Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Clareamento Dental - Página 7  Voltar

Clareamento dental

Existem diversas formas para denominarmos as técnicas de clarear os dentes. No Brasil o termo mais difundido é o “clareamento”, os nomes de clareação e branqueamento são menos utilizados, porém podem ser encontrados na literatura.

O termo branqueamento, origina-se da palavra whitening em inglês. Apesar de não ser exatamente o que ocorre durante o procedimento.

A cor apresenta 3 dimensões: matiz, croma e valor.

O matiz é utilizado para definir a cor, por exemplo o vermelho, amarelo azul. O valor está relacionado à variação do brilho e reflexão da luz e o croma ou saturação determina a intensidade da matiz ou o seu grau de saturação. Os dentes poderão sofrer alterações na saturação ou no croma mas não na matiz, por exemplo uma pessoa que apresenta cor C3 poderá, após o tratamento ficar com a cor C2 ou C1 mas não alterar a sua matiz para o B1 ou A2.

Quando o assunto estética é abordado uma das maiores dificuldades encontradas é exatamente na definição da palavra “estética”.

Pode-se encontrar definições clássicas como: “Estética é a ciência da beleza presente na natureza e nas artes”, entretanto a subjetividade é um fator determinante na definição de beleza.

O que desperta a atenção de alguns pode não causar a mesma reação nos outros.

Cada indivíduo tem suas preferências próprias e o conceito de estética pode variar com a época, a idade e o tipo de cultura de uma comunidade.

Fatores externos como: a família, grupo social, atividade profissional, religião, localização geográfica e origem (italiana, árabe, judaica, americana, indígena e oriental) podem interferir no padrão estético. Na cultura moderna ocidental a aparência é de suma importância e exige um novo padrão de beleza do sorriso.

O atual padrão de beleza traduz-se por dentes claros, bem contornados e corretamente alinhados. A beleza é um fator determinante na auto-estima, e essa é crucial nos relacionamentos interpessoais. Alterações na aparência podem refletir no comportamento psicológico e social do ser humano, essas mudanças podem ser desde o simples disfarce do problema até a total introversão do indivíduo.

De acordo com BADRA, 1984, a boca é a morada do sorriso e carrega consigo grande responsabilidade do se traduzir social.

Desde o inicio da nossa vida a boca é o órgão de ligação de bebê com o mundo externo, na vida adulta ela é o órgão da expressão e comunicação social.

Dessa forma as pessoas procuram dentes brancos por diversas razões e essas podem ser: sociais, profissionais e psicológicas.

Portanto quando nos deparamos com um paciente com queixas estéticas, deve-se considerar todos esses fatores envolvidos, o profissional deve ouvir suas reclamações e dar todas as opções de tratamento sem criar grandes expectativas, pois o paciente tem a esperança que o dentista recupere o seu direito de sorrir.

O clareamento consiste em uma das opções de tratamento estético e ele pode ser empregado isoladamente ou em conjunto com outros procedimentos estéticos. Entretanto o clareamento, em suas diversas formas é a modalidade de tratamento mais conservadora, por manter intactas as estruturas dentárias sadias.

Porém o clareamento não é um procedimento previsível, mas de acordo com os estudos de HAYWOOD,1994 o índice de sucesso inicial é de 92%. Desse modo, o tratamento por si só pode mudar significativamente a aparência dos dentes.

HISTÓRICO

As preocupações referentes á estética são de longa data, desde 1860 existem técnicas que propõem o clareamento de dentes escurecidos.

O uso das mais variadas substâncias foi proposto como: cloreto de cálcio, cloro, cloreto de alumínio, ácido oxálico, dióxido de enxofre, hipoclorito de sódio, entre outros.

Em 1872 e 1877, BOGUE e CHARPEL utilizavam ácido oxálico para clarear dentes polpados e despolpados. Em 1924, PRINZ divulgou a técnica termocatalítica para dentes tratados endodonticamente. O autor utilizava perborato de sódio mais peróxido de hidrogênio a 30% associado a uma fonte de calor.

Em 1937, AMES difundiu uma técnica para clarear dentes vitalizados manchados por fluorose, o agente clareador era composto por 5 partes de peróxido de hidrogênio a 30% mais 1 parte de éter associado a uma fonte de calor para acelerar a reação de liberação de oxigênio. Durante todos esses anos houve a evolução das técnicas até o surgimento da técnica do clareamento caseiro ou supervisionado, por HAYWOOD & HEYMANN em 1989, com a utilização de peróxido de carbamida a 10%. O tratamento surgiu devido as observações do ortodontista Dr. Bill Klusmier, esse profissional prescrevia para os seus pacientes, que apresentavam um quadro de gengivites, o uso de um anti-séptico bucal (gly-oxide) durante a noite dentro de um dispositivo ortodôntico semelhante a um protetor esportivo, além de observar a redução do quadro inflamatório também foi verificado o clareamento dental.

Essa técnica foi um marco na odontologia cosmética e atualmente existem vários produtos no mercados em diversas concentrações.

A possibilidade de se realizar o tratamento em casa, com um produto menos agressivo, com maior conforto e custos reduzidos estimularam a sua divulgação nos meios de comunicação. Hoje em dia, muitos pacientes informados pelas revistas de beleza, jornais e televisão, procuram os profissionais solicitando esse tipo de tratamento. Atualmente o peróxido de carbamida pode ser encontrado nas concentrações de 35% e a 37% para ser utilizado no clareamento “in office”, ou seja no consultório. O campo de estudos nessa área é bastante desenvolvido e vários pesquisadores dedicam-se a essa linha de pesquisa.

Etiologia das Alterações de Cor dos Elementos Dentais

O dente é um elemento policromático e sua cor é estabelecida pela dentina resultando em uma coloração amarelada.

O esmalte dental é translúcido e irá atenuar a cor da dentina, quanto maior for a mineralização do esmalte, mais translúcido ele se torna. As áreas cervicais e incisais, dos dentes refletem esse comportamento do esmalte e da dentina.

Na região incisal onde não existe camada de dentina interposta a tonalidade é branco azulada, enquanto que na cervical, a camada de esmalte é mais fina tornando mais evidente a coloração da dentina. Com o passar dos anos, o esmalte sofre desgastes e por sua vez a dentina torna-se mais espessa pela a formação de camadas reparadoras ou de dentina secundária, tornando os dentes mais escurecidos.

Devido a variedades de técnicas disponíveis para o clareamento de dentes polpados e despolpados é de suma importância que o profissional saiba diagnosticar adequadamente essas alterações de cor, para indicar o melhor procedimento a ser utilizado ou até mesmo a associação de uma ou mais técnicas.

O resultado do adequado diagnóstico e planejamento determinará um melhor prognóstico, com economia de estrutura dental e estética.

Alterações Endógenas

As causas de alteração de cor podem ser ENDÓGENAS ou EXÓGENAS.

Sendo as primeiras, quaisquer alterações determinadas no período de formação do germe dental e as exógenas ocorridas após a erupção dos dentes.

Dentre as causas endógenas pode-se citar a amelogênese imperfeita, hipoplasia do esmalte, fluorose dental, alterações por tetraciclinas, dentinogênese imperfeita, icterícia ou distúrbios hepáticos porfirismo congênito e eristoblastose fetal. A porfiria congênita é transmitida como caráter recessivo não ligada ao sexo, afetando homens e mulheres. Consiste em um problema no metabolismo da porfirina, seus achados bucais são a coloração vermelho dos dentes decíduos e permanentes.

A deposição da porfiria nos dentes e ossos em desenvolvimento são devido a sua afinidade física pelo fosfato. A anemia hemolítica congênita é devido incompatibilidade do fator Rh da mãe e do feto. A eritroblastose fetal pode manifestar-se nos dentes pela deposição da pigmento sangüíneo no esmalte e na dentina nos dentes em desenvolvimento, conferindo-lhes uma coloração marrom, castanho ou azulado. Em alguns casos a eritroblastose também pode ocasionar hipoplasia de esmalte , relatada por WATSON por corcova Rh.

Níveis elevados de bilirrubina no soro resultam na condição clínica conhecida como icterícia.

As manifestações bucais encontradas são na língua, palato mole , mucosa jugal e os dentes podem apresentar coloração amarelo esverdeada. Essa alteração também pode ser ocasionada por hepatite na infância.

A amelogênse imperfeita constitui um grupo de defeitos hereditários do esmalte. As coroas podem ou não apresentar alterações de cor, quando existente essa pode variar do amarelo ao castanho. Em alguns casos o esmalte pode estar ausente ou apresentar sulcos e depressões.

A dentinogênese imperfeita é transmitida por herança genética e difere da amelogênse imperfeita por atingir somente a dentina ela também pode ser denominada de dentina opalescente hereditária. A cor dos dentes pode variar do cinza ao violeta ou castanho-amarelado, mas em todos os casos apresentam uma tonalidade opalescente ou translúcida. A hipoplasia do esmalte pode ser definida como uma formação incompleta ou defeituosa da matriz orgânica do esmalte. A hipoplasia pode ser do tipo hereditário ou devido a fatores ambientais.

Dentre os fatores que podem provocar a ocorrência de hipoplasia de esmalte pode-se destacar: deficiências nutricionais, doenças exantemáticas (sarampo, varicela, escarlatina), sífilis congênita, hipocalcemia, traumatismo durante o nascimento, eritroblastose fetal, infeção ou traumatismo local, ingestão de fluoretos ou causas idiopáticas. O esmalte pode apresentar fossetas ou fissuras dispostas em fileiras horizontais, nos casos mais graves pode haver ausência de esmalte.

A fluorose dental ocorre por ingestão excessiva de fluoretos durante o desenvolvimento da dentição decídua e permanente. Dependendo do nível de fluoreto deglutido as características clínicas podem ser variadas, desde pequenas manchas brancas até áreas opacas envolvendo grande parte do dente com fossetas de coloração castanha. As tetraciclinas apresentam afinidade seletiva para a deposição nos ossos e nos dentes. Visto que a tetraciclina atravessa a barreira placentária a descoloração pode afetar tanto dentes decíduos como os permanentes. O período crítico para a administração de tetraciclinas é de 4 meses de vida intra-uterina a 3 meses após o nascimento para os incisivos decíduos superiores e inferiores e aos 9 meses de nascimento para os caninos decíduos. O período crítico para os dentes permanentes anteriores é de 3 a 5 meses até os 7 anos de idade.

Devido a variedade de coloração, profundidade e localização essas alterações foram classificadas.

De acordo com o prognóstico de remoção desse manchamento as descolorações podem ser classificadas em: GRAU I, GRAU II, GRAU III E GRAU IV.

A alteração de grau I apresenta coloração amarelo claro , castanho ou cinza claro, uniformemente distribuída na coroa dental, sem estrias. Geralmente respondem bem ao tratamento clareador.

A Grau II apresenta um aspecto amarelo ou cinza em vários tons, mais extensa que no grau I, não apresenta faixas e exige maior tempo de tratamento mas geralmente respondem bem ao tratamento clareador. O grau III apresenta uma coloração cinza escuro, com formação de bandas principalmente na cervical, com alta concentração de medicamento nessas faixas. As estrias são mais resistentes ao tratamento.

O manchamento por tetraciclinas de grau IV é bastante severa, comfaixas escuras resistente a todos os tipos de clareamento. De acordo com os estudos de HAYWOOD, LEONARD & DICKINSON (1997), o prognóstico dos dentes manchados por tetraciclinas não está relacionado ao grau de escurecimento e sim a sua localização. Nos pacientes onde existem bandas escurecidas no terço cervical o prognóstico é desfavorável. Nesse estudo, os dentes manchados foram tratados por 6 meses com peróxido de carbamida a 10% e índice de sucesso foi de 75%. A minocilina é um antibiótico semi-sintético derivado da tetraciclina, usado para tratamento de acne em adolescentes pode causar descoloração dos dentes já erupcionados.

Alterações Exógenas

As causas das alterações exógenas, ocorrem após a formação do elemento dental e podem ser classificadas em EXTRÍNSECAS E INTRÍNSECAS.

As pigmentações extrínsecas são externas localizam-se na coroa dental por impregnação de corantes dos alimentos como café, chá, cigarro. Materiais dentários como o eugenol e o amálgama também podem ocasionar manchas extrínsecas. O xido de zinco e eugenol pode escurecer a estrutura dentária dependendo do tempo de permanência da restauração temporária e da relação pó/líquido.

O amálgama de prata sofre corrosão e oxidação e os íons metálicos penetram nos túbulos dentinários causando alterações irreversíveis. Bactérias cromógenas, bem como o próprio acumulo de placa pode ocasionar alterações desse caráter. Lesões de cáries tanto agudas com crônicas e percolação marginal em restaurações comprometidas também podem ocasionar pigmentações exógenas.

As causas exógenas de caráter intrínseco são alterações que se originam no interior da câmara pulpar como: hemorragia interna após o traumatismo, necrose também após o trauma, calcificação distrófica da polpa, fatores iatrogênicos e utilização de materiais obturadores a base de iodofórmio. A hemorragia pulpar é a causa mais freqüente de alteração de cor após o traumatismo. O sangue penetra nos túbulos dentinários onde ocorre a sua degradação, nos pacientes jovens os canalículos são mais amplos e o sangue tem maior poder de penetração.

A calcificação distrófica da polpa causa escurecimento coronário devido a obliteração da câmara pulpar por deposição de cálcio. A necrose pulpar pode acontecer silenciosamente, inicialmente ela passa desapercebida pela demora de deposição dos produtos cromatogênicos. Esses produtos penetram nos canalículos dentinários causando um escurecimento. Materiais obturadores que contém iodofórmio ou prata podem alterar a cor dos dentes.

Qualquer material obturador, inclusive os cones de guta persha, quando deixados na câmara pulpar escurecem os dentes. Esses devem ser cortados 2mm aquém do limite amelo-cementário, para evitar descolorações.

Alterações também podem ser causadas por desgaste fisiológico dos dentes expondo a coloração amarelada própria da dentina. Existem ainda algumas pigmentações de origem iatrogênica devido ao emprego inadequado de alguns materiais restauradores e obturadores. A execução inadequada da abertura coronária pode provocar manchamentos pela deposição de sangue, cárie ou restos necróticos.

Mecanismo de Ação dos Agentes Clareadores

O processo de escurecimento dental ocorre devido a formação de estruturas quimicamente estáveis, responsáveis pela instalação progressiva de manchas na coroa dental.

O processo básico de clareamento envolve a oxidação, que consiste em um processo químico onde os materiais orgânicos são convertidos em dióxido de carbono e água. Os pigmentos são compostos de grandes quantidades de moléculas de carbono.

Essas são quebradas e convertidas em compostos intermediários (cadeias menores) que são mais claros. Essa reação química altera o tipo, número e posição relativa dos átomos que compõem essas moléculas.

No decorrer do clareamento as cadeias de carbono são transformadas em CO2 e H2O, sendo gradualmente liberados junto com o oxigênio nascente. O ponto de saturação é o momento em que ocorre o máximo de clareamento, a partir dessa etapa os pigmentos não são mais clareados e o agente clareador começa a atuar em outros compostos que apresentam cadeias de carbono, como as proteínas da matriz do esmalte.

Nesse ponto ocorre a perda de estrutura dental, por isso é necessário saber quando cessar o processo, pois, no momento em que há perda de estrutura dental perde-se todo benefício estético do clareamento.

Após o estudo das etiologias das alterações de cor e os mecanismos envolvidos no clareamento pode-se afirmar que o sucesso da técnica depende: de um adequado diagnóstico, bom plano de tratamento, seleção adequada da técnicas utilizada, associada ao o potencial do agente clareador e documentação completa do casos incluindo radiografias e fotografias iniciais.

Porém o sucesso do tratamento também está na dependência das orientações dadas aos paciente e sua colaboração durante o processo clareador.

Clareamento de Dentes Polpados

O clareamento de dentes polpados consiste em uma forma de tratamento que tem a finalidade de clarear os dentes que apresentam vitalidade pulpar mediante o uso de substâncias químicas.

Existem várias opções de técnicas nesse trabalho abordaremos a técnica de clareamento supervisionada ou técnica caseira, a técnica de clareamento no consultório, a associação entre as diversos processos e a microabrasão do esmalte. A técnica de clareamento supervisionada pode ser realizada com o peróxido de hidrogênio a1,5% e a 10% e com o peróxido de carbamida a 10% e a 15% com carbopol ou sem carbopol.

O carbopol é um polímero carboxipolimetileno que tem por finalidade espessar o material, prolongar a liberação de oxigênio, tornando o processo mais lento e melhorar a aderência aos tecido, evitando o seu extravasamento para a cavidade bucal e sua deglutição.

A técnica caseira consiste basicamente nas etapas de diagnóstico e planejamento, moldagem e registro da cor, realização de alívios no modelo de gesso, confecção da moldeira , orientações aos pacientes supervisão e acompanhamento semanal e se necessário fluorterapia.

Indicações e Contra-Indicações do Tratamento

Essa modalidade de tratamento está indicada para dentes com alterações de cor distribuídas uniformemente pela coroa dental, pigmentações por tetraciclinas grau I e II, alterações fisiológicas devido a idade, fluorose suave e dentes com canais atrésicos ou com calcificação distrófica da polpa.

Porém existem algumas indicações que apresentam prognóstico incerto como: pigmentações nas cores azul, marrom ou cinza como nos casos de eritrosblatose fetal, icterícia porfirismo congênito e descolorações por tetraciclinas de grau III e IV. Mesmo com o prognóstico incerto o clareamento é sempre a primeira opção de escolha por ser mais conservadora e manter a integridade das estruturas dentárias sadias.

Um dos efeitos colaterais do tratamento clareador pode envolver uma sensibilidade alterações térmicas desse modo o clareamento está contra-indicado para pacientes que apresentam sensibilidade térmica, dentes com comprometimento pulpar, lesões de erosão/abrasão e abfração e pacientes com câmara pulpar ampla. Também recomenda-se a substituição de restaurações defeituosas previamente ao tratamento e a reversão de quadros de periodontites e gengivites antes de iniciar o clareamento. Nos pacientes com xerostomia deve-se optar pela técnica do clareamento no consultório devido a baixa produção de saliva, pois essa juntamente com a uréia, que é um produto da reação química ocorrida durante o clareamento, garantem a elevação do pH, após a inserção da moldeira com o agente clareador. Em pacientes portadores de condições pré- cancerígenas como fumantes, alcoólatras e pessoas com lesões na mucosa bucal contra-indica-se o clareamento.

O tratamento clareador no consultório pode ser indicados para todas as situações acima pois, não há contato do produto com os tecidos moles. Os agentes clareadores utilizados são peróxido de hidrogênio a 30 e 35%, e peróxido de carbamida a 22%, 35% e 37%. Como os produtos são mais concentrados e consequentemente tóxicos se faz necessário a proteção dos tecidos moles. Essa proteção pode ser feita com omcilon orabase, bicarbonato de sódio e vaselina e isolamento absoluto.

As desvantagens dessa técnica são: maior sensibilidade no pós-operatório devido a alta concentração dos agentes clareadores, o tempo de consulta é maior, consequentemente o custo é mais elevado e assim como as outras técnicas os resultados são imprevisíveis.

A técnica aplicada consistem diagnóstico, plano de tratamento profilaxia, escolha da cor, documentação radiográfica e fotográfica, proteção dos tecidos moles, conforme o exposto acima, isolamento absoluto, condicionamento ácido do esmalte, aplicação do produto, ativação por luz visível, polimento e aplicação tópica de flúor neutro.

O condicionamento ácido é opcional, pois devido ao baixo peso molecular do agente clareador ele penetra facilmente nas estruturas dentárias.

Para o peróxido de carbamida utilizado no consultório a técnica é a mesma com pequenas variações: diagnóstico, plano de tratamento profilaxia, escolha da cor, documentação radiográfica e fotográfica, proteção dos tecidos moles, aplicação do produto, aguardar de 20 a 30 minutos e aplicação tópica de flúor.

Apesar do clareamento ser uma técnica amplamente utilizada existem algumas limitações referentes ao tratamento, por exemplo ele não deve ser realizado em gestantes e lactantes, pessoas com restaurações amplas, pacientes com sensibilidade dentária e irritação gengival severas e em fumantes inveterados e pacientes com condições pré-cancerígenas. O tratamento no consultório produz resultados rápidos, através do uso de um agente com alta concentração ativado por luz ou calor.

Entretanto, após algum tempo os dentes desidratados pelo isolamento absoluto e desmineralizados pelo condicionamento ácido remineralizam e ocorre uma hidratação, produzindo um efeito de regressão a cor original. Desse modo, essa técnica resulta num certo desapontamento do paciente, sendo necessárias algumas repetições para torná-la mais estável. O clareamento supervisionado apresenta resultados mais estáveis, porém mais lentos, o que produz uma certa desmotivação e insatisfação nos pacientes. Além de necessitar a colaboração dos mesmos para a ocorrência de resultados satisfatórios. A associação de técnicas combina o melhor dos dois procedimentos.

A técnica consiste, primeiramente, na realização do tratamento no consultório com um agente mais agressivo durante 30 minutos, com a finalidade de produzir uma mudança inicial da cor. Posteriormente, o prescreve-se a técnica supervisionada para a alteração gradual e manutenção da cor.

Com a associação das técnicas ocorre um ganho de tempo e aumento da segurança nos procedimentos, aliando as vantagens da técnica no consultório com a caseira, GARBER,1997.

Existem outras maneiras de se combinar as técnicas de clareamento: pode-se utilizar a microabrasão associada ao clareamento caseiro e o clareamento no consultório associado ao uso do laser.

A microabrasão é um método de remoção de manchas superficiais dos dentes como: fluoroses, manchas brancas e pequenas hipoplasias.

 

Essa técnica é conservadora, não invasiva e os resultados são permanentes. Consiste na aplicação de um ácido associado a um agente abrasivo. Durante o procedimento a superfície deve permanecer úmida para avaliação. Deve-se ter um cuidado especial para evitar uma abrasão excessiva provocando uma concavidade na superfície vestibular. A reavaliação deve ser realizada após algumas semanas juntamente com aplicaçõestópicas de flúor.

O desgaste é clinicamente imperceptível de acordo com WAGGONER (1989), o desgaste é de 26µm por aplicação. Enquanto que CHAN (1995), em vinte aplicações o desgaste é de 300µm. O esmalte apresenta uma superfície amorfa e clinicamente liso. O uso do laser pode ser associado ao tratamento no consultório para potencializar o processo de clareamento. O laser sozinho não produz um clareamento ele é utilizado com um catalisador da reação do peróxido de hidrogênio.

Existem diversos tipos de laser: o dióxido de carbono, o laser argônio, laser neodímio e o laser érbio.

Os dois últimos tipos são utilizados para o tratamento de úlceras e para o preparo cavitário, enquanto que o laser argônio e o dióxido de carbono podem ser utilizados no clareamento. O dióxido de carbono é absorvido por substâncias que contém água. A rápida absorção pela água produz um aquecimento da solução, desse modo ele atua como catalisador.

O laser argônio tem afinidade por pigmentos escuros, as cadeias de carbono pigmentadas absorvem a energia do laser potencializando o processo de clareamento. Ele também é utilizado para catalisar a reação de oxidação do peróxido de hidrogênio e os radicais livres de oxigênio são liberados na reação e fragmentam as moléculas pigmentadas. O laser argônio produz pouco calor e é aplicado por 30 segundos para acelerar a atividade do agente clareador, após a aplicação o produto é deixado por 3 minutos. Entretanto não há estudos sobre a eficácia e segurança desse procedimento.

Existem alguns pontos que devem ser estabelecidos previamente ao tratamento, primeiramente não se deve criar expectativas quanto ao tratamento, pois existem manchas que dificilmente removidas. Pode haver recidiva num período de 1 a 3 anos. O paciente poderá sentir sensibilidade dentária e gengival.

Pode haver necessidade de substituição das restaurações estéticas e as restaurações existentes poderão sofrer algum grau de degradação. O paciente não deverá ingerir corantes ou fumar durante o tratamento e ele deve estar consciente que a sua colaboração é imprescindível para o sucesso do tratamento. Por esses fatores aliados a impossibilidade de se predizer os resultados do tratamento que uma autorização por escrito é fundamental.

Ténica Interna/Externa Inside/Outside Clareamento de Dentes Despolpados

Existem alguns riscos envolvidos com o clareamento de dentes despolpados convencional.

Esses riscos incluem a reabsorção cervical externa, fratura do elemento dental durante os procedimentos de aquecimento e ainda a possibilidade de ocorrer um clareamento excessivo e regressão da cor. A possibilidade de reabsorção é menor quando se realiza o tampão biológico. O tampão biológico atua como um agente protetor da reabsorção cervical externa.

Entretanto existem alguns empecilhos para a sua correta execução:.

=> A complexidade anatômica da região, pois os túbulos dentinários apresentam-se em forma de curva.

=> O nível da junção cemento-esmalte é localizado mais apicalmente na face vestibular, então quando realiza-se a proteção da face vestibular a lingual permanece desprotegida.

=> Na superfície proximal, também existe a curvatura dos túbulos e o limite cemento-esmalte localiza-se mais coronariamente em relação as faces palatina e vestibular. Se durante a confecção do tampão biológico o profissional não acompanhar essas variações anatômicas as superfícies proximais e palatinas ficam desprotegidas.

Um método modificado por LIEBENBERG (1997), minimiza esses riscos. Essa técnica propõe o clareamento de dentes despolpados tanto internamente como externamente com o peróxido de carbamida a 10%, através do uso de uma moldeira. O dente tratado endodonticamente é aberto, o tampão biológico é confeccionado e o agente clareador é aplicado no interior da cavidade e por vestibular, sendo mantido em posição com o auxílio de uma moldeira. Durante todo o tratamento a cavidade situada na face palatina permanece aberta, quando o paciente não está realizando o tratamento a cavidade permanece com uma bolinha de algodão, o paciente higieniza a cavidade com o auxílio de uma seringa, dessa forma ele deposita jatos de soro fisiológico no interior da cavidade.

As vantagens dessa técnica são a diminuição do risco de reabsorção cervical externa, devido a menor concentração do agente clareador e por que não há necessidade da utilização de calor, o tempo de tratamento é menor e o oxigênio é completamente eliminado antes da confecção da restauração definitiva. O tempo de clareamento é menor por que o agente clareador ativo interage tanto internamente como externamente.

Dentre as desvantagens pode-se destacar a necessidade de colaboração do paciente e a possibilidade de fratura do elemento dental, pois o dente permanece aberto durante o tratamento. O clareamento excessivo dificilmente ocorre, pois o paciente tem maior controle do tratamento.

Clareamento de Dentes Despolpados

O escurecimento de dentes sem vitalidade pulpar apresenta-se, freqüentemente, como uma seqüela do tratamento endodôntico e gera um problema de desagradável efeito estético para o paciente, podendo provocar dificuldades sociais e psicológicas.

O Cirurgião Dentista é, geralmente, procurado por pacientes que desejam recuperar a cor natural de seus dentes escurecidos, principalmente os dentes anteriores. Assim, faz-se necessárioum tratamento que objetive a recuperação da coloração original do dente e a conservação da estrutura dentária.

A alteração da cor natural dos dentes se dá devido a inúmeros fatores, entre eles as iatrogenias que podem advir do tratamento endodôntico devido ao uso incorreto das técnicas endodônticas ou o uso de substâncias inadequadas.

Em alguns casos, dependendo da etiologia e da intensidade da alteração de cor, o clareamento dental passa a ser uma alternativa de tratamento, por ser um procedimento conservador e de baixo custo.

Entretanto, é importante que o profissional esclareça ao paciente que o clareamento não é um procedimento predizível e, além disso, existem alguns riscos que devem ser explicados para que o paciente participe da decisão sobre o tratamento a ser realizado.

O objetivo do clareamento é descobrir ou remover pigmentos por meio de agentes oxidantes ou redutores poderosos e, para isso, várias técnicas foram desenvolvidas. Através dos anos, o clareamento pela oxidação tem sido o método preferido devido à sua simplicidade e resultados mais certos.

A seleção de casos para se realizar o clareamento intracoronário de dentes despolpados é de grande importância, pois reações adversas podem ocorrer durante ou após a realização deste procedimento.

Os principais efeitos indesejáveis do clareamento são: indução de estímulos que podem levar à reabsorção cervical externa, enfraquecimento do elemento dentário e reescurecimento da coroa dental.

Etiologia e Prevenção do Escurecimento Dental

Os problemas estéticos advindos do escurecimento de dentes não vitais têm preocupado, desde há muito, tanto o paciente quanto o Cirurgião Dentista. A descoloração de dentes não vitais pode surgir em decorrência de hemorragia após trauma, degradação do tecido pulpar e células sangüíneas, deficiência ao limpar os detritos da câmara pulpar, e uma má escolha de cimentos e materiais que contêm prata para obturar o canal e/ ou restaurar a abertura de acesso endodôntico.

LEONARDO E LEAL EM 1991 descrevem as causas que provocam o escurecimento coronário, dividindo-as em causas gerais e locais. Causas locais são as intervenções locais provocadas pelo próprio profissional e que podem resultar em alterações de cor da coroa dental.

São elas: .

Abertura coronária insuficiente.

Hemorragia intensa.

Decomposição do tecido pulpar.

Traumatismos.

Uso de arsênico para promover a desvitalização pulpar.

Substâncias obturadoras de canal radicular.

Composto de prata.

Certos medicamentos como o nitrato de prata e eugenol.

Fumo, etc.

Causas gerais são as alterações de ordem sistêmica que podem provocar modificação de cor nas coroas dentais. Independem do profissional e são contra-indicadas ao branqueamento.

As principais causas são:

Porfirismo congênito: doença adquirida durante gestação, provocando uma => coloração vermelha purpúrea, que não pode ser eliminada.

Dentina opalescente hereditária, que não pode ser eliminada.

Fluorose endêmica.

Hipoplasia.

Pigmentação por hepatite.

Medicamentos (tetraciclina) => Radiações.

Os autores descreveram alguns cuidados antes e depois da obturação do canal radicular com o intuito de prevenir um possível escurecimento coronário.

Os cuidados antes da obturação do canal são:

Abertura coronária, envolvendo nela cornos pulpares e reentrâncias da câmara pulpar.

Irrigações sucessivas da câmara pulpar com soda clorada e água oxigenada a fim de neutralizar e remover restos de sangue que penetram nos canalículos dentinários.

voltar 12345678avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal