Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Origem dos Sobrenomes  Voltar

Origem dos Sobrenomes



Origem dos Sobrenomes
Brasão da família Silva, o sobrenome mais comum na língua portuguesa

Eles foram criados para diferenciar os nomes repetidos - fato comum desde as culturas mais antigas.

Os primeiros sobrenomes de que se tem notícia são os patronímicos - nomes que fazem referência ao pai: Simão Filho de Jonas, por exemplo.

Esse gênero difundiu-se bastante na língua inglesa, em que há uma grande quantidade de sobrenomes que terminam em son (filho) - como Stevenson, ou "filho de Steven".

Como esse método era limitado, alguns sobrenomes começaram a identificar também o local de nascimento: Heron de Alexandria.

Eles se tornaram hereditários à medida que a posse das terras passou a ser transmitida de geração em geração.

Por isso mesmo, nobreza e clero foram os primeiros segmentos da sociedade a ter sobrenome, enquanto as classes baixas eram chamadas apenas pelo primeiro nome.

O último nome, identificando a família, era inclusive usado como "documento" na hora da compra e venda da terra, um luxo reservado apenas aos mais favorecidos.

"Existem documentos de 1161 em que as pessoas citadas já tinham sobrenomes", diz a historiadora Rosemeire Monteiro, da Universidade Federal do Ceará.

O costume se ampliou com a inclusão de características físicas e geográficas ou de nomes de profissões.

Assim, o nome Rocha significa que o patriarca dessa família provavelmente vivia numa região rochosa. Silveira, por exemplo, vem do latim silvester (de floresta), que também deu origem ao popular Silva.

O registro sistemático dos nomes de família, independente de classe social, começou no século XVI, por decreto da Igreja Católica, no Concílio de Trento (1563).

Fonte: super.abril.uol.com.br

Origem dos Sobrenomes

Foi na Idade Média que muitos sobrenomes europeus surgiram, sobretudo os sobrenomes franceses, alemães e ingleses. Geralmente se dizia o nome da pessoa e o nome do feudo ou região a que pertencia, isso era mais comum entre nobres, por exemplo: Felipe de Volois, Eleonor da Aquitânia, etc.

Se a pessoa tivesse um título dizia-se o título e o nome do feudo, exemplo: Duquesa de Maudribourg, Condessa de Peyrac, Duque de Órleans; se no histórico da família havia muitas posses, muitos feudos, pronunciava-os todos, dependendo da ocasião, exemplo: Angelique de Sancé de Monteloup de Peyrac Morens d'Iristrus.

No caso dos pobres camponeses, que nada possuíam, seu sobrenome originou-se de sua função ou de seu aspecto físico.

Dentro do feudo existiam diversas atividades além da agricultura, por exemplo, a função do ferreiro, do padeiro, do cobrador de pedágio, etc. A França, hoje em dia, é rica de sobrenomes que significam profissões, assim como a Alemanha.

Alguns exemplos são:

Isabelle Dupont: Dupont significa "da ponte", provavelmente a Isabelle tem um ancestral que era da ponte, ou seja, cobrava o pedágio para atravessar a ponte.

Charles Dufour: Dufour significa "do forno", certamente o ancestral do Charles era do forno, ou seja, cobrava imposto dos camponeses que utilizavam o forno.

Pierre Moulin: Moulin significa "do moinho". O ancestral do Pierre cobrava imposto para poderem usar o moinho.

Luc Dubois: o ancestral dele morava em um bosque ou cuidava de um (consequentemente morava nele).

Esses sobrenomes relacionados a profissões sobreviveram principalmente porque tanto no feudo quanto depois nas corporações de ofícios a profissão era passada de pai para filho.

Exemplo de sobrenomes / profissões na França:

Boulanger: Padeiro. Backer em alemão (de Baker)

Boucher: açougueiro

Marchand: vendedor

Tisserant: tecelão

Charpentier: carpinteiro

Ferrand: ferreiro, em alemão se diz Schmidt

Tailleur: Alfaiate, em alemão Schneider

Chevalier: cavaleiro, Caballero em espanhol.

Müller: moleiro em alemão.

Há inda os sobrenomes provenientes do aspecto físico, exemplo:

Petit: pequeno, um dos sobrenomes mais comuns na França.

Grand: Grande

Brun: marrom (moreno)

Blanc: branco

Todos esses sobrenomes, principalmente Petit e Dubois são bastante freqüentes na França, tanto quanto o Smith, nos Estados Unidos, que também significa ferreiro em inglês, herança dos ferreiros ingleses, ou ainda como o "da Silva", no Brasil, que significa "da selva", mesma raiz de silvícola.

Ricardo Freire

Fonte: artigos.netsaber.com.br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal