Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Minas Gerais  Voltar

Minas Gerais

O ESTADO

Perfil

Região brasileira
Sudeste

Paralelos
14º 13' 58" e 22º 54' 00" de latitude sul e os meridianos de 39º 51' 32" e 51º 02' 35" a oeste de Greenwich.

Área
586.529,293 Km²
7% do território nacional

Distância linear entre pontos extremos
Norte-sul
986Km

Leste-oeste
1.248Km

População
19.595.309 (censo 2010)
43% da população do Brasil
Densidade Demográfica
33,8 (hab/Km²)

Municípios
853

Distritos
1.626

Capital
Belo Horizonte

Sede Administrativa
Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/nº - Serra Verde
Cidade Administrativa - Belo Horizonte - 31630-901
31 3224-6469

Governador
Antônio Augusto Junho Anastásia - PSDB

Senadores
3

Deputados Federais
53

Deputados Estaduais
77

Limites geográficos
São Paulo - sul e sudoeste
Rio de Janeiro - sul e sudeste
Espírito Santo - leste
Bahia - norte e nordeste
Goiás - oeste e noroeste
Mato Grosso do Sul - oeste
Distrito Federal - noroeste

Regiões Metropolitanas
1.Região Metropolitana de Belo Horizonte - 34 municípios - Pop: 4.934.210
2.Região Metropolitana do Vale do Aço - 14 municípios - Pop: 515.874

Mesorregiões
1. Campos das Vertentes
Principais cidades: Barbacena, São João Del Rei, Tiradentes

2. Central Mineira
Principais cidades: Bom Despacho, Curvelo, Três Marias

3. Metropolitana de Belo Horizonte
Principais cidades:Belo Horizonte, Betim,Brumadinho, Conceição do Mato Dentro,Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Contagem, Itabira, Mariana, Ouro Preto, Pará de Minas, Sete Lagoas, Vespasiano

4. Noroeste de Minas
Principais cidades: Paracatu, Unaí, João Pinheiro

5. Norte de Minas
Principais cidades: Bocaiúva, Grão Mogol, Janaúba, Januária, Montes Claros, Pirapora, Salinas

6. Oeste de Minas
Principais cidades: Campo Belo, Divinópolis, Formiga, Oliveira, Piumhi

7. Sul/Sudoeste
Alfenas, Andrelândia, Itajubá,Passos, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí, São Lourenço, São Sebastião do Paraíso, Varginha

8. Triangulo/Alto Paranaíba
Principais cidades: Araguari, Araxá, Ituiutaba,Patos de Minas, Patrocínio,Uberaba, Uberlândia

9. Vale do Jequitinhonha
Principais cidades: Almenara, Araçuaí, Diamantina, Jequitinhonha, Minas Novas,Pedra Azul, Serro

10. Vale do Mucuri
Principais cidades: Nanuque, Teófilo Otoni

11. Vale do Rio Doce
Principais cidades: Aimorés, Caratinga, Coronel Fabriciano, Governador Valadares, Guanhães, Ipatinga, Mantena, Peçanha

12. Zona da Mata
Principais cidades: Cataguases, Juiz de Fora, Manhuaçu, Muriaé, Ponte Nova, Ubá, Viçosa

Microrregiões
66

Regiões Administrativas
1. Alto Paranaíba
2. Central
3. Centro-Oeste de Minas
4. Jequitinhonha/Mucuri
5. Noroeste de Minas
6. Norte de Minas
7. Rio Doce
8. Sul de Minas
9. Triângulo Mineiro
10. Zona da Mata

Regiões Culturais
1. Café Oeste Sul
2. Mineração
3. Nordeste
4. Sanfranciscana Mineira
5. Triângulo Mineiro
6. Zona da Mata

Ecossistemas
1. Caatinga
2. Cerrado
3. Mata Atlântica

Bacias Hidrográficas - principais
1. Rio Doce
2. Rio Grande
3. Rio Jequitinhonha
4. Rio Mucuri
5. Rio Paraíba do Sul
6. Rio Paranaíba
7. Rio Pardo
8. Rio São Francisco
9. Rio São Mateus

Serras - principais
Mantiqueira
Espinhaço

Principais picos
Pico da Bandeira - 2.892,0 metros (MG/ES)
Pedra da Minas - 2.798,4 metros (MG/SP)
Pico das Agulhas Negras - 2.791,5 (MG/RJ)
Pico do Cristal - 2.769 metros
Pico do Calçado - 2.766 metros
Pico do Itambé - 2.044 metros
Pico do Itacolomi - 1.722 metros
Pico do Itabirito - 1.568 metros

DDD
31 - Metropolitana de Belo Horizonte
32 - Campo das Vertentes / Zona da Mata
33 - Leste / Vale do Rio Doce
34 - Alto Paranaíba / Triângulo Mineiro
35 - Sul de Minas
37 - Centro-oeste
38 - Norte de Minas

Principais rodovias federais que cortam o Estado
BR 040 - Brasília - Rio de Janeiro (RJ)
BR 050 - Brasília - Santos (SP)
BR 116 - Fotaleza (CE) - Jaguarão (RS)
BR 135 - São Luis (MA) - Belo Horizonte (MG)
BR 262 - Vitória (ES) - Corumbá (MS)
BR 381 - São Mateus (ES) - São Paulo (SP)

Datas cívicas e religiosas
21 de abril
Dia da entrega da medalha da Inconfidência

16 de julho
Dia de Minas Gerais

15 agosto
Dia da padroeira do Estado - Nossa Senhora da Piedade

Fontes
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
INDI - Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais
FJP - Fundação João Pinheiro
DER/MG - Departamento de Estradas de Rodagem
Governo de Minas - www.mg.gov.br

AS CAPITAIS


Entrada de Piranguinho

Algumas cidades mineiras possuem atividades econômicas tão marcantes, na escala de produção e qualidade, que ganharam o título de "capital", referente a sua vocação. Apresentamos abaixo, em ordem alfabética, as "capitais" mineiras.

Belo Horizonte - Capital dos Botecos

Região cultural: Mineração
Região turística: Central
População: 2.452.617 (IBGE 2009)

Os quase doze mil bares espalhados por todas as regiões da cidade motivaram a criação de uma lei que declarou Belo Horizonte como "capital mundial dos botecos".

A tradição dos botecos á tão grande que um dos eventos de maior sucesso na capital mineira é o "Comida di Buteco", que premia os melhores tira-gostos anualmente. Durante os meses de abril e maio, os frequentadores de botecos fazem uma maratona para provar e votar no melhor petisco e na cerveja mais gelada.

Lei Municipal nº 9.714
Art. 1º - Fica o Município de Belo Horizonte declarado Capital Mundial dos Botecos.

Parágrafo único - Para os fins desta lei, entendem-se como botecos os bares, restaurantes e assemelhados.

Art. 2º - Fica instituído o Dia Municipal dos Botecos, a ser comemorado, anualmente, no terceiro sábado do mês de maio.

Parágrafo único - A data instituída no caput deste artigo constará do Calendário Oficial de Festas e Eventos do Município de Belo Horizonte.

Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Belo Horizonte, 24 de junho de 2009.

Márcio Araujo de Lacerda
Prefeito de Belo Horizonte

Borda da Mata - Capital do Pijama

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 15.507 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 410 km

Às margens da Rodovia MG-290, estão localizadas oito das nove lojas da cidade. Para o município, o pijama é um "produto turístico" que atrai compradores do varejo e atacado.

Oitenta por cento da economia de Borda da Mata provém das confecções de pijamas e dos teares. A Associação Comercial e Industrial da cidade contabiliza 3.700 pessoas envolvidas nas atividades de confecção de pijamas e tecelagens.

Estiva - Capital do Morango

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 11.426 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 409 km

As plantações de morango se iniciaram no início da década de 60 do século 20. Os morangueiros se adaptaram tão bem ao clima que o município se tornou o maior produtor de morango de Minas Gerais. Hoje Estiva produz 13.000 toneladas/ano, ocupando 260 ha - 50.000 kg por hectare. São 2.578 agricultores familiares envolvidos na produção de morangos.

Desde 1999, acontece no mês de julho a ExpoFest Estiva, que apresenta aos participantes muitas delícias feitas com morango, além de shows e do baile da Rainha do Morango.

Jacutinga - Capital das Malhas

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 21.424 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 490 km

O turismo de compras é o forte do município. Hoje, Jacutinga é conhecida em todo o País como pólo de fabricação de malhas de tricô, sendo responsável por 25% da produção nacional do setor. São produzidos dois milhões de peças/mês, em um parque industrial de microempresas, que utilizam tecnologia de primeira geração.

Juruaia - Capital da Lingerie

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 8.684 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 508 km

A cidade é hoje referência na produção e no comércio de lingerie, já que são mais de 70 lojas e confecções. Anualmente são realizados dois eventos, que fazem parte do calendário da moda íntima no País. Em maio acontece a Feira de Lingerie de Juruaia (Felinju), e em setembro é a vez da Fest Lingerie.

Monte Sião - Capital Nacional da Moda Tricô

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 8.684 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 470 km

A principal atividade econômica de Monte Sião é a confecção de malhas. A comercialização é feita através de cerca de 2.000 estabelecimentos, entre malharias e lojas comerciais.

A Feira Nacional do Tricô (Fenat) acontece entre os meses de abril e maio.

Nova Serrana - Capital dos Calçados Esportivos

Região cultural: Mineração
Região turística: Central
População: 67.967 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 133 km

Os primeiros calçados produzidos em Nova Serrana eram artesanais. Apenas em 1948, foi implantada a primeira fábrica de botinas, registrada por Geny José Ferreira.

São produzidos no município e cidades do entorno mais de 77 milhões de pares/ano de calçados esportivos, criando aproximadamente 21 mil empregos diretos e 20 mil indiretos; esse segmento dos calçados esportivos representa 55% da produção nacional.

A Secretaria de Cultura de Nova Serrana está atualmente (ago. 2010) organizando o Museu do Calçado.

Piranguinho - Capital do Pé de Moleque

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 8.227 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 436 km

Considerado identidade cultural de Piranguinho, o pé de moleque do município é tão importante e famoso que se tornou símbolo gastronômico do Circuito Turístico Caminhos do Sul de Minas. A Prefeitura de Piranguinho instituiu o selo de qualidade municipal para atestar a procedência do doce e evitar as falsificações.
O evento marcante na cidade é a Festa do Maior Pé de Moleque do Mundo.

Salinas - Capital da Cachaça

Região cultural: Nordeste Mineiro
Região turística: Norte de Minas
População: 38.789 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 640 km

Atualmente, a produção anual de cachaça no município é de cerca de cinco milhões de litros por ano, sendo comercializada sob mais de 50 marcas em todo o País e no exterior. A economia da região gira em torno do produto.

Entre as dezenas de marcas de cachaça produzidas no município, a mais tradicional é a Havana, marca símbolo da região e reconhecida pelo Patrimônio Cultural Imaterial de Salinas, por meio do Decreto Municipal nº. 3.728/2006.

Santo Antônio do Monte - Capital dos Fogos de Artifício

Região cultural: Central
Região turística: Centro-Oeste
População: 25.899 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 185 km

Foguetes de todos os tipos e cores são produzidos em Santo Antônio Monte, produtos de sucesso que são responsáveis por mais de 80% da produção nacional. Gerador de mais de 15 mil empregos diretos e indiretos, Santo Antônio do Monte abastece todo o território nacional e exporta para o mercado internacional.

No maior evento da cidade, a Festa do Foguete mostra o que existe de melhor na pirotecnia, oportunidade em que as fábricas da cidade oferecem novidades e produtos de qualidade. A Rodada de Negociação proporciona bons negócios para produtores e compradores do Brasil e do exterior. O melhor da festa são os shows pirotécnicos, quando cada fábrica apresenta produtos da mais alta qualidade.

Para fortalecer a produção, foi criado o Centro Tecnológico Oscar José do Nascimento, que fornece apoio técnico e científico às indústrias.

Santa Rita do Sapucaí - Capital dos Eletrônicos

Região cultural: Café Oeste Sul
Região turística: Sul de Minas
População: 36.150 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 406 km

Todas as urnas eletrônicas utilizadas nas eleições brasileiras são produzidas em Santa Rita do Sapucaí, hoje conhecida como "Vale da Eletrônica". Famosa pela qualidade de seus produtos, que são exportados para vários países, Santa Rita é um dos principais polos de desenvolvimento tecnológico do Brasil.

A renda per capta atual da cidade é uma das mais altas do interior do País, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). São 134 empresas de pequeno e médio portes, que juntas, em 2008, faturaram cerca de R$ 1 bilhão.

Timóteo - Capital do Aço Inox

Região cultural: Central
Região turística: Rio Doce
População: 79.813 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 196 km

Em 1944, foi instalada em Timóteo a Companhia de Aços Especiais Itabira (Acesita). Ao longo dos anos, a empresa passou a produzir vários tipos de aço, batendo recordes na produção e iniciando o processo de exportação para mais de 30 países. Em 1988, cerca de 40% da sua produção é exportada. Nesse mesmo ano, iniciou-se o processo de privatização da Acesita, ação que terminou em 1992.

Na primeira década do século 21, a Acesita passou a ser comandada pela Arcelor Mittal. A Usina Siderúrgica da Arcelor Mittal Inox Brasil, localizada em Timóteo, na região conhecida como Vale do Aço, tem a capacidade instalada da ordem de 900 mil toneladas/ano de aço líquido e é a única produtora integrada de aços planos inoxidáveis e elétricos da América Latina.

Ubá - Capital Moveleira

Região cultural: Zona da Mata
Região turística: Zona da Mata
População: 99.708 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 392 km

A fabricação moveleira de Ubá é destaque no Brasil e vem ganhando espaço no mercado internacional. É o primeiro polo moveleiro de Minas e o terceiro do Brasil. São produzidos sala de jantar, estofados, camas, guarda-roupas, cômodas e criados.

Uberaba - Capital do Zebu

Região cultural: Triângulo
Região turística: Triângulo
População: 296.261 (IBGE 2009)
Distância de Belo Horizonte: 489 km

Todos os anos, no mês de maio, Uberaba se torna a "Capital Mundial do Zebu". Mais de US$ 100 milhões em negócios são movimentados na Expozebu. Uberaba é hoje o maior centro de referência em embriões bovinos e maior centro mundial de melhoramento genético de raças zebuínas.

A importância e tradição do zebu para a economia da cidade resultou na criação do Museu do Zebu, que conta a trajetória dessa raça no Brasil. O acervo do museu é constituído por peças, fotos, livros e documentos. Há exposição permanente e mostras anuais temporárias.

A sede nacional da Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ACBZ) está instalada em Uberaba.

CIDADES MINEIRAS COM NOMES INDÍGENAS

Acaiaca
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
acaiacá - designação da árvore também conhecido como cedro brasileiro


Aimorés
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
aymoré, guaimuré, guay-mur-ré - aquele que é povo ou nação diferente


Aiuruoca
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
ajuru - os papagaios
oca - casa, morada
Casa de papagaios


Araçaí
Região cultural: Mineração

Etimologia
araçá-g-y - o rio dos araçás


Aracitaba
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
ara-cya - mãe do dia, a aurora - taba - a aldeia


Araçuaí
Região cultural: Norte de Minas

Etimologia
araçá-g-y - rio dos araçás


Araguari
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
araguá-r-y - a água ou o rio da baixada dos papagaios


Araponga
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
Ara-ponga / guirá-ponga - o pássaro martelante, como a pancada de um martelo, ferrador


Araporã
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
1. ará - o dia;
porã - bonito
O dia bonito, o tempo bonito

2. ará-piranga - o papagaio vermelho / A barra do dia


Arapuá
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
ira-poã- arapoá - o mel redondo, o ninho de abelhas arredondado


Araxá

Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
ará-cha, ará-echá, ará-çá - vista do mundo, lugar de onde se pode ver o mundo


Aricanduva
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
airican-dyba - sítio dos airis ou das palmas airis


Baependi
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. bae pendy - que nação é a sua?- essa coisa é sua?
2. maependi , baependi - limpo, a clareira, clareira na mata
3. mbaependi - baependi
mbae - pender, dependurar
pé - caminhos
ndi - muitos
lugar com ladeiras fortes


Bambuí
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. bambu-y - o rio do bambu
2. ambu - barulho, ruído, grito
hy - rio
rio roncador


Bocaiuva
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
macá-yba - a árvore da macaba, um tipo de palmeira


Botumirim
Região cultural: Norte de Minas

Etimologia
ybytu - o vento, a aragem, a nuvem


Braúnas
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
ybirá-una - madeira preta


Buritis
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
mbiriti - árvore que salta líquido, a palmeira


Buritizeiro
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
o mesmo que mbiriti


Caeté
Região cultural: Mineração

Etimologia
caá-etê - a mata real, mata virgem, folha larga


Cajuri
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. caju-r-i - o rio do caju

2. caá-juru - a boca da mata

3. (a)caju, (a)cayu - a fruta, caju
ru, run - negro
O caju preto


Camanducaia
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
cama - andá - ocaia - fruto do alto da queimada


Cambuí
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. caá-mboy - planta ou folha que se desprende

2. camby-y - o rio de leite


Caparaó
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. yg-apara-og - a casa do rio torto

2. caá-apara - o pau torto

3. yg-apara - o rio torto


Caraí
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
1. carahi - espécie de macaco (nyctipithecus vociferans)

2. carahy - o rio dos acarás


Caranaíba
Região cultural: Mineração

Etimologia
Caraná-yba - a palmeira da carnaúba


Carandaí
Região cultural: Mineração

Etimologia
carandá-y - o rio das carnaúbas / bica, cano / carandaizinho


Caratinga
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
cará-tinga - cará branco


Careaçu
Região cultural: Café Sul Minas

Etimologia
Uma tentativa de traduzir o termo "volta grande" para o tupi


Cataguazes
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
Nome de um a nação indígena


Catuji
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
catú-g-y - o rio bom, aguada boa


Caxambu
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. caça, caaça - rompe ou vara mato
mbu,mpu - estrondo, eco no mato

2. Instrumento musical, tambor, bumbo - Origem africana que possivelmente foi assimilada pelos índios


Coroaci
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
1. co-ara-cy - a origem deste tempo, a mãe deste dia

2. co-ara-cy - nome dado ao sol


Douradoquara
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
Termo híbrido, português-tupi
dourado - peixe d'água doce
quara - o buraco, a toca
A toca dos dourados


Grupiara
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
Curu-piara - o que fica entre seixos


Guanhães
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
gua-nhã - aquele que corre


Guapé
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. guá-pé - o que serve de caminho, folhas que cobrem a superfície da água e dão caminho às aves
2. gua-peba - o que chato ou plano


Guaraciaba
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
guaracy-aba - os cabelos ou raios de sol, o cabelo louro.


Guaraciama
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
guaracy - o sol
ama, amaná - a chuva
Chuva em dia de sol


Guaranésia
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
Termo híbrido - tupi-greco

guará - pássaro
nésia - ilha
O pássaro da ilha


Guarani
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
guarini - o guerreiro, o lutador


Guarará
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. Tambor usado pelos nativos
2. O manhoso, o investigador
3. Furta-cor ou cambiante
4.
nome de um peixe do mar


Guaxupé
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
gua-exú-pé - um tipo de abelha que faz o ninho dentro da terra


Guiricema
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
Guiri - o bagre
(A)cema - a saída
Saída do bagre


Gurinhatã
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
guir-enhè-atá - a ave que canta muito


Iapu
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
1. iapeyu, yapó-yu - pantanal, estagnado
2. japu - yapu - ave


Ibiá
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
yby-ã - a terra alta, a chapada, o planalto


Ibiaí
Região cultural: Mineira Sanfranciscana

Etimologia
1. yby-ã - planalto
y - rio
O rio do planlato
2. ybyã-i - o pequeno planalto


Ibiracatu
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
ibirá - pau
catu - bom, boa
Madeira boa, madeira de lei


Ibiraci
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. ybyrá - o pau, a árvore
ci - mãe
A mãe da árvore
2. ybyrá-ycica - a resina de pau, almácega


Ibirité
Região cultural: Mineração

Etimologia
1. yby-retê - terra firme
2. ybyiyretê - serra


Ibituruna
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
Ibitu-runa - o morro negro, serra negra


Icaraí de Minas
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
y-caray - água santa, água benta


Igarapé
Região cultural: Mineração

Etimologia
ygara-pé - caminho da canoa, canal que só dá passagem a canoa


Igaratinga
Região cultural: Mineração

Etimologia:
ygara-ytinga - o pano branco da canoa, a vela


Iguatama
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
yguá-terama - enseada, referente a curva do rio São Francisco


Ijaci
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
yaci - mãe dos frutos, a lua


Imbé de Minas
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
y-mbé - planta rasteira


Indaiabira
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
indaiá - palmeira
bira - alto, elevado
Palmeira alta


Ingaí
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. y-igá - o que é embido e úmido
2. ingá-yba - a árvore do ingá, a ingazeira


Inhapim
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. iãpir - cabeceira do rio, de onde vem o rio
2. yapi / y-apira - nascentes ou cabeceiras dos rios


Inhaúma
Região cultural: Mineração

Etimologia
nhae-u - barro, barro de panela


Inimutaba
Região cultural: Mineração

Etimologia
inymbo - fio de algodão
taba - aldeia
A cidade do fio de algodão, alusiva à industria de tecelagem


Ipanema
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
y- água - ruim, rio sem peixe, ruim para pesca


Ipatinga
Região cultural: Mineração

Etimologia
ypé-tinga - casca branca


Ipiaçu
Região cultural:Triângulo

Etimologia
1. iby-açu - terra grande
2. ipu-açu - fonte grande, olho d'água grande
3. y-piahú - o rio novo


Ipiuiúna
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. ipu-i-uma - o olho d'água escuro ou água preta
2. y-piuna - água preta


Iraí de Minas
Região cultural:Triângulo Mineiro

Etimologia
yra - o mel
y - água
Rio do mel


Itabira

Região cultural: Mineração

Etimologia
1. itá-bira - pedra levantada ou empinada
2. itabira - pedra fulgurante, pedra flamejante
3. itabira - moça de pedra


Itacambira
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
1. ita-acambira - o forcado de ferro, o compasso
2. ita-cam-bir - pedra de dorso empolado
3. ita-caã-bir - a pedra pontuda que sai do mato


Itacarambi
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
itá-carambui - pedra redondinha ou miúda, pedra pequena


Itaguara

Região cultural: Mineração

Etimologia
1. ita -gyaba - a comida de pedra, o barro com salitre que os animais comem
2. ita-yguara - o poço das pedras


Itaipé
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
ita-y-pé - no rio das pedras


Itajubá

Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. itayub-á - extração de ouro, mineração
2. itá-juba - pedra amarela, alusivo a um rochedo existente nessa cor
3. itá-i-abae - rio das pedras que cai de cima, cachoeira do rio das pedras


Itamarandiba
Região cultural: Nordeste Mineira

Etimologia
1. itá-marã-dyba - local das pedras desordenadas
2. itamirindiba - local dos seixos arredondados
3. ita-mirim-di-ba - pedra miúda
4.ita - pedra
5.mara, mirá - pau, madeira
6.ndiba, ndyba - sítio, jazida
7.Abundância de pau ferro, madeira rija


Itamarati de Minas

Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. ita-marã-ty - corrente por entre pedras soltas
2. itá-moroti - as pedras alvíssimas
3. itamará, ytamirá, ti, tim - pau ferro, branco, madeira duríssima e alva, o pau marfim


Itambacuri
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
itambaqui-r-y - rio dos montes de cascas de mexilhões, sambaqui


Itambé do Mato Dentro

Região cultural: Mineração

Etimologia
ita-aimbé , aembé - pedra afiada


Itamogi
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
ita - pedra
mboy-gy - rio das cobras, a pedra do rio das cobras


Itamonte
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
Vocábulo híbrido - tupi / português
ita-monte - monte da pedra


Itanhandu
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
itá - pedra
nhã-d-u - corre com estrépito, a corredeira, ema
A ema de pedra


Itanhomi
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
itá - pedra
nhu, nhum - campo
y - pequeno
O campinho de pedra


Itaobim
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
ita - pedra
obi - verde
A pedra verde, a esmeralda


Itapagipe
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
itapé-gy-pe - o rio da laje


Itapecerica
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. itapé-cerica - a laje escorregadia
2. itapé-cyryka - corredeira que forma um lençol úmido por cima da pedra


Itapeva
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
ta-peba - pedra rasteira, a laje


Itatiaiuçu
Região cultural: Mineração

Etimologia
itátiâi-uçú - o grande penhasco cheio de pontas, a grande crista eriçada,a grande pedra que sua


Itaú de Minas

Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
itá-u - a pedra preta


Itaúna
Região cultural: Mineração

Etimologia
itá-una - a pedra preta, o ferro


Itaverava
Região cultural: Mineração

Etimologia
itá-beraba - a pedra resplandecente, a pedra que reluz


Itinga
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
y-tinga - a água branca, o rio branco


Itueta

Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
y-tu - queda-d'água, o salto, a cachoeira
etá - sinal de plural, muitas quedas d'água, corredeira


Ituiutaba
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
y-tuyuc-taba - aldeia de água fria


Itumirim
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
ytu-mirim - pequeno salto ou pequena cachoeira


Iturama

Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
yty-terma - região da cachoeira


Itutinga

Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
ytu-tinga - salto branco, cachoeira de águas claras


Jacuí
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. yacú-y - o rio dos jacus
2. y-acui - o rio enxuto, o rio temporário


Jacutinga
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
yacú-tinga - jacu branco, nome de uma rocha friável e argilosa servindo de jazida ao ouro entre a rocha de itabirito


Jaguaraçu

Região cultural: Mineração

Etimologia
ya-guara, açu - onça grande


Jaíba
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
y-ayba - a água ruim, o rio mau


Jampruca
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
Existe uma dúvida se o termo é de origem indígena ou africana
Segunda Nelson de Sena - o vocábulo tem origem tapuia


Janaúba
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
yandi-yba - árvore ou pau d'óleo, a planta do visgo ou do grude


Japaraíba

Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
yapar-yba - o pau d'arco, madeira rija de que os índios faziam os seus arcos


Jeceaba
Região cultural: Mineração

Etimologia
yecêaba - confluência de rios. Alusiva à confluência dos rios Camapuã e Paraopeba


Jequeri

Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. jequeri - arbusto espinhoso de folhas miúdas
2. yu-keri - o espinho propenso a dormir
3. jequir, yquyr, i, y - água, água de sal, água salgada, fermento salgado.


Jequitaí
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
1. yiquitai-y - o rio das jequitaias ou formigas irritantes, que queimam
2. jequi, yequi - molho condimento
tai - acre, ácido, picante,
O molho acre, o condimento picante


Jequitibá

Região cultural: Mineração

Etimologia
yiki-t-y-bá
o fruto de jequi, o fruto com forma de côncava


Jequitinhonha
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
yiki-tinhonhe - tipo de cesto de pesca mergulhado ou assentado n'água


Joaima
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
Nome de um chefe indígena


Juatuba

Região cultural: Mineração

Etimologia
a-yú-á - fruta colhida do espinho
tuba - de
tyba - o sítio dos juás


Juruaia

Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
yury-á - boca aberta ou ampla, embocadura larga


Lambari
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
aramberi - peixinho de água doce


Manhuaçu

Região cultural: Zona da mata

Etimologia
1. amaná-açu - chuva forte, tempestade
2. manhu, mañu - molhe de erva, feixe de feno
uaçu, guaçu - veado
o molho ou feixe de erva dos veados


Manhumirim

Região cultural: Zona da Mata
Etimologia
1. mandi-yuba - mandi amarelo
miri - pequeno
Mandi amarelo pequeno
2. aman'y - rio da chuva
miri - pequeno
Pequeno rio da chuva


Maripá de Minas
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
mbaerup - apoio para coisas, aparador


Matipó
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
mati, matii - pequenino
pó, (m)bó - mão, cipó, fibra
a mão pequenina, o cipozinho, a fibra delgada


Machacalis
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
Nome de uma nação indígena


Minduri
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. mandori, manda-r-i - o pequeno ninho, o pequeno feixe
2. abelha silvestre


Miraí

Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
myrá - gente, pessoa
y,i - rio
rio da gente


Muriaé
Região cultural: Zona da mata

Etimologia
1. muri, m(b) ury - cana de açúcar
aê - ter sabor, gostoso
cana de açucar doce, cana de açúcar saborosa
2. muri, m(b)eru - mosca, mosquito
aê, ahêi - farto
cheio de mosquistos
3. muru-aé, meru-aé - moscas afligem ou atacam


Mutum
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
my-t-u, motum - pele negra
ave com penas negras comuns na região


Nanuque

Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
nak-nanuks - povo indígena do vale do Mucuri


Naque
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
referência a um povo indígena


Paracatu
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
pará-catu - o rio bom, rio navegável


Paraguaçu

Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. pará-guaçu - o mar grande, o oceano
2. paraguá-açu - a coroa, grande cocar

Paraopeba
Região cultural: Mineração

Etimologia
pará-u-peba, pará-y-peba - o rio da água rasa, rio chato


Patis

Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
1. upá-ty, paty - que serve para prender o leito do rio
2. upá-ty, paty - palmeiras que se tiram cordas para atar as redes


Pequeri
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. pê - casca
quiri - um pouco, delgado, franzino
um pouca da casca, casca tenra
2. pqui, pyquy - marrequinhas
ri, ry - rio
rio das marrequinhas
3. pequir - peixinho, pequira
i,y - rio, rio pequira


Pequi
Região cultural: Mineração

Etimologia
pyqui, piqui - casca áspera, áspera


Piau
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
py-yáu - pele manchada, peixinho de água doce


Piracema
Região cultural: Mineração

Etimologia
pirá- acema - a saída do peixe, cardume, ocasião da desova


Pirajuba
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
pirá-yuba - peixe amarelo, o dourado


Piranga
Região cultural: Mineração

Etimologia
piranga - vermelho, corado, ruivo, pardo


Piranguçu
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
piranga - vermelho
açu - grande
Vermelhão, vermelho grande


Piranguinho
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
Diminutivo em português de piranga


Pirapetinga
Região cultural: Zona Sul

Etimologia
pirá - peixe, pé
peba - chato
tinga - branco
peixe branco e chato
espécie de peixe de água doce


Pirapora
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
pirá-porá - a morada do peixe, o que contém peixe, o peixe que salta


Piraúba
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
pirá-yu - forma contrata de pirá-yuba - peixe amarelo, o dourado


Pitangui
Região cultural: Mineração

Etimologia
pitang-y - rio das pitangas
mitang-y - rio das crianças


Piumhi
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. pium-y - rio dos mosquitos
2. peú, mbeú - podre, lodo, lama - rio lodoso


Pocrane
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
nome próprio de um indígena


Poté
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
1. nome próprio de um indígena
2. potum, pitu, potim - camarão de água doce
3. pitum - fumo, tabaco


Sapucaí- Mirim
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
1. çapucaí-y - rio das sapucaias


Sertinga
Região cultural: Café Oeste Sul

Etimologia
ciriyba-tinga, ciry-tinga - o mangue branco


Taiobeiras
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
tayá-oba - folha de taiá
plantas que produzem taiobas


Taparuba
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
1. ta-pará - rio preso, água que permanece estagnada
2. yba, ubá - fruto ou a canoa fabricada com casca de árvore
fruto ou canoa do rio preso, da água estagnada


Tapira
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
tapiira - anta


Taquaraçu de Minas
Região cultural: Mineração

Etimologia
taquaruçu - cana grande, taquara grossa


Tarumirim
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
tory-mirim, taru-mirim - a espiga pequena, facho pequeno, fogueira pequena


Tumiritinga
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
itu-mirim-tinga - cachoeira de águas claras


Tupaciguara
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
tupã-ci-guara - a morada da mãe de Deus


Ubá
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
ybá - o fruto, canoa feitas com um tronco


Ubaí
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
1. uybá-y - o rio das flechas
2. ybá-y - rio das frutas


Ubaporanga
Região cultural: Zona da Mata

Etimologia
ubá-poanga - canoa bonita


Uberaba
Região cultural: Triângulo Mineiro

Etimologia
y-beraba - água brilhante, clara, transparente


Umburatiba
Região cultural: Nordeste Mineiro

Etimologia
Umburamas
ymbú-rama - imbu falso, semelhante ao imbu
umburatiba - sítio das umburamas


Unaí
Região cultural: Sanfranciscana Mineira


Etimologia
1. uná-i - pequeno grão
2. una-í - pretinho, moreninho


Urucuia
Região cultural: Sanfranciscana Mineira

Etimologia
1. urú - prato, vasilha,
cuia - coité
receptáculo feito com o fruto do coitezeiro
2. urú - cesto,cofo
cuia - folha , a filha do uru
a palha com quem fazem cestos ou cofos
3. urú - continente
cuia - ao longo,distante, longe
ao longo do continente


Fonte de pesquisa

Costa, Joaquim Ribeiro. Topomínia de Minas Gerais. Belo Horizonte, BDMG Cultural,1997

Brabosa, Waldemar de Almeida. Dicionário Histórico Geográfico de Minas Gerais, Editora Itatiaia, 1995

DIA DE MINAS GERAIS - 16 DE JULHO


Câmara Municipal ( antiga cadeia )

O dia "Dia de Minas Gerais" foi instituido em 1979 pela lei nº 561.

Por que 16 de julho, dia de Nossa Senhora do Carmo, foi escolhido para comemorar o dia de Minas Gerais?

A bandeira chefiada pelo Coronel Salvador Fernandes Furtado de Mendonça chegou à região onde hoje está a cidade de Mariana no dia 16 de julho 1696. Para se instalarem o grupo escolheu as margens de um ribeirão, que recebeu o nome de ribeirão do Carmo, justamente por ser aquele o dia dedicado a Nossa Senhora do Carmo. O ribeirão se revelou pródigo em ouro e ali se iniciaram os trabalhos de mineração.

Mariana hoje é chamada de "berço da civilização mineira", foi a 1ª capital (1709), a 1º vila (1711), a 1ª sede de bispado (1745) e a 1ª cidade de Minas Gerais (1745). Devido ao pionerismo de Mariana, o dia 16 de julho, marco do seu povoamento, foi escolhido para ser o dia de Minas Gerais.

A cidade é guardiã de uma importante parte do patrimônio cultural e histórico de Minas Gerais. Nada melhor do que andar por suas ruas para descobrir o discreto charme desta cidade setecentista através de seus casarões, cada um mais bonito que o outro. A casa do Barão do Pontal, por exemplo, encanta a todo visitante com suas belas sacadas em pedra sabão. A Catedral da Sé e a Igreja de São Francisco de Assis guardam primorosos trabalhos da arte colonial mineira.


Bandeira do Estado de Minas Gerais

Que bandeira se desdobra?
Com que figura ou legenda?
Coisas da Maçonaria -
do paganismo ou da Igreja?
A Santíssima Trindade?
Um gênio a quebrar algemas?

Cecília Meireles

A bandeira do Estado de Minas Gerais foi oficializada pela Lei nº. 2.793, de 8 de janeiro de 1963, e sancionada pelo governador José de Magalhães Pinto.

O Triângulo
O triângulo da bandeira de Minas Gerais estava na bandeira idealizada pelos inconfidentes mineiros. Existem duas correntes de pensamento para explicar a forma geométrica triangular. Com base em depoimentos de Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes - nos Autos da Devassa, o triângulo é uma referência à Santíssima Trindade.

"Assentou-se mais na dita conversação, que José Alvares MacieI faria a pólvora, e estabeleceria algumas manufaturas pelo tempo adiante, que o vigário da Vila de S. José capacitaria gente para entrar na sedição, e motim, e o mesmo havia de fazer ele respondente por onde pudesse, que o Coronel Ignácio José de Alvarenga daria gente da companhia, e o Padre José da Silva de Oliveira Rolim do Serro Frio, no que convieram os sobreditos: e falando ele respondente, em que a nova República que se estabelecesse devia ter bandeira disse que como Portugal tinha nas suas armas as cinco chagas, deviam as da nova República ter um triângulo, significando as três pessoas da Santíssima Trindade; ao que o Coronel Ignácio José de Alvarenga disse que não, e que as armas para a bandeira da nova República deviam ser um índio desatando as correntes com uma letra latina, da qual ele respondente se não lembra, e que tudo ficasse sopito, e em suspenso até se lançar a derrama, se achassem que com ela ficava o povo disposto para seguir à sedição, e motim; estando ele respondente, e os sobreditos nesta conversação chegou o Desembargador Tomás Antônio Gonzaga, e com a sua vinda todos se calaram, e se foram embora."

Existem os que acreditam ser o triângulo uma conexão com a maçonaria e dentro dos ideais iluministas - Liberdade, Igualdade e Fraternidade -, que contagiou o mundo ocidental no século 18. Lembrando que não existe nenhuma comprovação histórica que os inconfidentes pertenciam à maçonaria.

Hoje o desenho do triângulo é definido pela Lei nº 2.793, de 8 de janeiro de 1963 . Diz o art. 2º: "A Bandeira do Estado de Minas Gerais tem os seguintes desenho e forma: um retângulo em branco com 20 (vinte) módulos de comprimento e 14 (quatorze) módulos de largura; ao centro, um triângulo eqüilátero em vermelho com 8 (oito) módulos de cada lado, tendo no lado superior esquerdo a palavra 'LIBERTAS', no lado superior direito as palavras 'QUAE SERA' e na base a palavra 'TAMEN', as quais palavras são em TIPO ROMANO, com letras de 2/3 de módulo em altura e separadas do triângulo por 1/3 do módulo, formando no conjunto a frase 'Libertas quae será tamen', que é a divisa da Inconfidência Mineira".

A cor
Alguns pesquisadores acreditam que a cor original do triângulo era verde. Depois de adotada na República como bandeira de Minas Gerais, o triângulo passou para a cor vermelha, por ser símbolo universal das revoluções.

A inscrição
Os inconfidentes e os poetas Cláudio Manoel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga e José Ignácio de Alvarenga Peixoto cultuavam a antiguidade clássica e seus poetas, daí a escolha por Alvarenga Peixoto do lema da bandeira - "Libertas quae sera tamen" - ter sido escolhido da primeira égloga de Públio Virgílio Marão (70-19 a.C) que faz ela parte do diálogo entre Meliboeus a Tityrus.

Traduzida como Liberdade ainda que tardia, na verdade a frase foi mutilada, e, para os latinistas, é errada a sua tradução. A frase correta no texto original de Virgílio é: "Libertas, quae sera tamen, respexit inertem". As opções de tradução são:

"A Liberdade, que embora tardia, contudo, olhou favoravelmente para mim, inerte."

"A Liberdade que, mesmo tardia, olhou, contudo, inerte para mim."

"A Liberdade que, embora tardia, contudo olhou favoravelmente para mim,
que nada fiz."

"A Liberdade que tardia, todavia, apiedou-se de mim, na minha inércia."

O que, provavelmente, ocorreu foi uma liberdade poética por parte dos inconfidentes; como bons latinistas, não teriam incorrido em um erro tão grosseiro.

BRASÃO


Brasão de Minas Gerais

O brasão do Estado de Minas Gerais foi criado pela Lei nº. 1, de 14 de setembro de 1891, e aprovado pelo Decreto nº. 6.498, de 5 de fevereiro de 1924.

Descrição
Forma uma estrela de cinco pontas, contornada por filetes de cor vermelha; em seu centro figuram duas picaretas de mineração, cruzadas e sobre elas uma lanterna de mineiro. De cada lado da estrela, há dois ramos grandes de café, na parte exterior, e dois ramos pequenos de fumo, a partir dos vértices de baixo da estrela, de cor verde e com flores vermelhas e arroxeadas.

Na parte inferior do escudo, corre uma faixa com o nome do Estado de Minas Gerais, e, em um laço, abaixo dela, a data de 15 de junho de 1891, que é a data da primeira Constituição do Estado.

Contornando a ponta superior da estrela, a divisa: Libertas quae será tamen.

Símbolos
Instrumentos do mineiro, ramos de tabaco e café simbolizam as principais riquezas do Estado na época da Proclamação da República.

HINO DE MINAS GERAIS

O Hino

Oh! Minas Gerais
Oh! Minas Gerais
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais

Tuas terras que são altaneiras
O teu céu é do puro anil
És bonita oh terra mineira
Esperança do nosso Brasil
Tua lua é a mais prateada
Que ilumina o nosso torrão
És formosa oh terra encantada

Oh! Minas Gerais
Oh! Minas Gerais
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais

Teus regatos a enfeitam de ouro
Os teus rios carreiam diamantes
Que faíscam estrelas de aurora
Entre matas e penhas gigantes
Tuas montanhas são peitos de ferro
Que se erguem da pátria ao cantil
És altar deste imenso Brasil

Oh! Minas Gerais
Oh! Minas Gerais
Quem te conhece
Não esquece jamais
Oh! Minas Gerais

Hino de Minas Gerais
A Constituição Estadual de 1989 estabeleceu pelo art. 7: “São símbolos do Estado a bandeira, o hino e o brasão, definidos em lei.”

Mas Minas Gerais não possui um hino oficial. Para que uma música se torne o hino oficial é necessário que essa seja aprovada em concurso público ou por decreto do governador.

A Secretaria de Estado de Cultura organizou em 1985 um concurso público para a escolha de um hino. Por decisão do corpo de jurados, nenhuma das 72 composições inscritas foi escolhida.

Em 1992, a Assembléia Legislativa organizou um novo concurso com o tema “Inconfidência Mineira”. A comissão julgadora avaliou que “todas as músicas foram desclassificadas porque algumas fugiram do tema Inconfidência Mineira, outras por falta de respeito à métrica e outras por falta de qualidade”. Foram inscritas 570 músicas.

Duas músicas em homenagem ao Estado se tornaram populares. Uma chamada Hino a Minas, letra de João Lúcio Brandão, e música do Padre João Lehmann, muito cantada nas escolas nas décadas de 1920 e 1930 por fazer parte do hinário distribuído nas escolas.

Outra, a conhecida “Oh, Minas Gerais, quem te conhece não esquece jamais”. Esse refrão pertence à mais popular e conhecida música sobre Minas Gerais em todo o Brasil, e que muitos pensam ser o hino oficial do Estado.

A música da canção “Oh, Minas Gerais” é de uma valsa italiana chamada Viene Sul Mare, que se popularizou no Brasil através das companhias líricas que se apresentavam no final do século 19 e início do século 20.

Os compositores José Duduca de Morais – De Moraes e Manoel Araújo fizeram uma letra enaltecendo Minas Gerais para a já conhecida música italiana que foi gravada em 1942.

De Moraes
José Duduca de Morais

Cronologia
Nascimento: 1912
Falecimento: 25 de novembro 2002 – Juiz de Fora
Natural de Santa Maria do Itabira

Atividades
Compositor, cantor e violinista

Trajetória de vida
Sua vida artística começou na Rádio PRC-7. Depois foi trabalhar na Rádio Tamoio, na cidade do Rio de Janeiro. Um de seus programas de sucesso foi a “Hora Sertaneja”. Entre 1943 e 1950, com o parceiro Xerém, formou uma das duplas sertanejas de maior sucesso no Brasil. Entre os anos de 1950 a 1962, formou dupla com a cantora Doquinha – Hermelinda Afonso dos Santos.

Foi autor de mais de 200 músicas, entre valsas, marchinhas, quadrilhas, modas e rasqueados.

Quando De Moraes faleceu, por falência respiratória, vivia de uma pensão de R$ 590,00 e morava em uma simples casa.

'O falecimento, em Juiz de Fora, do compositor itabirano De Moraes comove a gente mineira. Devemos a ele a criação de “Oh! Minas Gerais”, hino do Estado pela vontade popular. Desde que foi gravada pela primeira vez, há sessenta anos, a canção passou a ser entoada em louvor a Minas, a fim de expressar o júbilo da terra natal e os valores da nossa cultura. Tentativas de se escolher e oficializar outro hino contribuíram para fixar, definitivamente, no sentimento geral, os versos de De Moraes, agregados à valsa Viene Sul Mare.

De Moraes deixa obra expressiva que críticos abalizados inscrevem no melhor repertório da música popular brasileira, merecendo respeito e interesse. “À família e aos amigos do ilustre compositor, quero manifestar o pesar e a solidariedade do Povo e do Governo do Estado. Ele será sempre lembrado por ter dado aos mineiros o mais querido símbolo sonoro das Minas Gerais'. Itamar Franco

Principais composições
Linda Curitibana
Mulher Que Não Me Dá
Adeus Mãezinha (c/ Antenógenes Silva)
Adeus Mariquinha
Adeus Moreninha (c/ Antenógenes Silva)
Agradeço a Lembrança (c/ J. R. de Oliveira)
Ai São João (c/ Floriano Rios e César Cruz)
Amor de Vaqueiro (c/ Jeová Rodrigues Portela)
Amor Perfeito (c/ Zequinha Torres)
Arrasta o Pé (c/ Xerém)
Balão Cruz-de-Malta (c/ Vargas Jr.)
Brincando com os Dedos
Cabeça do Janjão (c/ Elpídio Viana)
Caboclo Violeiro (c/ J. Portela)
Carioquinha (c/ César Lúcio da Cruz)
Casamento de Juaninha (c/ Antônio P. Marçal)
Chega de Tanto Sofrer
Chegou Meu Fim
Dança do Calango (c/ J. R. Oliveira)
Dói, Dói, Coração (c/ Antenógenes Silva)
Esperando Meu Benzinho
Eu Sou Marinheiro
Eu Tenho Paixão por Você (c/ Antenógenes Silva e Geraldo Costa)
Gavião do Mar (c/ Manezinho Araújo)
Levanta, Balbina
Meu Balão (c/ Zé Praxedes)
Meu Boi Maiado (c/ Pereira do Carmo)
Meu Nordeste
Meu São João (c/ José Casimiro)
Minha Viola (c/ Marques da Silva)
Não Posso Esquecer (c/ Antenógenes Silva)
Não Posso Viver Sem Ti
Nunca Mais Te Verei (c/ João Bastos Filho)
Partida Cruel (c/ Antenógenes Silva)
Partiu Meu Benzinho (c/ Izari)
Passa pro Lado de Cá (c/ Antenógenes Silva)
O Pau Rolou (c/ Xerém)
Perdoa Mãezinha
Remorso de Caboclo
Santo Antônio Dá um Jeito (c/ Oldemar Magalhães)
São João no Rio (c/ J. Mendonça)
Saudade de Minha Mãezinha
Saudades de Marianinha
Saudades de Minas Gerais (c/ Carlos Filho)
Sonora Saudade (c/ Marinho Silva)
Tirei a Aliança
Triste Caminho (c/ Geraldo Costa)
Triste Fiquei (c/ Antenógenes Silva)
Uma Mulher para Mim (c/ Antenógenes Silva)
Vai-se Embora Saudade
Vamos ao Circo (c/ Lúcio Sampaio)
Vida de Carreiro (c/ Zequinha Torres)
Vida de Roceiro
Viola Entristecida
Zulmira
Zum-Zum no Mar (Motivo popular/Arranjo De Moraes)

Homenagem
Cidadão honorário de Juiz de Fora –1998

Minas em números

Evolução do Número de Municípios
2009: 853
1992: 756
1988: 723

Os Maiores Municípios em Área
João Pinheiro – 10.716,960 Km²
Unaí - 8.463,579 Km²
Paracatu – 8.232,233 Km²

Os Menores Municípios em Área
São José da Lapa – 48,636 Km²
Bandeira do Sul – 46,917 Km²
Confins – 42,008 Km²
Ribeirão Vermelho – 40,210 Km²
Mário Campos – 35,155 Km²
Santa Cruz de Minas – 2,859 Km²

Os 20 Mais Populosos
Município – População (IBGE – 2010)
Belo Horizonte - 2.375,151
Uberlândia – 604.013
Contagem – 603.442
Juiz de fora – 516.247
Betim – 378.089
Montes Claros – 361.915
Ribeirão das Neves – 296.317
Uberaba – 295.988
Governador Valadares – 263.689
Ipatinga – 239.468
Sete Lagoas – 214.152
Divinópolis – 213.016
Santa Luiza – 202.942
Ibirité – 158.954
Poços de Caldas – 152.435
Patos de Minas – 138.710
Teófilo Otoni – 134.745
Pouso Alegre - 130.615
Barbacena – 126.284
Sabará – 126.269

Município com a Menor População
Serra da Saudade – 815 Habitantes

Distritos
1.624

As regiões de Planejamento
Região Central – 158 municípios
Região Mata – 142 municípios
Região Sul – 155 municípios
Região Triângulo – 35 municípios
Região Alto Paranaíba – 31 municípios
Região Centro Oeste – 56 municípios
Região Noroeste – 19 municípios
Região Norte de Minas – 89 municípios
Região Jequitinhonha – 66 municípios
Região Rio Doce – 102 municípios

Principais bacias hidrográficas dos rios federais
Rio São Francisco – 235.442 Km²
Rio Grande – 86.347 km²
Rio Doce – 71.468 km²
Rio Paranaíba – 70.833 km²
Rio Jequitinhonha – 65.852 km²
Rio Paraíba do Sul – 20.776 km²
Rio Mucuri – 14.859 km²
Rio Pardo – 12.763 km²
Rio São Mateus – 5.683 km²

Extensão dos doze maiores rios mineiros
Rio das Velhas – 802,3 Km
Nascente: Ouro Preto – Foz:Rio São Francisco, município: Várzea da Palma

Rio Paraopeba – 546,5 Km
Nascente: Cristiano Otoni – Foz:Represa Três Marias, município: Felixlândia

Rio Paracatu – 542,7 Km
Nascente: Lagamar – Foz: Rio São Francisco, município:Buritizeiro

Rio Araguari - 520,5 Km
Nascente: São Roque de Minas – Foz:Represa de Itumbiara, município: Araguari

Rio Urucuia – 461,8 Km
Nascente: Buritis – Foz:Rio São Francisco, município: São Romão

Rio Manhuaçu – 333,3 Km
Nascente: Luisburgo – Foz:Rio Doce, município: Aimorés

Rio Suaçuí Grande – 330,9 Km
Nascente:Serra Azul de Minas – Foz:Rio Doce, município: Governador Valadares

Rio Araçuaí – 319,2 Km
Nascente:Senador Modestino Gonçalves – Foz:Rio Jequitinhonha, município: Araçuaí

Rio Tijuco – 311,8 Km
Nascente: Uberaba – Foz:Represa de São Simão, município: Ituiutaba

Rio Piranga – 310,9 Km
Nascente: Ressaquinha – Foz:Rio Doce, município: Ponte Nova

Rio Pará – 310,6 Km
Nascente: Resende Costa – Foz:Rio São Francisco, município: Pompeu

Rio Abaeté – 306,6 Km
Nascente: São Gotardo – Foz:Rio São Francisco, município:São Gonçalo do Abaeté

Extensão dos doze maiores rios federais que nascem ou passam por Minas Gerais
Rio Grande – 1.432,5 km
Nascente: Bocaina de Minas – Foz:Rio Paraná, município: Santa Clara d’Oeste (SP)

Rio São Francisco – 1.206,1 km
Nascente: São Roque de Minas – Foz:Oceano Atlântico, município: Piaçabuçu (AL)

Rio Paraíba do Sul – 1.150,0 km
Nascente: Guaracema (SP) – Foz:Oceano Atlântico, município:São João da Barra(RJ)

Rio Paranaíba – 1.148,7 km
Nascente:Rio Paranaíba – Foz:Rio Paraná, município:Aparecida do Taboado (MS)

Rio Jequitinhonha – 876 km
Nascente:Serro – Foz:Oceano Atlântico, município:Belmonte(BA)

Rio Verde Grande – 569,5 km
Nascente:Montes Claros – Foz:Rio São Francisco, município: Matias Cardoso

Rio São Marcos – 498,4 km
Nascente:Cristalina (GO) – Foz:Represa de Emboarcação, município:Ouvidor(GO)

Rio Sapucaí – 482,2 km
Nascente:Campos do Jordão (SP) – Foz:Represa de Furnas, município:Paraguaçu

Rio Carinhanha – 468,2 km
Nascente:Formoso – Foz:Rio São Francisco, município:Juvenília

Rio Doce – 410,5 km
Nascente:Santa Cruz do Escalvado – Foz:Oceano Atlântico, município:Linhares (ES)

Rio Pardo – 384,0 km
Nascente:Montezuma – Foz:Oceano Atlântico, município:Canavieiras (BA)

Rio Preto – 332,2 km
Nascente: Brasília – Foz: Rio Paracatu, município: Unaí

Principais produtos agrícolas produzidos em 2007 (em toneladas)
Cana-de-açúcar – 38.741.094
Milho – 6.066.077
Laranja – 3.361.012
Soja – 2.417.996
Café (em coco) – 1.974.584 - 45% da produção brasileira
Batata inglesa – 1.126.306
Mandioca – 904.086
Feijão – 480.863
Tomate – 421.455
Abacaxi – 238.667
Arroz – 183.419

Posição da produção agrícola de Minas Gerais no Brasil (2007)
Alho – 23.895 t – 1º lugar
Batata inglesa t– 1.126.306 – 1º lugar
Café (em coco) t – 1.974.584 - 1º lugar
Feijão – 480.863 t – 2º lugar
Milho - 6.066.077 t – 3º lugar
Tomate - 421.455 t – 3º lugar
Abacaxi - 238.667 t – 3º lugar
Cana-de-açúcar – 38.741.094 t – 3º lugar
Laranja – 3.361.012 t – 4º lugar
Soja – 2.417.996 t – 6º lugar
Mandioca – 904.086 – 7º lugar

Posição do efetivo de rebanhos e da produção animal de Minas Gerais no Brasil (2006)
Equinos – 865.340 – 1º lugar
Muar – 174.533 – 2º lugar
Bovino – 22.203.154 – 3º lugar
Suíno – 3.870.593 – 4º lugar
Aves – 89.413 – 5º lugar (mil cabeças)
Coelho – 15.709 – 7º lugar
Bubalino – 38.059 – 7º lugar
Caprino – 136.573 – 8º lugar
Assinino – 35.918 – 8 º lugar
Ovino – 209.342 – 14º lugar

Produtos de origem animal (2006)
Leite - 7.094.111 (mil litros) – 1º lugar
Ovos de galinha - 370.429 (mil dúzias) – 2º lugar
Lã – 20.051 (kg) – 6º lugar
Mel de abelha – 2.482.174 (kg) – 7º lugar

Produção Física da Indústria (2007)
Ferro Gusa - 15.760 mil ton. - 44,3% da produção brasileira
Laminados e semiacabados para vendas – 10.548 mil ton – 33,4% da produção brasileira
Minério de Ferro – 258.176 mil ton. – 72,8% da produção brasileira
Alumínio Primário – 145 mil ton. – 8,8 % da produção brasileira
Cimento – 10.335% mil ton. – 22,2 % da produção brasileira

Principias Produtos Exportados em milhões de dólares (2007)
Minérios de ferro não aglomerados – 4.625,9
Café não torrado, não descafeinado, em grão – 2.531,4
Ferronióbio – 959,7
Ferro fundido bruto não ligado – 668,6
Pasta química madeira (celulose) – 554,6
Ouro em barras – 516,3
Automóveis c/motor explosão 1500Automóveis c/motor explosão 1000Billets de ferros/aço – 302,6
Outros silícios – 292,5

Total – dez principais produtos – 11.188,5
Total de todos os produtos – 18.355,2

Principais produtos importados em milhões de dólares (2007)
Hulhas, mesmo em pó, mas não aglomeradas - 421,6
Sulfatos de minério de zinco – 250,5
Outros cloretos de potásio – 201,5
Coques de hulha, de linita ou trufa – 165,2
Outras partes e acessórios de carrocerias para automóveis – 138,7
Outras partes e acessórios para tratores e automóveis – 138,0
Uréia com teor de nitrogênio > 45% em peso – 133,2
Outras formas brutas de níquel, não ligado – 96,2
Trigo (exceto trigo duro ou para semeadura) e trigo com centeio – 84,9
Outros automóveis c/motor diesel, para carga < = 5t – 77,5

Total – dez principais produtos – 1.707,5
Total – todos os produtos – 6.504,3

Principais blocos de destino das exportações em milhões de dólares (2007)
União Européia – 5.675,1
China, Hong Kong e Taiwan – 3.310,2
Estados Unidos, Porto Rico e Canadá – 2.705,9
Ásia (exceto Oriente Médio,China, Hong Kong e Taiwan) – 1.992,4
Aladi (exceto Mercosul) – 1.399,4
Mercosul – 1.214,13
Oriente Médio – 495,2
Outros países – 1535,6
Total – 18.355,2

Principais blocos de origem das importações em milhões de dólares (2007)
União Européia – 1.973,3
Estados Unidos, Porto Rico e Canadá – 1.284,3
China, Hong Kong e Taiwan – 893,5
Mercosul – 619,1
Aladi (exceto Mercosul) – 458,2
Ásia (exceto Oriente Médio,China, Hong Kong e Taiwan) – 423,3
África – 87,2
Oriente Médio – 42
Outros países – 723,3
Total – 6.504,2

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal