Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Voleibol  Voltar

Voleibol

 

Voleibol
Voleibol

História

Em 1895 o basquete era o esporte da moda nos Estados Unidos.

Em apenas quatro anos, o jogo criado por James Naismith alcançara grande popularidade, especialmente no nordeste do país. Na pequena Holyoke, no Estado de Massachusetts, bola ao cesto também fazia muito sucesso entre os sócios da ACM, a Associação Cristã de Moços.

Os jogadores de mais idade, porém, reclamavam do novo esporte, que exigia um demasiado esforço físico e os levava à exaustão. Preocupado com queixas, o pastor Lawrence Rinder solicitou ao professor William G. Morgan, diretor do Departamento de Educação Física, a idealização de um jogo que atendesse às necessidades dos mais velhos. Assim, como atividade recreativa para os trabalhadores que freqüentavam a ACM no período noturno, nasceu o minnonette.

Inspirado no tênis e no handebol, Morgan colocou, no centro da quadra, uma rede a aproximadamente 1,90m de altura, sobre a qual a bola deveria ser enviada, por meio de toques com a mão, de um lado para o outro. Não havia limitações quanto ao número de jogadores, a nova modalidade despertava o espírito de equipe e proporcionava - sem provocar o cansaço do basquete - uma boa dose de exercícios a seus praticantes.

No início, houve alguma dificuldade para definir o tipo de bola que seria usado naquele novo esporte. A primeira experiência foi realizada com a bola de basquete, considerada pesada e de tamanho inadequado. Depois, passou-se a utilizar apenas a câmara daquela bola, que por ser leve e pouco veloz também não deu certo. Enfim, Morgan solicitou à A.G. Spalding & Brothers, empresa especializada em materiais esportivos, a confecção de uma bola que satisfizesse às exigências do jogo por ele criado. Após uma série de testes e pesquisas, o fabricante conseguiu conceber a nova bola que, conservando suas características básicas, é usada até os dias atuais.

As animadas partidas no ginásio de Holyoke, rapidamente, ganhavam mais e mais simpatizantes. Um ano depois da sua invenção, o minnonette foi apresentado no Congresso de Professores de Educação Física, na Universidade de Springfield. Duas equipes, com cinco jogadores de cada lado, encarregaram-se de fazer a demonstração.

Um verdadeiro sucesso, que imediatamente entusiasmou os congressistas. A bola mantida no ar em movimento, em uma espécie de voleio, sugeriu ao professor Halstead, de Springfield, a idéia de rebatizá-lo como volleyball.

A nova denominação pegou, e o volei começou a ser conhecido em todo o Estado de Massachusetts e em parte da região da Nova Inglaterra. Em 1900, o jogo já ultrapassava as fronteiras americanas e chegava ao Canadá. Divulgado pela ACM internacional, o volei foi conquistando outras praças. Cinco anos depois, já era jogado em Cuba e, logo em seguida, tornou-se conhecido em Porto Rico. Na América do Sul, chegou, em 1910, ao Peru. Dois anos depois, seria introduzido no Uruguai.

Em quadras brasileiras, a primeira partida de volei registrou-se no Colégio Marista de Pernambuco, no Recife, em 1915. Um ano mais tarde, o jogo fazia parte das atividades regulares da ACM em São Paulo. Na mesma época, os asiáticos e os europeus mantinham os contatos iniciais com o esporte idealizado por Morgan. Entre 1910 e 1913, Filipinas, China e Japão receberam as noções básicas do volei. Durante a Primeira Guerra Mundial, as tropas americanas mostraram na Europa o jogo que era comum em recreações e campeonatos entre militares. Em 1936, por ocasião dos Jogos Olímpicos de Berlim, houve o primeiro passo com vistas à organização de uma federação internacional.

Onze anos depois, em Paris, foi fundada a Fédération Internationale de Volley-Ball (FIVB), com 14 membros: Brasil, Bélgica, Egito, França, Holanda, Hungria, Itália, Polônia, Portugal, Romênia, Tchecoslováquia, Iugoslávia, Estados Unidos e Uruguai.

Naquela altura, o volei já contava com milhões de praticantes espalhados pelos cinco continentes. O Campeonato Europeu de Roma, em 1948, foi a primeira competição a nível internacional e contou com a presença de seis seleções. Em 1949, na Tchecoslováquia, disputou-se o I Mundial masculino, dando a largada para uma série de torneios em todo o mundo. Enfim, firmou-se como esporte competitivo ao ser incluído entre modalidades olímpicas em 1964. Hoje, a FIVB tem cerca de 163 países filiados, quase 100 milhões de jogadores inscritos e pode ser considerado, em muitos aspectos, a maior federação esportiva do planeta.

Algo que ao inventar seu despretensioso jogo, William G. Morgan não poderia sequer imaginar.

Os jogadores antigamente, sacavam fraco, não existia a violência que existe hoje, então, não havia a necessidade de pegar a bola de uma maneira mais complicada, de toque bastava.

Curiosidade

Acredite se quiser - mas o voleibol nasceu na Alemanha. Nasceu, aliás, entre os militares que, no final do século passado, já sonhavam com a nação tedesca na liderança da Europa e do planeta. Originalmente, se tratava de um esporte de pontaria e de agilidade. Num espaço retangular, demarcado num areial ou num gramado, se levantava uma corda, em sentido horizontal, bem no meio da figura geométrica. Duas equipes, de dois até nove atletas, dependendo do tamanho do espaço, se dispunham em posições opostas, nos lados da corda.

Então, com alguma graça e a tentativa da precisão, os contendores cuidavam de atirar uma pelota, com os braços ou com os punhos, por cima da corda, na direção do campo inimigo. As regras permitiam duas batidas no chão. As pelejas não tinham tempo para terminar.

Na verdade, aliás, mais interessava o esforço físico, a procura da concentração do que o resultado final, um vencedor. A brincadeira ganho o nome de FAUSTBALL - no idioma germânico, FAUST significa punho. Apenas nos Estados Unidos, pórem, ela se transformou efetivamente numa modalidade de competição com William G. Morgan.

O vôlei foi inventado em 1895

A idéia do vôlei surgiu em 1895, quando o americano William George Morgan, que assumira naquele ano a função de professor de educação física na faculdade YMCA (Associação Cristã de Moços) de Holyoke, Massachusetts (EUA), tentava criar uma nova competição em quadra coberta que pudesse ser praticada pelos seus alunos.

Antes de se formar na faculdade da YMCA em Springfield, Morgan conheceu James Naismith, que havia criado o basquete em 1891. No entanto, o basquete era muito intenso e com muito contato físico, o que era um atrativo para os jovens. E a intenção de Morgan era criar um jogo recreativo que ao mesmo tempo fosse competitivo e sem contato físico, para atrair o público mais velho.

Utilizando seus conhecimentos dos métodos de treinamentos esportivos e sua própria experiência como atleta, Morgan teve uma idéia, assim explicada por ele: Na procura de um jogo apropriado, o tênis veio a minha mente. No entanto, para jogar tênis são necessários raquetes, bolas, a rede e outros equipamentos. Então, o tênis estava fora de questão - mas a idéia da rede me pareceu boa. Fixamos uma rede a 1,85m do chão, pouco acima da cabeça de um homem de estatura mediana. Precisávamos de uma bola e entre todas as que experimentamos estava a câmara da bola de basquete. Mas era muito leve e muito lenta.

Então, testamos a própria bola de basquete, que era muito grande e muito pesada.

Por fim, Morgan contratou a empresa A.G. Spalding & Bros. para fabricar uma bola especial, o que fizeram em sua fábrica em Chicopee, Massachusetts.

O resultado foi uma bola nos padrões das utilizadas hoje em dia: era coberta de couro com uma câmara de borracha, sua circunferência variava de 63,5cm a 68,6cm, e seu peso ficava entre 252g e 336g. Finalmente, Morgan tinha seu esporte, batizado por ele de Mintonette.

Já com a idéia básica do Mintonette, Morgan convidou seus amigos Dr. Frank Wood e John Lynch para, baseados em suas sugestões, desenhar os conceitos básicos do jogo e formular as primeiras dez regras do novo esporte.

No início de 1896, uma conferência foi organizada na faculdade YMCA de Springfield, na qual estiveram presentes todos os professores de educação física da YMCA. Morgan, então, foi convidado pela direção para fazer uma demonstração de seu jogo no ginásio recém-inaugurado da faculdade. Ele chamou seus amigos e formou dois times, cada um com cinco jogadores. O capitão de uma das equipes foi J.J. Curran e da outra, John Lynch, que eram o prefeito e o chefe do Corpo de Bombeiros de Holyoke, respectivamente.

Morgan explicou que o novo jogo era designado para ginásios cobertos, mas também poderia ser disputado em locais abertos. E um número ilimitado de atletas poderia participar - sendo o objetivo do jogo manter a bola em movimento por cima da rede, de um lado para o outro.

Após assistir à demonstração e ouvir as explicações de Morgan, o professor Alfred T. Halstead chamou a atenção para a ação do vôo da bola por cima da rede (voleio), sem tocar o chão, e propôs que o nome Mintonette fosse substituído por Volley Ball. O nome foi aceito por Morgan e pela conferência, permanecendo desta forma até 1952, quando o Comitê Administrativo da então Associação de Volley Ball dos Estados Unidos votou pela pronúncia do nome em apenas uma palavra, passando para a forma definitiva Volleyball.

Na conferência, Morgan deu uma cópia manuscrita das regras aos outros professores como um guia para o uso e o desenvolvimento do esporte. Então, um comitê foi formado para estudar as regras e produzir sugestões para o ensino e a promoção do esporte. Em 1897, a prática do vôlei já havia se espalhado por todo o país, levada pelos professores das diversas unidades da YMCA.

O primeiro país estrangeiro a conhecer o esporte foi o Canadá, em 1900, também por meio da associação. O segundo foi Cuba, em 1906, levado pelo oficial do Exército americano Augusto York, que participou da segunda intervenção militar dos EUA na ilha caribenha. A partir daí, Elwood S. Brown levou o esporte para as Filipinas (1910), J. Howard Crocker para a China, Franklin H. Brown para o Japão (1908), dr. J.H. Gray para China e Índia, e outros precursores no México, na América do Sul, Europa e África.

Em 1913, o vôlei já estava presente em toda a Ásia, tanto que foi incluído no programa dos primeiros Jogos Orientais, organizados em Manila, capital filipina. Por muitos anos, o esporte foi praticado segundo as regras ensinadas por Elwood S. Brown, nas quais os times eram formandos por 16 atletas - para permitir um maior número de participantes.

Em 1916, um artigo do Guia de Vôlei Spalding escrito por Robert C. Cubbon estimou que os praticantes de vôlei nos EUA já totalizava 200 mil. Naquele mesmo ano, a YMCA conseguiu que a NCAA (a maior liga de esportes universitários dos EUA) divulgasse o vôlei em seus artigos, contribuindo para o rápido crescimento do esporte entre os jovens universitários.

Em 1918, o número de jogadores por time foi limitado a seis e, em 1922, o número máximo de toques na bola permitido foi fixado em três. Até os anos 30, o vôlei foi praticado mais como uma forma de recreação e lazer, e houve poucas atividades internacionais e competições. Isso devido ao fato que havia diferentes regras em várias partes do mundo. Entretanto, campeonatos nacionais já eram disputados nos países da Europa oriental, para onde o esporte foi levado pelos soldados americanos a partir de 1915, na 1ª Guerra Mundial. Também em função da 1ª Guerra Mundial, o Egito foi o primeiro país africano a descobrir o vôlei.

Em 1924, houve uma demonstração de esportes americanos nas Olimpíadas de Paris (FRA) e o vôlei estava entre eles. No entanto, foi apenas em setembro de 1962, no Congresso de Sofia (Bulgária), que o vôlei foi admitido como esporte olímpico. Sua primeira disputa se realizou nas Olimpíadas de Tóquio (JAP), em 1964, com a presença de dez países no masculino - Japão, Romênia, Rússia, Tchecoslováquia, Bulgária, Hungria, Holanda, Estados Unidos, Coréia do Sul e Brasil. O primeiro campeão olímpico masculino foi a Rússia, a Tchecoslováquia foi a vice e a medalha de bronze ficou com o Japão. No feminino, o Japão também levou o ouro. A Rússia ficou em segundo e a Polônia, em terceiro.

O primeiro Campeonato Mundial foi disputado em Praga, na Tchecoslováquia, em 1949, vencido pela Rússia.

William Morgan, que era conhecido pelo apelido de Armário, devido ao seu porte físico, morreu em 27 de dezembro de 1942, aos 72 anos de idade.

Volei no Brasil

Não se tem registro de quando o vôlei chegou às terras brasileiras. Oficialmente, a primeira competição do esporte no país foi realizada em Recife (PE), em 1915, organizada pela Associação Cristã de Moços (ACM) local, e com regras e regulamento definidos. Assim, tudo leva a crer que o esporte já era praticado informalmente antes desta data. A partir daquele momento, entretanto, colégios de outras cidades pernambucanas passaram a ter o vôlei como uma de suas disciplinas de educação física. Dois anos depois, em 1917, o esporte chegou à ACM de São Paulo.

A primeira competição internacional da qual o Brasil participou foi o 1º Campeonato Sul- Americano, em 1951, mesmo antes da fundação da Confederação Brasileira de Volley Ball (CBV), em 1954. O Sul-Americano foi patrocinado pela então Confederação Brasileira de Desportos (CBD), com o apoio da Federação Carioca de Volley Ball, e aconteceu no ginásio do Fluminense, no Rio de Janeiro, entre 12 e 22 de setembro daquele ano, sendo campeão o Brasil, no masculino e no feminino.

Em 1954, a Confederação Brasileira de Voleibol foi criada com o objetivo de difundir e desenvolver o vôlei no país. Dez anos mais tarde, o vôlei brasileiro marcou presença nos Jogos Olímpicos de Tóquio, quando o esporte fez sua estréia na competição. Assim como no futebol o Brasil é o único país que disputou todas as Copas do Mundo, os sextetos nacionais masculinos de vôlei participaram de todas as edições das Olimpíadas.

A estréia do país em competições em solo europeu foi para a disputa do Campeonato Mundial de Paris (FRA), em 1956, quando a Seleção masculina foi comandada pelo técnico Sami Mehlinsky. O Brasil terminou na 11ª colocação.

Os primeiros títulos importantes conquistados pelas Seleções Brasileiras masculina e feminina aconteceram em Jogos Pan-Americanos. Em 1959, a equipe feminina sagrou-se campeã da competição em Chicago (EUA) enquanto que a masculina foi vice-campeã. O feito da Seleção feminina foi repetido em 1963 em São Paulo, sendo que desta vez a Seleção masculina também foi campeã.

A grande virada do vôlei brasileiro começou em 1975, quando Carlos Arthur Nuzman assumiu a presidência da CBV. Nuzman lutou para que o Brasil sediasse os mundiais juvenis masculino e

feminino em 1977. Apostando na idéia de que marketing e esporte podem caminhar lado a lado, o dirigente atraiu a atenção das empresas para o esporte, o que nas Olimpíadas de Los Angeles possibilitou a criação de uma infra-estrutura permitindo a profissionalização dos atletas, no início da década de 80, e servindo de exemplo para os outros esportes coletivos do país.

Logo os bons resultados começaram a aparecer. O país conquistou a primeira medalha em um torneio de nível mundial na Copa do Mundo do Japão, em 1981, quando a Seleção masculina garantiu a medalha de bronze. No ano seguinte, a mesma equipe sagrou-se vice-campeã mundial na Argentina. Nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, o grupo de William, Renan, Bernard e Cia. conquistou a tão sonhada medalha, de prata. Num crescente, o Brasil chegou ao auge na conquista do ouro olímpico em Barcelona-1992, com a geração de Maurício, Tande, Giovane e Marcelo Negrão.

Depois, vieram a conquista da Liga Mundial, em 1993 e 2001 e, finalmente, o Mundial da Argentina, em 2002, coroando um trabalho primoroso do esporte no país.

Paralelamente, a Seleção feminina também passou a ser sinônimo de competitividade no cenário mundial ao conquistar duas medalhas olímpicas, ambas de bronze, em Atlanta/96 e Sydney/2000, além de três edições do Grand Prix (1993, 1995 e 1997).

E não foi apenas nas quadras duras que os brasileiros mostraram domínio. Nas areias, o Brasil vem dominando o cenário mundial há uma década.

Na estréia do vôlei de praia nos Jogos Olímpicos de Atlanta, um feito histórico: ouro e prata no feminino. Em Sydney, foram duas pratas e um bronze.

O Voleibol

O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados Unidos da América. Este professor de Educação Física, ao procurar criar uma nova atividade que fosse suave e motivante, ao contrário do fatigante e competitivo basquetebol, que se pudesse praticar no Inverno e que não colocasse tantos problemas de material e de ocupação como o ténis, inventou uma nova modalidade, a que chamou de “minonette” e que deu origem ao voleibol dos nossos dias.

William Morgan tentou criar uma atividade de carácter mais recreativo, que se adaptasse aos seus alunos e aos homens de negócios que frequentavam os seus cursos e que simultaneamente exigisse um grande esforço e uma movimentação variada. Ter-se-á inspirado do ténis, uma vez que permaneceu na sua ideia uma rede a dividir o espaço de jogo, ao mesmo tempo que o jogo deveria ser jogado num recinto retangular, entre duas equipas separadas por uma rede, mantendo uma bola em movimento, até que esta tocasse no solo, ou fosse batida para além dos limites do campo.

O número de jogadores não era limitado só tinha de ser igual para ambas equipas. O sistema de rotação era já usado, para que todos jogadores pudessem servir.

Era pois, um jogo que poderia ser jogado em recintos cobertos ou ao ar livre, por um qualquer número de jogadores, que não precisavam de material para bater a bola, pois poderiam fazê-lo com as próprias mãos. A dificuldade estava em arranjar uma bola de grandes dimensões e de pouco peso, que se adaptasse ao tipo de jogo que se havia idealizado.

Como a bola de basquetebol era muito pesada, começou por se usar a sua câmara, o que também se tornava demasiado leve. Foi então que a firma A. G. Spalding & Brothers criou uma bola idêntica à dos tempos atuais.

A primeira demonstração pública deste jogo foi realizada em 1896 no Springfield College, durante uma conferência de diretores de Educação Física do YMCA (Young Man Christian Association). Morgan apresentou duas equipas formadas por cinco jogadores, num campo de 15,35 m de comprimento, por 7,625 m de largura e com a rede colocada a uma altura de 1,98 m.

Durante a exibição o Prof. Alfred Halstead sugeriu a mudança de nome para “Volley-ball” que na sua opinião era mais adaptada ao jogo e com a qual Morgan concordou.

Estavam assim lançadas as bases de um jogo que, sofrendo variadas e profundas alterações, em breve se iria expandir e popularizar por todo o mundo.

As primeiras regras que se conhecem datam de 1896 e foram escritas por J. Y. Cameron, sendo as principais as seguintes:

1- O jogo era constituído por nove innings. Um inning consistia na execução de três serviços por jogador em cada equipa.
2-
Sistema de pontuação - uma equipa só marcava ponto quando possuía o serviço.
3-
A rede não podia ser tocada.
4-
A bola não podia ser agarrada.
5
- A bola podia tocar em qualquer objeto estranho ao jogo e se voltasse novamente à área de jogo podia continuar a ser jogada.
6-
Os jogadores podiam tocar na bola duas vezes consecutivas.
7-
O número de toques era ilimitado.
8-
O número de jogadores por equipa era variável.
9-
O campo tinha 50 pés (15,35 metros) de comprimento, 25 pés (7,625 metros) de largura e a rede estava colocada a uma altura de 6 pés e 6 polegadas (1,98 metros).

À medida que os jogadores foram evoluindo tecnicamente, que as equipas foram aperfeiçoando e melhorando a sua condição física e os conhecimentos tácticos, houve uma natural necessidade de modificar e aperfeiçoar as regras do jogo. Exemplo disso são as alterações feitas no Congresso da FIVB em 24-09-94 em Atenas, especialmente às regras 14.4.1 - "A bola pode ser tocada com qualquer parte do corpo." e 14.4.3 b) - "No primeiro toque da equipa (regra 19.2) a bola pode tocar consecutivamente várias partes do corpo, desde que esses contatos tenham lugar no decorrer da mesma ação." com o intuito de haver cada vez menos paragens no jogo e maior espetacularidade em cada ponto.

As regras do Voleibol sofreram uma evolução ao longo dos tempos, tendo sido introduzidas inúmeras alterações até aos dias de hoje:

1900 - Bola na linha era considerada válida.

Bola que tocasse qualquer objeto exterior ao campo era considerada perdida.

1912 - Introduzida a rotação.

Abolido o conceito de inning e o jogo prolongado até aos 15 pontos.

Proibição dos jogadores tocarem na bola duas vezes consecutivas.

1918 - O número de jogadores por equipa foi fixado em seis.

O número máximo de toques de bola foi limitado a três.

Aparecimento da linha central.

1925 - Apareceu a obrigatoriedade da vantagem de dois pontos, quando as equipas estavam em igualdade a 14 pontos.

Aparecimento do bloco (inicialmente a regra só permitia ao jogador blocador um contato com a bola).

1949 - Apareceu a regra que permitia a penetração do passador e a possibilidade de atacar com três jogadores.

1951 - Adopção da regra que permite passar as mãos por cima da rede durante o bloco e no movimento terminal do remate.

1957 - O tempo de repouso foi reduzido para 30 segundos.

1959 - Estabeleceu-se a largura de 5 cm para as linhas do campo.

1964 - O jogador blocador pode passar as mãos para o campo adversário (bloco ofensivo) e tocar a bola duas vezes sucessivas.

1970 - Apareceram as varetas para delimitarem o espaço de jogo e facilitar a ação dos árbitros.

1976 - Foi adoptada a regra que permite três contatos com a bola após o toque de bloco

1984 - Proibição de blocar a bola proveniente do serviço. Autorização do duplo contato na primeira ação de jogada.

Introdução do 17º ponto como decisivo, em caso de igualdade a 16 pontos.

5º set jogado em sistema de marcação contínua.

Estabelecimento de três minutos de intervalo entre todos os sets.

1992 - Abolido o ponto limite no 5º set. Em caso de igualdade a 14-14 o jogo continua até que uma das equipas obtenha uma vantagem de 2 pontos.

Os jogadores podem tocar a bola com qualquer parte do corpo até ao joelho.

O toque na rede é falta, excepto quando um jogador que não participa na ação toca acidentalmente na rede.

1994 - Mudança da zona de serviço de 3 m para 9 m de largura.

Os jogadores podem tocar a bola com qualquer parte do corpo.

Em Portugal, o voleibol foi introduzido pelas tropas norte-americanas que estiveram estacionadas nos Açores durante a primeira guerra mundial.

O engenheiro António Cavaco, natural da Ilha de S. Miguel, veio para Lisboa cursar engenharia e teve um papel preponderante na divulgação do voleibol, nomeadamente nas Escolas Superiores e Faculdades e com mais incidência na Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico, equipa que dominou o voleibol nacional até à década de sessenta.

A Associação Cristã da Mocidade (A.C.M.), ramo português do Y.M.C.A., teve igualmente uma ação relevante na difusão do voleibol em Portugal e a ela se deve a publicação do primeiro livro de regras escrito em português, bem como a sua importante contribuição para a fundação da Associação de Voleibol de Lisboa fundada em 28 de Dezembro de 1938.

Em 7 de Abril de 1947, foi criada em Lisboa, a Federação Portuguesa de Voleibol, cujo primeiro presidente foi Guilherme Sousa Martins, e que foi uma das fundadoras da Federação Internacional de Voleibol.

O primeiro Campeonato Nacional Masculino disputou-se em 1947 e teve como vencedora a equipa da A.E.I.S. Técnico.

Portugal participou no primeiro Campeonato da Europa em Roma, em 1948, e classificou-se em quarto lugar entre as seis equipas presentes.

A divulgação do voleibol assume, para o educador, uma especial importância, devido ao seu alto valor educativo e por ser um precioso meio de educação integral, isento de violência e com forte apelo à educação coletiva.

Dimensão da Quadra de Voleibol

A quadra de jogo é um retângulo medindo 18m x 9m, circundada por uma zona livre de no mínimo 3m de largura em todos os lados.

Voleibol

Linhas da Quadra: Todas as linhas têm uma largura de 5cm. Devem ser de cor clara, diferente da cor do piso da quadra e de outras linhas quaisquer.

Linhas de Ataque: Em cada quadra, existe uma linha de ataque (linha dos 3 metros), cuja extremidade posterior é desenhada a 3m de distância do eixo da linha central e marca a zona de frente (ataque).

Linhas de Substituição: É delimitada pelo prolongamento imaginário das linhas de ataque até a mesa do apontador.

Altura da Rede: Colocada verticalmente sobre a linha central, instala-se a rede, cuja parte superior é ajustada de acordo com cada categoria (masculino e feminino).

FEMININO:

Iniciantes = 2,00m
Premirim = 2,05m
Mirim 13 = 2,10m
Mirim = 2,10m
Infantil = 2,15m
Juvenil = 2,20m
Sub 17 = 2,24m
Adulto =
2,24

MASCULINO:

Iniciantes = 2,05m
Premirim = 2,10m
Mirim 13 = 2,15m
Mirim = 2,20m
Infantil = 2,35m
Juvenil = 2,40m
Sub 17 = 2,40m
Adullto = 2,43m

A altura da rede é medida no centro da quadra de jogo. A altura da rede (sobre as linhas laterais) deve ter exatamente a mesma altura e não deve exceder a altura oficial em mais de 2cm.

Jogadas Simples do Voleibol

1) Bola Alta

Voleibol

Esta jogada geralmente chamada de bola de segurança, é usada para atacantes lentos, ou quando o passe não chega em condições ideais para o levantador. Bola facilmente marcada pelo bloqueio adversário, podendo receber um bloqueio triplo.

2) Meia Bola

Voleibol

Esta jogada é usada geralmente em jogadas de finta. É um levantamento um pouco mais baixo que a bola alta, dependendo da velocidade do atacante a metade da altura da mesma.

3) Tempo Frente

Esta jogada consiste em desmarcar o atacante de ponta/intermediária(saída de rede), deixando os mesmos com bloqueio simples.É efetuada com o atacante de meio de rede batendo uma bola rápida levantada acima da cabeça do levantador em direção para a entrada de rede(ponta).

Voleibol

4) Tempo Atrás

Voleibol

Esta jogada consiste em desmarcar o atacante de ponta/intermediária(saída de rede), deixando os mesmos com bloqueio simples. É efetuada com o atacante de meio de rede batendo uma bola rápida levantada acima da cabeça do levantador em direção para a saída de rede(intermediária).

5) Chute Ponta

Voleibol

Esta jogada consiste em desmarcar o atacante de ponta, deixando os mesmos com bloqueio simples. É uma bola rápida em direção ao ponta de rede, conseqüentemente atrasando o bloqueador de meio adversário.O atacante receberá esta bola com bloqueio simples ou com um duplo tendo o jogador de meio adversário completamente desequilibrado.

6) Chute Meio

Voleibol

Esta jogada consiste em desmarcar o atacante de ponta/intermediária(saída), deixando os mesmos com bloqueio simples. É uma bola rápida em direção ao meio de rede a uns dois passos a frente do levantador, conseqüentemente deslocando o bloqueador de meio adversário.O atacante receberá esta bola com bloqueio simples de um jogador de meio adversário desequilibrado.

7) China

Voleibol

Esta jogada é efetuada com uma bola chutada a uns dois passos às costas do levantador para o atacante de meio, uma grande finta para um jogada de Chute Ponta.

Jogadas de Fintas do Voleibol

1) Degrau

Voleibol

Esta jogada consiste em desmarcar o atacante de ponta, é efetuada com o atacante de meio de rede batendo uma bola rápida de tempo com o jogador de ponta batendo uma meia bola atrás do mesmo.

2) Desmico

Voleibol

Esta jogada consiste em trombar o bloqueio adversário quando bem efetuada. É feita com o atacante de ponta batendo uma bola rápida de tempo com o jogador de meio de rede batendo uma meia bola atrás do mesmo. O inverso do Degrau.

3) Desmico de Saída

Voleibol

É usada para a mesma finalidade do Desmico normal, mas é feita com o atacante de meio de rede batendo uma bola rápida de tempo com o jogador de saída de rede (intermediária) batendo uma meia bola atrás do mesmo.

4) Between (entre em inglês)

Voleibol

É uma jogada para que o bloqueador de meio adversário atrapalhe o bloqueador de saída/levantador em seu ato de bloqueio. É efetuada com o atacante de meio de rede batendo uma bola de chute-meio e o de ponta batendo uma meia bola entre os dois. Sendo que o meio adversário irá acompanhar o nosso atacante de meio bloqueando a passagem do bloqueio que irá marcar a ponta.

5) Jogada X

Voleibol

É uma jogada para que o bloqueador de ponta adversário atrapalhe o bloqueador de meio em seu ato de bloqueio. É efetuada com o atacante de saída de rede (intermediária) batendo uma bola rápida de tempo, com a atacante de meio batendo uma meia bola atrás do levantador (saída de rede).

Fonte: www.geocities.com/www.prof2000.pt/www.voleimania.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal