Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Seychelles  Voltar

Seychelles

Quando se imagina o paraíso aparecem imagens de praias solitárias de areias brancas e águas transparentes cor turquesa com palmeiras de fundo e peixes que podem-se tocar com as mãos.

As Seychelles plasmam os sonhos do paraíso numa maravilhosa realidade na terra. Tudo o imaginado é um fato e qualquer imagem é superada pela fantástica natureza destas 115 ilhas.

Os recifes de corais e as ilhas vulcânica formam paragens que são impossíveis de esquecer. Sua fauna é fantástica, animais únicos no mundo, mais de um milhão e meio de aves e a tartaruga maior do mundo batizada como Esmeralda. A flora não fica atrás, vegetação exuberante com o Coco de Mer, a palmeira símbolo das Seychelles, com árvores macho e fêmeas e com frutos que chegam a atingir 20 kg de peso cada um. Esta inacreditável natureza têm sobrevivido graças ao isolamento que estas ilhas sofreram durante séculos. Ademais, a população é encantadora, muito aberta e bem disposta para os estranhos. Nas Seychelles soa a música misturada com o aroma das especiarias enquanto o sol lança raios desde a água num guincho que confirma que estas ilhas são o paraíso terrenal.

Localização

O arquipélago das Seychelles está formado por 115 ilhas que ocupam uma superfície terrestre de 453 quilômetros quadrados num área total de 1.340.000 quilômetros quadrados.

As ilhas estão juntas pelo ocidente do Oceano Indico ao noroeste de Madagascar, junto com as ilhas Almirantes, Providence, Farqhhar, Aldabra e Desroches destacam as de maior tamanho como Mahé, Praslin, Shilhouette e A Digue.

Quarenta de estas ilhas, as de maiores dimensiones, são de rocha granítica e relevo montanhoso, enquanto que o resto estão formadas por recifes de corais como Plate e Coetivyou de origem vulcânico como Silhouette e North. As ilhas Aldraba estão constituídas por plataformas calcárias e recifes que têm sobressaído oito metros sobre o Indico quando este mar descendeu faz alguns milhes de anos devido a uma variação das correntes.

A formação das Seychelles se remonta a mais de 200 milhões de anos quando este terreno se desprendeu do borde ocidental da Índia, nas proximidades da Meseta do Decán, separando-se da plataforma continental.

Em Mahé encontra-se o Morne Seychellois, a maior altitude do arquipélago, com 905 m de altura. Não existem rios significativos. O clima é tropical, com uma estação quente que vai de dezembro a maio com um alto índice de umidade. As temperaturas são altas com uma mínima em volta de 19 graus centígrados e uma máxima de 33 graus centígrados. A Média anual de precipitações é de 2.375 mm.

As praias são de areia fina e as águas, quentes, são transparentes e de um formoso cor turquesa. Existe um bom número de Baias e enseadas.

História

Se supõe que os primeiros em chegar a estas ilhas, no século IX, foram os comerciantes árabes. De fato, quando se produziu o descobrimento oficial pelos portugueses ao mando de Vasco da Gama no século XVI, o timoneiro da embarcação era um árabe. Em 1501, Joo de Nova batizou um dos grupos de ilhas com o nome de Farquhar e em 1505 Vasco da Gama navegou pelas Almirantes outorgando-lhes este nome.

Posteriormente também os britânicos passaram por estas ilhas sem conceder demasiada importância.

A finais do século XVI e princípios do XVII as Seychelles eram um reduto de piratas, embora não esteja historicamente demostrado, existem numerosas lendas que falam de tesouros escondidos e de que nestas ilhas os corsários repunham forças, guardavam botins e reparavam suas naves.

Quando o comércio com a Índia começou a ser básico para França e Inglaterra as Seychelles cobraram uma grande relevância. Exploradas por um francês, Lazare Picault de 1742 a 1744, os franceses ao mando do capitão Nicholas Morphey colocando em 1756 as ilhas baixo o domínio de França denominando-as Seychelles pelo ministro de finanças da época, Jeam Moreau de Séchelles.

Em 1770 o empresário de Barré decide impulsar a colonização de estas ilhas enviando a 26 colonos a St. Anne. Por outra parte o governo francês estabelece sua própria colônia em Mahé. Nesta ilha, e na mesma época, Pierre Poivre, administrador de Maurício, empreende a tareia de cultivar as especiarias tão apreciadas hoje e para isto impôs a escravidão como Mão de obra. Nenhuma de estas duas colonizações triunfaram mas serviram para deixar uma mínima população nas ilhas.

Em 1793 chega às Seychelles Jeam Baptiste Ouéau de Quincy que consegue que durante a guerra entre França e Inglaterra as ilhas não passem a ser britânicas.

Em 1801 Napoleão manda a estas ilhas 70 criminais que haviam cometido vários atentados durante a Revolução convertendo este território num centro de deportação.

Em 1810 as Seychelles foram ocupadas pelos britânicos adquiridas legalmente pelos tratados de 1814-1816 e passando a depender das Ilhas Maurício. Os ingleses mantêm a Quincy como administrador, mais tarde seria nomeado juiz de paz. Foi muito respeitado pelos habitantes da ilha até sua morte em 1827.

Em 1839 se abole definitivamente a escravidão nas ilhas pagando aos proprietários uma indenização. Os antigos escravos permaneceram neste território ganhando a vida com a pesca e os pequenos cultivos pois os grandes proprietários se resistiam a pagar uma mão de obra que haviam tido durante anos de forma gratuita. Este problema se solucionou com a contratação de escravos liberados pelos barcos ingleses que estavam dispostos a trabalhar por muito pouco conseguindo que a agricultura voltasse a ressurgir.

Em 1903 o cargo de administrador passa a ser o de governador. Durante a Primeira Guerra Mundial as Seychelles sofrem uma grave crises pois se interrompe todo tipo de comercio.

Em 1930 recebem o estatuto colonial passando a depender diretamente de Grã Bretanha.

Os problemas econômicos das ilhas voltam a repetir-se durante a Segunda Guerra Mundial e para solucionar se forma a primeira organização política das Seychelles, a Associação de Contribuintes, que se declaram em contra das grandes potências mundiais.

Em 1964 nascem dos novos partidos políticos que mudaram o panorama político das ilhas, o Seychelles Democratc Party, SDP, que era partidário de manter-se baixo a proteção britânica e o Seychelles Peoples United Party, SPUP, que lutava pela autonomia. Três anos mais tarde celebram-se as eleições do Conselho legislativo e por primeira vez se faz m através de sufrágio geral. Em 1970 se promulga uma nova Constituição pela que se estabelece um gabinete ministerial e um parlamento composto por 15 membros que substitui ao Conselho Legislativo. Nas eleições celebradas em novembro sai eleito como chefe de gabinete J. Mancham do SDP, seguindo a política de integração com Grã Bretanha. O apoio da OUA ao SPUP consegue que o partido independentes vaia adquirindo força conseguindo que nas eleições de 1975 se forme um governo de coalizão entre as duas forças. Previamente Grã Bretanha outorgou o autogoverno a estas ilhas e fixou a data de sua independência para o ano seguinte.

Em 1976 as Seychelles foram proclamadas república independente integrada na Commonwealth. Mancham é elegido presidente e René, o líder da SPUP como primeiro ministro. No ano seguinte René da um golpe de estado e suspende a constituição. Se inicia uma política de reforma agraria e de alfabetização da população como grandes metas. Em 1978 perante o intento de um novo golpe de estado se declara o estado de emergência no país e em março de 1979 se promulga uma nova constituição. No mês de junho celebram-se eleições democráticas nas que René é elegido presidente da República.

Em 1982 o governo apoiado pelo exército tanzano sufoca um levantamento militar. No ano seguinte se cria a Comissão do Oceano Indico na que junto a Madagascar e Maurício as Seychelles promovem a cooperação regional. Em 1989 René ganha de novo as eleições sendo o candidato único.

Arte e Cultura

As primeiras mostras culturais encontradas nas Seychelles procedem dos piratas que mergulhavam nestas ilhas já no século VII. Podem-se contemplar mosquetes e túmulos de corsários (nos últimos tempos têm-se iniciado de novo a busca de tesouros escondidos).

Mais tarde chegaram os portugueses e árabes que também deixaram sua pegada neste paraíso como fortalezas, palácios e mesquitas.

Os habitantes das Seychelles sofreram gravemente a escravidão fomentada, sobretudo, por franceses e ingleses que influenciaram notavelmente a arte e a cultura deste país. Um ritmo típico de estas ilhas é a Moutia que em suas origens foi uma oração ritual transformada neste período numa canção de trabalho dos escravos.

As Seychelles são um vivo exemplo de fusão o que se percebe claramente em sua cultura composta de elementos europeus, africanos e malgaches. A mostra mais representativa desta fusão é o idioma crioulo que está baseado no francês mas que inclui vocábulos procedentes do africano, malgache, árabe e o inglês.

A religião também têm influenciado notavelmente na cultura e embora a maioria dos habitantes do país sejam católicos, a feitiçaria é profundamente respeitada.

O "Grigri" compreende um bom número de rituais nos que se utilizam cartas, antigas caixas de tabaco, espelhos, ossos de frango, diversas ervas, pedras e moedas.

Esta cultura cré que os feiticeiros têm o poder de vencer aos zumbis e aos espíritos perversos conhecidos como "nanms", além de poder curar enfermidades ou atrair o amor a base de conjuros e bebidas.

A dança e a música são elementos essenciais da vida dos Seychellois. Instrumentos antigos como o banm, instrumento de arco e o zez, cítara de uma única corda, podem-se escutar ainda junto a uma fogueira festiva. As danças tem, sem dúvida, origem africana e se bailam lentamente com movimentos sensuais. As festas nas que se executam estas danças se denominam "moutyas".

Outros bailes com elementos europeus são os Kanmotele, o vals, a ecossaise, a polka e o pas de quatre. Na atualidade o ritmo preferido pelos Seychellois é o sega.

Hoje em dia vários artistas têm-se instalado nas ilhas e expõem nelas sua arte como Michael Adams, o pintor nativo com mais fama, o escultor Tom Bowers, Vladimir, famoso pelos seus artigos de cerâmica e cestaria e Egbert Marday, entre outros.

Gastronomia

As Seychelles são ilhas e, por isso, o prato forte de sua cozinha é o peixe que, além de ser fresco, oferece variedades de sabores maravilhosos. Magníficos são o rede snapper conhecido como bourzwa, o job-zob de carne branca, o atum que não tem nada que ver com o que conhecemos, as cavalas reais denominadas kingfishou wahoo e o karang.

Curiosamente nestas ilhas o frutos do mar não é muito abundante. O bogavante, por exemplo, tem sofrido as conseqüencias da sobrepesca e têm-se que importar e os camarões procedem de um criadouro situado em Ilha Coetivy. Somente dois crustáceos figuram habitualmente nos menus crioulos, o tektek que se cozinha numa sopa de cebola, alhos, gengibre e salsa e o palourd que tem o aspecto de uma concha pequena e se come como aperitivo com manteiga de alho aromático.

Não deixe de saborear os camarões, a deliciosa Lula das Seychelles e o polvo com leite de coco.

O prato mais típico da cozinha crioula é um puchero com salsa de chile. Embora esteja acostumado ao picante tenha cuidado com este prato pois a pimenta destas ilhas recebe o apelido de "fogo infernal" e é realmente picante.

Também se servem pratos de carne e aves aromatizados com as deliciosas especiarias do país.

As sobremesa não estão muito cuidadas. Além dos sucos de frutas tropicais como o manga, a papaia, o maracujá ou a goiaba, unicamente se toma sorvetes ou salada de frutas. Os pastéis e as tortas não são o forte da cozinha crioula.

Bebidas

Para acompanhar a comida se costuma beber cervejas nacionais como a Seybrew e a Eku, ambas de boa qualidade e bebidas sem álcool. Algo típico é o fresh lime, refresco a base de limão natural com água que se serve com açúcar ou sal dependendo do gosto do cliente. Os sucos naturais são deliciosos. E o vinho somente se encontra de importação, o que é muito caro.

Depois de comer pode tomar café ou chá mas a citronelle é um substituto ideal e o típico destas ilhas. Em realidade é um chá de ervas que se prepara com o andropogon, uma planta aromática que cresce nos montes. Diz-se que é muito digestivo e se pode tomar também antes das comidas.

Restaurantes em Mahé

Chez Plume

Cozinha francesa a base de mariscos num entorno de sonho com flores e música crioula. Prove o patê de zorro voador feito a partir de morcegos e os filés com açafrão, gamas e salsa de maracujá. É conveniente reservar.

A Perle Noire

Comida crioula e internacional com um serviço excelente.

Ilhander

cozinha crioula num ambiente muito agradável. Preços moderados. Se recomenda reservar.

A Moutia

Especializado em camarões e caranguejos servidos com diferentes salsas. Há que reservar com antecedência. Boa relação preço-qualidade.

A Sacala

Cozinha italiana. Somente jantar a preços razoáveis.

Danielle's

Se contemplam excelentes vistas enquanto se degusta comida crioula e internacional. servem unicamente jantar e seus preços são razoáveis.

Marie Antoinette

Restaurante realmente formoso no que se serve a típica sopa crioula tektek e outros pratos locais. Há menu de degustação. As crianças menores de 12 anos não pagam. Fecha aos domingos e seus preços são moderados.

Baobab Pizzería

Pitoresco serviço e excelente comida italiana.

Chez Baptistas

Especializado em peixe na chapa envolto em folhas de banana. Econômico.

Restaurantes em Praslin

Les Rochers

Muito elegante especializado em cozinha crioula. Aberto solo a meio dia. Fecha aos domingos.

Black Parrot Restaurant

Cozinha crioula e internacional. Preços moderados.

Laurier Restaurant

Ambiente simples no que se serve cozinha crioula. Fecha aos domingos. Moderado em seus preços.

Restaurantes em L'Islette

L'Islette

Um barco lhe trasladará gratuitamente até este pequeno restaurante. Serve almoço e jantar a preços econômicos

Compras

Em Seychelles podem-se comprar variados artigos embora o artesanato não é tradicional já que, a raiz do despegue turístico das ilhas, têm-se desenvolvido com força e criatividade.

Os preços costumam ser bastante elevados e fixos nos comércios enquanto que nos postos de ruas se espera que se regateie.

As compras se deve fazer em Mahé pois nas outras ilhas, a oferta baixa muito e em algumas nem sequer existe.

Podem-se adquirir tecidos decoradas utilizando técnicas indonésias que expressam o amor pela natureza, especialmente as de Rom Gerlach. Seu estúdio está em Mahé.

São muito apreciadas as caixas de marqueteria de madeira autóctone e nácar. Estas caixas se acostumam polir com azeite e canela e são um autêntico primor.

A cerâmica e a olaria oferecem uma grande variedade de artigos como jarros, chaleiras, pratos, tartarugas, aves, caixinha, cinzeiros etc.

A cestaria oferece também uma grande variedade de produtos, chapéus, cestos, bolsos, toalhas individuais trançadas, lâmpadas, vasos de barro etc.

São muito formosas as esteiras estampadas com motivos das ilhas. Também são muito apreciados os álbuns de fotografias com diferentes relevos, as escovas e pincéis de ervas e os modelos de barcos em diferentes tamanhos.

A roupa típica das Seychelles é fresca e muito fina como os caftanes estampados ao batik, os vestidos folgados e as calças largas. As camisetas estão em todas partes e seus estampados brilham com cores muito vivas.

Pode-se adquirir original bijuteria em materiais como vidro pintado a mano, coral e basalto com desenhos muito atrativos.

Um artigo típico das Seychelles é o Coco de Mar, o fruto de uma palmeira que chega a atingir os 20 kg de peso e que pode-se adquirir polido ou não. Os autênticos têm um grande tamanho enquanto que os menores costumam ser falsos e estão feitos de madeira. Tenha em conta que necessita uma permissão de exportação que expede o vendedor para evitar problemas na alfândega. Além do fruto em si, podem-se adquirir diferentes objetos realizados neste material.

Os perfumes são uma verdadeira delicia. As Seychelles contam com mais de 102 plantas nativas e a mistura de seus aromas pode resultar embriagadora.

Não deixe de visitar os mercados de especiarias. Aparte de desfrutar com o ambiente que ali se respira podem-se adquirir, entre outros produtos, chá com diferentes sabores como baunilha, limão, laranja ou canela, curry, barras de canela, baunilha seca e chiles conhecidos como Hellfire, "fogo infernal", devido a seu explosivo sabor picante.

População e Costumes

A maioria da população das Seychelles é de origem africana ou malgache, descendentes de escravos ou escravos libertados. A posterior mistura com os europeus é evidente nos diferentes tons de pele que abarca uma ampla gama e que vão desde a tez branca até as peles de um preto intenso. Também são importantes as comunidades índia e china.

As pessoas são abertas, divertidas, risonhas e, em geral, se pode confiar nelas. Tem um pequeno defeito (segundo o ponto de vista dos turistas) pois não são pontuais e a pressa é algo que não existe para eles pelo que é conveniente adaptar-se a seu ritmo de vida. É muito mais saudável. É interessante conversar com eles e tentar compreender o seu modo de vida tão distante da agitação diária dos europeus. O estresse não existe e não é de estranhar que, com somente pôr contemplar a maravilhosa paisagem, os nervos se diluem. Isto é algo que sabem bem todos os habitantes das Seychelles.

Este povo é muito religioso e também muito supersticioso com relação à feitiçaria. Crêem em zumbis, espíritos malignos e em poções que atraem o amor e a fortuna. Embora estas crenças diminuem cada vez mais convém respeita-las. Os feiticeiros são tratados com grande respeito.

Apesar da maioria da população ser católica a tradição tem podido mais e a maioria dos casais mantêm relações flexíveis com trocas de cônjuges e convivência em casal para acabar depois de muitos anos contraindo matrimonio. As crianças gozam de uma grande liberdade e são muito queridos e mimados pelos maiores.

O mesmo acontece com os anciãos que são venerados por seus familiares e amigos.

85 % da população é alfabetizada e a mortalidade é mais baixa que em outros países africanos: A mortalidade infantil, por exemplo, é de um 12.9 % enquanto que a esperança de vida média é de 70 anos.

Entretenimento

Um dos máximos atrativos das Seychelles são suas praias de areias finas e águas transparentes. Nelas, aparte de desfrutar do banho e do sol, se pode praticar todo tipo de esportes náuticos como mergulho, esqui aquático, windsurf, surf, pára-quedas por motor, jet ski, lanchas, barcas, etc. mergulhar é especialmente atrativo pois existem mais de 300 espécies de peixes e 2.500 tipos de coral, uma verdadeira maravilha. Pode-se praticar com cilindros de oxigênio ou a pulmão.

A maioria dos hotéis alugam equipamentos completos assim como pé-de-pato, culos e tubo de oxigênio.

A pesca de altitude resulta muito emocionante, tanto para pescadores experimentados como para os principiantes. As peças mais apreciadas são os atuns, os peixes vela, as barracudas e os marlines, entre outros.

As excursões a pé resultam muito agradáveis pois as paisagens são esplêndidas. Também podem-se fazer em bicicleta.

Os hotéis contam com estupendas instalações para desfrutar do golfe, tênis e squash.

Se além de praticar algum esporte você gosta de presencia-lo, nas Seychelles poderá se satisfazer com partidas de futebol, basquete, hockey sobre grama, vôlei, combates de boxe e competições de atletismo.

Outro fantástico entretenimento são os cruzeiros que percorrem as diferentes ilhas, algumas delas totalmente desabitadas onde banhar-se em suas praias é uma experiência única. Passear por elas pode lembrar-nos a Robinson Crusoé, não em vão o filme do mesmo nome se rodou neste entorno.

Os restaurantes são especialmente atrativos pois a maioria deles estão ao ar livre e costumam estar construídos em madeira com tetos de palha. A comida é simples más seus ingredientes são frescos e naturais com sabores muito agradáveis.

A vida noturna não existe em muitas ilhas mas Mahé conta com um cine, várias discotecas, alguns clubes noturnos e dois casinos. Também pode-se assistir a espetáculos baseados nas danças típicas do país como a Sega e a Moutia.

As festividades nas Seychelles começam com a celebração do Ano Novo que duram dos dias, 1 e 2 de janeiro.

A Semana Santa é vivida fervorosamente pelos habitantes destas ilhas sendo festas oficiais a Sexta-feira Santa e a Segunda-feira de Páscoa.

Entre abril e maio tem lugar dois eventos importantes, o Campeonato de Pesca organizado pela National Fishing Competitiom e o Festival of Underwater Images (festival de Imagens Submarinas) que congrega os amantes do mergulho do mundo todo e no que se oferecem exposições de fotografias, de filmes e imersões especiais. Neste evento, tudo gira em torno do fundo marinho.

No 1 de maio, igual que em outros muitos países do mundo, celebra-se o Dia do Trabalho.

Em Junho há duas comemorações importantes para os seychellois: dia 5 é o Dia da Liberação, quando as ruas se enchem de gente para ver os desfiles e as carroças que transitam ao ritmo da animada música crioula; e 29, Dia da Independência.

Em 15 de Agosto é a Ascensão de Nossa Senhora. também nestas datas celebra-se o Festival de A Digue que concentra os habitantes de todas as ilhas com bailes, música, boa comida e, sobretudo, muita alegria.

Setembro se caracteriza por ser o mês em que tem lugar a Deau Vallon Regata. Dias de competições de iates, jogos de pistas submarinos, provas de corda na praia e concursos de comer e beber. Pela noite atuações em vivo e desfiles de modelos. Na última semana deste mês têm lugar a Semana Turística que, promovida pelos hotéis, tem como fim divertir e agradar aos estrangeiros.

Em outubro celebra-se o maior acontecimento cultural do ano, o Festival Crioulo, com atuações de artistas crioulos do mundo todo. Tudo desprende cor, alegria e ritmo. Se pode ver danças, concertos, teatro, cavalgadas e exposições.

No primeiro de novembro é o Dia de todos os Santos. A noite de vésperas, os rituais de feitiçarias adquirem uma especial relevância. Também neste mês celebra-se o Campeonato Anual de Pesca de altitude.

Em 8 de dezembro festeja-se fervorosamente à Imaculada Conceição. O ano acaba com a celebração do Natal.

Fonte: www.genteviajera.es

Seychelles

História

Seychelles é uma nação relativamente jovem, que pode traçar a sua primeira liquidação de 1770, quando as ilhas foram fundada pelos franceses, levando um pequeno partido de brancos, índios e africanos. As ilhas permaneceram em mãos francesas até a derrota de Napoleão em Waterloo, evoluindo a partir de começos humildes para atingir uma população de 3.500 pelo tempo Seychelles foi cedida à Grã-Bretanha sob o Tratado de Paris em 1814.

Seychelles
Músico

Durante este período Seychelles veio a conhecer as políticas iluminadas de administradores, tais como Pierre Poivre, a politicagem brilhante de Governador QUEAU de Quinssy e, claro, as repercussões terríveis da Revolução Francesa.

Sob o domínio britânico, Seychelles conseguiu uma população de cerca de 7000 até o ano de 1825. Propriedades importantes foram estabelecidas durante este tempo produzindo coco, produção de alimentos, algodão e cana-de-açúcar. Durante este período Seychelles viu também o estabelecimento de Vitoria como sua capital, o exílio de numerosos encrenqueiros e colorido do Império, a devastação causada pela Avalanche famoso de 1862 e as repercussões econômicas da abolição da escravatura.

Seychelles
Estação em Vitória

Seychelles conseguiu a independência da Grã-Bretanha em 1976 e tornou-se uma república dentro da comunidade. Após um período de governo de partido único do governo do Sr. France Albert René, em 4 de dezembro de 1991, o presidente René anunciou o retorno ao sistema multipartidário de governo, 1993 viu as primeiras eleições multipartidárias presidenciais e legislativas realizadas sob uma nova constituição em que o presidente René foi vitorioso. O presidente René também ganhou as eleições de 1998 e 2003 antes de transferir a Presidência para James Alix Michel, em junho de 2004.

Geografia

Granito Seicheles 115 e ilhas de coral estender de entre 4 e 10 graus ao sul do equador e situam-se entre 480 km e 1.600 km da costa leste da África, no Oceano Índico.

Seychelles
Aérea da enseada escondida

Este Oceano Índico república ocupa uma área de 455 km ² e uma Zona Econômica Exclusiva de 1,4 milhões de km ². Ele representa um arquipélago de atemporal tranquilidade, beleza e harmonia que é famosa por suas praias de campeã mundial e por sua grande diversidade, que rola a partir de florestas verdejantes até o oceano azul quente.

Destes 115 ilhas, 41 consoles internos constituem os mais antigos ilhas oceânicas meados de granito na terra enquanto um formulário 74 mais os 5 grupos de atóis de baixa altitude e ilhotas de corais de recifes, que são as ilhas Outer.

Seychelles é o lar de nada menos do que dois Patrimônio Mundial da UNESCO: o lendário Vallée de Mai em Praslin onde o maravilhosamente em forma de porca Coco-de-mer cresce alta nas palmas das mãos antigas e Aldabra fábula, atol do mundo, o maior coral levantada, visto pela primeira vez no início de marítimos árabes do século 9.

Seychelles, uma das fronteiras muito últimos do mundo, promete aventura e beleza natural de tirar o fôlego em intocada envolve ainda intocada pelo homem.

Clima

Clima invejável Seicheles é sempre quente e sem extremos. Neste refúgio tropical a temperatura raramente cai abaixo de 24 ° C ou se eleva acima de 32 ° C.

Todos, mas as ilhas mais remotas do sul deite-se confortavelmente fora do cinturão de ciclones fazendo Seicheles um destino durante todo o ano para os amantes do sol e amantes da praia.

Durante os ventos noroeste comerciais que visitam entre os meses de outubro e março, o mar é geralmente calmo eo clima quente e úmido, com ventos médios de 8-12 nós.

Durante janeiro e fevereiro as ilhas recebem a sua vida dando-chuvas, rejuvenescendo os rios e córregos e provocando a folhagem vibrante em arco-íris de cores.

Os meses entre Maio e Setembro de trazer mais seco, mais fresco, mais animado e mares - particularmente no sudeste da costa - e ventos de 10-20 nós.

Sociedade

Na evolução de sua sociedade, Seychelles permaneceu fiel às suas raízes multi-étnicas. Por mais de dois séculos, as ilhas continuam a ser um caldeirão de raças diferentes, tradições e religiões dos quatro cantos da terra.

Inspirado por sua grande diversidade de influências culturais, a diversidade étnica com a harmonia racial continuam a ser os pilares da nação crioula de hoje vibrante, mas tranquilo para que a harmonia é um modo de vida.

Governo

A República de Seychelles tem um sistema político multipartidário com um presidente executivo como chefe de Estado e de governo. O Presidente dirige um gabinete de 13 ministros que inclui o vice-presidente.

Em abril de 2004 o Sr. James Alix Michel substituiu o Sr. France Albert René como presidente depois que o Sr. René estava no cargo desde 1977. O vice-presidente é atualmente o Sr. Danny Faure. O primeiro-ministro designado é o Sr. Vicente Meriton, que é também o Ministro da Juventude e Desportos da Comunidade de Desenvolvimento.

O poder legislativo é investido em uma Assembléia Nacional de 32 membros, dos quais 26 são eleitos diretamente em círculos com o equilíbrio em base proporcional com base nos resultados das eleições para a Assembleia Nacional.

Parti Lepep, o Partido do Povo, anteriormente conhecido como Frente Popular Seychelles é progressivo (SPPF), atualmente liderado pelo Presidente Michel, detém 31 assentos na Assembleia.

O Movimento Popular Democrático (PDM), chefiada pelo Sr. David Pierre, detém um assento na Assembleia.

Os outros principais partidos políticos (não representados na Assembleia Nacional) são os Seychelles National Party (SNP), liderado pelo reverendo Wavel Ramkalawan e do Partido Democrático (PD), liderado pelo Sr. Ralph Volcere.

A República de Seychelles é um membro das Nações Unidas, a União Africano, da Commonwealth e da Francofonia. Ele tem embaixadas em Paris, Nova York, Bruxelas, Nova Déli, Pequim e Londres, Pretória, bem como numerosos consulados honorários em todo o mundo.

Religião

Catolicismo continua sendo a religião dominante das Seychelles, mas também existem igrejas anglicanas e protestantes e os lugares de culto de outras denominações. Estes. Ao vivo em harmonia ao lado, muçulmanos, hindus e Baha'is comunidades com base em Mahé, Praslin e La Digue.

Cultura

As Seychelles cosmopolitas são uma mistura colorida de povos de diferentes raças, culturas e religiões. Em diferentes momentos de sua história, pessoas de origem Africano, Europeu e Asiático têm vindo a Seychelles, trazendo com eles suas tradições e costumes distintos e contribuindo para o modo de vida e à cultura de Seychelles vibrante.

Pode-se ver essas influências no trabalho ao longo dos domínios da arte local, culinária, música, dança e arquitetura.

O projeto arquitetônico de alguns dos casarões antigos com seus telhados íngremes são representativos de um estilo adaptado para uma vida confortável nos trópicos que exibe influências de origem francesa e britânica Seicheles colonial. Arquitetura moderna tenta assimilar estilos tradicionais com características concretas destinadas a captar a brisa da ilha.

Artistas locais continuam a exibir diversos estilos que ecoam o cenário multi-étnica das ilhas e urso testamento para as várias influências que vieram a dar. Crioulo música e dança têm suas raízes nas culturas africanas, malgaxe e europeu com ritmos tradicionalmente acompanhados por tambores e instrumentos de corda simples que, hoje, incluem tais importações recentes, como o violino e guitarra.

O moutya tradicional é uma dança erótica derivada dos tempos da escravidão e ainda apresenta hoje, em conjunto com a sega com suas letras coloridas, o kanmtole, que lembra um carretel país, eo Kontredanse, uma importação da corte francesa.

Arquitetura

Arquitetura Seychelles 'é ao mesmo tempo distintivo no seu estilo e prática na sua concepção. Ele ilustra claramente as influências de seu passado colonial e as combina com considerações práticas, tais como telhados íngremes para filmar a chuva, amplas varandas para tirar o máximo de um clima que incentiva vida ao ar livre, bem como recursos para aproveitar ao máximo a brisa da ilha.

Tradicionalmente, as casas de Seychelles apresentou uma cozinha fora para que os aromas picantes da cozinha não invadir o espaço de vida.

Seychelles
Casa Colonial

Passado colonial Seicheles é visto na competição entre a terra rica e fazendeiros para criar a abordagem mais opulenta para a sua habitação, muitas vezes culminando em escadas imponentes em quatro lados.

Originalmente, muitas casas teriam sido cobertas com palha das plantações de coco, mas, por razões práticas e novidade, estes deram lugar a telha de zinco, quando que se tornou disponível.

Muitas casas menores do país imitar a um maior ou menor grau esses recursos de design com painéis de madeira cada vez mais cedo a dar lugar ao concreto.

Arte

Para um país tão pequeno, Seychelles tem uma vibrante cena artística que engloba pintores, escultores, escritores e poetas, artesãos de vários tipos, músicos e dançarinos.

 

Seychelles
Moutya

Pintores tradicionalmente tomado inspiração a riqueza de belezas naturais Seicheles para produzir uma ampla gama de trabalhos utilizando meios que variam de aquarelas de óleos, acrílicos, colagens, metais, alumínio, madeira, tecidos, guache, vernizes, materiais reciclados, pastéis , carvão vegetal, relevo, gravura, e giclée.

Escultores locais produzir belos trabalhos em madeira, pedra, bronze e cartonagem.

Escritores e poetas locais também têm utilizado o magnífico pano de fundo das Seychelles como inspiração para relatos históricos, obras fascinantes que documentam a história social das ilhas e de seu povo e coletâneas de contos e poemas que evocam as paixões da vida na ilha.

Ao longo de Seychelles, há muitos artesãos que produzem obras de arte que são tão variados e diversos como a sua cerca e que incluem vitrais, os produtos feitos a partir de casca de coco, casca, conchas e corais, roupas, ouro, prata e outras formas de jóias, reciclado materiais, fibras, bambu, metal e cerâmica.

Música e dança sempre desempenharam um papel de destaque na cultura Seychelles e em todos os tipos de festas locais. Enraizada nas culturas africanas, malgaxe e europeu, a música é tocada ao som de tambores, como o Tambour e Tam-Tam e instrumentos de cordas simples. O violino e violão são relativamente recentes importações estrangeiras que desempenham um papel proeminente na música de hoje.

A dança Sega animada com a sua elegante hip-balançando e baralhar os pés ainda é popular como é o Moutya tradicional, uma dança, misterioso erótico que remonta aos tempos da escravidão, quando foi muitas vezes usado como uma saída para emoções fortes e, como forma de expressar descontentamento.

Seychelles
Kamntole

Kanmtole é uma importação de dança estrangeira, acompanhado por banjos, violino, acordeão e triângulo e lembra de um carretel, enquanto o escocês Contredance com seus movimentos intrincados tem suas origens na corte francesa e é dançada ao som de triângulo banjo, e às instruções do "Komandan 'Commander ou que chama os conjuntos.

Vários grupos de dançarinos tradicionais executar em funções locais como fazem os grupos modernos tocar jazz, reggae país, e ocidental, hip-hop, baladas e rock clássico. Existem vários coros cantando hinos tradicionais e promover a música coral com um repertório que inclui sagrado, evangelho, secular e peças folclóricas.

Folclore

Antes de encontrar um bocal em transmissões de televisão, rádio e através da palavra escrita, o folclore em Seychelles confiou muito na tradição oral para a sua divulgação.

Ao longo dos anos, tem, tradicionalmente, girava em torno de certos personagens conhecidos, como 'Soungula', famoso por sua astúcia e desenvoltura na resolução de problemas da vida, bem como outras personalidades coloridas, como o irmão Zako, Kader, Tizan e Kousoupa.

Certas fábulas populares e histórias ainda fazer as rondas, que remonta aos dias antes da televisão, quando havia pouco na forma de entretenimento popular e essas são meios para a prestação de uma audiência com percepções quanto à maneira correta de viver, o estilo da ilha.

As Ilhas

115 ilhas Seicheles divididas em dois grupos distintos.

O granito de altura, Inner Islands aglomeram principalmente no planalto das Seychelles relativamente rasas ', 4 ° ao sul do equador e cerca de 1800 km. distante da costa leste da África, enquanto as ilhotas baixas coralinas, atóis e ilhas de recife das ilhas Outer mentir, principalmente para além do platô até 10 ° ao sul do equador.

Seychelles
Ile Cocos

Estas ilhas exteriores são divididos em cinco grupos: grupo Amirantes deitada 230 km distantes Mahé, o Grupo Coral Southern, Alphonse Group, Farquhar Group e finalmente o grupo Aldabra, alguns a partir de 1.150 km Mahé.

Há 43 consoles internos no total - 41 graníticas e 2 coralinas e um total de 72 ilhas coralinas Exteriores.

Flora e Fauna

Seychelles é um museu vivo de história natural e um santuário para algumas das espécies mais raras de flora e fauna do planeta. Com quase 50% de suas landmass limitados reservadas como parques nacionais e reservas, Seychelles se orgulha do seu registro para as políticas de conservação longe avistou que resultaram em um grau invejável de proteção do ambiente e os variados ecossistemas que ele suporta.

 

Seychelles
Caranguejo ladrão

Em nenhum outro lugar na terra você vai encontrar únicos espécimes endêmicas, como o fabuloso Coco-de-mer, a maior semente do mundo, a árvore de água-viva, com apenas oito exemplos sobreviventes, o paraíso das Seicheles flycatcher e Seychelles rouxinol.

Seychelles também é lar de dois Patrimônio Mundial da UNESCO: Aldabra, atol do mundo, o maior coral levantou e Vallée de Mai de Praslin, uma vez que acredita-se ser o local original do Jardim do Éden.

Desde o mais pequeno sapo para a tartaruga mais pesada terra ea ave que não voa apenas do Oceano Índico, Seychelles nutre uma incrível variedade de espécies endêmicas em cerca de excepcional beleza natural.

Fonte: www.seychelles.travel

Seychelles

Nome oficial: República de Seicheles (Republic of Seychelles/République des Seychelles/Repiblik Sesel).

Nacionalidade: seichelense.

Data nacional: 5 de junho (Dia da Pátria).

Capital: Victória.

Cidade principal: Vitória (60.000) (1994).

Idioma: crioulo (oficial).

Religião: cristianismo 96,3% (católicos 88,6%, outros cristãos 7,7%), hinduísmo 0,7%, outras 3% (1996).

GEOGRAFIA

Localização: sudeste da África, oceano indico.
Hora local: + 7h.
Área: 455 km2.
Clima: tropical chuvoso.

POPULAÇÃO

Total: 80 mil (1998), sendo crioulos de Seicheles 89,1%, indianos 4,7%, malgaxes 3,1%, chineses 1,6%, ingleses 1,5%, (1983).
Densidade: 173,63 hab./km2.
População urbana: 62% (1998).
População rural: 38% (1998).
Crescimento demográfico: 1% ao ano (1998).
Fecundidade: 2 filhos por mulher (1999).
Expectativa de vida M/F: 65/70,5 anos (1999).
Mortalidade infantil: 9 por mil nascimentos (1999).
IDH (0-1): 0,786 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista.
Principais partidos: Frente Progressista do Povo Seichelense (SPPF), Nacional de Seicheles (SNP), Democrático (DP).
Legislativo: unicameral: Assembléia Nacional, com 35 membros, sendo 25 deles eleitos para mandato de 5 anos e 10 indicados.
Constituição em vigor: 1993.

ECONOMIA

Moeda: rúpia de Seicheles.
PIB: US$ 535 milhões (1998).
PIB agropecuária: 4% (1998).
PIB indústria: 24% (1998).
PIB serviços: 72% (1998).
Crescimento do PIB: 2% ao ano (1998).
Renda per capita: US$ 6.420 (1998).
Força de trabalho: 30 mil (1993).
Agricultura: coco, chá, canela, limão e lima, baunilha, patchuli.
Pecuária: bovinos, suínos, caprinos.
Pesca: 5,9 mil t (1997).
Mineração: guano, gás natural, petróleo.
Indústria: alimentícia, bebidas, tabaco.
Exportações: US$ 60 milhões (1997).
Importações: US$ 340 milhões (1997).
Principais parceiros comerciais: Reino Unido, Cingapura, Iêmen, França, África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia, Suazilândia.

DEFESA

Efetivo total: 200 (1998).
Gastos: US$ 10 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal