Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Tucumã

Tucumã

PUBLICIDADE

 

Tucumã do amazonas

Nome científico: Astrocaryum aculeatum (sinonímia: Astrocaryum macrocarpum, A. tucumã)

Nome popular: Tucum, Tucumã-açú.

Família: Arecáceas (sinonímia: Palmas)

Nome comum: Tucumã, tucumã-do-amazonas.

Origem: Brasil – Amazônia brasileira

Parte utilizada: Fruto, espinho, casca

Tucumã
Tucumã

Descrição e característica da planta

Trata-se de uma palmeira amazônica, perene, de ocorrência natural nos estados do Amazonas, Pará, Acre, Rondônia e Mato Grosso.

Ela atinge até 20 metros de altura e 30 centímetros de diâmetro do seu tronco (estipe).

Em toda a sua parte aérea, principalmente onde estão as folhas, contém grande quantidade de espinhos negros e longos.

As folhas são longas, semelhantes as do coqueiro, e chegam a 5 metros de comprimento.

As flores são produzidas em inflorescências (cachos), eretas, longas e o pedicelo (porção que interliga o cacho ao tronco) é longo, podendo chegar 2 metros de comprimento. As inflorescências são emitidas entre as folhas (interfoliares).

Os frutos são globosos a alongados com 3,5 a 4,5 centímetros de diâmetro e contêm um bico na extremidade apical.

A casca dos frutos é lisa, dura e de coloração verde-amarelada, enquanto que a polpa (mesocarpo) é carnosa, fibrosa, oleosa, cor amarelada ou alaranjada, rica em vitamina A e sabor levemente adocicado.

O centro do fruto é ocupado por um caroço duro, preto, que é a semente.

As condições favoráveis ao seu desenvolvimento são: terra firme, não sujeita a inundação, pouco exigente em fertilidade do solo, pois ocorre normalmente em ambiente degradado com vegetação secundária e clima quente.

A propagação é feita por sementes.

Produção e produtividade

A planta produz grande quantidade de frutos durante o ano.

Utilidade

Os frutos são comestíveis ao natural e muito apreciados na região de sua ocorrência. São consumidos também na forma de sorvetes, sucos, licores e doces.

As folhas são usadas nos artesanatos, na obtenção de linhas com suas fibras, cestos e balaios.

A parte dura do centro dos frutos (endocarpo) é usada no preparo de anéis, brincos, pulseiras e colares.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Tucumã

Palmeira que chega a atingir de 10 a 15 metros de altura, tronco grosso, armado de espinhos longos de cor escura, finos e agudos.

Folhas compridas que apresentam em suas bordas numerosos espinhos pequenos. Inflorescência ereta entre as folhas.

Fruto fibroso, carnoso cobrindo a semente, redondo com endosperma branco, muito apreciado pela população e animais silvestres. Encontrado principalmente na área da terra firme, nos campos.

Propagação por sementes: A germinação demora até 2 anos.

Origem do nome: do Tupi tuku’mã: palmeiras cuja fibra, o tucum, se utiliza para fazer redes de dormir, de pescar e cordas.

Fruta

Tipo de fruta da região amazônica, encontrada em grandes cachos, protegidos por espinhos.

Tem forma arredondada, casca firme que só pode ser retirada com o uso de faca, polpa de cor alaranjada, bastante dura e muito fina, com o caroço desproporcionalmente grande.

Fruta muito nutritiva: 100 gramas de polpa equivalem a 52.000 unidades de vitamina A ou a dez frutas cítricas, vitamina C, fornecendo 247 calorias.

Dica para cultivo: “É possível fazer a semente germinar mais rápido. Quando os frutos estiverem maduros, ou já passados, retire a polpa, lave os caroços e coloque-os para secar na sombra por 1 – 2 semanas. Em seguida, quebre os caroços para retirar as sementes.

Antes de quebrar, balance os caroços para ouvir se as sementes estão soltas. Deixe as sementes de molho por 3 a 5 dias. Nesse caso, use água corrente ou troque a água diariamente para evitar que as sementes apodrecem.

Por último, basta plantar as sementes em um canteiro. A germinação pode começar em apenas 30 dias. Quando as mudas já estiverem com 4 a 5 folhas, já podem ser plantadas nos locais definitivos.”

O tucumã

O tucumã é nativo do Amazonas, sendo comum em regiões descampadas, com solos pobres e degradados.

Grande palmeira, estipe isolado, alcança de 10 a 15 metros de altura, sempre provida de espinhos longos e finos, dispostos na metade superior do tronco.

Folhas com bainhas dilatadas.

Flores reunidas em inflorescência do tipo cacho.

Produz um fruto, tipo drupa, oval de casca alaranjada. Polpa comestível, amarelada e oleosa.

É muito apreciado pelo caboclo local, acompanhado de farinha de mandioca.

A polpa tem um sabor que lembra o do damasco. Frutos extremamente ricos em vitamina A.

Frutificação de verão a outono.

Suas folhas, maceradas, fornecem uma fibra resistente utilizada no artesanato de malhadeiras e redes de dormir.

O fruto tem grande valor nutritivo, e pode ser consumido na forma de sorvetes, doces e compotas. Com a polpa, pode-se preparar o “vinho de tucumã”.

Fonte: www.thesaurus.eti.br/www.amazonsat.com.br

Tucumã

Tucumã
Tucumã

Grande palmeira, alcança de 10 a 15 metros de altura, sempre provida de espinhos longos, dispostos na metade superior do tronco.

Produz um fruto, cujo mesocarpo amarelado e oleoso é muito apreciado pelo caboclo local, acompanhado de farinha de mandioca.

Suas folhas, maceradas, fornecem uma fibra resistente utilizada no artesanato de malhadeiras e redes de dormir.

O fruto tem grande valor nutritivo, e pode ser consumido na forma de sorvetes, doces e compotas.

Com a polpa, pode-se preparar o “vinho de tucumã”.

Este tipo de tucumã é nativo do Amazonas, sendo comum em regiões descampadas, com solos pobres e degradados.

Conhecida popularmente como: Tucum ou tucumã-açú.

Grande palmeira, alcança de 10 a 15 metros de altura, sempre provida de espinhos longos, dispostos na metade superior do tronco.

Produz um fruto, cujo mesocarpo amarelado e oleoso é muito apreciado, acompanhado de farinha de mandioca. Suas folhas, maceradas, fornecem uma fibra resistente utilizada no artesanato de malhadeiras e redes de dormir.

O fruto tem grande valor nutritivo, e pode ser consumido na forma de sorvetes, doces e compotas. Com a polpa, pode-se preparar o “vinho de tucumã”.

Este tipo de tucumã é nativo do Amazonas, sendo comum em regiões descampadas, com solos pobres e degradados.

Fonte: www.casaecia.arq.br

Tucumã

O tucumã é uma fruta de palmeira natural da Amazônia. Tem sabor salgado e oleoso, de polpa laranja e fibrosa.

Em Manaus, a polpa da fruta é consumida in natura ou no recheio de tapiocas, sanduíche, comuns no café da manhã regional, e também em alguns pratos típicos da culinária local. Outros preferem saborear a fruta com sorvete, picolé ou patê.

Em outras regiões, o tucumã também é conhecido como: acaiúra, acuiuru, coqueiro-tucumã, tucum, tucumã-açu, tucumã-arara, tucum-açu, tucumaí-da-terra-firme, tucumãí-uaçu, tucumã-piririca, tucumã-purupuru e tucum-do-mato.

Tucumã
Tucumã

Os valores nutritivos da fruta

100 gramas de polpa equivalem a 52.000 unidades de vitamina A ou a dez frutas cítricas, vitamina C

247 calorias

Dicas

O caroço do tucumã pode ser usado como matéria-prima na produção de anéis, brincos, pulseiras e outras bijouterias.
O X Caboquinho é um sanduíche de pão com queijo coalho e tucumã, geralmente acompanhado de café com leite.
O iogurte natural é um ótimo substituto para o creme de leite em preparações culinárias. Contém menos gordura. Mas também não deve ser cozido.

Fonte: portalamazonia.locaweb.com.br

Tucumã

É o fruto da Palmeira do Tucumã (Astrocaryum tucumã Martius), sempre verde, é uma palmeira presente também na Amazônia central.

Tem um sabor especial para a UCE nata, geléias, doces e vinho.

É explorada ou cultivada por causa de seu palmito e frutos comestíveis e madeira utilizada para a arte artesanal.

Propriedades cosméticas

A manteiga de Tucumã é um excelente emoliente e apresenta alto poder de espalhabilidade, proporciona toque suave à pele. Cupuaçu é muito rico em vitaminas A, B1, B2, C e pectina, uma fibra natural importante.

É rico em Ômega-3, Ômega-6 e Ômega-9, comportando-se como um excelente hidratante e com alto conteúdo de ácidos graxos. Aplicação de produtos hidratantes para o corpo e cabelos.

Denominação Química: Astrocaryum tucuma Butter.

Obtenção

A Manteiga de Tucumã é obtida das sementes e polpa da fruta, utilizando um processo natural de extração de pressão à frio sem solventes ou substâncias químicas.

Este tem uma vantagem sobre técnica do solvente, na medida em que produz manteigas que são superiores em termos de estabilidade.

Tucumã
Tucumã

Tucumã
Tucumã

Composição de Ácidos Graxos:

Capoico – 0,40
Caprílico – 2,22
Cáprico – 2,11
Láurico – 51,42
Mirístico – 21,99
Palmítico – 5,76
Esteárico – 2,93
Oléico – 8,75
Linoléico – 4,17
Lignocérico máx – 0,25
Araquidônico – 0,14
Behénico – 1,4-1,9

Características Físico-Químicas

Aspecto: Graxa vegetal sólida.
Cor: 
Ligeiramente amarelada
Odor:
 Característico.
Índice Saponificação:
 187,50
Índice Refração:
1,459 (40ºC)
Índice de Iodo:
 43,40
Ponto de Solidificação: 
18,24
Ponto de Fusão:
 30ºC

Fonte: www.distrion.com.br

Tucumã

O tucumã é a fruta do tucumanzeiro, uma palmeira que atinge até 15 metros de altura e possui vários espinhos ao longo de seu tronco.

Os cachos do tucumanzeiro apresentam uma fruta com casca verde que, ao amadurecer, se torna amarelo-alaranjado.

Sua polpa, alaranjada, oleaginosa, e fibrosa, possui três vezes mais vitamina A que a cenoura.

A fruta tem uma semente recoberta por polpa branca.

Sua casca é verde quando a fruta ainda não está madura, passando para o laranja-amarelado depois que amadurece.

Tucumã
Tucumã

Com o tucumã se faz uma farinha amarelo-clara, parecida com a farinha de milho, usada no preparo de mingaus e do cuscuz nordestino.

Em Manaus, o tucumã é saboreado de forma inusitada: como recheio de sanduíches.

Uma das iguarias favoritas dos manauaras é o X-Caboclinho que, traduzindo, é um pão francês recheado com lascas de tucumã e queijo coalho derretido.

Por ser oleosa, a fruta casa muito bem com o pão francês.

Fonte: www.brasilsabor.com.br/www.horti.com.br

Tucumã

Fruto do tucumanzeiro, palmeira que chega a alcançar 10m de altura.

Essa palmeira produz cachos com numerosos frutos de formato ovóide, casca amarelo-esverdeada e polpa fibrosa, amarela, característica, que reveste o caroço.

Tucumã
Tucumã

Muitas outras frutas típicas do Pará enriquecem esta relação, embora não tenham consumo tão acentuado como as anteriormente citadas: uxi, umari e bacuri-pari.

Tantas outras têm incidência em todo o Brasil ou em apenas algumas regiões, não sendo exclusividade paraense: mangas, buriti, jenipapo, ingá, graviola, abricó, taperebá-do-sertão, goiaba, jaca, tamarindo, sapoti, carambola, mari-mari, abacaxi, biribá, etc.

Fonte: www.cdpara.pa.gov.br

Tucumã

Ocorrência – Pará, Piauí, Ceará, Mato Grosso, Goiás, Maranhão e Tocantins

Outros nomes – tucumã do pará, tucum bravo, tucum piutanga

Características – palmeira dom tronco múltiplo em número de 4 a 6, raramente, simples, chegando a 10 m de altura e 10 a 20 cm de diâmetro, cobertos por espinhos pretos com cerca de 20 cm de comprimento.

Tucumã
Tucumã

Folhas eretas com folíolos agrupadas irregularmente formando vários planos. Cacho não pendente, com cerca de 1560 sementes de cor laranja-amarelada quando maduros.

Habitat – floresta de terra firme e invasora de pastagens e áreas degradadas

Propagação – sementes

Utilidade – a madeira é empregada localmente para construções rurais. Os frutos são comestíveis e muito ricos em vitamina A. O palmito é comestível. As folhas são usadas na confecção de cordas e redes.

A amêndoa fornece óleo branco comestível e desse óleo se obtém sabão, cosméticos e medicamentos. Os frutos são muito apreciados pela fauna.

Florescimento – agosto a novembro

Frutificação – novembro a maio

Fonte: www.vivaterra.org.br

Tucumã

Tucumã
Tucumã

Descrição e habitat

A palmeira tucumã tem um tronco espinhoso característico e pode atingir 20 metros de altura e é comumente encontrada nas muitas zonas de terras baixas na Amazónia.

Ela cresce igualmente tanto em zonas secas como húmidas, desde as áreas que nunca são inundadas durante a estação das chuvas, assim como ao longo dos rios.

Ela tem entre seis e quinze folhas retas, que podem atingir seis metros de comprimento.

Os frutos, globulosos, têm 4-5 centímetros de diâmetro. Eles são amarelo-alaranjado ou verde amarelado e fornecem um óleo comestível.

Utilizações tradicionais

O caroço do fruto é envolvido por uma polpa muito fina que é muito apreciada para a preparação de certas especialidades culinárias. As fibras são extraídas das folhas e são utilizadas para a fabricação de redes, cestos, chapéus e outros utensílios úteis na Amazónia.

Utilizações atuais e princípios ativos

Um total de 25 óleos gordos foram identificados no óleo extraído da polpa. Ele contém quase 25,6% de ácidos gordos saturados e 74,4% de ácidos gordos insaturados, entre os quais os ácidos gordos steáricos, oleicos e linoleicos são os principais.

O teor de vitamina A chega às 50.000 u.i. por 100g de polpa, três vezes mais que a cenoura. Este teor elevado em provitamina A, principalmente dos carotenoides, confere-lhe uma capacidade antioxidante elevada.

O óleo de tucumã tem aplicações no tratamento da saúde da pele por conta da sua composição em ácidos gordos (nível elevado de ácidos gordos essenciais).

Ele entra em composições tais como cremes, loções, bálsamos, bases de maquilhagem, sabonetes. Ele confere brilho aos cabelos secos e estragados e age como um creme hidratante para a pele deixando-a muito macia.

O óleo tende a solidificar à temperatura ambiente, mas funde-se imediatamente em contato com a pele.

Tucumã cru

TACO – Tabela Brasileira de Composição de Alimentos

Tabela de valor Nutricional

Porção de 100 gramas:

% VD*
Valor energético 262.0kcal = 1100kj 13%
Carboidratos 26,5g 9%
Proteínas 2,1g 3%
Gorduras saturadas 4,7g 21%
Gorduras monoinsaturadas 9,7g
Gorduras poliinsaturadas 0,9g
Fibra alimentar 12,7g 51%
Fibras solúveis 0,1g
Cálcio 46,3mg 5%
Vitamina C 18,0mg 40%
Piridoxina B6 0,1mg 8%
Manganês 0,6mg 26%
Magnésio 121,0mg 47%
Lipídios 19,1g
Fósforo 52,6mg 8%
Ferro 0,6mg 4%
Potássio 401,2mg
Cobre 0,4ug 0%
Zinco 0,9mg 13%
Tiamina B1 0,0mg 0%
Sódio 3,9mg 0%

* % Valores diários com base em uma dieta de 2.000 Kcal ou 8.400kj. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades.

Fonte: www.emnomedaterra.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Superalimentos

Superalimentos

PUBLICIDADE Definição Os superalimentos aumentam a energia e a vitalidade, regulam o colesterol e a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+