Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Próteses De Silicone  Voltar

Próteses Mamárias

A cirurgia de aumento das mamas é, sem dúvida nenhuma, uma das cirurgias plásticas mais procuradas pelas mulheres atualmente. Por isso, surgem novas técnicas para apresentar resultados que beiram a perfeição

A colocação de próteses de silicone nos seios é, com certeza, uma das cirurgias plásticas mais procuradas pelas mulheres hoje em dia. Principalmente, porque o padrão de beleza atual pede seios fartos, não importando se são naturais ou artificiais. O que pesa mesmo na decisão de se submeter a esse tipo de cirurgia é o resultado final.

Protéses Mamárias

O aumento das mamas ou mamoplastia de aumento de volume de mama é geralmente efetuado em mulheres que apresentam mamas não desenvolvidas e desejam um busto maior. Também é realizado nos casos de diminuição do volume das mamas devido à gravidez ou perda de peso, em mulheres com mamas assimétricas, isto é, desiguais, e naquelas que necessitam reconstruir a mama após mastectomia (cirurgia para retirada da mama nos casos de câncer).

Essa cirurgia apresenta ótimos resultados, principalmente devido ao surgimento de novas próteses de silicone em gel, que podem ter membranas porosas (texturizadas) ou ser revestidas de poliuretano. Essas próteses facilitam o processo de cicatrização interna e dão um aspecto bem mais natural às mamas.
O desenvolvimento de técnicas inovadoras também ajudou a tornar a mamoplastia de aumento de mamas mais segura e capaz de oferecer resultados que transformam os seios em verdadeiras obras-primas.

É o caso da técnica de implante de retalhos musculares, a mais recente novidade nessa área, que está sendo aplicada pelo Dr. José de Gervais Filho, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. O método é utilizado nos casos em que as pacientes desejam ter uma mama bem aumentada. "A maior prótese que já coloquei com essa técnica foi a de 305 ml. Mas, com ela, a paciente pôde pular do sutiã número 42 para o número 48!", afirma o cirurgião.

Nesse tipo de cirurgia, são feitos retalhos no músculo peitoral para cobrir e acomodar a prótese numa espécie de bolsa que se cria entre a mama e o músculo. "O objetivo é proteger a borda da prótese, que, após a formação da cápsula, precisa ficar bem posicionada embaixo da musculatura peitoral. Com isso, evita-se que as próteses fiquem marcadas e sensíveis ao tato, dando, assim, um aspecto mais natural ao seio. Como acontece com qualquer corpo estranho no organismo, essa cápsula ao redor da prótese é uma forma de proteção do corpo, para evitar rejeição", explica o especialista.

"Venho usando retalhos musculares desde que notei algumas pacientes apresentando dobras e pontas na pele após a cirurgia. Desde então, prefiro fazer a prevenção, utilizando a técnica", afirma o Dr. Gervais.
O implante de retalhos musculares não oferece restrições de idade. "Já operei pacientes na faixa dos 60 anos", diz o médico.

O cirurgião plástico garante ainda que, mesmo sem filhos, a mulher pode se submeter à cirurgia e, posteriormente, engravidar e amamentar sem problemas. Segundo ele, o centro da prótese fica embaixo da glândula mamária, com isso, os canais que levam o leite materno ao mamilo não são afetados.

Procedimento simples

A inclusão de prótese mamária de silicone pela técnica de implante de retalhos musculares pode ser realizada em âmbito ambulatorial, com anestesia local e sedação, e o tempo da cirurgia é de cerca de 1 hora. De acordo com o Dr. Gervais, a técnica é tão simples que 95% das pacientes recebem alta no mesmo dia. "O tipo de prótese de silicone utilizado é em gel texturizado, porque é fácil de manusear e apresenta menor índice de efeitos colaterais", diz o médico.

A prótese é colocada por meio de uma incisão na metade inferior do círculo da aréola, formando uma meia-lua. Dessa maneira, a cicatriz praticamente não aparece, ficando "disfarçada" na junção da pele do seio com a do mamilo.

No pré-operatório, os exames solicitados são o da rotina sangüínea, o raio-X do tórax, o eletrocardiograma e a mamografia.

No pós-operatório, orienta-se a paciente para que ela fique em repouso por 10 dias, evitando levantar peso, fazer esforço, etc. Não há necessidade de sutiã especial, pode-se usar um sutiã comum, desde que não seja aramado, o que pode marcar a mama.

Protéses Mamárias

A prótese geralmente não provoca qualquer reação no pós-operatório, e o edema (inchaço), decorrente da manipulação da mama, não costuma ser grande. Nada que uma boa drenagem linfática posterior não solucione.

Depois da retirada dos pontos, a paciente deve cuidar do seio utilizando um gel especial indicado pelo especialista, o qual ajuda a manter a cicatriz quase imperceptível.

Se a paciente sentir desconforto, dores, ter febre e outras reações, deve marcar outra operação para retirar a prótese, no máximo três meses após a colocação, para não haver distensão da pele.

Antigamente, recomendava-se a troca da prótese a cada dez ou 15 anos. Hoje, como o material da prótese é mais moderno, não há um período específico para a troca, mas o controle médico com exames deve ser anual. O custo da cirurgia varia muito, dependendo de uma avaliação da paciente e do especialista escolhido.

Como toda intervenção cirúrgica, essa técnica tem seus prós e contras. "Ela diminui as marcas sobre a pele, mas, por ser mais trabalhosa, é um pouco mais dolorosa. Entretanto, a dor não é nada intolerável e pode ser resolvida com qualquer analgésico comum", diz o Dr. Gervais.

Fonte: plasticaebeleza.terra.com.br

Próteses Mamárias

Silicone

As brasileiras estão sendo submetidas à colocação de próteses de mama como nunca! E o mais interessante, de tamanhos maiores do que os usuais até alguns anos atrás.

A própria noção do tamanho adequado de prótese mamária que os cirurgiões plásticos tinham como um “padrão brasileiro” está mudando.

Era tido como certo que as brasileiras não gostavam de mamas grandes. Assim, quando as pacientes reclamavam de mamas grandes e consultavam-se para cirurgia, sempre nos recomendavam que o tamanho final fosse o menor possível.

As pacientes que buscavam informações sobre próteses, quase sempre eram portadoras de mamas muito pequenas ou que após as gestações tornaram-se menores e flácidas.

Hoje, com a mudança de postura da mulher em relação ao que considera um corpo atraente, atendemos pacientes, que até algum tempo atrás, nos procurariam para somente corrigir mamas flácidas, sem alterar o volume, nos consultando sobre a possibilidade de corrigir a flacidez com a colocação de próteses, “aproveitando” para aumentar o volume final das mamas.

É muito importante que a paciente seja ouvida com atenção durante a consulta, para entendermos o que a desagrada realmente, o tamanho das mamas, a forma, as duas coisas?

O exame físico é fundamental, como em qualquer consulta, pois para um resultado adequado, a cirurgia deve tornar as mamas proporcionais ao corpo da paciente. Se a paciente tem tórax largo e ou está um pouco acima do peso ideal para a sua altura, não se poderá reduzir demais o tamanho das mamas. Se, ao contrário, a paciente tem uma estrutura física pequena, não poderemos aumentar demais o tamanho final das mamas.

Mesmo assim, para cada paciente, teremos uma variação possível de tamanhos e a definição dele ocorrerá na sala de cirurgia.

É solicitado aos fornecedores das próteses que nos enviem 3 conjuntos de próteses, com os volumes dentro da faixa que definimos com a paciente em consulta e a partir de moldes que eles também nos fornecem, o tamanho é escolhido da maneira que fique mais de acordo com a vontade expressa pela paciente, mas sempre respeitando as proporções do seu corpo.

As pacientes devem estar cientes de que as próteses são reconhecidas pelo corpo como agentes estranhos e que a resposta imunológica é envolver a prótese por um tecido firme, tentando isolá-las do resto do organismo.

Esse mecanismo de defesa, na maioria dos casos, não compromete o resultado final, porém algumas pacientes podem apresentar essa reação de forma exagerada, variando de apenas uma sensação de maior firmeza nas mamas até um grau de endurecimento que torne necessário trocar ou retirar as próteses.

As próteses devem ser trocadas a cada dez anos, pois com o tempo podem apresentar pequenas perfurações e permitir a saída de seu conteúdo.

O mais importante é que a paciente seja bastante clara com o seu cirurgião sobre o que realmente a incomoda e que retire todas as suas dúvidas antes do procedimento cirúrgico.

Fonte: www.saudenainternet.com.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal