Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Tubarões - Página 2  Voltar

Tubarões



 


Sentidos básicos dos tubarões

Um dos principais motivos pelos quais os tubarões são ótimos predadores é o fato de possuirem sentidos apurados. Inicialmente, os cientistas pensavam nos tubarões como enormes narizes que nadavam. Quando os pesquisadores tamparam as aberturas nasais de tubarões cativos, eles tiveram problemas para localizar suas presas. Isto parecia demonstrar que os outros sentidos do tubarão não eram tão desenvolvidos quanto o olfato. Pesquisas posteriores demonstraram que os tubarões têm, na verdade, vários sentidos aguçados, mas dependem de todos eles funcionando em conjunto. Quando um deles é tirado, a habilidade dos tubarões para caçar fica significativamente prejudicada.

Tubarão
O tubarão-azul é caracterizado não apenas por sua cor peculiar, mas também por seu longo
focinho. Os tubarões-azuis já foram as espécies mais comuns de tubarão,
mas agora estão ameaçados de extinção devido à pesca.

O nariz do tubarão é definitivamente uma das suas características mais impressionantes. Conforme o tubarão se move, a água flui através de duas narinas frontais, posicionadas nas laterais do focinho. A água entra pela passagem nasal e passa por dobras de pele cobertas por células sensoriais. Em alguns tubarões, essas células sensoriais podem detectar até mesmo os menores traços de sangue na água. Um grande tubarão-branco, por exemplo, seria capaz de detectar uma única gota de sangue em uma piscina olímpica. A maioria dos tubarões pode detectar sangue e odores de animais há quilômetros de distância.

Outra coisa impressionante sobre o olfato dos tubarões é o fato de ser direcional. As duas cavidades nasais atuam como seus dois ouvidos: odores que vêm da esquerda do tubarão chegam à cavidade esquerda antes de chegar à direita. Desta forma, o tubarão pode identificar de onde vem o odor e ir direto a ele.

Os tubarões também têm a audição muito apurada. Pesquisas relatam que eles podem ouvir sons quase imperceptíveis que estão abaixo da capacidade humana. Os tubarões podem rastrear sons a quilômetros de distância, especialmente sons da aflição de presas feridas.

A visão varia de espécie para espécie. Alguns tubarões menos ativos que ficam perto da superfície não possuem a visão muito apurada, já os que ficam no fundo do oceano possuem olhos muito grandes que os permitem enxergar na escuridão. A maioria dos tubarões, no entanto, possui o campo de visão bastante amplo, já que os olhos são posicionados nas laterais da cabeça. Um grande exemplo é o tubarão cabeça-de-martelo, cujos olhos projetam-se para fora da cabeça.

Tubarão
Os tubarões-martelo caracterizam-se pela grande estrutura de sua cabeça.
Os olhos e as narinas dos tubarões estão posicionados no final dessas proeminências.

Muitas espécies também confiam muito em seu paladar. Antes de comer algo, eles dão uma "mordida de teste". Os receptores gustativos agrupados na boca analisam a refeição em potencial para verificar se é agradável. Os tubarões freqüentemente rejeitam presas que estejam fora de suas dietas comuns após essa primeira mordida.

Além desses sentidos, os tubarões também possuem alguns outros que não compreendemos completamente. Na próxima seção, veremos esses sentidos para entender como funcionam e como ajudam os tubarões.

Outros sentidos dos tubarões

Na última seção, vimos que os tubarões possuem a audição e o olfato mais apurados que os humanos. Eles também usam um sentido que nós não possuímos.

Os ampulários de Lorenzini conferem ao tubarão o sentido elétrico. Os ampulários consistem em pequenas dobras de células receptoras sensíveis à eletricidade, posicionadas sob a pele da cabeça do tubarão. Estas células são conectadas a poros na superfície da pele através de pequenos tubos preenchidos com uma espécie de geléia.

Os cientistas ainda não compreendem tudo sobre esses órgãos ampulários, mas sabem que os sensores permitem que os tubarões "enxerguem" os pequenos campos elétricos gerados por organismos vivos. O alcance do sentido elétrico parece ser bastante limitado (alguns metros à frente do nariz do tubarão), mas isso é o suficiente para caçar peixes e outras presas no oceano.

Tubarão
A água flui pelos sistemas lineares laterais. As vibrações da água estimulam as células
sensoriais no tubo principal, alertando o tubarão sobre a presença de presas e predadores.

Outro órgão de sentido particular é a linha lateral do tubarão. A linha lateral é basicamente um conjunto de tubos bem embaixo da pele do tubarão. Os dois tubos principais correm pelas laterais do corpo, da cabeça até a cauda. A água flui para dentro desses tubos principais através de poros na superfície da pele. A parte de dentro dos tubos principais são alinhados com projeções semelhantes a fios de cabelo, que são conectados a células sensoriais. Quando algo se aproxima do tubarão, a água que corre pela linha lateral move-se para frente e para trás. Isso estimula as células sensoriais, alertando o tubarão para presas potenciais ou predadores que estejam na área.

Isolados, nenhum dos órgãos sensoriais do tubarão seria adequado para a caça. Mas a combinação de todos esses sentidos fazem do tubarão um predador incomparável. O sucesso dos tubarões deve-se, em grande parte, a esses avanços fisiológicos: eles são feitos para encontrar comida. Eles também são muito bons em pegar comida, como veremos na próxima seção.

Os tubarões estão entre as criaturas mais assustadoras da Terra. Os fósseis de tubarão mais antigos datam de mais de 300 milhões de anos atrás, antes da era dos dinossauros. Além disso, algumas espécies existentes, como o tubarão de chifres, mantêm as mesmas características básicas há mais de 150 milhões de anos.

Tubarão

Os cientistas atribuem essa longevidade notável aos desenvolvimentos fisiológicos superiores dos tubarões. Os tubarões são dotados de características especiais que os tornam altamente eficazes, tanto como caçadores quanto como sobreviventes. Neste artigo, examinaremos essas qualidades únicas para verificar por que o tubarão é o rei dos oceanos.

Anatomia do tubarão

Quando pensamos nos tubarões, geralmente imaginamos um animal como o mostrado nesta figura. A barbatana dorsal alta, o corpo em forma de torpedo e os dentes gigantes deste enorme tubarão-branco são conhecidos por quase todos. Porém, hoje existem mais de 400 espécies diferentes de tubarão e elas variam consideravelmente em tamanho e aparência. De fato, 50% das espécies de tubarão têm menos de um metro de comprimento. Então, o que caracteriza o tubarão?

Tubarão
Um dos tubarões mais conhecidos, o grande tubarão-branco

Os tubarões, como as arraias e as quimeras, são diferenciados de outros peixes principalmente pela composição de seus corpos. A maioria dos outros peixes possuem esqueletos feitos de ossos, como os mamíferos, répteis, anfíbios e pássaros. Os tubarões e as arraias, por outro lado, possuem esqueletos feitos inteiramente de cartilagem, o mesmo material flexível de nossas orelhas e narizes. A cartilagem é resistente como o osso, mas sua densidade é muito menor. Esse material mantém os tubarões relativamente leves para que não afundem no oceano e não precisem de uma bolsa de ar como outros peixes.

A textura da pele dos tubarões também é bastante única. Eles não têm as escamas grandes e proeminentes encontradas nos peixes que possuem ossos. Em vez disso, eles são cobertos por escamas menores, como dentes, chamadas dentículos. Esses dentículos fortes e protetores são alinhados para canalizarem água pelo corpo do tubarão, minimizando o escoamento devido à fricção.

Como os peixes que possuem ossos, os tubarões respiram extraindo oxigênio dissolvido da água. A água entra na boca, passa pelas brânquias e é expelida através das fendas das brânquias atrás da cabeça. Em peixes que possuem ossos, essas fendas são cobertas, mas na maioria dos tubarões é possível vê-las claramente. Ao fluir através da abertura da brânquia, a água passa por pequenos filamentos branquiais. Estes filamentos são cobertos por capilares microscópicos que possuem uma quantidade menor de oxigênio do que a água ao seu redor. Este desnível faz com que o oxigênio da água se espalhe pela corrente sangüínea do tubarão, onde é distribuído por todo o corpo.

Alguns tubarões possuem uma bomba branquial, um conjunto de músculos que suga a água e a empurra para fora das brânquias. Este mecanismo funciona mais ou menos como nossos pulmões: o tubarão pode armazenar oxigênio continuamente enquanto está na posição estática. A maioria dos tubarões também extrai oxigênio usando a ventilação forçada, que passa a água através das brânquias por meio do movimento à frente. Alguns tubarões ativos dependem quase completamente da ventilação forçada, o que significa que eles permanecem em movimento a maior parte do tempo.

Tubarão
Um tubarão-dormedor fotografado na costa da Austrália: os tubarões-dormedores,
que caçam principalmente no fundo do oceano, possuem uma bomba
branquial que lhes permite respirar sem se mover na água

Também na hora de se mover os tubarões diferem da maioria dos peixes com ossos. Na próxima seção, veremos como os tubarões nadam com tanta rapidez e graciosidade.

Tubarões bebês

A maioria dos peixes depende da lei das probabilidades para a reprodução. Sua prole é numerosa, mas apenas uma pequena porcentagem sobrevive. Os tubarões, por outro lado, acasalam pouco e dão à luz uma pequena quantidade de filhotes por vez. As fêmeas são extremamente exigentes ao escolher o parceiro e os machos precisam enfrentar uma competição. Isto ajuda a assegurar a saúde dos filhotes.

O processo de nascimento varia de espécie para espécie. Alguns tubarões botam ovos em áreas protegidas no fundo do oceano. Quando o filhote está completamente desenvolvido, quebra a casca do ovo e sai nadando. Na maioria das espécies, os filhotes se desenvolvem dentro do ventre materno e estão completamente formados na ocasião do nascimento. Estes filhotes geralmente parecem tubarões adultos mas são, é claro, muito menores.

Embaixo d´água

A maioria dos peixes com ossos possui uma bolsa especial que os ajuda a se movimentar na água. Quando um peixe inala oxigênio, ele pode liberar um pouco do gás da bolsa. Isto aumenta a sua flutuabilidade na água. Para afundar, o peixe expele um pouco do gás para fora da bolsa, diminuindo a flutuabilidade. Dessa forma, um peixe é como um dirigível ou um balão de ar quente, que usa a elevação ascendente da flutuabilidade atmosférica para mudar de altitude.

Um tubarão é como um avião. Ele não tem a bolsa de natação, portanto usa seu movimento para frente para controlar a posição vertical. A cauda é como o propulsor do tubarão: ele a balança para frente e para trás para se movimentar. Em um avião, esse movimento à frente empurra o ar ao redor das asas. Em um tubarão, este movimento à frente empurra a água ao redor das barbatanas. Em ambos os casos, esse movimento cria uma elevação. O fluido é diferente, mas o princípio é exatamente o mesmo.

Os tubarões possuem dois conjuntos de barbatanas emparelhadas nas laterais do corpo, na mesma posição das asas principais e das asas horizontais de um avião. O tubarão pode posicionar essas barbatanas em ângulos diferentes, alterando o caminho da água ao redor delas. Quando ele inclina uma barbatana, a água flui e gera maior pressão sob a barbatana do que sobre a água. Isto cria a elevação. Quando o tubarão inclina a barbatana para baixo, a pressão é maior sobre a barbatana do que sob a água. Isto empurra o tubarão para baixo.

O tubarão também possui uma ou duas barbatanas dorsais verticais em suas costas e, às vezes, uma barbatana retal na parte inferior. Estas barbatanas funcionam como a asa estabilizadora vertical do avião. Elas ajudam o tubarão a manter o equilíbrio na água e podem ser movidas de um lado para outro para direcionar o tubarão para a esquerda e para a direita.

Tubarão
Um tubarão silky fotografado no Mar Vermelho:
os graciosos corpos longos dos tubarões silky fazem deles excelentes nadadores

Este arranjo de barbatanas confere aos tubarões uma capacidade de manobra incrível. Eles podem nadar em alta velocidade, parar de repente e virar-se precisamente em qualquer direção. Este é um dos motivos pelos quais eles são ótimos caçadores. Movem-se mais rapidamente e com maior controle do que qualquer uma de suas presas (na maior parte do tempo, a presa do tubarão nem sabe o que a atingiu).

Tubarão
Dois tubarões prateados na costa de Pápua-Nova Guiné:
os tubarões prateados podem atingir até 3 metros

É claro, antes que o tubarão possa atacar sua presa, ele precisa localizá-la. Nas próximas duas seções, examinaremos os sentidos apurados que ajudam os tubarões a localizar e rastrear suas presas.

Fonte: ciencia.hsw.com.br

Tubarões

Muito bem instalados no topo de suas cadeias alimentares, os tubarões são admiráveis exemplos de adaptação ao meio ambiente

Tubarão

Tubarões são seres marinhos muito mais fascinantes do que aquela distorcida imagem criada por Steven Spielberg para o cinema. Você sabia, por exemplo, que eles comem muito menos do que se imagina? Um espécime adulto come apenas de 1% a 10% do seu peso semanalmente. Isso porque são animais de "sangue-frio", cujo metabolismo é bem mais lento que o verificado em animais de "sangue-quente".

Fósseis indicam a existência de tubarões 300 milhões de anos atrás. Nesse tempo, não mudaram quase em nada, prova de que estão entre as espécies mais "bem acabadas" pela natureza no contínuo processo de evolução da vida no planeta. A maioria dos tubarões apresenta um corpo alongado e extraordinariamente hidrodinâmico. Certas espécies são capazes de nadar a velocidades superiores a 48 km/h.

Os tubarões habitam praticamente todos os mares do mundo, de águas rasas e tropicais a regiões polares. Predadores eficientíssimos e muito bem instalados no topo de suas respectivas cadeias alimentares, desenvolveram sentidos extremamente apurados. A 300 metros de distância, podem detectar uma única gota de sangue diluída na água. Em resumo: tubarões são admiráveis exemplos de adaptação ao meio ambiente. Aprenda um pouco mais sobre eles:

Tubarão

Das 350 espécies, 32 atacam

Tubarão

Os tubarões-tigres são os que têm a dieta mais variada. Capazes de ingerir quase tudo que apareça pela frente (como pneus ou qualquer outro objeto lançado ao mar), ganharam o apelido de "latas de lixo" dos oceanos.

Os tubarões-tigres são predadores importantes para o equilíbrio das populações de tartarugas e serpentes marinhas. Seus alimentos preferidos, porém, são peixes(inclusive outros tubarões), mamíferos marinhos e pássaros.

Por causa da extraordinária força que eles têm nas mandíbulas, os tubarões frequentemente perdem alguns de seus dentes durante a alimentação. O tubarão-limão é capaz de repor um dente perdido em aproximadamente oito dias.

Algumas espécies de tubarões podem utilizar audição antes de qualquer outro sentido para localizar um presa. Eles possuem apenas ouvidos internos, compostos de três câmeras e um minúsculo osso auricular chamado otolith.

Tubarão

Tubarões parecem ter boa capacidade de enxergar com pouca iluminação. Seus olhos são particularmente sensíveis a objetos em movimentos. Estima-se que a visão seja eficiente a 15 metros de distância ou mais.

Tubarões têm um apurado senso de olfato. podem identificar certas substâncias na água inferiores a uma parte por bilhão e "sentem o cheiro" de algo a centenas de metros de distância.

Seu corpo fusiforme reduz o arrasto e exige o mínimo gato de energia. A segunda nadadeira dorsal de algumas espécies é uma adaptação para tomar o deslocamento o deslocamento mais rápido. Ela reduz a turbulência

Tubarão

Em geral, tubarões nadam em velocidades inferiores a 5 Km/h. Espécies adaptadas à vida no fundo, como o tubarão-lixa (lambaru), são mais lentas. O mako está entre as espécies mais rápidas. Pode nadar a 48 km/h ou mais.

O esqueleto dos tubarões não é formado por ossos, mas por cartilagens. Elas podem sofrer calcificação parcial, sobretudo na região da coluna vertebral. Mas a cartilagem nunca se transformará em um osso de verdade.

Banhistas e mergulhadores na superfície estão mais sujeitos a ataques de tubarões. Na superfície, a silhueta de uma pessoa pode lembrar a de uma foca, alimento predileto de certas espécies, como o grande tubarão-branco.

Tubarão

Tubarões lixas, ou lambarus muito comuns na costa brasileira, usam seus grossos "lábios" para criar um movimento de sucção. Isso ajuda a capturar presas abrigadas em pequenos buracos e cavidades.

A cartilagem dos tubarões pode ser importante nas pesquisas para a cura do câncer. Ela contém uma substância ativa capaz de inibir o crescimento de tumores. Tubarões raramente desenvolvem doença.

Das 350 espécies, apenas 32 já atacaram pessoas. Esses tubarões têm três características em comum: se alimentam de peixe e mamíferos marinhos, crescem bastante e frequentam águas quenets e costeiras.

Tubarão

Certos tubarões preferem determinados alimentos a outros. O martelo, por exemplo, é conhecido por comer arraias. Já o cabeça-chata (bull shark), que não ocorre no Brasil, tem particular predileção por outros tubarões.

Depois que o tubarão-branco morde sua presa, ele se afasta, esperando que a vítima sangre até morrer. Se a vítima é uma pessoa, essa é a hora de resgatá-la. Com socorro imediato, ela tem boas chances de sobreviver.

Fonte: www.mergulhe.com.br

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal