Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Ruanda  Voltar

Ruanda

 

História

Segundo o folclore, Tutsi criadores de gado começaram a chegar na área do Chifre da África no século 15 e gradualmente subjugou os habitantes hutu.

Os tutsis estabelecida uma monarquia chefiada por um mwami (rei) e uma hierarquia feudal de nobres tutsis e gentry.

Através de um contrato conhecido como ubuhake, o hutu agricultores prometeram seus serviços e os de seus descendentes a um senhor tutsi em troca do empréstimo de gado e uso de pastagens e terras aráveis. Assim, os tutsis reduziu o hutu para a servidão virtual.

No entanto, as fronteiras de raça e classe tornou-se menos distintas ao longo dos anos, como alguns tutsis declinou até que gostava de algumas vantagens sobre os hutus. O primeiro europeu conhecido por ter visitado Ruanda era alemão Conde Von Goetzen em 1894. Ele foi seguido por missionários, nomeadamente os "Padres Brancos".

Em 1899, a mwami submetidos a um protetorado alemão sem resistência. Tropas belgas do Zaire perseguiu o pequeno número de alemães de Ruanda em 1915 e assumiu o controle do país.

Ruanda

Após a Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações mandato Ruanda e seu vizinho do sul, o Burundi, a Bélgica como o território de Ruanda-Burundi.

Após a Segunda Guerra Mundial, Ruanda-Burundi tornou-se um território sob tutela das Nações Unidas com a Bélgica como autoridade administrativa.

Reformas instituídas pelos belgas em 1950 incentivou o crescimento de instituições políticas democráticas, mas foram resistiu pelos tradicionalistas tutsis que viam neles uma ameaça ao regime tutsi. Uma população cada vez mais inquietos hutu, incentivada pelo militar belga, provocou uma revolta em novembro de 1959, resultando na queda da monarquia tutsi.

Dois anos mais tarde, o Partido do Movimento de Emancipação Hutu (PARMEHUTU) conquistou uma vitória esmagadora em um referendo supervisionado pela ONU.

Durante a revolta de 1959 e suas conseqüências, mais de 160.000 tutsis fugiram para países vizinhos.

O governo PARMEHUTU, formado como resultado da eleição 1961 setembro, foi concedido autonomia interna pela Bélgica em 1 de janeiro de 1962.

Uma resolução da Assembleia Geral da ONU em junho de 1962 terminou a tutela belga e concedeu independência total para o Ruanda (e Burundi) efetivamente em 01 de julho de 1962.

Gregoire Kayibanda, líder do Partido PARMEHUTU, tornou-se o primeiro presidente eleito de Ruanda, liderando um governo escolhido entre os membros da Assembleia Nacional eleito diretamente unicameral.

Negociação pacífica dos problemas internacionais, elevação social e econômica das massas, e desenvolvimento integrado de Ruanda eram os ideais do regime Kayibanda. Relações com 43 países, incluindo os Estados Unidos, foram estabelecidas nos primeiros 10 anos.

Apesar dos progressos alcançados, a ineficiência e a corrupção começou dolorosas em ministérios do governo, em meados da década de 1960.

Em 5 de julho de 1973, os militares tomaram o poder, sob a liderança do major-general Juvenal Habyarimana, que dissolveu a Assembléia Nacional e do Partido PARMEHUTU e aboliu toda a atividade política.

Em 1975, o presidente Habyarimana formou o Movimento Revolucionário Nacional para o Desenvolvimento (ECRM), cujos objetivos eram promover a paz, unidade e desenvolvimento nacional. O movimento foi organizado a partir do "encosta" ao nível nacional e por funcionários eleitos e nomeados.

Sob égide MRND, ruandeses foram às urnas em dezembro de 1978, aprovada por esmagadora maioria uma nova Constituição, e confirmou o presidente Habyarimana como presidente. O Presidente Habyarimana foi reeleito em 1983 e novamente em 1988, quando ele era o único candidato.

Em resposta à pressão pública para a reforma política, o presidente Habyarimana anunciou em Julho de 1990 a sua intenção de transformar estado de Ruanda, em uma democracia multi-partidária.

Em 1 de outubro de 1990, em Ruanda os exilados se uniram como a Frente Patriótica Ruandesa (FPR) e invadiu Ruanda a partir de sua base em Uganda.

A força rebelde, composta basicamente de pessoas da etnia tutsi, culpou o governo por não democratizar e resolver os problemas de cerca de 500.000 refugiados tutsis que viviam na diáspora em todo o mundo.

A guerra se arrastou por quase dois anos, até que um acordo de cessar-fogo foi assinado 12 julho de 1992, em Arusha, na Tanzânia, a fixação de um calendário para o fim da luta e negociações políticas, levando a um acordo de paz e de partilha de poder, e autorizar um grupo observador neutro militar sob os auspícios da Organização da Unidade Africano. Um cessar fogo entrou em vigor no dia 31 de julho de 1992, e conversações políticas começaram a 10 de agosto de 1992.

Em 6 de abril de 1994, o avião que levava o presidente Habyarimana e o presidente do Burundi foi abatido quando se prepara para aterrissar em Kigali. Ambos os presidentes foram assassinados. Como se o abate foi um sinal, militares e grupos de milícias começaram a matar todos os tutsis e moderados políticos, independentemente de sua origem étnica.

O primeiro-ministro e seus guarda-costas 10 belgas estavam entre as primeiras vítimas. A matança se espalhou rapidamente de Kigali para todos os cantos do país, entre 06 de abril e no início de julho. Um genocídio de rapidez sem precedentes deixaram até1 milhão de tutsis e hutus moderados mortos nas mãos de bandas organizadas de milícia - Interahamwe. Até mesmo os cidadãos comuns foram chamados para matar seus vizinhos por autoridades locais e patrocinado pelo governo de rádio.

O batalhão RPF estacionado em Kigali sob os acordos de Arusha foi atacada logo após a derrubada do avião do presidente. O batalhão combateu a caminho de Kigali e juntou-se com unidades RPF, no norte. O RPF em seguida, retomou sua invasão e guerra civil assola simultaneamente com o genocídio por dois meses.

As forças francesas desembarcaram em Goma, no Zaire, em junho de 1994 em uma missão humanitária. Eles foram colocados por todo o sudoeste do Ruanda em uma área que chamaram de "Turquesa Zone", para sufocar o genocídio e parar a luta ali. O exército ruandês foi rapidamente derrotada pelo RPF e fugiram pela fronteira para o Zaire seguido por cerca de 2 milhões de refugiados que fugiram para o Zaire, Tanzânia e Burundi.

O RPF tomou Kigali em 4 de julho de 1994, e que a guerra terminou em 16 de julho de 1994.

A FPR tomou o controle de um país devastado pela guerra e genocídio. Até 800 mil foram assassinados, outros 2 milhões ou assim tinha fugido, e outro milhão ou mais foram deslocadas internamente.

A comunidade internacional respondeu com um dos maiores esforços de ajuda humanitária já montados. Os EUA foi um dos maiores contribuintes. A operação de paz da ONU, UNAMIR, foi levantado durante a luta, mas trouxe de volta à força, após a vitória da FPR. UNAMIR permaneceu em Ruanda até 8 de março de 1996.

Após uma revolta pelos étnicos pessoas banyamulenge tutsis no Leste do Zaire, em outubro de 1996, um movimento enorme de refugiados começaram e trouxe mais de 600 mil de volta para Ruanda nas duas últimas semanas de novembro.

Esta repatriação em massa foi seguido no final de dezembro de 1996 com o retorno de outros 500.000 da Tanzânia, novamente em uma onda enorme, espontânea. Menos de 100 mil ruandeses são estimados para permanecer fora de Ruanda no final de 1997.

Com o retorno dos refugiados, um novo capítulo na história de Ruanda começou. O governo começou os ensaios há muito aguardado de genocídio, que teve um início incerto nos últimos dias de 1996 e avançou para a frente em 1997. O sucesso ou fracasso do social Ruanda compacto será decidido ao longo dos próximos anos, como hutus e tutsis tentar encontrar maneiras de viver juntos novamente.

RUANDA, AS NÉVOAS DA ÁFRICA

Este belo país, famoso por seus gorilas de montanha, é por desgraça, lembrado hoje pelas cruéis guerras que sofreu recentemente. Devido a isto, as mudanças que ainda estão acontecendo podem ser traumáticas.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

A República Ruandesa está situada no coração da África e limita-se ao norte com Uganda, ao sul com Burundi, ao leste com Tanzânia e ao oeste com Zaire.

Tem uma extensão de 26.338 quilômetros quadrados e está dividida politicamente em 10 prefeituras: Batear, Bamba, Cyangugu, Gisenyi, Gitarama, Kayonza, Kibungo, Kigali, Nyagatore, Ruhengeri.

A altitude sobre o nível do mar oscila entre os 1200 e 4500 metros. É um país muito montanhoso; ocupa um planalto que está entre os 1200 e 2000 metros de altitude. A altitude máxima é o pico Karisimbi com 4.507 metros, ao noroeste, nas cumes que separam as bazias dos rios Nilo e Congo. Ao oeste, na zona do lago Kivu, encontram-se as falhas da África oriental.

O sistema hidrográfico formam o lago Kivu e o rio Ruzizi que leva as águas do lago para o Tanganica.

O clima é tropical de temperaturas temperadas-cálidas devido altitude.

Há duas estações de chuva: a primeira de outubro à dezembro e uma segunda de março à maio. A precipitação média anual oscila entre os 800 mm. Na zona oriental e os 2000 mm. na ocidental. A temperatura média costuma ser de 241 C, porém, na medida que ascende-se, na zona dos vulcões pode-se chegar a ser bastante baixa.

FLORA E FAUNA

O que predomina em Ruanda é a estepa e a isso deve-se que sua grande riqueza seja a criação de gado praticada de maneira intensiva. Têm gado bovino, ovino e cabras. Também o lago Kivu é rico em peixes.

Quanto aos bosques que extendem-se pelo país estão formados por coníferas, bambus e madeiras de marçenaria.

História

Até os começos da independência, a história de Ruanda é quase igual à de Burundi, ambas as repúblicas formaram parte da antiga África Oriental Alemanha ao ser colonizados por Alemanha em 1890; após a II Guerra Mundial passaram a estar sob mandato belga com a supremacia dos tutsi, e em 1947 se converteram em fideicomisso belga das Nações Unidas. Em 1959, ao morrer o rei Nmatara III, os tutsi tomam o poder e matam aos nobres hutu; estes revoltam-se e vingam-se matando milhares de tutsi; outros muitos tutsi fugiram aos países vizinhos. Em 1 de Julho de 1962 obtiveram a independência e converteram-se em República de Ruanda e República de Burundi. Desde 1925 até 1947 o território esteve unido administrativamente ao Congo Belga e regido por um sub-governador.

A Independência

A Administração belga viu-se forçada a introduzir reformas nos momentos em que estava se fragando a independência. Nesses momentos tinham o poder os hutu sob o mandato de Kayibanda.

Os tutsi começaram uma guerra de guerrilhas na que sairam perdendo: milhares de tutsi foram brutalmente assassinados e mutilados.

Em 1972 têm lugar em Burundi várias massacres e torna a surgir o ódio contra os tutsi. O comandante Habyarimana toma o poder após um golpe de estado e constitue o partido único MRND, que ainda segue com o poder e ao que todo ruandés por nascimento pertence.

História Recente

Em 1985 são repatriados uns 30.000 ruandeses que estavam refugiados em Uganda. Em 1990 e até agosto do 93 se desenvolve uma guerra empreendida por guerrilheiros do Frente Patriótico de Ruanda (FPR). Em agosto de 1993 assinam um acordo de paz o estado e os chefes do FPR.

Arte e Cultura

Se pretende ter uma idéia da história e da arte de Ruanda, o melhor é ir no "único" museu do país, na estrada para Gitarama, a muito poucos quilômetros de Butare, o Museu Nacional, um edifício novo de arquitetura moderna. Este museu aloja uma interessante e valiosa mostra, muito bem organizada e conservada, sobre a história e etnografia da Ruanda.

Gastronomia

Na cozinha tradicional ruandesa utilizam-se os ingredientes que eles mesmos cultivam como batata e mandioca. Quanto à carnes a mais consumida é a de vaca. Em determinados hotéis pode-se comer cozinha internacional.

Bebidas

Deve beber água engarrafada e ter cuidado ao comer frutos ou ingerir sucos.

Compras

O artesanato típico da Ruanda são os objetos de madeira e a cesteria. Pode-se comprar as armas das tribos lanças ou escudos feitos de metal.

População e Costumes

É um dos países com uma maior densidade de população da África, uns 293,8 habitantes por quilômetro quadrado. Em uma superfície de algo mais de 26 mil quilômetros quadrados de extensão, vivem aproximadamente oito milhões de pessoas.

Em Ruanda a população pertenece a várias etnias; o 60% da população é da etnia hutuou bahutu, de língua bantu, dedicados à agricultura; o resto está formado pelos tutsi e os pigmeos twa.

A maior parte da população dedica-se à agricultura que é sua base econômica; cultivam a batata, batata-doce, mandioca, tabaco, café e chá. Outros grupos praticam a criação de gado e a pesca.

Entretenimento

Há excelentes zonas preparadas para praticar os esportes aquáticos e os de montanha. Uma das atividades preferidas pelos viajantes que chegam a este país é a visita aos Parques Nacionais, sobretudo para ver as famílias de gorilas. Existem várias famílias que podem ser visitadas em grupos reduzidos. Entre os lugares mais importantes encontram-se o vulcão Bisoke, o Sabyinyo e o Susa no vulcão Bosoke. É necesário fazer previamente a reserva.

Festividades

Celebram-se as festas católicas e o dia da Independência, o 1 de Julho. 1 de Janeiro Ano Novo, 6 de Janeiro A Epifania, Semana Santa, 1 de Maio Dia do Trabaho, 1 e 2 de Novembro Dia de Todos os Santos e Fieis Finados, 25 de Dezembro Natal e o 31 de Dezembro a última noite do ano.

Transportes

Avião: O único aeroporto internacional é o aeroporto de Gregorie Kayibanda que está situado a 12 quilômetros de Kigali.

Trem: Em Ruanda não há caminho de ferro.

Carro: As principais estradas partem de Kigali e unem-la com o resto das povoações mais importantes. Há uma aceitável rede de estradas graças ajuda internacional.

Transportes Públicos: Na capital existe serviço de táxi. Estão por perto, mas alguns não são muito seguros. É imprescindível combinar o preço antes de empreender o trajeto. Existem motocicletas fazendo o serviço, inclusive com bagagem, colocando-a na parte posterior.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.rumbo.com.br

Ruanda

Localizada no interior do Leste da África, a República de Ruanda limita-se com a República Democrática do Congo, Tanzânia, Uganda e Burundi. Seu território de 26 mil km2 contém uma população de 8,2 milhões de habitantes, composta pelas etnias hutu (80%), tutsi (18%) e twa (2%).

O país apresenta uma das mais baixas taxas de urbanização do continente africano: acima de 90% da população vivem no campo. Além da agricultura de subsistência, sobressaem os cultivos de café e chá, principais itens de exportação. O país vem passando por processo de restauração institucional e recuperação econômica, após os sérios conflitos internos na primeira metade da década de 90, os quais acarretaram o genocídio de 1994. A capital e principal centro urbano é Kigali, com 500 mil habitantes.

Ruanda constitui uma República presidencialista, com poder executivo forte. O atual Chefe de Estado, reeleito em 25 de agosto de 2003 e no cargo desde 24 de março de 2000, é o General Paul Kagame, da etnia tutsi. O Primeiro-Ministro Bernard Makuza exerce a Chefia de Governo desde 9 de março de 2000.

A nova Constituição foi aprovada mediante referendo popular em 26 de maio de 2003 e, entre outras mudanças institucionais, transformou o poder legislativo em bicameral, formado pela Assembléia Nacional e pelo Senado. O poder judiciário, baseado no sistema belga, tem a Corte Constitucional como instância máxima.

Ruanda celebra a data nacional no dia da independência, 1 de julho. Os idiomas oficiais são o francês, o inglês e o kinyarwanda.

HISTÓRIA

Por volta do século XIV, tribos das etnias hutu e twa (pigmeus) conviviam pacificamente no território hoje formado por Ruanda e Burundi, em comunidades baseadas na agricultura e no escambo.

Gradualmente, grupos de pastores nômades da etnia tutsi passaram a fixar-se na região, impondo-se economicamente sobre as demais tribos. Em meados do século XVII, os tutsis haviam estabelecido um sólido império, transformando hutus e twas em vassalos e clientes, com a tarefa de pastorear rebanhos e cuidar das plantações.

A presença européia remonta ao final do século XIX, quando o território foi incorporado à África Oriental Alemã. Com a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial, a Bélgica assumiu o controle da região, então denominada Ruanda-Urundi.

Por volta de 1950, Bruxelas iniciou um processo de democratização gradual, com vistas a reduzir a polarização entre a elite dominante tutsi e a maioria excluída, integrada por hutus e twas. Em 1959, os tutsis fundaram a União Nacional Ruandesa (UNAR), partido político independentista e conservador, a favor da manutenção da monarquia de Kigeri V.

A maioria da população, integrada pelos hutus e com o apoio tácito da Bélgica, organizou-se no PARMEHUTU ou Movimento Democrático Republicano (MDR-P).

Após haver assumido feições de antagonismo de classe (elite tutsi contra a plebe hutu), a tradicional rivalidade transferiu-se para o terreno político (UNAR contra MDR-P) e evoluiu para violentos conflitos, que provocaram milhares de mortes e fizeram com que cerca de 300 mil tutsis se refugiassem no Burundi e em Uganda.

Em 1960, o PARMEHUTU venceu as eleições comunais, ocasionando novo êxodo de refugiados tutsis. Em 1961, o partido derrubou a monarquia de Kigeri V e, em 1963, proclamou a República Ruandesa, independente do Burundi.

POLÍTICA INTERNA

O primeiro Presidente do país foi Gregoire Kayibanda, líder do PARMEHUTU. Sua gestão foi marcada por dificuldades econômicas e pela proliferação dos conflitos tribais. Logo após a independência, cerca de 15 mil tutsis foram massacrados, ao tentarem uma invasão a partir do Burundi.

Tal situação, somada acusação de que o Governo favorecia as tribos hutus do Centro e Sul do país, resultou no golpe militar de 5 de julho de 1973, liderado pelo Major-General Juvenal Habyarimana, um hutu oriundo do Norte de Ruanda. O novo Governo suspendeu a Constituição, dissolveu o PARMEHUTU e aboliu o sistema parlamentarista.

Com a chamada "II República", iniciou-se período de reconciliação nacional. Em 1975, Habyarimana fundou o Movimento Revolucionário para o Desenvolvimento (MRND), declarado partido único pela Constituição promulgada em 1978. Em meados de 1990, o Presidente chegou a anunciar projeto de democratização, que incluía o multipartidarismo e a elaboração de nova Constituição.

Em outubro de 1990, no entanto, refugiados tutsis organizados na Frente Patriótica de Ruanda (RPF) lançaram uma invasão a partir de Uganda, com o apoio daquele país. As forças rebeldes chegaram até a periferia de Kigali, onde foram repelidas pelo exército ruandês, apoiado por tropas zairenses e "consultores" militares franceses e belgas. A invasão resultou no massacre de milhares de hutus, além do deslocamento interno, para áreas seguras, de cerca de 1 milhão de pessoas daquela etnia.

Em março de 1991, foi assinado acordo de cessar-fogo, ao qual se seguiram reformas, como o estabelecimento do multipartidarismo e a elaboração da nova Constituição Em meados de 1992, Dismas Nsengiyaremye foi nomeado Primeiro-Ministro, formando um governo com representantes do MRND e do recém-legalizado MDR (antigo PARMEHUTU).

As negociações de paz com a RPF culminaram, em 1993, na assinatura dos acordos de Arusha, estipulando a formação de governo transitório com participação de representantes da guerrilha, bem como a criação de exército nacional integrado por tropas regulares e combatentes da RPF. Em apoio à iniciativa de pacificação, o Conselho de Segurança da ONU adotou a Resolução 872 (1993), estabelecendo a missão de paz em Ruanda - UNAMIR.

Os termos do acordo de Arusha foram abertamente rejeitados, contudo, por facções do MRND, sobretudo a Coalizão para a Defesa da República (CDR), que começou a recrutar e armar milícias hutus.

Em abril de 1994, um atentado no aeroporto de Kigali, supostamente orquestrado por dissidentes do partido governista, resultou na morte de Habyarimana e do Presidente do Burundi, Cyprien Ntaryamira. A ala radical do MRND assumiu o poder e deu início a uma campanha de eliminação (física) da oposição política, que logo evoluiu para a matança indiscriminada dos tutsis. Em poucas semanas, o exército, as milícias hutus e até a população civil exterminaram pelo menos 500 mil pessoas, provocando o êxodo em massa de refugiados para os países vizinhos.

A RPF, por sua vez, partiu para o contra-ataque, lançando ofensiva contra as tropas do Governo, milícias e população hutu. Seu avanço em direção a Kigali resultou em outro meio milhão de mortes e em novo êxodo, dessa vez de hutus, em direção ao Zaire, Burundi e Tanzânia.

Na região leste do Zaire, a ONU organizou campos de refugiados, que chegaram a abrigar cerca de 1,5 milhão de pessoas. Em julho de 1994, tropas da RPF conquistaram Kigali. Formou-se governo de união nacional, com a nomeação do hutu Pasteur Bizimungu para Presidente e de Faustin Twagiramung para Primeiro-Ministro.

Consolidada no poder, a RPF estabeleceu esquema de coabitação política com o MDR, tradicional partido hutu. A nova Constituição, promulgada em 1995, incorporou dispositivos dos acordos de Arusha, como o multipartidarismo e o fortalecimento do poder legislativo. O MRND, partido do falecido presidente Habyarimana, foi proscrito, sob acusação de ter instigado o genocídio.

Alegando razões pessoais, o Presidente Pasteur Bizimungu apresentou sua renúncia em 23 de março de 2000. O Vice-Presidente e Ministro da Defesa, Paul Kagame, assumiu interinamente, vindo a ser confirmado como Presidente pelo Parlamento, em eleição indireta realizada em 17 de abril de 2000.

Ao tomar posse, no dia 22 de abril, Kagame, primeiro Presidente da etnia tutsi, afirmou que sua gestão estaria sempre acima das diferenças regionais ou étnicas e que tudo faria para consolidar a identidade nacional do povo ruandês.

Figura respeitada no país, sobretudo por haver liderado as forças rebeldes que puseram fim ao genocídio de 1994, Kagame venceu a eleição efetuada em agosto de 2003, a primeira de cunho multipartidário que se realizou no país, com base na Constituição adotada mediante referendo popular de maio.

ECONOMIA

A economia de Ruanda baseia-se na agricultura de subsistência e no cultivo de café e chá. Cerca de 90% da população do país, cuja taxa de urbanização é de menos de 10%, dependem dessas atividades.

O Produto Interno Bruto, da ordem de US$ 1,9 bilhão em 2002, apresentou elevadas taxas de crescimento nos últimos anos: 12% (1996), 13% (1997), 10% (1998) e 9% (2002). No entanto, em 1994, o PIB havia sofrido contração de 50%, o que atenua o significado das elevadas taxas subseqüentes. A renda per capita, em torno de US$ 250, coloca Ruanda entre os dez países mais pobres do mundo.

O setor industrial compreende atividades ligadas ao processamento agrícola e algumas indústrias de bens de consumo básico, como fábricas de fósforos, cigarros e sabonetes. O setor de serviços inclui toda a infra-estrutura estatal de comunicações e transportes, atividades comerciais e funcionalismo público. O turismo, quase inexistente, apresenta potencial de desenvolvimento, sobretudo no segmento de "ecoturismo".

Após a devastação provocada pelo eventos ocorridos entre 1990-94, as prioridades imediatas são a recuperação do setor agrícola e o assentamento de refugiados e populações deslocadas. A projetada construção de novos vilarejos tem, como objetivo primordial, a reintegração desses grupos em um sistema econômico minimamente organizado.

A médio prazo, a política econômica pretende aumentar as exportações, reduzir o déficit público (mediante a racionalização do funcionalismo público e privatização do setor estatal) e atrair investimentos privados. Recentemente, algumas empresas da África do Sul aumentaram sua participação em Ruanda, sobretudo nos setores de telecomunicações e de mineração.

O país é altamente dependente da ajuda financeira internacional, cujo montante anual chegou a atingir US$ 700 milhões entre 1994-96. No entanto, as doações foram mais contidas, nos anos seguintes, dada a desconfiança de que a ajuda financeira estaria contribuindo para o custeio do esforço de guerra na República Democrática do Congo, na qual Ruanda se envolveu diretamente até o terceiro trimestre de 2002, quando suas tropas (juntamente com as de outros países africanos) se retiraram do território vizinho. Em 2001, a dívida externa ruandense situava-se no patamar de US$ 1,2 bilhão.

Com relação ao comércio internacional, as exportações de café e chá representam 90% das receitas externas. Em 2002, o comércio global do país atingiu a cifra de US$ 436 milhões, com exportações de US$ 122 milhões e importações de US$ 314 milhões.

A dependência das importações, sobretudo de bens de consumo e alimentos, torna a balança comercial tradicionalmente deficitária. A União Européia destaca-se como cliente das exportações ruandenses (32%), bem assim como fornecedor dos bens importados (25%), ficando atrás somente do conjunto dos países africanos (33%).

POLÍTICA EXTERNA

Membro da ONU, OUA (depois sucedida pela União Africana) e G-77, Ruanda tem seguido uma política externa não-alinhada, com o objetivo primordial de obter ajuda financeira e humanitária. A comunidade internacional vem apoiando o esforço de reconstrução naquele país, apesar de manifestar preocupação com as violações de direitos humanos ligadas aos graves conflitos da primeira metade da década de 90, especialmente os massacres ocorridos em campos de refugiados e as deficiências de ordem jurídico-legal.

As relações com a ONU e suas agências especializadas são marcadas por certa ambivalência, pois o país depende, por um lado, da assistência humanitária fornecida por agências como o Programa Mundial de Alimentos (WFP) e Alto Comissariado para os Refugiados (UNHCR), enquanto, por outro lado, manifesta desconformidade com o que considera como casos de interferência indevida em seus assuntos internos.

No âmbito regional, tem-se desenvolvido o relacionamento com a África do Sul (RAS) desde o estabelecimento de relações diplomáticas em 1995. Os acordos bilaterais passam de quatorze, cobrindo diferentes áreas de cooperação, e as visitas de alto nível também vêm ocorrendo em número expressivo. No início de julho de 2004, visitou Ruanda o Ministro da Defesa da RAS, ocasião em que foi assinado acordo de cooperação militar. No final do mesmo mês, os Chanceleres dos dois países presidiram, em Pretória, a terceira reunião da Comissão Mista bilateral.

Até meados de 1999 Ruanda manteve excelente relacionamento com a vizinha Uganda, sobretudo nas áreas militar e econômica. Desde então, o clima de entendimento tem oscilado, inclusive em função das desavenças com respeito à crise interna na República Democrática do Congo (RDC), abaixo comentada, em que ambos os países se envolveram. No campo econômico, boa parte do comércio internacional ruandês é feito através de Uganda.

Com relação ao Burundi, os dois países partilham relativa semelhança de suas situações domésticas em termos étnicos. Ao longo dos anos 90, lideranças tutsis em Ruanda e no Burundi mostraram preocupações comuns em relação repartição do poder com as respectivas parcelas de suas populações da etnia hutu.

As dificuldades de harmonização, em ambos os casos, geraram graves conflitos internos, com milhares de mortos e numeroso contingente de cidadãos que foi obrigado a deslocar-se de suas regiões de origem, inclusive para países vizinhos.

As relações com a Tanzânia, abaladas no início de 1997, após a expulsão de 500 mil refugiados ruandeses daquele país, têm melhorado sensivelmente e tendem a voltar-se cada vez mais para a esfera econômica e comercial.

Com respeito à RDC, a guerra civil em Ruanda levou cerca de dois milhões de refugiados hutus, inclusive parte do antigo exército ruandês, a abrigar-se na província congolesa de Kivu, onde vieram a entrar em choque com os banyamulenges, grupo local de origem tutsi.

Tropas da Frente Patriótica de Ruanda (e também de Uganda) intervieram em favor dos banyamulenges. A partir daí, verificou-se o envolvimento ruandês na crise interna da RDC, havendo sido instrumental o apoio de Ruanda (e de Uganda) para a vitória de Laurent Kabila, em maio de 1997, contra o regime de Mobutu Sese Seko.

Em meados de 1998, o relacionamento de Kabila com os Governos de Kigali e de Campala deteriorou-se, todavia, o que levou a nova intervenção dos dois países vizinhos na RDC, desta vez em apoio a grupos distintos de oposição ao Presidente congolês.

Seguiu-se guerra civil de grande proporção na RDC, cuja superação começou a encaminhar-se somente depois de 2001, com a participação da ONU, de organismos regionais e de governos africanos. Acordo para a paz na RDC foi assinado em Pretória, em 30 de julho de 2002, por parte de Ruanda, cujas tropas se retiraram do território congolês ao longo do terceiro trimestre do mesmo ano (a exemplo das de outros países).

Complementando esse instrumento, firmou-se acordo em Abuja, em junho de 2004, pelo qual se reabriu a fronteira entre os dois países, dentre outras medidas. A situação fronteiriça ainda dá margem a preocupações, contudo, em função da atividade de grupos rebeldes.

As relações entre Ruanda e seus vizinhos na África Oriental poderão evoluir significativamente na medida em que se instale amplo processo de cooperação sub-regional que se sobreponha aos conflitos até o momento ali ocorridos.

Com esse objetivo, importante iniciativa consistiu na celebração, em Dar es Salaam, em novembro de 2004, da Conferência Internacional dos Grandes Lagos, da qual o Brasil participou na condição de Observador, representado pelo Diretor do Departamento da África do Ministério das Relações Exteriores.

RELAÇÕES COM O BRASIL

Brasil e Ruanda estabeleceram relações diplomáticas em fevereiro de 1981. A Embaixada brasileira em Kigali é cumulativa com a representação em Nairóbi, enquanto que a missão diplomática ruandesa em Brasília tem sede em Washington, EUA.

O relacionamento bilateral pouco avançou, desde então, não havendo registro de visitas de autoridades brasileiras a Kigali. Do lado ruandense, o então Ministro dos Negócios Estrangeiros efetuou visita ao Brasil em 1982, quando se discutiram possibilidades de cooperação técnica.

Neste campo, inexistem iniciativas atualmente, embora haja setores que podem ser explorados. O Governo de Ruanda manifestou interesse, recentemente, em uma possível cooperação na área de eletrificação rural, havendo disposição favorável do lado brasileiro de enviar missão técnica àquele país.

A cooperação tenderá a desenvolver-se gradualmente em função da prioridade atribuída à África pelo Governo do Presidente Lula da Silva, bem como da evolução do processo ruandense de pacificação e de recuperação econômico-social.

Quanto ao intercâmbio comercial, apresenta-se bastante tênue. Em 2003, a balança bilateral registrou, unicamente, exportações brasileiras no valor de 546 mil dólares. Produtos manufaturados, como papéis e reboques, têm figurado na pauta exportadora nos últimos anos, de forma intermitente.

Fonte:  www2.mre.gov.br

Ruanda

Nome Oficial: República do Ruanda
Área: 26.338 km²
População: 11.055.976 habitantes.
Capital: Kigali
Principais cidades: Kigali
Língua Oficial: Kinyarwanda, Francês, Inglês
Moeda: Franco de Ruanda
Dia Nacional: 01 de julho - Dia da Independência

História

Tal como o seu vizinho, Burundi , cuja história tem muitas semelhanças, Ruanda é um dos poucos países africanos cujos limites existia antes da colonização.

Localizado na região dos Grandes Lagos, que foi palco de grandes migrações bantu e, portanto, consiste de uma população fabricado com os pigmeus Twa nativos. Essa mistura era tão completo que se pode dizer, a partir do século XVIII, e provavelmente antes, uma civilização comum, todos os habitantes de Ruanda falando a mesma língua, Kinyarwanda.

Em um tempo remoto ainda mal compreendida, a população tem gradualmente organizado em torno de duas principais atividades econômicas: agricultura, tornada possível pela grande clima de segurança nas terras altas, e da agricultura, particularmente na pequena plantações de banana.

Colonização belga ancorada na idéia de que a distinção entre tutsis e hutus foi o resultado de uma divisão entre os diferentes grupos étnicos: os hutus tinham como Bantu, ela sentiu-se inferior e tutsis como populações descendentes os Hamites, tão acima de seus olhos. Na realidade, é mais do que duas classes.

A maioria dos tutsis eram proprietários de gado e agricultores hutus. Mas a fronteira era tênue, pois muitos hutus praticada a agricultura. Havia uma hierarquia especialmente da aristocracia, o proprietário dos animais ou a terra, e as pessoas que receberam terras e criação de gado.

Em regiões com maioria da população hutu como a aristocracia era hutu. Regiões, principalmente tutsi, foram uma e outra tutsi. Mas em regiões de mistura, a aristocracia era tutsi e hutu da população, como propriedade foi a classificação individual tutsi, hutu fez alienar. A distinção foi baseado não em motivos étnicos.

A formação do Reino de Ruanda começou no século XVI, sob o reinado de Yuhi Gahima, e continuou aos trancos e barrancos, no século XVII por incorporação sucessiva de pequenas unidades políticas.

Poder pré-colonial Ruanda aumentou com a criação de fronteira armados Cyilima Rujugira em meados do século XVIII, que frustrou as tentativas de expansão do Burundi e permitiu a conquista de Gisaka (sudeste do país ) na primeira metade do século XIX, e as margens do Lago Kivu.

O mwami de Ruanda realizado trabalho de centralização política sob o controle da dinastia tutsi, com uma divisão em 21 províncias e do estabelecimento de um sistema de três líderes designados para controlar uns aos outros: Terras Chefe de coleta benefícios de produtos agrícolas e arbitrais disputas de terra, cabeça de pastagem de gado regulação e cobrança de taxas para produtos de origem animal; chefe do exército. A maior parte do poder estava nas mãos do clã real, os Banyiginyas e alguns grandes grupos tutsis.

Colonização alemã

Long, Ruanda permaneceu fechada aos estrangeiros: Swahili e comerciantes árabes da costa leste e exploradores europeus, desanimado por boatos, evitado. O austríaco Oscar Baumann foi o primeiro europeu a atravessar a fronteira em 1892.

Em 1894 e 1897, o Mwami (soberano) recebeu no pátio sucessivamente dois alemães e von von Goetzen Ramsay. Em 1898, os alemães se mudou para os Shangi primeira posição nas margens do lago Kivu, provocando imediatamente a ira de Leopold II (rei dos belgas) que considerou ter estabelecido sua privacidade dominação.

Em 1899, os alemães assinaram o tratado com ele Heligoland-Zanzibar que permitiu que a Alemanha para expandir seu domínio sobre o Ruanda. A fronteira com o Congo Belga (hoje República Democrática do Congo) foram definidos em 1910.

Em 1899, enfraquecido pelas disputas de sucessão, mwami reconheceu o protetorado alemão em troca de uma promessa de apoio. Aos poucos, a Alemanha afirmou sua supremacia, intervindo nos assuntos internos do reino.

Desenvolvimento do território voltou à Deutsche Gesellschaft Ostafrika, levando o suaíli para expandir seus negócios na região e iniciou a construção de uma linha férrea que liga a região dos Grandes Lagos até a costa. Mas a eclosão da Primeira Guerra Mundial ea invasão da Bélgica, em 1916, destruiu as esperanças de colonial Alemanha.

Tratado colonização belga de Paz assinado em Versalhes, em 1919, e especialmente a decisão da Liga das Nações, em 1922, fez de Ruanda um território mandato confiado para a Bélgica. Oficialmente, Bélgica praticado administração indireta, contando com instituições tradicionais.

Na verdade, Bélgica intervindo cada vez mais no negócio de Ruanda sob o pretexto de reforçar as tribos, ele se enfraquece. Presença belga resultou na profanação da realeza e da capacitação de tutsis em detrimento de hutus. O colonizador espalhar a tese de que hutus e tutsis eram grupos étnicos distintos luta desde tempos imemoriais.

Missões católicas, que formaram a elite, deu prioridade ao tutsis e contribuíram para a capacitação de tutsis. Belgas desenvolveram a agricultura em detrimento da pecuária eles introduziram novas culturas, como o café.

Após a Segunda Guerra Mundial, os belgas contra a ascensão do anti-colonialismo na elite tutsi, mudou abruptamente bordo em 1950. Sob o pretexto de instalar alguma justiça social, que incentivou os hutus a se rebelar contra o que chamaram de "feudalismo" de tutsis.

Eles queriam mostrar o quase monopólio do "grupo étnico", em nível nacional, em que eles próprios foram os responsáveis. A Igreja incentivou esta inversão tutsi nacionalismo suspeitar ser influenciado por "comunismo". Em 1957, um grupo de ex-seminaristas escreveu um manifesto denunciando os hutus monopólio tutsis política, econômica, social e cultural.

A divisão entre as duas comunidades endurece com a intervenção da ONU em favor de tutsis nacionalismo separatistas. A morte repentina do rei Mutara II, em 1959, ea inauguração de seu sucessor, Kigeli V, sem o acordo da Bélgica, deu o sinal para um confronto entre as duas comunidades.

Parte de tutsis foram assassinados, outros fugiram do país. Bélgica incentivou a criação de partidos políticos, incluindo o Partido PARMEHUTU (Movimento para a Emancipação Hutu). Em 1960, ela instruiu seu Kayibanda Presidente, para formar um governo, como o país entrou em guerra civil.

Em 1961, ele proclamou a república, ele se tornou o primeiro presidente. A ONU realizou um referendo que aprovou a abolição da monarquia. As eleições de 1961 confirmaram o peso de PARMEHUTU.

Em 1 de julho de 1962, o país ganhou a independência.

Ruanda Contemporânea

A independência provocou a "revolução social" levou hutu e tutsi exílio muitos, estes, os refugiados nos países vizinhos lançou um ofensivas frustradas de recuperar o poder. Ele imediatamente seguido violentos confrontos entre as duas comunidades (1963-1964) eo massacre de tutsis muitos (20 000).

Em 1973, o regime Kayibanda, enfraquecida por lutas internas, é procurado um bode expiatório, sob o pretexto de impulsionar a revolução hutu contra o feudalismo, ele decretou uma "caça aos tutsis" que provocaram mortes enorme. No mesmo ano, um golpe militar derrubou o regime e levou ao poder o general Juvenal Habyarimana.

Instituindo um forte, apoiou o hutu sua região natal, o Norte, o Movimento Revolucionário Nacional para o Desenvolvimento (ECRM), construído em partido único.

Ele desenvolveu um racista e extremista, com um programa de limpeza étnica: cotas étnicas limitado o acesso de tutsis para escolas, empregos ...

Seu regime recebeu o apoio da França e da Bélgica enviou tropas para vários vezes para mantê-lo no poder. Clivagem entre hutus e tutsis foi substituído uma divisão entre partidários do regime, recrutados principalmente entre as fileiras de extremistas hutus, e agora uma oposição composta de tutsis e hutus moderados.

Lá fora, uma oposição armada foi forjada em torno do RPF (Frente Patriótica Ruandesa), principalmente em Uganda e cerca de 10 fortes? 000 "rebeldes". O RPF, muitas vezes apresentada fora do país como um movimento tutsi, é na verdade um movimento multi-étnica, em que os tutsis são certamente a maioria, mas o presidente é um hutu.

Genocídio

Em outubro de 1990, o RPF em Ruanda cruzaram a fronteira e invadiram o norte do país. Presidente Habyarimana tentou restaurar a ordem em que anuncia a abertura de seu regime para um sistema multipartidário.

Mas a guerra continuou até o ponto que, em 1993, o RPF ameaçado Kigali. Em agosto de 1993, em Arusha (Tanzânia) consagrou a partilha do poder entre a oposição interna, estendido para o RPF, eo partido do presidente. Apoiado pelos ultras do MRND e o CDR (Coalizão para a Defesa da República), outro partido extremista, o presidente Habyarimana multiplicado manobras para não implementar esses acordos.

Em 6 de abril de 1994, em um contexto de incitação à violência pela mídia estatal, o avião presidencial foi baleado em condições ainda mal compreendida, causando a morte de Habyarimana. Poucas horas depois, os extremistas hutus massacraram oposição hutu e organizado o genocídio dos tutsis.

O número estimado de pessoas que morreram mais de 500? 000 (talvez um milhão), dentro de alguns meses de loucura sangrenta. O RPF em seguida, lançou uma ofensiva geral. Perdas depois de uma resistência de curto, o FAR (Forças Armadas de Ruanda) levou a sua fuga para centenas Zaire de milhares de hutus. França lançou a "Operação Turquesa", um momento suspeita de querer restaurar a velha ordem. De julho de 1994, o RPF imposta e estabelecer um governo composto por partidos de oposição.

Em novembro de 1994, o Conselho de Segurança da ONU estabeleceu o Tribunal Penal Internacional para o Ruanda (TPIR), que se sentar na Tanzânia deve processar os responsáveis por crimes contra a humanidade. A situação de muitos refugiados hutus no nordeste do Zaire, hoje, entretanto, a República Democrática do Congo, foi alarmante.

O novo governo em Kigali lhes pediu para voltar, mas com toda a probabilidade, os responsáveis pelos massacres de 1994 impediu isso. Em setembro de 1996, uma minoria tutsi na República Democrática do Congo atacaram os campos de refugiados.

Em novembro, a ONU estava se preparando para intervir quando alguns dos refugiados retornaram a Ruanda, enquanto outro afundou o país em péssimas condições sanitárias.

Em setembro de 1998, assombrado com a perspectiva de um genocídio segundo, o RPF tutsis no poder em Kigali quer criar, no leste da República Democrática do Congo uma zona tampão que iria protegê-los de ataques de milícias hutus refugiados nas províncias de Kivu.

Por seu lado, o novo regime congolesa de Kabila, sentindo-se apanhado no meio pelos tutsis planos em Ruanda, Burundi e Uganda, agora parece ter tomado os extremistas hutus foram expulsos do poder em Ruanda: Kigali acusado de querer criar um "Tutsi império", o rádio congolês chamado agora o assassinato da diáspora tutsi (Banyamulenge), o mesmo que ajudou a Kabila chegou ao poder, na esperança de que seu regime pôr fim à intensa Exército unidos colaboração de Mobutu e as milícias hutus responsáveis pelo genocídio de 1994.

Considerado o novo homem forte do país, o general Kagame, que já acumulou Vice-Presidente e Ministro da Defesa, assumiu o comando da Frente Patriótica Ruandesa, em fevereiro de 1998. Enquanto isso, ele conta com o apoio do Quênia, que quer ver o Ruanda integrar a Comunidade Econômica da África Oriental.

Assim, em Março de 2000, o Chefe de Estado e renunciou carga Major General Paul Kagame da decisão provisória. Esta renúncia é precedido em fevereiro pelo primeiro-ministro hutu, Pierre-Célestin Rwigema condenado por corrupção depois de um inquérito parlamentar, ea formação de um novo governo, liderado por Bernard Makuza, excluindo as personalidades líderes hutus que participaram do governo de "reconciliação nacional", criada após o RPF tomou o poder em 1994. Esta crise política, mais uma vez ilustra as dificuldades enfrentadas por ambas as comunidades para embarcar no caminho da paz.

GEOGRAFIA

Centrado no Congo-Nilo, Ruanda é um pequeno país da África Oriental, limitado a oeste pela República Democrática do Congo, a norte pelo Uganda, a leste pela Tanzânia e do Sul pelo Burundi.

Sua população, uma das mais densas em África está estimada em 8,2 milhões, distribuídos em 26.340 km ², com uma densidade média de 292 h. / Km ².

Tais como Burundi, Ruanda é um conjunto de terras altas organizado de forma assimétrica, mas suas características são mais acentuadas e muitas vezes maior altitudes.

Movimentos tectônicos de parte da base Africano causado a formação da cadeia vulcânica, ainda ativo, incluindo as Montanhas Virunga Karisimbi é o ponto mais alto (4507 m). O cume estende de 20 a 50 km, de norte a sul, a uma altitude entre 1.900 e 3.000 m.

Se a encosta ocidental da serra desce abruptamente no Lago Kivu, situado no Rift Ocidental em 1459 m de altitude, as encostas orientais de Ruanda, pelo contrário, é uma grande bacia inclinada em direção ao Lago Victoria. O Planalto Central, ao norte dominado por grandes encostas do maciço vulcânico, é modelada por "mil colinas" por um labirinto de vales incisos por vezes muito, às vezes ampla e pantanoso.

Na fronteira com o Burundi, ao longo dos lagos Kanyaru ainda muitos. Para o leste, a recuperação da erosão gerada cumes Appalachian em quartzitos e cavidades muito grandes em granitos. Solos mais pobres, uma mais quente e seco.

Tinha feito a região leste continua a ser uma área onde o parque maior repulsiva no Kagera Mais de 40% do país situar-se entre 1,500 e 1,800 m. Embora a densidade média é mais alta no Burundi, os elementos mais importantes da vegetação clímax foi preservado nos parques nacionais da savana Kagera, floresta montanhosa de Nyungwe.

População

População de Ruanda é predominantemente rural: 94,6%, mas se a taxa de urbanização é um dos mais baixos do continente, sua densidade é maior.

Densidades variam com a altitude, o máximo de entre 1.500 e 1.800 m.

Devido a um forte crescimento natural, a densidade média aumentou de 79 em 1948 para 179 em 1978 h./km2 e 292, apesar da migração, voluntária ou forçada para a República Democrática do Congo, Uganda e Burundi. Há uma disseminação de densidades: as "comunidades camponesas", iniciado pela colonização belga foram estendidas em alta altitude (Congo-Nilo, Montanhas Virunga) e no centro, sul de Kigali (Bugesera) migração espontânea são produzidos nas margens das regiões de maior população. O Oriente é caracterizada por densidades abaixo de 80 h./km2. Fora da capital de Kigali, que tinha cerca de 250.000 habitantes, e Butare (30.000 habitantes), as cidades são inexistentes.

As línguas oficiais são Kinyarwanda (Bantu língua), Francês e Inglês. Swahili é usado como língua franca. A maioria dos ruandeses consiste católicos (65%). O resto da população é dividida entre os seguidores de religiões tradicionais (17%), protestantes (9%) e muçulmanos (9%).

ECONOMIA

A economia do país está em frangalhos, devido à guerra civil, êxodo de mais de um milhão de refugiados, destruição de circuitos de produção, o contrabando com a vizinha República Democrática do Congo, o desaparecimento de estruturas administrativas, epidemias e escassez de alimentos. A reconstrução do país antes da reconciliação entre tutsis e hutus.

Paisagens rurais, intensamente humanizados (a operação tem uma área média de 0,80 ha, perto do Lago Kivu), e as atividades são os mesmos que no Burundi. A liquidação dispersas nas colinas é a regra, exceto na área vulcânica, onde a falta de água de superfície. Ao redor das casas estender bananas feijão posteriores foram cultivadas a partir de setembro a novembro, sorgo dezembro a julho, e nos baixios de alongamento cumes batata doce imposta pelas autoridades coloniais belgas. Para substituir o milho e sorgo, feijão ervilha acima de 2000 m, e batata e batata voltas.

Os rendimentos são pobres, a falta de adubação adequada: o gado são muito poucos, o fertilizante é muito caro.

Impostas durante a era colonial, o café arábica é a principal cultura agrícola em dinheiro. É cultivada em pequenas parcelas de 0,08 ha, em média, duas grandes áreas de produção são o planalto central, entre Kigali e Butare (44% da produção) e à beira do Lago Kivu (34%). 42.000 t foram exportadas em 1989, mas a queda dos preços e das receitas de baixa qualidade foram caindo.

O Ruanda exporta alguns produtos de chá e piretro nas terras altas, e quina (margens do lago Kivu). Tendo construído uma reputação de democracia rústico "no terreno", o Ruanda, a recente agitação, atraiu ONGs, incluindo cristãos, coaching apertado (partido, Igreja Católica, projetos de desenvolvimento descentralizados) campanhas caracterizadas que é difícil imaginar que eles pudessem descer no caos.

Fora da agricultura, poucos recursos. Ruanda é um pequeno produtor de estanho. Indústria, bastante dispersa, principalmente substituição de importações ou embalagem: cervejaria e fábrica têxtil, construções metálicas, doces, fundição de estanho em Kigali, Gisenyi cervejaria em Gitega, farinha e piretro planta, fábrica de cimento em Cyangugu . O que é adicionado em proporções desconhecidas mercadorias contrabandeadas (jóias, ouro, marfim), para os quais Ruanda e Burundi são hubs.

Fonte:  www.afrique-planete.com

Ruanda

Pré-História Colonial Twa, hutus e tutsis são os três povos que habitam Ruanda. O Twa, que somam menos de 1% por cento da população e são pigmeus. Eles preferiram viver nas florestas onde viviam da caça e da coleta. O Twa cedeu quando os hutus chegaram à região e mudou-se mais profundamente nas florestas.

As origens do hutu está claro provavelmente chegando em que está presente dia Ruanda e Burundi a partir do quinto para o século 11. A eram pequenos agricultores cuja estrutura social foi baseada no clã. Reis ou Bahinza, governou sobre grupos de clãs limitados.

Os hutus acreditava que o Bahinza poderia causar chuva, proteger as culturas de insetos e de gado de falecimento. O Bahinza retiravam seu poder e status a partir desta crença. O primeiro Tutsi migraram para a área em torno do século 14.

Provavelmente não foi uma invasão, grande repentina, mas um processo lento, que estava mais calmo. Os tutsis usado sua propriedade de gado, avançou habilidades de combate para conseguir o controle econômico, político e social sobre o hutu. Eventualmente, a propriedade da terra foi tirada da hutu e tornou-se propriedade do rei tutsi, ou Mwami.

Com o tempo, Hutu-Tutsi relações tomou a forma de um contrato cliente-patrono chamado ubuhake. Na primeira, o acordo significava que poderia usar Hutu tutsis gado em troca de um serviço personalizado e militar. Com o tempo, tornou-se ubuhake um sistema de classes feudais através do qual terra e gado, e, portanto, poder, estavam nas mãos da minoria tutsi. Os hutus indentured-se a um senhor tutsi dando-lhe produtos agrícolas e de serviços pessoais em troca do uso da terra e do gado.

No ápice do sistema de classes era o rei tutsi, a Mwami. O Mwami foi considerada de origem divina. Um mito conta a história de três crianças nascidas no céu caiu na terra por acidente, e uma dessas crianças, Kigwa, fundou o mais poderoso clã tutsi. O Mwami traçam sua linhagem a este divino fundador. No meio do século 16, Mwami Mibambwe eu Mutabazi foi capaz de centralizar a monarquia e reduziu o poder dos chefes vizinhos. No início do século 19, Mwami Kigeri IV estabeleceu as fronteiras que estavam em vigor quando os alemães chegaram em 1894.

Exploração Europeu e anexação exploradores europeus Vários chegou perto de Ruanda, no século 19, mas nenhum penetrou em Ruanda. Sir Richard Burton e John Hanning Speke em 1855 passou perto de Ruanda em busca da nascente do Nilo. Henry Morton Stanley, em 1876, também veio para esta região, mas não entrou em Ruanda.

A Conferência de Berlim 1885 declarou a área que mais tarde se tornou o Ruanda eo Burundi estaria sob influência alemã e controle. Ele tinha 9 anos depois desta conferência que o primeiro europeu viajou para Ruanda. Este foi o alemão conde von Götzen que mais tarde se tornou o governador da África Oriental Alemã.

Ruanda e Burundi foram localizados na junção de três impérios e tornou-se o objeto de uma luta diplomática para a posse. Os belgas e Leopold II, os alemães, ea possessão britânica procurado do território. No entanto, em 1910, e de acordo entregou o controle de Ruanda e do Burundi para os alemães.

Regra Colonial Alemão Os alemães governou indiretamente através da estrutura política criada pelo Mwami. Os alemães também realizou operações militares contra hutus chefes no Norte que não estava sob o controle do Mwami. Em 1920 e 1930 os alemães ordenou a plantação de café extensiva; eles começaram a cobrar os impostos em dinheiro, não em produtos agrícolas, a fim de forçar o plantio de café. No seu tempo, os primeiros missionários chegaram também em Ruanda. Os Padres Brancos estabeleceram missões e escolas já em 1903.

Durante a Primeira Guerra Mundial, os belgas ganharam o controle de Ruanda e Burundi. Depois da guerra, em 23 de agosto de 1923, a Liga das Nações determinou Ruanda e do Burundi sob supervisão belga.

A Administração belga Sob a administração belga, o poder do Mwami foi cerceada. Eles modificaram o sistema ubuhake e eliminou o pagamento de tributo.

Com a formação da Organização das Nações Unidas o mandato belga mudou. Os belgas manteve tutela mas foram necessários para integrar os ruandeses para o processo político. Esta levar a representação política limitada no governo.

Em 1952, belga implementou o Plano Decenal de Desenvolvimento, uma série de amplas reformas socioeconômicas, a fim de promover o progresso político e estabilidade social, no entanto, este programa posteriormente concedidos a minoria tutsi político, econômico e social de dominação sobre a maioria hutu. Em 1959, depois de sete anos de conflito civil escalada entre o hutu e tutsi, os administradores belgas, declarou estado de emergência e chamaram as forças de terra e pára-quedistas do Congo para restaurar a ordem.

No mesmo ano, os administradores chamado para a nova eleição dos conselhos comunais, na esperança de desequilíbrio a difusão do poder tutsi. Com o apoio da Assembleia Geral da ONU, o Conselho de Tutela recomendado que o sucesso futuro da região depende da formação de um único Estado unido Ruanda-Burundi.

Após a eleição prematura de 1960, as autoridades belgas concedido o reconhecimento de fato ao Estado ruandês republicano, a fim de evitar tumultos mais social. Bélgica, de acordo com a Assembléia Geral da ONU, ainda era responsável por cumprir o seu acordo de Tutela e foi convidado para supervisionar as eleições para garantir o estabelecimento de governos de transição estável tanto em Burundi e Ruanda.

No entanto, em abril de 1962, ambos os países decidiram que uma união política era impossível devido ao antagonismo de longa data não resolvido histórica entre seu republics.On dois 27 junho de 1962, a Assembléia Geral votou para rescindir o acordo de tutela belga, e dias depois Ruanda alcançou a independência.

Pós-Independência

Em 1962, Ruanda tornou-se independente, com Gregoire Kayibanda, líder do PARMEHUTU, como presidente. Uma nova Constituição foi ratificada. Logo depois, em 1963, os tutsis de Ruanda invadiu, mas foram repelidos. Em retaliação, mais de 12 mil tutsis foram massacrados pelo hutu, enquanto os tutsis incontáveis fugiu do país.

No ano seguinte, a unidade econômica de Ruanda e do Burundi foi encerrado; Ruanda lançou sua própria unidade nacional da moeda, o franco Ruanda. Em, 1969 Kayibanda foi reeleito para um mandato de quatro anos segundo. Kayibanda presidência chegou ao fim em 1973, quando ele foi derrubado em um golpe de Estado liderado pelo general Juvenal Habyarimana.

A Constituição de 1962 foi parcialmente suspensa, e a Assembleia Nacional dissolvida. Na Conferência de Bujumbura de 1974, Zaire, Burundi e Ruanda concordou em ação cooperativa em defesa e em assuntos econômicos. Em 1975, lançou Habyarimana Le Revolutionaire Movimento Nacional pour le Development (ECRM) como único partido político da nação, e ele foi, de partido único escrutínio legislativo, o presidente reeleito em 1983 e 1988.

A guerra civil começou em 1990, quando entre 5.000 e 10.000 rebelde tutsi invadiu Ruanda, do Uganda vizinho; Habyarimana e os rebeldes concordaram em um cessar-fogo em 29 de março de 1991. Em 6 de junho de 1991, o presidente assinou uma nova Constituição legalizar partidos da oposição.

As mudanças MRND seu nome ao Mouvement pour la Républicain Nacional Démocratie et le Développement (MRNDD). Em outubro de Dr. Sylvestre Nsanzimana, o ex-vice-secretário-geral da OUA, foi nomeado para o novo cargo de primeiro-ministro.

Em 7 de novembro, sete partidos foram legalizados. Em 30 de dezembro, o novo Parti Démocrate Chrétien (PDC) se juntou ao MRNDD em um governo de coalizão formado pelo Dr. Nsanzimana. Os partidos da oposição, MDR, PSD, LP e PSR, recusou-se a participar em conversações sobre a cooperação na coalizão, a menos que um primeiro-ministro foi eleito de um partido diferente do MRNDD.

Em 11 de fevereiro, Habyarimana 1992President começaram novas conversações com os partidos de oposição recém-legalizados, agora em número de 12, para a formação de um governo multipartidário. Em março, o MDR, PL e PSD chegaram a um acordo com o presidente sobre a formação de um "governo de transição", ao entrar em debate sobre o tema da Conferência Nacional, em eleições gerais, sobre o problema dos refugiados e sobre a abertura de negociações com o RDF.

O governo assinou um acordo de Arusha em 14 de julho e um cessar-fogo para começar em 31 de julho. Em 18 de setembro, um documento conjunto foi assinado em Arusha em um acordo político que, incluindo a partilha do poder entre as partes.

Acordo sobre o poder presidencial no período de transição proposto foi alcançado em 12 de outubro. Com várias questões políticas não resolvidas, um protocolo parcial foi assinado em 31 de outubro, que prevê um gabinete executivo chefiado por um primeiro-ministro e um presidente com poderes reduzidos.

Depois de uma reunião de três dias dos ministros do Interior e da Justiça de Ruanda e Burundi, os dois lados concordaram em 24 de novembro em diversas medidas, incluindo o controle de atividades de refugiados, as ações contra o tráfico de armas, a conclusão da demarcação de fronteiras e apelou para o meios de contenção.

Mesmo assim, em 1993, o governo e a RPF assinam um acordo sobre a partilha do poder em Arusha em 10 de janeiro, a violência étnica eclodiu em fevereiro, o que resultou em centenas de mortes entre ambos os hutus e tutsis.

Com a mediação da Tanzânia, o governo e a RPF concordou com um início de cessar-fogo novo 09 de março, o acordo ainda estipulou a partida das tropas estrangeiras do Ruanda e sua substituição por uma força da ONU-OUA.

Uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, alcançado em Junho estabeleceu o Uganda-Ruanda Missão de Observação (UNOMUR). O governo ruandês eo RPF assinou um novo acordo de paz em 4 de agosto em Arusha.

Esperanças de paz foram logo decepcionado, como obstáculos para a paz surgiu. A oposição ao negócio cresceu entre a maioria hutu, inicialmente liderada pela CDR, que se recusou a participar na assembleia provisório proposto. O CDR configurar uma estação de radiodifusão, rádio / TV Libre des Mille Collines (RTLM), que denunciou o Acordo de Arusha.

O Conselho de Segurança da ONU votou em 5 de outubro de estabelecer uma nova força para o Ruanda, em conformidade com o acordo de Arusha.

Quando o presidente Juvenal Habyarimana eo presidente do Burundi foram mortos no seu regresso a Kigali de Dar es Salaam, em 1994, a violência étnica explodiu novamente com uma vingança.

Alegadamente, seu avião foi abatido a partir do solo, por pessoas ainda desconhecidas. Pouco tempo depois do acidente, assassinatos organizados começou em Kigali, a maioria dos oponentes hutus do MRNDD e CDR, mas incluídos os tutsis muitos também.

O governo fugiu para Gitarama eo RPF se aproximou da capital. Milhares de pessoas foram mortas em Kigali em abril. A matança de Tutsis depois se espalhou para outras partes do Ruanda e continuou inabalável por semanas. As forças do governo de Ruanda não foram páreo para o RPF e foram forçados a recuar de forma constante.

Em meados de junho, o governo francês anunciou que 2.500 soldados franceses seriam enviados para Ruanda para criar uma zona de 'seguro' no sul-oeste, com o objetivo de impedir novas mortes. O Conselho de Segurança aprovou a intervenção francesa, chamada Operação Turquesa, em 22 de junho.

As forças francesas primeira landedin Zaire, em seguida, cruzaram para o Ruanda e definir a área de `seguro 'na fronteira do Zaire sul-ocidental. Por esta altura estimou-se que meio milhão de pessoas foram mortas em um período de apenas algumas semanas, em 4 de julho, o RPA concluído a captação de Kigali e também levou Butare, Ruhengeri e de Gisenyi. Exceto para a zona ocupada pelos franceses, o RPF agora controlado todos Ruanda e França prometeram entregar a zona de forças da ONU.

Em 17 de julho, o RPF anunciou que um de seus líderes, Pasteur Bizimungu, um hutu, tinha sido escolhido para ser o presidente de Ruanda. No dia seguinte, o RPF declarou que a guerra tinha acabado. Embora o regime caiu continuou a manter que ainda era legítimo governo de Ruanda, e se comprometeu a renovar a guerra, uma medida de estabilidade foi obtida quando outros países reconheceram rapidamente o novo governo.

Em 25 de novembro, a Assembléia Nacional de Transição novo de 70 representantes foi inaugurado em Kigali, de acordo com o acordo de Arusha. O MRNDD foi excluída, seus assentos distribuídos entre os outros partidos.

No início de dezembro, um painel de três juristas africanos, Atsu Koffi Amega do Togo, Haby Dieng da Guiné, e Salifou Fomba do Mali, apresentou um estudo sobre o assassinato de tutsis à ONU. Ele concluiu que "[o] verwhelming evidências apontam para o fato de que o extermínio de tutsis pelos hutus o foi planejada com meses de antecedência.

Os massacres foram realizados principalmente por hutus em um determinado, forma planejada, sistemática e metódica, e foram inspirados por ódio étnico ". Ele também argumentou que havia "sérias razões para concluir que os tutsis também realizou massacres, execuções sumárias, violações do direito humanitário internacional e os crimes contra a humanidade em relação aos hutus."

Em 1995 mais cedo, em 7 de janeiro, o presidente Bizimungu se reuniu com os presidentes do Burundi, Tanzânia, Uganda e Zâmbia, e do primeiro-ministro do Zaire para discutir as dificuldades internas do Ruanda e do problema dos refugiados.

Em 11 de janeiro, houve um ataque à RPA pelo exército do governo anterior. Em março de cerca de 2,5 milhões de refugiados hutus permaneceu no Zaire, Burundi e a Tanzânia, a partir relutância ou incapacidade de voltar. Novos refugiados foram deixando ainda Ruanda para se juntar a eles.

Refugiados hutus estavam dispostos a regressar ao Ruanda, mesmo quando milhares deixaram campos de Burundi no final de março, por medo de que eles seriam atacados por tutsis no Burundi, onde uma crise interna em que tinham surgido extremistas tutsis foram pensados para ser estreitamente aliada à liderança RPF em Kigali.

Em 22 de fevereiro, o Conselho de Segurança decidiu que o Tribunal Internacional para o Ruanda deve convocar em Arusha, que pediu aos governos de todo o mundo para prender suspeitos. Mais tarde, o Comitê da OUA para a prevenção, gestão e resolução conheceu em Tunes, em 20-21 de Abril e chamado para a instituição rápida de um tribunal.

No Ruanda, um processo judicial começou, um grande número de prisões, tão alto quanto 23.000, rapidamente obstruídos um sistema jurídico inadequado e penal. Muitos detidos morreram sob custódia da doença e da superlotação, a taxas tão elevadas como 300 por semana.

Em Abril de 1995, uma nova organização política ruandesa, o Rassemblement pour le Retour de la democrate au Ruanda (RRD, foi inaugurado em Bukavu, no Zaire, alegando representar os refugiados hutus. Ele alegou que era distinto do MRNDD, mas sua liderança foi mantida em segredo. Em dezembro, o Tribunal Internacional para o Ruanda fez suas primeiras acusações formais de genocídio, cobrando oito funcionários locais sem nome em Kibuye com o crime.

Julgamentos por genocídio em Ruanda começou em dezembro de 1996. Ao 31 de junho de 1997, 142 casos haviam sido julgados. Oito réus foram absolvidos e 61 condenados à morte. Organizações de direitos humanos denunciaram os ensaios como injusto, principalmente em razão de que a maioria dos acusados não têm acesso a representação legal adequada e tinha sido incapaz de interrogar testemunhas.

No final de 1996, a Aliança das Forças Democrates pour la Liberation du Congo-Zaire (AFDL), liderado por Laurent Kabila rompeu as principais campos de refugiados ruandeses no Zaire. Em maio de 1997, Kabila assumiu o poder no Zaire, mudando o nome do país para República Democrática do Congo. No final do ano, as tropas RPA e angolano permaneceu em Ruanda.

Fonte:  www.africa.upenn.edu

Ruanda

Ruanda-Burundi: AD 1887-1914

As terras altas do Ruanda e do Burundi, a leste do lago Kivu, são a última parte da África para ser alcançado pelos europeus na expansão colonial do final do século 19. Antes que a tradição hora local fala de muitos séculos durante os quais os tutsis, um alto criação de gado pessoas provavelmente do curso superior do Nilo, se infiltrar na área e ganhar o domínio sobre os hutus, já na residência e vida pela agricultura.

Os registros históricos começar com o reinado de Rwabugiri, que vem para o trono em 1860 e, eventualmente, controla uma região quase tão grande como o Ruanda presente. Seu reino é organizado em uma base feudal, com a tutsi como a aristocracia e os hutus como seus vassalos.

Ruanda
Lago Kivu, Ruanda

Quando descrita pela primeira vez por europeus - e em particular por Speke , que encontra-los leste de Ruanda, em sua exploração do Lago Victoria - presume-se que a distinção entre tutsis e hutus é inteiramente racial. Mas esta simples classificação está desfocada por meio de casamentos e pelo costume de permitir que as pessoas se tornem membros honorários do outro grupo.

Uma descrição mais válido do fosso tutsis, hutus é por classe e ocupação. Os tutsis são a classe superior e são na sua maioria pastores. Os hutus são a classe mais baixa e para a maior parte vive da agricultura.

O primeiro europeu a entrar em Ruanda é um alemão, o conde von Götzen, que visita o Tribunal de Rwabugiri em 1894. No ano seguinte, o rei morre. Com Ruanda em tumulto em torno da sucessão, os alemães se mover em (em 1897, da Tanzânia) para reivindicar a região para a Kaiser. Ao mesmo tempo, eles afirmam Burundi, um reino separado para o sul. Toda a área é tratada como uma colônia, a ser conhecido como Ruanda-Burundi.

Domínio alemão na mais inacessível de colônias é indireta, obtida principalmente por colocar agentes nas cortes de vários governantes locais. Assim, a influência alemã ainda não é extensa, quando a região é tomada abruptamente de suas mãos após a eclosão da guerra na Europa, em 1914.

Uma colônia belga: AD 1914-1962

Quando a Alemanha invade a Bélgica, no início da Primeira Guerra Mundial, os belgas retaliar em um pequeno caminho na África central. Tropas belgas mover para o leste do Congo Belga a ocupar (em 1916) Ruanda-Burundi. Depois da guerra, a Liga das Nações confirma o estado de coisas existente, concessão Bélgica, em 1924, um mandato para administrar a colônia.

A partir de 1925 Ruanda-Burundi está relacionada com o vizinho Congo Belga , mas o domínio colonial assume uma forma muito diferente nos dois territórios. O governo do Congo está centrada em Bruxelas, mas em Ruanda-Burundi é deixado nas mãos da aristocracia tutsi. Na verdade, os belgas, observando a distinção entre tutsis e hutus, torná-lo a base de seu sistema colonial.

Os hutus estão sujeitos ao trabalho forçado que desfigura muitas colônias européias na África, mas aqui é o tutsi que supervisioná-los em suas tarefas. A partir de 1933 todos em Ruanda-Burundi é emitido um cartão de identidade racial, definindo-os como hutus (85%) ou tutsis (14%). O 1% restante são os Twa, os remanescentes dos originais pigmeus indígenas nesta área.

Esta atitude belga, em pedra, a distinção entre os dois grupos e favorecendo um deles, prepara o terreno para a violência futuro (em épocas anteriores racialmente massacres baseados nunca ocorreu entre hutus e tutsis). A ocasião previsível para o seu foco é a corrida rumo à independência em 1950.

O problema é mais imediatamente evidente em Ruanda que no Burundi. Em 1957, os líderes hutus em Ruanda publicar um Manifesto Hutu, preparando os seus apoiantes para um futuro conflito político a ser conduzido inteiramente em linhas étnicas. Em 1959, o primeiro surto de violência é desencadeada quando um grupo de ativistas políticos tutsis em Gitirama bater um rival hutu, Dominique Mbonyumutwa (ele sobrevive ao ataque, mas o boato de sua morte se espalha rapidamente em círculos hutus e ainda se acredita hoje).

A campanha nacional resultante de violência hutus contra tutsis torna-se conhecido como "o vento da destruição". Nos próximos meses, os tutsis muitos fugir Ruanda, incluindo o governante de 25 anos de idade, hereditária, a Mwami.

Nas eleições de 1960 os políticos hutus marcar uma vitória esmagadora. Grégoire Kayibanda, um dos autores do Manifesto Hutu, lidera um governo provisório para o período de transição para a independência.

Em Urundi a monarquia tutsi prova em primeiro lugar mais resistente, tanto em segurando as rédeas do poder e na tentativa de resolução do conflito Tutsi-hutu.

Quando as eleições são realizadas, em 1961, eles trazem uma vitória esmagadora para um hutu conjunta e partido tutsi. Ela é liderada pela popular Príncipe Rwagasore, o filho mais velho do Mwami. Ele é assassinado alguns meses mais tarde, antes da independência foi formalmente alcançado. Mas este desastre ainda não derrubar Urundi em violência étnica.

Independência: a partir de 1962 dC

As duas partes de Ruanda-Burundi tornar-se independente em julho de 1962. Existe uma pressão da ONU para federar como uma única nação, mas ambos optam por seguir caminhos separados. Ruanda, em que a violência étnica prosseguiu durante 1960 e 1961, torna-se uma república (automaticamente, uma vez que o jovem príncipe fugiu e foi formalmente deposto em sua ausência). A grafia do nome é alterado para Ruanda.

Urundi, pelo contrário, torna-se independente como uma monarquia constitucional -, mas novamente com uma mudança de nome, para o Burundi.

A primeira eleição presidencial em Ruanda é ganho por Grégoire Kayibanda, o líder do governo interino provisória. O nome de seu partido, o Parti du Mouvement de l'Emancipation du Peuple Hutu (Partido para a Emancipação Hutu), torna tudo muito claro o que é ser o eixo central da política do governo.

No espírito do movimento de Kayibanda, "baratas" torna-se o nome de gíria favorita para os tutsis. O assassinato de baratas em breve um recurso por demais familiar de Ruanda vida, em um frenesi chicoteado pelo governo a qualquer momento de crise - particularmente sempre Ruanda exilados, a maioria tutsis, invasões tentativa de através das fronteiras.

Em dezembro de 1963 várias centenas de guerrilheiros tutsis entrar sul de Ruanda de Burundi. Eles avançar para dentro de 12 milhas da capital, Kigali, antes de serem eliminados pelo exército ruandês. Este evento solicita que o governo a declarar estado de emergência, enfatizando a necessidade de "limpar o mato" de elementos subversivos.

Em poucos dias cerca de 14.000 tutsis são massacrados no sul da província de Gikongoro, em uma campanha coordenada descrito por Bertrand Russell como 'massacre o mais horrível e sistemática "desde o Holocausto. Ele vai provar menor em comparação com o que o Poder Hutu alcança na década de 1990.

Ruanda
Juvenal Habyarimana, presidente de Ruanda, de 1973 até sua morte em um acidente aéreo em 1994

Nesse ínterim, há um golpe de Estado dentro do regime hutu. Em 1973 Kayibanda é retirado do poder por um grupo de oficiais do exército que substituí-lo por um major-general, Juvenal Habyarimana.

Habyarimana permanece no poder por 21 anos, passando de uma ditadura de auto-serviço militar convencional (com o apoio entusiasmado de vários países ocidentais, em especial a França). Mas a sua política de etnia Hutu, cria um problema crescente nas fronteiras de Ruanda. Sobre as fronteiras, há um grande número de refugiados tutsis principalmente. Como o tempo passa eles estão cada vez mais indesejável em seus países de acolhimento. Os esforços são feitos para enviá-los para casa. Mas Ruanda rejeita.

Em 1986 Habyarimana estados como uma questão de política que não haverá direito de regresso dos refugiados ruandeses. No ano seguinte exilados ruandeses formar o grupo que logo transforma a situação - o RPF ou Frente Patriótica Ruandesa, comprometidos com a luta armada contra o regime de Habyarimana.

O núcleo do RPF é oficiais tutsis servindo no Exército de Uganda. Em uma data preestabelecida, 1 de outubro de 1990, eles desertar do exército com seus equipamentos e mover para o sul através da fronteira para Ruanda. É uma invasão menor, que, eventualmente, contra todas as probabilidades, põe fim ao regime de Habyarimana. Mas ele também provoca um dos atos mais chocantes do século de genocídio.

O prelúdio para o genocídio: AD 1990-1994

Presidente Habyarimina é capaz de repelir a invasão RPF inicial do nordeste do Ruanda, em Outubro de 1990, em grande parte graças ao pára-quedistas franceses enviados para o efeito pelo Presidente Mitterand. Mas o evento fornece o pretexto para uma nova onda de perseguição tutsis no Ruanda.

Jornal mais fervorosamente racista do país publica em dezembro, o hutu Dez Mandamentos. Esta é uma ladainha de ódio, atribuindo a desonestidade e a traição não só para todos os tutsis, mas também a qualquer hutu que faz amizade com eles.

O oitavo mandamento, citado na época mais freqüência do que qualquer outro, é: 'hutus deve parar de ter pena de os tutsis. Em 1991, um nome é inventado para este novo nível de triunfalismo étnica - Poder Hutu.

Para garantir a eficácia do Poder Hutu, o governo Habiyarimina começa a recrutar milícias hutus jovens. Estes tornam-se conhecido como o Interahamwe, que significa "aqueles que atacam juntos". Em público, estes homens rugido violento jovem em torno de motos, como qualquer grupo de hooligangs, e realizar comícios bêbados em retratos do presidente Habiyarimina. Em privado eles se reúnem para aperfeiçoar as habilidades de facões brandindo, incendiando casas, e elaboração de listas de tutsis locais e simpatizantes hutus.

Neste clima violência étnica aumenta de forma constante, e muitas vezes é ratchetted acima de um entalhe súbito - como quando, em março de 1992, Rádio Ruanda espalha um boato deliberadamente falsa que uma trama tutsi para massacrar os hutus foi descoberto.

Em 1992, o presidente Habyarimana está se começando a decepcionar seus torcedores extremistas. Tendo falhado a suprimir os guerrilheiros do RPF, e sob pressão internacional para chegar a um acordo com eles, ele começa a negociar. A notícia de que ele aceitou um cessar-fogo, em agosto de 1992, provoca uma nova onda de ataques contra os tutsis. Durante o próximo ano o processo de paz continua, alienando o presidente cada vez mais longe dos bandidos do Poder Hutu.

Em agosto de 1993, depois de negociações em Arusha, na Tanzânia, Habyarimana assina um tratado de paz com o RPF, oficialmente trazer a guerra a um fim.

Mas os termos do tratado de ir muito mais longe do que isso.

Em que se torna conhecido como os Acordos de Arusha, Habiyarimana aceita o direito de retorno dos refugiados em Ruanda, a fusão do RPF com o exército nacional, e um período de transição que conduzirá a eleições e um governo democrático. Durante este período o poder residirá com um governo provisório em que, mais surpreendente de tudo, o RPF será representado. E as forças da ONU serão convidados para Ruanda para garantir este processo.

Essas concessões parece ultrajante para a Interahamwe e seus senhores políticos. Em 6 de Abril de 1994 um foguete, quase certamente demitido por extremistas hutus, derruba um avião. Nela estão dois presidentes - Habyarimana, e do chefe de Estado do vizinho Burundi.

Genocídio: AD 1994

O assassinato do presidente, mesmo que secretamente planejada por hutus extremistas, é o pretexto imediato para a orgia de hutus extremistas chicoteado nas semanas seguintes. As transmissões de rádio exortar as pessoas a fazer o seu dever e procurar o tutsis e tutsis, simpatizantes vivendo entre eles em suas ruas ou vilas. Eliminar as baratas é a mensagem.

Em 29 de abril a rádio estatal anunciou que 05 de maio é ser a 'limpeza' dia em que a capital, Kigali, deve ser limpo de tutsis. Uma transmissão notório até sugere uma precaução necessária no interesse de rigor; nascituros deve ser arrancado do ventre de mulheres mortas tutsis que estão grávidas.

Nesta atmosfera a Interahamwe e uma grande proporção da população hutu de Ruanda comum ir trabalhar com um frenesi provavelmente sem paralelo na história humana. Entre abril e julho cerca de 800.000 ruandeses são abatidos. E este é, sem os meios modernos de destruição em massa. A ferramenta característica no genocídio de Ruanda é o facão todos os dias, normalmente usado mais na agricultura. As forças da ONU, embora por agora presente, são impotentes para intervir.

O terror de 1994 é seguido por outro desastre humano, cerca de dois milhões de refugiados fogem para o Zaire, Burundi e Tanzânia. Mas estes são para os hutus maioria, em vez de tutsis. E eles estão tentando escapar do RPF, que retomar a sua campanha militar no dia após o assassinato do presidente.

Depois de genocídio: AD 1994-1999

No caos de meados de 1994, o RPF, capaz de colocar em campo uma força de guerrilha muito bem disciplinado, faz um rápido progresso contra o exército ruandês. Por tropas julho RPF estão em Kigali, e um governo provisório é formado. Até o final de agosto quase todo o país está sob controle.

Embora em grande parte liderado por tutsis, o RPF tem sido desde o início comprometida com a igualdade racial. Isto é obtido no primeiro armário, cujos membros refletem o equilíbrio numérico no país. Dezesseis dos seus membros são hutus, seis são tutsis. Mas se o governo RPF pode livrar-se do racismo, este ideal se mostra muito mais difícil de conseguir no país (apesar de um primeiro passo importante é abolir as étnicos cartões de identidade , em uso desde os tempos coloniais).

O problema imediato é nos campos de refugiados perto da fronteira no Zaire . Há cerca de 1,1 milhão de ruandeses nesses campos, a maioria hutus. Mas estes não são os campos normais. Eles são extensões do Poder Hutu no exílio. Entre os refugiados comuns são membros da Interahamwe - os assassinos responsáveis pelo genocídio - que fugiram através das fronteiras para evitar a RPF avançando.

Uma vez nos campos que estabelecer o controle brutal (e em suas excursões locais afetar profundamente a política do Zaire). Todo mundo concorda que eles precisam ser identificados e separados dos outros refugiados. Mas nem Zaire nem qualquer força internacional está disposta a realizar essa tarefa.

O problema atrasa o retorno dos refugiados para Ruanda, onde o governo RPF é outra ansiosos para recebê-los. Quando os refugiados que finalmente começar a transmitir de volta, no final de 1996, alguns dos bandidos da Interahamwe ainda estão entre eles. Mas os assassinos mais notórios, incapazes de voltar, ficar no Zaire - onde braço e treinar para missões violentas através da fronteira.

Para o resto da década de 1990 o problema hutus e tutsis continua a minar a força de Ruanda. Os oceanos de vingança demanda derramado sangue. Mas como pode a justiça lidar com tais crimes e tantos criminosos não identificados?

É feita uma tentativa. As prisões gradualmente preencher com suspeitos aguardam julgamento, como muitos como 130 mil deles até o final da década. Mas um julgamento justo de cada caso coloca um problema insolúvel.

Mesmo o retorno de refugiados inocentes traz as suas próprias dificuldades. Aqueles que fugiram em 1994 voltar para casa razoavelmente rápido. Eles estão familiarizados com atual Ruanda. Mas a nova esperança oferecida pelo RPF traz de volta muitos cuja vida e as expectativas foram moldadas por décadas em outros lugares - até mesmo os " 50-niners "que fugiram da própria manifestação de intolerância primeiro hutu. Tais longo ausentes os cidadãos podem ser difíceis de acomodar.

O pior de tudo, porém, é a ameaça ainda representada pelo Interahamwe. Incursões armadas em todo o chumbo fronteira para infiltração permanente, particularmente no noroeste do país. Às vezes, em 1998, alguns distritos pode ser considerada segura fora da capital, Kigali. Para os defensores do Poder Hutu isso é visto como uma guerra de libertação, semelhante ao que lutou pela RPF no início de 1990. Mas ele garante que o vírus do ódio étnico floresce ainda em Ruanda.

Súbitas atos terríveis de violência contra tutsis e hutus retaliação contra desfiguram a década de 1990, tal como antes na curta história de Ruanda de independência. A escala é menor, mas o padrão é assustadoramente familiar.

Fonte:  www.historyworld.net

Ruanda

Perfil

Ruanda experimentado o pior genocídio da África nos tempos modernos, e recuperação do país foi marcada por sua intervenção no conflito na vizinha República Democrática do Congo.

O país foi assolado por tensão étnica associada com a relação tradicionalmente desigual entre a minoria tutsi e os hutus dominante maioria.

Embora depois de 1959 a relação étnica foi revertida, quando a guerra civil levou cerca de 200.000 tutsis a fugir para o Burundi, o ressentimento persistente levou a massacres de tutsis periódicas.

O mais notório deles começou em abril de 1994. A derrubada do avião que levava o presidente Juvenal Habyarimana, eo seu homólogo do Burundi próximo Kigali desencadeou o que parecia ser uma tentativa coordenada por alguns líderes hutus para eliminar a população tutsi.

Em resposta, o Tutsi Frente Patriótica Ruandesa (RPF), lançou uma campanha militar para controlar o país. Ele conseguiu isso até julho, época em que pelo menos 800 mil tutsis e hutus moderados foram brutalmente massacrados.

Cerca de dois milhões de hutus fugiram para o Zaire, hoje República Democrática do Congo. Eles incluíram alguns dos responsáveis pelos massacres, e alguns juntaram forças zairenses para atacar tutsis locais. Ruanda respondeu invadindo campos de refugiados dominadas por milicianos hutus.

Enquanto isso, Laurent Kabila, que assumiu o controle do Zaire e rebatizou-República Democrática do Congo, não conseguiu banir os extremistas hutus, o que levou o Ruanda de apoiar os rebeldes que tentam derrubá-lo.

Ruanda retirou suas forças da RD Congo no final de 2002 depois de assinar um acordo de paz com Kinshasa. Mas as tensões Simmer, com o Ruanda, acusando o exército congolês de ajudar os rebeldes hutus no leste da RD Congo. Em 2012, a ONU acusou Ruanda de tropas rebeldes de treinamento no leste da RD Congo, Ruanda, que com raiva negado. Os EUA, a Grã-Bretanha e Holanda retido ajuda de Ruanda sobre as acusações.

Até 2012, o Ruanda usado tradicionais "gacaca" tribunais comunitários para julgar os suspeitos de participar do genocídio de 1994. Mas indivíduos-chave - especialmente aqueles acusados de orquestrar o massacre - comparecer perante um Tribunal Penal Internacional, no norte da Tanzânia.

O país está se esforçando para reconstruir sua economia, com a produção de café e chá, entre as suas principais fontes de divisas. Quase dois terços da população vivem abaixo da linha da pobreza.

Uma cronologia dos principais eventos:

1300 - tutsis migrar para o que é agora o Ruanda, que já era habitada pelos povos Twa e hutu.

1600 - O rei tutsi Ruganzu Ndori subjuga central de Ruanda e áreas periféricas hutus.

1800 - O rei tutsi Kigeri Rwabugiri estabelece um estado unificado com uma estrutura centralizada militar.

1858 - O explorador britânico Hanning Speke é o primeiro europeu a visitar a área.

1890 - Ruanda torna-se parte da África Oriental Alemã.

1916 - Forças belgas ocupam Ruanda.

1923 - A Bélgica concedeu Liga das Nações mandato para governar Ruanda-Burundi, que governou indiretamente através tutsi reis.

1946 - Ruanda-Burundi torna-se território sob tutela da ONU regido pela Bélgica.

Independência

1957 - Hutus manifesto questão de chamar para uma mudança na estrutura de Ruanda poder de dar-lhes uma voz compatível com seus números, partidos políticos hutus formado.

1959 - O rei tutsi Kigeri V, juntamente com dezenas de milhares de tutsis, forçado ao exílio em Uganda após violência inter-étnica.

1961 - Ruanda proclamada a República.

1962 - Ruanda torna-se independente com um hutu, Gregoire Kayibanda, como presidente; tutsis muitas deixar o país.

1963 - Cerca de 20.000 tutsis mortos após uma incursão pelos rebeldes tutsis baseado no Burundi.

Um pequeno número de grandes jogadores poderiam ter evitado diretamente, parou ou reduziu o abate de ruandeses "

Organização de Unidade Africano, 2000

1973 - Presidente Gregoire Kayibanda deposto em golpe militar liderado pelo Habyarimana Juvenal.

1978 - Nova Constituição ratificada; Habyarimana eleito presidente.

1988 - Cerca de 50.000 refugiados hutus fugir para o Ruanda de Burundi após a violência étnica lá.

1990 - Forças do rebelde, principalmente tutsi, de Ruanda Frente Patriótica (RPF) invadem Ruanda, do Uganda.

1991 - Nova multipartidário constituição promulgada.

Genocídio

1993 - O presidente Habyarimana assina um acordo de partilha de poder com os tutsis na cidade tanzaniana de Arusha, aparentemente sinalizando o fim da guerra civil; missão da ONU enviada para monitorar o acordo de paz.

Abril de 1994 - Habyarimana eo presidente do Burundi são mortos após seu avião é abatido sobre Kigali; RPF lança uma grande ofensiva; milícia extremista hutu e elementos das forças armadas de Ruanda começar o massacre sistemático de tutsis. Dentro de 100 dias em torno de 800 mil tutsis e hutus moderados foram mortos; milícias hutus fogem para o Zaire, levando com eles cerca de 2 milhões de refugiados hutus.

1994-1996 - campos de refugiados no Zaire queda sob o controle das milícias hutus responsáveis pelo genocídio em Ruanda.

1995 - milícias extremistas hutus e forças do governo do Zaire ataque local Zaire Banyamulenge tutsis; Zaire tenta forçar os refugiados de volta para Ruanda.

1995 - ONU-nomeado tribunal internacional começa a carregar e sentenciar um número de pessoas responsáveis pelas atrocidades Hutu-Tutsi.

Intervenção na RD Congo

1996 - As tropas ruandesas invadir e atacar a milícia hutu dominadas por campos no Zaire, a fim de levar para casa os refugiados.

1997 - Ruanda e Uganda rebeldes apoiados depor o Presidente Mobutu Sese Seko do Zaire; Laurent Kabila torna-se presidente do Zaire, que é renomeado República Democrática do Congo.

1998 - Ruanda muda aliança para apoiar as forças rebeldes que tentam depor Kabila, na sequência do fracasso do presidente congolês de expulsar milícias hutus extremistas.

Março de 2000 - o presidente de Ruanda Pasteur Bizimungu, um hutu, renuncia por causa de diferenças quanto à composição de um novo gabinete e depois de acusar o Parlamento de segmentação políticos hutus em anti-corrupção investigações.

2000 Abril - Ministros e membros do Parlamento eleito Vice-Presidente Paul Kagame como novo presidente de Ruanda.

Outubro de 2001 - A votação para eleger os membros das tradicionais "gacaca" tribunais começa. Os tribunais - em que ruandeses comum julgar os seus pares - visam acabar com o atraso de 1994 casos de genocídio.

De dezembro de 2001 - Uma nova bandeira e hino nacional são revelados para tentar promover a unidade e reconciliação nacional.

De abril de 2002 - O ex-presidente Pasteur Bizimungu é preso e enfrenta julgamento por acusações de atividade política ilegal e as ameaças à segurança do Estado.

Julho de 2002 - Ruanda, RD Congo acordo de paz sinal sob o qual Ruanda vai puxar tropas da RD Congo e República Democrática do Congo vai ajudar a desarmar pistoleiros hutus ruandeses acusados de matar minoria tutsi em 1994 genocídio.

República Democrática do Congo

Outubro de 2002 - Ruanda diz que tem puxado o último de seus soldados do Congo, quatro anos depois de terem ido para apoiar rebeldes congoleses contra o governo de Kabila.

Maio de 2003 - Os eleitores de volta um projeto de Constituição que proíbe a incitação ao ódio étnico.

Agosto de 2003 - Paul Kagame vence as primeiras eleições presidenciais desde o genocídio de 1994.

Outubro de 2003 - Primeiras eleições multipartidárias parlamentares; presidente de Ruanda, Paul Kagame da Frente Patriótica ganha maioria absoluta. Os observadores da UE dizem enquete foi marcado por irregularidades e fraudes.

De dezembro de 2003 - Três ex-diretores de mídia considerado culpado de incitar os hutus a matar os tutsis durante o genocídio 1994 e receber longas sentenças de prisão.

Março de 2004 - Presidente Kagame rejeita relatório francês que diz que ele ordenou 1994 ataque ao avião presidencial, o que provocou o genocídio.

Junho de 2004 - O ex-presidente, Pasteur Bizimungu, é condenado a 15 anos de prisão por peculato, incitar a violência e se associando com os criminosos.

Março de 2005 - principal grupo rebelde hutu, FDLR, diz que está terminando a luta armada. FDLR é um dos vários grupos acusados de criar instabilidade na República Democrática do Congo, muitos de seus membros são acusados de participar, em 1994, o genocídio.

Libertação de prisioneiros em massa

Julho de 2005 - Governo começa a libertação em massa de 36 mil prisioneiros. A maioria deles confessou o envolvimento no genocídio de 1994. É a terceira fase de lançamentos desde 2003 - parte de uma tentativa de aliviar a superlotação.

Janeiro de 2006 - 12 de Ruanda províncias são substituídos por um pequeno número de regiões com o objetivo de criar etnicamente diversas áreas administrativas.

Novembro de 2006 - Ruanda rompe relações diplomáticas com a França, depois de problemas juiz francês um mandado de captura internacional para o presidente Kagame, alegando que ele estava envolvido na derrubada de avião de Habyarimana.

De dezembro de 2006 - Pai Athanase Seromba torna-se o primeiro padre católico a ser condenado por envolvimento no genocídio de 1994. As sentenças penais internacionais Tribunal lhe a vida na prisão.

Fevereiro de 2007 - Cerca de 8.000 prisioneiros acusados de genocídio são liberados. Alguns 60.000 suspeitos foram libertados desde 2003 para aliviar a superpopulação carcerária.

Abril de 2007 - O ex-presidente, Pasteur Bizimungu, é libertado da prisão após três anos de sua sentença de 15 anos depois de receber um indulto presidencial.

Outubro de 2007 - Inquérito lançado em 1994 queda do avião presidencial que desencadeou o genocídio.

Novembro de 2007 - Ruanda acordo de paz sinais com a República Democrática do Congo. Sob o acordo RDC vai entregar os suspeitos de envolvimento no genocídio de 1994 em Kigali e para o Tribunal Penal Internacional para o Ruanda.

Prisões no exterior

2008 Janeiro - Francês polícia prende ex-oficial do exército ruandês Marcel Bivugabagabo que está na lista de criminosos de guerra queria para julgamento pelo governo ruandês.

Fevereiro de 2008 - Um juiz espanhol emite mandados de prisão 40 oficiais do Exército ruandês, acusando-os de genocídio, terrorismo e crimes contra a humanidade.

Abril de 2008 - Presidente Paul Kagame, diz o juiz espanhol que emitiu mandados de prisão para os oficiais do Exército ruandês pode "ir para o inferno".

Maio de 2008 - Um ex-ministro, Callixte Kalimanzira, vai a julgamento no Tribunal Penal Internacional para o Ruanda, acusado de participar do genocídio de 1994.

De agosto de 2008 - Ruanda acusa França de ter desempenhado um papel ativo no genocídio de 1994, e emite um relatório nomear mais de 30 altos funcionários franceses. França diz que as reivindicações são inaceitáveis.

De setembro de 2008 - Ruanda presidente Paul Kagame Frente Patriótica (RPF) ganha grande maioria nas eleições parlamentares.

De setembro de 2008 - O ex-vice-procurador Simeão Nshamihigo é condenado à prisão perpétua por papel em genocídio pelo tribunal da ONU. Ele estava trabalhando como investigador de defesa no tribunal sob um nome falso ao ser preso em 2001.

Outubro de 2008 - Ruanda decide toda a educação será ministrado em Inglês em vez de francês, oficialmente, como resultado de unir o Inglês de língua Comunidade do Leste Africano.

De novembro de 2008 - Ruanda expulsa embaixador alemão e recorda próprio embaixador em disputa sobre a detenção na Alemanha de assessor presidencial Rose Kabuye em conexão com o abate de avião do presidente Habyarimana.

Julgamentos por genocídio

De dezembro de 2008 - Um dos mais famosos cantores de Ruanda, Simon Bikindi, é condenado a 15 anos de prisão por incitar a violência durante o genocídio.

Relatório da ONU acusa Ruanda e na República Democrática do Congo de ajudando diretamente os rebeldes tutsis lutam no leste da RD Congo. Ruanda nega ajuda fornecimento e crianças-soldados.

Theoneste Bagosora condenado a prisão perpétua no tribunal da ONU por planejar um genocídio.

2009 Janeiro - O ex-ministro da Justiça, Agnes Ntamabyariro é condenado à prisão perpétua por um tribunal de Kigali por conspiração para planejar o genocídio e os discursos de incitar as pessoas a participar.

De fevereiro de 2009 - As tropas ruandesas deixar a República Democrática do Congo cinco semanas depois de entrar para atacar rebeldes hutus.

ONU guerra tribunal de crimes de encontra o ex-capelão do exército Emmanuel Rukundo culpado de genocídio, agressão sexual e sequestro durante o genocídio, sentencia-o a 25 anos de prisão.

2009 Março - Ruanda MP e membro do Tutsi governante Partido Beatrice Nirere considerado culpado de genocídio e condenado a prisão perpétua em Ruanda tribunal gacaca comunidade tradicional.

Holandês tribunal considerar hutus ruandeses, Joseph Mpambara culpado de tortura durante o genocídio, mas não de crimes de guerra.

Novembro de 2009 - Ruanda é admitido na Commonwealth, já que apenas o segundo país depois de Moçambique para se tornar um membro sem um coloniais britânicas laços do passado ou constitucional para o Reino Unido.

França e Ruanda restabelecer as relações diplomáticas, três anos depois que eles foram cortados por uma linha sobre a responsabilidade pelo genocídio 1990.

2009 Dezembro - Ruanda declarado livre de minas terrestres - o primeiro país a alcançar esse status.

Fevereiro de 2010 - O presidente francês Nicolas Sarkozy visita para marcar a reconciliação depois de anos de acusações sobre o genocídio. Ruanda disse que extremistas hutus armados França, e um juiz francês acusou o presidente Kagame de envolvimento na morte do Presidente Habyarimana.

Abril de 2010 - O líder da oposição Victoire Ingabire, que planejava executar contra o presidente Kagame nas eleições de Agosto, é preso. Seu advogado está detido mais tarde.

Dois oficiais superiores são presos dentro de dias de uma remodelação da liderança militar.

Junho de 2010 - Ex-chefe do Exército de pessoal Faustin Kayumba Nyamwasa, um ex-aliado transformado crítica do presidente Kagame, é ferido em um tiroteio durante o exílio na África do Sul.

Kagame reeleito

2010 Agosto - Presidente Kagame ganha novo mandato nas eleições.

2010 Outubro - relatório da ONU em 1993-2003 conflito na República Democrática do Congo diz que as forças de Ruanda participou de ataques contra civis hutus que - se provado em tribunal - poderão ascender ao genocídio.

2010 Dezembro - Exiled militar oficiais Geral Kayumba Nyamwasa eo coronel Patrick Karegeya forma novo partido político - Ruanda Congresso Nacional.

Os membros da comunidade pigmeu - conhecido como o Batwa - dizem que as autoridades destruíram centenas de suas casas, como parte de um expurgo das tradicionais casas de colmo.

2011 Fevereiro - O líder da oposição Bernard Ntaganda, acusado de alimentar as tensões étnicas, é condenado a quatro anos de prisão. Grupos de direitos humanos criticam a decisão.

2011 Junho - O ex-ministro Paulino Nyiramasuhuko família torna-se a primeira mulher a ser considerados culpados de genocídio por um tribunal internacional.

2011 Setembro - O ex-candidato presidencial Victoire Ingabire vai a julgamento acusado de negação do genocídio e trabalhar com um grupo terrorista.

2011 Dezembro - Tribunal Penal Internacional (TPI) libera rebelde hutu líder Callixte Mbarushimana depois de governar não há provas suficientes para fazer backup de acusações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Ele é o primeiro suspeito levado ao tribunal para ser libertado.

2012 Junho - Ruanda desliga "Gacaca" tribunais comunitários que durante 10 anos tentaram os acusados de envolvimento no genocídio de 1994. Grupo de direitos humanos dizem que ficou aquém das normas jurídicas internacionais. Ruanda diz que cerca de 65% dos cerca de dois milhões de pessoas tentaram foram considerados culpados.

2012 Julho - Os EUA, a Grã-Bretanha e da ajuda parada Holanda para Ruanda da ONU sobre as acusações de que está alimentando uma rebelião na República Democrática do Congo por tropas rebeldes de treinamento. Ruanda nega a acusação.

2012 Outubro - Um tribunal de Ruanda frases líder da oposição Victoire Ingabire a oito anos de prisão sob a acusação de segurança do Estado e ameaçador "menosprezar" o genocídio de 1994.

2012 Dezembro - A ONU-backed Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR) convence ex-ministro e organizador chave do genocídio 1994 Augustin Ngirabatware a 35 anos de prisão.

2013 Fevereiro - O ICTR derruba as convicções 2.011 genocídio do ex-ministros Justin Mugenzi e Prosper Mugiraneza, para o desespero dos promotores ruandeses.

Fonte:  news.bbc.co.uk

Ruanda

HISTÓRIA

Ruanda é um pequeno terreno bloqueado país localizado na parte central das fronteiras de compartilhamento de África com UGANDA no norte, BURUNDI no Sul, Tanzânia, no leste e no oeste da RDC.

LOCALIZAÇÃO

A região em que RUANDA residem é comumente conhecida como a região dos Grandes Lagos, Ruanda tem uma população de cerca de 8,6 milhões o que significa que é o país mais populoso da África, a sua localização entre a altitude de 1 ° sul e 3 ° ao sul do equador e entre 29 ° leste e 31 ° a leste do meridiano de Greenwich.

CARACTERÍSTICAS

Ruanda é comumente referido como país de milhares de montanhas por causa de sua bela paisagem (natural bonito da paisagem) o seu bem conhecido por ter gorilas da montanha que não são comuns quase no continente da África, não esquecendo que, recentemente, descobriu-se que ele é o fonte do maior rio da África (River. NILE)

HISTÓRIA DE VOLTA

Ruanda datas para os dias antes da chegada dos colonizadores foi governado por reis conhecidos como Abami, a língua oficial de Ruanda é conhecido como Kinyarwanda, e é a única língua falada pelos três grupos tribais.

Ou seja:

1. TUSTI
2. Hutu
3. TWA. Que são a minoria

Antes da ocupação do Ruanda por seus primeiros ocupantes da terra estava coberta de árvores e grama. O Twa são disse ter sido encontrada principalmente no centro das florestas africanas. Os hutus são o segundo a se estabelecer em Ruanda, que se acredita ter vindo de Camarões em torno do lago Chade. Em Ruanda que se estabeleceram no lado ocidental de Ruanda. Finalmente chegou o TUSTI que disse ter se originado forma parte norte do leste de África no planalto etíope e Sudão se estabeleceram no oeste do Lago Muhazi.

O grupo hutu das pessoas é o maior grupo em Ruanda e eram principalmente agricultores. Tusti A são os guardiões de gado e eles vieram em Ruanda à procura de pasto e água para os seus animais. A TWA são o menor grupo e eram principalmente de ferro fundições.

O grupo Tusti de pessoas dominadas em termos de liderança e foi o grupo dominante; todos os reis foram selecionados a partir deste grupo antes da vinda de mestres coloniais. Os reis de Ruanda foram selecionados a partir do clã conhecido como o banyiginya.There foi um fórum organizado de sucessão e de um rei seria sucedido por seu único filho.

FUNDAÇÃO

Ruanda foi fundada pelo rei conhecido como Gihanga que começou sua dinastia de um lugar chamado Gasabo perto do lago Muhazi na parte ocidental de Rwanda.Gihanga organizou seu pequeno estado politicamente bem que ele gasta eo chamou de Ruanda que significa um grande lugar desde que ele teve anexo muitas áreas diferentes. Antes de morrer Gihanga tinha organizado o seu estado e de todos os habitantes em apenas um líder respeitado a quem chamavam Umwami que veio do significado Kwama verbo ser popular

Após a morte de Gihanga, ele foi substituído por um rei Kigeli Muhabanya que expandiu a Gasabo pequeno estado um vasto reino.

Ele começou a se desintegrar devido a disputas de sucessão, os reis que se seguiram a sucessão foram: Ruganzu Burimbi que governou de 1312-1345 ac, Cyirima decisão Rugwe um 1345-1378, kigeli 2 Mukobanyi Yuhi, Mibambwe um Sekarango, Ndahiro Cyahintare, ruganzu e muitos mais depois seguido pela vinda da Alemanha colonialista.

RELIGIÃO

O Banyarwanda acreditava em um Deus conhecido por nomes diferentes, por exemplo; Rurema, Gihanga, Rugina, foram os nomes dados a Deus.

Existem diferentes religiões em Ruanda, como protestantes, católicos, o Islã, entre outros.

Alimentos Ruanda estáveis são batatas e bananas também são comidos por pessoas mesmos. Agricultura é realizada principalmente pelo grupo hutu de pessoas. Ruanda principal produto de exportação é o café.

EUROPEUS EM RUANDA

O primeiro europeu a pisar na terra das mil colinas era um alemão em 1832. Eles passaram a colônias Ruanda até o fim da Primeira Guerra Mundial, quando todas as colônias foram retiradas de alemão como um castigo. Ruanda foi dado a Bélgica como a sua mestre colonial próximo, pelo menos, houve uma mudança de fortuna como os belgas eram muito melhores do que os alemães, que eram muito cruéis em sua administração.

Os mestres segundo coloniais de Ruanda ruandês encontrado sob a tutela do rei kigeli Rwabugiri 2. Os belgas como sempre semeou sementes de divisionismo entre os ruandeses que estavam unidas sob o rei um. Não demorou muito para que os três grupos começou a diferenciar-se baseando-se em altura, o tamanho do nariz, e ocupação. Tusti O grupo era alto e magro, enquanto os hutus eram curtas e tinha um nariz grande em comparação com o de tutsis que é pequeno.

Regra indireta foi usada como um meio de administração pelos belgas como era em torno de África por outros senhores coloniais. reis e chefes foram usados pelos belgas para fazer o que eles queriam, como se eles precisavam de escravos que usaria chefes de olhar para eles em troca receberam presentes como roupas e joalharias. Mas um homem memorável é lembrado na história de Ruanda para resistir à domínio colonial e que era rei RUDAHIGWA que foi morto pelos belgas opostos ele.

Belgas levou Ruanda através da independência 1962 embora, como um pelo caminho, uma vez que ainda controlava o assunto político do país.

Kayibanda Gregorie foi eleito o primeiro presidente de Ruanda, e ele era um hutu, uma vez que estavam sendo alinhou pelos belgas e isso fez com que o grupo tutsi para resistir ao domínio colonial sob o rei RUDAHINGWA.

Ruanda
Kayibanda Gregorie

Em segundo lugar belgas apoiaram a de Hutu, porque eles eram a maioria e, portanto, os usou para oprimir os outros grupos.

Fonte:  rwandanhistory.blogspot.com

Ruanda

História

Os habitantes originais de Ruanda foram os Twa, um povo pigmeu que agora representam apenas 1% da população. Enquanto os hutus e tutsis são muitas vezes considerados dois grupos étnicos distintos, os estudiosos apontam que eles falam a mesma língua, têm uma história de casamento, e compartilham muitas características culturais.

Tradicionalmente, as diferenças entre os dois grupos eram ocupacional em vez de étnico. Pessoas agrícolas foram considerados hutu, enquanto a elite do gado de proprietários foram identificados como tutsi. Supostamente tutsis eram altos e magros, enquanto hutus eram curtos e quadrados, mas muitas vezes é impossível distinguir um do outro.

A exigência 1933 pelos belgas que todos carregam um cartão de identidade indicando etnia tribal como tutsi ou hutu reforçada a distinção. Desde a independência, a violência repetida tanto no Ruanda e Burundi aumentou diferenciação étnica entre os grupos.

Ruanda, que se tornou uma parte da África Oriental Alemã, em 1890, foi visitada por exploradores europeus em 1854. Durante a Primeira Guerra Mundial, foi ocupada em 1916 por tropas belgas. Após a guerra, tornou-se um campeonato belga de mandato das Nações, junto com Burundi, com o nome de Ruanda-Burundi.

O mandato foi feito um território sob tutela das Nações Unidas em 1946. Até o Congo belga conseguiu a independência em 1960, Ruanda-Burundi foi administrado como parte da colônia. Bélgica no primeiro mantida dominação tutsi, mas partilha de poder, eventualmente, incentivados entre hutus e tutsis.

As tensões étnicas levou à guerra civil, forçando muitos tutsi para o exílio. Quando Ruanda tornou-se a nação independente de Ruanda, em 01 de julho de 1962, foi sob o governo hutu.

Violência étnica difundida

Em outubro de 1990, a Frente Patriótica Ruandesa (RPF), os rebeldes tutsis no exílio em Uganda, invadido em uma tentativa de derrubar o governo liderado hutu de Ruanda. Acordos de paz foram assinados em agosto de 1993, pedindo um governo de coalizão.

Mas, após a derrubada de um avião em abril de 1994, que matou os presidentes de ambos Ruanda e Burundi, profunda violência étnica explodiu. (Quem é responsável por derrubar o avião não é clara. Uma teoria sugere que foi extremistas hutus que rejeitaram os hutus e tutsis plano de partilha de poder proposto pelo presidente Juvenal Habyarimana, um hutu moderado).

A guarda presidencial começou assassinar líderes da oposição tutsi, e logo policiais e soldados começaram a tentar assassinar a população tutsi inteira. Em 100 dias, a partir de abril de 1994, hutus invadiram o país e um número estimado de 800 mil mortos tutsi e hutus moderados seus simpatizantes.

Um grupo de milícia 30.000 membros, o Interahamwe, levou grande parte da farra homicida, mas, instigada pela propaganda de rádio, hutu ordinária entrou em massacrar seus vizinhos tutsis. Embora o massacre genocida parecia uma erupção espontânea de ódio, ele foi de fato demonstrado ter sido cuidadosamente orquestrada pelo governo hutu.

Genocídio em massa e Problemas dos Refugiados

Em resposta, a força rebelde tutsi, a Frente Patriótica Ruandesa, varreu o país em uma guerra de 14 semanas civil, o encaminhamento do governo em grande parte hutu. Apesar de relatos terríveis de genocídio, nenhum país chegou a assistência ao tutsi do. A ONU, já estacionados em Ruanda na época do assassinato, retirou-se completamente após 10 de seus soldados foram mortos.

No rescaldo do genocídio, um número estimado de 1,7 milhões hutu fugiram pela fronteira em Zaire vizinho (hoje República Democrática do Congo). Embora rebeldes tutsis assumiram o controle do governo, permitiram que um hutu, Pasteur Bizimungu, para servir como presidente, na tentativa de desviar as acusações de um ressurgimento da elitismo tutsi e promover a unidade nacional. Paul Kagame, líder rebelde tutsi, tornou-se vice-presidente e eminência parda.

Em meio aos refugiados legítimos do genocídio eram milicianos hutus, que começou a travar a guerra de guerrilha a partir de campos de refugiados no Zaire. Os guerrilheiros hutus no Zaire, bem como ameaças do Zaire para o exílio a sua própria origem étnica tutsi, levou ao apoio de Ruanda, de forças rebeldes, liderada por Laurent Kabila, empenhado em derrubar Mobutu Sese Seko do Zaire.

Mas Ruanda logo cresceu desencantado com novo regime de Kabila. O governo de Kabila não foi capaz de impedir os ataques dos guerrilheiros hutus que continuaram a traumatizar o país e desestabilizar a região. Em agosto de 1998, pouco mais de um ano depois de Kabila assumiu, a rebelião começou contra o seu reinado, instigado por Ruanda e Uganda.

Os problemas dos refugiados, massacres contínuos, eo legado terrível de genocídio continuou a assombrar a psique nacional. Em setembro de 1998, um tribunal da ONU sentenciou Jean Kambanda, um antigo primeiro-ministro de Ruanda, à prisão perpétua por sua participação no genocídio de 1994.

Ele se tornou a primeira pessoa na história a ser condenado pelo crime de genocídio, definido pela primeira vez na Convenção de Genocídio de 1948, após a Segunda Guerra Mundial. Em 2001, outras oito pessoas também tinham sido condenados por a mesma acusação.

O tribunal da ONU, no entanto, foi criticada por sua ineficiência e lentidão. Em dezembro de 1999, um relatório independente, encomendado pela ONU, Kofi Annan, e levou outros funcionários da ONU a tarefa de não intervir de forma eficaz no genocídio.

Em abril de 2000, o presidente Bizimungu renunciou eo vice-presidente Paul Kagame se tornou o presidente tutsi primeiro da nação. Foi força rebelde de Kagame, que apreendeu capital de Ruanda, e pôr fim ao genocídio em 1994.

Paz com a República Democrática do Congo e uma nova Constituição

Ruanda continuou lutando contra a República Democrática do Congo ao longo de sua guerra de quatro anos civis.

Finalmente, em julho de 2002, os dois países assinaram um acordo de paz: Ruanda prometeu retirar seus 35.000 soldados da fronteira congolesa; Congo, por sua vez concordou em desarmar os milhares de milicianos hutus em seu território, que ameaçou Ruanda segurança.

Em maio de 2003, 93% dos ruandeses votaram para aprovar uma nova Constituição que instituiu um equilíbrio de poder político entre hutus e tutsis. Nenhum partido, por exemplo, pode conter mais de metade dos assentos no parlamento. A Constituição também proibiu a incitação ao ódio étnico.

Em 26 de agosto as eleições presidenciais, a primeira desde o genocídio de Ruanda, Paul Kagame, que serviu como presidente desde 2000, obteve uma vitória esmagadora. Em junho de 2004, Pasteur Bizimungu, o hutu que serviu como presidente entre 1994 e 2000 (então vice-presidente Kagame tinha o poder real), foi condenado a 15 anos de prisão sob a acusação de incitar o ódio étnico. Muitos consideraram o julgamento politicamente motivada.

Condições econômicas e sociais em Ruanda durante o primeiro mandato do presidente Kagame melhorou acentuadamente. Ele apertou o cerco contra a corrupção eo crime, a renda per capita dobrou entre 2000 e 2008, a expectativa de vida aumentou, e quase metade das crianças do país estão a concluir a escola primária, em comparação com 20% no pré-Kagame.

Em 2004, um juiz francês afirmou que Kagame foi responsável pela derrubada 1994, de um avião que matou os presidentes da Ruanda e Burundi e partiu violência étnica que matou cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados. Kagame negou veementemente a acusação. Em 2008, Rose Kabuye, um assessor de Kagame, foi preso no aeroporto de Frankfurt Internacional sobre um mandado de França e acusado em conexão com o acidente.

Um tribunal da ONU em dezembro 2008 condenou o coronel Theoneste Bagosora, um extremista hutu, de genocídio por seu envolvimento no massacre de 1994 de 800 mil tutsis e hutus moderados. Ele é o oficial de maior patente militar acusado em conexão com o genocídio. Vários outros oficiais importantes foram posteriormente julgado e condenado a prisão perpétua.

Apesar dos ganhos econômicos e sociais feitas sob Kagame, dicas de repressão surgiram nos meses que antecederam a eleição presidencial de agosto 2010.

Dois líderes da oposição foram mortos, um líder antigo exército que tem sido crítico de Kagame foi filmado na África do Sul, e Victoire Ingabire Umuhoza, o líder de um partido que pretendia desafiar Kagame, foi preso sob a acusação de promover genocídio. No entanto, Kagame foi reeleito, tendo 93% dos votos.

Pierre Damien Habumuremyi foi nomeado como primeiro-ministro e empossado em 7 de outubro de 2011. Não houve alteração nas carteiras de gabinete chave.

Geografia

Ruanda, no centro-leste da África, está rodeado pela República Democrática do Congo, Uganda, Tanzânia e Burundi. Ele é um pouco menor do que Maryland.

Montanhas íngremes e vales profundos cobrir a maior parte do país. Lago Kivu, no noroeste, a uma altitude de 4.829 pés (1.472 m), é o maior lago da África.

Estendendo norte da mesma são as Montanhas Virunga, que incluem o vulcão Karisimbi (14.187 pés; 4.324 m), ponto mais alto de Ruanda.

Governo

República.

Fonte:  www.infoplease.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal