Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Fraturas  Voltar

Fraturas

Conceito

É o rompimento de um ou mais ossos.

Definição

Podemos definir uma fratura como sendo a perda, total ou parcial, da continuidade de um osso. A fratura pode ser simples (fechada) ou exposta (aberta). Na fratura simples não há o rompimento da pele sobre a lesão e nas expostas sim, isto é, o osso fraturado fica exposto ao meio ambiente, possibilitando sangramentos e um aumento do risco de infecção.

No caso de fraturas, a vítima geralmente irá queixar-se de dor no local da lesão. O socorrista poderá identificar também, deformidades, edemas, hematomas, exposições ósseas, palidez ou cianose das extremidades e ainda, redução de temperatura no membro fraturado.

A imobilização provisória é o socorro mais indicado no tratamento de fraturas ou suspeitas de fraturas.

Quebra de um osso. Ruptura total ou parcial de um osso. Perda da continuidade óssea.

Tipos de fraturas

Fechada (simples): A pele não foi perfurada pelas extremidades ósseas;
Aberta (exposta): O osso se quebra, atravessando a pele, ou existe uma ferida associada que se estende desde o osso fraturado até a pele.

Classificação

A fratura pode ser fechada (não há rompimento da pele, o osso não aparece) e externa ou aberta (quando o osso exterioriza-se).

Sinais e Sintomas

Deformidade: a fratura produz uma posição anormal ou angulação num local que não possui articulação;
Sensibilidade: geralmente o local da fratura está muito sensível ou não há sensação nos extremos do membro lesado;
Crepitação: se a vítima se move podemos escutar um som áspero, produzido pelo atrito das extremidades fraturadas. Não pesquisar este sinal intencionalmente, porque aumenta a dor e pode provocar lesões;
Edema e alteração de coloração: quase sempre a fratura é acompanhada de um certo inchaço provocado pelo líquido entre os tecidos e as hemorragias. A alteração de cor poderá demorar várias horas para aparecer;
Incapacidade ou Impotência funcional: perda total ou parcial dos movimentos das extremidades. A vítima geralmente protege o local fraturado, não pode mover-se ou o faz com dificuldade e dor intensa;
Fragmentos expostos: numa fratura aberta, os fragmentos ósseos podem se projetar através da pele ou serem vistos no fundo do ferimento;
Dor: sempre acompanha a fatura de forma intensa;
Secção de tecido: o osso ou parte dele rompe o tecido e se retrai para sua posição original ou interna;
Mobilidade anormal: a vítima da fratura não consegue movimentar-se normalmente, apresentando dificuldades ao se deslocar ou segurar algo;
Hemorragia: a lesão pode ser acompanhada de sangramento abundante ou não, dependendo de secção ou não de artéria importante;
Hematoma: em caso de ferimentos fechados, é um bom indicador de trauma ósseo ou suspeita deste;
Espasmos musculares: logo após a fratura, há a tendência de que, as lesões em ossos longos, mais especificamente no fêmur, o músculo que trabalha nesta região e que sempre permaneceu tenso, ao ter o osso fraturado, começa a vibrar intensamente por alguns momentos até se relaxar e se contrair bruscamente.

Em síntese

Dor intensa no local edema (inchaço)
Coloração roxa no local da fratura
Membro ou local afetado fica em posição disforme (braço, perna, etc.), anatomicamente mal posicionado.
Dificuldade para movimentar o membro ou ausência de movimentos
Presença ou não de pulso (pulsação arterial) no membro.

Atendimento

Evite movimentar o local fraturado

Caso o socorro for demorar ou seja um local onde não tenha como chamar uma ambulância e for necessário transportar, serão necessários procedimentos para atender a vítima antes de transportá-la.(imobilização adequada).

Se foi chamado socorro, não realize esses procedimentos, deixe que a equipe de socorro o faça, pois eles dispõem de material adequado para o mesmo.

Se a fratura for em braço ,dedo ou perna, retire objetos que possam interferir na circulação (relógio, anéis, calçados, etc.), porque ocorre edema (inchaço) no membro atingido.

Em caso de fratura exposta, há sangramento, podendo ser intenso ou de pouco fluxo, proteja a área com um pano limpo e enrole com uma atadura no local do sangramento

Evite comprimir o osso

Improvise uma tala. Utilize revistas, papelão, madeiras. Imobilize o membro da maneira que se encontra, sem movimentá-lo
Fixe as extremidades com tiras largas
Não fixe com tiras em cima da área fraturada, em função do edema e também para observar a evolução e para não forçar o osso para dentro, podendo romper vasos sangüíneos e causar intensa dor.
Utilize uma tipóia, lenço ou atadura.
Não tente recolocar o osso no lugar, isso é um procedimento médico realizado dentro do hospital, com todos os cuidados necessários.
Se suspeita de fratura no crânio ou coluna cervical, proteja a cabeça da vítima de maneira que ela não possa realizar movimentos, não lateralize a cabeça e não eleve-a.
Em caso de fratura de bacia, o risco de ter hemorragia interna deve ser avaliado. pois pode ter rompido vasos sangüíneos importantes, como a artéria femural e ou a veia femural, observe se há presença de sinais e sintomas que possam levar ao Estado de Choque.
Caso tenha que transportar, imobilize toda a vítima, o ideal é uma superfície rígida (tipo uma tábua), fixe-a com tiras largas em todo o corpo e também faça um colar cervical.
Mantenha-a avaliada constantemente.

Fonte: www.drgate.com.br

Fraturas

Fratura è a quebra de um osso causada por uma pancada muito forte, uma queda ou esmagamento.

Há dois tipos de fraturas: as fechadas, que, apesar do choque, deixam a pele intacta, e as expostas, quando o osso fere e atravessa a pele.

As fraturas expostas exigem cuidados especiais, portanto, cubra o local com um pano limpo ou gaze e procure socorro imediato.

Fratura fechada - sinais indicadores

Dor ou grande sensibilidade em um osso ou articulação.
Incapacidade de movimentar a parte afetada, além do adormecimento ou formigamento da região.
Inchaço e pele arroxeada, acompanhado de uma deformação aparente do membro machucado.

O que não fazer

Não movimente a vítima até imobilizar o local atingido.
Não dê qualquer alimento ao ferido, nem mesmo água.

O que fazer

Solicite assistência médica, enquanto isso, mantenha a pessoa calma e aquecida.
Verifique se o ferimento não interrompeu a circulação sanguínea.
Imobilize o osso ou articulação atingido com uma tala.
Mantenha o local afetado em nível mais elevado que o resto do corpo e aplique compressas de gelo para diminuir o inchaço, a dor e a progressão do hematoma.

Entorse

É a torção de uma articulação, com lesão dos ligamentos (estrutura que sustenta as articulações). Os cuidados são semelhantes aos da fratura fechada.

Entorse pode ser definida como uma separação momentânea das superfícies ósseas, ao nível da articulação.

É a torção ou distensão brusca de uma articulação além de seu grau normal de amplitude.

A lesão provocada pela deformação brusca, geralmente produz o estiramento dos ligamentos na articulação ou perto dela. Os músculos e os tendões podem ser estirados em excesso e rompidos por movimentos repentinos e violentos.

Uma lesão muscular poderá ocorrer por três motivos distintos: distensão, ruptura ou contusão profunda.

A entorse manifesta-se por um dor de grande intensidade, acompanhada de inchaço e equimose no local da articulação.

O socorrista deve evitar a movimentação da área lesionada, pois o tratamento da entorse, também consiste em imobilização e posterior encaminhamento para avaliação médica.

Em resumo, o objetivo básico da imobilização provisória consiste em prevenir a movimentação dos fragmentos ósseos fraturados ou luxados. A imobilização diminui a dor e pode ajudar a prevenir também uma futura lesão de músculos, nervos, vasos sangüíneos, ou ainda, da pele em decorrência da movimentação dos fragmentos ósseos.

Se a lesão for recente, esfrie a área aplicando uma bolsa de gelo ou compressa fria, pois isso reduzirá o inchaço, o hematoma e a dor.

Sinais e sintomas de entorse

Também são similares às luxações. Nas entorses, os ligamentos geralmente sofrem ruptura ou estiramento, provocados pelo movimento brusco.

Luxação

A luxação é uma lesão onde as extremidades ósseas que formam uma articulação ficam deslocadas, permanecendo desalinhadas e sem contato entre si. É o desalinhamento das extremidades ósseas de uma articulação fazendo com que as superfícies articulares percam o contato entre si.

O desencaixe de um osso da articulação (luxação) pode ser causado por uma pressão intensa, que deixará o osso numa posição anormal, ou também por uma violenta contração muscular. Com isto, poderá haver uma ruptura dos ligamentos.

Os sinais e sintomas mais comuns de uma luxação são: dor intensa, deformidade grosseira no local da lesão e a impossibilidade de movimentação.

Em caso de luxação, o socorrista deverá proceder como se fosse um caso de fratura, imobilizando a região lesada, sem o uso de tração. No entanto, devemos sempre lembrar que é bastante difícil distinguir a luxação de uma fratura.

É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação. Os primeiros socorros são também semelhantes aos da fratura fechada.

Lembre-se de que não se deve fazer massagens na região, nem tentar recolocar o osso no lugar.

Sinais e Sintomas

Geralmente são bastante similares com as fraturas:

Deformidade: mais acentuada na articulação luxada
Edema
Dor: aumenta se a vítima tenta movimentar a articulação;
Impotência Funcional: perda completa ou quase total dos movimentos articulares.

Contusão

É uma área afetada por uma pancada ou queda sem ferimento externo. Pode apresentar sinais semelhantes aos da fratura fechada. Se o local estiver arroxeado, é sinal de que houve hemorragia sob a pele (hematoma).

Improvise uma tala

Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma superfície, como uma tábua, revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer.

Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a circulação sanguínea.

Improvise uma tipóia

Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do pescoço. Isto serve para sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula.

Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver dobrado.

Imobilização

Fratura:

É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando a pele sofre solução de continuidade no local da lesão óssea. As fraturas são mais comuns ao nível dos membros, podendo ser únicas ou múltiplas.

Na primeira infância, é freqüente a fratura da clavícula. Como causas de fraturas citam-se, principalmente, as quedas e os atropelamentos.

Localizações principais:

a) fratura dos membros, as mais comuns, tornando-se mais graves e de delicado tratamento quanto mais próximas do tronco

b) fratura da bacia, em geral grave, acompanhando-se de choque e podendo acarretar lesões da bexiga e do reto, com hemorragia interna

c) fratura do crânio, das mais graves, por afetar o encéfalo, protegido por aquele; as lesões cerebrais seriam responsáveis pelo choque, paralisia dos membros, coma e morte do paciente.
A fratura do crânio é uma ocorrência mais comum nas grandes cidades, devido aos acidentes automobilísticos, e apresenta maior índice de mortalidade em relação às demais.
O primeiro socorro precisa vir através de aparelho respiratório, pois os pacientes podem sucumbir por asfixia.
Deve-se lateralizar a cabeça, limpar-lhe a boca com o dedo protegido por um lenço e vigiar a respiração.
Não se deve esquecer que o choque pode também ocorrer, merecendo os devidos cuidados.
d) fratura da coluna:
ocorre, em geral, nas quedas, atropelamentos e nos mergulhos em local raso, sendo tanto mais grave o prognóstico quanto mais alta a fratura; suspeita-se desta fratura, quando o paciente, depois de acidentado, apresenta-se com os membros inferiores paralisados e dormentes; as fraturas do pescoço são quase sempre fatais.

Faz-se necessário um cuidado especial no sentido de não praticar manobras que possam agravar a lesão da medula; coloca-se o paciente estendido no solo em posição horizontal, com o ventre para cima; o choque também pode ocorrer numa fratura dessas.

Obs: Jamais alinhe uma fratura

TIPOS DE IMOBILIZADORES

Talas rígidas: seguem um formato no alinhamento do membro
Talas moldáveis: permitem moldagem na forma do segmento lesado
Prancha longa: imobilização de corpo inteiro em plano rígido
Bandagens triangulares: fixador de talas e imobilizador para luxações e entorses de membros superiores
Colete Imobilizador Dorsal, conhecido por KED - Kendrick Extrication Device: aplicado invertido em caso de trauma no quadril.
Prancha curta.

Fraturas

Fraturas
Imobilização no cotovelo

 

Fraturas
Braço imobilizado com apoio de uma bandagem triangular

Fraturas
Imobilização do braço esticado com uma tala e quatro bandagens

Fraturas
Imobilização do braço dobrado com uma tala e quatro bandagens e uma bandagem de apoio

Fraturas
Imobilização com braço esticado e na posição encontrada, semi dobrado

Fraturas

Fraturas
Seqüência de imobilização da mão e dedos

Fraturas
Seqüência de imobilização da mão com apoio de uma tipóia

Fraturas
Imobilização do Ombro com bandagem triangular

Fraturas
Imobilização da mandíbula

Fraturas
Imobilização da mandíbula inferior

Fraturas
Imobilização no nariz

Fraturas
Bandagem no tórax

Fraturas
A imobilização na coluna cervical, é feita após ter aplicado técnicas de estabilização da coluna cervical e a
colocação de um colar cervical conforme o tamanho da pessoa

Fraturas
Técnica para girar caso não haja respiração ou esteja com dificuldade de respirar

Fraturas
Imobilização da bacia ou do fêmur

Fraturas
Imobilização do pé ou tornozelo

Fraturas
Imobilização da tíbia

Fraturas
Imobilização do tornozelo

Fonte: www.bombeirosemergencia.com.br

Fraturas

Fraturas, Entorses, Luxações e Contusões

Fratura

Fratura é o rompimento total ou parcial de qualquer osso.

Existem dois tipos de fratura:

Fechadas: sem exposição óssea.

Fraturas
Fratura
Fechadas

Expostas: o osso está ou esteve exposto.

Fraturas
Fratura
Expostas

Identificando uma fratura

Compare o membro supostamente fraturado com o correspondente não comprometido.

Procure a presença de:

Deformações;
Inchaço;
Espasmo da musculatura;
Feridas;
Palidez.
Dor à manipulação;
Creptação óssea;
Enchimento capilar lento;
Diminuição da sensibilidade;
Redução da temperatura.

Primeiros socorros

Fraturas Fechadas
Imobilizar com tala ou material rígido
Cobrir o ferimento com pano limpo;
Estancar o sangramento;
Prevenir contra o estado de choque;

Não Movimente a parte fraturada.

Não de nada de comer ou beber à vítima.

Encaminhar para atendimento hospitalar.

Entorse-distensão-luxação

Entorse é a separação momentânea das superfícies ósseas articulares, provocando o estiramento ou rompimento dos ligamentos;
Distensão
é o rompimento ou estiramento anormal de um músculo ou tendão;
Luxação
é a perda de contato permanente entre duas extremidades ósseas numa articulação.

Sinais e sintomas

Dor local intensa
Dificuldade em movimentar a região afetada
Hematoma
Deformidade da articulação
Inchaço.

Primeiros socorros

Manipular o mínimo possível o local afetado;
Não colocar o osso no lugar;
Proteger ferimentos com panos limpos e controlar sangramentos nas lesões expostas;
Imobilizar a área afetada antes de remover a vítima;
Se possível, aplicar bolsa de gelo no local afetado;
Encaminhar para atendimento hospitalar.

Lesões da coluna vertebral

A coluna vertebral é composta de 33 vértebras sobrepostas, localizada do crânio ao cóccix, e no seu interior há a medula espinhal, que realiza a condução dos impulsos nervosos.

As lesões da coluna vertebral mal conduzidas podem produzir lesões graves e irreversíveis de medula, com comprometimento neurológico definitivo (tetraplegia ou paraplegia).

Todo o cuidado deverá ser tomado com estas vitimas para não surgirem lesões adicionais.

Sinais e sintomas

Dor local intensa
Diminuição da sensibilidade, formigamento ou dormência em membros inferiores e/ou superiores
Paralisia dos segmentos do corpo, que ocorrem abaixo da lesão
Perda do controle esfincteriano (urina e/ou fezes soltas).

Nota: Todas as vitimas inconscientes deverão ser consideradas e tratadas como portadoras de lesões na coluna.

Primeiros socorros

Cuidado especial com a vítima inconsciente
Imobilizar o pescoço antes do transporte, utilizando o colar cervical
Movimentar a vítima em bloco, impedindo particularmente movimentos bruscos do pescoço e do tronco
Colocar em prancha de madeira
Encaminhar para atendimento hospitalar.

Fonte: www.fundacentro.gov.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal