Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Pêssego - Página 4  Voltar

Pêssego

Pêssego

Prunus persica

Origem

Durante muito tempo se acreditou que o pessegueiro era originário da Pérsia, daí o seu nome Prunus persica. Hoje se sabe que sua origem é chinesa, havendo referências 20 séculos aC.

Foi levado provavelmente da China à Pérsia e daí se espalhou pela Europa, pois já era conhecido pelo mundo greco-romano um século antes de Cristo.

Sua introdução no Brasil ocorreu no ano de 1532 em São Vicente (hoje São Paulo), através de mudas provenientes da Ilha da Madeira, trazidas por Martin Afonso de Souza.

A fruta é apreciada no consumo in natura ou em preparações como caldas, conservas, doces, cristalização, geléias, desidratado em sucos, licores e sorvetes.

A árvore cresce depressa e dá belas flores rosadas ou arroxeadas. A casca, recoberta por uma leve penugenzinha, protege a polpa, que, além de doce e saborosa, é rica em vitamina A.

INDICAÇÃO

O pêssego é uma fonte de alimento pouco calórica. Contém vitaminas antioxidantes. Uma fruta de tamanho médio possui apenas 35 calorias. Ele é rico em uma fibra solúvel, a pectina, que ajuda a reduzir o colesterol sangüineo.

Pêssego

Classificação científica

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Prunus
Subgénero: Amygdalus
Espécie: Prunus persica

O pessegueiro (Prunus persica) é uma pequena árvore, nativa da China, de folhas alternas e serreadas, flores roxas e drupas pubescentes, comestíveis e com propriedades aperitivas e digestivas.
Com inúmeras variedades hortícolas.

A infusão das folhas e sementes é calmante e as flores são usualmente utilizadas como laxante suave.

Partes utilizadas

Folhas e fruto.

Pêssego

Propriedades medicinais do pêssego

O pessegueiro é uma árvore da família das Rosáceas, oriunda, segundo Candolle, da China Central, e não da Pérsia, como o nome equivocadamente indica.

Auxilia no bom funcionamento dos órgãos digestivos.

Ajuda a tratar de

Contusões

Eliminação de toxinas

Erupções na pele

Fungos

Intestino preguiçoso

Pele cansada

Problemas respiratórios

Regularização do ácido úrico

Tosse cardíaca

Pêssego

Utilidades Medicinais

Erupções cutâneas em geral

Cataplasmas locais das folhas frescas amassadas; ou, do decocto concentrado das folhas secas moídas.

Hemorragias

Uso tópico do caroço bem misturado com uma gema de ovo. Remédio Popular.

Hipertensão arterial

Fazer refeições exclusivas de pêssego. Passar alguns dias só com esta fruta.

Verminose

Infuso das flores em jejum

CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS E SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE PÊSSEGO NO RIO GRANDE DO SUL

O pessegueiro é uma espécie nativa da China, com registros que remontam a 20 séculos a C. Estudos indicam que, provavelmente, teria sido levado da China para a Pérsia e de lá se espalhado pela Europa. No Brasil, segundo relatos históricos, o pessegueiro foi introduzido em 1532 por Martim Afonso de Souza, por meio de mudas trazidas da Ilha da Madeira e plantadas em São Vicente (no atual estado de São Paulo).

Segundo dados da FAO (1998), a produção mundial de pêssegos é de aproximadamente 11 milhões de toneladas, sendo os principais produtores a China, a Itália, os EUA e a Espanha. Embora sendo o maior produtor mundial, a China não figura na relação dos países exportadores, o que provavelmente se deve ao grande consumo interno. Ainda com base nessas mesmas estatísticas, na América do Sul, o Chile e a Argentina aparecem na oitava e nona posição, respectivamente, com produção de aproximadamente 280 mil toneladas/ ano e o Brasil na 13º, com uma produção anual de 146.

Segundo o IBGE, no período entre 1970-1999, a produção brasileira de pêssego passou de 111 para 159 mil toneladas/ ano, assim distribuídas entre os estados produtores: Rio Grande do Sul: 42%, São Paulo: 22%, Santa Catarina: 19%, Paraná: 11%, Minas Gerais: 5% e os demais estados: 1%. A área de pomares de pessegueiros, segundo essa mesma estatística, passou de 16,6 para 20,7 mil hectares, assim distribuídos: Rio Grande do Sul (51%), Santa Catarina (20%), São Paulo (15%), Paraná (9%), Minas Gerais (4%) e os outros estados (1%). Levantamentos mais recentes, efetuados pela Embrapa Clima Temperado, indicam que, no Rio Grande do Sul, nesse mesmo período, foram agregados mais de 5 mil ha de pomares, sendo que dois deles já se encontram em produção, embora ainda não incorporados às estatísticas.

Estimando-se, a partir dos dados acima, a produtividade média de cada estado produtor, verifica-se uma disparidade significativa pois, enquanto o maior estado produtor, o Rio Grande do Sul, apresenta uma produtividade de 6,4 ton./ha e Santa Catarina, também tradicional produtor, 7,2 ton./ha, nos estados do Paraná, Minas Gerais e São Paulo a produtividade é de 9,2; 10,6 e 10,7 ton./ha, respectivamente. Esse fato, provavelmente, está relacionado ao nível tecnológico empregado e à idade média dos pomares nas regiões.

No Brasil, os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná têm as melhores condições naturais para a produção comercial do pêssego. É possível, no entanto, produzi-lo em outros estados com cultivares menos exigentes de frio ou em estações microclimáticas adequadas às exigências mínimas.

No Rio Grande do Sul, maior produtor nacional, é possível se encontrar plantas de pessegueiro em todas as regiões. Entretanto, a produção comercial está concentrada em três pólos que, juntos, segundo a Embrapa Clima Temperado, somam cerca de 13 mil hectares de pomares.

O primeiro dos três pólos mais importantes localiza-se na chamada "Metade Sul" do estado, que compreende 29 municípios e concentra mais de 90% da produção destinada ao processamento industrial de diversas formas, com destaque para a compota. Anualmente são produzidas, em média, 40 milhões de latas de 1 kg de compota destinadas ao mercado interno. Mesmo com um consumo per capita de apenas 0,25 kg, o país tem importado anualmente cerca de 20 milhões de latas da Grécia, Espanha, Argentina e Chile. Entretanto, como resultado das taxações impostas pelo governo às importações, a partir de 1999 houve redução de cerca de 50% dessas importações, beneficiando e protegendo a cadeia produtiva.

Essa atividade, em expansão em todo o estado do Rio Grande do Sul, em função do apoio do Governo Federal com programas de financiamento a fundo perdido, tem-se apresentado como uma ótima alternativa aos agricultores da região (Metade Sul). Segundo Madail et al (2002), o sistema de produção atualmente adotado pelos agricultores de base familiar apresenta uma Taxa Interna de Retorno - TIR de 43,9% e o sistema empresarial 38%. Esses valores são superiores às taxas de juros no mercado financeiro ou qualquer outro ativo especulativo.

O segundo pólo, localizado na Grande Porto Alegre, é composto por nove municípios e produz, em média, segundo João et al (2001), 4.800 toneladas de pêssegos para o consumo in natura numa área de 312 ha, o que representa uma produtividade média de cerca de 15 toneladas/ ha. Trata-se de uma região que apresenta uma importante vantagem competitiva, já que está próxima do principal mercado consumidor do estado (Grande Porto Alegre).

O terceiro pólo está localizado na Encosta Superior do Nordeste, na região também conhecida como Serra Gaúcha, mais especificamente nos municípios de Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Veranópolis, Farroupilha, Flores da Cunha, Nova Pádua, Antônio Prado, Ipê, Pinto Bandeira e Campestre da Serra. Na safra 2000/2001, a região produziu cerca de 46 mil toneladas de pêssego que, na sua totalidade, são destinadas ao mercado de consumo in natura, numa área de aproximadamente 3.200 ha, o que representa uma produtividade superior a 14 toneladas/ ha.

Por se tratar de uma região produtora de frutas tradicional, com ênfase especial na viticultura, a ascensão do pêssego passa a ter, na seqüência, uma abordagem mais detalhada nos seus aspectos técnicos e econômicos.

Pêssego

A produção de pêssegos na Região da Serra Gaúcha

Esse pólo produtor de pêssego ocupa uma área de aproximadamente 3.200 hectares, envolve cerca de 1.860 famílias que exploram a atividade em pequenas áreas, que atingem, em média, 2 hectares.

A cultura de frutas de caroço é de grande importância econômica e social para essa região, pois com uma estrutura fundiária baseada em minifúndios e com disponibilidade de mão-de-obra familiar, esses produtores encontram na fruticultura uma ótima alternativa de diversificação da matriz produtiva, absorção da mão-de-obra familiar e geração de renda em pequenas áreas. Segundo pesquisa realizada pela Embrapa Uva e Vinho, no período entre 1985 e 1997, a contribuição da cultura do pessegueiro na formação do valor bruto da produção desses estabelecimentos evoluiu de cerca de R$ 62,20 para R$ 1.023,06 (valores deflacionados), o que equivale a um aumento de cerca de 1.600%. Entretanto, paralelamente ao crescimento da área e volume de produção, começaram a surgir os problemas tecnológicos e logísticos, típicos dos pólos produtores.

Os cultivares de pêssego produzidas na região são todas de polpa branca, com destaque para a cultivar Chiripá, que representa 50%, e Marli, com 40% da área total em produção. Desse fato, surge uma característica marcante e limitante à competitividade desse pólo produtor que é a concentração da época de safra dessas duas cultivares, que ocorre entre meados de dezembro e meados de janeiro, num período de aproximadamente 25 dias. Essa concentração da produção, dada a precária estrutura de logística existente na região, principalmente na capacidade de armazenagem em câmaras frias, transforma-se, por um lado, em excesso de oferta que avilta os preços em nível do produtor e, por outro lado, provoca a queda da qualidade de grande parte do produto em nível do consumidor, já que as cultivares produzidas também apresentam problemas de perecibilidade, estimando-se que mantenham a qualidade para o consumo por, no máximo, 25 dias em boas condições de armazenamento e maturação das frutas.

Entretanto, os fatores de ordem tecnológica relacionada às cultivares de pêssego cultivadas comercialmente na região (Chiripá e Marli), não se limitam às questões da concentração da oferta e perecibilidade. Por serem de ciclo tardio, sofrem intensos ataques de pragas na fase de maturação, exigindo, conseqüentemente, ações de controle que, em muitos casos, são feitas através da intervenção com produtos químicos, o que, além dos aspectos ambientais e de saúde dos produtores, tem um impacto significativo nos custos de produção.

Esses, entre outros, são fatores que tem dificultado maiores avanços no esforço desenvolvido pela Embrapa Uva e Vinho no sentido de desenvolver um sistema de produção integrada de pêssego para a Região da Serra Gaúcha e que evidenciam a necessidade de uma elevação no patamar tecnológico disponível, a iniciar pela criação ou adaptação de cultivares às condições edafoclimáticas da região. Entretanto, a este esforço da pesquisa deverão ser agregados outros relativos à assistência técnica, políticas creditícias para custeio e investimentos na produção e em estruturas de logística, a partir do que, provavelmente, se estará criando as condições para uma maior organização dos produtores envolvidos com a cultura do pêssego na Serra Gaúcha.

Como realizar o Plantio do pêssego

O espaçamento a ser usado: 6,0 X 4,0 metros.

Disposição das mudas no terreno

Em forma de retângulo, triângulo ou quadrado.

Preparo do solo

O ideal depois de escolhida a área, é preparar a terra no verão, antes do plantio do pomar.

Retirar restos de vegetação, pedras.

Fazer uma subsolagem.

Aplicar calcário, conforme análise do solo.

Fazer uma aração, incorporando o calcário.

Fazer o plantio de uma cultura de verão, que pode ser feijão, milho, abóboras ou pastagem.

Após a colheita destas culturas, fazer camalhões com aproximadamente 30 a 40 centímetros de altura e 2,0 a 2,5 metros de largura.

Pêssego

Como plantar

Abrir covas com o tamanho suficiente para acomodar as raízes.

A muda deve ser mantida na posição vertical e distribuir suas raízes dentro da cova, eliminando as bolsas de ar, através de uma leve compactação do solo com o pé.

Ao colocar o enxerto na terra, é importante enterrá-lo na mesma profundidade que estava no viveiro.

Fazer uma bacia em volta da muda plantada.

Por cima da bacia, pode se por uma camada de palha. Ajudará a manter a umidade em torno da muda.

Após o plantio deve-se irrigar as mudas. Com 5 a 10 litros de água.

Colocar uma estaca, sem atingir as raízes e amarrar a muda sem enforcar.

Adubação inicial

É recomendado para áreas maiores realizar análise de solo.

No mínimo 3 meses antes do plantio.

Aplicar primeiro calcário. Não se aplica junto com adubo.

Depois aplicar o adubo recomendado, mas antes do plantio.

Lembrar sempre que: Qualquer que seja o adubo, se entrar em contato com as raízes, poderá queimá-las e provocar a morte da muda.

Adubação complementar

Lembrar sempre que uma árvore de fruta precisa para o seu desenvolvimento e frutificação uma adubação complementar.

Sempre aplicar, uma vez por ano, logo após a colheita:

Cuidados com o plantio

Amarre um estaca junto a muda, deixando até a muda pegar e fixar bem na terra.

Irrigar de acordo com a umidade do solo.

Se não chover na semana, colocar 3,0 litros de água por pé, 2 vezes por semana.

Procure conduzir as plantas, sempre pensando no futuro, quando tiver que colher e a quantidade de sol que cada planta deve receber.

Eliminar ramos ladrões ou arqueá-los se necessário.

Controlar sempre as formigas. Cuidado com as lebres.

Fazer drenagem no caso de áreas com excesso de umidade.

Retirar os frutos que se formarem no 1º. ano.

Mantenha uma área (coroa) sem vegetação e roçar sempre que crescer demais.

Se a vegetação for muito rala, plantar no outono/inverno: pastagens - aveia, azevém, ervilhaca.

Não usar grade para "limpar" o pomar.

No primeiro e segundo ano, poderão ser plantadas algumas culturas nas entrelinhas, como feijão, milho, melão, melância.

Para semear pastagens nos outros anos é só distribuir as sementes nas entrelinhas, sem precisar incorporar.

Podas

A poda é um tratamento que deve ser feito em toda e qualquer frutífera.

Tem as seguintes finalidades:

Produtividade com qualidade.

Conduzir a planta com uma forma e tamanho desejado.

Formar uma estrutura capaz de suportar o peso de grandes cargas de frutas.

Evitar que produza bem em um ano e no outro não (alternância).

Evitar a ocorrência de doenças.

Facilitar a colheita.

Controles de pragas e doenças

Antes de aplicar qualquer produto químico, visando o controle de pragas, doenças e ervas daninhas é importante que seja feito um diagnóstico do problema.

Antes de aplicar um produto, consulte um técnico, antes que você seja envenenado.

Limpeza do pomar é fundamental para evitar focos de doenças

Bibliografia

Curso Básico de Fruticultura - Engº. Agroº. Marco Moro - Escritório Regional da EMATER - Pelotas/RS - 2006.

Fonte: www.frutas.radar-rs.com.br

Pêssego

Pêssego

Frutífera conhecida e cultivada 20 séculos antes de Cristo. Surgiu na China , onde dali se difundiu para outras regiões, até chegar ao Brasil por volta de 1532, através de Martin Afonso de Souza com a chegada das primeiras expedições portuguesas.

Seu cultivo comercial começou a menos de 30 no Brasil, onde destacam-se os estados do sul, São Paulo e Minas Gerais.

Muito apreciado para doces e compotas e na forma "in natura". Quando comparado a outros frutos quanto ao aspecto nutricional, apresenta valores relativamente elevados de K, Mg, Vit. A, B2 e PP (niacina). Entretanto apresenta baixos valores de Ca e Vit. C. A ingestão do fruto auxilia no bom funcionamento dos órgãos digestivos, e é também indispensável para uma boa formação do corpo humano.

Informações Nutricionais - Polpa de 100g
Calorias 40 kcal
Proteínas menor que 1 g
Carboidratos 11 g
Gorduras Totais 0 g
Gorduras Saturadas 0 g
Colesterol 0 mg
Fibra 2 g
Cálcio 0 mg
Ferro 1 mg
Sódio 0 mg

Fonte: www.docemel.com.br

 

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal