Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Murici - Página 5  Voltar

Murici

Nome popular: murici
Nome científico: Byrsonima crassifolia (L.) Rich.
Família botânica: Malpighiaceae
Origem: Norte e Nordeste do Brasil

Murici

Características da planta

Fruteira arbustiva da família Malpighiaceae, o murici é uma planta nativa do norte/nordeste brasileiro, de porte médio, podendo chegar a 5 metros de altura. Possua tronco cilíndrico, casca escura, áspera e copa estreita. Suas folhas são rígidas e brilhantes. As flores são amareladas formando cachos de 10 a 15 cm. Geralmente é encontrado no litoral, numa faixa que se inicia no Ceará e se estende até o Acre, sendo apreciado pela população privilegiada com a ocorrência desta deliciosa fruteira nativa em suas matas e nas zonas praianas, sendo inclusive muito utilizada pelos índios amazonenses como fonte de alimentação.

O fruto

O fruto possui em média 2 cm de diâmetro e, quando maduro, possui a casca e a polpa de um amarelo intenso, tendo sabor e cheiro característico e é muito rico em Vitamina "C". A polpa é carnosa e pode ser consumida "in natura", mas é mais apreciada na forma de sucos, sorvetes, licores, néctares, geléias e doces. A comercialização ocorre em grande parte com a fruta "in natura" nas feiras livres e mercados públicos das cidades e capitais nordestinas litorâneas. As outras diversas formas, manufaturadas ou industrializadas, são comercializadas nas lanchonetes, sorveterias e supermercados dessas cidades. Na época da safra do muricí, torna-se uma fruta de grande procura pela população devido a sua grande aceitação pelo seu delicioso sabor.

Apesar de ter tamanha importância nas regiões citadas, esta frutífera ainda não foi devidamente pesquisada, desconhecendo-se as técnicas agronômicas adequadas para seu cultivo e propagação, não sendo ainda devidamente domesticado, desconhecendo-se seu valor nutricional e o potencial de utilização do fruto por parte das indústrias especializadas.

Cultivo

As sementes germinam em substrato argiloso necessitando de local sombreado. O desenvolvimento é lento. Espécie também utilizada como ornamental.

Os muricis do Brasil são muitos e variados, sendo, em sua maioria, plantas da família botânica das Malpiguiáceas, à qual também pertence a reputada acerola.

Originárias da terra, essas plantas podem ser encontradas por todo o continente e são designadas popularmente, em suas regiões, pelo mesmo nome de murici.

Em suas diferentes variedades, os muricis distinguem-se, também, por suas cores e locais de ocorrência Assim, são conhecidos o murici-amarelo, o murici-branco, o murici-vermelho, o murici-de-flor- branca, o murici-de-flor-vermelha, o murici-da-chapada, o murici-da-mata, o murici-da-serra, o murici-das- capoeiras, o murici-do-campo, o murici-do-brejo, o murici-da-praia, entre outros.

Mas os muricis não são exclusivos da floresta, sendo, alguns deles, freqüentes nas regiões serranas do sudeste, nos cerrados do Mato Grosso e Goiás e no litoral do norte e do nordeste do pais.

Aqui, duas espécies de muricizeiros estão sendo destacados. Um deles, o de maior dispersão, o mais conhecido e o que fornece os frutos mais apreciados é o Byrsonima crassifolia. Trata-se de uma pequena árvore de no máximo 5 metros de altura, cujo fruto, pequeno e amarelo, é saborosíssimo e suavemente perfumado.

Fonte: www.emater-ro.com.br

Murici

BYRSONIMA CRASSIFOLIA, BYRSONIMA INTERMEDIA, BYRSONIMA LANCIFOLIA E BYRSONIMA STIPULATA

NOMES POPULARES

Murici do Cerrado (B. crassifólia), Murici rasteiro ou canjiquinha (B. intermédia), Murici guassú (B. lancifolia) e Murici da Praia (B. stipulata)

Murici
Murici do cerrado (B. crassifólia)

Murici
Murici-guassú (B. lancifolia)

NOME INDIGENA

Murici vem do Tupi-guarani e quer dizer “arvore pequena” e o termo guassú para a espécie B. lancifolia quer dizer “fruto grande” em relação a outras espécies.

Origem

As varias espécies ocorrem no Brasil: Murici do Cerrado – em todos os campos e cerrados; Canjoquinha ocorre nos campos de todo o Brasil, Murici guassú na Amazônia e Murici da Praia na mata atlântica do litoral.

Características

Arvore pequena de 3 a 4 m de altura ou arbusto de no máximo 1 m de altura, a copa é desuniforme por causa dos galhos que quebram com facilidade, o caule é acinzentado ou castanho e tronco velho tem fissuras quadriculadas. As folhas são simples, coriaceas, tomentosas (coberta de pelos no caso das espécies B. crassifólia e B. stipulata) ou glabras (sem pelos) na face superior (no caso da B. intermedia e B. lancifolia) e pubescentes (coberta de pequenos pelos) na face inferior, com ápice ou ponta lanceolada). As flores são amarelas em numero de 15 a 35 flores dispostas em pequenos racemos (um tipo de cacho com uma haste central).

Plantado

B. crassifólia em janeiro de 2.002; B. intermédia em setembro de 2.002; B. stipulata em Setembro de 2.003; B.lancifolia em Setembro de 2.004 A frutificação iniciou-se 2 a 3 anos após o plantio.

Dicas para cultivo

Arvoreta de crescimento rápido, apreciando solos vermelhos e argilosos com rápida drenagem da água das chuvas e pH por volta de 5,5. é resistente a geadas leves de até -1 grau. Convem planta-la em ambiente protegidos de ventos fortes pois seus ramos quebram facilmente!

Mudas

Sementes conservam-se em condições naturais por até 6 meses, germinam em 60 a 120 dias no verão, as mudas apreciam substrato orgânico e arenoso, e sombreamento de no máximo 50%. Nessas condições as mudas podem ser plantadas em 4 a 5 meses após a germinação.

Plantando

Recomendo que seja plantada a pleno sol num espaçamento 5x5 m para a B. crassifólia e B. lancifolia; 6x6 m no cado da B. stipulata; e 2x2 m no caso da B. intermedia. Melhor época de plantio é novembro a janeiro, convém irrigar 10 l de água após o plantio e a cada 15 dias se não chover.

Cultivando

A planta cresce rápido e não necessita de cuidados especiais, apenas deve-se afincar um tutor para amarrar a planta para que não quebre, é bom eliminar as brotações que surgirem na base do caule. Fazer podas de formação. Adubar com composto orgânico, pode ser (8 litros) cama de frango + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano. Distribuir os nutrientes à 5 cm de profundidade, em círculos distanciados à 50 cm do tronco.

Usos

Os frutos são consumidos in-natura, e usados na fabricação de geléias, sorvetes e outros doces.

Floração

Em setembro a fevereiro.

Frutificação

Março a agosto.

Fonte: frutasraras.sites.uol.com.br

voltar12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal