Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Combatendo a TPM, Página 3  Voltar

Combatendo a TPM

Existem mais de 200 sintomas relacionados à TPM

As causas ainda não são totalmente conhecidas, mas as mulheres que sofrem com a tensão pré-menstrual (e os homens que convivem com elas) esperam que a Medicina descubra uma solução para ela.

Os médicos acreditam que a TPM seja resultado de uma interação entre os hormônios femininos estrógeno e progesterona, e um mensageiro químico cerebral, o neurotransmissor serotonina. Novas pesquisas sugerem, ainda, que um outro neurotransmissor, o ácido gama-aminobutírico ou GABA, também pode estar envolvido no processo. Esse mensageiro químico tem efeito calmante e sua produção é estimulada pelos subprodutos da progesterona. Quando os níveis desse hormônio começam a cair, no final do ciclo, algumas mulheres se sentem mais irritadas e ansiosas. Há também indícios de que são mais propensas a sofrer com a tensão pré-menstrual as mulheres que tiveram depressão (pós-parto ou em qualquer época da vida), ou cujas mães e irmãs apresentem o problema.

O estresse piora significativamente o desconforto, que pode ser físico (inchaço, seios doloridos, intestino preso, sensação de peso nas pernas) e psicológico (tensão, irritação, cansaço e depressão). A queixa quanto à TPM é recente: tem a ver com a emancipação das mulheres. "A tensão pré-menstrual passou a ser um incômodo depois que elas começaram a trabalhar fora de casa e a ter menos filhos", explica a ginecologista Stella Pinto Ferreira, do Rio de Janeiro.

QUANDO PROCURAR AJUDA

Todas as mulheres que se sentem limitadas de alguma maneira por causa da TPM devem buscar tratamento médico. Fazer exercícios, controlar a dieta e, se o caso for grave, suspender a menstruação durante algum tempo. Existem várias maneiras de tratar o problema:

Alopatia - Trata a tensão pré-menstrual com mudança de hábitos alimentares, atividade física e medicamentos. A partir do segundo mês aparecem as melhoras.

Acupuntura - Inserir agulhas em alguns pontos do corpo para aumentar a liberação de serotonina (neurotransmissor ligado ao humor) e estimular o hipotálamo (região do cérebro que tem influência sobre os hormônios sexuais).

Aromaterapia - Óleos essenciais, substâncias extraídas das plantas, utilizados para tentar restabelecer o equilíbrio hormonal e emocional das mulheres que sofrem com a TPM.

UMA FLOR CONTRA A TENSÃO PRÉ-MENSTRUAL

Se você sofre com a TPM, mas não quer se entupir de antidepressivos ou de hormônios a fitoterapia - tratamento por meio de plantas naturais - é uma alternativa que tem proporcionado bons resultados. O sucesso é tanto que estudos clínicos recentes comprovaram a eficácia do óleo de prímula no combate ao problema, que atinge cerca de 70% das mulheres em idade fértil.

O óleo de prímula, flor amarela proveniente da América do Norte, já é empregado há algum tempo no combate das instabilidades físicas e emocionais da TPM. O remédio natural, porém, só ganhou notoriedade recentemente. O óleo alivia os principais sintomas da tensão pré-menstrual, como dor-de-cabeça, insônia, dor nos músculos, inchaço, dor nos seios, problemas na pele, agressividade, irritabilidade, depressão leve, ansiedade, tensão nervosa e crises de choro.

A flor contém um ácido chamado gamalinolênico (ácido graxo que não é produzido pelo organismo). Esse ácido é um nutriente essencial para lidar com as alterações do período menstrual, pois reequilibra a produção dos hormônios femininos.

Esse ácido é encontrado em alguns alimentos, como peixes, castanhas, e óleos vegetais, como canola ou girassol, mas em quantidades menores. A prímula é eficaz porque contém uma alta concentração desse ácido, repondo a quantidade necessária desse nutriente.

Uma grande vantagem do óleo de prímula é que não existem relatos de efeitos colaterais. A substância, vendida em cápsulas moles que contém o óleo, pode ser adquirida sem receita médica. Mas é necessário, de qualquer forma, consultar um fitoterapeuta para saber qual o seu grau de sintomas da tensão pré-menstrual. A prímula só é indicada nos casos de sintomas leves de TPM e não combate quadros graves. O óleo de prímula deve ser tomado quinze dias antes da menstruação. São necessárias três cápsulas ao dia ou 500 mg da substância.

TPM: COMO EVITAR O INCHAÇO

A retenção de líquidos, ou "inchaço", é um dos sintomas da tensão pré-menstrual (TPM). Nessa época, o corpo passa por alterações hormonais que interferem na produção de algumas substâncias, entre elas a que tem a função de regular a quantidade de sal no organismo. O sal retém líquido e faz-se menos xixi do que deveria. Como resultado aparecem barriga e seios inchados, dor e dificuldade para fechar as mãos, sapatos que não entram.

AS CAUSAS DO INCHAÇO

A retenção de líquidos depende de fatores hormonais e individuais, variando de pessoa para pessoa. Durante muito tempo, acreditou-se que a dor de cabeça que surge um dia antes ou no primeiro dia da menstruação, em algumas mulheres, fosse causada pelo inchaço. A retenção de líquidos faria o cérebro inchar e ele ficaria prensado dentro da caixa craniana, causando a dor. Hoje, sabe-se que isso não é verdade: a dor de cabeça que aparece nesse período, e que é muito comum, é conseqüência da queda dos níveis de estrógeno no organismo.

ANTES DA HORA H

Beba muita água. Os rins funcionam melhor, o que é um incentivo para eliminar o excesso de líquidos. Também é recomendado comer frutas ricas em água (como melancia, melão e pêra). Evite café, chá, refrigerante e chocolate, porque eles causam irritabilidade (têm xantina e metilxantina), o que faz o inchaço incomodar mais. Praticar exercícios. Eles aumentam a circulação linfática, o que auxilia no processo de eliminação do excesso de líquidos do organismo.

Fazer "do-in" para aliviar o sintoma. Cruze as pernas, apoiando o pé esquerdo sobre a coxa direita, de forma a ver o ossinho do lado interno do tornozelo. Meça quatro dedos acima do ossinho e aperte esse ponto, que provavelmente estará dolorido. Pressione por cinco minutos e repita na outra perna. O ideal é fazer todos os dias pela manhã, durante o período pré-menstrual.

Diminua a quantidade de sal da comida no período pré-menstrual, quando se começa a ter sintomas da TPM. Coma alimentos diuréticos. Por exemplo: alface, agrião, morango ou chuchu.

Quando beber mais água, corrigir a alimentação e fazer exercícios não é suficiente é importante procurar um médico.

SANTO REMÉDIO

Drenagem linfática

Trata-se de uma massagem relaxante, que não dói e tem a capacidade de diminuir o inchaço. O efeito é imediato. Passar por duas a três sessões na semana que antecede o primeiro dia da menstruação é o ideal. A massagem dura de uma hora a uma hora e quinze minutos.

A apresentadora de televisão Angélica ficava tão inchada no período pré-menstrual que algumas vezes precisava fazer massagens para conseguir usar suas roupas e seus sapatos. Desde que começou a praticar exercícios diariamente, emagreceu e está mantendo o inchaço sob controle.

Fonte: www.resenet.com.br

Combatendo a TPM

Declare Guerra aos pêlos

Se você é mulher sabe muito bem o que esta sigla pode representar. Acredita que os maridos, namorados e amigos deveriam ser mais compreensivos. Mesmo assim, quando você passa um dia um pouco mais nervosa e apreensiva que os outros os seus familiares e colegas já soltam aquela velha piadinha: "- Iiiiiii... você está naqueles dias é?". Se você fica ainda mais furiosa, respire fundo e comece a reparar. Você pode realmente estar sofrendo de tensão pré-menstrual.

Acredita-se que até 90 % das mulheres apresentam sintomas pré-menstruais, entretanto, apenas de 5% a 8% delas apresentarão sintomas intensos, capazes de interferir com sua qualidade de vida. Mas o que acontece em nosso organismo que pode causar estas alterações?

O Prof. Dr. George Dantas de Azevedo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte esclarece: "Durante cada ciclo menstrual, o organismo da mulher sofre importantes modificações nos níveis de seus hormônios sexuais, especialmente o estradiol (dito "hormônio feminino") e a progesterona. Tais modificações hormonais podem ser capazes de causar efeitos físicos e psicológicos que, para a maioria das mulheres, são experimentados de forma natural. No entanto, existem mulheres que apresentam sintomas importantes relacionados ao ciclo menstrual, especialmente na fase que antecede a menstruação, o que é chamado de síndrome pré-menstrual ou tensão pré-menstrual, quando predominam os sintomas psicológicos."

Algumas mulheres chegam a ter alterações severas de humor, verificando-se até que as taxas de suicídios e crimes envolvendo mulheres são mais freqüentes na fase pré-menstrual. Os sintomas podem ser incapacitantes a ponto de prejudicar o desempenho no trabalho, o estudo e demais atividades habituais. Nessa última situação, a síndrome pré-menstrual é responsável por importante impacto negativo do ponto de vista sócio-econômico, sendo a ela associada uma elevada taxa de ausência no emprego e na escola. Mas não vá usar isso como desculpa para tudo, ein? Se o que você deseja é compreensão não abuse usando cólicas para se justificar ou pode perder o crédito.

A causa destes sintomas ainda não é conhecida, isto porque está associada a muitos fatores: cultural, social, psicológico e etc. Alguns dos fatores fisiológicos mais importantes são as oscilações hormonais normais que ocorrem no corpo da mulher ao longo de seu ciclo menstrual, que podem proporcionar retenção de líquido e de sal no organismo. Deficiências vitamínicas (como B6) ou de ácidos graxos, (como o ácido linoléico) também podem estar relacionadas ao aparecimento dos sintomas, uma vez que, ao se fazer complementações, melhoras de quadro foram observadas.

Reconhecer a TPM não é muito difícil, os sinais são tanto físicos como psicológicos. A mulher apresenta dores de cabeça, inchaço, sensibilidade mamária, retenção de água, fraqueza e ganho de peso. Os sintomas psicológicos mais comuns são diminuição da libido, depressão, insônia, irritabilidade e dificuldade de concentração. O Dr, George, no entanto, alerta: "Como esses sintomas podem ocorrer em outras situações clínicas, é importante que o médico se preocupe em descartar a existência de algum outro problema associado, de forma que, nessa investigação, alguns exames podem ser necessários. É preciso, portanto, ter cuidado antes de se rotular a paciente como portadora de apenas tensão pré-menstrual."

O tratamento da TPM, geralmente cabe ao médico, mas pode ser feito conjuntamente com um psicólogo, assistente social e até mesmo terapeuta ocupacional. Em se tratando de remédios existem muitas opções: reposição de vitamina B6, magnésio e ácido gama-linoléico podem trazer melhora dos sintomas; além do uso de diuréticos, medicações hormonais e drogas antidepressivas. Medicações hormonais como a pílula e implantes podem ser utilizados tanto para regular a menstruação como para interrompê-la.

Os implantes de hormônio são uma novidade nesta área, eles funcionam muito bem como contraceptivos, também podendo ser indicados no combate a estes desagradáveis sintomas de TPM. "É um produto com finalidade contraceptiva, constituído de uma substância com atividade progestagênica (semelhante a da progesterona), que é utilizado na forma de um implante subcutâneo inserido na região do braço. Esse implante promove a liberação da substância hormonal de forma contínua, por um período de até três anos, podendo ser retirado a qualquer momento, caso a paciente deseje retirá-lo ou apresente inconvenientes durante o uso." diz o Dr. George.

A maior vantagem da utilização dos implantes é, basicamente, a praticidade, uma vez que, depois de inserido, a paciente não precisará ficar tomando medicações regularmente. Como desvantagem principal poderíamos citar o custo, que ainda é excessivo para a maioria da população brasileira. Já sobre possíveis efeitos colaterais ou diminuição da libido os estudos ainda não são conclusivos por ser um produto novo. Em todo caso, o médico deve ser questionado sobre a adequação do tratamento ao caso da paciente. Cada caso é um caso e cada mulher é única.

Além de tratar o stress e equilibrar o funcionamento dos hormônios, são recomendados cuidados alimentares, especialmente redução da ingestão de sal (para diminuir a retenção de água), álcool, cafeína (chás, café, refrigerantes) e gorduras saturadas. Também recomenda-se que a paciente faça exercícios físicos (ginástica, dança, hidroginástica) e de relaxamento (Ioga).

"Aceita-se que uma dieta saudável e balanceada, associada a um programa regular de exercícios físicos poderia reduzir significativamente os sintomas pré-menstruais." afirma o Dr. Azevedo.

Terapias como acupuntura, aromaterapia, homeopatia e massagens também têm sido propostas para aliviar os sintomas físicos e psicológicos da síndrome pré-menstrual.

Fonte: www1.uol.com.br

Ansiedade, tristeza, compulsão por doces, inchaço... Há uma infinidade de sintomas que caracterizam a síndrome da tensão pré-menstrual. Identificar os que mais a incomodam é o primeiro passo para traçar a sua estratégia de combate e vencer de vez este inimigo

Muito se fala em TPM

De certa forma, há até uma banalização do problema. Não é raro ouvir comentários do tipo “aposto que você está naqueles dias...” Na verdade, pouca gente sabe ao certo o que é a tensão pré-menstrual. Podemos dizer que é um tipo de doença na qual não há lesão em um órgão específico, mas um desequilíbrio em vários sistemas orgânicos. Essa desarmonia bioquímica altera o aparelho psíquico da mulher e muda seu comportamento social. Isto provoca um aumento do estresse e, conseqüentemente, reforça o problema. A TPM é considerada uma doença sociopsicossomática. Sócio porque traz conseqüências para a mulher na sociedade, influencia a sua produtividade no trabalho e prejudica o seu contato social. Psico, pois os sintomas interferem na mente e nas emoções. Somático porque tudo isso tem relação com intensas alterações no organismo.

Revolução dos hormônios

Para entender o período que gera a tal tensão, é preciso conhecer o que se passa, mensalmente, no corpo. O ciclo menstrual engloba, em média, trinta dias. Os primeiros catorze constituem a fase folicular, quando o corpo trabalha para a fecundação.

O ovário produz óvulos que se desenvolvem, durante 14 dias, dentro de uma espécie de bolha chamada folículo. Passado esse período, ocorre a ovulação, que nada mais é do que a liberação do óvulo para que ele inicie sua caminhada até as trompas. Toda essa engrenagem tem como chave-mestra o estrogênio - que comanda os efeitos sobre o corpo, a mente e o comportamento da mulher na fase folicular, período no qual ela se sente mais feminina e bonita. É este hormônio que também garante um aumento da lubrificação vaginal e interage com os mediadores bioquímicos da sexualidade. Nesta fase, todas as ações estão ligadas ao comportamento sexual. Sob o efeito do estrogênio, a mulher “cresce” sexualmente, até chegar ao seu auge, no 14º dia.

A partir do 15º dia, é a vez da progesterona - o chamado hormônio da maternidade - aparecer. Tem início a segunda fase do ciclo, denominada lútea. A progesterona prepara o “ninho do bebê”, na verdade o endométrio, que consiste na forração interna do útero, tornando-o mais receptivo ao óvulo, que poderá ser fecundado. Ela também deixa os seios maiores, prontos para a amamentação, e ajuda o organismo a reter líquidos, como forma de prevenção contra uma eventual hemorragia.

Se não ocorre a fecundação, o óvulo é liberado na menstruação, fase em que o nível hormonal é bem baixo. Depois, começa um novo ciclo de 30 dias. Para algumas mulheres, o aumento de volume das mamas, cerca de dez dias antes da menstruação, e o acúmulo de gases que dilata o abdômen, dois ou três dias antes do sangramento, estão aliados a uma sensação de cólica no útero, que anuncia a chegada do fluxo. Esses desconfortos, no entanto, não alteram a rotina da mulher e não são, isoladamente, sintomas que caracterizam a TPM. Essa síndrome engloba uma série de sintomas físicos e psíquicos (a medicina já relacionou mais de 160!), graves ou não, que surgem cerca de dez dias antes da menstruação, repetem-se a cada mês e desaparecem com a chegada do fluxo menstrual.

TPM sob medida

De acordo com o médico homeopata Eliezer Berenstein, especialista em ginecologia, obstetrícia e reprodução humana - autor dos livros A Tensão Pré-Menstrual e o Tempo para Mudanças, da Editora Gente, e A Inteligência Hormonal da Mullher, da Editora Objetiva, e Bisturi na Santa, que deve ser lançado esse ano pela Editora Objetiva -, os profissionais classificam a tensão pré-menstrual em quatro grupos, de acordo com os sintomas mais freqüentes. São eles: A (ansiedade), C (carboidratos), D (depressão) e H (retenção hídrica). Para descobrir em qual grupo você se encaixa, é necessário realizar uma auto-avaliação durante, pelo menos, três meses consecutivos, pois os sintomas podem sofrer alterações mensalmente. Para facilitar essa avaliação, o Dr. Eliezer elaborou um questionário - um tipo de agenda mensal - para anotar os sintomas, dia-a-dia. Terminado o trimestre, é possível descobrir, de acordo com os sintomas mais freqüentes, qual é o seu tipo de TPM. A partir daí, o indicado é procurar um médico e levar as anotações para que ele possa ajudar você a resolver o problema.

grupo A

Combatendo a TPM

Principais sintomas: Ansiedade, irritabilidade, insônia

A mulher tem a sensação de que não conseguirá fazer tudo o que deseja e não sente prazer naquilo que faz.

A insônia é freqüente, pois ela vai se deitar preocupadíssima com o que fará no dia seguinte. Sensações como taquicardia, sufocamento, opressão no peito e formigamento nas mãos são corriqueiras. As integrantes desta categoria costumam sofrer no ambiente profissional e familiar, pois a pressa e o mau humor contaminam as pessoas à sua volta. Brigas no trânsito, discussão com colegas de trabalho e desentendimento com os familiares são muito comuns. No final do dia se sente exausta e infeliz, culpando o mundo pela sua irritação.

Dica de amiga: que tal extravasar a fúria em aulas de luta, como boxe ou body combat? Além de ficar mais calma, você elimina muitas calorias.

grupo C

Combatendo a TPM

Principais sintomas: compulsão por doces, dor de cabeça, cansaço, tontura

Aqui predomina o aumento do apetite.

A mulher fica com vontade de comer alimentos com carboidratos e açúcar, como massas, doces, chocolates, bolos, sorvetes e balas. Caso essa necessidade incontrolável não seja suprida, ela pode sentir enxaqueca, tontura, irritação, desmaiar e sofrer de hipoglicemia (queda substancial de açúcar no sangue e no cérebro). Geralmente, acorda com fome e vai dormir com vontade de comer algo que nem sabe o que é. Esse apetite compulsivo se reflete dias depois, na balança, acusando ganho de peso.

Dica de amiga: tente controlar a gula fazendo pequenos lanches ao longo do dia. Aposte nos produtos light e frutas adocicadas, como pêssego, banana, uva, pêra e melancia.

grupo D

Combatendo a TPM

Principais sintomas: depressão, esquecimento, choro, tristeza sem motivo

É a mais comum. A mulher sente uma enorme tristeza, como se nuvens negras pairassem sobre a sua cabeça, mesmo que o dia esteja ensolarado e ela de férias em um local paradisíaco. Tarefas rotineiras, como acordar cedo, transformam-se em atividades impossíveis. Ela se sente pesada, sem força física e emocional para iniciar o dia. Com a auto-estima em baixa, acredita ser uma inútil e chora sem motivos. A sensação é de que ninguém a entende: nem marido, nem filhos, nem pais. No trabalho, acha que está sendo perseguida e que tudo dá errado. Durante a crise, afunda-se em um mar de tristeza e de solidão.

Dica de amiga: não se abata com a tristeza. Escute músicas animadas, capriche na produção para se sentir bonita e pratique ioga, que ajuda a controlar as emoções.

grupo H

Combatendo a TPM

Principais sintomas: aumento de peso, inchaço abdominal, dor nos seios.

Nesse caso, os sintomas físicos se sobrepõemaos emocionais a grande vilã é a retenção - principalmente no cérebro, nas mamas e no abdômen. Isso é causado pelo sal ingerido na alimentação, que permanece na corrente sangüínea, dificultando a eliminação de líquidos pela urina e fazendo com que a mulher ganhe peso rapidamente. Ela incha durante o período pré-menstrual e volta ao normal logo após o início do fluxo. Durante a crise, os seios ficam extremamente doloridos, há um cansaço físico intenso e a dor de cabeça é latejante.

Dica de amiga: faça sessões de drenagem linfática uma semana antes de menstruar. Ela ajuda – e muito – a deixar o corpo mais leve.

acabe com essa tensão

O primeiro passo para se livrar do problema é escolher um bom médico para ele indicar a melhor solução para o seu caso. Marque a consulta, preferencialmente, no período crítico da doença. Saiba que 60% do tratamento da TPM engloba o uso de medicação. O restante, 40%, envolve mudanças de atitude. Algumas, bem simples, você pode adotar desde já:

Evite alimentos muito salgados ou doces em exagero, pois eles provocam retenção de líquidos, ganho de peso e acarretam desconforto físico.

Dispense os laticínios (leite, queijo, iogurte), já que interferem na absorção de magnésio presente nos alimentos. Este, por sua vez, altera o nível de serotonina e afeta o bom humor.

Descarte comidas enlatadas, molhos prontos e outros produtos que utilizam conservantes e colorantes, capazes de disfarçar a quantidade de sal e açúcar embutidos nas fórmulas.

Substitua bebidas à base de cafeína por sucos naturais, água e chás sem açúcar. Essa substância estimulante pode piorar a irritação, provocar insônia e causar dores nas mamas.

Não tome bebidas alcoólicas, pois elas agem no sistema nervoso central e aumentam a carga de adrenalina, desestabilizando o equilíbrio emocional. Se você está triste, logo após a fase de euforia que o álcool provoca, acontece o efeito inverso, e a depressão se instala.

Dê preferência a legumes, verduras cruas e cereais integrais, que evitam a retenção de gases. Prefira pão integral e leite desnatado. Substitua a carne vermelha pelas brancas, como peixe e frango.

Evite longos períodos de jejum. Faça pequenas refeições ao longo do dia. Evite refeições rápidas e em pé, bem como conversas desagradáveisà mesa. Concentre-se no prazer de comer. Escolha um local agradável e sossegado. Tente combater os sintomas mais freqüentes. Se você notou esquecimento em determinado período, procure se prevenir contra isso, anotando tudo o que precisa fazer detalhadamente.

Marque reuniões importantes ou tome decisões valiosas nos seus melhores dias do ciclo - ou seja, os primeiros catorze.

Fonte: plasticaebeleza.terra.com.br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal