Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Próteses De Silicone - Página 5  Voltar

Próteses de Silicone

Amamentar com silicone. É possível?

É raro, mas há mulheres com silicone que não conseguem amamentar. O auto-exame também fica mais difícil, principalmente quando a prótese é retroglandular. "Ela fica atrás da glândula mamária e altera a sensibilidade dessa região, dificultando a identificação de nódulos por meio do toque", explica o médico oncologista Ricardo Caponero, de São Paulo. "Por isso, é mais seguro recorrer à ultra-sonografia mamária, que identifique nódulos e ainda informa se a prótese apresenta fissuras." Já a prótese retromuscular não compromete o exame. Outra desvantagem é a necessidade eterna da prótese. Depois de implantada, a prótese distende a pele e não há mais como voltar atrás. Caso a mulher queira remover o silicone, a mama fica flácida, murcha. Só dá para substituir o modelo anterior. E toda mulher com silicone deve trocar a prótese a cada dez anos.

Eliane Contreras

Tira-Dúvidas do Silicone

Ninguém duvida que as próteses de silicone são mesmo capazes de tornar os seios ainda mais atraentes e harmonizar a silhueta feminina. Delinear um novo perfil, fazendo-se o uso deste recurso, é considerada uma tarefa simples e até mesmo rotineira entre os cirurgiões plásticos brasileiros, sem praticamente nenhuma contra-indicação.

Todavia, não deixa de ser importante saber o que acontece com a prótese de silicone depois de cinco, dez anos de uso, ou até mais. Outro ponto de referência é descobrir como se comportam, hoje em dia, as próteses que foram implantadas em um grande número de mulheres uma década atrás, quando nem todas as inovações tecnológicas do silicone encontravam-se disponíveis. Aqui, especialistas do assunto esclarecem às principais dúvidas sobre o assunto.

1- Quais os principais riscos das próteses de silicone?

Próteses de material inadequado ou mesmo de tamanho muito reduzido (inferiores a 165ml) são passíveis de serem rejeitadas pelo organismo e costumavam ser as principais causas dos problemas relacionados ao implante. “Durante a década de 70 e durante muito tempo, as próteses eram fabricadas com silicone líquido e revestidas por uma camada de silicone liso. Entretanto, esse tipo de prótese tende a formar ao seu redor uma cápsula dura e dolorosa que, às vezes, pode deformar as mamas, levando à necessidade de manobras freqüentes e dolorosas, que nem sempre resultavam em êxito”, explica o médico carioca José de Gervais, titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

2- Que outros riscos oferecem as próteses antigas, de silicone líquido?

De acordo com José de Gervais, além dessas próteses atuarem de maneira instável dentro do corpo, durante muito tempo previa-se sua colocação sob o músculo grande peitoral, visando a prevenção do rompimento do invólucro e o extravazamento do material. “Conseqüentemente, essa técnica resultava num efeito artificial. Os seios ficavam com o tamanho inferior ao esperado e não havia garantias de uma não reincidência do endurecimento.” O ideal, para quem ainda usa uma prótese de silicone líquido, as chamadas próteses lisas, é fazer a substituição por outra, mais moderna.

Antes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 24 AnosAntes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 24 AnosAntes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 24 Anos
Após o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 24 Anos Após o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 24 AnosApós o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 24 Anos
Paciente: 24 anos

3 – Quais as vantagens das próteses atuais?

Atualmente, as próteses utilizadas em implantes mamários são fabricadas para permanecer dentro do corpo por longos períodos. Elas são revestidas de poliuretano, material que consegue isolar eficientemente a prótese e evitar a ocorrência de contratura ou a chamada retração. “Os riscos de extravazamento do silicone do interior da prótese também foram eliminados, porque ele deixou de ser fluido para ser utilizado na forma de gel”, ressalta o cirurgião plástico carioca Hernani Medina, especialista em próteses e medicina estética.

O silicone recebeu tratamento especial, fazendo aumentar a sua adesividade. Em outras palavras, foi criado um sistema de atração de moléculas, fazendo com que o material do implante se auto-atraia constantemente, fazendo com que o gel se mantenha coeso em caso de rompimento acidental. Assim, as moléculas de silicone tornam-se incapazes de se espalhar pelo organismo, mantendo-se retidas no interior do elastômero (nome dado ao revestimento externo).

4- Em que casos é preciso realizar uma troca de prótese?

De acordo com o médico Hernani, mulheres que no passado receberam próteses lisas podem ter sofrido algum tipo de contratura em graus diferenciados com o passar do tempo, sendo necessário realizar a troca de prótese ou a retirada definitiva das mesmas. “O endurecimento das mamas por culpa do encapsulamento é avaliado em quatro níveis, sendo que no último deles, quando se verifica dor, deformação da mama e fibrose acentuada, a retirada ou a troca da prótese é uma exigência de saúde.”

5- Próteses de silicone, mesmo as mais modernas, podem provocar câncer de mama a longo prazo?

De acordo com o cirurgião plástico paulistano Marco Flávio Mastrandonakis, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e do corpo clínico do hospital Albert Einstein, as próteses de última geração estão totalmente isentas do risco de provocar o câncer de mama. “Ao contrário, estudos recentes demonstraram que mulheres portadoras de próteses desenvolvem anticorpos poderosos na região da mama, capazes de impedir a formação e disseminação de células cancerígenas, uma vez que a imunidade local torna-se ainda mais eficiente”, explica. “Além disso, as mulheres que usam próteses ficam mais atentas às alterações observadas nos seios.”

Antes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 34 AnosAntes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 34 AnosAntes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 34 Anos
Após o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 34 AnosApós o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 34 AnosApós o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 34 Anos
Paciente: 34 anos

6- Quais os cuidados básicos que uma mulher deve ter com suas próteses?

O cirurgião Marco Flávio Mastrandonakis adverte que apesar da segurança do implante há a necessidade de controle anual. “O teste de integridade das próteses é feito através de ressonância magnética ou ultra-sonografia e o resultado é absolutamente seguro. Do ponto de vista financeiro, é mais compensador para a paciente gastar com exames uma vez ao ano, do que realizar uma troca desnecessária de prótese antes do tempo”, afirma o médico. Finalmente, ele recomenda o uso de próteses de, no mínimo, 200 mililitros de silicone. “Próteses acima deste tamanho dificilmente serão rejeitadas pelo corpo da paciente, tornando os casos de contratura muito mais difíceis.”

7- Em que casos as próteses atuais precisarão ser trocadas no futuro?

Graças aos avanços tecnológicos, os especialistas acreditam que a troca da prótese, no futuro, se dará muito mais pela necessidade de correção de flacidez da pele e a conseqüente queda na posição dos seios do que por deformidades ou doenças provocadas pela prótese em si. Teoricamente, uma prótese atual pode ficar no corpo de uma mulher por mais de uma década, sem nenhum problema. De acordo com o médico José de Gervais, em caso de flacidez e perda da elasticidade da pele, pode ser necessária uma cirurgia reparadora e o realinhamento das auréolas. Neste caso, porém, a troca da prótese pode ou não ser efetuada, dependendo de seu estado e o gosto da paciente. “As mulheres mais maduras se beneficiam de novas próteses, enquanto as mais jovens dificilmente sentirão a necessidade de alterações antes de completar 10 anos de uso.”

Antes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 27 AnosAntes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 27 AnosAntes do Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 27 Anos
Após o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 27 AnosApós o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 27 AnosApós o Implante da Prótese Mamária de Silicone em Paciente de 27 Anos
Paciente: 27 anos

Dalila Magarian

Há algum efeito colateral no implante de silicone na mama? Ele pode ser retirado?

Todo corpo estranho introduzido no organismo forma uma cápsula fibrosa que o envolve, como um envelope.

Esta cápsula, quando do implante de silicone de mama, por exemplo, habitualmente se contrai, diminuindo de volume e apertando a prótese. Esta contração pode ser mínima, leve, média e grave, causando deformação estética da mama, que fica com formato esférico e pode provocar dor local.

Suspeitava-se que o implante de silicone na mama causasse câncer ou doenças reumáticas. No entanto, não há nenhuma comprovação médica a respeito.

O implante de silicone de mama não só pode ser retirado facilmente como deve ser trocado, em média, a cada oito anos, pois, com o tempo, ele se desgasta e rompe. Há ainda o silicone líquido, injetável, que é absolutamente proibido e tem seu uso contra-indicado.

Além de ser absorvido pelo organismo, ele pode mudar de lugar, causando grandes deformidades. O problema se torna ainda mais grave porque o silicone líquido infiltra-se nos tecidos orgânicos e é impossível removê-lo.

Marcus Castro Ferreira

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal