Breaking News
210-060 vce 70-412 vceMicrosoft Real Exam Questions - 100% Free VCE Files 700-501 vce 70-417 vce 200-125 exam Cisco CCENT/CCNA ICND1 100-105 exam Training 210-260 exam 300-075 exam 300-070 exam 200-105 exam 300-101 exam Pass CISCO 300-115 exam - test questions 200-310 exam SY0-401 exam 400-101 exam EX200 exam Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS EX300 exam 400-051 exam 200-355 exam 300-320 exam Download 3I0-012 exam PDF Questions Answers 070-463 exam 300-206 exam 640-916 exam Exam Ref 70-697 exam Configuring Windows 210-451 exam 1Y0-201 exam 070-346 exam 100% Pass Guarantee of Your 640-911 exam
Home / Arte / Mímica

Mímica

 

 

mímica não é a arte do silêncio, mas, sim, a dramaturgia do corpo.

É isto o que afirma Eduardo Tessari Coutinho, ator, pesquisador e professor do Departamento de Artes Cênicas (CAC) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

Docente da USP desde 1990, ele introduziu o ensino da mímica na graduação em Artes Cênicas e hoje desenvolve a pesquisa O texto corporal do ator em cena, sobre dramaturgia corporal, a partir dos princípios da mímica.

“Dramaturgia corporal é a escrita que o ator faz com seu próprio corpo em cena”, explica Coutinho, que argumenta que a voz faz parte do corpo, e que, por isso, a mímica não deve ser entendida apenas como a arte do silêncio.

Qualquer espetáculo, mesmo falado, pode contar com esse elemento combinado a tantos outros. A construção da cena depende da dramaturgia de cada ator, independentemente do estilo e estética do espetáculo.

É este o aspecto da mímica estudado por Coutinho: sua inserção no todo. “Na pesquisa não faço a dissociação entre texto e corpo. Isto é, a dramaturgia do ator puxa esses elementos. Há horas em que o que conta é o movimento, em outras é o que se fala, ou os próprios elementos da encenação”, conta ele.

A mímica e seus componentes sempre estiveram presentes na história do teatro. Coutinho explica que o mimo (o ator que se utiliza de técnicas da mímica) marcou épocas como a Antiguidade Greco-romana e a Idade Média.

E não necessariamente eles faziam um teatro mudo. Mas, sim, utilizavam o corpo para que todo o público aglomerado à sua volta entendesse o espetáculo, uma vez que não contavam com aparelhos sonoros que permitissem que as falas chegassem aos ouvidos de todos.

Na formação do ator, no entanto, a participação da mímica ainda é bastante questionada, segundo o professor. Ainda assim, diz ele, é possível perceber a presença da dramaturgia corporal na formação de alguns grupos e atores, embora ela seja pouco valorizada.

Bruna Romão

Fonte: www5.usp.br

Mímica

Para explicar o que é mímica primeiro temos que fazer uma diferenciação entre o conceito e o gênero teatral, conceito e o significado da palavra mímica, e o gênero teatral e a arte da mímica, forma de expressão artística.

Se olharmos no dicionário a palavra mímica significa linguagem sem palavras, se comunicar através de gestos, sinais e símbolos ou também pode se definir como imitação, copiar gestos, características ou movimentos de outro individuo, neste caso fazer uma imitação de algo “real” ou qualquer forma de comunicação sem a utilização de palavras se caracteriza como mímica.

E existe a mímica como forma de expressão artística, gênero teatral, que diferente do conceito original da palavra, define uma forma de arte dramática baseada nos movimentos ou gestos como principal forma de expressão (contar uma estória ou descrever uma situação) podendo também utilizar palavras, sons e/ou outros recursos desde que a ação principal seja baseada nos movimentos/expressão do artista. Mímica enquanto arte dramática pode ser Literal ou Abstrata.

Mímica

Mímica literal é quando o mímico descreve situações conta historias através de seus gestos/movimentos de forma narrativa criando situações ou ambientes para suportar a historia e encarna personagens diferentes, “mimicando” suas características (andar, postura, tamanho, etc.) e sempre basicamente “descrevendo” com seus gestos/movimentos ao expectador.

Mímica abstrata quando sua expressão necessariamente não segue uma “lógica racional” trabalhando sobre simbologias ou abstrações.

Um exemplo clássico

A ação de puxar uma corda através da mímica

Em uma cena de mímica literal o mais importante será o que se encontra no final da corda e em uma cena de mímica abstrata será o esforço ou a intenção de puxar algo dentro de um contexto.

Resumindo

Se a intenção do artista é demonstrar a ação de puxar uma corda, puxar algo, subir uma ladeira,
etc; será mímica literal.

Se a ação de puxar uma corda e utilizada para demonstrar sentimentos, processo de pensamento ou o esforço físico de quem esta puxando uma corda como metáfora ou simbologia será mímica abstrata.

Fonte: hospitalhacos.blogspot.com.br

Mímica

Mímica Corporal pode ser chamada da arte de movimento em lugar de arte de silêncio, ela compreende: técnica, conceito e um vasto repertório de peças e figuras.

A técnica é o estudo detalhado e sistemático do movimento produzido pelo corpo humano, promovendo uma pesquisa profunda da articulação no corpo e no espaço, conscientização do uso do peso, tensão/relaxamento muscular, níveis de energia e ampliação das capacidades expressivas, tendo como perspectiva formar um repertório corporal e dramático destinado à prática teatral.

O conceito é um convite à observação dos movimentos intercorporais e extracorporais de uma maneira nova e mais detalhada, estendendo o repertório de possibilidades e colocando o movimento como integrante na composição pessoal de cada intérprete.

“O mímico é um ator dilatado.”

Fonte: mimicas.com

Mímica

mímica é uma forma de expressão na qual são utilizados gestos, movimentos corporais e mudanças de fisionomia muito expressivos sem a utilização da fala e conseguindo expor ideias e situações. Sua história começa no teatro da antiga Grécia e se prolonga até os dias de hoje.

A mímica é utilizada como forma de diversão e como expressão artísticas pelos mímicos.

Como diversão existem diversas brincadeiras e jogos onde uma ou mais pessoas fazem mímica para que os outros descubram alguma ideia, palavra ou termo previamente escolhido.

História

Segundo os gregos, existia uma deusa que estava diretamente relacionada à mímica, a Polímnia. Sua manifestação vem daqueles tempos, sendo utilizado no Teatro de Dionísio, em Atenas. Ela continuou a se desenvolver durante o Império romano, mas com seu fim os teatros foram fechados e proibidos durante a Idade Média.

Foi com a Comedia Dell’arte que a mímica volta à tona. Como existiam diversos dialetos na Itália era difícil para os artistas conseguirem se apresentar e serem compreendidos. Por isso, no século XVI, eles começaram a utilizar a mímica a partir de uma concepção plástica do teatro.

Com personagens cômicos que também utilizavam diversas estratégias de palco como acrobacias, eles estavam por todas as partes sendo acessíveis à todas as classes sociais. Eles eram conhecidos como Zanni.

Os Zannis viajavam para diversos lugares por não terem a barreira do idioma e foram levando sua arte para o mundo, o que influenciou o desenvolvimento da mímica e também o cinema.

Tipos de mímica teatral

Existem dois tipos de mímica teatral: a literal, a abstrata e aquela que combina as duas.

A literal normalmente é usada na comédia e coloca um tema central de conflito com um personagem principal. Os espectadores tem clareza do que o ator está representando e da história.

A mímica abstrata é intuitiva, representa mais as sensações e sentimentos do personagem e não tem uma história clara ou explícita.

Fonte: www.fontedosaber.com

Mímica

Mímica Clássica e Pantomima

A pantomima é um gênero dentro da Arte da Mímica, tão popular que muitas vezes gera confusão e identificação com o conceito da Mímica. Foi predominante no século XIX e o francês Jean Gaspard Debureau foi a sua maior referência.

Na pantomima, o ator é silencioso, com rosto pintado de branco, luvas, executando ilusões no espaço, normalmente com caráter cômico. Mãos e rosto são os pontos centrais da expressão. Seu mais popular artista é Marcel Marceau.

Mímica Moderna

A Arte da Mímica sofreu grande desenvolvimento no século XX, com vários pesquisadores importantes, como Jacques Copeau, Etienne Decroux e Jean Louis Barrault. Pregava o mínimo de elementos em cena: palco vazio, corpo praticamente nu, o ator como foco central da criação.

A voz também poderia entrar em cena. A técnica corporal era metódica e meticulosa, com uso de isolamentos, escalas, decupagens, e elementos que lhe davam caráter extrema-mente plástico.

Decroux criou toda uma nova linguagem para composição de partituras de ações físicas, ao qual deu o nome de Mímica Corporal Dramática, onde predominam movimentos subjetivos, ligados a sentimentos e emoções. Normalmente os temas são dramáticos e não cômicos.

O rosto muitas vezes está coberto com um véu e a expressão é focada nos movimentos do tronco.

Mímica Contemporânea ou Teatro Físico

Síntese pós-moderna da mímica, engloba uma intersecção dinâmica das técnicas da Mímica, da Pantomima, da Mímica Corporal Dramática, da Mímica Vocal, do Circo, da Dança e do Teatro. Usa voz, música, cenários, efeitos especiais.

Tem grande caráter gestual e visual. Jacques Lecoq, Steven Berkoff, Jerzy Grotowski e Eugênio Barba são as maiores referências deste momento.

Mímica Total

A Mímica Total é um salto e mergulho nos conceitos do Teatro Físico, em união com pesquisas recentes das ciências cognitivas e da filosofia. É um aprofundamento na idéia do ato total, que integra pensamento, corpo e voz na figura do ator-performer.

Entende a mímica como ato de corporificação, que se manifesta tanto objetivamente (característico da Pantomima), como subjetivamente (Mímica Moderna), sem divisões entre razão e emoção. O corpo não é mais considerado um instrumento/máquina a serviço da mente, mas é o próprio pensamento.

É Total porque integra: os vários gêneros da mímica, criação e obra, corpo e voz, razão e emoção, mente e corpo, indivíduo e coletivo, visível e invisível. É Mímica porque é corporificação, é afirmação de um acontecimento, é ação, é criação, é afirmação da vida.

Trajetória da Mímica Total no Brasil

A Mímica Total ganhou visibilidade no Brasil em 2005 com a fundação do Estúdio Luis Louis – Centro de Pesquisa e Criação da Mímica Total do Brasil.

A inauguração deste espaço celebra um percurso de vinte anos de pesquisa de Louis, na área da Mímica e do Teatro Físico, que apresenta cinco anos de experiência no Reino Unido, passando por Londres na Desmond Jones School of Mime and Physical Theatre, na Ecole de Mime Corporel Dramatique , no Royal National Theatre e na The School of the Science of Acting, além de ter dirigido e atuado em vários teatros da Europa.

No Brasil a criação deste conceito contou com a parceria de uma extensa equipe de artistas-pesquisadores, acadêmicos, filósofos e estudiosos das ciências cognitivas.

E m 2007 o Estúdio Luis Louis foi reconhecido oficialmente pelo governo ao receber a premiação máxima do Ministério da Cultura com o prêmio de pesquisa para o teatro “Funarte Miriam Muniz” para o projeto “Manifesto da Mímica Total”.

Em 2008 este Centro de Pesquisa foi contemplado novamente, agora pela prefeitura de São Paulo, com a Lei de Fomento ao Teatro, para prosseguir com a pesquisa “A Dramaturgia da Mímica Total”. Neste espaço desenvolve-se a pesquisa do Laboratório de Pesquisa e Criação da Mímica Total, criação de espetáculos e performances, cursos, oferece assistência a grupos de teatro/dança/performance, organiza e produz material de pesquisa (livros, estudos registrados e vídeos), além de outras atividades relacionadas a essa área.

Em 2009 realizou-se o II Manifesto da Mímica Total do Brasil sediado pela segunda vez no Centro Cultural de São Paulo. Esta última edição se caracterizou pelo imenso sucesso de público e da crítica.

Em 2010 acontecerá o III Manifesto da Mímica Total do Brasil, evento este que se firma como ponto de encontro de pesquisadores do teatro, da dança e da performance.

Atualmente, o Centro de Pesquisa é uma referência desta pesquisa no Brasil e no exterior e recebe anualmente diversos artistas-pesquisadores de outros estados e paises.

A Mímica Total entende a mímica não somente como um gênero artístico, mas principalmente como um ato total, isto é, um ato de corporificação que afirma a potência da vida integrada no pensamento, no corpo e na voz.

É a totalidade deste conceito que direciona esta pesquisa e não a visão específica ou purista de um gênero ou estilo de arte, mas principalmente no fenômeno de tornar visível o invisível.

A Mímica Total é um rompimento radical com a forma de pensar o corpo como uma máquina compartimentada, dividida em mente, cérebro e corpo.

Ela entende o corpo como um organismo vivo integrado que interage diretamente com o meio ambiente, afetando e sendo afetado por ele. Nela o corpo não é mais considerado um instrumento do pensamento, mas o próprio pensamento. O Mímico Total não possui e controla um corpo, ele é o seu corpo.

Luis Louis

Fonte: www.cialuislouis.com.br

Mímica

A arte da mímica existe desde que o mundo tem seres humanos passeando sobre ele. A comunicação era, e ainda é em muitos casos, por gestos.

Mais tarde, quando os artistas tinham que viajar e ganhar dinheiro nas ruas de outros países mas não sabiam falar o idioma, usavam expressões físicas, gestos corporais, expressões faciais para comunicar.

Fonte: www.augustogomes.com.br

Check Also

Correspondência de Machado de Assis

Machado de Assis [1] A QUINTINO BOCAIÚVA [RJ 1862,163.] Meu amigo. / Vou publicar as …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + cinco =

1z0-574 dumps 700-039 exam 1Y0-401 examCitrix Real Exam Questions - 100% Free VCE Files 1Y0-201 pdf 200-355 pdf 1z0-047 pdf 70-496 exam Axis AX0-100 Practice Questions Provider 70-533 exam 810-403 exam 300-206 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+ 200-105 pdf 400-051 exam 300-370 70-646 exam 1z0-574 dumps 700-039 exam 1Y0-401 exam 200-105 dumps 100-105 dumps 300-135 dumps 210-060 pdf 400-251 dumps 200-105 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 300-135 dumps 210-060 pdf 400-251 dumps