Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Verbo  Voltar

Verbo

 

Conceito do Verbo

Palavra variável, de conteúdo nocional, que indica um processo, quer se trate de ação, de estado, de mudança de estado, ou de um fenômeno.

de ação: andar, correr.
de estado: ser, estar.
de mudança de estado: tornar- se, ficar.
de fenômeno: ventar, chorar.

Caracterização quanto ao critério semântico.

O verbo caracteriza- se, em oposição aos nomes, pelo valor dinâmico de sua significação, expressando realidades situadas no tempo.

Essa idéia temporal traduzida pelo verbo pode assumir o caráter:

a) de TEMPO

É a situação da ocorrência do processo em relação ao momento em que se fala, como atual ou presente; anterior ou passada; posterior ou futura.

Nota - passada é igual a pretérita.

b) de ASPECTO

É o que diz respeito à duração do processo (visto como instantâneo: caio; ou durativo: estou lendo) ou à perspectiva pela qual o falante o considera (em um início incoativo: anoitece; em seu curso e inconcluso - imperfeito: chovia, em seu fim, já concluso - sem perfeito: choveu, presentes, a iniciar- se - inceptivo: vou falar; concluso, mas permanente em seus efeitos - permansivo: sei, repetido - freqüentativo ou interativo: saltitar).

Como se pode ver, o aspecto verbal, em português, é traduzido ou pelo próprio semantema do verbo ou por sufixos, ou por verbo auxiliar de locução verbal.

Caracterização quanto ao critério morfológico:

O verbo é a classe de palavras mais rica em flexões, que são:

a) de modo

b) de tempo

c) de número - pessoa

d) de voz

a) DE MODO

É a propriedade de o verbo designar a atitude mental do falante em face do processo que enuncia.

Os modos são:

1 - Indicativo

2 - Subjuntivo

3 - Imperativo

1) INDICATIVO

Expressa uma atitude de certeza, ou apresenta um fato como real.

Podemos ainda dizer que indica o fato real, verdadeiro.

Exemplos:

Brinco, trabalho, estudo; brincava, trabalhava, estudava; brinquei, trabalhei, estudei.

2) SUBJUNTIVO

Exprime um atitude de dúvida, ou anuncia um fato como possível, hipotético, provável ou incerto.

Exemplos:

Brincasse, trabalhasse, estudasse; brinque, trabalhe, estude; brincássemos, trabalhássemos, estudássemos.

3) IMPERATIVO

Em que o falante deseja que um fato se dê: é a expressão da ordem, do desejo, da súplica, do pedido.

Realmente, o imperativo indica principalmente a ORDEM e o DESEJO.

Exemplos:

Brinca, trabalha, estuda; brinque, trabalhe, estude; brincai, trabalhai, estudai.

b) DE TEMPO

O tempo verbal é a localização da ocorrência do processo em relação ao momento em que se fala.

São três os tempos:

a) presente

b) pretérito (= passado)

c) futuro

Somente o pretérito e o futuro são divisíveis.

Existem tempos simples, compostos, primitivos e derivados. 

c) DE NÚMERO

1) O verbo apresenta desinências que, simultaneamente, indicam número singular e plural.

Ainda podemos dizer que indica a quantidade de seres envolvidos no processo verbal.

2) DE PESSOA:

A flexão de pessoa indica as pessoas do discurso, são elas:

a) 1ª pessoa é a que fala, também chamada de falante, emissor. Eu e nós. Eu estudei, nós trabalhamos.

b) 2ª pessoa é a que com quem se fala ou ouvinte ou receptor. Tu e vós. Tu estudaste, vós trabalhastes.

c) 3ª pessoa é a de quem ou que se fala ou o assunto e corresponde aos pronomes pessoais ele, ela, no singular, eles e elas, no plural. Ele trabalhou, eles trabalharam.

d) DE VOZ

"É a forma em que se apresenta o verbo para indicar a relação entre ele e o seu sujeito". (P. Mattoso Câmara Jr. D. F. G., S. V. Voz)

Existe flexão de voz?

Não.

Voz não é flexão, porque não se usam desinências para se ter a voz ativa, a passiva e a reflexiva.

Voz é apenas um aspecto verbal. É a forma que o verbo assume para exprimir sua relação com o sujeito.

Veja que a importância da morfologia é a que estuda o verbo com relação à voz.

O verbo pode ser:

a) ativo

b) passivo

c) reflexivo

a) VOZ ATIVA

Quando o sujeito pratica ação verbal. Ou, o verbo de uma oração está na voz ativa quando a ação é evidentemente praticada pelo sujeito.

Exemplos:

João comprou os cadernos.

Pedro brincou na praia.

Nós falamos de futebol.

Nas orações, os verbos comprou, brincou e falamos, indicam ações praticadas pelos respectivos sujeitos: João, Pedro e nós.

b) VOZ PASSIVA

Quando o sujeito recebe a ação verbal. O agente da passiva (regido de preposição por, de ou a) pratica a ação verbal.

A voz passiva pode ser apresentada sob duas formas:

1 - Com o verbo auxiliar - voz passiva analítica.

A casa foi destruída pelo fogo.

O caçador foi morto pelo leão.

A casa e o caçador funcionam como sujeito na voz passiva.

O sujeito não pratica a ação, mas sofre a ação.

Podemos dizer ainda que o sujeito não pratica e sim, recebe a ação verbal.

2 - A voz passiva com o pronome (se) apassivador - voz passiva pronominal ou voz passiva sintética.

Exemplo:

Comprou- se o livro (= O livro foi comprado).

Leu- se o livro (= O livro foi lido).

c) VOZ REFLEXIVA

Quando o sujeito pratica e recebe a ação verbal, simultaneamente.

Na voz reflexiva, a ação é, - (simultaneamente, ao mesmo tempo) - praticada e recebida pelo sujeito que, por isso, é chamada de AGENTE e ou PACIENTE.

Exemplos:

Ele se queixa.

João feriu- se.

Ele se machucou.

Eu me arrependi.

NOTA: Tem força PASSIVA os verbos ativos, quando, estando no infinitivo, funcionam como complemento de certos adjetivos.

Exemplos:

"Osso duro de roer" é o mesmo que:

"Osso duro de ser roído".de roer - é complemento nominal de duro.

"Estrada difícil de passar" eqüivale a:

"Estrada difícil de ser passada".de passar - é complemento nominal de difícil.

Verbo - Palavra

Quando se pratica uma ação, a palavra que representa essa ação, indicando o momento que ela ocorre, é o verbo.

Uma ação ocorrida num determinado tempo também pode constituir-se num fenômeno da natureza expresso por um verbo.

Verbo é a palavra que expressa ação, estado e fenômeno da natureza situados no tempo.

Conjugações do Verbo

Na língua portuguesa, três vogais antecedem o "r" na formação do infinitivo: a-e-i. Essas vogais caracterizam a conjugação do verbo.

Os verbos estão agrupados, então, em três conjugações: a primeira conjugação(terminados em ar), a segunda conjugação(terminados em er) e a terceira conjugação(terminados em ir).

Flexão do Verbo

O verbo é constituído, basicamente, de duas partes: radical e terminações.

Exemplo:

radical: escrev

terminações: o, es, e, emos, eis, em.

As terminações do verbo variam para indicar a pessoa, o número, o tempo, o modo.

Tempo e Modo do Verbo

O fato expresso pelo verbo aparece sempre situado nos tempos:

presente - Ele anuncia o fim da chuva.

passado - Ele anunciou o fim da chuva.

futuro - Ele anunciará o fim da chuva.

Além de o fato estar situado no tempo, ele também pode indicar:

fato certo - Ele partirá amanhã.

fato duvidoso - Se ele partisse amanhã...

ordem - Não partas amanhã.

As indicações de certeza, dúvida e ordem são determinadas pelos modos verbais.

São portanto três modos verbais: Indicativo(fato certo), Subjuntivo(fato duvidoso), Imperativo(ordem).

Vozes do Verbo

Voz é a maneira como se apresenta a ação expressa pelo verbo em relação ao sujeito.

São três as vozes verbais:

Ativa - o sujeito é o agente da ação, ou seja, é ele quem pratica a ação. Ex.: Ele quebrou o copo.

Passiva - o sujeito é paciente, isto é, sofre a ação expressa pelo verbo. Ex.: O copo foi quebrado por ele.

Reflexiva - o sujeito é ao mesmo tempo agente e paciente da ação verbal, isto é, pratica e sofre a ação expressa pelo verbo. Ex.: O garoto cortou-se.

Verbo - Definição

Verbo é o nome dado à classe gramatical que designa uma ocorrência ou situação.

É uma das duas classes gramaticais nucleares do idioma, sendo a outra o substantivo.

É o verbo que determina o tipo do predicado.

Os verbos admitem vários tipos de classificação, que englobam aspectos tanto semânticos quanto morfológicos.

Verbo - Palavra Variável

Palavra variável (pessoa, tempo, número e modo) que exprime uma ação, um estado, um fenômeno.

a) O policial prendeu o assassino.

b) Maria foi atropelada pelo veículo.

c) O assassino estava doente.

d) No Nordeste quase não chove.

a) O policial praticou uma ação;

b) Maria sofreu uma ação;

c) O assassino encontrava-se num certo estado;

d) Quase não ocorre um dado fenômeno da natureza no Nordeste.

Conjugações

Os verbos da língua portuguesa se agrupam em três conjugações, de conformidade com a terminação do infinitivo:

Infinitivo em AR - verbos de primeira conjugação (cantar, amar, procurar, etc.)
Infinitivo em ER
- verbos de segunda conjugação (correr, bater, ceder, etc.)
Infinitivo em IR
- verbos de terceira conjugação (ir, possuir, agir, etc.)

Estrutura do verbo (radical + terminação)

O verbo possui uma base comum de significação que é chamada de RADICAL.

A esse radical se junta, em cada forma verbal, uma TERMINAÇÃO, da qual participa pelo menos um dos seguintes elementos:

Vogal temática ( -a- , -e-, -i- , respectivamente para verbos de 1ª, 2ª e 3ª conjugação)

Exemplos

cant-a

beb-era

sorr-ira

Desinência temporal (ou modo temporal) - indica o tempo e o modo:

canta (ausência de sufixo), cant-a-va, cant-a-ra

Desinência número-pessoal - identifica a pessoa e o número: canta (ausência de desinência), cant-a-va-s (2ª pessoa singular), cant-á-ra- mos (1ª pessoa plural)

Todo o mecanismo da formação dos tempos simples repousa na combinação harmônica desses elementos flexivos com um determinado radical verbal.

Muitas vezes, falta um deles, como, por exemplo:

VOGAL TEMÁTICA, no presente do subjuntivo e, em decorrência, nas formas do imperativo dele derivadas:

Exemplos

ante
cantes
cante
etc

DESINÊNCIA TEMPORAL, no presente e no pretérito perfeito do indicativo, bem como nas formas do imperativo derivadas do presente do indicativo: canto, cantas, canta, etc.; cantei, cantaste, cantou, etc.; canta (tu), cantai (vós);

DESINÊNCIA PESSOAL

a) na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo (canta);

b) na 1ª e na 3ª pessoa do singular do imperfeito (cantava), do mais-que-perfeito (cantara) e do futuro do pretérito (cantaria) do indicativo;

c) na 1ª e na 3ª pessoa do singular do presente do subjuntivo (cante), do imperfeito do subjuntivo (cantasse) e do futuro do subjuntivo (cantar);

d) na 1ª e na 3ª pessoa do infinitivo pessoal (cantar).

Flexões do Verbo

O verbo apresenta variações de número, pessoa, modo, tempo e voz.

Número e Pessoa

O verbo admite dois números: singular (quando se refere a uma só pessoa ou coisa) e plural (quando se refere a mais de uma pessoa ou coisa).

A primeira pessoa é aquela que fala e corresponde aos pronomes pessoais eu (singular) e nós (plural):

1ª pessoa singular: eu falo
1ª pessoa plural:
nós falamos

A segunda pessoa é aquela a quem se fala e corresponde aos pronomes pessoais tu (singular) e vós (plural):

2ª pessoa singular: tu falas
2ª pessoa plural:
vós falais

A terceira pessoa é aquela de quem se fala e corresponde aos pronomes pessoais ele, ela (singular) e eles, elas (plural):

3ª pessoa singular: ele fala
3ª pessoa plural:
eles falam

Modos

Os modos indicam as diferentes atitudes da pessoa que fala em relação ao fato que enuncia e são três:

a) Indicativo

Apresenta o fato como sendo real, certo, positivo.

Exemplo: Voltei ao colégio.

b) Subjuntivo

Apresenta o fato como sendo uma possibilidade, uma dúvida, um desejo.

Exemplo: Se tivesse voltado ao colégio, teria encontrado o livro.

c) Imperativo

Apresenta o fato como objeto de uma ordem, conselho, exortação ou súplica.

Exemplo: Volta ao colégio.

Formas nominais do verbo

São chamadas formas nominais, porque podem desempenhar as funções próprias dos nomes (substantivos, adjetivos ou advérbio) e caracterizam-se por não indicarem nem o tempo nem o modo.

São elas: o INFINITIVO, o GERÚNDIO e o PARTICÍPIO.

Infinitivo- exprime a idéia de ação e seu valor aproxima-se do substantivo:

"Navegar é preciso Viver não é preciso" (Fernando Pessoa)

Os verbos navegar e viver ocupam a função de um sujeito gramatical e por isso equivalem a um substantivo.

O infinitivo pode ser:

Pessoal

Quando tem sujeito: É preciso vencermos esta etapa (sujeito: nós)

Impessoal

Quando não tem sujeito: Viver é aproveitar cada momento. (não há sujeito)

Gerúndio

Exprime um fato em desenvolvimento e exerce funções próprias do advérbio e do adjetivo:

O menino estava chorando. (função de adjetivo)

Pensando, encontra-se uma solução. (função de advérbio)

Particípio

Exerce as funções próprias de um adjetivo e por isso pode, em certos casos, flexionar-se em número e em gênero:

Terminado o ano letivo, os alunos viajaram.

Terminados os estudos, os alunos viajaram.

Tempo

O tempo verbal indica o momento em que acontece o fato expresso pelo verbo.

São três os tempos básicos: presente, passado (pretérito) e futuro, que designam, respectivamente, um fato ocorrido no momento em que se fala, antes do momento em que se fala e que poderá ocorrer após o momento em que se fala.

O presente é indivisível, mas o pretérito e o futuro subdividem-se no modo indicativo e no subjuntivo.

Indicativo

Presente : estudo

Pretéritos

Pretérito Imperfeito: estudava

Pretérito Perfeito simples: estudei

Pretérito Perfeito composto: tenho estudado

Pretérito Mais-que-perfeito simples: estudara

Pretérito Mais-que-perfeito composto: tinha (ou havia) estudado

Futuros

Futuro do presente simples: estudarei

Futuro do presente composto: terei (ou haverei) estudado

Futuro do pretérito simples: estudaria

Futuro do pretérito composto: teria (ou haveria) estudado

Subjuntivo

Presente: estude

Pretéritos

Pretérito Imperfeito: estudasse

Pretérito Perfeito composto: tenha (ou haja) estudado

Pretérito mais-que-perfeito: tivesse (ou houvesse) estudado

Futuros

Futuro simples: estudar

Futuro composto: tiver (ou houver) estudado

Imperativo

Presente: estuda (tu)

Formação dos tempos simples (Primitivos e derivados)

Quanto à formação dos tempos, estes dividem-se em primitivos e derivados.

Primitivos

a) presente do indicativo

b) pretérito perfeito do indicativo

c) infinitivo impessoal

Derivados do Presente do Indicativo

Presente do subjuntivo

Imperativo afirmativo

Imperativo negativo

Derivados do Pretérito Perfeito do Indicativo

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Pretérito imperfeito do subjuntivo

Futuro do subjuntivo

Derivados do Infinitivo Impessoal

Futuro do presente do indicativo

Futuro do pretérito do indicativo

Imperfeito do indicativo

Gerúndio

Particípio

Tempos derivados do presente do indicativo

Presente do subjuntivo

Para se formar o presente do subjuntivo, substitui-se a desinência -o da primeira pessoa do singular do presente do indicativo pela desinência -E (nos verbos de 1ª conjugação) ou pela desinência -A (nos verbos de 2ª e 3ª conjugação)

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Des. temporal Des. temporal Desinência pessoal
1ª conj. 2ª/3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR      
cant  E vend  A part    A E A Ø
cant  Es vend  AS part    As E A s
cant  E vend  A part    A E A Ø
cant  Emos vend  Amos part    Amos E A mos
cant  Eis vend  Ais part    Ais E A is
cant  Em vend  Am part    Am E A m

IMPERATIVO

Imperativo afirmativo ou positivo

Para se formar o imperativo afirmativo, toma-se do presente do indicativo a 2ª pessoa do singular (tu) e a segunda pessoa do plural (vós) eliminando-se o S final.

As demais pessoas vêm, sem alteração, do presente do subjuntivo.

Imperativo negativo

Para se formar o imperativo negativo, basta antecipar a negação às formas do presente do subjuntivo.

Presente Indicativo Imperativo Afirmativo Presente Subjuntivo Imperativo Negativo
cant  o     -     cant e             -
cant  as  (- s)   > cant  a     cant es     > não cant  es
cant  a cant  e <  cant e      > não cant  e
cant  amos cant  emos <  cant emos   > não cant  emos
cant ais  (-s)   > cant  ai     cant eis       > não cant  eis
cant am cant  em <  cant em       > não cant  em

Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo

Pretérito mais que perfeito

Para formar o pretérito mais-que-perfeito do indicativo elimina-se a desinência -STE da 2ª pessoa do singular do pretérito perfeito. Acrescenta-se a esse tema a desinência temporal -RA mais a desinência de número e pessoa correspondente.

Outros gramáticos, como por exemplo Napoleão Mendes de Almeida, afirmam que este tempo origina-se da terceira pessoa do pretérito perfeito (cantaram/venderam/partiram), mediante a supressão do m final e acréscimo da desinência de número e pessoa.

1ª conjugação 2ª conjugação  3ª conjugação Des. temporal Desinência pessoal
1ª /2ª e 3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR    
canta  RA vende  RA  parti   RA RA Ø
canta  RAs vende  RAs  parti   RAs RA s
canta  RA vende  RA  parti   RA RA Ø
cantá  RAmos vendê  RAmos  partí   RAmos RA mos
cantá  REis vendê  REis  partí   REis RE is
canta  RAm vende  RAm  parti   RAm RA

m

Pretérito imperfeito do subjuntivo

Para formar o imperfeito do subjuntivo, elimina-se a desinência -STE da 2ª pessoa do singular do pretérito perfeito, obtendo-se, assim, o tema desse tempo.

Acrescenta-se a esse tema a desinência temporal -SSE mais a desinência de número e pessoa correspondente.

Outros gramáticos afirmam que este tempo origina-se da terceira pessoa do pretérito perfeito (cantaram/venderam/partiram) mediante a supressão do -ram final e acréscimo da desinência modo-temporal -SSE e da desinência de número e pessoa.

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Des. temporal Desinência pessoal
1ª /2ª e 3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR    
canta  SSE vende  SSE  parti   SSE SSE Ø
canta  SSEs vende  SSEs  parti   SSEs SSE s
canta  SSE vende  SSE  parti   SSE SSE Ø
cantá SSEmos vendê SSEmos  partí   SSEmos SSE mos
cantá  SSEis vendê  SSEis  partí   SSEis SSE is
canta  SSEM vende  SSEm  parti   SSEm SSE

m

Futuro do subjuntivo

Para formar o futuro do subjuntivo elimina-se a desinência -STE da 2ª pessoa do singular do pretérito perfeito, obtendo-se, assim, o tema desse tempo.

Acrescenta-se a esse tema a desinência temporal -R mais a desinência de número e pessoa correspondente.

Outros gramáticos afirmam que este tempo origina-se da terceira pessoa do pretérito perfeito (cantaram/venderam/partiram) mediante a supressão do -am final e acréscimo da desinência de número e pessoa.

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Des. temporal Desinência pessoal
1ª /2ª e 3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR    
canta  R vende  R  parti   R R Ø
canta  Res vende  Res  parti   Res R es
canta  R vende  R  parti   R R Ø
canta  Rmos vende  Rmos  parti   Rmos R mos
canta  Rdes vende  Rdes  parti   Rdes R des
canta  Rem vende  Rem  parti   Rem R em

Ao contrário de outros autores, Napoleão Mendes de Almeida faz a seguinte menção quanto à origem do futuro do subjuntivo:

" Sempre que tivermos dúvidas sobre a conjugação do futuro do subjuntivo, bastar-nos-á verificar a 3ª p.p. do pretérito perfeito. Se formos confrontar o futuro do subjuntivo com o infinitivo pessoal, notaremos haver igualdade de forma para muitos verbos, não dando o mesmo para uns tantos outros. Fazer, por exemplo, conjuga-se no infinitivo pessoal: fazer, fazeres, fazer, fazermos, fazerdes, fazerem; mas no futuro do subjuntivo veremos as formas: quando eu fizer, fizeres, fizer, fizermos, fizerdes, fizerem, porquanto este tempo se origina da 3ª p.p. do pretérito perfeito do indicativo.

Formação dos tempos compostos

Voz ativa

Os tempo s compostos da voz ativa são formados pelos verbos auxiliares TER ou HAVER acompanhados do particípio do verbo principal.

Exemplos

Alice tem cantado todas as noites.
Alice havia cantado aquela noite.

Voz passiva

Os tempos compostos da voz passiva são formados com o uso simultâneo dos verbos auxiliares TER (ou HAVER) e SER seguidos do particípio do verbo principal.

Exemplos

Segundo dizem, Alice teria sido assassinada por um amante.

Conjugação perifrástica

São as chamadas locuções verbais e constituem-se de um verbo auxiliar mais gerúndio ou infinitivo.

Ex.:Alice tem de cantar hoje à noite.

Alice estava cantando, quando ocorreu falta de energia elétrica.

Classificação dos verbos

Os verbos podem ser classificados em:

REGULARES

IRREGULARES

DEFECTIVOS

ANÔMALOS

ABUNDANTES

Antes de abordar acerca da classificação dos verbos, é necessário recordar o que significam vocábulos rizotônicos e arrizotônicos.

Rizotônicos (do grego riza, raiz) são os vocábulos cujo acento tônico incide no radical (Ex.:canto); arrizotônicos são os vocábulos que têm o acento tônico depois do radical (Ex.:cantei ).

Quanto à conjugação, os verbos dividem-se em:

VERBOS REGULARES

Aqueles que seguem um modelo comum de conjugação, sem apresentar nenhuma mudança no radical (cantar..... canto/cantava/cantei). Para ser regular, um verbo precisa de sê-lo no presente do indicativo e no pretérito perfeito do indicativo.

VERBOS IRREGULARES

São os verbos cujo radical sofre modificações no decurso da conjugação, ou cujas desinências se afastam das desinências do paradigma, ou ainda, aqueles que sofrem modificações tanto no radical quando nas desinências (pedir ... peço ; ser .... sou/era/fui).

Quase sempre, a irregularidade surgida no tempo primitivo passa para os respectivos tempos derivados. Um verbo pode ser irregular apenas em algumas de suas flexões, ou seja, ele poder se portar como regular em alguns tempos e como irregular em outros. Ex.: O verbo pedir possui no presente do indicativo uma irregularidade que só caracteriza a primeira pessoa do singular (peço, pedes, pede, pedimos, pedis, pedem).

Há três espécies de verbos irregulares

a. verbos cuja irregularidade se dá no radical (ou tema) - (irregularidade temática) Exemplos: perder/ perco (o radical perd transformou-se em perc; ferir: firo (o radical fer transformou-se em fir)

b. verbos cuja irregularidade se dá na desinência (irregularidade flexional) Ex.: dar/ dou (a desinência regular da 1ª p.s. do indicativo da 1ª conjugação é -o)

c. verbos cuja irregularidade se dá, ao mesmo tempo, no tema e na desinência (irregularidade temático-flexional) Ex.: caber/ coube (houve alteração no radical, que de cab passou para coub, e, ao mesmo tempo, na desinência, que no paradigma é -i).

Conjugação de alguns verbos irregulares

1ª conjugação

Verbos em -EAR

Os verbos terminados em -ear, como passear, recear, cear, etc. sofrem o acréscimo de um i no radical das formas rizotônicas, isto é, nesses verbos se intercala um i entre o radical e a desinência quando o acento cai no e, o que se dá nas três primeiras pessoas do singular e na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo e do subjuntivo, e na 2ª pessoa do singular do imperativo:

PASSEAR

Presente do Indicativo Presente do Subjuntivo Imperativo Afirmativo
passeio passeie  
passeias passeies passeia (tu)
passeia passeie  
passeamos passeemos  
passeais passeeis  
passeiam passeiem  

Se os verbos terminados em -EAR devem receber um i eufônico sempre que o acento tônico recai na vogal temática, esse i perderá sua razão de existência quando o acento recair na desinência. Essa é a razão por que verbos como alhear, recear, afear, arrear, idear, não obstante provirem de alheio, receio, feio, arreio, idéia, não devem ser grafados com i no infinitivo, nem em nenhuma das formas em que o acento cai na desinência.

O verbo gear é pelo povo contraditoriamente conjugado gia e gie; o certo é: "Esta noite geia"- "Se hoje geou, não importa que amanhã também geie." O verbo, cognato de geada (e não de giada), termina em -ear, e deve, para a conjugação, seguir a regra dos verbos assim terminados.

Verbos em -ILIAR

Os verbos terminados em -IAR sofrem irregularidades nas 1ª, 2ª e 3ª pessoas do singular e na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo e do subjuntivo.

MOBILIAR

Presente do Indicativo Presente do Subjuntivo

mobílio

mobílie
mobílias mobílies
mobília mobílie
mobiliamos mobiliemos
mobiliais mobilieis
mobíliam mobíliem
o i acentuado é tônico

o  i acentuado é tônico

Os outros verbos terminados em -iliar têm a sílaba tônica -li: filio, reconcilio

Verbos em -AR

VERBO DAR

Presente Indicativo Pretérito Imperfeito Pretérito Perfeito Pretérito mais-que- perfeito Futuro Presente
dou dava dei dera darei
dás davas deste deras darás
dava deu dera dará
damos dávamos demos déramos daremos
dais dáveis destes déreis dareis
dão davam deram deram darão

 

Futuro Pretérito Imperativo Afirmativo Imperativo Negativo Presente Subjuntivo Pretérito Imperfeito Subjuntivo
daria     desse
darias não dês dês desses
daria não dê desse
daríamos demos não demos demos déssemos
daríeis dai não deis deis désseis
dariam dêem não dêem dêem dessem
Futuro Subjuntivo Infinitivo Presente Impessoal Infinitivo Presente Pessoal Gerúndio Particípio
der   dar    
deres   dares    
der dar dar dando dado
dermos   darmos    
derdes   dardes    
derem   darem    

VERBOS EM - OAR

VERBO MAGOAR

Presente Indicativo Presente Subjuntivo
magôo magoe
magoas magoes
magoa magoe
magoamos magoemos
magoais magoeis
magoam magoem

Verbo regular.

Assim se conjugam os verbos em - OAR : abençoar, doar, abotoar, soar, voar, etc. Não se acentuam os grupos -oa e -oe, com exceção de côa, côas (homônimos de coa, coas, contrações de com + a, com + as).

2ª conjugação

VERBO CABER

Presente Indicativo Pretérito Perfeito Indicativo Pretérito mais-que-perfeito Indicativo Presente Subjuntivo Pretérito Imperfeito Subjuntivo
caibo coube coubera caiba coubesse
cabes coubeste couberas caibas coubesses
cabe coube coubera caiba coubesse
cabemos coubemos coubéramos caibamos coubéssemos
cabeis coubestes coubéreis caibais coubésseis
cabem couberam couberam caibam coubessem

 

Futuro Subjuntivo Gerúndio Particípio  
couber     este verbo não possui a forma do imperativo
couberes    
couber cabendo cabido
coubermos    
couberdes    
couberem    

VERBO PÔR

Indicativo Pretérito Imperfeito Indicativo Pretérito Perfeito Indicativo Pretérito mais-que-perfeito do Indicativo Futuro do Presente Indicativo
ponho punha pus pusera porei
pões punhas puseste puseras porás
põe punha pôs pusera porá
pomos púnhamos pusemos puséramos poremos
pondes púnheis pusestes puséreis poreis
põem punham puseram puseram porão
Futuro Pretérito Indicativo Presente Subjuntivo Pretérito Imperfeito Subjuntivo Futuro Subjuntivo Imperativo Afirmativo
poria ponha pusesse puser  
porias ponhas pusesses puseres põe
poria ponha pusesse puser ponha
poríamos ponhamos puséssemos pusermos ponhamos
poríeis ponhais pusésseis puserdes ponde
poriam ponham pusessem puserem ponham

3ª conjugação

VERBO ABOLIR

Presente Indicativo Imperativo Afirmativo
- -
aboles Abole
abole -
abolimos -
abolis Aboli

Defectivo nas formas em que ao L do radical seguiria a ou o, o que ocorre apenas no presente do indicativo e seus derivados.

Assim se conjugam os verbos: banir, brandir, carpir, colorir, comedir-se, delir, demolir, extorquir, esculpir, delinqüir, etc.

VERBO CAIR

Presente Indicativo Presente Subjuntivo Imperativo Afirmativo
caio Caia -
cais Caias cai
cai Caia caia
caímos Caiamos caiamos
caís Caiais caí
caem Caiam caiam

Este verbo é regular nos demais tempos.

Assim se conjugam os verbos em -AIR: decair, recair, sair, sobressair, trair, distrair, detrair, subtrair, etc.

VERBO COBRIR

Presente Indicativo Presente Subjuntivo Imperativo Afirmativo Particípio
cubro Cubra -  
cobres Cubras Cobre  
Cobre Cubra Cubra coberto
Cobrimos Cubramos Cubramos  
Cobris Cubrais Cobri  
Cobrem Cubram Cubram  

Verbos abundantes

São aqueles que apresentam duas ou mais formas em certos tempos, modos ou pessoa. Suas variantes mais freqüentes ocorrem no particípio.

Exemplos

absolver: absolvido, absolto

anexar: anexado, anexo

despertar: despertado, desperto

gastar: gastado, gasto

ganhar: ganhado, ganho

morrer: morrido, morto

O particípio regular vem, geralmente, acompanhado dos auxiliares ter e haver (na voz ativa) e o particípio irregular acompanhado dos auxiliares ser e estar (na voz passiva), devendo-se considerar que não há uma regra a ser seguida.

Ex.: Alice tinha ganhado o prêmio de melhor cantora.(voz ativa) O prêmio de melhor cantora foi ganho por Alice.(voz passiva).

Fonte: www.brazilianportugues.com/br.geocities.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal