Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dionísio  Voltar

Dionísio

 

História

Dionísio era o deus da fertilidade e do vinho, mais tarde considerado um patrono das artes. Ele criou vinho e espalhar a arte da viticultura.

Ele tinha uma natureza dupla; por um lado, ele trouxe alegria e êxtase divino; ou ele traria raiva brutal e cega, refletindo assim a dupla natureza de vinho.

Dionísio e seus seguidores não poderiam ficar vinculado por grilhões.

Dionísio era o filho de Zeus e Semele, e ele era o único deus com um pai mortal.

Zeus foi para Semele na noite, sem ser visto por olhos humanos, mas pode ser sentida como uma presença divina. Semele teve o prazer de ser a amante de um deus, mesmo que ela não sabia qual. Palavra logo entrou ao redor e Hera rapidamente assumiu que era responsável. Ela foi a Semele disfarçado e convenceu-a de que ela deve ver seu amante como ele realmente era. Quando Zeus visitou novamente, ela o fez prometer a conceder-lhe um desejo. Ela foi tão longe como para fazê-lo jurar no rio Styx que concederia seu pedido. Zeus estava loucamente apaixonada e concordou. Ela, então, pediu-lhe para mostrar-lhe sua verdadeira forma. Zeus era infeliz sabendo o que estava prestes a acontecer, mas obrigado por seu juramento, ele não tinha escolha. Ele apareceu em sua forma verdadeira e Semele foi imediatamente queimado a uma batata frita pela visão de sua glória.

Zeus conseguiu resgatar o Dionísio fetal e costurou-o em sua coxa até que ele estaria pronto para nascer. Seu nascimento de Zeus a imortalidade foi conferida sobre ele.

Hera, ainda com ciúmes de infidelidade de Zeus eo fato de que Dionísio estava vivo, organizado para os Titãs para matá-lo. Os Titãs rasgado em pedaços; no entanto, Rhea trouxe de volta à vida. Após isso, Zeus arranjou para sua proteção e deu-lhe para as ninfas de montanha a ser levantadas.

Dionísio vagaram pelo mundo espalhando ativamente seu culto. Ele estava acompanhado pelas Bacantes, mulheres selvagens, resplendor com vinho, ombros drapejados com uma pele jovem corça, carregando as hastes com ponta de pinhas. Enquanto outros deuses tinham templos para ser adorado em, os seguidores de Dionísio, adorando-o na floresta. Lá, eles podem entrar em um estado de êxtase e loucura, rasgando e comendo cru qualquer animal.

Dionísio também foi um dos poucos personagens capazes de trazer uma pessoa morta de volta do submundo. Mesmo que ele nunca tinha visto Semele, ele estava preocupado por ela. Eventualmente, ele viajou para o submundo para encontrá-la. Ele enfrentou Thanatos e o trouxe de volta para o Monte Olimpo.

Dionísio tornou-se um dos deuses mais importantes na vida diária e foi associada a vários conceitos-chave. Um deles era o renascimento após a morte; seu desmembramento pelos Titãs e seu retorno à vida foi simbolicamente ecoou na viticultura, onde as videiras devem ser podadas para trás com força, e então se tornam dormentes no inverno para eles a dar frutos. Outro conceito era que, sob a influência do vinho, pode-se sentir possuído por uma maior potência.

Ao contrário de outros deuses, Dionísio não era meramente um deus a ser adorado, mas ele também estava presente dentro de seus seguidores; nesses momentos, um homem que possuem poderes sobrenaturais e foi capaz de coisas que ele não seria capaz de fazer o contrário.

Dionísio
Dionísio - Deus Grego

Dionísio ou Baco

Equivalente ao romano Baco, especificamente deus do vinho, do pão e mais amplamente da vegetação, um dos mais importantes entre os gregos.

Como a primeira parte de seu nome indica, o genitivo do nome de Zeus, era filho de Zeus e Sêmele, filha de Cadmo e Harmonia.

Seu culto deve ter vindo da Trácia, Lídia ou Frígia para a Grécia aproximadamente no oitavo século a.C. e se estabeleceu inicialmente com muitas restrições, principalmente da aristocracia. Basta observar que Homero não o reconheceu como um dos grandes deuses olímpicos.

Com sua forma de touro freqüentemente liderava as Maenads barulhentas, bacantes, sátiros, ninfas e outras figuras disfarçadas para os bosques. Eles dançavam, desmembravam animais e comiam suas carnes cruas, e alcançavam um estado de êxtase que originalmente nada tinha a ver com o vinho.

Outro animal cuja forma era assumida por ele era o cabrito. Isso porque para salvá-lo do ódio de Hera, seu pai, Zeus, o transformou nesse animal. E quando os deuses fugiram para o Egito para escapar da fúria de Tifon, foi transformado em um bode. Assim, seus adoradores cortavam em pedaços um bode vivo e o devoravam cru, acreditando estar comendo a carne e bebendo o sangue do deus. Apenas gradualmente é que foram os componentes licenciosos e fálicos do culto moderados, de forma que tomou um lugar seguro na religião dos gregos. Mais tarde, seu culto se tornou tão difundido que veio a ser cultuado em um momento histórico particular, até mesmo em Delfos, o santuário-chefe de Apolo.

Nos festivais realizados em sua homenagem, que eram basicamente festas da primavera e do vinho, também foi acrescentadas performances dramáticas, especialmente em Atenas, de forma que seu culto pode ser visto ligado ao gênero dramático. Movida pelo ciúme pela traição do marido, Hera, disfarçou-se de Beroe e convenceu Sêmele de que ela deveria pedir uma prova de que seu amante era realmente Zeus. Ela dirigiu-se ao amante e ele prometeu que qualquer coisa que ela pedisse lhe seria atendido.

Porém ela, como mortal, selou seu destino quando pediu: - Mostre-se a mim, da mesma maneira como você se apresenta a Hera quando você troca abraços amorosos com ela! Como era um juramento Zeus lançou-se ao alto, juntou as névoas obedientes e as nuvens de tempestade, relâmpagos, ventos e trovões, e ela foi queimada até as cinzas.

Seu bebê, ainda incompletamente formado, saiu do útero de sua mãe, e alojou-se na coxa de Zeus, até que se completasse a sua gestação e depois o pai entregou o bebê a Hermes, que o confiou ao casal Ino e Athamas. Entretanto, Hera descobriu que o bebê havia nascido e que estava sendo criado escondido dela. Indignada, levou Athamas à loucura. Athamas caçou o próprio filho, Learcus, como se fosse um veado, matando-o, e Ino, para livrar seu outro filho, Melicertes, da loucura do pai, o atirou ao mar, onde foi transformado no deus do mar Palaemon (em homenagem a quem Sísifo instituiu os jogos do Istmo).

Finalmente, Zeus iludiu Hera transformando-o em um cabrito, e Hermes o levou para ser criado pelas ninfas de Nysa, na Ásia, quem Zeus posteriormente transformou em estrelas, dando-lhes o nome de Híades. Quando ele cresceu, ele descobriu a videira, e também a maneira de extrair da fruta o seu suco e transformá-lo em vinho.

Ensinando sua arte o deus então vagou pela Ásia e foi até a Índia, chegou até Cibela, na Frígia, onde a deusa Réia, mãe dos deuses, o purificou e o ensinou os ritos de iniciação e, então, se dirigiu à Trácia. Ao voltar a Grécia, instituiu seu próprio culto. Mais tarde ele resgatou a mãe Sêmele dos ínferos e a levou ao Olimpo, onde Zeus a transformou em deusa.

Dionísio - Divindade

A maior divindade secundária da terra. Ninguém teve sobre o gênio grego uma ação mais fecunda. A partir de um certo momento, tudo na Grécia sofreu influência do deus do vinho. A arte, poesia, vida social e a religião têm estreitas ligações com esse deus "polêmico".

São diversas lendas que lembram, seu nome e lhe dizem respeito..Cada canto helenico enriquece com um novo mito com as aventuras maravilhosas do deus que ofertou ao homem o mais doce presente, o vinho.

Gerador de força, consolador nas aflições o vinho foi fonte inesgotável de inspiração e alegria.

Filho de Zeus com a ninfa Semele, foi perseguido por Artemis. Não conseguindo asfixiá-lo ainda no berço por serpentes, atacou-o com a loucura. Cybele o curou.

Escapou diversas vezes da morte até conseguir tornar-se adulto.

Em sua volta encontrou Ariadne filha de Minos rei de Creta..havia sido abandonada pelo marido Teseu. Consolou-a e amou-a e subiu com ela para o Olimpo.

O culto a Dionísio propagou-se rapidamente..

Em Atenas celebravam-se o seu festival de outono, nas vindimas (Dionysiacas) se provavam o vinho novo.

Durante essas festas praticavam-se brinquedos de enganos e jogos engraçados, assim originando as comédias.

Roma adotou as Dionysiacas como Bacanais, entretanto o grosseiro modo romano não soube conservar as virtudes religiosas dessas festas e em pouco tempo as Bacanais transformaram-se em orgias degradantes e escandalosas.

Fonte: www.greekmythology.com/www.nomismatike.hpg.ig.com.br

Dionísio

Deus do vinho e da vegetação, que mostrou aos mortais como cultivar as videiras e fazer vinho.

Filho de Zeus, Dioníso normalmente é caracterizado de duas maneiras. Como o deus da vegetação - especificamente das árvores frutíferas - ele freqüentemente é representado em vasos bebendo em um chifre e com ramos de videira. Ele eventualmente tornou-se o popular deus do vinho e da alegria, e milagres do vinho eram reputadamente representados em certos festivais de teatro em sua homenagem.

Dioníso também é caracterizado como uma divindade cujos mistérios inspiraram a adoração ao êxtase e o culto às orgias. As bacantes eram um grupo de devotos femininos que deixavam seus lares para vagar de maneira errante em busca de êxtase em devoção à Dioníso. Usavam peles de veado e a eles eram atribuídos poderes ocultos.

Dioníso era bom e amável àqueles que o honravam, mas trazia loucura e destruição para aqueles que desprezavam as orgias a ele dedicadas. De acordo com a tradição, Dioníso morria a cada inverno e renascia na primavera. Para seus seguidores, este renascimento cíclico, acompanhado pela renovação da terra com o reflorescer das plantas e a nova frutificação das árvores, personificavam a promessa da ressurreição de Dioníso.

Os rituais anuais em homenagem à ressurreição de Dioníso gradualmente foram se desenvolvendo no drama grego, e importantes festivais eram celebrados em honra do deus, durante os quais grandes competições dramáticas eram conduzidas.

O festival mais importante, as Dionisíacas, era celebrado em Atenas por cinco dias a cada primavera. Foi para estas celebrações que os dramaturgos Ésquilo, Sófocles, e Eurípides escreveram suas grandes tragédias. Por volta do século V a.C., Dioníso era também conhecido entre os gregos como Baco, um nome que se referia aos altos brados com os quais Dioníso era adorado nas orgias, ou mistérios dionísicos. Estas celebrações frenéticas, que provavelmente se originaram em festivais primaveris, ocasionalmente traziam libertinagem e intoxicações. Esta foi a forma de adoração pela qual Dioníso tornou-se popular no século II a.C., na Itália, onde os mistérios dionísicos eram chamados de Bacanália. As indulgências das Bacanálias tornaram-se extrema, e as celebrações foram proibidas pelo Senado Romano em 186 a.C.. Entretanto, no século I d.C. os mistérios dionísicos eram ainda populares, como se evidencia em representações encontradas em sarcófagos gregos.

Existe um antigo mito sobre o nascimento do deus do vinho e do pão, Dioníso (Baco, para os Gregos), que é contado assim: Um dia, narra a lenda, a grande deusa Deméter chegou à Sicília, vinda de Creta. Trazia consigo sua filha, a deusa Perséfone, filha de Zeus. Deméter planejava chamar a atenção do grande deus, para que ele percebesse a presença de sua filha. Deméter descobriu, próximo à fonte de Kyane, uma caverna, onde escondeu a donzela. Pediu-lhe, então, que fizesse com um tecido de lã, um belo manto, bordando nele o desenho do universo. Desatrelou de sua carruagem as duas serpentes e colocou-as na porta da caverna para proteger sua filha.

Neste momento Zeus aproximou-se da caverna e, para entrar sem despertar desconfiança na deusa, disfarçou-se de serpente. E na presença da serpente, a deusa Perséfone concebeu do deus.

Depois da gestação, Perséfone deu luz a Dionísio na caverna, onde ele foi amamentado e cresceu.

Também na caverna o pequeno deus passava o tempo com seus brinquedos: uma bola, um pião, dados, algumas maçãs de ouro, um pouco de lã e um zunidor.

Mas entre seus brinquedos havia também um espelho, que o deus gostou de fitar, encantado.

Entretanto, o menino foi descoberto por Hera, a esposa de Zeus, que queria vingar-se da nova aventura do esposo. Assim, quando o deus estava olhando-se distraído no espelho, dois titãs enviados por Hera, horrendamente pintados com argila branca, aproximaram-se de Dionísio pelas costas e, aproveitando a ausência de Perséfone, mataram-no. Continuando sua obra deplorável, os titãs cortaram o corpo do menino em sete pedaços e ferveram as porções em um caldeirão apoiado sobre um tripé e as assaram em sete espetos. Atenas viu a cena e, mesmo não podendo salvar o menino, resgatou o coração do deus. Mal tinham acabado de consumar o assassínio divino, Zeus apareceu na entrada da caverna, atraído pelo odor de carne assada. O grande deus viu a cena e entendeu o que havia se passado. Pegou um de seus raios e atirou contra os titãs canibais, matando-os. Zeus estava desolado com a morte do filho, quando a deusa Atenas apareceu e entregou-lhe o coração do deus assassinado. Zeus, então, efetuou a ressurreição, engolindo o coração e dando, ele próprio, à luz seu filho. E essa é a origem do deus morto e renascido, relatada pelos antigos e celebrada nos mistérios...

Dionísio - Quem foi

Filho de Zeus e da princesa Sêmele, de Tebas. Único deus cujo ambos os pais não são divinos.

Zeus se apaixonou por Sêmele e jurou pelo rio Estige que ele faria qualquer coisa que ela pedisse, e um juramento feito às margens desse rio não pode ser quebrado, nem mesmo por Zeus.

Hera descobriu a traição do marido e para se vingar foi conversar com Sêmele, que estava grávida, com o filho prestes a nascer. Disfarçou-se de ama seca e contou que Zeus é um deus e que escondia a verdadeira forma dele. Quando Zeus chegou, Sêmele pediu que ele se mostrasse em sua verdadeira forma, como Rei do Céu e Senhor do Raio. Zeus sabia que não era possível um mortal ver um deus em seu explendor e continuar vivo, mas não podia quebrar seu juramento e realizou seu desejo. Sêmele morreu ao olhar para ele, mas Zeus conseguiu salvar seu filho e ordenou que Hermes o custurasse na própria coxa. Ao terminar o período de gestação, o menino nasceu, vivo e perfeito.

Descobrindo a criança havia nascido, ordenou que os Titãs matassem a estranha criança de chifres, fazendo-o em pedaços. Zeus conseguiu chegar a tempo de resgatar o coração do filho, colocou-o para cozinhar juntamente com sementes de romã, transformando em uma poção mágica, a qual deu para Perséfone beber. Perséfone engravidou e deu à luz novamente a Dioniso, o nascido das trevas. Por esse motivo chama-se Dioniso-laco, O Que Nasceu Duas Vezes, deus da Luz e do Êxtase.

Convocado por Zeus para morar na terra junto com os homens e compartilhar com eles as alegrias e os sofrimentos dos mortais. Atingido pela loucura de Hera, indo perambular pelo mundo ao lados dos sátiros selvagens, dos loucos e dos animais. Deu à humanidade o vinho, suas bênçãos e concedeu a redenção espiritual a todos os que decidem abandonar e renunciar à riqueza e ao poder material.

O Deus do Vinho pode ser bondoso e caritativo, mas também sabe ser cruel e levar os homens a cometer atos terríveis. As Mênades, ou Bacantes, como eram também chamadas as mulheres arrebatadas pelo vinho. Precipitavam-se pelos bosques e pelas montanhas, lançando gritos penetrantes e agitando tirsos com as extremidades em forma de pinha, entregues a êxtases selvagens.

Deus Dionísio ou Baco

Dionísio
Deus Dionísio

Dionísio, também chamado Baco, era o deus grego do vinho e da vegetação, especialmente dos frutos das árvores.

Com o tempo. acabou por se tornar o deus do vinho e da boa disposição para o povo grego.

Era benevolente e generoso para quem o adorava e honrava e implacável, trazendo destruição e loucura a quem dele, e os dos rituais orgíacos do seu culto, desdenhava.

Segundo a tradição, morria no Inverno e renascia na Primavera, acompanhando o ciclo dos frutos.

Muitas das peças dramáticas gregas estão a este ciclo associadas O festival mais importante onde decorriam competições de drama era denominado o "Grande Dionísia" que decorria em Atenas durante 5 dias todas as primaveras.

Foi para esta celebração que grandes dramaturgos gregos com Sofócles e Eurípedes escreveram as suas mais importantes tragédias.

No século V a.c., o deus Dionísio está associado a celebrações primaveris com um carácter frenético e libertino onde decorriam momentos orgíacos de intoxicação.

Eram denominados os mistérios de Dionísio. Estes tornam-se comuns também para os romanos que os denominavam Bacchanalia.

As celebrações atingiram níveis extremos de indulgência tendo sido proibidos pelo Senado em 186 a.c.

Fonte: geocities.yahoo.com.br/naturlink.sapo.pt

Dionísio

Dionísio
Dionísio - Deus Grego

Quem nunca ouviu falar do alegre e espirituoso deus do vinho, do entusiasmo, da fertilidade ( neste caso relacionada à agricultura, mais especificamente às árvores frutíferas) e deus do teatro?

Representado sempre bebendo em um chifre e com ramos de videira. Filho de Sêmele, neto do fundador de Tebas, o rei Cadmo.

Dionísio é filho do deus do Olimpo, o grande Zeus, que se disfarçou de homem para seduzir a bela tebana.

Quando Hera, esposa de Zeus, descobriu sobre a gravidez de Sêmele, disfarçou-se de criada da jovem e fingiu duvidar veementemente da origem divina do bebê que Sêmele carregava no ventre, convencendo a jovem a pedir uma prova da divindade de seu amado.

Zeus, o deus do trovão, deveria apresentar-se a Sêmele em sua forma divina. Este não era nada mais do que um ardil de Hera para acabar com a vida da mortal, pois o brilho de Zeus fez com que a jovem virasse cinzas. Mas Zeus, no entanto, conseguiu salvar o bebê do ventre de Sêmele e terminou a gestação do garoto em sua panturrilha.

Quando Dionísio nasceu, Zeus entregou-o a Hermes que deu o bebê para um casal criar, mas quando Hera descobriu que havia sido enganada levou o pai adotivo à loucura. Zeus transformou o garoto em cabrito para enganar a esposa e o mandou para ser criado por ninfas na Ásia.

Quando Dionísio cresceu, descobriu como transformar uva em vinho e antes de retornar à Grécia viajou por muito tempo pela Ásia ensinando aos mortais sua arte.

Assim o jovem Dionísio teria se tornado o deus do vinho.

Em homenagem ao alegre deus do vinho, os gregos faziam grandes festas. Nestas festas os adoradores do deus dançavam uma dança de saltos ou dança de abandono que representava o êxtase causado pelo vinho. Tal dança era acompanhada por movimentos dramáticos e hinos cantados em coro. Nasceram assim, as famosas Dionísias Urbanas.

O instrumento musical tocado nas Dionísias urbanas era a flauta, era utilizado um verso chamado Ditirambo e o hino era acompanhado de uma dança coral cuja coreografia possuía movimentos ilustrativos. Os participantes usavam máscaras (as personas) que simbolizavam a transformação dramática.

Foi, portanto, nas Dionísias Urbanas que surgiram as primeiras manifestações do teatro, por isso Dionísio é também considerado o deus do teatro.

Jane Maria de Almeida Barbosa

Fonte: professorjoaopaulo.com

Dionísio

DIONÍSIO (BACO)

Dionísio, ou Baco, para os romanos, era filho de Zeus (Júpiter) e de Semele, fi-lha de Cadmo e Harmonia. Quando a deusa Hera (Juno), esposa de Zeus, descobriu que Semele fora amada por seu marido, encheu-se de ciúmes e induziu a esta a pedir ao amante para que ele se mostrasse a ela em todo o seu esplendor. Atendida nesse desejo, Semele caiu fulminada ao ver o deus dessa forma, e este então recolheu o seu filho ainda informe e o coseu à sua coxa, para que ele aguardasse o momento de nas-cer. Quanto isso aconteceu, a criança foi entregue a Hermes (Mercúrio) para que ele a deixasse com as ninfas de Nisa, que iriam criá-la.

Em virtude disso, Dionísio cresceu em meio à natureza selvagem, tendo logo aprendido a plantar e a cultivar a vinha.

Segundo a tradição, Dionísio “triunfou sobre todos os inimigos e todos os perigos a que o expunham as incessantes perseguições de Juno. Mas vencido por tantos aten-tados, terminou por enlouquecer, e tornou-se errante por uma grande parte do mundo”. Nessas andanças ele esteve na ilha de Naxos, onde “consolou e desposou Ariadne, ou Ariana, abandonada por Teseu, e lhe deu a famosa coroa de ouro, obra de Vulcano.

Baco foi quem primeiro estabeleceu uma escola de música, e em sua honra deram-se as primeiras representações teatrais”. A mocidade do deus é eterna e por isso ele é comumente representado com a aparência de um jovem risonho e imberbe, segurando em uma das mãos um cacho de uvas ou um chifre em forma de taça, na outra um bastão enfeitado com folhagens e fitas, e vestido com um manto de cor púrpura, que é a mesma do vinho. Os diversos artistas que o retrataram colocam-no algumas vezes sentado em um tonel, outras em um carro puxado por tigres, panteras, ou centauros que tocam lira ou flauta.

De origem estrangeira, Dionísio tornou-se para os gregos o deus do vinho e da vegetação, e seus atributos divinos foram ganhando em complexidade na medida em que o culto que lhe prestavam foi se espalhando por toda a Grécia. As características de sua divindade estavam ligadas ao misticismo religioso, ao êxtase e à embriaguez, e sua figura incluída em numerosas lendas que envolviam Zeus, Apolo e Deméter. Conhecido por diversos nomes, tais como Baco, Brômio, Ditirambo, Zagreu, Sabázio e Évio, Dionísio era representado em suas aventuras sempre seguido por alegre cortejo onde figuravam as divindades Pã, Priapo e Sileno, além de semideuses (sátiros) e sacerdotisas (mênades e bacantes).

Dionísio exerceu entre os gregos uma influência considerável no desenvolvimen-to da sua religião (introduzindo o sentido do mistério); da poesia lírica (transmitindo o sentimento da natureza); e das artes (dando o movimento apaixonado presente nos baixo-relevos dionisíacos). Além do mais, os cultos ao deus também deram origem a diversos gêneros literários, como as poesias órficas (compreendia obras litúrgicas, iniciações, cantos de purificação, discursos sagrados e hinos), o ditirambo (exaltação excessiva de um fato ou das qualidades de uma pessoa) e todo o teatro representado por dramas satíricos, tragédias e comédias.

Em Atenas, as comemorações em honra de Dionísio (Baco) eram realizadas em fevereiro (grandes dionisíacas) e no outono (pequenas dionisíacas), e incluíam concursos de poesia, representações teatrais, corridas e lutas. Já em Roma, onde o deus também era venerado com o nome de Líber, as festas denominavam-se Liberais, e durante seu transcurso as damas romanas “liberavam-se” de seu habitual comportamento prudente e ponderado e aceitavam propostas indecentes, participando ativamente dos procedimentos menos honestas com que a divindade era lembrada. Essa “liberalidade” atingiu tal ponto que no ano 558 a.C. o Senado promulgou um decreto visando coibir o abuso, mas o remédio mostrou-se ineficaz tendo em vista que o costume comprovou ser mais forte que a lei.

Foi no reinado de Padião, filho de Erecteu, rei de Atenas, que Baco, acompa-nhado de Ceres, visitou pela primeira vez a Ática. Esse incidente mitológico tem certa importância na história, para mostrar que na opinião dos atenienses o cultivo da vinha e do trigo foi precedido no país pelo da oliveira, que Minerva lhes ensinara no mesmo instante da fundação da cidade.

Baco, chegado, foi à casa de um ateniense chamado Icário, que o recebeu muito bem; como recompensa pela hospitalidade Baco lhe ensinou a maneira de fazer vinho. Icário, fazendo-o, quis que o provassem os camponeses da redondeza, que o acharam delicioso.

Mas embriagaram-se completamente, e, julgando que Icário os havia envenenado, atiraram-no a um poço. A visita de Baco a Icário está figurada em vários baixos-relevos.

Tinha Icário uma filha de extrema beleza, chamada Erígone, por quem Baco se apaixonou. A fim de unir-se a ela, metamorfoseou-se em cachos de uvas, e quando a jovem o percebeu sob tal forma, apressou-se em colhê-lo e comê-lo. Foi assim que se tornou esposa do deus, de quem teve um filho chamado Estáfilos, cujo nome significa uva. Foi ele que, mais tarde, ensinou aos homens que, misturando-se água ao divino licor, este não mais produzia a embriaguez.

Certa vez, seu mestre e pai de criação, Sileno, perdeu-se e dias depois quando Midas o levou de volta e disse tê-lo encontrado perdido, Baco concedeu à ele um pedido. Embora entristecido por ele não ter escolhido algo melhor, deu a ele o poder de transformar tudo o que tocasse em ouro. Depois, sendo ele uma divindade benévola, ouve as súplicas do mesmo para que tirasse dele esse poder.

Fernando Kitzinger Dannemann

Fonte: www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal