Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Paul Poiret - Página 3  Voltar

Paul Poiret

o ilustre desconhecido

Paul Poiret

Seu nome não estampa bolsas ou óculos como uma grife de luxo mundo afora, mas suas propostas para o guarda-roupa feminino, à sua época e para a posteridade, fazem dele um dos mais importantes criadores do século XX.

Paul Poiret

Paul Poiret (atenção para a pronúncia: Pou Poarrê) nasceu em 1879 e passou pelas “escolas” Jacques Doucet e Worth antes de abrir seu próprio negócio em 1903. Foi durante a Belle Époque francesa que ele deleitou-se em criar para as mulheres que estavam cansadas da opressão corpórea e social dos espartilhos, e grande parte de sua relevância histórica para a moda vem daí.

É verdade que ele não foi o primeiro, pois já em 1890 as vanguardistas esposas de intelectuais na Inglaterra e Escócia vestiam batas sem sutiãs. Sem falar nas sufragetes. Mas foi Poiret quem difundiu como moda a simplificação e libertação da silhueta feminina, propondo formas soltas, que não demarcavam a cintura, como nos vestidos em formato de saco, nos drapeados, nas túnicas e casacos que encobriam todo o corpo, e até em calças – impensáveis para as ocidentais naquele momento.

Apesar da inovação no corte e na construção das roupas, o francês não sabia costurar e também não desenhava seus modelos, tarefa que delegava a grandes ilustradores da época, como Iribe e Lepape, que circulavam em sua rede de amigos.

Bon-vivant, sua casa era palco das festas mais escandalosamente insanas e luxuosas, cenário ideal para exibir suas criações exóticas e coloridas com ousadia, inspiradas no orientalismo e nas artes da época; exatamente o oposto do estilo prático proposto por sua arqui-rival Chanel, que ele nomeava, equivocadamente, como a “miséria do luxo”.

Absolutamente revolucionário a princípio, o fato é que Poiret não acompanhou a evolução do pensamento feminino, que desejava uma roupa cada vez mais versátil para as novas atividades inseridas na rotina moderna. Divagando em suas aventuras fantásticas nas quais o traje era apenas mais um capricho, arruinou-se. Por ironia o alto-intitulado “rei da moda” morreu pobre em 1944 tornando-se um ilustre desconhecido fora dos domínios daquela da qual um dia julgou ser rei.

Fonte: www.personalstylist.com.br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal