Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Vulcão Vesúvio  Voltar

Vulcão Vesúvio

 

As erupções do Vesúvio têm causado enorme perda de vidas humanas ao longo da história, e foram de estudos sobre ele, a partir do final do século XVIII, que surgiu a ciência da vulcanologia.

O Vesúvio é um vulcão ativo, junto da baía de Nápoles, no sul da Itália. Sua altura se modifica a cada erupção e, no fim do século XX, era de 1.280m.

No cume do Vesúvio há uma grande cratera de 600m de diâmetro e 300m de profundidade, proveniente da erupção de 1944. Uma escarpa semicircular, o monte Somma, envolve o cone principal do vulcão pelo lado norte, a partir dos 1.057m de altura. Entre as duas elevações encontra-se o vale do Gigante.

Vulcão Vesúvio
Vesúvio em erupção

O Vesúvio surgiu no pleistoceno, provavelmente há menos de 200.000 anos. Esteve adormecido durante séculos até a violenta erupção do ano 79, que sepultou Pompéia, Herculano e Estábia. Plínio o Moço, que se achava numa localidade a oeste de Nápoles, relatou detalhadamente a catástrofe em duas cartas a Tácito.

A partir de então, registraram-se diversas erupções, até 1036.

Seguiu-se longo período de latência, quando florestas cresceram na cratera, de solo muito fértil.

Três lagos davam de beber aos rebanhos que pastavam por ali.

Terremotos precederam uma nova erupção grave, em 1631. A partir de então, a atividade do vulcão tornou-se cíclica, com estágios de repouso durante os quais a boca do vulcão fica obstruída. Os estágios eruptivos variaram, entre 1660 e 1944, de seis meses a quase 31 anos; os períodos de latência, de 18 meses a sete anos e meio.

Vulcão Vesúvio
Mapa do Vesúvio

O primeiro observatório foi construído na montanha em 1845. Ao redor do vulcão vivem mais de dois milhões de pessoas, em cidades industriais na costa na baía de Nápoles e pequenos centros agrícolas nas encostas setentrionais. Dos vinhedos da região procede o vinho Lacrima Christi. Após a erupção de 1906, plantaram-se florestas nas encostas para proteger a população contra a lava. No século XX, inúmeras estações de observação converteram o Vesúvio num dos vulcões mais vigiados do mundo.

Pompéia, Herculano e Estábias

No ano 79 da era cristã, as cidades romanas de Pompéia, Herculano e Estábias foram soterradas sob cinzas e pedras vulcânicas arremessadas por uma erupção do monte Vesúvio.

A partir do século XVIII, a escavação das ruínas deu a conhecer aspectos da vida econômica, social e religiosa dos romanos.

Histórico

Pompéia (em latim, Pompeii), antiga cidade da Campânia, no sul da Itália, situa-se a 23km a sudoeste de Nápoles. Fundada pelos oscos, caiu sob domínio grego no século VIII a.C. e foi ocupada pelos etruscos no século VII. Invadida pelos samnitas no final do século V a.C., aliou-se a Roma no século III. A cidade participou da guerra civil do século I a.C. e converteu-se em colônia romana. O historiador Tácito relata a eclosão de uma revolta popular no ano 59 da era cristã. Três anos depois, um terremoto danificou os edifícios pompeanos e, em 24 de agosto de 79, uma violenta erupção do Vesúvio, próximo à cidade, cobriu-a com uma camada de seis a sete metros de espessura, composta de lapilli (fragmentos de lava) e cinzas vulcânicas.

Dos vinte mil habitantes, morreram dois mil. Herculano (Herculaneum) situa-se a oito quilômetros a sudeste de Nápoles, em parte sob os alicerces da atual localidade de Resina, o que praticamente impossibilitou o acesso às ruínas.

Sua história, paralela à de Pompéia, interrompeu-se em conseqüência da mesma erupção. Estábias (Stabiae), situada no extremo oriental do golfo de Nápoles, foi também arrasada pela erupção do Vesúvio. Entre as vítimas fatais estava o naturalista Plínio o Velho, comandante da esquadra romana. As pinturas murais encontradas são comparáveis às de Pompéia e Herculano.

Escavações

As ruínas de Pompéia foram descobertas no final do século XVI. As escavações, que representaram o começo da arqueologia moderna, iniciaram-se em 1709, em Herculano, e em 1748, em Pompéia. Em 1860, os trabalhos arqueológicos se intensificaram e tornaram-se mais sistemáticos, mas foram interrompidos pela segunda guerra mundial. Em Estábias, as pesquisas se reiniciaram em 1949.

Muitos edifícios de Pompéia conservaram-se em perfeito estado, dentre os quais se destacam os do forum ou centro urbano: a basílica (lugar para reuniões públicas), o templo da tríade capitolina (Júpiter, Juno e Minerva), o templo de Apolo, o de Ísis, o mercado e o comitium, edifício onde se realizavam as eleições municipais. Outros conjuntos monumentais são o foro triangular, o anfiteatro, e a palestra ou campo desportivo. Interessantes para os historiadores são as casas particulares, várias delas típicas da classe média provinciana do Império Romano.

Costumam ser elegantes, com átrio e pátio interno, mobiliário austero e alegres pinturas murais. A cidade conta também com inúmeras oficinas, lojas, tabernas e banhos públicos. Também são importantes as casas situadas fora do perímetro urbano, como a de Diomedes e a chamada "vila dos mistérios", onde eram celebrados os cultos ao deus Dioniso.

Em Herculano, cidade menor que Pompéia, as condições de umidade do solo e a espessura dos sedimentos vulcânicos, de 15 a 18m, permitiram a melhor conservação dos restos de madeira, tecidos e alimentos. Suas construções revelam o caráter mais refinado de seus habitantes, supondo-se que se tratava de um local de veraneio para aristocratas e intelectuais. Conta com um dos mais bem conservados anfiteatros da antiguidade.

Vulcão Vesúvio
A erupção do Vesúvio na co-produção BBC/Discovery Channel Pompeia

O museu

Pompéia é um dos maiores centros de estudos arqueológicos na Itália. Nas escavações modernas abandonou-se o hábito de remeter os objetos encontrados para Nápoles. Enquanto possível, continuam no lugar. Só alguns objetos especialmente valiosos ficam no Antiquarium, pequeno museu situado à entrada da cidade. Encontram-se ali alguns cadáveres de pessoas surpreendidas pela catástrofe, e o cadáver de um cão que morreu ao lado do dono, encontrados em 1863.

No resto, teve-se o cuidado de conservar -- mas raramente reconstruir -- as casas, templos, edifícios públicos, lojas e oficinas, assim como o calçamento das ruas, de modo que Pompéia parece hoje uma cidade assombrosamente viva, apenas abandonada por seus habitantes.

A maior atração de Pompéia são as casas. Existe uma casa de cômodos, de dois andares, modestamente mobiliada. Em geral, porém, as casas são espaçosas e até de luxo. Seu estudo é uma das fontes principais de conhecimento da casa romana típica da classe média abastada ou rica, a que nunca falta o jardim central.

Especialmente bem conservada é a luxuosa casa da família dos Vettii; depois, a de Menandro (assim chamada porque nela se encontrou uma estátua do poeta cômico Menandro); e a casa de Trebio Valens.

Vulcão Vesúvio
Peristilo da casa da família Vettii, na cidade romana de Pompéia.

Nas paredes exteriores dessa última casa encontram-se grafitos de propaganda eleitoral, e outros que anunciam espetáculos teatrais.

Pompéia é muito rica em "inscrições" dessa espécie: citam versos de poetas, quase sempre inexatamente, porquanto citados de memória; outros grafitos zombam de avarentos ricos, advertem contra proprietários de tabernas que misturam vinho e água; há um alfabeto, rabiscado por mão de criança; os grafitos que lembram passeios amorosos são em parte sentimentais e em parte pornográficos.

Os afrescos encontrados nas casas de Pompéia e Herculano constituem praticamente o único testemunho dessa arte no mundo greco-latino. Seu descobrimento influiu na configuração da arte neoclássica européia da época napoleônica. Entre os mosaicos, destaca-se o da "Batalha de Alexandre o Grande", da casa pompeana do Fauno.

Célebre também é o mosaico, na porta de uma casa, que mostra um cão furioso, com os dizeres: "Cave canem" (Cuidado com o cão).

Vulcão Vesúvio
Afresco romano que representa a cidade portuária de Estábias, destruída com Herculano e Pompéia, por uma erupção do Vesúvio no ano 79. ( Museu Nacional, Nápoles .)

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Vulcão Vesúvio

O Vesúvio, situado na baía de Nápoles, sul da tália, é o único vulcão ativo do continente europeu.

Ele possui dois picos: o do vulcão, propriamente dito, com 1280 metros de altitude, e no seu lado norte o monte Somma, cuja elevação é de aproximadamente 1000 metros, muito visitado pelos turistas por proporcionar, entre outros motivos, uma magnífica vista das redondezas. Separando os dois grandes montes, o vale do Gigante.

As encostas superiores do Vesúvio são estéreis e cheias de lava petrificada, mas nas inferiores o solo é extremamente fértil. Próximo à base há uma faixa de vinhedos, abaixo dela uma zona de hortas e pomares, e já em terreno plano, circundando a elevação, ergue-se a cidade de Nápoles (conhecida mundialmente como a terra natal da pizza), com um milhão de habitantes (censo de 2001), além de outras localidades próximas que abrigam quatro milhões de pessoas, aproximadamente.

O Vesúvio surgiu há menos de 200 mil anos. Esteve adormecido durante séculos, e seu repouso era tão profundo que em 73 a.C., Espártaco, com vários gladiadores, fugiu da escola de instrução de Cápua, e refugiou-se em sua cratera, onde acampou durante todo o inverno antes de iniciar as operações militares que se tornaram conhecidas sob o nome de Revolta dos Gladiadores. Até que no ano 79 da era cristã o vulcão despertou com violência, entrou em atividade e soterrou ao mesmo tempo as localidades de Pompéia, Herculano e Estabia, espalhando cinzas por todo o sul da Europa. Depois disso, ocorreram novas manifestações em 203, 472, 512, 635, 993, 1036 e 1139, quando então se iniciou um longo período de repouso, durante o qual florestas cresceram na cratera de solo muito fértil, e os vinhedos formados pelos vinicultores quase chegaram a atingir o cume.

Mas no ano de 1631, em nova e tremenda demonstração de sua capacidade destruidora, arrasou a maior parte das localidades existentes à sua volta, matando mais de 3000 pessoas e levando um rio de lava até o mar. Nessa erupção, suas cinzas caíram em Constantinopla (agora chamada Istambul, na Turquia), a mais de 1600 quilômetros de distância.

Meio século depois as erupções passaram a acontecer em espaços de tempo que variavam de seis meses a trinta anos: 1682, 1685, 1689, 1694, 1707, 1737, 1760, 1767, 1779, 1794, 1804, 1805, 1822, 1850, 1855, 1861, 1871, 1872, 1875, 1891, 1895, 1899, 1900, 1903, 1904, 1906, 1913, 1926, 1929 e 1944.

As erupções do Vesúvio têm causado enorme perda de vidas humanas ao longo da história. Na que soterrou as cidades de Pompéia e Herculano com cinzas incandescentes e fragmentos de rochas, entre 24 e 25 de agosto do ano 79, pelo menos 2000 pessoas terão morrido na primeira, acreditando-se, porém, que a maioria dos habitantes da segunda conseguiu escapar a tempo do desastre. Na do ano de 1631, 4000 pessoas foram vitimadas. Recentemente foi divulgada a informação (*) de que arqueólogos italianos encontraram na cidade de Nola, próxima a Nápoles, restos bem preservados de uma povoação que existiu na Idade do Bronze (a Idade do Bronze Atlântica ocorreu no período 1300 – 700 a.C.), mostrando pessoas que provavelmente tentavam fugir do local. O estudo e a avaliação desses vestígios permitiram concluir que na ocasião o vulcão iniciou sua atividade eruptiva de forma moderada, lançando pela cratera materiais sólidos que cobriram de cinzas incandescentes uma área de 25 quilômetros ao seu redor, queimando e destruindo tudo o que se encontrava nessa área.

Segundo os técnicos, nesse tipo de erupção, as roupas e os cabelos das pessoas logo se incendeiam e elas morrem em uma postura típica, com braços e pernas erguidos devido ao intenso calor intenso, que contrai os músculos. Mas na opinião dos investigadores, os habitantes da povoação de Nola aparentemente abandonaram a povoação às pressas, porque nas escavações só foram encontrados restos de quatro cabanas com cerâmica e alguns outros objetos, além dos esqueletos de um cão e nove cabras grávidas dentro de uma jaula; mais pegadas de adultos, crianças e vacas, todas elas cobertas pelas cinzas e materiais sólidos.

A um quilômetro de distância, foram descobertos os esqueletos de um homem e de uma mulher, que morreram sufocados e acabaram soterrados.

Diz a publicação que “A ausência de restos de vítimas noutros locais sugere que a evacuação precoce também deve ter ocorrido na maioria das outras povoações. A prova mais decisiva do êxodo é a descoberta de milhares de pegadas humanas e de animais a 15 quilômetros do Vesúvio e apenas a sete de Nápoles.

O Vesúvio não entra em erupção desde 1944, embora em 1968 ele tenha chegado a ficar ativo, mas sem expelir lava. A suspeita que preocupa os especialistas é a de que se isso voltar a ocorrer, milhares de pessoas poderão morrer em poucos minutos, isso porque se descobriu que uma rocha enorme está obstruindo a boca do vulcão. Por esse motivo, acredita-se que se “acordar” mais uma vez, ele libertará uma nuvem superaquecida de cinzas e gases venenosos.

Os documentos históricos da tragédia de 79 revelam que tudo aconteceu num tempo relativamente curto. A erupção começou às 13 horas do dia 24 de agosto, quando o vulcão expeliu uma enorme quantidade de fumaça muito quente, e doze horas depois ele já teria matado centenas de pessoas.

(*) Proceedings of the National Academy of Sciences

FERNANDO KITZINGER DANNEMANN

Fonte: www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br

Vulcão Vesúvio

Vulcão Vesúvio
Vulcão Vesúvio

O vulcão Vesúvio pertence à categoria dos vulcões compostos e explosivos.

Atualmente, mede 1.282 m. de altura, e sua cratera possui cerca de 800 m. de diâmetro. É um vulcão composto complexo, ou seja, uma extensa união de centros vulcânicos geneticamente, temporalmente e espacialmente relacionados, suas rochas mais antigas datando de cerca de 300.000 anos. Estas rochas, colhidas próximas ao vulcão, provavelmente faziam parte do vulcão Somma, também composto, que entrou em colapso cerca de 17.000 anos atrás, formando uma estrutura do tipo denominado “caldeira”. A partir de então, o Vesúvio começou a se formar.Originalmente, ele apresentava uma aparência clássica em forma de cone, mas uma série de erupções na época pré-histórica, entre 15.000 e 3.800 A.C., modificou sensivelmente seu aspecto. Violentas explosões provocaram o desabamento de seu topo, fazendo surgir uma nova formação de um cone vulcânico em seu cume, no interior de uma câmara magmática mais ampla.

Strabão (64 A.C. – 24 D.C.), é testemunha valiosa descrevendo o aspecto do Vesúvio antes de sua erupção de 79, em sua obra “Geografia” ( volume V, parágrafos 4-6 ). Ele diz: “dominando esta região eleva-se o Vesúvio, totalmente recoberto de campos soberbos, exceto em seu topo, onde se apresenta quase em sua totalidade plano, mas totalmente estéril e de aparência cinzenta. Ali, o monte possui cavidades e fissuras revelando, na superfície, rochas fuliginosas que parecem ter sido calcinadas. É de se supor que este lugar foi outrora devorado pelo fogo e que o monte apresentava crateras hoje extintas, uma vez que as matérias combustíveis tornaram-se cada vez mais raras. Provavelmente é esta uma das razões da fertilidade das terras dessa região, como em Catânia, onde dizem que as regiões circunvizinhas foram cobertas pelas cinzas lançadas pelo fogo do Etna, tornando a terra propícia, particularmente, à vinicultura.”

Strabão suspeitava, com acerto, do que se tratava o belo monte Vesúvio!

Contrariamente, outro documento permite compreender a idéia que os pompeianos faziam da montanha: na chamada Casa do Centenário ( região IX, insulas 8-5 ), no alojamento dos escravos, um larárium representa Baco em primeiro plano, o corpo coberto por um cacho gigante de uvas, com seu tirso e uma pantera, tendo por trás de si um monte coberto de vinhedos ( o Vesúvio? ).

Longe de possuir uma reputação perigosa essa montanha parece, ao contrário, ser a morada do deus, por excelência, das festas e da prosperidade! No entanto, o Vesúvio é um perigoso e mortífero vulcão. Sua erupção de 1631 matou cerca de 3.500 pessoas. Sua última manifestação, em 1944, parece ter encerrado um ciclo eruptivo iniciado em 1631, e causou sérios danos à Nápoles e cidades vizinhas. Atualmente, as autoridades temem uma inesperada erupção e estão constantemente em alerta. Tudo indica que a cratera está novamente obliterada por um tampão de lava solidificada e que, como em 79, haverá uma explosão lançando aos ares esse tampão. Estima-se que numa erupção de proporções moderada, uma área de 7 km. de raio em torno do vulcão, poderá ser destruída.

Atualmente, um milhão de pessoas vivem nesta área. A antiga Pompéia, dista cerca de 8 km. da cratera…

Vulcão Vesúvio
Antiga Pompéia

Assim é descrita a erupção de 79 pelos estudiosos e vulcanólogos, da qual ouso discordar em certos aspectos e os explico ao propor minha versão particular dos fatos: na manhã de 24 de agosto, por volta das 10 horas, o Vesúvio se revelou após mais de mil anos adormecido. Produziu-se uma terrível erupção que destruiu e soterrou todas as cidades construídas numa vasta região circunvizinha, dentre as quais, Pompéia.

O fenômeno caracterizou-se por uma violenta explosão inicial, que lançou aos ares o tampão de lava solidificada que obstruía a cratera, seguida de outra, no curso da qual formou-se uma coluna eruptiva: atingindo 20 km. de altura, composta de cinzas, gases e pedras-pomes, a nuvem adotou uma forma característica, dita “nuvem em forma de cogumelo” ou “de pinheiro” ( Plínio o Moço a descreve ).

Os dejetos lançados pela cratera preparam sua queda, levados por um forte vento sudoeste soprando em grande altitude.

Situada nesta direção, Pompéia é imediatamente golpeada por uma intensa chuva de lapilli e pedras-pomes, que duram ininterruptamente até a manhã do dia seguinte (questiono: este fato não seria suficiente para por os pompeianos em fuga, além dos incessantes terremotos sacudindo a região?).

Desde o início do meio-dia do dia 24, o acúmulo de pedras-pomes provoca o desabamento dos telhados e faz as primeiras vítimas. Incêndios irrompem causados pela queda das lâmpadas de óleo iluminando a cidade até então mergulhada numa escuridão terrível, provocada pela poeira atmosférica lançada do vulcão, obstruindo a luz do sol.

No dia 25, por volta de 07:30h. da manhã, uma violenta chuva de gás e cinzas em alta temperatura, dita “nuvem ardente”(é a nuvem piroclástica), se abate sobre Pompéia e seus efeitos são devastadores: 2 mil pessoas morrem asfixiadas e incineradas, isto é, cerca de 15% da população.

Os habitantes morrem freqüentemente em grupos, colhidos de surpresa, durante uma fuga desesperada: lado à lado, crianças nos braços dos pais, irmãos e irmãs abraçados uns aos outros.

Duas outras nuvens se abatem, sendo a última a mais desastrosa para Pompéia: ela toma o aspecto e volume de verdadeira torrente de materiais pulverulentos, que destroem as partes altas dos edifícios, sepultando as vítimas das duas nuvens piroclásticas precedentes.

Alguns dias após a erupção, Pompéia e o vale do Sarno aparecem literalmente transformados: uma enorme camada branca recobre tudo. O rio Sarno, obliterado pelos detritos vulcânicos, luta para reencontrar seu curso em direção ao mar.

Próximo à Pompéia, ele não descreve mais um grande arco, mas corre quase em linha reta. A cidade é coberta por uma camada vulcânica de 6 metros de espessura, a qual não impede, porém, que as edificações mais altas e mais resistentes, permaneçam visíveis. Embora o local seja interditado para salvaguarda dos bens daqueles que fugiram, torna-se presa, no entanto, dos saqueadores clandestinos que, ao longo dos anos, cavam túneis e despojam a cidade de suas riquezas. Com o tempo, a natureza segue seu curso e o manto branco em que se tornou a região, cede lugar à uma espessa vegetação. Pompéia cai no esquecimento, sua localização se perde para sempre.

Sobre a Erupção de 79 D.C.

Vulcão Vesúvio
Pompéia destruida

Uma vez conhecido o desenvolvimento histórico de Pompéia, sua urbanização, o comportamento e mentalidade de seus habitantes, buscarei narrar o que me parece a realidade dos fatos. Para tal, é necessário sentir a catástrofe como um morador de Pompéia. Acredito somente assim sermos capazes de vislumbrar a verdade da violenta erupção – e como tudo aconteceu jamais saberemos exatamente.

Após o cismo de 62, a cidade foi reconstruída. Em seus últimos anos de vida, os terremotos na região tornaram-se tão intensos, que o medo levou muitas famílias a venderem suas propriedades por preço irrisório e abandonar a cidade. Sucedeu mesmo uma intervenção imperial buscando expulsar gente da classe baixa que se apossou de bens particulares e terras do governo. Isso é prova de que muitos nobres possuindo propriedades na cidade e seus arredores, para lá já não se dirigiam nos períodos de descanso. Dos 20 mil habitantes estimados na cidade, quantos ainda realmente permaneceram em Pompéia?

Impossível saber. Somente cerca de 2 mil corpos foram encontrados intra muros e acredita-se que a maioria escapou fugindo pelos campos. Sou de opinião que se a região circundante à cidade fosse escavada “a pente fino”, muitos corpos seriam encontrados. É certo que diante de uma catástrofe, todo um povo foge não importa para onde.

Mas consideremos que, fugindo para norte, fosse pela Porta Herculana, do Vesúvio ou de Cápua, a população desesperada ia de encontro ao perigo: o Vesúvio situa-se ao norte. Pela Porta Marina, ganhava-se rapidamente a praia. Talvez quem por aí saiu de imediato, a despeito do mar agitado, tenha sobrevivido.

Se Plínio o Velho desde que avisado da estranha nuvem, decidido a socorrer as pessoas e preparando suas galeras para zarpar de Miseno, tenha para isso se demorado em cerca de uma hora (e quanto tempo levou por mar para se aproximar de Herculanum e Pompéia?); se ele mesmo relata que as praias destas cidades estavam interditadas e era impossível desembarcar, é porque em pouco tempo a fuga por mar , naquela região, tornara-se impossível.

De Pompéia, restam então as saídas ao sul e a leste. Talvez quem por aí fugiu tão logo iniciada a erupção, tenha sobrevivido, uma vez que quem se retardou reunindo seus pertences, certamente pereceu.

Tomemos por base os relatos de Plínio o Jovem e consideremos o início da erupção, conforme ele diz, começando às 13 horas. Nesse instante, em Miseno, sua mãe notificou que uma estranha nuvem aparecera no céu. Plínio – tio e sobrinho – procuraram um local de onde avistá-la melhor. Desde esse momento, até a chegada do pedido de socorro de Rectina e a decisão do almirante em preparar suas esquadras e partir em socorro das vítimas, consideremos que tenha transcorrido cerca de hora e meia.

Foi tempo suficiente para que a colossal nuvem de fumo, cuja altitude estima-se ter atingido mais de 20 km de altura, baixasse sobre Pompéia e as cidades vizinhas, levando a escuridão, o terror e a morte. Deixemos Miseno; vamos nos situar diretamente em Pompéia.

É hora do prandium, refeição o mais das vezes, feita às pressas. Um estrondo terrível enche os ares ( Miseno, distante 30 km a noroeste do Vesúvio, não ouviu o ruído); a terra treme, os pompeianos assustados deixam suas casas.

Aturdidos, eles percebem a nuvem medonha elevando-se do Vesúvio aberto em dois: ela cresce com rapidez espantosa e se ramifica, ora negra, ora branca, a montanha rugindo e sibilando assustadoramente. Então, uma violenta e torrencial chuva de lapilli se abate sobre a cidade. Resulta ela da fragmentação do tampão de lava solidificada que obstruía a cratera do vulcão, lançado aos ares na formidável explosão. O pavor se apodera da população, eles voltam para o interior de suas casas, em busca de abrigo. A nuvem colossal se expande mais ainda, escurece o sol, começa a baixar, vencida pelo próprio peso. A chuva de lapilli é constante, o dia começa a se fazer noite, clarões assustadores emergem da montanha. Muitos fogem. Uma chuva pesada de cinzas incandescentes cai sobre Pompéia.

Quanto tempo transcorreu desde a explosão até este momento? Talvez 15 minutos? Impossível saber. Certo é que o vento soprava para o sul, a nuvem letal atingira as encostas do Vesúvio e se abatia sobre Herculanum, Oplonte, Pompéia, avançando em direção a Stábia. Ela só atingirá Miseno no dia seguinte, quando o vento mudar de direção.

A despeito da escuridão e das pedras pomes que caem , muitos pompeianos permanecem em suas casas. Alguns, apavorados com a intensa chuva de cinzas, o calor insuportável, os abalos sísmicos e o barulho de casas desabando, reúnem seus pertences, dispostos a fugir. A maioria da população se espreme pelas ruas apertadas, golpeada pelas pedras, edifícios que desabam com os violentos tremores, e agora uma chuva torrencial e horrível, de cinzas ardentes, os sufoca e oprime, tamanha sua intensidade! Tentemos imaginar uma turba apavorada, na mais densa escuridão, fugindo às cegas: atropelam-se, tropeçam no que não podem ver, caem num leito de cinzas escaldantes e são pisoteados! As cinzas queimam os olhos, a pele, a roupa, a garganta e sufoca... respirar, como?

Como sobreviver em condição tão terrível? Os que se trancaram em suas casas, quando tentaram fugir, estavam presos: em pouco tempo, as cinzas e dejetos lançados sobre Pompéia tão intensamente, bloquearam a entrada das casas. Estes, aprisionados, sucumbem pelos gases letais e pelas cinzas que lhes sepultam as moradias, seus telhados desabando sob o peso da chuva incessante e ardente.

Sejamos menos dramáticos (?) e suponhamos que não em três, mas no espaço de seis ou oito horas, Pompéia esteja completamente sepultada por todas as escórias lançadas pelo Vesúvio. Ainda assim, é difícil crer que a maioria se salvou. Quem escapou da cidade, morreu pelos campos. Seja pelos gases letais, a chuva de cinzas ardentes, as pedras lançadas da cratera vomitando relâmpagos e magma...qual a temperatura atingida nesta atmosfera opressora, fantasmagoricamente iluminada pelos fogos do vulcão?

Dizem os estudiosos que duas nuvens piroclásticas se abateram sobre Pompéia, a primeira incinerando seus moradores. Discordo: quando esta nuvem escapou do Vesúvio, Pompéia estava totalmente sepultada.

De uma dessas duas nuvens, temos relato de Plínio o Jovem. Mas discordo do fato delas terem incinerado os pompeianos e explico: é sabido que uma nuvem de tal natureza, desce pela encosta dos vulcões à mais de 170 km. por hora, é imprevisível em seu trajeto, atinge mais de 800 graus de calor. Em sua temperatura elevada e com tal velocidade, queima e arrasa tudo que encontra em seu caminho. Quando o Vesúvio lançou sua primeira nuvem piroclástica, se Pompéia não estivesse sepultada, nenhum edifício teria permanecido em pé. Mas existem relatos da época, dizendo que após a erupção, de Pompéia restaram visíveis as partes mais altas do fórum, e alguns edifícios públicos... Porque não desabaram? Porque estavam sepultados por nove metros de cinzas e escórias diversas! A maioria das residências pompeianas está praticamente intacta, perderam seus telhados devido ao peso das cinzas que os fizeram desabar.

Os incessantes tremores não lhes ruíram as paredes, porque Pompéia estava sepultada! Não nos esqueçamos de que muitos estragos ocorridos na cidade deveram-se à exumação sem critério quando de sua descoberta e das bombas lançadas sobre ela durante a segunda Grande Guerra! Para corroborar minha opinião, valho-me do sucedido no início do século XX em Saint Pierre, na Martinica.

O vulcão Pellée, após dar sinais de atividade, numa manhã lançou repentinamente sobre a cidade, uma nuvem piroclástica que incinerou toda a população e arrasou os edifícios até suas fundações! Apenas uma pessoa sobreviveu, um negro prisioneiro na cadeia. Porque o mesmo não sucedeu à Pompéia? Porque a cidade jazia sepultada! Porque esta nuvem mortífera não atingiu Stábia, se o vento continuava soprando de norte para sul? Conforme os relatos, Plínio o Velho desembarcara em Stábia, tomou banho com seu amigo Pomponianus, jantou e foi dormir, afetando despreocupação.

Plínio era um nobre e um naturalista, homem de têmpera moldada pela disciplina do exército romano, gordo, de meia idade, e com um sério defeito congênito: tinha a laringe estreita, o que tornava sua respiração ofegante e certamente a voz rouca e entrecortada.

Ele dormiu em casa de Pomponianus e roncava terrivelmente, porque lhe faltava o ar e a atmosfera em Stábia lhe agravava o problema respiratório. Em meio à noite, ele abandona seus aposentos pelo risco de ficar aprisionado pelo acúmulo de cinzas. Junto com seu amigo e demais pessoas da casa, decide tentar a fuga por mar, a despeito da chuva de cinzas e pedras pomes que caem sobre a cidade.

Pompéia, distante apenas 8 km. do vulcão, já não existe mais! O dia amanhece em Stábia, uma claridade vacilante e incerta. Plínio o Velho está na praia, ofegante, sentado sobre um lençol, contemplando o mar agitado. Um clarão horrendo ilumina tudo, uma nuvem avança ameaçadora. Seus amigos fogem, apavorados com “o fogo que se aproxima e o forte odor de enxofre”. Trata-se da nuvem piroclástica. A primeira? A Segunda? Difícil saber. Ela porém detém seu curso ou muda de direção, caso contrário, o velho sábio seria incinerado juntamente com a cidade. Sufocado e auxiliado por dois escravos, Plínio tenta se erguer, mas cai sem vida. Todos fogem. Quando o drama termina, seu corpo é encontrado intacto, “com suas vestes e a aparência mais de quem dormia, de que de um morto”.

Analisemos agora este momento, pelo relato de Plínio o Jovem, que se encontrava em Miseno. Tenhamos em mente que, quatro horas após o início da erupção, até a morte do almirante em Stábia, Pompéia já não existe.

Desde que foi notada em Miseno, a nuvem ocultou toda a região circunvizinha ao Vesúvio, de modo que “não se sabia de que monte ela surgira”. O vento sopra de norte para sul, o que impede que a nuvem se abata sobre Nápoles e Miseno. Miseno dista cerca de 30 km a noroeste do Vesúvio. Aqui, incessantes tremores abalam a cidade. De acordo com Plínio o Jovem, os tremores se intensificam à noite, e é impossível dormir. Ele e sua mãe vão para o jardim, temendo que a casa desabe. Amanhece, um dia envolto em névoa e pouca claridade. Os tremores se intensificam de tal modo, que todos resolvem fugir para campo aberto. Vai com eles a população assustada. Uma vez transposto os limites da cidade, com horror percebem que “o mar recuava, pois muitos animais marinhos jaziam em seco”. E mais, a terra treme tanto, que nem calçados os veículos permanecem em repouso! O povo é tomado de pânico, ainda mais que “uma nuvem horrenda e negra nos perseguia, rolando como uma torrente pelos campos”. É a nuvem piroclástica! “Ela avançou pelo mar, envolveu a ilha de Capri e roubou a visão do promontório de Miseno”.

É neste instante que o tio de Plínio, distante em Stábia, morre na praia.

Mas o vento mudou subitamente de direção: a nuvem se deteve ao longe... tendo mudado o curso do vento, a nuvem de cinzas avança então sobre Miseno.

Ela oculta o sol empalidecido e, prudentemente, mãe e filho se afastam do caminho, “para não acontecer de serem derrubados e pisoteados pelos que fugiam”.

Mal o fazem, e “uma escuridão como num aposento fechado e sem luz se abate”, “pesada chuva de cinzas cai, tão intensa, que se não nos levantássemos amiúde para sacudí-la, seríamos enterrados por ela”. Embora ainda quente, as cinzas já não queimam, ou Plínio isso mencionaria. Na completa escuridão, o povo foge aos gritos, às cegas, famílias inteiras se desgarrando. Plínio nos fala de relâmpagos cuspidos pelo vulcão, os quais momentaneamente clareavam a escuridão. “Mas a nuvem deteve-se ao longe, e a claridade não era do sol, mas do fogo que se aproximava... contudo fez-se novamente escuro e pesada chuva de cinzas voltou a cair”... A nuvem piroclástica não atinge Miseno!

Quando tudo se aquieta, a paisagem está desfigurada. Mãe e filho retornam a Miseno onde, a despeito dos terremotos e tementes do retorno das cinzas, preferem aguardar notícias do irmão e tio. Estes foram os fatos ocorridos em Miseno, 24 horas após o início da erupção.

Apenas pergunto: o que não sofreu Pompéia, desde o início da catástrofe até o anoitecer daquele triste 24 de agosto?

Quando tudo terminou, a configuração regional da Campânia tinha-se alterado: o mar recuara devido a precipitações das cinzas e lavas expelidas pelo vulcão. O rio Sarno, procurava novo curso, seu antigo leito entulhado de escombros, uma paisagem desoladora era o que restava dos campos floridos e ensombrados por árvores frondosas… Que me perdoem os estudiosos e os vulcanólogos, em Pompéia, ninguém escapou do triste fim reservado pelo destino à Pérola da Campânia!

Sobre Pompéia

De tudo que foi estudado, pesquisado, comparado; de tudo que as escavações na cidade revelaram, a despeito dos saques, depredações e descaso por ela sofrida desde sua exumação, uma coisa é certa: Pompéia era rica!

Rica por ter se tornado importante entreposto comercial. Rica por sua posição geográfica privilegiada. Rica pela cultura que ali se desenvolveu. Rica por possuir habitantes zelosos de sua beleza e conservação.

Pompéia era pacífica, ricos e pobres conviviam em harmonia, nela não havia luta de classes nem discriminação racial.

Era uma cidade habitada por pessoas de classe social elevada, e mesmo sua classe média ou baixa, possuía uma residência decente.

Amada por seu clima, por sua paisagem, pelo seu ar perfumado e sua luz, seu céu de profundo e intenso azul, a sociedade romana nela construiu vivendas luxuosas para desfrutar suas férias de verão. Malgrado suas ruas estreitas, suas calçadas altas e exíguas, sua topografia contida sobre uma camada de lava solidificada e sua depressão, tornando-a uma cidade de altos e baixos, Pompéia se apresentava quase um modelo perfeito de urbanismo e saneamento.

Aquedutos levavam-lhe água e a cidade era abastecida através de encanamentos subterrâneos de chumbo, e mesmo possuía um reservatório para suprir essa necessidade: próximo à porta do Vesúvio, seu trecho mais elevado, erguia-se o Castellum Aquae, o qual através de três encanamentos, supria as fontes das ruas e as residências.

Seus habitantes eram felizes e a amavam, não medindo esforços para embelezá-la mais e mais. Mesmo os bairros mais modestos, possuíam seus atrativos.

Seu Teatro Grande e o Odeon, seus ginásios e suas termas, deixam entrever uma sociedade culta e ciosa do cuidado corporal. Seu Fórum Triangular era um recanto de lazer, uma colina ensombrada por belos arvoredos, donde se descortinava uma visão espetacular da cidade e da paisagem com seus campos floridos, dourados pelo sol da Campânia.

O impacto produzido em todos os que adentravam o recinto sagrado do Fórum, era imenso: os edifícios judiciários, a Basílica, o Eumáquia, todos ao sul, contrastavam em beleza com os templos e os Arcos de Triunfo ao norte. Uma praça resplandecente em seu calçamento branco, suas estátuas que a ornamentavam, seu pórtico em dupla colunata, tudo causava admiração e espanto pela sua riqueza, beleza e imponência!

Pompéia era uma cidade rica e bela! E através dos estudos de documentos e comparativamente a outras cidades da Roma Imperial, não era caro viver em Pompéia.

Cidade de luxo, riqueza e prazer, seus produtos eram baratos, Pompéia gerava de si seu próprio sustento e se bastava, era independente… e seus habitantes se orgulhavam disto!

O gosto pelo belo e a ostentação, os pompeianos refletiram mesmo em suas necrópoles: os mausoléus de Pompéia assemelham-se a uma cidade entrecortada de ruas onde se erguem belas moradas…de eternidade!

Seduzido pela beleza da cidade, Otávio ali construiu o Pagus Augustus Felix, a imperatriz Lívia foi a primeira proprietária da Vila dos Mistérios, Cícero em Pompéia escreveu seu De Officiis.O Vesúvio, morada preferida de Baco, sepultando-a, preservou-a para a posteridade, e hoje, compreendemos porque Pompéia era a “ Pérola da Campânia”.

“HAVE, PULCRA POMPEII, VOBIS OPUS DICATUM”

Fonte: www.companiarte.hpg.ig.com.br

Vulcão Vesúvio

O Vesúvio é um vulcão ativo do tipo composto, que expele material em fluxo intenso. Localiza-se em Nápoles, atingindo uma altura de 1281 metros. Antes da tragédia de Pompéia em 79, o Vesúvio encontrava-se inativo havia 1500 anos. Só foram iniciadas escavações na região em 1739. Elas revelaram ruas, paredes de edifícios e até pinturas inteiras.

Vesúvio entrou em erupção várias vezes na história, tendo sido a erupção mais famosa a de 79. Seguiram-se outras em 472, em 512, em 1036, em 1631, seis vezes no século XVIII, oito vezes no século XIX (com destaque para a de 1872), em 106, em 1929 e em 1944. Não houve nenhuma erupção desde 1944. Em 79, as erupções foram tão grandes que toda a Europa do sul esteve coberta por cinzas; em 472 e em 1631, as cinzas de Vesúvio caíram em Constantinopla (agora chamada Istambul), a mais de 1609 km de distância. É o único vulcão do continente europeu que há quase 19 séculos manifesta atividade regular.

CIDADE DE POMPÉIA

As escavações em Pompéia se iniciaram em 1748, sob os auspícios do monarca Carlos de Bourbon. Foram realizados trabalhos esporádicos, pois não existia uma planta organizada da cidade para conhecer seus limites e principalmente delimitar as áreas de intervenção. O primeiro lugar a ser explorado foi a necrópole do lado de fora da Porta de Herculano. Muitas pinturas em murais foram encontradas e se perderam por desconhecerem a fragilidade do material. O simples contato direto com o objeto foi determinante para o seu desaparecimento.

 

Vulcão Vesúvio
O Vesúvio, visto de Pompeia

O Vesúvio é um vulcão misto, que se encontra em margens de placas destrutivas (margens convergentes), geralmente associados a arcos insulares e a cadeias de montanhas litorais. O magma, rico em sílica, tem essencialmente origem no material da própria placa. As lavas produzidas são muito viscosas e solidificam rapidamente, formando um relevo vulcânico com vertentes abruptas. Segundo outros autores o vulcão é considerado explosivo, mas tendo em conta que, ao longo do seu período de atividade, ocorreram erupções alternadas, é mais carreto designá-lo por misto.

O Vesúvio entrou em erupção várias vezes na história, tendo sido a erupção mais famosa a de 79. Seguiram-se outras em 472, em 512, em 1631, seis vezes no século XVIII, oito vezes no século XIX (com destaque para a de 1872), em 1906, em 1929 e em 1944. Não houve nenhuma erupção desde 1944, cujo fenômeno destruiu duas vilas inteiras. Em 79, as erupções foram tão grandes que toda a Europa do sul esteve coberta por cinzas; em 472 e em 1631, as cinzas de Vesúvio caíram em Constantinopla (agora chamada Istambul), a mais de 1609 km de distância. É o único vulcão do continente europeu que há quase 19 séculos manifesta atividade regular.

Curiosidades

Com 1220 metros de altura, o Vesúvio não entra em erupção desde 1944. Em 1968, chegou a entrar em atividade, mas não expeliu lava. A suspeita levantada por especialistas diz que se ele entrar em atividade novamente mataria milhões de pessoas em apenas alguns minutos.

Os vulcanólogos italianos descobriram que existe uma rocha enorme obstruindo a boca do vulcão, como se fosse uma rolha de garrafa de champanhe. Os pesquisadores acreditam que o Vesúvio libertará uma nuvem super aquecida de cinzas e gases venenosos.

Em 1995, o governo italiano formou uma comissão cujo objetivo é traçar um plano de emergência para o caso de o Vesúvio voltar a entrar em atividade. O principal ponto do plano é evacuar 700 mil pessoas que moram nas áreas de maior risco num período de sete dias.

A sua erupção mais intensa ocorreu no dia 24 de agosto do ano de 79, quando o vulcão entrou em erupção e a lava quente cobriu as cidades de Pompéia e Herculano com uma camada de dois metros de espessura. Em seguida, o vulcão lançou cinzas e pedras que formaram outra camada de dez a quinze metros. Entre 20 mil e 30 mil habitantes morreram sufocados pelas cinzas ou sob os tetos das casas que desabavam.

Os documentos históricos dizem que a tragédia do ano 79 aconteceu num tempo relativamente curto. A erupção começou às 13h de 24 de Agosto, quando o Vesúvio expeliu uma nuvem super aquecida. Doze horas depois, a erupção já teria matado milhares de pessoas.

Fonte: www.starnews2001.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal