Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Muito Barulho Por Nada (William Shakespeare)  Voltar

Muito Barulho por Nada

William Shakespeare

PERSONAGENS

DOM PEDRO, Príncipe de Aragão.
DOM JOÃO, seu irmão bastardo.
CLÁUDIO, jovem fidalgo de Florença.
BENEDITO, jovem fidalgo de Pádua.
LEONATO, governador de Messina.
ANTÔNIO, seu irmão.
BALTASAR, criado de Dom Pedro.
BORRACHO, seguidor de Dom João.
CONRADO, seguidor de Dom João.
DOGBERRY, condestável.
VERGES, funcionário.
FREI FRANCISCO.
Um Escrivão.
Um Pajem.
HERO, filha de Leonato.
BEATRIZ, sobrinha de Leonato.
MARGARIDA, Criada de quarto de Hero
ÚRSULA, Criada de quarto de Hero.
Mensageiros, guardas, criados, etc.

ATO I
Cena I

Diante da casa de Leonato. Entram Leonato, Hero, Beatriz e outros, com um mensageiro.

LEONATO — Vejo por esta carta que Dom Pedro de Aragão chega hoje à noite a Messina.

MENSAGEIRO — Não deve estar longe; deixei-o a menos de três léguas daqui.

LEONATO — Quantos fidalgos perdestes nesse encontro?

MENSAGEIRO — Apenas alguns oficiais, mas nenhum de nome.

LEONATO — É dupla a vitória, quando o comandante retoma com os seus efetivos. Pelos termos da carta venfico que Dom Pedro conferiu muitas distinções a um jovem, florentino de nome Cláudio.

MENSAGEIRO — Aliás, merecidas de sua parte e com justiça reconheci das por Dom Pedro. Fez mais do que era de esperar de sua idade, realizando sob a figura de cordeiro façanhas de leão, façanhas que excederam tanto a expectativa, ao ponto de não poderdes esperar o relato delas.

LEONATO — Ele tem aqui em Messina um tio que vai ficar alegre com essa notícia.

MENSAGEIRO — Fui portador de cartas para ele que, ao parecer, o deixaram tão alegre, que a alegria não pôde manifestar-se modestamente, senão com uma ponta de tristeza.

LEONATO — Desatou a chorar?

MENSAGEIRO — Que não tinha mais fim.

LEONATO — Comovente excesso de delicadeza! As faces mais leais são as que se lavam desse modo; vale muito mais chorar de alegria do que alegrar-se com o choro.

BEATRIZ — Podereis informar-me, por obséquio, se o senhor Trincaferros já regressou da guerra?

MENSAGEIRO — Não sei a quem vos referis, senhorita; no exército não havia nenhum oficial com esse nome.

LEONATO — Sobrinha, de que pessoa estás pedindo notícias?

HERO — Minha prima se refere ao senhor Benedito, de Pádua.

MENSAGEIRO — Ah! Já regressou, e mais prazenteiro do que nunca.

BEATRIZ — Ele fixou aqui em Messina um edital de desafio a Cupido, para uma competição de arco. Tendo lido o seu cartel, o bobo do meu tio o subscreveu em nome de Cupido e o desafiou para o tiro aos pássaros. Por obséquio: nesta guerra, quantos inimigos ele matou e cometeu? Ou melhor: quantos ele matou? Sim, que eu me comprometi a comer todos os que ele matasse.

LEONATO — Realmente, sobrinha, sois implacável com o senhor Benedito; mas o de que não tenho dúvida é que ele saberá encontrar-te.

MENSAGEIRO — Ele prestou relevantes serviços nesta guerra.

BEATRIZ — É que tínheis mantimentos estragados, que ele ajudou a consumir; é que um comilão de marca, dotado de excelente estômago.

MENSAGEIRO — Em compensação, senhorita, é um soldado valoroso.

BEATRIZ — Em compensação para senhoritas; mas em frente de um guerreiro, como se comporta?

MENSAGEIRO — Guerreiro para guerreiro, homem para homem. É um cavalheiro estofado de todas as qualidades honrosas.

BEATRIZ — É isso mesmo; não passa de um indivíduo estofado. Mas quanto à qualidade do enchimento... Ora bem, somos todos mortais.

LEONATO — Meu caro senhor, não deveis interpretar mal as palavras de minha sobrinha; entre ela e o senhor Benedito há uma espécie de guerra de epigramas; não se encontram sem que se peguem em alguma escaramuça de espírito.

BEATRIZ — Infelizmente ele não ganha nada com isso. No último encontro, saiu com quatro espíritos estropiados, tendo desde então ficado a sua pessoa sob o governo de um somente. De forma que se ainda lhe restar suficiente espírito para se aquecer, será de toda conveniência que o conserve bem, para poder diferençar-se do seu cavalo, pois não dispõe de mais nada que o faça passar por criatura racional. Quem é agora o seu irmão de armas? Sim, que ele tem um por mês.

MENSAGEIRO — Será possível?

BEATRIZ — Muito facilmente possível; a lealdade, para ele, é como a forma do chapéu, mudável com os caprichos da moda.

MENSAGEIRO — Pelo que vejo, senhorita, esse gentil-homem não se acha inscrito em vosso livro de notas.

BEATRIZ — Não; que se o estivesse, eu queimaria o livro. Mas dizei-me, por obséquio; quem é mesmo o seu irmão de armas? Não apareceu nenhum Ferrabrás de poucos anos que se dispusesse a fazer com ele uma viagem para o diabo?

MENSAGEIRO — Ele é sempre visto na companhia do muito nobre Cláudio.

BEATRIZ — Oh Senhor! Vai grudar-se-lhe como uma doença! Pega mais do que a peste, ficando a vítima imediatamente louca. Deus proteja o nobre Cláudio! Se ele está contaminado de Benedito, nem por mil libras poderá curar-se.

MENSAGEIRO — Desejam firmar amizade convosco, senhorita.

BEATRIZ — Pois não, bom amigo.

LEONATO — Nunca vireis a ficar louca, sobrinha.

BEATRIZ — É certo; enquanto não tivermos um janeiro quente.

MENSAGEIRO — Dom Pedro vem chegando.

(Entram Dom Pedro, Dom João, Cláudio, Benedito, Baltasar e outros.)

DOM PEDRO — Meu caro senhor Leonato, viestes ao encontro de incômodos. É costume de todo o mundo evitar despesas, mas vós as estais procurando.

LEONATO — Jamais vieram incômodos a esta casa sob a forma de Vossa Graça; porque, sempre que os incômodos partem, nos fica o sossego; ao passo que, com a vossa saída, remanesce a tristeza e se despede a alegria.

DOM PEDRO — Aceitais de muito bom grado o peso do fardo. Quero crer que esta é vossa filha?

LEONATO — Isso mesmo a mãe dela me afirmou muitas vezes.

BENEDITO — Tínheis alguma dúvida, para lho perguntardes?

LEONATO — Não, senhor Benedito, porque naquele tempo ainda éreis criança.

DOM PEDRO — A resposta vos pegou de cheio, Benedito. Só por isso imaginamos o que deveis ser depois de homem feito. Em verdade, a filha revela a filiação nos traços fisionômicos. Sêde feliz, senhorita, porque vos pareceis com um pai honrado.

BENEDITO — Se o senhor Leonato for o pai dela, sou capaz de apostar por toda Messina em como ela não traria a cabeça sobre os ombros, por mais que se pareça com ele.

BEATRIZ — Admira-me de que ainda insistais em dizer alguma coisa, senhor Benedito; ninguém vos dá atenção.

BENEDITO — Oh, prezada senhorita Desdém! Ainda estais viva?

BEATRIZ — Como poderia morrer o Desdém, se para alimentar-se encontra matéria da espécie do senhor Benedito? Onde quer que apareçais, a própria Cortesia se transforma em desdém.

BENEDITO — É porque a Cortesia gosta de virar casaca. Mas uma coisa é certa: com exceção de vós, todas as mulheres se apaixonam por mim. Só desejara que o coração me dissesse que eu não sou duro de coração, porque, para ser franco, não dedico amor a nenhuma.

BEATRIZ — O que constitui verdadeira felicidade para as mulheres, que, desse modo, ficam livres de um galanteador importuno. Dou graças a Deus por ter o sangue frio; nesse ponto nos parecemos. Prefiro ouvir meu cachorro latir para uma gralha a ouvir um homem dizer que me dedica amor.

BENEDITO — Deus conserve sempre Vossa Senhoria com semelhante disposição, que, desse modo, um gentil-homem honesto evitará no rosto os arranhões que o Destino lhe tenha reservado.

BEATRIZ — Se ele tiver um rosto como o vosso, os arranhões não o deixarão pior.

BENEDITO — Daríeis uma excelente professora de papagaios.

BEATRIZ — É preferível uma ave da minha língua a um animal da vossa.

BENEDITO — Só quisera que o meu cavalo fosse tão veloz quanto vossa língua e que possuísse tão bom fôlego. Mas em nome de Deus, prossegui vosso caminho; já terminei.

BEATRIZ — Terminais sempre com alguma partida de sendeiro. Não é de hoje que vos conheço.

DOM PEDRO — Em resumo, é isso, Leonato... Senhor Cláudio e senhor Benedito, o meu prezado amigo Leonato estende a vós ambos o convite. Comuniquei-lhe que devemos demorar aqui pelo menos um mês, desejando ele de coração encontrar oportunidade para nos deter por mais tempo. Atrevo-me a jurar que não é hipócrita e que seus votos lhe brotam do mais fundo do coração.

LEONATO — Se jurardes, milorde, que vos tomareis perjuro. (A Dom João.) Sede bem-vindo, milorde; uma vez que vos reconciliastes com o príncipe vosso irmão, ponho-me ao vosso inteiro dispor.

DOM JOÃO — Obrigado; não sou de muitas palavras, mas agradeço-vos.

LEONATO — Apraz a Vossa Graça passar na frente?

DOM PEDRO — Vossa mão, Leonato; iremos juntos.

(Saem todos, com exceção de Benedito e Cláudio.)

CLÁUDIO — Benedito, viste a filha do senhor Leonato?

BENEDITO — Olhei para ela mas não a vi.

CLÁUDIO — Não é uma jovem de aparência virtuosa?

BENEDITO — Interrogais-me como o faz todo homem honesto, para ficardes conhecendo minha opinião sincera, ou desejais que vos fale como de costume, na qualidade de inimigo declarado do sexo a que ela pertence?

CLÁUDIO — Não; desejo que me fales com toda a isenção de ânimo.

BENEDITO — Então, por minha honra, sou de opinião que ela é muito baixa para um alto louvor, muito morena para um belo louvor e muito pequena para um grande louvor. O máximo que eu posso conceder a favor dela é que se ela fosse diferente do que é, não seria bonita, e não sendo senão o que é, não me agrada.

CLÁUDIO — Pensas que estou brincando; peço-te que me digas com sinceridade que tal a achaste.

BENEDITO — Tencionais comprá-la, para tirardes informações a seu respeito?

CLÁUDIO — Poderia o mundo todo comprar semelhante jóia?

BENEDITO — Sim, a jóia e mais o escrínio. Mas estás falando seriamente, ou estás fazendo o papel de zombador, para nos dizeres que Cupido é um bom caçador de lebres e Vulcano um carpinteiro admirável? Vamos, declarai logo a clave em que precisamos ficar para que vos acompanhemos no canto.

CLÁUDIO — Para os meus olhos, é a mais encantadora criatura que eu tenho visto.

BENEDITO — Pois eu ainda posso ver sem óculos e não enxergo isso. Aí está sua prima que se não fosse a fúria de que é possuída, a excederia tanto em formosura como o faz o primeiro dia de maio com o último de dezembro. Mas espero que não estejas com idéia de virar marido, não?

CLÁUDIO — Se eu tivesse jurado o contrário, não confiaria em mim mesmo, no caso de Hero consentir em se tornar minha esposa.

BENEDITO — Chegamos a esse ponto? Já não terá o mundo um só homem que não ponha o gorro na cabeça com cuidado? Não poderei ver nunca um solteirão de sessenta anos? Se assim é, não demores; se estás tão desejoso de pôr o pescoço na canga, deixa-te marcar logo pelo jugo e suspira os domingos perdidos. Olha! Dom Pedro vem vindo à tua procura.

(Volta Dom Pedro.)

DOM PEDRO — Que segredo vos deteve aqui, para não entrardes na casa de Leonato?

BENEDITO — Desejara que Vossa Graça me obrigasse a vo-lo revelar.

DOM PEDRO — Intimo-vos a fazê-lo, pela obediência que me deveis.

BENEDITO — Estais ouvindo, Conde Cláudio? Eu posso ser tão discreto quanto um mudo; podeis ficar certo disso. Mas a obediência.., tomai nota: é a obediência que me obriga. Ele está apaixonado... De quem? É o que Sua Graça perguntará... Prestai, agora, atenção no laconismo da resposta de Hero, a pequena filha de Leonato.

CLÁUDIO — Se assim fosse, já estaria declarado.

BENEDITO — É tal qual como nos velhos contos, milorde: Não é assim, não foi assim; permita Deus que não venha a ser assim.

CLÁUDIO — Se minha paixão não se modificar em pouco tempo, não permita Deus que seja por outro medo.

DOM PEDRO — Amém, se lhe tendes amor, porque ela é merecedora disso.

CLÁUDIO — Falais assim para sondar-me, milorde.

DOM PEDRO — Por minha fé, estou dizendo o que penso.

CLÁUDIO — O mesmo se dá comigo, milorde; por minha fé.

BENEDITO — E comigo também, milorde; por minha dupla honra e minha dupla fidelidade.

CLÁUDIO — Sinto que lhe tenho amor.

DOM PEDRO — Sei que ela é digna disso.

BENEDITO — Enquanto a mim, nem sinto como ela possa ser amada, nem sei como possa ser digna disso; o próprio fogo não me tiraria do corpo semelhante convicção; morrerei na fogueira convencido disso.

DOM PEDRO — Sempre foste um herege obstinado no menoscabo à beleza.

CLÁUDIO — Sem muita força de vontade ele não se poderia ter conservado nessa posição.

BENEDITO — O ter sido eu concebido por uma mulher lhe assegura os meus agradecimentos; o fato de me ter ela criado, me deixa, igualmente, reconhecido; mas vir eu a ter na fronte uma buzina de chamar cães ou a pendurar meu corno em um boldrié invisível, é o que todas as mulheres me perdoarão. Por não querer fazer-lhes a injustiça de desconfiar de alguma delas, reservo-me o direito de não confiar em nenhuma. A conclusão — que só redundará em proveito para mim — é que desejo continuar solteiro.

DOM PEDRO — Antes de morrer ainda hei de te ver pálido de amor.

BENEDITO — De cólera, de doença ou de fome, milorde; não de amor. Se em qualquer tempo provardes que eu perdi mais sangue com o amor do que possa recuperar com o vinho, arrancai-me os olhos com a pena de um fazedor de baladas e pendurai-me à porta de um bordel, como emblema do cego Cupido..

DOM PEDRO — Seja; se em algum tempo te mostrares infiel a esse princípio, fornecerás ótimo assunto para as sátiras.

BENEDITO — Se o fizer, colocai-me em uma garrafa, como um gato, para servir de alvo de pontaria, e batei amigavelmente no ombro de quem acertar em mim, dando-lhe o nome de Adão.

DOM PEDRO — Está bem; o tempo o provará. Há de chegar o tempo em que, no jugo, se curve o altivo touro.

BENEDITO — O altivo touro pode fazê-lo; mas, se em algum tempo o sensato Benedito se dobrar sob o jugo, tirai os cornos ao touro e colocai os em minha fronte, mandando que um troca-tintas qualquer pinte o meu retrato e, com letras bem grandes, como nos avisos: “Aqui se vende um bom cavalo”, escreva embaixo do quadro: “Aqui podeis ver Benedito, o homem casado”.

CLÁUDIO — Se isso chegasse a acontecer, ficarias um louco de chifres.

DOM PEDRO — Está bem; se Cupido não esvaziou o carcás em Veneza, dentro de pouco tempo hás de tremer, para castigo de tua rebeldia.

BENEDITO — Sim, se houver na hora algum tremor de terra.

DOM PEDRO — Bem, sabereis acomodar-vos às circunstâncias. Mas por enquanto, senhor Benedito, ide à casa de Leonato, apresentai-lhe meus cumprimentos e dizei-lhe que não faltarei à ceia, pois é certeza ter ele feito grandes preparativos.

BENEDITO — Reconheço-me dotado de capacidade suficiente para semelhante embaixada. Com isso, eu vos entrego...

CLÁUDIO — ... à proteção de Deus. Datada em minha casa, se casa eu possuísse...

DOM PEDRO — ... aos seis de julho. Do amigo certo, Benedito.

BENEDITO — Nada de zombarias, nada de zombarias. O assunto de vossos discursos, apresenta, por vezes, moldura de pedacinhos muito mal ajustados. Antes de dizerdes graças antiquadas, deveis examinar a consciência. E com isso me despeço. (Sai.)

CLÁUDIO — Poderá Vossa Alteza ora ajudar-me?

DOM PEDRO — Ao teu dispor o meu amor se encontra: dá-lhe lições, para que vejas logo quão facilmente tudo ele assimila, uma vez que te seja de vantagem.

CLÁUDIO — Leonato tem mais filhos, caro príncipe?

DOM PEDRO — Além de Hero, nenhum, que é sua única herdeira. Estás gostando dela, Cláudio?

CLÁUDIO — Oh, milorde! Ao partirdes para a guerra que ora se acha concluída, apenas olhos de soldado lhe pus, aos quais seu todo parecia agradável, sem que a rude tarefa com que então me defrontava dar o nome de amor me consentisse a essa impressão primeira. Mas agora, já de retorno, quando os pensamentos guerreiros abandonam seus lugares, desejos delicados e inefáveis afluem para aí, todos instando comigo sobre o encanto irresistível da bela e jovem Hero e proclamando-me que antes de ir para a guerra eu já a adorava.

DOM PEDRO — És qual apaixonado que, com um livro de palavras, aturdes os seus ouvintes. Se amas a Hero formosa, não desistas. Junto dela e do pai, hei de empenhar-me para que tua, alfim, ela se torne. Não foi para esse fim que te puseste a me desenrolar tão linda história?

CLÁUDIO — Como tratais com jeito os namorados cuja doença no rosto se revela! O medo, tão-somente, de que a minha paixão vos parecesse muito súbita me levou a aplicar-lhe o paliativo de um discurso com tantos circunlóquios.

DOM PEDRO — Por que fazeres mais comprida a ponte do que a largura máxima do rio? Tens a necessidade como escusa. O recurso está à mão. Que amas, é certo; de mim dependerá dar-te o remédio. À noite, ouvi dizer, vai haver baile. Nessa ocasião, com tal ou qual disfarce, farei o teu papel, apresentando-me como Cláudio à linda Hero, para ao colo lhe despejar quanto no peito eu tenha e o ouvido cativar-lhe ao só embate de uma história de amor, irresistível. Depois, ao pai direi o que se passa. A conclusão é que ela será tua. Ponhamos logo em prática esse plano.

(Saem.)

Cena II

Um quarto na casa de Leonato. Entram Leonato e Antônio, por lugares diferentes.

LEONATO — Então, mano! Onde se encontra meu sobrinho, teu filho? Ele já providenciou sobre a música?

ANTÔNIO — Está dando os passos para isso. Mas, mano, vou contar-te notícias estranhas, com que não poderias nem sonhar.

LEONATO — São boas?

ANTÔNIO — Conforme a cunhagem dos acontecimentos; mas a estampa é das melhores. Um dos meus criados ouviu uma conversa entre o príncipe e o Conde Cláudio, quando passeavam numa das alamedas sombreadas do meu jardim. O príncipe contava a Cláudio que estava apaixonado de minha sobrinha, vossa filha, e que pretendia revelar-lhe isso mesmo, durante o baile desta noite, e mais: que no caso de obter o seu consentimento, viria falar-vos sem demora.

LEONATO — Revela senso o homem que vos contou semelhante coisa?

ANTÔNIO — É um rapaz esperto. Vou mandar chamá-lo; vós próprio o interrogareis.

LEONATO — Não, não! Encaremos o caso como um sonho, até que se torne realidade. Mas é bom que minha filha seja informada do que se passa, a fim de preparar a resposta, no caso de ser verdadeira a notícia. Ide falar-lhe. (Várias pessoas atravessam a cena.) Primos, sabeis o que tendes a fazer? Oh, perdão, amigo! Vinde comigo, para que eu me valha de vossa capacidade. Muito cuidado nesta azáfama, caro primo!

(Saem.)

Cena III

Outro quarto da casa de Leonato. Entram Dom João e Conrado.

CONRADO — Que tendes, milorde? Por que vos achais triste assim, tão fora de medida?

DOM JOÃO — Sendo fora de medida as causas de minha tristeza, forçoso é que ela seja ilimitada.

CONRADO — Devíeis escutar a voz da razão.

DOM JOÃO — Depois de a escutar, que proveito me virá disso?

CONRADO — Se não um remédio eficaz, resignação paciente.

DOM JOÃO — Admira-me de que tu, nascido, como o disseste, sob Saturno, te esforces por aplicar medicina moral num mal incurável. Não sei fingir: é forçoso ficar eu triste, quando tiver causa para tanto, sem que nenhum gracejo consiga fazer-me sorrir; preciso comer, quando tiver vontade, sem ter de esperar por ninguém; dormir, quando estiver cabeceando, sem ficar dependendo de negócios dos outros; rir, quando estiver alegre, sem precisar adular a disposição de pessoa nenhuma.

CONRADO — É certo; mas não ficará bem estadeardes todas essas disposições, enquanto não puderdes fazê-lo sem contradição. Recentemente vos rebelastes contra vosso irmão, que acaba de vos receber novamente em sua graça, na qual não podereis lançar raízes, a não ser com o bom tempo que vós mesmo ensejardes; é necessário preparardes a estação para o que tiverdes de colher.

DOM JOÃO — Prefiro ser lagarta em uma sebe a ser rosa na graça do meu irmão. Acomoda-se melhor com meu sangue ser desprezado por todos do que conformar os meus atos de modo que roubem a afeição de quem quer que seja. A esse respeito, se não se pode dizer que eu sou um adulador honesto, não se me negará o título de vilão sincero. Confiam em mim, amordaçando-me, e deixam-me livre depois de peado; por isso, determinei não cantar em minha gaiola. Se eu estivesse com a boca livre, morderia; se estivesse em liberdade, faria o que bem me parecesse. Mas até lá, deixai-me ser o que sou, sem procurardes modificar-me.

CONRADO — Não podeis tirar nenhum proveito de vosso descontentamento?

DOM JOÃO — Valho-me dele como posso, pois não faço outra coisa. Mas quem vem vindo aí? (Entra Borracho.) Que novidades há, Borracho?

BORRACHO — Acabo de sair de uma ceia lauta; o príncipe, vosso irmão, está sendo regiamente tratado por Leonato, podendo eu comunicar-vos que há um casamento em perspectiva.

DOM JOÃO — Poderá servir-nos de alicerce para sobre ele levantarmos qualquer maldade? Qual é o imbecil que pretende desposar a inquietação?

BORRACHO — Ora, o braço direito do vosso mano.

DOM JOÃO — Quem? O esquisito Cláudio?

BORRACHO — Ele mesmo.

DOM JOÃO — É um cavaleiro de mão cheia! Com quem? Com quem? Para que lado lançou ele a vista?

BORRACHO — Para o lado de Hero, a filha e herdeira de Leonato.

DOM JOÃO — Aquela franguinha de março? Como ficaste sabendo disso?

BORRACHO — Ao defumar um quarto úmido, cuja limpeza me tocara, vai chegar o príncipe e Cláudio, de mão dadas, em conferência muito séria. Esgueirei-me para trás da cortina e pude ouvir, quando combinavam que o príncipe faria por conta própria a corte a Hero e, uma vez obtido o seu consentimento, a cederia ao Conde Cláudio.

DOM JOÃO — Vamos, vamos para lá! Isso poderá dar pábulo para o meu descontentamento. Esse moço aventureiro se locupletou com a minha derrota. Se houver qualquer jeito para eu me atravessar em seu caminho, de todo jeito eu me bendirei. Sois de confiança e estais dispostos a me ajudar?

CONRADO e BORRACHO — Até à morte, milorde.

DOM JOÃO — Vamos para a grande ceia. A alegria deles é tanto maior por me saberem humilhado. Ah! se o cozinheiro pensasse do mesmo modo que eu! Vamos ver o que é possível fazer.

BORRACHO — Estamos ao inteiro dispor de Vossa Senhoria.

(Saem.)

ATO II
Cena I

Uma sala em casa de Leonato. Entram Leonato, Antônio, Hero, Beatriz e outros.

LEONATO — O Conde João não esteve na ceia?

ANTÔNIO — Não o vi.

BEATRIZ — Que gentil-homem de feições carrancudas! Nunca o vejo sem que uma hora depois ainda esteja com azia.

HERO — É de temperamento demasiadamente melancólico.

BEATRIZ — O homem perfeito seria o que representasse o meio-termo exato entre ele e Benedito: um não fala coisa nenhuma, parece retrato; o Outro é como o filho mais velho da senhora morgada, vive sempre a tagarelar.

LEONATO — Assim sendo, meia língua do senhor Benedito na boca do Conde João e metade da melancolia do Conde João no rosto de Benedito...

BEATRIZ — ... além de bonitas pernas e bons pés, meu tio, e bastante dinheiro na bolsa: semelhante indivíduo conquistaria qualquer mulher, com a condição, bem entendido, de lhe obter as graças.

LEONATO — Por minha fé, sobrinha, com língua tão mordaz, nunca chegarás a arranjar marido.

ANTÔNIO — De fato, é muito maldosa.

BEATRIZ — Muito maldosa é mais do que maldosa simplesmente. Isso E me fará perder parte do quinhão das dúvidas da Providência, por estar escrito: Deus deu chifres curtos à vaca maldosa; mas deixou sem chifres à muito maldosa.

LEONATO — Sendo assim, por serdes muito maldosa, Deus não vos fará presente de chifres?

BEATRIZ — Justamente, não me dando marido, felicidade que não me canso de agradecer, de joelhos, desde pela manhã até à tarde. Oh, Senhor! Não me seria possível suportar um marido barbado. Prefiro dormir na lã.

LEONATO — Nesse caso, poderias arranjar um marido imberbe.

BEATRIZ — E que faria com ele? Vesti-lo com minhas roupas, para fazer dele minha criada de quarto? O indivíduo com barba é mais do que um rapaz e o imberbe menos do que um homem. Ora, sendo mais do que um rapaz, não me serve; sendo menos do que um homem, não lhe sirvo eu. Por isso, prefiro receber os seis pences de salário do guardador de ursos e conduzir para o inferno todos os seus macacos.

LEONATO — Assim sendo, ireis para o inferno?

BEATRIZ — Não, até à porta, somente, onde o diabo, como um velho cabrão de chifres na testa, me virá encontrar e me dirá: “Vai para o céu, Beatriz! Vai para o céu! Aqui não há lugar para donzelas”. Nesse passo, far-lhe-ei a entrega dos meus macacos e subirei diretamente para São Pedro, no céu, que me mostrará o lugar dos celibatários, onde passaremos felizes o dia todo.

ANTÔNIO (a Hera) — Espero, sobrinha, que vos deixareis dirigir por vosso pai.

BEATRIZ — Sem dúvida. A prima está na obrigação de fazer uma reverência e de dizer: “Como for do vosso agrado, meu pai”. Mas apesar disso, prima, que seja um rapaz simpático; caso contrário, faze outra reverência e dize: “Como for do meu agrado, meu pai”.

LEONATO — Espero, sobrinha, ainda vos ver provida de marido.

BEATRIZ — Isso só poderá acontecer depois que Deus fizer os homens com outra substância que não a terra. Pois não constituirá ofensa para uma mulher ver-se dominada por um bloco de poeira insolente? Não, tio; não desejo marido. Todos os filhos de Adão são meus irmãos; considero pecado casar-me com parentes.

LEONATO — Filha, não te esqueças de minha recomendação: já sabes o que deves responder, no caso de te fazer o príncipe alguma proposição nesse sentido.

BEATRIZ — A culpa será exclusivamente da música, se não ficares noiva no tempo certo. Se o príncipe se mostrar importuno, dize-lhe que em todas as coisas há compasso: com isso, lhe darás uma resposta dançante. Acredita em minhas palavras, Hero: o noivado, o casamento e o arrependimento podem ser comparados a uma giga escocesa, um minueto e uma pavana. A primeira declaração é ardente e rápida como uma giga escocesa e igualmente caprichosa; o casamento é cortês e discreto como um minueto, vetusto e cerimonioso. Depois vem o arrependimento no passo de cinco da pavana, até acabar caindo na sepultura.

LEONATO — Sobrinha, tu vês as coisas com muita sagacidade.

BEATRIZ — Tenho muito boa vista, meu tio; distingo uma igreja em pleno dia.

LEONATO — Mano, os mascarados vêm chegando. Retiremo-nos.

(Entram Dom Pedro, Cláudio, Benedito, Baltasar, Dom João, Borracho, Margarida, Úrsula e outros, de máscaras.)

DOM PEDRO — Consentireis, senhorita, em dançar com um amigo?

HERO — Se andardes devagar, com aparência amistosa e se nada disserdes, estou à vossa disposição, principalmente para me afastar daqui.

DOM PEDRO — Tendo-me por companheiro?

HERO — Poderei dizer que sim, quando for do meu agrado.

DOM PEDRO — E quando será de vosso agrado falar-me desse jeito?

HERO — Quando eu me agradar de vossas feições, pois não queira Deus que o alaúde se pareça com o estojo.

DOM PEDRO — Minha máscara é como o teto de Filemão: dentro da choupana está Jove.

HERO — Se for assim, deveríeis ter a máscara coberta de colmo.

DOM PEDRO — Falai baixo, se falais de amor...

(Afastam-se.)

BALTASAR — Desejaria que gostásseis de mim.

MARGARIDA — Pois eu não; digo isso em vosso próprio interesse, por que sou dotada de péssimas qualidades.

BALTASAR — Por exemplo?

MARGARIDA — Digo as minhas orações em voz alta.

BALTASAR — Uma razão a mais para eu vos dedicar amor: os ouvintes poderão dizer “Amém!”

MARGARIDA — Deus me conceda um bom par para a dança!

BALTASAR — Amém!

MARGARIDA — E o ponha longe de minha vista, depois de terminada a contradança! Vamos, respondei logo, coroinha!

BALTASAR — Basta de palavras; o coroinha já obteve resposta.

(Afastam-se.)

ÚRSULA — Conheço-vos perfeitamente: sois o senhor Antônio.

ANTÔNIO — Dou-vos a minha palavra em como estais enganada.

ÚRSULA — Reconheço-vos pelo jeito de balançar a cabeça.

ANTÔNIO — Para vos dizer a verdade, eu o estou imitando.

ÚRSULA — Se não fosseis ele, não poderíeis imitá-lo tão horrivelmente bem. Sois ele mesmo! Sim, é dele essa mão mirrada que não pára em lugar nenhum! Sois ele mesmo!

ANTÔNIO — Dou-vos a minha palavra de honra em como não sou ele.

ÚRSULA — Ora, ora! Imaginais, então, que eu não vos reconheço pelo espírito vivaz? Poderá o mérito ficar muito tempo oculto? Vamos, confessai: sois ele mesmo. A graça acaba por aparecer; e com isto, basta.

(Afastam-se.)

BEATRIZ — Não podeis dizer-me quem vos contou tal coisa?

BENEDITO — Peço desculpas, mas é impossível.

BEATRIZ — E não me direis também como vos chamais?

BENEDITO — Agora não.

BEATRIZ — Que eu sou desdenhosa, que tiro o melhor do meu espírito das “Cem histórias alegres”... Já sei: quem vos disse isso foi o senhor Benedito.

BENEDITO — Quem é esse Benedito?

BEATRIZ — Tenho certeza de que o conheceis perfeitamente.

BENEDITO — Não o conheço, podeis crer-me.

BEATRIZ — Ele nunca vos faz rir?

BENEDITO — Mas, por obséquio: quem é ele?

BEATRIZ — Ora, o bobo do príncipe, um pobre-diabo sem graça nenhuma, que só sabe inventar calúnias absurdas. Só os libertinos é que o procuram, e, assim mesmo, não por seu espírito, mas por suas vilanias, porque ele distrai e irrita a um só tempo os ouvintes, que, depois, de rirem à sua custa, lhe dão pancada. Tenho certeza de que ele faz parte da frota; quisera que ele me tivesse abordado.

BENEDITO — Se eu chegar a conhecer esse cavalheiro, dir-lhe-ei vossa opinião a seu respeito.

BEATRIZ — Não deixeis de fazê-lo; ele não deixará passar a oportunidade para me atirar uma ou duas comparações, e, se se der o caso de ninguém reparar nelas ou de não provocarem o riso, o nosso homem se tornará melancólico, com o que será poupada uma asa de perdiz, porque o nosso truão ficará essa noite sem comer. (Música dentro.) Acompanhemos os guias.

BENEDITO — Em todas as coisas boas.

BEATRIZ — Sem dúvida, que, se tomarem a direção do mal, eu os deixarei na primeira volta. (Dança.)

(A seguir, saem todos, com exceção de Dom João, Borracho e Cláudio.)

DOM JOÃO — É certeza estar o meu irmão apaixonado de Hero; chamou o pai dela à parte, para pedi-la em casamento. Todas as damas a acompanharam; na sala só ficou um mascarado.

BORRACHO — É Cláudio; conheci-o pelo andar.

DOM JOÃO — Não sois o senhor Benedito?

CLÁUDIO — Conheceis-me bem; sou ele mesmo.

DOM JOÃO — Senhor, ocupais um alto posto na estima de meu irmão. Ele está apaixonado de Hero; procurai, vos peço, dissuadi-lo desse propósito, que ela é de nascimento inferior ao dele. Assim fazendo, procedereis como homem honesto.

CLÁUDIO — Como sabeis que ele lhe tem amor?

DOM JOÃO — Ouvi quando ele lhe jurava isso mesmo.

BORRACHO — Eu também ouvi; jurou que a desposaria esta noite.

DOM JOÃO — Vamos para o banquete.

(Saem Dom João e Borracho.)

CLÁUDIO — Para lhe responder fui Benedito, mas as ruins notícias foram ditas nos ouvidos de Cláudio. Sim, é certo: por conta própria fez a corte o príncipe. A amizade é constante em tudo, menos nos assuntos de amor. Os namorados usar devem, por isso, a língua própria, dos olhos se valendo nos negócios, sem recorrer a agentes, que a beleza é bruxa astuta que dispõe de filtros para mudar a lealdade em sangue. É fato comezinho que eu devia ter previsto. Por isso, Hero, até à vista.

(Torna a entrar Benedito.)

BENEDITO — É o Conde Cláudio?

CLÁUDIO — Ele mesmo.

BENEDITO — Vireis comigo?

CLÁUDIO — Para onde?

BENEDITO — Até ao próximo salgueiro, no vosso próprio interesse, conde. De que modo desejais usar a guirlanda? Em torno do pescoço, como cadeia de usuário, ou debaixo do braço, como faixa de tenente? De um jeito ou do outro, tereis de usá-la, que o príncipe já conquistou a vossa Hero.

CLÁUDIO — Desejo que seja feliz com ela.

BENEDITO — Que é isso? Até parece linguagem de boiadeiro! É desse jeito que se arrematam novilhos. Mas, em verdade, esperáveis que o príncipe vos tratasse dessa maneira?

CLÁUDIO — Deixai-me em paz, por obséquio.

BENEDITO — Oh! Estais fazendo como os cegos: o garoto vos roubou a comida e descarregais uma paulada no poste.

CLÁUDIO — Já que não saís, saio eu. (Sai.)

BENEDITO — Pobre ave ferida! Agora vai refugiar-se nos juncos. Mas é pena que a senhorita Beatriz me conheça tão bem e. ao mesmo tempo, tão mal! O truão do príncipe! Ah! É possível que eu tivesse adquirido esse título por ser de gênio alegre. Não, não! Estou sendo injusto comigo mesmo. Serei tido, realmente, nesse conceito? É a disposição maldosa de Beatriz que a leva a falar como porta-voz do mundo e a apresentar-me sob esse aspecto. Está bem; hei de vingar-me como puder.

(Torna a entrar Dom Pedro.)

DOM PEDRO — Sabeis, senhor, onde está o conde? Viste-lo por acaso?

BENEDITO — Em verdade, milorde, acabo de representar o papel da Fama. Neste momento acabei de encontrá-lo; estava tão melancólico como uma guarita numa tapada. Disse-lhe — e penso que lhe dizia a verdade — que Vossa Alteza havia captado as boas graças da jovem beldade e me ofereci para acompanhá-lo até ao salgueiro próximo e aí tecer-lhe uma guirlanda, por ter sido ele abandonado, ou para cortar-lhe um feixe de varas, por merecer umas vergastadas.

DOM PEDRO — Merecer umas vergastadas? E qual foi a sua falta?

BENEDITO — A falta desenxabida de um colegial que, transbordante de alegria por haver achado um ninho, o mostra ao seu camarada que acaba ficando com ele.

DOM PEDRO — Pretendeis fazer da confiança uma transgressão? Falta haveria, se houvesse havido roubo.

BENEDITO — Ainda assim, as varas e a guirlanda não teriam sido perdidas; a guirlanda poderia servir para ele próprio, que vos presentearia com as varas, por lhe terdes roubado o seu passarinho.

DOM PEDRO — Só queria ensinar o passarinho a cantar, para depois entregá-lo ao verdadeiro dono.

BENEDITO — Se o seu canto estiver de acordo com o que dizeis, por minha fé, falais honestamente.

DOM PEDRO — A senhorita Beatriz tem contas ajustar convosco; o seu companheiro de contradança disse que falastes muito mal dela.

BENEDITO — Oh! Eu é que suportei maus-tratos da parte dela, com a paciência de uma pedra insensível. Um carvalho de uma única folha verde lhe teria respondido; sim, minha própria máscara parecia animar-se para lhe dar a reprimenda merecida. Sem saber que estava falando comigo, disse-me que eu era o bufão do príncipe e mais enfadonho do que um grande degelo; desse jeito foi me atirando uma série de sarcasmos com tal habilidade que eu parecia preso a um poste, servindo de alvo para um exército. Sua fala é só punhais; cada palavra produz uma ferida. Se seu hálito fosse tão terrível, como as expressões de que ela se vale, ninguém ficaria com vida nas suas imediações; devastaria tudo, daqui ao pólo norte. Não a desposaria, ainda mesmo que como dote levasse tudo quanto Adão possuía antes do pecado. O próprio Hércules se veria obrigado a lhe virar o espeto do assado e a partir a clava em pedacinhos para alimentar o fogo. Vamos, não me faleis mais dessa pessoa, em que acabareis reconhecendo a infernal Ate com vestes graciosas. Prouvera a Deus que algum sábio a exorcizasse, pois, enquanto ela se encontrar neste mundo, é certeza poder a gente viver no inferno com tanta tranqüilidade, como nos lugares sagrados, pecando intencionalmente o povo tão-só com o fim de poder ir para lá; e tanto é verdade isso, que por toda parte a seguem a discórdia, o pavor e a inquietação.

(Tornam a entrar Cláudio, Beatriz, Hero e Leonato.)

DOM PEDRO — Ei-la que vem chegando!

BENEDITO — Não quererá Vossa Graça mandar-me ao fim do mundo com alguma incumbência? Pelo mais insignificante pretexto, estou disposto a ir até aos antípodas: sou capaz de vos trazer um palito do mais longínquo recanto da Ásia, ou a medida do pé do Prestes João, ou um fio da barba do Grã-Cão, ou ir, como embaixador, aos pigmeus, contanto que não troque três palavras com essa harpia. Não tendes nenhuma incumbência para mim?

DOM PEDRO — Nenhuma, senão desejar-vos boa companhia.

BENEDITO — Oh céus. um prato de que eu não gosto: não suporto a senhora Língua! (Sai.)

DOM PEDRO — Como estais vendo, senhorita, perdestes o coração do senhor Benedito.

BEATRIZ — É certo, milorde; ele mo emprestara por algum tempo e eu lho devolvi com juros: um coração duplo, no lugar do simples que eu havia recebido. Mas, antes disso, ele já mo havia ganho com dados falsos. Vossa Graça tem razão de dizer que o perdi.

DOM PEDRO — Vós o levastes ao chão, senhorita, vós o levastes ao chão!

BEATRIZ — Não quisera que ele houvesse feito a mesma coisa comigo, milorde, de medo de me tornar mãe de cretinos. Aqui vos trago o Conde Cláudio, que me havíeis mandado procurar.

DOM PEDRO — Como passais, conde? Por que estais tão triste?

CLÁUDIO — Não estou triste, milorde.

DOM PEDRO — Então estais doente?

CLÁUDIO — Também não, milorde.

BEATRIZ — O conde não está nem triste, nem doente, nem alegre, nem com saúde; está simplesmente um conde polido, polido como uma laranja de cuja cor ciumenta ele participa.

DOM PEDRO — De fato, senhorita, penso que a vossa interpretação heráldica é verdadeira, conquanto eu possa afiançar que a suspeita dele não tem base. Vê, Cláudio, fiz a corte em teu nome e obtive a mão da bela Hero. Falei com o pai dela, que deu o seu consentimento. Só falta marcares o dia das núpcias, e que Deus te faça feliz.

LEONATO — Conde, recebei minha filha, e, juntamente com ela, minha fortuna. Sua Graça promoveu essa união a que a Graça celeste diz Amém.

BEATRIZ — É a vossa deixa, conde! Dizei alguma coisa.

CLÁUDIO — O silêncio é o mais eloqüente arauto da alegria. Pequena seria a minha felicidade, se eu pudesse dizer quanto ela é grande. Senhorita, sou vosso, como sois minha; em troca de vós, dou-me a mim mesmo, exultando com a barganha.

BEATRIZ — Prima, dizei alguma coisa também; se o não puderdes, tapai-lhe a boca com um beijo, não permitindo que ele continue a falar.

DOM PEDRO — De fato, senhorita, possuís um coração alegre.

BEATRIZ — É certo, milorde; sou muito grata ao coitadinho, por saber ele manter-se sempre resguardado do vento das preocupações. Minha prima está dizendo ao ouvido do conde que ele se acha no coração dela.

CLÁUDIO — Foi isso mesmo que ela disse, prima.

BEATRIZ — Oh Deus bondoso, mais um casamento! Assim acaba acontecendo com todo o mundo, menos comigo, por ser desengonçada. Serei obrigada a ficar no meu canto, a chorar por um marido.

DOM PEDRO — Lady Beatriz, vou arranjar-vos um.

BEATRIZ — Seria bom que fosse algum da reserva de vosso pai. Não possui Vossa Graça nenhum irmão que se pareça convosco? Vosso pai gerou excelentes maridos para as felizardas a quem eles tocarem por sorte.

DOM PEDRO — Quereis-me por esposo, senhorita?

BEATRIZ — Não, milorde, a menos que dispuzesse de outro para os dias de serviço. Vossa Graça é por demais precioso para uso diário. Vossa Graça há de me perdoar, mas parece que eu nasci somente para dizer tolices.

DOM PEDRO — Vosso silêncio me desagradaria; essa alegria diz melhor com o vosso todo; decerto nascestes em uma hora alegre.

BEATRIZ — Não é assim, milorde; minha mãe chorou ao meu nascimento. Mas aconteceu que nessa hora dançou a estrela sob cuja influência eu vim ao mundo. Primos. Deus vos conceda alegria.

LEONATO — Não ireis cuidar, sobrinha, do que combinamos?

BEATRIZ — Perdão, tio. Com licença de Vossa Graça. (Sai.)

DOM PEDRO — Realmente, é uma menina de gênio folgazão.

LEONATO — É certo, milorde; em sua companhia não entra muito elemento melancólico. Só está triste quando dorme, e assim mesmo nem sempre, pois minha filha me disse que já aconteceu ter ela sonhado com coisas tristes e despertado às gargalhadas.

DOM PEDRO — Em casamento é que ela não quer ouvir falar.

LEONATO — De jeito nenhum; zomba de todos os pretendentes.

DOM PEDRO — Está boa para casar-se com Benedito.

LEONATO — Que dizeis, milorde? Depois de uma semana, cada qual deixaria louco o outro.

DOM PEDRO — Conde Cláudio, quando pensais em levar à igreja a noiva?

CLÁUDIO — Amanhã, milorde; o tempo andará de muletas enquanto o amor não completar seus ritos.

LEONATO — Não, Meu caro filho; não poderá ser antes da próxima segunda-feira, dentro de sete dias justos, o que, aliás, ainda é prazo muito exíguo para a realização de todos os meus projetos.

DOM PEDRO — Ora vamos! Estou vendo que abanais a cabeça à notícia de tão grande adiamento. Mas posso assegurar-te, Cláudio, que não vamos sentir tédio durante essa semana, pois nesse ínterim pretendo meter ombros a um dos trabalhos de Hércules, que irá consistir em deixar o senhor Benedito e a senhorita Beatriz debaixo de uma montanha de amor. O meu desejo é vê-los casados, não alimentando dúvidas de que conseguirei o intento, se vós três seguirdes as minhas indicações.

LEONATO — Estou ao vosso dispor, milorde, embora isso me viesse a custar dez noites de vigília.

CLÁUDIO — Eu também, milorde.

DOM PEDRO — E vós também, gentil Hero?

HERO — Na minha modéstia farei o possível para ajudar minha prima a arranjar um bom marido.

DOM PEDRO — Benedito não é dos menos cobiçáveis partidos do meu conhecimento. Em seu louvor posso ir ao ponto de dizer que é de nascimento nobre, valor comprovado e honestidade à toda a prova. Hei de dizer-vos como deveis tratar vossa prima, para que ela venha a se apaixonar de Benedito; por outro lado, manejaremos Benedito de tal modo, que, a despeito de seu espírito vivaz e de suas repugnâncias naturais, ficará apaixonado de Beatriz. Se conseguirmos isso, Cupido deixará de ser arqueiro; sua glória ficará sendo nossa, apenas, pois passaremos a ser as únicas divindades do amor. Vinde comigo, para ficardes sabendo do meu plano.

(Saem.)

voltar 1234avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal