Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Medicina  Voltar

Medicina

 

Tradição difícil de quebrar, este continua sendo um dos cursos mais disputados. Na Universidade de Brasília ou na Unesp, em Botucatu (SP), havia mais de cem candidatos por vaga no último vestibular.

Depois de vencer esse primeiro desafio, a coisa não fica mais fácil. São seis anos de estudos, mais dois de residência. E, quando o médico finalmente sai à procura de emprego, se depara com o seguinte quadro: metade dos médicos brasileiros tem entre três e quatro empregos, incluindo consultório próprio, segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz e Escola Nacional de Saúde Pública, em 1996. “Há excesso de médicos no país, embora a distribuição seja desigual”, avalia o presidente da Comissão de Publicidade Médica do Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais, Sérgio Moreira da Costa. “Em algumas capitais brasileiras, chega-se a ter um médico para cada grupo de 250 habitantes, enquanto a proporção ideal é de um para mil, segundo a Organização Mundial de Saúde”, acrescenta Costa.

Por que, então, a procura se mantém em alta? A pesquisa da Fiocruz aponta a existência de uma linhagem médica: 48% dos médicos têm parentes diretos que também são doutores. Dificilmente você vai encontrar um que não fale do desgaste físico e mental que a profissão provoca, ao mesmo tempo em que discorre sobre o prazer de exercê-la. Sua responsabilidade, como conhecedor das funções de cada órgão do corpo humano, é diagnosticar doenças e escolher o melhor procedimento para combatê-las. Prevenir também faz parte de suas tarefas, principalmente se for especialista na área de saúde pública.

Mas essa é apenas uma das especialidades que o profissional pode escolher entre mais de 65 opções reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina – hematologia (sangue), pediatria (crianças), cardiologia (coração), oncologia (câncer), tisiologia (tuberculose) etc. O aumento da expectativa de vida da população tem valorizado especialistas em males relacionados à terceira idade – geriatras (doenças do envelhecimento), reumatologistas (cartilagens e articulações) e nefrologistas (rins).

Ao mesmo tempo em que crescem as especializações, porém, aumenta o reconhecimento da necessidade de médicos generalistas, como os antigos clínicos de família, capazes de fazer diagnósticos observando os pacientes, sem exagerar nos exames laboratórios – dados da Sociedade Brasileira de Clínica Médica indicam que 70% dos exames feitos em São Paulo não acusam nenhuma anormalidade. Depois de quase ter desaparecido na última década, a figura do clínico geral está ressurgindo especialmente em programas de saúde estatais.

Na década dos 80, houve um boom de escolas de Medicina – nem sempre instituições com infra-estrutura adequada. Tanto que o Conselho Federal de Medicina e outros órgãos do setor estudam a criação de um órgão equivalente à OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que faria um exame de classe para validar o exercício da profissão.

Os dois primeiros anos de Medicina são básicos, com disciplinas como biologia, fisiologia etc. As matérias clínicas começam a partir do terceiro ano, quando o estudante também começa o atendimento ambulatorial. No quarto e quinto anos, há estágios e plantões na própria faculdade – se esta tiver um hospital-escola, o que é um bom indício de qualidade – ou em centros de saúde. Depois, virão os dois anos de residência, não obrigatórios, mas importantes para a formação. “A cada ano, apenas a metade dos 8 mil formandos consegue fazer residência”, diz Costa. Os estudos não terminam por aí. Mais que em qualquer outra profissão, a Medicina exige alto grau de atualização. Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz e da Escola Nacional de Saúde Pública indicou que os salários iniciais da categoria estão em torno de R$ 2,3 mil.

Duração média do curso

Seis anos, mais dois a cinco anos de especialização.

A profissão

A saúde humana é o objeto de estudo do médico. Ele pesquisa e trata disfunções e moléstias, escolhendo os melhores procedimentos para preveni-las e combatê-las. Tendo um conhecimento aprofundado dos órgãos, sistemas e aparelhos do corpo humano, faz diagnósticos, pede exames, prescreve medicamentos e realiza cirurgias. Também pesquisa novas drogas e equipamentos e participa de programas de prevenção e de planejamento da saúde coletiva. Esta é uma das poucas profissões em que não falta emprego. Em geral, o médico trabalha em hospitais, clínicas e postos de saúde, e uma grande parte atua também em consultório próprio. As especialidades em alta são cirurgia plástica, geriatria, cardiologia e nefrologia. Com o desenvolvimento da internet, há também demanda de consultores para os sites especializados dirigidos a médicos. É obrigatório o registro do diploma no Conselho Regional de Medicina.

Características que ajudam na profissão

Interesse por questões científicas e sociais, facilidade de se comunicar e de lidar com o público, boa coordenação motora (para cirurgiões), atenção para detalhes, concentração.

Fonte: www1.uol.com.br

Medicina

O Brasil tem tradição no ensino de Medicina e conta com um considerável contingente de médicos. São mais de 300 mil profissionais, o que dá uma média de um médico para cada 500 habitantes. O problema, no entanto, é que esses especialistas não estão distribuídos de forma equilibrada pelo território nacional. "A maioria dos profissionais se concentra nas capitais e nos grandes centros urbanos, enquanto certas localidades, como pequenas cidades do interior, sofrem com a falta de especialistas", afirma o pediatra Celso Fiszbeyn, gerente médico do Hospital Vita Curitiba, localizado na capital paranaense. E tem mais: a maior parte dos recém-formados se encaminha para atividades de procedimentos médicos, como cirurgia, radiologia, diagnóstico por imagem e aplicação de botox, entre outros, e não para as especialidades clínicas (pediatria, psiquiatria, dermatologia, endocrinologia e cardiologia, por exemplo), gerando um déficit desses especialistas. "Isso acontece por uma questão salarial. A área de procedimento é melhor remunerada", garante Fiszbeyn, que acumula 35 anos de profissão. Seja qual for a especialização ou o caminho profissional a seguir, algumas características não podem faltar a quem abraça a Medicina, como dedicação e interesse pelo próximo. Quem pretende seguir a carreira médica deve saber que esse profissional, especializado na pesquisa, no tratamento e na prevenção de doenças, tem de estar constantemente atualizado sobre novas drogas, terapias e equipamentos hospitalares. No dia-a-dia, ele faz diagnósticos, analisa exames, receita medicamentos e faz cirurgias. Participa, ainda, de programas de prevenção e de planejamento de saúde coletiva. É um ritmo de vida puxado, que exige que se abra mão de boa parte da vida pessoal.

O mercado de trabalho

Nunca falta trabalho para um médico. "O problema é o tipo de trabalho", brinca Claudia Maria Leite Maffei, coordenadora do curso de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto. "A qualidade de vida de um recém-formado nos grandes centros urbanos fica bastante comprometida, pois para ganhar um pouco mais, faz plantões em diversos lugares e atravessa a cidade para ir de um trabalho a outro. Mas isso é só nos primeiros anos, até que ele consiga se estabilizar", explica. Quem estiver disposto a abdicar do conforto e da infra-estrutura das grandes metrópoles encontrará muito trabalho, além de cumprir importante função social, nas regiões afastadas das capitais do país. O Programa Saúde da Família, do governo federal, demanda por médicos em todo o Brasil. A preferência é por especialistas em clínica médica, pediatria, ginecologia e obstetrícia e geriatria. O aumento na proporção de idosos na população brasileira promete também aquecer as áreas de cardiologia e geriatria, sobretudo em cidades de médio e grande portes. O mercado está atraente ainda para a área de medicina do trabalho e para alergistas em regiões com grande concentração industrial. Especialistas em diagnóstico por imagem encontram vagas em cidades de médio porte. Nas regiões em que há um esforço maior do governo para aumentar a relação médico por habitantes, como Norte e Nordeste, existem boas perspectivas também para a carreira acadêmica.

O curso

O currículo é puxado: o período é integral e há muitos trabalhos, seminários e pesquisas a fazer, além dos plantões em hospitais. Nos dois primeiros anos, o aluno aprende as matérias básicas, como anatomia, fisiologia e patologia, sempre com muita atividade em laboratórios. Boa parte das instituições de ensino oferece disciplinas práticas ainda no início do curso para que o aluno vá, aos poucos, familiarizando-se com as atividades médicas. Mas, lidar diretamente com pacientes, só a partir do terceiro ano, quando começam as disciplinas profissionalizantes e o treinamento em atendimento. Os dois anos de residência médica, depois de formado, são fundamentais para o graduado aprofundar conhecimentos numa especialização. A duração média do curso é de seis anos.

O que você pode fazer

Diagnosticar e tratar doenças nas seguintes especialidades:

Acupuntura

Aplicação de agulhas.

Alergia e imunologia

Mecanismos de defesa do organismo.

Anestesiologia

Aplicação de anestésicos.

Angiologia e cirurgia vascular

Artérias e veias.

Cancerologia

Câncer.

Cardiologia

Coração.

Cirurgias

(Cardiovascular, de cabeça e pescoço, geral, do aparelho digestivo, pediátrica, plástica e torácica).

Clínica médica

Organismo em geral.

Coloproctologia

Aparelho digestivo final.

Dermatologia

Pele.

Endocrinologia e metabolia

Distúrbios hormonais e de metabolismo.

Gastroenterologia

Sistema digestório.

Genética médica

Doenças genéticas.

Geriatria e gerontologia

Moléstias do envelhecimento.

Ginecologia e obstetrícia

Aparelho reprodutor feminino, gravidez e parto.

Hematologia e Hemoterapia

Sangue, seu uso terapêutico ou de seus componentes.

Homeopatia

Clínica geral que utiliza medicamentos preparados a partir de substâncias naturais.

Infectologia

Doenças infecciosas.

Mastologia

Glândulas mamárias.

Medicina esportiva

Prevenir e tratar distúrbios originados de atividade esportiva.

Dar orientação médica e acompanhar equipes e times.

Medicina geral e comunitária

Atuar na prevenção, na cura e na reabilitação de pacientes em conjunto com equipe multiprofissional (com enfermeiro, assistente social e psicólogo).

Medicina legal

Realizar autópsias, exames de DNA e de corpo de delito.

Dar suporte à investigação de crimes.

Medicina sanitária

Desenvolver e aplicar programas de saúde pública.

Prevenir a transmissão de doenças e prescrever tratamentos.

Medicina do trabalho

Prevenir e tratar doenças causadas pelo ambiente de trabalho ou por práticas profissionais.

Nefrologia

Moléstia dos rins.

Neurologia e neurofisiologia

Distúrbios do sistema nervoso.

Nutrologia

Nutrição.

Oftalmologia

Olhos.

Ortopedia e traumatologia

Ossos e músculos.

Otorrinolaringologia

Ouvido, nariz, boca e garganta.

Patologia e patologia clínica

Exames laboratoriais.

Pediatria

Crianças.

Pneumologia

Pulmões.

Psiquiatria

Doenças mentais.

Radiologia e diagnóstico por imagem

Exames radiológicos e diagnóstico por meio de imagens.

Radioterapia

Tratamentos por meio de radiação.

Reumatologia

Cartilagens e articulações.

Terapia intensiva

Tratamento intensivo de pacientes.

Urologia

Vias urinárias.

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

Medicina

Quem escolhe a Medicina, já sabe: vai ter que estudar, e muito, para passar no vestibular. Depois, vai ter de estudar um pouco mais durante os ¿ no mínimo ¿ seis anos do curso. E, quando finalmente vier a formatura, mais estudo: vem a escolha pela especialização (que pode ir desde pediatria à neurocirurgia), além da necessidade de atualização constante.

Tanto esforço é recompensado já no começo, garante Gláucia Costa, supervisora da Catho. O salário inicial é bem mais alto que a média de outras profissões: fica entre R$ 6.000 e R$ 9.000. Mas é preciso, além de muita dedicação, vocação. "O médico não é infalível, portanto precisa ser humilde, atento, humano e entender suas próprias limitações", ensina o pediatra Clóvis Constantino, diretor do Conselho Federal de Medicina.

Mercado

Os médicos podem atuar hospitais públicos e privados, clínicas de saúde, empresas privadas, médico autônomo, pesquisa acadêmica e outras atividades ligadas às áreas de saúde, nas mais diversas especializações. Constantino explica que há áreas, como clínica médica, pediatria, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia que, embora não estejam ainda saturadas, são desvalorizadas financeiramente.

Para o recém-formado que resolve abrir um consultório, o principal entrave é formar uma clientela. "Neste caso, é necessário que o profissional tenha um capital para investimento em clínica própria", diz Gláucia. Quem tem um bom currículo, pode investir em uma vaga em hospitais ou clínicas.

É pra você?

Para ser médico, é imprescindível ter gosto pelo cuidado do outro, além de uma grande habilidade em atuar em ambientes diversos e com diferentes realidades. Além disso, é necessário buscar a atualização constante para manter-se ativo na área. "O conhecimento dobra a cada três anos", estima Constantino.

O que vem por aí

Ética e bioética são a bola da vez para os médicos e futuros profissionais. Além disso, a pesquisa na área e a medicina do trabalho também são boas apostas da consultora da Catho. No serviço público, as contratações de médicos para os programas de saúde familiar das prefeituras vêm movimentado o mercado.

Diferencial

Estudar, estudar e estudar será o mantra do aluno que quer se diferenciar já na faculdade. Mas não é só isso: a importância da relação médico-paciente já deve ser uma prioridade. "Ele deve perceber o real objetivo de seu futuro trabalho, que é o bem-estar das pessoas no que diz respeito à sua saúde, tanto do ponto de vista diagnóstico quanto preventivo e também terapêutico", diz Gláucia. Constantino, do Conselho Federal de Medicina, concorda. "Hoje, o conhecimento é difundido, o que vai diferenciar um médico do outro será seu ângulo que prioriza a relação médico-paciente."

Fonte: noticias.terra.com.br

Medicina

Descrição

Estuda as causas das enfermidades e pesquisa os meios para combatê-las. O médico faz exames clínicos, prescreve medicamentos, realiza cirurgias, cuida da saúde das pessoas, e atua em programas de prevenção, saneamento e planejamento da saúde pública.

Currículo Básico

Anatomia, Histiologia, Biologia, Ciências Morfológicas, Ciências Fisiológicas, Patologia, Iniciação ao Exame Clínico e Bioquímica.

Aptidões Desejáveis

Antes de tudo, para ser Médico é preciso ser apaixonado pela profissão, ter interesse no próximo, ter habilidade social, gostar de estudar e ler muito, e se escolher cirurgia como especialização é preciso ter habilidade manual.

Especializações possíveis

São mais de 50 especializações, entre elas: Alergia e Imunologia, Anestesiologia, Cirurgia Plástica, Cirurgia Cardiovascular, Fisiatria, Genética Clínica, Geriatria, Medicina Sanitária, Medicina do Trabalho, Patologia Clínica, Angiologia, Cancerologia, Cardiologia, Cirurgia da Cabeça e Pescoço, Urologista, Otorrinolaringologista, Pediatria, Tisiologia, Sexologia, Psiquiatria, Neurocirurgia, Gastroenterologia, Ginecologia, Dermatologia.

Campos de Atuação

Hospitais e Clínicas públicos e particulares.

Fonte: www.guiadasprofissoes.com.br

Medicina

Perfil do curso

Formar médicos habilitados para trabalhar na promoção de saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças mais comuns do ser humano. Atuar também na assistência médica, no ensino e na pesquisa.

Perfil do profissional

Interesse no aprendizado técnico-científico, no cuidado à saúde humana, disponibilidade para acompanhar os avanços do conhecimento ou produzir conhecimento novo. No contato com os pacientes, deve exercitar o respeito ao próximo nas suas diferenças culturais, sociais, econômicas e religiosas, e ter consciência de que pode lidar com o sofrimento humano e a morte.

Área de Atuação

Medicina preventiva, em órgãos públicos e estabelecimentos de ensino; na medicina curativa, em serviços públicos (hospitais, centros de saúde) ou privados, como clínicas, consultórios e laboratórios de análises clínicas, entre outros; como pesquisador em instituições públicas ou privadas.

Fonte: www.uerj.br

Medicina

O QUE FAZ

O médico dedica-se à saúde das pessoas, estudando as causas das doenças e buscando a melhor maneira de combatê-las ou prevení-las. Realiza exames clínicos de laboratórios para obter um diagnóstico, definindo o tratamento a ser adotado, com base nos resultados. Prescreve medicamentos, realiza cirurgias e participa de pesquisas que visam a descoberta de novas drogas.

CAMPO DE TRABALHO

Apoio Diagnóstico

Realiza exames com a finalide de obter diagnósticos, utilizando-se de aparelhos de ressonância magnética, ultra-som e cateterismos para avaliar problemas em órgãos internos.

Medicina Cirúrgica

Realiza cirurgias nas diferentes partes do corpo humano por motivos de saúde ou estéticos.

Medicina Clínica

Diagnostica e trata de doenças nas seguintes áreas: Alergia e Imunologia, Anestesiologia, Angiologia, Broncoesofalogia, Cancerologia ou Oncologia, Cardiologia, Citopatologia, Dermatologia, Eletroencefalografia, Endocrinologia e Metabolia, Endoscopia, Fisiatria, Foniatria, Gastroenterologia, Genética Clínica, Geriatria e Gerontologia, Ginecologia, Hansenologia, Hematologia, Hemoterapia, Infectologia, Nefrologia, Neurofisiologia, Neurologia, Nutrologia, Obstetrícia, Oftalmologia, Ortopedia e Traumatologia, Otorrinolaringologia, Patologia Clínica, Pediatria, Pneumologia, Proctologia, Psiquiatria, Radiologia, Radioterapia, Reumatologia, Sexologia, Terapia Intensiva, Tisiologia e Urologia.

Medicina Esportiva

Tratamento de doenças e lesões decorrentes da prática de esportes; orientação de atividades físicas e trabalho com preparadores e fisioterapeutas.

Medicina Legal

É o profissional responsável pelos exames em pessoas vivas ou mortas, investigações de paternidade e autópsia de cadáveres para determinar as causas da morte.

Medicina Social

Prevenção e tratamento de doenças em grupos definidos. Pode atuar em medicina comunitária e sanitária ou em medicina do trabalho.

REGULAMENTAÇÃO

Decreto 44.045 de 19/07/1958. Necessita do registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) para exercer a profissão.

DURAÇÃO

6 anos mais o período de residência, que varia de acordo com a especialidade.

CONTEÚDO

O curso é ministrado em período integral e inclui muita leitura, estudos e pesquisas em laboratórios. Nos dois primeiros anos há quatro disciplinas básicas: Anatomia,. Fisiologia, Patologia e Bioquímica, com a inclusão de trabalhos práticos em laboratórios, dissecação de cadáveres humanos e de animais. A partir do terceiro ano se iniciam as disciplinas profissionalizantes e os alunos passam a ter contato com os pacientes. A partir de então começam a aprender técnicas de exames clínicos e de cirurgias, além de especialidades como Ginecologia, Pediatria, Psiquiatria e Cardiologia. O estágio supervisionado obrigatório, com plantões em hospitais, escolas ou em postos de saúde é feito nos últimos quatro semestres. A residência médica é obrigatória após a formatura. A residência é feita em hospitais com equipes de professores e especialistas.

TITULAÇÃO

Médico.

Fonte: www.10emtudo.com.br

Medicina

"Profissional que tem a responsabilidade de conservar ou restituir a saúde, tratar regularmente e efetivamente do enfermo"

O que é ser médico?

A saúde humana é o objeto de estudo do médico. Este profissional pesquisa e trata disfunções e moléstias, escolhendo os melhores procedimentos para preveni-las e combatê-las. Tendo um conhecimento aprofundado dos órgãos, sistemas e aparelhos do corpo humano, faz diagnósticos, pede exames, prescreve medicamentos e realiza cirurgias. Também pesquisa novas drogas, equipamentos, e participa de programas de prevenção e de planejamento da saúde coletiva. Profissional que serve à comunidade, auxilia na prevenção e cura de doenças. Um Médico deve proporcionar melhor qualidade de vida e bem estar físico, mental e social do indivíduo. Serve com apoio a alguém e ajuda resolver seu problema por meio de orientação, medicação ou cirurgia.

Quais as características necessárias para ser um médico?

Uma pessoa que pretende seguir a carreira da medicina precisa acima de tudo gostar de estudar e ler, pois para ser médico é necessário passar por um longo período de estudos. Lidar com a vida humana requer um senso de responsabilidade e espírito solidário, também ser uma pessoa decidida, ter visão do todo, ter bom relacionamento social e sem receio da proximidade física, além de diversas outras características que garantem a saúde pessoal e coletiva da comunidade.

Características desejáveis:

  • autoconfiança
  • autocontrole
  • capacidade de decisão
  • capacidade de lidar com a visão de sangue e de pessoas acidentadas
  • capacidade de pensar e agir sob pressão
  • interesse pelas ciências
  • interesse pelo corpo humano
  • paciência
  • discrição
  • equilíbrio emocional
  • Qual a formação necessária para ser um médico?

    Depois de passar pelo criterioso e seletivo vestibular, para o exercício da profissão é exigido o diploma da faculdade de medicina. O curso superior de medicina é regulamentado pelo MEC, e regido pelos conselhos de medicina.

    É o curso mais disputado do país no vestibular, tendo duração de seis anos e dividido em três etapas:

    Ciclo básico (anatomia, fisiologia, farmacologia etc.)

    Ciclo profissional (ginecologia, cardiologia etc.)

    Internato ou estágio (nessa fase, o aluno passa, no mínimo, um ano num hospital em período integral).

    Depois de formado, o médico que deseja se especializar precisa ainda passar pela residência. Esta fase dura dois anos, em média, e nela o recém-formado trabalha em hospitais, assistido por uma equipe de professores e especialistas da área por ele escolhida.

    É preciso preparar-se para uma vida inteira de aprendizagem, pois o exercício da medicina envolve atualização permanente após a conclusão dos seis anos do estudo formal. As técnicas e condutas médicas mudam sempre, e para acompanhar essa evolução é preciso participar de cursos de especialização, congressos e outros eventos, alem de outros eventos, alem de ficar atento à literatura da área. O médico será sempre um estudante em desenvolvimento.

    Para o MEC (Ministério da Educação e Cultura), as escolas devem respeitar critérios para a formulação do currículo, como:

    conter matérias focadas no aprendizado das necessidades da saúde mais frequentes

    utilizar metodologias que privilegiem a participação ativa do aluno na construção do conhecimento

    o ensino deve ter dimensões éticas e humanísticas, estimulando o aluno a desenvolver valores e atitudes orientadas pela cidadania

    desde o inicio início das aulas o estudante deve se inserido em atividades práticas importantes para sua futura vida profissional

    a proximidade com vários cenários de ensino-aprendizagem também é importante para que ele conheça e vivencie a profissão mais de perto e tenha contato com as mais variadas situações

    a escola deve propiciar a interação ativa do aluno com pacientes e profissionais de saúde desde o inicio de sua formação, para que ele conheça e entenda os problemas reais e assuma responsabilidades crescentes como médico

    por fim, as escolas de medicina devem vincular, por meio da integração ensino-serviço, a formação médico-acadêmica às necessidades sociais da saúde, com ênfase do Sistema Único de Saúde (SUS).

    Principais atividades de um médico

    De forma geral, independente da especialidade, os médicos desempenham as seguintes funções:

    receber e acompanhar clientes em consultórios, hospitais, clínicas, empresas, residências e em locais de urgência

    conversar com o paciente para ouvir sua história médica, queixas e descrição dos sintomas

    examinar, auscultar e apalpar o paciente para fazer o diagnóstico

    realizar exames específicos da sua área de atuação como eletroencefalograma, eletrocardiograma, ultra-sonografia de determinados órgãos, vacinas de alergia

    requisitar e analisar exames complementares de raios X, laboratoriais e de materiais colhidos pelo próprio médico como amostras de pele e de secreções

    encaminhar pacientes a profissionais de outras especialidades, quando apropriado

    prescrever medicamentos, tratamentos e sugerir mudanças de comportamento como parar de fumar, seguir determinada dieta e programa de exercícios, que podem contribuir para a cura ou melhora do paciente

    manter contato frequente com outros especialistas que sejam necessários no tratamento de determinadas doenças

    preparar o cliente para cirurgia

    realizar ou acompanhar cirurgias e tratamentos de todos os tipos dentro de sua especialidade, algumas dentro do próprio consultório

    acompanhar o cliente em pós-operatórios

    manter registro de tudo o que diz respeito à vida médica do paciente

    emitir atestados e pareceres

    determinar a causa da morte

    orientar, coordenar e supervisionar o serviço de enfermagem

    prestar assistência a qualquer pessoa em caso de urgência médica

    comunicar à saúde pública casos de doenças contagiosas.

    Áreas de atuação e especialidades

    Ao concluir a graduação inicia-se uma importante etapa de estudos, sob forma de residência médica, um programa destinado a formar profissionais especialistas nas diferentes áreas da medicina. Ministradas em instituições de saúde públicas e particulares por profissionais experientes, as aulas na residência acontecem em regime de internato ou em plantões. Os cursos de residência duram em média dois anos, mas tudo depende da área escolhida.

    Abaixo temos algumas das especialidades médicas reconhecidas pelo conselho Federal de Medicina:

    Alergologista e Imunologista

    Médico que trata de doenças alérgicas e do sistema imunológico

    Anestesiologista

    Médico especializado na aplicação e uso de anestesia para diversos fins

    Angiologista

    Médico especializado em doenças circulatórias periféricas como varizes, erisipela, flebites, aneurismas, gangrenas e tromboses venosas

    Cancerologista / Oncologista

    Médico especializado no estudo e tratamento de tumores

    Cardiologista

    Médico que se ocupa do diagnóstico e tratamento das doenças que acometem o coração bem como os outros componentes do sistema circulatório

    Clínico Geral

    Profissional que faz tratamento clínico de doenças diversas e, se necessário, encaminhamento para tratamentos específicos com especialistas

    Coloproctologista

    Médico que estuda as doenças do intestino grosso (cólon), do reto e orifício retal

    Dermatologista

    Profissional que se ocupa do diagnóstico e tratamento clínico-cirúrgico das doenças que acometem o maior órgão do corpo humano, a pele

    Endocrinologista

    Médico que investiga o sistema endócrino, e aplica esses conhecimentos com o fim de regular convenientemente o organismo, tratando, portanto das glândulas produtoras de hormônios

    Gastroenterologista

    Profissional que se ocupa do estudo, diagnóstico e tratamento clínico das doenças do aparelho digestivo

    Geneticista

    Profissional que se ocupa do estudo dos transtornos da genética humana

    Geriatra

    Médico que enfoca o estudo, prevenção e tratamento das doenças e da incapacidade em idades avançadas

    Ginecologista e Obstetra

    Ginecologia é a especialidade que trata de doenças do sistema reprodutor feminino, útero, uretra e ovários. A obstetrícia é o ramo da medicina que estuda a reprodução na mulher, investiga a gestação, o parto e o período pós-parto nos seus aspectos fisiológicos e patológicos

    Hematologista

    Profissional da biologia que estuda o sangue, a produção dos seus elementos e os órgãos onde eles são produzidos (órgãos hematopoiéticos), que são a medula óssea, baço e linfonodos

    Homeopata

    Profissional especializado no método terapêutico cujo princípio está baseado na similia similibus curantur ("os semelhantes curam-se pelos semelhantes"), isto é, seus princípios alegam que para tratar um indivíduo que está doente é necessário aplicar um medicamento que apresente (quando experimentado no homem sadio) os mesmos sintomas que o doente apresenta

    Infectologista

    Médico que se ocupa do estudo das doenças causada por microrganismos, sejam eles bactérias, vírus, protozoários, helmintos entre outros

    Médico Nuclear

    É um profissional especializado na medicina relacionada à Imagiologia que se ocupa das técnicas de imagem, diagnóstico e terapêutico utilizando nuclídeos radioativos, permitindo observar o estado fisiologico dos tecidos de forma não invasiva, através da marcação de moléculas participantes nesses processos fisiológicos com marcadores radioativos, que marcam sua localização com a emissão de particulas detectáveis ou raios gama (fotão). A detecção localizada dos raios gama com uma camera gama permite formar imagens ou filmes que informem acerca do estado funcional dos orgãos

    Nefrologista

    Médico que se ocupa do diagnóstico e tratamento clínico das doenças do sistema urinário, em especial o rim

    Neurocirurgião

    Médico que se ocupa do tratamento de patologias do sistema nervoso central e periférico passíveis de abordagem cirúrgica

    Neurologista

    Profissional que estuda o sistema nervoso central, periférico, suas relações e os seus transtornos

    Nutrologista

    Médico clínico que se dedica ao diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças do comportamento alimentar

    Oftalmologista

    Profissional que investiga e trata as doenças relacionadas com a visão e com os olhos e seus anexos

    Ortopedista e Traumatologista

    A Ortopedia é a especialidade médica que cuida das doenças e deformidades dos ossos, músculos, ligamentos, articulações, enfim, relacionadas ao aparelho locomotor. A Traumatologia é a especialidade médica que lida com o trauma do aparelho músculo-esquelético

    Otorrinolaringologista

    A otorrinolaringologia é considerada uma das mais completas especialidades médicas, com características clínicas e cirúrgicas. Seu campo de atuação envolve as doenças do ouvido, do nariz e seios paranasais, faringe e laringe

    Patologista

    Proofissional que estuda as doenças em geral sob aspectos determinados. A patologia envolve tanto a ciência básica quando a prática clínica, e é devotada ao estudo das alterações estruturais e funcionais das células, dos tecidos e dos órgãos que estão ou podem estar sujeitos a doenças

    Pediatra

    Médico dedicado à assistência à criança e ao adolescente, nos seus diversos aspectos, sejam eles preventivos ou curativos

    Pneumologista

    Médico que se ocupa do estudo das doenças pulmonares e do tratamento do sistema respiratório

    Psiquiatra

    Profissional que lida com a prevenção, atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das doenças mentais, sejam eles de cunho orgânico ou funcional, tais como depressão, doença bipolar, esquizofrenia e transtornos de ansiedade. Uma doença ou problema psíquico pode ser tratado através de medicamentos ou várias formas de psicoterapia

    Radiologista e Diagnóstico por Imagem

    Profissional que estuda órgãos e/ou estruturas através da utilização dos raios-x, envolvendo um processo de revelação. Diagnóstico por imagem é uma especialidade médica que se ocupa do uso das tecnologias de imagem para realização de diagnósticos

    Radioterapeuta

    Especialista médico que se ocupa do tratamento oncológico (tumores) baseado em radiação

    Reumatologista

    Médico que se ocupa do estudo das doenças que acometem os tecidos conjuntivos

    Urologista

    Especialista clínico e cirúrgico responsável pelo diagnóstico e tratamento das enfermidades do sistema urinário de ambos os sexos e do sistema genital masculino.

    Mercado de trabalho

    Com tantas mudanças profundas no mercado de trabalho, a medicina ainda se mantém entre as carreiras que mais atraem pessoas no momento decisivo da escolha da profissão. Não é difícil entender esta procura. Mais do que a mera busca de remuneração confortável ou do status e do prestígio social que a profissão pode proporcionar, a prática da medicina traz em si algo que o dinheiro não compra: a possibilidade concreta de ajudar as pessoas nos momentos mais delicados, de curar doenças, de salvar vidas.

    O mercado de trabalho é amplo já que a medicina possui diversas áreas de atuação e ambientes de trabalho.

    Os médicos são recrutados pelo setor privado através de anúncios em jornais. Já os hospitais das redes municipal, estadual e federal promovem concursos públicos. O Ministério da Saúde, entretanto, não faz concursos para os hospitais federais há mais de 15 anos. Além disso, os médicos ainda contam com ofertas de emprego (para todo o Brasil) no site do Conselho Federal de Medicina.

    Um médico possui diversas possibilidades de ambientes para exercer suas funções, sendo elas no setor público (SUS), consultórios particulares, setor privado (conveniados a planos de saúde) e trabalho em faculdades (dar aulas), laboratórios, instituições recreativas ou esportivas, institutos de pesquisa, além do atendimento residencial.
    Curiosidades

    A medicina surgiu na Antiguidade clássica, com Hipócrates, considerado o pai da medicina, que passou aos gregos todos seus conhecimentos e estudos da ciência, e, a partir daí, esse povo se tornou pioneiro no estudo das doenças. Através de Galeno, grego que morava em Roma, os romanos também se tornaram grandes conhecedores da ciência. Já na Idade Média, a sangria com sanguessugas era a principal técnica usada para curar qualquer tipo de doença, e os avanços da ciência médica nesse período foram poucos pois a Igreja Católica fazia muita pressão sobre as pesquisas científicas. Durante o Renascimento (séc XV e XVI) a pesquisa da medicina evoluiu muito e os médicos procuravam explicações para todos os tipos de doenças. No século XVII, a descoberta do sistema circulatório por William Harvey, trouxe grande progresso, pois os especialistas começaram a entender mais da anatomia e fisiologia dos sistemas. Após a invenção do microscópio acromático, no séc XIX, por Louis Pasteur significou grande avanço na área. A partir daí, as descobertas e novas tecnologias fizeram com que a evolução da medicina fosse imensa, e, atualmente, existem técnicas de tratamento para quase todos os tipos de enfermidades.

    O juramento de Hipócrates

    "Eu juro, por Apolo, médico, por Esculápio, Higeia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue: estimar, tanto quanto a meus pais, aquele que me ensinou esta arte; fazer vida comum e, se necessário for, com ele partilhar meus bens; ter seus filhos por meus próprios irmãos; ensinar-lhes esta arte, se eles tiverem necessidade de aprendê-la, sem remuneração e nem compromisso escrito; fazer participar dos preceitos, das lições e de todo o resto do ensino, meus filhos, os de meu mestre e os discípulos inscritos segundo os regulamentos da profissão, porém, só a estes.

    Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém. A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda. Do mesmo modo não darei a nenhuma mulher uma substância abortiva.

    Conservarei imaculada minha vida e minha arte.

    Não praticarei a talha, mesmo sobre um calculoso confirmado; deixarei essa operação aos práticos que disso cuidam.

    Em toda a casa, aí entrarei para o bem dos doentes, mantendo-me longe de todo o dano voluntário e de toda a sedução, sobretudo longe dos prazeres do amor, com as mulheres ou com os homens livres ou escravizados.

    Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto.

    Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, o contrário aconteça."

    Fonte: www.brasilprofissoes.com.br

    Medicina

    A função do Médico é pesquisar as doenças e suas causas para poder posteriormente combate-las e cura-las. Em sua atividade diária cabe ao médico também dar diagnósticos, realizar exames, prescrever e administrar as doses e períodos de uso dos medicamentos, atuar em programas de esclarecimento e prevenção de doenças, prescrever regimes alimentares, realizar cirurgias, dentre outros, dependendo da especialização do médico.

    Apesar dos problemas, econômicos, sociais e até ambientais de hoje em dia, a expectativa e a qualidade de vida da população da terra vem aumentado cada vez mais. Isso se deve em grande parte ao avanço da medicina tanto na frente de combate efetivo as doenças quanto na frente de prevenção das mesmas, as pessoas nunca viveram tanto.
    Hipócrates, o Primeiro Médico

    Mestre Hipócrates

    Uma das figuras mais importantes de todos os tempos na Medicina

    Hipocrates foi um intelectual

    Grego que se dedicou a estudar a biologia e a anatomia. Ele atacava ferozmente as supertições e foi o primeiro estudioso a tratar o estudo das doenças como ciência. Devido aos seus estudos e seu legado é considerado o Pai da Medicina, o Primeiro Médico. É atribuido a ele o juramento ( traduzido para todas as linguas ) feito pelos médicos na ocasião da sua formatura: ” Eu juro, por Apolo, médico, por Esculápio, Higia e Panacéia, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue: estimar, tanto quanto a meus pais, aquele que me ensinou esta arte; fazer vida comum e, se necessário for, com ele partilhar meus bens; ter seus filhos por meus próprios irmãos; (…) Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém. A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda. Do mesmo modo não darei a nenhuma mulher uma substância abortiva. (…) Conservarei imaculada minha vida e minha arte. (…) Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, que o contrário aconteça. ” - Hipócrates (460.a.c - 377.a.c. - Tessália - Grécia )

    Médico

    Um profissional cuja missão é salvar e cuidar da vida

    Grade Básica do Curso de Medicina:

  • Anatomia
  • Obstetrícia e Ginecologia
  • Iniciação ao Exame Clínico
  • Ciências Fisiológicas
  • Ciências Morfológicas
  • Bioquímica
  • Pediatria
  • Patologia
  • Histiologia
  • Biologia
  • Especializações da Carreira de Médico

    A carreira de Médico é a que possui mais especializações dentre todas as profissões:

    Alergologia

    Especialização da medicina no diagnóstico e tratamento de doenças alérgicas.

    Anestesiologia

    Especialização em anestesia, na medicina o anestesista é o principal auxiliar dos cirurgiões.

    Angiologia

    Especialização da Medicina em diagnóstico e tratamento de doenças relativas ao sistema circulatório, vasos sanguíneos e vasos linfáticos.

    Cirurgia

    Especialista em intervenções internas no corpo humano, ou seja, especialista em procedimentos que envolvam manipulação direta de orgãos, tecidos, tumores humanos nos pacientes.

    Cancerologia

    Também conhecida na Medicina como Oncologia, o Cancerologista é o especialista no diagnóstico e combate a todos os tipos de câncer.

    Cirurgia Plástica

    O cirurgião plástico é o médico especialista em procedimentos cirurgicos de reparação estética de danos e sequelas causados por acidentes e também por operações visando melhorar a aparência das pessoas.

    Cirurgia Cardiovascular

    O cirurgião cardiaco ou Cardiologista, é o cirurgião especializado em cirurgias do coração, transplantes e instauração de pontes de safena.

    Clínica Geral

    Clínico Geral, é o médico que realiza os procedimentos e exames médicos básicos em um hospital, identificando as possíveis doenças.

    Dermatologia

    Especialização da medicina no diagnóstico e tratamento de doenças da pele.

    Fisiologia

    Especialização da medicina envolvida no estudo do funcionamento do corpo humano.

    Geriatria

    Especialização no tratamento de problemas da terceira idade.

    Ginecologia

    A ginecologia é a especialização da medicina que trata das doenças do sistema reprodutor feminio, envolvendoútero, uretra e ovários. O Ginecologista também realiza exames preventivos.

    Gastroenterologia

    Especialidade da medicina que cuida do diagnóstico e tratamento de doenças do aparelho digestivo.

    Neurocirurgia

    Especialização da medicina em doenças relativas ao cérebro, o sistema nervoso central e o periférico. O Neurocirurgião trata tumores, doenças vasculares, doenças degenerativas e traumas físicos. Como o cérebro é o orgão mais complexo, esta é a especialização médica mais complexa e de maiores salários.

    Otorrinolaringologia

    Especialização médica que combina cirurgia e clínica, o Otorrinofaringologista trata de problemas relacionados a ouvido, nariz externo e interno, boca, faringe, e laringe.

    Urologia

    Especialização da medicina em doenças dos sistema urinário de homens e mulheres e também no sistema reprodutor dos homens.

    Pediatria

    Especialização da medicina no tratamento de problemas de crianças e bebês.

    Psiquiatria

    Psiquiatra é o médico especialista em prevenir, antender, diagnosticar e tratar problemas relativos a doenças mentais e psicológicas em humanos ( depressão, ansiedade, bipolaridade, esquizofrenia, etc… )

    Carreira de Medicina: Aspectos Favoráveis

    Para os médicos bem especializados, há excelentes oportunidades de trabalho principalmente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Nestas regiões os hospitais tem a melhor tecnologia e são os mais bem equipados, comparando com as outras regiões. Outra boa oportunidade de emprego na medicina atualmente é a Geriatria, com o envelhecimento médio da população, os geriatras são cada vez mais requisitados. Para os médicos menos especializados as oportunidades estão no interior do país, onde os hospitais não são tão bons mas há uma boa oferta de emprego e os salários são razoáveis para estimular a migração para estas regiões mais afastadas.

    Carreira de Medicina: Aspectos Desfavoráveis

    O aspecto desfavorável da medicina é a enorme carga de responsabilidade que sempre cai sobre os ombros dos médicos,é preciso ter uma condição psicológica muito forte para ser médico, já que perdas de vidas e acidentes podem acontecer. Outro aspecto desfavorável é a dificuldade para se entrar nos cursos de medicina já que estes são os mais concorridos tanto na Universidades Públicas, quanto nas particulares

    Fonte: www.guiadacarreira.com.br

    Medicina

    Medicina

    O PROFISSIONAL

    Todos os anos, cerca de 2.400 novos médicos chegam ao mercado de trabalho. Esse dado não corresponde ao número de formados do Brasil, ele retrata apenas o número de novos profissionais que chegam ao mercado de trabalho no Rio de Janeiro.

    O grande número de novos profissionais está provocando o subemprego na medicina. Há estudantes permanecendo mais tempo, que o necessário, na residência médica, por falta de emprego. Há também profissionais com longa experiência e capacidade mais que comprovada, voltando para os plantões como forma de socorrer dificuldades financeiras.

    O médico cuida da saúde das pessoas, estuda as causas das doenças, a sua prevenção e combate. Com base em resultados de exames clínicos, define diagnósticos e tratamentos; prescreve medicamentos e realiza cirurgias.

    O médico também participa de programas de prevenção, saneamento e planejamento da medicina social. É imprescindível para esse profissional, dedicação e controle emocional, para enfrentar as emergências de pronto socorro e UTIs.

    O MERCADO DE TRABALHO

    O mercado é dos mais difíceis pelo excesso de profissionais, principalmente nos grandes centros. O médico não chega a ficar desempregado, mas é obrigado a se submeter a subempregos.

    Algumas especializações ainda encontram um mercado melhor: a geriatria, pois a população está envelhecendo e exigindo cuidados especiais; a homeopatia, desde que foi reconhecida legalmente como tratamento médico, em 1980; e a medicina esportiva, já que foi-se o tempo que o ortopedista era o médico dos esportistas.

    A profissão é regulamentada pelo Decreto-lei 44045, de 19/07/1958. É representada pelos Conselhos Regionais e pela Associação Brasileira de Medicina.

    O CURSO

    Condição fundamental para esse curso é a faculdade manter um hospital-escola. Ele tem a duração de seis anos e mais três de residência médica. O curso exige dedicação total, pois é período integral.

    Os dois primeiros anos são dedicados aos conhecimentos de anatomia, biologia e fisiologia. A partir do terceiro ano, começam as matérias clínicas e o atendimento em laboratório. Nos últimos dois anos, começam os plantões em centros de saúde e no hospital escola.

    Residência médica: a residência não é obrigatória, mas é considerada fundamental. Do total de mais de 9000 formados no País, apenas 4000 consegue fazer a residência. A residência equivale ao curso de pós-graduação, é quando o médico se especializa. Para se candidatar a uma vaga, é preciso fazer um exame de seleção. A prova é muito difícil e o número de candidatos é grande.

    Fonte: educaterra.terra.com.br

    Medicina

    É a ciência que investiga a natureza e as causas das doenças humanas, procurando meios de tratamento e utilizando técnicas específicas para promover a saúde e bem-estar do ser humano.

    O Médico

    Conhece os mecanismos de defesa do organismo, as causas das doenças e as formas de preveni-las e combatê-las. Assim, faz diagnósticos, indica exames clínicos e laboratoriais, define o tratamento mais adequado, prescreve medicamentos, indica e/ou faz cirurgias.

    Trata doenças e lesões decorrentes da prática esportiva. Orienta atividades físicas e atua com preparadores e fisioterapeutas (Medicina Desportiva).

    Examina lesões em pessoas vivas ou mortas, faz investigação de paternidade, autópsias (Medicina Legal).

    Faz a orientação, prevenção e tratamento de doenças em grupos definidos como crianças, idosos, trabalhadores e outros (Medicina Comunitária e Sanitária e Medicina do Trabalho). Medidas que atinjam grandes faixas da população.

    Atende a urgências clínicas ou traumotológicas, por meio de intervenções cirúrgicas.

    Diagnostica e trata doenças em diferentes áreas clínicas como: Anestesiologia, Angiologia (artérias e veias), Cardiologia (coração), Dermatologia (doenças da pele), Gastroenterologia(aparelho digestivo), Geriatria e Gerontologia (envelhecimento), Ginecologia (aparelho reprodutor feminino), Urologia (vias urinárias), Pediatria (crianças), Psiquiatria (doenças mentais), Hematologia (sangue), Nefrologia (rins), Ortopedia (ossos e músculos), Otorrinolaringologista (ouvidos, nariz, boca e garganta) entre outras.

    Onde Pode Trabalhar

    Hospitais, Ambulatórios, Postos de Saúde, Sanatórios, Prontos-socorros, Laboratórios, Clínicas.

    Empresas, escolas.

    Instituições recreativas e esportivas.

    O Curso

    O currículo é estruturado de forma a permitir que o aluno comece pelas disciplinas mais abrangentes e chegue à prática com um bom embasamento teórico. Na parte inicial e básica, terá conteúdos como Histologia Citologia, Anatomia Médica, Bioquímica Celular, Bioestatística, Fisiologia, Parasitologia Médica, Farmacologia Médica entre muitas outras.

    Quando passa para o ciclo profissionalizante, inicia seu contato com os pacientes, em disciplinas como Pneumologia, Ortopedia, Pediatria, Oftalmologia, Ginecologia, Neurologia, Dermatologia, Saúde Comunitária, Hematologia e Oncologia, Urologia, Psiquiatria e outras. Esta fase abrange, em média, o terceiro e quarto anos.

    No quinto ano, entra na fase dos estágios obrigatórios, onde se familiariza com os quatro grandes ramos da Medicina: Cirurgia, Clínica Médica, Pediatria e Tocoginecologia.

    No último período, sexto ano, o aluno escolhe duas entre várias opções de estágios curriculares (também chamados internatos eletivos), onde elege áreas de sua preferência para reforçar os conhecimentos adquiridos.

    DURAÇÃO

    06 anos.

    Fonte: www.cfh.ufsc.br

    Medicina

    Sobre a profissão

    O médico é o profissional que zela pela saúde física das pessoas. É ele quem conhece os mecanismos de prevenção e cura das doenças.

    Historicamente, o médico é um profissional muito respeitado, pela gama de conhecimentos que precisa dominar e pela sua importância na promoção do bem estar das pessoas. É uma profissão muito complexa, requer conhecimentos sobre anatomia, física, química, patologia, biologia. Por isso é comum que os profissionais sejam especializados em uma área específica, como ginecologia, pediatria, ortopedia, otorrinolaringologia, urologia, cardiologia, geriatria e outras.

    Para desempenhar bem sua função e arcar com a responsabilidade de cuidar da saúde e da vida das pessoas, o médico tem que estar sempre atualizado sobre pesquisas e novas descobertas. Deve conhecer muito bem os medicamentos e equipamentos disponíveis no mercado e estar sintonizado com tudo o que envolve sua área de atuação.

    O médico também pode se especializar numa função diferenciada como a Medicina Comunitária, que cuida da prevenção e cura de um amplo espectro de doenças que atinge uma determinada comunidade. Medicina Legal, realizando autópsias, auxiliando o trabalho da perícia técnica. Pode também se especializar em Medicina do Trabalho ou então em Medicina Sanitária.

    Tipos de Curso

    a) Nível Superior

    Bacharelado

    Reconhecidamente como um dos cursos mais complexos e difíceis, a medicina requer mais anos de estudo do que outros cursos. Para exercer a profissão é preciso diploma de graduação superior, de preferência complementado com cursos de especialização e pós-graduação. O tempo médio de duração dos cursos de medicina é de 6 anos, podendo variar conforme a especialidade escolhida. É exigido o estágio em hospitais e clínicas. Os primeiros anos de escola são dedicados às disciplinas básicas, comuns a todas as especialidades, como anatomia, fisiologia, patologia e química. A partir do terceiro ano de estudo se iniciam as disciplinas dirigidas, ligadas às especialidades.

    Existem diferentes especialidades para a medicina, dentre elas:

    Para o estudante que decide pela medicina é importante saber qual área mais lhe agrada, são diversas especialidades, dentre elas:

    Acupuntura

    Tratamento com agulhas para o equilíbrio energético. Tradicional no Oriente, relativamente novo na prática médica ocidental

    Alergia e imunologia

    Especialidade que lida com o sistema de defesa do organismo

    Anestesiologia

    Lida com o estudo e aplicação de anestésicos

    Angiologia

    Cuida das artérias e veias do sistema circulatório

    Cancerologia

    Estuda e cuida dos males causados pelos tumores malignos (câncer)

    Cardiologia

    É a especialidade que cuida do coração

    Cirurgia

    Compreende todas as modalidades específicas, ex: cirurgias cardíacas, extração de tumores, cirurgias ortopédicas

    Clínica médica

    Clínico geral, é ele quem faz a primeira avaliação do paciente, para encaminhá-lo ao especialista correto. Esse profissional deve ter certo domínio sobre todo o funcionamento do organismo

    Coloproctologia

    Cuida dos processos digestivos do intestino

    Dermatologia

    Cuida do maior órgão do nosso corpo, a pele

    Endocrinologia e metabolia

    É a especialidade responsável pelas glândulas que fabricam nossos hormônios e regulam nosso metabolismo

    Gastroenterologia

    Cuida do sistema digestivo

    Genética médica

    Estuda e trata as questões que envolvem herança genética

    Geriatria e gerontologia

    Especialidades que cuidam das disfunções causadas pelo envelhecimento do organismo

    Ginecologia e obstetrícia

    Especialidade que cuida do aparelho reprodutor feminino, da gravidez, do parto e dos primeiros cuidados com o recém nascido

    Hematologia

    Cuida dos problemas relacionados ao sangue e seus componentes

    Homeopatia

    Especialidade ligada à clínica geral, especialmente relacionada ao uso de remédios baseados na filosofia homeopata

    Infectologia

    Lida com os agentes infecciosos, sua prevenção, controle e cura das doenças infecciosas

    Mastologia

    Especialidade relacionada à saúde das glândulas mamária

    Nefrologia

    Cuida dos rins

    Ortopedia

    Especialidade que cuida dos ossos e músculos

    Pneumologia

    Estuda e trata dos problemas do pulmão.

    b) Nível superior

    Tecnológico

    Não existem cursos de tecnologia ou cursos técnicos para medicina, apenas cursos correlatos e de complementação da formação médica na área de saúde, como a naturologia, acupuntura, biotecnologia, citotecnologia, enfermagem, biologia molecular, instrumentação cirúrgica, análises de genoma, radiologia e outros. A duração média dos cursos de técnicos e de tecnologia superior é de 2 anos. As disciplinas variam conforme a área escolhida. A prática laboratorial é muito exigida e, em geral, é preciso cumprir estágio de seis meses para a diplomação.

    c) Cursos livres

    Não formam médicos, mas podem complementar a formação do profissional. Existem várias áreas e cursos diferenciados no mercado, como saúde da família, gestão hospitalar, logística de materiais e gestão de estoque hospitalar, dosimetria de ruídos, nutrição hospitalar. Têm tempo de duração variado.

    Mercado de Trabalho

    Em geral, o mercado de trabalho para medicina é estável, podendo variar em função da especialidade e da região onde se encontra o médico.

    Os grandes centros têm uma maior concentração de profissionais, apontando o interior e os Estados fora do eixo Rio-São Paulo, como os campos mais promissores para os jovens profissionais.

    Atualmente, com o envelhecimento da nossa população, as especialidades ligadas à prevenção e à cura das doenças relacionadas à idade estão em alta, mas outras áreas, como a de reprodução, diagnose por imagem e medicina do trabalho também reforçam o mercado de empregos.

    Áreas super industrializadas, com grande concentração de poluentes, costumam requerer bons alergistas, já as pequenas cidades procuram mais pelos clínicos gerais.

    Ofertas de Emprego

    O médico pode desempenhar variadas funções, desde as de chefia e gerência de hospitais até as clínicas, passando pelo trabalho burocrático nos órgãos públicos, pelo planejamento de políticas públicas de saúde, pela docência e pela assessoria em meios de comunicação especializados no assunto.

    O maior empregador é o Estado, absorvendo boa parte dos profissionais no sistema público de saúde. Clínicas e consultórios são outra opção para o jovem formado.
    Além da prática tradicional da medicina, o profissional pode se dedicar ao planejamento de políticas públicas, trabalhando para o governo ou para organizações civis. Pode também, prestar assessoria especializada para outros profissionais.

    Com o reforço no número de faculdades de medicina os postos para médicos professores também aumentaram, garantindo emprego para quem tem pós-graduação na área.

    Fonte: www.cursocerto.com.br

    Medicina

    Desde a sua implantação em 1990 e com mais de 10 turmas formadas, o curso de Medicina da FURB tem como objetivo formar médicos com sólida formação geral, para atuarem como Clínicos Gerais, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade, preparados para buscarem uma das inúmeras especialidades médicas.

    Diferenciais do Curso

    O curso de Medicina prioriza a relação ensino-aprendizagem, disponibilizando, nas aulas práticas, um professor para cada grupo de 6 alunos.

    Os acadêmicos poderão atuar na Rede Municipal de Saúde e hospitais conveniados da cidade.

    Formandos com um abrangente mercado de trabalho.

    A maioria dos alunos formados consegue atuação na própria cidade ou em grandes centros urbanos.

    Grande número de aprovados nos exames de seleção em várias áreas da Medicina.

    Nos últimos dois anos de curso, a atuação do acadêmico está voltada ao treinamento em postos de saúde, ambulatório universitário e hospitais.

    Alta qualificação do corpo docente, com reconhecimento em toda a comunidade do Vale do Itajaí.

    Campo Profissional

    O profissional formado atua como Clínico Geral em diversos ramos, como a medicina preventiva e a de reabilitação; clínicas e serviços públicos e privados; estabelecimentos de ensino e instituições voltadas à pesquisa científica. Está preparado para se especializar em diferentes áreas, como Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Saúde da Mulher, Saúde da Criança e do Adolescente, Medicina Desportiva, Medicina do Trabalho, entre outras.

    Fonte: www.furb.br

    Medicina

    Após muito esforço para passar no vestibular de medicina, o estudante encontrará pela frente mais estudo. Aqueles que pretendem ser um médico devem se acostumar com a idéia de que nunca deixarão de estudar muito, o que exige muito trabalho e dedicação.

    Leia abaixo trecho do livro "Médico", da Publifolha, com as fases e as matérias dos cursos de medicina.

    O curso, na prática

    Para os que já se imaginam salvando vidas assim que entram na faculdade, é bom ir com menos sede ao pote. De acordo com o currículo montado por grande parte das escolas de ensino superior do país, o atendimento efetivo ao paciente só ocorre no final do 5º ou 6º anos, quando os estudantes já atuam com um pouco mais de autonomia no hospital-escola.

    O curso de medicina dura em média seis anos e desde o início é ministrado por meio de um currículo rigoroso e muito específico, com aproximadamente 70% de disciplinas obrigatórias e 30% optativas. Em boa parte das escolas a grade curricular se divide em três ciclos: o básico, que compreende o 1º e o 2º anos; o clínico, que engloba o 3º e o 4º anos; e o internato, entre o 5º e o 6º anos.

    Assim como em outras instituições, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo o aluno estuda nos dois primeiros anos matérias básicas como anatomia, fisiologia e bioquímica, que servirão de apoio para o aprendizado subsequente. Nas aulas de anatomia, os alunos conhecem a estrutura e os aspectos do corpo humano.As atividades ocorrem em sala de aula e nos laboratórios, onde acontecem as tão comentadas dissecações de partes de cadáveres. Durante as aulas o estudante põe literalmente a mão na massa, assistido e orientado pelos professores. O objetivo é que aprenda como funcionam os órgãos e os sistemas, como base para o seu desenvolvimento nas disciplinas clínicas e cirúrgicas que virão nos anos seguintes.

    "Para mim, as aulas mais chocantes não são as de anatomia, mas as de patologia, nas quais acontecem as autópsias. Enquanto um grupo acompanha o processo no laboratório da faculdade, com um cadáver de uma pessoa que morreu no dia anterior, todos os outros alunos assistem a tudo num telão na sala de aula", conta Cinthya Taniguchi, aluna do 3º ano da Faculdade de Medicina da USP, representante dos estudantes na graduação e membro da diretoria do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz. Nas aulas de fisiologia, os alunos descobrem como funcionam os sistemas do organismo, em aulas teóricas e práticas, em classe e nos laboratórios. As aulas de bioquímica, que complementam o primeiro ciclo do curso de medicina, tratam das características e propriedades das células, dos processos metabólicos e de como estes estão relacionados às doenças.

    Nessa fase, as atividades também são desenvolvidas em sala de aula e nos laboratórios da escola.

    O ciclo básico: aproximação com a comunidade

    Em busca de um contato mais humanístico entre os estudantes de medicina e a população, em algumas universidades, como a USP, os alunos iniciam, ainda no primeiro ciclo de estudos, um treinamento para atuar como agentes comunitários em unidades básicas de saúde. A disciplina, que leva o nome de Atenção Primária em Saúde, é obrigatória.

    Algo parecido também se desenvolve na Faculdade de Medicina de Botucatu, da Unesp, que desde 2003 põe em prática um programa chamado Interação Comunitária, para estimular o contato dos alunos de 1º e 2º anos com a comunidade. Trata-se de um trabalho de promoção da saúde e prevenção de doenças feito pelos estudantes de medicina nos bairros da cidade de Botucatu. As ações ocorrem em escolas, creches, centros comunitários e asilos e contemplam a população mais carente. Outra atividade do programa, também exercida pelos alunos, é o acompanhamento da vida de bebês, do nascimento até os 2 anos de idade.A ação inclui visitas periódicas às crianças, além do atendimento às mães.

    Ainda com o objetivo de melhorar a relação médico-paciente, as escolas de medicina têm se preocupado em mostrar aos estudantes uma visão cada vez mais próxima da realidade. Na Faculdade de Botucatu, a disciplina Introdução à Medicina estimula os alunos novos a debater questões que abordam a realidade social do país, as dificuldades existentes no exercício da profissão e a relação médico-paciente. "Muitos ficam frustrados quando confrontados com a realidade da profissão no Brasil, porque boa parte dos alunos que ingressam nos cursos de medicina tem uma visão um tanto glamourizada da medicina, em que se vêem médicos famosos, vestidos com elegância, atendendo em seus belos consultórios uma clientela abastada", observa Eliana Goldfarb Cyrino, professora doutora do Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu e coordenadora do curso de medicina da instituição. "Não que isso não possa acontecer num determinado ponto da carreira, mas, muito provavelmente, todos terão de 'ralar' bastante em plantões intermináveis em hospitais públicos, atendendo a população carente, antes de chegar lá", acrescenta.

    O ciclo clínico: a hora da decisão

    No segundo ciclo - clínico -, que compreende o 3o e o 4o anos, os alunos aprendem, nas aulas de semiologia e propedêutica, a realizar exames físicos completos em pacientes. As lições são dadas nos consultórios e ambulatórios dos hospitais-escola e dos centros de saúde conveniados. Os estudantes descobrem como analisar e interpretar exames laboratoriais, eletrocardiogramas, raios X, tomografias, ressonâncias magnéticas, entre outros, para depois relacioná-los com os dados clínicos obtidos durante a anamnese (com base nas lembranças do paciente, o histórico desde os sintomas iniciais até a observação clínica) e o exame físico. Nesse período também se abordam os conceitos fundamentais das doenças mais comuns - hipertensão, diabetes, infecções nas vias respiratórias, problemas de saúde da mulher, entre outras -, seus principais sintomas e noções de tratamento. As atividades são desenvolvidas em sala de aula, laboratórios, enfermarias e ambulatórios do hospital-escola, além de postos de saúde e programas para a comunidade.

    "É nessa fase do curso que muitos alunos enfrentam crises de consciência, por achar que estão usando seus pacientes como cobaia para aprimorar conhecimentos", explica a terceiranista de medicina da USP Cinthya Taniguchi. Esses problemas são objeto de discussão nos grupos de apoio psicológico aos estudantes mantidos nas escolas de medicina.

    O ciclo do internato: dedicação total

    O 5º e o 6º anos completam o ciclo de formação básica da escola de medicina e acontecem no sistema de internato, em que o aluno precisa dedicar um número ainda maior de horas aos estudos para aprimorar o raciocínio para o diagnóstico e todas as habilidades que a profissão requer. As aulas são ministradas em atividades práticas por profissionais de diferentes especialidades, no hospital-escola e nos ambulatórios.Visitas a pacientes e consultas também farão parte das tarefas, agora acrescidas de mais responsabilidade.Ainda nesse período ocorrem os estágios e os plantões nos serviços de emergência do hospital- escola, onde se aprendem, na prática, os procedimentos de atendimento emergencial e cirúrgico. Em algumas instituições, o aluno já poderá fazer partos normais e pequenas suturas, entre outros atendimentos.As intervenções mais delicadas são realizadas por profissionais formados, acompanhadas pelos alunos.

    No final do 6º ano, o graduado será registrado no Conselho Regional de Medicina e estará apto ao exercício da profissão médica, como clínico geral.

    Fonte: www1.folha.uol.com.br

    Medicina

    Perfil do profissional

    A medicina tem como objetivo a assistência à saúde do ser humano, na sua integridade biológica e psicossocial. O estudante de Medicina da Estácio adquire conhecimentos fundamentais nas áreas de cirurgia, ginecologia e obstetrícia, pediatria, clínica médica e saúde coletiva, tornando-se competente para prestar assistência médica de qualidade, atuar na promoção da saúde, na prevenção das doenças e na recuperação e reabilitação dos doentes. Sua formação contempla o exercício profissional dentro de princípios éticos e humanistas bem estabelecidos e lhe propicia as habilidades de comunicação, liderança e trabalho em equipe, essenciais para um desempenho profissional de qualidade em nível individual e social.

    Mercado de trabalho

    Postos de saúde, clínicas e hospitais, privados e públicos; centros de pesquisa; laboratórios; consultório próprio ou de terceiro; e magistério.

    Fonte: www.estacio.br

    Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal