Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  pronomes relativos  Voltar

Pronomes Relativos



Subclasse de palavras que estabelecem uma relação entre uma palavra antecedente que representam e aquilo que a seu respeito se vai dizer na oração que introduzem.

Variáveis

Invariáveis

Singular

Plural

Masculino

Feminino

Masculino

Feminino

o qual

a qual

os quais

as quais

que

quanto

quanta

quantos

quantas quem
cujo cuja cujos cujas onde

Fonte: www.priberam.pt

PRONOMES RELATIVOS

O Pronome Relativo Que

Este pronome deve ser utilizado com o intuito de substituir um substantivo (pessoa ou "coisa"), evitando sua repetição. Na montagem do período, deve-se colocá-lo imediatamente após o substantivo repetido, que passará a ser chamado de elemento antecedente.

Por exemplo, nas orações Roubaram a peça. A peça era rara no Brasil há o substantivo peça repetido. Pode-se usar o pronome relativo que e, assim, evitar a repetição de peça. O pronome será colocado após o substantivo. Então teremos Roubaram a peça que... . Este que está no lugar da palavra peça da outra oração. Deve-se, agora, terminar a outra oração: ...era rara no Brasil, ficando

Roubaram a peça que era rara no Brasil.

Pode-se, também, iniciar o período pela outra oração, colocando o pronome após o substantivo. Então, tem-se A peça que... Este que está no lugar da palavra peça da outra oração. Deve-se, agora, terminar a outra oração: ...roubaram, ficando A peça que roubaram... . Finalmente, conclui-se a oração que se havia iniciado: ...era rara no Brasil, ficando

A peça que roubaram era rara no Brasil.

Outros exemplos:

Encontrei o garoto. Você estava procurando o garoto

Substantivo repetido = garoto Colocação do pronome após o substantivo = Encontrei o garoto que ... Restante da outra oração = ... você estava procurando. Junção de tudo = Encontrei o garoto que você estava procurando.

Começando pela outra oração:

Colocação do pronome após o substantivo = Você estava procurando o garoto que ... Restante da outra oração = ... encontrei Junção de tudo = Você estava procurando o garoto que encontrei.

Eu vi o rapaz. O rapaz era seu amigo

Substantivo repetido = rapaz Colocação do pronome após o substantivo = Eu vi o rapaz que ... Restante da outra oração = ... era seu amigo. Junção de tudo = Eu vi o rapaz que era seu amigo.

Começando pela outra oração:

Colocação do pronome após o substantivo = O rapaz que ... Restante da outra oração = ... eu vi ... Finalização da oração que se havia iniciado = ... era seu amigo Junção de tudo = O rapaz que eu vi era seu amigo.

Nós assistimos ao filme. Vocês perderam o filme.

Substantivo repetido = filme Colocação do pronome após o substantivo = Nós assistimos ao filme que ... Restante da outra oração = ... vocês perderam. Junção de tudo = Nós assistimos ao filme que vocês perderam. Começando pela outra oração:

Colocação do pronome após o substantivo = Vocês perderam o filme que ... Restante da outra oração = ... nós assistimos Junção de tudo = Vocês perderam o filme que nós assistimos. Observe que, nesse último exemplo, a junção de tudo ficou incompleta, pois a primeira oração é Nós assistimos ao filme, porém, na junção, a prep. a desapareceu. Portanto o período está inadequado gramaticalmente. A explicação é a seguinte: Quando o verbo do restante da outra oração exigir preposição, deve-se colocá-la antes do pronome relativo. Então teremos: Vocês perderam o filme a que nós assistimos.

O gerente precisa dos documentos. O assessor encontrou os documentos

Substantivo repetido = documentos Colocação do pronome após o substantivo = O gerente precisa dos documentos que ... Restante da outra oração = ... o assessor encontrou Junção de tudo = O gerente precisa dos documentos que o assessor encontrou.

Começando pela outra oração:

Colocação do pronome após o substantivo = O assessor encontrou os documentos que ... Restante da outra oração = ... o gerente precisa. O verbo precisar está usado com a prep. de, portanto ela será colocada antes do pronome relativo. Junção de tudo = O assessor encontrou os documentos de que o gerente precisa. Obs: O pronome que pode ser substituído por o qual, a qual, os quais e as quais sempre. O gênero e o número são de acordo com o substantivo substituído.

Os exemplos apresentados ficarão, então, assim, com o que substituído por qual:

Encontrei o livro o qual você estava procurando. Você estava procurando o livro o qual encontrei.

Eu vi o rapaz o qual é seu amigo. O rapaz o qual vi é seu amigo.

Nós assistimos ao filme o qual vocês perderam. Vocês perderam o filme ao qual nós assistimos.

O gerente precisa dos documentos os quais o assessor encontrou. O assessor encontrou os documentos dos quais o gerente precisa.

Obs: Todos os pronomes relativos iniciam Oração Subordinada Adjetiva, portanto todos os períodos apresentados contêm oração subordinada adjetiva.

O Pronome Relativo Cujo

Este pronome indica posse (algo de alguém). Na montagem do período, deve-se colocá-lo entre o possuidor e o possuído (alguém cujo algo)

Por exemplo nas orações Antipatizei com o rapaz. Você conhece a namorada do rapaz. o substantivo repetido rapaz possui namorada. Deveremos, então usar o pronome relativo cujo, que será colocado entre o possuidor e o possuído: Algo de alguém = Alguém cujo algo. Então, tem-se a namorada do rapaz = o rapaz cujo a namorada. Não se pode, porém, usar artigo (o, a, os, as) depois de cujo. Ele deverá contrair-se com o pronome, ficando: cujo + o = cujo; cujo + a = cuja; cujo + os = cujos; cujo + as = cujas. Então a frase ficará o rapaz cuja namorada. Somando as duas orações, tem-se

Antipatizei com o rapaz cuja namorada você conhece.

Outros exemplos:

A árvore foi derrubada. Os frutos da árvore são venenosos.

Substantivo repetido = árvore - o substantivo repetido possui algo. Algo de alguém = Alguém cujo algo: os frutos da árvore = a árvore cujos frutos. Somando as duas orações, tem-se

A árvore cujos frutos são venenosos foi derrubada. Começando pela outra oração: Colocação do pronome que após o substantivo = Os frutos da árvore que ... Restante da outra oração = ... foi derrubada ... Finalização da oração que se havia iniciado = ... são venenosos Junção de tudo = Os frutos da árvore que foi derrubada são venenosos.

O artista morreu ontem. Eu falara da obra do artista.

Substantivo repetido = artista - o substantivo repetido possui algo. Algo de alguém = Alguém cujo algo: a obra do artista = o artista cuja obra. Somando as duas orações, tem-se

O artista cuja obra eu falara morreu ontem.

Observe que, nesse último exemplo, a junção de tudo ficou incompleta, pois a segunda oração é Eu falara da obra do artista, porém, na junção, a prep. de desapareceu. Portanto o período está inadequado gramaticalmente. A explicação é a seguinte: Quando o verbo da oração subordinada adjetiva exigir preposição, deve-se colocá-la antes do pronome relativo. Então, tem-se: O artista de cuja obra eu falara morreu ontem.

As pessoas estão presas. Eu acreditei nas palavras das pessoas.

Substantivo repetido = pessoas - o substantivo repetido possui algo.

Algo de alguém = Alguém cujo algo: as palavras das pessoas = as pessoas cujas palavras. Somando as duas orações, tem-se

As pessoas cujas palavras acreditei estão presas O verbo acreditar está usado com a prep. em, portanto ela será colocada antes do pronome relativo. As pessoas em cujas palavras acreditei estão presas.

Começando pela outra oração:

Colocação do pronome que após o substantivo = Eu acreditei nas palavras das pessoas que ... Restante da outra oração = ... estão presas Junção de tudo = Eu acreditei nas palavras das pessoas que estão presas. Obs: Todos os pronomes relativos iniciam Oração Subordinada Adjetiva, portanto todos os períodos apresentados contêm oração subordinada adjetiva.

O Pronome Relativo Quem

Este pronome substitui um substantivo que representa uma pessoa, evitando sua repetição. Somente deve ser utilizado antecedido de preposição, inclusive quando funcionar como objeto direto, Nesse caso, haverá a anteposição obrigatória da prep. a, e o pronome passará a exercer a função sintática de objeto direto preposicionado. Por exemplo na oração A garota que conheci está em minha sala, o pronome que funciona como objeto direto. Substituindo pelo pronome quem, tem-se

A garota a quem conheci ontem está em minha sala.

Há apenas uma possibilidade de o pronome quem não ser precedido de preposição: quando funcionar como sujeito. Isso só ocorrerá, quando possuir o mesmo valor de o que, a que, os que, as que, aquele que, aquela que, aqueles que, aquelas que, ou seja, quando puder ser substituído por pronome demonstrativo (o, a, os, as, aquele, aquela, aqueles, aquelas) mais o pronome relativo que. Por exemplo: Foi ele quem me disse a verdade = Foi ele o que me disse a verdade. Nesses casos o pronome quem será denominado de Pronome Relativo Indefinido.

Na montagem do período, deve-se colocar o pronome relatico quem imediatamente após o substantivo repetido, que passará a ser chamado de elemento antecedente.

Por exemplo nas orações Este é o artista. Eu me referi ao artista ontem. há o substantivo artista repetido. Pode-se usar o pronome relativo quem e, assim, evitar a repetição de artista. O pronome será colocado após o substantivo. Então, tem-se Este é o artista quem... Este quem está no lugar da palavra artista da outra oração. Deve-se, agora, terminar a outra oração: ...eu me referi ontem, ficando Este é o artista quem me referi ontem. Como o verbo referir-se exige a preposição a, ela será colocada antes do pronome relativo. Então tem-se

Este é o artista a quem me referi ontem.

Não se pode iniciar o período pela outra oração, pois o pronome relativo quem só funciona como sujeito, quando puder ser substituído por o que, a que, os que, as que, aquele que, aqueles que, aquela que, aquelas que.

Outros exemplos:

Encontrei o garoto. Você estava procurando o garoto.

Substantivo repetido = garoto Colocação do pronome após o substantivo = Encontrei o garoto que ... Restante da outra oração = ... você estava procurando. Junção de tudo = Encontrei o garoto quem você estava procurando. Como procurar é verbo transitivo direto, o pronome quem funciona como objeto direto. Então, deve-se antepor a prep. a ao pronome relativo, funcionando como objeto direto preposicionado. Encontrei o garoto a quem você estava procurando.

Começando pela outra oração:

Colocação do pronome após o substantivo = Você estava procurando o garoto quem ... Restante da outra oração = ... encontrei Junção de tudo = Você estava procurando o garoto quem encontrei. Novamente objeto direto preposicionado:

Você estava procurando o garoto a quem encontrei.

Aquele é o homem. Eu lhe falei do homem.

Substantivo repetido = homem Colocação do pronome após o substantivo = Aquele é o homem quem ... Restante da outra oração = ... lhe falei. Junção de tudo = Aquele é o homem quem lhe falei. Como falar está usado com a prep. de, deve-se antepô-la ao pronome relativo, ficando Aquele é o homem de quem lhe falei.

Não se esqueça disto:

O pronome relativo quem somente deve ser utilizado antecedido de preposição; Quando for objeto direto, será antecedido da prep. a, transformando-se em objeto direto preposicionado;

Somente funciona como sujeito, quando puder ser substituído por o que, os que, a que, as que, aquele que, aqueles que, aquela que aquelas que.

O Pronome Relativo Qual

Este pronome tem o mesmo valor de que e de quem.

É sempre antecedido de artigo, que concorda com o elemento antecedente, ficando o qual, a qual, os quais, as quais.

Se a preposição que anteceder o pronome relativo possuir duas ou mais sílabas, só poderemos usar o pronome qual, e não que ou quem. Então só se pode dizer O juiz perante o qual testemunhei. Os assuntos sobre os quais conversamos, e não O juiz perante quem testemunhei nem Os assuntos sobre que conversamos.

Outro exemplo:

Meu irmão comprou o restaurante. Eu falei a você sobre o restaurante. Substantivo repetido = restaurante Colocação do pronome após o substantivo = Meu irmão comprou o restaurante que ... Restante da outra oração = ... eu falei a você. Junção de tudo = Meu irmão comprou o restaurante que eu falei a você. Observe que o verbo falar, na oração apresentada, foi usado com a preposição sobre, que deverá ser anteposta ao pronome relativo: Meu irmão comprou o restaurante sobre que eu falei a você. Como a preposição sobre possui duas sílabas, não se pode usar o pronome que, e sim o qual, ficando, então,

Meu irmão comprou o restaurante sobre o qual eu falei a você.

O Pronome Relativo Onde

Este pronome tem o mesmo valor de em que.

Sempre indica lugar, por isso funciona sintaticamente como Adjunto Adverbial de Lugar.

Se a preposição em for substituída pela prep. a ou pela prep. de, substituiremos onde por aonde e donde, respectivamente. Por exemplo: O sítio aonde fui é aprazível. A cidade donde vim fica longe.

Será Pronome Relativo Indefinido, quando puder ser subtituído por O lugar em que. Por exemplo na frase Eu nasci onde você nasceu. = Eu nasci no lugar em que você nasceu.

Outro exemplo:

Eu conheço a cidade. Sua sobrinha mora na cidade. Substantivo repetido = cidade Colocação do pronome após o substantivo = Eu conheço a cidade que... Restante da outra oração = ... sua sobrinha mora. Junção de tudo = Eu conheço a cidade que sua sobrinha mora. O verbo morar exige a prep. em, pois quem mora, mora em algum lugar. Então

Eu conheço a cidade em que sua sobrinha mora. Eu conheço a cidade na qual sua sobrinha mora. Eu conheço a cidade onde sua sobrinha mora.

O Pronome Relativo Quanto

Este pronome é sempre antecedido de tudo, todos ou todas, concordando com esses elementos (quanto, quantos, quantas).

Exemplo:

Fale tudo quanto quiser falar. Traga todos quantos quiser trazer. Beba todas quantas quiser beber.

Fonte: www.gramaticaonline.com.br

PRONOMES RELATIVOS

A crase e os pronomes relativos

A crase não deve ser empregada junto aos pronomes relativos QUE, QUEM e CUJO(A). Nas orações em que aparece um termo regido pela preposição "a" acompanhado dos pronomes relativos acima apontados, não se verifica a contração da preposição e o artigo, portanto o acento grave indicativo da crase não é admitido.

Exemplos:

Havia qualquer problema com a tomada à que ligaram o aparelho. [Inadequado] Havia qualquer problema com a tomada a que ligaram o aparelho. [Adequado

...[termo regente: ligar a]

...[termo regido: (a) tomada]

Era geniosa a funcionária à quem se reportava. [Inadequado] Era geniosa a funcionária a quem se reportava. [Adequado]

...[termo regente: reportar-se a]

...[termo regido: (a) funcionária]

A mulher, à cuja filiação se unira, esgotava-se em lágrimas. [Inadequado] A mulher, a cuja filiação se unira, esgotava-se em lágrimas. [Adequado]

...[termo regente: unir-se a]

...[termo regido: (a) filiação]

Fonte: www.nilc.icmc.usp.br

Pronomes Relativos

Pronome pessoal do caso oblíquo é aquele que, na sentença, exerce a função de complemento verbal, ou seja, objeto direto ou objeto indireto.

Sendo um pronome ele carrega consigo as características próprias a essa classe gramatical, ou seja, é uma palavra que pode:

Substituir um nome Qualificar um nome Determinar a pessoa do discurso

Em verdade, o Pronomes Relativos é uma forma variante do pronome pessoal do caso reto. Essa variação na forma do pronome indica tão somente a função diversa que eles desempenham na oração: pronome reto marca o sujeito da oração; Pronomes Relativos marca o complemento verbal da oração.

Os pronomes oblíquos sofrem variação de acordo com a acentuação tônica que possuem. Dessa forma eles podem ser:

Pronomes Relativos átono

São chamados átonos os pronomes oblíquos cuja acentuação tônica é fraca.

Os pronomes oblíquos apresentam flexão de número, gênero e pessoa, sendo essa última a principal flexão porque marca a pessoa do discurso. Dessa forma, o quadro dos pronomes oblíquos átonos é assim configurado:

- 1ª pessoa do singular (eu):me

- 2ª pessoa do singular (tu):te

- 3ª pessoa do singular (ele, ela): o, a, lhe

- 1ª pessoa do plural (nós):nos

- 2ª pessoa do plural (vós):vos

- 3ª pessoa do plural (eles, elas): os, as, lhes

O lhe é o único Pronomes Relativos átono que já se apresenta na forma contraída, ou seja, houve a união entre o pronome o ou a e preposição a ou para. Por acompanhar diretamente uma preposição, o pronome lhe exerce sempre a função de objeto indireto na oração. Os demais pronomes átonos em geral funcionam como objeto direto.

Pronomes Relativos tônico

São chamados tônicos os pronomes oblíquos cuja acentuação tônica é forte.

Os pronomes oblíquos apresentam flexão de número, gênero (apenas na 3ª pessoa) e pessoa, sendo essa última a principal flexão porque marca a pessoa do discurso. Dessa forma, o quadro dos pronomes oblíquos tônicos é assim configurado:

- 1ª pessoa do singular (eu): mim, comigo

- 2ª pessoa do singular (tu): ti, contigo

- 3ª pessoa do singular (ele, ela): ele, ela

- 1ª pessoa do plural (nós): nós, conosco

- 2ª pessoa do plural (vós): vós, convosco

- 3ª pessoa do plural (eles, elas): eles, elas

Os pronomes oblíquos tônicos sempre acompanham uma preposição, em geral as preposições a, para, de e com. Por esse motivo os pronomes tônicos exercem a função de objeto indireto da oração.

Observe que as únicas formas próprias do pronome tônico são a primeira pessoa (mim) e segunda pessoa (ti). As demais repetem a forma do pronome pessoal do caso reto.

A forma contraída dos pronomes tônicos (comigo, contigo, conosco e convosco) é obrigatória na construção dos pronomes de 1ª e 2ª pessoas do singular e do plural. As terceiras pessoas do singular e plural, por possuírem uma forma iniciada por vogal (ele, por exemplo), se apresentam separadas da preposição "com" (com ele, com elas e etc.).

Os pronomes oblíquos tônicos contraídos (contigo, por exemplo) freqüentemente exercem a função de adjunto adverbial de companhia (ex.: Ele carregava este nome consigo).

Formas especiais do Pronomes Relativos

O Pronomes Relativos , quando exerce a função de objeto direto, adquire formas especiais conforme a posição que ocupa na sentença. Isso, porém, só é válido para os pronomes oblíquos de terceira pessoa do singular e do plural.

Quando o Pronomes Relativos estiver antes do verbo (próclise, as formas utilizadas são as padrões: o, a, os, as.

Quando o Pronomes Relativos estiver depois do verbo (ênclise), as formas do pronome variam de acordo com o verbo que acompanham. São duas as terminações verbais que comandam a forma do Pronomes Relativos enclítico:

1. verbos terminados em -r, -s ou –z acrescenta-se "-l" antes da forma do pronome (-lo, -la, -los, -las).

Exemplo:

Todos podiam fazer o exercício em casa. Todos podiam fazer-o em casa. [Inadequado] Todos podiam fazê-lo em casa. [Adequado]

2. verbos terminados em ditongo nasal (-am, -em, -ão e -õe) acrescenta-se "-n" antes da forma do pronome (-no, -na, -nos, -nas).

Exemplo:

Eles tinham aquela criança como filha rebelde. Eles tinham-a como filha rebelde. [Inadequado] Eles tinham-na como filha rebelde. [Adequado]

O pronome em início de sentenças

O pronome reto (eu, tu, ele e etc.) ocupa sempre a posição de sujeito da oração. Já o Pronomes Relativos (me, te, o, se e etc.) exerce a função de objeto da oração, complementando o verbo transitivo. Como é papel do sujeito iniciar uma sentença, o Pronomes Relativos não deve ocupar essa posição inicial.

Embora seja correto o emprego do Pronomes Relativos antes do verbo (próclise), se o verbo estiver iniciando sentença é aconselhável o emprego do pronome depois do verbo (ênclise).

Exemplos:

Te censuraram em público. [Inadequado] Censuraram-te em público. [Adequado]

Me passa o sal, por favor!. [Inadequado] Passa-me o sal, por favor!. [Adequado]

O pronome e o objeto direto

O objeto direto é formado por um nome, em geral um substantivo. Esse nome pode vir substituído por um pronome. Quando isso ocorre, o pronome empregado deve ser o Pronomes Relativos (me, te, o, se e etc.).

O pronome reto (eu, tu, ele e etc) ocupa sempre a posição de sujeito da oração. Cabe, portanto, ao Pronomes Relativos exercer a função de objeto da oração, complementando o verbo transitivo.

Exemplos:

Ela queria o prêmio para si. Ela queria ele para si. [Inadequado]

Ela o queria para si. [Adequado]

...[ela = pronome reto = sujeito da oração]

...[o = Pronomes Relativos = objeto direto da oração]

Chamaram Maria de santa. Chamaram ela de santa. [Inadequado]

Chamaram-na de santa. [Adequado]

...[sujeito indeterminado do verbo "chamar"]

...[na = Pronomes Relativos = objeto direto da oração]

Fonte: www.nilc.icmc.usp.br

Pronomes Relativos

São aqueles que apresentam, numa segunda oração, alguma palavra que já apareceu na oração anterior. Essa palavra da oração anterior chama-se antecedente.

Para analisar o pronome relativo pode-se usar o seguinte artifício: permuta-se (troca-se) o pronome pelo seu antecedente. A função que cabe ao termo perguntado cabe ao pronome relativo.

Exemplo

Não encontramos as galinhas que fugiram.

As galinhas

Antecedente

Que

Pronome relativo

Sujeito

As quais

O sujeito sensível que ele era tornou-se um cético

O sujeito sensível

Antecedente

Que

Predicativo do sujeito

Fonte: www.ficharionline.com

Pronomes Relativos
Pronomes relativos

São aqueles que representam nomes que já foram citados e com os quais estão relacionados. O nome citado denomina-se  ANTECEDENTE do pronome relativo.

Ex.:"A rua onde moro é muito escura à noite." onde: pronome relativo que representa "a rua" a rua : antecedente do pronome "onde"

Alguns pronomes que podem funcionar como pronomes relativos: 

FORMAS VARIÁVEIS  FORMAS INVARIÁVEIS
Masculino Feminino  
o qual / os quais a qual / as quais quem
quanto / quantos quanta / quantas que
cujo / cujos cuja /  cujas onde

O pronome relativo QUEM sempre possui como antecedente uma pessoa ou coisas personificadas, vem sempre antecedido de preposição e possui o significado de "O QUAL" Ex.: "Aquela menina de quem lhe falei viajou para Paris." Antecedente: menina Pronome relativo antecedido de preposição: de quem

Os pronomes relativos CUJO, CUJA sempre precedem a um substantivo sem artigo e possuem o significado "DO QUAL" "DA QUAL"  Ex.: "O livro cujo autor não me recordo." 

Os pronomes relativos QUANTO(s) e QUANTA(s) aparecem geralmente precedidos dos pronomes indefinidos tudo, tanto(s), tanta(s), todos, todas. Ex.: "Você é tudo quanto queria na vida."

O pronome relativo ONDE tem sempre como antecedente palavra que indica lugar. Ex.: "A casa onde moro é muito espaçosa."

O pronome relativo QUE admite diversos tipos de antecedentes: nome de uma coisa ou pessoa, o pronome demonstrativo ou outro pronome.  Ex.: "Quero agora aquilo que ele me prometeu."

Os pronomes relativos, na maioria das vezes, funcionam como conectivos, permitindo-nos unir duas orações em um só período. Ex.:A mulher parece interessada. A mulher comprou o livro.      ( A mulher que parece interessada comprou o livro.)

Fonte: www.portugues.com.br

voltar 12avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal