Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Romênia  Voltar

Romênia

 

Antiga Dácia

Primeiro século aC. BC, líder Dacian é um estado no oeste da Romênia hoje. Torna-se uma ameaça para o Império Romano e conquistou o território pelo imperador Trajano entre 101 e 106 dC. BC Ele estabeleceu uma guarnição romana grande, composta por tropas de elite, e trouxe muitos colonos para romanizar e explorar a grande riqueza da Dacia.

Essa ocupação deixou muitos vestígios da arquitetura, a língua, provérbios e contos populares.

O país vai permanecer até Roman 271, quando Aureliano, assediado pelos godos, cede e retira. Segue uma regra dos hunos até 453. Mais tarde, foi a vez dos mongóis, húngaros e turcos para aproveitar as províncias moldavo, Vlach e Transilvânia.

Romênia

Entre o Império Otomano e do Império Austríaco

Depois de tomar Constantinopla, em 1453, a ameaça otomana da Valáquia e Moldávia, moldavos, que deve ao mesmo tempo proteger as suas fronteiras do norte contra a Polônia, que geram contra os turcos anexaram a zona costeira do Mar Negro.

Na época do Império Otomano, as províncias romenas desfrutou de uma autonomia muito maior do que outras regiões sob o domínio turco.

O fracasso do cerco de Viena pelos turcos, em 1683, marcou o início do refluxo do Império Otomano. Em 1699, os austríacos conquistaram a Hungria ea Transilvânia. Lá eles forçam as pessoas a Ortodoxa Romena converter ao catolicismo.

Em 1718, os austríacos aproveitaram a Banat e Bucovina invadido em 1775. Enquanto isso, na Valáquia e Moldávia, Ilhas Turks fortalecer seu poder. Os hospodars (membros de famílias gregas de Constantinopla) nomeados pelo ralo sultão pesado sobre os recursos das duas regiões e revoltas muitos estourou.

Nas cidades, a idéia de sentimento nacional começa a fazer o seu caminho.

Entre czar e Sultan

A partir de meados do século XVIII, a rivalidade russo-turca é exacerbada. Transformado em um poder real Europeu por Pedro, o Grande, a Rússia parece cada vez mais para as margens do Mar Negro.

Depois de mais uma guerra em 1806, a Rússia obteve o Tratado de Bucareste, em 1812, o ex-Boudjak (agora Bessarábia) e metade da Moldávia. Parte dos romenos passa então sob o domínio do czar até a Primeira Guerra Mundial.

Um novo acordo entre os russos e turcos foi criada em 1826. Em 1853, a Rússia invadiu novamente Moldávia e Valáquia. Apoiado desta vez pela França e pelo Reino Unido, Turquia entrou na guerra. As forças anglo-francesas assumir Sevastopol em 1855.

Assim, o fim da Guerra da Criméia. Após o Tratado de Paris em 1856, obrigando os russos a fazer as bocas do Danúbio com o Império Otomano. Foi decidido, ainda, que a região seria redefiniu seu status em uma conferência internacional.

Charles de Hohenzollern-Sigmaringen reinava príncipe proclamou, sob o nome de Carlos I (Carol I) em Maio de 1866. Romênia vassalagem vis-à-vis o Império Otomano é, portanto, considerado um anacronismo humilhante, e quando a Rússia re-entra em guerra contra os turcos (em resposta aos massacres na Bulgária), fileiras Romênia ao lado dos czares.

Em favor desse conflito, a independência da Romênia é finalmente reconhecida no Congresso de Berlim em 1878. Carlos I foi coroado Rei da Romênia em Maio de 1881. Um sistema parlamentar está instalado até 1938.

Romênia opera somente na Segunda Guerra Balcânica, em 1913, e recebeu Sul Dobrudja, tirada do Império Otomano. Na Transilvânia, os romenos lutar por simples reconhecimento de sua existência contra o Império Austro-Húngaro.

I Guerra Mundial

Em 1914, os romenos escolheram a neutralidade. Mas a morte do rei Carlos I, seu sucessor, Ferdinando I juntou-se aos Aliados, que, se ele vencer, ele promete Transilvânia. 27 de agosto de 1916, as tropas romenas entrar e tomar Brasov, na Transilvânia. Contra o poderoso-ofensiva das Potências Centrais derrotou o exército romeno, que perdeu o controle de Bucareste até o final da guerra.

Após a vitória dos Aliados em 1918, Bucovina, Transilvânia e Bessarábia estão ligados ao "Grande Romênia" que gasta um pouco mais que 7 a 18 milhões. A disputa sobre as fronteiras com a Hungria se agrava com a breve ocupação de Budapeste pela romena agosto 6, 1919.

O Tratado de Trianon (Junho de 1920) será definitivamente Transilvânia, Banat e metade de uma ampla faixa de território tomado da Hungria para a própria Romênia.

Guerra contra a URSS

Em 1940, na sequência de acordos secretos anexo ao Pacto Molotov-Ribbentrop, a URSS ocupou a Bessarábia e Bucovina do Norte.

Durante a campanha da Rússia, é ao lado dos alemães contra a União Soviética, o romeno luta armada na Ucrânia e até Stalingrado. Em agosto de 1944, quando a derrota do conceito de eixos, as tropas russas entrar na Romênia.

O armistício foi assinado em setembro de 1944 dá poderes para fazer todas as autoridades soviéticas. Em novembro de 1946, eleições, procurou pela Grã-Bretanha e os Estados Unidos da América, em geral, dar um 71% intimidante dos votos para os comunistas. Em 30 de dezembro de 1947, o rei Michael foi forçado a abdicar.

República Popular da Romênia

A República Popular foi proclamada no mesmo dia. Sob o líder do Partido Comunista, Gheorghiu-Dej, os anos cinquenta são os de coletivização excessiva e industrialização forçada. Em 1955, a Romênia aderiu ao Pacto de Varsóvia, e em 1958, confiante de seu aliado, as tropas russas se retirar do país.

Nicolae Ceausescu tornou-se chefe do PC em 1965, substituindo Gheorghiu-Dej morreu. O reembolso total da dívida, incluindo tornar o país completamente devastado. Política, chamado de "sistematização", que é padronizar a terra e criar o "novo homem socialista" revolta completa toda a população.

A revolta eclodiu em dezembro de 1989 em Timisoara. Os manifestantes se opõem transferência arbitrária de um pastor protestante de origem magiar.

Em 17 de dezembro, a polícia disparou sobre a multidão, 21, Ceausescu é vaiado durante um discurso em um comício em Bucareste. 22, declarou o estado de sítio, mas o exército recusou-se a defender e confraternizava com as pessoas. Fugindo, ele foi preso logo depois que sua esposa e disparou 25 de dezembro depois de um julgamento sumário.

Transição democrática: De Iliescu para Iliescu

A Frente de Salvação Nacional emerge, dominado pelo ex-comunista Ion Iliescu, que foi eleito presidente em maio de 1990, com 85% dos votos.

Paradoxalmente, a revolução mais dramática deu à luz a um regime de "neo-comunista" no cofre aparência.

Em Novembro de 1996, no entanto, o povo romeno escolhendo a alternância no poder e leva o candidato da oposição de direita liberal Emil Constantinescu.

Mas a transição para uma economia de mercado não é fácil para a Romênia. As dificuldades econômicas levaram 15 mil mineiros do Vale Jiu a Bucareste em caminhar em janeiro de 1999, eles afirmam que um aumento de 35% nos salários e não-fechamento das minas. Esses eventos levam à demissão do Ministro do Interior. As últimas eleições em Novembro de 2000 viu o retorno ao poder de Ion Iliescu.

A perspectiva da futura adesão da Romênia à União Europeia, no entanto, deve levar o governo romeno no caminho da democratização concluída.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Romênia

Romênia, a terra do sonho

Desde o coração dos Montes Cárpatos se desdobram, em todas as direções, impressionantes paisagens que formam Romênia, o pequeno país latino onde a vida transcorre em meio de fascinantes rumos, ambientes e lendas.

Desde suas belas praias do Mar Negro passando pelos vales de Bucovina até o impressionante espetáculo do Delta do Danúbio, uma da maiores reservas naturais da Europa e que compreende mais de 3.000 quilômetros quadrados, Romênia é na realidade de outras dimensões.

Uma viagem por Romênia constitui uma viagem ao passado, uma odisséia aos tempos da Idade Media. quando se visitam os pitorescos povoados da Região de Transilvânia, berço da lenda e mito do conde Drácula, ou de Moldavia e Bucovina, o espirito se vê surpreendido pela força da história de um passado que se faz presente.

Os famosos mosteiros com pinturas ao fresco, glória e orgulho do patrimônio romêno, são os melhores exemplos. Romênia não é só história, passado ou lenda, é também, museus de maravilhosas arquiteturas, de majestosas igrejas, de ancestrais tradições, de preciosas praias na Riviera Romêna, de célebres Spa ou Balneários onde repousar o corpo, as idéias e o espirito ou de paraísos naturais como o da zona do Delta do Danúbio, mas sobre tudo, de gentes multirraciais que fizeram da vida uma existência de perpétua celebração, uma eterna festa.

E como diz a lenda dos folhetos de Romênia, aqui se entra como turista mas se abandona o país como amigo.

Localização Geográfica

Romênia tem fronteiras ao norte com Ucrânia, ao leste com Moldavia, ao oeste com Hungria e Iugoslávia, ao sul com Bulgária e ao leste encontra-se banhada pelo Mar Negro.

O país estende-se aproximadamente 480 quilômetros de norte a sul e 640 quilômetros deste oeste, com uma superfície de 237.500 quilômetros quadrados e uma população próxima aos 23 milhões de habitantes.

A capital é Bucarest com aproximadamente dois milhões e cem mil habitantes.

São três as características da geografia de Romênia. Na parte central as montanhas estão dispostas em forma de arco, ocupando um terço da superfície total, as colinas e as mesetas representam o 33 por cento e as planícies do sul e do oeste o 36 por cento. Os bosques cobrem mais da quarta parte do país.

Romênia está atravessada pelas cadeias montanhosas dos Cárpatos, que se dividem em Orientais, Meridionais e Ocidentais, formando um círculo que rodeia a meseta de Transilvânia, delimitada ao noroeste pelos montes Apusení.

Os Cárpatos, que formam um arco montanhoso no centro do país, contornam a meseta de Transilvânia, e por outro lado, estão contornados pelos Subcárpatos inferiores que descem até transformar-se em suaves colinas para dar passo às extensas planícies. Os montes Cárpatos culminam no pico Moldoveanu com 2.543 metros.

Ao longo das fronteira com Iugoslávia e Hungria se desenvolvem planícies onde estão presentes numerosos rios como o Mures e o Crisul, enquanto que ao leste encontra-se a planície baixa de Panónica e mais ao sul, o Banato.

Ao sul, para o vale do Danúbio (que durante um tramo marca a fronteira com Bulgária) estende-se Valáquia, esteparia e árida. Entre o curso final do Danúbio e a costa do Mar Negro estende-se a pantanosa região de Dobrudja, conhecida como o Delta do Danúbio.

Os rios romênos estendem-se de forma radial desde os Cárpatos e a maior parte de suas águas é recolhida pelo poderoso Danúbio. Entre os rios principais encontra-se o Olt, Prut, Siret, Tisza, Somes e Arges.

Flora e Fauna

Romênia

Em Romênia os bosques cobrem mais da quarta parte do território enquanto que a atividade agrícola produz cereais, trigo, milho, batatas, hortaliças, frutas, beterrabas, sementes oleaginosas e tabaco (Valáquia). Em algumas zonas prevalece a vegetação de tipo estepes.

No relativo à fauna, Romênia possui uma das faunas mais ricas da Europa, graças ao fato de contar com espécies próprias da Europa Ocidental e da Europa Oriental. Entre as numerosas espécies destacam os lobos, ursos, cervos, linces, gamuzas, corsos, gamos, javalis, galos de montanha, faisões e lebres.

A preciosa zona do Delta do Danúbio, refugio e paraíso para milhares de aves migratórias e autóctones, acolhe a numerosas espécies, assim como a mais de 160 variedades de peixes como esturiones, anguilas, lucios ou carpas.

Não há que esquecer que Romênia conta com a colônia de pelicanos mais numerosa do continente. Com relação aos animais domésticos o país distingue-se pela criação de gados e de ovelhas que produzem excelente leite.

História da Romênia

Em seus princípios Romênia esteve habitada por dacios e ilirios. A partir do século VII a.C., os gregos estabeleceram colônias ao longo do Mar Negro em Mangalia, Constanta e Histria.

Decebalus foi o último rei que consolidou esta zona, mas foi incapaz de prevenir a conquista por parte do Império Romano, liderada pelo Imperador Trajano no ano 105 a.C.

No ano 271 as Legiões Romanas se retiraram e seguiram então mil anos, caracterizados por invasões esporádicas e seguidas pela presença turca. De uma maneira ou outra, os invasores passaram por encima da civilização daco-romana e o patrimônio latino ancestral de Romênia sobreviveu.

Entre os séculos IV e o século X, Romênia foi invadida por godos, ávaros, hunos, gépidos, eslavos, búlgaros, magiares e turcos. Os romênos sobreviveram em pequenas comunidades, absorvendo gradualmente a cultura eslava e dos outros grupos.

Já no século X, um fragmentado sistema feudal, controlado pela classe militar, faz sua aparição. A partir deste século, os húngaros iniciam-se sua expansão pela região de Transilvânia tanto ao norte e ao oeste dos Cárpatos e no século. XII, o território constituía uma autonomia.

Depois da devastação dos Tártaros entre os anos 1241 e 1242, o Rei Bela IV de Hungria convida aos alemães a instalarem-se em Transilvânia, para prevenir futuros ataques.

A princípios do século XIV começam a formar-se os principados autônomos de Moldavia e Valáquia, territórios que posteriormente (em o século XVI) seriam obrigados a reconhecer a soberania de Turquia e posteriormente seriam disputados por Áustria, Rússia e Turquia.

Uma sucessão de chefes nobres resistiram aos turcos, destacando-se o Príncipe Vlade Tepes e Estaban o Grande de Moldavia, quem edificou perto de 50 mosteiros e moldou a cultura moldava.

No século XVI, Miguel o Valiente une as três províncias e rechaça aos turcos. Em muitos aspectos os século XV e XVI foi uma época de ouro para a arquitetura e a arte.

Os turcos conquistam Hungria no século XVI, Transilvânia se converte em território do império otomano, conservando certa autonomia, mas pagando um tributo ao sultão. Os Habsburgo de Áustria conquistariam Transilvânia no fim do século XVII.

A autonomia de Romênia foi reconhecida no fim da guerra russa turca no ano de 1829. Moldavia e Valáquia são unificadas de forma oficial no ano de 1861, baixo o principado de A. Cuza.

A este lhe seguiria Carol I, aliado com Russia na guerra contra Turquia, logra no Congresso de Berlim o reconhecimento da plena independência do país no ano de 1877. Nela se anexava uma parte de Dobrudja, zona que seria conquistada totalmente durante a guerra contra Bulgária no ano de 1913.

A Primeira Guerra Mundial

No inicio da Primeira Guerra Mundial, Romênia permaneceu neutral, entretanto no ano de 1916 entra em guerra, ao lado das potências da Entente Gran Bretanha, França e Rússia, com o objetivo de tomar Transilvânia.

Romênia sofre a invasão por parte das tropas alemãs, mas, graças à queda do império austro-húngaro, consegue liberar-se e anexar-se Transilvânia, boa parte de Banato, Bucovina e de Besarabia, cuja possessão lhe foi reconhecida pelos tratados do Trianom e de Sévres.

Na pós guerra Romênia formou parte da Sociedade de Nações e se viu agitada pelo movimento nacionalista da Guarda de Aço, organização fundada por Codreanu em 1930. Devido à grave situação econômica surgiram correntes autoritárias: em 1938 se construiu um ministério filogermánico e racista, que com queda do rei Carol se aproximou posteriormente às potências do Eixo.

No ano de 1940, depois das diversas perdidas de território que havia sofrido Romênia, a causa da guerra, o rei Carol II se viu obrigado a abdicar em favor de seu filho Miguel.

Entretanto, subiu ao poder, posteriormente o general Antonescu, quem reforçou a ditadura militar, entrando na guerra do lado de Alemanha.

Apesar dos incipientes êxitos, Romênia no ano de 1944 foi obrigada à rendição, momento em que Antonescu foi aprissionado. Romênia, posteriormente entrou em guerra contra Alemanha no ano de 1944, e no fim do conflito e em virtude dos acordos de Yalta, se integrou na órbita soviética.

Depois da Segunda Guerra Mundial

No ano de 1946, as eleições deram a maioria ao bloco comunista e em 1947 foi proclamada a República Popular, obrigando a exilar-se a família real. A partir deste momento Romênia se integra no Pacto de Varsóvia e partir do vigésimo congresso do Partido Comunista, se decide por uma política de maior autonomia.

No ano de 1965, com a subida ao poder de Ceaucescu, inicia-se um período de maiores contatos com Ocidente, ao tempo que se adotam tímidas medidas liberalizadoras no interior. Ceasucescu foi eleito presidente da República no ano de 1974, convertendo-se no homem forte do país.

Com respeito a política exterior Ceasucescu manteve uma posição distante perante os esforços socialistas de vincular a Romênia às decisões do Pacto de Varsovia ou do Comecon. Porém, a crescente megalomania do presidente, que aumentava conforme envelhecia, foi provocando a antipatia na população.

Em 1989, os movimentos de protesto pela política contra as minorias húngaras de Transilvânia, duramente reprimidos pelo poder, provocaram uma reação a nível nacional, obrigando ao presidente e a sua família a abandonar a capital. Porém, foram detidos e julgados imediatamente por um tribunal militar, fusilando-os posteriormente. A partir daqui, Romênia entra nova e firmemente na Europa democrática.

A Frente de Salvação Nacional, surgida durante as lutas populares se articula como partido político e nas eleições do ano de 1990 triunfa amplamente confirmando a Iliescu como Chefe de Estado e a P. Romam como Chefe de Governo. Este último é substituído pelo independente Teodor Stolojan.

Em dezembro de 1991 se aprova, mediante referendo, a Constituição que institui um regime semi presidencial.

Arte e Cultura da Romênia

A Romênia atual tem estado habitada desde tempos remotos, a prova são os machados de silex encontrados na zona dos Cárpatos, entre os rios Arges e Olt e que datam de aproximadamente 600 mil anos, assim como as pinturas rupestres das grutas próximas a Cuciulat e que segundo se conta são do ano 10.000 a.C.

Arquitetura

Romênia

Se algo pode caracterizar a Romênia no relativo a sua arquitetura é a profusão de igrejas e mosteiros (muitos são construídos por Estaban o Grande).

Entre as construções mais relevante, dada sua antigüidade, destacam as pequenas igrejas dos século XI e XII de Tara Hategului e que representam admiráveis exemplos de uma arquitetura de dimensões modestas.

A Igreja de Streisangeorgiu, parece ser a mais velha construção de muralha que se conserva no país. Seu volume, de uma simplicidade perfeita, contem uma nave sobre a que se eleva uma torre campanário e um pequeno altar no que ainda se conservam fragmentos da pintura original que data do ano 1313.

As igrejas de Santamarie Orlea e a Igreja de Steri, ambas edificadas ao redor do ano 1279, apresentam umas dimensões reduzidas e distinguem-se por ter a nave separada do altar e a torre campanário, situada na entrada, é de uma clara influência românica.

Porém, é a pequena Igreja de Densu uma das construções mais interessantes do país e a que melhor representa a arquitetura de aquela época. Construída no século XIII, com a pedra extraída das ruínas da antiga capital da dacia Romana, possui umas dimensões modestas, coroadas por uma torre central.

Ainda podem ver-se fragmentos de pedras romanas esculpidas, sobretudo nas muralhas exteriores, enquanto que no interior ainda se conservam partes da pintura mural do século XV. Estes detalhes fazem com que o templo seja uma das mostras mais representativas das construções de culto bizantino.

Por outro lado, na região de Transilvânia e dado que a madeira é o principal elemento de construção, muitas das antigas edificações não sobreviveram ao passo do tempo. Porém, os templos que chegaram a nossos dias, sofreram remodelações.

Entre as igrejas de madeira mais relevantes encontram-se as de Marmures, ao longo dos vales dos rios Iza, Mara e Covsau, as igrejas de Cuhea, Leud, Sieu, Barsana, Budesti Susania ou Glod e na zona de Chosaru, as igrejas de Calinesti e Glod.

Estaban o Grande

Estaban o Grande, príncipe de Moldavia entre 1457 e 1504, junto a Miguel o Valente foram uns dos mecenas das artes mais importantes de Romênia. Sob seu patrocínio e impulso se desenvolveu em Moldavia uma atividade construtiva de grande amplitude.

Não só foram os mosteiros fortificados que constituíam um conjunto defensivo, nem as construções tão imponentes como o Castelo de Bran, perto de Brasov o que diferenciou a Estaban o Grande, e sim as mais de 30 igrejas construídas sob seu mandato o que lhe outorgou o respeito e o título de mecenas da arquitetura e a arte de Moldavia.

A Igreja de Patrauti (1487), a primeira das fundações do príncipe, anuncia o novo estilo caracterizado pelas reduzidas dimensões mas de remarcáveis proporções. O volume, abarcando segundo o modelo bizantino "pronaos" e "naos" com absides laterais e altar, é coroado por um precioso telhado alto.

Os arcos, ao sesgo, que sustentam e lançam a torre, passariam a formar parte do repertório da arquitetura de Moldavia. Outro exemplo significativo é a Igreja de Sf. Ille, perto de Suceava (1488) que apresenta as muralhas sustentadas por contrafortes maciços e um especial tratamento da fachada na que os nichos de tijolo alternam com zonas cobertas.

Porém, uma das mais interessantes construções patrocinadas por Estaban é a Igreja do mosteiro de Neamt, na que às zonas rituais se lhes acrescenta um corredor fechado e uma "gropnita", espaço entre pronaos e naos, destinado às túmulos do fundador e de sua família.

Coberto por cores policromos elegantes, este exemplo de arquitetura representa a sínteses da arte construtiva da época. Destacan, ademais, as igrejas de Vaslui (1490), Bacau (1491), Harlau (1492) ou a de Dorohoi (1495).

Cabe mencionar, por outro lado, as famosas Igrejas Pintadas no exterior como as de Arbora, Probota, Humorou Voronet, nas que, esplendidas pinturas vissem a totalidade das paredes exteriores, ilustrando cenas da bíblia.

Finalmente deve-se dizer que João de Hunedoara, que governava Transilvânia na época de João de Arco, reconstruiu o castelo de Corvin, perto de Deva, com uma arquitetura grandiosa.

As modas do Renascimento e do barroco, importadas de Áustria, foram adaptadas a uma realidade romêna, principalmente pelo governante de Valáquia o Príncipe Constantim Brancoveanuem no século XVII, quem deu seu nome ao estilo ilustrado por seu próprio palácio Brancoveanu, perto de Bucarest.

No ano de 1778 o Barão Samuel Brukentha, governador de Transilvânia começaria a construção de um palácio barroco em Sibiu, reunindo uma coleção de arte. Um século depois, o rei Carlos edificaria o Castelo de Peles em Sinaia.

Música

Os instrumentos musicais tradicionais de Romênia incluem o "cimpoi" (gaita), o "cobza" (um laúd com a forma de pêra), o "nai" (espécie de flauta de pão), diversas flautas como a ocarina, fabricada em cerâmica e a "tilinca" (particular flauta sem orifícios para os dedos). Porém, o violino é o instrumento folclórico mais popular de Romênia.

A "doina" é uma canção de amor improvisada, uma espécie de blues que incorpora temas sociais ou românticos. Em cambio, a "balada" é uma canção coletiva em onde se narram histórias de diferente conteúdos, principalmente de caracter histórico.

Nas danças populares os casais podem dançar em círculos, semi círculos ou bem, em linha. No "sirba", os homens e as mulheres dançam a ritmos rápidos em círculos muito próximos com as manos sobre os ombros da pessoa que encontra-se a seu lado.

O "hora" é outra das danças em círculos que se desenvolvem de forma muito rápida, enquanto que no "briu" ou a "dança do cinto", os dançantes formam uma fila segurando-se na cintura.

A música moderna dos ciganos tem absorvido muitas influências e é freqüente encontrar-se aos músicos profissionais tocando por qualquer lugar. É também muito comum ver aos "lautari", que não são outra coisa mais que músicos, tocando nos casamentos, aniversário, batismos ou nos funerais. A música da região de Transilvânia, onde há mais presença húngara, é muito mais solene e seria.

Gastronomia da Romênia

Para os romênos cozinhar é uma arte e é por isso que sabe fazer um delicado uso dos ingredientes, misturando com atrevimento e ingênuo para conseguir deliciosos pratos. Uma gastronomia que se volta inolvidável para quem a prova por primeira vez.

Os romênos utilizam todo o que a natureza lhes proporciona para transformar-lo em pratos que constituem verdadeiras obras de arte. A gastronomia varia de uma região a outra, mas todas têm um comum denominador: seu bom sabor e tempero.

Para começar não há nada melhor que um caldo ou uma sopa de verduras de ortigas, acederão, armuelle, dente de leão, setas, ficaria, cebola e alho. E de segundo, um prato de carne de porco, especialmente si é do que se obtém no chamado Banquete do Porco, um rito ancestral que inicia-se com a matança e sua preparação.

Se convida a todos os participantes à comida e se acompanha aos pratos com um vaso de tuica, uma aguardente de ameixa. Com o porco se preparam embutidos, morcilha (carne picada, arroz, cebola e condimentos), morcilhona, que consiste em tripas de porco recheado de pedaços de cabeça, língua, coração, toucinho, alho, pimenta, sal e fiambre com gelatina, preparado com alho. Tudo isto se complementa com os presuntos, as costelas e o delicioso toucinho defumado.

Na zona de Valáquia lhe aconselhamos que prove o pilaf, arroz à turca, muito parecido à paella, a musaca, um prato com carne picada e rodelas de berinjela, batata e abobrinha, a ciulama, guiso de frango ou de setas em salsa branca, a sopa agria de almôndegas, ovos à romêna, que não é outra coisa que ovos cosidos em água ou fritos, salpicados com cebola dourada e acompanhados de mamaliga e de sobremesa, baclava, doce oriental a base de mel e de nozes.

A mamaliga não é outra coisa que polenta, a base de farinha de milho e que substitui ao pão. Se costuma acompanhar de telemea, queijo branco ou bem, com requeijão ou de creme de leite.

Estando na Região de Moldavia, encontrará uma das gastronomia mais elaboradas de todo o país. Aconselhamos o caldo de galinha, a chisca, que não é outra coisa que a linguiça, uma sopa agria de miúdos preparada com os miúdos da galinha e enfeitada com cebola, cenoura, aipo, cheiro verde e arroz.

Diz-se que este prato é o melhor remédio para recuperar o juízo depois de uma noite de festa, isso se, sempre e quando se lhe acrescenta a água das couves fermentadas. Não deixe de provar a tochitura ou tajadilla a base de carne de porco magra com rins e fígados em pedaços e fritos em banha de porco, vinho, pimenta e alho.

No dia 9 de março, quando se comemora aos Quarenta Mártires se preparam os mucenici com massa de brioche, trençada em forma de oito e salpicada com mel e nozes, enquanto que o domingo de Páscoa se costuma o cordeiro, o brioche recheado de requeijão, os ovos vermelhos e os ovos pintados.

Da carne de cordeiro se preparam asados, estofados, sopas agrias, mondejo e tortas. O ovo pintado, decorado com preciosos motivos é o orgulho de regiões como as de Bucovina, Moldavia, Transilvânia e Valáquia.

Em Dobrudja o primeiro que se deve provar é a famosa torta de Dobrudja. Trata-se de uma pasta cozida como uma pizza à que se lhe acrescenta yogurt de leite de ovelha.

Com respeito a pratos fortes distinguem-se o bucho, a base de miúdos e patas de vitela, cenoura, cebola, aipo, alho e pimenta, todo bem cozido, acompanhado e temperado com gema de ovo, iogurte ou creme de leite.

A carpa empalada, se prepara espetando as metades do peixe em espetos, para fritá-la lentamente no fogo de lenha. Si prefere pode perguntar pelo assado de carneiro branco acompanhado de salada especial com tomate, pimentão, pepino, ovo duro e queijo ralado.

Não esqueça provar o mondejo e o ostropel de cordeiro com molho de vinagre, farinha e alho. De sobremesa lhe aconselhamos que se decante pela jalvá, uma espécie de torrão ao estilo oriental ou bem pelo raját, um doce gelatinoso de frutas.

Na preciosa zona de Transilvânia há que começar pelo caldo transilvano, preparado com ervilhas verdes, um triturado de toucinho branco picado, cebola verde, tomate e folhas de cheiro verde, todo com suco de limão.

Se mescla com creme e se come com colher de madeira de álamo, segundo as indicações dos homens do campo. Entre os pratos mais tipicos se destaca a famosa couve à cluj, folhas de couves pequenas, alternadas com carne picada e rociado com creme de leite. O melhor é o que se assa no forno à moda tradicional. O guisado à haiduc, a base de couve e nabos, recheados de carne, arroz e pimenta, é uma verdadeira delicia.

Na região de Banat, a gastronomia apresenta influências servias. São pratos muito consistentes como os tomates recheados de berinjelas, os fiambres com gelatina, a pasta de presuntos com creme de leite, paprika, pimenta e sal.

Outro bom exemplo é a sopa de legumes com batatas, beterrabas, couve-flor, couve, alho poró, misturadas com salsa bechamel. Para os estômagos mais delicados é recomendável o Budín à Banat, um prato de talharim acompanhado com creme de leite, passas e baunilha.

Na temporada de Natal e o Ano Novo o prato principal é o tradicional sarmale, carne picada com arroz, envolvida em folhas de couve ou de parra e curadas em salmora.Bebidas

Antes de beber água mineral (muito fácil de conseguir) se deve aproveitar de alguns dos bons vinhos de Romênia, sobre tudo os de Cotnari, um dos pouquíssimos vinhedos formado em sua totalidade com antigas espécies nativas.

Destacan, ademais, os excelentes vinhos de Tamaioasa Romaneasca, Francusa ou Feteasca Alba, assim como os que têm sua origem nos vinhedos de Bucium como o Aligoté, Riesling e Muscat Ottonel.

Não há que esquecer o Babeasca neagra e o Feteasca neagra (os tintos chama-se neagra) e No relativo a brancos os Galbena de Odobesti, Cabernet Sauvignom e Merlot. A cerveja em Romênia é muito econômica e além das marcas nacionais pode conseguir-se cerveja importadas de Hungria.

O café romêno se serve muito doce e lhe aconselhamos que se decante pelo café preparado à turca. Os chás se preparam ao estilo russo.

Compras

Romênia conta com numerosos objetos e peças interessantes para comprar. Entre as compras mais tradicionais encontra-se o brandy de ameixa, o Gerovital h2 e os cosméticos Pellamar.

Com respeito ao amplio universo de artesanatos populares, a lista pode ser interminável. Em numerosos estabelecimentos encontrará os tecidos típicos, cristaleira, cerâmica, tapetes, trajes folclóricos, talhas de madeira, porcelana, prata, ícones, toalhas de mesa, guardanapos bordados e discos de música romêna.

Sem lugar a dúvidas uma das compras imprescindível são os trajes populares de Maramures, Oas, Bucovina, Muscel, Arges, Olt, Sibiu, Valcea, Gorj, Mehediti, Neamt, Buzau, Ramnicu Sarat, Prahova ou Bistrita.

Apesar de que variam de um lugar a outro, todos conservam de forma inalterada o corte e os motivos antigos que datam dos tempos de Dacia Félix, de inspiração traco-ilírica.

As blusas camponesas romênas (ie) das mulheres e seus demais componentes (fote, ilice, etc.) assim como as camisas, a calça comprida e o casaco dos homens (abrigo de peles parecido à zamarra) estão concebidos para levar-se nos dias de festa e nos bailes.

Estas roupas são completadas com adornos na cabeça, especialmente quando se assiste a uma celebração de um casamento, quando o ornamento se torna mais rico.

Não esqueça adquirir um dos célebres abrigos curtos de inverno chamados guba, tecido em lã e bordado de veludo negro no pescoço e os bolso ou bem, um dos aventais (zadie) que as mulheres costumam levar encima da camisa.

Lhe aconselhamos, por outro lado, adquirir alguns dos preciosos tecidos romênos. O tratamento das fibras têxteis, já sejam de origem vegetal ou animal tem sido ao longo dos séculos a principal fonte de criação destinados à roupa e ao interior da casa.

Diferenciados pela técnica e o estilo (ornamentação cromática), variando de uma região a outra, o tecido e o bordado representam hoje em dia uma das ocupações mais freqüentes da mulher romêna.

Concebidos para adornar o interior das vivendas, encontrará uma grande variedade no que se refere aos materiais utilizados.

Toalhas de mesa, toalhas, cortinas, almofadas, colchas bordadas ou tapetes de lã são tecidos e criadas para harmonizar com o mobiliário da vivenda. Se distingue, especialmente, o tapete romêno que se caracteriza pela finura de seu trabalho, pela harmonia cromática e pelos seus motivos ornamentais como a árvore da vida (em a Região de Moldavia onde prevalecem a cor café suave ou vermelho em um fundo azul), ou os complicados motivos geométricos (em a região de Banat, comumente sobre um fundo vermelho intenso).

Entre os tapetes mais famosos e mais apreciados encontram-se os da Região de Oltenia que apresentam uma ornamentação exuberante com motivos florais e animais estilizados ou bem com cenas e momentos da vida cotidiana em combinações de branco, vermelho e azul.

Em Romênia encontrará, ademais, preciosas peças de cerâmica. Praticada desde tempos imemoriais, este oficio tem conservado tanto seu processo de fabricação. como suas formas e adornos. Predominam dos classes de cerâmica: a cerâmica vermelha que mantém o estilo romêno e a cerâmica negra que guarda o estilo dacio e que encontra-se especialmente na Região de Moldavia e no noroeste da Transilvânia.

Na localidade de Vadul-Crisului (Bihor) distingue-se a cerâmica branca de barro de pipas. A pintura sobre o cristal e os trabalhos de madeira representada sobre tudo por ícones de inspiração bizantina tem-se desenvolvido principalmente em centros como Laz, Alba, Sibiel, Sibiu, Lernut, Maramures, Arpas.

Os trabalhos em madeira se caracterizam pelos motivos e composições ornamentais nos que predominam as formas geométricas. Ademais, se trabalha em uma grande variedade de técnicas como a escultura, talhado, incisão, pirogravado ou calado em madeira. Outro dois rasgos característicos é a madeira que se trabalha, geralmente, em sua cor natural.

Destacam os utensílios e baldes de abeto com pirogravados, os cornos pastorais e os instrumentos musicais. Finalmente, é recomendável realizar as comparas nos centros comerciais das grandes cidades.

O horário é de 8:00 a 18:00 h. entretanto algumas lojas e armazéns permanecem abertos até as 20:00 h. As lojas livres de impostos encontram-se nos aeroportos internacionais. Se há dúvida nos preços não há nada melhor que tomar um papel e uma caneta e escrever o preço que nos gostaria pagar por determinado artigo.

População e Costumes

Romênia conta com uma cidade próxima aos 23 milhões de habitantes dos que o 43% vive em zonas urbanas.

Bucareste, a capital, acolhe perto de 2,3 milhões de pessoas sendo com diferença a cidade mais povoada e seguida das cidades de Brasov, Timisoara, Iasi, Cluj-Napoca e Constanta, todas elas com não menos de 300 mil habitantes.

Romênia é o único país da região que, apesar de sua língua de origem latino, não padece a influência católica pois o 85% da cidade é do rito ortodoxo (o resto se distribue entre protestantes, católicos e gregos ortodoxos).

Romênia conta com importantes minorias étnicas como os Ciganos e Húngaros.

Segundo os dados do censo do ano 1991 existem ao redor de 1,6 milhões de húngaros, 120 mil alemães, 410 mil ciganos e outros pequenos grupos étnicos como armênios, gregos, macedonios, turcos, serbios e eslovacos.

Os húngaros chegaram a Romênia no século X instalando-se na montanhosa Região de Transilvânia. Durante anos formou parte do império austro-húngaro e a influência de aqueles tempos se percebeu em sua arquitetura, na religião e nos costumes. Por isso é comum a saudação "Servus", igualmente que em Áustria e Hungria.

Por outro lado, a maioria dos alemães, que chegaram a Romênia ao redor de 850 anos atrás, emigraram outra vez a Alemanha nos últimos tempos, sobretudo durante a ultima revolução. Se contam perto de 120 mil maioritariamente em Transilvânia, enquanto que os ciganos, a minoria mais impopular de Romênia, rechaçada por todas partes, tentam sobreviver. Se crê que são mais dos 410 mil, segundo os dados oficiais, pois de acordo com às afirmações dos líderes ciganos são perto de 2 milhões.

O mais provável é que se aproximem ao milhão. Sem dúvidas é a minoria mais pobre e a menos escolarizada. Romênia tem vivido nos últimos anos importantes câmbios por todos conhecidos. estes câmbios e movimentos se percebem nas ruas de Bucareste, nos bairros das pequenas cidades e nas zonas rurais.

O colorido que faltou durante mais de meio século, pela presença do comunismo, estala por todos os rincões do país em um constante rebuliço. Por outro lado, não se pode ignorar as dificuldades que leva ao fato de aprender a viver no terrível ambiente competitivo de uma economia de mercado.

Agora não há garantia a igualdade de salários nem o estado se ocupa da habitação ou da segurança dos postos de trabalho e todo isso constitui um reto que os romênos estão dispostos a afrontar.

Apesar de tudo, no país se sente, muito de perto, o fato de que as coisas melhoram. Se tenta sobreviver ao passado comunista e talvez por isso proliferam sinais evidentes da nova era como são os cartazes e os suportes publicitários que proclamam as virtudes de uma bebida de cola ou de uns hambúrgues. Sem dúvidas, o romêno se alegra de ter liberdade e democracia, mas sabe que a vida segue sendo dura.

No relativo aos habitantes das zonas rurais, o que os define de melhor maneira é a capacidade para conservar e preservar seus costumes, danças, objetos utilitários, música e suas canções que permanecem quase inalteradas desde centenas de anos. Apesar das continuas invasões souberam conservar sua identidade.

Em geral os romênos são gente hospitaleira, que sabe do sofrimento e da solidariedade, razão pela que costumam fazer amizades de forma muito rápida. Seu tímido sorriso é tão só a ponta do iceberg de uma profunda alegria.

A frase publicitaria do escritório de turismo que reza em todos os folhetos e que diz: "chegue como turista e sairá como amigo", não dista muito da realidade.

Entretenimento

Em Romênia o entretenimento está assegurado. O país oferece uma ampla gama de possibilidades para todos os gostos, para todas as idades e para todo tipo de bolsos.

Para quem gosta da praia, o sol e o mar, Romênia oferece mais de 70 quilômetros de costas no Mar Negro. Aqui se tem levantado numerosos centros de veraneio, ideais para banhar-se, tomar o sol ou praticar qualquer esporte aquático.

O principal centro é Constanta, um lugar cosmopolita e ponto de partida para visitar a zona. Mamaia, situada mais ao norte, conta com uma preciosa praia de areia fina de 7 quilômetros de comprimento e distingue-se por ser um lugar familiar, assim como para a prática do mergulho, pára-quedas em ascensão, windsurf, surf ou do esqui aquático.

Para o sul de Constanta, uma faixa de areia de 50 quilômetros de comprimento espera aos visitantes. Nela encontram-se centros turísticos de importância como o de Neptun e Olimp, com chalés de luxo, enquanto que Júpiter, Cp Aurora, Venusou Saturn, estão destinados para a gente jovem e para quem prefere a acampamento livre. Costinesti, entre Eforie Sude e Neptun é um dos lugares mais populares, graças a suas básicas instalações e à grande quantidade de distrações que oferece.

Se em cambio, são as atividades de inverno, Romênia é um verdadeiro paraíso. Durante os meses de inverno pode-se viajar às excelentes estações de esqui como a de Poiana Brasov a mais famosa e situada a 13 quilômetros de Brasov. Conta com todo o indispensável, com excelentes pistas de diferentes níveis.

Se distinguem, além outros centros como Sinaia, nos Cárpatos, com várias pistas e funcionando desde finais do século passado, Predeal com 15 pistas, Busteni, nos Cárpatos Meridionais, que oferece um centro de alpinismo nos meses de verão, Durau, nas bases da vertente noroeste do maciço Ceahlau, Paltinis, nos Montes Cindrel, Vatra Dornei que conta ademais com uma estação balneoclimática, Semenic, nos Montes do Banato, Stana de Vale, nos Cárpatos Ocidentais ou bem, Borsa, nos Cárpatos setentrionais, um lugar tradicional e o lugar onde localiza-se o primeiro trampolim romêno de saltos de esqui com 90 m A temporada de neve estende-se de dezembro a março.

A maioria de estes centros, durante a temporada de verão, se transformam em belos paragens para quem gosta das caminhadas e o trekking. Romênia conta com numerosas trilhas muito bem sinalizadas assim como com zonas indicadas para acampar e explorar as montanhas

. Não podemos deixar de mencionar os Parques Nacionais ou Reservas Naturais com mais de 75.000 ha protegidas, onde pode-se admirar a fauna nativa como os abutres de barba, cervos, gamos, marmotas, javalis, linces e ursos. Um mundo aberto e único. Se você é dos que preferem os entornos naturais, lhe aconselhamos que se acerque ao imponente e maravilhoso Delta do Danúbio.

Trata-se de uma extraordinária zona úmida que alberga mais de 300 espécies de aves e uma rica fauna marítima. Nada melhor que perder-se em um pacífica travessia neste refugio de paz e navegar entre seus numerosos canais, lagos, ilhas de bambus, bosques tropicais, pastos e dunas que cobrem uma extensão de quase 5.000 quilômetros quadrados.

A aventura nesta reserva da Biosfera é uma experiência inesquecível. Esta zona é também o lugar ideal para os amantes da pesca. É necessário observar uma série de normas de forma estrita. Respeito à caça, as temporadas para cada espécie varia pelo que é necessário informar-se com antecedência.

Se você é dos que preferem o risco e os esportes de aventura, a lista pode ser interminável. Romênia oferece mais de 11.000 grutas que esperam impacientemente aos espeleólogos e para as que, em alguns casos, não são necessário as permissões especiais.

Para aqueles que gostam da bicicleta de montanha, não há nada como perder-se entre as trilhas que correm por colinas e bosques e para os alpinistas, não se pode deixar de ir a Busteni, um dos melhores lugares para praticar este esporte. Não esqueça que pode-se navegar em caiaque por numerosos rios, lagos ou no Delta do Danúbio.

O mais recomendável é levar o equipamento próprio. Finalmente, para os que gostam da tranqüilidade não há nada melhor que acudir a um Spa ou Balneário Romêno. Gozam de fama internacional e não faz falta estar enfermo nem padecer algum mal estar crônico. Não há que esquecer que desde os tempos dos romanos, os Spa constituíam lugares para descansar, repor as forças e animar o espirito.

Porém, dada a seriedade, profissionalismo e rigor científico dos Spa, no momento de chegada realizam um exaustivo diagnóstico a quem vai para só então propor os tratamentos mais adequados, especialmente para aqueles que padecem enfermidades reumáticas e cardiovasculares, transtornos do aparato digestivo e do sistema nervoso, problemas da pele, assim como as comuns debilidades geriátricas.

Todos os balneários propoem curas naturais como a fisioterapia, acupuntura, essência de plantas ou medicinas especializadas como o Gerovital h2 ou o Pell Amar, de origem romêno.

Entre os Spas de Montanha encontra-se o Baile Herculane e Baile Felix, a 8 quilômetros de Oradea, o maior do país e aberto durante todo o ano.

Com respeito às estações nos Cárpatos há que mencionar Covasna, conhecida pelas suas 1.000 fontes de águas carbonogasosas, Baile Tusnad, um pouco mais ao norte, a beira de um tranqüilo lago ou Sovata, na meseta transilvana, em meio de cinco preciosos lagos de onde se extrae uma lama terapéutica.

Existem também Spas na zona do Mar Negro que, além de oferecer todas as vantagens para a saúde, são estações de veraneio onde a vida transcorre pacificamente.

Entre os Spa mais populares encontra-se Eforie Nora e Eforie Sud, que extraem sua lama do Lago Techirghiol, Neptun, a 35 quilômetros de Constanta, especializada em enfermidades reumáticas ou Mangalia, na antiga cidade grega de Callatis, famosa pelos seus tratamentos especiais.

Quando cai a noite, Romênia se transforma em uma suave festa, onde os bares, discotecas e cafeteiras acolhem a todo o mundo para deleitá-lo com música, ambientes tes acolhedores e espaços própricios para a conversa e o encontro.

Festividades

São três as festas em torno às quais giram os costumes e as crenças do inverno dos romênos. O 25 de dezembro o Craciunul ou Pascua de Natal que estende-se aos dias 26 e 27, o 1 de janeiro, Dia de Ano Novo (se estende ao dia 2) e o 6 de janeiro, a Epifanía ou Boboteaza. Nas aldeias de Maramures, nas vésperas de estas festas, ressoam os villancicos e as belas canções.

Os homens formam cortejos vestidos com máscaras e percorrem os principais caminhos das aldeias com música, enquanto bailam danças tradicionais como a de A Capra (A Cabra), Ursul (Urso) ou Viflaim. Do dia 10 ao 20 de janeiro tem lugar o Festival Internacional de Teatro de Amador Concordia Days em Sfantu.

Depois das celebrações de Semana Santa (entre março e abril), o Domingo da Ressurreição e a segunda-feira de Páscoa, são dias de muita importância. Em numerosos povoados ainda se costuma limpar as casas a fundo, estrear roupa e acudir à igreja. São dias em que fazem ato de presença os grandes banquetes onde abundam os ovos pintados e decorados com diferentes motivos.

Em primavera, o dia 23 de abril, é a Festividade de São Jorge. Os habitantes da Região de Maramures costumam a pendurar ramitas verdes nas entradas das casas e dos estábulos. Não deixe de assistir à Tanjaua de pe Marna em Hoteni, um preciosos festival folclórico que se organiza todos os anos a princípios do mês de maio. Nela se honra ao primeiro que começa a trabalhar a terra.

Também neste mês, o primeiro domingo, tem lugar na cidade de Bogdam Vodase, a tradicional festa de Ruptul Seterpelor (rotura de gemas) e a Sambra Oilor (reunião das ovelhas), momento no que realiza-se a separação das ovelhas férteis das estéreis.

Em Banat festeja-se o Plugarul, um costume muito antigo e consagrado, também, aos lavradores e aos homens d campo. No mês de maio destacam a Festa dos Narcisos em Vlahita, Distrito de Harghita e o Festival Internacional de Jazz em Brasov.

A princípios do mês de junho em Borsa celebra-se a Festa de Sanziene, dedicada às flores e às plantas medicinais. Nas colinas se acendem fogos e os homens realizam saltos sobre as fogueiras para conservar a saúde.

Durante os meses de verão são numerosas as feiras tradicionais, muitas de elas especializadas por ofícios, que têm lugar em diferentes zonas do país, como a Feira de Cerâmistas que se organiza em Sibiu e em Horezu e em outras muitas outras localidades.

Durante a Feira das Moças, que tem lugar no mês de julho no Monte Gaina (Distrito de Alba) se fixam os matrimônios que se celebraram em outono, depois da colheita da uva. Si está ali nestas datas, lhe aconselhamos assistir a algum dos casamentos que têm lugar na Região de Maramures, onde se conservam os ritos ancestrais com trajes típicos, igualmente que no sul da Transilvânia, Bucovina ou na zona de Muscel.

A meados do mês de agosto, no Monte Prilop, festeja-se a chamada Nedeie, uma celebração que, em suas origens, era uma feria dedicada aos criadores de ovelhas e que na atualidade constitui um belo festival folclórico chamado Hora da Prislop.

Ao longo da costa, nos meses de verão, celebram-se numerosos festivais folclóricos como o de Tulcea no mês de agosto ou o Festival de Música Ligeira de Mamaia.

O outono é o tempo propício para os Festivais Musicais em Transilvânia como o Sibius Cibinium e o Brasovs Cerbu de Aur, no mês de setembro ou o Festival Musical Cluj Napoca no mês de outubro.

A Feria Internacional de Bucarest celebra-se neste mesmo mês e é a mais importante do país. O Dia 1 de dezembro é o Dia da Unidade Nacional. Destaca, ademais, o evento cultural que tem lugar em Oradea. O ano o voltam a fechar as festas de Natal e de Ano Novo.

Transportes

Avião As principais cidades da Romênia estão comunicadas por via aérea. Tarom, a companhia nacional tem vôos entre as principais cidades. Bucareste constitui o centro da rede e é muito provável que seja necessário viajar à capital para trasladar-se a outra cidade.

Trem

A empresa nacional de ferrovias CFR (Cailor Ferate Romane) conta com uma extensa rede de mais de 11.000 quilômetros de vias. Existem dois tipos de trens: os locais e os expressos. Estes últimos com um suplemento do 50% sobre o valor da passagem, enquanto que a primeira classe é um 40% mais cara que a segunda. Os trens expressos contam com vagão restaurante.

É conveniente fazer as reservas com antecipação e certificar-se dos horários, sobre tudo si se vão a fazer conexões.

Ônibus

Os ônibus em Romênia são menos comuns. Em ocasiones, em algumas zonas rurais, pode dar-se o caso de que exista tão só uma saída diaria. Si pensa utilizar este serviço ou é o único meio de transporte para aceder a nosso destino, é recomendável adquirir a passagem com antecipação e apresentar-se com tempo suficiente antes da saída do ônibus.

As principais estações rodoviárias (autogara) em Bucarest encontram-se em 164 Soseaua Alexandriei, 1 Iom Ionescu da Brade Blvd.;1 Piata Garii Filarest; 221 Soseaua Chitilei; 141 Pacii Blvd e 3 Garii Obor Blvd.

Carro

Romênia conta com uma boa rede de estradas. Apesar de que muitos caminhos podem encontrar-se em mal estado pode-se chegar a quase todos os lugares. É aconselhável conduzir com precaução, sobre tudo na zona de montanhas durante a temporada de chuvas.

O limite de velocidade nas zonas urbanas é de 60 km/h e de 80km/h nas estradas. O Real Automóvil da Romênia dispõe de um telefone para emergências (12-345).

Em Bucarest e nas principais cidades encontrará escritórios de aluguel de veículos, em alguns hotéis, em escritórios de turismo e no aeroporto Internacional. Podem-se alugar carros com motorista, por quilômetros percorridos ou bem, com quilometragem ilimitada. No relativo às estações de serviço não são muito numerosas pelo que é recomendável viajar sempre com o tanque cheio.

Transporte Público

O transporte público nas cidades é muito eficiente. Em Bucarest encontrará ônibus, bondes e trolebus com um preço único por trajeto sem depender da distância. Geralmente começam a funcionar às 5.00 da manhã até as 23.00 h.

A maioria das linhas se anunciam com números pelo que é necessário perguntar previamente sobre o percurso. As passagens podem-se adquirir nas bancas de jornais e se validam no momento de subir. O Metrô de Bucarest aceita moedas que se inserem nas roletas.

Taxis

Existem taxis estatais, propriedade do governo e taxis privados. Ambos dispõem de taxímetro e em caso contrário é necessário combinar o preço antes de iniciar o trajeto.

Fonte: www.rumbo.com.br

Romênia

Romenia é um país da Europa Oriental.

A capital é Bucareste [Bucharest].

A principal religião é o Cristianismo (Ortodoxo). A língua nacional é o Romeno.

Os principados da Valáquia e da Moldávia - durante séculos sob a suserania do Império Turco Otomano - garantiram a sua autonomia em 1856; eles se uniram em 1859 e alguns anos depois adotaram o novo nome de Romenia.

O país ganhou o reconhecimento da sua independência em 1878. Ele se juntou às Potências Aliadas na Primeira Guerra Mundial e adquiriu novos territórios - em especial a Transilvânia - na sequência do conflito.

Em 1940, a Romenia aliou-se com as potências do Eixo e participou na invasão Alemã da URSS em 1941. Três anos depois, invadida pelos Soviéticos, a Romenia assinou um armistício.

A ocupação Soviética pós-guerra levou à formação de uma Comunista "República Popular" em 1947, e a abdicação do rei. As longas-décadas de governo do ditador Nicolae Ceausescu, que tomou o poder em 1965, e sua policia estatal Securitate tornaram-se cada vez mais opressivas e draconianas ao longo dos anos 1980s.

Ceausescu foi deposto e executado no final de 1989. Os ex-Comunistas dominaram o governo até 1996, quando foram varridos do poder. A Romenia aderiu à OTAN em 2004 e à União Européia em 2007.

A Romenia, na Península dos Balcãs, é um dos países mais jovens na Europa. Embora a terra foi ocupada mais de 2.000 anos atrás, o país conhecido como Romenia existe há apenas cerca de um século e meio.

Do final do século 14 até meados do século 19, haviam dois principados na região, a Moldávia e a Valáquia. Eles se uniram e se tornaram a Romenia em 1859. Atualmente, o país inclui também o Banat, a Transilvânia, a Bucovina, e a Dobrudja.

Entre meados da década de 1940 e Dezembro de 1989, a Romenia foi um estado Comunista. Na segunda metade de seu período Comunista, o país foi governado por um governante megalomaníaco, Nicolae Ceausescu, que acabou sendo deposto e, com sua esposa amplamente detestada, Elena, foi executado em Dezembro de 1989.

A Romenia embarcou em um difícil caminho para a democracia e uma economia de livre-mercado. Em 2004, a Romenia aderiu à OTAN, e no ano seguinte, o governo assinou um acordo permitindo que os Estados Unidos usassem bases militares no país.

Terra

No mapa, a Romenia parece uma bolsa redonda com uma ampla abertura no canto inferior direito. A abertura é o Mar Negro.

A Romenia fronteira com cinco países: a Bulgária, no sul; a Sérvia, a oeste-sudoeste; a Hungria, a oeste-noroeste; a Ucrânia, no norte; e a Moldávia, no leste. A Romenia é constituída por cerca de 33% de montanhas, 33% de colinas e planaltos e 33% de planícies.

Montanhas

Os Montes Cárpatos formam um semicírculo majestoso que abriga um patamar elevado. Este é o planalto da Transilvânia, uma região elevada com um clima frio, rico em recursos florestais e minerais. A área foi o lar do Príncipe Drácula, um famoso combatente contra os opressores Turcos, que mais tarde veio a ser identificado com o lendário vampiro da Transilvânia.

Os Cárpatos são divididos em Cárpatos Moldavianos no leste, as Montanhas Apuseni no oeste, e os Alpes da Transilvânia, no sul. Inúmeras passagens baixas rompem as altas montanhas. O pico mais alto da Romenia, o Negoi, sobe 8.361 pés (2.548 m), nos Alpes da Transilvânia.

Uma cinta de colinas menores gradualmente desce do anel de montanhas. Na primavera, esses montes são atapetados de flores - narcisos, anémonas, açafrão, narcisos e bosques de lilases. Varrendo para baixo dos montes estão as grandes e bem regadas planícies da Romenia.

No leste encontram-se as planícies da Moldávia. No sul as planícies Valáquias contêm vastos depósitos de petróleo. Para o sudoeste está a pequena planície de Banat.

Rios

O poderoso Danúbio é o principal rio da Romenia. Somente o Danúbio e um de seus afluentes, o Prut, são navegáveis. O Danúbio não apenas molha alguns dos mais ricos solos da Europa, mas também é uma artéria principal do comércio nacional e internacional.

Galati e Braila, dois portos fluviais no Danúbio, são utilizados para o carregamento de trigo, enquanto o porto de Giurgiu é a saída para os campos do petróleo Romeno.

O Danúbio faz parte da fronteira com a Sérvia e quase toda a fronteira com a Bulgária. Perto do início da fronteira com a Sérvia, o rio flui através de um profundo desfiladeiro, o Portão de Ferro.

Vida selvagem

A Romenia tem uma fascinante variedade de vida selvagem. Camurças de pés seguros trepam os picos mais altos. Cervos, raposas, ursos, lobos, linces, javalis e animais menores enchem o bosque. Águias e falcões podem ser vistos pairando sobre os rochedos. Os lagos encantadores da região de Dobruja, a oeste do Mar Negro, estão cheios de peixes.

O amplo e pantanoso delta do Danúbio, onde o rio deságua no Mar Negro, está inteiramente dentro da Romenia. Esta área de mais de 1.000 milhas quadradas (2.600 km²) é um imenso parque natural, proporcionando um paraíso para as aves aquáticas.

Cisnes, pelicanos, garças, biguás, flamingos, patos e gansos selvagens, garças da noite, e muitas outras aves abundam. Mais de 60 variedades de peixes vivem nos numerosos canais do delta.

Recursos naturais

As riquezas minerais do país incluem o cobre, manganês, urânio, chumbo, zinco, bauxita, caulim, ouro, enxofre e sal. O produto mineral mais importante é o petróleo. Dutos dos campos de petróleo correm de Ploesti para Bucareste, Constança, e Giurgiu. A Transylvania contém a maior reserva de gás natural na Europa. O carvão é extraído no vale do Rio Jiu, e o minério de ferro é encontrado em diversas áreas.

Clima

A Romenia tem um clima continental, com abundância de chuvas, invernos rigorosos, verões quentes e outonos longos. O sudoeste goza de um clima do tipo Mediterrâneo leve; no planalto da Transilvânia, o clima é geralmente moderado. Mas em muitas das cidades do interior, os verões podem ser extremamente quentes; e os invernos, quando o vento norte ou crivat sopra, muito frios.

População

O coração da moderna Romenia foi a Dacia da Roma imperial. Os Dácios foram conquistados pelos Romanos nos primeiros anos do século 2. Roma estabeleceu colônias na Dacia, e elas foram guarnecidas pelas legiões Romanas.

Os Romenos étnicos são acreditados serem descendentes dos Dácios e dos colonos Romanos. A língua Romena é basicamente uma língua Latina, à qual, ao longo dos anos, os Romenos adicionaram pedaços das línguas Eslavas faladas por seus vizinhos.

Os Romenos étnicos constituem 90 por cento da população de quase 22 milhões. Os Húngaros compõem o maior grupo minoritário na Romenia (cerca de 7 por cento). Eles vivem na Transilvânia, na parte ocidental do país.

Sob Ceausescu, os direitos dos Húngaros foram severamente limitados; mesmo após a revolução, as tensões persistiram, afetando o relacionamento da Romênia com a vizinha Hungria. A Romenia também tem uma significativa população Romani (Ciganos).

Religião

O governo Comunista da Romênia fortemente desencorajava a observância religiosa e regulamentava a igreja tanto quanto possível, pagando os salários e a manutenção da igreja. A maior denominação na Romenia de hoje é composta por membros da Igreja Ortodoxa Romena. Os Católicos Romanos, Calvinistas, Judeus e Luteranos também estão representados.

Educação

Os Romenos tradicionalmente consideraram o seu país como uma ilha da cultura Francesa nos Balcãs. Antes de o governo Comunista ser estabelecido em Março de 1945, a Romenia olhava para a França em busca de inspiração cultural, social e educacional. As escolas foram modeladas sobre as da França, e o Francês era uma segunda língua exigida.

Quando os Comunistas tomaram todo o país, o sistema educacional foi alterado. A educação geral foi feita gratuita e obrigatória por 10 anos, para crianças dos 6 aos 16 anos.

Trabalhadores e camponeses foram levados para as escolas, de modo que quase todo mundo aprendeu a ler e escrever. O sistema do ensino secundário foi expandido para incluir, além das escolas acadêmicas tradicionais, escolas tecnológicas e de formação de professores.

No nível universitário, instituições foram estabelecidas para reforçar a formação útil para o estado - ensino e tecnologia. O estudo do Russo foi obrigatório por muitos anos.

Desde a revolução de 1989, a excelência acadêmica recuperou a sua importância. O conhecimento técnico e o desenvolvimento economico são agora grandes metas educacionais.

A Romenia possui alguns 140 institutos de ensino superior, incluindo onze universidades e uma série de institutos que se especializam na formação técnica.

Cultura

A Romenia tem um rico folclore, cujas raízes remontam a séculos. Esta história folclórica é expressa em poesia lírica, baladas, contos, peças de teatro de mistério, Ano Novo tradicional e autos de Natal, e muitas outras formas. A música popular e o teatro amador há muito tempo floresceram até mesmo nas partes mais remotas do país.

Muitos escritores e compositores Romenos deixaram a Romênia para trabalhar na França, atraídos por sua agradável atmosfera intelectual. Lá, eles criaram algumas das suas melhores obras.

No entanto, a maioria deles mantiveram, através de seu trabalho, uma estreita identificação com sua terra natal. Isto é especialmente verdadeiro do compositor e violinista Georges Enesco, cujo trabalho orquestral mais conhecido são as Rapsódias Romenas.

Enesco morreu em 1955. O mundialmente famoso dramaturgo Eugène Ionesco, filho de pai Romeno e mãe Francesa, viveu a maior parte de sua vida na França; ele morreu em 1994. Um autor principal do teatro do absurdo, Ionesco tornou-se amplamente conhecido com o público Inglês com sua peça Rinoceronte (1959).

O artista Romeno mais proeminente foi Constantin Brancusi, o escultor, que viajou a pé da Romenia para Paris, onde trabalhou até sua morte em 1957. Sua arte, encontrada nas grandes galerias do mundo, tentava capturar "a essência do espírito" do assunto.

Suas lindas esculturas de aves eternamente prontas em vôo são eixos elegantes enganadoramente simples, de fino mármore ou bronze. Os museus de Bucareste e de Craiova exibem as obras criadas por Brancusi quando ele era jovem.

Os mosteiros nas cidades de Voronet, Humor, Arbore, Moldovita e Sucevita são excelentes exemplos da primeira arte e arquitetura Romenas. Simples e severas em linhas gerais, as paredes exteriores inteiras destes mosteiros estão cobertas com afrescos.

Estas pinturas murais de extraordinária criatividade e de aguda observação, retratam histórias religiosas, eventos históricos, e lendas locais. Apesar de terem mais de quatro séculos de idade, os murais têm mantido o seu brilho e frescor. Ninguém sabe o segredo dessa notável preservação.

Nos Estados Unidos, o escritor mais conhecido de origem Romena é Elie Wiesel, cujos romances são baseados em suas experiências do Holocausto em Auschwitz e em Buchenwald. Em 1986, Wiesel foi galardoado com o Premio Nobel da Paz por sua mensagem de "paz, reconciliação, e dignidade humana".

Alimentos

Um prato onipresente é a mamaliga, um mingau de farinha de milho que é comido duas ou até três vezes por dia, muitas vezes em combinação com queijo, peixe salgado, ou bacon. Ainda uma parte da tradição Romena é a destilação do aguardente de ameixa (tuica) a cada outono.

Outro prato favorito é a imã baiyldi, uma berinjela recheada com carne temperada ou legumes e coberta com tomates. O delicioso prato leva o nome da lenda do padre Turco (imã), que desmaiou (baiyldi) com prazer depois de provar o gosto.

Cidades

Bucareste, a capital e maior cidade da Romenia, fica em uma planície no sul da Romênia. Uma cidade moderna com mais de 2 milhões de pessoas, Bucareste é o centro político, artístico, cultural e economico do país. Tem numerosos arranha-céus e blocos e blocos de casas modernas; vastos setores da cidade que consistiam em casebres antigos foram demolidos no início dos 1960s para dar lugar a modernos apartamentos.

Nos 1980s, uma parte histórica da cidade foi demolida para dar lugar a um gigantesco Palácio do Povo, um "projeto de estimação" do ditador. Este edifício enorme, com milhares de quartos, permaneceu inacabado por ocasião da morte de Ceausescu. É agora um centro cultural e de conferências.

Bucareste foi a sede dos príncipes Valáquios no século 14. No século 16, a Igreja Curtea Veche foi construída; a Igreja do Patriarcado e a Igreja Mihai Voda foram erguidas no século 17; enquanto que as igrejas Stavropoleos e Cretulescu foram construídas no século 18.

Antes da Segunda Guerra Mundial, Bucareste era conhecida em toda a Europa como a Paris dos Balcãs. Suas avenidas estilo-Parisiense eram sombreadas por limeiras e rodeadas por quilômetros de rosas vermelhas, amarelas e brancas. Ela era uma brilhante cidade, sofisticada, cheia de cafés, teatros, palácios e hotéis de luxo. Hoje, pouco resta desta elegância do pré-guerra.

Cluj é a segunda-maior cidade da Romenia e um importante centro industrial e educacional. Ela tem um rico passado histórico e é a principal cidade da Transilvânia, que, antes da Primeira Guerra Mundial, era uma parte da Hungria. Muitos de seus habitantes são de ascendência Húngara.

Constanta, o principal porto da Romenia no Mar Negro, é uma das cidades mais antigas do país. Ela contém importantes sítios arqueológicos que se relacionam com a sua fundação mais de 2.500 anos atrás pelos Gregos.

Mais tarde, sob os Romanos, Constanta serviu como um entreposto comercial importante. O antigo poeta Romano Ovídio (43 aC-17 dC) passou os últimos anos de seu exílio na cidade. Vestígios Romanos, incluindo uma ruína conhecida por seus mosaicos, também são encontrados em Constanta.

Muitos resorts surgiram na periferia da cidade para acomodar os turistas que são atraídos pela luz do sol, os quilometros de belas praias de areia, e as quentes águas azuis. Esses resorts estão localizados em Mamaia, Eforie, Costinesti, Neptun, Júpiter e Vênus, todos na costa sul do Mar Negro.

Jassy, a antiga sede dos príncipes da Moldávia, é uma grande cidade administrativa e economica. O renascimento cultural Romeno do século 19 floresceu lá, e a cidade ainda é um centro cultural. A conhecida Universidade Cuza também está localizada em Jassy.

Timisoara foi o local de um massacre por soldados que provocou o levante de 1989. É uma antiga cidade de interesse histórico; o Castelo Huniady do século 14 fica nas proximidades. Uma estrada de tirar o fôlego atravessa os Alpes da Transilvânia e os Cárpatos de Timisoara, no oeste da Romênia, para Brasov, no centro da Romenia.

Castelos medievais arruinados pontuam as alturas, e igrejas Góticas com muralhas maciças se elevam sobre a paisagem. Em Brasov, uma soberba catedral do século 14, e uma antiga prefeitura ainda estão de pé.

Ploesti é o principal centro da indústria do petróleo da Romênia. A indústria Europeia do petróleo começou lá em 1857. Durante a Segunda Guerra Mundial, custosos bombardeios razantes Aliados foram conduzidos para cortar essa fonte vital de combustível para a máquina de guerra da Alemanha. Ao norte de Ploesti está o lindo Vale Prahova com seus pitorescos resorts de montanha e lagos encantadores.

Economia

Tradicionalmente, a Romenia tem sido um dos países mais pobres da Europa, apesar de seus ricos recursos. Antes da Segunda Guerra Mundial, a Romenia foi essencialmente um país agrícola. O desenvolvimento industrial começou após a guerra, sob a direção da União Soviética.

Por um lado, a Romenia fez progressos espetaculares. A produção industrial aumentou a um ritmo muito mais rápido do que nos principais países industrializados do mundo.

Por outro lado, os custos da rápida industrialização foram incalculáveis. Outros ramos da economia - a agricultura, bens de consumo, comunicações e serviços - foram quase completamente ignorados.

E enormes plantas de processamento de metais e químicos praticamente destruíram várias regiões do país. A reparação dos danos ambientais é um dos maiores desafios da pós-Comunista Romenia.

Desde 1990 o governo vem transformando a economia de um sistema Comunista em um capitalista, e tem feito progresso em direção a este objetivo. Sob o Comunismo a maioria da terra era propriedade do Estado.

Leis restaurando a propriedade privada da terra foram promulgadas em 1991. Além disso a maioria das grandes empresas foram transferidas do estado para a propriedade privada, e em 2007, a Romenia tornou-se membro da União Europeia (UE).

Mas alguns 25 por cento dos Romenos ainda vivem abaixo da linha da pobreza. Isso significa que eles ganham menos do que precisam para alcançar níveis adequados de comida, abrigo, cuidados de saúde e outras necessidades.

Agricultura

As principais culturas da Romenia incluem milho, trigo, cevada, beterraba, batatas e uvas. As florestas fornecem madeira para construção, produção de papel, e exportação. Entre as muitas variedades de árvores estão os ciprestes que crescem em altitudes elevadas. A madeira do cipreste é valorizada pela sua ressonância e é usada na fabricação de instrumentos musicais.

Indústria

As grandes indústrias da Romenia produzem máquinas elétricas e equipamentos, têxteis e calçados, máquinas leves, produtos químicos e alimentos processados.

Governo

Uma nova Constituição foi aprovada pelo Parlamento Romeno em Novembro de 1991, definindo a Romenia como uma república e dando poderes consideráveis para o presidente. O Parlamento tem duas câmaras, e os deputados são eleitos por quatro anos. A Constituição também proclama a adesão à Declaração Universal dos Direitos Humanos, abole a pena de morte, e garante o direito à propriedade privada.

História

A história da Romenia é uma longa seqüência de conquistas e ocupações. No século 2 dC, os Romanos fizeram da Dacia, a região nordeste do Danúbio, uma de suas colônias mais prósperas. Perto do final do século 3, Godos, Hunos e Eslavos invadiram a área. A Bulgária foi o conquistador durante os séculos 7 e 8, e foi nessa época que o Cristianismo Oriental foi introduzido. Mais tarde, guerreiros da Ásia invadiram a terra.

A Moldávia e a Valáquia, os principados que, até o século 19, fizeram o país que é agora a Romenia, foram brevemente unidas com a Transilvânia por Michael, o Temerário, no final do século 16. Ele não foi capaz de resistir ao poder dos Turcos, no entanto, e eles ocuparam a Valáquia e a Moldávia. A Transilvânia foi devolvida para a Hungria.

A Moldávia e a Valáquia começaram a ganhar uma certa independência após 1856, e em 1859 as duas províncias foram unidas como a Romenia. A violência e a instabilidade, no entanto, continuaram a assolar o país.

Os camponeses eram terrivelmente pobres, e a corrupção política era generalizada. A completa liberdade do controle Turco foi conquistada no final da Guerra Russo-Turca (1877-1878), mas algumas terras foram cedidas para a Rússia.

Como resultado da Segunda Guerra Balcânica (1913), a Romênia ganhou uma grande parte da Dobruja da Bulgária. Após a Primeira Guerra Mundial, quando a Romênia ficou ao lado dos Aliados, o país dobrou de tamanho. Ele recebeu a Transilvânia da Hungria, e a Bessarábia da Rússia.

Entre as duas guerras mundiais, houve atritos constantes entre os diversos grupos étnicos na Romênia, e as condições econômicas eram ruins. O Príncipe da Coroa Carol desistiu do trono em favor de seu filho Michael em 1925, apenas para tomá-lo de volta em 1930. Em 1938, Carol se colocou como um ditador, mas seu governo logo entrou em conflito com a Guarda de Ferro, uma organização terrorista com fortes simpatias para a Alemanha Nazista.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Romenia foi travada entre a Alemanha Nazista e a União Soviética. Depois que Carol foi forçado a abdicar pelo governo pró-Nazista, Michael retornou ao trono em 1940, mas um ditador, Ion Antonescu, estava no controle do governo.

As tropas Alemãs ocuparam o país, e em Junho de 1941, Antonescu dizimou a Guarda de Ferro e declarou guerra à União Soviética. Em 1944, quando os exércitos Soviéticos avançaram, o Rei Michael derrubou Antonescu e entrou na guerra ao lado dos Aliados. A União Soviética ocupou e assumiu o controle da Romenia.

A tomada Comunista causou uma revolução social, econômica e política. Os primeiros líderes concentraram-se em destruir o poder das velhas classes dominantes, principalmente os proprietários de terras, e reverter o ponto de vista anti-Russo do país.

Em 1947, o Rei Michael foi forçado a desistir do trono de novo e ir para o exílio. Proeminentes anti-Comunistas foram condenados à prisão, e a única oposição, o Partido Nacional Camponês, foi proibido.

A Romenia nunca tinha conhecido o regime democrático, mas era toda muito familiar com ditadores. Assim, o estabelecimento de um pequeno grupo todo-poderoso no controle do governo não foi novidade.

Em 1952, Gheorghe Gheorghiu-Dej tornou-se premier, e em 1955 ele se tornou chefe do Partido Comunista Romeno. Ele governou como chefe de estado e chefe do Partido até sua morte em 1965.

Seu sucessor, Nicolae Ceausescu, que chegou ao poder em 1965 como presidente do Conselho de Estado e secretário-geral do Partido Comunista, começou um programa para definir a Romenia livre de seu compromisso total com a vontade da União Soviética. Seu governo, no entanto, foi cada vez mais cruel, e ele colocou os membros da família em posições-chave.

Ele governou por meio de uma extensa rede de polícia secreta ferozmente leal (conhecida como Securitate) e informantes.

Romenia Pós-comunista

O levante de 1989 na Romenia foi a única revolta na Europa Oriental que foi atendida pela força maciça. Centenas de pessoas morreram nos combates, provocados em parte pelo massacre de manifestantes por soldados do governo em Timisoara. Nicolae Ceausescu, que apenas um mês antes se gabava das conquistas do socialismo, foi deposto e, juntamente com sua esposa, executado em 25 de Dezembro de 1989.

Os novos governantes da Romenia, muitos deles ex-Comunistas, criaram uma organização política chamada de Frente da Salvação Nacional (FSN). Seu líder era Ion Iliescu, um Comunista reformado que se tornou presidente em 1990.

Dois anos depois, um segmento da FSN liderado por Iliescu se transformou no Partido da Democracia Social, que permaneceu no poder até 1996. Durante a primeira metade dos 1990s, houve uma grande agitação social, em grande parte devido a inúmeros confrontos violentos entre estudantes pró-democracia e os mineiros de carvão pró-governo.

Em 1996, os Romenos votaram os Comunistas fora do poder e uma Convenção Democrata de centro-direita recebeu uma maioria parlamentar. O novo governo foi recebido com grande expectativa, mas essas esperanças não foram cumpridas.

Em 2000, Ion Iliescu e seu Partido da Social Democracia venceu as eleições presidenciais e parlamentares e voltou ao poder.

Em Dezembro de 2004, a liderança do país mais uma vez mudou quando Traian Basescu, um carismático prefeito de centro-direita de Bucareste, foi eleito presidente. Ele prometeu combater a corrupção e a pobreza. Uma coalizão de centro-esquerda liderada por Emil Boc foi formada após as eleições parlamentares de Novembro de 2008.

Uma sucessão de crises políticas forçou Boc a reformar seu governo várias vezes depois disso. Basescu foi reeleito para um segundo mandato como presidente em Dezembro de 2009.

A Romenia foi duramente atingida pela crise economica e financeira mundial que começou em 2008. Ela procurou ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional. Estas organizações prometeram um empréstimo substancial em troca de um importante programa de cortes no orçamento pelo governo Romeno. Isso provocou grandes protestos populares em 2009 e 2010.

Eventos recentes

Em Fevereiro de 2010, o governo Romeno concordou em participar do sistema de defesa antimísseis dos EUA para combater a possibilidade de ataque por parte do Irã. O plano chamava para colocar mísseis interceptores em solo Romeno por 2015. As negociações sobre detalhes do plano começaram no final do ano. O acordo final seria sujeito à ratificação pelo parlamento Romeno.

Durante grande parte do século 20 a minoria Húngara da Romenia (bem como outros grupos étnicos) foram submetidos a intensivos esforços de assimilação e supressão de suas instituições culturais. Isto criou tensas relações com a Hungria.

Na era pós-Comunista, o governo se comprometeu a respeitar os direitos das minorias, e esta afirmação foi incluída em um tratado entre a Romenia e a Hungria em 1996. Depois que a Romenia aderiu à UE em 2007, um grande número de Ciganos pobres migraram para a Europa Ocidental em busca de trabalho.

Longamente discriminados em toda a Europa, os Romani geralmente não eram bem-vindos. Alguns países, nomeadamente a França em 2010, deportaram-nos para a Romenia.

Stephen Fischer-Galati

Fonte: Internet Nations

Romênia

 

Romênia é situada no Sul-Este da Europa Central, no norte da Península dos Balcâs, na bacia inferior do Danúbio, com saída para o Mar Negro.

Vizinhos da Romênia são: Moldavia, Ucrânia, Hungria, Jugoslâvia, Bulgária, Mar Negro (234 km).

A superficia do pais é de 238.391 km², ocupando o 130 lugar na Europa..

A mapa da Romênia é bem semelhante com a mapa do Estado de Paraná.

Distribuição do relevo é muito harmoniosa: 31% montanhas, 36% colinas, 33% campos.

A população é de 21.680.976 habitantes, com uma densidade de 95,7 habitantes/km2, 55% população urbana.

A estrutura da população é seguinte: 89,4% romenos, 10,6 % minorias étnicas (ungaros, alemães, ciganos, búlgaros, turcos judeus).

A religião predominante é ortodoxa ( 86,8% de população), mas existem também romano-católicos (4,7%), Reformados (3,2%) grego-católicos (1%).

A capital da Romênia é Bucareste, com uma população de 2.016.000 habitantes.

Existem 25 cidades com uma população superior a 100.000 habitantes.

As maiores cidades que tem mais 300.000 habitantes são: Iasi, Constanta, Timisoara, Cluj-Napoca, Brasov, Craiova.

Língua oficial: romeno – a representante mais oriental da família das línguas românicas, procedente do latim falado na antigüidade nas províncias romanas da Dácia e Moesia. Línguas estrangeiras usuais: Inglês, Francês, Alemão.

Organização de estado: Republica, com um parlamento bicameral, eleito por uma legislatura de 4 anos. Presidente: TRAIAN BASESCU, eleito em 20.12.2004.

Moeda leu (plural lei) 1$=28.000 lei

Dia Nacional: 1 de Dezembro (a comemoração da União de todos os romenos num único Estado em 1918).

Produto Interno Bruto (1997) – 30 bilhões $, e por habitantes 1.230 $. Peso de setor privado no PIB – 58%.

Numero de empregados: 5.123.200, e de desempregados 881.435 (8,8% da população). Reformados 5.609.000.

Reserva internacional liquida: 3.578 milhões $.

Divida externa: 8.251 milhões $.

História da Romênia

Ao 20 milênio a.c., a princípios da época do bronze cristaliza-se na região carpato-balcânica o ramo trágico da família indo-europeu. Na primeira metade do 10 milênio a.c., no espaço carpato-danubiano-pôntico afirmam-se as tribos dos geto-dacios como ramo distrinto dos Trácios, espaço povoado por elas se chamava Dácia.

No período 70-44 a.c. os tribos dácios foram unidos sob a rei Burebista. O reino Dácio conhece máxima florescência no tempo do rei Decebal (87-106), quando o Império Romano, chegado ao apogeu sob imperador Trajano, precisava de duas guerras duras (101-102 e 105-106) para o sobmeter e transformar a maior parte da Dácia em província romana.

O processo intenso de romanização, marcado pela assimilação definitiva do latim pelos Dácios autóctones, faz dos habitantes desse espaço, no primeiro milênio da nossa era a mais oriental dos povos românicos da Europa.

Os romenos que por seu nome (do lat. romanos), e por nome do pais Romania, conservaram a memória do cunho de Roma.

Esta se dizendo que Romênia é uma ilha latina num mar eslavo.

Entre os séculos IV a XIII o território romeno foi percorrido por ondas sucessivas de populações migratórias.

Na Idade Media os romenos, cristão ortodoxos, viveram separados em três principados: o Pais Romeno ( Valaquia), Moldávia e Transilvania, e tiveram vizinhos grandes Impérios – Otomano, Habsburgo e Russo.

Conseguiram unir-se os primeiros dois principados, em 1859 e o novo Estado tomou o nome de Romênia.

Em 1877 a Romênia conquistou a independência e se transformou em reino em 1881.

Depois da primeira querra mundial sob o rei Ferdinant I, em 1 de Dezembro de 1918, se unirão ao pais também Bassarábia, Bucovina e Transilvania. A união nacional foi pagada com mais de 800.000 mortos, feridos e desaparecidos durante a guerra.

Os dois decênios de florescimento econômico, político e cultural da Grande Romênia foram cruelmente interrompidos pelo desencadeamento da segunda querra mundial.

Em 1940 a Romênia perdeu pelas amputações territoriais um terço do seu território e da sua população.

Em 1945, depois de 4 anos de querra que resultaram na perda de 750.000 vidas, as tradições de quase um século, foram brutalmente cortadas, igual que nos outros Estado do leste europeu, pela ocupação dos tropas soviéticas e a instauração, à força do regime comunista.

Em 1965 chegou ao poder Nicolae Ceausescu que instaurou uma ditadura tremenda, de um arbitrário nunca igualado na historia da Romênia.

A Romênia tornem-se cada vez mais isolado do resto do mundo nos anos "80".

A revolta popular de dezembro de 1989, derrubando o regime ditatorial, abriu a perspectiva de restauração da democracia, assenta um sistema pluripartidista, do regresso à economia livre de mercado e da reintegração da Romênia no espaço político e cultural europeu do que fora separada decênios inteiros pela Cortina de Ferro.

O caminho para a nova Romênia, devido à herança opressiva do regime totalitário, verifica-se muito mais comprido e difícil do que se acreditava na euforia dos primeiros dias.

A consolidação dos novos valores democráticas, a nova vida política e parlamentar, a Constituição votada em 1991, as eleições de 1990, 1991 e, sobretudo, de 1996, o regresso aos valores culturais e espirituais tradicionais da Romênia moderna são outras tantas provas do abandono definitivo do passado totalitário.

A vida política da Romênia de hoje

A Romênia, conforme a Constituição de 1991 é um Estado nacional, soberano, e independente, unitário e indivisível, cuja forma de governo é a república.

A Romênia é um Estado de direito, democrático e social, em que a dignidade humana, os direitos e as liberdades cívicas, o livre desenvolvimento da personalidade humana, a justiça e o pluralismo político são valores supremos, garantidos pela Constituição, que também estipula a separação das três autoridades – legislativa, executiva e judicial.

O Parlamento e bicameral – Câmara dos Deputados – 332 sítios e o Senado – 137 sítios.

O Presidente da Romênia e eleito por voto universal para 5 anos, podendo ser reeleito só uma vez.

Ele designa um candidato a função de primeiro-ministro e nomeia o governo em base do voto de confiança outorgado pelo Parlamento.

A administração pública das unidades administrativo-territoriais-camunas, cidades, distritos – assenta nos princípios da autonomia local e da descentralização dos serviços públicos.

O governo nomeia um prefeito em cada distrito e no município de Bucareste.

A justiça realiza-se pela Corte Suprema de Justiça, ao instâncias de apelação e as demais instâncias judiciais.

Economia

Em princípios de 1990, consistia essa herança em propriedade socialista generalizada (de Estado e cooperativista), em centralização excessiva, planificação rígida, baixa eficácia, desequilíbrio entre os ramos e sub ramos da produção e também, em industrialização forçada e criação de gigantes energofagos, sem nenhuma correlação com os recursos de matérias-primas do pais.

As reduções exageradas das importações, a promoção forçada das exportações, sacrificando todos os critérios de eficácia a fim de pagar a divida externa em princípios de 1989 (no período de 1975-1989 a Romênia reembolsou mais de 21 bilhões $), tornaram mais funda a crise na economia interna.

A reforma aplicada na área econômica pelos governos no período 1990-1996 foi lenta em comparação àquela dos demais Estados ex-comunistas da Europa Central.

Por falta de privatização, reestruturação e modernização industrial, a economia continuo-se apoiando num sistema de produção subvencionada que conduziu a um défice do orçamento e do comércio externo, a uma alta inflação e à desvalorização da moeda nacional.

Transporte e comunicações

A Romênia goza de uma posição geográfica – chave à interseção dos mais importantes estradas que unem a Europa Ocidental ao Mar Negro e ao Oriente Médio, como também dos corredores que ligam a zona do Mar Báltico à Península dos Balcãs e à bacia mediterrânea.

A Romênia é atravessada por três dos dez corredores de transporte paneuropeu: o corredor no.4 – Dresda – Praga – Viena – Bucareste – Salonica – Istambul, no.9 - Helsinki – Moscovo – Bucareste – Alexandropolis e no.7, que acompanha o percurso do Danúbio navegável, inclusivo o Canal Danúbio – Mar Negro, inaugurado em 1989.

A rede ferroviária totaliza 11.400 km (1/3 eletrificada), e a rede das estradas publicas totaliza 73.000 km, 14.700 dos quais sendo estradas nacionais.

O trafico fluvial realiza-se quase exclusivamente pelo Danúbio.

O trafico aéreo se realiza principalmente pela Companhia Nacional de Aviação TAROM que lega as cidades do pais com mais de 40 metrópoles de 4 continentes.

Paralelamente estão operando companhas aéreas particulares – Miravia – Romavia, Dac Air , Jaro etc.

Privatização e investimentos estrangeiros

O Setor particular abrange hoje em dia, 80% da superfície arável e quase 90% dos efetivos animais e aves, produzindo entre 75 e 90% dos produtos agrícolas e animais.

No período 1992-1996 foram privatizadas 2842 empresas com 857.000 empregados, sobretudo nas áreas do comercio, construção, dos serviços.

O governo instalado depois das eleições de 1996 passou a acelerar a privatização, conseguindo vender em 1997, 1304 sociedades comerciais com um capital social de 2.166 bilhões lei, e em 1998 tem com mata de privativas 2709 empresas com um capital social de 30.356 bilhões lei. O problema principal e o capital para privativas.

A Romênia tem uma legislação atraente para os investidores estrangeiros (o direito de propriedade dos investidores estrangeiros até o 100%, a repartição completa dos ganhos e do capital, a retenção total e livre utilização dos lucros obtidos a partir das exportações).

Em 1 de janeiro de 1998 os investimentos estrangeiros na Romênia totalizavam 3,6 bilhões $, o numero das sociedades com participação estrangeira alcançava 56.000. Os países investidores eram 145, enquanto 74 % do capital investido provinha do grupo dos países G 24 (54 % dos Estados membros da União Europeea).

Principais investidores são: França, Coréia do Sul, Holanda, Alemanha, Estados Unidos, Itália, Grã-Bretanha.

O sistema financeira-bancário também esta sofrendo uma reestruturação e privatização.

Atualmente funcionam na Romênia 42 bancos: 11 são com capital autóctone e estrangeiro, 9 são sucursais do bancos estrangeiros, 5 são com capital totalmente particular estrangeiro, 4 com capital estadual e particular misto, 4 com capital integralmente particular romeno.

Educação, saúde e cultura

O ensino elementario (clases I-VIII) é obrigatorio.

No ano lectivo 1997-1998 freqüentaram a escola um numero de 4.641.000 de alunos (20,6 % da população do pais), o numero de estudantes era de 360.000 (1/4 dos quais integrados em estabelecimentos particulares). O numero de alunos e estudantes por 100.000 habitantes era de 1623 e respectivamente, 159.

A assistência medica é geralmente gratuita. Unidades médicas: hospitais 415, com 173.000 leitos, policlínicas 590, clinicas médicas 6.058, farmácias 3603. O pessoal médico – sanitário do setor público: médicos 40919, estomatologistas – 5974, farmacêuticos 2572, pessoal sanitário de formação media 128.038.

Em 1 de julho de 1996 estavam registrados 4057 casos de SIDA.

O único povo latino da Europa Oriental, cuja gênese e desenvolvimento ocorreram num contexto diferente dos demais povos românicos, os romenos trazem uma nota aparte à cultura européia.

Permaneceram fiéis à origem latina, mas por outro lado, eles foram fortemente marcados pelas culturas vizinhas, primeiro pela bizantina. De aí a sua abertura para outras culturas, por um lado, e, por outro lado, a sua capacidade de assimilar as influências.

Na Idade Media, a criação cultural patenteou-se principalmente na arquitetura e nas artes plásticas. Dão testemunho acerca disso os mosteiros da Moldavia, entre os quais se destaca Voronetz, sobrenomeado A Capela Sixtina de leste, com os seus maravilhosos frescos exteriores, únicos na Europa.

Entre grandes personalidades da cultura romena destacam-se o poeta nacional Mihail Eminescu (1850-1889), que tem uma semelhança forte com poeta brasileiro Castro Alves, o compositor George Enescu, o escultor Constantin Brâncusi, o dadaista Tristan Tzara com uma grande influência também no Brasil, o Eugen Ionescu, com seu teatro absurdo, Mircea Eliade, grande historiador das religiões, George Emil Palade, laureado do Prêmio Nobel de medicina, Henri Coanda, construtor do primeiro avião à reação, Nicolae Titulescu, grande diplomata, dois vezes presidente do Liga das Nações, o regente de orquestra Sergiu Celibidache.

Alem da cultura, os romenos desempenharam um papel importante no esporte .

Entre muitos atletas romenos bem conhecidos são: ginasta Nadia Comâneci, tenista Ilie Nastase (ele foi presente como técnico na partida de Copa Davis entre Brasil e Romênia que se realizou entre 25 e 27 de setembro de 1998 em Florianópolis), o time de futebol romeno, chefiado pelo atacante Hagi.

Relações internacionais e comércio exterior

A Romênia tem relações diplomáticas com 176 Estados, é membro da ONU e de muitas outras organizações internacionais.

A opção firme da Romênia pós-comunista foi de integrar as estruturas euro-atlanticas e europeias (OTAN e U.E.), decisão apoiada tanto pelas forças políticas, como pela população. A Romênia tornou-se membro do Conselho da Europa em 1993, membro associado da U.E. em 1995.

O relacionamento com o Brasil, pais irmão latino, tem mais de 100 anos.

Foi em 1880 que e primeiro mensageiro diplomático romeno, o coronel Voinescu chegou no Brasil, como enviado extraordinário em missão especial, junto ao imperador Pedro II, que expressou "os sentimentos inalteráveis de simpatia que animam o soberano, o governo e a nação romena, em face do Império do Brasil".

Em resposta, dom Pedro II manifestou muita simpatia pela Romênia e destacou que "o desenvolvimento do Estado romeno é necessário ao equilíbrio europeu e oferece uma garantia de progresso e prosperidade para o Oriente".

A Romênia abriu em 1921 primeira missão diplomática na América Latina, no Rio de Janeiro. Antes, o Brasil abriu seu Consulado em Bucareste, em 1914.

As relações entre os dois países conheceram um bom desenvolvimento durante a historia, principalmente por causa das afinidades das duas culturas, ambas de origem latina e as complementaridade das suas economias.

O atual embaixador Brasileiro na Romênia mencionava que o povo romeno e mais parecido com o povo brasileiro de todos os povos latinos.

Nos últimos anos, com mudanças realizadas na Romênia, o relacionamento conheceu um expressivo desenvolvimento, mas ainda não e ao nível desejado por causa da grande distancia e das prioridades regionais dos dois países.

No período 1993-1996 o comércio bilateral quase triplicou, alcançando quase 160 milhões dólares.

No ano passado, o valor de intercâmbio comercial registrou uma baixa (80 milhões $ - 47 milhões $ exportações brasileiras e 33 milhões $ exportações romenas).

Os Principais produtos de interesse na importação do Brasil são:

- minério de ferro e de manganês;
- açúcar e derivados;
- café, farelo de soja;
- equipamentos e componentes para máquinas da alta tecnologia;
- couro e carne;
- produtos químicos

Os principais produtos oferecidos e exportados da Romênia para o Brasil:

- combustível e derivados de petróleo;
- dormentes de aço e materiais para estrada do ferro;
- produtos químicos, fertilizantes;
- equipamentos para industria de exploração e processamento de petróleo;
- transformadores;
- rolamentos;
- produtos farmacêuticos e cosméticos;
- vinhos embutidos

Pesca e caça na Romênia

No Delta de Danúbio e em muitos rios e lagos há mais de 16 espécies de peixes entre os quais: truta, censure, esturjão, pike, barata, umber, zander.

A fauna é muito rica, incluindo: cervo, javali selvagem, lobo, galo montanhoês, lince, camurça, urso, faisão, raposa.
Vida selvagem é protegida em reservas naturais.

A época da caça é observada estritamente, existindo períodos quando é permitida a caça para cada especie.

Culinária da Romênia

Culinária internacional está disponível em restaurantes de classe alta. Mas a maioria deles, e especialmente os restaurantes tradicionais, oferecem famosos e altamente apreciados pratos romenos: mititei, sopa de tripa, guisado de tripa, guisado de porco com mamaliga (farinha de milho fervida com água e sal), sarmale (carne moída com arroz embrulhada em repolho ou em folhas de vinha), carne de veado, especialidades de peixe.

Entre as bebidas específicas: tuica – águardente de ameixa, e vinhos romenos muitas vezes premiados internacionalmente (Murfatlar, Cotnari, Jidvei, Dealul Mare, Odobesti, Târnave, Valea Calugareasca, etc.).

Fonte: www.cons-gen-romania-rio.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal