Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Medicina Ortomolecular  Voltar

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

 

Teoricamente, a Medicina Ortomolecular (MO) se preocupa em corrigir qualquer desequilíbrio na constituição molecular do indivíduo, principalmente porque a maioria das patologias vêm acompanhada por alterações da composição bioquímica do organismo. Isto significa que uma correção, principalmente nutricional, provocaria um restabelecimento da homeostase (equilíbrio) interna. Portanto, a MO é usada tanto para prevenir como para tratar doenças.

Como Atua

A MO atua no indivíduo através de quatro vias :

Repondo uma substância que esteja em falta no organismo. Exemplo:Na pelagra usa-se vitamina B3.

Fazendo a eliminação ou inibição da absorção de uma substância tóxica no organismo .

Exemplo: quelação pelo EDTA.

Aumentando a concentração de uma substância que mesmo estando com seus níveis normais, tem um efeito farmacológico quando em concentraçòes mais altas.

Exemplo: utilização de vitamina C na gripe.

Combatendo o excesso de radicais livres (RL) responsáveis por uma série de patologias identificadas pela MO .

As matérias-primas utilizadas como medicação são, na maioria das vezes, substâncias que existem normalmente no organismo :

Vitaminas

Sais minerais

Aminoácidos

Lipídios

Hormônios

Antioxidantes

etc.

Em algumas ocasiões a MO lança mão de agentes terapêuticos provenientes de alimentos comuns por meio de um aconselhamento nutricional em que chamamos de Alimentação Funcional.

Tudo isso faz com que a Medicina Ortomolecular seja uma medicina natural com uma característica até agora inédita nesta área: o suporte dos conhecimentos mais recentes da medicina moderna.

Portanto, a Medicina Ortomolecular é uma especialidade médica que procura restabelecer o equilíbrio molecular do organismo.

Carlos Augusto Anselmo Abrahão

Fonte:www.cremerj.org.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

A terapia ortomolecular é um tratamento que consiste em proteger o organismo contra a agressão dos " radicais livres ", que dão origem a problemas de saúde como doenças degenerativas (artrites, câncer...), ao mal que afringe a grande parte da população - o stress - e a outros tipos de doenças, além de proporcionar o envelhecimento precoce e diversas alterações a nível orgânico, fisiológico e estético, tornando-se assim a terapia ortomolecular uma excelente maneira de se previnir também contra as doenças da 3 idade.

Para promover este bem estar que a terapia ortomolecular proporciona, é necessário fazer periodicamente o exame da gôta de sangue (teste do hlb) no qual se detecta o nível de destruição sanguínea causada pelos radicais livres, (substâncias produzidas pelo oxigênio, pelo stress, fumaça de cigarro, por metais tóxicos), e que através deste controle dos radicais livres, realizado com o uso de antioxidantes, o médico ortomolecular consegue melhorar o padrão de vida dos pacientes, e em certos casos previnindo contra futuros males.

Através do mineralograma do cabelo (exame do cabelo) realizado nos estados unidos, é possível detectar deficiências minerais essencias do nosso corpo precocemente, como por exemplo o cálcio (osteosporose), o lítio (depressão), o selênio (poderoso destruidor dos radicais livres), e também se há a presença de metais tóxicos causadores de sintomas e doenças, como por exemplo o alumínio (diminuição da memória), o chumbo (enxanquecas, tonturas), mercúrio (alteração do humor), níquel (queda dos cabelos).

Desta forma a terapia ortomolecular procura previnir através:

Do mineralograma do cabelo,

Exame do cromossomo para detectar infarte em pessoas jovens,

Exames de marcadores de canceres de mama, próstata, útero, fígado, intestino;

E auxiliar no tratamento de doenças como:

Stress

Diabetes

T.p.m

Menopausa;

Artrites;

Osteoporose

E diversas outras doenças.

Com isso, a reposição dos minerais essencias e a retirada dos tóxicos, a terapia ortomolecular consegue um equilíbrio do nosso corpo.

Fonte:www.medicinaortomolecular.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

Em que se baseia?

Uma das bases daTerapia Ortomolecularé o combate aos radicais livres (RL), que são quaisquer átomos, moléculas ou íons que possuam um ou mais elétrons livres na sua órbita externa. Estes elétrons têm grande instabilidade química e, mesmo tendo meia vida de frações de segundos, são altamente reativos com qualquer composto próximo, a fim de retirar deste o elétron necessário para sua estabilização, produzindo reações de dano celular em cadeia, e sendo assim chamado de oxidantes.

Embora existam os RL de íons metálicos e de carbono, os principais são os de OXIGÊNIO.

Podemos entender a formação de Radicais Livres pelo nosso organismo em condições normais, pois são necessários no processo de respiração celular que ocorre nas mitocôndrias, a fim de gerar o ATP. Estes também podem ser produzidos pelos macrófagos e neutrófilos contra bactérias e fungos invasores do nosso organismo.

O efeito prejudicial dos RL ocorre quando estão em quantidade excessiva, ultrapassando a capacidade de neutralização dos sistemas enzimáticos do organismo.

Como são neutralizados os RL?

Existem dois sistemas naturais de eliminação de Radicais Livres, que são os chamados “Varredores” (scavengers) de RL, que atuam eliminando-os ou então impedindo sua transformação em produtos mais tóxicos. Esses sistemas podem ser divididos em Enzimáticos e em Não Enzimáticos.

Os sistemas enzimáticos são compostos pelas seguintes enzimas: Glutation-Peroxidase, Catalase, Metionina-Redutase e Superóxido-Dismutase, os quais combatem os seguintes RL: Peróxido de Hidrogênio, Superóxido, Oxigênio Singlet, Ion Hidroxila, Oxido Nítrico e Oxido Nitroso.

Os Antioxidantes Não Enzimáticos, em sua maioria são exógenos, ou seja, necessitam ser absorvidos pela alimentação diária, ou como complementos nutricionais. Os principais podem ser divididos em: Vitamina A, Vitamina E, Beta-caroteno, Vitamina C, Vitaminas do complexo B, os oligoelementos (Zinco, Cobre, Selênio, Magnésio), os bioflavonóides (derivados de plantas).

O método da Medicina Ortomolecular

Na Medicina Ortomolecular assume-se que as doenças tenham origem de múltiplas causas não-específicas congênitas e adquiridas. Essas causas dão origem a distúrbios bioquímicos, cuja acumulação resulta em sintomas e sinais que dão a percepção do estado de doença. Seria vantajoso para o médico ortomolecular reconhecer e corrigir cedo as anomalias bioquímicas dos pacientes antes que a suas expansões resultem em doenças reconhecíveis.

Na prática, o médico ortomolecular basea-se muito em testes laboratoriais. Em adição ao químicos da clínica padrão, os médicos ortomoleculares agora empregam um amplo espectro de análises laboratoriais sofisticadas incluindo para aminoácidos, ácidos orgânicos, vitaminas, minerais, situação funcional das vitaminas, hormônios, imunologia, microbiologia e função gastrintestinal. Muitos desses testes novos não são aceitos pelas medicina convencional.

A terapia ortomolecular consiste em prover quantidades ótimas de substâncias normais ao organismo, geralmente pela administração oral. No começo da Medicina Ortomolecular isso geralmente significava terapia com altas doses de um único nutriente. Hoje em dia os praticantes da Medicina Ortomolecular costumam utilizar várias substâncias (aminoácidos, enzimas, nutrientes não-essenciais, hormônios, vitaminas, minerais, etc) em um esforço terapêutico para restaurar seus níveis ao estatisticamente normal para pessoas jovens e saudáveis.

Geralmente a suplementação com relativamente altas doses de vitaminas recebe o nome de terapia de mega doses de vitaminas, a qual foi popularmente associada à Medicina Ortomolecular .

Terapia Ortomolecular

Investigar deficiências nutricionais do organismo, assim como detectar a presença de metais tóxicos no corpo (que podem ser a causa de determinadas doenças), é o início da terapia ortomolecular. Isto pode ser feito através do Teste do Cabelo (também chamado Mineralograma), que além disso, identifica se há excesso ou carência dos oligoelementos (minerais). A dosagem de RL pode ser feita por meio de métodos baseados na espectometria de ressonância eletrônica de “spin” e ressonância paramagnética eletrônica, dosagem de MDA (malondialdeído), e métodos indiretos como o HLB, pelo qual numa gota de sangue verifica-se, com auxílio de um microscópio o efeito dos radicais livres na matriz extracelular (agregados proteoglicanos, colágeno, elastina, fibrina), fragmentando-a e produzindo lacunas que serão maiores quanto maior for a quantidade de RL presente.

Os benefícios atribuídos à terapia pelos médicos e adeptos incluem a perda de peso, melhora da pele, dos cabelos e das unhas e ainda as vantagens com relação às dietas de caráter restritivo, que geralmente causam sensações de fome, fraqueza ou irritabilidade. Isso porque muitas vezes associa-se o uso de remédios fitoterápicos na receita. Há fórmulas para aumentar a saciedade ou diminuir o desejo por tipos de alimentos. “O composto garcínia, por exemplo, ajuda a reduzir a compulsão por doces”, garante a médica Sylvana Braga, de São Paulo, que emprega o tratamento.

Como a dieta ortomolecular atua no organismo?

(Segundo os médicos que a adotam)

A pele fica viçosa, cabelo e unhas mais fortes. O benefício é atribuído às vitaminas A,E e do complexo B. Ajuda a prevenir problemas cardíacos ao restringir a ingestão de carne vermelha, rica em gorduras saturadas e também ao restringir frituras, que aumentam o nível de colesterol sanguíneo.

O intestino funciona melhor porque a dieta é rica em cereais integrais, frutas e fibras. Promove perda de peso devido às refeições pouco calóricas, mas ricas em nutrientes essenciais para o organismo. Promove diminuição do cansaço e do estresse por meio da reposição de vitaminas, minerais e aminoácidos. Combate o envelhecimento precoce devido ao consumo de alimentos ricos em antioxidantes, substâncias que atuam contra a degeneração celular.

Alivia a retenção de líquidos ao equilibrar a quantidade de potássio, fósforo e sódio com refeições balanceadas e o consumo de pílulas contendo esses minerais.

A dieta ortomolecular não é milagrosa

Como em qualquer dieta, é preciso disciplina e dedicação. “Os resultados são muito bons, mas dependem muito da pessoa. Não é um tratamento milagroso, o paciente ideal é aquele que já se alimenta adequadamente, pratica exercícios físicos, mas não consegue emagrecer”, acredita Dr. Marcos Natividade.

A perda de peso acontece graças à reeducação alimentar e ao equilíbrio nutricional promovido pelos suplementos. “Esse equilíbrio soluciona problemas como estresse, retenção de líquido, TPM e depressão, que muitas vezes são a causa do excesso de peso”, diz o especialista.

Os médicos que empregam a dieta dizem que o tempo de tratamento nos casos de emagrecimento varia conforme o estado físico do paciente, mas em casos de pessoas não-obesas, três a quatro meses são suficientes para uma boa perda de peso. O ponto central da terapia ortomolecular é a busca pelo bem-estar, pela prevenção de doenças. “A função da ortomolecular não é a de combater doenças, mas sim de fortalecer o organismo, para que ele tenha melhores condições de reagir contra males que o acometem. Desta forma, colabora para a melhora dos mais diversos problemas como diabetes, depressão, obesidade, falta de memória, câncer, intoxicações, doenças reumáticas e cardiovasculares”, afirma Dr. Marcos Natividade.

Atuação do medicamento ortomolecular

Atua em nível molecular (e não energético ou quântico como a homeopatia) com o objetivo de equilibrar os processos químicos e metabólicos, inclusive desintoxicando o organismo, sem que por esse motivo, e desde que, bem aplicado, sacrifique o organismo com feitos colaterais de maior proporção.

Origem do medicamento ortomolecular

Produtos Sintéticos

Produzidos pela indústria químico-farmacêutica. Exemplos: vitaminas, hormônios, aminoácidos, enzimas etc.

Origem Animal

Extrato de órgãos - timo, pineal etc.

Origem Mineral

Minerais quelados e outros oligo-elementos e sais minerais manipulados pela indústria farmacêutica e fornecidos pela indústria química.

PRODUTOS ORTOMOLECULARES

Matéria – Prima Propriedades
Ácido ferúlico Antioxidante
Amora Ext. Seco (Morus nigra) Antioxidante
Astragalus 20% polissacarídeos
(Astragalus membranaceus)
Estimulante do sistema imune, melhora a resistência de pacientes com câncer e no combate a fadiga e anemia.
Bacoopa monneri – 20% de bacosídeos Antioxidante, ansiedade e stress
Beta alanina Aminoácido, aumenta força e resistência muscular
Bilberry 25% antocianidinas
(Vaccinium uliginosum L.)
Antioxidante
Bioflavonóides 40% = vitamina P Antioxidante, prevenindo o dano celular causado pelos radicais livres, com efeito mais poderoso que o das vitaminas C, E, do Selênio e do Zinco. Aumenta a resistência contra infecções.
Bitter melon - Reduz açúcar – Auxílio Diabetes
Camu Camu Extrato Seco 20% Viamina C 60x mais vitamina C que a laranja e o dobro da acerola Fortalece o sistema imunológico. Excelente antioxidante.
Cápsulas de óleo de alho Auxilia no aumento da resistência orgânica.
Cápsulas de óleo de linhaça Poderosa fonte de ômega 3, ômega 6, ômega 9 e vitamina E, fundamentais à saúde. Auxilia no controle dos radicais livres (envelhecimento).
Cápsulas de óleo de peixe Rico em ácido graxos ômega 3, que auxilia a regularizar a fluidez do sangue e dos níveis de triglicérides.
Cápsula de óleo de prímula Rico em ácido graxo (ômega6) que não é produzido naturalmente pelo organismo e precisa ser obtido na dieta.
Cápsula de vitamina E É um dos antioxidantes mais aclamados, com efeito, contra a deterioração das células e contra o envelhecimento.
Chá verde, branco e vermelho Potentes antioxidantes, retarda processo de envelhecimento. Diferencial grande quantidade de polifenóis.
Cloridrato de dimetilglicina (DMG) Nutriente anti-stress, antioxidante.
Dong quai Alivia sintomas menopausa, TPM
Faseolamina Extrato 10:1 (Phaseolus vulgaris) Uma glicoproteína que possui como principal propriedade a capacidade de inibir a ação da enzima alfa-amilase que faz a digestão do carboidrato.
Folha de Oliva (Ole)(Canarium album L.) Prevenção do envelhecimento; Estimulante do metabolismo a eliminar gorduras; Auxilia na redução de peso; Auxilia em casos de cansaço, estresse e fadiga crônica; Alto poder antioxidante; Previne o surgimento de rugas; Auxilia no fortalecimento de unhas e cabelos.
FOS Efeitos benéficos sobre microflora intestinal
Fructo goji berry (Lycium barbarum L.) Antioxidante. Contém muitos aminoácidos e minerais. Melhora a resistência contra doenças. Alivia a ansiedade e stress.
Gamma Oryzanol Antioxidante (associar com vitamina E). Extraído do farelo arroz.
Ginseng siberiano extrato em pó (Eleutherococcus senticosus) Tratamento da fadiga, queda de eficiência e concentração, sistemas circulatório e imunológico, regulador da pressão arterial, reduzir a inflamação e tratar a insônia provocada por ansiedade prolongada.
Hibiscus extrato seco (Hibiscus sabdariffa DC) Combate os radicais livres (antioxidante)
Idebenona Antioxidante
L- carnosina Antioxidante. Aminoácido – anti-envelhecimento
Lactobacillus acidophillus Probióticos. Fornece certas vitaminas incluindo B12, K,tiamina e ácido fólico.
Lactobacillus casei Probióticos. Melhora digestão e assimilação de nutrientes.
Lactobacillus rhamnosus Probióticos
Lactobacillus bifidum Probióticos
Lactobacillus bulgaricus Probióticos. Antioxidante.
Lactobacillus faecium Probióticos. Aumento da resistência auto-imune.
Licopeno 5% Extrato Seco Ação antioxidante que protege as células contra os radicais livres.
Licorice (Glycyrrhiza glabra) Antioxidante
Long Jack (Eurycoma Longifolia Jack) Contém fitoquímicos – reforça libido. Favorece o bem estar.
Luteína 5% Antioxidante - visão
L-teanina 99,9% Aminoácido Maca (Lepidium meyenii L.) Restaurador físico e psicológico. Energético.
Magnólia officinalis Anti-stress; ntioxidante; Ação ansiolítica.
Maná-cubiu (Solanum sessiliflorum) Alto teor de niacina.
Montmorilonita calcica (“living clay” – argila viva) Argilomineral desintoxicante. Fortalece o sistema imune, aumentando a capacidade do organismo em combate germes, vírus e certas doenças. Alta concentração de silício.
Mucuna pruriens L dopa natural
Piperina Extrato 95% (Piper nigrum) Substância presente na pimenta do reino. Antioxidante.
Piruvato de cálcio Antioxidante
Polipodium leucotomos Antioxidante. Prevenção do fotoenvelhecimento.
Proantocianidinas Antioxidante
Rhodiola rosea Aumenta resistência
Romã Ext. Seco (Pomegranate)
40% de ácido elágico Antioxidante
Rose hips Fonte vitamina C, propriedades imunoestimulantes.
Saccharomyces boulardi Probiótico
Sesquióxido de germânio Antioxidante, aumenta imunidade
Sulbutiamina Derivado vit. B1, aumenta liberação dopamina
Tanacetum parthenium Anti-inflamatório natural
Turmeric Antioxidante e reduz a inflamação
Unha de gato Imunoestimulador natural
Zeaxantina - Carotenóides Antioxidante

Fonte:www.portalvilas.com.br

Medicina Ortomolecular

O termoortomolecularprovém de duas palavras gregas, orto (equilíbrio) e molecular (das moléculas). A Medicina Ortomolecular tem como objetivo básico compreender as interrelações bioquímicas que ocorrem em nosso organismo e, a partir desse conhecimento, atuar para manter o equilíbrio das moléculas e, de maneira mais global, das células, órgãos e sistemas que o compõem. Linus Pauling, já em 1960, considerava que se pode falar em saúde quando as moléculas de nosso organismo estão em constante equilíbrio. Quando esse equilíbrio é rompido, acarretando uma desorganização molecular, adquirimos as doenças.

A Medicina Ortomolecular está estritamente relacionada ao conceito de radicais livres, sendo o oxigênio, um dos componentes do ar que respiramos, a principal fonte para a sua formação. Os radicais livres acarretam enormes desvantagens para o organismo quando sua produção é aumentada a ponto de superar a capacidade antioxidante natural do próprio organismo. Nessas condições, adversas para o corpo humano, podem ocorrer situações degenerativas crônicas para os tecidos orgânicos.

É importante entender que, para fazer uso dos conceitos da Medicina Ortomolecular , é necessário e obrigatório ao médico um vasto conhecimento da Clínica Médica tradicional, com amplos conhecimentos de Farmacologia, para que possa apreciar as diferenças que existem entre o tratamento convencional e a terapia ortomolecular havendo, algumas vezes, necessidade de associá-las para o bom êxito do tratamento.

Dentro dos conceitos de terapia ortomolecular, o equilíbrio metabólico é feito pela correções dos mecanismos moleculares fisiológicos, suprindo-se o organismo com elementos adequados para uma reordenação bioquímica, tendo papel principal as vitaminas, os minerais, os aminoácidos, os ácidos graxos essenciais e, quando necessários, alguns hormônios.

Esses mesmos elementos, empregados no tratamento de várias doenças, são considerados medicamentos ortomoleculares por serem substâncias que participam obrigatoriamente do organismo humano sendo, portanto, oferecidos como matéria prima que o organismo utiliza para suas necessidades básicas.

O médico que pratica essa terapêutica (que deve ser feita de forma direcionada, através da análise mineralógica dos cabelos e exames complementares laboratoriais e/ou radiológicos) está, certamente, contribuindo para evitar a produção excessiva de radicais livres, diminuindo o consumo abusivo de medicamentos tóxicos para o ser humano (antibióticos, corticóides, etc) e, com isso, fazendo a prevenção das doenças degenerativas crônicas, o que certamente irá proporcionar mais saúde e um envelhecer com melhor qualidade.

Fonte:www.planetanatural.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular baseia-se na teoria da toxicidade dos radicais livres. Quando respiramos, parte do oxigénio não absorvido pelo corpo é transformado em radicais livres, ou seja, em átomos com um eletrão não emparelhado. Para doar esse eletrão, estes átomos unem-se às moléculas do corpo, causando desequilíbrios na sua constituição (oxidação), que podem causar muitos males físicos, quando a capacidade de produção de antioxidantes do organismo não é suficiente para compensar o processo de oxidação das moléculas. Neste sentido, a medicina molecular é uma medicina preventiva, que pode contribuir em muito para retardar e amenizar o envelhecimento e as sequelas do processo degenerativo das células.

O que é a Medicina Ortomolecular ?

A Medicina Ortomolecular constitui um ramo da chamada medicina alternativa (sem base científica) no qual se acredita que as doenças são resultado de desequilíbrios químicos. Assim, os tratamentos ortomoleculares buscam a restauração dos níveis de vitaminas e minerais considerados ideais no organismo. Este conceito de medicina foi apresentada por Linus Pauling (duas vezes laureado com o Prémio Nobel) em 1956.

O termo «ortomolecular» significa equilíbrio molecular. Linus Pauling considerava que a saúde ocorre justamente quando as moléculas do nosso organismo estão em equilíbrio constante, e a doença é o rompimento deste equilíbrio. A Medicina Ortomolecular tem como objetivo restabelecer o equilíbrio químico do organismo, estudar as suas interações bioquímicas e atuar para manter o equilíbrio das moléculas, das células, dos órgãos e sistemas que o compõem.

Mas por que o organismo se desequilibra?

Para entendermos como isto se dá, podemos partir de uma analogia. O organismo é uma máquina que está permanentemente produzindo-se. Durante este processo de produção podem surgir falhas, seja na chegada de matéria-prima (vitaminas, minerais, etc.), seja na própria integração de todo e qualquer sistema que compõe a máquina. Estes sistemas devem trabalhar de forma harmoniosa, como uma engrenagem.

Estas engrenagens são os sistemas : NEUROENDÓCRINO, PSÍQUICO E IMUNITÁRIO. Qualquer falha nalgum ponto ou mecanismo desta máquina (ser humano) compromete toda a produção (vida), surgindo os defeitos (doença). Por exemplo: uma pessoa deprimida tem mais chances de apresentar infecções recorrentes, já que uma falha no sistema psíquico leva consequentemente a alterações no sistema imunitário.

Como se faz o equilíbrio?

O equilíbrio metabólico obtém-se suprindo as necessidades do organismo em elementos adequados para uma reordenação bioquímica. O papel principal neste equilíbrio cabe às vitaminas, aos sais minerais, aos aminoácidos, aos ácidos gordos essenciais e, quando necessário, a algumas hormonas. Esses mesmos elementos, empregues no tratamento de várias doenças, são considerados medicamentos ortomoleculares, por serem substâncias que fazem obrigatoriamente parte do organismo humano, sendo, portanto, oferecidos como matérias-primas que o organismo utiliza para satisfazer as suas necessidades básicas.

A alimentação inadequada, o fumo, o álcool, a radiação, a poluição, a exposição prolongada ao sol, também contribuem para gerar radicais livres, que, em excesso, podem vencer os mecanismos de defesa naturais das células e provocar o stress oxidativo, em que milhões de células são danificadas e deixam de cumprir a sua função.

Os tratamentos devem ser ministrados de forma orientada, na sequência de uma análise mineralógica dos cabelos e de exames complementares laboratoriais ou radiológicos, contribuindo para evitar a produção excessiva de radicais livres e diminuindo o consumo de medicamentos tóxicos para o ser humano, como antibióticos, corticóides, etc. Com isso faz-se a prevenção das doenças degenerativas crónicas, o que proporciona sem dúvida mais saúde e um envelhecer com melhor qualidade de vida. O uso orientado e individualizado de substâncias antioxidantes fortalece as defesas imunológicas, melhora a qualidade das células e ativa as funções orgânicas que tendem a diminuir com o passar do tempo.

Como é aplicada a Medicina Ortomolecular ?

Um fator importante na génese de várias enfermidades, como artrite e o cancro, é a formação de radicais livres. Podemos entendê-los da seguinte forma: o organismo utiliza cerca de 98 a 99% do oxigénio que consumimos para produzir energia. A pequena parcela que sobra (1 a 2%) não participa do processo, formando as espécies tóxicas reativas do oxigénio - os radicais livres. Estes correspondem a átomos ou grupos de átomos com um eletrons não emparelhado na sua órbita mais externa, sendo, portanto, muito reativos pois para recuperar o equilíbrio precisam 'doar' o eletrons desemparelhado. Desta forma, combinam avidamente com as várias estruturas celulares do corpo, o que resulta na destruição e, consequentemente, em enfermidades. Entre estas podem ser citadas o cancro, osteoartrite, lúpus, enfisema e doenças cardio vasculares. O Homem está permanentemente submetido a condições que levam ao excesso de radicais livres como, por exemplo, o stress, o fumo, a poluição, exposições prolongadas ao sol, entre outras.

A Medicina Ortomolecular , através do uso de vitaminas e minerais, objetiva, entre outros, neutralizar os efeitos tóxicos destas espécies reativas, proporcionando uma melhor qualidade de vida.

A Medicina Ortomolecular também trata das deficiências de uma série de nutrientes. Sabe-se, por exemplo, que um fumador gasta 25 mg de vitamina C a cada cigarro que consome. Caso esta pessoa fume um maço por dia, estará perdendo 500 mg desta vitamina diariamente. E, hoje em dia, sabemos os inúmeros benefícios que esta vitamina proporciona, seja no combate a radicais livres, na síntese de hormônios, ou mesmo estimulando o sistema imunológico. Todavia, apesar da Medicina Ortomolecular ter um sentido curativo, ela também é eminentemente preventiva.

Assim, por exemplo, é possível tratar uma pessoa com stress antes que ele evolua para uma hipertensão arterial. Da mesma forma, é possível tratar obesidade antes que ela ocasione diabetes. O mais importante é que com a Medicina Ortomolecular o paciente volta a ser encarado como um todo, um conjunto que deve funcionar em harmonia e com esta visão global, qualquer tratamento torna-se muito mais vantajoso, pois encontra a origem dos problemas, a verdadeira raiz a partir da qual todo o processo patológico se desenvolve. Ou, ainda, voltando à analogia, se encontrarmos o defeito exatamente onde ele se origina na máquina, é muito mais fácil consertá-la antes que o problema atinja toda a produção, que nada mais é do que a própria vida.

Fonte:portugalmistico.com

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular enfatiza o uso de substâncias naturais encontradas numa dieta saudável, como vitaminas, minerais, enzimas, aminoácidos, gliconutrientes e ácidos graxos na prevenção e tratamento de doenças. A Medicina Ortomolecular foca o papel da nutrição adequada em relação à saúde.

Nutrição vem em primeiro lugar no diagnóstico e tratamento, ao passo que os medicamentos são usados apenas para indicações específicas. A Medicina Ortomolecular é definida como a provisão da constituição molecular ótima, em especial a concentração ótima de substâncias que estão normalmente presentes no organismo, para tratar doenças e preservar a saúde. O método da Medicina Ortomolecular - Na Medicina Ortomolecular assume-se que as doenças tenham origem de múltiplas causas não-específicas congênitas e adquiridas. Essas causas dão origem a distúrbios bioquímicos, cuja acumulação resulta em sintomas e sinais que dão a percepção do estado de doença.

Seria vantajoso para o médico ortomolecular reconhecer e corrigir cedo as anomalias bioquímicas dos pacientes antes que a suas expansões resultem em doenças reconhecíveis. Na prática, o médico ortomolecular basea-se muito em testes laboratoriais. Em adição ao químicos da clínica padrão, os médicos ortomoleculares agora empregam um amplo espectro de análises laboratoriais sofisticadas incluindo para aminoácidos, ácidos orgânicos, vitaminas, minerais, situação funcional das vitaminas, hormônios, imunologia, microbiologia e função gastrintestinal. Muitos desses testes novos não são aceitos pelas medicina convencional.A terapia ortomolecular consiste em prover quantidades ótimas de substâncias normais ao organismo, geralmente pela administração oral. No começo da Medicina Ortomolecular isso geralmente significava terapia com altas doses de um único nutriente. Hoje em dia os praticantes da Medicina Ortomolecular costumam utilizar várias substâncias (aminoácidos, enzimas, nutrientes não-essenciais, hormônios, vitaminas, minerais, etc) em um esforço terapêutico para restaurar seus níveis ao estatisticamente normal para pessoas jovens e saudáveis.

Geralmente a suplementação com relativamente altas doses de vitaminas recebe o nome de terapia de mega doses de vitaminas, a qual foi popularmente associada à Medicina Ortomolecular .

Críticas à Medicina Ortomolecular

A Sociedade Internacional para Medicina Ortomolecular agrega vários médicos convencionais entre seus membros, porém a medicina convencional encara a maioria das terapias ortomoleculares como insuficientemente comprovadas cientificamente. Os defensores alegam que os médicos convencionais têm pouca familiariadade com os conceitos detalhados e formação clínica da Medicina Ortomolecular .

Amedicina convencionalquestiona a validade da maioria das terapias ortomoleculares baseada na falta de estudos inquestionáveis e nos resultados dos estudos questionáveis. Os defensores da Medicina Ortomolecular comentam que os estudos usaram doses, frequência e duração bem menores do que eles recomendam, e que condições especiais, contaminação e tratamento estatístico muitas vezes não foram claramente documentados. A relação entre a medicina convencional e a ortomolecular tem sido limitada e algumas vezes tecnicamente adversa.

Ramo da Medicina alternativa

A Medicina Ortomolecular é um ramo da medicina alternativa que acredita que as doenças são resultado de desequilíbrios químicos. Assim, os tratamentos ortomoleculares buscam a restauração dos níveis de vitaminas e minerais considerados ideais no organismo.

ATerapia Ortomolecular ou Oligoterapia, como também é conhecida, é uma ciência que, assim como a Medicina Ortomolecular , tem como objetivo principal equilibrar os minerais e vitaminas em nosso organismo. Detectadas as carências minerais, por meio de técnicas especializadas, elas são repostas, buscando uma vida saudável.

A ausência de minerais permite o aparecimento da ansiedade, nervosismo, stress, depressão e outras disfunções. Além disso, proporciona sintomas desconfortáveis, não detectáveis em exames convencionais, mas sentidos pelas pessoas acometidas dessas disfunções. Elas podem perceber uma desarmonia em seu organismo.

Algumas dicas interessantes:

1. DIFICULDADE DE PERDER PESO.

Falta de ácidos graxos essenciais e vitamina A, que se obtém na semente de linhaça, cenoura e salmão - além de suplementos específicos

2. RETENÇÃO DE LÍQUIDOS.

Falta na verdade de desequilíbrio entre o potássio, fósforo e sódio, que se obtém na água de coco, azeitona, pêssego, ameixa, figo, amêndoa, nozes, acelga, coentro, além de suplementos específicos

3. COMPULSÃO A DOCES.

Falta de cromo, que se obtém em cereais integrais, nozes, centeio, banana,espinafre, cenoura, além de suplementos específicos.

4. CÂIMBRA, DOR DE CABEÇA.

Falta de potássio e magnésio.que encontramos na banana, cevada, milho, manga, pêssego, acerola, laranja, além de suplementos específicos.

5. DESCONFORTO INTESTINAL, GASES, INCHAÇO ABDOMINAL

Falta de lactobacilos vivos, encontrados na coalhada, iogurte, missô, yakult e similares, além de suplementos específicos.

6. MEMÓRIA RUIM.

Falta de acetil colina, inositol, que se obtém na lecitina de soja, gema de ovo e mais suplementos específicos.

7. HIPOTIREOIDISMO. (GANHO DE PESO SEM CAUSA APARENTE)

Falta de iodo contido nas algas marinhas, cenoura, óleo, pêra, abacaxi, peixes de água salgada, e sal marinho.

8. CABELOS QUEBRADIÇOS E UNHAS FRACAS.

Falta de colágeno contido nos peixes, ovos, carnes magras, gelatina + suplementos específicos.

9. FRAQUEZA, INDISPOSIÇÃO, MAL ESTAR.

Falta de vitaminas A, C, E e ferro. Que se obtém em verduras, frutas, carnes magras e suplementos específicos.

10. COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS ALTOS

Falta de Ômega 3 e 6 obtido nas sardinha, salmão, abacate, azeite de oliva mais suplementos específicos Dicas na cozinha

Cozinhe a seu favor, na Medicina Ortomolecular , a forma de cozinhar e até os utensílios usados ajudam a preservar os nutrientes. Evite a ingestão de queijos e carnes gordas e frituras.

A gordura acelera o processo de oxidação dos alimentos. Cozinhe os alimentos no vapor ou até 100º (cem graus), pois muito calor também oxida os alimentos.

Evite utensílios de alumínio; os resíduos desse metal são tóxicos e podem ficar na comida. Prefira panelas de vidro ou antiaderentes.

Em hipótese alguma, aqueça os seus alimentos em embalagens e recipientes de plástico no microondas Teoricamente, a Medicina Ortomolecular (MO) se preocupa em corrigir qualquer desequilíbrio na constituição molecular do indivíduo, principalmente porque a maioria das patologias vêm acompanhada por alterações da composição bioquímica do organismo. Isto significa que uma correção, principalmente nutricional, provocaria um restabelecimento da homeostase (equilíbrio) interna. Portanto, a MO é usada tanto para prevenir como para tratar doenças. Como Atua:

A MO atua no indivíduo através de quatro vias:

Repondo uma substância que esteja em falta no organismo.

Exemplo:Na pelagra usa-se vitamina B3.

Fazendo a eliminação ou inibição da absorção de uma substância tóxica no organismo.

Exemplo:quelação pelo EDTA.

Aumentando a concentração de uma substância que mesmo estando com seus níveis normais, tem um efeito farmacológico quando em concentraçòes mais altas.Ex:utilização de vitamina C na gripe.

Combatendo o excesso de radicais livres (RL) responsáveis por uma série de patologias identificadas pela MO .

As matérias-primas utilizadas como medicação são, na maioria das vezes, substâncias que existem normalmente no organismo : Vitaminas, Sais minerais, Aminoácidos, Lipídios, Hormônios, Antioxidantes etc.

Em algumas ocasiões a MO lança mão de agentes terapêuticos provenientes de alimentos comuns por meio de um aconselhamento nutricional em que chamamos de Alimentação Funcional.

Tudo isso faz com que a Medicina Ortomolecular seja uma medicina natural com uma característica até agora inédita nesta área: o suporte dos conhecimentos mais recentes da medicina moderna.

Portanto, a Medicina Ortomolecular é uma especialidade médica que procura restabelecer o equilíbrio molecular do organismo.

Terapia das vitaminas

Criada nos anos 60 para restaurar o equilíbrio químico do organismo, a ortomolecular tem sido erroneamente interpretada como uma forma de dieta, por conta do emagrecimento surpreendente de várias atrizes

QUANDO E COMO SURGIU

A Medicina Ortomolecular (junção das palavras gregas orto, que significa equilíbrio, e molecular, relativo a moléculas) foi criada na década de 60 pelo químico norte-americano Linus Pauling, ganhador de dois prêmios Nobel. Ele acreditava que as doenças eram causadas por desequilíbrios das moléculas e que, para preveni-las, era preciso normalizar a química do organismo. 'Pauling disse que tomar vitaminas, como a C, a E e as do complexo B, seria uma das coisas mais importantes na medicina, capaz de evitar males como a gripe', explica o professor de bioquímica e nutrição da UniRio, Helion Póvoa, fundador da Sociedade Brasileira de Medicina Ortomolecular .

COMO FUNCIONA

A terapia ortomolecular utiliza substâncias naturais antioxidantes como minerais, oligoelementos e vitaminas. 'Servem para melhorar fadiga crônica, queda de cabelo, retenção de líquido, diminuir a vontade de comer doces na TPM e até emagrecer', diz a cardiologista Heloisa Rocha, que prescreve esse tipo de tratamento em sua clínica, a Barraclin, no Rio de Janeiro, onde atende as atrizes Giovanna Antonelli, Priscila Fantin, Deborah Secco e Solange Couto. 'Costumo ver meus pacientes de dois em dois meses, e sempre que voltam ao consultório apresentam melhoras em 80% das queixas que tinham.'

O tratamento é personalizado. Em consulta, são levantados a rotina do paciente, a alimentação, o histórico médico e as predisposições genéticas. Antes, porém, é feito um exame para avaliar o estado e as necessidades do organismo. Consiste na análise de um fio de cabelo ou do sangue. Com base nisso, elabora-se uma dieta específica para aquela pessoa, de acordo com o que está em excesso e o que está em falta no corpo. 'Também receitamos suplementos via oral [pílulas], estimulamos a prática de exercício físico e a adoção de uma alimentação equilibrada', esclarece Heloisa. 'É claro que isso tudo gera emagrecimento.'

No entanto, o geriatra e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Clineu Almada Filho, que realiza pesquisas sobre este tipo de terapia, afirma que não existem evidências clínicas para comprovar que a terapia ortomolecular realmente traz benefícios. 'Estudos experimentais comprovaram a função antioxidante de certas substâncias. Mas nada para sugerir essa teoria em larga escala.' Tanto que a terapia ortomolecular não é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina.

O IMPACTO NO ORGANISMO

'Na terapia ortomolecular acredita-se que tudo se conserta de dentro para fora', diz Heloisa. O organismo possui um mecanismo de defesa que tem ação antioxidante, pois neutraliza o impacto dos radicais livres - que são os inimigos das células, capazes de destruí-las e causar, por exemplo, o envelhecimento. No entanto, a presença de doenças, a má alimentação, o fumo e outros problemas produzem mais radicais livres e fazem o organismo perder sua força e sua eficiência natural. A terapia ortomolecular tenta justamente equilibrar essa relação e melhorar o sistema de defesa. 'É válida, embora não haja comprovação científica', diz Almada Filho. 'Mas ocorre um certo abuso, pois se faz marketing, criando uma ilusão de que qualquer pessoa vai se beneficiar ou que é até possível curar diabetes com terapia ortomolecular.' Ou, ainda, que é um tratamento para emagrecer. Não é. 'O que realmente emagrece é manter uma dieta hipocalórica e perder mais calorias praticando exercício físico', afirma ele.

O QUE REALMENTE EMAGRECE É MANTER UMA DIETA HIPOCALÓRICA E FAZER EXERCÍCIO

Clineu Almada Filho

MAS POR QUE TEM GENTE QUE EMAGRECE?

'A reposição de vitaminas, minerais e substâncias que queimam calorias, junto com uma alimentação balanceada e a prática de atividade física, faz com que nosso organismo adquira um equilíbrio interno e, com isso, nosso peso diminua', explica Heloisa. No entanto, o médico Helion Póvoa alerta: 'A terapia otomolecular pode até gerar emagrecimento, mas esta não é sua finalidade. O objetivo principal é alcançar o equilíbrio químico do organismo, o que é até possível sem tomar pílulas, apenas seguindo uma alimentação saudável, que inclui frutas, verduras, pouca gordura animal e pouco carboidrato, além de muito peixe'. Vitaminas, amigas da saúde e da beleza.

ATerapia Ortomolecularequilibra o funcionamento do organismo.

Utilizando oligoelementos (minerais como selênio, zinco, cromo etc.) que, combinados com vitaminas e aminoácidos, devolvem a energia, reduzem o envelhecimento precoce e combatem os radicais livres, responsáveis por doenças como câncer, diabetes, artrose, artrite, doenças de pele e auto-imune.

Você se sentirá muito melhor física e emocionalmente, e melhorará o seu sistema imunológico. As vitaminas não engordam, pois são substâncias alimentares necessárias para o bom funcionamento do organismo, e que não carregam calorias.

Na Terapia Ortomolecular você aprende primeiro a retirar as vitaminas dos alimentos para depois usá-las sinteticamente, sempre acompanhado de um estudo individualizado do seu problema. Já os minerais serão acrescentados a um gel de uso tópico e sem efeitos colaterais.

Além de curativa, as vitaminas possuem um grande poder sobre a nossa beleza e, agora no verão, estação de valorização do corpo, vale a pena conhecer um pouco mais algumas delas:

Vitamina A:responsável por uma pele saudável; dá proteção ao trato respiratório, uri-nário, câncer, glaucoma e situação de stress.

Vitamina C:ajuda na defesa contra a gripe, colesterol, doenças do coração, cansaço. Combate rugas, manchas, ressecamento da pele, varizes e flacidez; melhora a rigidez da pele, por estimular a produção do colágeno.

Vitamina E:trata distúrbios menstruais, esterilidade, tpm, varizes, colesterol, problemas cardíacos, e problemas da pele, como rejuvenescimento, clareamento, estrias, queimaduras e cicatrizes.

Vitamina K:trata problemas como coagulação, menstruação excessiva, manchas roxas, reduz perda de cálcio nos ossos pela osteoporose.

Já as vitaminas do complexo B são guardiãs da saúde emocional e mental, e tratam dores de cabeça, câncer, insônia, depressão, retenção hídrica, abortos, stress, calvície, acnes, tpm, osteoporose, má circulação, obesidade e memória ruim.

Mas, antes de sair comprando complexos polivitamínicos, consulte um profissional, que pode ajudar a resolver o seu problema, e não prejudique a sua saúde, pois doses maiores do que necessário podem ser tóxicas para o fígado e rins.

NaTerapia Ortomolecularvocê terá uma dieta individualizada com alimentos antioxidantes, aprenderá a se alimentar corretamente e utilizará apenas os suplementos que o seu corpo necessita, melhorando seu humor e disposição, e corrigindo as carências ou excessos, melhorando o seu metabolismo e sistema imunológico.

Análise Crítica

Diversas equipes de especialistas examinaram as alegações dos proponentes da "ortomolecular" e concluíram que elas não têm fundamentos.

No início da década de 70, uma força-tarefa especial da American Psychiatric Association investigou as alegações dos psiquiatras que adotaram a abordagem ortomolecular. A força-tarefa apontou que estes profissionais usaram métodos não convencionais não apenas no tratamento mas também para diagnosticar. Sua conclusão foi provavelmente a declaração mais dura jamais publicada por uma equipe de revisão científica: Esta revisão e crítica examinou cuidadosamente a literatura produzida pelos proponentes de megavitaminas e por aqueles que têm tentado repetir seus trabalhos básicos e clínicos. Conclui com relação a isto que a credibilidade dos proponentes de megavitaminas é baixa. Sua credibilidade é ainda mais diminuída por uma recusa constante ao longo da última década em realizar experimentos controlados e em publicar seus resultados novos de uma maneira cientificamente aceitável. Sob estas circunstâncias esta força-tarefa considera a publicidade poderosa, a qual eles vinculam via rádio, pela imprensa leiga e por livros populares, usando frases de efeito que na verdade são denominações inapropriadas como "terapia de megavitaminas" e "tratamento ortomolecular", como sendo deplorável.

O Comitê Consultivo de Pesquisa do National Institute of Mental Health revisou dados científicos pertinentes durante o ano de 1979 e chegou a conclusão que a terapia de megavitaminas era ineficaz e poderia ser prejudicial. Após o Subcomitê de Defesa dos EUA examinar esta terapia, ela deixou de ser um tratamento coberto pelo CHAMPUS, o programa de seguro-saúde dos dependentes de militares.

Várias alegações que megavitaminas e megaminerais são eficazes contra psicoses, desordens de aprendizado e retardo mental em crianças foram desmascaradas em relatórios do comitê de nutrição da American Academy of Pediatrics em 1976 e 1981 e pela Canadian Academy of Pediatrics em 1990 [3]. Os dois grupos advertiram que não existe nenhuma prova de benefício em qualquer um destes problemas e que megadoses podem ter efeitos tóxicos graves. O relatório de 1976 concluiu que um "culto" tem se desenvolvido entre os seguidores da terapia de megavitaminas.

Em 1991, pesquisadores holandeses publicaram sua avaliação de 53 ensaios controlados dos efeitos da niacina, vitamina B6 e multivitaminas sobre as funções mentais. Eles concluíram:

Virtualmente todos os ensaios mostraram deficiências graves: no número de participantes, na apresentação das características de linha de base e dos resultados, e na descrição das mudanças em tratamentos concomitantes. Somente em crianças autistas alguns resultados positivos foram encontrados com doses muito altas de vitamina B6 combinadas com magnésio, mas são necessárias evidências adicionais antes que se possa chegar à conclusões mais definitivas. Para as muitas outras indicações (crianças hiperativas, crianças com síndrome de Down, mudanças do QI em crianças saudáveis em idade escolar, esquizofrenia, funções psicológicas em adultos saudáveis e pacientes geriátricos) não existe nenhum suporte adequado a partir de ensaios controlados a favor da suplementação com vitaminas.

Subsequentemente, uma equipe norte-americana usando uma ampla pesquisa pelo computador conseguiu localizar 12 estudos com a vitamina B6 e o magnésio para o autismo. Sua análise, publicada em 1995, concluiu:

A maioria dos estudos relatou uma resposta favorável ao tratamento com vitamina. Entretanto, a interpretação destes achados positivos precisa ser moderado devido às deficiências metodológicas inerentes em muitos dos estudos. Por exemplo, uma série de estudos empregou medidas imprecisas dos resultados, foram baseados em amostras pequenas e um possível uso repetido dos mesmos indivíduos em mais de um estudo, não ajustaram os efeitos de regressão na melhoria das medidas e omitiram coletar dados de acompanhamento por longo período de tempo.

Todos os 12 estudos parecem ter sido escritos por pesquisadores que são amigos íntimos. (Uma pessoa, por exemplo, é co-autora de onze dos trabalhos). Cada um dos estudos usou pelo menos 600 mg por dia de vitamina B6, o que está bem acima da quantidade mínima descrita como causadora de lesão em nervos. Então mesmo se estas doses de B6 fossem eficazes, seu uso provavelmente não seria seguro.

Um recente estudo duplo-cego randomizado não encontrou nenhuma evidência que regulando os níveis de vitaminas de adultos com esquizofrenia influenciasse o estado clínico de 19 pacientes adultos com esquizofrenia. O grupo experimental recebeu quantidades de megavitaminas baseadas em seu nível de vitaminas no soro mais restrição dietética baseada em testes de Radioallergosorbent (RAST). O grupo controle recebeu 25 mg de vitamina C e foram prescritas substâncias consideradas alergênicas pelo teste RAST. Após cinco meses, houve diferenças marcantes nos níveis de vitaminas no soro mas nenhuma diferença consistente nos sintomas ou no comportamento entre os grupos.

A Linha Final

O corpo humano tem uma capacidade limitada para utilizar vitaminas em suas atividades metabólicas. Quando as vitaminas são consumidas além das necessidades fisiológicas do corpo, elas agem como drogas ao invés de vitaminas. Existem algumas situações nas quais altas doses de vitaminas são reconhecidamente benéficas, mas ainda assim elas devem ser usadas com cautela devido ao potencial de toxicidade. Por exemplo, doses altas de niacina podem ser muito úteis como parte de um programa abrangente, supervisionado por um médico, para controlar níveis anormais de colesterol no sangue. Entretanto, os profissionais da "ortomolecular" vão muito além disso por prescreverem grandes quantidades de suplementos para todos ou para a maioria dos pacientes que consultam com eles. Esta abordagem pode resultar em um grande dano aos pacientes psiquiátricos quando usada no lugar de medicamentos eficazes.

Como a Medicina Ortomolecular pode prevenir e tratar doenças?

Apesar das inúmeras pesquisas, ainda faltam muitas informações

Você com certeza deve conhecer um amigo ou uma outra pessoa próxima que garante ter melhorado o aspecto da pele, o ânimo e o estado geral de saúde com o auxílio da Medicina Ortomolecular , não é verdade?

Radicais livres e nutrientes

Quando bem aplicada, a Medicina Ortomolecular - ou biomolecular, como também é conhecida - é uma aliada da saúde. O princípio que norteia a nossa prática prega a diminuição dos radicais livres - os oxidantes - que o corpo produz naturalmente ao longo da vida, mas que, em excesso, promovem o desequilíbrio químico e estão por trás do envelhecimento celular e de inúmeras doenças. No Brasil a prática ortomolecular já completou 25 anos, mas o conceito de nasceu muito antes. Em 1968, o químico norte-americano, ganhador do Prêmio Nobel por duas vezes, Linus Pauling criou a técnica, baseada na Terapia de Radicais Livres e Envelhecimento, proposta por Denham Harman, pesquisador norte-americano, em 1956. De lá para cá, muitos estudos mostraram os benefícios do tratamento ortomolecular. A International Society for Free Radical Research promove uma série de simpósios em todo o mundo a respeito do tema e tem milhares de cientistas associados.

Faz parte da vida oxidar e antioxidar... O tempo todo o nosso corpo está produzindo radicais livres. Uma parte é usada pelo próprio corpo para se proteger de invasores que causam as infecções. Outra parte, estima-se que 90% dos radicais livres, fica vagando pelo organismo, provocando a oxidação dos tecidos e modificando o núcleo das células. É como se o tecido celular enferrujasse.

Segundo pesquisas americanas, até os 50 anos, 30% da nossa proteína celular terá sido convertida em lixo oxidativo. Entre os causadores do excesso dessas moléculas estão o tabagismo, a poluição, o estresse, a alimentação inadequada, o esforço físico exagerado e até a exposição a produtos químicos. Quanto mais uma pessoa fica exposta a esses agentes, maior é a quantidade de radicais livres que ela acumula no corpo e maiores os riscos de ficar doente.

Por outro lado, hábitos saudáveis, abandono dos vícios e uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes essenciais funcionam como agentes antioxidantes, diminuindo a quantidade de radicais livres.

A prática ortomolecular não é milagrosa e não deve ser entendida como mais um recurso estético, por exemplo, para emagrecimentos ou melhora da pele e da aparência. A Medicina Ortomolecular tem uma aplicação individual, que depende de exames e medicamentos e do histórico médico do paciente, dos seus vícios, dos seus hábitos alimentares, dentre muitos outros fatores.

Ortomolecular na prática

Doenças respiratórias: bronquite, rinite, asma

Nessas situações crônicas, o corpo é bombardeado pelos radicais livres, pois o próprio organismo começa a produzi-los em excesso para combater a infecção respiratória. Mas só uma pequena parte desses radicais é usada no combate à doença. O antioxidante é usado, nesse caso, para neutralizar a ação dos radicais livres excedentes. As pesquisas apontam que, a longo prazo, a terapia ortomolecular ajudaria a aumentar a imunidade do corpo, amenizando futuras crises respiratórias.

Diabetes Juntamente com o endocrinologista, que faz o tratamento do diabetes, o médico ortomolecular pode auxiliar os pacientes diabéticos a manterem a doença sob controle, em muitos casos, até mesmo dispensando o uso diário de insulina e de medicamentos. O tratamento ortomolecular protege e impede a glicação das proteínas. Essa reação reduz a função de enzimas e pode ser a responsável por complicações do diabetes, como a cegueira e a falta de circulação nas extremidades, como nos dedos e nos pés. O uso de antioxidantes ajudaria a combater os radicais livres, que são muito comuns no organismo do diabético devido à oscilação dos níveis de glicose. A terapia propõe o combate aos radicais por meio de dois caminhos: uma espécie de limpeza do organismo para eliminar os metais tóxicos, como chumbo e alumínio, quando necessário, e a reposição de antioxidantes, como vitaminas, sais minerais e aminoácidos. Esses nutrientes podem ser repostos apenas com a mudança na alimentação do paciente, mas dependendo das necessidades de cada pessoa, é preciso que ela ingira uma quantidade maior de antioxidantes para proteger seu organismo.

Mal de Alzheimer e Parkinson

Uma das hipóteses para o aparecimento dessas doenças degenerativas do sistema nervoso central é a de que a amina - toxina produzida pelas carnes vermelhas e brancas - quando expostas a altos graus de temperaturas, tem um poder degenerativo sobre o cérebro, ocasionando esses males. Muitas hipóteses para a origem destas doenças ainda estão sendo levantadas. Para quem já manifestou as doenças, os antioxidantes não vão curar estes males. Nesses casos, a terapia ortomolecular teria o poder de agir preventivamente. Como essas doenças têm ligação com o aumento de radicais livres, que oxidam as estruturas celulares, o tratamento proporcionaria uma proteção extra ao organismo.

Câncer Nestes casos, a terapia ortomolecular apóia o tratamento oncológico convencional, é uma terapia complementar. A reposição de antioxidantes serve para driblar os efeitos da quimioterapia e da radioterapia, atenuando seus efeitos e ainda preservando o restante do organismo, que fica debilitado com a agressividade do tratamento. Nas sessões de quimio e radio há uma alta produção de radicais livres.

Obesidade

Esta é a doença que mais atrai adeptos para a terapia ortomolecular. Isso acontece porque, no combate à obesidade, o tratamento ortomolecular prega também a reeducação alimentar e não simplesmente a restrição de alguns alimentos. Caso haja falta de nutrientes importantes para o corpo, faz-se a suplementação, que também acaba ajudando a diminuir a ansiedade, a compulsão por doces, a falta de regulação do mecanismo de saciedade ou o nervosismo, características comuns em quem está em fase de emagrecimento.

Algo esquisito

Medicina Ortomolecular , a primeira vista, pode até parecer algo esquisito, mas não é. Aqueles que já se dispuseram a conhecê-la melhor, descobriram que se trata de uma novidade concreta e científica que, atualmente vem alcançando resultados positivos no combate a várias doenças. . A Terapia Ortomolecular é recente no Brasil e ainda pouco conhecida. Não se trata de uma especialidade nova, mas de um modo de gerenciar a saúde física e mental, cuja regra áurea é prevenir para não remediar, propondo detectar e corrigir os desequilíbrios das funções celulares a nível bioquímico-molecular, antes que se estabeleçam as doenças, e na vigência destas, somar suas propostas aos tratamentos convencionais de forma que sejam mais eficazes, por períodos menores e com menos efeitos colaterais.

A Medicina Ortomolecular visa a normalização do equilíbrio químico do organismo através de substâncias naturais ao próprio organismo, como as Vitaminas, Minerais e Aminoácidos e "esse equilíbrio é mantido principalmente pela destruição dos Radicais Livres".

O termo Ortomolecular foi introduzido por Linus Pauling (1901-1994), propondo que distúrbios mentais poderiam ser tratados pela correção de desequilíbrios ou deficiências de constituintes cerebrais tais como vitaminas e outros micro-nutrientes, como uma alternativa a administração de drogas psicoativas sintéticas.

Estendeu o conceito Ortomolecular, em 1970, a medicina em geral, como sendo moléculas certas em concentrações certas, caracterizando uma abordagem de prevenção e tratamento de doenças e, alcançar a saúde baseada em ações fisiológicas e enzimáticas de nutrientes específicos, como vitaminas, minerais e aminoácidos presentes no organismo.

Então, por definição, pode-se dizer que a Medicina Ortomolecular trata-se da orientação terapêutica que tem por objetivo restaurar, no plano molecular, as concentrações normais de substâncias como vitaminas, minerais, aminoácidos, "smart-drugs", etc, normalmente presentes no organismo.

Anti-oxidante

1)Nos princípios propostos por Linus Pauling;

2)Na Nutrologia, especialidade médica que se preocupa com a qualidade da alimentação, necessidades calóricas diárias, referentes a cada indivíduo e de acordo com a sua atividade física ou sua patologia pré-existente, repondo ou restringindo os nutrientes como proteínas, gorduras, açúcares, minerais, vitaminas, fibras e água, que sejam indispensáveis ao equilíbrio das reações químico-físicas de todo o organismo;

O equilíbrio metabólico e energético é básico a todas as especialidades médicas. Das centenas de substâncias que entram nos processos metabólicos, todas são sintetizadas no organismo, com exceção de 47, chamadas nutrientes essenciais que deverão ser introduzidas prontas do meio externo, pela alimentação e ou suplementação;

3)No ambiente, detectando e corrigindo as intoxicações provenientes do ar, solo e água, assim como as substâncias ingeridas junto aos alimentos conservantes, corantes, acidulantes, agrotóxicos, adoçantes e minerais tóxicos. Avaliando a poluição sonora e as fontes de radiações nocivas.

Promovendo melhora do saneamento, condições de moradia e ambiente nos diversos tipos de trabalho.

Estudando e pesquisando ligações químicas, enredou pelo intrincado campo da bioquímica – a química dos seres vivos – definindo a doença sob uma ótica diferente, uma outra perspectiva. Linus Pauling escreveu: "A doença tem uma base, um substrato molecular e distúrbios na complexa interação e cadeia entre moléculas geram doenças".

Estudando e pesquisando ligações químicas, enredou pelo intrincado campo da bioquímica – a química dos seres vivos – definindo a doença sob uma ótica diferente, uma outra perspectiva. Linus Pauling escreveu: "A doença tem uma base, um substrato molecular e distúrbios na complexa interação e cadeia entre moléculas geram doenças".

Os Radicais Livres são definidos como um átomo ou um grupo de átomos com um elétron não emparelhado ou seja a perda de um elétron da camada mais externa desse átomo ou seja, toda molécula que tem um elétron ímpar em sua órbita externa.

Efeitos nocivos da poluição, energia de alta radiação, raios UV, raios gama, agentes químicos ou medicamentos quebram a paridade da órbita externa das moléculas, criando os Radicais Livres.

Os Radicais Livres são altamente instáveis e reativos, reagindo com outras moléculas criam novos componentes com muita rapidez. . Eles também desencadeiam vários processos patológicos, como: envelhecimento precoce, processos isquêmicos, inflamação, rejeição de órgãos transplantados.

A Medicina Ortomolecular surgiu justamente para corrigir os desequilíbrios químicos provocados pelos Radicais Livres, pois eles desempenham papel importante nas doenças e no envelhecimento. Porém num organismo equilibrado e saudável, elas são logo destruídas.

Nas pessoas em que são encontrados altos níveis de Radicais Livres é com o uso de Anti-Oxidantes que o equilíbrio é refeito, juntamente com diversas outras medidas preconizadas pela Medicina Ortomolecular .

1)Quais nutrientes essenciais estão em déficit;

2)Se existe metais tóxicos no organismo;

3)Como está funcionando o sistema endócrino;

4)Como estão os sistemas de excreção: intestinos, fígado e rins;

5)Se existe intolerância ou alergia alimentar.

O primeiro desafio do Médico junto ao paciente é descobrir quais os nutrientes que estão faltando e o segundo desafio é descobrir se estão presentes elementos estranhos ao meio interno e ás células. Muitas vezes a correção dos desvios encontrados é o suficiente para proporcionarmos o necessário equilíbrio metabólico/energético requerido para retornar novamente o paciente ao estado de saúde.

Esta primeira abordagem da Medicina Ortomolecular constitui-se, nos rudimentos, na parte geral comum a todas as especialidades médicas. A sua aplicação aumenta a eficácia dos tratamentos convencionais ou complementares. O pensamento lógico, comprovado por inúmeros trabalhos científicos é simples: devemos introduzir nas células e no meio interno os elementos químicos que porventura estejam faltando e retirar os elementos em excesso, geralmente estranhos ao organismo.

É fácil compreender que um organismo sem deficiências e sem substâncias a ele estranhas reagirá muito melhor a qualquer tipo de tratamento. E muito mais que isso: se o organismo estiver saudável, ele estará em melhores condições de assim continuar, pois todos os seus mecanismos de defesa estarão em condições ideais de funcionamento.

Todas as células do corpo produzem energia com a finalidade de fabricar vários tipos de moléculas necessárias para o seu bom funcionamento. Das centenas de substâncias que entram neste processo todas são sintetizadas pelo organismo, exceto cerca de 47 delas. Estas substâncias são chamadas de "Nutrientes Essenciais" e portanto o organismo deve recebê-las já prontas do meio externo. Isto quer dizer que necessitamos de um aporte nutricional adequado, em elementos essenciais, e não é difícil compreender que a falta de um ou mais desses elementos prejudicará o funcionamento das células e, consequentemente do organismo como um todo.

O papel das vitaminas, aminoácidos, ácidos graxos, enzimas e minerais, na terapêutica tem sido revistos, graças aos estudos estimulados pelo uso dessas substâncias na prática clínica e descobertas da pesquisa básica. Mas como saber o que está faltando no organismo?

Uma anamnese completa (história do paciente bem colhida), exame físico, a alguns exames, como por exemplo, o Mineralograma, (exame do fio do cabelo), que nos mostrará os minerais essenciais, que nosso organismo utiliza no metabolismo de várias substâncias, como enzimas, hormônios, etc, e também detecta metais tóxicos que não deveriam encontrar-se no organismo e necessitam ser retirados.

Desta forma, a Estratégia Ortomolecular é um enfoque médico, direcionado para a prevenção de doenças, mantendo-se a saúde, entendendo-se como bem-estar físico-mental, social e emocional e não meramente a ausência de doença ou enfermidade.

Neste enfoque valorizamos mudanças de hábitos que vão diminuir o excesso de Radicais livres, tais como: evitar exposições prolongadas ao sol, eliminar o fumo, reduzir o consumo de gorduras e eliminar frituras, neutralizar o stress cotidiano (melhor filosofia de vida, relaxamento, atividade física constante e adequada, alimentação saudável).

As deficiências de nutrientes essenciais, tão frequentes hoje, coincide com o alarmante aumento de várias doenças como: hipoglicemia funcional, depressão, astenia, hiperatividade, infecções de repetição, etc, incluindo as doenças degenerativas: aterosclerose, câncer e artropatias, as quais não mais estão se limitando à idade.

Pode-se até afirmar que a correção do equilíbrio químico do organismo leva a uma redução da incidência do stress, de doenças cardiovasculares, mentais e metabólicas, assim como o processo de envelhecimento.

A Medicina Ortomolecular não é Medicina Alternativa ou terapias alternativas, sendo feita exclusivamente por Médicos. A Medicina Ortomolecular utiliza os procedimentos descritos nos livros clássicos de farmacologia e o diagnóstico é baseado também em exames clínicos tradicionais como os de sangue, urina, etc.

PREVENTIVA

Através de diagnósticos cada vez mais precoces, detectando alterações metabólicas subclínicas, antes do surgimento de doenças, utilizando-se do tratamento Ortomolecular que visa o equilíbrio global do indivíduo, dando-lhe condições de manter-se sadio ou, diante de doenças, obter melhor resposta a terapêutica específica empregada.

SISTÊMICA

Atua na avaliação diagnóstica de todos órgãos e sistemas, analisando a inter-relação e interdependência entre eles e nos tratamentos nutricionais celulares, através de suplementação com nutrientes indispensáveis ao organismo.

INTERATIVA

Atua na inter-relação dos sistemas humanos com os sistemas ambientais. Na abordagem Ortomolecular, o desafio é descobrir quais os nutrientes que estão faltando , os que estão em excesso e ainda verificar os elementos tóxicos no organismo do indivíduo. Muitas das vezes, a correção dos desvios encontrados é o suficiente para proporcionar o equilíbrio metabólico e energético necessário para o indivíduo retornar ao estado de saúde.

1) VITAMINAS

Ácido Fólico, Ácido Pantotênico, Betacaroteno, Cálcio, Carnitina, Cobre, Coenzima -10, Colina, Fenilalanina, Glutation, Inositol, Metionina, Molibdênio, Paba, Triptofano, Vitamina A, Vitamina B1, Vitamina B2, Vitamina B3, Vitamina B6, Vitamina B12, Vitamina C, Vitamina D, Vitamina E, etc.

2) SAIS MINERAIS

Podemos classificá-los em 4 grupos:

2.1)Essenciais e necessários em grandes quantidades: Cálcio, Magnésio e Potássio;

2.2)Necessários em pequenas quantidades e vitais ao organismo: Cromo, Ferro, Manganês, Molibdênio, Cobre e Zinco;

2.3)Necessários em quantidades muito pequenas e função não totalmente elucidada: Selênio, Vanádio, Níquel e Iodo;

2.4)Minerais formadores de radicais livres e, portanto, prejudiciais ao organismo: Cádmio, Alumínio e Mercúrio.

Os sais minerais normalmente agem aos pares, o aumento da quantidade fisiológica de um deles pode condicionar deficiências plasmáticas do outro.

Exemplo:Cálcio-Magnésio, Zinco -Cobre, Sódio-Potássio.

Observação:Minerais Quelados: chamamos de mineral quelado todo íon mineral ligado a um aminoácido (glicina, arginina, lisina). O mineral na forma quelada apresenta melhor absorção, tem uma toxicidade muito menor, é absorvido sem ionização no processo digestivo e são muito bem tolerados (não gerando efeitos colaterais).

3) AMINOÁCIDOS E outras Substâncias

Carnitina, Fenilalanina, Glutation, Triptofano, Fitoquímicos, Fito-hormônios, Pro-hormônios, etc.

Nada substitui uma consulta com um Médico especializado, pois tanto para a mulher como para o homem, a avaliação Médica e especialmente a Terapia Ortomolecular tem que ser individualizada e só deve ser prescrita por Médico, e que para se ter uma base do que se vai indicar para um paciente é necessário fazer uma minuciosa anamnese clínica, avaliar o estado psico-emocional do paciente e fazer um estudo pormenorizado com exames laboratoriais, inclusive Ortomoleculares como o teste do cabelo (Mineralograma) e outros através de sangue, urina e fezes.

Pouca gente sabe, mas basta uma simples mecha do cabelo para se detectar as doenças em Medicina Ortomolecular e assegurar a saúde do corpo inteiro. O Mineralograma (também conhecido como "teste do cabelo"), um "check-up hi-tech", é o exame que traça o perfil mineral da pessoa.

"A importância de se fazer a análise dos fios de cabelo está no fato de como as unhas, serem tecidos onde os minerais, tanto os essenciais como os tóxicos, são retidos ou armazenados."

O Mineralograma consiste no exame feito a partir de uma amostra de apenas 1 grama de cabelo, que é enviada para os Estados Unidos onde é feita a análise. O resultado fica pronto no período de 30 a 40 dias. Já o tratamento proposto e provado sua eficácia pela Medicina Ortomolecular será determinado após esse exame e também de outros que serão realizados paralelamente.

"A Medicina Ortomolecular não tem qualquer tipo de contra-indicação, seja para tratar uma criança com dificuldade de aprendizagem escolar ou uma paciente portadora de osteoporose, inclusive portadores de câncer, que nesse caso a finalidade será de aumentar a imunidade celular e tentar prolongar mais a vida."

A Terapia Ortomolecular é totalmente natural para o organismo, a base de vitaminas, aminoácidos, substâncias anti-oxidantes, "smart-drugs" e minerais tratados especialmente de forma que sirvam para combater os Radicais Livres, neutralizando-os. Mas: é um tratamento totalmente individual, ou seja, a medicação se baseia na história clínica, no exame do cabelo e/ou alimentação e exames de sangue e urina de cada paciente.

1)Cuidar do Sistema Digestivo;

2)Dieta inteligente;

3)Exercícios aeróbicos moderados;

4)Resolver os problemas do cotidiano - aprendendo a programar o que quer mudar;

5)Autoconhecer-se;

6)Aprender a livrar-se dos metais tóxicos;

7)Abolir o fumo e o excesso de álcool;

8)Higiene do sono;

9)Detectar e tratar parasitoses intestinais e reeducar-se para não adquiri-los;

10)Antioxidantes e nutrientes com moderação e equilíbrio.

ATENÇÃO!!!

As informações sobre saúde aqui contidas são oferecidas com propósito educacional e informativo a pacientes e/ou público em geral, não pretendendo, de forma alguma, a prescrição ou indicação de medicamentos, bem como substituir as orientações de seu médico. Se você apresenta algum sintoma procure um médico, pois nada substitui uma consulta com um especialista. Vale lembrar também que a avaliação para a Terapia Ortomolecular tem que ser individualizada, tanto para o homem quanto para a mulher, e só deve ser prescrita por Médico Especialista.

Medicina Ortomolecular é terapia sem comprovação?

A luta contra a balança é uma das síndromes da sociedade contemporânea. Na busca por um corpo perfeito, muitos abusam de tratamentos nem sempre comprovados cientificamente, mas que entram na moda pelo testemunho de estrelas de TV e pela promessa de resultados rápidos e surpreendentes. É o que vem acontecendo com a terapia ortomolecular, também conhecida como Medicina Ortomolecular , que apesar de muito comentada, ainda não tem reconhecimento científico e, por isso, é desaconselhada Conselho Federal de Medicina e pelo Conselho Regional da Bahia.

O termo ortomolecular foi cunhado pelo americano Linus Pauling em 1956. Sua teoria afirma que a saúde do corpo estaria baseada no equilíbrio de substâncias como vitaminas, sais minerais e aminoácidos. Com a correria da vida moderna, as pessoas alimentam-se mal, o que provocaria um desequilíbrio do organismo.

Para que as substâncias em falta ou excesso sejam harmonizadas, o método recorre a dietas e suplementos alimentares em forma de pó, comprimido e injeção. A dose a ser ingerida varia individualmente e é estabelecida a partir de exames de sangue, urina, fios de cabelo e saliva.

Não há nenhuma comprovação científica sobre a eficácia deste tratamento. O CFM e o Cremeb alertam quanto ao fato de que o método não tem respaldo como especialidade médica e condenam a euforia que vem sendo criada em torno da prática. “Para que um tratamento seja oferecido à população, é indispensável que sejam respeitados os protocolos de pesquisa, inclusive obter a autorização do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), órgão subordinado à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP). Estas são as instâncias responsáveis pela deliberação de projetos, cabendo posteriormente ao CFM homologar aqueles que apresentem comprovação científica em seus resultados”, afirma a 2ª secretária do Cremeb, Nedy Neves. De acordo com a Resolução CFM nº 1499/98, é proibida a utilização de práticas terapêuticas que não sejam reconhecidas pela comunidade científica.

Outro ponto preocupante no caso da terapia ortomolecular é a massiva divulgação que vem sendo feita pela mídia. “A publicidade médica deve obedecer a princípios éticos de orientação educativa”, explica o presidente da Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame), conselheiro Paulo Sérgio Santos.

Como a Medicina Ortomolecular não é reconhecida como especialidade médica, sua publicização leva o médico a infringir o artigo 3º da Resolução CFM 1701/03, que proíbe, entre outras coisas, a propaganda de métodos ainda sem reconhecimento científico. Neste caso, também o artigo 135 do Código de Ética Médica é desrespeitado, já que este veda ao médico anunciar títulos científicos que não possa comprovar.

Fonte:www.oarquivo.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

 

O termoORTOMOLECULARvem do grego ORTHOS que significa normal, direito, correto, e a denominação Medicina Ortomolecular foi proposta por LINUS PAULING, (Prêmio Nobel de Química em 1954 e da Paz em 1962), conhecido mundialmente por seus trabalhos e pela ênfase com que recomenda o uso diário de vitaminas (principalmente a vitamina C) e minerais.

O objetivo daTerapia (Medicina) Ortomolecularé compreender as inter-relações que ocorrem ao nível bioquímico do organismo e assim poder atuar em conformidade com esses próprios mecanismos, harmonizando de maneira global a bioquímica de células, órgãos e sistemas. O reequilíbrio é feito por meio da correção dos mecanismos moleculares fisiológicos (normais), suprindo o organismo com os elementos adequados para essa reordenação, cabendo o papel principal às vitaminas e aos minerais.

Segundo os conceitos da terapia, reeducação alimentar não é suficiente, pois nem sempre o paciente consegue absorver todas as substâncias presentes nos alimentos. “Existem pessoas que não conseguem absorver o cálcio do leite e do queijo, por exemplo. Nesses casos, é preciso buscar outra fonte da substância”, acredita o médico Dr. Marcos Natividade, membro da Sociedade Brasileira de Medicina Biomolecular e Radicais Livres.

Histórico

A Terapia ortomolecular data do início da década de 1950 quando alguns psiquiatras começaram a adicionar doses altas de nutrientes aos seus tratamentos de problemas mentais graves. A substância original era a vitamina B3 (ácido nicotínico ou nicotinamida) e a terapia era denominada "terapia de megavitamina". Mais tarde o regime do tratamento foi expandido para incluir outras vitaminas, minerais, hormônios e dietas, qualquer uma delas pode ser combinada com a terapia medicamentosa convencional e com os tratamentos de eletrochoque. Atualmente cerca de uma centena de médicos norte-americanos usam esta abordagem para tratar uma variedade de distúrbios, tanto mentais como físico

Em que se baseia?

Uma das bases da Terapia Ortomolecular é o combate aos radicais livres (RL), que são quaisquer átomos, moléculas ou íons que possuam um ou mais elétrons livres na sua órbita externa. Estes elétrons têm grande instabilidade química e, mesmo tendo meia vida de frações de segundos, são altamente reativos com qualquer composto próximo, a fim de retirar deste o elétron necessário para sua estabilização, produzindo reações de dano celular em cadeia, e sendo assim chamado de oxidantes.

Embora existam os RL de íons metálicos e de carbono, os principais são os de OXIGÊNIO.

Podemos entender a formação de Radicais Livres pelo nosso organismo em condições normais, pois são necessários no processo de respiração celular que ocorre nas mitocôndrias, a fim de gerar o ATP. Estes também podem ser produzidos pelos macrófagos e neutrófilos contra bactérias e fungos invasores do nosso organismo.

O efeito prejudicial dos RL ocorre quando estão em quantidade excessiva, ultrapassando a capacidade de neutralização dos sistemas enzimáticos do organismo.

Como são neutralizados os Radicais Livres?

Existem dois sistemas naturais de eliminação de Radicais Livres, que são os chamados “Varredores” (scavengers) de RL, que atuam eliminando-os ou então impedindo sua transformação em produtos mais tóxicos. Esses sistemas podem ser divididos em Enzimáticos e em Não Enzimáticos.

Os sistemas enzimáticos são compostos pelas seguintes enzimas: Glutation-Peroxidase, Catalase, Metionina-Redutase e Superóxido-Dismutase, os quais combatem os seguintes RL: Peróxido de Hidrogênio, Superóxido, Oxigênio Singlet, Ion Hidroxila, Oxido Nítrico e Oxido Nitroso.

Os Antioxidantes Não Enzimáticos, em sua maioria são exógenos, ou seja, necessitam ser absorvidos pela alimentação diária, ou como complementos nutricionais. Os principais podem ser divididos em: Vitamina A, Vitamina E, Beta-caroteno, Vitamina C, Vitaminas do complexo B, os oligoelementos (Zinco, Cobre, Selênio, Magnésio), os bioflavonóides (derivados de plantas).

Terapia Ortomolecular

Investigar deficiências nutricionais do organismo, assim como detectar a presença de metais tóxicos no corpo (que podem ser a causa de determinadas doenças), é o início da terapia ortomolecular. Isto pode ser feito através do Teste do Cabelo (também chamado Mineralograma), que além disso, identifica se há excesso ou carência dos oligoelementos (minerais).

A dosagem de RL pode ser feita por meio de métodos baseados na espectometria de ressonância eletrônica de “spin” e ressonância paramagnética eletrônica, dosagem de MDA (malondialdeído), e métodos indiretos como o HLB, pelo qual numa gota de sangue verifica-se, com auxílio de um microscópio o efeito dos radicais livres na matriz extracelular (agregados proteoglicanos, colágeno, elastina, fibrina), fragmentando-a e produzindo lacunas que serão maiores quanto maior for a quantidade de RL presente.

Os benefícios atribuídos à terapia pelos médicos e adeptos incluem a perda de peso, melhora da pele, dos cabelos e das unhas e ainda as vantagens com relação às dietas de caráter restritivo, que geralmente causam sensações de fome, fraqueza ou irritabilidade. Isso porque muitas vezes associa-se o uso de remédios fitoterápicos na receita. Há fórmulas para aumentar a saciedade ou diminuir o desejo por tipos de alimentos. “O composto garcínia, por exemplo, ajuda a reduzir a compulsão por doces”, garante a médica Sylvana Braga, de São Paulo, que emprega o tratamento.

Como a dieta ortomolecular atua no organismo? (Segundo os médicos que a adotam)

A pele fica viçosa, cabelo e unhas mais fortes. O benefício é atribuído às vitaminas A,E e do complexo B.

Ajuda a prevenir problemas cardíacos ao restringir a ingestão de carne vermelha, rica em gorduras saturadas e também ao restringir frituras, que aumentam o nível de colesterol sanguíneo.

O intestino funciona melhor porque a dieta é rica em cereais integrais, frutas e fibras.

Promove perda de peso devido às refeições pouco calóricas, mas ricas em nutrientes essenciais para o organismo.

Promove diminuição do cansaço e do estresse por meio da reposição de vitaminas, minerais e aminoácidos.

Combate o envelhecimento precoce devido ao consumo de alimentos ricos em antioxidantes, substâncias que atuam contra a degeneração celular.

Alivia a retenção de líquidos ao equilibrar a quantidade de potássio, fósforo e sódio com refeições balanceadas e o consumo de pílulas contendo esses minerais.

A dieta ortomolecular não é milagrosa

Como em qualquer dieta, é preciso disciplina e dedicação. “Os resultados são muito bons, mas dependem muito da pessoa. Não é um tratamento milagroso, o paciente ideal é aquele que já se alimenta adequadamente, pratica exercícios físicos, mas não consegue emagrecer”, acredita Dr. Marcos Natividade.

A perda de peso acontece graças à reeducação alimentar e ao equilíbrio nutricional promovido pelos suplementos. “Esse equilíbrio soluciona problemas como estresse, retenção de líquido, TPM e depressão, que muitas vezes são a causa do excesso de peso”, diz o especialista.

Os médicos que empregam a dieta dizem que o tempo de tratamento nos casos de emagrecimento varia conforme o estado físico do paciente, mas em casos de pessoas não-obesas, três a quatro meses são suficientes para uma boa perda de peso.

O ponto central da terapia ortomolecular é a busca pelo bem-estar, pela prevenção de doenças. “A função da ortomolecular não é a de combater doenças, mas sim de fortalecer o organismo, para que ele tenha melhores condições de reagir contra males que o acometem. Desta forma, colabora para a melhora dos mais diversos problemas como diabetes, depressão, obesidade, falta de memória, câncer, intoxicações, doenças reumáticas e cardiovasculares”, afirma Dr. Marcos Natividade.

Críticas à Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular não é reconhecida como especialidade. A resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) 1.499/98, proíbe aos médicos a utilização de práticas terapêuticas não reconhecidas pela comunidade científica, bem como a vinculação de médicos a anúncios referentes a tais métodos e práticas.

Em reportagem publicada, dia 22 de outubro de 2004, no jornal Diário de São Paulo, o colunista Prof. Dr. Joel Rennó Júnior (Doutor em Psiquiatria pela Faculdade de Medicina da USP. Coordenador do Pró-Mulher-Projeto de Atenção à Saúde Mental da Mulher-Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP) faz severas críticas à prática da Medicina Ortomolecular :

“Essa dieta não apresenta nada de novo. Os profissionais recomendam reeducação alimentar, ou seja, comer várias vezes ao dia porções pequenas e pouco calóricas, dando-se preferência a verduras, legumes, frutas e carnes brancas, além dos cereais integrais. Outras interessantes e “inéditas” informações referem-se à restrição de doces, carne vermelha e frituras, além das atividades físicas. Alguma novidade, caros leitores?

Supondo haver uma ingestão insuficiente de vitaminas, sais minerais e proteínas, os ortomoleculares lançam fórmulas com tais complexos, sugerindo que as células precisam de mais energia para o perfeito funcionamento do organismo. Alegam que tal método aumenta a qualidade de vida. Será que pessoas jovens, com alimentação saudável, realmente necessitam de tais complementações?

Esses médicos do regime ortomolecular, observando que grande parte dos seus pacientes obesos são ansiosos ou deprimidos, lançam mão de fórmulas “mágicas” contendo, provavelmente, antidepressivos e ansiolíticos — de forma aleatória —, e alguns, infelizmente, até sem avisar seus pacientes sobre tais recursos terapêuticos. Outros, justificando-se pela necessidade de aderência terapêutica, ainda mantêm os velhos inibidores de apetite no início do tratamento.

Outro fato relevante é que tal método, além de dispendioso, pelo valor das consultas e fórmulas, não possui qualquer comprovação científica. Reitero, aqui, a minha opinião: o Conselho Federal de Medicina deveria exigir maiores explicações de tais profissionais, alguns, infelizmente, beirando o charlatanismo e um marketing grotesco. É ético divulgar tratamentos médicos com exposição pública de pacientes?

Hoje, quando a beleza é perseguida, de forma incessante e até obsessiva, tal dieta tem o único benefício de engordar o bolso de certos ortomoleculares “diet”.

Sai mais barato buscar uma orientação com um nutrólogo ou nutricionista e investir na mudança de hábitos de vida, como a prática regular de exercícios. A parte psicológica, tão importante em obesos, também é negligenciada por ortomoleculares especializados em dietas.

Fonte:www.enut.ufop.br

Medicina Ortomolecular
ORTOMOLECULAR = MOLÉCULAS CERTAS, EQUILIBRADAS

A Medicina Ortomolecular baseia-se em um enorme paradoxo: a vida é um processo de combustão. O oxigênio, crucial para a existência, é também tóxico para as células.

Ao respirarmos, parte do oxigênio consumido, obrigatoriamente, é transformado em radicais livres - moléculas instáveis que podem lesar, via oxidação, todas as macromoléculas da célula.

Alimentação inadequada, fumo, álcool, radiação, poluição, metais de transição e tóxicos, também contribuem para a geração de radicais livres que, em excesso, superam os mecanismos de defesa naturais das células e provocam o estresse oxidativo, onde milhões de células são danificadas e perdem sua função.

Nascem, então as doenças.

O objetivo da Medicina Ortomolecular é justamente reverter este desequilíbrio molecular, através de suplementação vitamínica, micronutrientes, oligoelementos e antioxidantes sintéticos, tanto por via oral, quanto parenteral e endovenosa. Ganha, então, status de Medicina Preventiva, onde a maior preocupação é administrar a saúde e buscar prolongar a vida saudável e produtiva.

Fonte:www.guilhermedeucher.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular foi desenvolvida pelo laureado cientista Linus Pauling, vencedor de 2 prêmios Nobel. O tratamento consiste em combater a formação de radicais livres, considerados “vilões” do processo de envelhecimento por causarem a destruição precoce das membranas celulares e, consequentemente, o desenvolvimento de doenças degenerativas. O estresse, o sedentarismo e a poluição são os principais responsáveis pela formação excessiva desses radicais.

Grande parte das ocupações dos leitos hospitalares, das aposentadorias precoces, da mortalidade por causa desconhecidas ou complicadas, das cardiopatias e outras doenças degenerativas decorre de deficiências nutricionais prolongadas que poderiam ser evitadas com a reposição equilibrada de minerais.

É de fundamental importância que a pessoa passe em consulta com médico especialista para fazer exames específicos e fazer a reposição correta dos minerais. Nunca faça reposição mineral por conta própria, pois pode ser prejudicial a sua saúde.

Infelizmente eu sempre vejo entrevistas com alguns médicos e nutricionistas afirmando que as frutas, verduras e legumes tem tudo o que precisamos para reposição diária de vitaminas e minerais. Bem quando eles fazem esta afirmação eles esquecem de dizer que nós precisaríamos ingerir “bacias” destes vegetais para conseguirmos repor o mínimo de nutrientes para a manutenção da nossa saúde, o que é impraticável. Nós temos a cada dia o nosso alimento mais pobre em vitaminas e minerais e mais ricos em metais tóxicos provenientes de pesticidas e agrotóxicos que são terríveis a nossa saúde.

Definciência dos minerais

Cálcio

Cãibras; Bruxismo; Queda de Cabelos; Unhas frágeis e quebradiças; Dentes frágeis e cáries frequentes; Síndrome de pernas inquietas; Insônia; Arritmias cardíacas e Palpitações; Osteoporose e Alteração da coagulação.

Magnésio

Tremores musculares; Cãibras; Zumbidos; Tendência para intestino preso; Bruxismo; Parestesias de MMSS e II principalmente pela manhã; Arritmias e Palpitações.

Zinco

Acne; Letargia; Apatia; Diminuição da memória e concentração; Dificuldade de concentração; Queda de cabelos; Unhas frágeis, quebradiças e com mancha branca; Diminuição do Olfato, Paladar e Audição; Zumbidos; Dificuldade de Ereção; Oligospermia; Irregularidades Menstruais.

Cobre

Dores Articulares; Fraqueza Muscular; Fadiga Fácil; Edema nos Tornozelos e Pulsos; Queda de Cabelos.

Potássio

Polidipsia; Apatia; Letargia; Cansaço fácil; Arritmias cardíacas e palpitações; Tendência a intestino preso; Alteração do turgor da pele; Cãibras.

Ferro

Fadiga fácil; Cansaço; Anêmia hipocrômica; Edema de tornozelos que piora com a posição ortostática durante o dia; Cefaléia; Tonturas; Queilite; Taquicardia e Palpitação.

Manganês

Andar cambaleante; Deficiência de coordenação motora; Perda de equilíbrio; Diminuição da audição.

Cromo

Alteração do metabolismo dos carbohidratos; Sudorese noturna; Sono agitado com pesadelos; Pânico e fobias; Diminuição da capacidade de concentração e memorização; Extremidades trêmulas e frias; Dor de cabeça tipo enxaqueca.

Selênio

Fraqueza muscular; mialgias; Queda de cabelos; Dermatites de pele e couro cabeludo; Dermatomicoses; Monilíase vaginal; Micoses de repetição com aumento da frequência de dermatite seborréica.

Iodo

Aumento do peso corporal; Fadiga; Cansaço fácil; Apatia; Embotamento; Pele seca e áspera; Massa ou nódulo em mamas; Bócio ou massa palpável em tireóide.

Fósforo

Diminuição da memória, Atenção e Concentração; Fadiga e cansaço fácil; Perda de iniciativa(desiste fácil); Respiração curta com dificuldade; Edema de tornozelos; Dores articulares com limitação funcional.

Lítio

Depressão; Insônia; Dores musculares tensionais; Aumento dos sintomas da menopausa.

Metais pesados tóxicos

O inimigo oculto da sua saúde.

Você com certeza já ouviu falar em mercúrio, chumbo, alumínio e arsênico, mas, você sabia que eles estão presentes no seu dia-dia e podem provocar vários tipos de doenças? E que são chamados de metais pesados tóxicos? Pois é, estas substâncias provocam um envenenamento silencioso no nosso organismo.

A vida moderna e industrialização nos trazem muito conforto e comodidade, porém também trazem substâncias nocivas a nossa saúde e que se acumulam gradualmente nos nossos tecidos provocando vários tipos de doenças. Os metais pesados são elementos que não devemos ter no organismo, nem mesmo em quantidades mínimas, pois levam, em curto prazo a sintomas sub-clínicos ( não característicos de uma doença determinada ) dificultando o seu diagnóstico, e a longo prazo, podem levar a doenças graves, que variam de acordo com o metal intoxicante.

Dentre as condições e doenças provocadas pela contaminação destes metais tóxicos podemos citar: Dores de cabeça, osteoporose, insônia, irritabilidade, infertilidade, depressão, perda de memória, fadiga crônica, dores musculares e articulares.

Quando são absorvidos pelo nosso organismo estes metais levam entre 20 e 30 anos para serem eliminados, porém para nossa sorte existem substâncias chamadas quelantes que retiram estes tóxicos do nosso organismo.

Fonte:www.anna-aslan.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular é o ramo da ciência cujo objetivo primordial é restabelecer o equilíbrio químico do organismo. Este acerto (orto=certo) das moléculas se dá através do uso de substâncias e elementos naturais, sejam vitaminas, minerais, e/ou aminoácidos.

Estes elementos,além de proporcionarem um reequilíbrio bioquímico, combatem os radicais livres. Mas por que o organismo se desequilibra?

Para entendermos como isto se dá, podemos partir de uma analogia. O organismo é uma máquina que está permanentemente se produzindo. Durante este processo de produção podem surgir falhas, seja na chegada de matéria-prima (vitaminas, minerais, etc.), seja na própria integração de todo e qualquer sistema que compõe a máquina.

Estes sistemas devem trabalhar de forma harmoniosa, como uma engrenagem. Estas engrenagens são os sistemas: NEUROENDÓCRINO, PSÍQUICO E IMUNE.

Qualquer falha em algum ponto ou mecanismo desta máquina (ser humano) compromete toda a produção (vida), surgindo os defeitos (doença). Por exemplo: uma pessoa deprimida tem mais chances de apresentar infecções recorrentes, já que uma falha no sistema psíquico leva consequentemente a alterações no sistema imune.

Outro fator importante na gênese de várias enfermidades, como artrite e câncer, é a formação de radicais livres. Podemos entendê-los da seguinte forma: o organismo utiliza cerca de 98 a 99% do oxigênio que consumimos para produzir energia. A pequena parcela que sobra (1 a 2%) não participa do processo, formando as espécies tóxicas reativas do oxigênio - os radicais livres. Estes correspondem a átomos ou grupos de átomos com um elétron não emparelhado em sua órbita mais externa, sendo, portanto, muito reativos pois para recuperar o equilíbrio precisam 'doar' o elétron desemparelhado.

Desta forma, combinam avidamente com as várias estruturas celulares do corpo, o que resulta em destruição e, consequentemente, em enfermidades. Entre estas podem ser citadas o câncer, osteoartrite, lúpus, enfisema e doenças cardio vasculares.

O Homem está sendo permanentemente submetido a condições que levam ao excesso de radicais livres como, por exemplo, o estresse, o fumo, a poluição, exposições prolongadas ao sol, entre outras.

A Medicina Ortomolecular , através do uso de vitaminas e minerais, objetiva, entre outros, neutralizar os efeitos tóxicos destas espécies reativas, proporcionando uma melhor qualidade de vida. A Medicina Ortomolecular também trata das deficiências de uma série de nutrientes. Sabe-se, por exemplo, que um fumante gasta 25 mg de vitamina C a cada cigarro que consome. Caso esta pessoa fume um maço por dia, estará perdendo 500 mg desta vitamina diariamente.

E, hoje em dia, sabemos os inúmeros benefícios que esta vitamina proporciona, seja no combate a radicais livres, na síntese de hormônios, ou mesmo estimulando o sistema imunológico. Todavia, apesar da Medicina Ortomolecular ter um sentido curativo, ela também é eminentemente preventiva.

Assim, p. ex.,é possível tratar uma pessoa com estresse antes que ele evolua para uma hipertensão arterial. Da mesma forma, é possível tratar obesidade antes que ela ocasione diabetes.

O mais importante é que com a Medicina Ortomolecular o paciente volta a ser encarado como um todo, um conjunto que deve funcionar em harmonia. Com esta visão global, qualquer tratamento torna-se muito mais vantajoso, pois encontra a origem dos problemas, a verdadeira raiz a partir da qual todo o processo patológico se desenvolve.

Ou ,ainda, voltando à analogia, se encontrarmos o defeito exatamente onde ele origina-se na máquina, é muito mais fácil consertá-la antes que o problema atinja toda a produção, que nada mais é do que a própria vida.

Fonte:www.highway.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

O que é Medicina Ortomolecular ?

Imagine duas folhagens, cada uma num vaso. Num deles você simplesmente colocou terra, plantou a folhagem, regou de vez em quando e deixou o resto por conta do acaso. No outro você juntou nutrientes à terra, fez regas periódicas, eliminou pragas e ervas daninhas, protegeu a planta do vento e do excesso de sol.

Qual das folhagens teve melhores condições para se desenvolver?

Obviamente, a do segundo vaso.

Pois assim age a Medicina Ortomolecular . Nosso organismo é formado por substâncias químicas que interagem o tempo todo, cumprindo inúmeras funções para a manutenção da saúde: reparam células, facilitam o funcionamento dos órgãos etc. Utilizando complementos de vitaminas, minerais, ervas e outras substâncias benéficas, a Medicina Ortomolecular é uma importante aliada de nosso organismo na luta contra doenças e agentes agressores.

Esse conjunto de substâncias químicas naturais, administrado de forma controlada e adequado às necessidades de cada pessoa, é o grande arsenal de que nossa equipe lança mão para auxiliar as pessoas – e talvez possa ajudar você!

Como a Medicina Ortomolecular funciona?

Depois de realizados alguns exames é feita uma minuciosa avaliação de cada paciente, onde constatamos o nível de desgaste do organismo e o grau de carência de elementos químicos essenciais. A partir desses dados, caso seja necessário, é estabelecido um programa de suplementação com substâncias naturais para restituir o equilíbrio orgânico.

Quais as vantagens da Medicina Ortomolecular ?

Ter saúde não é o mesmo que não estar doente.

Ser saudável inclui também:

Vitalidade, disposição e um cérebro ágil, capaz de responder aos desafios do dia-a-dia;

Capacidade máxima de memória;

Um sono reparador, que permita ao organismo recuperar-se do desgaste cotidiano;

Um sistema digestivo em ótimo estado, capaz de absorver os nutrientes e eliminar as toxinas presentes nos alimentos;

Plena capacidade de resposta não apenas a agentes agressores do corpo – sejam eles físicos (como radiações ionizantes), biológicos (como bactérias, fungos e vírus) e químicos (como metais pesados ou poluentes presentes no ar, água e alimentos) –, mas até a atitudes mentais negativas e pensamentos “tóxicos”.

É óbvio que não basta ingerir algumas substâncias para atingir esse estado de equilíbrio. Muitas vezes também é preciso mudar hábitos de vida.

Eis algumas sugestões:

Abandonar o sedentarismo e praticar atividade física adequada;

Lembrar-se de beber água diariamente na quantidade apropriada;

Dizer “não” a substâncias sabidamente nocivas; e

Adotar atitudes otimistas, focando a mente em pensamentos positivos.

Percebemos com clareza que é mais fácil adotar hábitos saudáveis se corrigimos certas carências orgânicas – e é uma via de duas mãos, porque adotar hábitos saudáveis nos leva também a corrigir deficiências nutricionais. Em outras palavras, instala-se um círculo virtuoso: funcionando melhor, mente e corpo facilitam a adoção de hábitos de vida saudáveis, o que conduz necessariamente a uma melhora no funcionamento da mente e do corpo.

Qual a origem da Medicina Ortomolecular ?

A expressão " Medicina Ortomolecular " foi criada e consagrada pelo bioquímico americano Linus Pauling (1901-1994), laureado com o Prêmio Nobel de Química em 1954 e com o Nobel da Paz em 1962. O objetivo da Medicina Ortomolecular é a correção das carências nutricionais, equilibrando a bioquímica do organismo e prevenindo o aparecimento de muitas doenças. Além disso, ela também complementa e otimiza qualquer tratamento indicado pela medicina convencional.

A Medicina Ortomolecular é, antes de tudo, uma "medicina da saúde". Muito antes de uma doença se tornar perceptível através dos sintomas já existe uma disfunção celular, um desequilíbrio bioquímico, que a ingestão de micronutrientes busca compensar, devolvendo a saúde do organismo.

Quem se beneficia da Medicina Ortomolecular ?

Todas as pessoas que desejam manter-se saudáveis podem se beneficiar da Medicina Ortomolecular – em especial quem apresenta sintomas de desgaste orgânico não associados a alguma doença específica.

Os sintomas mais comuns do desgaste são os seguintes:

Cansaço maior que o habitual

Falta de motivação;

Perda de memória;

Dificuldades sexuais;

Sono não-reparador;

Infecções repetitivas; e

Sinais e sintomas de estresse.

Além de utilizar a Medicina Ortomolecular para aprimorar a performance, muitos atletas e frequentadores de academias de ginástica encontram nela uma alternativa ao consumo indiscriminado de aditivos alimentares que, como se sabe, podem "detonar" o organismo.

Embora nenhum complexo de micronutrientes possa substituir um estilo de vida saudável e equilibrado, é inegável a contribuição da Medicina Ortomolecular no combate aos chamados radicais livres. Em excesso, esses radicais – fruto de alimentação inadequada, fumo, álcool, exposição demasiada ao sol, poluição, metais de transição e tóxicos – vencem a defesa celular e provocam chamado estresse oxidativo, danificando e tornando inoperantes milhões de células.

Finalmente, a Medicina Ortomolecular também visa retardar o envelhecimento. O uso orientado de substâncias antioxidantes fortalece as defesas imunológicas, melhora a saúde das células e ativa as funções orgânicas que se desgastam com o tempo. Medicina Ortomolecular e Radicais Livres? Se você cortar uma fruta, digamos uma maçã, e colocar em cima da pia da cozinha, em pouco tempo ela ficará muito escura. Ela fica dessa cor devido a um processo de oxidação, os radicais livres do ar agem na fruta e ela simplesmente estraga. O mesmo acontece com nosso organismo, com a diferença na origem desses radicais, que podem ser gerados por fatores como a poluição, contaminantes químicos, metais pesados, radiações e ressonâncias, microorganismos como fungos, bactérias e vírus, tabaco, álcool, o tipo de alimento que ingerimos e praticamente todas as doenças.

Os radicais livres são moléculas que tem um número ímpar de elétrons em sua última camada, o que a torna bastante instável. Essa molécula precisa desse elétron novamente, obtendo em geral de seu vizinho mais próximo. Agora é seu vizinho que precisa “furtar” o elétron de alguma outra molécula. Esse processo evolui em progressão, lembrando um engavetamento de carros, e é chamado de cascata oxidativa. Já a carga total de radicais livres é chamada de estresse oxidativo. E as substâncias que fornecem esse elétron que está faltando, devolvendo a situação à normalidade, são em geral vitaminas chamadas genericamente de antioxidantes.

Os radicais livres causam lesões tanto nas células quando nos genes. Muitos consideram que o acúmulo dessas lesões ao longo da vida favorece a manifestação de doenças relacionadas ao envelhecimento. A idéia é inibir a ação dos radicais livres, tanto dificultando sua formação como corrigindo a situação existente com antioxidantes, para retardar seus danos e com isso dificultar o aparecimento de doenças. O que provoca o aparecimento dos radicais livres?

Poluição, excesso de radiação solar, uma dieta nutricionalmente desbalanceada, sedentarismo e estresse são alguns fatores que estimulam a formação de radicais livres. Também favorecem a formação de radicais livres a ingestão de frutas e verduras com agrotóxicos, o consumo excessivo de sal, açúcar e cereais refinados, a utilização de aditivos alimentares e a ênfase em alimentos cozidos, em detrimento de alimentos crus.

O organismo não consegue enfrentar sozinho essas mudanças?

Nosso organismo possui um extraordinário mecanismo de compensação e reequilíbrio para combater os radicais livres. A eficiência desse mecanismo, no entanto, diminui à medida que envelhecemos e na presença de doenças.

É exatamente nesse momento, como importante aliada da alimentação equilibrada e da prática de atividade física no combate aos radicais livres, que lançamos mão da Medicina Ortomolecular . O uso orientado de substâncias antioxidantes fortalece as defesas imunológicas, melhora a saúde das células e reativa as funções orgânicas.

O tratamento da Medicina Ortomolecular é sempre de longo prazo?

Alguns efeitos benéficos do tratamento ortomolecular, como o aumento da disposição, do ânimo e da libido, bem como a melhora do sono e da performance física, aparecem logo nas primeiras semanas. Mas cada organismo tem uma velocidade diferente de resposta e por isso varia também o período de suplementação nutricional. Também influem nesse prazo a determinação da pessoa em mudar seus hábitos e atitudes, praticando atividade física, melhorando a qualidade da alimentação, parando de fumar etc.

Qual a importância da alimentação na produção de radicais livres?

Nossos antepassados tinham uma alimentação muito diferente da nossa. Para ilustrar essa diferença basta lembrar que durante 2,5 milhões de anos a humanidade ingeriu apenas alimentos crus – eles só passaram a ser cozidos, assados ou fritos nos últimos 500 mil anos. E atualmente, pelo menos nas sociedades ditas desenvolvidas, é raro alguém optar por alimentos crus, do café da manhã ao jantar.

Esse fato tem prós e contras. Se graças ao calor do fogo podemos saborear, por exemplo, feijão, lentilha ou ervilhas secas – que nosso organismo não digere se estiverem crus –, por outro lado o excesso de cozimento gera perdas nutricionais.

O excesso de calor destrói 40% das vitaminas A e D presentes nos alimentos, cerca de 60% da vitamina E, 80% do ácido fólico e da vitamina B1, e 100% da vitamina C. Já o refino faz com que os cereais percam de 60% a 80% de seu valor nutritivo e até 90% das fibras.

Outro fator que gera desequilíbrio na alimentação humana é o consumo excessivo de sal e açúcar branco, sem falar na adição de substâncias químicas aos alimentos – os chamados aditivos alimentares.

Analisemos o exemplo do açúcar. Durante milênios nossos antepassados consumiram uma média diária de 8 g de frutose (açúcar presente nas frutas e no mel) e 300 g de glicose (cuja principal fonte são alimentos ricos em amido), e o organismo humano se acostumou a processar essas quantidades.

Quando surgiu o açúcar branco ou refinado houve uma mudança brusca. Esse tipo de açúcar sobrecarrega o organismo com 10 vezes mais frutose do que ele está habituado a processar e o resultado é um sério desequilíbrio na proporção dos açúcares que ingerimos – e um importante estímulo à formação de radicais livres.

Para tomar suplementos, vitaminas e minerais é preciso orientação médica?

A administração de vitaminas e sais minerais pode ser um valioso instrumento terapêutico, mas necessita de orientação médica porque envolve riscos.

Eis alguns exemplos:

Ingerir vitamina Etodos os dias, por um longo período de tempo, pode inibir as defesas orgânicas encarregadas de eliminar radicais livres. Outro detalhe: a vitamina E deve ser ingerida sob a forma de Alfa-Tocoferol (com “ol” no final). Se estiver sob a forma de Alfa-Tocoferil (com “il” no final), só se deve fazer uso dela com orientação médica, porque é prejudicial à saúde.

O Beta-Caroteno, um precursor da vitamina A, não tem contra-indicações mesmo se ingerido em doses relativamente altas. A vitamina A, por outro lado, se tomada durante muito de tempo, pode provocar intoxicação. Infelizmente, alguns polivitamínicos “milagrosos” misturam Beta-Caroteno e vitamina A em doses que podem causar intoxicação em médio e longo prazo.

A ingestão de ferrosó se justifica se a pessoa tiver certos tipos de anemia, o que só pode ser verificado por exame clínico e laboratorial. O ferro é um potente oxidante, facilitando a formação de radicais livres. Exatamente o inverso do que se deseja com a abordagem ortomolecular

Embora ocomplexo Bnão envolva grandes complicações, vitamina B12 em excesso aumenta o apetite e engorda. Quem sofre de gota e/ou cálculo renal não deve exagerar na ingestão de vitamina C, mesmo que ela pareça ser realmente benéfica para aumentar a resistência do organismo. A vitamina C também pode alterar o resultado de alguns exames de laboratório, eventualmente comprometendo o diagnóstico médico.

Fonte:www.masci.com.br

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular , ou Medicina Preventiva Ortomolecular, se propõe a dar às células exatamente o que elas precisam, por meio de uma alimentação adequada e do uso de suplementos alimentares, quando necessário.

Esses suplementos são, basicamente, vitaminas, sais minerais, aminoácidos, enzimas e hormônios. Seu papel é fundamental para as células do corpo se manterem saudáveis e desempenharem bem suas funções.

Se você pensar que o corpo humano possui cerca de 60 trilhões de células e que cada uma delas precisa estar adequadamente nutrida para fazer seu trabalho, perceberá o quanto a Medicina Ortomolecular é importante na prevenção e no tratamento dos problemas de saúde e na manutenção do equilíbrio conquistado.

Um organismo mal nutrido reage com dificuldade às agressões cada vez mais fortes da vida moderna. E torna-se alvo fácil de doenças e de envelhecimento precoce.

Os principais vilões que nos empurram para situações de estresse físico e mental são a competição a que estamos sujeitos, a poluição ambiental, a exposição a campos eletromagnéticos, o excessivo consumo de doces, de gorduras saturadas, de alimentos refinados, industrializados, com substâncias tóxicas como corantes, conservantes, e ainda hormônios e antibióticos, que costumam estar presentes em alguns produtos.

Seu corpo precisa estar preparado para enfrentar essas situações, o que exige uma demanda maior de nutrientes. E a alimentação, por si só, nem sempre consegue dar conta do recado. É aí que a Medicina Ortomolecular mostra sua eficiência, porque dá às células o que elas precisam para reequilibrar o organismo.

O que é nutrição ortomolecular?

É a nutrição que se esforça em produzir ótimas quantidades de nutrientes para as células do corpo. Para alcançar esse objetivo, é preciso avaliar o indivíduo como um ser único, com características próprias, e considerar as influências da idade e do estresse a que está sujeito em seu dia-a-dia.

Medicina Molecular é medicina alternativa?

Só há uma medicina: a boa medicina. A que funciona. Há casos em que só drogas químicas resolvem, como os de manifestações agudas de determinada doença. Nas doenças crônicas, deve-se dar preferência aos tratamentos à base de nutrientes, ou à associação de drogas e nutrientes.

Qual a importância das vitaminas para a saúde?

Na sua maioria, elas agem como antioxidantes, combatendo as agressões que levam à deterioração celular, fator que desencadeia as doenças.

Os alimentos não são capazes de nos fornecer as vitaminas de que precisamos?

Teoricamente, sim. Na prática, vemos que o uso de pesticidas e agrotóxicos nos vegetais, de hormônios e antibióticos nas carnes e o empobrecimento do teor nutritivo dos alimentos pela industrialização geram uma desnutrição subclínica - um enfraquecimento do organismo, que não é visível até surgirem doenças.

Vitaminas engordam?

Não, vitaminas não geram calorias, somente energia.

Por que a Medicina Ortomolecular usa tantas vitaminas?

Para suprir suas deficiências, quando ocorrem, e manter em equilíbrio as funções orgânicas.

Precisamos de cerca de 45 nutrientes essenciais para a vida, que devem ser retirados dos alimentos, pois nosso corpo não os produz naturalmente. Quando, por qualquer razão, a assimilação desses nutrientes é deficiente, o equilíbrio do organismo fica comprometido.

Vou ter que tomar sempre a mesma quantidade de vitaminas?

Não. Inicialmente, após uma avaliação criteriosa, costuma-se usar uma quantidade maior, para atender às necessidades do organismo. É a chamada "fase de ataque". Depois, à medida que se consegue um certo equilíbrio, passa-se à "fase de manutenção", com redução dos suplementos.

Quem pode se beneficiar do tratamento ortomolecular?

Há programas específicos para pessoas com diferentes necessidades. Veja se você se encaixa em algum deles.

Programas de prevenção e manutenção

Para pessoas supersaudáveis que desejam aumentar a possibilidade de manter-se em forma enquanto viverem.

Para quem deseja aprimorar seu estado de saúde, adquirindo melhores hábitos alimentares e de vida.

Programas de tratamento

Para pessoas que estão sob a influência de angústias causadas por incapacidade física ou psiquiátrica.

Se pararmos o tratamento os problemas voltarão?

O tratamento pode ser descontinuado, mas os resultados obtidos serão progressivamente perdidos. Em determinadas situações, os problemas poderão voltar, especialmente quando não for realizado o tratamento completo.

Fonte: www.drrondo.com

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

O termoOrtomolecularvem do grego orthos que significa normal, reto, direito e a denominação Medicina Ortomolecular foi proposta por Linus Pauling, um dos maiores químicos de todos os tempos, ganhador do Prêmio Nobel de Química em 1954 e da Paz em 1962, conhecido mundialmente por seus diversos trabalhos desenvolvidos recoomendando o uso diário de vitaminas, principalmente a vitamina C.

A Medicina Ortomolecular é um ramo da medicina, cujo principal objetivo é restabelecer o equilíbrio químico molecular do nosso organismo, através do uso de substâncias naturais encontradas numa dieta saudável como vitaminas, minerais, enzimas, aminoácidos, gliconutrientes e ácidos graxos, prevenindo e tratando as doenças, proporcionando com isso um reequilíbrio bioquímiro do sistema orgânico

Os sistemas neuroendócrino, psíquico e imunológico foram criados para funcionar de forma harmoniosa. Entretanto, algumas interferências têm contribuído para desequilibrar o nosso corpo. Entre elas temos os vários fatores externos como stress, poluição, fumo, álcool e alimentação inadequada, que colaboram para a produção exageradà de moléculas instáveis e seu eféito nefasto fica visível na falta de vitalidade da pele e do cabelo. Também as patologias vêm acompanhadas por alterações da composição bioquímica do organismo, isso tudo provoca em nosso corpo um desequilíbrio.

Cabe à Medicina Ortomolecular investigar as deficiências nutricionais, detectando a presença de metais tóxicos no corpo (que podem ser a causa de determinadas doennças) e com isso ela foca o papel da nutrição adequada em relação à saúde. Isto significa que uma correção, principalmente nutricional baseada na mudança da alimentação, equilibra os nutrientes provocando o restabelecimento do organismo.

Tudo isso favorece e melhora o metabolismo, o funcionamento do intestino, facilita a queima de gordura, a eliiminação de toxinas, combate o envelhecimento precoce, alivia a retenção de líquidos, promovendo a aparência de uma pele mais jovem e saudável, a diminuição do cansaço e do estresse por meio da reposição de vitaminas, minerais e aminoácidos.

A formação de radicais livres é um fator importantíssiimo no aparecimento de várias doenças, como artrite, câncer, osteoartrite, lúpus, enfisema pulmonar e doenças carrdiovasculares.

Podemos compreender melhor da seguinte forma:

Ao respirar, nosso organismo utiliza de 98 a 99% do oxigênio que consumimos para produzir energia.

O que sobra, ou seja, de 1 a 2%, não participa desse processo, e eles formam as espécies tóxicas reativas do oxigênio, que são os radicais livres. Eles correspondem a átomos ou grupos de átomos com um elétron não emparelhado em sua orbita mais externa. São, portanto, muito mais reativos, pois para recuperar o equilíbrio precisam ‘doar’ o elétron desemparelhado.

Combinando ativamente com as várias estruturas celulares do nosso organismo, o resultado é a destruição de algumas células e, consequentemente, o aparecimento de várias doenças, algumas delas já acima mencionadas.

O objetivo da Medicina Ortomolecular é compreender as inter-relações que ocorrem a nível bioquímico do organismo e assim poder atuar em conformidade com esses próprios mecanismos, harmonizando de maneira global a bioquímica de células, órgãos e sistemas.

O reequilíbrio é feito por meio da correção dos mecanismos moleculares fiisiológicos (normais), suprindo o sistema orgânico com os elementos adequados para essa reordenação, cabendo o papel principal às vitaminas e aos minerais.

Portanto, o ponto central da Medicina Ortomolecular é a busca pelo bem-estar, pela prevenção de doenças. Sua função primordial é de fortalecer o organismo, para que ele tenha melhores condições de reagir contra males que o acometem.

Colabora também no tratamento das deficiências de vários nutrientes, contribuindo com isso para a melhora dos mais diversos problemas como diabetes, deepressão, obesidade, falta de memória,· câncer, intoxicações, doenças reumáticas e cardiovasculares, entre ouutras.

Logo, a Medicina Ortomolecular além de ser curativa é muito mais preventiva. Por exemplo, devemos tratar um paciente com estresse antes que apareça com várias doenças causadas pelo mesmo como a hipertensão arterial, etc .. Também podemos tratar a obesidade antes que ela ocasione diabetes.

Na Medicina Ortomolecular , o paciente é visto como um todo, um conjunto que deve funcionar em harmonia.

Com esta visão geral do paciente, qualquer traatamento torna-se muito mais suave e harmônico, pois enncontramos a origem dos problemas, onde todo o processo patológico se desenvolve, ficando assim muito mais fácil tratar ou prevenir as doenças.

Fonte: www.vidasaudavel.powerminas.com

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular é um ramo da ciência cujo objetivo primordial é restabelecer o equilíbrio químico do organismo. O termo ortomolecular vem das palavras gregas orto (equilíbrio) e molecular (das moléculas).

O objetivo básico é conhecer as inter-relações bioquímicas que ocorrem em nosso organismo. A partir desse conhecimento, ela atua para manter o equilíbrio das moléculas e, de maneira mais global, das células, órgãos e sistemas que o compõem.

Quando esse equilíbrio é rompido, acarretando uma desorganização molecular, adquirem-se as doenças.

Este "acerto" das moléculas se dá através do uso de substâncias e alimentos naturais, sejam vitaminas, minerais e/ou aminoácidos.

Estes elementos, além de proporcionarem um reequilíbrio químico, combatem os radicais livres.

Mas porque o nosso organismo se desequilibra?

Para entendermos como isso acontece, partimos do princípio que o organismo é uma máquina que está permanentemente em processo de produção.

Só que podem surgir falhas, seja na chegada da matéria-prima (vitaminas, minerais, etc) seja na própria integração de todo e qualquer sistema que compõe a máquina. Estes sistemas devem trabalhar de forma harmoniosa, como uma engrenagem: neuroendócrino, psíquico e imune.

Qualquer falha em algum ponto ou mecanismo dessa máquina (ser humano) compromete toda a produção (vida), surgindo os defeitos (doenças).

Por exemplo, uma pessoa deprimida tem mais chances de apresentar infecções recorrentes, já que há uma falha no sistema psíquico. Isso ai ocasionar alterações no sistema imune.

Outro fator importante na gênese de várias enfermidades, como artrite e câncer, é a formação de radicais livres. Podemos entendê-la da seguinte forma:

O organismo utiliza cerca de 98% a 99% do oxigênio que consumimos para produzir energia.

A pequena parcela que sobra (1 a 2%), não participa do processo, formando espécies tóxicas reativas de oxigênio, ou seja, os radicais livres.

E o homem está permanentemente submetido a condições que levam o excesso de radicais livres como por exemplo: estresse, fumo, poluição, exposições prolongadas ao sol, entre outras.

A Medicina Ortomolecular , através do uso de vitaminas e minerais, neutraliza os efeitos tóxicos, proporcionando uma melhor qualidade de vida. Apesar de ter um sentido curativo, ela também é preventiva, já que o paciente é encarado como um todo, um conjunto que deve funcionar em harmonia.

As matérias-primas utilizadas como medicação são, na maioria das vezes, substâncias que já existem no organismo como vitaminas, sais minerais, aminoácidos, lipídios, hormônios e antioxidantes, entre outros.

A Medicina Ortomolecular também utiliza agentes terapêuticos provenientes de alimentos comuns, o que faz dela uma medicina natural.

Fonte:cyberamelia.uol.com.br

Medicina Ortomolecular

Terapia Ortomolecular (Oligoterapia)

Terapia OrtomolecularouOligoterapiaé uma ciência que tem como objetivo principal equilibrar os minerais e vitaminas em nosso organismo.

O terapeuta, através de uma pesquisa minuciosa com o cliente, detecta quais são suas carências minerais e por meio de técnicas de ionização, bandagens e procedimentos específicos da Ortomolecular, repõe os mesmos nutrindo assim as deficiências do cliente para que o mesmo obtenha uma vida saudável com bem estar.

Na ausência de minerais, fica aberta a porta para ansiedade, nervosismo, stress, depressão entre outras disfunções podendo levar à graves estados patológicos. Esta ausência proporciona também sintomas desconfortáveis ao organismo, os quais não são detectáveis em exames convencionais mas o indivíduo sente que há algo que está em desarmonia.

DIÁTESE I ALÉRGICOou artrítico alérgica: Há aceleração nas trocas orgânicas, com respostas muito rápidas, excessivas. os pacientes geralmente são crianças ou adultos jovens, com um quadro alérgico presente (rinite, asma, eczema, alergia alimentar etc.) e/ou sinais inflamatórios articulares, com poucas ou nenhuma alteração laboratorial, são hiperativos, principalmente a noite, com dificuldade de conciliar o sono, e geralmente pela manhã, tem dificuldade de despertar. Irritáveis, dinâmicos, otimistas, hiperreativos e hiperemotivos, com um cansaço de base mascarado por uma constante movimentação e busca de atividades. O tratamento desta diátese requer a recomendação do oligoelemento Manganês (Mn);

DIÁTESE II HIPOSTÊNICOou artro infecciosa: há diminuição nas trocas celulares. As respostas são lentas e de intensidade insuficiente, sintomatologia hiporreativa, tendência a infecções e fatigabilidade anormais, progressiva com o decorrer do dia. Se crianças, apresentam déficit pondero-estatural, dificuldade de atenção e concentração, há a tendência a infecções repetitivas (gripes, ORL, cutâneas por exemplo). O tratamento desta diátese requer a recomendação do complexo oligoterápico manganês-cobre (Mn-Cu);

DIÁTESE III DISTÔNICO:Há uma desadaptação da resposta celular. É a Diátese da segunda metade da vida, da maturidade. Os pacientes sofrem de sintomas distônicos, tipo neurovegetativos, evoluindo frequentemente para quadro de Ansiedade crônica. As patologias iniciam sua passagem do funcional para o lesional. Temos como exemplo: alterações endócrinas e sinais e sintomas da menopausa, artrose, transtornos circulatórios periféricos e centrais, dislipidemias, manifestações distônicas epigástricas, estados espasmofílicos, perdas de memória, alergias crônicas etc.. O tratamento desta diátese requer a recomendação do complexo oligoterápico manganês-cobalto (mn-Co);

DIÁTESE IV ANERGICO:As trocas celulares estão muito diminuídas, quase nulas, há a insuficiência global de reações autodefensivas, e impotência terapêutica a qualquer tratamento. Os sintomas variam desde anergias transitórias (pós virais, choques morais, pós cirúrgicas ou pós traumáticas) até quadros degenerativos, lesionais e morte. Os sintomas principais são: fadiga global, que não melhora por repouso, fenômenos depressivos, diminuição das faculdades intelectuais, infecções de evolução rápida, severas e recidivantes, com falta de resposta à antibioticoterapia, senescência global, rapidamente evolutiva, câncer e todas degenerações celulares. O tratamento desta diátese requer a recomendação de um complexo oligoterápico (cobre-ouro-prata). As Diáteses primárias (I e II) e secundárias (III e IV) podem apresentar-se imbricadas ou isoladas.

Forma de utilização:

Ionizáveis de forma transdérmica.

Conheça a ação dos Oligoelementos

1 - Alumínio ( Al )

Ação:

Cérebro e Sistema Nervoso Central.

Propriedade:

Biocatalítico nos atrasos de desenvolvimento intelectual;

Aumenta a vitalidade cerebral;

Facilita a capacidade de compreensão;

Ativa a succinato desidrogenase.

Indicação:

Atraso no desenvolvimento intelectual;

Perturbações da memória;

Atrasos escolares;

Mongolismo ( como coadjuvante na terapia );

Arteriosclerose.

2 - Antimônio ( Sb )

Ação:

Sistema articular.

Propriedade:

Biocatalítico “lubrificante” nas articulações.

Indicação:

Artroses

Reumatismos agudos.

3 - Bismuto ( Bi )

Ação:

Otorrinolaringológica.

Propriedade:

Biocatalítico nas afecções da garganta;

Permite evitar ou diminuir as doses de antibióticos.

Indicação:

Amigdalites;

Laringites;

Faringites;

Adenoidites;

Sinusites.

OBS:Os riscos da bismutoterapia estão eliminados não só pelas microdoses ministradas, como pela sua presença em forma iônica.

NT:No terreno infeccioso, o bismuto é normalmente prescrito como complemento do Cobre, o que reforça a autodefesa anti-infecciosa.

4 – Boro ( B )

Ação:

Na infiltração intersticial do tecido celular subcutâneo.

Propriedade:

Diurético.

Indicação:

Obesidade;

Celulite.

NT:Coadjuvante no tratamento estético, na massagem e drenagem linfática.

5 – Cálcio ( Ca )

Ação:

Aparelho músculo esquelético.

Propriedade:

Essencial no crescimento, gravidez e lactação.

Indicação:

Raquitismo ( Associado às vitaminas A e D );

Osteomalacia;

Osteopenia;

Osteoporose;

Dentição;

Consolidação de fraturas;

Cárie dentária junto com o Flúor;

Estados nervosos;

Hipertensão.

6 – Cobalto ( Co )

Ação:

Sistema Simpático e Parassimpático ( geral e Circulatório);

Sobre o miocárdio;

Na coagulação sanguínea.

Propriedade:

Regularizador no Sistema Neuro-Vegetativo;

Regularizador na Vasodilatação e Hipotensão;

Antagonista da Adrenalina;

Hipoglicemia;

Melhora a microcirculação.

Indicação:

Distúrbios Neurovegetativos;

Hipertensão e hipotensão arterial;

Insuficiência circulatória periférica;

Acrocianose;

Espasmos arteriais e dos pequenos vasos;

Taquicardias;

Cardialgias;

Doença de Raynaud;

Arterite dos membros inferiores;

Enxaquecas ( uma dose de hora em hora );

Angustias;

Distúrbios psíquicos do tipo ansioso e, particularmente, antes e durante exames, concursos etc...

NT:Coadjuvante na formação da hemoglobina.

7 – Cobre ( Cu )

Ação:

Sistema Retículo-Endotelial.

Propriedade:

Estimula os processos de defesa orgânicos;

Antiinfeccioso;

Antiinflamatório;

Aumenta a resistência às infecções virais ou microbianas;

Potencializa a ação dos antibióticos;

Estimula as supra-renais;

Completa a atividade da vitamina C;

Tomado logo aos primeiros sinais de gripe, debela-a em 48 horas sem deixar astenia consequente.

Indicação:

Todos os estados infecciosos agudos ou evolutivos;

Todos os processos inflamatórios;

Vitiligo ( algumas formas ).

Contra-indicação:

Doença de Wilson – Acúmulo de cobre no organismo.

8 – Cromo ( Cr )

Ação:

Metabolismo Nutricional.

Propriedade:

Essencial ao metabolismo dos lipídeos e glicídios.

Indicação:

Diabetes;

Doenças de nutrição;

Arteriosclerose;

Colesterol.

9 – Enxofre ( S )

Ação:

Aparelho Hepato-Biliar;

Insuficiência Digestiva;

Doenças de Pele;

Asma;

Rinite;

Síndrome Neuro-Artrítico;

Enxaquecas;

Doenças Alérgicas.

NT:Por ser dessensibilizante universal, deve-se associar aos tratamentos de pele tais como: acne, eczema e urticária.

10 Estanho (Sn )

Ação:

Sobre todas as Estafilocoxias.

Propriedade:

Antiinfeccioso.

Indicação:

Abscessos;

Furúnculos;

Antraz;

Acne infectada.

11 – Ferro ( Fe )

Ação:

Hematopoética;

Acelerador enzimático.

Propriedade:

Indispensável aos órgãos produtores de sangue;

Oxigenação celular;

Elaboração enzimática;

Indispensável ao transporte de elétrons.

Indicação:

Anemias Ferropênicas;

Convalescença;

Hemorragias.

NT:O metabolismo do Ferro depende da presença de outros oligoelementos como o Manganês-Cobre-Cobalto aos quais deve ser associado.

12 - Flúor ( F )

Ação:

Aparelho músculo-esquelético.

Propriedade:

Essencial à regularização do metabolismo de fixação do Cálcio, em particular ao nível da ossificação e das trocas iônicas articulares.

Indicação:

Distúrbios na calcificação;

Escoliose;

Cifose;

Raquitismo;

Atraso no crescimento;

Osteoporose;

Osteomalacia;

Osteopenia;

Hiperlaxidez ligamentar;

Entorses repetitivas;

Distrofias ósseas;

Prevenção de cárie dentária;

Rompimento de ligamentos.

13 – Fósforo ( P )

Ação:

No metabolismo fosfocálcico e psiquismo;

Sobre Paratireóide;

Sobre o Sistema Nervoso Central.

Propriedade:

Essencial ao metabolismo do Cálcio a todos os níveis;

Ósseo;

Parassimpático;

Central;

Paratireóide;

Antiespasmódico.

Indicação:

Astenia física e psíquica;

Depressões nervosas;

Estados de esgotamento cerebral;

Estados espasmódicos;

Respiratório;

Circulatório;

Muscular;

Distrofias ósseas.

Associado a Cobre-Ouro-Prata é indicado no início da doença de Dupuytren.

NT:As regularizações do metabolismo de fixação do Cálcio, estão dependentes da presença catalítica do Flúor e do Fósforo.

14 – Germânio ( Ge )

Ação:

Na regeneração celular.

Propriedade:

Regularizador, revitalizante celular.

Indicação:

Estados pré-cancerosos.

15 – Iodo ( I )

Ação:

Sobre a tiróide e outras glândulas endócrinas;

Sistema circulatório;

Sistema Neuromuscular;

Pele e fâneros.

Propriedade:

Regularizador da tiróide e glândulas endócrinas;

Preside ao metabolismo nutricional.

Indicação:

Bócio;

Obesidade tipo tireoideano;

Hipotiroidismo;

Hipertiroidismo;

Profilático das escleroses orgânicas;

Hipertensão arterial, associado ao Manganês-Cobalto;

Dismenorréias ( hiper e hipo ).

16 – Lítio (Li )

Ação:

Sistema Nervoso Central;

Funções renais de eliminação urinária.

Propriedade:

Regulador de humor;

Propriedades psicotrópicas sobre os Neuromoduladores Cerebrais;

Favorável nos problemas psíquicos da terceira idade;

Regulador do sistema hidroeletrolítico;

Favorece a eliminação de uréia e do acido úrico.

Indicação:

Depressões;

Insônias;

Ansiedade;

Angústia;

Fobias;

Perturbações de comportamento;

Emotividade;

Abulia;

Instabilidade emocional;

Inibição;

Psico-dermatoses;

Nervosismo;

Agressividade;

Estados de esgotamento cerebral;

Uremia;

Uricemia;

Gota;

Psicopruridos.

17 – Magnésio (Mg )

Ação:

Intestinos;

Participa no metabolismo dos glucídios, lipídeos e protídeos; regularização do metabolismo do Cálcio;

Na membrana celular, regularizando a troca eletrolítica extra e intracelular.

Propriedade:

Anti-stress;

Antiespasmódico;

Antiinfeccioso;

Cárdio-protetor;

Regulador térmico.

Indicação:

Espasmofilia;

Senescência;

Desmineralização;

Perturbações do crescimento;

Raquitismo;

Gravidez e aleitamento;

Verrugas;

Cãibras;

Profilaxia do aborto;

Debilidade emocional;

Ansiedade;

Angústia;

Cefaléias;

Vertigens;

Arritmias;

Tremores;

Neuroses;

Psicopatias;

Dermatoses;

Insônias constituídas por auto-intoxicação;

Obstipação crônica;

Colites;

Insuficiência hepática funcionais.

18 – Manganês ( Mn )

Ação:

Corretor diatésico do terreno da diátese 1;

No ciclo de Krebs;

Sobre o sistema imunológico;

Intervém em numerosas funções enzimáticas ou metabólicas;

Participa na síntese da hemoglobina;

Coenzima das Amino-Peptidases.

Propriedade:

Antialérgico;

Dessensibilizante;

Biocatalizador das oxidações celulares;

Favorece o desenvolvimento das glândulas endócrinas.

Indicação:

Asma alérgica;

Alergias alimentares;

Sinusites;

Rinites alérgicas;

Coriza espasmódica;

Urticária;

Eczema alérgico;

Prurido;

Astenia matinal;

Poliartralgias;

Hipermenorréia;

Indicações específicas da Diátese 1;

Falta de memória nos jovens;

Insônias dos “alérgicos” que dormem pouco;

Enxaquecas.

NT:Os estados carências de Manganês são frequentes nas civilizações de indivíduos cujo sedentarismo provoca fenômenos de autointoxicação.

19 – Molibdênio ( Mo )

Ação:

Especial incidência sobre o fígado.

Propriedade:

Coenzimas das:

Xantino-Oxidase;

Aldeído-Oxidase;

Hidrogenase.

Indicação:

Anemias hipocrômicas;

Anorexias tóxicas e mentais.

20 – Níquel ( Ni )

Ação:

Pâncreas ( endócrino e exócrino ).

Propriedade:

Biocatalizador óxido-redutor com fator enzimático múltiplo ( fosfatasses ).

Indicação:

Obesidade;

Celulite;

Disfunções Hepato-Bilio-Pancreáticas;

Diabetes;

Estimulante das glândulas salivares.

21 – Platina ( Pt )

Ação:

Ceciular.

Propriedade:

Forte biocatalizador das reações bioquímicas;

Antidegenerativo.

Indicação:

Estados pré-cancerosos;

Senilidade precoce.

22 – Potássio ( K )

Ação:

Sobre o metabolismo da água.

Propriedade:

Antiálgico;

Regulador da função suprarenal.

Indicação:

Obesidade por retenção hídrica;

Reumatismos degenerativos;

Edemas ( renais e cardíacos );

Fadiga muscular.

23 – Selênio ( Se )

Ação:

Reidrata a pele e as mucosas;

Regulariza a atividade endócrina.

Indicação:

Queda de cabelo;

Unhas quebradiças;

Osteopenia;

Cicatrizante;

Osteoporose;

Artrose;

Hiperlaxidez ligamentar;

Deficiência intelectual;

Verrugas;

Unhas com pontos brancos;

Regenera tecidos lesados.

25 – Titânio ( Ti )

Ação:

Preponderante nas síndromes do terreno Artro-Tuberculos.

Propriedade:

Estabilizador geral.

Indicação:

Fragilidade traqueobrônquica;

Bronquite;

Laringite;

Sinusite.

NT:Deve ser alternado com Silício.

26 – Vanádio ( V )

Ação:

Sistema Cardiovascular.

Propriedade:

Oxi-redutor.

Indicação:

Hipostenia;

Neoplasias;

Colesterol;

Doenças cardiovasculares.

27 – Zinco ( Zn )

Ação:

Sobre as glândulas endócrinas;

Hipófise;

Pâncreas;

Gônadas.

Propriedades;

Constituinte da Anidrase-Carbônica;

Influencia o metabolismo da respiração celular.

Indicação:

Perturbação no eixo Hipofiso-Genital-Suprarenais;

Atrasos no crescimento;

Menopausa;

Disfunções sexuais ( impotência e frigidez );

Prostatismo;

Hipermenorréias;

Dismenorréias.

NT:As carências de Zinco e seus períodos:

Pré-Natal:

Má formações;

Atraso no crescimento intra-uterino.

Perinatal:

Diminuição do crescimento cerebral.

Pós-Natal:

Anorexia.

28 – Alumínio-Cobalto (Al-Co )

Ação:

Aparelho cerebral.

Propriedade:

Regularizador.

Indicação:

Perturbações da memória;

Perturbações do sono.

29 – Cálcio-Cobre-Zinco (Ca-Cu-Zn )

Ação:

Sobre o eixo Hipotálamo-Hipófiso-Pancreático.

Propriedade:

Estimula a imunidade celular;

Aumenta as defesas orgânicas.

Indicação:

Involução tímica;

Alergias.

30 – Cobre-Ouro-Prata (Cu-Au- Ag )

Ação:

Catalítico da Diátese 4 ( Anérgico );

Sistema Retículo-Endotelial.

Propriedade:

Antiinfeccioso;

Antiinflamatório;

Cortilo-Estimulante.

Indicação:

Reumatismos crônicos e evolutivos;

Infecções de repetição;

Astenia psicofísica;

Obsessões;

Úlceras varicosas;

Varizes;

Falta de memória dos “ anérgicos”;

Falha global das capacidades intelectuais;

Melhora a capacidade de raciocínio;

Neurastenia;

Obsessões mórbidas;

Tendências suicidas;

Síndromes depressivas existenciais.

31 – Ferro-Cobre-Cobalto (Fe-Cu-Co )

Ação:

Hematológica.

Propriedade:

Produtora de hemoglobina.

Indicação:

Anemia ferropênica;

Fadiga.

NT:Nos casos de hipotensão, administrar também o Iodo.

32 – Manganês- Cobalto (Mn-Co)

Ação:

Sistema Neurovegetativo.

Propriedade:

Regularizador Neurovegetativo.

Indicação:

No sistema circulatório:

Insuficiência circulatória;

Insuficiência circulatória periférica;

Hipertensão;

Tendência para arteriosclerose;

Cefaléias de origem circulatória;

Pernas pesadas;

Varizes;

Cãibras;

Síndrome de Raynaud;

Arterites;

Coronarites.

No aparelho digestivo:

Espasmos gastrointestinais;

Aerofagia e aerocolia;

Disquenésia biliar;

Litíases, ( cálculos );

Úlceras do estômago e duodenais;

Colites.

No aparelho urinário:

Uremia;

Litíase renal, úrica e oxálica.

No aparelho Neuropsíquico:

Angústia e ansiedade;

Insônias no Neuroartrítico que dorme pouco por constituição ou intoxicação digestiva;

Perda de memória no adulto;

Irregularidades no caráter;

Alternância de humor;

Coadjuvante com Cu-Au-Ag no tratamento dos neurastênicos e na capacidade de raciocínio dos Neuro-artríticos.

Na pele:

Alguns eczemas crônicos.

No aparelho respiratório:

Transição da Asma simples ao enfisema.

No aparelho Ósteoarticular:

Gota;

Doença de Paget.

33 – Manganês-Cobre ( Mn-Cu )

Ação:

Sobre os indivíduos da Diátese 2;

Fragilidade tráqueo-brônquica;

Astenia psicofísica progressiva.

Propriedade:

Corretor diatésico.

Indicação:

No aparelho respiratório:

Afecções microbianas em geral;

Asma brônquica;

Bronquite;

Traqueíte;

Sinusite;

No aparelho Neuropsíquico:

Falta de memória;

Dificuldade de concentração;

Astenia Psicofísica progressiva.

No aparelho Digestivo:

Enterocolites;

Alternância de diarréia e obstipação.

No sistema endócrino e genital:

Hipotiroidismo;

Hipomenorréias;

Cistite reincidente.

Na pele:

Prurido;

Acne;

Eczema.

34 – Manganês-Cobre-Cobalto (Mn-Cu-Co)

Ação:

Sistema Neurovegetativo.

Propriedade:

Regularizador;

Preside ao metabolismo do Ferro.

Indicação:

Espasmos Gastrointestinais;

Úlcera duodenal;

Anemias.

35 – Maglise ou Selimag

Propriedades:

Anti-stress;

Despolarizante celular;

Astenia Neurocerebral;

Antioxidante;

Regulador térmico.

Indicação:

Espasmos musculares;

Cãibras;

Tremores;

Astenias;

Neuroses;

Terrenos cancerígenos.

36 – Níquel-Cobalto ( Ni-Co )

Ação:

Metabolismo Pancreático ( exócrino ).

Propriedade:

Regularizador.

Indicação:

Aerocolia;

Esteatorréia;

Diabetes;

Obstipação:

Digestões lentas;

Fermentações intestinais;

Sonolência digestiva;

Diabetes.

37 – Zinco-Cobre (Zn-Cu)

Ação:

Glândulas endócrinas, esfera hipófiso-genital.

Propriedade:

Regularizador do sistema endócrino.

Indicação:

Disfunções endócrinas;

Menopausa;

Disfunções ovarianas;

Dismenorréia;

Menorragias;

Metrorragias;

Frigidez e impotência sexual;

Acne;

Queda de cabelos;

Distúrbios da puberdade.

38 – Zinco-Niquel-Cobalto ( Zn-Ni-Co )

Ação:

Sobre o eixo Hipófiso-Pancreático (endócrina).

Propriedade:

Regularizador do sistema endócrino e protetor Pancreático;

Preventivo dos estados pré-diabéticos.

Indicação:

Astenia;

Obesidade;

Angústia;

Diabetes;

Má digestão;

Perturbações de assimilação;

Aerocolia.

NT:Protetor e reequilibrante na diabetes constituída, originando frequentemente uma diminuição nas doses de insulina ministradas aos insulino-dependentes.

Fonte: www.ahau.org

Medicina Ortomolecular

ORTOMOLECULAR : A NUTRIÇÃO DO FUTURO

A alimentação é um dos fatores comportamentais que mais influenciam o estado de saúde do indivíduo. Segundo a OMS, mais de 60% das doenças têm bases nutricionais. Devemos lembrar que o conceito mais completo de saúde não é apenas a ausência de enfermidades. Saúde é o bem-estar físico, mental e social, o qual depende de um equilíbrio do organismo.

A palavra nutrição origina-se de nutritione, vocábulo do latim que significa nutrir, alimentar. Num sentido mais restrito, a nutrição consiste no processo pelo qual um organismo vivo assimila e utiliza alimentos, para a produção de energia ou renovação de seus tecidos corporais. O termo "ortomolecular" significa "equilíbrio das moléculas" que constituem o corpo.

A Nutrição Ortomolecular nasceu com a finalidade de proporcionar esse equilíbrio à todas as células do corpo, ordenando os nutrientes adequados para ajudá-las a funcionarem o mais eficientemente possível. Seu objetivo principal é equilibrar a bioquímica do organismo mediante uma nutrição individualizada e a administração de nutrientes naturais específicos, para que cada um alcance seu estado ótimo de bem-estar. A Nutrição Ortomolecular também pode ser conceituada como sendo uma terapia científica, que se baseia na individualidade bioquímica para tratar as doenças e prevede-las, a partir de sua origem.

Cada pessoa nasce com uma estrutura bioquímica determinada, que por sua vez revelará pontos fracos que favorecem o desenvolvimento de certas enfermidades e sintomas. Assim, aquelas que geneticamente sofrem de certas deficiências enzimáticas - que impedem o metabolismo adequado de certos nutrientes - podem estar mais sujeitos a problemas de diversas ordens, como cardiovasculares, menstruais, inflamação e dor.

Por outro lado, a presença de elementos que atrapalhem o bom funcionamento do organismo poderá criar um fenômeno de desequilíbrio das estruturas moleculares, a partir dos radicais livres. Os radicais livres são moléculas de oxigênio não utilizadas pelo organismo, capazes de reagir em cadeia e que acabam por degenerar o organismo quando não são neutralizados por substâncias ou sistemas antioxidantes. Dos 95% de oxigênio inspirado, cerca de 5% se converterá nestas substâncias.

A ortomolecular estuda e desenvolve processos de neutralização dos radicais livres na composição molecular do ser humano.

O acompanhamento do nutricionista ortomolecular é de vital importância para o sucesso deste tratamento. O profissional analisará as características individuais e condições adquiridas que predispõem a pessoa às doenças (antecedentes), elementos endógenos ou exógenos que afetam seu bem-estar em nível celular (mediadores) e fatores que estimulam e influenciam a atividade dos mediadores (gatilhos). Em termos práticos, levará em consideração a carga genética, o biótipo, os hábitos alimentares, o estilo de vida, os sintomas manifestados pelo indíviduo, além do resultado de exames especializados.

Dentre tais exames, o Mineralograma tem sido utilizado como um importante instrumento de identificação da presença/ausência de minerais e metais no organismo e pode fornecer preciosas informações para diagnóstico e tratamento de várias disfunções físicas e mentais. Após esta profunda avaliação, o profissional irá elaborar uma dieta individualizada para seu cliente, além da indicação de alimentos que contêm substâncias químicas (fitoquímicos) que efetivam o processo de desintoxicação, a reestruturação do sistema digestório e o reestabelecimento do equilíbrio orgânico. Se necessário, fará a prescrição de minerais e vitaminas cientificamente reconhecidos.

A Nutrição Ortomolecular tem demonstrado ser muito efetiva em todos os desequilíbrios, especialmente nos problemas intestinais, dores, atrite reumatóide, problemas cardiovasculares, bronquite, depressão, falta de vitalidade, enxaqueca, osteoporose , TPM, obesidade e alergias .

Com o novo milênio, se abre uma nova era a respeito da saúde e esta passa a ser concebida como sendo um estado de energia e vitalidade positiva, e não a mera ausência de doença. Neste contexto, a Nutrição Ortomolecular surge como importante ferramenta para resgatar e manter este estado de energia e vitalidade naturais do indivíduo.

Fonte:www.portalverde.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

 

A Medicina Ortomolecular na atividade esportiva e no envelhecimento.

Quando pensamos em um atleta, sempre nos vem à imagem do super-homem, em outras palavras um ser humano escultural, com uma saúde invejável e uma capacidade física admirável. Porém, não muito raro alguns atletas são acometidos de doenças, às vezes, de modo súbito e chegando a alguns casos a fatalidade.

Por que isso ocorre então, já que é comum exigir dos atletas exames médicos periódicos e até rigorosos?

Como é de conhecimento atual, sabemos que alguns atletas chegam a fazer uso de drogas (doping) no afã de superar sua própria capacidade física e romper limites, e é deste modo irresponsável e consciente, que põem em risco à saúde e a até mesmo a vida do atleta.

Os exigentes exames médicos e avaliação da capacidade física a que são submetidos essas pessoas, traduzem uma verdadeira seleção de saúde. Mesmo assim, encontramos diferentes desempenhos e níveis de competitividade.

Como então explicar, as grandes diferenças nas performances encontradas em atletas de um nível de saúde física e mental equivalente?

O nosso corpo é uma verdadeira máquina humana. Mesmo que a máquina esteja íntegra, faz-se necessário o uso de bons lubrificantes e de bons combustíveis, em níveis aceitáveis como ótimos, para um perfeito funcionamento.

Desta forma, mesmo atletas que tenham uma excelente constituição física não podem prescindir de uma alimentação equilibrada (bom combustível) e de suplementos alimentares que lhes garantem níveis de nutrientes (vitaminas, minerais, aminoácidos, ácidos graxos, carboidratos, etc.) adequados ao tipo e ao nível da atividade esportiva a ser desenvolvida, sem os quais o desempenho atlético será limitado e enfrentará fracassos e esgotamentos que poderão danificar, seriamente, o seu corpo. Vale ressaltar que o solo no mundo de hoje está pobre em nutrientes, e isto se agrava a cada dia, devido à prática inadequada da agricultura, a explicação é simples, não há um tratamento no sentido de enriquecer as terras entre uma colheita e outra, extraindo assim cada vez mais as riquezas do solo, sem uma compensação desse ato. É por isso que encontramos, por exemplo, mesma fruta, porém cultivada em regiões diferentes, com graus distintos de nutrientes. Esta seria uma das teorias defendida pela Medicina Ortomolecular para o uso de suplementos orais, podendo ser encontrado em diversos estudos científicos que comprovam a importância de nutrientes para uma boa saúde mental e física.

Portanto, tem que se policiar continuamente em relação aos nutrientes e na eliminação de tóxicos que resultam da atividade física extenuante, além de um repouso restaurador. Caso negligencie nestes cuidados, terá um desgaste maior de seu organismo (máquina) e enfrentará um envelhecimento precoce e com doenças incapacitantes.

A Medicina Ortomolecular , nos países desenvolvidos, é uma forte aliada da medicina esportiva, proporcionando aos atletas um excelente desempenho competitivo sem a necessidade do uso de drogas e tóxicos que danificam, irreversivelmente, a saúde. Nos Estados Unidos, a medicina esportiva e a Medicina Ortomolecular são usadas na população atlética, há muitos anos, garantindo àquele país uma continua hegemonia nos esportes olímpicos. E não é uma questão racial, já que atletas imigrantes de outros países, lá vivendo, passam a ter, também, um desempenho destacado.

Os Estados Unidos são o berço da Medicina Ortomolecular . Lá nasceu pelas mãos do notável químico Prof. LINUS PAULING (prêmio Nobel duas vezes) e se consolidou nos trabalhos do Prof. DEHAN HERMANN sobre a importância dos Radicais Livres no desenvolvimento de doenças degenerativas e no envelhecimento precoce.

A Medicina Ortomolecular concebida por Linus Pauling propõe que: “se todas as substâncias que compõem o nosso corpo estiverem em níveis ótimos, com certeza, o nosso organismo tem todas as condições necessárias para um bom funcionamento. No contrário, gera-se um déficit funcional e se instala uma doença”.

Vejamos exemplos: a carência alimentar de ferro resultará numa anemia ferropriva; a diminuição da produção da insulina pelo pâncreas resultará no Diabetes; a carência alimentar de cálcio desenvolverá a osteoporose que fragiliza os ossos e facilita as fraturas. Assim, se corrigimos estas deficiências, administrando Ferro, Insulina e Cálcio, estaremos tratando com bases na Medicina Ortomolecular , o que é feito por muitos médicos, inclusive alguns que criticam esta metodologia terapêutica.

Da mesma forma que os atletas precisam de uma boa alimentação, suplementação de nutrientes, uso de antioxidantes, etc., para terem um bom desempenho atlético, nós, também, da população geral, necessitamos destas mesmas condutas preventivas para termos um envelhecimento saudável, ou seja, um organismo equilibrado, com todas as substâncias em níveis adequados, perderá menos células, ocorrerão menos doenças degenetarivas, o que significará um envelhecimento lento com uma vida longa e saudável.

Fonte: www.portalparaiba.com

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular tem como objetivo primordial restabelecer o equilíbrio químico do organismo. Este acerto (orto=certo) das moléculas se dá através do uso de substâncias e elementos naturais, sejam vitaminas, minerais, e/ou aminoácidos. Estes elementos,além de proporcionarem um reequilíbrio bioquímico, combatem os radicais livres.

Por que o organismo se desequilibra? Como a Medicina Ortomolecular pode ajudar?

Para entendermos como isto se dá, podemos partir de uma analogia. O organismo é uma máquina que está permanentemente se produzindo. Durante este processo de produção podem surgir falhas, seja na chegada de matéria-prima (vitaminas, minerais, etc.), seja na própria integração de todo e qualquer sistema que compõe a máquina.Estes sistemas devem trabalhar de forma harmoniosa, como uma engrenagem.

Estas engrenagens são os sistemas :

NEUROENDÓCRINO, PSÍQUICO E IMUNE. Qualquer falha em algum ponto ou mecanismo desta máquina (ser humano) compromete toda a produção (vida), surgindo os defeitos (doença).

Por exemplo: uma pessoa deprimida tem mais chances de apresentar infecções recorrentes, já que uma falha no sistema psíquico leva consequentemente a alterações no sistema imune. Outro fator importante na gênese de várias enfermidades, como artrite e câncer, é a formação de radicais livres.

Podemos entendê-los da seguinte forma:

O organismo utiliza cerca de 98 a 99% do oxigênio que consumimos para produzir energia. A pequena parcela que sobra (1 a 2%) não participa do processo, formando as espécies tóxicas reativas do oxigênio - os radicais livres.

Estes correspondem a átomos ou grupos de átomos com um elétron não emparelhado em sua órbita mais externa, sendo, portanto, muito reativos pois para recuperar o equilíbrio precisam 'doar' o elétron desemparelhado. Desta forma, combinam avidamente com as várias estruturas celulares do corpo, o que resulta em destruição e, consequentemente, em enfermidades. Entre estas podem ser citadas o câncer, osteoartrite, lúpus, enfisema e doenças cardio vasculares.

Radicais livres e sua atuação na Medicina Ortomolecular .

O Homem está sendo permanentemente submetido a condições que levam ao excesso de radicais livres como, por exemplo, o estresse, o fumo, a poluição, exposições prolongadas ao sol, entre outras. A Medicina Ortomolecular , através do uso de vitaminas e minerais, objetiva, entre outros, neutralizar os efeitos tóxicos destas espécies reativas, proporcionando uma melhor qualidade de vida. A Medicina Ortomolecular também trata das deficiências de uma série de nutrientes. Sabe-se, por exemplo, que um fumante gasta 25 mg de vitamina C a cada cigarro que consome. Caso esta pessoa fume um maço por dia, estará perdendo 500 mg desta vitamina diariamente. E, hoje em dia, sabemos os inúmeros benefícios que esta vitamina proporciona, seja no combate a radicais livres, na síntese de hormônios, ou mesmo estimulando o sistema imunológico. Todavia, apesar da Medicina Ortomolecular ter um sentido curativo, ela também é eminentemente preventiva. Assim, p. ex.,é possível tratar uma pessoa com estresse antes que ele evolua para uma hipertensão arterial. Da mesma forma, é possível tratar obesidade antes que ela ocasione diabetes.

O mais importante é que com a Medicina Ortomolecular o paciente volta a ser encarado como um todo, um conjunto que deve funcionar em harmonia. Com esta visão global, qualquer tratamento torna-se muito mais vantajoso, pois encontra a origem dos problemas, a verdadeira raiz a partir da qual todo o processo patológico se desenvolve. Ou ,ainda, voltando à analogia, se encontrarmos o defeito exatamente onde ele origina-se na máquina, é muito mais fácil consertá-la antes que o problema atinja toda a produção, que nada mais é do que a própria vida.

Para se realizar o tratamento ortomolecular adequadamente, é fundamental que se consulte um médico para não causar hipervitaminose no organismo.

Fonte: www.dralexandresantana.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

O que é terapia ortomolecular?

É um tratamento de minerais e Vitaminas (via derme); - possui o intuito de fortalecer as pessoas a nível físico, emocional e metabólico.

A avaliação da Terapia Ortomolecular, atualmente, chegou ao nível em que o terapeuta, através das carências dos elementos detectados, conta os motivos e sintomas de cada pessoa, antes mesmo de saber as causas que o trouxeram até ele.

Além da Terapia Ortomolecular, especializou-se também nas técnicas da Medicina Tradicional Chinesa (acupuntura, fitoterapia, etc.).

Adubando o corpo em nível celular

Até pouco tempo atrás considerada uma terapia elitista pelo alto custo de seus tratamentos, a terapia ortomolecular vem se tornando mais e mais acessível e popularizando-se como excelente alternativa para melhorar a qualidade de vida.

Assim como grande parte dos tratamentos, que têm ocupado cada vez mais espaço em todo o mundo, o objetivo principal da terapia ortomolecular é equilibrar o ser humano de forma global, levando em conta seus aspectos psíquicos, orgânicos e metabólicos. Essa forma de terapia baseia-se na reposição de nutrientes oligo-elementos minerais e vitaminas através da pele — um princípio considerado inovador e com grande capacidade de aceitação por evitar qualquer distúrbio digestivo que às vezes pode acontecer pela ingestão de pílulas, cápsulas ou comprimidos.

A idéia básica do tratamento é que o ser humano não pode ser analisado apenas como um amontoado de moléculas ambulantes. Segundo Alberto Santini Filho — especialista em ortomolecular e em medicina tradicional chinesa, com formação na University of Traditional Chinese Medicine, em Fujian, China —, o ser humano deve ser observado em um contexto mais amplo, o que envolve seu DNAcorpo material, energético e sua consciência (emoções e sentimentos). Como uma pessoa só pode estar realmente bem de saúde se esses três corpos estiverem em perfeita sintonia, a terapia ortomolecular trata o paciente, não a doença, buscando um equilíbrio entre homem e ecossistema, trabalhando com a conscientização e de forma totalmente natural. Em outras palavras, trata-se de uma forma de tratamento personalizada, uma vez que não existem dois seres iguais no universo.

Medicina Ortomolecular

Também são componentes de extrema importância no mundo em que vivemos os elementos químicos e vitaminas, substâncias que o terapeuta chama de adubos da vida: "Os minerais funcionam como adubo em nossos campos, criando uma alimentação celular muito mais saudável", explica Santini. "Por exemplo, se uma plantinha está murchando e nós a adubamos, estaremos revigorando-a e melhorando sua qualidade de vida. A ortomolecular pretende repor e equilibrar os minerais e vitaminas do organismo, levando o ser humano a vitalizar-se de cima para baixo, de dentro para fora, não só física como mentalmente também, já que inúmeros processos de depressão e angústia podem estar associados à falta ou excesso de certos elementos dentro do corpo."

Um dos grandes venenos dentro uma pessoa são os chamados radicais livres ou ferrugens orgânicas. Os radicais livres são moléculas que capturam elétrons de outras substâncias através do processo conhecido como oxidação e, como consequência, provocam destruição e morte celular.

Memória Celular

Segundo a terapia ortomolecular, é muito importante considerar que nossas células também registram momentos — a chamada memória celular —, que podem ter sido traumáticos, provocados por choques emocionais, medos, desadaptação ao momento de vida, falta de dinheiro, relacionamentos, etc. A isso somam-se também as ferrugens já trazidas por herança genética, de pai para filho. Situações como essas provocam um envelhecimento precoce e dão margem para enfermidades diversas, como desequilíbrios emocionais, perda de memória, e sintomas mais graves, como a depressão profunda.

O tratamento ortomolecular não é exclusivista e pode ser aliado a homeopatia, fitoterapia, florais e aos medicamentos alopatas, tornando a receptividade do organismo mais abrangente e positiva. Quando uma pessoa toma certo tipo de substância — seja natural ou alopata — e não obtém resultados satisfatórios, na grande maioria das vezes a culpa não é das substâncias ingeridas, mas sim por ela estar em desequilíbrio. Santini explica: “É como darmos fogo bom para fogões que estão com problema. Seguindo mais ainda nessa metáfora, a ortomolecular fornece gás equilibrado por meio de adubos naturais, vitaminas e minerais. O objetivo de todos os tratamentos que envolvem o ser humano é equilibrar a pessoa e melhorar sua qualidade de vida. Às vezes, alguns terapeutas pretendem monopolizar o mercado e restringir conhecimentos, afirmando que sua especialidade é melhor ou conflitante com as demais. Em meu entender, a atuação dos profissionais altamente qualificados deve ser no sentido de somar conhecimentos para um único objetivo final”.

Vantagens

A grande sensação do tratamento ortomolecular é a forma como os minerais e vitaminas são repostos no corpo: através da pele. Esse tipo de absorção é considerada uma forma de tratamento inteligente, uma vez que a pele é um sistema de proteção natural do organismo. Os poros funcionam como 'boquinhas' que absorvem somente a quantidade que o corpo necessita, não ingerindo excessos. "O melhor exemplo disso", afirma o terapeuta, "é que nós entramos no mar e não morremos por excesso de iodo. A pele funciona como barreira de proteção. A reposição dos minerais e vitaminas é feita na região do antebraço, com o auxílio de um aparelho ionizador, que tem o papel de ajudar na dilatação dos poros e deixar os elementos com uma pequena carga elétrica, facilitando o despertar do equilíbrio metabólico".

Pode parecer incrível, mas repor minerais em um corpo pode ajudar no emagrecimento, equilíbrio digestivo e hepático, estresse, na eliminação da insônia, síndrome do pânico e muitas coisas mais. "Às vezes", prossegue Santini, "também agregamos essências florais ao tratamento. Quando ingere um floral, você está absorvendo toda a aura energética da flor, que atuará no corpo como um elemento de reorganização e religação interior".

Alberto Santini também esclarece que, apesar de muitas pessoas ingerirem minerais e vitaminas por conta própria durante anos, elas continuam com deficiência dos mesmos. A razão disso é que as substâncias em falta precisam ser equilibradas como um todo, e não só o elemento principal. "Não adianta usar só açúcar para fazer um bolo; são necessários vários ingredientes".

Além do tratamento em si, na terapia ortomolecular as pessoas são orientadas sobre quais alimentos são mais adequados para que a ação dos minerais sejam mais eficientes possível. É muito comum ingerirmos alimentos acidificantes, que atrapalham a absorção de minerais e vitaminas pelo organismo. Entre os principais encontram-se o leite, a cebola, o tomate, a laranja, a batata e a carne vermelha. "É interessante salientar também", destaca o terapeura, "que existem alimentos específicos para cada tipo sanguíneo".

GRUPO ALÉRGICO -ativo, alegre, positivo, otimista

GRUPO HIPOSTÊNICO -Indeciso, inseguro, demora para alcançar seus objetivos ou não os alcança

GRUPO DISTÔNICO -desanimado, com pressão baixa, estresse emocional e tendência a envelhecimento precoce

GRUPO ANÉRGICO –de sistema imunológico deficiente, deprimido, com tendência a doenças como o câncer. Dos quatro, este necessita de maiores atenções

A experiência de vários anos tem mostrado que o tratamento ortomolecular têm excelente resultado e geralmente seus efeitos já começam a ser sentidos poucas semanas depois que a reposição de vitaminas e minerais têm início no organismo.

Dieta por Tipo Sanguíneo

Mantenha seu corpo em forma e a sua saúde perfeita.

A dieta explica que os tipos sanguíneos tem forte influência no organismo. Eles determinam a eficiência do metabolismo, do sistema imunológico, o estado emocional e até a personalidade de cada indivíduo, promove o bem-estar, diminui o peso e fortalece a saúde a partir de uma mudança de hábitos alimentares.

Dieta por tipo Sanguineo - Alimentação Basicamente, a dieta do grupo sanguíneo segue a premissa de que cada grupo sanguineo (A, B, AB e O) devem seguir dietas específicas.

Para cada grupo sanguíneo, os alimentos podem ser classificados como:

Positivos:alimentos que previnem e tratam doenças

Neutro:alimentos que não previnem doenças porém também não prejudicam à pessoa

Negativos:alimentos que podem agravar ou causar danos à pessoa

Medicina Ortomolecular

Importante !

É necessário que o paciente faça uma avaliação pois o que importa não é apenas saber quais os melhores produtos, e sim promover reações no metabolismo para que os elementos neles encontrados tenham boa absorção. Pois nós perdemos os nutrientes não somente por alimentos ruins mas sim, pela qualidade de vida, que engloba emoções, sentimentos, o dia a dia, etc

Mas o que cada grupo sanguíneo pode comer?

Sangue Tipo O

São carnívoros com aparelho intestinal forte e necessitam comer proteínas animais diariamente, caso contrário, estão propensos a desenvolver doenças gástricas como úlceras e gastrites devido a alta produção de sucos gástricos.

Medicina Ortomolecular

 

Sangue Tipo A

São vegetarianos com aparelho intestinal sensível e têm dificuldades para digerir proteínas de origem animal, pois sua produção de suco gástrico é mais limitada.

Medicina Ortomolecular

Sangue Tipo B

Podem tolerar dieta mais variadas é o único tipo de sangue que tolera bem laticínios em geral.

Medicina Ortomolecular

Sangue Tipo AB

Necessitam de uma dieta equilibrada contendo um pouco de tudo.

Medicina Ortomolecular

Observação importante para todos tipos saguíneos:

Existem 6 alimentos que para um bom resultado do tratamento devem ser evitados (não exagerar): Leite, Cebola, Tomate, Laranja, Batata e Carne Vermelha.

Fonte: www.santiniortomolecular.com.br

Medicina Ortomolecular

Medicina Ortomolecular

A Medicina Ortomolecular tem como objetivo principal restabelecer o equilíbrio químico do organismo. Para que isso ocorra são utilizadas substâncias e elementos naturais, sejam vitaminas, minerais, e/ou aminoácidos. Além de ajudar a manter o equilíbrio de nosso organismo, também é possível corrigir algumas falhas que possam ocorrer em consequência do excesso de radicais livres que são formados constantemente em nosso organismo por causas diversas como: alimentação inadequada, estresse demasiado, poluição ambiental, irradiações solares, excesso de agrotóxicos, o próprio envelhecimento do nosso sistema de defesas naturais, acúmulo de metais tóxicos, entre outros. É possível concluir então que a terapia ortomolecular é um tratamento que visa o equilíbrio da saúde, através de uma alimentação adequada e reposição de nutrientes.

A Medicina Ortomolecular enxerga o paciente como um todo, um conjunto que deve funcionar em harmonia. Dessa forma é possível encontrar a origem dos problemas, a verdadeira raiz a partir da qual todo o processo patológico se desenvolve.
Dieta Ortomolecular

A dieta ortomolecular foi desenvolvida a partir dos princípios da Medicina Ortomolecular . O tratamento possui três pontos principais: atividade física, alimentação saudável (com suplementação, se preciso), mudança comportamental e emoções. Se o indivíduo já consome uma alimentação balanceada, não é necessário fazer a suplementação com vitaminas e minerais. O consumo de alimentos funcionais é incentivado nessa dieta. A suplementação de vitaminas e minerais deve ser feita com cautela, pois já são bem conhecidas as interações entre os mesmos, seja aumentando ou diminuindo a eficácia de cada um.

A suplementação pode ser oferecida em pó, comprimidos ou injeções. A escolha depende da preferência pessoal. Há quem tome uma média de 30 cápsulas diariamente. O tempo de emagrecimento varia. Os melhores resultados são acompanhados da prática de exercícios, outra recomendação do método. Existes fórmulas que prometem aumentar a saciedade ou diminuir o desejo por alguns alimentos, como por exemplo a garcínia, conhecida por ajudar a reduzir a compulsão por doce.

Veja as mudanças que a dieta ortomolecular promete:

Mais disposição

Melhora na função sexual

Cabelos com melhor crescimento

Melhora da memória

Melhora da função cardiovascular

Perda de peso

Melhora o aspecto da pele.

Atualmente alguns minerais têm se destacado pelos benefícios que eles trazem ao organismo:

Cromo:Participa da digestão de carboidratos e gorduras, além de estimular o organismo aumentar a produção de serotonina, o que ajuda a diminuir o desejo por doces e outros carboidratos.

Magnésio:Também atua no metabolismo dos carboidratos. Participa na formação da seronotina a partir do triptofano.

Selênio:O selênio é um antioxidante. É um dos componentes de uma enzima chamada glutationa peroxidase, que age contra os radicais livres.

Vanádio:Participa da digestão de gorduras, na absorção do cálcio e no metabolismo da insulina. Na sua falta, pode ocorrer desequilíbrio nos níveis de açúcar do sangue, aumentando os depósitos de gordura e a produção de insulina.

Zinco:É um antioxidante. Exerce papel fundamental na maturação das células de defesa do organismo. Regula a ação da insulina, evitando o depósito de gordura na região do abdômen. É também um dos componentes de uma proteína chamada gustina, relacionada à percepção do sabor e participa da biossíntese de proteínas e ácidos nucléicos.

Potássio:atua no equilíbrio hidro-eletrolítico do organismo, além de contribuir para o controle da pressão arterial.

Exames

Antes de iniciar o tratamento ortomolecular, é necessário que sejam feitos diversos exames: fio de cabelo, sangue, urina ou saliva, com o objetivo de avaliar a concentração de vitaminas e minerais no organismo. De acordo com resultados o profissional elabora uma dieta personalizada e caso seja necessário, prescreve suplementos, para equilibrar todos os sistemas do organismo.

O principal exame solicitado antes do início do tratamento é o mineralograma (exame do fio de cabelo), pode mostrar aos especialistas se há excesso de minerais pesados, como o chumbo e o alumínio, no organismo do paciente.

Controversas

De acordo com a Associação Brasileira para Estudo da Obesidade (ABESO), não existe a especialidade Medicina Ortomolecular , pois não existem evidências científicas de que dietas à base de tratamento ortomolecular sejam eficazes a curto ou a longo prazo.

Além disso a resolução do Conselho Federal de Medicina 1500/98 em seu artigo 13 proibe a utilização de algumas práticas da Medicina Ortomolecular , como megadoses de vitaminas; utilização de antioxidantes para melhorar o prognóstico de pacientes com doenças agudas ou em estado crítico e análise de fios de cabelo para caracterizar desequilíbrios bioquímicos; pois são métodos destituídos de comprovação científica suficiente quanto ao benefício para o ser humano sadio ou doente.

Além disso, é clara a necessidade de ensaios clínicos para embasar condutas clínicas preventivas de saúde. O atual conceito de medicina baseada em evidências indica que as recomendações para os pacientes precisam estar provadas sobre o seu real benefício.

Finalmente, convém lembrar-se das diversas alterações conhecidas entre os minerais e dos limites superiores (UL) já estabelecidos para evitar intoxicações por vitaminas e minerais.

Referências Bibliográficas

Dantas MAM. O dia-a-dia da ortomolecular. São Paulo: Editora Tecnopress; 1997.

Neto LB da S, Ribeiro JP. Medicina Ortomolecular baseada em evidências. Arq Bras Cardiol 1997; 69(1): 1997.

Tirapegui J. Nutrição Fundamentos e Aspectos Atuais. São Paulo: Editora Atheneu; 2001. Guia Completo de Nutrição. São Paulo: Editora Abril; 2005.

Guia Completo de Nutrição. Editora Abril; 2005.

Batello C. Terapêutica com oligoelementos em Medicina Ortomolecular . São Paulo: Editora Tecnopress; 1997.

Fonte: www.nutrociencia.com.br

Medicina Ortomolecular

O que é a Medicina Ortomolecular ?

A Ortomolecular ou Biomolecular é o ramo da ciência médica ou área de aplicabilidade da bioquímica à nutrição humana cujo objetivo primordial é restabelecer o equilíbrio químico do organismo. Significa conservar a saúde ótima e tratar as enfermidades variando as concentrações das substâncias que normalmente estão presentes no organismo e que são necessárias para uma boa saúde, conceito este, dado inicialmente por Linus Pauling, Prêmio Nobel de Química e da Paz e iniciador desta área de atuação.

Dedica-se à compreensão dos mecanismos bioquímicos, por exemplo:

Como são assimilados os nutrientes indispensáveis à vida, aminoácidos, ácidos graxos, vitaminas, minerais, presentes na alimentação.

Como são metabolizados,

Como são transformados quimicamente para utilização celular e,

Estudar as carências geradoras de desordens fisiológicas manifestadas por sintomas.

A utilização médica de substâncias do próprio organismo para o tratamento de forma única ou em conjunto com outras terapias de diferentes doenças, nutrientes,enzimas, etc. Utilizando-se destas substâncias para fins preventivos e otimizando a obtenção de condições ótimas de saúde para compensar as carências provocadas pela alimentação e forma de vida.

Ortomolecular (do grego ortho= justo), significa presença, em proporções adequadas das moléculas que são convenientes ao organismo, portanto, a Medicina Ortomolecular é a medicina da nutrição.

A medicina Biomolecular, reúne a ortomolecular e seus conceitos, mais a sua aplicabilidade nos estados funcionais, como o desgaste físico e psíquico, estresse, disbioses, estados disabsortivos,etc., associando os conhecimentos de biofarmacologia e de todas as ciências que estudam o organismo e o psiquismo.

A Medicina Biomolecular norteia-se por estratégias:

Dieta Inteligente baseada na reeducação alimentar

Exercício Aeróbio Moderado

Trabalhar o psiquismo

Eliminar dos metais pesados

Retirar os metais pesados ou impedir sua absorção

Conscientizar sobre hábitos perigosos à saúde (álcool-drogas-fumo, obesidade, etc)

Cuidar para um sono reparador

E, se necessário, antioxidantes.

2. Qual a relação da medicina molecular com a obesidade e emagrecimento?

A relação consiste na preocupação que a Medicina Biomolecular /Ortomolecular tem com a prevenção das doenças crônicas e relacionadas com a deterioração dos processos celulares culminando com as doenças que , em última instância, vão gerar o envelhecimento e perda funcional do organismo.

A obesidade ou sobrepeso, geralmente estão ligados à genética ou alterações do modo de vida. De qualquer forma, todas as teorias sobre o envelhecimento celular estão levando à Restrição Dietética, ou seja, vive mais quem restringe de forma eficiente o conteúdo calórico. Como em qualquer área médica, a preocupação com a diminuição o peso corpóreo está ligado ao aparecimento de estados disglicêmicos, aterosclerose, hipertensão, doenças cérebro-vasculares e outras. Então, o emagrecimento não só é estético, o que hoje em dia tem seu valor social e pessoal, mas também o preventivo encontra nesta abordagem um grande sentido.

Reeducação alimentar, é uma chamada importante para manter o paciente bem. É frequente no emagrecimento a recuperação em algum tempo, os quilos perdidos. Há uma percepção geral que as dietas funcionam por algum tempo. O procedimento para emagrecer consiste em mudar gradativamente a alimentação, adquirindo novos hábitos para toda a vida. A perda de peso não significa a renúncia total ao prazer da alimentação. Devem-se fazer medidas da massa corpórea, bioimpedância ou medidas das pregas, enfim, toda a metodologia para mensuração da adiposidade e musculatura do indivíduo. Porém, em medicina, na há regras rígidas, deve-se obedecer ao bom senso na avaliação o estado nutricional individual. É importante determinar em que parte do corpo a gordura se deposita. Se estiver acumulada principalmente no abdome, o risco de doenças cardíacas, hipertensão, acidentes vasculares encefálicos e o diabétes será maior. Se a gordura se acumula nos quadris e nas coxas, o risco dessas doenças será menor.

Para controlar o peso a longo prazo, o mais indicado é empregar as cinco técnicas enumeradas e explicadas a seguir.

Fazer um plano de ingestão de gorduras. Ela oferece mais que o dobro de calorias se comparada às proteínas e aos carboidratos. Menos de 30% das calorias da alimentação devem vir das gorduras. Para controlar a ingestão de gorduras, você pode seguir algumas regras. A primeira delas é a regra dos três gramas. Leia os rótulos dos alimentos e escolha os que contêm menos de três gramas de gordura em cem calorias. Procure as versões diet ou light de seus alimentos prediletos.

Mude aos poucos do leite integral para o semi-desnatado, e depois para o desnatado. Escolha queijos pouco gordurosos. Aos poucos, diminua a carne vermelha e dê preferência por peixes, frangos ou cereais. Consuma massas e cereais integrais.

Seu prato deverá estar ocupado por três quartos de grãos integrais, legumes e verduras, que são muito nutritivos. Carne, frango ou peixe devem constituir menos de um terço da alimentação. Leia sobre a composição dos alimentos e mais fácil será cortar gorduras excessivas.

Exercício.

Está comprovado que as pessoas ativas perdem peso mais facilmente. A atividade física é o segredo do sucesso nos métodos de controle do peso. Antigamente, acreditava-se que os exercícios aeróbicos intensos eram os mais recomendáveis. Hoje se sabe que bastam trinta minutos de atividade moderada todos os dias, ou quase todos os dias. Não é preciso introduzir mudanças radicais na rotina, só aumentar a atividade habitual. A prática regular de exercícios queima calorias, modera o apetite, melhora o estresse psíquico e a maneira de enxergar a vida. Além de ajudar na perda de peso, tonifica os músculos, melhora a performance cerebral, o sono e a vida sexual

Não é preciso exercitar-se durante horas seguidas. Pode-se caminhar, pedalar uma bicicleta ergométrica, fazer exercícios em casa, como por exemplo, cuidar de jardins. O melhor exercício não é o mais extenuante, mas sim o que você mais aprecia.

Aprender sobre os alimentos. Não deixar de realizar refeições para emagrecer. Quando se suprime uma refeição, o organismo reage reduzindo o metabolismo e poupando calorias. Certos alimentos, como os óleos vegetais, têm baixo teor de colesterol e são ótimos para o coração, mas contém gorduras. Uma colher de sopa de óleo tem cento e vinte calorias; uma xícara tem duas mil.

Para perder meio quilo de gordura, é preciso queimar três mil e quinhentas calorias. Para perder dois quilos, seriam quatorze mil. Assim, pretender perder dois quilos numa semana é demais, a dieta deverá ser inteligente para não lesar o organismo e nem induzir às paradas. Uma boa meta seria a perda de 250 a 500g por semana. A primeira perda rápida será de água e deverá ser compensada com o aumento da ingestão para não provocar desidratação. Por motivos vários, o corpo assimila com mais facilidade as calorias provenientes da gordura e mais dificilmente as que vêm dos carboidratos. Assim, um bife de seiscentas calorias engorda mais que um prato de massa de seiscentas calorias.

Controlar os pensamentos, sentimentos e emoções pode fazer a diferença. Come-se por motivos emocionais e não por fome, às vezes. A tristeza, a alegria, solidão, depressão, estresse ou ira podem ser causas de ganho de peso. Reconhecer essas situações ajuda a controlar o apetite. Preste atenção àquilo que você come e evite escolher os alimentos por motivos emocionais. Distribua as horas de alimentação e não coma rápido demais, sinta o sabor dos alimentos. A baixa auto-estima é um sentimento que pode induzir à superalimentação, procurar a ajuda de um profissional pode ser uma boa alternativa.

Adotar uma rotina adequada e fixar metas realistas, planejar as situações de risco e evitá-las. Programe as ocasiões propícias a ganhar peso, como viagens ou feriados, e saiba o que fazer para evitar engordar. Tente manter a atividade física habitual.

Faça exercícios regularmente. Preste atenção às pessoas do que na comida a se servir. Prove um pouco de cada prato, mas não sirva porções inteiras. É comum que as pessoas aumentem o peso no inverno e queiram dietas violentas no verão. Para evitar engordar no inverno, mantenha sua atividade física. Se estiver muito frio, faça exercícios dentro de casa. O frio é uma estação muito propícia à perda de peso pois, aumenta a gordura marrom.

Adote gradativamente essas mudanças. Comece com a técnica que melhor se adaptar a seus interesses e necessidades. As mudanças graduais são mais eficazes no controle do peso. Você vai se sentir melhor e ter melhor aparência.

5. É verdade que a dieta associa o uso de vitaminas e minerais? Não basta apenas ter uma alimentação equilibrada?

É muito importante a alimentação equilibrada mas nem sempre o organismo está apto a receber estes nutrientes. Cada vez mais temos a influência do estresse emocional e do próprio organismo afetando nossa absorção de nutrientes. A presença de metais pesados no solo e portanto, em nossos alimentos, geram a produção aumentada de radicais livres e espécies tóxicas que atacam as membranas celulares provocando o chamado Estresse Oxidativo, que naturalmente, atacam mais as gorduras, ou seja os lipídeos das membranas celulares, mais suscetíveis à destruição pelos radicais livres. Demandam nesta operação o gasto adicional de vitaminas antioxidantes que também são recebidas via alimentação.

6. Como são identificadas as deficiências nutricionais do organismo?

A consulta médica é soberana, temos que conhecer hábitos, emoções e o inquérito alimentar do paciente. Pelo inquérito alimentar já se tem uma boa idéia dos erros e desvios alimentares.

7. Quais exames são necessários?

Os exames clínicos para avaliação de deficiências vitamínicas, minerais e aminoácidos deverão ser realizados. Avaliação da absorção intestinal. A Análise mineral do cabelo ou sangue, pode ajudar no diagnóstico da presença de metais pesados, formadores ou indutores de radicais livres e na composição deficitária de micro-nutrientes essenciais.

8. Como é possível reequilibrar o organismo?

Esta é a meta do orto/biomolecular, colocar o organismo num todo harmônico, a dieta e o exercício associados aos mais modernos métodos diagnósticos dos desvios funcionais ou mesmo do diagnóstico precoce de patologias vão levar à qualidade total orgânica.

10. Qual a influência dos radicais livres?

Os radicais livres são produzidos dentro de nossas células com a função energética celular e na defesa contra a agressão externa, este é um papel altamente benéfico no entanto, se esta produção for introduzida na célula por via exógena (radiação, calor, adrenalina, traumas, etc) nosso sistema de proteção será acionado, produzindo enzimas anti-radicais livres. Se houver uma deficiência de ingestão de aminoácidos, minerais e nutrientes estas enzimas estarão deficientes ou em quantidade inadequada para neutralizar os efeitos deletérios dos radicais livres, gerando o Estresse Oxidativo, que está envolvido em todas patologias.

11. Controlando a produção de radicais livres também é possível retardar o envelhecimento?

Sim, envelhecer é reduzir a capacidade das células de se reproduzirem corretamente e exercerem suas atividades de forma adequada.

12. O que é e qual a indicação de consumo de aminoácidos?

Aminoácidos são elementos formadores das proteínas e que darão origem aos hormônios, transmissores cerebrais, anticorpos e produtos essenciais à vida. Uma boa alimentação oferece a quantidade adequada de aminoácidos necessários à vida. Se o consumo estiver aumentado deverá ser reposto.

13. A dieta ortomolecular ajuda a combater a compulsão?

Alguns neuro-transmissores e neuro-receptores participam do processo de fome e da saciedade e podem estar em deficiência ou excesso ou mesmo defeituosos. A dieta nutricionalmente correta poderá fornecer matéria prima adequada ao ajuste destes elementos e melhora dos sintomas.

15. Como deve ser a alimentação ortomolecular? O que está liberado e o que é proibido?

Nada é liberado ou proibido em nutrição, a Medicina Ortomolecular é uma abordagem baseada na nutrição e, portanto, individual para cada indivíduo.

16.Quanto tempo dura o tratamento?

O tempo para o ajuste do organismo às novas e sadias normas de bem viver.

17. Previne algum tipo de doença?

Todas, uma vez que o médico estará sempre ao lado do paciente, corrigindo e orientando para uma vida mais saudável.

18. Existe alguma contra-indicação?

Não existe contra-indicação para uma boa nutrição.

19. O método associa (indica) a prática de atividade física?

A atividade física e condição básica para uma dieta saudável.

20. Qual o especialista o paciente deve procurar?

O médico nutrologista e clínico e o endocrinologista são sempre muito interessados na nutrição do paciente.

21. Outras considerações.

Não existem milagres em dietas, nem modismos. Para a manutenção de peso e saúde a presença do médico, nutricionista, preparador físico, psicólogo e uma equipe trans-disciplinar interessada no paciente e uma forte disposição do indivíduo para a construção da saúde deverá ser a tônica para o sucesso!

Fonte: www.drashirleydecampos.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal