena

Matins Pena nasceu no dia 5 novembro de 1815 no Rio de Janeiro.

Filho de João Martins Pena e Francisca de Paula Julieta Pena, ficou órfão de pai quando tinha apenas um ano de idade e de mãe aos dez. Dai por diante foi criado por tutores que o incentivaram a aprender as artes do comércio.

Após completar o curso de Comércio em 1835, passou a estudar, dentre outras coisas, pintura, música, literatura e teatro. Dedicou-se também ao estudo de outras línguas, tendo grande facilidade em dominá-las. Essa aptidão facilitou o seu ingresso na carreira diplomática, chegando a ser adido (1) de Primeira classe na legação de Londres.

Tuberculoso, deixou o frio Londres e tentou retornar ao Brasil. No entanto, não completou a viagem, vindo a falecer em 7 de dezembro de 1848 em Lisboa.

Martins Pena é considerado o fundador da comédia de costumes no teatro brasileiro. É considerado ainda um dos principais precursores do Romantismo no Brasil e um dos primeiros autores a retratar o processo de urbanização no século XIX.

Grande parte da obra composta por Martins foi teatro. Em suas aproximadas 30 peças, divididas em comédias e farsas, percebe-se que Martins Pena usa com precisão a linguagem coloquial.

Outras características importante são o seu extraordinário estilo cômico e a sátira, usada para censurar, entre outras coisas, a hipocrisia da Igreja e os abusos políticos. Vale lembrar que graças a esse estilo conseguiu grande popularidade não só no período em que viveu, mas também nos dias atuais, pois sua obras são representadas com êxito nos dias atuais.

O mundo dos seus personagens englobam, sobretudo, o povo simples da roça e a gente comum das cidades.

Em sua verdadeira galeria de personagens destacam-se os seguintes "tipos": juizes, profissionais da época, malandros, estrangeiros, falsos cultos etc. O tema das peças gira em torno de casamentos, heranças, dívidas, festas da cidade e da roça, pequenas intrigas domésticas etc. Esses temas, por serem cotidianos, agradaram em demasia o público.

Dentre suas obras as que mais se destacam são as seguintes:

0 Juiz de paz na roça
Os Irmãos das Almas
O Judas em sábado de Aleluia
Os Dois ou 0 Inglês maquinista
Os Namorados ou a Noite de S. João
Os Três Médicos
O Cigano
O Noviço
As Casadas Solteiras
Quem casa, quer casa
O Segredo d'Estado
D. Leonor Telles
etc.

Martins Pena é o patrono da Cadeira n. 29 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do fundador Artur Azevedo.

1 - ( Pessoa não pertencente aos quadros diplomáticos designada para servir junto a uma embaixada como representante de interesses específicos) Dicionário Aurélio

Martins Pena - Obras

Martins Pena
Martins Pena

Nasceu no Rio de Janeiro, numa família sem posses. Órfão de pai, foi encaminhado pelos tutores à vida comercial.

Ainda jovem freqüentou a Academia de Belas Artes, estudando desenho, arquitetura e música.

Em 1838, teve sua primeira comédia (O juiz de paz na roça) encenada pela célebre companhia teatral de João Caetano. Neste mesmo ano ingressou no serviço diplomático, exercendo várias funções cargos até atingir a posição de adido.

Enviado para Londres, em 1847, acabou contraindo tuberculose. Morreu no ano seguinte, em Lisboa quando retornava ao Brasil. Apesar de falecer com apenas 33 anos, Luís Carlos Martins Pena escreveu 20 comédias e seis dramas.

OBRAS PRINCIPAIS

Comédias: O juiz de paz na roça (1842); Os três médicos (1845); O judas em sábado de aleluia (1846); O diletante (1846); Quem casa quer casa (1847); O noviço (1853); Os dois ou o inglês maquinista (1871).

Dramas: Itaminda ou o guerreiro de Tupã (1839)

Embora tivesse escrito alguns dramas (todos de péssima qualidade), Martins Pena destacou-se por suas comédias, através das quais fundou o teatro nacional.

A origem destas obras resulta de uma curiosa característica da época: normalmente após a apresentação de um drama, os espectadores assistiam a uma breve farsa, provinda da dramaturgia portuguesa, e cuja função era desopilar as emoções excessivas causadas pela peça principal. Favorecido pelo interesse de João Caetano, o mais famoso ator e encenador do período, Martins Pena percebeu que podia dar ao gênero um caráter brasileiro, introduzindo tipos, situações e costumes facilmente identificáveis pelo público do Rio de Janeiro.

Na verdade, a comédia de costumes (em geral, de um ato apenas) era a única espécie teatral que se adaptava às circunstâncias históricas do Brasil, na primeira metade do século XIX. A exemplo de Manuel Antônio de Almeida, uma espécie de seu discípulo no romance, Martins Pena intuiu que nem o drama, nem a tragédia se ajustariam ao universo que propunha retratar. Porque as elites imperiais, fossem as urbanas ou as do campo, careciam de maior complexidade social e humana, não permitindo a criação de textos psicológicos mais densos. Também as classes médias eram pobres em caracteres e dimensão histórica. Restavam apenas os escravos, estes sim participantes de um drama real e pungente. Só que quando apareciam representados nos palcos o eram unicamente como moleques de recados, amas de leite, etc. Ou seja, não havia outro caminho para o jovem teatrólogo senão a utilização do riso para registrar a sua época.

No conjunto, as comédias são superficiais e ingênuas, os tipos humanos são esboçados de forma primária e as tramas pecam, às vezes, pela falta de coerência e verossimilhança. Mesmo assim, estas peças apresentam tal vivacidade nas situações e no registro dos costumes e tamanha espontaneidade nos diálogos que ainda hoje ainda podem ser lidas ou assistidas com prazer.

TEMAS E SITUAÇÕES PRINCIPAIS

Algumas comédias são sátiras aos costumes rurais, revelando os hábitos curiosos, a fala simples e a extrema candura que delimitam os seres da roça. Estes são criaturas broncas e rústicas, ainda mais quando comparadas aos homens da capital, requintados e espertos. Porém os caipiras têm, com freqüência, melhor índole que os tipos da Corte. Até os pequenos corruptos, como o juiz de O juiz de paz na roça, não deixam de possuir uma certa inocência simpática.

Já as peças que focalizam a vida urbana efetivam, como observou Amália Costa, uma “leitura” irônica dos problemas da época: o casamento por interesse, a carestia, a exploração do sentimento religioso, a desonestidade dos comerciantes, a corrupção das autoridades públicas, o contrabando de escravos, a exploração do país por estrangeiros e o autoritarismo patriarcal, manifesto tanto na escolha de marido para as filhas quanto de profissão para os filhos.

Um tema dominante tanto nas comédias da roça quanto nas urbanas é o do amor contrariado. A maior parte das tramas cômicas gira em torno de jovens cujos desígnios amorosos ainda não se cumpriram. Como bem analisou Sábato Magaldi, tudo se origina do fato de os pais preferirem pretendentes velhos e ricos para seus filhos. Estes, ao contrário, crêem no amor sincero e desinteressado. Contudo, jamais um sopro trágico percorre tais paixões irrealizadas porque todas elas serão resolvidas positivamente, em clima da mais completa farsa, no final das peças. As situações são muitas parecidas (amor impossível pela má-fé de vilões – desmascaramento cômico dos empecilhos – final feliz). Pode-se afirmar que o casamento(ou pelo menos o namoro sério) constitui o epílogo mais comum destas comédias.

Martins Pena não teve seguidores diretos, exceção talvez a Artur Azevedo. Contudo, o teatro de costumes, um teatro semipopular, sem grandes pretensões estéticas, continuou existindo como única veia autêntica do palco nacional, no século passado.

O NOVIÇO

Uma das poucas peças de Martins Pena em três atos, O noviço gira em torno da pérfida ação de Ambrósio que se casa por interesse com Florência, rica viúva, mãe da jovem Emília, do menino Juca e tutora do sobrinho Carlos, este o personagem principal da peça O vilão Ambrósio já havia convencido a mulher a colocar Carlos (o noviço) em um seminário. Agora quer também internar Emília em um convento, pois ela se encontra em idade de casar e teria de receber um dote significativo da mãe. Igual destino aguarda o menino que deve se tornar frade. Assim, Ambrósio ficaria com toda a fortuna de Florência.

Carlos, no entanto, foge do convento e esconde-se na casa da tia, já que quer fazer carreira militar e, sobretudo, desposar a prima Emília, por quem está apaixonado.

O acaso o ajuda na luta contra Ambrósio: vinda do Ceará, surge Rosa, a primeira mulher do vilão e da qual ele não se separara oficialmente. Rosa conta a Carlos que o seu marido desaparecera com todo o dinheiro que ela possuía.

O problema imediato de Carlos, porém, é livrar-se do Mestre dos Noviços que está atrás dele para reconduzi-lo ao convento. Em cena hilariante, aproveita-se da ingenuidade da mulher e troca de roupa com ela. Esta, em seguida, é encontrada pela autoridade religiosa com a batina do rapaz. Confundida com o noviço fugido, é remetida imediatamente ao seminário. Enquanto isso, Carlos, vestido de mulher, começa a ameaçar Ambrósio com a história de sua bigamia. Após inúmeras peripécias, o vilão é desmascarado diante da própria Florência, e os jovens Carlos e Emília ficam livres para o mútuo envolvimento amoroso.

OS DOIS OU O INGLÊS MAQUINISTA

Mariquinha e seu primo Felício se amam, mas como este é pobre não há possibilidade de casamento.

A moça é cortejada por outros dois homens: Negreiro, um traficante de escravos, e Gainer, um inglês espertalhão. A crítica operada contra os dois personagens – ambos desejosos de obter a fortuna pessoal da jovem mediante o casamento – parece transcender à banalidade das tramas de Martins Pena.

Funciona como metáfora da própria realidade nacional, dominada no plano econômico pelos traficantes e pelo capital inglês. À chegada do pai de Mariquinha, a quem todos julgavam morto, soma-se o conflito entre o inglês e o traficante (outra metáfora da história do Brasil da época?), permitindo a revelação dos caracteres degradados dos dois pretendentes. Assim, Mariquinha e o primo Felício podem efetivar a relação amorosa, como se o brasileiro simbolicamente tomasse posse da riqueza da nação.

Martins Pena - Biografia

Martins Pena
Martins Pena

Martins Pena (Luís Carlos M. P.), teatrólogo, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 5 de novembro de 1815, e faleceu em Lisboa, Portugal, em 7 de dezembro de 1848. É o patrono da Cadeira n. 29, por escolha do fundador Artur Azevedo.

Era filho de João Martins Pena e Francisca de Paula Julieta Pena. Órfão de pai com um ano de idade e de mãe aos dez, foi destinado pelos tutores à vida comercial. Completou o curso do comércio em 1835.

Cedendo à vocação, passou a freqüentar a Academia de Belas Artes, onde estudou arquitetura, estatuária, desenho e música; simultaneamente estudava línguas, história, literatura e teatro.

Em 1838, entrou para o Ministério dos Negócios Estrangeiros, onde exerceu cargos, até chegar ao posto de adido à Legação do Brasil em Londres. Doente de tuberculose, e fugindo ao frio de Londres, veio a falecer em Lisboa, em trânsito para o Brasil.

De 1846 a 1847, fez crítica teatral como folhetinista do Jornal do Commercio.

Seus textos foram reunidos em Folhetins.

A semana lírica.

Mas foi como teatrólogo a sua maior contribuição à literatura brasileira, em cuja história figura como o fundador da comédia de costumes.

Desde O juiz de paz da roça, comédia em um ato, representada pela primeira vez, em 4 de outubro de 1838, no Teatro de São Pedro, até A barriga de meu tio, comédia burlesca em três atos, representada no mesmo teatro em 17 de dezembro de 1846, escreveu aproximadamente 30 peças, quase tantas obras quantos anos de idade, pois o autor tinha apenas 33 anos quando faleceu.

O caráter geral de todas as suas peças é o da comédia de costumes. Dotado de singular veia cômica, escreveu comédias e farsas que encontraram, na metade do século XIX, um ambiente receptivo que favoreceu a sua popularidade. Envolvem sobretudo a gente da roça e do povo comum das cidades.

Sua galeria de tipos, constituindo um retrato realista do Brasil na época, compreende: funcionários, meirinhos, juízes, malandros, matutos, estrangeiros, falsos cultos, profissionais da intriga social, em torno de casos de família, casamentos, heranças, dotes, dívidas, festas da roça e das cidades. Foi, assim, Martins Pena, quem imprimiu ao teatro brasileiro o cunho nacional, apontando os rumos e a tradição a serem explorados pelos teatrólogos que se seguiriam. A sua arte cênica ainda hoje é representada com êxito.

Algumas obras: O juiz de paz da roça, comédia em 1 ato (repr. 1838); A família e a festa na roça, comédia em 1 ato (repr. 1840); O Judas em sábado de aleluia, comédia em 1 ato (repr. 1844); O namorador ou A noite de São João, comédia em 1 ato (1845); O noviço, comédia em 3 atos (1845); O caixeiro da taverna, comédia em 1 ato (1845); Quem casa quer casa, provérbio em 1 ato (1845); e diversas outras comédias e dramas. Foram reunidas no volume Comédias, editado pela Garnier (1898) e em Teatro de Martins Pena, 2 vols., editado pelo Instituto Nacional do Livro (1965). O volume Folhetins. A semana lírica (1965, ed. MEC/INL), abrange a colaboração do autor no Jornal do Commercio, de agosto de 1846 a outubro de 1847

Fonte: www.dionisius.hpg.ig.com.br/www.mundocultural.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal