Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Ucrânia  Voltar

Ucrânia

 

História

Os primeiros grupos identificáveis para preencher o que hoje é a Ucrânia foram cimérios, citas, sármatas, e godos, entre outros povos nômades que chegaram durante todo o primeiro milênio aC. Estas pessoas eram bem conhecidos de colonos e comerciantes em todo o mundo antigo, incluindo gregos e romanos, que estabeleceu postos comerciais que eventualmente se tornaram cidades-estados.

Tribos eslavas ocupado central e leste da Ucrânia no século VI dC e desempenhou um papel importante no estabelecimento de Kiev. Situado em rotas comerciais lucrativas, Kiev rapidamente prosperou como o centro de um poderoso estado de Rus. No século 11, Rus foi, geograficamente, o maior estado na Europa.

Um missionário cristão, Cirilo, convertido a nobreza de Kiev e mais da população em 988. Conflito entre os senhores feudais levou ao declínio no século 12. Kiev foi arrasada pelos invasores mongóis, no século 12.

A maior parte do território foi anexado pela Polônia e Lituânia, no século 14, mas durante esse tempo, o povo ucraniano começou a conceber-se como um povo distinto, um sentimento que sobreviveu particionamento subseqüente por maiores poderes ao longo dos séculos seguintes. Além disso, os camponeses ucranianos que fugiram do esforço polonês para forçá-los à servidão veio a ser conhecido como cossacos e ganhou a reputação de seu espírito feroz marcial.

Em 1667, a Ucrânia foi dividido entre a Polônia ea Rússia. Em 1793, ele se reuniu como parte do Império Russo.

Ucrânia

O século 19 encontrou a região predominantemente agrícola, com algumas poucas cidades e centros de comércio e de aprendizagem.

A região estava sob o controle dos austríacos no extremo oeste e dos russos em outro lugar.

Escritores e intelectuais ucranianos foram inspirados pelo espírito nacionalista mexendo outros povos europeus existentes em outros governos imperiais e estavam determinados a reviver tradições ucranianas linguísticas e culturais e re-estabelecer um ucraniano Estado-nação.

Os russos, em especial impunham limites rígidos sobre as tentativas de elevar língua ucraniana e cultura, mesmo proibir o seu uso e estudo.

Quando a Primeira Guerra Mundial e a revolução bolchevique na Rússia quebrou o Habsburgo e impérios russo, ucranianos declarado Estado independente.

Em 1917 e 1918, três diferentes repúblicas da Ucrânia declarou a independência. No entanto, em 1921, a parte ocidental do território tradicional havia sido incorporada Polônia, ea parte maior, central e oriental tornou-se parte da União Soviética.

A idéia nacional ucraniana perseverou durante o período entre guerras, ea reação soviética foi grave, particularmente sob Stalin, que impôs campanhas de terror, que devastou a classe intelectual. Ele também criou fomes artificiais, como parte de suas políticas de coletivização forçada, que matou milhões de camponeses anteriormente independentes e outros em todo o país. As estimativas de mortes causadas pela fome 1932-1933 sozinho variar de 3 a 7 milhões.

Após as invasões alemãs e soviéticas da Polônia em 1939, as regiões ocidentais da Ucrânia foram incorporados à União Soviética. Quando os alemães invadiram a União Soviética em 1941, muitos ucranianos, especialmente no oeste, acolheu-os, mas isso não durou muito.

Brutalidade alemã foi dirigida principalmente contra os judeus da Ucrânia (dos quais 1 milhão foram mortos), mas também contra muitos outros ucranianos. Kiev e de outras partes do país foram fortemente danificadas.

Alguns ucranianos começaram a resistir os alemães, assim como os soviéticos. Resistência contra as forças do governo soviético continuou tão tarde quanto 1950.

Pouco mudou para a Ucrânia nas próximas décadas. Durante os períodos de relativa liberalização - como Nikita Khrushchev em 1955-1964 - comunistas ucranianos perseguido objetivos nacionais. Nos anos de perestroika, sob URSS Mikhail Gorbachev, metas nacionais foram novamente avançado por funcionários ucranianos.

Ucrânia tornou-se um Estado independente em 24 de agosto de 1991, após a dissolução da União Soviética, e foi um dos membros fundadores da Comunidade de Estados Independentes (CEI).

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Ucrânia

Ucrânia, o tesouro dos Czares

Na época imperial que os Czares dominavam Rússia, resplandece em nossa memória graças aos luxos da corte russa. Kiev tem sido, ao longo da história e até nossos dias, uma das cidade mais importantes da recém nascida Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

Kiev foi a primeira que se converteu em uma verdadeira cidade. Com uma forte influência do Império Bizantino, tanto na arte como na cultura, Kiev supôs unir estas influências, com as características próprias do povo russo.

Por aquela época começam a levantar-se enormes edifícios coroados por formosas cúpulas de distintas cores e formas que seguem sendo na atualidade a imágem mais conhecida da CEI no resto do mundo.

Moscou tomou o relevo de Kiev e somente o perdeu nos anos em que São Petersburgo foi fundada e nomeada capital da corte por Pedro I "O Grande". Este Czar melhorou notavelmente, as relações da Rússia com a Europa adotando modelos ocidentais.

Esta mistura entre oriente e ocidente é, o maior atrativo de Ucrânia. Respira-se um ambiente exótico. Passear pelas suas ruas é como entrar no interior de um país de lendas, onde a mais original das fantasias, tem-se convertido em realidade.

Talvez um dos personagens, próprios da imaginação, utilizou todos seus poderes para inspirar sua criação aos Czares e eles, depois, colocariam essa magia nas mãos dos homems para construir majestosas cidades, cheias de encanto.

Encantamento que se plasma em edifícios de enormes dimensões, com uma decoração tão formosa que conseguem parecer sumamente leves museus com coleções únicas no mundo, parques de beleza excepcional, uma rede de metrô que é uma autêntica obra de arte e, sobretudo um povo formado por pessoas de distintas raças que não perdem jamais o sorriso.

Se gosta da boa comida, os espetáculos de qualidade, os esportes, a vodka, as paisagens de extremada beleza e, como elemento indispensável, a boa companhia, não duvide, em Kiev encontrará tudo isto e muito mais.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

A criação da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), em 1991 supôs a reorganização tanto geográfica, como política da antiga União Soviética. A CEI extende-se atualmente ao longo de 22, 100, 900 quilômetros quadrados, dos quais 5, 269, 100 são europeus e o resto asiáticos.

A parte européia, deixando de um lado as repúblicas caucásicas, está formada por Bielorrusia com 207.600 quilômetros quadrados, Ucrânia com 603.700 e Rússia com 4.238.000.

Ao sudoeste de Rússia encontra-se Ucrânia, com sua capital, Kiev, como cidade mais importante e situada na ribeira direita do rio Dniéper.

A CEI européia está separada da asiática pelos Urais, cadeia montanhosa de mais de 2.000 quilômetros quadrados, que extende-se desde o mar de Kara até a depressão carcásica. O nível de erosão desta cadeia montanhosa é muito avançado, pois sua antigüidade se remonta em algumas zonas até o Paleolítico.

Dividem-se em Polares, Setentrionais nos que encontra-se a montanha mais alta do sistema, a Narodnaja com 1, 895 mt. Centrais e Meridionais. Ao oeste dos Urais encontramos uma enorme planície, cuja origem procede das glaciações quaternárias e que conforma o território natural de Rússia e Ucrânia.

Também podemos encontrar outras montanhas nos Cárpatos Orientais, na república Ucrâniana, cujo pico mais alto é o Goverla, com 2061 mt. e, dividindo o Mar de Azov do Mar Cáspio, o Cáucaso.

A bacia fluvial é muito abundante e costuma ser navegável. Habitualmente os distintos rios se comunicam através de canais. Os mais importantes são o rio Dniéster, 1, 350 km., o Dinéper, 2, 200 km., o Volga, 3, 530 km., e o Ural com 2, 430 km. Também são abundantes os lagos como o Ladoga com 18, 400 quilômetros quadrados, o Onega com 9, 610, o Rybins com 4, 100 e o Peipus com 3, 550 km.

FLORA E FAUNA

Dentro da zona européia da Comunidade dos Estados Independentes Pode-se encontrar distintos tipos de vegetação e de fauna, devido aos distintos climas que encontram-se na região.

Ao norte, desde o golfo de Finlândia até os Urais, se desprega a famosa taiga com extensos bosques de pinhos, abetos, larício, freixos, álamos tembladores e bétulas. As temperaturas são quentes no verão, 16 graus centígrados e extremas no inverno com abundantes chuvas, alcançando os 15 graus centígrados a baixo de zero.

A fauna desta zona é rica e variada com o urso, o lince, o lobo, a marta, a raposa comum e a cibelina como máximos representantes, junto a um inacreditável leque de espécies de aves.

Mais ao norte, na zona banhada pelo Glacial Ártico, a taiga deixa passo à tundra com seus permanentes gelos, nos quais o solo pode crescer, quando o verão está em seu apogeu, com uns 6 graus centígrados, musgos, líquens e árvores anãs, como as bétulas.

No inverno as temperaturas extremas que atingem inclusive os 40 graus a baixo de zero tornam muito difícil a sobrevivência que, sem dúvida, conseguem alguns roedores como o leming, a lebre polar, a raposa cibelina, o glotão, algumas aves e animais domésticos como a rena.

Ao sul da taiga encontramos as terras negras. É a zona mais fértil do país e está considerada como o graneiro da Rússia, pois embora os invernos continuem sendo duros, os verões são mais quentes, com frequentes precipitações.

É zona de cereais e de espécies herbáceas e halófilas. Esta zona contrasta com o sul, onde é necessário a irrigação artificial para conseguir alguma colheita e que se intensifica ainda mais a beira do mar Cáspio, onde os terrenos se convertem em semi desertos.

Para desfrutar plenamente com a fauna e a flora da CEI pode-se visitar alguns dos 140 zapoved-niki, parques e reservas de interesse nacional que nasceram em tempos da União Soviética, perante a necessidade de preservar as espécies em extinção, que tinham sobrevivido ao ataque incontrolado dos caçadores.

História

Os restos arqueológicos encontrados na zona datam do Paleolítico. Desde a pré -história, a Comunidade dos Estados Independentes tem sido um terreno habitual de passagem entre oriente e ocidente.

Têm encontrado restos de escitas, sármatas do século VII aC. godos e hunos no III dC. e membros de tribos eslavas que, no século VII, consiguem fazer, com o território que hoje ocupa, o centro de Rússia e embora tem mantido até nossos dias, tiveram que lutar com czares e vikings, que também obtiveram sua parte do terreno.

Os Eslovenos

Perante a chegada dos vikings, os eslovenos se uniram criando, no século IX, seu próprio domínio desde o que se extenderam a Kiev, ocupando as atuais Bielorrusia, Ucrânia e parte de Rússia. A Rus de Kiev foi adquirindo cada vez mais poder vencendo os czares, chegando inclusive a ameaçar o Império Bizantino.

No ano 988, a Rússia se converte ao cristianismo, propiciando o aproximamento com os estados europeus e a criação de uma autêntica cultura russa, herdeira da eslava, do alfabeto cirílico, que segue funcionando em nossos dias e das influências de Bizâncio, que decai ostenssivelmente, a partir de 1054, quando se rompem as relações entre Roma e o Império Bizantino.

Esta ruptura consiguiu que o isolamento fosse maior potenciando as relações interiores entre Igreja e Estado, durante o governo de Yaroslav o Sábio. Depois do seu falecimento, se produziu uma fragmentação do poder e do território.

A Presença dos Tártaros e os Czares

Outras cidades tomam o relevo sendo Vladimir a mais importante e, desde a que se empreende a união do território russo. O príncipe governante em Vladimir, Yuri Dolgoruki, é o fundador de Moscou, no ano de 1156.

As lutas entre os russos favoreceram a invasão dos tártaros, que se instalaram em Saraj. Moscou foi um fiel aliado dos invasores, pelo que consiguiu aumentar seu poder, além de que sua situação geográfica influiu, pois se encontrava no centro, pelo que passavam todas as rotas comerciais com Ásia.

Este apoio finalizou no século XV, em que Moscou derrota às forças tártaras, se anexa Novgorod, deixa de pagar o tributo ao Kam e reconquista os terrenos ocupados pelos lituanos. Uma vez consolidado o território, era necessário consolidar a economia, assim os camponenses tinham que pagar cada vez mais impostos e em troca obtinham leis, que concediam cada vez menos direitos, em favor de seus senhores, chegando a converter-se em servos da gleba.

Por outra parte, os governantes deixaram de lado à antiga aristocracia, para outorgar a propriedade das terras aqueles homems, que não duvidaram em combater a seu lado, acabando assim, com as heranças. Ivan III se autoproclamou Czar no século XVI, convertendo seu reinado no último bastão ortodoxo do mundo.

Seu sucessor Ivan IV, conhecido mundialmente como O Terrível, consiguiu consolidar o poder autocrático dos Czares de maneira indiscutível através de contínuas guerras e de um acaso, contra os boyardos, membros da antiga aristocracia. Com sua morte, Moscou se encontrava seriamente debilitada, em todos os aspectos.

A sucessão de Ivam o Terrível deu lugar a numerosos conflitos internos, que não se resolveram até 1613, com o nomeamento de Mijail Romanov, cujos descendentes governaram Rússia, até 1917.

Durante este período os camponenses empenharam ainda mais sua condição, se conquistou Sibéria, anexaram parte de Ucrânia e Kiev, se produziram múltiplos conflitos bélicos e religiosos e se incrementou a abertura para ocidente da mão de Pedro I o Grande, de uma maneira absolutamente sanguinária.

No interior do país se promulgaram leis, que condenavam com a morte aquelas pessoas, que não vistissem roupas ocidentais ou não aparassem suas barbas e, desapropiaram a maior parte dos bens da Igreja ortodoxa.

Transladou a capital do estado a uma cidade recentemente criada, São Petersburgo. Com a morte do Czar em 1725, chegou o conhecido, como reinado das Czarinas, que supôs, uma volta às tradições, supôs a consolidação da Rússia, como potência mundial.

O século XIX

O século XIX se inicia com o nomeamento de Alexandre I como Czar. Foi ele, quem consiguiu vencer a invasão das tropas de Napoleão, em 1812, graças ao duro inverno russo.

Seus sucessores continuaram com as guerras expansionistas, enquanto no interior, a parte de uma tentativa de abolir a servidão da gleba, por parte de Alexandre II que morreu assassinado, a situação se deteriorava cada vez mais.

A princípios do século XX se sucedem as lutas revolucionárias, que obrigam a Nicolás II a outorgar uma constituição, em 1906. Ao estourar a Primera Guerra Mundial, Rússia se alia com Inglaterra e França, desde o primeiro momento, sofrendo a invasão de Polônia pelas tropas alemãs.

O Comunismo e a Segunda Guerra Mundial

Em 1917 se inicia a Revolução Russa que acabou, com o poder dos czares e a transformação do país na União de Repúblicas Socialistas Soviéticas.

Com a morte de Lenim em 1924, a economia sofre um forte retrocesso, enquanto que o governo passa a manos da troika, Kamenev, Zinoviev e Stalin. Este último consegue fazer-se com o poder, expulsando os outros dois membros da troika.

Durante este período a economia russa se revitaliza através de uma forte industrialização, posta em marcha do primeiro plano quinquenal e a estabilização da relações diplomáticas, que culminaram com sua entrada na Sociedade de Nações, em 1934.

De 1936 a 1938 Stalim realiza uma minuciosa depuração do regime, acabando com qualquer mostra de dissidência para seu labor, leva a cabo o II plano quinquenal e põe em marcha o III, que é interrompido pela invasão alemã na Segunda Guerra Mundial, que ao finalizar divide o poder político mundial em dois bandos: Estados Unidos e Rússia, iniciando-se a Guerra Fria.

Depois da morte de Stalin

Com a morte de Stalim em 1953 a diplomacia russa adquire uma importância enorme, cujo objetivo é conseguir a coexistência pacífica das potências. Não foi fácil, entre outros incidentes o muro de Berlim, em 1961 e a crise de Cuba, em 1962, estiveram a ponto de ocasionar uma guerra que teria efeitos catastróficos.

Com a chegada de Brezhnev, em 1964, se inicia uma intensificação de relações com outros países do Leste, seguindo a linha marxista mais pura.

A situação mundial se tensiona cada vez mais, China começa um processo de abertura para o capitalismo que não gosta nada à URSS, a invasão do Afganistão, provoca uma séria crise com Estados Unidos, que se agrava ainda mais, com a instalação em 1983 dos primeiros mísseis em solo europeu, para potenciar a política de força comandada pelo Presidente Reagan.

Andropov e Chernenko continuam na mesma linha, mas com a chegada ao governo russo de Gorvachov em 1985, tudo começa a mudar.

O princípio da mudança

Os presidentes russo e norte americano, Gorvachov e Reagan, se reunem por primeira vez, em Genebra, em novembro de 1985. Os frutos se percebem claramente, no interior da União Soviética se produz uma clara abertura, assim como, uma menor pressão, para o resto dos países do Leste, no exterior as relações diplomáticas com ocidente melhoram notavelmente, culminando com a assinatura da eliminação dos euromísseis e a retirada das tropas russas do Afganistão.

Porém, esta abertura não foi fácil para Gorvachov, múltiplas críticas do setor mais reacionário, movimentos independentistas em distintas repúblicas e o Golpe de Estado falido de 1991, que acabou com a proibição do Partido Comunista da União Soviética, diminuiu notavelmente, sua credibilidade no interior do país, a favor de Boris Yeltsin, atual presidente russo. Gorvachov demitiu-se no dia 15 dezembro de 1991, criando-se o dia 21 desse mesmo mês a Comunidade dos Estados independentes.

A CEI está composta por 11 repúblicas da antiga URSS: Armênia, Azerbaiyão, Bielorrusia, Kazajstán, Kirguizistán, Moldavia, Rússia, Tadzhikistán, Turkmenistán, Ucrânia e Uzbekistán.

Nos acordos de constituição todas elas cediaram a Rússia o controle do armamento nuclear estratégico e Bielorrusia e Ucrânia assinaram o Tratado de Não Proliferação Nuclear, comprometendo-se a eliminar as armas nucleares de seu território. A situação da CEI não está ainda claramente definida, com uma economia francamente deteriorada e problemas políticos sérios na Rússia, tudo está ainda no ar.

Arte e Cultura

A arte e a cultura da Comunidade dos Estados Independentes está fortemente marcada pelo regime comunista, que manteve unificados os critérios em todo o território (no fim deste apartado, encontrará uma lista sugestiva de museus para apreciar a arte da região).

Até o desaparecimento da URSS, pode-se diferenciar os seguintes períodos:

Da pré-história ao bizâncio

Neste período destacam os restos dos escitas e dos gregos que encontram-se na Península de Crimea.

Arte bizantina

A partir do século X a influência bizantina deixa-se sentir, em toda a rua de Kiev e Novgorod. Começa a literatura e a arquitetura propriamente russas. As construções substituem a madeira como elemento fundamental, pelo concreto.

As edificações religiosas seguem o exemplo de Santa Sofia de Constantinopla, de grande tamanho com preciosas cúpulas e fortes pilares para sustentar o peso e, com uma preferência especial pela verticalidade imposta, talvez pelo clima, pois as grandes nevadas necesitavam serem verticais para sustentar o peso.

Com o passar dos anos se tende a uma maior simplicidade nas formas. As influências ocidentais se misturam com as orientais. Aparecem os afrescos, mosaicos e os magníficos íconos, que pretendem descobrir o misticismo frente à realidade palpável.

Moscou

A importância desta cidade durante os séculos do XV ao XVIII, ficou plasmada na arte dessa época. Voltam à madeira, como principal suporte, pois sua utilização procedia tradicionalmente da Rússia Central.

As construções são realizadas para deixar constância do poder dos governantes, seguindo as linhas mais tradicionais da arquitetura russa. Uma boa mostra são as igrejas votivas. Percebe-se as influências do Renascimento italiano e do barroco francês.

São Petersburgo

Com o translado da capital a esta cidade, também o epicentro artístico varia durante o século XVIII. As duas chaves da arquitetura deste período seriam simples e funcional em uma primeira parte, deixando passagem à morte de Pedro I, à grandiosidade e a decoração abundante com claras influências barrocas e rococós.

A Academia das Artes

Catalina II decide criar a Academia das Artes, na que os jovens russos com talento, podiam desenvolver plenamente sua educação. Os frutos não tardariam em chegar. Pintores da talha de Rokotov, Levicki e Briullov, entre outros, sairam dela.

Ao longo do século XIX a pintura russa consegue sair dos moldes rígidos da Academia e, embora não fosse fácil, começariam a desenvolver outros temas, como as cenas campesinas de Venecianov.

Os intelectuais e artistas se unem para acabar com o monopólio artístico da Academia, criando a Assossiação de Exposições Itinerantes que leva a arte a todo o país. A este grupo pertencem talentos como os de Perov, Kramskoi, Miasoedov, Savrasov, Dostoievski, e Tolstoi, entre outros.

A arte soviética junta os critérios artísticos em serviço da funcionalidade. O metrô, uma estação de trens ou uma indústria pode ser uma autêntica obra de arte.

Em pintura foram reprimidos em um primeiro momento, os movimentos abstratos, como o praticado por Maevich, dando passagem, ao realismo puro de Nesterov, Mashcovou Guerasimov, em pintura ou a Merkurovou Komenkov, em escultura.

A literatura russa é conhecida mundialmente, por autores da talha de Pushkin, Godol, Turguénievou Benediktov e Tiuchev, em poesia. Especial importância tem tido o realismo de Tolstoi e Dostoievski a finais do século XIX.

Em nosso século Chejov, Bunim e Gorki, em novela, Briusov, Ivanov e Block, em poesia, Comboiosiov, Zamjatim e Ivanov, em teatro e Evreinov, Stanislavski e Tairov nas vanguardas.

Durante o governo de Stalim se produziu um sério retrocesso, devido à censura existente que finalizou, com sua morte e pouco a pouco foram aparecendo novas vozes dessidentes, com o sistema soviético, Ehrenburg, Nekrasov, Kazakov e Amalrik, entre outros.

A música russa tem tido excelentes compositores nos seus bens. Balakirev, Cui, Musorgski, Borodim e Korsakov, como seguidores dos regras mais tradicionais, influênciados pelo ocidente destacam Rubinstein, Chaikovski, Rajmaninov e Liapunov. Revolucionários e originais Stravinski, Prokofiev, Kabalievski e Jachaturiam entre outros.

Não podemos esquecer a bailarinos, tão maravilhosos, como Nureyev saidos da escola do Teatro do Bolshoi ou filmes tão importantes para a história do cinema, como "O Acorazado Potenkim".

Os artistas russos que pretendiam sair-se da norma foram censurados continuamente. Muitos deles decidiram exilar-se a países ocidentais, sobretudo, os Estados Unidos, onde podiam desenvolver sem dificuldades o imenso caudal criativo, que levavam em seu interior, hoje em dia ressurgem timidamente novos movimentos, embora ainda sem muita força.

MUSEUS DE KIEV

Museu Estadual da Arte Russa de Kiev. 9 Ulica Repina

Possui uma interessantíssima mostra de arte entre a que destacam os íconos das melhores escolas, retratos dos séculos XVIII e XIX, obras decembristas, paisagens russas do XIX e o melhor dos pintores contemporâneos russos.

Museu Estadual de Arte Ocidental e Oriental de Kiev. 15 Ulica Repina

Esta coleção possui antigüidades ocidentais, A, gregas, romanas e bizantinas, e peças orientais de grande qualidade, como sedas do XIX e jades da China.

Museu Estadual de Arte Figurativa Ucrâniana 6 Ulica Kirova

Conta com uma importante coleção de íconos dos séculos XII ao XVII e estupendos retratos do XVII ao XIX, junto à obra de pintores Ucrânianos contemporâneos.

Museu ao ar livre de Arquitetura da Madeira

Orilla oriental do Dniéper a 5 km. do centro. 500 construções de madeira de todas as regiões Ucrânianas. Realmente interessante.

Gastronomia

A gastronomia da Comunidade dos Estados Independentes é realmente maravilhosa, com uma grande variedade de ingredientes e sabores e uma preparação muito cuidada. Atualmente, devido ao grave problema econômico que sofrem os restaurantes, têm problemas para abastecerem-se das matérias primas para cozinhar, mas ainda assim, podem desfrutar de uma boa comida em um ambiente acolhedor.

A gastronomia da CEI sabe misturar o melhor da cozinha oriental e ocidental. Não costumam oferecer pratos de digestão pesada, nem de sabor picante, mas a mistura de sabores agridoces é realmente magistral.

Os habitantes da CEI costumam comer copiosos desjejuns, nos que junto à tradicional papilla de sémola, kasa e o delicioso iogurte, pode-se encontrar carne, peixe e ovos; para beber café, chá e leite.

Dependendo do trabalho, a comida principal pode ser feita ao meio dia ou pela noite, porém, em qualquer caso, pode considerar-se um autêntico banquete.

Para começar, as famosas entradas entre os que não faltarão o caviar e os blimis, tortas de milho, com arenques em uma molho de nata azeda, estes por si só, já poderiam servir de comida completa para um europeu, mas para um russo, um ucrâniano é, simplesmente um aperitivo.

Depois se servem as densas sopas, prove a de beterraba e a de verduras, são deliciosas. Na continuação os pratos fortes. Em relação a carnes pode-se desfrutar de bovino, novilho, vitela, enquanto que a caça tem uma preparação excelente com molhos maravilhosos de sabores suaves, que compensam perfeitamente o sabor das perdizes e faisões.

Em respeito aos peixes, o salmão e o esturião são os mais conhecidos, mas também encontram-se variedades de peixes de água doce de sabor maravilhoso. Como pratos típicos de peixe destacam o relheno, ao papilloteou em gelatina, embora seja comido assado, não se sentirá defraudado.

Como sobremesa pode comer queijos, como o tvorog, uma espécie de requeijão ou o zelenyisyr, queijo verde muito picante, cremosos iogurtes, tortas, mousses gelados elaborados artesanalmente que destacam-se pela sua variedade.

Bebidas

Para acompanhar esta abundante comida se costuma beber vodka muito fria, kvas, uma espécie de cerveja doce feita de malta de cevada, centeio e muito açúcar. Se você prefere o vinho encontrará excelentes na Ucrânia, Moldaviaou Geórgia e várias espumosas, conhecida como sampanskoe.

Também pode-se beber a cerveja local. Como licores destacam o conhaque armênio, a nevoduja, aguardente envelhecida com álcool e vodkas de ervas, limão ou vinhos antigos.

O café russo é de boa qualidade e pode –se comer, como o irlandês, somente que em lugar de whisk se acrescenta vodka. O chá é feito com uma colherada de geléia de framboesa, que lhe dá um sabor muito especial.

O que Comer

Se decidir ir jantar em um restaurante, é necessário que tenha em conta o seguinte: há que fazer reserva para poder desfrutar da mesa tanto tempo que deseje e ter muita paciência, pois pode esperar bastante tempo até conseguir sentar-se para desfrutar dos estupendos manjares.

Em troca receberá um excelente serviço, enquanto saboreia a comida que estará amenizada na maioria dos restaurantes, por uma orquestra de qualidade. Lembre-se que costumam fechar às 24 horas e, não esqueça de deixar uma gorjeta de 5% a 10% do total da fatura, se ficou plenamente satisfeito. Não é obrigatório, mas é habitual.

Restaurantes em Kiev

Os mais conhecidos pela qualidade dos pratos da cozinha Ucrâniana, pelo preparo e pelo seu ambiente acolhedor são o Chata Karasja e o Mlyn.

Compras

Pensar na Comunidade dos Estados Independentes e querer comprar ali, é certo que lhe vem à cabeça três coisas: vodka, caviar e matrioskas.

Efetivamente, em qualquer ponto poderá encontrar estes três produtos. As matrioskas formam parte do artesanato tradicional do talhado de madeira tão típico do centro da planície européia da CEI.

Pintados com alegres cores, entre os que primam o vermelho e o amarelo, tirar umas de dentro de outras e coloca-las por tamanho é um bom entretenimento para os crianças, além de um formoso adorno para qualquer casa.

Se comprar caviar, seja vermelho ou negro, assegure-se de sua qualidade e lembre-se que só poderá passar pela alfândega 400 gramas, apresentando as faturas. Com respeito a vodka informe-se das marcas, pois no mercado encontra-se desde a de maior qualidade até autênticas "matarratas". Também se oferecem aromatizados com distintas ervas, limão e inclusive pimentas.

O artesanato do CEI oferece uma mostra realmente impressionante, esplêndidos lacados sobre madeira, em móveis como mesas e escritórios ou em pequenas caixas de desenhos realmente bonitos, esmaltes de grande qualidade, miniaturas maravilhosas, peças de imexorável vidro, os famosos relógios russos de grande tamanho, delicadas porcelanas de acabado perfeito.

Menção a parte valem as balalaikas, instrumentos musicais de forma triangular, os preciosos xadrez de madeira, os chales bordados de alegres cores, as encantadoras camisas ucrânianas com bordados e ribetes, os produtos realizados em pasta de papel entre os que se podem encontrar broches, piteiras, etc, adornadas com a temática dos contos russos tradicionais e todos os artigos de pele e couro, abrigos de vison, gorros de raposa ártica, cintos e sapatos de excelente qualidade. Também pode-se adquirir aromáticos perfumes de embriagadores aromas.

As repúblicas da CEI destacam-se pela sua maravilhosa joalheria. Pode-se adquirir delicadas figuras de malaquita, colares em prata ou em ouro, com brilhantes e pedras preciosas, braceletes de âmbar, broches de selenita e todo tipo de marfins.

A cerâmica costuma estar adornada em cores branca e azul, as mais conhecidas são as de Gzel. Também pode-se encontrar livros antigos, discos de música clássica dos melhores compositores russos, selos, gravados e como não, preciosos íconos. Lembre-se que não pode exportar obras de arte anteriores a 1975, sem permissão especial outorgado pelo Ministério da Cultura.

As compras podem ser feitas em lojas nas que se paga em rublosou nas Berioska, lojas que só admitem moeda estrangeira e que estão especializadas em oferecer aos turistas qualquer produto artesanal. Os horários costumam ser os mesmos que no resto da Europa. Alguns comércios costumam abrir aos domingos.

Não esqueça de guardar todas as faturas, pois as autoridades aduaneiras podem solicitá-las.

População e Costumes

Os habitantes da Comunidade dos Estados Independentes são pessoas acolhedoras, hospitaleiras e risonhas, apesar dos duros históricos, que tem sofrido, este povo é de talanto nobre e sabe encarar os maus tratos, com um impressionante otimismo.

O clima, tão frio no inverno, tem reforçado o caráter familiar da sociedade. Quando as grandes nevadas tornam muito difícil o trânsito por ruas e estradas, tanto os russos como os Ucrânianos, se ficam em casa com as conversações, a rádio e a televisão, como entretenimentos.

A leitura também ocupa um lugar importante em suas preferências, de feitio, este povo está considerado desde há tempo, como um povo culto. Porém, as cidades não se vêm completamente vazias, sempre há movimento de pessoas envolvidas em pesados abrigos e calçados forrados que vão de um lado a outro e não duvidam um instante antes de manter uma conversação com um conhecido apesar do frio.

Os lugares de lazer, encontram-se repletos de gente com vantagens de passar bem. Com a mudança política, a noite tem vida própria. Nesta sociedade se madruga muito e se vai à cama muito tarde, assim, é certo de que dormirá muito pouco, se decidir seguir o ritmo.

É necessário ter em conta que um turista ou viajante sempre é considerado como uma boa fonte de informação sobre política exterior, costumes distintos e nível de vida. Curiosamente o estrangeiro não é o que mais observa nesta sociedade, a curiosidade é outro componente essencial do caráter deste povo.

Apesar de sua amabilidade e simpatia, talvez influenciados pelo clima e as transformações políticas, os habitantes da CEI são reservados, não lhe contarão facilmente sua vida, mas responderão as perguntas de um modo correto, com uma hábil troca de conversação.

Também têm fama de ser teimosos e é melhor não discutir com eles. As mulheres e os homems estão plenamente equiparados. O regime comunista não admitia diferenças e com a mudança política esta característica se tem mantido.

Os jovens têm um grande sentido de humor e é fácil relacionar-se com eles. De feitio, "paquerar" é um dos alicientes da movida noturna destas cidades, isso sempre de uma maneira sana e correta. As mulheres neste aspeto também, têm se igualado aos homens.

A difícil situação econômica que atravessam tem levado a algumas pessoas ao desespero mais absoluto. O álcool tem sido a única resposta a seus problemas, pelo que não é estranho ver algumas pessoas embriagadas na rua.

Recorde que está muito mal visto fotografá-los. Também é muito frequente ver longas filas nos comércios, embora os turistas não as padecem, porque existem lojas destinadas a eles. Os habitantes da CEI, passam muitas horas nelas, mas em lugar de desesperar-se aproveitam para relacionar-se e conversar com outras pessoas. São realmente pacientes.

Também são muito respeituosos com os costumes alheios, talvez, porque desde tempos remotos têm convivido, com homems e mulheres de distintas culturas.

É importante respeitar os seus: nas igrejas os homems devem tirar os chapéus e gorros, as mulheres devem levar cobertos os ombros e nas ortodoxas, as senhoras não podem usar calças compridas. Nos transportes públicos é habitual ceder o assento aos anciãos, crianças e mulheres. Por último recorde que ninguém se senta nas escadas, umbrais, valas e sobretudo, na relva.

ENTRETENIMENTO

Kiev é uma das três cidades mais importantes da parte européia da Comunidade dos Estados Independentes. Como grande urbanização que é, oferece uma ampla e variada oferta de atividades das que desfrutar plenamente.

Se gosta de caminhar, as amplas avenidas e as formosas praças são um marco incomparável para respirar o verdadeiro movimento desta cidade e, observar o comportamento de seus moradores. Também os espaços verdes oferecem um entorno muito agradável e cuidado para dar um bonito passeio.

Em Kiev pode-se desfrutar bastante com o parque aquático Dneprovskj e as exóticas variedades do Jardim Botânico da Academia Fomin. Em todos eles pode-se ver as duplas de concentrados jogadores de xadrez, inclinados sobre o tabuleiro. Se você gosta deste jogo, não deixe de praticá-lo.

Além do xadrez pode-se desfrutar com esportes como o futebol, o basquete, o atletismo ou a natação. Kiev conta com instalações esportivas adequadas, tanto para praticar esporte, como para desfrutá-lo desde as grades, vendo partidas de equipes tão famosas como o Dínamo de Kiev.

Os cafés têm merecida fama. Costumam estar decorados com um gosto excelente e na maioria deles pode-se comer algo ligeiro, enquanto se escuta música variada. Os bares também são um centro de reunião habitual para os habitantes de Kiev.

Quando a noite chega, a "movimentação" noturna ressurge no coração da cidade. Discotecas parecidas às européias, clubes, pubs e cassinos iluminam seus letreiros e se vestem com suas melhores galas para receber nacionais e estrangeiros, com um mesmo objetivo, a diversão.

Kiev mantém durante todo o ano uma ampla oferta cultural, que tem melhorado notavelmente desde a troca de regime político. Exposições de todo tipo, conferências, bibliotecas repletas de livros interessantes, concertos de música clássica ou contemporânea, formosos balés, cinemas com projeções de filmes nacionais e estrangeiros ou representações teatrais de qualidade, todos eles em entornos espetaculares, como o Teatro Acadêmico Estadual de Ópera e Balé Taras Sevcenko, em Kiev.

FESTIVIDADES

A primeira celebração importante que celebram os habitantes da Comunidade dos Estados Independentes cavalga entre a última noite do ano, que se acaba e, o primeiro do recém estreiado.

A Noite Velha, o dia 31 de dezembro, igual que na Espanha, se reunem família e amigos em copiosas ceias e alegres bailes. No dia seguinte todas as casas despertam com as risadas e a ilusão das crianças. Por fim tem chegado a festividade da Ika, o Ano Novo, denominado assim, porque em todas as praças de todas as cidades, assim como, em todos os domicílios particulares há um precioso abeto (elka) repleto de adornos e luzes de cores.

É o dia dos presentes. O Ded Moroz (Avó Gelo) e Snegurocka (Copo de Neve), deixam os presentes para todos os membros das famílias com especial atenção às crianças. Conta a lenda que Copo de Neve foi enviada ao bosque, para que fora devorada pelos lobos, pela sua malvada madrastra.

Seus pérfidos desejos se viram desbaratados pelo Avó Gelo, que salvou à jovem que, desde então, vive feliz em sua companhia.

O dia 8 de março celebra-se o dia da mulher trabalhadora. Neste dia as flores aparecem em todas as ruas e praças em homenagem a mães, esposas, noivas, filhas e amigas que nesse dia são tratadas com toda carinho e cheias de atenções pelos varões em reconhecimento a seu labor e valor.

Nos dias 1 e 2 de maio os habitantes da CEI saem às ruas, para comemorar a Festividade do Trabalho. Igual que em outros muitos países, incluido Espanha, se convocam manifestações populares, nas que os trabalhadores são os protagonistas.

Este mesmo mês, no dia 9, celebra-se o Dia da Vitória, com impressionantes desfiles do exército russo, que constituem todo um espetáculo. Em outubro, no dia 7, se comemora o Dia da Constituição.

Estas festividades oficiais celebram-se em toda a Comunidade dos Estados Independentes. Fecham-se todas as instituições públicas e também as empresas privadas, indústrias, comércios e bares.

Porém, têm trabalho extra os meios de transporte, pois se produz muito movimento de pessoas que não querem perder os eventos.

Também celebram-se festas próprias de cada república componente da CEI. Os russos celebram o Dia de sua Independência, o dia 12 de junho saindo à rua para contemplar desfiles militares e sobretudo, para reunir-se com familiares, vizinhos e amigos.

As festividades religiosas são muito importantes e existe um amplo leque delas, pois variam dependendo de cada credo. Por exemplo, os ortodoxos se reunem para celebrar o Ano Novo no dia 7 de janeiro, enquanto que os mulçumanos, o fazem em meados de agosto e, os católicos comemoram o nascimento de Cristo nos dias 24 e 25 de dezembro.

Porém, existem muitas mais festividades religiosas, armênios, georgianos e hebreus, entre outros, têm suas próprias celebrações.

Cada grupo religioso segue seu calendário pelo que não é estranho encontrar festividades durante todo o ano. Todas elas são muito atrativas, para pessoas de uma cultura diferente e lembre-se que é muito importante mostrar um enorme respeito, por estas celebrações que despertam em seus fiéis sentimentos muito profundos.

O dia 7 de novembro celebra-se o Aniversário da Revolução Russa. Os nostálgicos de tempos passados saem às ruas, para lembrar o triunfo do regime comunista. Nos últimos anos, também se manifistam pessoas sem nenhuma ideologia definida, que pedem uma melhora da difícil situação econômica destes países.

Transportes

Avião

Tanto Moscou como São Petersburgo e Kiev contam com aeroportos, embora apenas o de Moscou receba vôos internacionais. Dali pode ligar-se, através das linhas nacionais, para as outras duas cidades.

Devido à grande distância entre Espanha e a CEI, este é o melhor modo para chegar à Comunidade dos Estados Independentes. O Sheremetevo é o aeroporto internacional de Moscou que encontra-se a 40 km. do centro da cidade. Está bem comunicado através de ônibus e táxis. Em Kiev o aeroporto está a 38 km.

Carro

Se vai conhecer Kiev através de um tour turístico, fixado por uma agência de viagens, não terá nenhum problema, mas se decidir fazê-lo em automóvel lembre-se, que deve passar antes por uma agência turística, para indagar as fronteiras de entrada e saída do país que vai utilizar e, qual é o percurso previsto.

Não terá problemas para alugar um carro, pois existem empresas de aluguél, tanto no aeroporto como nos principais hotéis. Lembre-se que deve fazer a reserva do carro com antecipação.

Transporte Público

No interior das cidades não terá nenhum problema para utilizar o transporte público. Os horários vão desde às 5.30 horas da manhã, até a uma da madrugada.

Embora os indicadores das estações, percursos e linhas estão escritos em alfabeto cirílico a verdade é que não resulta muito difícil manejar-se, sobretudo, no metrô.

As estações do metropolitano estão assinaladas com um M e a passagem é muito econômica. Na entrada encontram-se as máquinas que por uns escassos kopeks lhe permitirão o acesso a um mundo que não deve perder-se.

Se você preferir utilizar o ônibus, o transvia ou os trólebus tenha em conta, que não existe cobrador. As passagens se adquirem em umas máquinas automáticas, que estão instaladas no interior dos veículos ou bem, comprando um talão com o condutor, que perfurará um em cada viagem.

Os táxis são de várias cores; negros, verdes e amarelos, todos eles com uma linha branca e negra nas portas que imita um tabuleiro de xadrez, assim como, uma luz verde no lado direito, por cima do parabrisas. Funcionam 24 horas do dia e, embora a maioria levam taxímetro o certo é que utiliza-se pouco.

O habitual é acordar o preço da corrida antes de empreende-la e, se costuma pagar em dólares. A precária economia das repúblicas da CEI, empurra alguns taxistas a quererem abusar dos turistas pelo que se deve ter cuidado.

Fonte: www.rumbo.com.br

Ucrânia

Nome Oficial: Ucrânia
Área: 603.700 km²
Localização geográfica: Centro - Leste de Europa

Limites: Ao norte a Ucrânia faz fronteira com a Bielorússia; a nordeste e leste com a Federação Russa; a sudoeste com Romênia, Moldávia e Hungria; a oeste com a Eslováquia e a Polônia. Ao sul a Ucrânia é banhada pelo Mar Negro e pelo Mar de Azov.

A extensão de suas fronteiras é de 6.500 km, incluindo 1.050 km de fronteiras marítimas.

População: 46,8 milhões (estimativa de agosto de 2005)

Capital: Kyiv (2,6 milhões)

Cidades principais:

Kharkiv (1,6 milhões)
Dnipropetrovsk (1,2 milhões)
Odessa (1,2 milhões)
Donetsk (1,1 milhões)
Lviv (0,8 milhões)

Sistema de Governo: República Parlamentarista e Presidencial
Sistema Legislativo: Parlamento (“Verkhovna Rada”) com 450 membros eleitos pelo voto direto.
Língua oficial: Ucraniana
Moeda: Hryvnya (UAH)
Taxa de câmbio: US$/UAH 5,05 (novembro de 2006)
PIB: US$ 84 bilhões (de 2006)
PIB agropecuária: 23%
PIB indústrias: 42%
PIB serviços: 35%
Exportação: US$ 34,9 bilhões (11 meses de 2006)
Importação: US$ 39,8 bilhões ( 11 meses de 2006)
Taxa de desemprego: 3,4% (estimativa 2006)
Chefe de Estado: Presidente - S.E.SR. Viktor Yuschenko, eleito pelo voto direto para 5 anos em dezembro de 2004
Chefe de Governo: Primeiro-ministro - S.E.SR. Viktor Yanukovych (julho de 2006)
Presidente do Parlamento: S.E.SR. Oleksander Moroz (maio de 2006)

Divisão Administrativa:

24 províncias (óblast) as quais são subdivididas em municípios (raión) e a República Autônoma da Criméia.

As cidades de Kyiv (capital) e Sebastópol (porto no Mar Negro) são subordinadas diretamente ao governo central.

Religião: Cristianismo (ortodoxos – maioria, católicos), Judaísmo e Islâmico (minoria)

Constituição: A nova constituição da Ucrânia foi promulgada em 28 de junho de 1996

Ucrânia - Características e Potencialidades

As mudanças democráticas da Ucrânia coincidem com aquelas do mapa geopolítico da Europa. No dia 24 de agosto de 1991, a Ucrânia proclamou a sua Independência.

É de se ressaltar que a Ucrânia conseguiu a Independência pela terceira vez na sua longa história. Há mais de mil anos, formou-se o primeiro Estado Ucraniano, com o seu centro na cidade de Kyiv. Foi considerável sua contribuição à cultura mundial.

Mas as invasões tartaromongóis no século XIII, fizeram com que o Estado Ucraniano fosse dividido em vários estados.

Nos séculos XVI e XVII, renasceu, como a República dos Kossacos, o país mais democrático da Europa daquela época. Seria suficiente frisar que o seu Presidente, o Hétman P. ORLYK serviu de modelo ao redigir-se a carta magna dos Estados Unidos da América .

Na República dos Kossacos a alfabetização era geral, sendo obrigatória e gratuita. Publicavam-se livros, florescia a arte, organizavam-se teatros e museus.

Em 1632 foi fundada a Universidade na capital da República, esta logo tornou-se importante centro de educação na Europa daqueles tempos. A Ucrânia dispunha de um magnífico exército, cuja tática de combate era reconhecida por toda a Europa.

Não é nada casual que o Hétman da Ucrânia tenha sido nomeado o comandante-em-chefe das tropas unificadas de todos os exércitos da Europa, na luta com antigo Estado Turco. Como outrora, Kyiv que arcou com o peso do golpe destruidor dos tártaros-mongóis, banindo seu avanço, salvando a Europa da invasão da Idade Média, a República dos Kossacos resistiu aos ataques dos turcos à Europa.

Em geral, a história da Ucrânia é marcada pela luta em favor de sua Independência que foi conseguida só em 1918 que durou até 1920.

E, pela terceira vez, como conseqüência dos acontecimentos políticos em Moscou, onde fracassou a tentativa do golpe de Estado, o Parlamento da Ucrânia proclamou, no dia 24 de agosto de 1991, a plena Independência do País, que foi confirmada por plebiscito, no dia 1o de dezembro do mesmo ano.

Qual é a importância da Ucrânia independente?

Primeiro, deve-se mencionar que, numa situação geográfica muito favorável, localizada no centro da Europa, com magníficas condições climáticas, com uma população atual de cerca de 47 milhões e com um território superior a 600 mil quilômetros quadrados, a Ucrânia possui as fabulosas terras negras com o húmus natural mais fértil do planeta (quase 25 % das reservas mundiais), grandes reservas de carvão, minério de ferro, níquel, titânio, manganêsio, urânio, etc. Com o seu potencial econômico e técnico-científico, a Ucrânia é um dos países mais desenvolvidos da Europa .

As estatísticas da UNESCO revelam que o complexo técnico - científico ucraniano constitui 6,5% do mundial, enquanto que a sua população corresponde a 0,1% do mundo. Na ciência, ocupa as primeiras linhas no desenvolvimento da tecnologia de construção de aviões e navios, na solda elétrica, cibernética e em outras áreas.

Possui bem formada infraestrutura moderna. Nas costas do Mar Negro e do Mar de Azov encontram-se os complexos portuários de Odessa, Ilichivsk, Mykolayiv, Khersón, Mariupol, etc, que asseguraram aproximadamente 20% de todas as exportações da ex-URSS.

Pelo território da Ucrânia passam vias fluviais e férreas, assim como estradas internacionais, 5 oleodutos e gasodutos transeuropeus, linhas de transmissão elétrica de alta tensão, o que dá ao País a possibilidade de ser considerado como uma espécie de ponte de ligação entre o Leste e o Ocidente da Europa.

Na ex-URSS, a Ucrânia produzia cerca de 40% de todo o volume do ferro fundido, do minério de ferro, do manganêsio e do carvão, 30 % de toda a construção de maquinaria pesada (mísseis, aviões de carga de grande porte, navios, locomotivas, tratores e retroescavadeiras etc), uma parte considerável do equipamento metalúrgico e energético (turbinas) e aproximadamente 50 milhões de toneladas de grãos anualmente.

Produzia ainda 25% de todo o material bélico da ex-URSS. É por isso que hoje, é de suma importância para a Ucrânia solucionar o problema da conversão e reorientação de sua indústria militar para suprir as necessidades do seu povo.

Todo o exposto demonstra que a Ucrânia é um parceiro atraente para a cooperação econômica, sendo também um mercado de grandes possibilidades para os produtos estrangeiros.

A economia nacional está em condições de satisfazer aproximadamente 80% de suas necessidades, com produção e reservas próprias, mas depende da importação de petróleo e gás (atualmente consome até 45 milhões de toneladas de petróleo, sendo a produção nacional de aproximadamente 8 milhões de toneladas). Em seu território, que constituiu 3% da ex-URSS, eram produzidos mais de 40 % de todos os produtos do Estado soviético.

Exportações: maquinária pesada, manufaturados de metal, produtos petroquímicos, minério de ferro, ferrogusa, laminados, tubos de aço, adubos minerais, concreto, locomotivas, carvão, alimentos, açúcar, bens de consumo.

Importações: computadores, instrumentos de alta precisão, café, gás, petróleo, madeira, algodão, bauxitas, soja, herbicidas.

A Imigração Ucraniana no Brasil

Há mais de 100 anos, em 1891, os primeiros imigrantes ucranianos vieram ao Brasil, onde se fixaram no Paraná. Perfaziam ao todo, de 25 a 30 famílias vindas da Galícia (Ucrânia Ocidental).

Esses primeiros imigrantes foram atraídos por alqueires de terra fértil que o Império do Brasil oferecia para quem quisesse se estabelecer na província do Paraná. Em 1895-1896, devido a intensa propaganda, cerca de 5 mil famílias abandonaram a Ucrânia Ocidental e vieram povoar o Paraná, sobretudo por aquele estado ter um clima semelhante ao europeu.

A partir de 1908, ocorreu a segunda etapa da colonização ucraniana, durante a construção da Estrada de ferro Paraná - Rio Grande do Sul - Santa Catarina. O Governo brasileiro, no intuito de atrair os interessados para essa grande obra, pagava as passagens de navio e as despesas com mantimentos.

Milhares de eslavos foram se instalando nas margens da ferrovia que construíram, em Iratí, Ponta Grossa, Mallet, Dorizon, Paulo Frontin, União da Vitória, etc. Essa segunda etapa se prolongou até a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais.

Muitos ucranianos emigraram, motivados principalmente por já ter parentes no Paraná. Atualmente no Brasil, há cerca de 400 000 ucranianos e seus descendentes, dos quis, 90% estão no Paraná.

Turismo

Com a recente abertura das fronteiras ucranianas, cada vez mais turistas procuram aquele destino, que até pouco tempo era desconhecido e pouco divulgado.

Agências de viagens de todo o mundo começam a colocar a Ucrânia em seus roteiros, pois são muitas as atrações desse país; seja pela paisagem maravilhosa dos campos de girassóis ou pelo cruzeiro pelo rio Dnipró até a Criméia (Mar Negro) e também pela encantadora paisagem dos Montes Cárpatos, tudo é lembrado com muito carinho pelos turistas, que não imaginavam encontrar tantas atrações num só país.

Lembramos que é imperdível um passeio pelas estações do metrô de Kyiv, que são as mais profundas do mundo (uma delas atinge 200 metros de profundidade) e também, que não se pode deixar de mencionar o brilho das numerosas cúpulas que existem na milenar capital. Considerada capital mais verde do mundo, Kyiv possui uma variedade de parques e canteiros de flores que deixam o ar da cidade com um suave perfume.

A navegação fluvial pelo rio Dnipró pode ser considerada um modelo de tecnologia, pois, no percurso de Kyiv até Odessa existem várias eclusas, algumas delas, as mais altas do mundo.

A operadora ucraniana no Brasil, a Dnipró Gold e a Verhovyna, organizam excursões àquele país com um aumento cada vez maior de interessados em desfrutar de um dos mais lindos países europeus.

Fonte: www.ucrania.org.br

Ucrânia

Ucrânia é um país da Europa Oriental.

A capital é Kiev [Kyiv].

A principal religião é o Cristianismo [Ortodoxia].

A língua nacional é o Ucraniano. A outra língua principal é o Russo.

Ucrânia foi o centro do primerio estado oriental Eslavo, o Kyivan Rus, que durante os séculos 10 e 11 foi o maior e mais poderoso estado da Europa.

Enfraquecido por querelas intestinas e as invasões Mongóis, o Kyivan Rus foi incorporado ao Grão-Ducado da Lituânia e, eventualmente na Comunidade Polaco-Lituana. O legado cultural e religioso do Kyivan Rus lançou as bases para o nacionalismo Ucraniano nos séculos subseqüentes.

Um novo estado Ucraniano, o Hetmanado Cossaco, foi estabelecido durante meados do século 17 depois de uma revolta contra os Poloneses. Apesar da contínua pressão Moscovita, o Hetmanado conseguiu manter-se autonomo por bem mais que 100 anos.

Durante a última parte do século 18, a maioria do território etnográfico Ucraniano foi absorvido pelo Império Russo. Após o colapso da Rússia czarista em 1917, a Ucrânia foi capaz de manter um curto período de independência (1917-20), mas foi reconquistada e forçada a suportar uma brutal regra Soviética que engendrou duas fomes forçadas (1921-22 e 1932 -33) em que mais de 8 milhões morreram.

Na Segunda Guerra Mundial, os exércitos Alemão e Soviético foram responsáveis por cerca de 7 a 8 milhões de mortes mais. Embora a independência final para a Ucrânia fosse alcançada em 1991 com a dissolução da URSS, a democracia permaneceu elusiva com o legado do controle estatal e a corrupção endêmica parando os esforços da reforma economica, da privatização e das liberdades civis.

Um protesto em massa pacífico da "Revolução Laranja" nos últimos meses de 2004 obrigou as autoridades a anular uma eleição presidencial manipulada e permitir uma nova votação sob supervisão internacional, que trouxe ao poder um quadro reformista com Viktor Yushchenko.

Subseqüentes disputas internas no campo de Yushchenko permitiram que seu rival Viktor Yanukovych se recuperasse nas eleições parlamentares e se tornasse primeiro-ministro em Agosto de 2006.

Uma eleição legislativa antecipada, provocada por uma crise política na primavera de 2007, viu Yuliya Tymoshenko como chefe de uma coalizão "Laranja", instalada como um novo primeiro-ministro em Dezembro de 2007. Viktor YANUKOVUYCH foi eleito presidente no segundo-turno das eleições presidenciais de Fevereiro de 2010, que os observadores avaliaram como cumprindo a maioria das normas internacionais.

No mês seguinte, a Rada aprovou um voto de desconfiança levando Yuliya Tymoshenko a se demitir de seu cargo como primeiro-ministro.

A Ucrânia é uma nação da Europa Oriental. Durante séculos, os Ucranianos foram dominados por Poloneses e Russos, contra os quais eles às vezes se rebelaram.

No final dos 1980s, um movimento político conhecido como Rukh ajudou o país a alcançar a independência em 1991. A emoção daqueles anos logo desapareceram, no entanto.

A Ucrânia mergulhou numa crise econômica. E a arena política foi cada vez mais marcada por escândalos e corrupção generalizada.

Os Ucranianos traçam suas origens ao Kievan Rus, um poderoso estado medieval que foi a primeira entidade política dos Eslavos Orientais. Após o colapso da Ucrânia no século 13 A.D., a região foi sacudida entre os seus vizinhos do leste e do oeste.

A maioria da atual Ucrânia esteve sob controle Russo do final do século 18 até 1991. A exceção foi a seção do noroeste que se estende entre as cidades de Uzhgorod e Lviv (Lvov). Esta área pertencia à Áustria-Hungria. Então, entre as duas guerras mundiais, ela tornou-se parte da Polônia e da Checoslováquia.

Terra

Um pouco maior que a França, a Ucrânia é agora o segundo-maior país Europeu depois da Rússia. Ela faz fronteira com Belarus no norte; a Rússia, a leste; o Mar de Azov e o Mar Negro no sul; a Moldávia e a Romenia no sudeste; e a Hungria, a Eslováquia e a Polonia no oeste.

A Ucrânia reside na Planície do Leste Europeu. A maior parte do país é uma planície de baixa altitude, com uma altitude média de cerca de 575 pés (175 m). As únicas áreas montanhosas são os Cárpatos no oeste e as Montanhas da Crimeia no extremo sul.

A Ucrânia era considerada o "celeiro" da ex-União Soviética. Ela tem solo fértil, rico em húmus, que produzia cerca de 25% de todos os grãos da antiga União Soviética.

Aproximadamente 3% do território é constituído por terrenos pantanosos, especialmente no norte e ao longo dos estuários dos rios. Os Pântanos Pripet se estendem ao longo do Rio Pripet e são compartilhados com a Bielorrússia. Eles são os pântanos mais extensos da Europa. Uma reserva natural em Askania-Nova (logo ao norte da Crimeia), estabelecida em 1921, contém partes da estepe original.

A Criméia em si é uma parte específica da Ucrânia. É uma península que pende para baixo no Mar Negro, ligada ao continente por um estreito istmo (pescoço de terra). Até 1954, a Criméia era parte da Rússia, e os Russos formam a maioria da sua população. Ela constitui-se numa república autônoma dentro da Ucrânia, a única parte do país com esse status.

Rios

Quatro grandes rios fluem através da Ucrânia do norte para o sul. O mais ao oeste é o Dniester (Dnister em Ucraniano). Ele cresce nas Montanhas dos Cárpatos e no meio de sua correnteza passa pela Moldávia antes de entrar no Mar Negro.

Porque o nível da água do Dniester oscila muito, o rio não é navegável pela maioria de seu curso. O Bug do Sul (Boh ou Buh) fica inteiramente dentro do território da Ucrânia. Ele também deságua no Mar Negro. O Donets do norte atravessa a parte oriental da Ucrânia, onde se junta ao Rio Don.

O Dniepre (Dnipro) é o terceiro mais longo rio da Europa, após o Volga e o Danúbio. Ele levanta-se perto de Moscou, na Rússia, e entra na Ucrania ao norte de Kiev. Ele é navegável por três trimestres do ano.

Mas ele congela por cerca de três meses. Grandes centrais hidrelétricas estão situadas no médio e no baixo do Rio Dnieper, criando três enormes reservatórios. Há um ao norte de Kiev, um outro norte dos Kremenchug, e o maior perto Zaporozhye (Zaporizhia).

No extremo sudoeste, o Rio Danúbio serve de fronteira entre a Ucrânia e a Romenia. A Ucrânia também contém mais de 20.000 outros córregos e rios. Mas ela tem muito poucos lagos.

Clima

Geralmente, a parte ocidental da Ucrânia tem um clima mais ameno do que a parte oriental, onde os invernos são mais frios e os verões mais quentes. Kiev tem temperaturas de congelmento durante os meses de inverno. Em contraste, Odessa, no Mar Negro tem um agradável clima Mediterrâneo, com temperaturas médias de Janeiro de 39 °F (4 °C) e temperaturas de Julho de 75 °F (24 °C).

População

A Ucrânia é um país de mais de 45 milhões de pessoas. Uns 80% deles étnicos Ucranianos. Eles pertencem ao grupo lingüístico e étnico dos Eslavos do Leste (que inclui também Russos e Bielorrussos).

O restante da população é constituída de Russos, Poloneses, Bielorrussos, Búlgaros, e um pequeno número de outras nacionalidades. A emigração durante o século 20 criou uma grande diáspora Ucraniana, com cerca de 2,5 milhões de Ucranianos vivendo agora em outros países.

Aproximadamente 1,5 milhões de pessoas de ascendência Ucraniana vivem na América do Norte; a comunidade Ucraniana é especialmente ativa no Canadá.

Milhares de emigrantes Ucranianos têm visitado seu país natal desde a dissolução da União Soviética.

Milhões de Ucranianos continuam a viver em ex-repúblicas Soviéticas: cerca de 4 milhões na Rússia, e grande número no Cazaquistão, Uzbequistão, Bielorrússia, e em outros lugares. Por causa dos problemas econômicos em casa, centenas de milhares de Ucranianos também têm ido à procura de trabalho na Polônia, Eslováquia e República Tcheca.

A língua Ucraniana é escrita no alfabeto Cirílico. Ela é linguisticamente muito semelhante à da Rússia e da Bielorrússia. Durante séculos, o Ucraniano foi ofuscado pelo Russo.

Mesmo agora, com a independência recém-estabelecida na Ucrânia, o Russo é amplamente falado em todo o país. As minorias étnicas, até agora, sairam-se muito bem, e os Ucranianos mostram pouca animosidade em direção a eles.

Educação

Durante a era Soviética, a Russificação foi generalizada, e a "fuga de cérebros" dos estudantes Ucranianos mais talentosos para Moscou minou uma sensação da separatividade Ucraniana. Os intelectuais Ucranianos, em um esforço para remediar a situação, criaram novas escolas que se concentram na história, na linguagem e na literatura Ucranianas.

O currículo nacional está sendo estabelecido. Mas é uma tarefa difícil porque muitas vezes é difícil distinguir entre o que é Ucraniano e o que é Russo. A Academia Mohyla de Kiev, um instituto educacional Europeu líder antes de 1917, foi reaberto em 1990.

Religião

A Igreja Ortodoxa da Ucrânia foi violentamente absorvida pela Igreja Ortodoxa Russa no final do século 17. Grande parte da população do oeste da Ucrânia, que tinha sido parte da Polônia durante vários séculos antes das partições Polonesas em 1772-1795, tornaram-se membros da Igreja Uniata, também conhecida como a Igreja Católica Ucraniana, no final do século 16.

Esta igreja reconhece o papa Romano como líder. Mas, no ritual, ela segue as práticas da Ortodoxia Russa. Ela estava intimamente ligada ao nacionalismo Ucraniano durante o século 19.

Após a Segunda Guerra Mundial, a Igreja Uniata foi acusada de colaborar com os Nazistas. Ela foi forçada a fundir-se na Igreja Ortodoxa Russa. Em 1988 a igreja começou a emergir de sua existência subterrânea, alegando entre 4 milhões e 7 milhões de adeptos.

A auto-regulada Igreja Ortodoxa Ucraniana também foi revivida desde a dissolução da União Soviética. O Catolicismo Romano é praticada em comunidades espalhadas no oeste da Ucrânia.

Em Junho de 2001, uma visita do Papa João Paulo II representou um primeiro passo para colmatar o Catolicismo e a Ortodoxia. Mais de 1 milhão de Ucranianos participaram de uma missa celebrada pelo papa no rito Católico Grego.

Antes da Segunda Guerra Mundial, a população Judaica da Ucrânia era muito grande, tanto na sua parte Russa e na região noroeste, que pertencia à Polônia e à Checoslováquia. Centenas de milhares de Judeus foram exterminados durante a guerra.

Outros emigraram desde os 1970s. Muitos foram para os Estados Unidos. Grandes comunidades Judaicas continuam a existir na Ucrânia, no entanto, e estão sendo revitalizadas.

Herança Cultural

O período de Kiev produziu as primeiras obras de literatura Eslava do Leste. Elas incluíram as Russian Primary Chronicle do século 10, também conhecidas como Tale of Bygone Years (a principal fonte para a história dos Kievan Rus), e o épico histórico do século 12 Lay of Igor's Campaign.

As invasões Mongóis do século 13 extinguiram a vida cultural por vários séculos. No século 19, o poeta-pintor Taras Shevchenko foi uma importante figura cultural Ucraniana e criador da moderna linguagem literária Ucraniana.

Nascido um servo, ele tornou-se um fervoroso defensor da igualdade de todas as nações Eslavas e um feroz nacionalista Ucraniano.

Por causa da relação simbiótica entre a Ucrânia e a Rússia, um número de escritores e artistas nascidos na Ucrania se tornaram parte da cultura Russa; o mais conhecido entre eles é, provavelmente, Nikolai Gogol. Ele é o autor de tais obras internacionalmente aclamadas como O Inspetor Geral e a novela Almas Mortas.

As artes populares incluem a escultura em madeira, bordados e cerâmica, todos com ornamentos complicados. Pysanky, a arte de pintar belos padrões de ovos de Páscoa, tem sido passada de geração em geração.

Alimentos

As especialidades Ucranianas incluem a kotleta po kievski, um prato de frango popular nomeado para a capital de Kiev. Ele é feito rolando um peito de frango achatado em torno de um dedo de manteiga temperada.

O peito de frango enrolado é então mergulhado em migalhas de pão e rapidamente frito até atingir uma cor marrom-dourada. Nos Estados Unidos, este saboroso prato é conhecido em toda parte como "Frango à Kiev".

Outro prato favorito e onipresente é o vareniki. É uma espécie de ravioli com recheios diversos, principalmente doces. Holubtsi, outro prato favorito, são repolhos enrolados cheios principalmente com arroz e uma pequena quantidade de carne moída. A sopa de beterraba chamada borshch (ou borscht) é tão popular na Ucrânia quanto o é na Rússia.

Cidades

Kiev

Como as crônicas dizem, Kiev (Kyyiv em Ucraniano), a capital da Ucrânia, é o lugar "onde as terras Russas tomaram seus princípios". Na encosta com vista para o rio está uma estátua do Príncipe Vladimir segurando uma grande cruz. No final do século 10 A.D., ele introduziu o Cristianismo no Kievan Rus e mais tarde se tornou o santo padroeiro da Rússia.

O nome da principal rua de Kiev, a Kreshchatik, é pensado vir do verbo krestit, que significa "batizar", porque o Príncipe Vladimir batizou seus 12 filhos em um ribeiro que corria pelo vale onde a rua está agora localizada.

Kiev é o lar de cerca de 2,8 milhões de pessoas e é um grande centro industrial e cultural. Ela foi seriamente danificada durante a Segunda Guerra Mundial, particularmente durante a ocupação de dois anos pelos Nazistas, e muitas partes tiveram de ser reconstruídas.

Avenidas largas e parques caracterizam a cidade moderna. A Catedral de Santa Sofia e o Mosteiro das Cavernas (Pecherskaya Lavra) são os dois lembretes importantes da longa história de Kiev.

Kiev foi provavelmente estabelecida tão cedo quanto o século 6 A.D. Mas foi no século 9 que se tornou o berço das nações Ucraniana e Russa. Ela era um centro comercial ocupado lucrando com a sua localização privilegiada ao longo de uma rota do rio; após a aceitação de Vladimir do Cristianismo, Kiev floresceu em uma esplêndida cidade Bizantina.

A Catedral de Santa Sofia, que foi construída a partir do século 11 (mas que terminou apenas no século 19), era a maior das 400 igrejas de Kiev. O Mosteiro das Cavernas foi o primeiro e o mais importante mosteiro da Igreja Ortodoxa Russa; ele era também um centro de aprendizagem religiosa.

Há uma série de museus no complexo do mosteiro, com artesanato Ucraniano, cerâmicas, e bonitos ícones. Mas várias igrejas - incluindo a Igreja da Trindade e a Igreja de Todos os Santos - ainda mantêm as suas funções religiosas.

Perto de Kiev está a infame ravina de Babi Yar, onde cerca de 100.000 Judeus e outros habitantes de Kiev foram brutalmente assassinados em 1941.

Este evento terrível tem sido descrito em muitos livros e estudos, mas o relato mais vívido está, provavelmente, no romance de A. Anatoli Kuznetsov Babi Yar, que foi publicado pela primeira vez na ex-União Soviética em uma edição pesadamente censurada em 1966. Ela apareceu em texto integral no Ocidente em 1970.

Lviv

Este centro no oeste da Ucrânia teve muitos mestres na sua longa história, como seus nomes diferentes depõem. O nome Russo para a cidade é Lvov, enquanto o nome Polonês é Lwów, e o nome Alemão é Lemberg. Lviv tem a arquitetura e a atmosfera de uma cidade da Europa Central. Ela nunca esteve sob controle Russo até 1939, quando o exército Soviético invadiu a Polônia.

Em 1941, Lviv foi novamente tomada pelos Alemães, e quase meio milhão de pessoas morreram posteriormente em seu gueto Judeu e em campos de concentração nas proximidades.

Em 1944, o Exército Vermelho chegou e virou Lviv em uma cidade Soviética. Ela manteve-se parte do império Comunista até 1991. Hoje, Lviv é um importante centro de manufatura e um núcleo do nacionalismo Ucraniano, que sempre foi mais forte no oeste da Ucrânia do que na parte oriental.

Odessa

Odessa não é realmente uma cidade Ucraniana: ela tem sido um porto Russo cosmopolita por cerca de 200 anos. O local foi controlado pelos Turcos Otomanos até o final do século 18, mas quando a Rússia conquistou a região (durante o reinado de Catarina II, a Grande), um novo porto foi construído e nomeado após a antiga colônia Grega de Odessos.

Em 1880, Odessa era o segundo-maior porto Russo, e sua população incluía Russos, Ucranianos, Alemães, Turcos, Judeus, e muitos outros. A cidade foi um dos centros da Revolução Russa de 1905; durante a Guerra Civil de 1917-20, ela foi mantida, em rápida sucessão, por nacionalistas Ucranianos, Bolcheviques, Russos Brancos, Austríacos, Franceses e outros Aliados.

A moderna Odessa tem mais de 1 milhão de habitantes. Ela é também o principal porto marítimo da Ucrânia independente.

Outras cidades

No extremo oeste do país, apenas 2,5 milhas (4 km) da fronteira com a Eslováquia, está a cidade de Uzhgorod, o centro da Transcarpathia (também conhecida como Rutênia). A segunda-maior cidade Ucraniana é Kharkov (Kharkiv em Ucraniano, 1,6 milhões de pessoas), que fica perto da fronteira Russa e é maioritariamente Russa. Kharkov foi a capital da Ucrânia de 1920-1934.

Além de Odessa, dois outros portos do Mar Negro - Kherson e Mykolayiv também são importantes centros de construção naval. Ainda um outro porto do Mar Negro é Sevastopol, na península da Criméia.

Ele tem uma história como a base da frota Russa e, posteriormente da frota Soviética do Mar Negro e foi sitiada por 11 meses durante a Guerra da Criméia (1853-1856). Quando a Ucrânia se tornou independente, Sevastopol tornou-se a casa para separar as bases navais Ucraniana e Russa, esta última utilizando instalações alugadas.

Economia

Os recursos da Ucrânia incluem minérios de ferro e manganês, carvão, petróleo, sal e outros minerais. Os depósitos minerais estão localizados principalmente no leste da Ucrânia. O país produz carvão, energia elétrica, máquinas e equipamentos de transporte, produtos químicos e alimentos processados.

Seu parceiro comercial de topo é a Rússia, que fornece cerca de 25% das importações da Ucrânia e compra cerca da mesma porção de suas exportações.

De 2000 até meados de 2008, a economia Ucraniana cresceu de forma constante, a sua balança comercial era saudável, e o desemprego e a inflação foram baixos. O crescimento abrandou em 2008 e reverteu de forma dramática em 2009, como resultado da desaceleração econômica global e uma queda nos preços do aço.

Em 2008, o governo Ucraniano recebeu apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar a lidar com a crise econômica. No entanto, a paralisia política do país impediu qualquer progresso até 2010.

A Ucrânia consome uma grande quantidade de energia, e um dos seus grandes problemas é a escassez de fontes de energia. Ela se baseia fortemente na energia nuclear, que fornece cerca da metade de sua eletricidade. Suas velhas usinas nucleares, incluindo a famosa Chernobyl, foram encerradas por razões de segurança.

Atualmente, a Ucrânia tem 15 reatores nucleares e planeja construir mais 11 até 2030. No entanto, quase todo o combustível para essas usinas vem da Rússia.

A Ucrânia também importa a maior parte de seu petróleo e gás natural da Rússia. Têm havido disputas periódicas entre os dois países sobre o preço do gás natural e contas não pagas. Em 2006 e 2009, tais desentendimentos resultaram em graves perturbações no abastecimento do gás que flui através da Ucrânia para o resto da Europa.

Em 2010, o novo governo pró-Russo celebrou um acordo com a Rússia que reduziu o preço do gás em 30 por cento. Em troca, a Ucrania estendeu o contrato para a importante base naval Russa de Sevastopol, no Mar Negro por 25 anos.

Economia - visão geral:

Depois da Rússia, a república Ucraniana foi o componente mais importante da economia da antiga União Soviética, produzindo cerca de quatro vezes a produção da república próxima no ranking.

Seu solo fértil negro gerou mais de um quarto da produção agrícola soviética, e suas fazendas desde quantidades substanciais de carne, leite, grãos e legumes para outras repúblicas.

Da mesma forma, a sua indústria diversificada pesado forneceu o equipamento original (por exemplo, tubos de grande diâmetro) e matérias-primas para indústria e locais de mineração (aparelhos de perfuração vertical) em outras regiões da antiga União Soviética.

Logo após a independência, em Agosto de 1991, o Governo ucraniano liberalizado a maioria dos preços e erguido um quadro legal para a privatização, mas a resistência generalizada a reforma dentro do governo e do legislativo esforços de reforma em breve paralisadas e levou a algum retrocesso.

Saída em 1999 tinha caído para menos de 40% do nível de 1991. Dependência da Ucrânia com a Rússia para o fornecimento de energia ea falta de reforma estrutural significativa fizeram a economia ucraniana vulnerável a choques externos.

Ucrânia depende de importações para atender cerca de três quartos de sua anual de petróleo e gás natural requisitos e 100% de suas necessidades de combustível nuclear.

Depois de uma disputa de duas semanas que viu corte o fornecimento de gás para a Europa, a Ucrânia concordou em contratos de 10 anos de fornecimento de gás e de trânsito, a Rússia em janeiro de 2009 que levou os preços do gás para o "mundo" níveis. Estritos termos dos contratos ainda mais prejudicadas, sem dinheiro, da Ucrânia empresa estatal de gás, Naftohaz.

Instituições externas - particularmente o FMI - têm incentivado a Ucrânia para acelerar o ritmo eo alcance das reformas.

Autoridades do governo ucraniano eliminou mais privilégios fiscais e aduaneiros em uma lei orçamentária março de 2005, trazendo mais atividade econômica de economia da Ucrânia grande sombra, mas as melhorias são necessárias mais, incluindo combate à corrupção, os mercados de capitais em desenvolvimento, e melhorar o quadro legislativo.

Economia da Ucrânia era flutuante apesar de turbulência política entre o primeiro-ministro e presidente, até meados de 2008. Crescimento real do PIB ultrapassou 7% em 2006-07, impulsionado pela alta dos preços globais do aço - principal produto de exportação da Ucrânia - e pelo consumo interno forte, estimulado pelo aumento das pensões e salários.

A queda nos preços do aço e da exposição da Ucrânia à crise financeira global devido ao endividamento externo agressivo reduziu o crescimento em 2008. Ucrânia chegaram a um acordo com o FMI para um 16400000000 dólares Arranjo Stand-By em novembro de 2008 para lidar com a crise econômica, mas o programa rapidamente paralisadas devido à falta o Governo ucraniano de progresso na implementação das reformas.

A economia contraiu quase 15% em 2009, entre os piores desempenhos econômicos do mundo. Em abril de 2010, a Ucrânia negociou um desconto no preço das importações de gás russo em troca de estender contrato de arrendamento da Rússia em sua base naval na Criméia.

Em agosto de 2010, na Ucrânia, no âmbito da Administração Yanukovych, chegaram a um novo acordo com o FMI para um $ 15100000000 Acordo Stand-By. O crescimento econômico foi retomado em 2010 e 2011, impulsionado pelas exportações, mas desacelerou em 2012.

Depois de desembolsos iniciais, o programa do FMI paralisadas no início de 2011 devido à falta o governo ucraniano de progresso na implementação das reformas de gás chave do setor, ou seja, aumentos de tarifas de gás.

Governo

Em Julho de 1996, o parlamento ratificou uma nova constituição pós-Comunista, com uma forte presidência. A Constituição foi alterada durante a "Revolução Laranja" de 2004, reduzindo os poderes do presidente e reforçando o papel político do parlamento de 450-membros. Em Outubro de 2010 o Tribunal Constitucional reverteu essa mudança, e o país voltou à Constituição de 1996.

História

Rus

Este estado se originou no século 9, e no século 12 se dividiu em vários principados. Seus dois nomes - Kievan Rus e Kievan Rússia - refletem a controvérsia de suas origens.

Aqueles que o consideram um antepassado direto do Império Russo Moscou-centrado preferem a designação "Kievan Russia", enquanto aqueles que enfatizam que Kiev não desempenhou esse papel ancestral usam o termo "Kievan Rus", porque "Rus" foi utilizado pelos primeiros Kievanos em si. A maioria dos Ucranianos preferem "Kievan Rus".

Segundo as cronicas, as tribos Eslavas e Finlandêsas da área em torno de Novgorod, no sul da atual São Petersburgo, convidaram um Viking chamado Rurik, provavelmente da Dinamarca, para governar seu país.

Rurik veio com seus seguidores - a quem os Eslavos chamavam Varangianos ou Rus - e estabeleceu seu governo. Os sucessores de Rurik fundaram então um estado em torno de Kiev, e se tornaram a primeira dinastia reinante dos Eslavos do Leste, os Rurikids.

O sétimo governante Rurikid, o Príncipe Vladimir I, converteu-se ao Cristianismo nos 990s. Sob seu sucessor, Yaroslav, o Sábio, os Kievan Rus atingiram sua maior glória. A aprendizagem e a arte foram incentivadas, muitas novas igrejas foram construídas, e a primeira codificação das leis foi concluída.

Mongóis, Turcos e Cossacos

No século 13, Mongóis do leste invadiram a Ucrânia e criaram um grande império baseado no Volga e conhecido como a Horda de Ouro. Dois séculos mais tarde a ascensão dos Turcos Otomanos levou à queda da Horda. Sobre esse tempo, grupos de saqueadores e aventureiros formaram-se nas estepes da Ucrânia e ficaram conhecidos como Cossacos (da palavra Turca que significa "fora da lei").

Enquanto isso, a Polônia assumiu o controle da maior parte do território atual da Ucrânia. Os Cossacos, no entanto, de espírito livre e independente, resistiram à dominação, e quando os monarcas Polacos decidiram subjugá-los, eles subiram em uma rebelião liderada por Bogdan Khmelnitsky em 1648. Os Cossacos mantiveram a sua independência até o final do século 18.

Rússia e União Soviética

No final do século 18, a maior parte da Ucrânia atual fazia parte do Império Russo, e manteve-se sob o domínio Russo durante os próximos 200 anos. O nacionalismo Ucraniano desenvolveu-se durante o século 19, apenas para ser repetidamente reprimido. Uma República Popular Ucraniana não-Comunista brevemente existiu do final de 1917 ao início de 1918, mas foi então esmagada pelas forças Soviéticas.

Na década de 1930, milhões de camponeses Ucranianos morreram de fome em uma violenta campanha de coletivização e a fome que se seguiu. Inúmeros outros foram deportados para campos de trabalhos forçados na Sibéria.

Quando Hitler atacou a União Soviética em 1941, muitos Ucranianos em princípio saudaram os invasores, na esperança de que os Alemães iriam libertá-los do regime Comunista Soviético. Essa simpatia logo se evaporou, no entanto, e a Ucrânia sofreu pesadas perdas, tanto em destruição material e em vidas humanas.

Hoje, a Ucrânia ainda está vivendo com as conseqüências do desastre nuclear de Chernobil em 1986. Embora o número de vítimas inical não era muito alto, o aumento da taxa de câncer na área está, sem dúvida, ligado à radiação, que afetou cerca de 7 milhões de pessoas. Os cientistas argumentam que levará décadas antes de uma avaliação completa da catástrofe poder ser feita.

Independente Ucrânia

Em meados da década de 1990, menos da metade da população apoiava a independência da Ucrânia. A parte ocidental do país é mais nacionalista, enquanto o leste se inclina para a Rússia.

Quando o sucessor escolhido a dedo da Kuchma para a presidência, o pró-Russo Viktor Ianukovitch, declarou vitória nas eleições claramente manipuladas em Novembro de 2004, grande parte do centro e oeste da Ucrânia foram às ruas em protesto. As manifestações pacíficas, apelidadas de "Revolução Laranja", mudaram o clima político.

Após mais uma rodada de votação, o candidato da oposição pró-Ocidente, Viktor Yushchenko, prevaleceu e tornou-se presidente em Janeiro de 2005. Sua vitória foi saudada como o início de uma nova era, mas as tensões dentro da coalizão "Laranja" apareceram quase que imediatamente.

O pró-Russo Viktor Yanukovich se tornou primeiro-ministro em 2006, mas outra crise levou a eleições legislativas antecipadas em Outubro de 2007. Pelo final do ano, Yulia Tymoshenko da coalizão Laranja, uma mulher de negócios Ucraniana e primeiro-ministro durante a maior parte de 2005, recuperou o cargo de primeiro-ministro.

Em Janeiro de 2009, o governo Ucraniano foi envolvido em uma disputa com a Rússia sobre os preços do gás natural, e durante duas semanas não havia gás fluindo da Rússia para a Ucrânia.

A economia Ucraniana também estava cheia de problemas relacionados em parte à crise econômica mundial de 2008-09, mas a hostilidade entre o presidente Yushchenko e a primeira-ministra Tymoshenko impediu uma ação efetiva. Pelo verão de 2009, a popularidade de Yushchenko havia caído.

No início de 2010, Yushchenko foi eliminado no primeiro turno das eleições presidenciais. Na segunda rodada eliminatória, em Fevereiro de 2010, o pró-Russo Yanukovich encarou Tymoshenko. No que os observadores viram como uma eleição livre e justa, Yanukovich emergiu como o vencedor e novo presidente.

Ele imediatamente começou a reconstruir as relações com a Rússia, mas também abordou os problemas econômicos da Ucrânia. Seu governo garantiu um novo empréstimo do FMI em troca de promessas de cortar o déficit e a dívida total do país.

Ao mesmo tempo, no entanto, ele buscou consolidar o poder da presidência e suprimir a dissidência.

Em Junho de 2011, Tymoshenko foi levada a julgamento por abuso de poder enquanto ela foi primeiro-ministro. Em um veredicto condenado tanto pelo Ocidente e a Rússia, ela foi condenada e sentenciada a sete anos de prisão em Outubro do mesmo ano.

Fotos

Ucrânia
O Golden Gate, em Kiev foi reconstruída em 1982 no local do portão medieval da cidade do sul. 
A estrutura foi um dos três originalmente construído em 1037 como parte de fortificações da cidade

Ucrânia
O neo-renascentista Ópera Nacional da Ucrânia, em Kiev, construída entre 1898 e 1901, possui um dos maiores palcos da Europa. 
Sua companhia de ópera adquiriu uma reputação internacional

Ucrânia
Uma vista de Maidan Nezalezhnosty (Praça da Independência), no centro de Kiev. 
A praça enorme tem sido o local de muitos protestos políticos.
Mais famosa sendo a Revolução Laranja de 2004 Durante as férias a praça é palco de desfiles e concertos ao ar livre

Ucrânia
Catedral de Santa Sofia, em Kiev foi concluída em 1037, durante o reinado de Yaroslav, o Sábio. 
O governante foi sepultado na igreja em 1054 em um sarcófago de mármore de seis toneladas que ainda sobrevive. 
Embora exterior da catedral foi remodelada no estilo barroco ucraniano no século 17, seu interior bizantina original foi preservada.
Foi o primeiro monumento ucraniano a ser inscrito na Lista do Patrimônio Mundial

Ucrânia
A Igreja barroca de Santo André, no bairro Podil de Kiev foi projetado pelo famoso arquiteto Bartolomeo Rastrelli e construído entre 1747 e 1754. Ele tem a fama de estar no local onde, no primeiro século dC, Santo André plantou uma cruz e profetizou que uma grande cidade cristã seria um dia se levantará

Ucrânia
Parte da Kyiv histórico Pechersk Lavra (Kyiv Mosteiro das Grutas) complexo. Desde a sua fundação como um mosteiro caverna escavada na rocha em 1015, o local tem sido um centro proeminente do cristianismo ortodoxo na Europa de Leste

Ucrânia
O Sobor Uspensky (Catedral da Dormição) no Pechersk Lavra de Kiev (Kyiv Mosteiro das Grutas) complexo. 
Originalmente construído entre 1073 e 1078, foi ainda ampliado ao longo dos séculos seguintes. 
Destruídas pelo Exército soviético em 1941, a catedral foi reconstruída entre 1998 e 2000

Ucrânia
A Igreja Ortodoxa da Madonna Pyrohoshchi no distrito Podil de Kiev foi construída entre 1132 e 1136. Demolida pelos soviéticos em 1935, foi reconstruído em 1998 em estilo medieval bizantina original (ou seja, a fachada neoclássica sans que tinha sido acrescentado em 1811)

Ucrânia
A Igreja da Natividade foi uma das três igrejas neoclássicas na área Podil de Kiev, que foi destruída pelo governo soviético em 1930. Originalmente construído entre 1809 e 1814, foi lembrado principalmente como a igreja onde o corpo de Taras Shevchenko, bardo nacional da Ucrânia, estava no estado em 1861, enquanto em seu caminho para o seu lugar de descanso final em Kaniv. Demolido em 1935, a igreja foi reconstruída em 2005

Ucrânia
Aproximando-se do Palácio Mariinsky, em Kiev, a residência oficial cerimonial do presidente da Ucrânia. O palácio é um dos dois magníficos edifícios barrocos na Ucrânia, criado pelo renomado arquiteto Bartolomeo Rastrelli (o outro é a Igreja de Santo André, em Kiev)

Ucrânia
Visão mais próxima da fachada do Palácio Mariinsky, em Kiev, construída entre 1744 e 1752

Irina Rybacek

Edward W. Walker

Fonte: Internet Nations

Ucrânia

HISTÓRIA

Pré-história

Os primeiros grupos conhecidos para preencher o que hoje é a Ucrânia cimérios eram, citas, sármatas e godos, entre outros povos nômades que chegaram no primeiro milênio antes de Cristo.

Essas pessoas são conhecidas colonos e comerciantes do mundo antigo, incluindo os gregos e os romanos, que estabeleceram filiais comerciante que mais tarde se tornou cidade estados.

As apostas iniciais são de particular interesse os vestígios que deixaram este era o território da Ucrânia. Por esta altura, trypiliens muitos objetos foram arquivados. Nós pensamos que a civilização antes são Proto (eslava primeira) deste AD.

Tribos eslavas ocupado central e leste da Ucrânia no século VI dC e desempenhou um papel importante na fundação de Kiev.

O Estado Kiev

No século IX, o Kiev khazares foi tomada por Oleg Vareg. Situado em rotas comerciais lucrativas, Kiev e rapidamente conseguiu tornar-se o centro do poderoso estado de Rus 'de Kiev. No século XI, Rus foi geograficamente o maior estado na Europa. Em 988, durante o reinado de Vladimir, o Grande, um missionário cristão, Cirilo, converte Kievan aristocracia (a maioria Varegs) ea maioria da população.

Sob o reinado de Yaroslav, o Sábio, de Kiev Prestique estado pico: estende-se desde o Báltico até o Mar Negro e na confluência do Oka com o Volga aos Cárpatos. Yaroslav foi um grande construtor, foi ele quem construiu a famosa Catedral de Santa Sofia, em Kiev, e um grande legislador.

Direito, educação, arte e arquitetura experiência impressionante renascimento de Kiev sob seu reinado. Mas, no século XII, os conflitos entre os vários principados Rus 'de Kiev Estado lideraram o declínio.

Kiev foi saqueada pelos russos, Cumans e mongóis no século XII e XIII. Posteriormente, os principados da Ucrânia reconheceu a soberania dos mongóis. A autoridade mongol foi muito cruel e muitas vezes as pessoas fugiram para outros países como a Polônia ou a Hungria.

Galiza-Volhynia

O principado de Galiza-Volhynia conseguiu o estado da Rus 'de Kiev no território de Kiev e na Ucrânia hoje. Durante este período (décimo terceiro-décima quarto século), cada principado era independente do outro por um tempo.

É em 1253 que o Papa deu a coroa real do príncipe Danylo Halytskyï embora com até sua morte em 1264. Mas o estado de Galiza-Volhynia eventualmente se tornou um vassalo do Império Mongol, embora os esforços para obter ajuda da Europa na sua oposição aos mongóis continuou. Foi neste momento que o soberano "russo" levou o título de rei (anteriormente eram "grandes príncipes").

Polonês-lituana dominação

Durante o século XIV, os poloneses e lituanos lutaram contra os invasores mongóis e, finalmente, todo o território da Ucrânia veio sob a autoridade da Polônia e Lituânia. Lituânia tomou o controle de Volhynia noroeste da Ucrânia (incluindo áreas nos arredores de Kiev). Na Polônia, que assumiu o controle da Galiza.

Após a união entre a Polônia ea Lituânia, poloneses, alemães, armênios e judeus imigraram no país.

Foi durante essa dominação Polaco-Lituana, a partir do século XV, que formou os cossacos, camponeses ucranianos e rutenos que se recusaram a servidão e assimilação para os poloneses.

O Estado cossaco

No século XVI, várias revoltas cossacas aconteceu contra a nobreza polonesa, o mais famoso foi conduzido pelo líder cossaco Severyn Nalyvaïko em 1594. E é em 1596 que a Hetmanado cossaco foi fundada.

O Hetman Petro Sahaïdatchnyï cossaco transferiu a capital Kiev. Em 1648, Bohdan Khmelnytskyi Hetman sobe contra a Polônia. Maio 16, combinado com os tártaros, ele derrotou os poloneses Jovti Vody e Korsun em 26 de maio.

Este foi o início da guerra de libertação que abalou os fundamentos ea estabilidade da união polaco-lituana. Os cossacos então procurou preservar a sua independência e assinou vários tratados, incluindo a Zborov Tratado em 1649 e do Tratado de Pereyaslav em 1654 em que a Rússia protege o cossaco Estado que se tornam vassalos do czar Alexis de Moscou.

Mas em 1667, a Rússia assinou o Tratado com a Polônia ea Ucrânia Andruszov que divide entre os dois países signatários (leste do país tornou-se independente do estado cossaco sob o protetorado dos czares e do oeste se tornou uma província Polônia).

Ações, a dominação russa e austríaca

Estamos agora em 1708, Hetman Ivan Mazepa fez reconhecer a independência de Carlos XII da Suécia, mas a partir de 1709, o czar Pedro I venceu Ivan Mazepa e os suecos em Poltava. Os cossacos voltar a ser vassalos.

Em 1772, durante a primeira partição da Polônia, Galícia (Ucrânia Ocidental) tornou-se austríaco, enquanto o resto do país permaneceu russo. Em 1775, durante a segunda divisão, Catarina II retira a autonomia dos Zaporozhian cossacos.

Como no sul da Ucrânia, que estava sob o controle do Império Otomano e da região transcarpathe ainda húngaro. Escritores e intelectuais ucranianos foram inspirados pelo espírito nacionalista que moveu os outros povos da Europa ao abrigo de outros governos imperiais e tornou-se determinado a reviver língua ucraniana e tradições culturais e para reconstruir um Estado-nação.

Os russos eram particularmente virulenta contra qualquer tentativa de elevar a língua ucraniana e cultura até mesmo proibir a sua utilização e estudo. O destino dos ucranianos foi muito mais positiva com os austríacos. Foi nessa época que o povo da Ucrânia concordou em mudar rutenos seu nome em ucraniano.

Ucrânia permaneceu sob controle até a Revolução Russa de 1917.

Ucrânia independente (1917-1920)

Enquanto a Primeira Guerra Mundial ea Revolução Russa destruiu os impérios russo e austríaco, ucranianos declararam sua independência. Eles criaram Desde 17 de março de 1917, o Rada Central da Ucrânia Mykhailo que Hrouchevskyï tornou-se presidente em 27 de março e vai até abril de 1918. Enquanto isso, o general foi nomeado hetman Pavlo Skoropadskyï em outubro de 1917.

Em 20 de novembro, a Rada Central proclamou a República Nacional Ucraniana (UNR), reconhecida pela França e pela Grã-Bretanha em janeiro de 1918, e declarou a sua independência em 22 de janeiro de 1918.

No entanto, o governo deve deixar Kiev em fevereiro, tomadas pelos bolcheviques. 29 de abril de Mikhailo Hrouchevskyï foi reeleito presidente, mas um golpe de Estado conservador proclamou hetman Pavlo Skoropadskyï do Estado da Ucrânia.

Este é novamente um período de Hetmanado, que será curta, porque vai durar até novembro de 1918, quando uma insurreição do Executivo bate novo hetman 18 de novembro próximo Motovylivka. Volodymyr Vynnychenko e Simon Petliura serão os presidentes do Conselho Executivo da República Nacional Ukrainenne até outubro de 1920.

Ao mesmo tempo, e na sequência do colapso do Império Austro-Húngaro, a República Nacional Ucrânia Ocidental (ZUNR) foi proclamada em 09 de novembro, em Lviv, mas o governo teve de estabelecer em Ternopil após a ocupação de Lviv por forças polonesas. 22 janeiro de 1919, UNR e ZUNR unem.

Mas no final de 1919 e metade pemière de 1920, os bolcheviques finalmente superam Denikin, russos nacionalistas brancos em geral (Petliura) e outros anarquistas (Makhno) e do SSR ucraniano, eventualmente, participar do URSS em 1922. Deve notar-se que a ZUNR continuou a existir no exílio até 1923.

O período soviético

O regime soviético que se seguiu foi o mais difícil, o mais mortal e mais humilhantes para a Ucrânia, toda a sua história. Seu calvário começou em 1922, com uma primeira fome ea fome infame de 1933 (os ucranianos chamam Holodomor), causada pelo regime bolchevique e causou até 8 milhões de mortes. O resultado não é brilhante, com inúmeras deportações e assassinatos, a maioria dos intelectuais ucranianos.

Após a invasão da Polônia em 1939, por tropas alemãs e regiões soviéticas da Ucrânia Ocidental são incorporados à União Soviética. Mas, quando a Alemanha nazista invadiu a União Soviética em 1941 (ver Operação Barbarossa), muitos ucranianos, especialmente aqueles no oeste, recebido com alegria, mas não durou.

Na batalha cerco de Kiev, mais de 660.000 soltats soviéticos foram capturados.

Em 22 de junho de 1941, a Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN) de Stepan Bandera proclamou a restauração do Estado ucraniano em Lviv. O ucraniano insurgente Exército (UPA) luta Bandera durante a Segunda Guerra Mundial, e mesmo depois, os comunistas e os alemães.

Em 1944, a União Soviética recuperou a maior parte da Ucrânia e, em 1945, será um dos membros fundadores da ONU. Quanto à independência, eles continuam sua guerra contra a Polônia ea URSS juqu'en 1954.

A partir de 1955, o período de relativa liberalização iniciada sob Nikita Khrushchev, os comunistas ucranianos começou a perseguir Ojetivos nacionais. E foi durante a perestroika de Mikhail Gorbachev que estes objetivos foram apresentadas pela liderança ucraniana.

Em 1986, a cidade de Prypiat perto explosão de Chernobyl ocorreu em uma usina de energia nuclear tornou-se o maior desastre nuclear do século e contaminação não só a Ucrânia, mas também outros países vizinhos na Europa.

Após os acontecimentos que tiveram lugar em 1991, que levou à dissolução da URSS, a Ucrânia declarou sua independência em 24 de agosto de 1991 e entrou para a CEI.

Da Ucrânia (desde 1991)

Em 1 de Dezembro de 1991, um referendo sobre a independência foi realizado e aprovado com mais de 90%. 12 de dezembro de Leonid Kravchuk foi eleito Presidente da República. Os conflitos de interesse quando o. Oposição Ucrânia para a Rússia, incluindo o status de Crimeia e do controle da frota do Mar Negro.

Em 1994, Leonid Kuchma, o ex-primeiro-ministro, foi eleito para a Presidência da República e foi reeleito em 1999.

A partir do segundo mandato, Kuchma serão cada vez mais desafiados a corrupção, sequestros de jornalistas e outras pressões eleitorais e para a imprensa.

Seu mandato termina em outubro de 2004, com as eleições presidenciais. Recentemente, anunciou que não estaria (a Constituição não o permite, mas ele tentou mudar as leis para ser capaz de representar).

GEOGRAFIA

Por sua posição, sua história, sua cultura e inclinações políticas, Ucrânia, comparáveis à França por área (603.700 km2) e população (49,9 milhões de habitantes) é o europeu repúblicas da URSS.

As fronteiras terrestres mais longas na Ucrânia são aqueles que separa o leste e norte da Rússia e da Bielorrússia. Para o oeste e sudoeste, o país está em contato com a Polônia, Eslováquia, Hungria, Romênia e República da Moldávia.

Ele abre e segure o Mar Negro e seu anexo, o Mar de Azov. Ucrânia cai principalmente na planície de mais de 1.000 km de leste a oeste de 600 km de norte a sul, sem característica topográfica outro significativo do que os grandes vales que levam ao Mar Negro (Dnieper, Bug) e discreto áreas elevadas no Ocidente "Cárpatos" e Criméia.

Montanhas ucranianos, acidentes marginais a grandes áreas de planícies, estão em fragmentos fato terminais da espinha dorsal montanhosa do centro da Europa e do Mediterrâneo. O conjunto é composto dos mais pitorescos no arco dos Cárpatos no antigo Cárpatos Rutênia, ligado ao território soviético após a Segunda Guerra Mundial.

O maciço outro, que sobe para pouco mais de 1.500 m, é mais integrada do país e formam a espinha dorsal da península da Criméia ligado por mais de dois séculos pela Rússia Imperial. Este "anúncio" grande cadeia do sul Caucasiano simplesmente repetir as Rivieras mediterrânicas.

Comparável à costa da Dalmácia, esta região oferece ainda ilusões paisagem subtropical. Voltar para o triângulo da Criméia estabelece o contato entre os ucranianos planícies de solo preto e do Mar Negro. O resto do território é de cerca de 500.000 km2, consiste de um esmalte planícies e colinas sobrescritos.

Se as irregularidades são de pouca importância, a paisagem de vales ucraniano é mais reveladora: os rios e seus afluentes são, a longo prazo, recolhida em um substrato mais difícil do que sedimentos friáveis que ocorrem a montante, eles esculpida pequenos rápidos e desfiladeiros em vales estreitamento.

Esta área de perturbação da monotonia de uma atenção horizontes plana para o ponto que aparece fronteira natural na tradição popular: os poloneses não se atreveu a enfrentar os ataques dos cossacos do outro lado das corredeiras. Muito mais tarde, os engenheiros da jovem União Soviética escolheram um site sobre as corredeiras Dnieper para fazer as técnicas de aplicação do novo modelo de controle de energia hidráulica.

A costa do Mar Negro é plana e cercada por lagoas e pântanos. Os pontos estratégicos são mais ou menos importantes estuários em lagoas locais franjas ou áreas de recifes.

O site de Odessa, originalmente usado pelos turcos, tornou-se, por mutações sucessivas, o maior porto sul civil e militar do Império Russo. Crimeia é uma península de 360 km de leste a oeste e 250 km de norte a sul, e suas montanhas assimétrica dominam mais de mil metros e protegida costa ensolarada de Yalta.

No entanto, se o litoral Shelter clima favoreceu o início de uma riviera, do interior, entre o litoral ea colheita de chernozem é demasiado austero para que possamos realmente falar de uma "região" Ukrainian Mediterranean.

População

Um terço da população ucraniana é massageado em duas constelações urbanas e industriais, dentro dos cotovelos do Don e Dnieper, onde estavam as fontes de mineração e energia.

O forte crescimento nas capitais regionais atraídos para as cidades uma grande parte da população rural. Primeiro, a capital política, Kiev, com uma população de 2,6 milhões de habitantes, a cidade velha de Lvov Ruthenian (797 mil horas.) E de Kharkov (1.536.000 h.), Agora na hora da União Soviética, uma grande metrópole industrial. Portas do Mar Negro, Odessa (1.037.000 h.) E Sevastopol (401 200 h.), Também absorveu um grande número de áreas.

São registrados desde 1989, uma queda na expectativa de vida - 71-67,5 anos em 1995, parece ser devido à degradação das condições ambientais e de saúde e uma queda na taxa de natalidade de 28%.

ECONOMIA

Situação geralmente muito degradado Antes de 1991, o ponto de vista econômico, a Ucrânia já existia como um subconjunto da URSS, e, desde a independência, a implementação de novas estruturas é acompanhado quando isso acontece, as maiores dificuldades. Não parece ter encontrado sua estratégia de desenvolvimento.

A economia da Ucrânia, já enfraquecido, também foi duramente atingido pelos efeitos da crise financeira asiática de 1997 ea crise russa de Agosto de 1998. O governo ucraniano no entanto conseguiu apresentar um plano para o ajuste do FMI.

No entanto, o enfraquecimento da moeda é ainda mais ampliado em 1999 e, depois de cair 44% em 1998, a moeda ainda é depreciado em 34% em relação ao dólar em 1999. Em 2000, a inflação manteve-se praticamente inalterada desde 1998.

Agricultura

Maior parte do território é coberto pela chernozem (terra preta), Ucrânia, desde a época imperial, a grande terra de trigo da Europa Oriental. As aldeias antigas também têm desenvolvido todas as formas de pecuária, avicultura e gado - cossaco tradição de cavalaria - cavalos.

O mercado agrícola tem sido explorado por ambos os grãos de colecionadores na Europa Ocidental e estabeleceu-se em Odessa por economia russa cujos investimentos no início do século favoreceu o setor industrial.

A extensão das planícies e da concentração de terras em grandes fazendas a coletivização dos anos 1930 chamado mecanização mais rápido do que na área de floresta russa.

O exemplo ucraniano servir de modelo para o cereal amplamente desenvolvido mais tarde na Sibéria Ocidental e do "terras virgens" Sibéria e Cazaquistão. Agricultura mecanizada de grãos tem sido associado com a produção em massa de tratores e máquinas agrícolas em Kharkov.

O campo ucraniano juntos todos os recursos de grandes planícies da Europa, o trigo? Primeiro, depois do milho, beterraba, girassol, vegetais, frutas e todos os produtos de origem animal.

Como parte da economia socialista soviético, a produção foi compartilhada entre os coletivos do setor fazendas estatais mecanizadas e produção em pequena aldeia alimentação fazendas da família, marginalmente, os mercados locais (mercados kolkhoz).

Hoje, uma das tarefas mais urgentes dos líderes do país é o de reequilibrar a economia e reestruturar o mercado agrícola.

Agricultura tem visto sua participação no PIB de 25% em 1990 para menos de 15% em 1995. Não foi a mudança estrutural fundamental desde o fim do regime soviético (fazendas coletivas, ineficiente, representado, em 1996, 80% da área), o Parlamento privatização desaceleração que poderia beneficiar o mundo, não agricultores.

Funcionários de fazendas coletivas pode agora se tornar acionistas, mas a criação de um mercado de terras enfrenta muitos obstáculos. A Constituição de 1996 garante a propriedade privada da terra, mas sob pressão do Parlamento, uma moratória de 6 anos foi adoptado em a livre comercialização de terras agrícolas.

Pelo quarto ano consecutivo, a produção agrícola caiu 2% em 1997. Beterraba colheita diminuiu cerca de 25%, mas a colheita de cereal é melhor do que 1996.

Em 1997, o Banco Mundial concedeu um crédito Ucrânia grande reestruturação de 300 milhões de dólares para apoiar três áreas de reforma: a legalização de privatização da terra, o fim do sistema de vendas de títulos estaduais e compras e suprimentos para produção eo estabelecimento de um mercado livre, o fim do monopólio estatal sobre o processamento de capacidade de armazenamento e distribuição.

Natureza recursos energéticos e minerais generosamente dotado da Ucrânia, combinando vários depósitos de minério de metálicos na grande base de carvão de Donbass: minério de ferro Krivoy Rog a oeste do laço Dnieper, e mais distante da extremidade oriental da Crimeia, perto de Kerch, o manganês Nikopol, na margem direita do Dnieper para baixo, bauxita, ao norte do Mar de Azov (depósito Mariupol, o ex-Jdanov).

Nestes naturais "clássicos" foram adicionados através da aplicação de técnicas de engenharia civil, hidráulica, cujos locais foram indicados pela natureza da coleção coloca o Dnieper. Experiência, cópia, serviu para testar a técnica e tema de propaganda e de prestígio.

A grande região industrial centrada na bacia de Donbass ucraniano, com cidades trouxeram na indústria pesada (Donetsk, Makelevka, Kramatorsk, Gorlovka) e cidades que fazem fronteira com o menor garland Dnieper, de Dnieprodjerzinsk em Nikopol.

A sua posição no eixo das relações entre a Rússia eo mar Negro velho, entre o "Oriente" e Europa e Mediterrâneo ocidental, ajudou a acelerar o desenvolvimento pediu pela presença de recursos naturais.

Indústria

Ucrânia não escapou da revolução industrial dos séculos XIX e XX. Ele foi conduzido pelo Governo Imperial, mas também pelas potências ocidentais atraídos pelos recursos naturais de primeira grandeza - de mineração de carvão, depósitos de minério de metal - e da presença de mão de obra barata .

A revolução de 1917 quebrou pactos interesse e cooperação técnica entre a Rússia, a URSS se tornou, em 1922, e as economias europeias, que perderam alguns dos seus ativos de forma prudente transferido em tempo hábil "fundos de pequenos acionistas Russa ". Mas a maioria foram feitos para garantir a mobilização dos recursos naturais, a Ucrânia tornou-se uma importante região industrial.

A base fundamental primeiro técnico, o carvão foi inicialmente operado ao longo de um afluente do Don, Donets, e um conjunto de 25 territorial? 000 km2 dentro do laço do Don entre Donetsk e Kramatorsk .

Em meados do século XX, as reservas de carvão foram estimadas em 50 bilhões de toneladas colocadas em condições de operação fácil e 150 bilhões de toneladas localizados nas camadas mais profundas.

Tipos de carvão ricos bacia múltipla poderia atender as diversas necessidades da indústria nos séculos XIX e XX.

O setor de energia está passando por uma profunda crise. A produção de carvão caiu 50% desde o início de 1990. Este ramo no entanto, ainda empregava cerca de um milhão de pessoas em 1997.

O grave acidente em uma mina Donets em Abril de 1998, que matou 63 mineiros, revelou a obsolescência do equipamento no carvão, o encerramento não pode ser evitado em um número de casos.

A produção industrial, em 1997, conhece uma queda de quase 2%, após uma queda de 5% em 1996.

Indústrias básicas, como aço e produção de energia sofreram um aumento, enquanto as máquinas-ferramentas e indústrias leves acusado de regressão.

No campo da indústria pesada, os setores dinâmicos são, principalmente, aqueles cuja produção é amplamente associado com a fronteira indústria russa.

Indústrias de defesa ainda fornecem quase um quarto da produção e é um dos setores mais dinâmicos.

As cinco centrais nucleares ucranianas fornecer metade da eletricidade do país, um quarto por um Zaporozhye central. Ucrânia tem o apoio de organizações multilaterais e do G7 para a modernização da indústria nuclear, mas as tensões permanecem sobre Chernobyl, cujo estado de deterioração e decadência se tornou uma ameaça para todos.

Em 17 de abril de 1999, o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (BERD), mais uma vez reafirmou seu compromisso de fechar a fábrica em 2000, segundo um acordo de 1995 com o G7.

Ucrânia ameaça de fato regularmente não fechar a fábrica, nessa data, se a comunidade internacional não financia a conclusão de dois reatores na central de Rivne e Kmelnitsky planejadas para substituí-lo.

Privatização O processo de privatização, que começou em 1993, ocorre com grande lentidão. Em 1997, a privatização envolveu mais de 50% das empresas, mas muitos deles (mais do que 1? 500 em 1998), descrita como estratégica, foram excluídos da pressão de operação do Parlamento desfavorável reformas.

Venda de empresas de pequeno porte pode ser alcançado mais rapidamente, geralmente através de uma retomada de capital por empregados e administradores.

Parlamento, no entanto, dificultado a venda de pequenas padarias no setor privado. O acesso dos investidores estrangeiros é muito limitado e está sujeito a inúmeras restrições. A privatização de condução geralmente ruins, não se desenvolveu uma grande capital nacional, ou em profundidade de transformação das relações de propriedade.

Na próxima etapa, as condições de funcionamento do setor privado continua a ser muito difícil (alta tributação, a atitude restritiva do governo, a corrupção ea máfia amostras, medida a 11% dos lucros por uma instituição financeira internacional).

Intercâmbios em 1998, a Ucrânia dificilmente é capaz de vender o minério, que respondem por um terço das exportações e produtos químicos sofisticados. Sua agricultura permite menos gerar excedentes para exportação.

Apesar das inúmeras tentativas para diversificar o mercado desde o colapso da URSS, a Ucrânia sempre realizado em 1998, a maioria de seu comércio com o CEI. Cerca de 50% de suas importações (73% estão comprando gás e produtos petrolíferos), e cerca de 26% de suas exportações.

A dívida externa tende a aumentar e crescer a partir de 9? 6.000 milhões no final de 1997-11? $ 5 bilhões em 1995, e em particular a dívida de energia devidos à Rússia.

Em 1997, a Ucrânia assinou um novo acordo com a Rússia para dobrar volume de comércio entre os dois países. Gazprom da Rússia, incluindo a intensificar a pressão para trocar uma parte da dívida contra ações ucranianas de empresas privatizadas.

Preocupada com esta mudança, os governos ocidentais e do FMI regularmente ajudar o governo em Kiev e tenta promover a integração da Ucrânia formas de cooperação regional como Guam, ou organismos internacionais, como a NATO, que Os russos estão em falta, na esperança de que as autoridades ucranianas conseguir consolidar a sua independência.

Fonte: www.europa-planet.com

Ucrânia

Perfil

Ucrânia ganhou a independência após o colapso da União Soviética em 1991 e, desde então, oscilava entre buscando uma maior integração com a Europa Ocidental e da reconciliação com a Rússia, que fornece a maior parte da energia do país.

Segundo maior país da Europa, a Ucrânia é uma terra de largura, férteis planícies agrícolas, com grandes bolsões de indústria pesada no leste.

Enquanto a Ucrânia e Rússia partes comuns origens históricas, a oeste do país tem laços estreitos com os seus vizinhos europeus, em particular na Polônia, e sentimento nacionalista ucraniano é mais forte lá.

Uma minoria significativa da população da Ucrânia são russos ou usar o russo como primeira língua. Influência russa é particularmente forte no leste industrializada, bem como na Crimeia, uma república autônoma no Mar Negro, que fez parte da Rússia até 1954. A Frota russa do Mar Negro é baseado lá.

Criméia também é a terra natal da tártaros da Criméia, quem Stalin acusado de colaborar com os nazistas e deportados para a Ásia Central, em 1944. Mais de 250.000 regressaram desde final de 1980.

Em 1932-1933, o programa de Stalin de coletivização forçada da agricultura trouxe fome e morte de milhões na Ucrânia, a cesta de pão da URSS. Não até que seus anos de crepúsculo que a União Soviética reconhece a extensão do sofrimento.

Notícias de uma outra calamidade da era soviética, o acidente de 1986 na central nuclear de Chernobil, tocou os sinos de alarme em todo o mundo imediatamente. Cerca de 8% do território da Ucrânia foi contaminado como eram grandes áreas na vizinha Belarus. Milhões de pessoas sofreram como resultado.

Independência

O primeiro presidente após a independência, o ex-oficial do Partido Comunista, Leonid Kravchuk, presidida declínio econômico rápido e inflação galopante. O seu sucessor, Leonid Kuchma, supervisionou a recuperação econômico estável, mas foi acusado de conceder demais russos interesses econômicos.

Oposição ao Sr. Kuchma cresceu, ainda mais alimentada pelo descontentamento em controles sobre a liberdade de imprensa, a manipulação do sistema político e nepotismo.

Tentativa das autoridades de fraudar as eleições presidenciais de 2004 levaram à "Revolução Laranja", em referência à cor do principal movimento de oposição.

Revolução Laranja

Protestos em massa, uma revolta pela mídia estatal contra o governo controla e fraturamento da coalizão governista trouxe Europeia-União de mediação e um.

Repetição da eleição

A frágil aliança de unir forças anti-Kuchma trás pró-ocidental líder da oposição e ex-primeiro-ministro Viktor Yushchenko, que ganhou a presidência.

Yushchenko sucedido na realização de algumas reformas democráticas, mas move-se para a adesão à Otan e da UE foram retardado por divide a opinião pública na Ucrânia Ocidental e relutância para antagonizar uma Rússia ressurgente.

Rivalidade com seu primeiro-ministro, Yulia Tymoshenko, azedou em antagonismo aberto, e nem provou ser capaz de lidar com a crise econômica mundial depois de 2008.

Seu adversário na Revolução Laranja, Viktor Yanukovych, venceu a eleição presidencial de 2010. Ele rapidamente re-orientação política externa e de comércio com a Rússia, apertou o cerco contra a liberdade de imprensa, e teve vários adversários, o mais proeminente Sra. Tymoshenko, presos em ensaios atendidos no por muitos como politicamente motivado.

Embora o comércio com os países da UE que já ultrapassa com a Rússia, Moscou é o maior parceiro comercial individual. Ucrânia depende da Rússia para seu abastecimento de gás e constitui uma parte importante da rota de trânsito gasoduto para a exportação de gás russo para a Europa.

Em 2006, a Ucrânia foi forçado a concordar em pagar quase o dobro do preço antigo para o gás russo depois da Rússia brevemente para cortar o fornecimento em um movimento que provocou alarme na Europa Ocidental também. Em janeiro de 2009, a Rússia voltou a reduzir o fornecimento de gás em uma disputa sobre honorários não pagos.

A dependência da economia ucraniana sobre as exportações de aço tornaram particularmente vulneráveis aos efeitos da crise financeira global de 2008, e em outubro do mesmo ano, o país foi oferecido um empréstimo de US $ 16.5bn (R $ 10.4bn) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

A cronologia dos principais acontecimentos:

1917 - Central Rada (Conselho), criado em Kiev colapso seguinte do Império Russo.

1918 - Ucrânia declara independência: República Popular ucraniano configurar. Numerosos governos rivais disputam o controle para alguns ou todos da Ucrânia durante a guerra civil que se seguiu.

1921 - República Socialista Soviética Ucraniana estabelecido como russos conquista do Exército Vermelho de dois terços da Ucrânia. Ocidental terceiro torna-se parte da Polônia independente.

1932 - Cerca de 7 milhões de camponeses perdem em fome feita pelo homem durante a campanha de coletivização de Stalin.

1937 - execuções em massa e deportações como Stalin lança expurgo contra intelectuais.

1941 - Ucrânia sofre devastação de guerra terrível como nazistas ocupam o país até 1944. Mais de 5 milhões de ucranianos morrer lutando Alemanha nazista.

Mais de 1,5 milhão de judeus da Ucrânia eliminada pelos nazistas.

1944 - Stalin deporta 200 mil tártaros da Criméia para a Sibéria e da Ásia Central após acusações de colaboração com a Alemanha nazista.

1945 - vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial leva a anexação soviética conclusiva de terras ocidentais ucranianos.

1954 - A resistência armada ao regime soviético termina com a derrota do Exército Insurgente Ucraniano (UPA).

1960 - Aumento da oposição secreta para o domínio soviético, levando a repressão de dissidentes em 1972.

1986 - Um reator de Chernobyl explode nas centrais nucleares, enviando uma nuvem radioativa na Europa. Desesperados esforços são feitos para conter o reator danificado num enorme cobertura de betão. Muitos militares das Forças Armadas morrem de doenças provocadas pela radiação.

1988 - escritores e intelectuais proeminentes criado Movimento povo ucraniano de Reestruturação (Rukh).

1990 - Protestos estudantis e greves de fome derrubar o governo de Vitaliy Masol.

Independência

1991 - Ucrânia declara independência após tentativa de golpe em Moscovo: voto de 90% para a independência em referendo nacional em dezembro.

Cedo para meados de 1990 - Cerca de 250 mil tártaros da Criméia e seus descendentes retornar à Criméia colapso seguinte da União Soviética.

1994 - Eleições presidenciais: Leonid Kuchma consegue Leonid Kravchuk.

1996 - Nova constituição democrática adotada. Nova moeda, o hryvna, introduzido.

1997 - Tratado de Amizade assinado com a Rússia. Ucrânia e Rússia também chegar a acordo sobre a frota do Mar Negro.

1999 - A pena de morte abolida. Líder nacionalista Vyacheslav Chornovil morto em acidente de carro. Presidente Kuchma re-eleito.

2000 - central nuclear de Chernobyl é desligado, 14 anos após o acidente. Bem mais de 10 mil pessoas morreram como resultado direto da explosão, a saúde de milhões mais tem sido afetada.

2001 Fevereiro - A União Europeia apela para um inquérito sobre o assassinato de Gongadze jornalista investigativo Georgiy. Manifestações da oposição alegam que o presidente Kuchma foi envolvido e pedir seu impeachment. Presidente Kuchma nega as acusações.

Abril de 2001 - Viktor Yushchenko governo demitido depois de não-confiança votação no Parlamento. Yushchenko foi respeitado no Ocidente para combater a corrupção, avançar com as reformas econômicas e trabalhando para atrair investimento, mas era impopular com poderosos empresários ucranianos.

Junho de 2001 - O Papa João Paulo II faz primeira visita à Ucrânia em meio a protestos de cristãos ortodoxos da Ucrânia e da Rússia contra a visita.

Outubro de 2001 - militar ucraniana acidentalmente derrubar forro aéreo russo sobre o Mar Negro, matando todas as 78 a bordo. O ministro da Defesa Olexander Kuzmuk renuncia.

Março de 2002 - resultados das eleições gerais em hung parliament. Partidos que se opõem ao presidente Kuchma alegam fraude eleitoral generalizada.

Maio de 2002 - Liderança anuncia decisão de lançar oferta formal para se juntar a Otan.

Setembro de 2002 - protestos da oposição estágios de massa exigindo a renúncia do presidente Kuchma quem acusam de corrupção e má administração.

Relações com o Ocidente estão tensas depois que autoridades dos EUA autenticar gravações em que eles dizem Kuchma é ouvida a aprovar a venda de sistemas de alerta antecipado de radar para o Iraque. Sobre as mesmas fitas, gravadas ao longo de dois anos antes, Kuchma também é supostamente ouviu encomendar um funcionário para "lidar com" jornalista Georgiy Gongadze.

Novembro de 2002 - Presidente Kuchma sacos primeiro-ministro Kinakh. Viktor Yanukovych, governador da região de Donetsk, nomeado para substituí-lo. Ele promete lutar contra a pobreza e de trabalho para integração na Europa.

Março de 2003 - Dezenas de milhares de pessoas se juntar manifestações Kiev exigindo que Kuchma renunciar.

Junho de 2004 - Consórcio em que o presidente Kuchma filho-de-lei Viktor Pinchuk desempenha papel fundamental compra Krivorizhstal, moinho do país maior produtor de aço, por um preço de barganha.

Agosto de 2004 - Ucrânia ignora protestos da UE e Roménia, abrindo canal no delta do Danúbio, que irá ligar com Mar Negro, rejeitando alegações de que ele vai causar danos ambientais.

"Revolução Laranja"

Novembro de 2004 - contagem oficial indica vitória da eleição presidencial para o primeiro-ministro Viktor Yanukovych. Ocidentais e outros observadores independentes denunciar fraude eleitoral generalizada. O candidato da oposição Viktor Yushchenko lança campanha de protesto em massa rua e desobediência civil. Supremo Tribunal anula mais tarde resultado da enquete.

De dezembro de 2004 - O candidato da oposição Viktor Yushchenko lidera enquete na eleição re-run. Rival candidato Viktor Yanukovych desafia resultado, mas renuncia como primeiro-ministro.

De janeiro de 2005 - Viktor Yushchenko empossado como presidente depois do Supremo Tribunal rejeita desafio por perder candidato Yanukovych.

Fevereiro de 2005 - Nomeado Presidente Yulia Tymoshenko aprovou por maioria esmagadora como primeiro-ministro pelo parlamento.

Februrary 2005 - Tribunal anula junho 2004 venda de Krivorizhstal.

Março de 2005 - Presidente Yushchenko anuncia que os assassinos suspeitos de jornalista Georgiy Gongadze estão sob custódia. Ele também acusa as autoridades anteriores de um encobrimento.

O ex-ministro do Interior, Kravchenko, que tinha sido devido a depor na investigação Gongadze, morto em aparente suicídio.

Tymoshenko demitido

De setembro de 2005 - O presidente Yushchenko demite o governo de Yulia Tymoshenko. Parlamento aprova Yuri Yekhanurov como seu sucessor.

Outubro de 2005 - Krivorizhstal reauctioned. Mittal Steel paga seis vezes o preço pago por ele quando foi inicialmente colocado à venda.

Linha de preço do gás

Janeiro de 2006 - A Rússia corta brevemente fornecimento de gás para uso ucraniana em linha sobre os preços. Moscou diz que suas razões são puramente econômico, mas Kiev diz que eles são políticos.

Alterações previamente acordados para constituição mudar alguns poderes significativos de que o presidente do parlamento.

O julgamento de três ex-policiais acusados de matar oposição jornalista Georgiy Gongadze começa em Kiev.

Março de 2006 - o partido de Viktor Yanukovich lidera as pesquisas nas eleições parlamentares. Yulia Tymoshenko ocupa o segundo lugar, deixando o presidente Yushchenko está atrás em terceiro.

Disputas políticas

Junho-Julho de 2006 - Depois de meses de negociação, os apoiadores da Revolução Laranja - a Yushchenko e Tymoshenko blocos e os socialistas - de acordo sobre uma coalizão, mas o colapso do negócio. Os socialistas optam por uma coalizão com o Partido Viktor Yanukovych de Regiões e os comunistas.

De agosto de 2006 - Diante de um prazo para aceitar a nomeação Viktor Yanukovych, ou convocar novas eleições, o Presidente Yushchenko concorda que seu rival pode se tornar primeiro-ministro.

Fevereiro de 2007 - Boris Tarasyuk, um aliado próximo do presidente e um forte defensor de laços fortes com a Europa e Otan, renuncia como ministro das Relações Exteriores depois de uma briga prolongada com o parlamento.

De setembro de 2007 - As eleições parlamentares. Nenhum vencedor claro emerge, embora os partidos pró-russos ganhar uma maioria estreita.

Retornos Tymoshenko

De dezembro de 2007 - Yulia Tymoshenko é nomeado novo primeiro-ministro, em coligação com o partido do presidente Yushchenko.

De março de 2008 - A empresa russa estatal, a Gazprom, concorda novo contrato para fornecer aos consumidores industriais da Ucrânia diretamente, terminando polêmica sobre fornecimento de gás.

Problemas econômicos

Outubro de 2008 - A crise financeira global leva à queda na demanda por aço, causando preço de um dos principais produtos de exportação do país ao colapso. Valor da moeda ucraniana cai drasticamente e os investidores retirar.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) oferece à Ucrânia um empréstimo de US $ 16.5bn (£ 10.4bn) para ajudá-la a enfrentar a tempestade.

Janeiro de 2009 - Rússia pára todos os fornecimentos de gás à Ucrânia após o colapso das negociações para acabar com impasse sobre contas não pagas e preços, levando à escassez no sudeste da Europa. Suprimentos são restaurados de uma semana mais tarde, quando a Ucrânia ea Rússia assinam um contrato de 10 anos sobre o trânsito de gás.

De julho de 2009 - Serviço de Segurança da Ucrânia, diz um suspeito-chave do assassinato da oposição jornalista Georgiy Gongadze, em 2000, foi preso e confessou o assassinato.

2009 Dezembro - Ucrânia e Rússia assinam acordo sobre o trânsito de petróleo para 2010, medos dissipar de cortes de fornecimento para a Europa.

Yanukovych retorno

Fevereiro de 2010 - Viktor Yanukovych é declarado vencedor da segunda volta das eleições presidenciais. Seu principal rival, o primeiro-ministro Yulia Tymoshenko, recusa-se a aceitar o resultado, alegando fraude.

2010 Março - Yulia Tymoshenko desce da Premiership após um número de seus partidários em lados opção do Parlamento Europeu e ela perde um voto de não-confiança. Presidente Ianukovitch nomeia seu aliado de longa data Mykola Azarov para sucedê-la.

Abril de 2010 - Ucrânia aceita eliminar seu arsenal de armas de grau material nuclear antes da cúpula de segurança nuclear em Washington.

Parlamento ratifica um acordo para prorrogar contrato de arrendamento da Rússia sobre a base de frota do Mar Negro em Sebastopol na Criméia por 25 anos, em troca de importações mais baratas de gás.

Junho de 2010 - O Parlamento vota a abandonar aspirações membro da OTAN.

2010 Julho - cães de guarda liberdade internacional de mídia criticar a decisão de um tribunal de Kiev para cancelar a alocação de freqüências para transmitir dois gestão privada canais de TV.

2010 Outubro - derruba Tribunal Constitucional limites do poder presidencial, em 2004.

2010 novembro - vetos do presidente Yanukovych uma reforma tributária que havia solicitado milhares de empresários e ativistas da oposição para protestar nos centros urbanos em todo o país. A reforma teve como objetivo preencher a lacuna nas finanças da Ucrânia exigida pelos termos de um empréstimo do FMI.

Dezembro de 2010 - O ex-primeiro-ministro Yulia Tymoshenko e ministro do Interior, Yuriy Lutsenko são acusados de abuso de fundos estatais. Ambos negam as acusações e dizem que são politicamente motivadas.

2011 Março - Ex-presidente Leonid Kuchma é cobrado sobre o assassinato de Gongadze 2000 Georgiy jornalista. Ele nega qualquer participação no assassinato.

2011 Abril - O principal suspeito do assassinato Gongadze, o ex-oficial interior ministro Olexiy Pukach, vai a julgamento. Ele disse ter confessado estrangulamento e decapitação Gongadze.

2011 Outubro - Um ex-PM prisões judiciais Tymoshenko depois de encontrá-la culpada de abuso de poder sobre um acordo de gás com a Rússia em 2009.

UE adverte a Ucrânia de "implicações profundas".

Maio-Junho de 2011 - Ucrânia adia cúpula da Central e Oriental líderes europeus em Yalta, após vários líderes boicotá-la sobre os maus-tratos do líder da oposição Yulia Tymoshenko na prisão. Outros boicotar o Euro 2012 de campeonato de futebol.

2012 Jul - O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos condena a detenção do ex-ministro do Interior, Yuriy Lutsenko e exige sua libertação e compensação.

A polícia em Kiev gás lacrimogêneo fogo para dispersar centenas de manifestantes furiosos com uma lei empurrado através parlamento com pouco debate que dá status de língua russa regional.

2012 Outubro - Primeiras eleições parlamentares desde que o presidente Yanukovych chegou ao poder ver uma vitória decisiva para o governante Partido das Regiões e um impulso surpresa para a festa de Liberdade, de extrema-direita. Observadores da OSCE, Estados Unidos e União Europeia expressam preocupação com o comportamento da votação.

2012 Dezembro - Governo demite-se para permitir que um número de ministros, incluindo o primeiro-ministro Mykola Azarov, para ocupar lugares no parlamento. Governo permanece no cargo em caráter interino.

Fonte: news.bbc.co.uk

Ucrânia

 

Historia resumida da Ucrânia - PRIMEIRA PARTE

I. período anterior ao ESTADO KYIVAN

Durante o Período Mioceno na Era Terciária da Era Cenozóica, cerca de 12 milhões de anos atrás, a maior parte da Ucrânia estava coberta pelo mar. No final deste período, os mares recuaram para as costas dia aproximadamente atuais do Negro, Azov e Cáspio para formar um grande mar. O clima era muito quente e úmido, vegetação exuberante cobria o chão e havia todos os tipos de animais de grande porte e aves.

Então, durante o período Plioceno, há cerca de 6 milhões de anos atrás, o clima começou a esfriar. Muitas plantas e animais desapareceu e apenas aqueles, o que pode adaptar-se a temperaturas mais baixas, tais como a fúria mamutes e rinocerontes, manteve-se. Mais tarde, o chão congelou e logo camadas de gelo cobria a maior parte do norte da Ucrânia. Esse foi o período Pleistoceno na Idade Quaternário da Era Cenozóica, cerca de 1 milhão de anos atrás,

Vulgarmente conhecida como a Idade do Gelo.

Quando o gelo recuou, a vida começou a reaparecer. Vestígios de ocupação humana na Ucrânia, que remonta pelo menos 30 mil anos, tornou-se evidente durante as escavações geológicas.

Primitivas ferramentas de pedra, esculturas de presas de mamute, seta cabeças feitas de pedra de pedra, cerâmica, ferramentas de bronze e armas e jóias de ouro encontrados em diferentes camadas de terra habilitado para geólogos reconstruir o modo de vida do homem primitivo.

Na primeira, durante a Idade da Pedra (Paleolítico Idade), os seres humanos não têm animais domésticos, não podia fazer utensílios e baseou-se exclusivamente na caça e na pesca. Então, gradualmente, durante a Idade Média Stone (Idade Mesolítico) começaram a fazer ferramentas de pedra e armas.

Mais tarde, durante a Idade da Pedra (Neolítico), eles começaram a fazer utensílios de terra, manteve animais domésticos para o leite e carne, habitações construídas e cultivadas no solo.

Durante a Idade do Bronze, cerca de 3000 aC, e Idade do Ferro, cerca de 1000 aC, implementos agrícolas e armas de metal entrou em uso; artesanato e comércio começou a se desenvolver.

A partir do século 7 aC os gregos começaram a colonizar a costa do Mar Negro. Eles trocaram vinho, azeite, e têxteis, prata e louças e utensílios de ouro com as tribos locais para grãos e se esconde, mas eles também envolvidos no comércio de escravos. Eles introduziram a cultura grega e muitas tribos adotado costumes gregos e religião. O historiador grego Heródoto documentadas informações sobre a Ucrânia de este período.

Houve numerosas tribos na Ucrânia, alguns nômades, alguns agrícola, a maioria do tempo em guerra uns com os outros. Mais antigas conhecidas principais habitantes da Ucrânia foram cimérios.

Eles foram substituídos no século 5 aC por citas, que governou até segundo século aC, tribos sármatas seguida, substituiu-os. Mais tarde, no primeiro século dC as tribos da horda dominante foram chamados Alanis.

Ucrânia
Espada e bainha com Cabeça de Javali, o quarto século aC

Essas tribos, principalmente de origem iraniana, foram conquistados no século 2 dC pela tribo alemão chamado godos da região do Báltico. Cerca de 370 dC, o primeiro asiático horda de hunos, em seu caminho para a Europa Ocidental, derrotado e expulso godos da Ucrânia. Eles foram seguidos em 5o-6o séculos pelos búlgaros e ávaros.

A origem exata do povo eslavo é desconhecida, mas pode-se supor que eles existiram por um longo tempo antes que eles foram mencionados em registros históricos por romanos no primeiro século dC.

Um muito forte tribo eslava chamado wends desenvolvido no século 4; seus assentamentos alargado de Ucrânia central até o Mar Báltico. Quando, no século 6 mudaram-se para Sudoeste da Alemanha, tornou-se Antes da tribo dominante na Ucrânia.

Em diferentes momentos eles estavam lutando com e contra godos, hunos, ávaros, gregos e Slovyans. Embora governada por príncipes, eles também tinham conselhos das pessoas e anciãos tribais.

Segundo a lenda, Kiev foi fundada no século 5 por três irmãos KIY, Shchek e Khoriv e sua irmã Lebid, mais tarde Kiev foi reinou por príncipes (ou chefes) Askold e Dyr.

No final do século 7, khazares se estabeleceram estepes do Mar Cáspio, que pouco blindados Ucrânia a partir de outras hordas asiáticas. Também nos gregos do século 7 deixaram margens do Mar Negro, causando assim uma lacuna considerável na história documentada da Ucrânia.

Khazar controle da estepe foi violado no final do século 9 pelo magiares, que mais tarde foram substituídos por pechenegues e depois por Polovetsians como tribos dominantes.

Historia resumida da Ucrânia - SEGUNDA PARTE

II. PERÍODO DE STATEHOOD (879-1360)

Príncipe Olekh estabelecido o Estado Kyivan adequado em 879. Ele realizou expedições militares para as margens do Mar Cáspio e invadiram cidades bizantinas. Príncipe Ehor seguiu, em 912, que não só continuou ataques externos, mas também teve que lutar contra tribos insubordinados de Ulitchs e Derevlans.

Ele morreu durante uma batalha com Derevlans em 945. Sua esposa Olha vingou sua morte por brutal repressão Derevlans. Em 964, ela se tornou um cristão e estabeleceu seu filho Svyatoslav no trono.

Svyatoslav era um príncipe capaz e corajoso, ele lutou hordas da Ásia, no Oriente e realizou incursões sobre a Bulgária. Ele dividiu seu estado entre seus filhos, em seguida, continuou com suas expedições e batalhas. Quando ele morreu em 972 durante a batalha com pechenegues, seus filhos lutaram entre si, muitas vezes com a ajuda de seus inimigos.

Ucrânia
Príncipe Volodymyr

Em 980, o príncipe Volodymyr derrotado todos os seus irmãos e unificou o país em um estado poderoso com Kyiv como a capital. Ele adotou o cristianismo em 988 e começou a converter a população, que tinha até então, adoravam deuses pagãos. Força foi muitas vezes utilizado contra aqueles que resistiram.

Ele produziu moedas de prata e ouro com o seu retrato de um lado e do tridente no verso (O tridente é brasão da atual Ucrânia).

Na história, ele é conhecido como Volodymyr, o Grande ou Volodymyr Saint. Durante seu reinado, pilhagem hordas pechenegues derrotou os khazares, empurrou as hordas húngaras das estepes do Sul e tornou-se uma ameaça para o Estado.

Volodymyr começou a fortificar Kyiv contra eles. Depois de sua morte, em 1015, luta e assassinatos entre seus filhos seguiu, resultando em vitória para príncipe Yaroslav em 1019.

Ucrânia
Yaroslav

aroslav consolidado Grande quase todo o território de seu pai, derrotou os pechenegues e tornou-se um dos governantes mais poderosos da Europa.

A hierarquia da Igreja foi estabelecida, dirigido (pelo menos desde 1037) pelo metropolitana de Kiev, que era geralmente designado pelo patriarca de Constantinopla.

Yaroslav promovido laços familiares com outros reinos, construídas muitas igrejas, fortificações melhoraram de Kiev, leis introduzidas e os tribunais estabelecidos.

No entanto, da mesma forma como seus antepassados, ele dividiu o país entre seus filhos, que depois de sua morte, em 1054, começaram a lutar entre si e dividir sua terra entre seus filhos. Isto resultou numa série de pequenos principados que não só travadas entre si, mas também para defender-se dos ataques de hordas turcas e Polovetsian, que pilharam o campo.

Em 1097 todos os príncipes concordaram em parar de lutar entre si. Em 1103 eles uniram suas forças sob a liderança do príncipe Monomakh (um dos netos de Yaroslav, o Grande) e derrotou as hordas Polovetsian.

No entanto, a constante guerra enfraqueceu a força econômica do país e causou um colapso do sistema cultural e política da Ucrânia.

Após a morte de Monomakh Ucrânia em 1125 permaneceu fragmentado em vários principados, cada um com seus próprios costumes e regras, com apenas lealdade nominal ao Príncipe de Kiev (esta posição foi ocupada por filhos de Monomakh numa base rotativa).

Gradualmente Kyiv perdeu seu poder e influência; principados muitos separados. Uma crônica notável de eventos foi compilado no velho idioma eslavo Igreja por Nestor Venerável em 1136.

Em 1169 o príncipe Andrey Bogolyubski conquistado e destruído Kyiv e estabeleceu sua capital perto de Vladimir local atual de Moscou, originando Estado russo presente.

Os príncipes ucranianos continuaram a lutar contra o sobre Polovtsi.

Uma batalha particular liderada pelo Príncipe Ehor em 1185 foi consagrado em um poema "Slovo o Polku Ehorevim" (The Tale of Regimento de Ehor).

Parte ocidental da Ucrânia - Galícia (Galiza) e Volynj (Volhynia)-livre de invasões, Polovetsian gradualmente emergiu como principados líderes. Príncipe Romano governou lá em 1199. Seus filhos conseguiu unir ambos os principados em um estado rico e poderoso.

Sobre o ano 1220, quando uma horda de novo mongóis e tártaros invadiram Ucrânia, os príncipes chegaram a algum tipo de acomodação com Polovtsi e lutaram juntos para expulsar essa horda novo. Eles conseguiram na primeira, mas, até o final do ano de 1240, retornou e tártaros cercaram Kyiv.

Em 16 de dezembro de 1240 eles conquistaram, saquearam e arruinou a cidade. Depois eles se mudaram para o oeste, saqueando Galícia, Polônia e Hungria, em seguida, em 1245 eles voltaram e ocuparam leste da Ucrânia.

Ucrânia
Príncipe Danylo

Enquanto isso, o príncipe Danylo (filho do príncipe romano) estabeleceu-se em Galícia e seu irmão Vasylko em Volynj. Juntos, eles conseguiram manter os tártaros longe de seus principados. Danylo fundada cidade Lviv em 1250 como um local de defesa contra os tártaros. Em 1253, ele aceitou a coroa real a partir do papa e efetuou uma união igreja de curta duração com a Roma.

Após Danylo morreu em 1264, seus filhos continuaram a governar em coexistência pacífica com os tártaros. Em 1303, eles criaram um escritório separado arcebispado na Galícia, responsável bizantino. Anteriormente, em 1299 sede arcebispado Kyivan foi transferido para Moscou.

O príncipe dominante era filho de Lev Danylo. Ele morreu sobre o ano de 1300. Sua Yuriy filho seria novamente unir o Galícia e principados Volynj com Lviv como a capital.

Ele era visto como um governante poderoso e justo para o país era rico e pacífico sob seu domínio.

Depois de Yuriy, seus dois filhos governou até 1320. Ambos morreram sem deixar sucessores masculinos. Isso criou uma situação instável e uma luta interna pelo poder se seguiu, o que foi explorado por países vizinhos, Polônia, Hungria e Lituânia em seus esforços para ocupar esta parte da Ucrânia.

Boiardos locais e Conselhos Populares tentaram resistir ao aceitar príncipes de dinastias e países e formando alianças com os lituanos e até mesmo os tártaros, mas sem sucesso.

Em 1349, rei polonês Kazimyezh conseguiu ocupar Halych e parte da Volynj. Sobre o mesmo tempo, príncipes lituanos intensificaram a sua aquisição de principados leste da Ucrânia. Finalmente sobre o ano de 1360, o Príncipe de Kiev foi derrubado.

Ucrânia foi dividida entre a Polônia ea Lituânia com Tatar Horda de Ouro permanecendo em algumas partes do sul e estepes da Criméia.

Historia resumida da Ucrânia - TERCEIRA PARTE

III. PERÍODO DE REGRA lituano e polonês (1360-1599)

Ucrânia
Grão-Duque Vytautas, o Grande

Os príncipes lituanos eram governantes razoáveis. Em alguns casos, eles foram assimilados onde eles adotaram a costumes locais, língua e religião. As pessoas não resistir a eles e apreciado sua proteção contra a Polônia, Moscou e os tártaros.

No entanto, sob o domínio polonês, oeste da Ucrânia foi submetido a exploração e colonização por um afluxo de pessoas da Polônia e da Alemanha, que estavam a tomar sobre a propriedade e escritórios de boiardos locais.

Durante o período de 1393-1430 os holandeses Duque da Lituânia foi governada pelo Grão-Duque Vytautas, que também é chamado Vytautas, o Grande para todas as conquistas políticas e militares que ele trouxe para a Lituânia.

Durante o seu reinado, o impulso para o leste pela Ordem alemão foi quebrado. Em 1410 Vytautas, junto com seu primo Yahaylo o Rei da Polônia, venceu a Batalha de Grunwald (Alemanha), contra o poder da Ordem assim terminando quase 200 anos de guerra.

Ele também trouxe o cristianismo à Lituânia pagã. No final de sua época, a Lituânia tornou-se um dos estados mais fortes da Europa, que se estende desde o Mar Báltico até o Mar Negro.

Em 1400 a Lituânia, juntamente com seus principados ucranianos, separados sob o rei Vytautas - primo do Yahaylo. Irmão mais novo de Yahaylo, Svytryhaylo, se opôs a este arranjo.

Principados ucraniano sob Vytautas estavam perdendo o seu caráter nacional e independência a influências polonesas.

Em 1413 foi tomada a decisão de permitir apenas os católicos a ocupar posições importantes do governo ("Privilege Horodlo"). Difundida discriminação contra a população ortodoxa seguido.

Ucranianos quase todos naqueles dias eram ortodoxos, príncipes, portanto, ucranianos e boiardos acabou ajudando Svytryhaylo em sua luta com Vytautas. Depois de Vytautas morreu em 1430, Svytryhaylo se defendeu dos poloneses, mas pelo 1440 anos de sua esfera de influência foi reduzida para o principado Volynj.

Houve um período de hostilidades entre a Lituânia e Moscou, quando cerca de 1.480 Moscou anexa vários principados, no leste da Ucrânia. Também várias revoltas populares aconteceram. Em 1490, uma rebelião em Mukha, ocorreu no oeste da Ucrânia. Mukha procurou ajuda da Moldávia vizinho.

Em 1500, no leste da Ucrânia, houve uma revolta sob o príncipe Mykhaylo Hlynskiy, que esperava a ajuda de Moscou e os tártaros. No entanto Polônia ea Lituânia, na época, eram muito fortes e todas as revoltas foram esmagadas.

Enquanto isso, no Sul, hordas de saqueadores tártaros converteu uma grande área do país em deserto, sem nenhuma lei ou ordem. Era uma parte muito rica da Ucrânia com o solo produtivo, animais selvagens e rios cheios de peixes.

Isso atraiu muitas pessoas aventureiras, que embora tivessem de lutar contra os tártaros ali, estariam livres da repressão pelos senhores poloneses e lituanos. Eles começaram a se organizar sob Hetmans, originando a sociedade cossaco.

Para defender-se dos tártaros, eles construíram fortes chamados "Sitch" e amalgamou-los em uma espécie de união, com Zaporizhia como centro. Foi a jusante das cascatas do rio Dnipro.

Em 1552, um dos príncipes ucraniano, Dmytro Wyshnevetskyi, estando entre os cossacos, construiu um castelo no Khortytsya ilha. De lá, os cossacos conduziram ataques em cidades da Criméia, por vezes, com a ajuda de Moscou.

Dmytro queria desenvolver Zaporizhia, com a ajuda da Lituânia e Moscou, em uma fortaleza poderosa contra os tártaros e turcos. Ser incapaz de atingir esse objetivo, ele deixou Zaporizhia, em 1561, envolveu-se em uma guerra na Moldávia e foi capturado e executado pelos turcos em 1563.

Em 1569, com a União de Lublin, o link dinástica entre a Polônia ea Lituânia, foi transformada em uma união constitucional dos dois Estados como a Comunidade Polaco-Lituana.

A maioria da Ucrânia se tornou parte da Polônia. A liquidação de cidadãos polacos seguido e as leis e costumes poloneses se tornou dominante.

Nobres poloneses substituiu a maioria dos príncipes e boiardos ucranianos, exceto por alguns poucos, notadamente Ostrozkyis e Wyshnevetskyis.

Camponeses perderam sua propriedade da terra e os direitos civis e gradualmente tornou-se servos, explorados como mão de obra na agricultura e silvicultura, pelos novos proprietários.

Supressão da Igreja Ortodoxa retardado o desenvolvimento da literatura ucraniana, artes e educação. Tratamento preferencial dos católicos inibiu o avanço econômico e político dos ucranianos.

Apesar de que houve uma recuperação modesta da cultura ucraniana no final do século 16. Escolas religiosas e seminários foram criados, com base no princípio sobre as propriedades da ucraniana magnata Hryhoriy Khodkovych e, posteriormente, nas explorações de príncipes Ostrozkyi.

A indústria de impressão começou, culminando com a publicação da Bíblia em uma loja de impressão correu por Ivan Fedorovych. Irmandades de comércio e igreja surgiu.

Escolas foram estabelecidas e hospitais se tornaram centros de defesa da Igreja Ortodoxa e da luta pela justiça e igualdade.

Tal situação foi a principal causa, que multiplicou o afluxo de pessoas para cossaco território, aumentando a força do cossaco.

Os tártaros foram expulsos em Criméia e os Cossacos tornaram-se mais ousado em suas incursões em cidades turcas.

Enquanto ucraniano cossacos defendeu não só a Ucrânia, mas também de toda a Europa Oriental dos turcos e hordas de Tatar, eles estavam causando problemas diplomáticos para a Polônia porque a Turquia usado situação cossaco como uma desculpa para as guerras contra a Polônia.

Quando cossaco líder, Ivan Pidkova, conquistou a Moldávia, em 1577, os poloneses capturados e executados lo, a fim de apaziguar os turcos. Eles tentaram controlar os cossacos, recrutando alguns deles no sistema militar polonês como, assim chamado, Registrado cossacos, mas nunca poderia domá-los.

Com a diminuição do perigo dos tártaros, nobres poloneses e ucranianos príncipes leais ao rei, foram concedidos bens em território controlado pelos cossacos e começou a introduzir a sua liberdade limitada, leis impopulares.

Insatisfeito com tal tratamento cossacos, sob Kryshtof Kosynskyi, rebelou-se cerca de 1590, e no ano 1593 controlava a maior parte do leste da Ucrânia. Após Kosynskyi, Hryhoriy Loboda tornou cossaco Hetman em 1593.

Outra seção de cossacos, totalizando cerca de 12 mil, sob Semeryn Nalyvayko, foram recrutados pelo Papa e do Kaiser alemão para a guerra contra theTurks.

Eles conquistaram Moldávia e em 1595 voltou para a Ucrânia para lutar contra o governo polonês e defender a população ortodoxa dos jesuítas, que foram instigantes fusão com a Igreja Católica. Em 1596, em um Sínodo de Brest, o metropolitana Kyivan ea maioria dos bispos assinaram um ato de união com Roma.

A Igreja Uniata assim formado supremacia reconhecida do papa, mas manteve os ritos orientais e língua eslava litúrgica.

Também no ano de 1596 rei polonês, Sigismundo III Vasa, ordenou Marechal Stanislav Zholkewski para subjugar as forças cossacos. Depois de vários meses de luta, Zholkewski cercado cossacos, liderados por Nalyvayko, Loboda e Shaula, no rio Solonytsya perto Lubny. Havia cerca de 6.000 combatentes cossacos e mulheres, assim como muitos e crianças que enfrentam uma força muito mais superior.

O cerco prolongado, a falta de alimentos e forragens, brigas internas (Loboda foi morto em uma das lutas entre as seções de cossacos) e defensores de canhão intensivos incêndio destruiu a "capacidade de resistir.

A fim de salvar suas famílias, cossacos concordou com os termos Zholkewski para deixá-los em liberdade em troca de entregar seus líderes. No entanto, após a rendição, os poloneses não manter sua palavra, eles atacaram e começaram a massacre indefeso e desorientado cossacos.

Apenas uma seção sob a liderança de Krempskyi rompeu e se juntou com tropas de Pidvysotskyi, que estavam vindo para o resgate dos cossacos sitiada.

Zholkewski, exausto pela luta prolongada, decidiu abandonar a ideia de conquistar os cossacos. Ele voltou para a Polônia, onde ele torturou e executou os líderes cossacos capturados. A punição mais severa foi entregue a Nalyvayko, que foi torturado por cerca de um ano antes de uma execução brutal.

Historia resumida da Ucrânia - QUARTA PARTE

IV. Cossaco PERÍODO (1599-1711)

Ucrânia
Bohdan Khmelnytskyi

Embora Zholkewski falhou em destruir os cossacos, ele os deixou consideravelmente enfraquecido e dividido, muitas vezes lutando entre si. Hetman Samiylo Kishka unidas todas as forças cossacos e, depois de levá-los em um expedições bem sucedidas navais contra os turcos e invasões de terra sobre a Moldávia.

Isso ajudou a restaurar o espírito cossaco ex e poder.

Em 1599, o rei polonês, tendo dificuldade com uma guerra com o Walachians na Moldávia, tinha para reabilitar cossacos, a fim de garantir a sua ajuda. Mais tarde ele iria usá-los em uma guerra com a Suécia. Kishka morreu em uma das batalhas com os suecos, mas os cossacos continuou a lutar sob os hetmans outros.

Quando a guerra terminou, em 1603, os cossacos exigiu e obteve o status de igualdade com as unidades polonesas militares e autoridade seguro sobre grande área da Ucrânia ao lado do rio Dnipro.

Cossaco de energia continuou a crescer com as invasões em terras controladas por Moscou, ajudando os pretendentes numerosas para Moscou trono (1604-1613) e as expedições do Mar Negro, em seus barcos chamados Chaykas.

Estes tiveram lugar na costa da Turquia, Criméia e da boca do Danúbio na Moldávia (1613-1618). Cada 'Chayka "foi ocupado por cerca de 60 cossacos e estava armado com 4 a 6 canhões. Com frotas de entre 30 e 80 Chaykas, os cossacos destruídos ou capturados muitos galeões turcos e saquearam cidades turcas durante o tempo em toda a Europa foi tremendo contra o poder do Império Turco.

Estima-se que o número de Cossacks oscilou entre 10.000 e 40.000, dependendo das circunstâncias. Seu centro foi o Sitch-um acampamento armado na Zaporizhia, localizada "além das cascatas" do Dnipro rio.

O Exército Cossaco foi dividido em regimentos, composto por entre 500 e 4.000 homens, liderados por coronéis. Cada regimento tinha sua própria bandeira, trompetista e baterista.

Regimentos foram divididos em companhias de 100 homens liderados por capitães que foram subdivididos em "kurins" de 10 homens liderados por 'atamans. Houve também uma pequena força de artilharia e orquestra. O comandante-em-chefe era um hetman, eleito por e responsável para cossaco Conselho apelou a Rada.

Na primavera de 1618 hetman Petro Sahaydachnyi com força de cerca de 20.000 cossacos desfilaram em Moscou, conquistando muitas cidades e fortalezas no caminho. Perto de Moscou, ele juntou-se com as forças polonesas sob príncipe Wladyslaw, que fingiram ao trono de Moscou. Eles não conseguiram capturar Moscou, mas conseguiu assegurar condições de paz favoráveis para a Polônia.

Os poloneses, não mais ameaçada por seus inimigos, novamente voltaram a sua atenção para a pacificação dos cossacos. Sahaydachnyi queria evitar hostilidades e em 1619 concordou em redução da força cossaco para 3.000.

Isso não agradou Zaporozhtsi (cossacos em Zaporizhia), que, então, substituído por Sahaydachnyi hetman Borodawka. Sahaydachnyi, que manteve o controle de cossacos no continente, dedicou-se à promoção e defesa da cultura ucraniana e Fé ortodoxa por meios diplomáticos; Borodawka continuou com ataques tradicionais sobre a Turquia.

Quando, em 1620, na Polônia começou a ter dificuldades em guerra com os turcos (na Moldávia o exército polonês foi derrotado e morto Zholkewski), poloneses novamente pediu ajuda de cossaco.

Borodawka fez questão de obrigar mas Sahaydachnyi, apontando o tratamento injusto dos ucranianos, tentou conter os cossacos até que receberam um melhor negócio do rei polonês. No entanto, os cossacos se tornou impaciente e sob Borodawka marcharam sobre a Moldávia para combater os turcos.

Eles perderam muitos homens e culpou a liderança ineficiente Borodawka e estratégia. Quando retornou de sua Sahaydachnyi negociações com o rei, os cossacos demitido, julgado e executado Borodawka e eleito como Sahaydachnyi hetman de todos cossacos.

Em 1621 uma grande batalha contra os turcos tomaram lugar no lado sul do rio Dnister perto Khotyn com a participação de 40.000 cossacos e 35.000 soldados poloneses. Ele terminou com a retirada do exército turco. Cossacos tem todo o crédito por esta vitória, mas muito pouco em forma de compensação e novamente os poloneses insistiu na redução de seus números.

Sahaydachnyi, ferido em batalha Khotyn, morreu em 10 de abril de 1622. Sob seus sucessores cossacos continuou a defender a fé ortodoxa, resistiu exploração da terra ucraniana e camponeses pelos latifundiários poloneses e aterrorizou os turcos com seus ataques através do Mar Negro.

Rei polonês, embora incapaz de suprimir os cossacos, continuou com uma política de conversão da população ucraniana ao catolicismo pela perseguição de pessoas de fé ortodoxa.

Em 1924, as autoridades da Igreja Ortodoxa de Moscou pediu por ajuda, mas Moscou não era forte o suficiente para se envolver em hostilidades com a Polônia.

Mais tarde, em 1624, os cossacos assegurou uma aliança inesperada com o da Criméia Tártaros, que se rebelaram contra o sultão turco. Enquanto os turcos partiu contra os rebeldes tártaros, os cossacos duas vezes invadiram e saquearam Constantinopla ambas as margens do Bósforo. Eles, então, voltou e ajudou os tártaros para expulsar os turcos da Crimeia, garantindo assim vizinhos amigáveis em sua luta contra os turcos e poloneses.

Infelizmente, em 1625, quando muitos cossacos estavam ausentes em uma de suas expedições marítimas contra os turcos; polonês hetman Konietspolski atacou e forçou cossaco hetman Zhmaylo a aceitar os termos, em que o registo cossaco era para ser reduzida a 4.000 homens.

Os cossacos não gostava este compromisso e substituído por Zhmaylo hetman Doroshenko. Doroshenko era um líder capaz e administrador e mantido um relacionamento razoavelmente pacífica com as autoridades polacas.

Ele até conseguiu conter 'não registradas "cossacos de ataques sobre a Turquia. No entanto, quando turcos atacaram Criméia, os cossacos foi ajudar os tártaros e Doroshenko caiu em uma das batalhas lá.

Hetmans cossacos seguintes continuou a manter as condições de paz até 1629, quando voltou de Konietspolski guerra com a Suécia e se estabeleceram os seus soldados em terra ucraniana, que começou a criar problemas. Ele também tentou eliminar o 'não registado »cossacos.

Na primavera de 1630, os cossacos de Zaporizhia liderada por hetman Taras Fedorowych prosseguiu a marcha e encontrou-se com as forças polonesas e as 'Registrado' cossacos estacionado em Korsun. Os Cossacos de Korsun foi até Fedorowych, os cidadãos se rebelaram e os soldados poloneses tiveram que fugir. Isso sinalizou uma revolta geral, o que finalmente se transformou em uma guerra em defesa da fé ortodoxa.

A reação do governo polonês foi brutal e generalizada. Konietspolski recrutou um capuz notório, Lashch, para as pessoas de ataque e massacre em igrejas, vilas e aldeias. No entanto, isso fez os cossacos, e população ucraniana em geral, mais determinado a livrar-se do jugo polonês.

A batalha decisiva teve lugar em meados de 1630 perto Peryaslav onde as forças poloneses sofreu uma grande derrota e Konietspolski teve que fazer a paz com os cossacos.

Após a morte do rei polonês Sigismundo III Vasa (em abril de 1632) nobres ucranianos e políticos intensificaram seus esforços para obter um acordo melhor para a Ucrânia por meios diplomáticos. O novo rei, Ladislau IV, era mais simpático à sua causa, principalmente, a fim de neutralizar a influência de Moscou no cenário ucraniano.

Embora a Igreja Católica e dos latifundiários resistiu quaisquer concessões, ucranianos conseguiu fazer alguns progressos nos campos espirituais e culturais sob o recém-eleito arcebispo Petro Mohyla.

O novo rei apreciado o potencial cossaco e os usou em guerras com a Turquia, Moscou e Suécia. Os cossacos se mostraram tão eficientes combatentes no Mar Báltico como no Mar Negro, mas o senado polonês não quer guerra com a Turquia e construíram uma fortaleza chamada Kodak perto Zaporizhia, a fim de bloquear o acesso dos cossacos para o Mar Negro.

Esta fortaleza foi destruída pelos cossacos, liderada por hetman Sulyma em 1635, mas "registado" Cossacos, a fim de evitar a retaliação, capturou Sulyma e entregaram para os poloneses. Apesar de seu distinto serviço em guerra com os turcos e os esforços do rei e papa para salvá-lo, Sulyma foi executado e seu corpo foi cortado e pendurado em quatro cantos de ruas de Varsóvia.

A traição de Sulyma não ganhou cossacos recompensa muito dos poloneses. Isso levou a uma revolta sob hetman Pavliuk em 1637, mas o campo polonês marechal Pototski suprimiu. Outra tentativa frustrada de derrubar ocupação polonesa foi feita pelos cossacos, em 1638, sob hetmans Ostryanin e Hunya.

Depois que o movimento cossaco caiu sob o controle polonês, Kodak fortaleza foi reconstruída e parecia que os poloneses poderiam ter finalmente ganharam o domínio incontestado da Ucrânia.

Um longo período de paz, que se seguiu, ficou mais fácil para os poloneses para manter o controle sobre a Ucrânia. Cossacos não eram mais necessários, como uma força de defesa. O senado polonês e nobres conseguiu reduzir ambições rei Ladislas 'para guerras agressivas. Soldados poloneses estavam na mão para manter uma tampa sobre o descontentamento latente da população ucraniana.

Privados de proteção contra os cossacos, os camponeses foram exploradas em terra como servos, os moradores da cidade foram reduzidos a uma conformidade estado relutante. Questões políticas, culturais e religiosas estavam sob controle polonês e comércio era predominantemente nas mãos de comerciantes judeus, lojistas e gerentes.

Um incidente em 1646 iniciou uma cadeia de eventos importantes com grandes consequências. A fazenda de cossaco capitão, Bohdan Khmelnytskyi, foi destruída e sua família prejudicado por funcionários do governo local em Subotiv. Zangado e perturbado, Bohdan decidiu organizar um levante.

Condições para que ela fosse muito madura, e em 1647 foi para o Kmelnytskyi Sitch, onde foi eleito como cossaco hetman. Alimentada por rumores de guerra iminente, os voluntários transmitido para Zaporizhia para se juntar às forças cossacos livres.

Isso alarmou autoridades polonesas e um exército, que incluiu 'registrado' cossacos foi enviado para restaurar o controle polonês. No entanto, estes cossacos foi até Khmelnytskyi ea força polonês foi aniquilada nas estepes perto de Zaporizhia maio 1648.

Vitórias cossacos, com apoio popular continuou. Mesmo os tártaros, que estavam insatisfeitos com o tratamento por parte dos poloneses, juntou dentro Marchando para o oeste, a força principal dos cossacos chegou e cercou a cidade de Lviv eo Zamostc cidade fortaleza. Praticamente toda a Ucrânia caiu sob o controle cossaco.

Enquanto isso o rei Ladislau IV morreu e seu irmão rei Casimir V fez as pazes com os cossacos, concordando com todas as suas exigências. Khmelnytskyi vitorioso com seu exército se retirou e em janeiro 1649 entrou na capital ucraniana de Kiev para uma aclamação triunfal como libertador.

Quando emissários do rei chegou em Kiev eles insistiram que a Ucrânia deve permanecer parte do Reino polonês e oferecido apenas para aumentar o número de 'registrado' cossacos e concessões à Igreja Ortodoxa.

Isto irritou Khmelnytskyi porque agora ele queria plena independência e liberdade para todos os povos ucranianos. Ele disse aos emissários que ele iria libertar toda a Ucrânia e disse, "pé no rio Vístula vou dizer 'sentar lá e ser poloneses tranquilos' e eu vou expulsar todos os duques e princesa além do Vístula e se eles começarem a trancar I vai mesmo encontrá-los lá com certeza ".

Ele, então, para criar um Estado independente cossaco ucraniano.

Em resposta, o exército polonês marcharam sobre a Ucrânia. Depois de encontrar uma grande força de cossacos e tártaros eles se retiraram para um Zbarazh fortaleza sitiada e foram lá. Cossacos perto Zboriv bloqueado seus reforços.

Os poloneses onde quase derrotados lá, mas foram salvos pelos tártaros, que desertaram da cossacos após promessas generosas de os poloneses. Confrontado com a força combinada de poloneses e tártaros, Khmelnytskyi teve de se contentar com o aumento do registo cossaco para 40.000 e concessões à Igreja Ortodoxa só (Tratado de Zboriv em agosto de 1649).

Isso não satisfez a população ucraniana e logo Khmelnytskyi teve que lutar novamente pela sua liberdade. Depois de persuadir os tártaros novamente para o seu lado, ele derrotou o exército polonês em Korsun em 1650.

No entanto mais tarde ele foi novamente traído pelos tártaros e em agosto 1651 tive que fazer outro contrato com a Polônia, desta vez diminuindo registo cossaco a 20.000 e sem concessões à Igreja Ortodoxa.

Este acordo foi tratado por Khmelnytskyi apenas como um período de descanso e, na Primavera de 1652, com a participação de Tatar, ele passou a marcha novamente. Após um período de batalhas sangrentas e exaustivo e outra traição pelos tártaros, Khmelnytskyi decidiu procurar a ajuda de Moscou.

Em janeiro de 1654 reuniu-se com os emissários de Moscou, em que prometeu ajuda Peryaslav em defesa da Ucrânia da Polônia se os cossacos jurou fidelidade ao seu czar. Um acordo foi alcançado com base no conjunto de condições, o que de fato garantidas independência da Ucrânia, ligado a Moscou somente em virtude de monarca comum.

Funcionou bem no sentido militar, como os poloneses foram expulsos da Ucrânia e da Bielorrússia, porém, não houve consenso na esfera política. Ucranianos queriam relações com Moscou como iguais, parceiros independentes, enquanto que Moscou considera a Ucrânia como uma aquisição de outro país por seu império crescente.

Khmelnytskyi era muito decepcionado com tal atitude e comportamento de seus aliados e começou a olhar ao redor para outros amigos. Em 1655 rei sueco Karl X solicitou e obteve ajuda dos cossacos em sua guerra com a Polônia.

Quando os suecos ocuparam norte da Polônia, o rei polonês fez a paz com Moscou e tentou também para atrair os cossacos para o seu lado. Mas Khmelnytskyi, por causa da experiência anterior com a Polônia e Moscou, decidiu ficar com a Suécia e no início do ano 1657 retomou as hostilidades com a Polônia.

Infelizmente Khmelnytskyi ficou muito doente eo led cossacos pelo coronel Zhdanovytch, incapaz de alcançar qualquer vitória significativa, voltou para casa. Khmelnytskyi morreu em 27 de Junho 1657.

Ele queria que seu filho para sucedê-lo, mas, como era Yurasj ainda jovem e inexperiente. Os cossacos eleito Ivan Vyhowskyi como seu hetman. Na primeira Vyhowskyi conduzido uma política neutra em relação a Polônia, Moscou e Suécia, mas, eventualmente, o comportamento agressivo dos moscovitas em território ucraniano empurrou para a Polônia.

Em setembro de 1658, em Haydach, ele assinou um acordo pelo qual a Ucrânia caiu sob jurisdição do rei polonês, embora como um país autônomo.

Com a ajuda da Polônia e dos tártaros, Vyhowskyi derrotou as forças de Moscou, na Ucrânia, mas em setembro 1659 uma grande parte de cossacos se rebelou, acusou Vyhowskyi de tentar vender a Ucrânia para a Polônia e eleito Yurasj Khmelnytskyi como seu hetman.

Logo todos unidos cossacos sob Yurasj e forçou Vyhowskyi a renunciar. Depois de entrar em um novo tratado com a Rússia, os cossacos e os russos, no verão de 1660, marchou sobre a Polônia. No entanto, esta campanha não foi muito bem e quando as forças russas foram derrotados, os cossacos teve que se submeter a outra união com a Polônia.

Embora ucranianos se ressentiam dominação de Moscou, autoridades polacas não conseguiu capitalizar sobre ele e não fez nada para ganhar o apoio popular.

Os cossacos em Leevoberezhie (margem esquerda), que fica no lado leste do rio Dnipro, passou para o lado de Moscou; Yurasj Khmelnychenko renunciou em 1663 e seu lugar foi tomado por Pawlo Tererya. Tererya foi um defensor polonês, portanto, ele não poderia estender a sua autoridade à margem esquerda, onde os cossacos eleito hetman Ivan Brukhowetskyi.

No início de 1665 os cossacos derrubou Teterya, liberando assim território em Pravoberezhie (margem direita), que fica no lado oeste do rio Dnipro, da Polônia.

Recusando-se a vir sob a dominação de Moscou os cossacos se virou para apoio dos tártaros elegendo Petro Doroshenko como seu hetman.

Em 1667, pelo tratado de Andrysovo, a Ucrânia foi dividido ao longo do rio Dnipro: o lado ocidental (margem direita) foi sob controle polonês, enquanto o lado leste (margem esquerda), incluindo Kiev, tornou-se o estado hetman autônomo ou Hetmanado sob protetorado russo. Zaporizhia ainda permaneceu sob independente cossaco regra, que elegeu seus caciques própria e seguiu suas próprias políticas impetuosas.

Na margem direita, Doroshenko aceitou o sultão turco Mohammed IV como seu superior, em troca de ajudar a libertar a Ucrânia de dominação pela Polônia e Moscovo. Mais tarde, na primavera de 1668, os cossacos na Margem Esquerda rebelaram contra Moscou, resultando em toda a Ucrânia que vem sob o controle do Petro Doroshenko.

Infelizmente, mais tarde, em 1668, quando Doroshenko estava ocupado com um assunto de família, os russos atacaram e mais uma vez a margem esquerda caiu sob o seu domínio, com Demyan Mnohohrishnyi como hetman de cossacos da parte da Ucrânia.

Forças polonesas também invadiu a Ucrânia do Ocidente, mas, na primavera of1671, o sultão turco enviou um grande exército e ajudou Doroshenko para expulsar os poloneses do oeste da Ucrânia.

Doroshenko seguida, iniciou negociações com Mnohohrishnyi sobre unificação da Ucrânia. Isso não agradou a Moscou; Mnohohrishnyi foi julgado (sob falsas acusações) e condenado ao exílio. O novo Left Bank hetman Ivan Samoylowytch era hostil ao Doroshenko e, com a ajuda de Moscou, marcharam em Direito Banco Ucrânia.

Ele recebeu um apoio considerável lá porque os turcos e os tártaros antagonizou a população, tentando promover o seu religion.Doroshenko muçulmano foi desta vez incapaz de obter a ajuda de turcos que foram agitado em guerra com a Polônia e se retirou para sua exploração de Chyhyryn.

Em 15 de março de 1674. Samoylowytch foi proclamada hetman da Ucrânia todo sob um protetorado de Moscou.

Ucrânia
Esta é uma das pinturas mais conhecidas e amadas na Rússia e na Ucrânia. 
Ele mostra os cossacos de Zaporozh'e compor como resposta um insulto possível a uma demanda turco para a rendição (1675).

Doroshenko estava pronto para se render, mas depois de receber o apoio de Zaporozhtsi, o incentivo da Polônia e da ajuda de turcos decidiram continuar lutando contra Samoylowych e seus aliados russos.

Esta guerra, com ataques e saqueia por turcos, tártaros e poloneses causou um êxodo em massa de pessoas do oeste da margem esquerda. Abandonado por seu povo Doroshenko se rendeu em setembro de 1676.

Os turcos, então, lembrou Yurasj Khmelnychenko, que continuou a lutar pela margem direita, até 1681, quando os turcos substituiu-o pelo Walachian Duky Warlord.

Em 1683 o Banco direita foi tomada pelos poloneses sob Yan Sobyeski, que foi apoiado pelos cossacos em uma guerra com os turcos, que figurou significativamente no resgate de Viena em 1683. Por seus serviços, cossacos foram recompensados com doações de terras no sul da Ucrânia.

As pessoas então começaram a retornar a partir do leste, que ainda ajudou Sobyeski para combater os turcos. Mas, ainda assim, os cossacos se ressentiu supremacia polonês e Paliy, com os coronéis cossacos outros, programou um levante ea unificação com o cossaco na Margem Esquerda.

Lá Samoylowych tentou evitar tudo o que pode desagradar a Moscou, mas ao preço de continuar a perda de independência. A Igreja Uniata desapareceu e o Metropolia Kyivan Ortodoxa si foi transferida em 1986 de autoridade patriarcal de Constantinopla ao de Moscou.

Artes e educação progressivamente perdeu seu caráter tradicional ucraniano. Conceder também posses assegurou lealdade a Moscou por alguns dos Starshyna (oficiais cossacos seniores), o que levou à exploração renovada dos camponeses.

Samoylowych se passou a adotar estilo autocrático de governo e até mesmo queria introduzir a sua dinastia, que antagonizou a maior parte do Starshyna cossaco.

Portanto, quando em 1686 se juntou com Moscou Polônia em guerra com a Turquia, culparam Samoylowych para a expedição fracassada contra os tártaros da Criméia. Samoylowych foi exilado para a Sibéria, onde morreu dois anos depois.

Ucrânia
Ivan Mazepa

Em 25 de julho de 1687 Ivan Mazepa foi eleito como novo cossaco hetman. Para os primeiros anos Mazepa continuou com as políticas de seu antecessor, também construído e renovado igrejas e mosteiros. Literatura, arte e arquitetura, num estilo cossaco barroco, floresceu sob seu patrocínio ea Kyivan Mohyla Academy, a primeira instituição de ensino superior ucraniano, idade experiente seu ouro.

No entanto, ele negligenciou as necessidades dos camponeses e pessoas comuns, que suportaram o peso da dominação de Moscou. Levantes tentada por Petryk ocorreu entre os anos de 1693 and1696.

Ele ganhou o apoio dos tártaros, mas não conseguiu obter o apoio dos cossacos. Eventualmente, um cossaco, para a recompensa monetária de Mazepa, assassinaram. No entanto descontentamento continuou ea população começou a mudar para Zaporizhia e à margem direita, onde o coronel Paliy era visto como um herói povos devido a seus sucessos em revolta contra os poloneses.

Em 1695, Moscou reiniciado guerra com a Turquia e Criméia e os Cossacos tinham de lutar onde o czar Pedro mandou para. Os tártaros da Ucrânia exposto a ataques devastadores.

Em 1700 o czar Pedro juntou-se a Polônia em uma guerra com a Suécia para ganhar acesso ao Mar Báltico e os cossacos tiveram que marchar para o norte distante, foram muitos deles morreram em batalhas e do tratamento brutal pelos oficiais de Moscou.

Eles também foram usados como mão de obra na construção de fortificações. Para piorar as coisas, arrogantes regimentos russos foram saqueando cidades ucranianas e aldeias e abusando não só a população em geral, mas também os líderes dos cossacos.

Tudo isto perturbou Mazepa e ele começou a ter algumas dúvidas sobre a sua aliança com Moscou. Até o final de 1705, a guerra com a Suécia foi ruim e em 1706 rei sueco Karl XII concluiu a paz com a Polônia deixando Moscou sozinho nesta guerra. Consequentemente czar Pedro ordenou Mazepa para defender a Ucrânia sem a ajuda de Moscou e de destruir os nobres poloneses, na margem direita, que apoiavam os suecos.

Mazepa usou esta oportunidade para assumir esta parte da Ucrânia. Mas havia um Paliy coronel populares cossaco. Mazepa resolvido este problema, convidando Paliy ao seu lugar, onde ele foi preso e entregue ao czar Pedro, que o mandou para a Sibéria para a colaboração com os suecos.

No final de 1707 o czar Pedro ordenou Mazepa a entregar as terras do oeste para a Polônia. Mazepa não obedecesse, usando todas as desculpas possíveis para manter o controle da parte da Ucrânia. Enquanto ainda fingindo ser fiel ao czar Pedro, realizou negociações secretas com os reis da Suécia e da Polônia.

Quando, no Outono de 1708 o rei Karl aproximou Ucrânia e prometeu ajuda na libertação de Moscou, Mazepa decidiu mudar de lado. Infelizmente Moscou tomou conhecimento desta trama antes Mazepa poderia organizar e informar os cossacos e da população em geral sobre as razões e as vantagens de seu plano.

Czar Pedro moveu-se rapidamente para a Ucrânia, destruindo a maioria das fontes de Mazepa e armamentos e impiedosamente eliminados os suspeitos de colaboração com Mazepa e os suecos. Ele começou a rumores extensas que Mazepa destinados a retornar a Ucrânia para a dominação polonesa.

Isto resultou em mais tapume cossacos com Moscou e posteriormente eleito hetman submisso a Moscou, Ivan Skoropadskyi. A igreja ficou também do lado de Moscou. Apenas cossacos em Zaporizhia saiu em apoio de Mazepa e seus restantes quatro mil soldados.

As forças moscovitas superiores encaminhados Zaporizhia maio 1709 e no próximo mês, apoiados pelos cossacos, leais a Moscou, derrotado Mazepa e theSwedes em uma batalha perto de Poltava. Mazepa inconsolável fugiu para a Moldávia, onde morreu em 22 de agosto de 1709.

Apoiantes Mazepa não desistir da esperança de libertação de Moscou. Em abril 1710, eles elegeram como seu Orlik hetman e continuou a luta, com a ajuda da Suécia, Polônia e Turquia por muitos anos vindouros. Eles também elaborou muitas resoluções interessantes sobre um governo ucraniano proposta, com base em princípios democráticos.

Historia resumida da Ucrânia - QUINTA PARTE

V. DECLÍNIO DA STATEHOOD UCRANIANO E CULTURA (1712-1783)

Ucrânia
Czar Pedro

Após a derrota de Mazepa, o czar Pedro intensificou seus esforços para subjugar Ucrânia. Hetman Skoropadskyi teve seus poderes limitados por supervisores russos. Sua residência foi transferido de Baturyn para Hlukhow perto da fronteira russa, onde duas guarnições russas estavam estacionados para garantir a sua lealdade para com Moscou.

A população da Ucrânia tornou-se sobrecarregado pela pilhagem das unidades militares russas, dispersos por todo o país. Cossacos foram enviados para trabalhar na construção de canais perto de São Petersburgo, que liga o rio Volga com o Mar Báltico. Milhares de cossacos morreram de exaustão, fome e doença. Cidadãos russos substituído coronéis cossacos muitos.

Em 1722, o czar nomeou um conselho chamado "Little Colegiada russo", que foi controlado por altos oficiais russos e liderado pelo brigadeiro Velmyaninow, para acompanhar e controlar as atividades do Hetman e decisões. Isto, para fins práticos, transferiu todos os poderes para os russos, deixando o hetman cossaco e seus oficiais apenas com títulos vazios.

Hetman Skoropadskyi estava muito chateado por essa situação, ele ficou doente e morreu em 1722. Czar Pedro usou esta oportunidade para abolir o cargo de hetman completamente. Ele dirigiu o coronel cossaco Polubotok para exercer as funções do Hetman sob a supervisão de Velmyaninow e se recusou a concordar com cossaco solicitações para a eleição de um novo hetman.

Os ocupantes russas continuaram a perseguir e empobrecer a população ucraniana. Eles mantiveram o envio de cossacos mais para trabalhar na construção dos canais, ligando o Mar Cáspio ao Mar Báltico. De 1721 a 1725, alguns cossacos 20.000 pereceram.

Polubotok era um homem honesto e enérgico. Ele conseguiu melhorar a lei ea ordem dentro do estabelecimento cossaco e para melhorar as condições de vida da população. No entanto, esta não agradou as autoridades russas, que confiaram em desordem e corrupção para manter seu controle sobre a Ucrânia. Eles temiam a crescente popularidade Polubotok e seus esforços para restabelecer a Hetmanado.

Velmyaninow queixou-se ao czar que Polubotok não estava cumprindo com as suas diretivas. Consequentemente Polubotok foi preso e interrogado sob tortura no Petropavlowsk forte, perto de São Petersburgo. Ele morreu lá, como um mártir da causa da Ucrânia, no Outono de 1724, apesar dos esforços tardios do Czar para salvá-lo e se reconciliar com os cossacos.

Czar Pedro morreu logo depois, no início do ano de 1725. Ucrânia foi assim deixado à mercê de Velmyaninow e seus capangas. Quanto aos coronéis cossacos, alguns foram presos perto de São Petersburgo e os outros, que não foram já substituídos por russos, manteve o silêncio.

Sua esposa Catherine conseguiu czar Pedro. Confrontado com uma possível guerra com a Turquia, ela precisava de cossacos e queria voltar a eles algumas de suas liberdades anteriores. No entanto, ela enfrentou uma forte oposição da "velha guarda" no governo russo, conseqüentemente os cossacos recebeu apenas algumas concessões menores. Catherine morreu na primavera de 1727 e neto de Czar Pedro, Pedro II se tornou o newemperor da Rússia.

O novo governo russo demitido Velmyaninow e seu "Little Colegiada da Rússia", divulgou os coronéis cossacos da prisão e nomeou 70 anos de idade, Danylo Apostol como cossaco hetman. Em 01 de outubro de 1727 os cossacos aceitou formalmente Apostol em uma eleição em Hlukhow cerimonioso.

Apesar de relatar a russa Naumow "residente", o novo hetman conseguiu realizar melhorias consideráveis em situação ucraniana. Sua lealdade a Moscou foi assegurada pela presença de um de seus filhos, que era um refém virtual em São Petersburgo.

Czar Pedro II morreu em 1730 e sua tia Anna czarina tornou-se o novo governante da Rússia. Quando hetman Apostol adoeceu e ficou paralisado, ela se recusou a entregar seus poderes para os cossacos e pediu um "residente" russo, o príncipe Shakhowski para formar um conselho, que consiste principalmente de russos, para assumir. Hetman Apostol morreu em janeiro de 1734 e mais tarde naquele ano a Zaporozhtsi no Sitch decidiu vir do turco para o lado russo.

Com a Ucrânia se tornando quase uma província da Rússia, a russificação da vida política, religiosa e cultural se intensificou. Casamentos com russos foram incentivados e quaisquer esforços para recuperar a independência foram brutalmente reprimidas.

Coronéis cossacos foram mantidos sob observação constante e submetido a buscas domiciliárias, ao menor sinal de deslealdade. Mesmo as tentativas de obter justiça foram punidos, quando, em 1737, os conselheiros da cidade de Kyiv tentou defender os seus direitos contra os excessos da Rússia, todos eles foram presos.

As coisas estavam tão ruim, que quando em 1740 um Inglês geral Keith foi temporariamente nomeado no lugar de um administrador russo, as pessoas ficaram impressionados com o seu comportamento humano e tolerância.

Os tempos eram difíceis para a camada superior da sociedade ucraniana, mas ainda mais difícil para classes média e baixa e camponeses, que mais sofreram com a exploração russa. Cossacos estavam sendo forçados a lutar pela Rússia contra os turcos, tártaros e poloneses para pequenas recompensas, e muitas vezes para nada.

Sob tais circunstâncias, a aspiração para o retorno da autonomia Hetmanado persistiu. A possibilidade de que isso iria acontecer ocorreu após o fim da guerra com a Turquia, em 1740, e da morte de Anna czarina em 1741.

Ucrânia
Kyrylo Rozumowskyi

A regência curta de Anna II foi denunciado por uma revolução palaciana, ao que a filha de Pedro I, Isabel foi instalado no trono russo. Elizabeth era simpático à causa ucraniano, porque, antes de se tornar czarina, ela se tornou amiga e se apaixonou por um belo filho de um cantor de coral cossaco tribunal, Oleksiy Rozumowskyi.

Ela se casou com ele depois de sua coroação. Ao visitar Kiev em 1744, ela concordou em promover a pedido dos cossacos "de re-instalar o escritório do hetman e proposta mais jovem Oleksiy irmão Kyrylo Rozumowskyi para esta posição.

Vinte anos Kyrylo idade, que estudou no exterior, retornou em 1746, casou-se na família real e foi agraciado com muitos pedidos e títulos.

Em 1747 o senado russo foi solicitado a tomar medidas para o restabelecimento da Hetmanado. Em fevereiro de 1750, a formalidade cerimonioso de eleição do novo cossaco hetman ocorreu em Hlukhow, seguido por celebrações e festividades.

Na primavera de 1751 hetman Kyrylo Rozumowskyi, novamente com grande cerimônia e desfile foi instalado como hetman. Infelizmente, a ser criado em São Petersburgo, Rozumowskyi era um estranho para a Ucrânia e os modos de vida de lá.

Sua Teplow conselheiro russo foi antipático com a autonomia recém-conquistada da Ucrânia e fez tudo o que podia para impedir o seu desenvolvimento. Rozumowskyi mesmo estava entediado com a vida na Ucrânia e preferiu passar a maior parte de seu tempo em São Petersburgo.

Durante este período, a Ucrânia foi dividido em várias partes, como a Margem Esquerda consiste na Hetmanado, Slobidshchyna eo Sich Zaporozhian, na margem direita, consistiu Halychyna (Galiza), Wolhynia, Bukovyna e Transcarpatia.

O Hetmanado incluiu áreas em torno de Poltava, Lubny, Peryaslav, Kyiv, Nizhyn, Chernihiv, Hlukhiv e também áreas, em torno Starodub, Pochep e Mhlyn. As áreas vizinhas centrados em torno de Kharkiv foram chamados Slobidshchyna significado livre (da servidão) terras também referidos como Sloboda Ucrânia.

Eles incluíram Izyum, Balakleya, Akhtyrka, Sumy, e áreas ao redor Bilhorod, Ostrohozhsk e Sudza.

Originalmente pessoas aventureiras, que tentaram estabelecer-se livre da dominação polonesa e russa, estabelecido essas terras. Eles formaram regimentos cossacos para proteção contra os tártaros e por algum tempo foi capaz de levar uma vida independente, porque serviu como um amortecedor dos turcos e os tártaros.

No entanto mais tarde caíram sob o domínio russo direta, a autonomia da Loboda Ucrânia foi abolido sob Catarina II em 1765.

Para assegurar o domínio duradouro sobre estas duas partes da Ucrânia, os russos tentaram suprimir a cultura ucraniana. , Indeferiram língua ucraniana em livros, escolas e teatros. Moscou controlava a Igreja e do governo ea única maneira para uma pessoa a avançar foi a falar russo e ser leal a Moscou.

Enquanto a Ucrânia, no lado leste do Dnipro (margem esquerda) estava sendo-russo, a Ucrânia ocidental que consiste da Galiza Wolhynia e Bukovyna (áreas ao redor de Lviv, Ternopil Lutsk e Chernivtsi) estava sob a influência polonesa.

Autoridades polacas estavam impedindo não só nacional, mas também o desenvolvimento econômico dos ucranianos. A Igreja Ortodoxa foi sendo gradualmente assumido pelo polonês dominado Igreja Católica.

Entre o oeste da Ucrânia e, as peças russas dominaram no lado leste do Dnipro, foi um grande território na margem direita, em parte de-povoada pelas guerras recentes envolvendo os cossacos, poloneses, russos, turcos e tártaros.

Aos poucos, a nobreza polonesa começou a voltar, recuperado seus latifúndios e começou a explorar os camponeses ucranianos como servos. A resistência a isso, no início, era em forma de quadrilhas fora da lei, diz-se que roubava dos ricos para ajudar os pobres.

Alguns dos líderes de gangues foram mesmo consideradas como heróis populares, como Olexa Dowbush, que operou entre 1738 e 1745. Também houve levantes pelos Haydamaks chamados, geralmente durante as hostilidades entre a Polônia ea Rússia.

A maior revolta foi em 1768. Os Haydamaks, liderada por Maxym Zaliznyak e Honta Ivan, capturado e morto Umanj muitos opressores poloneses e seus colaboradores judeus. Eles esperavam ajuda de seus "irmãos" ortodoxos da Rússia.

No entanto russos fizeram a paz com a Polônia, capturado Zaliznyak, Honta e muitos outros Haydamaks e os entregou para os poloneses. Aqueles que não foram imediatamente torturados e executados, foram julgados e condenados em Kodno, na maioria dos casos, à morte.

A Ucrânia Transcarpathian (áreas ao redor de Uzhhorod e Mukachiv) estava sob domínio húngaro. Predominantemente rural em caráter, Transcarpathia teve um campesinato ucraniano-Ruthenian, uma nobreza poderosa húngaro e um número considerável de judeus urbanas e rurais. A população ucraniana lá não exibir muito entusiasmo para a independência, mas conseguiu manter sua língua costumes e religião.

Ucrânia
Czarina Katharine II

Czarina Katharine II, que governou a Rússia de 1762, após curto reinado de seu marido Pedro III, decidiu o cancelamento do Hetmanado. Rozumovskyi Hetman renunciou e, em seu lugar, em novembro de 1764, czarina re-instalado o "Little Colegiada da Rússia", sob a presidência do Graf Rumyantsev.

Rumyantsev política era eliminar todos os vestígios remanescentes de Autonomia ucraniano e separatismo; introduzir a servidão dos camponeses e de integrar a Ucrânia com a Rússia. Os cossacos ea população resistiu a essa em geral.

Em 1767 a czarina ordenou a eleição de deputados de todas as partes do Império Russo, a fim de ser informado que tipo de governo o povo queria. Os deputados da Ucrânia declarou seu desejo de autonomia Hetmanado.

Isto irritou Rumyantsev e enviou seus oficiais para convencer os eleitores a eleger deputados de apoio ao seu governo. As pessoas que resistiram foram presos. No entanto, apesar de todos os esforços das autoridades russas, o sentimento popular para o retorno do sistema Hetmanado continuou.

Em 1772, a Galiza e, dois anos depois, Bucovina foram anexadas ao Império Austro Húngaro, que tinha melhorado um pouco as condições do Ucranianos. Em 1774 a Igreja Uniata (renomeado para Igreja Greco-Católica) foi, por decreto imperial, empatou no estado com a Igreja Católica Romana.

Reformas educacionais em 1775 permitiu instruções em língua ucraniana. No entanto, em políticas de governo de equilíbrio favoreceu os poloneses.

A fortaleza dos cossacos, o Sitch Zaporozhian, foi subserviente a Moscou e foi utilizada para ataques a Crimeia e Turquia. Durante a guerra turco, que começou em 1768, vários milhares de cossacos russos apoiaram o em batalhas em terra e no mar.

Seus esforços foram recompensados com elogios da czarina, mas pouco mais e restrições das liberdades cossacos continuou. Suas terras foram sendo colonizada por russos, sérvios e outros estrangeiros com objetivo de criação de Novorossiya chamada ou o estado de Nova Rússia, no sul da Ucrânia.

Após o final da guerra turco em 1775, os cossacos foram sendo gradualmente desarmado e no Verão do mesmo ano, general russo Tekeli cercado dos cossacos na Sitch-se com uma força superior e exigiu o abandono de sua fortaleza. Diante de tais todas as adversidades, o cossaco chefe Kalnyshevskyj rendeu. A Sitch foi destruída e abolida por tzarista edital de 03 de agosto de 1775.

Kalnyshevskyj e líderes cossacos outros foram exilados para a Sibéria. As terras dos cossacos foram concedidos aos nobres russos, cossacos foram orientados a se dispersar e se estabelecer em cidades e aldeias ou para se juntar as forças russas.

Cossacos muitos escaparam e se estabeleceram na Turquia, perto do delta do Danúbio. Em 1778 eles foram formalmente aceites sob domínio turco. Até o final de 1780 todos os distritos, que eram anteriormente sob a Hetmanado, foram incorporadas no regime russo.

Em 1783 todos os regimentos cossacos foram transferidos para as forças russas; camponeses foram proibidos de deixar seus proprietários, o que os tornava servos em suas terras anterior. Autonomia da igreja ucraniana foi abolido e propriedade da igreja foi transferida toRussian tesouraria.

Historia resumida da Ucrânia - SEXTA PARTE

VI. Renaisance UCRANIANO (1783-1913)

Como resultado das partições da Polônia (1772, 1793, 1795), Ucrânia tornou-se ocupado por dois impérios russo e austríaco. Galiza, Bukovyna e Cárpatos Ucrânia foram incorporadas ao Império Austro-Húngaro (Habsburgo) eo resto da Ucrânia tornou-se parte da Rússia.

Estes dois poderes totalitários tiveram fortes governos centrais, exércitos poderosos e policiais poderosos prontos para reprimir qualquer tentativa de recuperar a população ucraniana liberdade e auto determinação.

Não obstante as condições sob Áustria começou a melhorar, enquanto a vida sob a ocupação russa se deteriorou. Devido a isso, o renascimento da cultura ucraniana e atividades políticas começaram no oeste da Ucrânia.

Ucrânia Ocidental sob a monarquia dos Habsburgo

Em 1772, a Galiza e, dois anos mais tarde, Bucovina foram anexadas ao Império Austro-Húngaro Monarquia (Habsburgo).

Em 1774 a Igreja Uniata foi renomeado para a igreja católica grega e empatou no estado com a Igreja Católica Romana. Reformas educacionais em 1775 permitiu instruções em língua ucraniana. No entanto, as políticas do Governo de equilíbrio favoreceu os poloneses.

Liderados por atividades da igreja, as escolas com língua ucraniana começou a se desenvolver. O novo bispo de Mukachiv, Andriy Bachynskyi (1772-1809), reuniu muitas pessoas instruídas, que mais tarde, juntamente com os graduados de Viena universidade tornaram-se professores em Lviv Universidade (fundada em 1784).

Alguns assuntos foram ministradas na língua ucraniana. No entanto, após a morte de Joseph Kaiser, em 1790, a nobreza polonesa aumentaram sua influência sobre as autoridades austríacas e, por espalhar boatos de simpatia Ucrânia para a Rússia, causou a substituição do ucraniano pela língua polonesa nas escolas estaduais.

Apenas as escolas privadas foram autorizadas a usar a língua ucraniana. Alguns clérigos ucranianos resistiram a essa tendência, nomeadamente Levytskyi metropolitana, sob a influência do cânone Ivan Mohylnytskyi, autor de "As informações sobre Língua ucraniana", que defendeu o uso da língua ucraniana.

O primeiro grupo defende cultura ucraniana foi formada em 1820. Um grande impulso às atividades acadêmicas foi fornecida por polêmicas ferozes durante a década de 1830 entre os partidários da linguagem popular falada e simpatizantes da língua antiga igreja impresso.

Os proponentes da linguagem antiga igreja foram Mykhaylo Luchkay e Yosyf Levytskyi, em defesa da língua falada popular foram Yosyf Lozynskyi e um grupo de jovens estudantes de Lviv Seminário.

Mais proeminente na literatura ucraniano foram, assim chamado "Tríade Ruthenian": poeta Markian Shashkevych (1811-1843), professor de língua ucraniana Yakiv Holovatskyi e historiador, etnógrafo, lingüista Ivan Vahylevych. Eles foram tratados com desconfiança e animosidade por parte das autoridades austríacas.

Sua primeira publicação, em 1834, "Zorya" (A Star) foi proibido, a sua publicação, uma segunda coleção de canções populares e histórias, "Rusalka Dnistrova" (Dnister Sereia), publicado na Hungria, foi confiscado e não liberado até 1848, após a morte de Markian Shashkevych.

Muitas mudanças vieram em 1848. Revoluções na Europa afetou as circunstâncias dentro do Império Austríaco.

Houve uma onda de reformas liberais: o fim da censura, a promessa de uma constituição nacional eo fim da servidão na Galiza. Para contrariar as ambições da Polônia para a independência, as autoridades austríacas começaram a levantar as restrições sobre a cultura ucraniana.

No outono de 1848, o Congresso de cientistas ucranianos foi criado para promover a cultura ucraniana e exclusivamente para planejar as atividades, tais como estabelecimento de uma gramática padrão para os ucranianos sob Áustria e Rússia.

Agitado por poemas de fogo de Antin Mohylnytskyi, eles exigiram a introdução da língua ucraniana nas escolas e universidades e separação da parte ucraniana da Galiza, centrada em torno de Lviv da parte polonesa centrada em torno de Cracóvia.

O ano de 1848 foi um ano turbulento para os ucranianos sob Áustria. Em sua tendência para a auto-determinação que tinham de lidar não só com as autoridades austríacas, mas também com os poloneses na Galiza, romenos e húngaros em Bukovyna em Carpathia.

No final, as aspirações de independência dos ucranianos e outras nacionalidades dentro do Império austríaco foram, por enquanto, mantida sob controle. Era o início da reação tranquila para os regimes autoritários da Áustria e da Rússia.

Enquanto na Rússia, os ucranianos foram acusados de tapume com a Polônia, ativistas poloneses convencido autoridades austríacas de simpatia Ucrânia para a Rússia. Isso resultou na dominação polonesa de cultura e política na Galiza.

Diante de tal situação muitos ucranianos começou a pensar que talvez a salvação só era com a Rússia, eles foram chamados Moscowphiles ou Russophiles.

Eles estavam prontos a sacrificar a identidade nacional ucraniana para o apoio da Rússia contra os poloneses, romenos e húngaros e promoveu a idéia de uma nação russa das montanhas Carpathian de Kamchatka.

Entre eles, estavam ainda o ex-patriotas ucranianos como Yakiv Holovatskyi, que era professor de língua ucraniana de Lviv University.

Mas também havia muitos que permaneceram firmes no chão ucraniano puro, principalmente elementos energéticos de jovens, mas também de alguns membros da velha geração.

Eles profundamente absorvido poemas ardentes de Taras Shevchenko e ler livros de outros escritores do leste da Ucrânia, como Panteleymon Kulish, Vovtchok Marko, Antonovych Volodymyr, Konysjkyi e Levytskyj-Nechuy.

Eles guardavam a sobrevivência da política ucraniana, cultura e língua por meio de publicações como "Vechernytsi" (Evening Times) (1862), "Meta" (Destino) (1863-1865), "Nyva" (Campo) (1865), "Rusalka" (Sereia) (1866) e "Pravda" (Verdade) (1867).

Em Bukovyna, OS principais Escritores ucranianos Vorobkevych Irmãos e Osyp Fedjkovych. A Associação local dos Presidentes da Ucrânia fundada em 1869 teve um personagem em primeiro russofile mas em 1880 os patriotas ucraniana ganhou a maioria.

Para lidar com os problemas educacionais, uma Sociedade Ruthenian Pedagógico foi criado em 1881. Em 1910, uma Escola Regional da União veio a ser composta de representantes de organizações culturais ucranianos, político e financeiro, liderados pelo professor Hrushevskyi Mykhaylo. Entre 1907 e 1911 sete privadas ucranianos escolas foram estabelecidas.

Os anos 1890 foram anos de intensificação da vida política, no oeste da Ucrânia. Um movimento nacional foi ganhando força e atraiu mais de neutra, previamente orientadas, as pessoas. Inevitavelmente diferenças e divisões dentro deste movimento desenvolvido.

Os elementos progressistas estavam promovendo o socialismo democrático, baseado em valores nacionais. Os conservadores queriam preservar o modo de vida baseado principalmente na igreja e religião.

Geralmente eles do lado dos Russophiles para agir contra os poloneses e apoiadores do governo no Senado galego e do Senado austríaca.

Por outro lado, os progressistas estavam inclinados a apoiar o governo, o que provocou a formação de uma facção separatista radical oposição ao governo polonês de influência.

Eventualmente nacionais progressistas abandonou seu apoio para o governo e em 1900 juntou-se com os radicais para formar Partido Democrático Nacional.

Esta festa incluiu um ilustre historiador M. Hrushevskyi um famoso escritor Ivan Franko e um conhecido ativista etnógrafo, e advogado, Wolodymyr Okhrymowych, que foi eleito para o Senado austríaca em 1907.

Como resultado de toda esta atividade política e da competição, a consciência nacional ucraniana e consciência se espalhar em amplas massas da população.

Havia também grandes realizações na cultura ucraniana e ciência. Uma nova safra de revistas apareceu como "Narod" (People), "Gazeta i Slovo" (Vida e Palavra), "Sloboda" (Liberdade). Um jornal muito popular diário "Dilo" (Deed) nasceu.

Um colaborador notável e prolífico contribuinte para essas publicações foi Wolodymyr Okhrymovych. Famoso cantor de ópera, Salomea Krushelnytska, iniciou sua carreira no mundo do palco da Ópera de Lviv em 1892.

A Associação Shevchenko em Lviv foi atualizado para uma associação científica em 1892 e, em 1898, foi reformada para se conformar com academia de padrões científicos. Acadêmicos pediu permissão para estabelecer uma universidade separada ucraniana de Lviv como apenas um número limitado de indivíduos foi realizado em ucraniano na universidade existente.

Na literatura o escritor mais importante foi Ivan Franko (1856-1916), mas havia também muitos outros talentos nomeadamente Vasyl Stefanyk e Olena Koblyansjka. Muitas escolas foram criadas e educacional revista "Prosvita" (Iluminismo) foi publicado.

Para atender a cultura física havia organizações desportivas "Sitch" (nomeado após o famoso reduto dos cossacos Zaporozhyan) e "Sokoly" (Falcons). Na frente econômica cooperativas e uniões de crédito começou a funcionar, reduzindo assim a confiabilidade em instituições austríacas e polaco.

Na virada do século, o conflito étnico na Galiza se aprofundou. Greves camponesas maciças contra os latifundiários poloneses ocorreu em 1902.

Estudantes ucranianos envolvidos em manifestações e confrontos com os poloneses, e em 1908 um estudante assassinou o galego governador.

Leste da Ucrânia SOB Imperial Russo REGRA

As pessoas no leste da Ucrânia e ainda a intelligentsia exteriormente-russo não tinha perdido o seu amor de maneiras ucranianos da linguagem da vida e da história. Eles ansiavam para a antiga glória de cossacos e independência.

Em 1791, durante as relações adversas entre a Rússia ea Prússia, um ucraniano Vasyl nobre Kapyst tentou alistar prussiano ajudar na insurreição planejada contra a opressão russa, ele não teve êxito.

A situação melhorou um pouco após a morte de czarina Catarina, em 1796. Seu filho Pavlo, sob o domínio de seu ministro e confidente do ucraniano Oleksander Bezborodjko descida, começou a relaxar o aperto russa na Ucrânia.

Houve até mesmo falar sobre o retorno da ordem antiga, como em tempos o Hetman (Hetmanado). Publicações em língua ucraniana começaram a aparecer. A obra literária foi excelente primeiro "Eneida", de Ivan Kotlarevskyi (1769-1838) publicado em 1798, foi uma paródia humorística sobre este épico romano famoso, transposta para a cena cossaco.

Kotlarevskyi também escreveu operetas "Natalka Poltavka "e" Sorcerer moscovita ". Outro escritor, notável contemporânea em língua ucraniana foi romancista Hryhoriy Kvitka.

As atividades culturais na Ucrânia durante o século 18 estavam ocorrendo principalmente nos círculos da igreja. A literatura geralmente contido disputas escolares e religiosas. A arte dramática foi confinado aos jogos moralidade. Um filósofo notável foi Hryhoriy Skorovoda (1722-1794).

Após o assassinato do czar Pavlo, em 1801, seu sucessor, o czar Aleksander I, começou a reverter para o domínio russo estrito.

Havia algumas esperanças de uma renovação da Hetmanado, em 1812 e, mais tarde, em 1831, quando regimentos cossacos foram organizados para ajudar com a guerra russo, mas não eventuate. Russianização da Ucrânia continuou.

No entanto, muitas obras literárias, embora escrito em russo, refletiu costumes ucranianos, história e folclore. O escritor mais famoso de tais obras foi Mykolay Hohol (Nikolai Gogol), autor de "Sorochynskyi Feira", "Taras Bulba" e muitos mais.

Entre as obras de não ficção deste período foi o livro sobre a história da Ucrânia até abolição da Hetmanado, por George Kosinskyi, publicado em 1840. Também um livro sobre gramática ucraniano por Pavlowskyi apareceu na hora mesmo.

Histórias folclóricas, músicas e arte tornou-se temas muito populares em publicações impressas, o que levou os camponeses ucranianos e intelectuais mais próximos.

Sociedades clandestinas chamado "hromadas" (comunidades) promoção da cultura ucraniana estavam sendo organizados. Associado com Kyiv Hromada foi Mykhaylo Drahomanov, que defendia a transformação do Império Russo em uma federação de estados independentes. Uma associação secreta político chamado a Irmandade dos Santos Cirilo e Metódio (formado em 1826) propagada igualdade social e liberdade de pensamento, de consciência e de expressão.

Eles também prevista uma federação de estados eslavos sob a liderança da Ucrânia.

Escolas, universidades e teatros começaram a se desenvolver. Livros e revistas apareceram, nomeadamente pelo professor da Universidade Kharkiv (inaugurado em 1805) Petro Hulak Artemovskyi, etnógrafo Amvroziy Metlynskyi e pós-graduação Mykola Kostomariv, que mais tarde tornou-se um famoso historiador.

Ainda assim, a maioria dos livros, apesar de lidar com assuntos ucranianos, foram publicados em língua russa até o aparecimento em 1840 de "Kobzar", uma coleção de poemas pelo poeta famoso e Taras Shevchenko pintor (1814-1861).

Shevchenko, nasceu um servo, foi comprada de servidão por um grupo de artistas que reconheceram o seu talento para a pintura, mas se tornou famoso principalmente através de seus poemas.

Em seus poemas Shevchenko protestou contra as injustiças e supressão da liberdade na Ucrânia, incentivou a preservação da língua ucraniana e lembrou-russo descendentes de cossacos verdade esquecida e glória do passado ucraniano. Sua poesia reflete uma concepção de Ucrânia como uma sociedade livre e democrática, que teve uma profunda influência sobre o desenvolvimento do pensamento político ucraniano.

Em 1845 trabalhou em Kiev, Shevchenko University em conjunto com outros ativistas proeminentes para renascimento ucraniano como Maksymovych, Kulish e Kostomariv (autor de História de cossacos).

As condições se deterioraram em 1847, os membros da Irmandade dos Santos Cirilo e Metódio, e muitos escritores incluindo Taras Shevchenko, foram presos, julgados e exilado e proibido de escrever. Eles não foram autorizados a voltar até depois de anos 1850.

Reação ucraniano para o domínio russo foi renovado em 1850, principalmente devido ao retorno do exílio por membros da Irmandade de São Cirilo e Kulish escritor, que começou a publicar material etnográfico coletado antes de seu exílio.

A nova estrela da literatura ucraniana, Marko Vowchok publicadas as revistas "Khata" (Home) e "Osnova" (Bases), (1860-1862).

Um grupo chamado Osnova promoveu a libertação dos camponeses da servidão e da educação, escolas organizadas domingo e publicou livros de ucranianos.

Eles defenderam a história da Ucrânia e da linguagem de influências russas e polacas. Esse movimento ainda ganhou apoio dentro de alguns círculos russos.

Em 1862, o St Petersburgh educação comitê recomendou a introdução da língua ucraniana em escolas estaduais. Escritores russos ficou interessado em literatura ucraniana, especialmente nos poemas de Taras Shewchenko.

No entanto tudo isso chegou a um impasse durante um levante polonês em 1863, quando o governo russo acusou os ucranianos de apoiar os poloneses em seu esforço para conquistar a independência da Rússia.

No início da década de 1870 o centro do movimento foi ucraniana em Kiev, onde a censura foi relaxada e que fez atividade literária e científica possível. Promover ciências ucranianos Historiador Antonovych e Drahomanov, etnógrafos e Chubynsjkyi Rudchenko, lingüistas e Zhytetskyi Mykhaljchuk.

Em 1672, eles fundaram uma filial da Sociedade de Geografia, em Kiev, que se tornou o centro da cultura ucraniana.

Escritores talentosos como Rudansjkyi, Nechuy-Levytskyi, Myrnyi, Konysjkyi e Starytskyi representado literatura ucraniana. Mykola Lysenko desde bases de Música ucraniana por sua coleção de canções e composições, encenando de muitos concertos bonitas.

Apesar de todas essas atividades eram de natureza cultural e científica apenas, evitando assuntos políticos, ou mesmo social, não escapou à atenção dos inimigos ucranianos.

Governo e funcionários Regelman Yusefovich vivia reclamando às autoridades russas que a promoção da língua ucraniana e literatura era uma intriga polonesa e austríaca destinada a separar a Ucrânia da Rússia.

Consequentemente, uma comissão em 1875 instituiu a censura da literatura ucraniana e livros proibidos de oeste da Ucrânia, exceto os publicados pelo Russophiles, que apoiou Moscou.

O ramo de Kiev da Sociedade Geográfica foi fechado e, em 1876, veio a proibição de publicação de livros em língua ucraniana. Assim, as atividades culturais se mudou novamente para o oeste e centrada na Shevchenko Taras Associação, fundada em 1873, em Lviv, com a ajuda de Ucranianos do leste.

Em Kiev, para contornar proibição da língua ucraniana, uma revista científica e histórica ", Kievskaya Starina" (Kyiv antigo), saiu em 1882. Ele foi escrito em língua russa, mas por autores ucranianos e na década de 1890 incluiu alguns artigos em ucraniano.

A literatura em língua ucraniana foi a primeira restrita a baratos romances populares, mas mais tarde temas mais graves foram introduzidas por autores proeminentes como Kotsubynsjkyi, Hrinchenko, Samiylenko e Ukrainka Lesya (1871-1913).

Houve um forte desenvolvimento do teatro ucraniano gerado por jogos baseados no folclore, nomeadamente através da Kropyvnytskyi e Karpenko-Karyi (Ivan Tobylevych) e apresentações de muitos atores talentosos.

Atividade política acelerou em direção ao final do século. Mais jovens, principalmente hromadas estudantis lideradas envolveu-se em atividades politiical. Um desses grupos em Kharkiv desenvolvido para o Partido Revolucionário ucraniana, que em um folheto publicado em 1900 avançou um objetivo político de "um, único, indivisível, livre, Ucrânia independente".

A proibição pelas autoridades russas em língua ucraniana a ser utilizado durante as reuniões e seminários intensificou a luta e atividade política em defesa da cultura ucraniana.

Em dezembro de 1904 uma comissão especial de ministros concluíram que o movimento nacional ucraniano não constituem um perigo grave para a Rússia. Em 1905, o cancelamento da proibição da língua ucraniana criou grandes expectativas para o progresso na vida cultural e política.

No entanto tenta em 1906 para promover a causa ucraniano por alguns deputados no parlamento russo (Duma) não alcançaram resultados significativos. A atitude anti-ucraniano das autoridades impedido, mas não parar o progresso da cultura ucraniana, educação e economia.

Os jornais "Khliborob" (Produtor Pão), "Hromadsjka Dumka" (Pensamento Comunidade), "Kray Ridnyi" (país de origem), "Selo" (Village) e revistas "Viljna Ukraina" (Free Ucrânia) e "Nova Hromada" (Nova Comunidade) estavam sendo amplamente lido. A criação da Scientific ucraniano Associação em 1907 reuniu forças científicas de diferentes disciplinas.

O movimento ucraniano olhou para a frente com confiança para o futuro.

Os cossacos

A fortaleza cossaco, Zaporozhian Sitch, foi subserviente a Moscou e foi utilizada para ataques a Crimeia e Turquia. Durante a guerra turco, que começou em 1768, vários milhares de cossacos russos apoiaram o em batalhas em terra e no mar.

Elogios da czarina, mas pouco mais e restrições de liberdades cossacos continuou recompensados os seus esforços. Suas terras foram sendo colonizada por russos, sérvios e outros estrangeiros com o objetivo de criação do Novorossiya chamado ou do estado de Nova Rússia, no sul da Ucrânia.

Após o final da guerra turco em 1775, os cossacos foram sendo gradualmente desarmado e no Verão do mesmo ano, general russo Tekeli cercado dos cossacos na Sitch si, com forças superiores, e exigiu o abandono de sua fortaleza.

Diante de tais todas as adversidades, chefe cossaco Kalnyshevskyj rendeu. A Sitch foi destruída e abolida por decreto tzarista em 3 de Agosto de 1775. Kalnyshevskyj e os líderes dos cossacos outros foram exilados para a Sibéria.

As terras dos cossacos foram concedidos aos nobres russos. Os cossacos foram orientados a se dispersar e se estabelecer em cidades e aldeias ou a juntar forças russas. Cossacos muitos escaparam e se estabeleceram na Turquia, perto do delta do Danúbio.

Em 1778 eles foram formalmente aceites sob domínio turco. Até o final de 1780 todos os distritos, que eram anteriormente sob a Hetmanado, foram incorporados ao regime russo.

Em 1783 todos os regimentos cossacos foram transferidos para as forças russas, os camponeses foram proibidos de deixar seus proprietários, que fizeram servos em suas terras anterior. Autonomia da igreja ucraniana foi abolido e da propriedade da igreja foi transferida para o tesouro russo.

Quando os cossacos na Turquia, sob pressão de marechal de campo russo Potemkin, disseram para reassentar mais para o interior além do rio Danúbio, muitos deles voltaram para casa. Potemkin, a fim de encorajar este processo continue e para desincentivar as saídas futuras de cossacos da Ucrânia, decidiu em 1783 para organizar os cossacos sob o nome de Força do Mar Negro.

Estes cossacos, após outra guerra turco em 1792, foram reinstalados para Kubanj e foram autorizados a restabelecer seu antigo sistema e costumes. Cossacos Outros se estabeleceram em terras sob o domínio austríaco.

Os cossacos, que permaneceu na Turquia, estavam sob constante pressão da Rússia para voltar. No início de uma nova guerra turco em 1828 cossaco chefe Osyp Hladkyj decidiu ir para o lado russo e cossacos muitos o seguiram.

Após a guerra, a princípio se estabeleceu perto Mariupol na costa do Mar de Azov e na década de 1860 reassentadas em Kubanj. Cossacos, que permaneceu na Turquia foram dispersos, como represália à traição por Osyp Hladkyj.

George Skoryk

Mykhaylo Hrushevs'kyi

Fonte: www.torugg.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal