Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Murici - Página 2  Voltar

Murici

Nome popular: muruci
Nome científico: Byrsonima crassifolia (L.) Rich
Família botânica: Malpighiaceae
Origem: Norte e Nordeste do Brasil

Murici

Características da planta

Árvore de até 5 m de altura com tronco cilíndrico, casca escura, áspera e copa estreita. Folhas verdes e rígidas. Flores de coloração alaranjada aparecendo de janeiro a março

Fruto

Forma arredondada, de coloração alaranjada. Polpa carnosa e translúcida e sementes de coloração creme. Frutifica de abril a junho.

Cultivo

As sementes germinam em substrato argiloso necessitando de local sombreado. O desenvolvimento é lento. Espécie também utilizada como ornamental.

Os muricis do Brasil são muitos e variados, sendo, em sua maioria, plantas da família botânica das Malpiguiáceas, à qual também pertence a reputada acerola. Originárias da terra, essas plantas podem ser encontradas por todo o continente e são designadas popularmente, em suas regiões, pelo mesmo nome de murici.

Em suas diferentes variedades, os muricis distinguem-se, também, por suas cores e locais de ocorrência Assim, são conhecidos o murici-amarelo, o murici-branco, o murici-vermelho, o murici-de-flor- branca, o murici-de-flor-vermelha, o murici-da-chapada, o murici-da-mata, o murici-da-serra, o murici-das- capoeiras, o murici-do-campo, o murici-do-brejo, o murici-da-praia, entre outros.

A maioria dos muricis, ou grande parte deles, é espontânea em praticamente toda a Amazônia, onde, espécies de porte arbustivo ou arbóreo podem ser encontradas em abundância. Na época da frutificação, a mata verde fica pintada pelo amarelo da fruta.

Mas os muricis não são exclusivos da floresta, sendo, alguns deles, freqüentes nas regiões serranas do sudeste, nos cerrados do Mato Grosso e Goiás e no litoral do norte e do nordeste do pais.

Entre as frutas regionais brasileiras que costumam aparecer nos pregões matinais dos vendedores ambulantes - em especial, nas capitais da região Nordeste - o murici, certamente, tem um lugar de destaque e, dependendo da época do ano, ocupa o mesmo espaço destinado a frutas tão importantes como a graviola, o jambo, o caju e a pitomba.

Aqui, duas espécies de muricizeiros estão sendo destacados. Um deles, o de maior dispersão, o mais conhecido e o que fornece os frutos mais apreciados é o Byrsonima crassifolia. Trata-se de uma pequena árvore de no máximo 5 metros de altura, cujo fruto, pequeno e amarelo, é saborosíssimo e suavemente perfumado.

Citado por Pimentel Gomes, Renato Braga faz uma referência às variadas utilidades que o homem regional aprendeu a dar ao fruto do murici, muitas delas comuns desde tempos bastante antigos.

De acordo com ele, no nordeste litorâneo, um dos usos mais comuns para o fruto do murici é o preparo de uma 'gororoba muito rica em gorduras e de alto teor nutritivo, conhecida como cambica de murici". O fruto" - diz Braga - 'amassado em água, desprende facilmente a sua massa carnosa, que, dissolvida, misturada com farinha, adoçada ou não, constitui um dos recursos alimentares mais importantes para a pobreza dos tabuleiros praieiros." Além disso, esse primeiro amassado, mais diluído e sem farinha, transforma-se em gostoso refresco e é ingrediente para excelentes sorvetes e doces de qualidade.

Tudo leva a crer que tenha sido exatamente esse o murici encontrado na Bahia pelo padre viajante Gabriel Soares de Sousa na metade do século XVI. Em sua descrição informa que se tratava de árvore pequena e muito seca que, nascendo em terras fracas, fornecia frutas amarelas e moles, menores do que as cerejas, comestíveis e de sabor e cheiro semelhantes aos do "queijo de Alentejo".

A espécie conhecida como murici-do-campo (Byrsonima basiloba) difere da anterior, basicamente, por seu porte. Arvore de tamanho médio, de galhos retorcidos e típica da região dos cerrados, chega a alcançar cerca de 10 metros de altura. Suas folhas são, também, maiores do que a outra e revestidas de finos pêlos, dando ao tato a sensação do velado. Seus frutos e seus usos, porém, são bastante semelhantes aos do murici mais comum.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Murici

O murici tem grande variedade de espécies e inúmeras utilidades, e seu fruto amarelo embeleza o cerrado

Murici
De sabor forte, agridoce e ligeiramente oleoso, fruto do murici pode ser consumido in natura ou em doces, sorvetes e licores

Quem já andou pelo cerrado ou pelos campos-sujos no Brasil - regiões onde há árvores e arbustos esparsos - pode ter se deparado com uma espécie vegetal de porte pouco majestoso e de tronco tortuoso, cujo fruto é conhecido por murici.

Denominada cientificamente por Byrsonima verbascifolia, a árvore também recebe o mesmo nome da fruta.

Ela é também popularmente conhecida por douradinha-falsa, mirici, muricizinho, orelha-de-burro e orelha-de-veado (estes últimos nomes são dados por causa do formato das folhas).

No entanto, estima-se que o gênero Byrsonima possua mais de 200 espécies, sendo que 100 delas estão amplamente distribuídas no país. A maioria é encontrada na região amazônica, onde, na época de sua frutificação, a mata verde fica pintada pelo amarelo do fruto.

No Nordeste, o murici chega a disputar mercado com frutas como a pitomba, o jambo, a graviola e o caju. No caso da Byrsonima verbascifolia, o fruto carnoso tem sabor forte, agridoce e ligeiramente oleoso, podendo ser consumido in natura, além de ser usado na fabricação de doces, sucos, sorvetes e licores.

A geléia é uma das especialidades feitas com a polpa bem madura do murici. Fácil de preparar, é só misturar a mesma quantidade do fruto com igual peso de açúcar cristal e colocar em uma panela. Depois leva-se ao fogo por 15 minutos, mexendo bem.

Então baixa-se o fogo sem parar de mexer. Quando o cozimento estiver completo, é só retirar do fogo e deixar esfriar. Como uso medicinal, o murici é usado no combate a tosse e bronquite, e pode ser um brando laxante, se consumido com açúcar.

Murici
Murici
A espécie Byrsonima verbascifolia é facilmente encontrada no cerrado brasileiro. Suas folhas densamente pilosas são capazes de proteger as gemas apicais da ação do fogo

MADEIRA BRILHANTE

Esta espécie de murici, entretanto, não tem no fruto sua única utilidade. Embora não haja registro de produção comercial desta árvore, a madeira é própria para a construção civil. De cor amarela ou avermelhada, é acetinada e brilhante, muito usada em marcenaria de luxo.

Para uso medicinal, a casca serve como antitérmico. Além disso, ela é adstringente (contém de 15 a 20% de tanino), podendo ser utilizada na indústria de curtume. Dela se extrai ainda um corante preto utilizado na indústria de tecidos, conferindo cor cinzenta ao algodão. As folhas geralmente são consumidas por bovinos, por isso esta espécie de murici tem grande potencial forrageiro.

O murici floresce e frutifica praticamente durante o ano todo. Isso faz com que ela também seja considerada uma árvore ornamental. É uma das primeiras espécies a emitir flores logo após uma queimada. Como as folhas são densamente pilosas (possuem pêlos) e agrupadas no ápice dos ramos, protegem as gemas apicais (localizadas na extremidade dos ramos) do fogo.

Adaptado a solos com presença de alumínio, o murici agüenta bem o clima do cerrado. Diferentemente de outras espécies, não foi observada na planta a ocorrência de vassoura-de-bruxa, que danifica as flores e impede a formação dos frutos.

Características

Murici pode ser encontrado em 11 estados do país

Classificação

O murici pertence à família Malpighiaceae, a mesma da acerola. Planta nativa do Brasil, possui várias espécies. Tal diversidade é distiguida pela cor e local de ocorrência de cada planta. Uma delas é a Byrsonima verbascifolia, muito comum no cerrado. Outra espécie bastante conhecida no país é a Byrsonima coccolobifolia. Ela se difere da anterior por apresentar folhas sem pêlos, pétalas branco-rosadas e frutos alaranjados.

Ocorrência

Possui larga distribuição no Brasil, podendo ser encontrada em Alagoas, Amazonas, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. Também pode ocorrer na Venezuela e Guianas.

Descrição

Árvore ou arbusto hermafrodita de pequeno porte, o murici pode chegar a até 6 metros de altura. Seu tronco repleto de nós é freqüentemente tortuoso. A casca escura e adstringente é fissurada. As folhas são simples, rígidas, brilhantes e quase não possuem bainha. Podem chegar a 24 centímetros de comprimento e 18 centímetros de largura. As flores têm cerca de 1,5 centímetro de diâmetro e são reunidas em inflorescências localizadas nos ápices dos ramos. A corola é amarela com tons avermelhados, geralmente formada por cinco pétalas. O fruto amarelo é carnoso e possui, aproximadamente, de 1,3 a 1,5 centímetro de diâmetro. As sementes são pequenas, e, em geral, podem ser encontradas de uma a três por fruto.

Fontes

Semíramis Pedrosa de Almeida, pesquisadora da Embrapa Cerrados/Projeto CMBBC - Conservação e Manejo do Bioma Cerrado; e Maria Candida Henrique Mamede, bióloga do Instituto de Botânica, seção de curadoria do herbário, e doutora pela Universidade de São Paulo.

Bibliografia

'Cerrado - espécies vegetais úteis', de Semíramis Pedroso de Almeida, Carolyn Elinore B. Proença, Sueli Matiko Sano e José Felipe Ribeiro, Embrapa Cerrados, 1998; 'Cerrado - aproveitamento familiar', de Semíramis Pedrosa de Almeida, Embrapa Cerrados; e 'Frutas no Brasil', de Helena Tassara, Empresa das Artes, 1996.

GUSTAVO LAREDO

Fonte: revistagloborural.globo.com

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal