Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Tornados  Voltar

Tornados

 

A palavra tornado veio da palavra espanhola Tornada, que significa tempestade.

Um tornado sobre a água é denominado tromba d'água.

Tornados geralmente tem um tempo de vida de alguns minutos e raramente duram mais do que uma hora.

Tornados são ventos ciclônicos que giram com uma velocidade muito grande em volta de um centro de baixa pressão. São menores que os furacões e seu tempo de vida também.

Um tornado pode ter uma largura tanto menor do que 30 metros, quanto maior do que 2,5km.

Os menores tornados são denominados mínimos e os maiores máximos. Um mínimo irá durar não mais do que alguns minutos, deslocar-se um quilômetro e meio e ter ventos com velocidade de 160km/h. Um máximo pode deslocar-se 320km ou mais, durar até 3 horas e ter ventos com velocidade superior a 400km/h.

O tornado percorre um caminho muito irregular. Quando o funil toca o solo, ele pode mover-se em linha reta ou descrever um trajeto sinuoso. Ele pode até duplicar-se, pular lugares ou formar funis múltiplos.

A maioria dos tornados do Hemisfério Norte deslocam-se do sudoeste para o nordeste e possuem rotação em sentido antihorário.

No Hemisfério Sul, os tornados possuem rotação horária.

Assim como os terremotos possuem a Escala Richter para medir sua intensidade, os tornados possuem a "Fujita-Pearson Tornado Intensity Scale", ou seja uma escala usada pelos meteorologistas para medir a intensidade dos ventos de um tornado.

Essa escala foi nomeada em homenagem aos dois homens que a desenvolveram: Dr. Theodore Fujita e Allan Pearson, diretores do Centro de Previsão de Tempo de Kansas City, nos EUA.

COMO SÃO FORMADOS OS TORNADOS?

Antes do desenvolvimento da tempestade, uma mudança na direção do vento e um aumento da velocidade com a altura cria uma tendência de rotaçao horizontal na baixa atmosfera. Essa mudança na direção e velocidade do vento é chamada de cisalhamento do vento.

Tornados

Ar ascendente da baixa atmosfera para dentro da tempestade inclinada o ar em rotação da posição horizontal para a posição vertical.

Tornados

Então há a formação de uma área de rotação com comprimento de 4-6 km, que corresponde a quase toda extensão da tempestade. A maioria das tempestades fortes e violentas são formadas nestas áreas de extensa rotação.

Tornados

Nesta foto podemos ver nitidamente a base da nuvem e sua área de rotação conhecida como wall cloud. Esta área é geralmente sem chuva.

Fonte: members.tripod.com

Tornados

Efeitos dos Tornados

O tornado é uma coluna de ar em rotação acelerada cujo centro apresenta pressão extremamente baixa.

Os tornados são comuns na primavera e no começo do verão, sobretudo nas grandes planícies americanas.

Embora os meteorologistas possam alertar a população quando as condições são favoráveis ao aparecimento de tornados, somente agora os estudos estão avançando na compreensão de suas origens e comportamento.

Coletar dados sobre eles é extremamente difícil, tendem a aparecer e a desaparecer em uma área antes que os pesquisadores tenham a oportunidade de se aproximar. Apenas recentemente, com a ajuda do radar Doppler, foi possível registrar a exata velocidade do vento de um tornado, que nos mais violentos pode chegar a 450 quilômetros por hora.

Desenvolvimento de um Tornado

Mesmo que todos os detalhes ainda não sejam conhecidos, os meteorologistas possuem idéias gerais de como o processo começa.

Como os tornados ocorrem mais freqüentemente, mas não sempre, quando estão presentes tempestades, é lógico supor que as condições necessárias para a formação das tempestades são também favoráveis para os tornados. Ou seja, ambientes quentes e úmidos.

Uma nuvem em funil é comumente a observação do início de um tornado.

Se por acaso atingir o solo, ela passa para a próxima fase e é oficialmente designada como um tornado.

As paredes de um tornado não são sempre visíveis (como as nuvens), mas são freqüentemente definidas pelos detritos e poeira que sugam até o vórtex.

Quando o funil de um tornado atinge sua largura máxima, algo entre 15 metros e alguns quilômetros, e está perpendicular ao solo, o tornado passa para sua terceira fase e pode ser chamado de tornado maduro.

Um tornado maduro é um tornado em sua fase mais violenta, destruindo praticamente tudo em seu caminho.

Há um certo mistério envolvendo a criação e o comportamento dos tornados.

As pesquisas deverão afastar esse mistério, mas a fascinação por essa poderosa criação da natureza deve permanecer.

Tornados

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Tornados

Variedades de Tornados

Um tornado de múltiplos vortices contem dois ou mais pequenos e intensos remoinhos, chamados vortices de sucção, orbitando o centro da circulação maior do tornado. Quando um tornado não contem mais poeira e sujeira, as vezes estes vortices de sucção são espetacularmente visíveis. Estes vortices podem formar-se e morrer dentro de poucos segundos.

Eles podem ocorrer em vários tamanhos de tornados. Subvortices causam a maioria de caminhos de danos extremosos, estreitos e curtos associados com tornados.

Tornados de múltiplos vortices são responsáveis pela maioria de contos jornalisticos antes do final do seculo 20 de vários tornados observados juntos ao mesmo tempo.

Uma tromba d'água é um tornado que forma-se ou passa sobre a água. O funil é visível por causa das nuvens de vapor d'água condensada. Como os tornados, as trombas d'água podem assumir muitas formas e frequentemente ocorrem em séries ou familias. Uma das maiores e mais famosa tromba d'água foi observada por inumeros turistas e alguns cientistas próximo de Massachussettes nos EUA no dia 19 de Agosto de 1896, com um altura estimada de 1,095 metros e 73 metros de largura na base. Trombas d'água são mais frequentes sobre águas tropicais e sub-tropicais mas tem aparecido em áreas inesperáveis, como os Grand Banks de Newfoundland no Canada.

Uma poeira do diabo é um remoinho de pouca duração que assemelha-se a um tornado porém geralmente menor e menos intenso. A maioria de poeiras do diabo são poucos metros em diâmetro não mais de 100 metros de altura e duram apenas alguns minutos depois da sua formação. Elas formam-se com céu claro quando a superfície é consideravelmente mais quente do que o ar a poucos metros acima, causando a situação instável. O ar quente na superfície eleva-se e coleta o ar próximo ao solo para o remoinho em desenvolvimento. Os ventos giratórios carregam para cima terras, poeiras, e outras sujeiras soltas que permitem ser visível a poeira do diabo. Poeiras do diabo são frequentes nas regiões áridas e geralmente elas não são destrutivas.

Desenvolvimento de Tornados

Tornados tendem a formar-se com trovoadas severas que giram e requerem uma atmosfera instável. Uma região de forte cisalhamento de vento (velocidades de ventos mais rápidos e mudanças de direção de ventos com altitude) causa a corrente de ar ascendente dentro de uma trovoada girar em sentido ciclônico. Este mesociclone, pode ser de 5-10 km de largura, extendendo-se verticalmente e encolhendo-se horizontalmente causando a ascenção rápida dos ventos que giram.

Dentro de um mesociclone, um vortex giratório pode aparecer no nível médio da nuvem e extende-se para a base da nuvem. O primeiro sinal do nascimento de um tornado numa trovoada é a observação de nuvens giratórias na base da tempestade. Uma nuvem em forma de parede forma-se quando as nuvens giratórias descem.

O ar move rápido de todas as direções para dentro de um vortex de pressão baixa. Este ar expande-se, resfria-se e suficientemente molhado ele condensa-se em uma visível nuvem em forma de funil. O ar debaixo do funil é tragado pelo vortex e a nuvem em forma de funil descende para a superfície. Sujeiras carregadas pelo tornado dão uma aparência escura e ominosa.

As vezes o ar é tão seco que os ventos giratórios permanecem invisiveis até atingir o solo e começam a carregar sujeiras. Infelizemnte, pessoas erram em pensar que estes "tornados invisíveis" são poreiras do diabo.

Ocasionalmente, o funil não pode ser visto por causa da chuva, nuvens de poreira, ou escuridão. Muitos tornados possuem um barulho distinto que pode ser ouvido por muitas milhas até quando eles não são bem visíveis.

Este som parece ser mais alto quando o tornado toca o solo. Contudo, nem todos os tornados produzem este barulho, e estas tempestades podem ser assassinas silenciosas.

A maioria de tornados mais fortes e violentos tendem a formar-se na área direita detrás de uma trovoada severa.

Tornados mais fracos podem formar-se na área principal de uma corrente de ar ascendente.

Eles também podem formar-se ao longo de uma frente de rajada, quando um influxo de ar quente é empurrado para cima pela corrente de ar descendente fresca.

Embora tornados mais fortes e violentos tendem a formar-se dentro de um mesociclone, nem todos os mesociclones produzem tornados.

Fonte: www.brasgreco.com

Tornados

A palavra "Tornado", deriva da palavra espanhola "tornada", que significa tempestade.

O que é

Os tornados são fenômenos naturais em que percebemos uma imensa massa de ar girando em torno de seu centro que terá como resultado desta atividade uma redução na sua pressão atmosférica (vácuo de pressão). Convencionou-se fazer uso da denominação "Tornado", para os fenômenos que ocorrem em superfície terrestre. Nos EUA, foram apelidados de Twister, uma gíria norte-americana para esta forma de fenômeno.

Tal como podemos conferir em Tempestade Tropical, um Tornado se diferencia pela maior abrangência de sua área de atividade, alcançando um diâmetro superior a 1 km. Dependendo da velocidade de sua massa de ar, ele pode alcançar maior tamanho, sendo assim, a velocidade implica diretamente no diâmetro de sua forma. Para termos idéia desta relação, um Tornado de 2,5 km pode ter média de velocidade em torno de 320 km/h na massa de ar que gira em torno de seu centro, pode durar mais de três horas e percorrer por uma faixa de terra entre 300 e 400 km de extensão, com velocidade média de deslocamento em torno de 45 a 56 km/h

Todos os fenômenos que apresentam massa de ar girando em torno de seu centro, como os Tornados, Tempestades Tropicais, Furacões, Ciclones ou Tufões, que ocorrem no planeta, giram em sentido horário no hemisfério Sul e anti-horário no hemisfério Norte.

Isto se deve à origem de suas atividades, pois se principiam quando do encontro entre duas massas de ar que tratamos como Massa de ar Primária.

As Massas de ar Primárias (MP), acompanham as Correntes Primárias (CP) que existem nos Oceanos.

O Oceano Atlântico por exemplo, possui duas CPs, a Corrente Primária do Atlântico Norte (CPAN) e a Corrente Primária do Atlântico Sul (CPAS), da mesma forma, o Oceano Pacífico possui a Corrente Primária do Pacífico Norte (CPPN) e a Corrente Primária do Pacífico Sul (CPPS). O Oceano Índico se diferencia pela divisão da Corrente que existe no hemisfério Norte, com a península da qual se compóe a Índia, fazendo permanecer a Corrente Primária do Índico Norte Oeste (CPINO) e a Corrente Primária do Índico Norte Leste (CPINL), atuando conjuntamente com a Corrente Primária do Índico Sul.

Denominamos Corrente Primária toda a corrente que principia seu movimento de giro em função da força centrífuga da Terra em torno de seu centro, ocasionada pela força desenvolvida pelo movimento de Rotação. Trataremos como Corrente Scundária (CS), toda corrente que é acionada pelo movimento com giro definido nas CPs.

Esta força faz com que à partir do perímetro de giro magnético do planeta, (não corresponde à linha equatorial polar), todas as massas se desloquem em sentido contrário por ação da inércia física, fenômeno que causa o sentido de giro definido para estas massas e correntes, onde as que existem no hemisfério Norte giram em sentido horário e no hemisfério Sul anti-horário.

Esta força que desprende as massas farão com que inicie a ação de uma corrente marinha no Oceano Atlântico no hemisfério Norte, fazendo com que esta corrente conhecida como Corrente Equatorial do Atlântico Norte (CEAN), se desloque em sentido de Leste para Oeste (o planeta gira de Oeste para Leste), saindo da região da linha do Equador neste Oceano em direção ao Nordeste da costa brasileira na América do Sul, prossegue como Corrente da Flórida, Corrente do Golfo na América Central concentrando seu volume na região das Bacias de Nares e de Hateras nas Bacia Americana, que percebe a passagem à um só tempo pelo local (compressão) da mesma quantidade que percorre a região da Península Ibérica e linha Equatorial (alívio). Associa-se à este alívio de pressão a realidade do abaulamento terrestre, pois o nível das águas oceãnicas no perímetro de giro é mais elevado do que nos círculos polares.

Em razão deste efeito, as águas nesta região são mais velozes do que na costa da Europa e da África. Continua seu sentido de deslocamento como Corrente do Atlântico Norte (CAN), segue em sentido horário recebendo as gélidas águas trazidas das bacias do Labrador, Baffin, Groenlândia, Noruega e Lofoten, sendo estas últimas ativadas pela corrente que vêm do Mar de Barentz. Esta CP lançará as águas frias trazidas do Círculo Polar Ártico para banhar a costa da Europa, reiniciando sua forma novamente como CEAN.

Quando gira em sentido horário, esta CPAN traz consigo as águas aquecidas que são acompanhadas pela massa de ar quente do Deserto do Saara, conferindo uma evaporação significativa que muitas vezes pode promover o acionamento de uma massa de ar que acompanhará seu movimento em direção ao Continente Americano, saindo desde o Noroeste da África até a América Central.

Se a corrente marinha aquecida pela massa de ar que acompanha a CPAN, ocasionar o aquecimento da Corrente Primária do Golfo do México (CPGM), que gira em sentido horário, estas águas terão uma mudança significativa de sua temperatura fazendo com que saiam da média de 7 graus centígrados para algo em torno de 32 a 34 graus centígrados. O volume de águas que é lançado para a atmosfera à um só tempo, acaba sendo direcionado para as partes continentais da América Central, sul e sudeste dos EUA.

Se por outro lado ocorrer uma alteração do nível do Oceano Pacífico que já é diferente do nível do Oceano Atlântico com média de 9 metros, a pressão atmosférica da MP que acompanha a CPPN, será ainda mais evidenciada e passará sobre as colunas montanhosas existentes na América do Norte que são as Montanhas Rochosas, Serra Madre Oriental, Serra Madre Ocidental, Serra Nevada, onde perceberão suas características serem ainda mais evidenciadas.

A MP do Pacífico Norte, gira também no sentido horário acompanhando a CPPN, trazendo as baixas temperaturas do Círculo Polar Ártico para banhar o Oeste dos EUA até a Peníncula da Califórnia. Esta massa de ar se apresenta mais compactada (em razão de sua condição térmica), mais rápida (por razão dos efeitos promovidos tanto pelo abaulamento da Terra e afunilamento consequente de seu volume na região do Círculo Polar, quanto pela pressão regida pelo aumento no nível do Oceano Pacífico), e lançada de uma altitude maior com diferença de sua pressão atmosférica em relação ao Oceano Atlântico.

Ou seja, por razões normais, esta massa de ar que incide sobre o território dos EUA, já teria muito favorecimento à origem de um fenômeno como os tornados.

Mas existindo uma gama de fatores que se associam, fazendo com que ela venha a surgir como que descendo de uma plataforma mais elevada para se encontrar com a MP que acompanha a CPAN que está em condições opostas, ou seja, é mais aquecida, mais leve e tende à subir, enquanto que a MP do Pacífico é mais pesada, mais rápida, mais fria e tende à descer, temos então a iminência dos fenômenos o que esclarece o denominado "Corredor dos Tornados", nos EUA, pois é justamente no local em que estas duas massas de ar em condições opostas acabam se encontrando.

Fonte: ilhadeatlantida.vilabol.uol.com.br

Tornados

Tornados

O que é um tornado?

Um tornado consiste numa violenta coluna de ar, móvel e rotativa, que pode, ou não, entrar em contato com o solo.

A palavra tornado é de origem castelhana e pretende transmitir a noção do movimento circular de um torno que caracteriza o movimento do ar neste fenómeno.

Camões já tinha apresentado uma visão da tromba-d’água, ou tromba marítima, um fenómeno com a mesma tipologia do tornado, mas no mar. Diz n’Os Lusíadas: “Ver as nuvens, do mar com largo cano, /Sorver as altas águas do oceano”.

Realmente aquilo que Camões descreve, é um turbilhão cuja presença se manifesta por uma coluna nebulosa, ou funil, ou tromba que, tal como a do elefante, umas vezes sobe e outras desce durante o seu ciclo de vida, sorvendo as águas do oceano ou, se em terra, emergindo da base de uma nuvem de desenvolvimento vertical, o cumulonimbo, e espalhando poeira, detritos e outros objetos arrancados do solo.

A forma afunilada de um tornado só é visível quando arrasta com ele poeiras, sedimentos ou gotas de água.

A previsão deste tipo de fenómenos é muito difícil. Nos Estados Unidos da América, por exemplo, os tornados ocorrem com tal frequência em certas regiões que foi possível o nascimento de uma atividade, os caçadores de tornados, que se dedicam a procurar e identificar qualquer indício de surgimento de um tornado, de modo a transmitir essa informação aos serviços estaduais de proteção civil.

Origem dos tornados

Tornados

Os tornados ocorrem, geralmente, no decorrer de tempestades severas, junto de sistemas frontais, onde existe uma diferença significativa de temperatura entre as massas de ar adjacentes.

A sua formação é feita em altitude, desenvolvendo-se posteriormente até ao solo, altura em que atinge a maturidade, podendo-se gerar mais do que um tornado ao mesmo tempo. O primeiro sinal de desenvolvimento superficial destes turbilhões de ar é um remoinho de poeira junto ao solo. Com o tempo, a coluna de ar vai estreitando até se dissipar por completo.

Os tornados deslocam-se a uma velocidade média de cerca de 48 km/h, ao longo de vários quilómetros, variando de quase estacionários até cerca de 115 km/h.

O seu diâmetro médio ronda os 50 metros, podendo chegar, no entanto, até 1,6 quilómetros.

Este fenómeno pode ocorrer em qualquer altura do ano. Todavia, podem ser identificados picos de frequência que variam conforme as diferentes regiões do globo. A maior probabilidade de ocorrência de tornados existe entre as 15 e as 21 horas, embora se tenha conhecimento de ocorrências a qualquer hora do dia ou noite.

Fonte: www.minerva.uevora.pt

Tornados

Tornados

O que são?

São redemoinhos de vento formados na baixa atmosfera, apresentando-se com características de nuvens escuras, de formatos afunilados, semelhantes a uma tuba, que descem até tocar a superfície da terra, com grande velocidade de rotação e forte sucção, destruindo em sua trajetória grande quantidade de edificações, árvores e outros equipamentos do território.

O tornado supera a violência do furacão, mas sua duração é menor e a área afetada é de menor extensão.

Danos

A destruição provocada pelos tornados é altamente concentrada e extremamente violenta. O efeito chaminé provoca o arrastamento das árvores, a destruição das habitações e a elevação no ar dos destroços resultantes.
Derrubam árvores e causam danos às plantações
Derrubam a fiação e provocam interrupções no fornecimento de energia elétrica e nas comunicações telefônicas
Provocam enxurradas e alagamentos
Produzem danos em habitações mal construídas e/ou mal situadas
Provocam destelhamento em edificações
Causam traumatismos provocados pelo impacto de objetos transportados pelo vento, por afogamento e por deslizamentos ou desmoronamentos.
No Brasil, os tornados são poucos freqüentes e ocorrem principalmente, nas regiões sul e sudeste, especialmente em São Paulo e Paraná.

Perguntas freqüentes

1 - O que a prefeitura de sua cidade pode fazer?

Elaborar o Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal, onde serão identificadas as áreas de risco e estabelecidas as regras de assentamento da população. Pela Constituição Federal (art.182), esse Plano é obrigatório para municípios com mais de 20 mil habitantes
Fiscalizar os projetos e as construções
Elaborar orientações para a construção. Todo morador deve saber o que fazer e como fazer para não ser atingido por um tornado
Toda a família deve ser ensinada quais os melhores locais para abrigamento ou rotas de fuga no caso de iminência de formação de um tornado
Avisar, alertar sobre as condições climáticas, a possibilidade de vendaval e orientar sobre os cuidados a serem tomados pela população.

2 - O que eu posso fazer antes da ocorrência do tornado?

No Brasil, os centros de meteorologia ainda não contam com tecnologias necessárias para alertar sobre a formação de tornados.

O que órgãos de meteorologia no País podem fazer é alertar com auxilio de radares meteorológicos e com algumas horas de antecedência (previsão de curtíssimo prazo), sobre a formação de intensas células convectivas e nuvens de tempestades severas (responsáveis por provocar chuva muito forte, raios, granizo e vento forte) em uma dada região.

Já nos Estados Unidos que convive com estes tipos de adversidades (tornados) em determinada época do ano, os centros norte-americanos de meteorologia contam com tecnologia de ponta e uma grande malha de radares de ultima geração tornando-se possível à previsão e o acompanhamento da evolução desses tipos de sistemas.

Inclusive podem-se identificar as possíveis áreas atingidas que serão atingidas por um tornando, emitindo assim alertas e alarmes as autoridades competentes e a população, com uma antecedência de 15 a 30 minutos em média.

É importante saber que antes da chegada do tornado você tem um curto espaço de tempo para tomar decisões de vida ou de morte.

Então, procure antes da ocorrência do evento:

Revisar a resistência de sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado
Desligar os aparelhos elétricos e o gás
Abaixar para o piso todos os objetos que possam cair
Não se abrigar debaixo de árvores, pois há riscos de quedas
Não se abrigar em frágeis coberturas metálicas
Não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda, pois estas estarão sob influência de ventos fortes
Evite a curiosidade e afaste-se do fenômeno altamente destruidor.

3 - O que eu devo fazer para melhor me proteger de um tornado?

A melhor proteção individual é constituída por abrigos subterrâneos, como um porão, já que o efeito de sucção dos tornados só ocorre a partir da superfície do solo. Se a sua residência não tem porão, fique em corredor interno e deitado próximo ao chão.

Se você for surpreendido por um tornado, fora de casa, deve deitar-se, em uma vala ou depressão do terreno.

Procure lugares seguros em sua residência ou sala de aula. Tenha certeza que estes lugares estão longe de janelas e objetos móveis. Proteja sua cabeça de objetos que podem cair ou se deslocar em função da ação dos ventos.

4 - E depois da ocorrência do tornado o que posso fazer?

Evite o contato com cabos ou redes elétricas caídas. Avise a Defesa Civil ou bombeiros sobre estes perigos

Fique longe de edificações danificadas. Só volte para casa quando as autoridades informarem que é seguro. Use lanterna para verificar os danos causados a sua casa

Deixe a residência ou edifício se sentir cheiro de gás de cozinha

Procure não utilizar serviços hospitalares, de comunicações, a não ser que necessite realmente. Deixe estes serviços para os casos de emergência

Ajude as pessoas que requerem ajuda especial como crianças, idosos e outras com dificuldade de locomoção

Escute as rádios para informações e instruções.

Fonte: www.defesacivil.gov.br

Tornados

Tornados
Tornado Oklahoma 22 MAIO 1981

O que é

Os tornados são o pior tipo de tempestade conhecido pelo homem.

Eles acontecem quando uma coluna de ar que gira muito rápido se liga, ao mesmo tempo, a uma nuvem de chuva e ao solo.

Os ventos que formam esta coluna podem soprar a mais de 500 km/h! Com ventos tão fortes assim, você já deve ter percebido que não é uma boa ideia ficar na rota de um tornado!

Os metereologistas dizem que tanto os tornados como os furacões são vórtices atmosféricos. Nome estranho, não é? Só que um vórtice atmosférico não é nada mais que um forte redemoinho de ar!

Mas mesmo que estes dois fenômenos do clima sejam fortes redemoinhos de ar, tornados e furacões têm pouca coisa em comum.

O tamanho de um tornado fica em torno dos cem metros. Já um furacão pode medir mais de cem quilômetros.

Enquanto os tornados se formam a partir de uma única nuvem de chuva, os furacões são feitos de dúzias delas.

Tornados também podem ter vários vórtices, ao contrário dos furacões, que só têm um.

Além disso, tornados acontecem principalmente sobre a terra, ao passo que furacões só nascem sobre mares quentes – quando alcançam a terra, furacões perdem força, pois não encontram umidade, seu principal combustível.

Apesar destas diferenças, furacões podem gerar tornados: isso costuma acontecer quando um furacão toca o solo em dia com tempo muito ruim.

Mesmo sendo possíveis em qualquer parte do planeta, tornados são mais comuns nas Montanhas Rochosas, nos Estados Unidos, durante os meses de primavera e verão.

Maio de 2003, por exemplo, foi um mês recorde em número de tornados: foram registrados, ao todo, 546 tornados em território norte-americano.

Como se forma um tornado?

Os metereologistas ainda não entendem completamente como um tornado nasce.

Os tornados mais destrutivos da história surgiram a partir de supercélulas, um tipo de tempestade de trovões que se move em círculos.

Acredita-se que as causas de um tornado sejam explicadas principalmente por coisas que acontecem dentro e em volta da tempestade. As supercélulas costumam produzir ainda muitos relâmpagos, granizo e enchentes.

Quando tornados passam sobre uma vegetação ou sobre uma construção, arrancam pedaços que passam a carregar junto deles. O acúmulo de poeira, névoa e destroços é o que dá uma cor escura à coluna de ar que forma o fenômeno.

Já assistiu ao filme Twister? Lembra da cena em que uma vaca voa por cima de uma caminhonete graças à força dos ventos? Pois é, existem muitas histórias estranhas envolvendo tornados...

Embora possam se estender por até uma hora, a maioria dos tornados não vai além dos dez minutos de duração.

Assim, apesar da grande velocidade de seus ventos, o raio de destruição de um tornado é bem menor que o de um furacão.

Classificação de um tornado

A força de um tornado é medida pela escala Fujita, que leva em conta os danos causados por ventos em estruturas e vegetações. Esta escala varia de zero a cinco.

Cerca de 70% dos tornados registrados são considerados fracos, sendo classificados como tornados F0 ou F1 segundo a média de velocidade de seus ventos.

Apenas 2% deles atingem o máximo de poder de destruição, sendo classificados como tornados F5, cujos ventos superam os 400 km/h! Assustador, não?!

Um tornado F0 tem ventos de até 117 km/h e é capaz de arrancar pequenas árvores, danificar chaminés e placas.

Um tornado F1 tem ventos que variam de 118 km/h a 179 km/h, sendo capaz de causar danos a telhados e lançar carros para fora das estradas.

Os ventos de um tornado F2 ficam entre 180 km/h e 251 km/h, causando grandes danos a telhados, virando carros e vagões de carga e ainda lançando objetos leves a pequenas distâncias.

Um tornado F3, que tem ventos entre 252 km/h e 330 km/h, pode arrancar árvores de grande porte, arrastar e arremessar carros.

Com ventos entre 331 km/h e 416 km/h, um tornado F4 é capaz de danificar gravemente fundações de casas.

Um tornado F5 destrói por completo casas e prédios, lança a mais de 100 metros de altura objetos pesados como carros e grandes pedaços de concreto, graças à força dos ventos que variam entre 417 km/h e 508 km/h.

Os tornados são ainda identificados pelo local e data em que ocorreram.

Assim, Miami Lakes FL 29 OUT 2003, por exemplo, é o nome de um tornado que atingiu a cidade de Miami, no estado norte-americano da Flórida, em 29 de outubro de 2003.

Missouri Valley/Corn Belt 24 MAI 2004 é um outro exemplo: este tornado atingiu uma região dos Estados Unidos conhecida como “Cinturão do Milho” (Corn Belt), que reúne os estados de Missouri, Nebraska, Kansas e Iowa, em 24 de maio de 2004.

Juliana Rocha

Fonte: www.invivo.fiocruz.br

Tornados

Formação de um Tornado

Tornados

Tornados

Tornados

Tanto furacões quanto tornados são formados no encontro de massas de ar quente e frio.

Mas as semelhanças ficam por aí: os tornados se formam na terra, são muito mais devastadores e não duram mais de 20 minutos.

Fenômeno assustador

Tornados ocorrem em condições violentas de tempestade. Ventos correm em diferentes direções dentro de um poderoso redemoinho.

A força centrífuga joga o ar para longe do centro deixando no meio um miolo de baixa pressão.Nesse miolo de baixa pressão os ventos podem alcançar 500 km por hora ou mais. Em cima, ele é esbranquiçado, mas, na parte de baixo, ele é escuro, devido as partículas que carrega e os destroços de pedras, árvores e até mesmo pedaços de carros e prédios.Quando a parte debaixo do funil toca um prédio, as partículas funcionam como uma serra, cortando tudo em que toca.

Geralmente eles correm para o leste a 40 até 60 km por hora.

O tornado é o mais destruidor dos fenômenos atmosféricos – nenhum deles libera tanta energia e é capaz de causar tanto medo nas pessoas.

Assim como o furacão, o tornado é resultado do encontro de massas de ar frio e quente.

Mas guarda muitas particularidades: ele se forma em terra, tem dimensões mais reduzidas do que um furacão e costuma durar menos tempo – de alguns segundos a 20 minutos.

O que mais impressiona, no entanto, é seu poder devastador.

O tornado gira a uma velocidade maior do que a do furacão – com ventos atingindo 450 km/h – e, como atravessa regiões terrestres, tem maior possibilidade de causar danos físicos e materiais.

Os Estados Unidos são os campeões desse fenômeno, enfrentando mais de mil tornados por ano, concentrados entre os meses de abril e junho. Eles se formam na região central do país, devido ao encontro das massas de ar frio vindas do Canadá, com as de ar quente, da região do golfo do México.

Apenas recentemente, com a ajuda do radar Doppler, foi possível registrar a exata velocidade do vento de um tornado, que nos mais violentos pode chegar a 450 quilômetros por hora.

Mesmo que todos os detalhes ainda não sejam conhecidos, os meteorologistas possuem idéias gerais de como o processo começa.

Como os tornados ocorrem mais freqüentemente, mas não sempre, quando estão presentes tempestades, é lógico supor que as condições necessárias para a formação das tempestades são também favoráveis para os tornados. Ou seja, ambientes quentes e úmidos.

Uma nuvem em funil é comumente a observação do início de um tornado.

Se por acaso atingir o solo, ela passa para a próxima fase e é oficialmente designada como um tornado.

As paredes de um tornado não são sempre visíveis (como as nuvens), mas são freqüentemente definidas pelos detritos e poeira que sugam até o vórtex.

Fonte: www.ied.ufla.br

Tornados

Tornados
Para que um turbilhão – um funil de vento em espiral seja classificado como tornado, ele deve estar ao mesmo
tempo em contato com o solo e com a nuvem de tempestade acima dele.

Simplesmente não existe um fenômeno natural mais aterrorizante do que um tornado.

Os tornados chegam quase sem avisar, a qualquer hora do dia ou da noite. Eles também podem ocorrer em qualquer época do ano, basta que surjam as condições adequadas.

Para que um turbilhão – um funil de vento em espiral - seja classificado como tornado, ele deve estar ao mesmo tempo em contato com o solo e com a nuvem de tempestade acima dele. A trilha do tornado raramente excede 250m, mas pode alcançar até 1.6km de extensão.

Os tornados ocorrem quando massas de ar quente e fria se chocam, criando uma área de rotação de baixa pressão atmosférica. O ar que está dentro da frente de baixa pressão tende naturalmente a subir, criando uma forte corrente ascendente. Esse movimento suga o ar quente que está ao nível do solo, fazendo com que o turbilhão gire cada vez mais rápido.

Tornados

Escala Fujita

A intensidade de um tornado é determinada pela escala Fujita, batizada com este nome em homenagem ao falecido cientista de tornados, Dr. Fujita da Universidade de Chicago.

Os tornados são medidos pela quantia de estrago que eles causam, e não pelo seu tamanho físico.

Também é importante lembrar-se de que o tamanho de um tornado não é necessariamente uma indicação de sua ferocidade.

Tornados grandes podem ser fracos, e tornados pequenos podem ser violentos.

Tornado F1: Velocidades de vento entre 117 e 180 km/h. Até mesmo estes tornados podem levantar telhas e mover carros em movimento para fora da estrada. Trailers podem ser tombados e barracos podem desmoronar.
Tornado F2:
Velocidades de vento entre 182 e 252 km/h. Os telhados de algumas casas começarão a levantar e os trailers/casas móveis que estiverem no caminho do tornado serão demolidos. Este tornado também pode soprar vagões de trem para fora de seus trilhos.
Tornado F3:
Velocidades de vento entre 253 e 333 km/h. Árvores pesadas serão levantadas com raiz e tudo, e paredes e telhados de edifícios sólidos serão arrancados como palitos de fósforos. Isto é um tornado severo.
Tornado F4:
Velocidades de vento entre 334 e 419 km/h. Motores de trens e caminhões de 40 toneladas serão arremessados como brinquedos. Haverá devastação total na manhã seguinte.
Tornado F5:
Velocidades de vento entre 420 e 511 km/h. Tornados com esta intensidade destroem tudo em seu caminho. Os carros são arremessados como pedras para centenas de metros, e edifícios inteiros podem ser levantados do chão. A força é semelhante à de uma bomba atômica.

Fonte: www.discoverybrasil.com

Tornados

Tornados

Os tornados são turbilhões atmosféricos de dimensões muito mais reduzidas que os ciclones tropicais, com um diâmetro geralmente inferior a 1 km. Como é típico dos sistemas meteorológicos de menores dimensões o tempo de vida de um tornado é normalmente curto - minutos ou horas - e a sua evolução é muito difícil de prever. No seu estado de máxima intensidade, um tornado pode produzir velocidades do vento à superfície acima dos 500 km/h (caso de um tornado de grau 5).

Tornados

Os tornados são produzidos em tempestades convectivas muito intensas, designadas por supercélulas. Para a sua produção é necessária a existência de grandes quantidades de CAPE (energia potencial disponível para convecção) e uma forte intensidade do vento na troposfera média.

Tornados

Quando estas condições estão reunidas, forma-se na base do cumulonimbo que constitui a supercélula, um ou mais turbilhões de circulação muito intensa, onde a pressão é suficientemente baixa para aspirar partículas soltas da superfície ou gotas de água. Estes turbilhões, com a aparência de funis deslocam-se rápida e erraticamente sobre a superfície e constituem os tornados.

A imagem a baixo representa esquematicamente, a circulação atmosférica associada a um tornado.

Tornados
Representação esquemática da circulação num tornado

Os tornados são sistemas muito raros à escala mundial, mas observam-se ocasionalmente em muitas regiões. Nas planícies da América do Norte (Oklahoma, Arizona, etc.) existem condições favoráveis à sua formação, ocorrendo anualmente cerca de 800.

Outros sistemas, de menor dimensão e intensidade, podem por vezes confundir-se com tornados: caso das trombas de água, por vezes observadas em águas costeiras, e os dust devils ("demónios de areia"), frequentes em zonas desérticas e com a dimensão horizontal de apenas alguns metros.

Fonte: geofisica.fc.ul.pt

Tornados

Cerca de 1000 tornados baixam nos Estados Unidos anualmente.

Os tornados freqüentemente causam devastação de fazendas, povoados, e cidades que são golpeadas por sua violência natural.

Cinqüenta e duas pessoas foram mortas por tornados só em 2002 e centenas foram feridas.

As testemunhas que viram de perto estes ventos espirais furiosos descrevem sua aproximação como o rugido de um motor de jato.

Os tornados explodem escombros em todas as direções – freqüentemente em velocidades de centenas de milhas por hora.

A maioria das casas é feita para resistir velocidades de vento de até 70 milhas por hora, mas um tornado não é nem registrado se não alcança o mínimo de 73 milhas por hora.

Como e por quê

Para que um vórtice – um funil espiral de vento – seja classificado como um tornado, deve estar em contato com o chão e com a nuvem de tempestade acima dele.

Quando o funil finalmente toca o solo, cria um caminho de destruição concentrada. A trilha de um tornado é raramente maior do que 250m de uma ponta à outra, mas pode ter cerca de uma milha de largura.

Os tornados são gerados por uma variedade grande de padrões de tempo.

Entretanto, a maioria dos meteorologistas concorda que os tornados acontecem quando correntes de ar frio e quente colidem, criando uma área rotativa de pressão atmosférica baixa.

O ar dentro de uma frente baixa de pressão tem uma tendência natural de levantar e criar uma forte corrente de ar para cima. Esta corrente é cercada de ar quente do nível do chão, girando cada vez mais rápido sugando o ar ao seu redor como um aspirador de pó. Em casos extremos estas correntes poderosas de ar podem alcançar velocidades de 300mph.

Os tornados mais poderosos ocorrem quando as tempestades de ‘super cell’ ocorrem. Estas nuvens giratórias de trovoadas podem claramente ser vistas em radares de tempo como uma circulação bem definida a qual os meteorologistas chamam de um mesociclone. As nuvens gigantes de trovadas – super-cell chegam a alturas maiores que a do Monte Everest.

Tornados

Escala Fujita

A intensidade de um tornado é determinada pela escala Fujita, batizada com este nome em homenagem ao falecido cientista de tornados, Dr. Fujita da Universidade de Chicago.

Os Twisters são medidos pela quantia de estrago que eles causam, e não pelo seu tamanho físico.

Também é importante lembrar-se de que o tamanho de um tornado não é necessariamente uma indicação de sua ferocidade.

Tornados grandes podem ser fracos, e tornados pequenos podem ser violentos.

Tornado F1: Velocidades de vento entre 73 e 112mph. Até mesmo estes tornados podem levantar telhas e mover carros em movimento para fora da estrada. Trailers podem ser tombados e barracos podem desmoronar.
Tornado F2
: Velocidades de vento entre 113 e 157mph. Os telhados de algumas casas começarão a levantar e os trailers/casas móveis que estiverem no caminho do tornado serão demolidos. Este twister também pode soprar vagões de trem para fora de seus trilhos.
Tornado F3:
Velocidades de vento entre 158 e 207 mph. Árvores pesadas serão levantadas com raiz e tudo, e paredes e telhados de edifícios sólidos serão arrancados como palitos de fósforos. Isto é um tornado severo.
Tornado F4:
Velocidades de vento entre 208 e 260mph. Motores de trens e caminhões de 40 toneladas serão arremessados como brinquedos. Haverá devastação total na manhã seguinte.
Tornado F5:
Velocidades de vento entre 261 e 318mph. Tornados com esta intensidade destroem tudo em seu caminho. Os carros são arremessados como pedras para centenas de metros, e edifícios inteiros podem ser levantados do chão. A força é semelhante a de uma bomba atômica.

As predições

Embora as predições de tornados tenham melhorado imensamente nas últimas décadas, predizer onde um tornado irá aparecer é praticamente impossível.

Os meteorologistas observam o desenvolvimento de temperatura e padrões de vento na atmosfera. São estes fatores que criam vapor, instabilidade, força, e vento necessários para as tempestadades de tornados se desenvolverem. Entretanto, prever tempo severo mais do que dois dias com antecedência é um pouco mais do que adivinhação.

Uma frota de radares móveis, conhecida como Doppler on Wheels (DOWs) conta com bases em áreas inclinadas ao desenvolvimento de tornados na América.

Os Dows registram detalhes minúsculos das características do tornado, incluindo olhos e jatos de ar, e velocidades de vento acima e abaixo do nível do chão.

Polemicamente, a fonte mais valiosa de informação sobre a ciência de tornados e o seu comportamento vem do nível das raízes da grama.

Uma rede de caçadores de tempestades e observadores de tornados nos Estados Unidos compila dados sobre tornados conforme eles vão acontecendo. Isto às vezes pode ser uma tarefa muito perigosa.

Os spotters (observadores) alimentam informação ao vivo ao Serviço Nacional de Tempo dos Estados Unidos durante os tornados. Isto, para as pessoas “normais” pode ser tranquilamente considerado como uma missão suicida.

A segurança contra o Twister

Tornados

Somente 20% dos twisters da América são avaliados como F2 e mais forte. Mesmo assim, isso ainda significa cerca de 200 tornados a cada ano com ventos acima de 200mph.

A quantidade de tornados F4 e mais fortes é de 20 por ano, e felizmente tornados monstros F5 geralmente acontecem somente uma vez por ano. Isto é suficiente para matar uma média de 60 pessoas por ano só nos Estados Unidos, e causar um prejuízo de bilhões de dólares.

Assim mesmo, até um twister relativamente suave pode fazer um pedaço de madeira atravessar uma parede de tijolo como se fosse feita de papel. O lugar mais seguro para abrigo durante um tornado é abaixo do nível do chão num porão. Surpreendentemente, calcula-se que menos da metade das casas no Beco de Tornado tem porão.

Os peritos recomendam que as pessoas que vivem em áreas inclinadas a tornados e não têm porões devem forrar as paredes de um cômodo com uma placa de aço de 10mm.

O ideal é que este cômodo não tenha janelas e fique localizado no interior da casa protegido por outros cômodos. As famílias devem se cobrir com colchões e almofadas para prevenir ferimento de pedaços de vidro e escombros voadores.

A morte lá de cima

Peritos do Centro de Predição de Tempestades da América recomendam as pessoas que fiquem atentas aos seguintes sinais de aviso:

Fortes e persistentes nuvens de tempestade giratórias.
Pó ou escombros girando no chão sob uma base de nuvem.
Granizo ou chuva pesada seguida por uma calmaria ou uma rápida mudança intensa de vento.
Um contínuo barulho ou rugido alto, que não diminui com o trovão.
Lampejos brilhantes e pequenos próximos ao chão embaixo de uma tempestade de trovões que indicam que a eletricidade está sendo afetada por ventos muito fortes.

Em média, as pessoas que vivem no caminho dos tornados têm somente 18 minutos para se abrigar. Entretanto, a conscientização de segurança pública em relação aos tornados é extremamente alta no Beco dos Tornados, e portanto perdas são freqüentemente mais baixas do que em outras partes dos Estados Unidos.

No dia 3 de maio de 1999, 66 tornados golpearam Oklahoma deixando uma trilha de 38 milhas de devastação na cidade.

O maior destes twisters – um F5 – arruinou quase 8,000 edifícios causando mais de um bilhão de dólares de prejuízo. Apesar desta destruição incrível, menos de 40 pessoas foram mortas. Os moradores desta região sabem como manter um olho no céu.

Fonte: www.starnews2001.com.br

Tornados

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal