Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Damasco  Voltar

Damasco

 

Damasco, Síria

Damasco
A Mesquita dos Omíadas, em Damasco

Damasco, capital da Síria, é a mais antiga cidade continuamente habitada do mundo. Ela tem ocupado uma posição de importância nas áreas de cultura, ciência, política, comércio, arte e indústria, desde os primeiros tempos. Tem sido chamado de Al-Fayha'a (a cidade perfumada), Al-Sham, Jollaq e Pérola do Oriente como o imperador Juliano nomeou. Foi mencionado no Alcorão como a cidade muitos-colunas da Síria, "... como quem nunca foi construído na terra ...".

As primeiras referências a Damasco como as tábuas de Ebla, confirmar que era como uma cidade de influência econômica imensa durante 3 milênio aC.

Os scripts antigos faraós se refere a ele como Dameska. Ele teve grande destaque durante o segundo milênio aC, como o centro de um reino sob o nome aramaico de Dar-Misiq (a casa irrigado). Os Aramites eram os habitantes originais de Damasco, e sua língua era siríaco. Muitas aldeias nos arredores de Damasco ainda são conhecidos por seus nomes em aramaico.

Damasco caiu sob o domínio dos gregos, romanos, bizantinos e. Todos eles deixaram sua marca na Damasco como visitantes ainda podem facilmente observar hoje. Na época romana, Damasco foi o primeiro entre os 10 mais importantes cidades ( Decápolis ). Ele recebeu muitos privilégios, especialmente durante o reinado da dinastia síria de imperadores romanos. Foi a partir de Damasco, que o arquiteto mais talentoso do Império Romano veio. Este foi o Apolodor Damasceno, que desenhou o célebre Coluna de Trajano, em Roma, e da grande ponte sobre o rio Danúbio.

Parte do património desta época são os restos da cidade plano que Apolodor projetado em forma oblonga de acordo com o estilo arquitetônico romano. Há também parte do templo romano de Júpiter, que foi erguido no local de um templo antigo aramaico (Hadad), onde a mesquita Umayyad está hoje, uma parte distinguido por suas enormes colunas coríntias com suas capitais ricamente decorados.

Na época bizantina, um grande número de igrejas e mosteiros foram construídos, e a maioria deles sobreviveu ao presente.

Damasco
Um quarto Oriental, Damasco

Damasco se tornou capital do estado primeiro árabe no tempo dos Omíadas em 661 AD. Isto marcou o início de sua época de ouro, e durante um século foi o centro do Império jovem islâmica. Este atingiu o seu pico de expansão durante este período, e chegou a esticar a partir de margens do Atlântico e Pyrennese no oeste, ao rio Indo e da China no leste. Umayyads levou um interesse genuíno na construção de Damasco, organizando seus souqs (bazares) e distritos, melhorando o abastecimento de água, erguendo palácios, e hospitais.

Hoje em dia, Damasco é um museu vivo que abrange milhares de anos. A cidade, medindo o tempo não por horas, dias, meses e anos, mas pelos impérios que já viu ascensão e desfazer-se em ruína.

Dos marcos mais importantes em Damasco são: Mesquita de Umayyad, Azem Palace, St. Ananias Igreja, Damasco Cidadela, Souqs Velho como a Al-Hamidieyeh e Pasha Midhat, Bimarstan Al-Nory, Tomb Saladino, S. Paulo, e Al-Takieh Al-Suleimaniyeh.

Fonte: www.atlastours.net

Damasco

Damasco, a cidade mais antiga do mundo, a rainha das águas, dos céus benditos, a esmeralda do deserto como foi chamada desde a antigüidade, foi fundada faz quase 4000 anos sobre o Guta, um oásis de dois rios, o Barada e o Aawah.

O núcleo da cidade é constituído pela cidade antiga, murada, onde se desenvolveu a vida durante milênios e que hoje depois de tantas invasões e novos habitantes apresenta uma mistura de raças com diferentes religiões, que convivem trabalhando tomando chá e conversando incansavelmente.

As ruas estreitas e misteriosas escondem detrás de suas portas pátios com laranjeiras, mesquitas, palácios, e lares herdados através dos séculos. Os muros da cidade velha são da época romana.

A muralha conta com 7 portas: Bab Tuma, Bab al-Jabieh, Bab Sharqi, Bab Kessian, Bab al-Jeniq, Bab Shaghir y Bab al-Faradiss. Muitos dos caminhos que enlaçam umas com outras estão enfeitadas com colunas e arcos de triunfo.

No interior da cidade antiga atravessando o Zoco al-Hmadaiyyeh e a continuação de umas colunas do antigo Templo de Júpiter do século II (sobre o qual foi construído) se encontra a Grande Mesquita dos Omeyas. Para entrar nela o viajante deverá tirar os sapatos e as mulheres se cobrirem com o véu que se oferece na entrada. Uma vez no interior descobrimos um grande pátio de 612 metros quadrados, pavimentado em mármore e rodeado de arcos. Em seu centro tem um estanque que se utiliza para lavar as mãos(ablução) e que marca o ponto eqüidistante entre Constantinopla e Meca. O mais impressionante da Mesquita é o átrio de oração (O baram), um lugar super acolhedor pelas magnificência das decorações e as lâmpadas, a localização das colunas e o ambiente natural de recolhimento de seus fieis que passeando, sentados ou em círculos falam e lêem.

Perto da mesquita se encontra o Palácio Azem, o mais belo exemplo da arquitetura de Damasco, que mostra o contraste entre o simples e quase primitivo exterior com a sofisticação encontrada no interior. O palácio envolvido com o aroma fresco das flores de seus jardins e adornado com fontes que vertem suas águas em cascata alberga o Museu de Arte e Tradições Populares.

A Cidadela, era uma cidade dentro da cidade inclusive com seus muros, o que resta dela se converterá depois de terminados os trabalhos de restauração em um Museu e centro de atividades culturais.

Outro monumento interessante da cidade antiga, é o Bimaristan Nur er Din, fundado em 1154 como hospital escola de medicina, sustentado com dinheiro que os cruzados pagavam como resgate de seus prisioneiros, modelo de organização e um famoso centro de pesquisa e ciência

Fora dos muros da cidade antiga e em direção oeste se encontra uma grande avenida que segue o rio Barada, que parte a cidade em duas. Ao sul se localiza o Museu Nacional e sobre a antiga residência de Soleimán O Magnifico, na beira do rio Barada se lança desde 1516 a mesquita que leva seu nome. Se construiu como centro de estudo e devoção e para albergar aos peregrinos pobres que se detinham em damasco durante seu caminho em direção a Meca. Não longe deste ponto se encontram o Museu do Exército e o Mercado de Artesanato.

Ao norte, junto a avenida está a Biblioteca Nacional, Magnifico edifício de recente construção que alberga mais de 250.000 volumes, entre eles vários milhares de incunables. Também nessa zona se encontram restaurantes ao ar livre e grandes hotéis ao lado de pitorescos bairros populares.

A cidade se estende em direção ao Monte Casin. O Bairro Cristão ao redor de Bab Tumna se caracteriza pela forma de verter de seus habitantes, a beleza das lojas e o som dos sinos das igrejas.

Não deixe de visitar a Igreja de São Paulo de Hahanya, que comemora a memória do santo e o Museu Histórico de Damasco. E para tomar um chá, visite na cidade antiga o Café Nofara.

AS REDONDEZAS DE DAMASCO

Ao redor de Damasco existem localidades que vale a pena visitar: Malula e Seydnaya. Malula se encontra a uns 56 km de Damasco e esta situada a 1.500m de altitude.

Seus habitantes ainda falam arameo, a língua de Jesus, também falada em dois povoados vizinhos: Jabadin e Bejaa. Nessa localidade se podem visitar dois monasterios, o de São Sergius e o de Santa Tecla. Seydnaya, a 30 Km de Damasco se encontra no cume de uma montanha e tem um celebre monasterio e importante lugar de peregrinação.

Ao sul de damasco se localiza o Santuário de Saida Zainab, cujo interior esta decorado de prata e ouro. Outra cidade interessante que vale a pena visitar é Zabadani, ao norte de Damasco.

Fonte: www.rumbo.com.br

Damasco

Acredita-se que a cidade de Damasco, capital e maior metrópole da Síria, seja a cidade habitada mais antiga do mundo. Há registros de moradores desde 5.000 mil anos antes de Cristo. Damasco cresceu ao redor do Rio Barada e do Oásis de Ghouta, lugares onde a água tornava possível a vida em uma região árida e desértica.

Damasco fica no centro das rotas das caravanas mencionadas nas tábuas, escrituras antigas dos faraós, e no velho testamento. Desde a Antigüidade, muitos povos já ocuparam ou passaram pela cidade. Suas marcas podem ser observadas, por exemplo, em ruínas romanas, nos castelos medievais da época das Cruzadas e nos diversos monumentos erguidos pelos povos muçulmanos.

O clima milenar e histórico pode ser sentido principalmente na parte velha da cidade, cercada por uma grande muralha romana. A viagem pelo tempo começa na entrada, quando é preciso atravessar portais majestosos e imponentes. No Souq al-Hamadiyyeh, um enorme mercado coberto que fica na Cidade Velha, as ruas de pedra e o telhado furado revelam as marcas do tempo.

O comércio é barulhento e colorido, bem característico do Oriente, e o burburinho faz parte do cenário. Continuando o passeio, por caminhos e ruelas que parecem um labirinto, é possível encontrar também os famosos banhos turcos, chamados por lá de hammams.

Mesquitas

Existem muitas obras e jóias da arquitetura islâmica em Damasco. Construída no ano 705, a Mesquita de Omayyad ainda guarda mosaicos e minaretes de sua construção original. Junto dela, está o mausoléu de Saladin (um dos grandes heróis da história árabe), erguido em 1193.

Outra mesquita importante é a Takiyyeh as-Sulaymaniyyeh. Foi feita em estilo otomano, em 1554, e suas camadas de pedras pretas e brancas e minaretes longos chamam a atenção e impressionam.

Acervos milenares

Em um antigo campo militar, agora existe o Museu Nacional, que, assim como toda a cidade de Damasco, guarda relíquias importantíssimas do Mundo Antigo.

Fazem parte de seu acervo peças que ajudam a contar a história do homem e das civilizações. Uma das exposições mais impressionantes é a que mostra ao público vários papiros escritos quatorze séculos antes de Cristo, utilizando o primeiro alfabeto conhecido no mundo.

Instrumentos cirúrgicos, encontrados nos túmulos de seus médicos, mostram uma parte da trajetória da medicina através dos tempos. Esculturas de mármore e terracota, armas de diversas épocas e outros objetos revelam a rotina e a vida de povos ancestrais, ajudando a montar o quebra-cabeça da história da humanidade.

Já no Palácio de Azem, construído em 1749, hoje funciona a sede do Museu de Artes e Tradições Populares da Síria. O prédio foi todo feito com basalto preto e rochas sedimentares brancas.

A Cidade Velha, também guarda importantes histórias e construções Cristãs. Foi ali que os discípulos tiraram São Paulo por uma janela, para que ele fugisse dos seus perseguidores. No lugar, foi construída a capela de São Paulo.

Muitos séculos depois, o nome deste santo batizou uma cidade que viria a se tornar uma das maiores do mundo. Uma metrópole moderna e jovem que tem em sua lista de cidades-irmãs a antiga e milenar Damasco do apóstolo São Paulo.

Fonte: milpovos.prefeitura.sp.gov.br

Damasco

Damasco é a capital da Síria e a capital mais antiga do mundo. Tem cerca de 2.47 milhões de habitantes (chamados damascenos). Segundo o Novo Testamento, São Paulo teve uma visão de Cristo a caminho da cidade síria, sendo assim a cidade tida como sagrada tanto pelos crentes cristãos como pelo Islão.

Entre os seus muitos atrativos turísticos encontra-se a Tumba de Saladino, o ilustre defensor da Terra Santa durante as cruzadas.

A cidade está a uma altitude de 692 metros acima do nível do mar e a população de Damasco ronda 1.569.394 habitantes, divididos entre as partes moderna e antiga da cidade.

Com 6 mil anos de existência, é na parte velha da cidade que se localizam os belos monumentos, as antigas colunas, os pátios e os jardins em tijolo e a Grande Mesquita. Curiosamente, a capital é referida em textos de quase 4 milénios e meio atrás.

A parte nova da cidade é a morada das pessoas mais ricas da Síria, exibindo luxuosas mansões e prédios altos que revelam uma arquitetura em crescente desenvolvimento.

Damasco
Mesquita em Homs

Damasco
Damasco 1846

Damasco
Damasco hoje

Damasco
Ponte de Cyrrhus-Nord

Fonte: www.geocities.com

Damasco

 

Damasco
Damasco de noite, as manchas verdes são minaretes (torre de uma mesquita)

Sua população atual é estimada em cerca de 4,5 milhões. A cidade é uma governadoria, por si só, e a capital da governadoria de Rif Damasco (Damasco Rural).

É a Capital da Síria e maior cidade do país, localizada no sudoeste Síria , Na borda leste da Mts Anti-Líbano. É a maior cidade é o país administrativa, financeira e centro de comunicações.

Habitada desde tempos pré-históricos, Damasco é amplamente considerada como a mais antiga cidade do mundo e centro de comunicações.

Damasco fica no oásis de Ghouta nas margens do deserto da Síria, e é cortada pelo rio Barada.

Fabrica têxteis incluem, metalurgia, açúcar refinado, vidro, móveis, cimento, produtos de couro, conservas, doces, e fósforos.

A cidade é servida por uma ferrovia, rodovias, e um aeroporto internacional.

Nome

Em árabe, a cidade é chamada Dimashq ash-Sham. Embora esta é muitas vezes abreviada para qualquer Dimashq ou cinza-Sham por muitos, os cidadãos de Damasco. Alguns outros vizinhos árabes, coloquialmente chamam a cidade de cinza-Sham.

Ash-Sham é um termo árabe para o norte e para Síria . ( Síria - Particularmente histórico Grande Síria - é chamado de Bilad ash-Sham - "terra do norte" - em árabe, ou ' terra de Shem (Filho de Noé) ". Em árabe, mas com Shem sendo da língua siríaca nativo. É possível que o nome ' Damasco 'Pré-data a era aramaico da cidade, como refletido por seu nome em hebraico, (Dameseq).

Geografia

Damasco
Localização do Damasco em relação ao resto do Síria

Damasco fica cerca de 80 km para o interior do Mar Mediterrâneo, abrigada pelo Anti-Líbano Montanhas . Encontra-se em um platô de 680 metros acima do nível do mar.

A cidade velha de Damasco, cercada pelos muros da cidade, situa-se na margem sul do rio Barada.

Para o sul-leste, norte e nordeste é cercado por áreas suburbanas cuja história remonta à Idade Média: Midan, no sul-oeste, Sarouja e Imara no norte e noroeste. Estes distritos surgiu originalmente em estradas que levam para fora da cidade, perto dos túmulos de figuras religiosas.

No século XIX aldeias periféricas desenvolvidos nas encostas do Qasioun Jabal, com vista para a cidade, já o site do distrito Salihiyye centrado em torno do importante santuário do xeque Muhi al-Din ibn Arabi. Estes novos bairros foram inicialmente colonizada por curda soldados e refugiados muçulmanos das regiões europeias do Império Otomano, que havia caído sob o domínio cristão Assim, eles eram conhecidos como al-Akrad (os curdos) e al-Muhajirin (os imigrantes).

Colocam 02:58 quilômetros ao norte da cidade velha.

Damasco
Imagem de satélite do Damasco , Com Umaween Praça imediatamente acima do centro. O rio Barada pode ser visto entrando a imagem no canto superior esquerdo, e na metade ocidental da cidade velha está no centro do lado direito da fotografia. A moderna área de Mezze se estende ao norte da auto-estrada no centro da borda esquerda.

A partir do final do século XIX, um moderno centro administrativo e comercial começaram a surgir para o oeste da cidade velha, em torno da Barada, centrada na área conhecida como al-merjeh ou o prado. Al-Merjeh logo tornou-se o nome de o que era, inicialmente, a praça central da moderna Damasco , Com a prefeitura sobre ele. Os tribunais de justiça, correios e da estação ferroviária ficava em terreno mais alto um pouco para o sul. Um quarto europeizada residencial logo começou a ser construída na estrada que conduz entre al-Merjeh e Salihiyye. O centro comercial e administrativo da nova cidade transferiu-se gradualmente para o norte um pouco para esta área.

No século XX, novos subúrbios desenvolvido norte da Barada, e até certo ponto para o sul, invadindo o oásis Ghouta. A partir de 1955, o novo bairro de Yarmouk se tornou uma segunda casa para milhares de refugiados palestinos. Urbanistas preferiu preservar o Ghouta na medida do possível, e no final do século vigésimo algumas das principais áreas de desenvolvimento foram para o norte, no distrito de Mezze ocidental e, mais recentemente, ao longo do vale Barada em Dumar no noroeste e no encostas das montanhas na Berze no Nordeste. Áreas mais pobres, muitas vezes construídos sem aprovação oficial, têm se desenvolvido sobretudo a sul da cidade principal.

Damasco está rodeado por um oásis, o Ghouta ( al-Guta), banhada pelo Barada. A mola Fijeh, a oeste ao longo do vale Barada, fornece a cidade com água potável. O oásis Ghouta tem vindo a diminuir de tamanho com a rápida expansão da habitação e da indústria na cidade.

Damasco

História antiga

Escavações em Tell Ramad na periferia da cidade têm demonstrado que Damasco foi habitada tão cedo quanto 8000 para 10.000 aC. É devido a isso que Damasco é considerada entre as mais antigas da cidade continuamente habitada do mundo. No entanto, Damasco não é documentada como uma importante cidade até a chegada dos arameus, nômades semitas que chegaram a partir da península Arábica. Sabe-se que foram os sírios que primeiro estabeleceu o sistema de distribuição de água Damasco através da construção de canais e túneis, que maximizou a eficiência do rio Barada. A mesma rede mais tarde foi melhorada pelos romanos e os Omíadas, e ainda constitui a base do sistema de água da parte antiga da Damasco hoje. Foi mencionado em Gênesis 14 como existente no tempo da Guerra dos Reis.

"Nicolaus de Damasco, no quarto livro de sua história, diz assim:" Abraão reinou em Damasco, sendo um estrangeiro, que veio com um exército da terra acima Babilônia, chamada a terra dos caldeus, mas, depois de uma longa tempo, ele o pegou, e removido desse país também, com o seu povo, e foi para a terra, em seguida, chamou a terra de Canaã, mas agora a terra da Judéia, e isso quando a sua posteridade foram tornará uma multidão, como a que posteridade de seu, relacionamos sua história em outro trabalho. Agora, o nome de Abraão é ainda continua famosa no país de Damasco , E mostra-se uma aldeia chamada por ele, a habitação de Abraão ".

Damasco é designado como tendo sido parte da antiga província de Amurru nos hicsos Reino , 1720-1570 aC. (MacMillan, pp 30-31). Alguns dos primeiros registros egípcios são das 1.350 cartas de Amarna BC, quando Damasco (Chamado Dimasqu) era governada pelo rei Biryawaza. Em 1100 aC, a cidade se tornou o centro de um estado arameu poderoso chamado Aram de Damasco. Os reis de Aram de Damasco estavam envolvidos em muitas guerras na região contra os assírios e os israelitas. Um dos Reis, Ben-Hadade II, lutou Salmanasar III na Batalha de Qarqar. As ruínas da cidade arameu provavelmente se encontram sob a parte oriental da antiga cidade murada. Depois de Tiglate-Pileser III capturado e destruído a cidade, em 732 aC, ele perdeu a sua independência durante centenas de anos, e caiu para o Império Neo-Babilônico de Nabucodonosor, a partir de 572 aC. A regra babilônica da cidade chegou ao fim em 538 aC, quando os persas sob Ciro capturaram a cidade e fez dela a capital do persa província de Síria .

Greco-romana

Damasco primeiro veio sob controle ocidental com a campanha gigante de Alexandre, o Grande, que varreu o leste próximo. Após a morte de Alexandre, em 323 aC, Damasco tornou-se o local de uma luta entre os impérios selêucidas e Ptolomeu. O controle da cidade passou muitas vezes a partir de um império para o outro. Seleuco Nicator, um dos generais de Alexandre, tinha feito Antioquia a capital de seu vasto império, uma decisão que levou Damasco "Importância a declinar em comparação com as cidades recém-fundadas selêucidas como Latakia, no norte.

Em 64 aC, Pompeu e os romanos anexaram a parte ocidental da Síria . Eles ocuparam Damasco e, posteriormente, incorporou na liga de dez cidades conhecidas como Decápolis porque era considerado como um importante centro de cultura greco-romana. De acordo com o Novo Testamento, São Paulo foi na estrada para Damasco quando ele recebeu uma visão, foi atingido cego e, como resultado convertido ao cristianismo. No ano de 37, o imperador romano Calígula transferido Damasco em controle Nabataean por decreto. O Nabataean rei Aretas IV Philopatris governado Damasco Petra de sua capital. No entanto, por volta do ano 106, Nabataea foi conquistada pelos romanos, e Damasco voltou ao controle romano.

Damasco tornou-se uma metrópole no início do segundo século e em 222 foi atualizado para uma colonia pelo imperador Septímio Severo. Com a vinda da Pax Romana, Damasco e os romanos província de Síria em geral começou a prosperar. Damasco Importância "s como uma cidade caravana foi evidente com as rotas de comércio do sul da Arábia, Palmyra, Petra, e as rotas da seda de China tudo convergindo no mesmo. A cidade satisfez as exigências romanas para luxos orientais.

Pouco resta da arquitetura dos romanos, mas o planejamento urbano da cidade velha teve um efeito duradouro. Os arquitetos romanos reuniu os fundamentos gregos e arameu da cidade e se fundiram-los em um novo layout, com cerca de 1.500 por 750 metros, cercada por um muro da cidade. A muralha da cidade continha sete portas, mas somente o portão oriental (Bab Sharqi) permanece desde o período romano. Roman Damasco reside principalmente em profundidades de até cinco metros abaixo da cidade moderna.

A partir da conquista muçulmana para os fatímidas

Damasco foi conquistada pelo Califa Umar I, em 636. Imediatamente depois disso, o poder da cidade e prestígio alcançado seu pico quando se tornou a capital do Império Omíada, que se estendia da Espanha à Índia 661-750.

Em 744, o califa omíada passado, Marwan II, mudou a capital para Harran na Jazira, e Damasco nunca foi para recuperar o protagonismo político que ocupava no período.

Após a queda dos Omíadas eo estabelecimento do califado abássida em 750, Damasco foi governado a partir de Bagdá, embora em 858 al-Mutawakkil brevemente fixou residência lá com a intenção de transferir sua capital lá de Samarra. No entanto, ele logo abandonou a idéia. Como o califado abássida diminuiu, Damasco sofreu com a instabilidade prevalecente, e ficou sob o controle de dinastias locais. Em 875 o governante de Egito , Ahmad ibn Tulun, tomou a cidade, com abássida controle que está sendo re-estabelecida somente em 905. Em 945 os Hamdanids levou Damasco , E não muito tempo depois ela passou para as mãos de Muhammad bin Tughj, fundador da dinastia ikhshididas. Em 968, e novamente em 971, a cidade foi brevemente capturado pelo Qaramita.

Fatímidas, às Cruzadas, os seljúcidas

Em 970, os califas fatímidas no Cairo ganhou o controle da Damasco . Este foi, para inaugurar um período turbulento na história da cidade, como as tropas berberes que formaram a espinha dorsal das forças fatímida tornou-se profundamente impopular entre os seus cidadãos. A presença de Síria do Qaramita e, ocasionalmente, de bandas militares turcas adicionado à constante pressão do beduíno. Por um breve período a partir de 978, Damasco foi auto-governo, sob a liderança de um Qassam certo e protegido por uma milícia cidadã. No entanto, o Ghouta foi devastado pelos beduínos e depois de uma campanha turca liderada a cidade mais uma vez se rendeu a Fatimid regra.

De 1029-1041 a Anushtakin líder militar turca foi governador de Damasco sob o califa fatímida Al-Zahir, e fez muito para restaurar a prosperidade da cidade.

Parece que durante este período a lenta transformação de Damasco de um layout cidade greco-romana - caracterizada por blocos de insulae - para um padrão mais familiar islâmica ocorreu: a grade de ruas retas alterados para um padrão de ruas estreitas, com a maioria dos moradores vivendo dentro Harat fechada à noite por pesadas portas de madeira para se proteger contra os criminosos e as extorsões da soldadesca.

Damasco
A estátua de Saladino em frente a cidade de Damasco

Com a chegada dos turcos seljúcidas no final do século 11, Damasco tornou-se novamente a capital de estados independentes. Foi governado por uma dinastia Seljuk 1079-1104, e depois por outra dinastia turco - os emires Burid, que resistiu a um cerco à cidade durante a Segunda Cruzada em 1148.

Em 1154 Damasco foi conquistada aos Burids pelo Nur Atabeg famoso Zengid ad-Din de Aleppo, o grande inimigo dos cruzados. Ele fez dela sua capital, e após a sua morte, foi adquirido por Saladino, o governante Egito , Que também fez dela sua capital. Saladino reconstruiu a cidadela, e relata-se que sob seu governo os subúrbios foram tão extensa como a própria cidade. É relatado por Ibn Jubayr que durante o tempo de Saladino, Damasco acolheu buscadores do conhecimento e da juventude trabalhadora de todo o mundo, que chegaram por causa de "estudo sem distrações e reclusão" em muitas faculdades de Damasco.

Nos anos seguintes a morte de Saladino, havia frequentes conflitos entre diferentes sultões Ayyubid praticados no Damasco e Cairo . Aço Damasco ganhou uma reputação lendária entre os cruzados e aço com padrão ainda é "damascena". As sedas estampadas bizantinos e chineses disponíveis através Damasco , Um dos terminais ocidentais da Rota da Seda, deu o idioma Inglês "damasco".

Damasco
Palace de Azem

Regra Mameluco

Aiúbida regra (e independência) chegaram ao fim com a invasão mongol da Síria, em 1260, e Damasco, tornou-se uma capital provincial do Império Mameluco, governado do Egito, após a retirada Mongol.

Em 1400 Timur, o conquistador mongol, sitiada Damasco. O sultão mameluco enviou uma delegação do Cairo, incluindo Ibn Khaldun, que negociou com ele, mas após a sua retirada, ele colocou a cidade de saco.

A Mesquita de Umayyad foi queimado e os homens e mulheres levadas à escravidão. Um grande número de artesãos da cidade foram levados para o capital de Timur em Samarkand.

Estes eram os cidadãos mais afortunados: muitos foram abatidos e suas cabeças empilhadas em um campo fora do canto nordeste das paredes, onde uma praça da cidade ainda tem o nome de Burj al-Ruus, originalmente "a torre de cabeças".

Reconstruída, Damasco continuaram a servir como uma capital provincial mameluco até 1516.

A conquista otomana

Damasco
Khan As'ad Pasha construído em 1749

No início de 1516, os turcos otomanos, cuidado com o perigo de uma aliança entre os mamelucos e os safávidas persa, iniciou uma campanha de conquista contra o sultanato mameluco. Em 21 de setembro, o governador mameluco de Damasco fugiram da cidade, e em 2 de outubro, o khutba na mesquita Umayyad foi pronunciada em nome de Selim I. No dia seguinte, o sultão vitorioso entrou na cidade, permanecendo por três meses. Em 15 de dezembro, ele deixou Damasco por Bab al-Jabiya, voltada para a conquista do Egito.

Pouco parece ter mudado na cidade: um exército tinha simplesmente substituída por outra. No entanto, em seu retorno, em outubro de 1517, o sultão ordenou a construção de uma mesquita, taqiyya e mausoléu no santuário de Shaikh Muhi al-Din ibn Arabi em Salihiyya. Este era para ser o primeiro de grande Damasco Otomano monumentos.

Os otomanos permaneceu durante os próximos 400 anos, com exceção de uma breve ocupação por Ibrahim Pasha do Egito 1832-1840. Devido à sua importância como ponto de partida para um dos dois grandes caravanas Hajj para Meca, Damasco foi tratado com mais atenção pelo Porte do que seu tamanho poderia ter garantido - para a maior parte deste período, Aleppo era mais populosa e comercialmente mais importante . Em 1560 o Taqiyya al-Sulaimaniyya, uma mesquita e khan para os peregrinos a caminho de Meca, foi concluída a um projeto do famoso arquiteto otomano Sinan, e logo depois uma madrassa foi construído ao lado dela.

Talvez o incidente mais notório desses séculos foi o massacre de cristãos em 1860, quando a luta entre drusos e maronitas no Monte Líbano transbordou na cidade. Alguns milhares de cristãos foram mortos, com muitos mais a ser salvos pela intervenção do exílio argelino Abd al-Qadir e seus soldados, que os trouxe para a segurança na residência Abd al-Qadir e da cidadela. O bairro cristão da cidade antiga, incluindo um número de igrejas, foi incendiado. Os habitantes cristãos do bairro de Midan notoriamente pobres e refratária fora dos muros foram, no entanto, protegidos por seus vizinhos muçulmanos.

Ascensão do nacionalismo árabe

Nos primeiros anos do século XX, o sentimento nacionalista em Damasco, inicialmente cultural de seu interesse, começou a tomar uma coloração política, em grande parte em reação ao programa turkicisation do Comité de União e Progresso do governo estabelecido em Istambul, em 1908. O enforcamento de uma série de intelectuais patrióticos por Jamal Paxá, governador de Damasco, em Beirute e Damasco em 1915 e 1916 sentimento mais nacionalista amarradão, e em 1918, quando as forças da Revolta Árabe eo Exército britânico se aproximou, os moradores atiraram no recuando tropas turcas.

Moderna

O Hospital turco em Damasco em 1 de outubro de 1918, pouco depois da entrada do quarto australiana leve cavalo Regimento.

Em 1 de outubro de 1918, as forças da revolta árabe liderada por Nuri as-Said entrou Damasco. No mesmo dia, soldados australianos das 4 e 10 Regimentos cavalo luz reforçados com destacamentos da Yeomanry britânica Montada Divisão entrou na cidade e aceitou sua rendição do turco nomeado governador Emir Said (instalado como governador na tarde anterior pelo Comandante recuando Turco) . Um governo militar sob Shukri Pasha foi nomeado. Outras forças britânicas, incluindo TE Lawrence seguido mais tarde naquele mesmo dia, e Faisal ibn Hussein foi proclamado rei da Síria. A tensão política aumentou em novembro de 1917, quando o novo governo bolchevique na Rússia revelou o acordo Sykes-Picot em que a Grã-Bretanha e França tinha arranjado para particionar o leste árabe entre eles. Uma nova proclamação franco-britânica em 17 de Novembro prometeu a "completa e definitiva libertação dos povos oprimidos por muito tempo os turcos." O Congresso sírio março adotou uma constituição democrática. No entanto, a Conferência de Versalhes havia concedido à França um mandato sobre a Síria, e em 1920 um exército francês cruzou a montanhas do Anti-Líbano, derrotou uma expedição sírio pequeno defensiva na Batalha de Maysalun e entrou Damasco. O francês fez Damasco capital de sua Liga das Nações Mandato da Síria.

Quando em 1925 a revolta drusos na propagação Hauran de Damasco, o reprimido brutalmente francês, bombardeando e descascar a cidade. A área da antiga cidade entre Souk al-Hamidiyya e Midhat Souk Pasha foi queimada até o chão, com muitas mortes, e desde então tem sido conhecido como al-Hariqa ("fogo"). A antiga cidade foi cercada com arame farpado para impedir que os rebeldes infiltrados do Ghouta, e uma nova estrada foi construída fora das muralhas do norte para facilitar a circulação de carros blindados.

Em 1945, a Damasco francês mais uma vez bombardeada, mas nesta ocasião as forças britânicas interveio e os franceses concordaram em retirar, levando assim à total independência da Síria em 1946. Damasco mantiveram a capital.

Lugares históricos

Damasco
Capela Ananias

Damasco tem uma riqueza de locais históricos que datam de diferentes períodos da história da cidade. Desde que a cidade foi construída com cada ocupação de passagem, tornou-se quase impossível para escavar todas as ruínas de Damasco que se encontram até 8 metros abaixo do nível moderno. A Cidadela de Damasco está localizado no canto noroeste da Cidade Velha. A rua chamada Direita (referido na conversão de São Paulo, em Atos 09:11), também conhecida como a Via Reta, foi o. Decumanus (Leste-Oeste rua principal) de Roman Damasco, e prorrogado por mais de 1500 metros Hoje, ela consiste de rua de Bab Sharqi e do Souk Medhat Pasha, um mercado coberto. O Bab Sharqi rua é cheia de pequenas lojas e leva ao antigo bairro cristão de Bab Touma (Gate St. Thomas 's). Souq Medhat Pasha também é um mercado principal em Damasco e foi nomeado após Medhat Pasha, o governador otomano de Damasco, que renovou o Souq. No final da rua Bab Sharqi, chega-se a casa de Ananias, uma capela subterrânea, que era o porão da casa de Ananias.

A Mesquita de Umayyad, também conhecida como a Grande Mesquita de Damasco, é uma das maiores mesquitas do mundo, e um dos mais antigos locais de oração contínua desde o surgimento do Islã. Um santuário na mesquita é dito para conter a cabeça de João Batista.

Damasco
Mazar Zainab bint Ali em Damasco, Síria

Um local muito visitado é o túmulo de Zainab bint Ali. Centenas de milhares de muçulmanos xiitas visitam a cada ano.

As paredes e portas de Damasco

Damasco
O minarete da Noiva, Umayyad Mesquita na velha Damasco

A cidade velha de Damasco é cercada por muralhas nos lados norte e leste e parte do lado sul. Há oito portas da cidade existentes, o mais antigo dos quais remonta ao período romano.

Estes são, no sentido horário a partir do norte da cidadela:

Bab al-Faraj ("a porta da libertação"),

Bab al-Faradis ("a porta dos pomares", ou "do paraíso")

Bab al-Salam ("a porta de paz"), todos no limite norte da cidade velha

Bab Touma (o "Touma" ou "Thomas portão") no canto nordeste, levando para o bairro cristão de mesmo nome,

Bab Sharqi ("Eastern Gate") na parede leste, o único a manter o seu plano de Roman

Bab Kisan no Sudeste, de onde a tradição diz que São Paulo fez a sua fuga de Damasco, baixou das muralhas em uma cesta, o portão está fechado e uma capela marcar o evento foi construído sobre a estrutura,

al-Bab al-Saghir (o portão pequeno) no sul.

Bab al-Jabiya na entrada Souq Midhat Pasha, no sul-oeste.

Duas outras áreas fora da cidade murada também ter o nome de "gate": Bab Mousalla e Bab Sreija, tanto para o sul-oeste da cidade murada.

Subdivisões

Damasco
Almarja Square, no centro de Damasco

Damasco é dividido em vários distritos. Entre eles estão, Al-Amara, Al-Baramkah, Al-Mezzah, Al-Meedan, Al-Muhajreen, Al-Tijara e Mashrooa Dummar.

Educação

Damasco é o principal centro de educação na Síria. É a casa de Universidade de Damasco, que é o mais antigo e, de longe, a maior universidade na Síria. Após a promulgação da legislação que permite instituições privadas secundárias, várias universidades foram estabelecidas novas na cidade e na zona envolvente.

Universidades

Universidade de Damasco
Universidade Virtual Síria
Síria Universitário Europeu
Instituto Superior de Ciências Aplicadas e Tecnologia HIAST
Universidade Internacional para a Ciência e Tecnologia
Instituto Superior de Administração de Empresas HIBA

Transporte

Damasco
Estação Al-Hijaz

O principal aeroporto do Aeroporto Internacional de Damasco, cerca de 20 km de distância do centro da cidade, com conexões para muitos países da Ásia, Europa, Africano, e, recentemente, as cidades sul-americanas. Ruas em Damasco são muitas vezes estreita, na maior parte em partes mais antigas da cidade, e colisões são amplamente utilizados para a velocidade limite de velocidade.

O transporte público em Damasco, dependem grandemente dos microônibus. Há cerca de cem linhas que operam dentro da cidade e alguns deles se estendem desde o centro da cidade para os subúrbios próximos. Não há programação para as linhas, e devido ao número limitado de pontos de ônibus oficiais, os ônibus costumam parar sempre que um passageiro precisa entrar ou sair. O número de barras que servem a mesma linha é relativamente elevado, o que minimiza o tempo de espera. As linhas não são numerados, mas eles são dadas principalmente legendas indicam os dois pontos finais e, possivelmente, uma importante estação ao longo da linha.

Al-Hijaz estação ferroviária, situa-se no centro da cidade. Atualmente, esta estação está fechada, e as ligações ferroviárias wih outras cidades tomar topkapi no subúrbio.

Desde o início de 1990, tem havido muitos planos para a construção de um sistema subterrâneo em Damasco, mas nenhum plano foi levada a sério devido a limitações financeiras e técnicas.

Cultura

Pessoas

A maioria da população de Damasco veio como resultado de migração rural-urbana. Acredita-se que o povo local de Damasco, chamados Damasceno, são cerca de 1,5 milhões. Damasco é considerado pela maioria das pessoas para ser uma cidade muito segura. Pechinchar é comum, especialmente nos tradicionais souks. A corrupção é generalizada, mas nos últimos anos tem havido visa combater, tanto pelo governo e organizações não-governamentais. O chá é a bebida favorita, sem dúvida, em Damasco.

Religião

A maioria dos damascenos - cerca de 75% - são muçulmanos sunitas. Acredita-se que existem mais de mil mesquitas de Damasco, o mais famoso é a Mesquita dos Omíadas. Há alguns bairros cristãos, como Bab Touma, com muitas igrejas, principalmente a antiga Igreja de São Paulo.

Museus

Museu Nacional da Síria, Azem Palace, Museu Militar, Museu de Caligrafia Árabe, atividades de lazer.

Damasceno Parques e jardins

Tishreen Park é, de longe, o maior parque de Damasco. É a casa do Damasco realizada anualmente Flower Show. Outros parques incluem Aljahiz, Altijara e Alwahda.

Damasco oásis é também um destino popular para a recreação.

Cultura do café

Cafés são pontos de encontro popular para Damasceno, onde Arghilehs (cachimbos de água) e bebidas populares são servidos. Jogos de cartas, tabelas (variantes de gamão), e xadrez são comuns nestes cafés.

Esportes

Esportes populares incluem futebol, basquete, natação e tênis de mesa. Damasco é o lar de muitos clubes desportivos, tais como: Al Jaish, Al Wahda, Al Majd, Al Jalaa

Pontos de Interesse

Damasco Univ. (1923), Damasco Oriental Institute of Music (1950), um instituto tecnológico (1963), uma escola industrial (1964), e do Museu Nacional (1919) estão em Damasco. A antiga cidade fica ao sul do Barada, ea cidade nova (muito prolongado desde 1926) fica ao norte do rio. Pontos de interesse incluem a Grande Mesquita (uma das mesquitas maiores e mais famosos no mundo muçulmano), a cidadela quadrangular (originalmente romano; reconstruída 1219), um mosteiro do século 16, muçulmano, e Azm palácio (1749, agora um museu e centro para o estudo da arte e arquitetura islâmica). A "rua chamada Direita" bíblico ainda funciona na antiga cidade do leste para o portão oeste, ladeado por bazares.

História

Localizado em uma lacuna estratégica comandando o Rio Barada e rotas transdesert, Damasco foi habitada desde tempos pré-históricos e é supostamente a mais antiga cidade continuamente ocupada no mundo. Havia uma cidade em seu site, mesmo antes do tempo (c.2000 aC) de Abraão. Damasco provavelmente foi realizada pelos egípcios antes do período hitita (2d milênio aC) e mais tarde foi governado pelos israelitas e Aram. Tiglate-Pileser III fez (732 aC), uma parte do império assírio. A partir da sexta para a quarta cento. A.C. era uma capital provincial do Império Persa até que passou (332 aC), sem uma luta para os exércitos de Alexandre o Grande.

Após a morte de Alexandre selêucidas ganhou o controle da cidade, embora a dinastia ptolomaica do Egito tentou arrancá-la com eles. Quando o poder selêucida diminuiu, Tigranes da Armênia tomou Damasco, mas depois de sua rendição aos Romanos, Damasco passada (64 BC) no Império Romano sob Pompeu. Uma das cidades da confederação Decápolis, que era geralmente sob influência romana, até a dissolução do império.

Damasco tornou-se uma próspera cidade comercial, conhecido por seu pano de lã e de grãos, e foi mais cedo se converteu ao cristianismo. Foi no caminho de Damasco que Paulo (m. 67) experimentou sua conversão dramática, e foi a partir de Damasco que ele escapou da perseguição por ser reduzido para baixo a parede em uma cesta. O imperador romano Teodósio I tinha uma igreja cristã construída lá (AD 379) sobre as fundações do templo romano de Zeus (1 DC).

Após a separação permanente (395) do Império Romano, Damasco tornou-se uma capital provincial do Império Bizantino. Os árabes, que tinham atacado e, esporadicamente, realizada na cidade desde antes da época de Paulo, ocuparam permanentemente em 635. A cidade era, então, gradualmente se converteu ao islamismo, ea igreja cristã construída por Teodósio foi reconstruída (705) como a Grande Mesquita. Damasco era a sede do califado sob os omíadas de 661 até 750, quando os abássidas de Bagdá fez o centro do mundo muçulmano. Damasco depois caiu presa de conquistadores-a novos egípcios, os Karmathians, e os turcos seljúcidas (1076).

Embora os cruzados cristãos fracassou em várias tentativas de anexação a cidade, eles destruíram os ricos aluviais simples várias vezes enquanto os governantes sarracenos, nomeadamente Nur ad-Din (1118-1174) e Saladino (1137 -1193), Estavam ausentes em campanhas. Damasco continuou a prosperar sob os sarracenos; seus bazares vendido brocados (damasco), lã, móveis embutidos de madrepérola, e as famosas espadas e utensílios outro dos ourives Damasceno.

Em 1260 a cidade caiu para os mongóis, sob Hulagu Khan, e foi demitido c.1400 por Timur, que tirou os swordmakers e armeiros.

Em 1516, Damasco passado para os turcos otomanos, e por 400 anos permaneceu no Império Otomano. Houve um massacre de cristãos por muçulmanos, em 1860, e em 1893 um desastroso incêndio danificou a Grande Mesquita. Na Primeira Guerra Mundial, o coronel TE Lawrence ajudou a preparar a captura britânica de Damasco, foi introduzido (1918) por Field Marshal britânico Allenby e Faisal Emir (mais tarde rei Faisal I do Iraque).

Grã-Bretanha tinha prometido que iria terras árabes reverter para os árabes se os turcos foram derrotados. No entanto, de vez em Damasco, o britânico descumpriu a promessa. Depois da guerra, a cidade se tornou a capital de um dos Estados-Levant franceses sob o mandato da Liga das Nações. Devido às promessas não cumpridas sobre o controle árabe, Damasco, em 1925-26 se juntou com os drusos em revolta contra os franceses, que bombardearam e danificado a cidade.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as forças francesas livres e britânicos entraram Damasco, que se tornou a capital da Síria independente em 1941. Quando a Síria eo Egito se uniram para formar a República Árabe Unida em 1958, Cairo se tornou a capital, com Damasco a capital da região da Síria. Síria retirou da República Árabe Unida em 1961.

Fonte: www.syriatoday.ca

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal