Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Crase - Página 4  Voltar

Crase



Que é Crase

Observe o que acontece quando pronunciamos as palavras "casa amarela": o "a" final de "casa" e o "a" inicial de "amarela" contraem-se, e as duas palavras soam como uma só / casaamarela/.

Essa contração denomina-se de "crase".

O mesmo acontece com:

este estudo: /estestudo/ ou /estistudo/

guri impossível: /gurimpossível/

todo ondulado: /todondulado/ ou /todundulado/

Crase é, pois, a contração de duas vogais idênticas

Observe agora as frases

  1. Dirijo-me a a sala.
  2. Dirijo-me a aquela sala.
  3. Aquela é a sala a a qual me dirijo.
  4. Esta sala é idêntica a a do prédio 7.

em 1., 2. e 3., o verbo "dirigir" requer a preposição "a": quem se dirige se dirige a algum lugar;

em 1., a palavra "sala" aceita o artigo "a": A sala é ampla;

em 2., a palavra "aquela" inicia com "a";

em 3., o pronome relativo é "a qual", "as quais", sempre acompanhado pela partícula "a".

em 4., o adjetivo "idêntico" requer a preposição "a": uma coisa é idêntica a outra. O segundo "a" é o pronome demonstrativo "a", equivalente a "aquela".

Nesses casos, também ocorre a contração de duas vogais: a + a. A contração é sinalizada pelo acento grave (`).

Por isso as frases devem ser reescritas assim:

  1. Dirijo-me à sala.
  2. Dirijo-me àquela sala.
  3. Aquela é a sala à qual me dirijo.
  4. Esta sala é idêntica à do prédio 7.

Os casos de crase assinalada na escrita com acento grave são, pois, os seguintes:

preposição "a" + artigo feminino "a(s)": "à(s)";

preposição "a" + "a" do pronome demonstrativo
"àquele(s), "àquela(s)" e "àquilo";
"aquele(s)", "aquela(s)" e "aquilo":

Preposição "a" + o "a(s)" de "a qual", "as quais": "à qual", "às quais";

preposição "a" + "a(s)" (= pronome demonstrativo = "aquela(s)"): "às".

Vamos analisar cada uma dessas quatro situações.

Crase: contração da preposição "a" + artigo feminino "a(s)".

Correta utilização do acento indicativo de crase é uma questão de análise do enunciado. Trata-se de averiguar se ocorre a preposição "a" e o artigo feminino "a(s)", antes, evidentemente, de uma palavra feminina.

2.1 A ocorrência da preposição "a"

Todo falante da língua reconhece, normalmente, a ocorrência (ou não) da preposição "a" nos enunciados, exigida por certos substantivos, adjetivos, advérbios e verbos.

2.1.1 A preposição "a" exigida por substantivos e adjetivos

Substantivos e Adjetivos Pergunta que o falante pode fazer Exemplo
Atento Quem é atento é atento a ... Atento à aula.
Contrário Quem é contrário é contrário a ... Contrário à guerra.
Devoção Quem tem devoção tem devoção a ... Devoção à santa.
Anterior Algo é anterior a ... Anterior à invenção da escrita.
Desfavorável Quem é desfavorável é desfavorável a ... Desfavorável à doação.
Grato Quem é grato é grato a ... Grato à comunidade.
Indêntico Quem é idêntico é idêntico a ... Idêntico à irmã.
Nocivo Algo é nocivo a ... Nocivo à saúde.
Próximo Algo é próximo a ... Próximo à sala.
Horror Quem tem horror tem horror a ... Horror à guerra do Iraque.
Indiferente Quem é indiferente é indiferente a ... Indiferente à guerra do Iraque.
Obediente Quem é obediente é obediente a ... Obediente à lei.
Necessário Algo é necessário a ... Necessário à escola.
Posterior Algo é posterior a ... Posterior à invenção da escrita.

2.1.2 A preposição "a" exigida por verbos

Verbos Pergunta que o falante pode se fazer Exemplo
Aspirar (=desejar; regência tradicional) Quem aspira aspira a ... Aspirar à meta.
Assistir (=presenciar; regência tradicional) Quem assiste assiste a ... Assistir à cena.
Perdoar Quem perdoa perdoa alguma coisa a alguém ... Perdoar a falta à criança.
Obedecer (regência tradicional) Quem obedece obedece a ... Obedecer à lei.
Visar (= ter em mente; regência tradicional) Quem visa visa a ... Visar à meta.

Além de analisar a ocorrência ou não da preposição "a", deve-se observar se a palavra é feminina e se admite o artigo "a".

2.2 Ocorrência do artigo feminino "a(s)"

Todo falante tem competência para saber se a palavra feminina aceita ou não o artigo "a(s)".

Faça seu teste, colocando ou não o artigo antes das palavras:

  1. ____ Maria Santíssima
  2. ____ Atenas
  3. ____ Curitiba
  4. ____ Roma
  5. ____ Copacabana
  6. ____ Bahia
  7. ____ Roma Imperial
  8. ____ Atenas de Péricles
  9. ____ Vossa Senhoria
  10. ____ Vossa Excelência
  11. ____ Ela

Você constata facilmente que apenas os itens 6., 7. e 8. admitem artigo: basta elaborar uma frase com os referidos itens:

6. A Bahia é um estado próspero.
7. A Roma Imperial foi ...
8. A Atenas de Péricles foi ...

2.3 Conclusão

Como dissemos há pouco, o correto emprego do acento indicativo de crase depende da análise do enunciado: trata-se de observar

  1. se ocorre a preposição "a";
  2. se a palavra é feminina;
  3. se a palavra feminina aceita o artigo "a(s)".

Dada, por exemplo, a frase:

"Vou a Brasíla."

Trata-se de analisar se

ocorre a preposição. Para tanto, faça o seguinte raciocínio: quem vai vai a algum lugar, assim você observa a presença da preposição "a";

a palavra é feminina;

a palavra admite artigo "a'. Faça uma outra frase e comprove: "Brasília é muito linda" e não "A Brasília é muito linda". Assim você conclui que a palavra feminina não admite artigo.

Conclusão

Não ocorrem dois "ás" no enunciado, mas apenas um, que é a preposição "a". Portanto,sem acento indicativo de crase.

A não-ocorrência de um dos "ás" pode ser sinalizada mediante a seguinte visualização:

Vou a Ø Brasília

Em que o símbolo Ø indica a inexistência do artigo "a".

Siga o mesmo raciocínio para os exemplos a seguir:

Verbo Ocorre preposição? Ocorre artigo? Palavra feminina Resultado
Irei
a a Bahia Irei à Bahia.
Irei
a Ø Belém Irei a Belém.
Vou     Brasília  
Vou
    Fortaleza  
Dirijo-me
    Santa Catarina  
Dirijo-me
    Florianópolis  
Vou
    São Paulo  
Vou
    Santos  
Fui
    Itu  
Vou
    Maceó  
Vou
    China  
Irei
    Alemanha  
Irei
    Portugal  
Irei
    Roma  

Você deve ter concluído que ocorre a crase antes de "Bahia", "China" e "Alemanha"

Se você analisar o enunciado e raciocinar, a maioria das regras torna-se dispensável; ou você mesmo pode formulá-los.

Observe o conjunto de exemplos abaixo:

Cláudia ficou a ver navios: Cláudia ficoi a Ø ver navios.

Continuamos a respirar ar impuro: Continuamos a Ø respirar ar impuro.

Estamos dispostos a resolver seu problema: Estamos dispostos a Ø resolver seu problema.

Como você pode constatar, não há acento indicativo de crase, porque ocorre apenas um "a", que é a preposição, uma vez que os verbos não admitem artigo, fato assinalado pelo símbolo Ø.

Regra: Não ocorre acento indicativo de crase antes de verbos, pois não admitem artigo

Refiro-me a ti: Refiro-me a Ø ti.

Dirigi-me a ela: Dirigi-me a Ø ela.

Apresento-o a você: Apresento-o a Ø você.

Venha a nós o Vosso Reino: Venha a Ø nós o Vosso Reino.

Respondo a Vossa Senhoria: Respondo a Ø Vossa Senhoria.

Não me referi a esta carta: Não me referi a Ø esta carta.

Direi a qualquer pessoa: Direi a Ø qualquer pessoa.

Refiro-me a uma pessoa educada: Refiro-me a Ø uma pessoa educada.

Regra: Não ocorre acento indicativo de crase antes de pronomes pessoais, demontrativos, indefinidos, e expressões de tratamento, pois não admitem artigo. O "a", nos exemplos acima, é meramente preposição, exigida pelos verbos, conforme sinalização. <>

Não assisto a cenas de guerra: Não assisto a Ø cenas de guerra.

Entregou-se a férteis cogitações: Entregou-se a Ø férteis cogitações.

Não prestaram atenção a verdades preciosas: Não prestaram atenção a Ø verdades preciosas.

Regra: Não ocorre acento indicativo de crase quando o "a" estiver no singular e a palavra feminina seguinte estiver no plural: o "a" é apenas preposição, exigida pelas palavras que vêm antes, conforme sinalização.

Diferente seria a situação seguinte:

Não assito às cenas de guerra: Não assisto a + as cenas de guerra.

Entregou-se às férteis cogitações: Entregou-se a + as férteis cogitações.

Não prestaram atenção às verdades preciosas: Não prestaram atenção a + as verdades preciosas.

Em que temos a preposição "a" + o artigo "as", conforme indicação:

Andar a cavalo: Andar a Ø cavalo.

Vir a pé: Vir a Ø pé.

Vender a prazo: Vender a Ø prazo.

Regra: Não ocorre acento indicativo de crase antes de palavras masculinas, pois não admitem artigo "a". O "a" dos exemplos é meramente uma preposição.

Observe

Cláudia é estudiosa.
A Cláudia é estudiosa.

Débora é aplicada.
A Débora é aplicada.

Júlia é assídua.
A Júlia é assídua.

Como podemos constatar, é facultativo o uso do artigo antes de nomes próprios femininos.

Então, podemos escrever as frases abaixo da seguinte forma:

Refiro-me à Cláudia.

Respondo à Débora.

Dirijo-me à Júlia.

ou

Refiro-me a Cláudia.

Respondo a Débora.

Dirijo-me a Júlia.

que têm os seguintes desdobramentos:

Para o primeiro conjunto:

Refiro-me a a Cláudia.

Respondo a a Débora.

Dirijo-me a a Júlia.

Para o primeiro conjunto:

Refiro-me a Ø Cláudia.

Respondo a Ø Débora.

Dirijo-me a Ø Júlia.

Regra: É facultativo o emprego do acento indicativo de crase antes de nomes próprios femininos, porque é facultativo o uso do artigo.

Observe:

Minha tia é generosa.
A minha tia é generosa.

Nossa prima é rica.
A nossa prima é rica.

Tua mãe é bondosa
A tua mãe é bondosa.

Como podemos constatar, é facultativo o uso de artigo antes de pronomes possessivos no singular.

Por isso podemos escrever assim:

Apresentei-o a minha tia.
Apresentei-o à minha tia.

Dirigi a palavra à nossa prima.
Dirigi a palavra a nossa prima.

Refiro-me à tua mãe.
Refiro-me a tua mãe.

Regra: É facultativo o emprego do acento indicativo de crase antes de pronomes possessivos no feminino singular, porque é facultativo o uso do artigo.

Voltamos a insistir na importância de se analisar o enunciado, observando

se ocorre a preposição "a";

se a palavra é feminina;

se a palavra feminina aceita o artigo "a(s)".

Assim, dada a frase:

Levei uma rosa a professora.

Observe que

ocorre a preposição: quem leva leva algo a alguém

"professora" é palavra feminina

"professora" aceita o artigo "a"; basta fazer outra frase para observar: Aprofessora é delicada

Portanto, a frase acima deve ter acento:

Levei uma rosa à professora.

Faça agora seu teste: analise os enunciados, raciocine e coloque acento indicativo de crase se for o caso:
  1. Fez um pedido a mãe.
  2. Emprestou um livro a colega.
  3. Entregou o trabalho a professoara.
  4. Enviou uma reclamação a companhia.
  5. Dedicou-se a literatura infantil.
  6. Estava disposto a colaborar.
  7. Refiro-me a uma pessoa educada.
  8. Refiro-me a esta carta.
  9. Refiro-me a certa pessoa.
  10. Nada revelou a elas.
  11. Mostrou-se submisso a decisões equivocadas.
  12. Mostrou-se submisso as decisões equivocadas.
  13. Nunca ia a festas, nem a reuniões.
  14. Nas próximas férias ireia a Lisboa.
  15. Todos deverão comparecer a reunião.

3. Crase: contração da preposição "a" + o primeiro "a" de "aquele(s)", "aqulela(s)" e "aquilo".

Dada uma frase com esses pronomes, trata-se de analisar se também ocorre a preposição "a"

Observe:

Refiro-me aquilo

Quem se refere se refere "a": portanto, ocorre a preposição "a", que vai se contrair com o "a" de "aquilo". Logo, marcam os a contração com acento indicativo de crase:

Refiro-me àquilo

Dada outra frase:

Resolvi aquele problema

Observa-se que o verbo "resolver" não exige preposição: quem resolve resolve algo. Logo, não há acento na frase:

Resolvi aquele problema

Faça um teste: analise os enunciados, raciocine e colque acento indicativo de crase quando necessário.

  1. Quero agradecer aquela moça a atenção dispensada.
  2. Fale aquela professora.
  3. Refiro-me aquele senhor.
  4. Telegrafei aquela senhora.
  5. Refiro-me aquilo.
  6. Não dei importância aquilo.
  7. Foi ele quem escreveu aquela carta.
  8. Dedicava aquela família grande afeição.
  9. A rua é paralela aquela que leva a praia.

Crase: contração da preposição "a" + o "a(s)" de "a qual", "as quais".

Na frase

A cena à qual aludiste foi desagradável

Ocorre acento indicativo de crase, pois:

ocorre a preposição "a", exigida, nesse tipo de estrutura, por uma palavra que vem depois, no caso aludiste: quem alude alude "a";

o pronome é "a qual", com a partícula "a" integrando o pronome.

Veja melhor:

A cena a* a** qual aludiste foi desagradável.

* Preposição exigida por "aludiste".
** Pronome relativo com a partícula "a" integrando o pronome.

Portanto, contraem-se os dois "ás", contração sinalizada pelo acento grave:
A cena à qual aludiste foi desagradável.

Observe mais os seguintes exemplos:

São normas a as quais todos devem obedecer.
São normas às quais todos devem obedecer.

Esta foi a conclusão a a qual chegamos.
Esta foi a conclusão à qual chegamos.

Esta é a carreira a a qual aspiro.
Esta é a carreira à qual aspiro.

As sessões a as quais assisti estavam lotadas.
As sessões às quais assisti estavam lotadas.

Observação:

Só o pronome relativo "a qual" tem a partícula "a" integrando-o. Os pronomes "que" e "quem" não se fazem acompanhar por essa partícula.

Atente, pois, para a grafia nas frases:

Esta é a peça à qual assisti.
Esta é a peça a que assisti.

Esta é a empresa à qual me dedico.
Esta é a empresa a que me dedico.

Esta é a conclusão à qual cheguei.
Esta é a conclusão a que cheguei.

Esta é a cena à qual aludi.
Esta é a cena a que aludi.

Esta é a ordem à qual obedeço.
Esta é a ordem a que obedeço.

Esta é a mulher à qual me referi.
Esta é a mulher a quem me referi.
Esta é a mulher a que me referi.

5. Crase: contração da preposição "a" + o pronome demontrativo "a(s)", que equivale a "aquela(s)"

Na frase a seguir:

Minha sorte é ligada à do meu país.

o "a" deve ser sinalizado com acento grave, porque é resultante da contração da preposição "a" (uma coisa é ligada "a" outra) + o pronome demonstrativo "a", equivalente a "aquela". Veja a demonstração:

Minha sorte é ligada à do meu país.

equivale à frase

Minha sorte é ligada a (preposição) aquela (pronome demonstrativo) do meu país.

que corresponde à frase

Minha sorte é ligada a (preposição) a (pronome demonstrativo "a") do meu país.

em que deve ocorrer a contração dos dois "ás", sinalizada pelo acento grave.

Siga o modelo e compare.

Modelo:

As frase são semelhantes a as de antes.

As frases são semelhantes a aquelas de antes.

As frases são semelhantes às de antes.

  1. A rua é tranversal a a que vai dar no colégio.
  2. Suas lutas se comparam a as de Bolívar.
  3. Suas respostas são superiores a as dele.

Saiba Mais

  1. De ... a
    De ... à

Quando se fizer referência a dois elementos (substantivos ou numerais) ligados por "de ... a", não ocorrerá acento grave antes do segundo elemento:

De segunda a sábado .....
De hoje a domingo ....
De 1 a 5 ......
De 1ª a 4ª série .....

No entanto, quando se define o primeiro elemento mediante o emprego de "do" / "da", o segundo inicia com "à" (ou "ao"). É uma questão de paralelismo.

Exemplos:

As turmas da 1ª à quarta série foram convidadas.
Estivemos fora do ar da meia-noite às duas da manhã.
A sala ficará aberta desta terça à sexta-feira.

2. Substantivo feminino de uso indeterminado.

Não se emprega acento indicativo de crase diante de substantivo feminino usado em sentido geral, indeterminado, porque, nesse caso, não ocorre o artigo definido "a(s)".

Exemplos:

Ele tem aversão a mulher (...a mulher em geral)
Crédito sujeito a aprovação.
Paciente submetido a intervenção cirúrgica.
Presidente responde a denúncia hoje.
Denúncia pode levar o presidente a condenação.

As frases podem ser reescritas assim:

Ele tem aversão a (uma) mulher (qualquer).
Crédito sujeito a (uma) aprovação (qualquer).
Paciente submetido a (uma) intervenção cirúrgica (qualquer).
Presidente responde a (uma) denúncia (qualquer) hoje.
Denúncia pode levar o presidente a (uma) condenação (qualquer).
Se, no entanto, a expressão vier determinada, ocorrerá acento indicativo de crase.

Observe:

Ele tem aversão a mulher.
(Ele tem aversão a (uma) mulher (qualquer).

Ele tem aversão à mulher de João.
(É uma mulher determinada, definida).

Tráfico em frente a escola.
(Tráfico em frente a (uma) escola (qualquer).

Tráfico em frente à escola Clementina.
(É uma escola determinada, definida).

3. A palavra "terra"

3.1 "Terra", significando planeta, é substantivo próprio e admite artigo. Conseqüentemente, quando houver também a preposição, ocorrerá o fenômeno da crase:

Os astronautas voltaram à Terra.

3.2 Diante de "terra", significando "chão firme", "solo", sem especificação, não ocorre acento grave:

Os marinheiros voltaram a terra.

3.3 Diante de "terra", significando "chão firme", "solo", com especificação, ocorre acento;

Irei à terra de meus pais.

4.Expressões adverbiais

4.1 Masculinas

Não se emprega acento grave com expressões adverbiais masculinas.

Exemplos:

Matou a sangue-frio.
Navio a vapor.
Ando a pé.
Ando a cavalo.
Carro a gás.
Escrever a lápis.
Vendas a prazo.

4.2 Femininas

É de tradição acentuar-se a "a" nas locuções femininas.

Exemplos:

Bater à máquina.
Escrever à mão.
Trancar à chave.
Colocar à venda.
Venda à vista.
Cortar à espada.

Justifica-se o acento indicativo da crase por motivo de clareza. Compare:
Cortei a espada (A espada foi cortada).
Cortei à espada (Cortei com a espada).

Pagou a prestação (A prestação foi paga).
Pagou à prestação (Pagou em prestação).

5. A palavra "distância"

Se a palavra "distância" estiver determinada, especificada, o "a" deve ser acentuado.

Observe:

A cidade fica à distância de 70 km daqui (determinada).
A cidade fica a grande distância daqui (não-determinada).
A rigor, não se usa acento grave nestas locuções adverbiais:
Estudar a distância.
Ensino a distância.
Escrever a distância.
Curar a distância.
Fotografar a distância.
Por motivo de clareza, no entanto, pode-se usar acento. Por isso;
Estudar à distância.
Ensino à distância.

Fonte: www.pucrs.br

Crase

Abreviaturas: Como abreviar palavras?

A crase. S.f. 1. Gram. Contração ou fusão de duas vogais em uma só: à (aa); ler (leer); dor (door). 2. Restr. A contração de dois aa.

Designação vulgar do acento indicativo de certos casos de crase: Em vou à praia, o a deve ter crase. (...) Novo dicionário básico da língua portuguesa - Aurélio Buarque de Holanda Ferreira

De forma genérica, podemos dizer que a crase se caracteriza pela junção da preposição (a) com o artigo (a) ou um pronome demonstrativo (a, aquele, aquela). Simples, não? Talvez nem tanto... Esta página se propõe a mostrar como as aulas no ginásio acabam sendo soterradas pelos vícios que adquirimos no dia-a-dia. Uma delas é chamar o acento grave de crase, sendo que a crase é a contração e o acento grave é o sinal que evidencia a existência da crase (notem que até o Aurélio erra...). Mas um erro que está se tornando epidemia é o uso de acento grave em situações que não o justificam.

Abaixo são listadas algumas frases encontradas no cotidiano em que usou-se o acento grave.

Você saberia dizer quantas frases estão corretas?

Entregamos à domicílio.

Vendas à prazo com planos especiais.

15 sabores à escolher.

Prestações à perder de vista.

Trajes à rigor.

Preços à vista com 10% de desconto.

Atendemos de segunda à sexta.

Ótima localização, à 10 minutos do metrô.

Lindos bordados feitos à mão.

Diariamente até às 18:00.

Conjuntos infantis à partir de R$ 15,00.

Fácil? Então, quantas das frases acima estão corretas?

Entregamos à domicílio

É fácil ver que Domicílio, enquanto substantivo masculino, não pode ter um artigo feminino a, e portanto não leva acento grave. Quero aqui ressaltar um outro erro: o verbo entregar significa levar alguma coisa a alguém em algum lugar. Nesse contexto, domicílio não é o objeto indireto (a alguém) e sim o adjunto adverbial de lugar. Portando não entregamos a Domicílio, e sim no domicílio.

Vendas à prazo

É fácil ver que prazo, enquanto substantivo masculino, não pode ter um artigo feminino a, e portanto não leva acento grave. Para formação de crase com um substantivo masculino, só com o uso do pronome aquele, mas no caso de artigo, como pede o artigo o, ficaria vendas ao prazo.

à escolher

Escolher é um verbo e como tal não pede artigo, a não ser que esteja na sua forma substantivada. Mas nesse caso, um verbo substantivado sempre vai para o masculino, e portanto pediria artigo o. O escolher é uma árdua tarefa.

à perder de vista

Perder é um verbo e como tal não pede artigo, a não ser que esteja na sua forma substantivada. Mas nesse caso, um verbo substantivado sempre vai para o masculino, e portanto pediria artigo o.

Trajes à rigor

Rigor é um substantivo masculino e, portanto, não pode ter uma artigo feminino.

à vista

Este é de longe o erro mais comum e mais cometido no uso do acento grave. Soa bastante natural o acento em vendas à vista. Porém é simples perceber que seu uso é incorreto. Basta fazer a substituição da palavra vista por um substantivo masculino, que no caso o mais prático é a palavra prazo, por ter um uso bastante similar. Como não dizemos vendas ao prazo, também não diremos vendas à vista, certo? Há porém que se notar um caso em que utiliza-se o acento grave: quando vista é usado no sentido de ver, enxergar, como em terra à vista.

de segunda à sexta

Podemos nesse caso notar que segunda está sem artigo (de -> da) e portando Sexta também deve estar sem artigo por uma questão de coerência. Podemos também fazer o teste substituindo por um substantivo masculino: ... de segunda a sábado.. Como não falamos ao sábado, não colocamos crase em a sexta. Fácil, não?

à 10 minutos

Numerais, em geral, não levam artigos definidos. Podemos, ao invés disso, apor um artigo indefinido: a uns 10 minutos, que nos provará que 10 minutos é masculino. Por outro lado, o acento grave poderia estar ligado a um substantivo feminino oculto (distância, por exemplo). Porém minuto não é medida de distância, e sim de tempo, portanto não faz sentido falar-se em à distância de 10 minutos.

à mão

Temos aqui um substantivo feminino e, portanto, vamos tentar substituí-lo por um masculino. Podemos traçar uma equivalência de feito a mão com ir a pé. Como não falamos ir ao pé, não diremos feito à mão.

até às 18:00

Aqui já temos uma preposição (até), cuja função é limitar a continuidade da ação. Portanto não cabe aqui o uso de mais uma preposição (a) e com isso não haverá formação da crase.

à partir de

Partir é um verbo e como tal não pede artigo, a não ser que esteja na sua forma substantivada. Mas nesse caso, um verbo substantivado sempre vai para o masculino, e portanto pediria artigo o.

Grave - acento

1) "Aí, Guilherme Augusto foi visitar Dona Antônia e deu à ela, uma por uma, cada coisa de sua cesta." Onde está o erro?

Resposta: o erro está em "à ela" com acento grave. Antes de pronome, a letra "a" é apenas preposição, nela não há artigo. Apenas substantivos admitem artigo. Se o pronome estivesse no masculino "a ele", não aconteceria "ao ele", portanto em "a ela" não há dois ás.

2) A previsão é de arrecadação igual ou superior a deste ano." (Frase de jornal.)

Resposta: faltou acento grave em "a deste ano", pois o substantivo feminino "arrecadação" foi omitido: (A previsão é de arrecadação igual ou superior à arrecadação deste ano.) Substituamos "arrecadação" por "lucro": A previsão é de lucro igual ou superior ao (lucro) deste ano. Se ocorrer "ao" em palavra masculino, o acento grave é obrigatório no feminino "à".

MAIS UMA SOBRE CRASE

As regras sobre a crase são várias e devemos aprendê-las aos poucos. Uma delas é que não ocorre crase em locuções formadas por duas palavras repetidas, mesmo estando no feminino: face a face, cara a cara, frente a frente, terra a terra, porta a porta e outras locuções.

A HORA E A VEZ DA CRASE

A crase é um tema difícil mas algumas regras imutáveis ajudam-nos a não errar mais. Uma delas: antes de numeral que indica hora sempre se usa crase. Os exemplos são pontuais: vou chegar às duas da tarde, ou à uma da madrugada, ou às oito da noite, ou às 23 horas, ou à meia-noite, ou à zero hora, mesmo sendo zero uma palavra masculina.

A CRASE E A CRISE

A crase está sempre em crise. Às vezes não craseamos o a e deveríamos fazê-lo. Mas às vezes craseamos... e não deveríamos fazê-lo. Três exemplos de não-uso da crase: Creusa gosta de andar a cavalo; Creusa comprou um carro a prazo; Creusa ficou a pé. Nos três casos o a não é craseado. Porque antes de palavra masculina (carro, cavalo e pé) o a é apenas preposição, e o à é a contração, a união entre a preposição e o artigo feminino.

Pé atrás

"Clinton pede perdão a formiga.". A frase saiu nas Dicas da semana passada . Os leitores ficaram com o pé atrás. "Cadê a crase ?" , perguntaram . Não há crase.

Dúvida? Recorra ao macete. Substitua a palavra feminina por uma masculina. Mosquito, por exemplo: Clinton pede perdão a mosquito. Na troca, aparece só a .

É que formiga e mosquito estão usados de forma genérica. Não se trata de uma formiga determinada. Nem de um mosquito definido. Por isso, nada de artigo.

Compare: Clinton pediu perdão à formiga da fábula. Aí, não é qualquer formiga. Mas a formiga conhecida. Daí a crase. Fazendo o troca-troca por um machinho, teremos ao : Clinton pediu perdão ao mosquito de Walt Disney. É isso. Se na substituição der ao, sinal de crase. Caso contrário, nada feito.

Fonte: www.ufv.br

voltar 12345678avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal