Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Pontilismo  Voltar

Pontilhismo

 

Pontilhismo é um estilo de pintura na qual as cores não primárias, são geradas pelo efeito visual produzido pela proximidade dos pontos pintados na tela com as cores primárias.

Originalmente desenvolvido pelo Neo-Impressionista Georges Seurat, o movimento também está associada com Paul Signac e Henri-Edmond Cross.

Quando as obras são vistas de longe, a certa distancia, os pontos com os quais as pinturas são feitos, não se conseguem distinguir, em lugar disso, produz-se um efeito visual que nos leva a perceber outras cores.

Pontilismo

Isto significa que, com o mesmo conjunto de primárias, os pontilhistas podem gerar uma gama de cores diferentes quando comparados com artistas usando as cores tradicionais ou técnicas de mistura de cores.

O resultado é por vezes descrito como brilhante ou benéfico uma vez que é o olho do observador quem faz a mistura, e não o pincel.

Pontilismo

Este efeito pode ser explicado a traves do conhecimento da teoria das cores e nos efeitos das cores aditivas e subtractivas.

Geralmente quando as cores são produzidas por pigmentos misturados fisicamente, falamos da teoria da cor subtractiva no trabalho.

Aqui, a mistura dos pigmentos das cores primárias produzem menos luz, por isso, se nós misturarmos pigmentos vermelho, azul e amarelo (cores primárias subtractivas), obtemos uma cor negra.

Quando as cores, no entanto, são produzidas pela mistura da cor luz, então falamos da teoria aditiva da cor no trabalho.

Aqui, a mistura das luzes das três cores primárias produzem mais luz; por isso, se nós misturarmos vermelho, azul e verde luz (aditivos primários) obtemos algo que se assemelha a luz branca.

O efeito brilhante no pontilhismo aumenta a partir do fato de que a mistura subtractiva é evitada e produz-se uma mistura mais próxima do efeito aditivo é obtida através do mesmo pigmentos.

O tipo de pincelada utilizada para a realização de pontilhismo é feita à custa dos tradicionais pinceladas que poderiam ser utilizadas para delinear textura.

Para esclarecer mais um pouco este estilo de pintura e só desde um ponto de vista ilustrativo, podemos fazer uma semelhança do pontilhismo com os receptores de televisão ou ecrãs de computadores tanto CRT e LCD, os quais se baseiam em minúsculos pontos primárias vermelho, verde e azul que se misturam entre si para formar uma grande diversidade de cores.

Fonte: www.amopintar.com

Pontilhismo

pontilhismo é uma técnica que como o nome diz usa pontos para formar a imagem. Com eles definimos sombras, luz, escala de tons, profundidade e etc.

Há duas variantes desta técnica na língua inglesa: a stripple, onde usa pontos apenas na coloração preta normalmente com caneta naquim e o pontilism onde é permitido usar pontos coloridos. Na língua portuguesa as duas são chamadas de pontilhismo.

Esta técnica utiliza muito dos conceitos ópticos provenientes desde a época impressionista. E não foi a toa que neste período que ele surgiu como uma vertente Neo-impressionista, seu principal artista e representante foi Georges Seurat.

Utilizando os estudos das cores complementares onde deveriam ser justapostas e não mescladas deixando a retina completar a imagem e voltando com o quadro para o ateliê onde trabalhava ponto por ponto foi dado inicio a essa técnica.

Uma observação interessante é que o pontilhismo é a versão manual da impressão que conhecemos hoje padrão CMYK.

Pontilismo
Breakfast, Paul Signac, 1886-1887.

Pontilismo
Portrait of Félix Fénéon, Paul Signac, 1890.

Pontilismo
New York, Georges Seurat, 1888.

Pontilismo
M.Ramos

Fonte: www.importzehdesign.com

Pontilhismo

As bases do pontilhismo encontram-se tanto nas idéias de vários físicos do fim do Século 19, entre os quais Hermann von Helmholtz, como na psicologia e na fisiologia da visão, na análise da luz e da cor, e na influência da própria pintura impressionista.

HELMHOLTZ (Hermann VON), físico e fisiologista alemão (Potsdam, 1821 – Charlottenburg, 1894). Descobriu o papel dos sons harmônicos no timbre dos sons, e mediu a velocidade do influxo nervoso.

O pontilhismo foi um movimento pictórico pós-impressionista surgido na França em meados da década de 1880, como reação aos próprios impressionistas e à pintura oficial.

Sua característica central é a decomposição tonal mediante minúsculas pinceladas nitidamente separadas, mesmo a olho desarmado.

Mais realistas do que o rei

Trata-se de uma conseqüência extrema dos ensinamentos dos impressionistas, segundo os quais as cores deviam ser justapostas e não entremescladas, deixando à retina a tarefa de reconstituir o tom desejado pelo pintor, combinando as diversas impressões registradas.

Também conhecido como punctilhismo, divisionismo, cromoluminarismo e neo-impressionismo, o pontilhismo teve como teóricos principais Georges Seurat e Paul Signac.

Signac chegou a escrever um tratado com o título «De Eugène Delacroix ao neo-impressionismo» (1899). Outro representante do pontilhismo foi o italiano Giovanni Segantini.

SEGANTINI (Giovanni), pintor italiano (Arco, 1858 - Schafberg, alta Engadine, 1899). Executou, à maneira divisionista, paisagens de montanhas.

Uma relação complicada

Para os pontilhistas, entre as cores complementares deveria existir sempre uma relação exata, de modo que, a um tom de vermelho, correspondesse outro de verde, e existisse entre ambos uma seção infinitesimal de suporte.

Nesse aspecto, afastavam-se dos impressionistas, que deliberadamente desleixavam tal relação fixa.

A justaposição das cores complementares, segundo um esquema matemático, emprestou ao pontilhismo um aspecto inconfundível, que os inimigos da tendência logo alcunharam de «pintura de confete».

O mestre do pontilhismo

Seurat foi o mais notável dos pintores pontilhistas. Suas telas Um domingo de verão na Grande Jatte, (1884-1886; Instituto de Arte de Chicago), O desfile do circo (1887) e a inacabada obra-prima O circo (1890-1891) são admitidas unanimemente como os pontos culminantes do movimento.

O pontilhismo revelou-se particularmente apto a reproduzir uma atmosfera vibrante, de luz e calor. Foi também, de certo modo, uma das tendências que melhor anunciaram a abstração de cor e forma a que chegaria, anos depois, a pintura ocidental.

Signac produziu muitos escritos teóricos e pintou paisagens, marinhas, cenas de Paris e de outras cidades francesas por onde viajou.

Fonte: www.pitoresco.com.br

Pontilhismo

O que é

Técnica pictórica que se orienta a partir de um método preciso: trata-se de dividir as cores em seus componentes fundamentais.

As inúmeras pinceladas regulares de cores puras que cobrem a tela são recompostas pelo olhar do observador e, com isso, recupera-se sua unidade, longe das misturas feitas na paleta.

A sensação de vibração e luminosidade decorre da "mistura ótica" obtida pelos pequenos pontos de cor de tamanho uniforme que nunca se fundem, mas que reagem uns aos outros em função do olhar à distância, tal como descrito por Ogden Rood em seu tratado sobre a teoria da cor, Cromática Moderna, 1879.

O termo "peinture au point" ("pintura de pontos") é cunhado pelo crítico francês Félix Fénéon (1861-1944) - um dos principais críticos de arte ligado ao movimento -, numa referência à tela Um Domingo de Verão na Grande Jatte (1886), de Georges Seurat (1859-1891).

Seurat é um dos líderes da tendência artística batizada (também por Fénéon) de neo-impressionismo, cujos adeptos desenvolvem de modo científico e sistemático a técnica do pontilhismo. Tanto Seurat como Paul Signac (1863-1935) preferem falar em divisionismo, numa referência direta à divisão das cores.

Apesar de usados muitas vezes como sinônimos, os termos guardam uma ligeira distância entre si: divisionismo indica mais freqüentemente a teoria, enquanto pontilhismo tende a designar a técnica propriamente dita.

O neo-impressionismo - ao mesmo tempo um desenvolvimento do impressionismo e uma crítica a ele - explicita a tentativa de um grupo de artistas de fundar a pintura sobre leis científicas da visão. Se a famosa tela de Seurat compartilha o gosto impressionista pelas pintura ao ar livre (um dia ensolarado às margens do Sena) e pela representação da luz e da cor, o resultado aponta numa outra direção.

Em lugar do naturalismo e da preocupação com os efeitos momentâneos de luz, caros aos impressionistas, o quadro de Seurat expõe figuras de corte geométrico que se apresentam sobre um plano rigorosamente construído a partir de eixos horizontais e verticais.

Os intervalos calculados entre uma figura e outra, as sombras formando ângulos retos e a superfície pontilhada atestam a fidelidade a um programa teórico apoiado nos avanços científicos da época. O rompimento com as linhas mestras do impressionismo verifica-se sobretudo pelo acento colocado na pesquisa científica da cor e no pontilhismo, já experimentado por Seurat em Banhistas em Asnières (1884).

O divisionismo, como quer Seurat, tem em Jean-Antoine Watteau (1684-1721) e Eugène Delacroix (1798-1863) dois reconhecidos precursores. No interior do impressionismo foi testado mais de perto por Pierre-Auguste Renoir (1841-1919) em trabalhos como Canoeiros em Chatou (1879) e por Camille Pissarro (1831-1903), que utiliza a técnica em diversos trabalhos realizados entre 1850 e 1890.

Signac desenvolve o pontilhismo em boa parte de sua obra (Retrato de Félix Fénéon, 1890 e Entrada do Porto de Marselha, 1911, por exemplo). Só que em seus trabalhos os pontos e manchas se tornam mais evidentes e são dispostos de maneira mais dispersa, rompendo, nos termos do crítico Giulio Carlo Argan, a "linha melódica da cor".

O nome de Maximilien Luce (1858-1941) figura como mais um adepto da escola neo-impressionista a fazer uso do pontilhismo.

O neo-impressionismo tem vida curta mas exerce influência sobre Vincent van Gogh (1853-1890) e Paul Gauguin (1848-1903), e também sobre Henri Matisse (1869-1954) e Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901). Vale lembrar que o termo divisionismo refere-se ainda a um movimento italiano da última década do século XIX e início do século XX, uma das fontes geradoras do futurismo.

É possível pensar em ecos do pontilhismo nas pesquisas visuais contemporâneas, na op art e na arte cinética. No Brasil, difícil aferir uma influência direta do neo-impressionismo ou localizar pintores que fazem uso sistemático do pontilhismo.

Talvez mais fácil seja pensar, de modo amplo, em reverberações das pautas impressionista e neo-impressionista entre nós, seja nas cores claras e luminosas de algumas telas de Eliseu Visconti (1866-1944) - Trigal (s.d.) por exemplo -, seja em obras de Belmiro de Almeida (1858-1935), como Efeitos ao Sol (1892).

Fonte: www.itaucultural.org.br

Pontilhismo

Vídeos

 

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal