Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Mata Dos Cocais - Página 10  Voltar

Mata dos Cocais



 

Os cocais ou babaçuais formam extensas áreas de palmeiras situadas no Meio-Norte, principalmente no Maranhão e Piauí, aparecendo também em outros estados nordestinos (Ceará, Rio Grande do Norte) e em Tocantins.

Trata-se de uma vegetação de transição entre a Floresta Amazônica úmida ao oeste, a Caatinga seca à leste e o Cerrado semi-úmido ao sul. Além do babaçu, aparece também a carnaúba, conhecida como "árvore providência", mais freqüente a partir do Piauí em direção ao Ceará e Rio Grande do Norte. São duas extraordinárias riquezas que o Nordeste possui, mas infelizmente subaproveitadas. Do coco de babaçu extrai-se principalmente o óleo, e da folha de carnaúba extrai-se a cera. Os maiores produtores são, respectivamente, Maranhão e Ceará.

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Mata dos Cocais


A Mata dos cocais está situada entre a Amazônia e a caatinga nos estados do Maranhão, Piauí, Ceará e norte do Tocantins, existem florestas dominadas pelas palmeiras babaçu e carnaúba, além do buriti e da oiticica, a Mata dos Cocais.

São florestas secundárias, isto é, cresceram após o desmatamento das plantas originais.

O babaçu domina o ambiente e está sendo destruído em ritmo intenso pelas pastagens, mas pode sobreviver pela velocidade com que se reproduz e pelos produtos que são extraídos dele (cera, óleo, fibras, glicerina etc.), de alto valor para a sobrevivência da população local.

No lado oeste, onde a proximidade com o clima equatorial da Amazônia a torna mais úmida, é predominante a presença do babaçu, palmeiras que atingem 15 a 20m de altura, de onde é extraído um óleo utilizado pela indústria de alimentos e cosméticos. No lado leste, mais seco, predomina a carnaúba, que pode atingir até 20m de altura, cujas folhas retira-se a cera empregada como lubrificante na indústria eletrônica, de perfumaria, e na fabricação de plásticos e adesivos. Embora aproveitada, em parte, de maneira ordenada por várias comunidades extrativistas que exercem suas atividades sem prejudicar essa formação vegetal, a Mata de Cocais também é seriamente ameaçada pela ampliação das áreas de pasto para a pecuária, principalmente no Maranhão e no norte do Tocantins. Essa área ocupa menos de 3% da área total do Brasil. Características principais da Mata dos Cocais:

As vegetações típicas da Mata dos Cocais são: babaçu (em maior quantidade), carnaúba, oiticica e buriti.

No extrato mais baixo da mata, encontramos diversas espécies de arbustos e vegetações de pequeno porte.

As folhas das palmáceas caracterizam-se por serem grandes e finas.

Coqueiro

 

O Coqueiro (Cocos nucifera L.), é um membro da Família Arecaceae (família das palmeiras). É a única espécie classificada no gênero Cocos.

É uma árvore que pode crescer até 30 m de altura, com folhas pinadas de 4-6 m de comprimento, com pinas de 60-90 cm. As folhas caem completamente, deixando o tronco liso.

Origens

As origens desta planta são passíveis de discussão. Enquanto algumas autoridades reclamam o Sudeste Asiático (região peninsular) como o seu local de origem, outros colocam a sua origem no nordeste da América do Sul. Registros fósseis da Nova Zelândia indicam aí a existência de pequenas plantas similares ao coqueiro de mais de 15 milhões de anos.

Fósseis ainda mais antigos foram também descobertos no Rajastão, na Índia.

Qualquer que fosse a sua origem, os cocos espalharam-se através dos trópicos, em particular ao longo da linha costeira tropical.

Como o seu fruto é pouco denso e flutua, a planta é espalhada prontamente pelas correntes marinhas que podem carregar os cocos a distâncias significativas. A palmeira do coco prospera em solos arenosos e salinos nas áreas com luz solar abundante e pancadas de chuva regular (75-100 cm anualmente), o que torna a colonização da costa relativamente fácil.

Já foram encontrados cocos transportados pelo mar tão ao norte como na Noruega em estado viável, que germinaram subseqüentemente em circunstâncias apropriadas. Entretanto, nas Ilhas do Havai, o coco é considerado como introdução, trazida primeiramente às ilhas há muito tempo por viajantes polinésios de sua terra natal no Sul do Pacífico.

O fruto

 


clique para ampliar

Botanicamente falando, um coco é um fruto seco simples classificado como drupa fibrosa (não uma noz). A casca (mesocarpo) é fibrosa e existe um "caroço" interno (o endocarpo lenhoso). Este endocarpo duro tem três poros de germinação que são claramente visíveis na superfície exterior, uma vez que a casca é removida. É através de um destes que a pequena raiz emerge quando o embrião germina.

O termo "coco" foi desenvolvido pelos portugueses no território asiático de Malabar, na viagem de Vasco da Gama à Índia (1497-1498), a partir da associação da aparência do fruto, visto da extremidade, em que o endocarpo e os poros de germinação assemelham-se à face de um "coco" (monstro imaginário com que se assusta as crianças; papão; ogro). Do português o termo passou ao espanhol, francês e inglês "coco", ao italiano "cocco", ao alemão "Kokos" e aos compostos inglês "coconut" e alemão "Kokosnuss".

Em algumas partes do mundo, macacos treinados são usados na colheita do coco. Escolas de treinamentos para macacos ainda existem no sul da Tailândia. Todos os anos são realizadas competições para identificar o mais rápido colhedor.

Uso

Todas as partes do coco, salvo talvez as raizes, são úteis e as árvores têm comparativamente um alto rendimento (até 75 cocos por ano); ele então possui significativo valor econômico. De fato em Sânscrito o nome para o coqueiro é kalpa vriksha, o qual se tranduz como "a árvore que fornece todas as necessidades da vida". Os usos das várias peças da palma incluem:

O branco, parte gorda da semente é comestível (fresco) e usado (seco e dissecado) em culinária;

A cavidade é cheia de "água de coco" que contém os açúcares que são usados como uma bebida refrescante, e na composição da sobremesa gelatinosa Nata de Coco;


Leite de coco (que tem aproximadamente 17% de gordura) é feito processando o coco ralado com água quente que extrai o óleo e os compostos aromáticos;

O líquido obtido da incisão da base das inflorescências do coqueiro formam uma bebida conhecida em inglês por "toddy", nas Filipinas chamada tuba e em Moçambique, sura;

Os botões da ponta de plantas adultas são comestíveis e são conhecidos como "cabaço de coco" (embora a colheita desta mate a árvore);

O interior da ponta crescente é chamado coração-da-palma ou "palmito" e comido em saladas, chamadas às vezes "salada do milionário" (isto também mata a árvore);

Copra é a carne seca da semente, usada para preparar o óleo do coco;

O resíduo que fica depois de preparar o óleo é usado como ração para animais;

O tronco fornece madeira para construção;

As folhas fornecem materiais para cestas e palha de telhado;

A casca e a fibra do coco podem ser usados para combustível e são uma fonte boa do carvão de lenha;

Servem ainda em artesanato;

Nos teatros, usavam-se metades de casca de coco que, batidas, davam o som de cascos de cavalo;

A fibra pode ainda ser usada para o fabrico de cordas e tapetes, para enchimento de estofos e para o cultivo de orquídeas e outras plantas;

Havaianos usam o tronco ôco para dar forma a um cilindro, que pode servir como recipiente, ou mesmo canoas pequenas.

A água do coco é quase idêntica ao plasma do sangue e é conhecida por ter sido usada como um líquido endovenoso de hidratação quando há uma falta de líquido próprio para transfusão de sangue. A água do coco tem teores elevados de potássio, cloreto, e cálcio, e é indicada nas situações em que se pretende o aumento destes eletrólitos.

Palmeira


Palmeira

Palmeiras são as plantas da família Arecaceae (anteriormente chamadas Palmae ou Palmaceae - a única família da ordem Arecales), que pertencem à divisão das plantas que produzem flores, e à ordem das Monocotiledóneas. Pertencem a essa família plantas muito conhecidas como o coqueiro e a tamareira.

O género tipo dessa família é a Areca. A espécie mais conhecida desse género é a Areca catechu, uma palmeira da Malásia cuja semente se chama noz de betel porque costuma ser mascada em conjunto com a "folha de betel" (proveniente da pimenteira Piper betle, uma planta que não pertence à família Arecaceae).

As palmeiras são plantas perenes tipicamente com um caule cilíndrico não ramificado e com folhas pinadas, cujas bainhas muitas vezes envolvem o espique (tipo de caule característico das palmeiras) e as bainhas das folhas mais novas. As palmeiras não são consideradas árvores porque todas as árvores possuem o crescimento do diâmentro do seu caule para a formação do tronco, que produz a madeira.

A seiva de algumas espécies de arecáceas é tradicionalmente fermentada para produzir o vinho de palmeira, muito apreciado e conhecido em Moçambique com o nome de sura (onde, para além de ser bebido, é também utilizado como fermento na fabricação de pães e bolos). No Brasil, o buriti (Mauritia flexuosa) também é fermentado (entre outras formas de consumo), dando origem ao vinho de buriti, e o açaí (Euterpe oleracea) dá o vinho de açaí.

Fonte: pt.wikipedia.org

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal