Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  História da Venezuela  Voltar

História da Venezuela

 

A Venezuela é um país da América do Sul.

A capital é Caracas.

A principal religião é o Cristianismo.

A principal língua é o Espanhol.

A Venezuela foi um dos três países que emergiram do colapso da Grande Colômbia em 1830 (os outros são o Equador e Nova Granada, que se tornou a Colômbia). Para a maioria da primeira metade do século 20, a Venezuela foi governada por ditadores militares geralmente benevolentes, que promoveram a indústria do petróleo e permitiram algumas reformas sociais. Governos eleitos democraticamente têm dominado desde 1959.

Hugo Chávez, presidente desde 1999, visa implementar seu "socialismo do século 21", que propõe aliviar os males sociais e, ao mesmo tempo que atacando a globalização e minando a estabilidade regional.

As preocupações atuais incluem: um enfraquecimento das instituições democráticas, a polarização política, um exército politizado, a violência relacionada às drogas ao longo da fronteira com a Colômbia, o aumento do consumo interno de drogas, excesso de dependência da indústria do petróleo com as flutuações de seu preço, e operações de mineração irresponsáveis que põem em perigo a floresta tropical e os povos indígenas.

A Venezuela, o sexto-maior e mais setentrional país da América do Sul, é uma terra de infinita variedade. Todos os aspectos da natureza - desde os picos nevados dos Andes às praias ensolaradas, das dunas de areia varridas pelo vento às densas selvas tropicais, dos longos trechos de planícies incultas aos campos das ricas terras agrícolas - estão contidos dentro de seus limites. Ela foi o primeiro país no continente do Novo Mundo a ser descoberto por Cristóvão Colombo.

Seus escritos para o rei e a rainha da Espanha continham uma entusiástica contagem dos tesouros e da beleza da terra, e concluíam com a observação: "Estas são grandes provas que este é o Paraíso Terrestre".

Se a história subsequente da Venezuela, com seus longos períodos de agitação política e caos, fez um buraco na promessa de um "paraíso terrestre" é uma questão em aberto. Mas não pode haver dúvida de que algumas das lendas dos tesouros a serem encontrados na nova terra foram cumpridas nos tempos modernos. Uma vez uma nação empobrecida com uma economia em dificuldade baseada na agricultura, hoje a Venezuela é um celeiro de riquezas fabulosas. O país ampliou para o moderno mundo industrial quando seus campos de petróleo recém-descobertos começaram a ser explorados por volta de 1917. Na década de 1930, o petróleo começou a dominar a economia. A Venezuela agora está entre os maiores produtores mundiais de petróleo. O fornecimento do minério de ferro de alta-qualidade, que é encontrado perto do Rios Orinoco e Caroní está entre os maiores do mundo; em outros lugares, existem ricas reservas de outros minerais.

Todos esses recursos naturais têm feito o país um dos mais avançados da América do Sul. A Venezuela tem hoje uma das maiores rendas per capita da América Latina, embora a riqueza seja distribuída de forma desigual, e nem todos compartilhem da prosperidade. Um programa de reforma agrária, auxiliado pelo dinheiro das vendas de petróleo, tem ajudado os agricultores a fazerem a terra mais produtiva, mas o país ainda não é auto-suficiente em alimentos.

A Venezuela tem desfrutado de um governo democrático contínuo desde 1958 - mais do que qualquer outro país na América do Sul. Na década de 1990, no entanto, como o padrão de vida para muitas pessoas da classe média e para os pobres diminuiu e o fosso entre ricos e pobres aumentou, houve agitação nas áreas urbanas e até mesmo (em 1992), duas tentativas de golpes militares. O líder de um desses golpes, Hugo Chávez, foi eleito presidente em 1998.

Terra

A Venezuela é um país grande e tremendamente variado.

Ela é delimitada pela Colômbia, Brasil, Guiana e dois corpos de água: o Mar do Caribe e o Oceano Atlântico, com uma linha costeira combinada de cerca de 1.750 milhas (2.815 km). O território nacional inclui mais de 100 ilhas no Caribe, a maior das quais é Margarita, um importante centro de pesca e de pérolas.

A reivindicação da Venezuela ao território que se estende a leste da sua atual fronteira ao Rio Essequibo está sob disputa com a Guiana.

Apesar de todo o país estar na zona tropical, o clima da Venezuela é mais suave do que a sua posição geográfica poderia sugerir. Ventos alísios relativamente frios e secos sopram constantemente do nordeste a maioria do ano. A temperatura também varia com a altitude. A área da planície costeira e os vales dos rios interiores são quentes e úmidos. As terras altas são geralmente quentes durante o dia e frias à noite. Para a maioria do país, a estação seca, ou verano ("verão"), normalmente começa no final de Outubro e dura até final de Abril ou início de Maio. O restante do ano é de época das chuvas, ou invierno ("inverno").

As montanhas e planícies da Venezuela dividem o país em uma série de zonas geográficas distintas, cada uma com seu clima característico, uso da terra, e economia. A noroeste estão os Andes e montanhas adjacentes; a oeste está a zona costeira; ao sudeste espalham-se as planícies (llanos em Espanhol), que se estendem desde as montanhas do sul e leste do Rio Orinoco; e ao sul do Orinoco ficam os vastos Altiplanos da Guiana, chamados de Guayana, na Venezuela.

Cordilheiras do Norte

O norte dos Andes e as faixas costeiras têm o clima mais agradável na Venezuela, e seus montes e vales possuem as mais ricas terras agrícolas. Conseqüentemente, esta região contém cerca de 66% da população total, embora ela cubra apenas cerca de 12 por cento de todo o país. Um ramo da Cordilheira dos Andes, a Sierra de Perijá, atua como uma barreira natural entre a Venezuela e a Colômbia. Outro ramo da Cordilheira dos Andes, a Sierra Nevada de Mérida, toma um rumo nordeste até a costa. A medida que se aproxima do mar, a Sierra Nevada de Mérida sobe para 16.411 pés (5.002 m) para formar o Pico Bolívar, o ponto mais alto da Venezuela, em frente à cidade de Mérida. A partir de Mérida, a mais longa e mais alta estrutura de teleférico do mundo sobe para o Pico do Espelho, mais de 15.000 pés (4.572 m) acima do nível do mar.

Algumas das cidades mais importantes da Venezuela - Caracas, Maracay, Valencia - se localizam nos grandes vales que separam as faixas costeiras das montanhas interior. A economia dos Andes é baseada na agricultura e na pecuária para carne e produtos lácteos. Cana, milho, gergelim, arroz, algodão e outras culturas são cultivadas nos vales e nos terraços e encostas, e café e trigo nas zonas mais elevadas. Além disso, existe algum desenvolvimento industrial na área, principalmente para preencher a demanda local. Os altos custos de transporte impedem a fabricação Andina de competir com as grandes indústrias na parte central do país. Excelentes auto-estradas modernas atravessam a Cordilheira dos Andes, passando por pitorescas cidades coloniais e paisagens espetaculares.

Zona Costeira

A zona costeira abrange cerca de 7 por cento da Venezuela e contém cerca de 40% da população. Localizada entre as montanhas das faixas costeiras e o mar, ela é uma estreita faixa na parte central do país e amplia-se a oeste na Bacia do Lago de Maracaibo. Os principais campos de petróleo da Venezuela estão localizados nesta região. Os portos mais importantes - entre eles La Guaira, Maracaibo e Puerto Cabello - estão localizados na zona costeira. Cacau, coco e bananas são cultivados em larga escala nos vales mais quentes abrindo para o mar. A indústria da pesca também é importante para a economia da Venezuela, que exporta camarão e lagosta.

Os Llanos

As amplas planícies, ou llanos, cobrem quase 33% do território nacional, dos Andes no oeste ao delta do Rio Orinoco no leste, formando uma vasta área plana de cerrado com manchas de floresta ao longo dos córregos. Alguns desses córregos são muito grandes, apesar de lentos por causa do achatamento da terra. O clima da região é caracterizado pelo contraste entre as estações úmida e seca. Na estação chuvosa, há chuvas torrenciais que causam o transbordamento dos rios e a inundação de enormes áreas. O gado procura refúgio nas terras altas, e viajar por terra pode se tornar muito difícil. Durante a estação seca, o vento sopra continuamente, e os rios, exceto para os maiores, secam. Procurando por água, o gado sedento deve muitas vezes caminhar lentamente através da grama seca e os bosques magros de árvores sem folhas.

Os llanos são uma região que desperta a imaginação dos naturalistas. Os rios e lagoas estão cheios de peixes exóticos - enguias elétricas que podem paralisar um cavalo; os caribes, peixes pequenos mas ferozes que atacam em grandes cardumes; e o enorme peixe-gato. Curiosas espécies de animais - como o tamanduá-bandeira; o chigüire, um grande roedor, javalis selvagens; e os crocodilos - são característicos das planícies. A paisagem de palmeiras está cheia de pássaros - o chenchena, ou cigano, cujos filhotes parecem lagartos; o corocoro, ou ibis escarlate; garças, que vão desde a pequena garça - anteriormente morta aos milhares por sua plumagem, mas agora protegida por leis de caça - à garça grande "soldado"; e patos de todos os tipos.

Os llanos eram tradicionalmente o centro da indústria pecuária. Agora, no entanto, a tecnologia avançada colocou grandes áreas em outros usos agrícolas. A criação de gado também está sendo melhorada pelo uso do estado-da-arte de métodos científicos, novas variedades genéticas, e mais eficazes meios de controle de insetos. Em alguns lugares, a tração nas quatro rodas de veículos substituíram os cavalos e reduziram muito o tempo necessário para trabalhar as grandes fazendas. Barragens e projetos de irrigação ajudam a controlar as inundações durante a estação chuvosa e os efeitos danosos da longa estação seca.

A Guayana

A quarta e maior divisão geográfica da Venezuela é a Guayana. Ela compreende toda a região sul e leste do Orinoco mais as áreas de Casiquiare e do Río Negro na drenagem do Rio Amazonas. Densamente florestada e escassamente povoada, esta enorme área ocupa cerca de 45 por cento da superfície de terra da Venezuela e detém menos de 3 por cento da população. As duas principais cidades são Ciudad Bolívar e Santo Tomé de Guayana, chamada Ciudad Guayana.

Esta região é tão misteriosa e proibitiva que Sir Arthur Conan Doyle a escolheu como o local para seu fantástico romance de dinossauros e pterodáctilos, O Mundo Perdido. O escritor W. H. Hudson a fez a casa de sua heroína Rima, a menina que falava aos pássaros, em seu romance Green Mansions. As lendas da cidade de ouro do El Dorado mencionada por Sir Walter Raleigh em sua Descoberta da Guiana também foram associadas a esta área, e algumas dessas lendas quase que aconteceram. Por alguns anos durante a década de 1870, a mina de ouro El Callao foi a mais rica do mundo, mas depois seu filão esgotou-se. Mesmo em tempos recentes, o ouro e os diamantes foram descobertos nas areias dos rios, trazendo uma prosperidade passageira para os mineiros afortunados e desencadeando novas séries de contos coloridos sobre a Guayana. A área tem muitos depósitos de minério de ferro de alto-grau, que são encontrados perto dos Rios Orinoco e Caroní.

Praticamente não há agricultura na Guayana, exceto por umas poucas fazendas de subsistência - os conucos dos Índios - e alguns ranchos de gado. Se os métodos econômicos pudessem ser encontrados para explorar as boas terras agrícolas na Guayana, esta área seria a parte lógica da Venezuela para absorver o grande aumento da população esperado dentro das próximas poucas gerações. A Guayana é hoje uma das grandes esperanças da Venezuela para o futuro. Além do porto de águas profundas do Orinoco e da disponibilidade do gás natural de baixo-custo, a área tem grande potencial de energia hidrelétrica.

No canto sudeste da Guayana está a região da Gran Sabana, ou "grande savana", uma vista bela e inesquecível. Montanhas espetaculares de topo achatado lembrando gigantes ruínas de castelos medievais sobem centenas de metros em direção ao céu. No coração da Guayana estão as Cataratas do Anjo, pensadas serem a maior cachoeira do mundo.

Rios e lagos

Apesar de mais de 1.000 rios fluirem através da Venezuela, o país é dominado pelo Orinoco, uma das vias mais importantes do mundo. Com suas centenas de afluentes, o Orinoco drena quase 80% da Venezuela. Desde a sua origem na fronteira do Brasil, o rio flui principalmente para o norte e, finalmente, para o leste ao Oceano Atlântico em um amplo delta sul de Trinidad.

O Lago de Maracaibo, um lago de água doce aberto ao mar, é uma grande e importante via naveguável na Venezuela. Setenta e cinco por cento da enorme riqueza petrolífera do país estão localizados sob o lago, que encrespa-se com milhares de torres de petróleo.

Cidades

Caracas, capital da Venezuela, está situada a cerca de 3.000 pés (915 m) acima do nível do mar em um vale ajardinado com vista para a Montanha Avila. O centro econômico, cultural, político e turístico da Venezuela, esta metrópole agitada quase dobrou de tamanho desde 1950. Desenvolvimentos de construção massiva transformaram a cidade velha, e Caracas agora se assemelha a muitas grandes cidades dos EUA ou da Europa. A capital da Venezuela é rodeada pelas rodovias e entrelaçada com largas avenidas, e seu horizonte é uma silhueta de arranha-céus. Caracas tem um número de universidades, parques esplêndidos e bairros residenciais, e belas igrejas e edifícios públicos. Entre os muitos lembretes de Simón Bolívar, o Grande Libertador e filho mais ilustre da Venezuela, estão o Museu Bolívar, a Casa Natal (sua terra natal), e o Panteão Nacional, que contém o seu túmulo.

La Guaira, principal porto da Venezuela, está localizada cerca de 11 milhas (18 km) de Caracas. As ruas estreitas e íngremes de La Guaira sobem acentuadamente do porto ocupado até as colinas verdejantes das faixas costeiras. O maior tráfego comercial do país passa por La Guaira.

Maracaibo é a segunda-maior cidade da Venezuela. Ela está localizada no noroeste da Venezuela, na margem ocidental do Lago de Maracaibo perto do Golfo da Venezuela, e deve a sua importância à indústria do petróleo. Antes que o fluxo de investimentos estrangeiros se seguisse à descoberta do petróleo, Maracaibo era muito menor do que é hoje. Seu calor tropical e umidade e as águas hospedeiras de mosquitos do Lago de Maracaibo fizeram a cidade desconfortável e insalubre. Nos últimos 50 anos, Maracaibo foi transformada em uma metrópole limpa e próspera. A malária foi erradicada, e o ar-condicionado tornou a vida mais agradável.

Barquisimeto é um grande centro populacional e uma das cidades que mais cresce na Venezuela. Situada na parte noroeste do país na Rodovia Pan-Americana, Barquisimeto é um ponto importante na rede de comunicações da faixa costeira do norte. Sua localização no centro de uma região agrícola aumenta a importância econômica da cidade. As indústrias de Barquisimeto estão se desenvolvendo rapidamente, e ela é conhecida por uma série de produtos, entre eles, redes, bolsas e sandálias, cerâmica e cimento.

Maracay, originalmente uma cidade pitoresca e sonolenta de casas coloniais Espanholas, é hoje uma cidade importante. Ela é o centro de uma rica região de café e canavieira e tem indústrias variadas.

Outras cidades

Outras cidades Andinas importantes são Valencia, San Cristóbal, e Mérida. Valencia, fundada em 1555, ainda contém exemplos interessantes da arquitetura colonial. Por duas vezes durante a história da Venezuela, ela foi considerada a capital do país, mas os pântanos reprodutores de doenças nas proximidades do Lago Valencia fizeram com que o centro do governo fosse movido de volta para Caracas. Valencia é cercada por terras agrícolas férteis que produzem uma variedade de produtos como algodão, cana de açúcar, e frutas. É também um centro de produção de gado e um importante sítio industrial para a montagem de automóveis e a fabricação de tintas e vernizes. San Cristóbal é o centro comercial do país do café. A de rápido crescimento Mérida, localizada no alto dos Andes Venezuelanos, tem uma importante universidade; ela é um destino turístico popular, sobretudo durante o Carnaval.

As cidades importantes do interior da Venezuela incluem Ciudad Bolívar, Angostura, e Santo Tomé de Guayana. A industrial Ciudad Bolívar foi originalmente chamada Angostura e era a casa do famoso tempero amargo. Angostura foi historicamente importante como a sede do Congresso de Angostura, que proclamou a República da Gran Colômbia e elegeu Simón Bolívar seu presidente em 1819. Hoje ela é a cidade-chave nas regiões de mineração de ferro e o principal centro de expedição e comercialização para o sul e os llanos da área do Rio Orinoco. Santo Tomé de Guayana foi formada em 1961, unindo um número de comunidades na área. Ela foi planejada como a futura capital industrial da Venezuela e mostra a promessa de cumprir seu objetivo. Esta cidade, conhecida comumente como Ciudad Guayana, é o local de um complexo industrial que inclui fábricas de aço, uma fábrica de alumínio e cimento e indústrias de papel.

População

A Venezuela, como a maioria dos países Latino-americanos, tem uma população de ascendência mista. Após a conquista da Venezuela pelos Espanhóis no século 16, houve muitos casamentos entre os colonos Espanhóis, Índios nativos e escravos negros da África. Dentro de algumas gerações, os mestiços (pessoas com descendencia Índia e branca) tinham-se tornado o grupo racial dominante. Hoje as pessoas com uma herança mestiça compõem cerca de 66% da população. O restante da população é classificada como indígena, negra ou branca. Após a Segunda Guerra Mundial, milhares de imigrantes, principalmente da Itália e da Espanha, chegaram para trabalhar nos campos de petróleo. Cerca da metade têm permanecido. O Espanhol é a língua oficial. É falada por todos, exceto os poucos nativos grupos indígenas, cujos números estão em constante diminuição. O Inglês é amplamente utilizado em empresas e no governo.

A Venezuela contém uma ampla gama de culturas e modos de vida. A Caracas movimentada e as outras grandes cidades oferecem todas as vantagens da vida sofisticada da cidade grande. Em contraste marcante está a existência de pequenos grupos de índios, cada um com uma língua distinta, que devem ser encontrados nas pequenas aldeias de montanha ou nas florestas tropicais, vivendo como seus ancestrais há séculos atrás. O mundo do llanero, o cowboy do interior da Venezuela, é um trabalho duro e de isolamento extremo. Nos Andes estão os agricultores, muitos dos quais possuem suas próprias terras. As dificuldades de cultivar as duras terras montanhosas às vezes fizeram os agricultores Andinos robustos trabalhadores, econômicos e reservados, completamente diferentes do resto dos cidadãos seus companheiros, que geralmente são muito faladores e extrovertidos. A população negra é relativamente grande e ainda pode ser encontrada perto dos antigos locais das plantações de açúcar e de cacau. Muitos são trabalhadores sem terra e meeiros que sobrevivem de uma existência miserável trabalhando para os outros. O Venezuelano rural muitas vezes tem de conviver com algumas conveniências modernas. A casa rural pode ter um telhado de sapé e chão de barro, enquanto a principal fonte de transporte e de alimentação pode ser o cavalo, mula, ou boi.

A Venezuela se tornou uma nação de moradores da cidade. Quase 85 por cento das pessoas vivem nas cidades, enquanto que em 1936, 66% das pessoas estavam vivendo em centros de população de menos de 1.000 habitantes. Esta migração do campo para a cidade foi provocada pelos relatos de altos salários pagos pela indústria do petróleo. As pessoas atingidas pela pobreza rural amontoaram-se nas cidades. Elas não estavam preparadas para a vida da cidade e eram incapazes de encontrar trabalho ou moradia e enormes favelas desenvolveram-se nas grandes cidades. Algumas dessas favelas foram arrasadas, e modernos prédios de apartamentos construídos, mas, como na maioria das cidades grandes em todo o mundo, um déficit habitacional persiste.

Educação

A Venezuela tem uma alta taxa de natalidade, tornando-se uma nação de jovens. Os problemas associados com a educação como uma grande população em idade escolar são enormes. Dados recentes mostrando o aumento das matrículas refletem a ênfase que o governo está colocando na educação. Entre 1950 e 1995, a taxa de analfabetismo da população com 10 anos de idade ou mais caiu de 48 por cento para menos de 10 por cento, em parte por causa dos programas de educação de adultos do governo. Desde 1999, o governo criou mais de 1.000 controversas "escolas Bolivarianas" ensinando educação militar e ideologia de esquerda.

A educação é gratuita e obrigatória para crianças entre as idades de 7 e 14. Uma pequena porcentagem de crianças freqüentam escolas paroquiais. O ensino secundário geralmente consiste de um período de cinco-anos, após o qual o aluno pode entrar em estudos profissionais tais como direito, medicina ou engenharia.

O ensino superior gratuito está disponível para todos os alunos competentes. A Venezuela tem quatro faculdades financiadas pelo governo federal. Centenas de milhares de estudantes estão matriculados nas universidades do país, a maior das quais é a Universidade Central de Caracas, fundada há mais de 250 anos atrás.

Religião

A maioria dos Venezuelanos são Católicos Romanos. O governo apóia a Igreja Católica Romana, contribuindo para algumas despesas da igreja. A liberdade de religião é garantida pela Constituição, e congregações Protestantes, Muçulmanas, e Judaicas são encontradas nas grandes cidades.

Festivais e Dança

A Venezuela é um país de quase semanalmente festivais, procissões e observâncias, representando uma mistura de crenças populares e pré-Cristãs. As observâncias variam de região para região. Muitas dessas crenças tradicionais estão ligadas a dias santos religiosos, especialmente os dias de festa do padroeiro da região ou da cidade. Alguns são ocasiões para feiras, e quase todos incluem as canções, instrumentos musicais e danças típicas da região. As cidades maiores, como Caracas e Valência, muitas vezes apresentam touradas em que matadores de alto-nível participam.

O Natal é provavelmente a festa religiosa mais popular. A temporada Natalina é um momento festivo, celebrado com festas, danças e jogos ao ar livre. Ela estende-se por muitos dias após o Ano Novo. O Carnaval, ou Mardi Gras, comemorado na Terça-feira antes da Quarta-feira de Cinzas, é outro feriado ansiosamente aguardado. Canto, dança, folia e desfiles de carros alegóricos elaboradamente decorados marcam a ocasião.

As diversões populares durante as festas incluem performances de rua com dança, música e canções, chamadas parrandas. Um entretenimento popular favorito freqüentemente realizado durante o Natal e o Carnaval - é chamado burriquita, que significa "burrinho".

A Venezuela tem um rico patrimonio de danças tradicionais, tanto seculares e religiosas. O joropo, a dança nacional, que se tornou popular pelos llaneros, é realizado com um movimento animado como jinga. O acompanhamento musical típico do joropo consiste do cuatro, um violão de quatro cordas, que alguns consideram o instrumento nacional Venezuelano; de uma harpa de 32-cordas, e das maracas, chocalhos feitos de cabaças secas com seixos ou sementes dentro. Muitas vezes há dois cantores que cantam alternadamente, cada um "respondendo" ao outro. Outra dança popular da Venezuela é o merengue, que é diferente de qualquer outro tipo de merengue.

A principal dança religiosa é a dos diablos danzantes, ou demônios dançantes. Realizada no Dia de Corpus Christi (10 de Junho), esta dança era uma vez realizada em cumprimento de promessas, mas agora está perdendo um pouco do seu significado religioso. Os dançarinos usam trajes vermelhos e brilhantes máscaras coloridas enfeitadas com um par de chifres.

Artes

Contribuições impressionantes na música, pintura, escultura e literatura têm sido feitas pelos Venezuelanos inúmeras vezes desde o início colonial. A chegada da imprensa em Caracas, em 1808 deu um grande impulso para o desenvolvimento cultural do país. O mesmo ano viu o nascimento do jornalismo Venezuelano quando a primeira edição do Diário de Caracas, um jornal de quatro páginas e duas colunas foi emitido. Andrés Bello, entre os primeiros jornalistas-poetas da Venezuela, foi seu editor até 1810. Bello foi o autor do que é considerado o primeiro livro da Venezuela, Manual, Calendário e Guia Universal para Estrangeiros, 1810, que incluiu um resumo importante da história da Venezuela. Simón Bolívar, a figura de destaque no movimento de independência da América do Sul, também é notável por seus escritos. Simón Rodríguez, um dos tutores de Bolívar, fez contribuições distintas para a literatura e poesia Venezuelana. Outros escritores que emularam o movimento romantico do século 19 e início do século 20 incluem Juan Antonio Pérez Bonalde, José Rafael Pocaterra, e Teresa de la Parra. Os escritos de Rómulo Gallegos, que serviu como presidente da Venezuela por um curto período em 1948, são bem conhecidos fora de seu país. Uma de suas obras mais populares, Doña Bárbara, lida com a vida dos homens das planícies no país do gado da Venezuela. Outros escritores ilustres são Arturo Uslar Pietri, Mariano Picón Salas, Ramón Díaz Sánchez, e, mais recentemente, Salvador Garmendia e Adriano González León.

O artista do século 19 Martín Tovar y Tovar é considerado um dos pintores mais importantes da Venezuela. Ele é conhecido por suas cenas de batalha e retratos dos maiores estadistas e patriotas. Os dois mais famosos pintores da Venezuela de hoje são Alejandro Otero e Jesús Soto, ambos criadores de estilos altamente individuais. A escultora Venezuelana Marisol Escobar, conhecida como Marisol, é uma de uma série de artistas Latino-americanos que vivem e trabalham nos Estados Unidos. Sua obra, principalmente em madeira e técnica mista, tem atraído a atenção mundial.

A música era a mais proeminente de todas as artes durante o período colonial. Um pioneiro da música Venezuelana foi um padre do século 18, Padre Pedro Palacios y Sojo, que formou uma academia de música em Caracas. Desde o início do século 20, a pianista e compositora Maria Teresa Carreño e o compositor Vicente Emilio Sojo foram amplamente reconhecidos.

Por causa dos freqüentes terremotos na região, pouco da notável arquitetura inícial da Venezuela permanece. A construção em larga escala foi pouco realizada até meados dos anos 1950s, quando a riqueza petrolífera fluindo através do país deu início a um período de melhoria e expansão. O arquiteto cuja personalidade tem mais influenciado a arquitetura Venezuelana e dado a ela fama generalizada é Carlos Raúl Villanueva. Seu projeto mais ambicioso, e aquele que lhe trouxe e à cidade de Caracas a maior atenção, é a Cidade Universitária da Universidade Central de Caracas. Ele cobre centenas de hectares e é famoso pela sua integração da arte e da arquitetura em grande escala.

Artesanato

A herança indígena é claramente evidente na habilidade Venezuelana em artigos da moda como cerâmicas; utensílios domésticos de cerâmica; redes de pesca; cestos e sacos de cana, junco, e bambu; e redes, chamados chinchorros. As redes tecidas são comumente usadas para dormir nas regiões quentes do país.

Materiais tecidos à mão também são feitos em peças de vestuário como roupas de trabalho e ruanas e ponchos, as roupas populares exteriores Andinas. Outros artesanatos indígenas são as jóias de ouro e de pérola e artigos de madrepérola.

Esportes

Os Venezuelanos são entusiasmados com esportes, tanto como participantes e como observadores. Ao contrário da maioria dos Sul-americanos, para quem o futebol é o jogo principal, os Venezuelanos consideram o baseball seu grande esporte nacional, com o futebol em segundo lugar. Quase todas as cidades têm o seu próprio estádio de beisebol e equipe, que muitas vezes joga contra aquelas das cidades vizinhas. Touradas e corridas de cavalos também são esportes espectadores populares. O dominó é provavelmente o jogo favorito dentro de casa. A longa costa da Venezuela oferece oportunidade para esportes náuticos - natação, pesca, canoagem e esqui aquático.

Alimentos

Os alimentos da Venezuela variam de região para região, mas os básicos são o milho; arroz; bananas; uma variedade do feijão preto chamado caraotas; batata; peixes congelados, secos, e salgados; verdes e frutas. O prato nacional é a hallaca, uma torta pequena de milho recheada com carne, frango, ou porco; cebolas; ovos, amêndoas; azeitonas; alcaparras e temperos. A torta é cozida em folhas de bananeira e é comida durante todo o ano, mas especialmente durante a temporada de férias do Natal. Outros alimentos favoritos são a arepa, um tipo de pão de milho que é comido diariamente; o sancocho, uma sopa grossa ou guisado de legumes e carne ou frango; e o pabellón, feito de carne moída, feijão preto, arroz e bananas. Doces e café muitas vezes concluem a principal refeição do dia.

Economia

Por 400 anos, a Venezuela foi um país predominantemente agrícola. Sua renda era derivada principalmente das exportações de café, cacau, frutas, sisal, ouro, gado, e peles de animais. Mas a descoberta de petróleo marcou a abertura de uma nova era. A riqueza que entrou no país ajudou as outras indústrias Venezuelanas se expandirem e a desenvolverem as cidades.

A Venezuela também é um grande produtor de minério de ferro, ouro, diamantes, e manganês. O petróleo e os produtos petrolíferos fornecem a grande maioria das exportações da Venezuela, mas elas empregam apenas uma porcentagem muito pequena da força de trabalho, e a maioria dos Venezuelanos são ainda muito pobres.

Durante a década de 1960, o governo começou a incentivar a fabricação de quase todos os produtos usados na Venezuela, a fim de evitar os perigos de uma economia de-um-produto e a dependência excessiva do petróleo. Entre as indústrias estabelecidas estão o processamento de alimentos, têxteis, aço, produtos químicos, madeira, produtos acabados de metal, e montagem de veículos automotores.

Na década de 1970, o governo se moveu em direção ao controle estatal da indústria pesada. A mineração de ferro foi nacionalizada e, em 1976, a Venezuela nacionalizou sua indústria petrolífera. A Venezuela tem as maiores reservas de petróleo comprovadas fora do Oriente Médio, mas sua economia está à mercê das flutuações dos preços do petróleo mundial. Desde o final dos anos 1990s, um governo populista tem tentado redirecionar as receitas do petróleo para melhorar a vida dos pobres.

Em 2006, começou a construção de um oleoduto ligando a Venezuela aos portos do Pacífico na Colômbia e no Panamá. Desde aquela época, a uma vez generosa assistência financeira da Venezuela para os seus vizinhos foi drasticamente reduzida devido à diminuição dos preços mundiais do petróleo e aos problemas dentro da empresa estatal de petróleo Venezuelana. A capacidade do governo Venezuelano para financiar os projetos sociais que o haviam tornado tão popular entre os pobres também foi comprometida.

Nos últimos anos, a Venezuela ampliou o seu setor agrícola, embora grande parte das terras ainda seja dedicada à criação de gado. No século 21, alguns terrenos estatais foram distribuídos às cooperativas agrícolas. Entre as principais culturas estão o café, cacau, tabaco, açúcar, arroz e algodão. Um controverso decreto presidencial de 2001 permitiria que o governo desapropriasse as terras agrícolas que considerasse improdutivas. Quase 40 por cento da Venezuela é coberta por florestas tropicais, e há alguma exploração de madeira. A indústria da pesca é outra fonte de alimento e emprego.

O populismo político tem melhorado a vida de alguns dos pobres da Venezuela. Ele tem, no entanto, afetado o turismo. Ele também reduziu o investimento estrangeiro. Em 2007, a Venezuela liderou a criação de um novo banco regional. Este banco vai conceder empréstimos para a América Latina em condições menos restritivas do que as impostas pelos tradicionais financiadores internacionais.

História

Colombo descobriu a Venezuela em 1 de Agosto de 1498. Um ano depois, Alonso de Ojeda liderou uma expedição que navegou ao longo da costa Caribenha do continente Sul-americano e entrou no Lago Maracaibo. Segundo a lenda, as cabanas indígenas construídas sobre palafitas nas margens pantanosas do lago lembraram aos exploradores uma "pequena Veneza", Venezuela, em Espanhol, e assim eles deram o nome ao país em seus mapas. Os descendentes daqueles índios ainda vivem na mesma área e em grande parte da mesma maneira como seus antepassados.

A Venezuela manteve pouco interesse para os exploradores Europeus, pois era pobre em ouro, e seus habitantes ofereceram forte resistência aos conquistadores. O primeiro assentamento Espanhol, Nueva Cádiz, foi criado cerca de 1500 na Ilha Cubagua, o local da pesca de pérolas. Cumaná, fundada no Caribe cerca de 1520, foi uma das primeiras comunidades Europeias no continente.

Os Espanhóis acharam a conquista da Venezuela lenta e difícil, mas aos poucos eles conquistaram a região e construíram uma rede de cidades. Em 1528, o Santo Imperador Romano Carlos V, que também era o Rei Carlos I de Espanha, concedeu à casa bancária Alemã de Welser o direito de estabelecer e desenvolver a Venezuela. A administração Welser realizou muitas coisas, mas despertou a hostilidade do povo, e em 1556 a Coroa Espanhola revogou a concessão de Welser.

O controle da Venezuela foi devolvido à Espanha, que então assumiu a tarefa da colonização. Caracas foi fundada em 1567 e se tornou a capital em 1577.

Porque era considerada uma parte relativamente importante do Império Espanhol, a Venezuela foi colocada sob a regra de colônias mais valiosas. Parte do país estava sob a jurisdição da Audiencia de Santo Domingo, agora a República Dominicana. Mais tarde, ela foi incorporada ao Vice-reinado de Nova Granada (Colômbia). Em 1777, a Capitania Geral das Províncias Unidas da Venezuela foi criada com os mesmos limites que a república atual, e em 1786 a Audiencia Real de Caracas foi criada. Mas na prática, o povo Venezuelano foi capaz de exercer uma quantidade considerável de controle sobre os governos locais durante todo o período colonial.

Durante os séculos 16 e 17, os Francêses, Inglêses e Holandeses começaram a apreciar o valor da Venezuela como nação comercial. Um comércio ilícito se desenvolveu, e a área se tornou um centro de pirataria e contrabando. Em um esforço para recuperar o controle sobre o comércio da Venezuela, para evitar a intervenção estrangeira, e para reprimir o contrabando, a Espanha em 1728 concedeu o monopólio do comércio para a Companhia Guipuzcoana, mais conhecida como a Companhia de Caracas. Para os próximos 50 anos, a empresa foi bem sucedida. Ela amplamente restaurou o monopólio comercial da Espanha e trouxe um próspero comércio para a colônia. Mas os produtores da Venezuela se opuseram à empresa, e ela foi dissolvida na década de 1780. Mais uma vez, os comerciantes ilegais retornaram aos portos da Venezuela.

Movimento de Independência

Durante todo o período colonial, a Venezuela foi governada por agentes da Coroa Espanhola. Burocratas da realeza ocupavam os cargos de topo do governo, e os clérigos Espanhóis os cargos mais altos da igreja. Os criollos, ou Crioulos (brancos Americanos-nascidos), tinham a propriedade de suas terras e controlavam a política e a religião, mas apenas a nível local. Os mestiços eram mantidos em uma posição inferior pela pequena elite branca. Os Índios viviam no interior, completamente à parte da vida social e cultural Europeia, enquanto os negros eram empregados como escravos nas plantações costeiras das Caraíbas. Fora do descontentamento de ambos os crioulos ricos e os muito pobres veio um movimento pela independência. O desejo de auto-governo ganhou força depois do sucesso das revoluções nos Estados Unidos em 1776 e na França em 1789. O fim da era colonial finalmente chegou em Abril de 1810, com a queda da Espanha a Napoleão Bonaparte. Os Crioulos Venezuelanos removeram o governador Espanhol em Caracas do cargo e formaram uma junta para assumir o governo.

A independência foi proclamada em 5 de Julho de 1811, e a Venezuela foi constituída uma confederação. A declaração detonou uma década de lutas entre os patriotas Crioulos e as forças monarquistas, que terminou com uma vitória decisiva para os patriotas na Batalha de Carabobo em 24 de Junho de 1821. Com essa vitória, a Venezuela rompeu os laços que a mantinham à Espanha.

As duas figuras heróicas que dominaram a luta pela independência da Venezuela foram o Caracas-nascido Simón Bolívar, o grande soldado-estadista da América do Sul, e Francisco de Miranda, o pai do movimento da independência. Bolívar foi o libertador, não apenas de seu próprio país, mas também da Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Das repúblicas da Venezuela, Nova Granada, Equador e o que é hoje a República do Panamá, ele forjou a República da Gran Colômbia. Mas o sonho de Bolívar de uma confederação poderosa desses países não era para ser realizado. Os países não puderam concordar entre si, e em 1830 a Venezuela se retirou e definiu-se como uma república independente.

Lutas de um novo país

De 1830 até o final do século 19, a nova república da Venezuela passou por uma sucessão de graves crises. O país tinha pouca experiência em auto-governo, e seus primeiros anos de independência foram caóticos, com sangrentas guerras civis, ditaduras cruéis, ostentação da autoridade constituída, e desrespeito de princípios políticos e partidos políticos. No entanto, apesar da turbulência, a Venezuela sobreviveu e conseguiu estabelecer a base de sua organização política, criar um padrão para a sua estrutura social, e crescer com a sua economia.

Durante o século 20, longos períodos de governos de um só homem duro e corrupto têm sido a norma, como representado pelas ditaduras de Cipriano Castro (1899-1908) e de Juan Vicente Gómez (1908-1935). O governo de Gómez representou a forma mais grosseira da ditadura. Ele morreu em 1935, após 27 anos de poder absoluto, deixando um país sem partidos políticos, instituições representativas, ou liberdades civis. Os esforços para estabelecer um governo democrático tiveram sucesso moderado quando o escritor Rómulo Gallegos foi eleito presidente em 1948. Mas 10 meses depois, ele foi deposto por uma junta militar, e o exército deteve o controle até 1952.

O Coronel Marcos Pérez Jiménez chegou ao poder no final de 1952 e liderou um regime notável por sua corrupção. Ele foi derrubado em 1958.

A Democracia Venezuelana

A eleição do ex-presidente Rómulo Betancourt em 1958 inaugurou uma nova era de governo democrático. Betancourt se tornou o primeiro presidente eleito pelo povo na Venezuela a completar seu mandato. Seu sucessor, Raúl Leoni, eleito em 1963, foi o primeiro a assumir a presidência em uma transferência pacífica do poder. Após esse tempo, a Venezuela se tornou conhecida como um modelo de democracia Latino-americana, com um forte sistema de dois-partidos.

O Partido de Ação Democrática de Leoni perdeu a presidência em 1968 para Rafael Caldera Rodríguez, mas voltou ao poder em 1973, quando Carlos Andrés Pérez foi eleito presidente. Pérez nacionalizou as indústrias de ferro e petróleo. Luis Herrera Campins do Partido Social Cristão, que foi eleito presidente em 1978, presidiu a uma crise econômica criada pelo colapso dos preços mundiais do petróleo. As eleições de 1983 foram vencidas por Jaime Lusinchi do Partido de Ação Democrática.

Carlos Andrés Pérez, reeletio presidente em 1988, instituiu reformas de livre-mercado, o que provocou protestos de rua e beneficiou poucos Venezuelanos. Em 1983, cerca de 11 por cento da população viviam na pobreza, mas em 1992, esse número havia subido para 57 por cento. Pérez sobreviveu a duas tentativas de golpes em 1992. Em Maio de 1993, ele foi indiciado sob a acusação de peculato e desvio de fundos públicos e foi forçado a renunciar. Em Dezembro de 1993, os eleitores manifestaram seu descontentamento, rejeitando os dois partidos que alternadamente tinham governado o país desde 1958. Rafael Caldera Rodríguez, um populista que havia sido presidente entre 1969 a 1974, ganhou a eleição de 1993, mas sua reformas de livre-mercado não conseguiram travar o declínio econômico da Venezuela.

O populista Hugo Chávez, que foi eleito presidente em 1998, se comprometeu a melhorar a vida dos pobres, que por esta altura constituíam cerca de 80 por cento da população. Mas sua retórica revolucionária e formas autocráticas desencorajaram o investimento, e os problemas econômicos do país foram agravados pelas inundações e deslizamentos de terra em Dezembro de 1999, que mataram dezenas de milhares de pessoas e destruíram estradas, pontes e instalações portuárias. No mesmo mês, os eleitores aprovaram uma nova constituição que reestruturou radicalmente o governo, aumentando os poderes do presidente e enfraquecendo os poderes legislativo e judiciário. Ela também mudou o nome oficial do país para República Bolivariana da Venezuela. A Constituição foi escrita por uma assembléia constituinte de apoiantes de Chávez eleito em Julho de 1999, que havia assumido poderes de emergência.

Chávez foi reeleito presidente com esta constituição em Julho de 2000, quando seus aliados também conquistaram a maioria na nova legislatura. Sua controversa política de esquerda cada vez mais polarizou o país, e ele foi brevemente afastado do cargo em 12 de Abril de 2002. Os protestos por parte dos pobres e daqueles que eram contra sua expulsão através de meios inconstitucionais o levaram a retornar ao cargo dois dias depois.

Chávez sobreviveu a um referendo revogatório de Agosto de 2004. Ele então usou as receitas do petróleo para ganhar apoio em casa e no exterior. Quando a oposição boicotou as eleições legislativas de Dezembro de 2005, seus aliados venceram todos os assentos. Ele foi reeleito para outro mandato presidencial em Dezembro de 2006 com 63 por cento dos votos. O vitorioso Chávez disse que pretendia nacionalizar o setor de energia inteiro. Em Dezembro de 2007, no entanto, ele sofreu sua primeira derrota eleitoral em uma década. Os eleitores estreitamente rejeitaram sua nova constituição "bolivariana". Esta derrota, juntamente com os problemas para os populistas por toda a América do Sul, enfraqueceram a afirmação de Chávez em liderar uma revolução socialista por todo o continente Sul-americano.

Novas eleições legislativas foram realizadas em Setembro de 2010, em um momento de recessão e aumento da criminalidade. A votação popular foi quase igualmente dividida entre os partidários de Chávez e a oposição. Embora as regras da eleição favoreceram Chávez, a oposição conquistou 65 assentos; os membros do partido de Chávez ganharam 98 assentos. Antes que a nova legislatura se reunisse, no entanto, os legisladores que saíam deram a Chávez o poder de governar por decreto durante um ano. Isto foi feito para que ele pudesse enfrentar os efeitos das recentes e devastadoras inundações. Mas permitiu-lhe passar algumas leis sem o apoio legislativo.

A Venezuela celebrou o 200º aniversário de sua independência da Espanha em 5 de Julho de 2011. Por esta altura, o país estava apenas começando a emergir de uma recessão de dois-anos. Ele sofria de alta inflação, escassez de energia, crime, e falta de habitação a preços acessíveis. O apoio de Chávez entre os pobres mantinha-se forte, mas o poder permanecia concentrado em suas mãos.

Governo

A Venezuela é uma república federal composta por 21 estados, um distrito federal, um território federal, e algumas ilhas do Caribe que são designadas como uma dependência federal. Sob a Constituição de 1999, um presidente eleito serve como chefe de Estado e de governo. O Congresso bicameral foi substituído por uma Assembleia Nacional de uma única câmera e o sistema judicial foi refeito. A Constituição de 1999 também expandiu o papel dos militares. Ela reforçou o controle estatal da indústria petrolífera e do banco central. À todo o cidadão foi garantida uma pensão do Estado, e os direitos das comunidades indígenas foram reconhecidos. As revisões constitucionais que aboliram os limites do mandato presidencial e nacionalizaram o banco central foram derrotadas no referendo de 2007. Em Fevereiro de 2009, no entanto, Chávez ganhou um novo referendo que aboliria os limites de mandato. Desta maneira e de outras, ele continuou a consolidar a sua permanência no poder.

José Ramon Medina

Fonte: Internet Nations

História da Venezuela

Antes da Colônia

Antes da chegada dos espanhóis, Venezuela estava habitada por grupos indígenas arawak, procedentes dos Andes do Sul, que deslocaram os povoadores originários. Porém, á esta imigração sucedeu-se à dos caribes, provenintes das ilhas e costas, onde já tinham deslocado aos arawak. À chegada dos espanhóis, a região estava habitada principalmente por tacariguas, caracas, teques o jirajaras.

O Período Colonial

Em agosto de 1498 Cristovão Colombo ancorou na Ilha Trinidade e, na sua terceira viagem às costas, nomeou-a de Pequena Veneza, pelo parecido das moradas dos aborígenes com os canais da cidade italiana.

No ano 1527 fundou-se Santa Ana de Corro, a primeira capital do território e que por doação real foi posse da família Welser dos anos de 1528 à 1556. A primeira atividade econômica foi a produção agrícola, especialmente o cacau, muito apreciado na Europa.

Santiago de León de Caracas, fundada por Diego de Losada o 25 de julho de 1567, em um vale habitado pelos índios caracas, consituiu-se como capital no ano de 1577 ao instalar o governador João Pimentel. Dez anos após a sua fundação, Caracas já era um importante centro administrativo, militar e religioso, com uma grande projeção comercial.

No ano de 1643, os holandeses apoderaram-se de Curaçau e controlaram, desde a ilha, o comércio do cacau. Por outro lado, entre 1749 e 1781 a real Companhia Guipuzcoana de Caracas conseguiu o monopólio na comercialização dos produtos da Venezuela, originando os primeiros incômodos da burguesia.

Em 1977 criou-se a Capitania geral de Venezuela e a Audiência de Caracas em 1786.

Durante o s. XVII a caraterística foi o crescimento da economia, graças à comercialização de produtos como café, algodão e açúcar, o que enriqueceu a uma parte da população. Porém, a continuidade do monopólio espanhol começava a incomodar e, os venezuelanos exigiam uma certa autonomia nas atividades comerciais. Esta reivindicação seria o prólogo aos movimentos independentistas; como a rebelião dos comuneiros em 1781 ou a ação de Miranda em Coro em 1806.

A Independência e a Grande Colombia

Sabe-se que os acontecimentos que produziram-se na Espanha com a invasão napoleônica tiveram repercusão na Venezuela. Como foi dito anteriormente, já tinham acontecido algumas rebeliões contra o domínio espanhol. Porém, não iria ser até princípios do Século. XIX, quando com o vazio de poder, promoveu-se a formação de uma Junta Suprema em Caracas no ano de 1810. Nela reconheceu-se o poder de Fernando VII, embora que um amplo grupo de liberais, comandados por Simão Bolivar e Miranda, reclamavam a independência. Foi proclamada, finalmente, em 5 de julho de 1811, sendo o primeiro país de Hispânico-Américano, em conquistá-la. Porém, iriam suceder-se diversos confrontos entre os realistas e republicanos, alcançando a Primeira República, que acabou sendo no dia 25 de julho de 1812.

Na chamada Segunda República, Bolivar não implantou a constituição de 1811, mas governou de forma ditatorial. O dia 10 de agosto de 1819 Bolivar entrava em Bogotá e constituia a Grande Colombia que integrava, em uma unidade política só os territórios pertencentes ao Vice reinado de Nova Granada. A última campanha de Simão Bolivar contra os realistas findou com a vitória de Carabobo, no dia 24 de junho de 1821, momento em que Caracas foi liberada e, com isso desaparecia o domínio espanhol. Porém, a Grande Colombia iria durar muito pouco, já que a separação definitiva teve lugar no ano de 1830.

Desde o petróleo até hoje

Uma vez alcançada a independência e depois de por fim aos contínuos confrontos, o país deparou-se com uma realidade econômica em completa crise. As primeras tentativas por endireitar a economia, centraram-se na promoção do cultivo do café, substituindo o tradicional cultivo do cacau.

No ano de 1878 inicia-se a exploração do petróleo. Posteriormente, com a Revolução Mexicana e a nacionalização das companhias petroleiras naquele país, as empresas instaladas em Venezuela, especialmente britânicas e holandesas, viram-se favorecidas. Esta nova situação originou um crescimento acelerado do país.

Porém, o controle do petróleo das empresas estrangeiras viu-se reduzido à partir de 1919, quando sob a ditadura de Vicente Gómez, declinou-se em favor das empresas norte-americanas. Foi Gomez que unificou e modernizou o país, através de um desenvolvimento econômico dependente do capital estrangeiro.

Embora estes logros, o seu regime caracterizou-se pela violência, a corrupção e a proibição dos partidos políticos. Após sua morte, sucederam-se os governos presidenciais de López Contreras e Medina Angaria, que fizeram algumas concessões à democracia, possibilitando no ano de 1947 a chegada ao poder de Ação Democrática, na mão de Rómulo Gallegos, derrotado porteriormente por uma estranha coligação, chefiada por Pérez Jiménez e amparada pelas forças militares.

A política de Pérez beseava-se em uma maior presença de inversões estranjeiras, e no desenvolvimento de infra-estruturas, o que provocou uma certa bonanza econômica. No ano de 1953, o regime apresentou perante a Assambléia Constituinte Nacional uma proposta para mudar o nome de Estados Unidos da Venezuela por República de Venezuela. Foi feito assim, sem prejuizo para a estrutura federal do país. O regime findou no dia 23 de janeiro de 1958, quando seções militares protagonizaram uma greve geral, que provocou a sua fuga do país. Nas eleições daquele ano, AD obteve certa representação, igual que a COPEI (Comité de Organização Eleitoral Independente); todas duas iriam dominar a vida parlamentária.

À partir desse ano empreendeu-se um capitalismo de Esatado que continua, cada vez com menos força, até hoje. Desde então sucederam-se diversas crises, desembocando algumas em tentativas de golpes de estado e outras em manifestações populares gigantescas.

No dia de hoje, Venezuela enfrenta uma difícil situação, remediável só na medida em que a transparência e honestidade da classe governante e uma maior participação civil, vejam-se incrementadas.

Ilha Margarita

Quanto à Margarita, os índios guaiqueríes foram os seus primeiros povoadores, quem batizaram-na com o nome de Paráguachoa, pela abundância de peixe nas suas águas.

O dia 15 de agosto de 1498, Colombo chegou na ilha e batizou-a com o nome greco-latino de Margarita, que significa Pérola. Tanto a lenda quanto a fábula vieram para acrescentar a presença de piratas na procura de pérolas. Esta mesma riqueza tinha permitido aos espanhóis obterem até 373 quilos de pérolas por mês e, empregá-las como valor monetário até o século XVII.

Durante a guerra da Independência, Margarita teve um papel destacado pelo heroísmo dos sesus povoadores. Nesta ilha, junto as de Coche e Cubágua receberam o nome de Nova Esparta, sendo uma das sete províncias que assinariam a Ata da Independência em 1811.

Fonte: www.rumbo.com.br

voltar 12avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal