Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Thomas Edison - Página 2  Voltar

Thomas Alva Edison

Inventor norte-americano

Thomas Alva Edison
11/02/1847, Milan, Ohio (EUA
18/10/1931, West Orange, Nova Jersey (EUA)

Thomas Alva Edison
A lâmpada elétrica é a invenção mais célebre de Thomas Edison

John Krusei, chefe das oficinas do laboratório de Menlo Park, em 1877, apostou com seu chefe uma caixa de charutos que aquilo não funcionaria. Para ele, Thomas Alva Edison só podia estar brincando quando disse que o tubo metálico com uma espécie de funil serviria para repetir quaisquer palavras ditas nele. Para provar, Edison girou o cilindro e cantou dentro do funil: "Maria tinha um carneirinho." A sua voz fez vibrar a membrana de pergaminho. Essa vibração comandou uma agulha que ia sulcando a superfície macia do estanho.

Em seguida, posto novamente para funcionar, o sulco do estanho vibrou a agulha e esta acionou a membrana de pergaminho que devolveu pelo funil: "Maria tinha um carneirinho." Assim, o ditafone recém-inventado deu a Edison uma caixa de charutos e outra patente. Ele registrou 1.093 delas, mas a maioria não era original, e sim, melhorias. Edison foi criticado por não compartilhar os seus créditos com os empregados.

O irlandês Samuel Edison, militante pela independência do Canadá, teve de fugir com a mulher, Nancy Elliot. Foi para a cidade de Milan, Ohio, onde nasceu Thomas a 11 de março de 1847. Na juventude, sem dinheiro, a inteligência ajudava Edison a arrumar e a perder empregos, pois não se conformava com a rotina. Queria inovar.

Durante o tempo passado como operador de telégrafo, ele criou um aparelho registrador de números e letras para mensagens telegráficas. Assim não teria de ouvir os sinais em código morse o tempo todo. Foi demitido, acusado de preguiça. Em 1869, vendeu o teletipo na Bolsa de Valores de Nova York por 40 mil dólares e os especuladores puderam ler as cotações mais rapidamente. Nas décadas seguintes, desenvolveu um meio de enviar duas e, depois, quatro mensagens simultâneas num mesmo cabo.

Da noite para o dia, ficou rico e abriu um laboratório de pesquisas que se tornou um precursor da tecnologia do século 20. Ao mesmo tempo, seu exemplo de empreendedor legou uma grande influência cultural sobre a nação. Sua maior invenção, porém, foi próprio laboratório criativo, onde uma coisa leva à outra. Ele acreditava que a experiência de lentas reelaborações da idéia e do aparelho sempre conduzia a resultados práticos decisivos.

O próprio Edison ficou admirado com fonógrafo. Por dez anos, o aparelho ficou de lado porque muita gente suspeitava da presença de algum ventríloquo escondido. Gradualmente, foram surgindo o gramofone e o disco sulcado que revolucionou a música. E esse desenvolvimento ajudou a orientar o aperfeiçoamento do telefone.

Em 1876, Menlo Park era uma cidade industrial, com oficinas, laboratórios e técnicos capacitados. Edison chegou a propor a meta de produzir uma novidade a cada dez dias. Por quatro anos, conseguiu uma criação a cada cinco dias.

Outros pesquisadores já haviam tentado, mas, em 1878, aos 31 anos, Edison decidiu obter luz a partir da energia elétrica. No ano seguinte, sua lâmpada brilhou por 48 horas contínuas e, nas festas do final de ano, uma rua inteira foi iluminada para demonstração pública. .

Fonte: educacao.uol.com.br

Thomas Alva Edison

Thomas Alva Edison
Thomas Alva Edison

1847 - 1931

Inventor norte-americano nascido em Milan, Ohio, que registrou 1.

093 patentes de inventos, sendo o mais conhecido o da lâmpada incandescente.

Filho de um operário de ferro-velho foi alfabetizado pela mãe.

Aos 12 anos foi trabalhar como vendedor de jornais, foi vendedor de livros e telegrafista numa ferrovia e, durante a Guerra de Secessão, instalou uma impressora num vagão de trem e fundou seu próprio semanário, The Weekly Herald, onde foi redator, impressor e vendedor.

Desde criança demonstrou curiosidade e poder de observação e com a mudança da família (1854) para uma casa espaçosa em Port Huron, Michigan, instalou no sótão um laboratório de química, onde durante dias inteiros realizava experiências científicas.

Ali começou a fabricação de aparelhos de utilidade prática, como telégrafos rudimentares.

Seu primeiro invento patenteado foi um contador automático de votos (1868).

Dois anos depois (1870) fundou em Newark, Nova Jersey, sua própria empresa, especializada na fabricação de um aparelho que transmitia telegraficamente as cotações da bolsa, o qual logo lhe proporcionou grandes ganhos.

Mudou-se para Menlo Park, perto de Nova York (1872), onde iniciou uma intensa pesquisa em diferentes áreas tecnológicas.

Nos anos seguintes patenteou diversos outros inventos, como um dispositivo para agilizar transmissões telegráficas, uma pena elétrica que simplificava a duplicação em mimeógrafo, e o microfone de carvão, que permitiu as transmissões telefônicas, o aerofone, um aparelho de ar comprimido, uma espécie de trombeta que aumenta o volume da voz humana e a tornava audível a grande distância, o regulador de corrente para máquina elétrica, o aparelho de alto vácuo e o medidor elétrico.

Inventou o microfone (1877), o fonógrafo (1878) e a lâmpada incandescente (1879), com filamento de carvão muito fino, mantido no interior de um bulbo de vidro submetido a vácuo, e, simultaneamente com o inglês Swan, construiu a primeira lâmpada elétrica industrializável (1880).

Projetou e construiu a primeira usina hidrelétrica (1881-1882).

Patenteou a chamada válvula de Edison (1883), precursora da válvula de rádio, formada por uma lâmpada incandescente com uma placa metálica no interior, em volta do filamento.

Descobriu o efeito termiônico - a formação de uma corrente elétrica fraca entre um filamento aquecido e uma placa metálica no vácuo parcial (1883), base para construção das válvulas, a primeira válvula eletrônica (1834).

Associou-se, então, com Joseph Wilson Swan (1887) para produzir as lâmpadas Ediswan.

Fundou a Edison General Eletric (1888), empresa que se transformou num dos maiores fabricantes multinacionais de lâmpadas e equipamentos elétricos leves e pesados.

Inventou o cinetoscópio (1891).

Durante a primeira guerra mundial, trabalhou para o governo, introduziu diversos melhoramentos em navios e embarcações pequenas e aperfeiçoou métodos de produção de substâncias químicas.

Foi eleito membro da Academia Nacional de Ciências (1927), quando já havia registrado mais de mil invenções e morreu em 18 de outubro (1931) em West Orange, Estados Unidos.

Denomina-se efeito Edison a emissão de elétrons e conseqüente aparecimento de corrente do filamento para a placa.

Fonte: www.dec.ufcg.edu.br

Thomas Alva Edison

Thomas Edison
Thomas Edison

Inventor norte-americano (1847-1931). Fez três invenções que mudaram a humanidade: a lâmpada, o fon[ografo e a animação de imagens.

Conhecido antigamente como "o feiticeiro", ele não fez apenas uma, mas três invenções importantes, que se tornaram essenciais à vida cotidiana: o fonógrafo, a lâmpada elétrica e a animação de imagens.

Nascido em Milan, Ohio, em 11 de fevereiro de 1847, Edison foi educado em casa por sua mãe, Nancy Elliot Edison, professora do que hoje corresponderia ao ensino médio. Em 1863, ele se tornou telegrafista. Primeiro, na ferrovia Grand Trunk e depois em diversas outras empresas. Embora Thomas tenha criado uma série de dispositivos para melhorar a telegrafia, suas primeiras patentes, em 1869, foram para o registrador elétrico de votos e para o stockticker (um aparelho telegráfico usado para informar as cotações da bolsa de valores). Após vender essa última patente por inacreditáveis 40 mil dólares, ele usou o dinheiro para equipar um laboratório em Menlo Park, Nova Jérsei.

O fonógrafo foi um dos primeiros projetos de Edison. Em agosto de 1877, ele exibiu um cilindro envolvido numa folha fina de metal. E, em 6 de dezembro, fez uma gravação de si mesmo recitando "Maria Tinha um Cordeirinho" que existe até hoje. Seu primeiro fonógrafo, chamado por ele de "máquina falante", era movido por uma manivela, mas o ritmo do som era tão inconstante que, em 1878, ele construiu um outro aparelho com motor elétrico. Em 1886, ele desenvolveu um modelo melhorado de fonógrafo em parceria com Charles Summer Tainter (1854-1940) e Chichester Bell, primo de Alexander Graham Bell, o inventor do telefone e das gravações em cera do fonógrafo de Edison.

A lâmpada elétrica, na verdade, foi inventada simultaneamente em 1879 por Edison nos Estados Unidos e por Joseph Wilson Swan (1828-1914) na Inglaterra. O problema a ser resolvido era o de um condutor ou filamento adequado e inseri-lo num contêiner, ou bulbo, sem oxigênio pois a presença do oxigênio faria com que o filamento se queimasse. Embora Swan tenha sido o primeiro a construir uma lâmpada elétrica, ele teve dificuldade em manter o vácuo em seu bulbo.

Edison superou esse obstáculo e, 21 de outubro de 1879, acendeu uma lâmpada com um filamento de carbono que continuou a brilhar por 40 horas. No final da década de 1880, ele havia criado um bulbo de watts que poderia durar por 1500 horas seguidas e começou a fazer o marketing de sua nova invenção.

A invenção da animação de imagens foi um processo muito mais complexo, que envolveu diversas outras novidades para época, como a fonografia e a gravação sonora. O ponto-chave em que se baseia o processo de animação de imagens surgiu com a descoberta de que, quando uma série de imagens sucessivas e próximas umas das outras, como a de uma criança pulando corda ou a de um cavalo trotando, é vista rapidamente e em seqüência, o observador tem a ilusão do movimento. Esse fenômeno, conhecido como persistência da visão, foi compreendido pela primeira vez por Leonardo da Vinci.

No século XIX, os inventores produziram diversos dispositivos manuais nos quais as imagens posicionadas numa roda ou num disco giratório pareciam se mover. Em comum, os mecanismos usavam imagens pintadas numa superfície opaca, para serem vistas diretamente. O passo seguinte na evolução desse processo se deu em 1889, quando Edison, nos Estados Unidos, e William Friese-Greene (1855-1921), na Inglaterra, decidiram imprimir imagens múltiplas num material transparente, de forma que pudessem ser projetadas. Edison adaptou o método para usar em seu cinetógrafo, a primeira câmera especificamente projetada para filmar imagens animadas, e no cinetoscópio, o primeiro projetor de imagens animadas. Ambos foram patenteados em 1891 e, dois anos depois, em 1893, o cinetoscópio foi lançado em Nova Jérsei como instrumento para ser usado em apresentações visuais. Como Edison deixou de patentear suas invenções no exterior, dois irmãos franceses chamados Auguste (1862-1954) e Louis (1864-1948) Lumière construíram o que era uma versão melhorada do cinetógrafo, que eles chamaram de cinematógrafo. Embora Edison tenha construído um estúdio de cinema em Nova Jérsei em 1893, seu antigo sócio William Dickson fundou a American Biograph, a primeira empresa de produção de filmes animados.

Em 1887, Edison abriu sua Fábrica de Invenções, em West Orange, Nova Jérsei, onde empregou 1.200 funcionários. Lá, foram criadas dezenas de outras invenções importantes, como o telégrafo automático e a bateria de armazenamento.

Referências bibliográficas

YENNE, Bill. 100 homens que mudaram a história do mundo. São Paulo, Ediouro, 2002.

Fonte: www.meusestudos.com

Thomas Alva Edison

Thomas Alva Edison
Thomas Alva Edison

11/3/1847
18/10/1931

Thomas Alva Edison nasceu em Milan, Ohio em 1847.

Na escola era mau aluno, pouco assíduo e desinteressado.

Quando começou a se interessar pela mecânica, também surgiu um profundo desejo de independência.

Saiu da escola e foi alfabetizado pela mãe.

Engenhoso, mesmo com pouca idade, Edison limitou-se a educação formal mas era um inveterado leitor, especialmente por livros de ciência.

Aos 12 anos vendia jornais, livros e foi telegrafista numa ferrovia.

Durante a Guerra de Secessão, instalou uma impressora num vagão de trem e fundou seu próprio semanário, The Weekly Herald, onde foi redator, impressor e vendedor.

Tornou-se operador de telégrafo com 16 anos e até a idade de 22 anos tinha mudado para a Cidade de Nova York onde começou a inventar melhorias para a máquina de fita de papel perfurado, um aparelho de mapeamento de estoque que utilizava a tecnologia de telégrafo.

Aos 31 anos, propôs a si mesmo o desafio de obter luz a partir da energia elétrica.

Edison tentou inicialmente utilizar filamentos metálicos.

Foram necessários enormes investimentos e milhares de tentativas para descobrir o filamento ideal: um fio de algodão parcialmente carbonizado.

Instalou o fio num bulbo de vidro com vácuo, que se aquecia com a passagem da corrente elétrica até ficar incandescente, mas sem que derretesse ou queimasse.

Em 1879, uma lâmpada construída dessa forma brilhou por 48 horas contínuas.

Nas comemorações do final de ano, uma rua inteira, próxima ao laboratório de Edison, foi iluminada para demonstração pública.

Apenas dois anos depois, constrói a primeira estação geradora de eletricidade produtora de corrente contínua.

Ficava em Nova York e era movida a carvão.

A estação conseguiu acender 7200 lâmpadas por vez e iluminar um bairro inteiro.

Fundou a Edison General Eletric (1888), empresa que se transformou num dos maiores fabricantes multinacionais de lâmpadas e equipamentos elétricos leves e pesados.

Quase 40 anos depois, foi eleito membro da Academia Nacional de Ciências (1927), quando já havia registrado mais de mil invenções - algumas delas bem conhecidas, como a locomotiva elétrica, o fonógrafo (que virou o gravador), o telégrafo e o projetor de cinema.

O grande papel de Thomas Edison na ciência não foi de pesquisa pura ou de descoberta de propriedades fundamentais da matéria.

Sua mente buscava a aplicação prática de princípios estabelecidos por cientistas que o precederam.

O impacto da invenção da lâmpada elétrica, alterou os padrões de vida em todo o mundo.

Thomas Alva Edison foi um dos cientistas mais criativos do mundo.

É dele a famosa frase: "Gênio é 1% de inspiração e 99% de transpiração".

Fonte: br.geocities.com

Thomas Alva Edison

Milan, Ohio, 1847 - West Orange, New Jersey, 1931

Inventor norte-americano.

De formação autodidacta, em 1863 começa a trabalhar como operador telegráfico na Western Union Telegraph Company.

Em 1868 regista a sua primeira patente, um aparelho registador para as votações.

Posteriormente, desenha um teleimpressor e aperfeiçoa o telégrafo automático. Trabalha também na criação da máquina de escrever e no telefone, ao qual traz o microfone de carbono. Em 1876 instala os seus laboratórios de investigação em Menlo Park (New Jersey). Personagem popular e admirado pela sua fecundidade inventora, os seus contemporâneos chamam-lhe «o mágico de Menlo Park». A partir de 1876, e até à sua morte, regista mais de um milhar de inventos.

Entre os mais notáveis contam-se o fonógrafo, a lâmpada incandescente, o telégrafo de indução, o quinetofone e diversos tipos de dínamos e acumuladores. Em 1881 apresenta numa feira internacional realizada em Paris um plano de iluminação eléctrica à base de lâmpadas incandescentes que é aplicado com êxito em muitos países, começando pelo seu próprio, para a iluminação pública.

Regista o fenómeno conhecido como efeito Edison, referente à emissão de electrões produzida pelos metais incandescentes.

Durante a Primeira Guerra Mundial trabalha para o governo dos Estados Unidos no estudo de uma série de problemas navais e na produção de fenol e outros produtos químicos.

Fonte: www.vidaslusofonas.pt

voltar 1234avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal