Breaking News
Home / Arte / Belle Époque

Belle Époque

 

Belle Époque - Período

A Belle Époque foi um período de história da Europa Ocidental.

A época é convencionalmente datada do final da Guerra Franco-Prussiana em 1871 para a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914.

Ocorrendo durante a época da terceira república francesa (início 1870), foi um período caracterizado pelo otimismo, a paz regional, prosperidade econômica e, inovações Cultural, Científica e Tecnológica.

No clima do período, especialmente em Paris, as artes floresceram. Muitas obras-primas da literatura, música, teatro e artes visuais ganhou reconhecimento.

A Belle Époque foi nomeado, em retrospecto, quando começou a ser considerada uma "idade de ouro", em contraste com os horrores da Primeira Guerra Mundial.

A Belle Époque, - a Era bonita - é uma expressão, nascido depois da Primeira Guerra Mundial, criado para evocar o período que se estende desde as campanhas napoleónicas depois até o divisor de águas na Europa da Grande Guerra: os anos de 1890 a 1914.

O nome de Belle Époque engloba as realidades de expansão, as atitudes despreocupadas, a fé no progresso, e uma riqueza se espalhando para baixo através da sociedade, em conjunto com uma certa nostalgia.

Esta saudade era uma memória embelezando da realidade saindo do trauma da Primeira Guerra Mundial.

Belle Époque - Moda

Belle Époque
Belle Époque

A Belle Époque – bela época em francês – foi um período marcado por grandes bailes, festas, jantares em casas de campo, onde tudo era muito extravagante e os gastos eram enormes.

Não existia a preocupação com racionamentos, pelo contrário, tudo era muito exagerado. A cidade luz, ou seja, Paris, era a capital do luxo, sendo a grande estrela daquela época.

A moda refletia este ambiente de ostentação, afinal a moda é sempre um reflexo da sociedade, do comportamento, da cultura.

Torturantes e apertadíssimos espartilhos são os responsáveis pela silhueta que marcou esta época. O corpo visto de frente se assemelhava a uma ampulheta e de perfil um “s”. Quase como uma armadura, os espartilhos deixavam o corpo rígido na frente, levantando o busto e jogando os quadris pra trás. É importante ressaltar que a moda era ter uma cinturinha de pilão, de absurdos 40 cm de diâmetro.

As saias tinham formatos de sino, deslizando pelos quadris e abrindo em direção ao chão. Não se usava mais as anquinhas (espécie de armações, localizadas na altura do bumbum, que acentuavam o derriè), mas o volume das saias e seu formato de sino faziam com que o corpo ficasse bastante curvilíneo. Tudo era muito adornado por rendas, revelando muita feminilidade.

Belle Époque
Belle Époque

Durante o dia não se usava decotes. O corpo ficava escondido dos pés até as orelhas. Mãos eram cobertas por luvas. Usava-se botas para cobrir as canelas, e as golas dos vestidos ou blusas eram muito altas, com babados. Os cabelos ficavam presos no alto da cabeça e os chapéus eram quase sempre adornados com plumas. Era bastante comum também o uso de sombrinhas como acessório, e bolsas de delicadas dimensões. Também era comum usar leques para espantar o calor.

A noite, nos grandes bailes, os decotes apareciam. Os decotes eram extravagantes e os vestidos extremamente glamourosos. Luvas compridas podiam cobris os braços.

Curiosidade

Alguns autores afirmam que foi no ano de 1880 que o tailleur passou a fazer parte do guarda-roupa feminino. O responsável por isso foi o costureiro britânico radicado em Paris, John Redfern, que propôs ao guarda-roupa feminino um casaqueto acompanhado de saia longa e rodada.

A então princesa de Gales, Alexandra – rainha da Inglaterra de 1901 a 1925 – aderiu à proposta, popularizando o tailleur feminino.

Belle Époque
Princesa Alexandra, 1880

Os trajes masculinos aceitos para as ocasiões formais eram compostos de sobrecasaca, terno e cartola. Informalmente, os chapéus de palha eram muito populares. As calças tendiam a ser estreitas e curtas. Colarinhos de linho branco eram engomados e bastante altos, assim como as golas que as mulheres usavam.

Os jovens usavam as calças com bainhas viradas e vincos na frente. Barbas e bigodes bem cuidados era quase que uma obrigatoriedade.

Em 1980 a silhueta feminina começou a se tornar menos rígida. O busto já não era tão mais empurrado para frente o o quadril para trás. Os chapéus se tornaram maiores, sando a impressão que os quadris eram mais estreitos. Mas foi em 1910 que houve uma mudança fudamental na moda.

Houve um forte orientalismo, devido ao impacto do balé russo com a produção do balé de repertório Sherazade. As cores fortes e espalhafatosas foram adotadas pela sociedade e os corpetes rígidos e as saias de sino foram substituídos por suaves drapeados.

Curiosidade – As saias se tornaram mais afuniladas que impediam as mulheres de darem passos maiores que oito centímetros. Para que não dessem passos mais largos e acabassem por rasgar as saias, mulheres usavam uma espécie de liga que amarrava uma perna à outra!

A silhueta agora passa a ser um triângulo invertido, e as rendas substituídas por botões pregados em lugares inusitados. Em 1913 os vestidos deixam de ter golas que vão até as orelhas e o decote em V passa a ser usado no dia a dia. Muitos consideraram esta mudança como exibição indecente e os médicos consideraram um perigo à saúde. “Blusa pneumonia”, eles diziam, à pobre blusa com decote V.

Belle Époque - Definição

Belle Époque
Belle Époque

Costuma-se definir Belle Époque como um período de pouco mais de trinta anos que, iniciando-se por volta de 1880, prolonga-se até a Guerra de 1914.

Mas essa não é, logicamente, uma delimitação matemática: na verdade, Belle Époque é um estado de espírito, que se manifesta em dado momento na vida de determinado país.

No Brasil, a Belle Époque situa-se entre 1889, data da proclamação da República, e 1922, ano da realização da Semana da Arte Moderna em São Paulo, sendo precedida por um curto prelúdio – a década de 1880 – e prorrogada por uma fase de progressivo esvaziamento, que perdurou até 1925.

A França sempre presente

Seria impossível entender a Belle Époque brasileira fora de suas vinculações com a França. Na segunda metade do Século 19, cinco grandes exposições internacionais realizadas em Paris indicaram, aos pintores e escultores do mundo inteiro, a tendência estética mais em voga.

A primeira dessas exposições, a de 1855, foi o decisivo confronto entre os adeptos do neoclássico Dominique Ingres e do romântico Eugène Delacroix, com a vitória final destes últimos – e, portanto, do Romantismo.

Gustave Courbet, cujas obras tinham sido recusadas, ergueu, a pouca distância do recinto da mostra, seu próprio «Pavilhão do Realismo».

Doze anos depois, o recusado de 1855 tornava-se o herói do dia: a Exposição de 1867 representou a vitória de Courbet e do Realismo, além de mostrar à Europa os pre-rafaelitas ingleses.

Desta vez, o júri cortara Manet que, inconformado, também expôs em um pavilhão improvisado.

Belle Époque - Europa

Belle Époque
Belle Époque

Belle Époque foi o período que decorreu na Europa entre 1890 e 1914, ano em que começou a Primeira Guerra Mundial. A expressão Belle Époque, contudo, só surgiu depois do conflito armado para designar um período considerado de expansão e progresso, nomeadamente a nível intelectual e artístico. Nesta época surgiram inovações tecnológicas como o telefone, o telégrafo sem fio, o cinema, o automóvel e o avião, que originaram novos modos de vida e de pensamento, com repercussões práticas no quotidiano.

Foi uma fase de grande desenvolvimento na Europa, favorecida pela existência de um longo período de paz. Países como a Alemanha, o Império Austro-Húngaro, a França, a Itália e o Reino Unido aproveitaram para se desenvolver a nível económico e tecnológico.

Tratou-se de uma época de otimismo entre a população que passou a ter uma grande crença no futuro. Simultaneamente, os trabalhadores começaram a organizar sindicatos e partidos políticos, nomeadamente os socialistas.

Nas grandes cidades o ambiente mudou radicalmente, o que era visível nas principais avenidas, onde se multiplicavam os cafés, os cabarets, os ateliers, a galerias de arte e as salas de concertos, espaços frequentados pela média burguesia, que tinha cada vez mais posses. O núcleo da Belle Époque era Paris, na altura o centro cultural do mundo.

Durante a Belle Époque surgiram três correntes artísticas a nível da pintura, o fauvismo (Matisse foi o seu maior representante), o cubismo (onde se destacou Picasso) e o impressionismo (com Claude Monet como iniciador). A nível literário a época ficou marcada pelo surgimento de novos géneros, como os romances policiais e de ficção científica, onde se destacaram os heróis solitários, como Arsène Lupin ou Fantômas, que se mascaravam e usavam armas modernas e inovadoras.

Houve também grandes progressos a nível da química, da eletrónica e da siderurgia, assim como da medicina e da higiene, o que permitiu fazer baixar as taxas de mortalidade.

Uma das formas encontradas para celebrar todos estes progressos, foi a organização da Exposição Universal de Paris, que teve lugar em 1900, nos Campos Elísios e nas margens do rio Sena.

A Belle Époque terminou com o eclodir da Primeira Guerra Mundial, nomeadamente porque as notáveis invenções daquele período passaram a ser utilizadas como tecnologia de armamento.

Belle Époque
Belle Époque

Para a maioria dos europeus, a época entre 1871 e 1914 foi a Belle Époque. A ciência tinha tornado a vida mais cômoda e segura, o governo representativo tinha grande aceitação e se esperava confiantemente um progresso contínuo. As potências européias se orgulhavam dos seus avanços e, convencidas de que a história lhes tinha reservado uma missão civilizadora. Paris foi a principal capital européia que se glorificou com o estilo da belle époque, com exemplos que hoje se podem contemplar na Gare de Lyon e na ponte Alexandre III.

As mudanças realizadas entre os séculos XIX e XX, estimuladas, principalmente, pelo dinamismo da economia internacional, também afetou a sociedade brasileira significativamente. De meados dos anos de 1890 até a Grande Guerra, a orquestra econômica global gerou grande prosperidade no país.

O enriquecimento baseado no crescimento explosivo dos negócios formou o plano de fundo do que se tornou conhecido como “os belos tempos” (Belle Époque). No Brasil, a atmosfera do surto amplo de entusiasmo do capitalismo gerou uma sensação entre as elites de que o país havia se posto em harmonia com as forças da civilização e do progresso das nações modernas.

Fonte: www.abelard.org/www.democraciafashion.com.br/www.infopedia.pt

Check Also

Sistema Monetário Brasileiro

Um sistema monetário é qualquer coisa que é aceite como uma medida padrão de valor …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + catorze =