Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Moçambique - Página 4  Voltar

Moçambique

História

O tempo colonial

Moçambique foi uma colónia portuguesa até 1974. Portugal pouco fez para desenvolver os recursos humanos Moçambicanos, até ao ponto em que somente 3% da população tinha acesso à educação.

Nos anos 1960, movimentos de independência emergiram na África Austral. A FRELIMO, a Frente de Libertação de Moçambique, foi criada em 1962 por Eduardo Mondlane, e a luta armada pela libertação começou em 1964, Depois de 10 anos de guerra de libertação e do fim do regime ditatorial em Portugal, foi acordado em cessar-fogo em Lusaka, em 1974. No dia 25 de Junho de 1975, Moçambique foi declarado uma república independente e Samora Machel da FRELIMO foi declarado o seu primeiro presidente.

Independência

Na economia colonial, o papel de Moçambique era providenciar matéria prima para a indústria Portuguesa, em particular o algodão. Depois da independência, a maior parte dos Portugueses abandonaram Moçambique de um dia para o outro e deixaram o país com poucos Moçambicanos bem formados.

Politicamente, Moçambique adoptou um sistema socialista de partido único (FRELIMO), com uma orientação Marxista-Leninista. Economicamente, optou pela nacionalização da terra e empresas privadas e deu enfoque ao desenvolvimento dos sistemas de saúde e educação do país, levando a um decréscimo da taxa de analfabetismo da população adulta de 97% para 70% durante os anos seguintes.

O conflito armado e o processo de paz

Nos últimos anos da década de 1970, iniciou-se uma guerra civil com a FRELIMO de um lado e a RENAMO, a Resistência Nacional de Moçambique, de um outro lado. A guerra devastou o país em termos de desenvolvimento humano e económico.

Em 1984, Moçambique candidatou-se a membro do FMI e Banco Mundial e iniciaram-se negociações sobre a reestruturação económica que, eventualmente, levaram à introdução do Programa de Ajustamento Económica e economia de mercado em 1987. Em 1990, uma nova constituição foi adoptada, o que permitiu a introdução de um sistema democrático multipartidário. Finalmente em 1992, um acordo geral de paz foi assinado em Roma entre os líderes da FRELIMO, Joaquim Chissano, e da RENAMO, Afonso Dhlakama.

Das primeiras eleições democráticas de sempre de Moçambique foram realizadas em 1994 e Joaquim Chissano foi eleito presidente. Desde 1994, a reconciliação entre a FRELIMO e a RENAMO assim como a reconstrução do país destruído pela guerra têm estado na agenda. Para este propósito, Moçambique recebeu um grande apoio de agências de desenvolvimento internacional e teve lugar um considerável desenvolvimento económico, em particular e nos arredores de Maputo.

Moçambique hoje considera-se como um dos poucos países Africanos que conseguiu manter e consolidar uma paz e reconciliação interna.

Geografia

Moçambique estende-se ao longo da costa Sudeste Africana entre a República da África do Sul e a Tanzânia, numa distância de aproximadamente 2 500 km. Faz fronteira com a República da África do Sul, Swazilândia, Zâmbia, Malawi e Tanzânia. A sua área total é de 799.380 km2.

O clima é sub-tropical até tropical (de sul para norte) , com uma estação chuvosa, quente e húmida de Novembro a Abril, e uma estação seca e fresca de Maio a Outubro. A parte Sul sofre de secas cíclicas. Vários rios cruzam o país no seu percurso para o Oceano Índico, em particular o grande Zambeze, assim como os Rios Limpopo, Rovuma e Save.

Em termos de área, Moçambique pode ser aproximadamente dividido numa planície costeira até 200 km de largura e num planalto montanhoso a Noroeste, nas fronteiras com países vizinhos do interior. Terra fértil é encontrada ao longo das bacias dos rios e no planalto, ao passo que a maior parte do Sul e da costa é arenosa com pouca fertilidade.

Povo e Cultura

Moçambique possui uma rica tradição cultural de arte, cozinha, música e dança. Isto reflecte a diversidade da história e valores familiares Moçambicanos que em conjunto criam as identidades do Moçambique moderno.

Moçambique possui uma longa tradição de coexistência de diferentes raças, grupos étnicos e religiosos. Ao contrário de muitos outros lugares no mundo, a diversidade cultural e religiosa raramente tem sido uma razão para conflitos em Moçambique. Por conseguinte, a guerra civil não foi um conflito entre grupos étnicos com tal.

Os diferentes grupos étnicos estão espalhados ao longo do país de acordo com o mapa (Mozambique – Ethnic Groups, p.17, Mozambique En Politisk og oekonomisk oversigt ). Os maiores grupos são os Macua–Lomwe no Norte e os Tonga no Sul que correspondem respectivamente a 37% e 23% do total da população.

Em termos de grupos religiosos, um inquérito de 1995 dá-nos o quadro seguinte: Religiões tradicionais Africanas - 1,9%; Católicos - 24,1%; Protestantes - 21,5%; Muçulmanos - 19,7%; e outros 2,8%.

Com o objectivo de criar uma identidade nacional, o Português foi adoptado como língua oficial depois da independência. Contudo, na realidade existem em Moçambique cerca de 20 grupos linguísticos e eles são contrários ao Português largamente falado, especialmente nas zonas rurais. Hoje, cerca de 25% da população fala Português.

Política

O sistema político de Moçambique é caracterizado como uma democracia multipartidária. O presidente da república e os deputados da Assembleia Nacional são eleitos de cinco em cinco anos por sufrágio universal.

A divisão em três poderes – executivo, legislativo e judicial – é declarado na constituição de 1990. Contudo, na prática, isto nem sempre funciona completamente.

Os dois maiores partidos de Moçambique são a Frelimo e a Renamo.

Fonte: www.ibismz.org

Moçambique

Geografia de Moçambique

Moçambique encontra-se na costa oriental da África entre a África do sul e a Sul Africa e Tanzânia com uma área de 313,661 milhas quadradas. Moçambique é dividido-se em duas regiões principais no sul a terra é baixo e no norte a terra é alta,separando-as rio Zambezi . Assim, no sul a altitude é em média 200 acima do nível do mar por quase toda a regiao, excepto em Chimoio. No norte as montanhas tem uma altura media de 5000 a 8000 pés de altitude. A rede hidrográfica compreende mais de 65 rios. O clima do país é tropical. Alguns recursos naturais são carvão, titânio, e gás naturaes.

A capital é Haputo, a sul, conhecida antes da indepêndencia como Lourenço, Marques. Moçambique foi, do século XV XVI até 1975 uma colónia portuguesa, conquistando nesta data a independência, após mais de 10 anos de luta armada contra o poder colonial.

Embora a lingua oficial seja o português, a maior parte da população fala pelo menos uma língua africana, por vezes não aprender português.

Dados Gerais

O nome ofícial do Moçambique é República de Moçambique cuja capital é Maputo, Sendo o seu presidente é Joaquim Alberto Chissano. O sistema político é multipartidária e democrático de república e a capital é Maputo. A moeda nacinal é o metical. Moçambique tem uma população de mais de 19.124.335 de habitantes. A língua nacional é o português e 16 línguas africanas. Os grupos étnicos são 99.66 (Shangaan, Chokwe, Manyika, Sena, Makua, e outros), 0.06 do Europa, .02 é Euro-Africa e .02 % é Indígena. O metad de população practica religiões indígenas, 30% são cristãos e o 20% são muçulmanos. Moçambique exporta camarão, azucar, castana de caju, algodão e citrino. Importa comida, roupa, equipamento para agricultura, e petroleo. De uma maneira geral a população sofre de má nutrição e doenças.

História de Moçambique

No século XV mercadores árabes fundaram colónias comerciais em Sofala, Quelimane, Angoche e na ilha de Moçambique. A Ilha de Moçambique viria a ser visitada pela frota de Vasco de Gama no dia 2 de Março de 1498, vindo os Portugueses a ocupar e colonizar Sofala no ano 1505.

De início, Moçambique era governada como parte constituinte da Índia portuguesa, tornando-se mais tarde numa administração separada. Foi uma colónia dos portugueses até 1951 e a partir daí província ultramarina.

A Frelimo- Frente de Libertação de Moçambique constituiu sua fundação no ano 1962 e lançou uma campanha militar em 1964. No dia 25 de Junho de 1975 Moçambique torna-se um país independente. Em 1989 Frelimo abandonou a orientação marxista-leninista; A Renamo continuou ataques a instalações govemamentais e a civis.Concluída desmobilição dos exércitos rivais; cessaram as hostilidades. Joaquim Chissano, o presidente no ano 1986 trabalho com o Frelimo e fisseram nas primeiras reeleitos e eleições multipartidárias.

A Renamo em 1994, vencedora no centro e norte do país, o que acentuou a clivagem norte-sul, concordou em cooperear com governo por primeira vez. Até o ano 1995 ficaram manifestações contra a política do governo que eram brutalmente reprimidos pelas forças de segurança.

Fonte: www.spanport.ucsb.edu

voltar 12345678avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal