Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Voleibol Sentado  Voltar

Voleibol Sentado

 

História

Uma alta dose de espírito de equipe, habilidade, estratégia e garra é necessária para a prática deste esporte, que é elegível para atletas de ambos os sexos portadores de deficiência física.

É um dos mais dinâmicos e divertidos esportes paralímpicos para o público. A altura da rede e o tamanho da quadra acabam por tornar a competição mais rápida do que o voleibol tradicional.

No Voleibol sentado, a quadra tem 10m x 6m e é dividida por uma rede a 1,15m para homens, 1,05m para mulheres.

Nos Jogos Paralímpicos Rio 2016™, as competições do Voleibol sentado acontecerão no Parque Olímpico do Rio – Hall 3, de 8 a 16 de setembro.

Dentro da quadra

Formados por seis atletas, o objetivo dos times é passar a bola por sobre a rede e fazê-la tocar o chão da quadra adversária. Para isto, os atletas devem sempre manter a pélvis encostada no chão.

A partida tem cinco sets e ganha o time que primeiro vencer três sets. É necessário atingir 25 pontos para ganhar o set, com, ao menos, dois pontos de vantagem.

No quinto set, é necessário atingir 15 pontos, com a mesma regra da diferença.

Rebobinando

Em 1956, o Comitê de Esportes da Holanda introduziu um novo jogo chamado Voleibol sentado, uma combinação do sitzball – um jogo de origem alemã – e o voleibol.

As competições internacionais começaram em 1967 e, finalmente, em 1978 a Organização Internacional de Esportes para Deficientes (ISOD, na sigla em inglês) aceitou o voleibol sentado em seu programa.

Depois disso, o esporte aumentou em popularidade no mundo, o que culminou com a estreia nos Jogos Paralímpicos de Arnhem 1980. O evento feminino foi adicionado ao programa paralímpico em Atenas 2004.

Voleibol Sentado
Voleibol Sentado

Modalidade

A modalidade surgiu a partir da combinação entre o voleibol convencional e o Sitzbal, esporte alemão que não tem rede e que é praticado por pessoas com dificuldades para se locomover e que, por isso, jogam sentadas.

Até as Paraolimpíadas de Sidney, no ano 2000, o voleibol paraolímpico era dividido entre a categoria sentado e em pé. A partir de Atenas o esporte passou a existir apenas na categoria sentado.

Podem disputar a modalidade atletas amputados, paralisados cerebrais, lesionados na coluna vertebral e pessoas com outros tipos de deficiência locomotor. Entre o vôlei paraolímpico e o convencional há menos diferenças do que possa parecer. Basicamente, a quadra é menor do que a convencional (mede 6 m de largura por 10 m de comprimento, contra 18 m x 9 m) e a altura da rede também é menor, pois os jogadores competem sentados. Outra diferença consiste no fato de o saque poder ser bloqueado.

É permitido o contato das pernas de jogadores de um time com os jogadores do outro time. Porém, não se pode obstruir as condições de jogo do oponente. Um atacante pode "queimar" a linha de ataque caso sua bacia não a toque até o atleta bater na bola. Somente se pode perder o contato com o chão para salvar bolas difíceis e, mesmo assim, por pouco tempo.

Cada jogo é decidido numa melhor de cinco sets. Vence cada set o time que marcar 25 pontos. Na rede há duas antenas e a arbitragem também é dividida entre juiz principal, segundo juiz e dois árbitros de linha. Assim como no vôlei convencional, os times são formados por 12 jogadores e entre eles há um capitão e um líbero, que pode entrar e sair do jogo sem a permissão dos árbitros e possui exclusiva função defensiva. Para cada jogada, as equipes podem dar, no máximo, três toques na bola.

Voleibol Sentado
Voleibol Sentado

Voleibol para deficiente – Voleibol Sentado

O primeiro clube esportivo para deficientes foi inaugurado na Holanda no final de 1953. Athletics e Sitzball, originários da Alemanha, foram os primeiros esportes.

Logo em seguida foi percebido que o Sitzball, que é jogado sentado no chão, era muito passivo e eram necessários esportes mais movimentados.

Em 1956, o Comitê Alemão de Esportes apresentou um novo jogo chamado Voleibol Sentado, uma combinação do Sitzball e do voleibol. Desde então o voleibol sentado tornou-se um dos esportes mais praticados em competições não só de deficientes na Holanda, mas também por competidores de voleibol não deficientes, mas com lesões no tornozelo e joelho.

Ocorreram competições internacionais desde 1967, mas apenas após 1978 a International Sports Organisation for the Disabled (ISOD) aceitou o voleibol sentado no seu programa. Na Paraolimpíada de Toronto, em 1976, o voleibol sentado teve jogos de exibição. Quatro anos depois, este importante esporte coletivo foi incluído no programa de competições dos Jogos Paraolímpicos de Arnhem, Holanda, com a participação de sete seleções.

O primeiro torneio internacional – sob o comando da ISOD – foi realizado em 1979 em Harlem (Holanda). Em 1980, este esporte foi aceito como um esporte paraolímpico com a participação de sete equipes. O desenvolvimento internacional pode ser considerado “barulhento”. Clínicas estão sendo organizadas por todo o mundo, campeonatos mundiais, europeus e ligas regionais são organizadas anualmente.

Desde 1993, ocorrem campeonatos mundiais da modalidade tanto no masculino como no feminino. Até os Jogos Paraolímpicos de Sydney-2000, o voleibol paraolímpico era dividido entre a categoria sentada e em pé. A partir de Atenas, só haverá disputas com atletas sentados, por decisão do Comitê Paraolímpico Internacional-IPC. Esta será a primeira vez em que as mulheres participam da competição. No vôlei Sentado, o Brasil nunca participou de uma Paraolimpíada.

Este se tornou um dos mais importantes esportes em equipe na Paraolimpíadas. Este é um esporte rápido, excitante e procurado por muitos, que pode mostrar as habilidades atléticas dos atletas deficientes.

O voleibol sentado tem o potencial de crescer como um esporte onde os deficientes e não-deficientes podem participar com um alto nível técnico.

Algumas diferenças entre as Regras do Voleibol Sentado e o Voleibol

Voleibol Sentado Voleibol
1 - O tamanho quadra de jogo mede 10m x 6m 1A - O tamanho quadra de jogo mede 18m x 9m
2 - As linhas de ataque são desenhadas a 2m de distância do eixo da linha central. 2A - As linhas de ataque são desenhadas a 3m de distância do eixo da linha central.
3 - A rede tem 6.50 a 7.00m de comprimento e 0.80 de largura. 3A - A rede tem. 9,50 a 10.00m de comprimento e 1m de largura.
4 - A altura da rede é de 1.15m para homens e 1.05m para mulheres. As antenas estendem-se 100cm acima do bordo superior da rede.

 

4A - A altura da rede é de 2.43 para homens e 2.24 para mulheres. As antenas estendem-se 0.80cm
5 - O equipamento dos jogadores no Voleibol Para-olímpico pode incluir calças compridas. Não é permitido sentar sobre material espesso. Não é necessário ter número nos calções ou calças.  
6 - Uma equipe consiste de no máximo 12 jogadores incluindo de no máximo 2 jogadores classificados como “inabilidade mínima”, um técnico, um assistente técnico, um preparador físico, e um doutor médico.

Os seis jogadores em quadra podem incluir no máximo um jogador com “inabilidade mínima”.

6A - Uma equipe consiste de no máximo 12 jogadores, um técnico, um assistente técnico, um preparador físico, e um doutor médico.
7- As posições dos jogadores em quadra são determinadas e controladas pelas posições dos seus glúteos. Isto significa que a(s) mão(s) e / ou perna(s) dos jogadores podem estender-se na zona de ataque (jogador da linha de fundo no golpe de ataque), na quadra (sacador durante o golpe do saque), ou na zona livre do lado de fora da quadra (qualquer jogador durante o golpe de saque). 7A - As posições dos jogadores em quadra são determinadas e controladas pelas posições dos seus pés em contato com o solo.
8 - No momento do(a) sacador(a) golpear a bola, ele/ela deve estar na zona de saque e seus glúteos não devem tocar a quadra (linha final inclusive).

 

8A - No momento do(a) sacador(a) golpear a bola no saque ou decolar (para saque em suspensão), o(s) seus pé(s) não devem tocar a quadra (linha de fundo inclusive). Após este golpe, o sacador pode pisar ou aterrissar fora da zona de saque ou dentro da quadra.
9 - Tocar a quadra adversária com pé(s)/pernas é permitido em qualquer momento durante o jogo, desde que o jogador não interfira com a jogada do oponente. O jogador deverá retornar com o(s) pé(s)/pernas diretamente para sua própria quadra.

Contatar a quadra adversária com qualquer outra parte do corpo é proibido.

9A - Tocar a quadra adversária com a mão ou pé(s) é permitido desde que alguma parte de suas mãos e pés permaneçam em contato ou diretamente acima da linha central.

Contatar a quadra adversária com qualquer outra parte do corpo é proibido.

10 - Aos jogadores da linha de ataque é permitido completar um golpe de ataque do saque ao adversário, quando a bola estiver na zona de ataque e completamente acima do topo da rede. 10A - Completar um golpe de ataque do saque do adversário é falta, quando a bola estiver na zona de ataque e completamente acima do topo da rede.
11 - Um jogador de defesa pode realizar qualquer tipo de golpe de ataque de qualquer altura, desde que no momento do golpe os glúteos do jogador não toque ou cruzem sobre a linha de ataque. 11A - Um jogador de defesa pode realizar um golpe de ataque, exceto: a) os seus pés contatem ou ultrapassem a linha de ataque na decolagem e, b) no momento do golpe a bola esteja inteiramente acima do topo da rede.
12 - Jogadores da linha de frente estão permitidos de bloquear o saque adversário.

 

12A - Bloquear o saque adversário é uma falta de bloqueio.
13 - O jogador deve ter contato com a quadra com a parte do corpo entre o ombro e os glúteos em todos os momentos quando tocar a bola. É proibido erguer-se, pôr-se de pé ou dar passadas.

Uma pequena perda de contato com a quadra é permitida para jogar a bola, excluindo-se o saque, o bloqueio e golpe de ataque, quando a bola estiver completamente mais alta que o topo da rede.

 
14 - O primeiro árbitro realiza suas funções de pé no solo no poste em uma das extremidades da rede. 14A - O primeiro árbitro realiza suas funções sentado ou de pé na plataforma de árbitro localizada em uma das extremidades da rede

Sua visão deve estar aproximadamente 50 cm acima da rede.

Regras do Voleibol Sentado

Regras oficiais do vôlei sentado

Voleibol Sentado
Voleibol Sentado

Voleibol Sentado

Competem seis atletas com deficiência física sentados na quadra podendo ser amputados, principalmente de membros inferiores, e pessoas com outros tipos de deficiência locomotora;
As dimensões da quadra são menores: 10m x 6m contra 18m x 9m na quadra do vôlei convencional;
A altura da rede também é inferior à modalidade convencional, tem 1.15 metros de altura do piso em sua parte superior no masculino e 1.05 metros para o feminino;
Na rede há duas antenas;
A quadra se divide em zonas de ataque e defesa e é permitido o contato das pernas de jogadores de um time com os do outro, porém não podem obstruir as condições de jogo do oponente;
O contato com o chão deve ser mantido em toda e qualquer ação, sendo permitido perder o contato somente nos deslocamentos, e para salvar bolas difíceis;
Cada equipe pode ter 12 jogadores inscritos, dos quais, 10 amputados e dois les autres (os outros) – com outras lesões que, sob avaliação técnica, possam ser encaixados na classificação funcional;
Para cada jogada, as equipes podem dar, no máximo, três toques na bola;
O saque pode ser bloqueado;
A arbitragem é dividida entre juiz principal, segundo juiz e dois árbitros de linha;
As demais regras e dinâmica do jogo são semelhantes as do vôlei convencional.

Sistema de pontuação

Os pontos são obtidos seguindo as regras do vôlei olímpico, ou seja, o jogo é decidido numa melhor de cinco sets, vence cada set o time que marcar 25 pontos; o empate em 24 a 24, ganha a equipe que primeiro abrir dois pontos de vantagem; no tie break, vence o time que fizer 15 pontos; e se o tie break chegar em 14 a 14, uma das equipes tem de abrir dois pontos de vantagem para garantir a vitória.

Fundamentos técnicos do vôlei sentado

O vôlei sentado é uma atividade que exige grande grau de envolvimento, atenção e concentração, mas tem sido apontado como um esporte muito motivante para os praticantes. O método de ensino a ser desenvolvido deverá levar em consideração as diferenças motoras de cada atleta, valorizando o potencial individual de cada um, e estabelecendo táticas que consigam superar as dificuldades apresentadas pelos atletas decorrentes de suas deficiências. O vôlei sentado é uma atividade que demanda de seus praticantes a aplicação de gestos adequados. No jogo, o ato de defender, passar a bola e atacar são uma constante, por isto, nas programações de treinamenos estas ações devem ser enfatizadas.

Os objetivos que devem nortear a prática pedagógica desta modalidade deve ser organizada a partir do potencial que cada um possui, englobando o desenvolvimento do potencial sensorial e psicomotor, e da capacidade funcional e residual, buscando estimular a autonomia e a independência motora.

Os fundamentos técnicos desta atividade possuem algumas particularidades, são elas:

Saque por baixo: é um tipo de saque que pode ser muito utilizado no vôlei sentado, pois dificulta o bloqueio, que como vimos, é permitido pela regra.

A batida será dada pela palma da mão, por ser a parte mais forte e de maior área, proporcionando precisão e potência; todos os dedos deverão estar unidos, inclusive o polegar, o que deixará a mão firme.

Pode-se também efetuar esse saque posicionando-se lateralmente na quadra.

Voleibol Sentado

Saque por cima: para não ser bloqueado facilmente, deve ser realizado com muita precisão e velocidade, lançar a bola pouco acima da cabeça e bater direto no centro da bola.

Voleibol Sentado

Toque de manchete: é usado mais comumente como o passe de recepção.

No toque de manchete do vôlei tradicional, a impulsão da bola é ocasionada pela extensão das pernas, o que não é possível no vôlei sentado, já que a posição das pernas não permite tal movimento, sendo então, um fundamento pouco utilizado.

Mas, nesse caso, o bom toque poderá ser obtido ficando os braços unidos, as mãos forçadas para baixo, fletindo levemente os cotovelos e os ombros para cima.

Voleibol Sentado

Toque simples: assim como no vôlei tradicional, a bola deverá ser tocada com predominância pelos três dedos internos de cada mão, pelas partes internas. Os cotovelos deverão estar numa posição que permita os polegares estarem apontados um para o outro. O toque deverá ser realizado à frente do rosto, que estará levemente voltado para cima, posição que permite variação de direções, velocidade e precisão.

Voleibol Sentado

Cortada: na cortada do vôlei sentado o movimento realizado geralmente é uma flexão de punho, já que os jogadores devem estar sentados e não podendo pular.

Deve-se objetivar a observação pelo tato e visual do local da batida na bola. Lembrar que a palma da mão, para ficar firme, deverá estar com os dedos unidos (como no saque).

Voleibol Sentado

Bloqueio: o time que está defendendo pode bloquear tanto o saque quanto as jogadas de ataque do adversário, para tanto deve-se manter contato com o chão enquanto isso.

Voleibol Sentado

Deslocamento: para se deslocar em quadra na posição sentada, o jogador deve apoiar as duas mãos no chão ao lado do quadril e com o calcanhar fixo no chão encolher as pernas e se deslocar para frente e para trás.

Algumas considerações

O material a ser utilizado no vôlei sentado, assim como no esporte tradicional é de fácil adaptação. Pode-se utilizar, por exemplo, bancos ou cordas no lugar das redes para divisão da quadra; fitas adesivas para demarcação da área de jogo; e também as bolas podem ser de vários tipos de material.

A falta de materiais oficiais não deve ser um fator limitador para a iniciação desta modalidade. A adaptação dos materiais necessários para a pratica esportiva é um facilitador para o desenvolvimento desta atividade além de ser mais uma oportunidade de permitir que as pessoas com deficiência física possam estar participando de novas atividades.

A escolha do espaço deve priorizar a segurança dos alunos. É importante que seja amplo e ausente de obstáculos que possam machucá-los, tais como buracos e farpas no piso da quadra. As quadras poli-esportivas cobertas são as mais indicadas, mas qualquer outro espaço (pátio, gramado etc.) pode ser utilizado.

Após a escolha do espaço são imprescindíveis a sua delimitação e marcação. Para a marcação da quadra, pode-se usar barbante sob fitas adesivas, fitas de náilon utilizadas para marcação em quadras de areia, carpetes, tapetes ou outros tecidos.

No treino inicial das equipes, antes de utilizar as bolas oficiais, as atividades poderão ser realizadas com balões, bolas mais leves e por último a bola oficial.

A posição sentada permite que tanto pessoas com deficiência quanto pessoas sem nenhum tipo de acometimento participem do jogo, desta forma esta atividade é mais uma modalidade que proporciona a oportunidade de testar as possibilidades corporais, prevenir doenças secundárias e fundamentalmente promover a inclusão social.

Fonte: rio2016.com/efdeportes.com/gime.ufjf.br