Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Osvaldo Cruz - Página 12  Voltar

Osvaldo Cruz

Osvaldo Gonçalves Cruz (5/8/1872-11/2/1917) nasce em São Luís do Paraitinga.

Osvaldo Cruz
Cientista, médico e sanitarista paulista (1872-1917).
Pioneiro no estudo das moléstias tropicais e da medicina experimental no Brasil,
é o fundador do instituto que leva seu nome, no Rio de Janeiro.

Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1896 vai para Paris e estagia no Instituto Pasteur. Volta ao Brasil em 1899 e organiza o combate ao surto de peste bubônica em Santos (SP) e em outros portos.

Como a epidemia é incontrolável sem o uso do soro adequado e a importação é demorada, propõe ao governo fabricá-lo no país. Funda, então, o Instituto Soroterápico Nacional em 1900, no Rio de Janeiro, hoje Instituto Osvaldo Cruz.

Como diretor de saúde pública, a partir de 1903 coordena no Rio as campanhas de erradicação da febre amarela, organizando batalhões de "mata-mosquitos". Sua campanha de vacinação obrigatória da varíola enfrenta resistência popular e fica conhecida como Revolta da Vacina.

Em 1916 assume a prefeitura de Petrópolis (RJ), onde morre no ano seguinte sem realizar seu ambicioso plano de urbanização da cidade.

Referências bibliográficas

Almanaque Abril. Quem é quem na história do Brasil. São Paulo, Abril Multimídia, 2000. (bibliografia completa)

Fonte: www.meusestudos.com

Osvaldo Cruz

1872 - 1917

Médico sanitarista brasileiro nascido em São Luís do Paraitinga, São Paulo, fundador da medicina experimental brasileira e que obteve reconhecimento mundial como sanitarista pelo fato de ter conseguido erradicar as febres amarela e bubônica e a varíola na então capital federal, Rio de Janeiro, durante o governo de Rodrigues Alves, e lutando contra as pressões do General Silvestre Travassos e do então senador Rui Barbosa.

Com apenas 14 anos de idade ingressou na em medicina pela Universidade do Rio de Janeiro onde se doutorou (1892), defendendo a tese Da veiculação microbiana pelas águas, passando a clinicar no Rio de Janeiro.

Foi para Paris (1896) onde aperfeiçoou-se em microbiologia no Instituto Pasteur.

Na Europa trabalhou no Serviço de Vias Urinárias do professor Félix Guyon, no Laboratório de Toxicologia e no Instituto Pasteur, dirigido então por Émile Roux e desenvolveu um estágio na Alemanha.

Voltou ao Rio (1899), em outubro do mesmo ano esteve em Santos SP, para estudar a epidemia de peste bubônica que surgiu naquela cidade e sobre a qual escreveu um relatório detalhado.

Participou da fundação do Instituto Soroterápico de Manguinhos (1900), destinado sobretudo à pesquisa e desenvolvimento de vacinas.

Indicado para chefiar a parte técnica a instituição firmou-se como centro técnico e experimental de grande renome que depois (1908) passou a se chamar Instituto Osvaldo Cruz.

Assumiu a direção geral (1903) de Saúde Pública do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, com a difícil missão já citada.

Iniciou rigoroso programa de combate à moléstia, com o isolamento dos doentes, vacinação obrigatória e campanhas para eliminar os focos de mosquito.

A campanha sofreu cerrada oposição de parte dos positivistas, de políticos e de vários jornais cariocas, principalmente do Correio da Manhã.

Todos os dias os jornais publicavam editoriais que atacavam e ridicularizavam em caricaturas a figura do sanitarista com sua brigada de "mata-mosquitos".

Em 14 de novembro (1904), finalmente eclodiu uma rebelião da Escola Militar com repercussão popular.

O movimento, denominado "quebra-lampião", quase depôs o governo de Rodrigues Alves.

A revolta foi subjugada pelo comandante da guarnição federal, general Hermes da Fonseca, futuro presidente da república.

O notável sanitarista não cedeu em nenhum momento e, graças às medidas que tomou, registraram-se apenas 39 casos de febre amarela no Rio de Janeiro (1906), quatro casos (1907) e nenhum caso (1908).

As medidas profiláticas acabaram também com as epidemias de peste bubônica e varíola.

Paralelamente executou uma profunda reforma no código sanitário e ao mesmo tempo remodelou todos os órgãos de saúde, com grandes benefícios para a higiene e a economia do país, pois na época das epidemias os navios evitavam aportar no Rio de Janeiro.

Sofrendo de hiperazotemia, excesso de uréia no sangue, enfermidade que o levaria a morte, deixou a direção da Saúde Pública em 19 de agosto (1909), mas participou ainda de várias outras campanhas sanitárias por todo o Brasil, como no ano seguinte quando aceitou convite da empresa que construía a estrada de ferro Madeira-Mamoré na região amazônica e fez um estudo do saneamento da região, onde passou um mês.

Graças à adoção de seu esquema, a construção da ferrovia pôde prosseguir até a inauguração, em 1o de agosto (1912).

O resultado dessa viagem está contido no trabalho Madeira-Mamoré Railway Company.

Também elaborou um plano de saneamento do vale do Amazonas, dando execução a um compromisso que assumira com o Ministério da Agricultura e saneou a cidade de Belém, de acordo com contrato firmado com o governo do Pará.

Posteriormente representou o Brasil em congressos sanitários realizados em Dresden, Alemanha, na Cidade do México e em Montevidéu.

Ganhou o primeiro prêmio do XIV Congresso Internacional de Higiene e Demografia (1907), reunido em Berlim, concorrendo com outros 123 expositores, com a exposição de seu trabalho no Rio.

Sua bibliografia científica abrange 43 trabalhos de teses, observações, pesquisas médicas e relatórios científicos, além de memórias e do discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito (1912), passando a ocupar a cadeira deixada vaga pelo poeta Raimundo Correia.

Mais uma vitória pessoal, pois na disputa enfrentou a candidatura do poeta Emílio de Meneses, provocando grande polêmica naquela casa.

Alguns achavam que, devido a sua denominação, a academia somente devia abrigar literatos.

Venceu a tese de que vultos consagrados, de qualquer arte ou ciência, podiam ter um lugar na instituição.

Já muito doente, foi nomeado prefeito de Petrópolis, RJ (1916).

Assumiu o cargo em 18 de agosto, mas renunciou em janeiro do ano seguinte e morreu naquela cidade em 11 de fevereiro (1917).

Fonte: www.dec.ufcg.edu.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal