Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Observando O Céu  Voltar

Observando o Céu



Para encontrar os pontos cardeais não foi necessário aprender muito sobre o céu, na verdade o que foi ensinado é apenas uma maneira de como determina-los. Você não fica curioso para saber como isso acontece, se a receita funciona sempre? A cada dia do ano o Sol nasce e se põe em posições diferentes. Então será que a receita funciona para qualquer dia do ano?

A resposta a está pergunta é: sim, funciona para qualquer dia do ano e mais, funciona em qualquer lugar do planeta que você fizer a experiência. É claro que se você estiver num dos pólos da Terra o dia pode durar seis meses, então fica difícil escolher um horário antes do meio dia, mas funciona.

No entanto, os movimentos dos astros no céu não servem apenas para determinar os pontos cardeais. Observando atentamente podemos aprender muito mais. Vamos ver agora o que podemos observar do céu e que movimentos os astros realizam.

Observando durante o dia

São poucos os astros que podemos observar durante o dia. Usando apenas os olhos podemos ver o Sol, a Lua e muito dificilmente o planeta Vênus - popularmente conhecido como Estrela Dalva.

Já vimos que o mais importante é o Sol. Observando e acompanhando o seu movimento através da vareta foi possível determinar os pontos cardeais. Aprenderemos ainda como acontecem os dias e as noites, as fases da lua e como ocorrem as estações do ano, tudo isso observando o Sol durante o dia.

Observe o céu numa noite que se possa ver muitas estrelas. Você acha que tudo o que aparece no céu são estrelas?

Observando durante a noite

A noite podemos ver a Lua quando não está na fase nova e também um grande número de astros que normalmente chamamos de estrelas. Na verdade nem todos os astros vistos à noite são estrelas, alguns são planetas (veremos suas fotos mais adiante), outros podem ser cometas (figura 1b) ou asteróides, e outros são galáxias (figura 1a), nebulosas (figura 2) e também grandes aglomerados de estrelas, como já vimos anteriormente. Mas, a maioria do que observamos a noite são realmente estrelas. Usando apenas o nosso olho é difícil reconhecermos as estrelas dos demais astros; para tanto é necessário uma luneta. Os únicos astros possíveis de serem diferenciados são os planetas, tanto é verdade que todos os planetas, de Mercúrio a Saturno, já tinham seus nomes definidos desde os gregos do século VI antes de Cristo.

Existe uma grande variedade de estrelas. Visualmente elas variam de cor, brilho e tamanho. Quando os astrônomos observam as cores das estrelas com instrumentos adequados eles conseguem saber sua idade, o quanto ela vai viver e o material do qual ela é formada. Quando observam o brilho e o tamanho da estrela é possível saber a distância que está de nós. Fazendo alguns cálculos que envolvem brilho, cor e distância eles podem determinar a massa da estrela.

Observando o Céu
Figura 1a - Foto de uma galáxia parecida com a nossa. Galáxia é uma ilha no espaço contendo bilhões de estrelas, planetas, nebulosas e poeira espacial

Observando o Céu
Figura 1b - Foto do cometa West. Os cometas normalmente são rochas de 2 a 20Km de diâmetro contendo gelo sujo (misturado com terra). Quando eles se aproximam do Sol o gelo derrete e forma a calda que pode chegar 100 milhões de quilômetros.

CURIOSIDADE

Quando uma estrela é mais brilhante que outra é porquê ela é maior ou é porquê ela está mais próxima?

Se alguém nos fizer esta pergunta fica difícil responder, pois cada estrela é um caso diferente. Pode acontecer as duas coisas. Se ela estiver próxima de nós ficará brilhante mesmo sendo pequena, ou poderá ser brilhante mesmo estando longe se for uma estrela grande.

As estrelas variam muito de tamanho, algumas são menores que o Sol podendo ser pouco maior que o planeta Júpiter e com massa até dez vezes menor que o Sol. Outras podem ser até 300 vezes maior que o Sol como é o caso da estrela Antares da constelação do escorpião ou ter massa até 120 vezes maior.

Observando o Céu

Observando o Céu
Figura 2 - A esquerda está um desenho simples da constelação de Orion e a direita está a foto da nebulosa de Orion. Uma nebulosa é uma enorme nuvem de gás, muitas vezes maior que o sistema solar, e que está dentro de uma galáxia. Dentro de algumas nebulosas nascem estrelas, como acontece na nebulosa de Orion. Essas estrelas iluminam a nuvem permitindo que ela seja vista através de telescópios

ATIVIDADE DE OBSERVAÇÃO (I)

Observe o céu por alguns minutos numa noite que seja possível ver bem as estrelas, de preferência num lugar um pouco afastado das luzes da cidade. Primeiro observe a variedade de estrelas que existem, algumas são muito brilhantes, outras são quase apagadas.

Note que as estrelas tem cores diferentes, as mais fáceis de perceber são as azuis e as alaranjadas. Olhando com atenção você encontrará algumas que parecem um floquinho de algodão bem apagadinho. Um exemplo que você deve tentar encontrar é a nebulosa de Orion.

Ela fica bem próxima das "Três Marias" que são bem visíveis entre os meses de novembro e abril. Em novembro as "Três Marias" são visíveis do lado do nascer do Sol depois das 21 horas. Já em abril elas estão visíveis do lado do por do Sol só no inicio da noite. A figura 2 mostra, do lado esquerdo, as principais estrelas da constelação de Orion com as "Três Marias" e a posição da nebulosa. O lado direito da figura mostra uma foto da nebulosa feita com um telescópio comum.

Agora procure olhar o céu como um todo. Você pode notar que há uma faixa com mais estrelas que no restante do céu e que além disso essa faixa é mais clara, ela é uma parte da Galáxia onde estamos. Essa faixa é chamada "Via Láctea" por causa do seu aspecto leitoso.

Os movimentos do céu

Todos os astros que observamos no céu apresentam algum tipo de movimento, mesmo que não consigamos perceber, por serem muito lentos. O movimento do Sol é o mais fácil de ser percebido, você já observou um desses movimento quando esperou a sombra da vareta mudar de posição, na determinação dos pontos cardeais. A Terra, um dos planetas do sistema solar, não é diferente; ela também se movimenta e nós que estamos sobre sua superfície nos movimentamos juntos, ou seja, ela é um veículo que nos carrega pelo espaço.

O movimento da Terra, que nos leva com ela e dos outros astros faz com que vejamos dois tipos de movimentos: o movimento próprio e o movimento aparente, que veremos a seguir.

Quando observamos as estrelas durante a noite o movimento que elas realizam é causado porque motivo? São elas que se movimentam por conta própria ou nós as vemos se movimentar por causa do movimento da Terra ao redor do Sol?

Quando estamos dentro de um veículo em movimento e olhamos para fora podemos perceber outros veículos, uns em movimento e outros parados. Sabemos que alguns estão parados porque não há movimento entre eles e o chão, que é uma referência comum para todos os observadores.

Se estamos nos movimentando junto com um veículo e observamos o mundo fora dele, qual a sensação que temos? Temos a sensação que o mundo está se movimentando no sentido contrário - se você nunca notou, observe quando entrar num veículo a próxima vez.

O movimento que estamos fazendo junto com o veículo é chamado de "movimento próprio". Aquela sensação de que tudo que está do lado de fora se movimenta no sentido contrário, inclusive o chão, é chamado de "movimento aparente", pois parece que se movimenta. Nosso veículo realiza movimento próprio e quando olhamos para fora vemos que tudo ao nosso redor realiza um movimento aparente, isso quer dizer que o movimento aparente depende do nosso movimento. Se pararmos, o movimento aparente também para, ou seja, acaba aquela sensação de que tudo está se movimentando no sentido contrário. Mas, observe também, que quando paramos existem alguns veículos que não param. Isso quer dizer que eles têm um movimento que não depende do nosso, por isso eles também têm movimento próprio.

A mesma coisa acontece no céu. Alguns movimentos que observamos no céu são movimentos aparentes, ou seja, só acontecem porque a Terra está se movimentando. O movimento que o Sol e as estrelas fazem aparecendo de um lado do horizonte e desaparecendo do outro é um movimento aparente. Se conseguíssemos fazer a Terra parar de girar ao redor do eixo imaginário, esse movimento deixaria de acontecer. Porém, mesmo com a Terra parada existem movimentos que não deixariam de acontecer.

A Lua, os outros planetas, os cometas e asteróides continuariam se movimentando - eles têm movimento próprio - se for possível identificar um planeta e observá-lo durante alguns dias podemos perceber seu movimento em relação às estrelas das proximidades, ou seja, enquanto elas mantém a mesma distância entre si o planeta altera sua distância em relação a elas.

As estrelas têm movimento próprio, mas para perceber esse movimento precisaríamos esperar muitos milhares de anos. Isso ocorre porque elas estão muito, muito distantes; então mesmo observando durante muitos anos elas parecem paradas umas em relação às outras, por isso o céu apresenta o mesmo aspecto desde a pré-história.

Como elas parecem paradas, elas são uma referência para saber se outros astros têm movimento próprio ou não, da mesma forma que quando estamos no veículo o chão serve como uma referência. Qualquer mudança de posição de um astro com relação às estrelas é movimento próprio desse astro. A próxima atividade de observação mostrará isso.

ATIVIDADE DE OBSERVAÇÃO (II)

Nesta atividade você irá separar o movimento próprio do movimento aparente de Lua. Leia o próximo parágrafo com atenção.

Sabemos que a Lua gira ao redor da Terra, por isso nós a chamamos de satélite natural da Terra. Esse movimento da Lua é seu movimento próprio, pois ele não deixaria de acontecer se fosse possível fazer a Terra parar de girar. Uma volta completa da Lua ao redor da Terra dura aproximadamente 28 dias. Mas, observando a Lua numa noite de tempo bom podemos ver outro movimento bem mais rápido.

Nós a vemos nascer de um lado e se por do outro como acontece com o Sol. Esse é o movimento aparente da Lua, ou seja, só observamos a Lua nascer do lado leste e se por do lado oeste porque a Terra é quem está girando no sentido contrário. Se a Terra parasse de girar só veríamos o movimento próprio da Lua. Como observar esses dois movimentos separadamente?

A atividade deve ser feita quando a Lua estiver visível no céu e na fase crescente. Olhe num calendário para saber em que data ocorre o quarto crescente e a atividade pode ser feita dois dias antes ou até dois dias depois da data do quarto crescente.

Coloque e fixe um papel grande no chão (folha de cartolina). Desenhe no papel a Lua e as estrelas que estão próximas dela, quanto mais próximas melhor. Faça o desenho como se o papel fosse um espelho refletindo o céu.

Mantenha a proporção entre as distâncias, ou seja, as distâncias entre as estrelas, e entre a Lua e as estrelas devem ser correspondentes no seu desenho. Marque hora e data no papel.

Deixe o papel fixo no chão por duas ou três horas. Depois desse período verifique a posição da Lua em relação às estrelas, veja de qual estrela a Lua mais se afastou e de qual a Lua mais se aproximou. No mesmo desenho marque a nova posição da Lua. Além dessa mudança de posição da Lua em relação às estrelas você notou que a Lua e todas as estrelas em conjunto caminharam para o lado oeste? Com certeza sim.

O movimento em direção ao lado oeste é o movimento aparente da Lua e das estrelas. O movimento da Lua em relação às estrelas é o movimento próprio da Lua, ou seja, é o movimento que a Lua realiza ao redor da Terra. Faça a mesma observação no dia seguinte e no mesmo horário. Procure as estrelas que estavam próximas da Lua, use o desenho para lembrar-se . Elas devem estar mais do lado oeste da Lua, ou seja, o movimento próprio da Lua é para o lado leste.

A figura abaixo, ilustra esse movimento.

Observando o Céu
Observando o Céu

Fonte: astro.if.ufrgs.br

Observando o Céu

Observando o Céu

O nosso Sistema Solar situa-se num lado da galáxia na periferia de um dos braços. Olhando para o céu a noite, longe das luzes das ruas, é possível observar uma faixa luminosa. Esta é a luz de muitos milhares de estrelas de nossa galáxia, a Via-láctea.

Com a ajuda de uma carta celeste, mesmo a olho nu,, podemos fazer observações minuciosas do céu, ou podemos utilizar alguns instrumentos como binóculos, luneta, ou telescópio para aumentar a nossa capacidade visual.

Com a vista desarmada, podemos vislumbrar mais ou menos 6000 estrelas, distinguir e estudar as constelações, observar os lentos movimentos dos planetas por entre as constelações zodiacais, ver as chuvas de meteoros que são comuns em determinados períodos do ano, observar eclipses da lua ou utilizando técnicas simples, os eclipses do Sol. Podemos ver também umas galáxias "vizinhas" as Nuvens de Magalhães, as manchas na superfície de Lua que são os mares, a grande nebulosa de Orion, as Plêiades, e esporadicamente poderemos ter a sorte de observar algum grande cometa brilhante.

Com o uso de um binóculos, alem dos itens anteriormente descritos poderemos observar crateras na superfície da Lua, ver alguns dos satélites de Júpiter.

Com o uso de um telescópio refrator, ou luneta como é comum se ouvir dizer, podemos fazer ótimas observações, da Lua, planetas como Júpiter, Saturno, que mostrará seus lindos anéis, e luas.

Muita gente pensa que o telescópio foi inventado por Galileu, mas este fabricou a sua luneta, após ouvir uma descrição do aparelho, vinda de um amigo viajante. Galileu foi sim, o primeiro estudioso de que se tem noticia, a apontar este aparelho para o céu e relatar suas observações.

Com a ajuda de um telescópio refletor que inventado pelo físico Isaac Newton , é um instrumento que usa um jogo de espelhos especiais para ampliar as imagens, podemos ampliar a nossa visão para muito alem do nosso Sistema Solar, com este tipo de telescópio podemos observar e estudar melhor as estrelas duplas, procurar cometas e outros objetos que são invisíveis as nossas vistas desarmadas, alguns destes objetos podem estar a centenas ou milhares de anos luz de distância da Terra.

A pratica da observação do céu por pessoas que não tem uma formação acadêmica, é chamada de Astronomia Amadora, esta pratica é comum em todo o planeta, e pode se tornar um belo passa tempo . O astrônomo amador costuma ajudar os astrônomos profissionais em muitos aspectos como na observação das chuvas de meteoros, na fotografia de eclipses entre outros, muitas vezes, costumam se dedicar a chamada caçada aos cometas, pelo fato de estes serem muitos e de a qualquer momento poder aparecer um novo cometa no céu.

O astrônomo que descobre um novo cometa, pode dar seu nome a ele.

Alguns ufologos, também se dedicam a astronomia, só que estes estão em busca de comprovações da existência de vida fora da esfera Terrestre.

Existem outras maneiras de se observar o céu, uma delas é a utilização de ondas de rádio. Os rádios-telescópios varrem o nosso céu em várias freqüências em busca de sinais vindos do espaço que podem ter sua origem em outras civilizações presentes em nossa galáxia, e que até agora não pudemos encontrar.

Telescópios especiais são colocados em órbita do nosso planeta, como é o caso do Telescópio Espacial Hubble que circunda a Terra a 600km de altitude no espaço e através de suas câmeras captam imagens fantásticas do universo, imagens estas que devido a interferências causadas pela atmosfera, seriam impossíveis de serem obtidas com telescópios situados em terra. Alguns telescópios colocados em órbita, captam imagens em outros tipos de freqüências, como infravermelho, ultravioleta, raios-x, que possibilitam em conjunto com as informações obtidas através de observações no espectro visível, ir ampliando a cada dia o nosso conhecimento sobre os mistérios do universo.

A astronomia é uma das ciências mais antigas de que se tem noticia, desenhos de estrelas, cometas, e gráficos rudimentares de eclipses, foram encontrados em paredes de cavernas espalhadas pelo mundo, algumas civilizações antigas(fenícios, egípcios, máias, astecas, gregos) tinham um imenso conhecimento astronômico, e conseguiram através de seus observatórios elaborar calendários, prever eclipses, determinar o inicio das estações do ano. E tudo isto, muitas vezes, com uma precisão incrível.

Em tantos anos de estudos, o Homem conseguiu muitas informações a respeito do universo, porem muito ainda esta para ser descoberto, quem sabe possamos nós, contribuir um pouco para o melhor entendimento destes mistérios

Fonte: br.geocities.com

voltar 123avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal