Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Suécia  Voltar

Suécia

 

O nascimento da Suécia

Durante o período glacial, a Suécia foi totalmente coberto de gelo não permitir que a vida.

Aquecimento ocorreu mais tarde permitiu a instalação das primeiras tribos, conhecido como o Suiones que estão na origem da palavra "Suécia".

Além disso, eles deixaram para trás vários restos (sepulturas, lápides ...) ainda hoje visíveis espalhadas por toda a Suécia. Estes restos dizer da vida cotidiana e mostram a evolução das tribos.

Suécia

A era pré-histórica é dividido em três fases:

A idade de pedra antiga (10.000 anos aC)

A idade da pedra onde vemos recente aparecem Agricultura (3000 anos aC)

E, finalmente, a Idade do Bronze que foi encontrado muitos petroglifos e a partir do qual os primeiros comerciantes Sueco (1000 anos aC).

No século V de nossa era, Birka tornou-se um político, econômico e religioso. Isso levou as pessoas a se estabelecer na região de Uppland.

Suécia na época foi dividida em vários pequenos reinos rivais. O Svear eventualmente prevalecer e fundou o Reino da Suécia (Reino de Svear literalmente), cuja capital era Uppsala.

A Era Viking

Os Vikings

Os Vikings tempo começou da IX ao século XI.

A palavra Viking vem do nome desses guerreiros temíveis, o Varangians. Sueco Vikings em contraste com seus vizinhos escandinavos preferiam conquistar as terras da Europa Oriental, mesmo tornando o comércio ao redor do Mar Negro.

Eles precisam especialmente suas conquistas à sua coragem e ferocidade lendária, é claro, mas também a sua "Knorr", mais conhecida na França sob o nome de "Drakkar" que lhes permitiu estabelecer sua supremacia naval e militar.

Estes barcos em forma de arco de cobra ou dragão pessoas assustadas eram leves, ágeis e rápidos, e navegou em todos os tempos.

O início de o cristianismo

Rei Olof Skötkonung converteu ao cristianismo em 1008. Mas seus súditos, permaneceram fiéis aos seus ritos pagãos e praticavam o politeísmo, os deuses e orando Oden, Fro e Tor.

Na mitologia nórdica, Oden (ou Odin) é o Deus dos deuses e também o Deus da Sabedoria, especialmente a poesia de Guerra; FRO é a deusa do amor e da fertilidade; Tor (ou Thor) é Mestre do Trovão e Pluie.Valhalla é o palácio de heróis caídos, governado pelo rei dos deuses, Oden.

As almas dos heróis mortos foram levados para Valhalla pelas Valquírias, Guerreiros virgem serviço Oden. Reunidos em torno Oden, então eles ficam hidromel bêbado.

O reino Cristão

Birger Jarl

Em 1250, ele fundou a dinastia "Folkungar" que governou a Suécia até 1389. Durante sua regência, ele apontou Estocolmo como a nova capital do reino, construiu a catedral de Uppsala e conquistou Finlândia.

É também nesta altura que foi introduzido em impostos Suécia real cavalaria e foram promulgadas a primeira constituição em 1319 e da Lei Reino sueco "Landslagen" em 1350.

Santa Brígida - Birgitta heliga

Depois de suas muitas "revelações", ele define as regras de uma nova ordem religiosa, "a ordem de Brigittins" e fundou o convento de Vadstena.

Além disso, ele exercida sobre o papado uma grande influência, o que o levou a ser canonizado em 1391.

O hanse

Durante o século XIII, o aumento da produção agrícola, o comércio cresceu e atravessou o Mar Báltico. Trocas se intensificaram especialmente com as cidades alemãs da Liga Hanseática.

Não era uma hegemonia comercial como encontrado nas pegadas legais e administrativas alemãs.

A União de Kalmar (1397-1521)

As coroas de Noruega, Dinamarca e Suécia estão agrupados sob o Regent Margaret, era uma empresa da Uniãoa União de Kalmar.

É, desde que os três países seria governado por um único rei dinamarquês.

No entanto, em toda a União da luta feroz estourou entre a Suécia eo poder real dinamarquesa. Estas lutas resultou em 1520 o famoso "banho de sangue de Estocolmo ", onde 82 notável suspeito de nacionalismo foram decapitados pelo rei Christian II da Dinamarca. Entre esses homens apareceram Erik Vasa, pai do futuro rei da Suécia.

A dinastia Vasa

Suécia
Gustav Vasa

O drama de 1520 provocou uma revolta popular liderada por Gustav Vasa depois que Christian II foi deposto.

Na verdade, o futuro rei ganhou o Dalarna bastião, de resistência nacional, e tomou o poder depois de um longo e árduo caminho entre Estocolmo e Mora.

Ele foi proclamado rei da Suécia 06 de junho de 1523, o Dia Nacional da Suécia hoje.

Sob seu reinado, 1523-1560, Gustavo I foi considerado o construtor do reino: ele lançou as bases do governo nacional sueco e começou a Reforma da Igreja, que mais tarde tornou-se a igreja do estado. A partir de 1544, ele obteve a monarquia hereditária.

Paternalista e autoritária temperamento, ele conseguiu unificar o reino para modernizar a administração e estabelecer uma paz estável.

Em 1541, Olaus Petri, considerado o pai do protestantismo na Suécia, traduziu a Bíblia para o sueco e popularizado textos religiosos.

Sob Erik XIV, filho de Gustav Vasa (1533-1570), Suécia experimentou um período de expansão e prosperidade. Este é o monarca sueco do Renascimento.

Artesãos da Valónia muitos, escoceses e alemães lhe permitiu desenvolver a sua economia e para a utilização das novas tecnologias, especialmente de aço.

Christine - Kristina

Quando seu pai, o rei Gustavo Adolfo, Christine morreu apenas 6 anos. Este é o chanceler Axel Oxenstierna certeza de que a regência. Ela foi coroado "Rei", em 1650 e inaugurou um período de esplendor e luxo.

Neste momento, a França tem uma importância cultural (Descartes foi convidado e morreu em Estocolmo) ea língua francesa tornou-se muito na moda.

Em 1654, Christine abdicou e deixou o trono para seu primo. Ela viajou por toda a Europa e estabeleceu-se em Roma, onde se converteu ao catolicismo.

Carlos XII - Carl XII (1697-1718)

Este é o personagem mais famoso, romântico e controverso soberano sueco. Em seu reinado de 21 anos, passou 18 para lutar no exterior, especialmente contra a Rússia de Pedro, o Grande, Dinamarca e Polônia. Ele defendeu seu e Império (Finlândia e os países bálticos).

Ele perdeu o outro Guerra do Norte (1700-1721) contra seu eterno inimigo. Em 1709, incapaz de superar a Pedro, o Grande, ele se refugiou na Turquia. Ele tentou, em vão, obter o apoio do sultão e voltou para a Suécia em 1715.

Em seguida, ele atacou a Noruega, ele foi morto. Sua morte, como o personagem muito controversa porque ainda não sei se foi um homicídio ou um acidente.

Voltaire escreveu um livro sobre sua "História de Carlos XII", onde o rei aparece como um herói épico ea tragédia.

Ulrika Eleonora irmã sucedeu.

O século XVIII

De 1718-1772, esta é a era da Liberdade.

O país é governado por um parlamento assistiu a nobreza, o clero, a burguesia e os camponeses.

Gustavo III (1772-1786)

Iluminado déspota e um grande admirador de Luís XIV, ele restaurou o seu poder absoluto coroação. Homem de letras maiores, não é menos um homem de guerra desde derrotado incluindo a Rússia, Dinamarca e Noruega. Esta vitória permitiu-lhe aumentar seus poderes.

Autor de inúmeras peças, fundou o Teatro Nacional de Estocolmo, a Academia Sueca e Dramaten em 1786, cujo papel era o de promover e proteger a língua sueca.

Ele foi assassinado em um baile de máscaras na ópera nobres rebeldes. Ele morreu duas semanas depois.

A perda da Finlândia 1808

Sob o reinado de Gustav IV Adolf da Suécia tem participado em muitas guerras na Europa. Quando o Tratado de Tilsit, em julho de 1807, entre a França ea Rússia, Suécia recusou a romper sua aliança com a França ea Grã-Bretanha. Em 1808, a Rússia de Alexandre primeira invadiu a Finlândia, enquanto província sueca.

Sveaborg fortaleza se rendeu sem luta. Suécia cedeu Finlândia, portanto, Rússia no Tratado de Fredrikshamn em 1809. Foi uma perda dolorosa, porque a Finlândia foi parte da Suécia desde a Idade Média.

Após esta derrota, o rei foi deposto e uma constituição foi aprovada em 06 de junho de 1809. A Constituição proclama a divisão de poderes entre o rei, o governo e parlamento. O rei deposto fugiu representando o coronel Gustafsson.

Bernadotte (1810-1844)

Marechal de França e amigo de Napoleão, Charles Jean Baptiste Bernadotte foi governador das cidades hanseática. Depois de Wagram, ele se desentendeu com Napoleão.

Bernadotte, em 1798 se casou com Désirée Clary (1777-1860), filha de um rico comerciante de Marselha, que já havia sido contratado para Napoleão Bonaparte.

Ele foi eleito Príncipe 20 agosto de 1810 sob o nome de Carl Johan XIV e adotado por Carl XIII a quem sucedeu em 1818. Ele rapidamente adotado um pacifista política e neutralista.

Ele é o fundador da dinastia atual de Bernadotte.

Seu filho, Oskar conseguiu.

O século XIX

Este século marcou a Suécia por uma grande mudança.

A Revolução Industrial

Estimulado pela construção de ferrovias ea criação de bancos, a Revolução Industrial começou com a mobilização de recursos florestais. De polpa de madeira abriu um mercado de grande importância. Metalurgia produzidos aços de qualidade e depósitos Lapónia autorizados a desenvolver as exportações de minério de ferro.

Em 1864, o negócio era total liberdade e protecionismo abandonado.

Emigração

Durante a segunda metade do século XIX, mais de um milhão sueco modesto original, deixou o país mais próspero da terra como a América do Norte e Austrália. Os navios partiram diariamente do porto de Gotemburgo.

Em memória dos bravos pioneiros foi fundada em 1965, em Växjö Casa dos Emigrantes, Utvandrarnas Hus, que narra a épica que coleciona e arquivos a emigração mais importante.

Invenções

É neste momento que se identifica a invenção mais sueco: Chave de dinamite, rolamento de esferas, fósforos suecos ...

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Suécia

SUÉCIA, O ESTADO DO BEM-ESTAR

Suécia é um país de liberdade, pureza e beleza em uma mistura bem dosada. Altas montanhas, mares e lagos, casinhas de campo pintadas com cores, vastas praias de areia e as últimas terras virgens da Europa. Em resumo, um paraíso natural o qual salientam magníficas cidades onde a vida transcorre a rítmos tranquilos e sossegados.

Na Suécia pode-se organizar excelentes excursões, desde cruzeiros de barco por seus rios, lagos, canais e ilhas, até os passeios de trem por Laponia.

Passear de bicicleta entre suas férteis pradarias, espalhadas por pequenas granjas, ou caminhar pelas montanhas e descansar junto à correnteza dos rios que refrescam-nas, são experiências que jamais serão esquecidas.

Perder-se entre seus bosques ou admirar a cultura tradicional em seus múltiplos eventos são outros dos segredos que escondem estas terras. A viagem a Suécia supõe um encontro com a tradição cultural nórdica, cheia de mistérios e história e também com a modernidade.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Suécia comparte fronteira com Noruega ao oeste e com a Finlândia pelo norte. O Báltico a separa da Dinamarca e do resto da Europa.

Perto de 8.860.0000 de habitantes ocupam uma superfície de 449.964 quilômetros quadrados, quer dizer, 21,6 habitantes por quilômetro quadrado. A maioria da população habita nas cidades e nos povoados de maior tamanho. As três zonas mais importantes são as de Estocolmo, Gotemburgo e Malmö. De ponta a ponta Suécia mede uns 3.000 quilômetros, que é a distância que separa o país da Espanha.

No norte a paisagem está dominada por cadeias montanhosas que alcançam os 2.111 metros de altura e vastos bosques, enquanto que ao sul caracteriza-se pelas extensas planícies. O país é rico em lagos (perto de 100.000), e têm mais de 2.700 quilômetros de costas, que lidam ao oeste com o Mar do Norte e a leste com o Báltico. Memos de 10% do território total é terra cultivável.

FLORA E FAUNA

O cuidado da natureza é tão importante para Suécia como para o resto dos paises do norte. O acesso ao entorno e ao ar livre tem uma grande importância, a singular tradição do "Acheiansrättem", que constitui um direito constitudinário para mover-se livrememte por bosques e campos, percorrer baias e cerdas, banhar-se ou amarrar um barco com a condição de não fazer intromição na intimidade do propietário, não cometer destroços nem sujar.

No campo tem sido criado grande número de zonas naturais e protegidas, que estão em torno de 5% do sul do país. Suécia é um dos poucos paises do mumdo, onde existir é direito comum que não está escrito em nenhuma lei, porém representa um direito inviolável.

As únicas zonas naturais são privilegiadas são as contínuas moradias e as casas de campo assim como as terras cultivadas.

Mais da metade da Suécia está coberta de bosque e no norte são em sua maioria abertos. Neste país existe água em abundância 8, 5% da superfície do país está coberta de lagos e corrente de água. Existem 50 rios de certa importância, os quais 70% tem sido aproveitados para produzir energia elétrica.

Tanto os lagos como os rios são abundantes em peixe e a pesca mais comum é a de corégonnos, salmões, trutas asalmonadas, tímalos, trutas alpinas, lucios e parcas.

As principais concentrações de ilhas e ilhotas encontram-se frente as costas de Gotemburgo, no leste de Estocolmo. Alguns deles são grandes e estão povoados de bosque, outros pequenos sem árvores e nem casas.

Nos bosques suecos vivem infinidades de aves entre elas a Águia Real, assim como, mamíferos de grande tamanho. A márgem dos ursos, lobos e raposas, na Suécia podemos encontrar outra espécies menos corrente, como é o caso do alce que com seus grandes cornos tem convertido-se em um dos símbolos do país.

História

O nome do país parece proceder da tribo dos Suioné. A partir do século VIII, os vikings suecos empreendem grande expedição. No século XVII a Suécia converte-se em uma grande potência européia, que ambiciona converter o Báltico em um lago sueco.

Os trabalhadores do século XIX mostram sua conciência política desde cedo. O país tem temido uma potente crise de agricultores, que influem no governo da nação.

Suécia é uma das monarquias mais antigas do mumdo. A democracia parlamentarista triunfa nos começos do presente século. O poder político do rei que havia começado ao passar o Riksdag (Parlamemto) e o governo, reduz-se ainda mais.

Em virtude da Constituição de 1974, o rei não tem mais função, senão as protocolares. Em 1979 a Lei de Sucessão é emendada para dar o mesmo direito ao trono aos pretendentes masculinos e femininos. Assim a filha mais velha do casal real, a princesa Victória, converteu-se na herdeira ao trono.

Foi a Grande Depressão que levou o poder aos sociais-democratas em 1932, que estiveram até 1991, com exceção de seis anos de governo centro-direita (entre 1976-82), começando assim um sistema de seguridade social, labor que ocorreu de novo, depois da Segumda Guerra Mumdial.

Houve um consenso geral de que o Estado, devia proporcionar aos cidadãos uma seguridade econômica. A expansão foi rápida, especialmemte nos anos cinquemta e sessenta, décadas em que creceram tanto o consumo privado, como o público. Sem dúvidas, nos anos oitenta Suécia viu-se afetada pelo o estancamemto econômico internacional.

O nível de vida de alguns setores da população tem chegado a deter-se em seu crecimemto e inclusive a deteriorar-se.

O Riksdag é o máximo órgão de decisão do país. Na atualidade o primeiro ministro é Göram Perssão (desde o mês de março de 1996).

Arte e Cultura

A geografia não tem favorecido a difusão da obra cultural sueca. O país é muito longo e é casualmemte povoado; durante muito tempo as comumicações foram deficientes e os recursos econômicos escassos.

Porém sabe-se que nas zonas rurais havia uma cultura popular consistente na música por meio do violino, a dança, e o canto de baladas, os tecidos, o artesanato da madeira e outras atividades, enquanto que a cultura da classe média prosperava nas grandes cidades e nas universidades.

Sem dúvidas, sua herença cultural remota-se a séculos passados. Entre os restos históricos mais antigos encontram-se os gravados rupestres da Idade do Bronze, relíquias de uma cultura desconhecida, com imágens de ritos de fertilidade e do culto ao sol.

As primeiras obras de arte que combinam a escritura com a imágem são as pedras rúnicas, levantadas pelos vikings, entre os anos 800 e o 1100 de nossa era.

A Idade do Ouro da cultura sueca chega com o reinado de Gustavo III, no final do século XVIII. Nesta época funda-se o Teatro e a Ópera Real de Suécia, onde fêz aprentações, a famosa soprano sueca do século passado Jemne Lind, e onde aperfeiçoaram sua arte, mundialmente famosos como o tenor Jussi Björling e a soprano Birgit Nilssão.

O escultor Joham Tobías Sergo consegue fama internacional com suas esculturas e desenhos junto com os cantos populares do trovador Carl Michao Bolman, convertendo-se no símbolo da imagem da Suécia no século XVIII.

Durante o século XIX a evolução da arte e da literatura esteve marcada sobretudo pela classe média. Destacam-se o escritor Carl Jonas, Love Almqvist e o dramaturgo e novelista August Strindberg, assim como, os contos e as novelas de Soma Longoov e as obras de Pär Lagerqvist, ambos ganhadores do Prêmio Nobel de Literatura.

Os Prêmios Nobéis, fundados por Alfred Nobel, celebram a cada ano, durante o outono, no Palácio de Concertos e são entregues pelo Rei da Suécia. A concepção destes prêmios, assim como o ato de entrega dos mesmos fazem parte da atividade cultural do país.

O epítome da tradição teatral sueca é o Real Teatro Dramático de Estocolmo, onde receberam sua primeira formação as atrizes como Greta Garbo e Ingrid Bergman. Quanto ao cinema cabe assinalar por sua genialidade o conhecido diretor de cinema Ingmar Bergman.

Do popular o conjunto sueco Roxette e o cantor Jerre Williams têm conseguido ultrapassarem as fronteiras da música nacional. Outra das suecas mundialmente conhecida é Pipi Calzaslargas, o personagem criado por Astrid Lindgrem.

No mundo da arte destacam os pintores Carl Larssão, e Anders Zorn e o escultor Carl Millé. Hoje em dia na Suécia, a arte é um compromisso individual dos artistas, que contam com a ajuda de subvenções culturais.

Locais Turísticos

Para percorrer este longo país vamos começar por Estocolmo, sua capital. Depois exploraremos a Ilha de Gotland, para continuar pela região sul, a Costa Oeste, o Canal do Göta, a Zona Central do país e, por último as Terras do Norte. Terminaremos nosso percurso por Laponia.

ESTOCOLMO

A capital da Suécia está construida sobre 14 ilhas. No lugar onde o Lago Mälarem desemboca no Mar Báltico. Um oásis verde, onde a água cobre uma terceira parte da superfície da cidade; o resto está coberto de edifícios pitorescos e rasca de cristal, que alternam-se com estruturas de acero. Ponte, m e éclusas umem as distintas parte desta vila vikingue, decorada, ademais, com os mais belos parques e reservas naturais.

A cidade está dividida em várias zonas: Gamla Stan, Norrmalm, Södermalm, Östermalm, Vasastan, Kumgsholmem e Djurgardem.

A CIDADE VELHA (GAMLA STAN)

Entre os lugares de visita imprescindível destaca-se Gamla Stan, a Cidade Velha, situada sobre um grupo de ilhas, com estreitas ruas, restaurantes, lojas típicas e galerias de arte. A arquitetura desta parte da cidade mistura-se com harmonia, conventos medievais com magníficas fachadas dos séculos XVII e XVIII, sem perder seu aspecto de cidade moderna e palpitante. Aqui encontram-se resumidos uma grande quantidade de lugares de interesse.

O centro neufrálgico é a Praça Maior, Stortorget, embrião de um porto comercial enriquecido, devido a exportação de brea. É uma praça pequena, porém de grande atividade. Ao seu redor juntam-se numerosas casas comerciais. Justo neste lugar está a Bolsa, Stockholms Fondbörs, onde reune-se anualmente a Academia Sueca, para dar o Prêmio Nobel de Literatura.

Do seu lado está a Catedral gótica de Estocolmo, Storkerkam (Igreja Maior), que data do século XV.

Aqui eram, antigamemte coroados os reis suecos. Neste lugar repousa a famosa escultura de madeira de São Jorge e o Dragão (1489), com trabalho pertecente a Bernt Notke de Lübeck. Também pode-se ver o Parhoiam de 1520, a representação mais antiga da cidade.

O Palácio Real Kumgliga Slottet, é um edifício de granito de clara inspiração barroca que data do século XVIII. Possui mais de 600 quartos e vários museus interessantes, entre eles o Museu de Antigüidade, os Aposentos Reais, com móveis e tapetes goboinos, a Armería Real e o Téoro das Jóias da Coroa.

Deste lugar obtem-se uma bonita vista do Báltico. Uma vez visitado o palácio pode-se cruzar a a Ilha do Espírito Santo, Hogeandsholmem, para visitar o Parlamemto, Riksdahshuset, uma estrutura de pedra do século XIX.

Outro edifício destacado é a Casa dos Noblé Riddarhuset, construida no século XVII em estilo barroco alemão. Daqui cruza-se um ponte para chegar até a Ilha dos Cavalheiros Riddarholmem, onde poderá contemplar um dos edifícios mais antigos de Estocolmo, o Riddarholmskerkan, um Mosteiro franciscano do século XIII, onde descansam numerosos monarcas suecos. Não muito longe encontra-se o Tribunal Supremo, Svea Hovrätt.

As vistas apreciadas desde o muole da baia são magníficas. Antes de deixar o bairro antigo deve dar uma volta pela rua Svartmangatan, rodeada de antigos edifícios para chegar até a Igreja Alemã, Teska Kerkan.

A ZONA MODERNA (NORRMALM)

A nova Estocolmo cobre a vida em Norrmalm, a Cidade Nova. Aqui a urbanização muda de aspecto para apresentar-se com os edifícios mais modernos e fumcionais. O centro neufrálgico é Sergos Torg, onde localizam-se numerosos pontos de interesse como a Casa da Cultura, Kulturhuset, um teatro, uma biblioteca, uma sala de exposição e um restaurante.

A poucos metros faz sua aparição o Mercado do Hemo, Hötorget, um grande centro de comércio. Porém, sem dúvida, um dos lugares mais agradáveis é o Parque Kumgsträdgardem, uma preciosa zona verde no meio da cidade, rodeada de jardins, restaurantes e cafés. Quando faz bom tempo, apresentam-se espetáculos ao ar livre.

Dando um passeio pode-se chegar a Nebroplan, para visitar o Real Teatro Dramático onde estão expostas as obras de Ingmar Bermang.

Tomando o caminho que leva o Muole de Basieholmnshamnem chega-se ao Museu Nacional, que aloja uma importante coleção de pintores como Rembrandt, por exemplo.

Uma ponte peatonal comumica-se com a Ilha de Skeppsholmem, onde poderá visitar o Museu de Antigüidadé do Extremo Oriemte e o Museu Moderno que guarda a obra de numerosos artistas contemporâneos como Picasso, Dalí ou Modigliani. Desta ilha pode-se chegar a outra menor, Kastolholmem, um bonito lugar especial, para dar passeio e admirar as vistas que oferece o amplo horizonte.

KUMGSHOLMEM

Várias pontes comumicam Norrmalm com esta parte da cidade. O mais destacado nesta área é o edifício da Prefeitura Stadhuset, construido com ladrilho vermelho e terminado em 1923. É uma mostra sem igual da arquitetura moderna sueca. Em seu interior encontra-se as cenas do Prêmios Nobel, concretamente no Salão Azul.

Desde sua torre, com mais de cem metros, as vistas são estupendas. Domina-se grande parte de Estocolmo e o Palácio de Ulriksdal situado em um bela paisagem junto ao mar, e que conta com um maravilhoso parque. A zona está rodeada de belos jardins.

Terá que ir ao Muole de Klara Mälarstrand, para tomar um barco rumo ao castelo da Ilha da Rainha Drottningholms Slott do século XVII, e residência atual dos reis da Suécia. Está rodeada de preciosos jardins e situado na ilha de Mälarem.

Seu interior é maravilhoso onde o Pavilhão Chinês e o Teatro do Palácio com óperas constituem algumas de suas atrações. Na área encontra-se o Teatro da Corte que é apreciado por ser o único teatro do século XVII conservado e completo.

DJURGARDEM

Diz-se que é a zona do lazer e assim é, pois aqui emcontrará numerosos lugares de entretenimento. Porém, também está cheia de cultura como os antigos importantes museus como o Museu Vasa, um buque-museu, orgulho da frota sueca. Este navio de guerra afundou em 1628, quando realizava seua primeira travessia.

O barco foi resgatado do fundo do mar, nos anos sessenta para ser restaurado e alojado no museu. Não muito distante pode-se visitar o Museu Nórdico, que mostra como os suecos têm vivido e trabalhado durante os últimos 500 anos.

Porém, se preferir os animais o melhor, é que vá ao Museu de Biologia. Nas proximidades está também o Museu do Ar Livre, mais antigo do mumdo, Skansem, com edifícios suecos, parque zoológico e aquário.

Para descansar das visitas e recriar-se, aproxime-se do Gröna Lumd, um parque cheio de atrações. Para o sul da ilha, localiza-se a casa que foi a moradia do príncipe pintor Eugemio, que na atualidade está convertido em um Museu de Arte Nórdica.

Depois de seu morte em 1947, a mansão foi doada ao povo sueco. A casa está rodeada de preciosos jardins.

Na parte que corresponde a Norra Djurgardem, cruzando a Ponte de Djurgardem, encontra-se Kaknästornet, a construção mais alta da Escandinávia, com 155 metros. É uma torre de radio e televisão, onde encontra-se também um restaurante.

ÖSTERMALM

O mais destacado da área é o Museu de História, com dez mil anos de história sueca e uma dedicação especial à época dos vikings. No mesmo edifício encontra-se o Real Gabinete da Moeda, que aprecia-se a maior moeda do mumdo.

SÖDERMAN

É a boêmia ilha do sul e o mais destacado é seu Mirante Katerinahissem, que oferece uma grande paisagem.

MAIS MUSEUS EM ESTOCOLMO

Os museus em Estocolmo são muitos e variados, além dos expostos ficam por nomear alguns como o Museu Medieval, onde se tem recriado zonas do Estocolmo mais antigo, e também convém fazer memção ao Millé Gardem, Museu ao Ar Livre situado na Ilha de Lidingö, com as esculturas de Carl Millé. A novidade mais recente é o Museu Nacional de história Natural, Cosmonova.

ARREDORES DE ESTOCOLMO

Desde Estocolmo pode-se realizar numerosas excursões que permitem apreciar a beleza natural de seu entorno. Para visitar os encantadores povoados vizinhos da capital, muitas vezes tem que embarcar nos transbordadores, que comumicam as ilhas entre si, o que faz ainda mais excitante e atrativo o passeio. Tem um barco de vapor, o Bildösumd, que foi construido em 1911 e que organiza cruzeiros do mais divertidos.

O navio zarpa de um dos muolé próximos ao Palácio Real. Navegar pelo Arquipélago Skärgardem entre suas 25.000 ilhas e arrecifes pode converter-se em uma aventura muito especial. Vaxhlom Vaxholm, está situado no continente e oferece ao visitante a possibilidade de conhecer o estilo típico dos povoados marinhos do país.

Emcontrará o mais atrativo em suas casas de madeira pintadas de vermelho. Este povoado possui uma fortaleza com um Museu em seu interior, Vaxholms Kastol.

Entre seus muros pode-se aprender muito sobre a história defensiva de Estocolmo. Mariefred Mariefred também possui preciosas casas de madeira e um castelo, o Gripsholm Slott, do século XVI. Em seu interior há um teatro e magníficos salões renascentistas, aloja uma assombrosa coleção de retratos da realeza sueca. Sigtuma Sigtuma descansa às márgens do Mälar, um lago que acolheu a antiga tribo dos svea.

Entre os atrativos deste histórico local destaca-se seu Aeum do século XVIII, algumas casas medievais e a igreja Principal. Daqui pode-se fazer uma excursão ao Castelo Skokloster, que encontra-se a uns 20 quilômetros.

Trata de um edifÍcio barroco, que pertenceu em outros tempos a um militar sueco, que decorou seu interior com os tesouros obtidos durante as batalhas.

Upsala Upsala é conhecida por várias coisas, por seu passado de forte tradição viking, por ser a madrinha de Ingmar Bermang e por sua umiversidade, onde estudou o dramaturgo August Strindberg e que aprecia-se por ser uma das mais antigas da Europa.

Em seu interior encontra-se uma importante biblioteca que guarda um exemplar de todos os livros publicados na Suécia, o lote inclui uma Bíblia do século VI. O mais interessante para visitar em Upsala é sua Catedral, sede do Arcebispado sueco, que data do século XIII.

Suas torres gêmeas tem uma altura de mais de cem metros. Em seu interior repousam os restos de Gustav Vasa, o rei que declarou a independência do país no século XVI. Assim mesmo guarda a ossatura do patrono sueco Sam Eric.

Outro edifício a destacar é o Castelo, que pertenceu ao rei independentista. Por sua parte, o Museu Linné está consagrado a Carl vam Linné um insígne catedrático em botânica da localidadee.

A cinco quilômetros ao norte da cidade situa-se Gamla Upsala, a Antiga Upsala. Poderá visitar os túmulos dos primeiros monarcas suecos, além de uma pequena igreja e um museu.

GOTLAND

No meio do Mar Báltico encontra-se a maior ilha da Suécia, Gotland. Conta a lenda que foi descoberta por um homem chamado Tjovar.

Na época a ilha estava enfeitiçada de tal maneira, que desaparecia por baixo do mar durante o dia e aparecia só durante a noite, então Tejovar trouxe a cidade o fogo e as chamas que queimaram as bruxas e a terra nunca mais voltou a desaparecer por baixo das águas.

Hoje, conhece-se a Gotland como a "Pérola do Báltico" e é considerada como um exótico lugar carregado de lendas milenares. Os vikings e os comerciantes europeus medievais têm deixado uma rica história cultural em uma paisagem particularmemte bela.

VISBY

A única cidade de Gotland é Visby, "a cidade das rosas e das ruinas". Dentro das muralhas (3, 4 quilômetros de longitude) que a rodeiam, apreciam-se ainda as ruelas da antiga Liga Hanseática, com casas, igrejas e conventos. A única igreja medieval que tem conservado intacta e está aberta ao culto é a de St. Maria.

Visby possui ruas onde os trechos estão cobertos de rosas e cafeterias. Durante a Semana Medieval de Visby toda a cidade converte-se em um grande cenário teatral.

Perto do porto está a Antiga Botica Det Gamla Apoteket de estilo medieval. A Secretaria de Turismo está situada em uma antiga mansão, que pertenceu a Burmeisterska um importante comerciante alemão.

Por sua vez o Museu Fornsal contém objetos de arte medieval, assim como alguns artigos da época viking inclusive de tempos mais antigos.

MAIS ALÉM DE VISBY

Fora de Visby lhe espera uma rica paisagem de Gotland, suas vastas praias com fósseis e as peculiares agulhas litorâneas conhecidas por raukar. O melhor é alugar uma bicicleta e percorrer toda a ilha. Uma bonita excursão é a que leva às Grutas de Lummoumda, cheias de estalactitas.

O SUL E A ROTA DOS CRISTAIS

Nesta zona do país encontram-se as principais fábricas de cristais, um dos atrativos de Suécia. Orrefos e Kosta-Boda estão abertas aos visitantes e pode-se conhecer ao vivo a elaboração da cristaleria e comprar a preços mais econômicos, que nas lojas das cidades. a parte deste pequeno mundo do sobrado de vidro, o sul destingue-se do resto do país, por sua geografia coberta de formosas praderas, praias de areia fina, castelos e igrejas medievais, zonas de bosque e colinas onduladas. As províncias de Skane, Blekige e Halland oferecem ao visitante o melhor do sul.

Faremos um percorrido pelas principais localidadees do sul assinalando os lugares interessantes de cada um deles.

VÄXJÖ

Começamos nosso percurso por Växjö, situada no interior do profundo sul. A cidade oferece a possibilidade de visitar o Museu Smaland, que contém uma importante coleção de cristal. A poucos quilômetros encontra-se Kosta Gasbruk, a fábrica de cristal mais antiga e pionera na elaboração desta arte, data do ano 1742.

Outra importante fábrica é Orrefors, das mais famosas. Poderá admirar sua magnífica exposição de peças antigas. Mais ao sul encontra-se Boda Gasbruk, uma filial de Kosta.

KALMAR

Deixando de lado as fábricas, o caminho para a costa nos leva a formosa localidadee costeira de Kalmar. Em seu território alça-se o Castelo do século XII, um dos mais conservados do país. Pode-se visitar as masmorras, a capela e os salões, além do Museu de Arqueologia e Etnografia que encontra-se em seu interior.

Outro museu situado no porto guarda os restos do Barco Real Kronan.

ILHA DE ÖLAND

Frente as costas de Kalmar encontra-se a Ilha de Öland, unida ao continente por uma longa ponte de seis quilômetros. Seu terremo calcário, seus moinhos de vento e suas praias de fina areia encantam a todos que a visitam. Poderá ver a Fortaleza e as Muralhas de Graborg da época medieval. A localidade mais importante da ilha é Borgholm onde veraneia a familia real.

KARLSKRONA

Voltando ao continemte e tomando a rota da costa sul chega-se a Karlskrona que apoia-se sobre um grupo de ilhas. Aqui encontra-se a igreja de madeira mais antiga do país. Também pode-se visitar a Igreja da Santíssima Trindade e Fredericks, assim como o Museu do Arsemal, o mais antigo da Suécia, dedicado a história da Marinha sueca.

Nos arredores encontra-se o Balneário de Ronnebe, onde poderá dar um respiro e fazer uma parada no caminho. É um lugar ideal para realizar trepidantes excursões.

KRISTIANSTAD - SIMRISHAMM - KASEBERGA

Seguindo a rota sul há um castelo situado entre dois lagos um de grande beleza Bäckaskog. Não muito longe está a localidade de Kristianstad fundada em 1614, onde poderá visitar a antiga Igreja da Santísima Trindade.

A seguinte parada é Christinehof outro castelo. Foi construido no século XVIII e possui um Museu dedicado a caça, em seu interior. A estrada continua para o sul até chegar a Simrishamm, um animado povoado pesqueiro, que recebe numerosos visitantes no verão.

Há uma Igreja medieval que guarda em seu interior interessante maquetas de veleiros. A poucos quilômetros encontra-se o castelo de Glimmingehus.

Outro povoado pesqueiro onde poderá deter-se é Kaseberga, ali descansam um grupo de pedras da época dos vikings que desenham curiosamemte a forma de uma navio. Este enígma arqueológico conhece-se como Alé Stemar ou Pedras de Ale.

YSTAD - TReLlEBORG

A cidade medieval de Ysted situada na costa sul, foi um lugar de encontro de contrabandistas no passado. Poderá visitar na zona o Castelo de Torup e a Igreja de Santa María.

Indo para o interior topamos com dois castelos interessantes Svaneholm e Sövdeborg de estilo renascentista.

Tomando outra vez a rota costeira pode-se fazer uma parada no caminho em Troleborg, a localidade mais meridional da Suécia. Dali aconselhamos aproximar-se da península que encontra-se no ponto extremo sul ocidental, com duas pequenas localidades para visitar Falsterbo e Skanör.

A COSTA OESTE

A Costa Oeste da Suécia é em geral, uma das mais atrativas do país e um dos centros de veraneio mais importantes. Ao longo do litoral há uma infinidade de pequenas cidades e povoados, misturados com as grandes granjas situadas nas províncias de Halland e Écania.

MALMÖ

Malmö é a capital da Província de Skane. O mais interessante que poderá ver na cidade é o Castelo Malmöhus, do século XVI e alguns museus. Junto o muole resultam pitorescas cabanas do pecado. A Igreja de St. Petri está situada no bairro antigo e é um grande expoente do gótico báltico. Na Praça do Mercado alça-se a Prefeitura.

LUMD

A poucos quilômetros de Malmö encontra-se Lumd, uma das localidades escandinavas mais antigas, cidade universitária por excelência e uma das mais bonitas do país. Destacam-se sua Catedral romana e o Museu dedicado ao poeta sueco Tegnér.

Saindo de Lumd e viajando para o interior encontramos o Castelo de Bosjökloster, construido no século XI em estilo gótico.

LANDSKRONA - HOSINGBORG

De novo na costa e seguindo a rota norte há duas paradas que fazer. Uma na cidade fortificada Landskrona das mais conservadas da Europa; e outra na histórica cidade de Hosingborg, situada frente a cidade dinamarquesa de Hosingor, a poucos quilômetros de distância (20 minutos em transbordador).

É um dos principais centros comerciais de Ecania, depois de Malmö. Aqui poderá visitar a Prefeitura e a torre do Castelo, o único que conserva-se deste notável monumemto.

BASTAD - HALMSTAD

Nas penínsulas da costa oeste, está Bastad, "Cidade de Barcos" e realmente faz juz a seu nome, ali cobrem-se uns campeonatos de tênis de grande importância dentro e fora do país. Seguindo para o norte emcontramos com Halmstad, capital de Halland, uma cidade pequena e pitoresca com magníficas praias.

GOTEMBURGO

É uma das principais cidades suecas que tem sabido conservar seu encanto de cidade provinciana, apesar da grande oferta de acontecimemtos, atos culturais, centros comerciais e diversões. É a segunda maior cidade da Suécia com algo mais de meio milhão de habitantes. Trata-se do porto mais destacado do país.

Em Gotemburgo encontram-se os grandes estaleiros de onde saem por barco, os principais produtos de exportação. O passado viking do país situa-se principalmemte, na costa oeste da Suécia onde Gotemburgo é o centro. Uma das melhores maneiras de chegar à cidade é a bordo do barco Paddam que percorre os principais canais.

A vida comercial gira em torno a Avemen a rua principal e a Praça Götaplatsem onde encontra-se o Museu de Arte. O edifício mais antigo da cidade é Kronhuset. Perto dali encontra-se Kronhusbordana, atualmemte um grande centro de artesanato cheio de interessantes lojas.

Neste mesmo bairro está também Gustav Adolfs Torg, uma das praças mais antigas, onde situa-se a Prefeitura e Fiskekörkan uma Igreja dedicada aos pecadores.

Arredores de Gotemburgo

De Gotemburgo pode-se visitar esta formosa zona ante sala de fiordos noruegueses. O litoral aqui é rochoso e acidentado.

Kumgälv é a primeira cidade que encontramos, ali estão as ruinas de uma antiga fortaleza. A seguinte parada é Uddevalla, que situa-se aos pés de um fiordo com um percurso de entorno natural. Não muito distante localiza-se um dos encraves turísticos mais populares do país, Lesekil, que descansa na boca de um fiordo. É um lugar ideal para praticar a pesca de altura.

Seguindo a rota norte é obrigada a parada em Smögem, ainda que seja só para experimentar seus camarões, uma ilha que une-se a Península de Sotemäs por uma ponte.

Outro lugar que os suecos fogem para suas férias é Strömstad, situado mais o norte, na costa. É um bom local para descansar e fazer excursões as ilhas próximas de Koster.

Ao sul de Gotemburgo se extende a zona conhecida como a "Riviera Sueca". O mais atrativo são suas praias que atraem a numerosos veranistas. Entre as localidades que pode-se visitar assinalamos a cidade dormitório de Kumgsbacka, a poucos quilômetros de Gotemburgo. Muito perto situa-se o Castelo Tjolölm e o povoado de Äskhult.

Um pouco mais distante está Varberg, desde onde pode-se chegar a Dinamarca, também terá a oportunidade de visitar um interessante Museu medieval. Ainda mais ao sul encontra-se o Balneário Falkemberg, que goza de esplêndidas praias é um lugar ideal para a prática da pesca.

O CANAL DE GÖTA

Compreemde uma grande extensão de mais de seiscentos quilômetros de rio, lagos, canais e uma parte marinha. Sua construção durou mais de vinte anos e serviu para unir Estocolmo com Gotemburgo. a companhia de Vapor do Canal de Göta, organiza numerosas excursões para percorrer a zona. Navegar em vapor os enormes lagos de Vanërn e Vattërn pode ser uma experiência fantástica.

Entre os pontos que aconselhamos para deter-se, em torno do Lago Vanërn destacam-se a localidade industrial de Trolhättan. É um bom lugar desde onde percorrer a zona. Se quizer conhecer a maior praça da Suécia aproxime-se de Lidköping e mais para o norte, em uma ilha, encontra-se o Castelo de Läckö.

A cidade mais importante do lago é Karlstad fundada no século XVII. Na praça Maior há uma estátua do rei Karl IX, que deu nome a localidade. No Lago Vattërn há duas paradas imprescindíveis Motala e Vadstema esta última uma cidade carregada de história. Não deixe de visitar seu castelo e sua Igreja.

A ZONA CENTRAL

É uma bonita zona cheia de lagos na que contam perto de 6.000. Um dos pontos mais atrativos da província é a cidade lacustre de Mora que dorme às márgens do Lago Siljan.

Nela poderá visitar o Museu dedicado ao pintor Zorn, o mesmo que domou a cidade as Zorns Gammalgard, uma coleção de casinhas antigas de madeira típicas da região, expostas ao público.

Bordeando a márgem do lago chega-se a Nusnäs, famoso por suas talhas de cavalinhos vermelhos. Entre os bosques e o lago encontra-se Rättvik, merece a pena ir a este simpático povoado de casinhas de madeira para contemplar e obter alguns dos objetos de seu artesanato típico. Ao sul encontra-se a tradicional Leksand protagonista de numerosos eventos, entre eles a celebração do dia de São Jõao uma festa típica.

A capital desta atrativa província é Falum, conhecida sobretudo por suas minas de cobre. Pode-se visitar seu Museu e aproximar-se do povoado próximo de Sumdborn, para ver a casa do genial desenhis sueco, Carl Larssão. E por último o porto de Gävle, que encontra-se no Golfo de Botnia. Não deixe de ver ali o Skogsmusset Silvanum, o Museu Florestal.

A ZONA NORTE

O norte da Suécia está muito mais dspovoado que o resto do país, porém em compensação desfruta-se de umas paisagens naturais estupendas. Para a costa leste encontra-se Lulea situada na desembocadura do rio de mesmo nome.

É um importante porto na costa alta do Báltico junto a outros como Pitea, Skoleftea, Umea o Sumdsvall. Poderá visitar seu museu dedicado aos sami. Para ver outro interessante museu desta vez dedicado ao armamento pode aproximar-se da localidade próxima de Bodem, mais ao norte.

LAPONIA

A Laponia Sueca convida a uma avemtura distinta e emocionante. Extende-se desde a metade do país para o norte mais além do Círculo Polar Ártico. Desde Estocolmo saem aviões durante todo o ano até Kiruma, no norte, cidade com uma extensão de 20.000 quilômetros quadrados e uma população de 33.000 habitantes.

No inverno, a escuridão fecha-se sobre a fascinante paisagem para, as vezes, serem iluminadas por uma crepitante Aurora Boreal. No verão o sol nega-se a por e no outono, as montanhas alpinas laponas parecem arder em cores.

A Laponia é a terra dos samis (laponé), que emigraram, segundo acredita-se, de Euroásia estabelecendo-se no norte da Europa, sobre a Idade do Bronze. No começo viviam da caça e da pesca, porem muito cedo começaram a criar remos, o que obrigou-os a adotar uma existência nômade.

A criação do remo ainda sobrevive em algumas famílias e a contemplação de seu trabalho quando separam os remos, é uma vivência excepcional, ainda muitos laponé tem-se adaptado a vida moderna trabalhando nas indústrias nacionais.

É interessante fazer uma visita ao Museu Lapón, que mostra a história deste povoado e algumas de suas tradições.

A 16 quilômetros a leste de Kiruma localiza-se o povoado sami de Jukkasjärvi, que assenta-se às márgens do rio Torne. Há um mercado, um museu, que ilustra a vida dos samis, e uma Igreja de madeira para visitar.

Para o sul extende-se uma região mineira e o Vale de Kalixälv, uma zona mais povoada, cheia de férteis praderas e pequenas granjas. Perto de Saite pode-se visitar o Parque Nacional de Mudus, onde abundam os bosques de coníferas, imemsos lagos, além de uma emorme garganta de rocha viva, no curso do rio que o atravessa, digna de admiraçã. Muito perto está a população mineira de Gällivare.

Em Kvkkjokk, há outro parque tipicamemte montanhoso, o Parque Nacional Sarek. E por último nesta região encontra-se a montanha mais alta do país, Kebnekaise (2.100 metros de altura).

Gastronomia

comida sueca baseia-se em matérias primas frescas do mar e do bosque, segundo a temporada. Arenque do Báltico, salmão na salmora, assado de remo defumado, parfait de arándanos e hoado com camemoros são algumas das esquisitices do país, porém o visitante pode experimentar gostosamente a comida caseira sueca, como panquecas, pettipanna, crepé de batata, rolemos de col e sopa de ervilha brancos com ponche, sem esquecer, o típico prato do dia, "dagems rätt".

Nos principais restaurantes do país costuma-se servir a tradicional mesa de entradas que só existe em sua forma original na Suécia o "smörgasbrd", um buffet que reune todas as especialidades da gastronomia sueca misturada a vezes com outros pratos importados.

Este prato adquire-se em especial nos dias de Natal, quando converte-se em "julbord" mesa de Natal, com todas as especialidades da temporada festiva.

Compras

Não é necessário ir a uma loja turística para encontrar algo "típico" é que os suecos compram seu próprio artesanato para decorar suas casas.

Em geral o artesanato gira em torno da casa: objetos decorativos e de utilidade prática, sobretudo na cozinha e a méa. Há que destacar a cubertería de aço inoxidável, uma das mais prétigiosas do mumdo. Sem dúvidas, o mais conhecido no exterior é a cristaleria.

Também merece ter em conta o artesanato de ferraria, os objetos de madeira. Em quase todas as lojas encontra-se o típico cavalo de madeira original da região de Dalarana.

Em matéria de roupas destaca-se a pele, onde o visón é o abrigo de pele de raposa ou lobo. Não é tanto um luxo sim uma necessidade, devido aos frios dias de inverno.

População e Costumes

Durante muitos séculos a Suécia foi etnicamemte muito homenageada, exceto os samis (laponé), minoria lingüística indígena do norte do país. Atualmemte existem uns 15.000 samis.

Os suecos comparados com os habitantes do sul da Europa são pessoas menos abertas e com pouco interesse em relacionar-se fora de seu próprio círculo de amizade. Sem dúvidas, ao longo da história o povo sueco tem sofrido algumas transformações na forma de ver e de vivir a vida.

Entre 1865 e 1930, o país experimentou uma emigração de grande escala, a maioria mudou-se para os Estados Umidos, com a esperança de uma vida melhor.

Nos anos sessenta e setenta vieram, em mudança, a trabalhar na Suécia, mais de meio milhão de imigrantes, em sua maioria filandes, porém também, iugoslavos, gregos e outros.

Além, Suécia tem acolhido a refugiados de muitos locais agitados do mumdo. Esta grande imigração, que soma hoje em dia mais de um milhão de pessoas em uma população de 8, 4 milhões, tem provocado mudanças significativas no comportamento dos suecos. Os imigrantes aportam seus hábitos e costumes que vão somando aos próprios do país.

O sueco das cidades são mais abertos e ruaceiros, abrindo passagem a outros costumes e modos de vida até impensáveis.

Entretenimento

Aventura

Os suecos são grandes amantes do esporte e isto traduz-se em um sem fim de atividades verdadeiramemte atrativas para o visitante.

Em Laponia durante o inverno organizam-se Safaris Árticos, através da fria paisagem do norte. Durante o verão, descem pelos rios salvegens, rafting ou trekkiing, que leva os excursionistas em campo aberto.

Cruzeiros pelos Arquipélago

Nas milhares ilhas que conformam a paisagem de Estocolmo vive gente durante todo o ano. Há povoados pequenos e uma Fundação que voa para a sobrevivência das tradições deste lugar. Organizam-se excursões e inclusive cruzeiros de vários dias de duração.

As rotas que levam-se a cabo, através das ilhas incluem paradas e visitas à alguns monumentos históricos. Também há oportunidades para fazer compras nos pitorescos mercados das ilhas, onde vende-se artesanato típico que deve levar selo de "Skärgardsprodukt", que quer dizer produto do arquipélago.

Cruzeiro Göta Canal

Um cruzeiro de 4 a 6 dias de duração por este canal que atravessa o país de costa a costa desde Estocolmo a Gotemburgo, através de bosque, campos e cidades utilizando como caminho os rios, lagos e canais.

Festival de Água

Este festival criado no ano de 1990 tem-se convertido em uma das festas mais populares do país à nivel europeu, com mais de 1.500 acontecimemtos. Acontece em Estocolmo, durante as primeiras semanas de agosto.

No tempo que dura este festival pode-se ver de tudo, do teatro de rua até concertos ao ar livre, passando por espetáculos do tipo circense, mostras gastronômicas, atividades esportivas e fogos artificiais.

Parque Skansem

Um passeio por este parque situado em Estocolmo constitui uma viagem por toda Suécia sua natureza e seu folclore.

Parque Liseberg

Em Gotemburgo está um dos parques de atração mais antigos da Suécia. No verão este parque conta com bailes e atuações e é aqui onde sonham em cantar os principais artistas do país.

FESTIVIDADES

Como em outros paises da Escandinávia as festas e os festivais são muito frequentes.

Na Suécia destacam-se:

Janeiro. 1 de janeiro, a celebração do Ano Novo e o dia 13, o Kumt, o dia que finalizam as festas natalícias.

Fevereiro. Terça –feira de Carnaval, dia que preparam doces e pãezinhos.

Março. Maratona de Esqui de Vasaloppet, o primeiro domingo do mês. Mais de 80 quilômetros de corrida.

Abril. Os dias quinta, sexta-feiras, sábado e domingo de Semana Santa. O dia 30 é a Noite de Valborg, uma noite na que se cobra em todo o país a chegada da primavera com fogueiras e cantos de corais. O dia 30 é a Noite de Walpurgis, que é a véspera do dia da santa que comemora-se no dia 1 do mês.

Maio. O dia 1, como em muitos paises é o Dia do Trabalho.

Junho. O dia 6 comemora-se o Dia da Bandeira, data emblemática, que foi o dia em 1523, quando Gustavo Vasa, considerado como o libertador do país, foi eleito Rei de Suécia. A festa foi tomando pouco a pouco carácter oficial, e hoje em dia é considerada como a festa da pátria. Outro dos dias mais importantes do mês é a Festa de São Jõao, o 24 de junho. O fim de semana mais próximo a este dia, verdadeiro dia de São Jõao, os suecos celebram sua grande festival de origem pouco claros e talvez pré-históricos. A dança em torno do "árbol de maeo" vestido com ramas e flores recorda antigos rituais de fertilidade. As jovens adornam suas cabeças com coroas de flores e entonam junto a seus companheiros hinos de primavera. A comida, tradicionalmemte arenque e batatas servidas acompanhadas de aguardente, formam parte também desta festa que dura até altas horas da madrugada.

Agosto. Festival Aquático de Estocolmo (de 4 a 13), numerosos atos e espetáculos aos arredores do Palácio Real. A segunda quarta-feira do mês é o Dia do Carangueijo, dia em que se come em abundância.

Novembro. O dia 11 é o Dia de Santo Augustín, festa de importância na zona sul do país.

Dezembro. O dia 10 do mês tem lugar a ceremônia de entrega do Prêmio Nobel. O dia 13 é o Dia de Santa Luzia, uma festa que se comemora nas casas, colégios e inclusive nas empresas. Uma jovem vestida com túnica branca e uma coroa com velas na cabeça desperta a todo o mundo com seu hino e alegria, representa a Santa Luzia, símbolo de esperança em que volta a luz depois da longa escuridão do inverno. Santa Luzia oferece, além, a primeiras horas da manhã, bolos de alçafrão e biscoitos de canyona, duas especialidades natalícias da casas suecas. Na Suécia igual ao nossos paises o Natal (dias 24 e 25) constituem uma mistura do novo e o velho, do tradicional e o importado de outros lugares do mundo.

Transportes

Avião

As principais cidades da Suécia têm aeroportos, o avião é uma boa alternativa para mover-se pelo país. A companhia SAS, que opera dentro do país, oferece preços interessantes, especialmente para os jovens, além do conhecido Visit Scandinaviam Pass.

Barco

Este é um meio de transporte que funciona muito bem na Suécia, muito utilizado sobretudo no Arquipélago e nas zonas dos canais.

Trem

Os Ferrocarris Estatais Suecos, SJ, tem linhas por todo o país, incluindo as zonas mais setentrionais, é dizer, mais além do círculo Polar Ártico, chegando até a cidade noruega de Narvik. O transporte é caro, pois convém informar-se bem das reduções, ofertas e descontos.

Automóvel

Existe a possibilidade de alugar um carro. As tarifas de fim de semana são bastante aceitáveis. A rede de estradas do país são excelentes. As normas de circulação são as mesmas que no resto da Europa, ainda que a regra, quanto o consumo de álcool é mais severa nos paises comumitários.

Ônibus

Apesar de que a maioria dos suecos tem seu próprio automóvel a utilização diária dos ônibus para evitar atrasos e problemas de estacionamento, é muito frequente. As linhas de ônibus nas principais cidades funcionam todo o dia com linhas noturnas específicas.

São ônibus modernos e cômodos porém, também caros. Sem dúvidas, para o turista o melhor é procurar, através da Oficina de Turismo, ofertas especiais que, incluem transportes metropolitanos.

Em Estocolmo, há um serviço de metro, que constitui uma autêntica experiência cultural e a que os artistas suecos tem deixado sua pegada em numerosas estações. Gotemburgo oferece ainda a curiosidade da transvia. As linhas de ônibus regional são também gestionadas por SJ.

Táxi

O serviço de táxi é bom nas cidades, porém também muito caro. Aconselha-se utilizar transporte público.

Fonte: www.genteviajera.es

Suécia

Suécia é um país do Norte da Europa e membro da União Europeia.

A capital é Estocolmo.

A principal religião é o Cristianismo (Protestantismo).

A língua nacional é o Sueco.

Uma potencia militar durante o século 17, a Suécia não participou em qualquer guerra por quase dois séculos. Uma neutralidade armada foi preservada em ambas as Guerras Mundiais.

A fórmula de sucesso economico a longo-prazo da Suécia de um sistema capitalista entremeado com substanciais elementos de bem-estar social foi contestada nos anos 1990s pelo elevado desemprego em 2000-02 e em 2009 pela desaceleração economica mundial, mas a disciplina fiscal ao longo dos últimos anos permitiu ao país tempo para os caprichos econômicos.

A Suécia aderiu à União Européia em 1995, mas o público rejeitou a introdução do euro em um referendo de 2003.

A Suécia compartilha a península Escandinava com seu vizinho, a Noruega. Lá, no topo da Europa, o povo Sueco tem criado para si um próspero, pacífico e democrático reino em que beneficiam de um dos mais altos padrões de vida na Europa.

Ao contrário de muitas outras nações Européias, a Suécia nunca conheceu uma ocupação estrangeira de grande escala, e não tem estado em guerra desde 1814.

Na esperança de garantir sua prosperidade e independência, os Suecos se apegam à sua política de neutralidade e dependem de sua auto-confiança e força.

Terra

A Suécia, uma das maiores nações da Europa, é um país longo e estreito.

Os geógrafos muitas vezes o dividem em três partes principais: Götaland, ao sul, Svealand no centro, e Norrland no norte. Götaland, a tradicional casa dos Godos, inclui a província mais a sul da Suécia, Skåne.

Lá, em 2,5% da terra, vivem 12% do povo Sueco. Skåne, que goza do clima mais agradável da Suécia, é um jardim natural. Lá, em meio a campos suavemente ondulados e vilas pacíficas, está a melhor terra agrícola da Suécia. Skåne também tem quilômetros de praias de areia branca ao longo de sua costa. Muitos resorts e o importante porto de Malmö estão localizados no litoral.

Ao norte de Skåne se elevam os altiplanos da Suécia - uma paisagem robusta e arborizada. Esta área é arrefecedora e mais fria, e as florestas começam aqui. O terreno é rochoso e o solo fino. Aqui é onde a maioria das indústrias Suecas do vidro, móveis, e artesanato estão localizadas.

Svealand é considerada a seção média do país, embora esteja ainda na metade inferior da Suécia. Aqui estão as grandes florestas que deveriam ter separado as duas antigas tribos rivais, os Svear e seus vizinhos do sul, os Godos.

Há também depósitos de ferro aqui, e aqui é onde a maioria das plantas metalúrgicas e fundições de aço da Suécia estão.

A maioria dos mais de 100.000 lagos da Suécia estão na região central. Alguns, como o Lago Mälaren, o Lago Vättern, e o Lago Vänern, são extremamente grandes.

As duas maiores cidades da Suécia, Estocolmo, a capital, e Gotemburgo, a cidade portuária, estão em Svealand. Elas estão ligadas pelo pitoresco Canal Göta, uma notável via navegável, apenas cerca de 33% do que é realmente composto de canais.

O restante é uma cadeia de rios e lagos que formam uma das mais belas áreas da Escandinávia. Svealand também inclui Dalarna, uma província histórica da Suécia, com montanhas lindas e o bonito Lago Siljan.

Norrland, a terceira área da Suécia, abrange cerca de 66% do país. Esta terra pouco povoada do norte contém as mais altas montanhas da Suécia, incluindo Kebnekaise, seu pico mais elevado. Norrland é considerada a última fronteira aberta na Europa.

É o grande reservatório de recursos naturais da Suécia. As grandes florestas alimentam a cadeia de serrarias, fábricas de papel e fábricas de celulose na costa. As cachoeiras enormes fornecem a energia elétrica para a maioria da Suécia. As gigantescas montanhas de ferro dão à Suécia uma das fontes mais importantes do mundo de minério de ferro.

Os planaltos do norte estendem-se da região central da Suécia acima além do Círculo Polar Ártico. Este é o coração da Laponia, embora a Laponia seja uma vasta área que inclui também partes da Noruega, Finlândia e Rússia.

Cerca de 10.000 Lapões (também conhecidos como Samis) vivem na Laponia Sueca, e muitos ainda seguem seus rebanhos de rena em migrações anuais para as montanhas na primavera e para as terras baixas no outono.

Na costa leste no Mar Báltico estão duas grandes ilhas de pedra calcária, Gotland e Öland. Öland é rica em vestígios arqueológicos, cemitérios de navios Viking, e fortalezas pré-históricas. Ambas as ilhas têm uma grande variedade de flores bonitas e incomuns.

Gotland é uma viagem de volta de seis séculos na história para os tempos de cavaleiros e monges. Na ilha está Visby, a única cidade murada no norte da Europa e uma das mais bem preservadas em qualquer lugar.

Clima

Apesar de estar distante para o norte, a Suécia tem um clima mais moderado do que seria de esperar. Ela é aquecida pelos predominantes ventos de sudoeste e pela extensão da Corrente do Golfo, que traz a água quente das Índias Ocidentais para o Atlântico Norte.

Mas num longo país estendido, há naturalmente uma variedade bastante ampla de clima. "O verão do ano passado aconteceu em uma Quinta-feira" é a piada padrão na Suécia. No norte distante o verão dura apenas cerca de seis semanas, mas durante esse tempo o sol da meia-noite nunca se põe.

No meio do inverno, para o mesmo período de tempo, há quase escuridão total. Na Laponia a neve está no chão de Agosto a Junho. No sul, o tempo do verão é suave e agradável e tem a duração de cerca de Maio a Setembro. Por Setembro, ele é frio, e no inverno neva com freqüência.

Recursos

Minério, florestas e água são as grandes riquezas naturais da Suécia. Mais da metade do país é arborizada. O clima favorável torna possível para que as árvores cresçam em todos os lugares, exceto nas altas montanhas no norte. Os principais rios da Suécia fluem geralmente sudeste das montanhas para o Golfo de Bótnia.

Os rios correm através das florestas, tornando relativamente fácil flutuar as toras de madeira até as fábricas e usinas no litoral. Grande quantidade de dinheiro, no entanto, foi gasto na construção de boas estradas, e as toras hoje são muitas vezes transportadas por caminhão.

Parece que onde não existem árvores na Suécia, há água. Os lagos cobrem quase que 9% da área do país, e as corredeiras nos rios abastecem a Suécia com grandes quantidades de energia hidrelétrica.

Algumas minas são encontradas na região central da Suécia, mas no norte há montanhas de todo o minério de ferro. O norte da Suécia também tem depósitos de cobre, chumbo, e zinco.

A Suécia tem falta de alguns recursos importantes. Ela precisa importar petróleo, carvão e coque, mas os engenhosos Suecos têm usado o que eles têm mais - minério de ferro, água e florestas - para construir suas indústrias.

Na década de 1970, quando a maioria da energia hidrelétrica disponível havia sido aproveitada, a Suécia voltou-se para a energia atômica.

Em 1980, as preocupações de segurança levaram a um referendo nacional e a um plano para eliminar progressivamente a energia nuclear. Mais tarde o governo inverteu esse plano, pois o país depende de suas 10 usinas atômicas para produzir quase metade do seu aprovisionamento energético.

População

A Suécia tem uma população de cerca de 9 milhões. Seu povo, tradicionalmente muito homogêneo, tem vindo a crescer um pouco mais diversificado desde os anos 1940s.

Duas minorias distintas estão presentes no país: os Finlandeses e os Samis (ou Lapões), uma minoria indígena, que é encontrada principalmente no norte.

Nos últimos anos, a Suécia também abriu suas portas para muitos imigrantes, incluindo pessoas da Sérvia, Montenegro, Turquia, Grécia, Polonia, Chile, Somália e Etiópia.

Religião

A maioria do povo da Suécia também compartilham uma religião comum. Cerca de 87% dos Suecos pertencem à igreja do estado, que é a Igreja Evangélica Luterana. As denominações de Católicos Romanos, Ortodoxos, Batistas, Muçulmanos, Judeus, e Budistas também existem. Há plena liberdade religiosa, mas por lei, o rei deve ser um membro da igreja estatal.

Linguagem

A língua Sueca está relacionada com as línguas faladas pelos Noruegueses e Dinamarqueses. Todas estão relacionadas com o Alemão. O alfabeto Sueco é como o do Inglês, mas também inclui três vogais adicionais, å, ä, e ö, que vêm no final do alfabeto. Uma pequena minoria da população fala Finlandês ou Sami como língua principal.

Educação

Em 1842, mais cedo do que na maioria dos países, a Suécia fez o ensino obrigatório. Os alunos agora devem freqüentar a escola a partir da idade dos 7 aos 16.

Depois do ciclo básico, os alunos podem entrar no sistema de ensino superior, que foi reorganizado no início dos 1990s. Cerca de 33% de todos os alunos estão matriculados em programas de formação academica ou profissional.

A Suécia tem mais de 40 instituições de ensino superior. Fundada em 1477, a Universidade de Uppsala é a mais antiga e maior. Outras escolas de destaque incluem a Universidade de Lund, a Universidade de Estocolmo, a Universidade de Göteborg, a Universidade de Karlstad, e a Universidade de Örebro.

O Instituto Karolinska em Estocolmo realiza a premiação do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina a cada ano. Também vital para o sistema educacional são as escolas populares graduadas, projetadas especificamente para a educação de adultos.

A taxa de alfabetização de adultos é de quase 100%. A maioria das pessoas falam Inglês.

Modo de Vida

Em geral, os Suecos são considerados extremamente trabalhadores. Mas eles também sabem como relaxar. No verão, é comum que eles saiam de seus escritórios cedo ou tomem três dias de finais de semana. Todos os trabalhadores têm direito a 32 dias de férias pagas.

Os Suecos amam esportes. O futebol é um jogo nacional. Camping, ciclismo, automobilismo, esqui, vela, tenis e golfe são todos muito populares. Todos os Suecos são obrigados a fazer ginástica na escola, e muitos Suecos continuam os exercícios depois, uma vez que eles têm um grande orgulho em serem fisicamente aptos.

Cerca de 80% dos Suecos vivem em apartamentos. Por causa do alto custo do aquecimento durante os longos meses de inverno, é mais econômico construir prédios de apartamentos do que a construção de casas individuais.

No entanto, muitas famílias Suecas têm cabanas na floresta para onde eles escapam sempre que possível.

A Suécia não é uma sociedade sem classes, mas por causa dos altos impostos e amplos benefícios sociais, ela é uma sociedade em que as diferenças entre ricos e pobres não parecem evidentes. Os padrões de vida não variam muito de uma parte do país para outra.

Os Suecos de mente-aberta fazem com que os assinantes de telefone em Estocolmo paguem a mesma taxa para a instalação de um telefone que os Lapões, para os quais pode ser necessário lançar 50 milhas (80 km) de cabos telefonicos.

A maioria das pessoas têm automóveis. A maioria das pessoas vivem em apartamentos atraentes. Todos vêem a mesma programação de televisão. Todos vão para as mesmas escolas operadas pelo estado, passam pelos mesmos exames, recebem subvenções semelhantes do benefício-social, e ganham salários não muito diferentes dos de seus vizinhos.

De modo geral, o povo Sueco está determinado a encontrar uma maneira para que todos possam realizar seu maior potencial.

Muitos somam ao modo de vida Sueco dizendo que a Suécia é um país de equilíbrio e moderação, um país de lagom, o que significa, grosso modo: não muito pouco, não muito demais, mas apenas o justo.

Uma grande proporção de mulheres casadas Suecas trabalham em tempo integral ou em tempo parcial fora de casa. Desde que a ajuda doméstica é praticamente desconhecida, as mulheres casadas e com filhos muitas vezes ficam em casa até que seus bebês tenham idade suficiente para começar a escola. Há também creches gratuitas todo-dia.

Seja em casa ou num restaurante, a comida Sueca é deliciosa e bem-preparada. Talvez a contribuição mais conhecida da Suécia à cozinha internacional é o smorgasbord.

Esta festa legendária - que tem sido conhecida por satisfazer até os mais sinceros apetites - consiste de uma matriz aparentemente interminável de peixes, carnes, saladas e queijos, a partir da qual os comensais selecionam os cursos até que tenham comido para o seu regalo.

O smorgasbord é geralmente acompanhado de cerveja. Se houver qualquer espaço de sobra para a sobremesa, há pequenas e delicadas panquecas Suecas açucaradas e servidas com chantilly e um molho feito de amoras silvestres.

Os cozinheiros Suecos também têm orgulho na sua preparação do peixe fresco que abunda nas águas do norte e em pratos como o köttbullar, ou almôndegas Suecas, que gozam de popularidade em todo o mundo.

Salmão cru fresco curado em sal, dill, pimenta do reino, e aquavit, ou gravlaks, é outra iguaria que se tornou popular no mundo inteiro.

Escritores

Porque poucos estrangeiros falam Sueco, muitos dos grandes escritores do passado e contemporâneos são desconhecidos para o resto do mundo. Somente através da tradução suas obras têm se familiarizado para além do território Sueco. Selma Lagerlöf, a primeira mulher a receber o Prêmio Nobel de literatura, é provavelmente a escritora mais conhecida da Suécia.

Em sua morte aos 82-anos, em 1940, ela deixou um grande corpo de trabalho que inclui A História de Gösta Berling, um romance baseado nas lendas de sua nativa Varmland.

As peças teatrais de August Strindberg, como O Pai, e Miss Julia, tiveram um efeito duradouro sobre o desenvolvimento do teatro no mundo ocidental.

Outro grande dramaturgo Sueco, Pär Lagerkvist, escreveu duras peças sobre a situação do homem, a violência e as guerras. Desde os anos 1960s uma série de escritores Suecos de mistério têm conseguido seguimento internacional.

Entre eles estão o time de autores marido-e-mulher, Per Wahlöö e Maj Sjöwall, com seu detetive Martin Beck; Henning Mankell, que criou o sombrio personagem Kurt Wallender; e Stieg Larsson, cuja trilogia de romances sobre Lisbeth Salander começou com Os Homens que Não Amavam as Mulheres.

Arte

Na Suécia há cerca de 2.000 inscrições rúnicas gravadas por artistas Viking sobre pedregulhos, na face de uma rocha, ou em pedras verticais. Nesses intrincados padrões, feitos nos primeiros dias do país, podemos ver o começo do interesse Sueco pela arte e o design.

Os Suecos sempre foram conhecidos por suas esculturas em madeira e outras esculturas. O escultor moderno mais conhecido da Suécia foi Carl Milles, que morreu em 1955. Muitos de seus trabalhos exuberantes podem ser vistos em um belo cenário com vista para as águas do Báltico em Millesgarden, em Lidingo, um subúrbio de Estocolmo.

Os arquitetos da Suécia há muito projetaram edifícios que demonstraram o seu sentimento pela beleza natural da madeira, da pedra e outros materiais.

Os primeiros edifícios de toros de madeira medievais, as igrejas simples da Idade Média, os castelos austeros do século 16, e as mansões dos dias posteriores, todos tiveram as fortes linhas limpas e de simplicidade elegante que são evidentes nas modernas estruturas de concreto, vidro e madeira Suecos.

Filmes

A cultura Sueca hoje é provavelmente mais conhecida para o resto do mundo através dos filmes produzidos na Suécia. Desde a década de 1940 o trabalho dos diretores Suecos tem sido aclamado pela crítica em todos os lugares.

A Grande Aventura e O Reino da Selva de Arne Sucksdorff e O Sétimo Selo, Morangos Silvestres, e Através de um Espelho de Ingmar Bergman são considerados clássicos da tela. Duas atrizes famosas - Greta Garbo, que é considerada uma das melhores estrelas de todos os tempos, e Ingrid Bergman, uma vencedora por três vezes do Oscar da Academia -nasceram na Suécia.

Cidades da Suécia

Mais de 80 por cento dos Suecos vivem em cidades e vilas. As três áreas metropolitanas são a grande Estocolmo, Göteborg e áreas vizinhas no oeste, e Malmö e suas cidades vizinhas no sul.

Estocolmo

Hoje Estocolmo é verdadeiramente o centro da Suécia e da vida Sueca. É a sede do governo e o centro dos negócios e da cultura. É uma importante cidade manufatureira também. Vista de um avião a encantadora cidade parece ser feita de muitas peças separadas flutuando na água azul e entrelaçada por uma intrincada rede de pontes.

Na verdade, a Rainha das Águas, como Estocolmo é conhecida, está construída sobre todo um grupo de ilhas onde a água doce do Lago Malar encontra o Mar Báltico. Fundada no século 13, Estocolmo se tornou a capital da Suécia em 1634.

A Cidade Velha (Gamla Stan) está em uma ilha no centro da cidade. A Cidade Velha, que ainda mantém seu plano de rua medieval, inclui o Palácio Real, uma obra-prima do design clássico.

A Academia Real de Música, fundada em 1771, é uma das mais antigas no continente fora da Itália, e a Ópera Real data de 1773. Ela apresenta uma das mais extensas temporadas no mundo.

Perto da cidade está o famoso Teatro da Corte de Drottningholm. Construído em 1766, Drottningholm é o único teatro do século 18 completo do mundo que sobreviveu e é usado exatamente como o foi em outros tempos para óperas e ballets.

Skansen, um belo parque de 60 acres (24 ha) a poucos minutos do centro da cidade, é realmente um grande museu ao ar-livre. Mais de 100 prédios antigos trazidos de toda a Suécia têm sido reconstruídos lá.

Göteborg

Um porto marítimo sobre o Kattegat, na foz do Rio Gota, Göteborg é a segunda maior cidade da Suécia, e o maior porto. É também uma cidade histórica.

Urbanistas Holandeses foram trazidos para construí-la no século 17, e sua influência é visível na antigos canais circulares. A encantadora Götaplatsen (Praça Göta) é dominada pela escultural fonte de Poseidon de Carl Milles, o deus do mar Grego. Gotemburgo é um movimentado centro de fabricação de automóveis e de produção de rolamentos de esferas. Ela tem um estaleiro ultramoderno que produz superpetroleiros.

Malmö

A terceira cidade da Suécia está no Øresund oposto a Copenhagen, na Dinamarca. Do final da Idade Média até 1658, quando se tornou Sueca, Malmö foi uma das principais cidades da Dinamarca.

O centro da cidade mantém o seu plano de rua medieval, mas os projetos de habitação modernos estão nos subúrbios. Os edifícios históricos incluem a mais bela igreja Gótica na Suécia, a Igreja de São Pedro do século 14.

Malmö é também um importante porto e uma cidade da construção naval e da manufatura. Desde Julho de 2000, ela está conectada a Copenhagen pela Ponte Øresund de 10 milhas (16 km).

Economia

No início do século 20, a Suécia era um dos países mais atrasados da Europa. As condições eram tão ruins que mais de 20% da população emigrou para a América. Em um salto realmente notável para a frente, o povo Sueco, em um período relativamente curto de tempo, criou uma próspera nação industrial com quase pleno emprego, onde uma grande parte da produção nacional é exportada.

As primeiras indústrias estavam baseadas nas florestas e minerais Suecos. Os inventores Suecos ajudaram em desenvolver indústrias pela concepção de produtos e aperfeiçoando técnicas para auxiliar no seu fabrico.

No século 19, J. E. Lundström inventou o fósforo de segurança. E em 1866, Alfred B. Nobel inventou a dinamite e começou a acumular a fortuna que lhe permitiu estabelecer os prestigiosos prêmios Nobel.

Outras invenções Suecas incluem os rolamentos de esferas, novos tipos de turbinas a vapor, métodos de transmissão de energia elétrica, e outros produtos.

A construção naval, uma indústria tradicional, ainda é importante, mas hoje mais importante é a fabricação de carros, ônibus e caminhões. Os automóveis Volvo e Saab ganharam reputação mundial pela sua confiabilidade. Alguns dos melhores aços no mundo são feitos na Suécia, e muitos produtos feitos de aço de alta qualidade são exportados.

A economia Sueca se expandiu para outros campos também. As lojas IKEA, vendendo mobiliário moderno e prático para casas, agora podem ser encontradas em muitos países. A empresa Ericsson, fabricante de produtos eletrônicos, é uma das maiores em seu campo.

No início do século 21, a Suécia também se tornou a nação mais conectada - e sem fio - na Europa. Cerca de 80% dos seus cidadãos têm acesso à Internet, e os jovens empresários estão fazendo da Suécia um líder Europeu na revolução digital.

A comunicação sempre foi importante neste país de grandes distâncias (em 1900, Estocolmo tinha mais telefones do que Londres ou Berlim), e isso continua a ser tão verdadeiro quanto nunca.

A Suécia sofreu uma severa recessão no início dos 1990s, desencadeada por uma crise bancária não ao contrário da que inaugurou a crise econômica mundial de 2008-09. Entre esses dois eventos, a economia geral da Suécia cresceu a uma taxa que superou as da maioria dos outros países da União Europeia (UE).

Produtos agrícolas

Apenas 7% da terra na Suécia é arável, e apenas cerca de 2% das pessoas estão empregadas na agricultura. A maior parte do cultivo é feito na parte sul do país.

Pelo uso de estudos dos solos, sementes melhoradas, fertilizantes artificiais, e mecanização, a Suécia conseguiu produzir colheitas recordes. A maioria das fazendas são muito pequenas, mas quase todos são participantes em cooperativas que comercializam os produtos e proporcionam aos agricultores com equipamentos. É notável que, com tão pouca terra, a Suécia se alimenta muito bem.

Governo

Embora a Suécia tenha um rei, ele não exerce o poder político e não é nem mesmo coroado. Ele é o chefe titular do estado, enquanto a verdadeira responsabilidade recai sobre o primeiro-ministro, que é o líder do partido maioritário no Parlamento.

O rei atual é Carl XVI Gustaf, que sucedeu a seu avô, Gustav VI Adolf, em 1973.

O Riksdag, ou parlamento, tornou-se uma instituição permanente em 1435. Um dos mais antigos órgãos legislativos do mundo, ele tem uma câmara com 349 lugares. O Partido Trabalhista Social-Democrata (SDAP) tem sido o partido no poder na maior parte do tempo desde 1932.

No entanto, ele perdeu as eleições parlamentares de Setembro de 2006 para a Aliança pela Suécia, uma coalizão de centro-direita liderada pelo líder do Partido Moderado, Fredrik Reinfeldt. Reinfelt permaneceu primeiro-ministro após as eleições de Setembro de 2010, mas a coligação ficou aquém da maioria.

Nessas eleições, o anti-imigração Democratas Suecos, tornou-se o primeiro partido de extrema direita à ganhar assentos no parlamento da Suécia.

Um homem que simbolizava o governo do SDAP e a criação do famoso estado de bem-estar Sueco foi Olaf Palme, que se tornou chefe do partido e primeiro-ministro em 1969. Em 1986, Palme foi assassinado em Estocolmo, e sua morte permanece sem solução.

Desde 1996, o líder do SDAP e primeiro-ministro foi Göran Persson. Outro político, a ministra dos Negócios Estrangeiros Anna Lindh, foi assassinada em 2003. À Mijailo Mijailovic foi dado uma sentença de prisão perpétua pelo crime, mas em Julho de 2004, um tribunal declarou-o maluco e mandou-o ao invés para um hospital psiquiátrico.

O crime levou as autoridades Suecas a reexaminarem as políticas de segurança para os políticos da nação. Em Dezembro de 2010 a Suécia experimentou outro tipo de crime pela primeira vez, um atentado suicida por um extremista Muçulmano Iraquiano-nascido.

Desde o início do século 20, o povo Sueco tem vindo a desenvolver uma ampla gama de benefícios de assistência social para todos os cidadãos.

Os serviços prestados pelo governo incluem cuidados de saúde gratuitos, matrícula gratuita na faculdade, benefícios de creche, provisões para o desemprego, e pensões para todos com idade acima de 67 anos; os impostos são, consequentemente, bastante elevados.

Em 1993, com a economia se recuperando dos custos exorbitantes dos benefícios do berço ao túmulo, a Suécia começou a reavaliar seus programas sociais e reformou o sistema tributário.

Após a adesão à UE, a Suécia concordou em levar o seu sistema social em conformidade com os critérios da UE. Mesmo assim, em 1999 e novamente em 2003, o país recusou-se a adotar o euro, a moeda comum Europeia.

História

A terra que é agora a Suécia emergiu tarde da calota de gelo em retirada. Tribos de caçadores moveram-se para o norte, e por muitos anos duas tribos, os Godos do sul e os Svear na parte leste da região central da Suécia, fizeram a guerra. Finalmente, no século 9 A.D., as duas tribos se uniram. O nome Sueco para a Suécia, Sverige, pode ser traduzido como "reino dos Svear".

Durante o tempo dos Vikings (AD 800-1050), esses ferozes guerreiros do mar fizeram longas expedições para comerciar e ir à guerra. Os Vikings Suecos navegaram para o leste através do Mar Báltico.

Alguns deles até mesmo viajaram pelos rios Russos até o Mar Negro e o Mar Cáspio. Por volta do século 10 os Vikings Suecos tinham estabelecido postos comerciais lá. O nome "Rússia" pode vir da palavra "Ros", o nome dos Vikings Suecos que viveram ao longo do Mar Báltico, ao norte de Estocolmo.

Missionários Cristãos visitaram a Suécia durante este tempo, mas não foi até o século 12 que o Cristianismo foi firmemente estabelecido.

Durante os séculos 11 e 12, a Suécia tornou-se gradualmente um reino unido. Trabalhando para converter os Finlandeses, os Suecos desenvolveram a Finlândia como parte da Suécia.

Em 1397, a União de Kalmar uniu todas as terras Nórdicas - Dinamarca, Noruega e Suécia - sob uma rainha Dinamarquesa, a Rainha Margrethe. Os Suecos temiam a dominação Dinamarquesa, e a guerra eclodiu no século 15. Em 1523, a Suécia tornou-se independente. Até 1814, uma longa série de guerras terríveis entre a Dinamarca-Noruega de um lado e a Suécia-Finlândia do outro lado marcaram a história Escandinava.

Gustavus Vasa, um jovem nobre que havia liderado os Suecos em sua luta contra a União de Kalmar, foi eleito rei em 1523. Ele tomou o título de Gustavus I, e até a sua morte em 1560 ele fez muito para estabelecer as bases da moderna Suécia.

Foi durante seu reinado que a Suécia rompeu com a Igreja Católica e o Luteranismo se tornou a religião do Estado. Seu neto, conhecido como Gustavo Adolfo, que governou de 1611 até 1632, levou à uma enorme expansão política e militar.

Sob sua liderança, os exércitos da Suécia desempenharam um papel importante na Guerra dos Trinta Anos. Pelo final do seu reinado a Suécia poderia encarar o Mar Báltico como um lago Sueco.

O poder Sueco era constantemente desafiado pela Rússia, a Saxônia-Polônia e a Dinamarca-Noruega. Em 1700 eles se juntaram para atacar o reino Sueco. O jovem rei Sueco Carlos XII ganhou vitórias espetaculares, mas seu plano para atacar Moscou levou a uma derrota catastrófica em Poltava em 1709. Isso marcou o começo do fim da Suécia como grande potência.

Aos poucos, a Suécia foi forçada a desistir de seus territórios Bálticos. Em 1809 os Suecos perderam a Finlândia, um país que eles tinham ocupado desde o século 12. Neste momento, a Suécia estava em uma condição economica desesperadora e temia a invasão pelos Dinamarqueses ao sul e a oeste, e pelos Russos do leste.

Uma revolução depôs o monarca, e os Suecos elaboraram uma constituição e elegeram Jean Baptiste Bernadotte (1763-1844), um general na Revolução Francesa e, posteriormente, um dos marechais de Napoleão, para ser seu príncipe herdeiro. Ele foi bem sucedido em 1818 como Rei Charles XIV.

Sob o Príncipe da Coroa Bernadotte os exércitos Suecos combateram contra Napoleão. Pelo Tratado de Kiel em 1814, a Suécia recebeu a Noruega da Dinamarca. A união da Suécia e da Noruega durou até 1905, quando os Noruegueses exigiram e receberam a sua independência.

No início dos 1900s a Suécia embarcou em uma grande movimentação para o governo liberalizado e o desenvolvimento econômico do país. Ao mesmo tempo, os Suecos estavam determinados a fazer da neutralidade a pedra angular de sua política externa. Durante a Primeira Guerra Mundial, a Dinamarca, a Noruega e a Suécia declararam sua neutralidade.

Quando a Segunda Guerra Mundial estourou, eles fizeram-no outra vez. A Dinamarca e a Noruega foram invadidas. A Suécia escapou. Todo tempo durante a luta, a Suécia fez muito para ajudar os seus vizinhos Escandinavos e serviu como um refúgio para os refugiados.

Durante a década de 1980, a presença de submarinos Soviéticos em águas Suecas levou a relações tensas entre os dois países. As relações pioraram após a explosão em 1986 do reator nuclear de Chernobyl, que espalhou radiações por toda a Europa Ocidental e particularmente à Suécia.

Durante o final dos 1980s, a Suécia foi assolada por uma série de problemas ambientais. Em 1988, um aumento nos níveis de algas severamente danificou o ecossistema marinho da costa oeste. Em seguida, um vírus dizimou as populações de focas do Mar do Norte e do Mar Báltico.

Neutralidade

Por mais de 150 anos, os Suecos têm vivido em paz, e eles desejam continuar fazendo isso. O estado neutro da Suécia é apoiado por substancial poder militar.

Os Suecos têm utilizado seus recursos naturais para ajudar no seu planejamento de defesa. Vastos abrigos subterrâneos, ditos serem seguros mesmo durante um ataque nuclear, têm sido esculpidos no terreno rochoso da Suécia. Eles são usados em muitas maneiras práticas - para estacionamentos, armazéns e até ginásios. Os gastos de defesa são grandes para uma nação tão pequena, e há o serviço militar universal.

No entanto, a Suécia tem sempre estado na vanguarda de todos os esforços de paz. Um forte apoiante da Liga das Nações no passado, a Suécia é hoje um forte apoiante da Organização das Nações Unidas (ONU). As tropas Suecas têm servido com missões de paz na Somália, Macedonia, Líbano, Israel e outros lugares.

O Conde Folke Bernadotte perdeu a vida em 1948 em Israel, onde ele tinha ido como um mediador da ONU. Dag Hammarskjöld, o segundo secretário-geral da ONU, morreu em um acidente em 1961 em seu caminho para o Congo.

A Suécia, a Noruega, a Dinamarca, a Finlândia, e a Islândia são conhecidos como os países Nórdicos. Desde 1950, o Conselho Nórdico tem se reunido para discutir e recomendar a legislação paralela e ações administrativas.

As relações entre esses cinco países são tão próximas que qualquer cidadão Nordico pode livremente atravessar a fronteira para qualquer outro país Nórdico para retomar o trabalho ou residência e tem direito aos benefícios da segurança social, enquanto lá.

Os Suecos têm sido muitas vezes criticados por permanecerem indiferentes em sua neutralidade, e por serem presunçosos sobre suas realizações. Mas ao longo do caminho que levou a Suécia de ser um grande poder à um estado de bem-estar, houveram muitas dificuldades.

O povo Sueco atingiu o que eles têm através de uma disposição para trabalhar duro e pagar o preço em altos impostos para suas melhorias e benefícios.

Juntando-se ao Mundo

Nos últimos anos, os Suecos têm vindo a perceber os benefícios potenciais da adesão ao processo de integração Europeia. A Suécia tornou-se um membro da UE em 1995. Mas, juntamente com a Grã-Bretanha e a Dinamarca, a Suécia ainda não adotou o euro, que, em Janeiro de 2002, substituiu as moedas em 12 países da UE.

A Suécia tornou-se mais cosmopolita de outras maneiras também. A partir do início dos anos 2000s, ela foi o terceiro-maior exportador de música pop, depois dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. O agora extinto (mas ainda muito popular) ABBA, os artistas Sturmark e Meja, e bandas como os Cardigans são conhecidos em todo o mundo.

Ulrich Herz

Fonte: Internet Nations

Suécia

A situação da Suécia como um dos mundiais mais desenvolvidos sociedades pós-industriais parece fundamentalmente seguro.

O desemprego é baixo ea economia forte. Parceria público-privada é o núcleo de "modelo sueco", que foi desenvolvido pelos social-democratas, que governou a maior parte dos últimos 70 anos até 2006.

Esta economia mista tradicionalmente caracterizou as negociações salariais centralizadas e uma rede de segurança muito imposto subsidiado social. Os suecos ainda desfrutar de um sistema de bem-estar avançada, e seu padrão de vida ea expectativa de vida são quase inigualáveis.

O país também é um destino comum para os refugiados e requerentes de asilo - os imigrantes constituem mais de 10% de sua população.

Suecos votaram em um referendo em 1980 para eliminar gradualmente a energia nuclear, eo país começou a desmantelar reatores em 1999. No entanto, os receios sobre as alterações climáticas ea segurança energética persuadiu o governo para reverter a decisão em 2009, e os planos estão na mesa para substituir os 10 reatores restantes.

Suécia é conhecida em todo o mundo pela sua neutralidade. Esta política levou a uma série de políticos suecos fazendo papéis internacionais, muitas vezes mediar entre grupos em conflito ou ideologias.

Com o fim da Guerra Fria, Suécia sentiu capaz de aderir à União Europeia em 1995, embora ainda se recusa a se tornar um membro da Otan.

A Suécia foi um dos três países da UE não aderir à moeda única europeia. No primeiro referendo sobre a adesão após a introdução do euro em 12 dos 15 países da UE, os eleitores suecos rejeitaram por uma clara maioria em setembro de 2003.

Suécia
Suécia é visto como um dos paises e sociedades pós-industriaismais desenvolvidos do mundo

Uma cronologia dos principais eventos:

1905 - União entre Suécia e Noruega pacificamente dissolvida, 90 anos depois da Suécia invadiram a Noruega.

1914 - Surto da Primeira Guerra Mundial a Suécia permanece neutro.

1920 - Suécia junta-se da Liga das Nações. Durante os anos 1920 a Suécia desenvolve a partir de uma exploração agrícola em uma sociedade industrial. Governos social-democratas aprovar várias reformas sociais.

1939 - Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, a Suécia - junto com seus vizinhos escandinavos - declara a sua neutralidade. Suécia rejeita um pedido de inimigos da Alemanha de usar seu território como rota de trânsito para tropas.

1940 - Após a ocupação alemã da Dinamarca e Noruega, a Suécia é forçado pela superioridade militar alemão para permitir tropas alemãs para o trânsito através da Suécia para a Noruega. Mas a oferta do primeiro-ministro sueco repulsas da Alemanha de membro da "Nova Ordem". Suécia torna-se um refúgio para os dinamarqueses e noruegueses tentando fugir dos alemães.

1943 - Acordo de Trânsito com a Alemanha é cancelada.

1946 - Suécia junta-se às Nações Unidas.

Social-democrata Tage Erlander torna-se primeiro-ministro e permanece no cargo até 1969. Sucessivos governos desenvolver um estado social abrangente, a introdução de um serviço nacional de saúde, em 1955, e um regime de pensões do Estado, em 1959.

1952 - A Suécia torna-se membro fundador do Conselho Nórdico, criado para promover os interesses mútuos dos países escandinavos.

1953 - diplomata sueco Dag Hammarskjoeld torna-se secretário-geral das Nações Unidas, ele permanece no cargo até 1961. Suécia contribui tropas para paz da ONU missões.

1959 - A Suécia torna-se membro fundador da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA).

1971 - O parlamento bicameral é substituído por uma câmara eleita por representação proporcional.

1975 - Novas reformas constitucionais promulgadas. Os poderes remanescentes do monarca são removidos, de modo que as suas funções se tornar puramente cerimonial.

Uma década de incerteza

1980 - Relações com a União Soviética se deteriorar quando submarinos soviéticos são suspeitos de se infiltrar em águas territoriais suecas.

1986 - Social-democrata primeiro-ministro Olof Palme, é assassinado por um atirador desconhecido em uma rua de Estocolmo. Suécia é mergulhado em estado de choque. Seu assassino continua foragido.

1990 - O Parlamento apoia a decisão do governo para se candidatar a membro da União Europeia.

1994 - Os suecos pouco apoiar a adesão à UE em referendo. Suécia aderir à UE em 1 de Janeiro de 1995.

1996 - o social-democrata Goeran Persson torna-se primeiro-ministro depois de seu colega de partido, Ingvar Carlsson desce.

1998 - Na sequência de uma eleição geral, Persson forma um governo de minoria, apoiado pelos ex-comunistas.

Julho de 2000 - Abertura oficial da nova ponte e túnel ligando Malmo, no sul da Suécia e da capital dinamarquesa Copenhague. A ligação rodoviária e ferroviária novo torna possível viajar entre os dois países, em apenas 15 minutos.

De setembro de 2002 - Depois das eleições, Goerran Persson continua em terceiro mandato consecutivo como primeiro-ministro no governo de minoria contando com o apoio do Partido de Esquerda e os Verdes.

Assassinato Lindh

Setembro de 2003 - Ministro dos Negócios Estrangeiros Anna Lindh morre de ferimentos a faca depois de ser atacado por um assaltante em uma loja de departamento de Estocolmo.

Votação do referendo vai contra a adesão à moeda única europeia.

Março de 2004 - O homem que confessou ter matado Anna Lindh por impulso é condenado por assassinato. Em dezembro, o Supremo Tribunal de Justiça confirma a prisão perpétua, derrubando uma decisão de que ele deveria ser enviado a um hospital psiquiátrico.

Março de 2006 - Ministro das Relações Exteriores Laila Freivalds renuncia em meio a polêmica sobre o envolvimento de seu ministério no fechamento do site que tinha sido devido a publicar charges retratando o profeta Maomé.

Setembro de 2006 - Uma aliança de centro-direita liderado pelo líder do Partido Moderado Fredrik Reinfeldt vence eleições parlamentares, encerrando 12 anos de governo social democrata.

Julho de 2007 - Reconhecido diretor de cinema sueco Ingmar Bergman morre aos 89 anos.

De novembro de 2008 - Suécia ratifica Lisboa da UE Tratado, o membro 24 para fazer isso.

De fevereiro de 2009 - O governo reverte uma política de 30 anos de abandono progressivo da energia nuclear, dizendo que novos reatores são necessários para combater a mudança climática e segurança de abastecimento.

De julho de 2009 - A Suécia assume presidência rotativa da União Europeia, com a promessa de combater as alterações climáticas e combater o desemprego crescente na Europa.

Aumento extrema direita

2010 Setembro - coalizão primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt, de centro-direita cai pouco menos do que uma maioria nas eleições parlamentares. O anti-imigração democratas suecos, tornar-se o primeiro partido mais à direita para ganhar assentos no Parlamento da Suécia.

2010 Outubro - PM Reinfeldt forma governo minoritário nova e ampla.

2010 Dezembro - Fundador do Wikileaks, Julian Assange, está preso na Grã-Bretanha depois da Suécia pede sua extradição.

Suécia sofre seu primeiro atentado suicida, realizado por 28-year-old iraquiano-nascido islâmico extremista Taimour Abdulwahab al-Abdaly. Dois transeuntes foram feridos.

2011 Março - Um homem de 30 anos, aparece em Glasgow Sheriff Court, na Escócia, sobre o atentado suicida de Estocolmo. Ezedden Khalid Ahmed Al Khaledi, descrito como um cidadão do Kuwait, enfrenta três acusações sob a Lei de Terrorismo do Reino Unido e outros cinco sob as leis de imigração e regulamentos bancários.

2011 Julho - Cirurgiões na Suécia realizar transplante do mundo primeiro órgão sintético depois de cientistas em Londres criar uma traqueia artificial revestido de células-tronco do paciente. Professor Paolo Macchiarini da Itália liderou a equipe de cirurgiões da Universidade Karolinska Hospital.

2011 Dezembro - suecos carro arquivos fabricante Saab declara falência depois de não conseguir atrair um comprador para a empresa em crise.

2012 Janeiro - oposição da Suécia Partido Social Democrata líder Haakan Juholt renuncia crescentes críticas seguinte e uma queda no apoio desde que assumiu o cargo em março do ano passado.

2012 Fevereiro - Princesa Victoria dá à luz a Princesa Estelle, que se torna o segundo na linha para o trono.

2012 Março - O ministro da Defesa Sten Tolgfors renuncia após críticas de segredo sobre os planos para construir uma fábrica de armas na Arábia Saudita.

Fonte: news.bbc.co.uk

Suécia

Suécia ocupa uma superfície de 449.964km2 na península escandinava, no extremo norte do continente europeu. Limita-se a oeste e noroeste com a Noruega, a nordeste com a Finlândia, a leste com o golfo de Bótnia, a sudeste com o mar Báltico e a sudoeste com o mar do Norte. No extremo sul, um estreito a separa da Dinamarca.

Geografia física

Geologia e relevo

A Suécia apresenta uma topografia de formas relativamente simples, que reflete uma estrutura geológica bastante uniforme. Todo o território sueco, com exceção da pequena península de Scania, é constituída de rochas muito antigas, da era paleozóica.

São granitos e gnaisses, formados há dois bilhões de anos ou mais, que integram o chamado escudo fino-escandinavo, que abrange toda a península escandinava. Já a Scania é formada de rochas calcárias originadas na era mesozóica, provavelmente no cretáceo.

As principais elevações encontradas na Suécia são as cadeias montanhosas que se erguem na fronteira com a Noruega.

São remanescentes de dobramentos caledonianos que sofreram processos erosivos e tomaram sua forma atual nos levantamentos alpinos da era cenozóica, posteriormente trabalhados pela erosão glacial.

Sentem-se os efeitos da glaciação em depósitos de morainas, vales em U, lagos glaciais e todas as demais formas típicas.

Do norte para o sul, a Suécia é tradicionalmente dividida em três regiões:

1) Norrland, a região das montanhas e florestas, onde estão os picos mais elevados, o monte Kebne ou Kebnekaise (2.111m) e o monte Sarek ou Sarektjåkkå (2.089m)

2) Svealand, uma zona de baixadas (no leste) e planaltos (no oeste), onde estão as maiores concentrações urbanas e a maioria dos lagos do país; e

3) Götaland, que abrange os planaltos modestos de Småland, zona de solos pobres e rochosos, e, no extremo sul, as ricas planícies de Scania, que, graças aos solos ricos formam a área agrícola mais povoada do país.

Clima

Cerca de 15% do território sueco está situado ao norte do círculo polar ártico e, até mesmo Estocolmo, no sul, tem noites curtas no verão e períodos igualmente curtos de luz solar no inverno.

A corrente quente do golfo ameniza as condições climáticas do território sueco. As baixas temperaturas de inverno conseguem congelar, porém, as águas do golfo de Bótnia.

A zona interior do norte do país recebe neve forte e apresenta temperaturas extremamente baixas, que podem chegar a -40°C, enquanto no sul os invernos variam mais de ano a ano e trazem temperaturas mais suaves (médias em janeiro de -5 a 0° C) e muito menos neve.

Os verões no sul e no centro tendem a ser ensolarados e amenos. A precipitação anual oscila entre 1.000mm, na costa ocidental do sul da Suécia, e 700mm, na costa oriental.

Hidrografia

Cerca de 90.000 lagos cobrem aproximadamente 8,6% do território sueco. O maior deles é o Vänern, alimentado pelo rio Klar-Göta; com 5.585km2, é o terceiro da Europa em superfície.

A rede hidrográfica notabiliza-se pelo volume de água e pela ocorrência de quedas d'água, intensamente aproveitadas na produção de energia elétrica. Os rios do norte do país atravessam florestas e deságuam no golfo de Bótnia, geralmente em grandes estuários.

O rio Torne-Muonio, que faz a fronteira com a Finlândia, tem 570km e é o maior rio totalmente sueco. Outros rios importantes são o Pite, o Skellefte, o Ume, o Vindel, o Angerman e o Indals. Os poucos rios meridionais têm curso breve.

Flora e fauna

A ampla variação de latitude e altitude determina diversificação na flora sueca.

Há quatro regiões vegetais bem definidas:

1) regiões alpinas, acima de 480m ao norte e de 900m ao sul, com espécies arbustivas e gramíneas

2) florestas de bétulas, que predominam ao norte, abaixo da faixa alpina

3) florestas de coníferas, que são as mais extensas e cobrem toda a área a nordeste do lago Vänern, do nível do mar até 900m de altitude; são entremeadas ao sul por carvalhos, freixos, bordos, olmeiros e outras árvores caducas; e

4) florestas de faias, restritas à região de Scania.

A lebre, o arminho, a doninha, o esquilo e a raposa são comuns em todo o país, além do alce, a caça mais importante. O urso é protegido, e, como o lobo e o lince, acha-se limitado às florestas do norte.

A rena selvagem está totalmente extinta, mas na Lapônia há grandes rebanhos domesticados. Os pássaros são abundantes, sobretudo no verão e na primavera; em toda a Suécia são muito comuns narcejas e tarambolas. Os rios e lagos são geralmente piscosos, com abundância de trutas, salmões e percas.

População

O povo sueco é etnicamente bastante homogêneo, com exceção da pequena minoria de lapões que habitam o extremo setentrional da Escandinávia. A língua oficial do país é o sueco, falado por toda a população.

O idioma pertence ao grupo germânico nórdico das línguas indo-européias. As províncias históricas têm seus próprios dialetos, que estão desaparecendo gradualmente, ante a influência dos meios de comunicação de massa.

A minoria lapônia de Norrland, cuja ocupação tradicional é o pastoreio de grandes manadas de renas, conserva seu idioma, da família fino-úgrica, assim como costumes próprios.

Cerca de noventa por cento da população pertence à Igreja Evangélica Luterana da Suécia. Os restantes são católicos, ortodoxos gregos ou muçulmanos.

O crescimento da população foi bastante moderado ao longo do século XX. Para isso contribuiu o aumento do nível de vida e a industrialização do país. O grupo etário com mais de 60 anos é maior do que o que tem menos de 15 anos, e a expectativa de vida é bastante elevada.

A maioria dos imigrantes provém de outros países nórdicos, com pequeno número de representantes da América Latina, Oriente Médio, Iugoslávia, Turquia e Grécia.

A região de Norrland é muito pouco povoada: a maioria de seus habitantes vive na costa do mar Báltico. Mais de oitenta por cento da população sueca é urbana.

As principais cidades do país são Estocolmo, a capital, às margens do Báltico; Göteborg, à margem do Kattegat; e Malmoe, perto da capital dinamarquesa, Copenhague.

Economia

A Suécia tem uma economia de mercado desenvolvida e amplamente baseada nos setores de serviços, indústria pesada e comércio internacional. O produto nacional bruto tem crescido mais rapidamente do que a população, e a renda per capita está entre as mais altas do mundo.

A maioria das empresas suecas é de propriedade privada. A Suécia também enfrentou problemas de competitividade que levaram suas indústrias a investir mais no exterior do que no próprio país.

A maioria das grandes indústrias suecas são transnacionais e algumas empregam mais pessoas no exterior do que na Suécia, onde os custos de produção são muito altos.

Agricultura, pecuária e pesca

A agricultura representa menos de quatro por cento do produto interno bruto e emprega um percentual equivalente de mão-de-obra.

As culturas mais importantes são trigo, cevada, aveia, batata e beterraba, e o rendimento agrícola sueco está entre os mais altos do mundo. A criação de gado (principalmente suíno e bovino) e a produção de leite é altamente desenvolvida.

A pesca é um setor pequeno da economia sueca. Por acordos internacionais, o país perdeu algumas de suas áreas pesqueiras tradicionais no mar do Norte.

Pesca-se arenque, bacalhau, linguado, cavalinha, salmão, camarão e lagosta. Göteborg é o principal porto e mercado pesqueiro.

Extrativismo vegetal

A madeira é uma das grandes riquezas da Suécia. As áreas florestais produtivas cobrem mais de dois terços do país e pelo menos metade dessas áreas pertence à iniciativa privada.

A exploração das florestas suecas está cuidadosamente regulamentada por lei. Além dos produtos tradicionais -- madeira, polpa e papel --, a extração vegetal interessa à produção de raiom, plásticos, tintas, resinas e terebintina.

Energia e mineração

O mais importante recurso mineral da Suécia é o minério de ferro, cujos maiores depósitos encontram-se nas áreas situadas ao norte do círculo polar ártico.

Existem também importantes jazidas de ouro, cobre, prata, chumbo e zinco. O governo controla em grande parte a produção de ferro e aço.

A Suécia não dispõe de grandes recursos de combustíveis fósseis e por isso precisa importar petróleo, gás natural, carvão e combustível nuclear enriquecido para alimentar as usinas nucleares. A energia hidrelétrica, contudo, é abundante, graças aos desníveis dos cursos de água em Norrland.

Indústria

Bem desenvolvida e diversificada, a indústria sueca é responsável por mais de um quinto do produto interno bruto e emprega mais de vinte por cento da mão-de-obra. Predominam indústrias pesadas, voltadas sobretudo para a produção de veículos, aviões, maquinaria, além de chapas de ferro e aço.

A indústria leve se concentra em produtos eletrônicos, equipamentos de telecomunicações, processamento de plásticos e metais e vidraria. Outras indústrias produzem equipamentos farmacêuticos e médicos, petroquímicos e alimentos processados.

Finanças e comércio

A maior parte dos bancos suecos são privados, assim como as importantes sociedades financeiras, que controlam grande parte das empresas industriais. O comércio exterior é vital para a economia sueca, já que as exportações são responsáveis por mais de um terço do produto nacional bruto.

A ênfase passou da exportação de produtos como polpa de madeira, serragem e aço para automóveis, equipamentos de telecomunicações e outros produtos acabados. Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Noruega, Finlândia e Dinamarca compram mais de metade dos produtos exportados pela Suécia.

Transportes

A Suécia tem uma rede ferroviária e rodoviária altamente desenvolvida e a maioria das famílias têm no mínimo um carro. Os aeroportos de Estocolmo, Göteborg e Malmoe operam vôos domésticos e internacionais.

Os portos de Göteborg e Estocolmo estão entre os mais importantes dos vinte portos que manipulam o comércio internacional.

História

Pré-história

Ao final do período glacial, por volta de 12.000 a.C., o Báltico era um lago de água doce, e uma faixa de terra unia a península escandinava ao continente.

Acredita-se que através dela realizaram-se as primeiras migrações humanas, atraídas pela caça abundante que procurava refúgio nas densas florestas de pinheiros que cobriam parte do atual território sueco. Os primeiros traços de vida humana na Suécia datam de 9000 a.C e foram encontrados perto de Malmoe, no extremo sul do país.

Entre 5000 e 3500 a.C., as águas salgadas do oceano transbordaram para o Báltico, o clima se amenizou, o carvalho substituiu o pinheiro e um primitivo núcleo de agricultores deixou vestígios de sua passagem por todo o sul do país.

Outras tribos ocuparam a região, e, por volta de 1500 a.C., estabeleceram-se relações comerciais entre a Suécia e a Europa continental. A expansão celta, cerca de mil anos depois, interrompeu esse intercâmbio.

A cultura da idade do ferro durou de aproximadamente 400 a.C. ao ano 400 da era cristã, período em que desenvolveu-se o comércio com o Império Romano.

O historiador romano Tácito fez a primeira descrição do povo germânico que vivia na região centro-oriental da Suécia.

Expansão sueca e unidade nacional

Os mais antigos textos assinalam a presença de uma monarquia sacerdotal sueca, com centro em Uppsala, na região de Uppland. Mais ao sul, os godos ocupavam a Gotlândia oriental (Östergötland) e a Gotlândia ocidental (Västergötland). Em data incerta, entre os séculos VI e IX, o reino sueco de Uppsala gradativamente subjugou as áreas godas adjacentes.

Durante o período viquingue, iniciado por volta do ano 800, os suecos penetraram a região báltica, a Finlândia e o norte da Rússia e controlaram o curso dos rios Dnieper e Volga, importantes rotas comerciais com Bizâncio e o Oriente Médio.

A Suécia foi cristianizada por missões inglesas e alemãs no século XI, embora a resistência tenaz dos proprietários rurais e viquingues retardasse o desenvolvimento da igreja.

A nova religião firmou-se inicialmente na área do Västergötland, onde foi batizado o rei Olaf Skötkonung. Seus descendentes, depois de convertidos, enfrentaram os partidários do culto local, centralizado em Uppsala. Quando esse importante núcleo cultural e político tornou-se arcebispado em 1164, ficou assegurado o triunfo da igreja.

Nessa época, porém, a Suécia ainda era uma frágil federação de províncias, e a monarquia via-se periodicamente sacudida por conflitos entre dinastias rivais e por outros choques entre a coroa e a nobreza fundiária.

Durante os dois primeiros séculos de cristianismo, surgiram duas dinastias, uma fundada pelo rei Sverker e outra pelo rei Erik, mais tarde santo Erik, patrono da Suécia. A despeito de conflitos internos, os suecos expandiram-se para o leste, pelas rotas exploradas pelos viquingues, em cruzadas contra finlandeses, estonianos e russos.

Em meados do século XIII, as guerras civis chegavam ao fim. A mais importante figura sueca desse período foi Birger Jarl, da dinastia Folkung, que transformou a Suécia num estado tão forte quanto seus vizinhos e fixou a capital em Estocolmo. Sucedeu-lhe o filho Magnus Ladulås e, mais tarde, Birger Magnusson.

Em 1319, Magnus II Eriksson ascendeu ao trono e herdou também a coroa da Noruega, unindo os dois reinos. Os anos de paz que se seguiram marcaram uma época de progresso econômico e cultural.

A fronteira com os russos fixou-se em 1323. Nos últimos anos de seu reino, porém, Magnus II Eriksson empenhou-se em guerras malsucedidas contra a Rússia e a Dinamarca, e adotou uma política fiscal contrária aos interesses do clero e da nobreza.

O rei da Dinamarca, Valdemar IV, aproveitou-se do descontentamento que reinava entre os suecos para, em 1360, retomar os territórios cedidos a eles e ocupar a região da Gotlândia.

A paz entre os dois países foi selada três anos depois pelo casamento de Haakon, filho de Magnus II Eriksson, com Margarida, filha e herdeira de Valdemar IV.

Preocupados com os problemas que a sucessão de Haakon suscitaria, a nobreza sueca revoltou-se e proclamou rei a Alberto de Mecklenburg. Após a morte do rei Valdemar e de Haakon, os líderes da aristocracia entraram em acordo com Margarida, que se tornou regente da Dinamarca, da Noruega e também da Suécia, após a deposição de Alberto.

União escandinava

Em 1397 a rainha Margarida I estabeleceu a União de Kalmar, confederação dos três grandes reinos nórdicos -- Suécia, Noruega e Dinamarca -- e designou como seu sucessor Erik da Pomerânia, que tentou fundi-los numa monarquia absoluta. Uma revolta popular, dirigida mais contra o absolutismo real do que contra a união escandinava, pôs fim ao reinado de Erik em 1439.

O Conselho de Estado tomou o poder, que manteve mesmo após a eleição de Cristóvão da Baviera. A participação do povo nas lutas de independência obrigou a sua inclusão no Parlamento, ao lado dos nobres, do clero e da burguesia. Durante o final do século XV e início do XVI, os governantes suecos e dinamarqueses disputaram o controle da união escandinava.

Dinastia Vasa

Coroado em 1520, Cristiano II da Dinamarca ordenou em novembro do mesmo ano o chamado "banho de sangue de Estocolmo", um verdadeiro massacre dos líderes da oposição local.

Três anos mais tarde, o filho de uma das vítimas da matança, Gustavo Vasa, à frente de um exército de mineiros e camponeses, proclamou a independência sueca, expulsou dinamarqueses e noruegueses do país e foi coroado rei.

Seu reinado, que durou quase quatro décadas, deu origem ao estado sueco moderno. Seus descendentes mantiveram a dinastia durante cerca de 250 anos, quase sem interrupção.

Gustavo I criou um governo central forte, apoiado por eficientes forças terrestres e navais, promoveu o comércio exterior, a agricultura, a mineração e o comércio interno. Também fundou a igreja nacional sueca, após desapropriar os bens da Igreja Católica. Aceitando as doutrinas de Lutero e desafiando a autoridade papal, Gustavo I tornou a Suécia o primeiro país a romper relações com Roma.

Em 1560, com a morte de Gustavo I, a monarquia sueca, transformada de eletiva em hereditária, estava consolidada. A coroa foi transmitida a Erik XIV, seu filho mais velho. Em 1568, porém, João, irmão de Erik, uniu-se a outro irmão, Carlos, depôs o rei sueco e subiu ao trono como João III.

Casado com uma irmã do rei polonês, João III tentou aproximar-se do catolicismo, apesar da oposição do povo sueco. Seu filho Sigismundo, católico fervoroso, herdou em 1587 o trono polonês.

Ao ascender mais tarde ao tronco sueco, tentou estabelecer também o catolicismo no país, o que desencadeou uma revolta que levou ao trono seu tio, Carlos IX, em 1599.

Gustavo II Adolfo, filho de Carlos IX, foi um dos soberanos mais capazes da história da Suécia. Herdou o trono, quando o país engajava-se em campanhas militares contra a Polônia, a Dinamarca e a Rússia.

Com a ajuda do chanceler Axel Oxenstierna, Gustavo II pôde executar uma série de medidas notáveis, que fizeram de seu reinado uma das grandes épocas da história sueca e graças às quais o país se elevou à condição de grande potência.

Seus esforços conduziram ao fim da guerra com a Dinamarca (1613) e a Rússia (1617). O armistício com a Polônia (1629) também favoreceu a Suécia.

À época de sua morte, na batalha de Lützen, em novembro de 1632, a Suécia já dominava quase toda a costa do mar Báltico. Sua filha Cristina sucedeu-lhe no trono aos seis anos de idade. O chanceler Axel Oxenstierna chefiou o Conselho de Regência até a maioridade da rainha.

A paz de Vestfália, concluída durante o reinado de Cristina, em 1648, pôs fim à guerra dos trinta anos e consagrou a hegemonia sueca naquele mar. Convertida ao catolicismo, Cristina abdicou em 1654, em favor de seu primo Carlos Gustavo, que reinou sob o título de Carlos X.

Na guerra contra os dinamarqueses, durante seu reinado, a Suécia conquistou Scania, Blekinge, Halland e Bohuslän, com o que estabeleceu suas atuais fronteiras naturais. Sucedeu-lhe, em 1660, seu filho Carlos XI.

Durante a menoridade deste, o poder foi exercido por uma regência, que fundou o Banco da Suécia e a Universidade de Lund, em 1668. Entre 1675 e 1679, a Suécia voltou a entrar em guerra com a Dinamarca e a Noruega, que haviam invadido a região de Scania.

Durante o reinado de Carlos XI, assistiu-se ao florescimento das artes, ao desenvolvimento de Estocolmo e à plena incorporação das províncias dinamarquesas e norueguesas à Suécia.

A morte do rei, em 1697, levou ao trono sueco seu filho Carlos XII, cujo reinado foi marcado pelos resultados catastróficos de sua derrota na grande guerra nórdica (1700-1721), contra a Dinamarca, a Polônia e a Rússia.

Depois de perder a batalha decisiva em Poltava (1709), o rei fugiu para a Turquia. Retornou cinco anos depois, acompanhado por um único soldado. Ao tentar invadir a Noruega, depois de reorganizar suas forças, morreu em 1718.

Monarquia constitucional

Com a morte de Carlos XII, subiu ao trono da Suécia sua irmã, Ulrika Eleonora. As forças constitucionalistas no Exército e na administração, cuja influência crescera depois da derrota sueca frente à Rússia, forçaram-na a aceitar a condição de rainha eleita e jurar obediência a uma constituição que seria elaborada pelo Parlamento.

Coroada em 1719, Ulrika Eleonora, de temperamento autoritário, não se ajustou às novas condições políticas do país e abdicou, em 1720, em favor do marido, Frederico de Hessen-Kassel.

O novo reinado iniciou-se com a assinatura em 1721, da paz de Nystad, que cedia à Rússia a Íngria, a Estônia, a Livônia e parte do sudeste finlandês.

No Parlamento formaram-se dois partidos, o dos "chapéus" (alusão ao formato dos quepes militares), decididos a recuperar pela força os territórios perdidos, e o dos "gorros" (alusão aos barretes de dormir), favoráveis a uma política pacífica.

Os "gorros" dominaram o governo de 1738 a 1765 e, na tentativa de anular as conseqüências do Tratado de Nystad, foram novamente derrotados pela Rússia, que ocupou a totalidade da Finlândia em 1742.

O problema sucessório que se criou após a morte de Ulrika Eleonora, sem herdeiros diretos, permitiu à Suécia negociar a devolução da Finlândia em troca da designação do candidato da Rússia, Adolfo Frederico de Holstein-Gottorp, como herdeiro presuntivo.

Adolfo Frederico subiu ao trono em 1751, em virtude da morte de Frederico I. Dominado por sua mulher Luísa Ulrika -- irmã de Frederico o Grande da Prússia --, o rei tentou sem êxito, mediante um golpe de estado, recuperar o poder real. O resultado da malograda tentativa foi o completo afastamento da família real do sistema de governo.

Gustavo III, filho de Adolfo Frederico, liderou uma revolta popular, em 1772, que conseguiu recuperar o prestígio da coroa. Com o auxílio de Maria Antonieta, da França, repeliu os russos e venceu-os na batalha de Svensksund, em 1790.

A guerra deixou como resíduo uma situação de instabilidade interna, agravada por considerável desgaste financeiro. A dissensão interna atingiu então seu auge, o que resultou numa conspiração contra o rei, que foi assassinado em 1792 por um oficial do Exército.

Com 13 anos de idade, subiu ao trono Gustavo IV, sob a regência de seu tio Carlos, duque de Södermanland. Quatro anos depois, em 1796, Gustavo IV assumiu o governo.

Uniu-se então a uma coalizão da Inglaterra, da Rússia e da Áustria, contra a França, com o que terminou por perder as últimas possessões suecas na Alemanha. Pelo Tratado de Tilsit (1807), Napoleão e Alexandre I da Rússia concordaram em atacar a Suécia se ela não declarasse guerra à Inglaterra.

Ante a recusa de Gustavo IV, a Finlândia foi invadida. Em março de 1809 o rei foi deposto. O Parlamento reformou a constituição para limitar os poderes do trono e elegeu rei o então regente Carlos, sob o título de Carlos XIII, que reinou até 1818.

Dinastia Bernadotte

Carlos XIII morreu sem deixar descendentes. A escolha do novo soberano recaiu portanto sobre um dos marechais de Napoleão, Jean Bernadotte, eleito príncipe da coroa em 1810. Ao invés de atacar a Rússia e recuperar a Finlândia, como se esperava, o herdeiro designado aliou-se aos inimigos de Napoleão e atacou a Dinamarca.

Como compensação pela perda da Finlândia, exigiu a Noruega. Os dinamarqueses renderam-se, mas os noruegueses, após declararem sua independência, escolheram como rei um príncipe dinamarquês, Cristiano Frederico.

Ante a ameaça militar de Bernadotte, Frederico renunciou ao trono e endossou a união com a Suécia, ratificada em 1815. Foi essa a última guerra de que a Suécia participou. Posteriormente, em 1818, Bernadotte ascendeu ao trono como Carlos XIV João e fundou a atual casa da Suécia. Depois de um reinado pacífico, foi sucedido em 1844 por seu filho Oscar I, que deu prosseguimento à política de paz e progresso interno.

Seguiram-se Carlos XV e seu irmão Oscar II, em cujo reinado se deu a dissolução da união com a Noruega, em 1905, e se consolidaram no Parlamento os três partidos chaves da vida política sueca durante o século XX: o Conservador, o Liberal e o Social Democrático.

Século XX. Coroado em 1907, Gustavo V teve o reinado mais longo da história sueca: 43 anos. Durante a primeira guerra mundial, o país manteve sua neutralidade, mas o comércio exterior foi seriamente afetado, o que causou graves problemas de abastecimento.

Até 1917, conservadores e liberais alternavam-se no governo. O período entre guerras foi marcado, contudo, pela ascensão do Partido Social Democrático, que empreendeu uma ampla política para combater a crise econômica da década de 1930.

Por ocasião da eclosão da segunda guerra mundial, o governo social-democrata, liderado pelo primeiro-ministro Per Albin Hansson (que se elegeria para o cargo outras três vezes), fortaleceu a defesa e proclamou a neutralidade do país.

A guerra russo-finlandesa levou à formação de um governo de coalizão, com representantes de todos os partidos. A invasão nazista da Dinamarca e da Noruega isolou do Ocidente a Suécia, que, muito fraca militarmente, foi obrigada a fazer várias concessões à Alemanha, sobretudo quanto ao trânsito de tropas e armas.

Terminado o conflito em 1945, os social-democratas voltaram a governar isoladamente. No ano seguinte, a Suécia tornou-se membro das Nações Unidas e, com a morte de Hansson, Tage Fritiof Erlander tornou-se primeiro-ministro.

O período 1946-1950 assinalou amplas reformas no campo da previdência e da assistência social, assim como na expansão das universidades e de todo o ensino superior. Em 1950, ascendeu ao trono o rei Gustavo VI.

As conquistas sociais foram ampliadas em 1959, com a lei que garantia pensão compulsória a todos os trabalhadores, e que os conservadores viam como uma ameaça de completa socialização do país.

Uma nova reforma eleitoral, em 1968, estabeleceu o sistema unicameral a ser adotado em 1971. O último Parlamento bicameral, eleito em 1968, consolidou a supremacia dos social-democratas.

No ano seguinte, a Suécia mudou de chefe de governo pela primeira vez desde 1946: o primeiro-ministro Tage Erlander renunciou e foi substituído por Olof Palme. A partir de então os social-democratas não obtiveram mais a maioria nas eleições, mas sempre formaram o governo com o apoio dos comunistas.

Em 1973, morreu o rei Gustavo VI Adolfo, o último a deter de fato o poder político, antes da reforma constitucional de 1971. Sucedeu-lhe seu filho, Carlos XVI Gustavo.

Nas eleições de 1976 o governo social-democrata foi derrotado. Formou-se uma coalizão de centristas, liberais e conservadores, e o líder do partido do centro, Thorbjörn Fälldin, assumiu o cargo de primeiro-ministro, pondo fim a 44 anos de domínio ininterrupto da social-democracia no país.

Fälldin renunciou em outubro de 1978, em virtude de um impasse criado em torno do principal ponto de seu programa de governo:o uso da energia nuclear para gerar eletricidade. Para substituí-lo foi escolhido outro representante da mesma coalizão, o liberal Ola Ullsten.

Após as eleições gerais de 1979, Fälldin voltou a formar gabinete, apoiado numa coalizão de centristas, moderados e liberais. Dois anos depois, o Partido Moderado se retirou, e Fälldin formou novo governo.

Os social-democratas triunfaram no pleito de 1982 e voltaram ao poder. Seu líder, Olof Palme, realizou, como chefe de governo, uma política de rigorosa contenção de despesas e, no plano externo, enfrentou problemas nas relações com a União Soviética, acusada de realizar manobras submarinas em águas suecas.

Os social-democratas foram confirmados no poder nas eleições de 1985, mas tiveram que se aliar aos comunistas para conquistar a maioria parlamentar. Em fevereiro de 1986, Palme foi baleado por um desconhecido em Estocolmo e morreu pouco depois.

O vice-primeiro-ministro, Ingvar Gösta Carlsson, assumiu o poder. Quatro anos depois, depois que os comunistas e o Partido Verde recusaram-se a apoiar as medidas de austeridade propostas pelo governo para conter a inflação, Carlsson renunciou, mas depois de preparar um conjunto de medidas mais moderado, formou novo governo.

Nas eleições gerais de 1991, porém, os social-democratas saíram derrotados e foram substituídos no governo por uma coalizão de quatro partidos não-socialistas, encabeçada pelo líder do Partido Moderado, Carl Bildt.

As primeiras medidas econômicas do novo primeiro-ministro destinaram-se a fortalecer a economia de mercado e reduzir os gastos do governo, com a finalidade de tirar o país da recessão. No mesmo ano, iniciaram-se as negociações para a admissão do país na União Européia.

Nas eleições gerais de setembro de 1994, os social-democratas voltaram ao poder, com Ingvar Carlsson como primeiro-ministro. Dois meses depois, os suecos aprovaram, em plebiscito, o ingresso do país na União Européia, programado para 1º de janeiro de 1995.

A decisão pôs fim a um longo período de distanciamento do país com relação ao continente europeu, em que se manteve uma política de neutralidade e de defesa dos países do Terceiro Mundo.

Instituições políticas

A Suécia é uma monarquia constitucional e hereditária, com forma parlamentar de governo. Sua constituição data de 1809 e foi revista em 1975. O monarca é o chefe de estado, mas não exerce poder político. Suas responsabilidades são apenas cerimoniais.

O poder legislativo é exercido pelo Parlamento unicameral (Riksdag), cujos membros são eleitos por voto direto para um mandato de três anos. O poder executivo é exercido pelo gabinete, sob a liderança do primeiro-ministro, que é escolhido de acordo com sua capacidade de controlar a maioria votante no Riksdag. O partido político mais importante do país, o Social Democrático, está aliado aos sindicatos.

O sistema judicial consta de três níveis e é presidido pela Corte Suprema. O código civil sueco apresenta grande semelhança com os da Noruega e da Dinamarca.

A figura do ombudsman (defensor do povo) é uma instituição originalmente sueca e tem sido imitada por muitos países, como o Reino Unido e a Espanha. Sua principal tarefa é controlar os possíveis excessos da administração e garantir o respeito aos direitos dos cidadãos.

A Suécia é um estado unitário dividido em 24 län (condados), à frente de cada um dos quais há um governador nomeado pelo executivo. Em cada län há também um conselho eletivo, assim como em cada um dos 284 municípios do país. Parte dos serviços de saúde e bem-estar social são controlados pelos län e municípios. Estes últimos administram também o ensino primário.

Sociedade

A imagem da Suécia no exterior é a de um estado moderno que promove o bem-estar de seus cidadãos, mediante políticas quase socialistas destinadas a garantir segurança ao povo e uma distribuição igualitária da renda.

O país montou uma das mais abrangentes redes de serviço social do mundo, financiada também por um dos mais altos impostos de renda. O sistema de seguridade social oferece benefícios bastante abrangentes.

Praticamente toda a população sueca é alfabetizada. Público e gratuito, o sistema de ensino é obrigatório entre os 6 e os 15 anos. A educação de adultos é uma importante característica do sistema educacional sueco. Pelo menos metade da população adulta está matriculada em algum curso de extensão. Das 13 grandes universidades suecas, as mais importantes são as de Uppsala, Estocolmo e Göteborg.

As condições de saúde na Suécia são boas se comparadas às de outros países. A mortalidade infantil é baixa e a expectativa de vida ao nascer, alta. O número de médicos disponíveis para atender a população também é elevado.

Todas as comunidades dispõem de centros de atendimento médico primário. Para atendimento altamente especializado, o país divide-se em seis grandes regiões, cada uma das quais tem no mínimo um grande hospital com vários especialistas e está ligado a uma escola médica para pesquisa e ensino.

Cultura

O nível educacional e cultural dos cidadãos suecos é muito alto. Numerosas instituições culturais, como a Ópera Real Sueca de Estocolmo, a Academia Sueca, a Real Academia de Letras, História e Antiguidades, a Biblioteca Real e a Real Academia Sueca de Ciências, foram fundadas na capital, no século XVIII.

A Fundação Nobel, criada pelo químico e industrial sueco Alfred Nobel, organiza anualmente a cerimônia de concessão do Prêmio Nobel a nomes da ciência, da literatura e da política. Os químicos e físicos laureados são escolhidos pela Real Academia Sueca de Ciências, enquanto a indicação para o prêmio de literatura é feita pela Academia Sueca.

Literatura

O primeiro nome da literatura sueca aclamado internacionalmente foi o de August Strindberg. No início do século XX a romancista Selma Lagerlöf tornou-se a primeira escritora do país a ganhar o Prêmio Nobel de literatura. Muitos outros autores contemporâneos, porém, mereceram reconhecimento internacional.

Podem ser citados entre eles Hjalmar Bergman, romancista e dramaturgo de tendência introspectiva; Pär Lagerkvist, ganhador do Prêmio Nobel de 1951; Carl Artur Vilhelm Moberg, romancista de tendência socialista; e, na poesia, o escritor proletário Harry Edmund Martinson.

Artes. Inspirada no nacionalismo romântico do final do século XIX, a arte moderna sueca produziu pintores como Carl Larsson, Bruno Liljefors e Anders Leonard Zorn. Carl Milles, que dominou a escultura monumental na década de 1920, é igualmente famoso no exterior.

Na Feira Mundial de Paris, em 1925, estabeleceu-se uma importante conexão entre a indústria sueca e os designers, que revolucionou o desenho industrial. Criou-se a partir de então um estilo cujas principais características são a funcionalidade e a seriedade aliada a uma extrema elegância de linhas.

O cinema sueco, apesar de sua produção reduzida em termos quantitativos, apresenta uma longa tradição e é uma das mais importantes da Europa. O cineasta Ingmar Bergman é um dos maiores nomes do cinema mundial.

Fonte: www.geocities.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal