Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Nado Sincronizado  Voltar

Nado Sincronizado

O nado sincronizado é um dos dois esportes olímpicos exclusivos para mulheres -o outro é o softbol- e surgiu como espetáculo em 1890.

Na época, apresentações de “natação ornamental” eram comuns em países europeus e no Canadá. Mas o grande impulso veio a partir de 1907, com as apresentações da australiana Annette Kellerman em vários países, inclusive nos Estados Unidos.

Foi quando os norte-americanos desenvolveram a arte, acrescentando música às apresentações.

Com o tempo, as coreografias passaram a se sincronizar com o ritmo, como em uma dança. Até os anos 30, diversas universidades do país já tinham grupos de balé aquático e faziam espetáculos para públicos cada vez mais numerosos.

Em 1939, Frank Havlicek sugeriu que se criasse uma competição entre essas equipes. Regras foram definidas e, em 1940, o nado sincronizado já era considerado esporte, mas a primeira competição de abrangência nacional só foi organizada em 1946.

Nos anos 50, o Canadá também já praticava largamente a modalidade. Essa tradição era tão forte que, até a década de 90 os dois vizinhos da América do Norte monopolizavam os principais torneios mundiais. Em 1954, a Fina (Federação Internacional de Esportes Aquáticos) reconheceu o nado sincronizado como uma disciplina da natação. No ano seguinte era disputado o primeiro torneio internacional, os Jogos Pan-Americanos da Cidade do México. Em Jogos Olímpicos, a estréia só ocorreu em 1984.

Regras

Os parâmetros para as duas categorias -dueto e equipe- são similares.

Para cada apresentação são dados dois tipos de nota: técnica, com 60% de peso no total e que considera qualidade da execução, sincronia e nível de dificuldade, e artística, que valoriza coreografia, interpretação musical e criatividade.

A piscina tem 3 m de profundidade, medidas mínimas de 12x12 m e temperatura da água entre 25 e 27ºC. As atletas devem ter grande capacidade pulmonar, pois não podem respirar quando estiverem com a cabeça submersa. Em geral, valorizam-se mais as nadadoras altas, que têm mais facilidade de realizar movimentos de pernas e braços de grande amplitude.

Fonte: br.geocities.com

Nado Sincronizado

Nado sincronizado, também conhecido como padrão de natação ou balé , é um esporte olímpico que mistura natação com balé e ginástica, e inclui mergulho, acrobacias, elevadores, e os movimentos de resistência. Natação sincronizada começou como um esporte organizado no início do século 20, quando Margaret Sellers, um canadense de pólo aquático do jogador, desenvolveu a arte de "natação ornamental". A natação sincronizada termo foi cunhado mais tarde pelo ex-ginasta Katherine Curtis para se referir a seu grupo de nadadores, mais tarde renomeado As Sereias modernos. Na década de 1940 e 50, Esther Williams tornou-se uma sensação de Hollywood, realizando rotinas de nado sincronizado em uma série de filmes.

Natação sincronizada das mulheres não se tornou um esporte olímpico até 1984, quando os dois duetos e equipes de quatro a oito nadadores foram autorizados a competir. O esporte é agora governado pela Federação Internacional de Natação Amador ou FINA. A equipe dos EUA detém recordes mundiais para receber uma pontuação perfeita de 10 e 10s para ganhar o maior número de medalhas. Nado sincronizado tem sido o mais bem sucedido esporte olímpico norte-americano desde o seu início, como a equipe dos EUA ganhou medalhas de ouro ou prata em cada evento.

Requisitos de natação sincronizada incluem vestindo um clipe nasal e um bolo de cabelo, que é mantida no lugar com unflavored Knox gelatina. Competição ternos e trajes são geralmente feitos à mão para atender um tema especial ou partitura. Embora esses itens não contam diretamente para a pontuação, eles afetam a impressão geral artística do espetáculo.

Mérito técnico é avaliado com base em uma série de elementos pré-determinados, como a execução de golpes e transições, dificuldade, e sincronização. Seções braço e figuras, semelhantes aos de patinação artística, também são necessários, e todos os elementos devem ser apresentados em uma ordem específica. Os pontos são deduzidos para tocar no fundo da piscina, a falta de fluidez, e faltando elementos necessários.

Rotinas livres também são uma parte importante da natação sincronizada. Eles dão nadadores a oportunidade de demonstrar arte, coreografia e interpretação musical. Em competições preliminares, rotinas livres responsáveis por até 65% da pontuação total.

Rotinas de nado sincronizado pode durar de dois e meio a cinco minutos, dependendo dos requisitos técnicos e do número de nadadores. Solos são geralmente menos de três minutos, enquanto as equipes grandes fazer uso de rotinas mais para incluir todos os elementos técnicos necessários. Porque as rotinas nado sincronizado exige controle da respiração excepcional, os juízes também levar em consideração a capacidade dos nadadores para preservar a ilusão de ausência de esforço, mantendo a respiração por até dois minutos.

Fonte: www.wisegeek.com

Nado Sincronizado

Natação Sincronizada costumava ser conhecido como "balé aquático" e este é um bom ponto de partida para ver o esporte porque as rotinas são movimentos essencialmente esportivos realizados em água e coreografia para a música.

No entanto, Sincronizado Natação também é um esporte muito extenuante e hábil porque os concorrentes precisam de força e flexibilidade para executar as rotinas, bem como ritmo e estilo para sincronizar e interpretar a música.

Natação Sincronizada é aberto a atletas do sexo masculino e feminino, mas é um esporte dominado por mulheres, principalmente por causa dos Jogos Olímpicos e competições do Campeonato do Mundo não estão abertos a homens.

Atletas executar rotinas que podem ser qualquer coisa de dois minutos e meio a cinco minutos de duração, dependendo se eles executar sozinho ou parte de uma equipe. As rotinas são feitos de certos movimentos que são executados usando certas posições básicas.

Aproximadamente dois terços de uma rotina de natação sincronizada é realizada sob a água.

Eventos de competição na natação sincronizada

Existem quatro categorias principais da competição:

Solos (onde um nadador indivíduo vai sincronizar com a música).

Duets (onde um nadador coordenadas com o seu parceiro e em tempo para a música).

Equipes (onde o nadador coordenadas com até sete outros atletas e em tempo para a música).

Combo (uma rotina de equipe, onde até 10 nadadores em executar uma rotina contínua, mas durante a rotina haverá segmentos em diferentes números de nadadores irão realizar.

Equipes normalmente contêm oito nadadores, mas o número mínimo para uma equipe é de quatro. Equipes perder pontos para cada nadador que sob o complemento total, porque é mais fácil de sincronizar os menos pessoas houver em uma rotina!

Atualmente, apenas as competições de dueto e equipe estão incluídas nos Jogos Olímpicos (embora a competição individual caracterizado nos Jogos Olímpicos de 1984, 1988 e 1992).

Na maioria das competições seniores, os nadadores irão realizar duas rotinas para os juízes, um técnico e um livre. A rotina técnica envolve a execução de elementos pré-determinados que devem ser executados em uma ordem específica. A rotina livre não tem requisitos para que os nadadores podem ser "livre" na forma como eles se criativa com os movimentos e sua coreografia.

Há também competições chamadas 'figuras' para nadadores juniores onde eles executam movimentos de ajuste com os juízes. Não há música e isso é simplesmente um caso de quão bem o indivíduo executa os movimentos.

Posições e movimentos

Natação sincronizada baseia-se num certo número de posições de base e transições .. Estes incluem os óbvios, como realizar uma figura na parte da frente ou de trás ou a partir de uma posição vertical, para as mais técnicas, tais como a posição flamingo, onde uma perna está direita e a outra é dobrada no mesmo tipo de forma tão um flamingo, daí o nome!

Há também determinados movimentos que podem ser executadas nadadores de muitas maneiras diferentes, por isso, por exemplo, um nadador pode girar na água, mas este pode estar a rodar 180 º ou mover o seu corpo inteiro para uma rotação (360 °).

Ou com a posição Flamingo há uma maneira de mover a perna para a posição de curva e uma maneira de sair da jogada.

Há uma lista internacionalmente reconhecido de números fornecidos pela FINA, o corpo do esporte mundial governo. Todos os números estão em uma categoria e uma tarifa. Assim, uma perna de ballet única (um pé para fora da água esticados para cima) tem uma classificação mais baixa de 1,6, enquanto que uma espiral (onde um nadador vai levantar ambas as pernas para fora da água à altura da anca e executar duas voltas completas, seguida por uma vertical Descida) tem um rating de 3.5.

Há também algumas figuras que fazem parte das etapas de natação sincronizada Plano Nacional do ASA para o Ensino de natação, mas não são reconhecidos pela FINA. Estes foram concebidos para introduzir jovens nadadores para os movimentos básicos do synchro.

Música

A música é parte integrante de Natação Sincronizada. No caso de solo é tudo o nadador tem de sincronizar com os nadadores e nas rotinas dueto e equipe deve sychronise um ao outro e da música.

A escolha da música não é julgado, mas vai apoiar o tema da peça ou pode mesmo ter inspirado o tema em primeiro lugar. A coreografia eo desempenho que se espera para espelhar o ritmo da música em sua velocidade.

Em provas de natação sincronizada haverá oradores debaixo da água, para os nadadores podem continuar a ouvir a música com clareza.

Música exerce efetivamente melhor sob a água do que em terra e assim nadadores deve ser capaz de ouvir a música melhor quando eles estão submersos.

Figurinos e maquiagem

Nadadores sincronizados, muitas vezes, têm trajes elaborados. Esses trajes são usados para realçar ou enfatizar o tema da música. Costumes não são julgados e por isso não deve afetar as pontuações.

Se um cabeça-vestido cai um dos atletas da equipe britânica, que recebem uma multa porque os atletas experientes devem garantir que tudo está bem presa.

Nadadores Sincronizado também usam maquiagem. O make-up será usado para destacar características do nadador por isso é mais fácil para os juízes a interpretar as suas expressões faciais. Não deve ser tão teatral que é perturbador.

Treinamento

Competitivo sincronizado nadadores deve ser extremamente apto, e completamente em casa na água. Quando testados e comparados com outros atletas olímpicos os resultados mostraram que atletas de nado sincronizado ficou em segundo lugar apenas para corredores de longa distância na capacidade aeróbia.

A fim de alcançar o padrão necessário para a competição, os atletas devem treinar com nadadores de velocidade no trabalho de distância, bem como sessões completas que se dedicam a trabalhar em habilidades técnicas, tais como as posições definidas corpo e movimentos de transição que formam a base de sincronização.

O mais rápido e mais os nadadores se movem ao redor da piscina mais difícil a rotina

Além disso, horas são gastas trabalhando nas rotinas. Atletas trabalhar com parceiros para rotinas dueto ou em equipes de entre 4 e 8 nadadores, aperfeiçoar os movimentos, desenvolvendo a coreografia do etc rotinas Alguns atletas também irá treinar com pesos de modo que construir a sua resistência e força.

Nem todo o treinamento é feito na piscina. Terra de trabalho, sessões incluem trabalhando a flexibilidade, força e musculação. Criação, pelo e aprender rotinas, bem como ouvir música, tudo é feito em terra seca.

Fonte: www.swimming.org

Nado Sincronizado

A história do nado sincronizado como esporte se confunde com a prática artística. No início, consta que a modalidade não passava de uma exibição que acontecia durante os intervalos de torneios de natação, sempre sem fins competitivos.

O nado sincronizado só começou a ser praticado de maneira esportiva na década de 1930, quando a norte-americana Katherine Curtis organizou uma apresentação com suas alunas ao som da música “Sereias modernas”. Na época, porém, a modalidade ainda era conhecida como balé aquático, por sua semelhança gestual com a dança.

Nado Sincronizado
Imagem cedida pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos
Crédito: Satiro Sodré/ Divulgaçã

Em 1933, em uma feira em Chicago, nos Estados Unidos, após uma apre­sentação das alunas de Katherine Curtis, o nadador Norman Ross, três vezes medalha de ouro nos Jogos Olímpicos da Antuérpia, em 1920, nos 400m livre, 4 por 200m livre e 1500m livre, chamou a exibição de “nado sincronizado”. Daí em diante, o crescimento da modalidade foi rápido, e o esporte chegou às Olimpíadas em 1952, em Helsinque, na Finlândia, ainda em caráter de exibição. A modalidade só entrou na disputa por medalhas em 1984, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Regras

O nado sincronizado é um conjunto de exercícios que deve ser literalmente executado em sincronia, atendendo a especificações técnicas e artísticas, submetido a julgamento. As apresentações podem ser feitas em duplas ou em conjuntos de oito integrantes. Vence quem conseguir somar mais pontos, distribuídos pelos dez juízes responsáveis pela avaliação dos movimentos. As pontuações são distribuídas em uma escala de 0 a 10 pontos por avaliador, que considera 50% dos pontos pela parte técnica e outros 50% pela artística.

A disputa é separada em duas partes distintas: a rotina técnica e a rotina livre. Na primeira, os conjuntos precisam apresentar certas especificidades técnicas pré-estabelecidas, tais como o controle da atleta sobre seu corpo e as figuras formadas na piscina (leia mais em técnicas). Essa parte da competição deve ser feita em 2min20s para duetos e em 2min50s para as equipes. Já na rotina livre, as duplas e equipes têm liberdade para apresentar o que desejarem. Nessa exibição, a tendência é que os juízes analisem a criatividade e a beleza dos movimentos das atletas. Esse trecho da disputa tem de durar 3min30s para as duplas e 4min para as equipes.

Nado Sincronizado
Imagem cedida pelo Comitê Olímpico Brasileiro
Crédito: Evandro Teixeira/COB/Divulgação

Em qualquer tipo de disputa, as atletas não podem tocar o fundo da piscina ou a borda de forma proposital. Caso isso aconteça, serão descontados dois pontos. Se uma apresentação ultrapassar o limite de tempo, o conjunto perde um ponto.

Local, técnicas e equipamentos

Local

As provas de nado sincronizado são realizadas em um quadrado de 12m por 12m e 3m de profundidade, instalado dentro de uma piscina com dimensões maiores, normalmente olímpicas (50m de comprimento).

Técnicas

Os aspectos julgados na rotina técnica da modalidade são, basicamente, a altura, a técnica e a suavidade dos movimentos, além dos desenhos obrigatórios formados pelos conjuntos, avaliados quanto aos ângulos e posições formadas. Por isso, as atletas do nado sincronizado devem ter uma preparação física e técnica específica, muito semelhante à dos ginastas, já que a graciosidade dos movimentos também conta na avaliação dos juízes.

Existem algumas posições básicas que são utilizadas pelas praticantes da modalidade, especialmente na rotina técnica. Um delfim, por exemplo, acontece quando a nadadora executa uma volta completa sob a água. Já um flamenco ocorre quando a atleta eleva uma perna sobre a água e a outra até o peito. Uma grua, por sua vez, acontece quando as pernas formam um ângulo reto e a cabeça da nadadora fica sob a água. A chamada carpa acontece quando a cabeça e o tronco ficam sob a água, formando um ângulo reto com o resto do corpo. Já uma perna de balé ocorre quando a nadadora, de costas, levanta uma perna em direção perpendicular à superfície.

Equipamentos

O equipamento mais característico do nado sincronizado é o nose clip. Trata-se de um arame coberto de plástico que impede a entrada de água no nariz das atletas enquanto elas fazem acrobacias submersas na água. Aquelas que não se sentem bem usando o nose clip podem competir com um protetor gelatinoso no local. Durante as apresentações, as nadadoras devem manter os cabelos presos em um coque. Para enfeitar o penteado, muitas passam gel fixador. Todas as atletas devem usar o maiô como peça obrigatória de vestuário.

Nado Sincronizado
Crédito: Raquel Boari/ MBPress
Nose clip

Brasil

A responsável pela implantação da modalidade no Brasil foi a nadadora Maria Lenk. Em 1943, ela organizou uma apresentação de nado sincronizado, algo inédito no país até então. O primeiro torneio do esporte realizado em terras brasileiras só aconteceu em 1958, quando foi disputado o Campeonato Carioca.

As maiores ícones do esporte são as gêmeas Carolina e Isabela de Moraes. Ambas foram as responsáveis pelos melhores desempenhos do Brasil em Jogos Olímpicos. Tanto em 2000, em Sidney, na Austrália, como em 2004, em Atenas, na Grécia, as meninas alcançaram o 12º lugar na competição.

Nado Sincronizado
Imagem cedida pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos
Crédito: Satiro Sodré/ CBDA/Divulgação

Carolina e Isabela de Moraes

Atualmente, os principais nomes do país na modalidade são Lara Teixeira e Caroline Hildebrant, que também ficaram com a 12ª posição em duetos no último Mundial de Esportes Aquáticos, realizado em março, na Austrália. Já nos Jogos Olimpícos de Pequim, Lara disputou ao lado de Nayara Figueira. O dueto brasileiro terminou na 13ª colocação.

Pan-americano

Assim como ocorre nos Jogos Olímpicos, a história do nado sincronizado brasileiro em Pan-Americanos passa pelas gêmeas Isabela e Carolina de Moraes. Além de terem representado o país nas Olimpíadas de 2000 e 2004, as meninas também conquistaram a medalha de bronze Pan de 1999, em Winnipeg, no Canadá, e repetiram o feito quatro anos mais tarde, em Santo Domingo, na República Dominicana. Foi lá, inclusive, que a dupla protagonizou uma das cenas mais marcantes da história dos Jogos Pan-Americanos. Mesmo com um pé quebrado e em uma cadeira de rodas, Carolina entrou na piscina para competir ao lado da irmã Isabela e acabou conquistando um lugar no pódio.

Nado Sincronizado
Imagem cedida pelo Comitê Olímpico Brasileiro
Crédito: Washington Alves/COB/Divulgação
A equipe brasileira foi bronze no Pan do Rio

No Pan do Rio de Janeiro as brasileiras obtiveram o mesmo resultado alcançado em Sto.Domingo - bronze na equipe e bronze no dueto. Desta vez, o dueto foi formado pelas atletas Caroline Hildebrandt e Lara Teixeira.

Atletas

Beatriz Moreira Feres
Branca Moreira Feres
Caroline Trancoso Hildebrant
Giovana Nunes Stephan
Gláucia Heier de Souza
Lara Puglia Teixeira
Michelle Teixeira Frota
Nayara Leite Figueira
Pamela Imbico Nogueira

Curiosidades

As gêmeas Carolina e Isabela de Moraes, maiores estrelas do nado sincronizado brasileiro, largaram a profissão após perderem a disputa das Olimpíadas de Atenas, em 2004, na Grécia, para integrarem o Cirque du Soleil.

Nado Sincronizado

Uma competição individual de nado sincronizado foi disputada nos Jogos Olímpicos até a edição de 1992, em Barcelona, na Espanha, quando apenas o torneio por equipes e duetos manteve-se no programa.

Rússia e Estados Unidos dividem a hegemonia da modalidade. Nas últimas Olimpíadas, porém, as européias levaram vantagem. Nos duetos, Anastasia Davidova e Anastasia Emakova ganharam a medalha de ouro, superando as espanholas, Andrea Fuentes e Gemma Mengual, na final. Na competição por equipes, a Rússia também conquistou o lugar mais alto do pódio.

Resumo do nado sincronizado nas Olimpíadas

• Além de exigir força, resistência e flexibilidade, o nado sincronizado também requer excepcional controle da respiração.

• Somente mulheres competem no nado sincronizado olímpico.

• As mulheres usam equipamentos como prendedores de nariz (conhecido como nose clip) para ajudá-las a prender a respiração por longos períodos de tempo, e gel fixador para manter os cabelos penteados.

• Para as atletas ouvirem a música embaixo da água são instalados auto-falantes aquáticos no fundo da piscina.

• O nado sincronizado era originalmente conhecido como balé aquático, por sua semelhança gestual com a dança, e teve início no Canadá na década de 1920.

• O nado sincronizado se tornou oficialmente uma modalidade olímpica nas Olimpíadas de 1984, em Los Angeles.

Nado Sincronizado
Imagem cedida pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos

Regras

• As competidoras no nado sincronizado olímpico não podem ter menos de 15 anos de idade.

• Uma competidora pode nadar um solo, um dueto, uma equipe e fazer uma rotina livre.

• As equipes têm 8 competidoras.

Pontuação

• A banca julgadora é composta de 5 ou 7 juízes que avaliam o desempenho e julgam o grau de dificuldade e o risco, a execução sem falhas, a coreografia inovadora, e o desempenho aparentemente sem esforço.

• Os juízes pontuam numa escala de 10.

Categorias olímpicas disputadas

• Solo
• Dueto
• Equipe
• Rotina livre

Medalhas das Olimpíadas de 2008

Categoria Ouro Prata Bronze
Dueto DAVYDOVA Anastasia
ERMAKOVA Anastasia
(RUS)
FUENTES Andrea
MENGUAL Gemm (ESP)
HARADA Saho
SUZUKI Emiko (JAP)
Equipe Rússia Espanha China

Fonte: esporte.hsw.uol.com.br

Nado Sincronizado

Este esporte é a mais nova das modalidades olímpicas de piscina. Trabalha sincronizando os movimentos do corpo com a água e a música. É um esporte dos mais complexos, pois nele se misturam movimentos de dança e natação, utilizando todas as articulações em uma sincronia de graça e força.

O Nado Sincronizado é disputado sob três formas: solo (um atleta), dueto (dois atletas) e conjunto (quatro a oito atletas).

Conheça um pouco mais sobre este esporte que tem como resultado um espetáculo de muita beleza.

Nado Sincronizado

História

Nado Sincronizado

A origem do Nado Sincronizado é o Ballet Aquático, também conhecido como Natação Rítmica, no entanto, o ballet não era considerado esporte porque deixava de lado a técnica para priorizar a plasticidade dos movimentos. Com o tempo foi surgindo a necessidades de aperfeiçoamento para que as coreografias ficassem cada vez melhor executadas.

O Nado Sincronizado entrou para as Olimpíadas nos Jogos de Los Angeles, em 1984, apenas com apresentações de solo e dueto. O Brasil foi representado pelas irmãs Paula e Tessa Carvalho. O mesmo tipo de apresentações continuou nos Jogos de Seul (1988) e de Barcelona (1992).

Nado Sincronizado

Em 1996, ocorreu uma mudança. Um Pré Torneio Olímpico selecionou apenas oito países e a competição passou a ser apenas por equipes. O Brasil ficou fora dessa olimpíada, pois a equipe não conseguiu classificação na seletiva realizada no ano anterior.

As equipes brasileiras continuaram crescendo e progredindo, e hoje detêm a liderança em toda a América do Sul.

Conheça alguns movimentos e posições

Nado Sincronizado

Flamingo - o rosto fica na superfície, uma perna fora da água a 90º em relação à superfície e a outra flexionada junto ao peito (também pode estar submersa).

Dolfinho - de costas, a nadadora afunda e faz um movimento em circunferência até o corpo todo alcançar a posição inicial.

Giros - na posição vertical, de ponta-cabeça, podem ser em meia volta (180º), completo (360º) e twirl (meia volta rápida). O eixo longitudinal não se altera e os joelhos se mantêm na superfície.

Parafuso - Semelhante ao giro, só que com o corpo em movimento vertical, para cima ou para baixo.

Cancã - posição de costas, com uma das pernas estendida a 90º em relação ao corpo. Na versão submersa, o nível da água fica entre o joelho e o tornozelo.

Carpada - Quadris flexionados num ângulo de 90º, as pernas ao nível da superfície e a cabeça para baixo.

Categorias

· Infantil A: 9 e 10 anos
· Infantil B: 11 e 12 anos
· Juvenil A: 13 e 14 anos
· Juvenil B: 15,16 e 17 anos
· Sênior: acima dos 18 anos

O que é trabalhado neste esporte

Nado Sincronizado

· Flexibilidade e alongamento;
· Força;
· Resistência;
· Estilo;
· Leveza;
· Carisma;
· Interpretação;
· Velocidade;
· Controle respiratório;
· Ritmo;
· Consciência corporal;
· Domínio sobre a água;
· Coordenação;
· Aumento da capacidade aeróbica e anaeróbica;
· Melhora da amplitude articular;
· Melhora da resistência cárdio-respiratória;
· Endurence muscular.

Fonte: www2.uol.com.br

Nado Sincronizado

Nado Sincronizado

As origens da natação sincronizada passam pelo casamento do esporte com o cinema. Durantes as décadas de 40 e 50, a nadadora Esther Williams popularizou a modalidade ao estrelar filmes musicais para os estúdios MGM. O estilo fora desenvolvido por Katherine Curtis, que se baseara nas acrobacias aquáticas da australiana Annette Kellermen.

A natação sincronizada começou a ser disputada oficialmente em 1953. Dois anos depois, integrou pela primeira vez o programa dos Jogos Pan-Americanos.

No Brasil

Mito da natação brasileira, Maria Lenk introduziu a natação sincronizada no país em 1943, com uma mostra de balé aquático. Em 1958, foi realizado o Campeonato Carioca, primeira competição oficial no Brasil. Em 63, oito brasileiras participaram dos Jogos Pan-Americanos de São Paulo.

Regras

Há dois tipos de prova, em duetos ou equipes de oito. Em ambas, as atletas têm uma série técnica e outra de movimentação livre para exibir a coreografia acompanhando a música para os julgadores.

Nado Sincronizado

Criatividade e beleza

Nado Sincronizado

O nado sincronizado era coisa de cinema antes de virar modalidade olímpica. A partir dos shows aquáticos com acrobacias apresentados nos EUA no começo do século XX pela nadadora australiana Annette Kellerman, a modalidade foi desenvolvida por Katherine Curtis ao associar figuras feitas na água por corpos de nadadoras com acompanhamentos de músicas e chegou aos filmes musicais do estúdio MGM estrelados nas décadas de 40 e 50 por Esther Williams.

Após uma apresentação dos alunos de Katherine Curtis na Feira Século do Progresso, realizada na cidade americana de Chicago em 1933 e 1934, o nadador olímpico Norman Ross cunhou o termo “nado sincronizado”.

O seu formato atual foi desenvolvido na mesma época pelo estudante americano Frank Havlicek.

É um dos poucos esportes que apenas as mulheres participam.

Elas podem competir sozinhas, em duplas ou em times de oito, fazendo figuras obrigatórias e livres numa piscina e avaliados na técnica e na criatividade por jurados.

Fonte: pan2007.globo.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal