Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Moçambique - Página 5  Voltar

Moçambique

No século XV mercadores árabes fundaram colônias comerciais em Sofala, Quelimane, Angoche e na Ilha de Moçambique...

A Ilha de Moçambique foi visitada pela frota de Vasco de Gama no dia 02/03/1498; pouco depois os portugueses ocuparam Sofala, em 1506.

De início, Moçambique era governada como parte constituinte da Índia Portuguesa, tornando-se mais tarde em uma administração separada. Foi parte da África Portuguesa desde 1751, colônia portuguesa até 1951 e a partir daí, Província Ultramarina.

Presume-se que os Humanóides tenham se fixado em torno de Moçambique há 2 milhões de anos e os Homo Sapiens se estabeleceram na área há pelo menos 100.000 anos.

Os povos Bantu (assim chamados por seu grupo linguístico) teriam começado a migrar para a área há 2.000 anos, trazendo ferramentas do ferro e armas.

Ao fim do primeiro milênio, diversas cidades floresciam ao longo da costa de Moçambique, onde os Bantu negociavam com outras partes de África, do Oriente Médio e da Índia. A influência árabe nestes portos era forte e o suaíle era língua franca do comércio.

Desde o século IX, existiu um importante comércio de marfim e talvez de ouro, na região ao sul da foz do rio Zambeze, onde os árabes criaram posteriormente o porto de Sofala. Os reinados Maravi entre o Lago Niassa (Malauí) e o rio Zambeze, parecem ter sido uma confederação de pequenas tribos com dinastias hereditárias.

O país já era próspero quando os portugueses chegaram (Covilhã, 1490 e Vasco da Gama, 1498) e se instalaram no litoral. Eles subiram o Zambeze até Tete (1632) e derrotaram os árabes; observaram (Antônio Fernandes, 1512 a 1516) a existência, no interior, de diversos reinados como Kiteve (ou Quiteve), tributários de Monomotapa, cuja capital se situava no sul do vale do Zambeze; os comerciantes portugueses se instalaram no baixo vale.

Durante o século XVII a supremacia do Monomotapa entrou em declínio, e os portuguesas puderam mudar suas instalações para o norte da foz do Zambeze. O papel dos árabes cresceu no norte e o comércio de escravos se ampliou.

Em 1752, os portugueses desvincularam seus estabelecimentos da colônia das Índias Portuguesa e instalaram um administrador autônomo.

Com as explorações de Serpa Pinto (1878-1879), tentaram unir Angola e Moçambique, acrescido desde 1875 da baia de Delagoa, em um império único transafricano, mas não conseguiram diante da oposição britânica.

Os acordos de 1886 e 1890 fixaram as fronteiras com as possessões alemãs, os de 1891 e 1893 com as possessões britânicas. Ingleses e alemães aproveitaram as dificuldades econômicas de Lisboa, tentaram dividir a colônia portuguesa, sem êxito.

Série de 2 selos emitida em 1991 (Scott: 1159/1160), sobre o Centenário dos 2 tratados (20/08/1890 e 11/06/1891) feitos para as fronteiras de Moçambique. Ambos os selos mostram o mapa do país sobre pergaminho.

As Companhias em Moçambique

Os Portugueses confiaram a administração de Manica, Sofala e Beira à Companhia de Moçambique (1891-1942) e a da província de Niassa à Companhia de Niassa (1893-1929).

Em 1904, os Portugueses se estabeleceram em Lourenço Marques, transformada em capital em 1907, ao lado do alto comissariado – um conselho de governo constituído de funcionários e de membros eleitos.

Em 1955, a República Portuguesa de Moçambique emitiu uma série de 8 valores (abaixo, lado esquerdo, um deles), cujos selos mostram o mesmo desenho sobre o mapa da região, o qual inclui a antiga cidade de Lourenço Marques e as antigas fronteiras coloniais: Tanganica (atual Tanzânia), Niassalândia (atual Malauí), Rodésia do Norte (atual Zâmbia), Rodésia do Sul (atual Zimbábue) e Transvaal (atual província da África do Sul).

Do lado direito, um selo emitido em 1987 (Scott: 1034), em comemoração ao Centenário da cidade de Maputo – capital de Moçambique que foi renomeada em 1976. Chamada de Lourenço Marques, desde 1887, o selo mostra o mapa da cidade por volta de 1887.

Em 1929 foi anexado o triângulo de Kionga (Triangle of Rovuma), tomado das possessões Alemãs (1919). No século 20 um teste de administração foi estabelecido em Moçambique.

Longe de promover o desenvolvimento básico de sua colônia, os portugueses simplesmente alugaram os recursos disponíveis para os países vizinhos particularmente África do Sul e Rodésia, removendo assim, um grande segmento da força de trabalho masculina.

Muito mais homens sairiam de Moçambique depois que as condições de vida se tornaram ainda mais àsperas com a subida ao poder do líder fascista António Salazar, em Portugal (1932 a 1968).

Salazar introduziu as colheitas mercantis tais como o algodão e o arroz e obrigou a todos os homens acima de 15 anos a trabalhar nas plantações públicas ou de propriedade dos grandes colonialistas durante a metade do ano.

O crescimento das culturas agrícolas monetárias foi acompanhada pela redução drástica da produção de alimentos de subsistência, o que conduziu a uma situação de fome difundida nos anos de 1940 e 1950.

Em 1951, Moçambique se tornou "província portuguesa" do além mar, ou província ultramarina. Em 1960 mais de 800 mil pessoas eram submetidas ao regime de trabalho forçado nas obras públicas a nas plantações de algodão.

A Situação de inferioridade dos Moçambicanos deu início a manifestações diversas vezes reprimidas (500 mortos em Mueda, em 1960), e movimentos nacionalistas se desenvolveram com o apoio dos países vizinhos, sobretudo a Tanzânia.

A pequena burguesia "assimilada" e os camponesas das cooperativas agrícolas foram os primeiros a se mobilizar.

Em 1962, Eduardo Mondlane criou, em Dar es-Salam (então capital da Tanzânia), a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), que desencadeou a luta armada em setembro de 1964 a partir do distrito de Chai, região makonde – província de Cabo Delgado, no extremo norte do país.

A reação portuguesa foi severa, mas já em 1965, a Frelimo controlava um quinto do país, obrigando Portugal a enviar forças militares.

No dia 33 de fevereiro de 1969, Eduardo Mondlane foi assassinado na Tanzânia e, em 1970, com a nomeação de Samora Machel como líder da Frelimo, a ideologia marxista passou a predominar na organização. Ele rejeitou no mesmo ano a autonomia proposta por Portugal.

Após a Revolução Portuguesa de abril de 1974, em Lisboa, os rebeldes moçambicanos se recusaram a depor armas. A pressão militar da Frelimo cresceu, desencadearam-se incidentes entre negros e brancos e em 07/09/1974 autoridades portuguesas e a Frelimo assinaram o acordo de Lusaka que estabelecia um governo de transição rumo à independênca de Moçambique.

Fnalmente proclamada em 25/06/1975, como República Socialista de Moçambique; até este ano, Moçambique foi governado por um Governador-Geral.

Com a independência de Moçambique, Lourenço Margues passou a chamar-se Maputo. Maputo é o nome de um rio que desagua na baía que no tempo colonial se chamava de Lourenço Marques, e que atravessa o espaço do então concelho de Bela Vista. Maputo era também a designação de um regulado que se situava na margem direita do mesmo rio (antes conhecido por Lisuto). Este topônimo vem de Maputo (ou melhor Maputyo), pois assim se chamava o filho predileto do poderoso régulo Nuagobe, que recebeu de seu pai aquelas extensas terras...

Lourenço Marques foi um obscuro navegador do século XVI, que deu o nome à quarto onde séculos depois viria a implantar-se a progressiva e bela cidade que tomou o seu nome, um dos melhores e mais importantes portos da África Austral.

Nota: O Art.º n.º 1 do Decreto-Lei nº 10/76, de 13 de Março de 1976, diz textualmente: "A capital da República Popular de Moçambique passa a designar-se Maputo." No Artº 3 se pode ler: "O presente diploma produz efeitos a partir do dia 5 de Fevereiro de 1976, Dia dos Heróis Moçambicanos" (B.R. nº 30 - 1ª Série, de 13/3/1976).

Uma violenta reação dos brancos foi rapidamente reprimida e, Samora Machel tornou-se o primeiro presidente da República. Uma assembléia nacional foi eleita em 1977, e "grupos de dinamização" foram encarregados de implantar a política governamental.

O país se alinhou com o Marxismo-Leninismo aliando-se à União Soviética e ao bloco do leste, principalmente a Alemanha Oriental. A coletivização da agricultura foi iniciada em 1975; a saída maciça de portugueses desorganizou a economia, impondo o reatamento de relações econômicas com a África do Sul.

Em 1979, surgiu uma rebelião armada anticomunista, liderada pela Resistência Nacional de Moçambique (Renamo), com o apoio da África do Sul e baseada na Republica da Rodésia (atual Zimbábue) então sob dominação branca.

Apesar da maciça campanha politico-ideológica e militar protagonizada pela Frelimo, a guerrilha se alastrou pelo país, desestabilizando a base econômica agrícola e sufocando os centros urbanos.

Essa guerra foi descrita como uma típica guerra civil, mas alguns indicam que a Renamo foi criada, treinada e suprida completamente por agentes estrangeiros...

O alvo da Renamo era a destruição da infraestrutura social e das comunicações de Moçambique e a queda eventual do governo. A seca e a fome de 1983 aguçaram o desepero da nação...

Em 1984, Moçambique assinou um acordo de não-agressão com a África do Sul nos termos do qual, o governo Moçambicano se comprometia a suspender o apoio logístico ao Congresso Nacional Africano (ANC) que combatia o regime do "Apartheid" na África do sul e em contrapartida, o governo sul-africano faria o mesmo em relação aos rebeldes da Renamo, mas nos anos seguintes, o governo de Maputo denunciou transgressões dos sul-africanos.

Em 1986, Samora Machel morreu num desastre de avião, e foi substituído por Joaquim Alberto Chissano, até então Ministro das Relações Exteriores e tido como hábil negociador político.

Mantendo relações previlegiadas com os países socialistas, principalmente com a antiga URSS, Moçambique iniciou, no entanto, uma aproximação com os países ocidentais que passaram a prestar-lhe apoio militar.

A Frelimo abandonou pouco a pouco sua rigidez ideológica, a liberalização econômica se acelerou com o desmantelamento do Leste Europeu. No Congresso de julho de 1989, a Frelimo renunciou ao marxismo-leninismo.

Uma nova constituição foi adotada em 1990 – quando é adotado um novo nome ao país, República de Moçambique – e o multipartidarismo foi restaurado. Ainda naquele ano, a Frelimo e a Renamo assinaram um cessar-fogo parcial em Roma e, em outubro de 1991, um acordo para o processo de paz.

Com a assinatura do acordo de Roma, uma força das Nações Unidas foi encarregada de fiscalizar o cumprimento do cessar-fogo e o início do processo de desmilitarização geral, além de supervisionar a realização das eleições pluralistas.

Adiadas em função dos desentendimentos entre as partes beligerantes, elas finalmente ocorreram em 1994 e Joaquim Chissano venceu o pleito.

Seu governo promoveu, a partir de 1996, a aproximação com o governo do recém eleito Nelson Mandela, da África do Sul, tendo os dois países assinado vários tratados de cooperação econômica.

Moçambique fez muito para reconstruir-se desde o fim da guerra, embora os minas terrestres, as secas (a última em 1998) e os ciclones continuem a o flagelar...

Fonte: sergiosakall.com.br

Moçambique

Moçambique

Nome Oficial: República de Moçambique

Capital de Moçambique: Maputo

Área: 801.590 km² (35º maior)

População: 19.792.000 (2005)

Idiomas Oficiais: Português

Moeda: Metical

Nacionalidade: Moçambicana

Principais Cidades: Maputo, Beira, Nampula

Fonte: www.webbusca.com.br

voltar 12345678avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal