Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Câmbio - Página 3  Voltar

CÂMBIO



Uma caixa de câmbio de dupla embreagem (DCT, sua sigla em inglês) usa duas embreagens, mas não tem pedal. Eletrônicos e hidráulicos sofisticados controlam as embreagens, como em um câmbio automático comum. Em uma DCT, entretanto, as embreagens operam independentemente. Uma embreagem controla as marchas ímpares (primeira, terceira, quinta e ré), enquanto a outra controla as marchas pares (segunda, quarta e sexta). Usando este arranjo, as marchas podem ser mudadas sem interromper o fluxo de potência do motor para o câmbio.

Os motoristas podem também escolher um modo completamente automático, onde as mudanças de marcha são feitas pelo computador. Neste modo, a experiência de dirigir é muito parecida àquela feita pelo automático convencional. Devido à transmissão DCT poder "desativar" uma marcha e "acionar" uma segunda, o choque de troca de marcha é reduzido. Mais importante, a mudança de marcha ocorre sob a carga para que um fluxo de energia permanente seja mantido.

Uma construção engenhosa de duas árvores separando as marchas pares e ímpares torna isso tudo possível.

Árvore de transmissão e embreagens multi-pratos

Uma árvore de câmbio de duas partes está no coração de um DCT. Ao contrário de uma caixa de câmbio manual convencional, que tem todas as marchas em uma única árvore primária, a DCT divide as marchas pares e ímpares em duas. Como isso é possível? A árvore externa é oca, deixando um espaço para uma árvore interna, que fica alojada no lado de dentro da oca. Esta se encarrega da segunda e quarta marchas enquanto a interna responde pela primeira, terceira e quinta.

O diagrama abaixo mostra este arranjo para um típico DCT de cinco marchas. Repare que uma embreagem controla a segunda e a quarta marcha, enquanto outra embreagem, independente, controla a primeira, a terceira e a quinta. Este é o truque que permite a troca de marchas super rápida e mantém constante o fornecimento de potência. Uma caixa manual normal não pode fazer isso porque usa a mesma embreagem para todas as marchas.

Câmbio

Pelo fato de o câmbio de dupla embreagem ser parecido com um automático, você pode pensar que ele requer um conversor de torque, que é como os automáticos: transferem o torque do motor para o câmbio. As caixas DCT, entretanto, não requerem conversor de torque. Em vez disso, as DCTs que estão atualmente no mercado usam embreagem multidisco em banho de óleo. Uma embreagem "molhada" é aquela em que os seus componentes são banhados por um fluido lubrificante para reduzir o atrito e limitar a produção de calor. Vários fabricantes estão desenvolvendo DCTs que usam embreagens secas, como aquelas geralmente associadas às caixas manuais, mas todos os veículos equipados com DCT hoje produzidos usam a versão de banho de óleo.

Muitas motocicletas possuem embreagem multidisco.

Câmbio

Como os conversores de torque, embreagens multidisco em banho de óleo usam pressão hidráulica para acionar as marchas. O fluido faz seu trabalho dentro do pistão da embreagem, conforme o diagrama acima. Quando a embreagem é acoplada, a pressão hidráulica dentro do pistão força um conjunto de molas helicoidais a se expandirem, o que empurra uma série de placas de embreagem e disco de atrito empilhados e contra uma placa de pressão fixa.

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal